Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica"

Transcrição

1 Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 125, DE 14 DE JUNHO DE O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos II e IV, da Constituição, tendo em vista o disposto no inciso IX e no 7 o do art. 1 o da Lei n o , de 15 de março de 2004, no 2 o do art. 2 o e no art. 4 o do Decreto n o 5.163, de 30 de julho de 2004, e considerando: o resultado dos testes de disponibilidade de geração térmica a gás natural nas Regiões Sudeste e Sul em 2006, atendendo à determinação de fiscalização da Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL, onde foi constatada pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS a indisponibilidade de efetiva geração de energia elétrica pelos agentes fiscalizados, de acordo com o Ofício n o 074/2007-SRG/ANEEL, de 7 de março de 2007; e a necessidade de adequação da garantia física definida na forma da Portaria MME n o 303, 18 de novembro de 2004, diante dos resultados dos testes supracitados e do Termo de Compromisso pactuado, entre a Petróleo Brasileiro S.A. - PETROBRAS e a Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL, em 4 de maio de 2007, aprovado pelo Despacho ANEEL n o 1354/2007, resolve: Art. 1 o Definir, nos termos do inciso IX e do 7 o do art. 1 o da Lei n o , de 15 de março de 2004, do 2 o do art. 2 o e do art. 4 o do Decreto n o 5.163, de 30 de julho de 2004, os valores da garantia física dos empreendimentos de geração conforme disposto no Anexo I desta Portaria. Parágrafo único. Os valores de garantia física e os parâmetros constantes dos Anexos I e II desta Portaria terão os seguintes efeitos, conforme o disposto no 1 o do art. 1 o da Portaria MME n o 313, de 21 de dezembro de 2006: I - compor o lastro para venda na celebração de Contratos de Comercialização de Energia Elétrica; e II - expressar os recursos energéticos disponíveis, considerados pelo ONS nas etapas de planejamento, programação e despacho da operação eletroenergética, nas atualizações da Curva de Aversão a Risco - CAR, bem como para a formação do Custo Marginal de Operação - CMO, do respectivo subsistema e formação do Preço de Liquidação de Diferenças - PLD. Art. 2 o Ficam mantidos os valores correspondentes à parcela da garantia física das Usinas Termelétricas do Anexo I desta Portaria que tenha sido objeto de Contratos de Comercialização de Energia no Ambiente Regulado - CCEAR decorrentes dos Leilões de Compra de Energia Proveniente de Novos Empreendimentos de Geração, bem como os valores dos parâmetros apresentados para a participação nos referidos Leilões. Art. 3 o Os valores de Custos Variáveis Unitários - CVU referentes à parcela de disponibilidade média resultante dos testes realizados pelo ONS conforme determinação da ANEEL, poderão ser atualizados pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - CA, a partir da data de publicação desta Portaria.

2 Portaria MME n o 125/ fl. 2 Art. 4 o Com a finalidade de garantir estabilidade regulatória, ficarão mantidos os valores de garantia física definidos no Anexo I desta Portaria, observado o disposto no parágrafo único do art. 1 o deste Ato, até a apresentação, pelos agentes proprietários das Usinas Termelétricas constantes no referido Anexo I, de novas quantidades de gás natural disponíveis para geração de energia elétrica. Art. 5 o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. NELSON JOSÉ HUBNER MOREIRA Este texto não substitui o publicado no D.O.U. de

3 Portaria MME n o 125/ fl. 3 ANEXO I 1º SEM 2º SEM 1º SEM 2º SEM 1º SEM 2º SEM 1º SEM 2º SEM 1º SEM 2º SEM Leilão (L) - 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 141,0 141,0 141,0 141,0 TC - L - T - 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 42,5 41,4 41,4 Leilão (L) 0,0 0,0 0,0 0,0 278,0 278,0 278,0 278,0 278,0 278,0 Teste (T) 25,5 25,5 25,5 25,9 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 0,0 0,0 0,0 135,9 0,0 10,5 12,4 10,2 8,5 8,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 182,3 180,4 178,9 178,9 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 178,3 178,2 349,5 345,4 345,4 0,0 0,0 0,0 Teste (T) 175,9 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 0,0 0,0 57,1 105,5 100,7 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 0,0 0,0 0,0 0,0 92,1 132,3 132,2 130,0 127,9 127,9 Leilão (L) 0,0 0,0 356,0 352,0 352,0 352,0 704,0 704,0 704,0 704,0 Teste (T) 408,9 409,3 53,0 47,0 62,0 61,5 0,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 0,0 0,0 0,0 0,0 39,3 471,1 222,6 215,4 209,9 209,9 0,0 200,0 200,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 0,0 0,0 0,0 701,9 687,2 673,9 674,9 668,0 453,6 453,6 Leilão (L) 0,0 0,0 0,0 0,0 127,0 127,0 127,0 127,0 127,0 127,0 Teste (T) 185,6 190,7 190,7 0,0 0,0 57,9 59,5 58,5 57,5 57,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Teste (T) 458,2 458,2 370,7 192,3 187,9 185,2 185,6 367,4 365,2 365,2 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 0,0 0,0 40,8 86,5 82,3 79,0 79,8 77,9 76,7 76,7 TC - L - T - 125,0 125,4 125,4 118,6 117,1 114,9 115,8 115,3 115,3 TC - L - T - 96,0 95,9 95,9 138,7 136,6 133,7 135,0 134,6 134,6 Leilão (L) - 0,0 0,0 0,0 65,5 64,7 141,0 141,7 141,0 141,0 TC - L - T - 0,0 0,0 72,8 93,0 89,3 39,1 39,9 39,4 39,4 TC - L - T - 0,0 0,0 121,3 234,7 229,3 222,8 224,3 222,3 222,3 Leilão (L) - 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 5,1 5,1 TC - L - T - 29,2 21,5 21,1 19,9 19,0 18,6 18,5 13,3 13,3 TC - L - T - 0,0 31,1 30,5 28,8 27,5 26,7 26,8 26,7 26,7 Leilão (L) - 0,0 0,0 0,0 84,0 84,0 84,0 84,0 84,0 84,0 TC - L - T - 0,0 83,5 81,7 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Obs.1: a garantia física está apresentada em três parcelas: Leilão(L) parcela referente à energia vendida em leilão; Teste(T) parcela referente ao teste de disponibilidade e TC-L-T parcela remanescente em relação ao total calculado com base na disponibilidade apresentada no Termo de Compromisso PETROBRAS- ANEEL. Obs.2: Para as usinas sem informação (marcadas com " - "), não houve modificação de garantia física

4 Portaria MME n o 125/ fl. 4 ANEXO II semestre Teste (T) 25,5 25,5 73,1 0,4 0,0 0,0 0,0 Teste (T) 409,3 409,3 666,4 0,6 0,0 0,0 64,6 Teste (T) 190,7 190,7 350,0 0,6 0,0 0,0 0,0 Teste (T) 458,2 458,2 484,5 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 125,0 125,0 138,0 1,0 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 96,0 96,0 185,9 0,5 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 29,2 29,2 31,0 1,0 0,0 0,0 0, semestre Teste (T) 25,5 25,5 73,1 0,4 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 87,7 57,1 200,0 0,5 0,0 0,1 0,0 Leilão (L) 356,0 356,0 369,6 1,0 0,0 0,0 35,9 Teste (T) 53,2 53,0 666,4 0,1 0,0 0,0 53,2 Teste (T) 190,7 190,7 350,0 0,6 0,0 0,0 0,0 Teste (T) 458,2 370,7 484,5 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 76,5 40,8 250,6 0,3 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 125,0 125,4 138,0 1,0 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 96,0 95,9 185,9 0,5 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 29,2 21,5 31,0 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 44,2 31,1 48,0 1,0 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 117,9 83,5 128,0 1,0 0,0 0,1 0,0

5 Portaria MME n o 125/ fl semestre Teste (T) 26,2 25,9 73,1 0,4 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 143,8 135,9 312,8 0,5 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 175,3 105,5 200,0 1,0 0,0 0,1 0,0 Leilão (L) 356,0 352,0 369,6 1,0 0,0 0,0 35,9 Teste (T) 53,2 47,0 666,4 0,1 0,0 0,0 53,2 TC - L - T 885,3 701,9 928,7 1,0 0,0 0,0 0,0 Teste (T) 230,0 192,3 484,5 0,5 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 153,0 86,5 250,6 0,7 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 125,0 125,4 138,0 1,0 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 96,0 95,9 185,9 0,5 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 108,8 72,8 223,0 0,5 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 142,5 121,3 367,9 0,4 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 29,2 21,1 31,0 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 44,2 30,5 48,0 1,0 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 117,9 81,7 128,0 1,0 0,0 0,1 0, semestre TC - L - T 175,3 100,7 200,0 1,0 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 160,0 92,1 272,0 0,7 0,0 0,1 0,0 Leilão (L) 356,0 352,0 369,6 1,0 0,0 0,0 35,9 Teste (T) 64,6 62,0 372,5 0,2 0,0 0,0 36,1 TC - L - T 51,0 39,3 293,9 0,2 0,0 0,0 28,5 TC - L - T 885,3 687,2 928,7 1,0 0,0 0,0 0,0 Teste (T) 230,0 187,9 484,5 0,5 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 153,0 82,3 250,6 0,7 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 125,0 118,6 138,0 1,0 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 150,0 138,7 185,9 0,9 0,0 0,0 0,0 Leilão (L) 68,1 65,5 69,3 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 146,3 93,0 153,7 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 285,1 234,7 367,9 0,8 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 29,2 19,9 31,0 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 44,2 28,8 48,0 1,0 0,0 0,1 0,0

6 Portaria MME n o 125/ fl semestre TC - L - T 22,0 10,5 73,1 0,3 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 260,9 178,3 386,1 0,7 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 238,5 132,3 272,0 1,0 0,0 0,1 0,0 Leilão (L) 356,0 352,0 369,6 1,0 0,0 0,0 35,9 Teste (T) 64,6 61,5 67,1 1,0 0,0 0,0 6,5 TC - L - T 577,3 471,1 599,3 1,0 0,0 0,0 58,1 TC - L - T 885,3 673,9 928,7 1,0 0,0 0,0 0,0 Teste (T) 63,7 57,9 217,6 0,3 0,0 0,0 0,0 Teste (T) 230,0 185,2 484,5 0,5 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 153,0 79,0 250,6 0,7 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 125,0 117,1 138,0 1,0 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 150,0 136,6 185,9 0,9 0,0 0,0 0,0 Leilão (L) 68,1 64,7 69,3 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 146,3 89,3 153,7 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 285,1 229,3 367,9 0,8 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 29,2 19,0 31,0 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 44,2 27,5 48,0 1,0 0,0 0,1 0, semestre Leilão (L) 141,9 141,0 148,1 1,0 0,0 0,0 59,3 TC - L - T 22,0 12,4 73,1 0,3 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 212,2 182,3 226,0 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 260,9 178,2 386,1 0,7 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 238,5 132,2 272,0 1,0 0,0 0,1 0,0 Leilão (L) 712,1 704,0 739,2 1,0 0,0 0,0 71,7 TC - L - T 285,9 222,6 296,8 1,0 0,0 0,0 28,8 TC - L - T 885,3 674,9 928,7 1,0 0,0 0,0 0,0 Teste (T) 63,7 59,5 217,6 0,3 0,0 0,0 0,0 Teste (T) 230,0 185,6 484,5 0,5 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 153,0 79,8 250,6 0,7 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 125,0 114,9 138,0 1,0 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 150,0 133,7 185,9 0,9 0,0 0,0 0,0 Leilão (L) 150,0 141,0 152,8 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 66,9 39,1 70,2 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 285,1 222,8 367,9 0,8 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 29,2 18,6 31,0 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 44,2 26,7 48,0 1,0 0,0 0,1 0,0

7 Portaria MME n o 125/ fl semestre Leilão (L) 141,9 141,0 148,1 1,0 0,0 0,0 59,3 TC - L - T 51,1 42,5 67,9 0,8 0,0 0,0 27,1 TC - L - T 22,0 10,2 73,1 0,3 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 212,2 180,4 226,0 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 521,7 349,5 572,1 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 238,5 130,0 272,0 1,0 0,0 0,1 0,0 Leilão (L) 712,1 704,0 739,2 1,0 0,0 0,0 71,7 TC - L - T 285,9 215,4 296,8 1,0 0,0 0,0 28,8 TC - L - T 885,3 668,0 928,7 1,0 0,0 0,0 0,0 Teste (T) 63,7 58,5 217,6 0,3 0,0 0,0 0,0 Teste (T) 458,2 367,4 484,5 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 153,0 77,9 250,6 0,7 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 125,0 115,8 138,0 1,0 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 150,0 135,0 185,9 0,9 0,0 0,0 0,0 Leilão (L) 150,0 141,7 152,8 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 66,9 39,9 70,2 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 285,1 224,3 367,9 0,8 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 29,2 18,5 31,0 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 44,2 26,8 48,0 1,0 0,0 0,1 0, semestre Leilão (L) 141,9 141,0 148,1 1,0 0,0 0,0 59,3 TC - L - T 51,1 41,4 67,9 0,8 0,0 0,0 27,1 TC - L - T 22,0 8,5 73,1 0,3 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 212,2 178,9 226,0 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 521,7 345,4 572,1 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 238,5 127,9 272,0 1,0 0,0 0,1 0,0 Leilão (L) 712,1 704,0 739,2 1,0 0,0 0,0 71,7 TC - L - T 285,9 209,9 296,8 1,0 0,0 0,0 28,8 Leilão (L) 260,5 200,0 275,5 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 627,3 453,6 653,2 1,0 0,0 0,0 0,0 Teste (T) 63,7 57,5 217,6 0,3 0,0 0,0 0,0 Teste (T) 458,2 365,2 484,5 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 153,0 76,7 250,6 0,7 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 125,0 115,3 138,0 1,0 0,0 0,1 0,0 TC - L - T 150,0 134,6 185,9 0,9 0,0 0,0 0,0 Leilão (L) 150,0 141,0 152,8 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 66,9 39,4 70,2 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 285,1 222,3 367,9 0,8 0,0 0,1 0,0 Leilão (L) 7,7 5,1 8,3 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 21,3 13,3 22,7 1,0 0,0 0,0 0,0 TC - L - T 44,2 26,7 48,0 1,0 0,0 0,1 0,0

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro PORTARIA N o 172, DE 10 DE MAIO DE 2016 O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos

Leia mais

NT 066/2006. C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc

NT 066/2006. C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc 2006/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 066/2006 C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc !" #$ "%&'" ( "#)*+,-+. -!++/+-0-$"%"*"1!/

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N 152, DE 3 DE ABRIL DE 2003 Altera a metodologia de cálculo das tarifas de uso dos sistemas de distribuição de energia elétrica, atendendo o disposto

Leia mais

Balanço Energético. Versão 1.0

Balanço Energético. Versão 1.0 ÍNDICE BALANÇO ENERGÉTICO 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento do Cálculo do 10 2.1. Cálculo do 10 2 Controle de Alterações Revisão Motivo da Revisão Instrumento

Leia mais

Em ambos os casos, o Custo Variável Unitário CVU é constituído de duas parcelas: custo do combustível; e demais custos variáveis, ou seja:

Em ambos os casos, o Custo Variável Unitário CVU é constituído de duas parcelas: custo do combustível; e demais custos variáveis, ou seja: 1. OBJETIVO A Portaria MME Nº 113, de 1º de fevereiro de 2011, deflagrou a promoção dos leilões de compra de energia elétrica proveniente de novos empreendimentos de geração (A-3/2011) bem como a contratação

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA.

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro www.ccee.org.br Nº 219 2ª semana de dezembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 2008/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT 038/2009 REVISÃO DA CURVA BIANUAL

Leia mais

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF BRAZIL WINDPOWER O&M 2015 Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2015 Dalmir Capetta Agenda Quadro Institucional Sistema de Medição para Faturamento

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº035/2010

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº035/2010 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº035/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CCEE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso

Leia mais

Renewable Energy Projects

Renewable Energy Projects Grid Connectivity for Renewable Energy Projects 2nd REFF Latin America 2009 28 de abril de 2009 Roberto Gomes Diretor ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Sumário Estrutura do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

INFORME TÉCNICO Data: 15/05/2009

INFORME TÉCNICO Data: 15/05/2009 1. OBJETIVO Este informe técnico visa fornecer subsídios para a operacionalização do art. 5º da Portaria MME nº. 46, de 9 de março de 2007, com a redação dada na Portaria nº 175, de 16 de abril de 2009,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.926, DE 28 DE JULHO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.926, DE 28 DE JULHO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.926, DE 28 DE JULHO DE 2015 Voto Aprova o Edital do Leilão nº 08/2015-ANEEL e seus Anexos, denominado 1º Leilão de Energia de Reserva

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Fórum CanalEnergia: Viabilidade de Investimentos em Fontes Alternativas Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Rodrigo Oliveira RJ, 25 de março de 2008 Características do Modelo Atual de Contratação

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro www.ccee.org.br Nº 215 2ª semana de novembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002 O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO Walfrido Avila - 06/2002 1 1 - CENÁRIOS DE EVOLUÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO CENÁRIO DE REFERÊNCIA (1) Critérios com base na Resolução

Leia mais

INSTRUMENTOS E PARÂMETROS DOS LEILÕES DE A-3 E A-5 DE Instrumentos e Parâmetros da Licitação

INSTRUMENTOS E PARÂMETROS DOS LEILÕES DE A-3 E A-5 DE Instrumentos e Parâmetros da Licitação INSTRUMENTOS E PARÂMETROS DOS LEILÕES DE A-3 E A-5 DE 2007 Instrumentos e Parâmetros da Licitação GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME/SPE ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO Ministério

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 21, DE 21 DE JANEIRO DE 2000.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 21, DE 21 DE JANEIRO DE 2000. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 21, DE 21 DE JANEIRO DE 2000. Estabelece os requisitos necessários à qualificação de centrais cogeradoras de energia e dá outras providências.

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro 15 de agosto de 2012 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Ministério de Minas e Energia e Agentes do Setor Elétrico.

VOTO. INTERESSADO: Ministério de Minas e Energia e Agentes do Setor Elétrico. VOTO PROCESSO: 48500.002827/2013-76. INTERESSADO: Ministério de Minas e Energia e Agentes do Setor Elétrico. RELATOR: Diretor Romeu Donizete Rufino. RESPONSÁVEL: Comissão Especial de Licitação - CEL e

Leia mais

Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE. O Papel da ANEEL. 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE. Eduardo Ellery Diretor

Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE. O Papel da ANEEL. 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE. Eduardo Ellery Diretor Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE O Papel da ANEEL 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE Eduardo Ellery Diretor Sumário O Papel da ANEEL I. Competências II. Características III. Relacionamento e participação

Leia mais

Caderno Algébrico. Reajuste da Receita de Venda de CCEAR. Versão ersãoerro! Fonte de referência não encontrada.

Caderno Algébrico. Reajuste da Receita de Venda de CCEAR. Versão ersãoerro! Fonte de referência não encontrada. Caderno Algébrico Reajuste da Receita de Venda de CCEAR Versão 2013.3.1 ersãoerro! Fonte de referência não encontrada. ÍNDICE 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas da atualização da Receita de Venda dos empreendimentos

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Excelentíssimo Senhor Presidente, Excelentíssimos Senhores Vereadores, A energia elétrica no Brasil é gerada predominantemente

Leia mais

Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais

Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais Seminário Internacional Desafios da Regulação do Setor Elétrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 12 de fevereiro de 2015 Universidade

Leia mais

TERMO DE CESSÃO AO CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO CCEAR Nº / - Produto / POR (QUANTIDADE ou DISPONIBILIDADE).

TERMO DE CESSÃO AO CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO CCEAR Nº / - Produto / POR (QUANTIDADE ou DISPONIBILIDADE). TERMO DE CESSÃO AO CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO Nº / - Produto / POR (QUANTIDADE ou DISPONIBILIDADE). Pelo presente instrumento contratual e na melhor forma de direito,

Leia mais

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições:

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 56, DE 6 DE ABRIL DE 2004. Estabelece procedimentos para acesso das centrais geradoras participantes do PROINFA, regulamentando o art.

Leia mais

Interface das Indústrias de Gás e Energia Elétrica

Interface das Indústrias de Gás e Energia Elétrica V Congresso Brasileiro de Regulação Associação Brasileira de Agências de Regulação - ABAR Interface das Indústrias de Gás e Energia Elétrica José Cesário Cecchi Superintendente de Comercialização e Movimentação

Leia mais

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração Operações do Mercado de Energia Evolução e Perspectiva Seminário FIEPE 11 de abril de 2013 Paulo Born Conselho de Administração Agenda Visão Geral do Mercado de Energia Governança e Ambientes de Comercialização

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER, OU DOCUMENTO EQUIVALENTE, SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

VOTO. INTERESSADOS: Central Energética Palmeiras S/A e Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE.

VOTO. INTERESSADOS: Central Energética Palmeiras S/A e Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE. VOTO PROCESSO: 48500.005161/2013-16 INTERESSADOS: Central Energética Palmeiras S/A e Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE. RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior. RESPONSÁVEL: Superintendência

Leia mais

Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 09 de Janeiro de MEMO nº 01/2017.

Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 09 de Janeiro de MEMO nº 01/2017. Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 09 de Janeiro de 2017. MEMO nº 01/2017. Assunto: DECRETO QUE ALTERA O DECRETO Nº 6.170 DE 5 DE JULHO DE 2007. Prezados (as) Senhores (as): Dispõe sobre as normas

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 258, DE 28 DE JULHO DE 2008. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

Eletrobrás CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE MOVIMENTAÇÕES 2006 CARVÃO MINERAL NACIONAL DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE

Eletrobrás CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE MOVIMENTAÇÕES 2006 CARVÃO MINERAL NACIONAL DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE Centrais Elétricas Brasileiras S/A DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE MOVIMENTAÇÕES 2006 CARVÃO MINERAL NACIONAL JANEIRO/2006 CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO TÍTULO

Leia mais

A Competitividade do Carvão Mineral Nacional na Produção de Energia Elétrica

A Competitividade do Carvão Mineral Nacional na Produção de Energia Elétrica A Competitividade do Carvão Mineral Nacional na Produção de Energia Elétrica Associação Brasileira do Carvão Mineral Rio de Janeiro 18 de maio de 2009 Agenda Motivação Balanço Energético SIN Matriz Energética

Leia mais

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES, PERMISSÕES E AUTORIZAÇÕES DE TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO SCT

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES, PERMISSÕES E AUTORIZAÇÕES DE TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO SCT FL. 1 de 4 VOTO PROCESSO: 48500.002341/2014-19 e 48500.002396/2014-29 INTERESSADO: Furnas Centrais Elétricas S.A. Furnas RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES,

Leia mais

21º Leilão de Energia Nova

21º Leilão de Energia Nova 1 21º Leilão de Energia Nova Realização: 30/04/2015 Categoria: A-5 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 17:30 do dia 29/04/2015)

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.041, DE 10 DE AGOSTO DE 2010

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.041, DE 10 DE AGOSTO DE 2010 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.041, DE 10 DE AGOSTO DE 2010 Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

Ministério de Minas e Energia. Gabinete do Ministro

Ministério de Minas e Energia. Gabinete do Ministro Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro PORTARIA N o 197, DE 1 o DE ABRIL DE 2011. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Aspectos jurídicos da contratação no âmbito da CCEE

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Aspectos jurídicos da contratação no âmbito da CCEE IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Aspectos jurídicos da contratação no âmbito da CCEE Solange David Gerente Jurídica, março de 2012 I - Introdução: Principais discussões legais existentes

Leia mais

FATO RELEVANTE CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS S/A CNPJ: / COMPANHIA ABERTA

FATO RELEVANTE CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS S/A CNPJ: / COMPANHIA ABERTA CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS S/A CNPJ: 00.001.180/0001-26 COMPANHIA ABERTA Centrais Elétricas Brasileiras S/A ( Companhia ou Eletrobras ) esclarece aos seus acionistas e ao mercado em geral que, conforme

Leia mais

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro 2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro Segundo a lei federal no. 10.848, esse novo modelo tem três objetivos principais: garantir a segurança no suprimento da energia elétrica, atingir a modicidade

Leia mais

Perfil Energia gerada

Perfil Energia gerada 1. Perfil A AES Tietê, uma das geradoras do grupo AES Brasil, é uma Companhia de capital aberto com ações listadas na BM&FBovespa e está autorizada a operar como concessionária de uso do bem público, na

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 25 03 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2.

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº. 25, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº. 25, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº. 25, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011 (Texto Compilado) Dispõe sobre transferência integral de curso e de instituição de ensino realizada por estudante financiado com

Leia mais

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN 7º SENOP Brasília, junho de 2016. 1 Ambiente Institucional 2 Ambiente Institucional

Leia mais

ANÁLISE REGULATÓRIA EXCELÊNCIA ENERGÉTICA

ANÁLISE REGULATÓRIA EXCELÊNCIA ENERGÉTICA HÁ RISCO DE RACIONAMENTO? O título desta análise é a pergunta mais frequente neste início de 2013, e o objetivo deste artigo é aprofundar a discussão em busca de uma resposta. Desde setembro de 2012 há

Leia mais

REVISÃO ORDINÁRIA DAS GARANTIAS FÍSICAS DAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Vítor F. Alves de Brito outubro/2014

REVISÃO ORDINÁRIA DAS GARANTIAS FÍSICAS DAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Vítor F. Alves de Brito outubro/2014 REVISÃO ORDINÁRIA DAS GARANTIAS FÍSICAS DAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA Vítor F. Alves de Brito outubro/2014 1 IMPACTOS DA GARANTIA FÍSICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO Art. 20, 3º, do Decreto nº 2.655,

Leia mais

Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico

Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico COMISSÃO METROFERROVIÁRIA GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA Associação Nacional de Transportes Públicos

Leia mais

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica 24 3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica Algumas características e mecanismos do mercado de energia elétrica brasileiro precisam ser compreendidos para realizar a análise proposta neste estudo. Especialmente,

Leia mais

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Painel 3 - INTEGRAÇÃO NO MERCOSUL Seminário Internacional de Integração Elétrica da América do Sul 7 de agosto de 2012 Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Sistema Interligado

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 12º Leilão de Energia Existente e Bandeira Tarifária

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 12º Leilão de Energia Existente e Bandeira Tarifária PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - 4ª Semana de Dezembro de 203 Dezembro (2.2.203 a 27.2.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 297,09 296,73 Pesada 294,9 294,9

Leia mais

Agenda CCEE /09/2014 2º Encontro Nacional de Consumidores Livres. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Agenda CCEE /09/2014 2º Encontro Nacional de Consumidores Livres. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Agenda CCEE 2015 29/09/2014 2º Encontro Nacional de Consumidores Livres Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Agenda CCEE e o mercado de energia elétrica Atuação em prol

Leia mais

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica Élbia Melo 10/02/2010 Agenda Visão Geral da CCEE e do Mercado de Energia Comercialização de Energia de Eólica PROINFA ACL ACR Energia

Leia mais

", em que: RWA CAM F EXP. Exp 1 CIRCULAR Nº 3.641, DE 4 DE MARÇO DE 2013

, em que: RWA CAM F EXP. Exp 1 CIRCULAR Nº 3.641, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.641, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Estabelece os procedimentos para o cálculo da parcela dos ativos ponderados pelo risco (RWA) referente às exposições em ouro, em moeda estrangeira e em ativos sujeitos

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012 Secretaria de Energia Elétrica SEE MODELO ATUAL DO SETOR ELÉTRICO PILARES SEGURANÇA ENERGÉTICA UNIVERSALIZAÇÃO

Leia mais

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES POR QUE PLANEJAR? Há necessidade de prever as possibilidades do amanhã para esboçar, com

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.336, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2001. Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL RESOLUÇÃO CONJUNTA N o 4, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014. Aprova o preço de referência para o compartilhamento de postes

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro PORTARIA N o 578, DE 31 DE OUTUBRO DE 2012. O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.048, DE 19 DE AGOSTO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.048, DE 19 DE AGOSTO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.048, DE 19 DE AGOSTO DE 2010. Nota Técnica nº 254/2010-SRE/ANEEL Relatório Voto Homologação das tarifas de fornecimento de energia

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 357

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 357 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 357 Dispõe sobre as Tabelas Tarifárias a serem aplicadas pela concessionária de distribuição de gás canalizado Gás Natural São Paulo Sul S.A. A Diretoria da ARSESP,

Leia mais

DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998

DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998 DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998 Regulamenta o Mercado Atacadista de Energia Elétrica, define as regras de organização do Operador Nacional do Sistema Elétrico, de que trata a Lei n o 9.648, de

Leia mais

Proposta de realização de um Workshop da ABRAGE para debater o Mecanismo de Formação de Preços de Curto Prazo

Proposta de realização de um Workshop da ABRAGE para debater o Mecanismo de Formação de Preços de Curto Prazo Proposta de realização de um Workshop da ABRAGE para debater o Mecanismo de Formação de Preços de Curto Prazo Brasília 14 de junho de 2007 Motivação Recentes questionamentos sobre a legitimidade e propriedade

Leia mais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais 6º Painel - Direito da Concorrência e a Regulação Setorial harmonização e discordâncias Visão da Comercialização de Energia

Leia mais

Energia Sustentável: Mudança de Paradigma

Energia Sustentável: Mudança de Paradigma Energia Sustentável: Mudança de Paradigma Eng. Cecilia Helena Negri de Magalhães CH Consultoria em Engenharia Ltda cecilia.helena@uol.com.br COPPE - 30/04/2014 Energia Sustentável Sustentável tudo aquilo

Leia mais

VENDA DE EXCEDENTES COMISSÃO METROFERROVIÁRIA - GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA. Marcia Baptista da Silva. São Paulo, 14 de setembro de 2010

VENDA DE EXCEDENTES COMISSÃO METROFERROVIÁRIA - GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA. Marcia Baptista da Silva. São Paulo, 14 de setembro de 2010 VENDA DE EXCEDENTES DE ENERGIA ELÉTRICA COMISSÃO METROFERROVIÁRIA - GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA Marcia Baptista da Silva São Paulo, 14 de setembro de 2010 COMISSÃO METROFERROVIÁRIA GRUPO DE TRABALHO DE

Leia mais

Energia faturada por classe de consumidores (em GWh)

Energia faturada por classe de consumidores (em GWh) 1 Perfil A AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S.A. ( Companhia ) é uma companhia de capital aberto, de direito privado, autorizada a operar como concessionária do Serviço Público de Distribuição de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N 22, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2001

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N 22, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2001 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N 22, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2001 Atualiza procedimentos, fórmulas e limites de repasse dos preços de compra de energia elétrica para as tarifas de fornecimento

Leia mais

MARÇO Tabela 01 - Geração média mensal por estado variação % relativo ao mês anterior.

MARÇO Tabela 01 - Geração média mensal por estado variação % relativo ao mês anterior. MARÇO 2016 Este boletim contém a geração mensal verificada, por estado, em MWmédio. Foram consideradas as usinas nas modalidades de operação tipo I, tipo II-A e os conjuntos de usinas individualizadas

Leia mais

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc REVISÃO 1 2003/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 156/2003 REVISÃO 1 P:\Meus documentos\nota Técnica\NT 156-2004 REVISÃO 1.doc !"# $%!#&'(# #$)*+,-+-)#-$&.',-+

Leia mais

órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária alcance do ato: federal - Brasil relacionamento(s):

órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária alcance do ato: federal - Brasil relacionamento(s): título: Resolução RDC nº 81, de 14 de abril de 2003 ementa: Dispõe sobre a obrigatoriedade de identificação do fabricante do produto palmito em conserva, litografada na parte lateral da tampa metálica

Leia mais

Tarifas CELPA. Audiência Pública CINDRA Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia

Tarifas CELPA. Audiência Pública CINDRA Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia Audiência Pública CINDRA Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia Tarifas CELPA Davi Antunes Lima Superintendente de Gestão Tarifária - ANEEL 22 de abril de 2015 Brasília

Leia mais

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades Maio / 2005 CCEE Papéis e Responsabilidades Sistema Elétrico Brasileiro (Interligado) Dimensões Continentais Sofisticado Sistema de Supervisão e Controle Integrado Capacidade Instalada (dez/03) Hidráulica:

Leia mais

Parágrafo 1º Para a apuração do limite estabelecido no caput define-se como:

Parágrafo 1º Para a apuração do limite estabelecido no caput define-se como: CIRCULAR Nº 2894 Documento normativo revogado pela Circular 3.367, de 12/09/2007. Estabelece procedimentos para o cálculo do limite de exposição em ouro e em ativos e passivos referenciados em variação

Leia mais

Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil. São Paulo, 29 de Setembro de 2016

Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil. São Paulo, 29 de Setembro de 2016 Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil São Paulo, 29 de Setembro de 2016 Aspectos institucionais e a expansão da transmissão Desafios conjunturais Desafios estruturais em São Paulo Aspectos

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Cemig Geração e Transmissão S.A. CEMIG-GT. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão SRT

VOTO. INTERESSADO: Cemig Geração e Transmissão S.A. CEMIG-GT. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão SRT VOTO PROCESSO: 48500.003437/2013-13 INTERESSADO: Cemig Geração e Transmissão S.A. CEMIG-GT. RELATOR: Diretor Edvaldo Alves de Santana. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão

Leia mais

Ano CLI Nº 249 Brasília DF, quarta-feira, 24 de dezembro de 2014 págs. 88 e 89 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

Ano CLI Nº 249 Brasília DF, quarta-feira, 24 de dezembro de 2014 págs. 88 e 89 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Ano CLI Nº 249 Brasília DF, quarta-feira, 24 de dezembro de 2014 págs. 88 e 89 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO Nº 69, DE 23 DE DEZEMBRO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 11 /2012

NOTA TÉCNICA 11 /2012 Proposta de Portaria que define os critérios para custeio das Unidades Básicas de Saúde Fluviais preexistentes ao Programa de Construção de Unidades Básicas de Saúde Fluviais (UBSF). Brasília, 04 de junho

Leia mais

Preços de Referência para a Mudança de Combustível Exercícios 2012

Preços de Referência para a Mudança de Combustível Exercícios 2012 1. PRELIMINAR A mudança de combustível de usinas termelétricas que já celebraram o Contrato de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado CCEAR será autorizada pelo Ministério de Minas e

Leia mais

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade. São Paulo SP 26 de maio de 2011

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade. São Paulo SP 26 de maio de 2011 Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade São Paulo SP 26 de maio de 2011 Missão da ANEEL Proporcionar condições favoráveis para que o mercado de energia elétrica

Leia mais

O etanol na matriz energética brasileira

O etanol na matriz energética brasileira O etanol na matriz energética brasileira Sergio Valdir Bajay Unicamp Luis Augusto Horta Nogueira Unifei Francisco José Rocha de Sousa consultor da Câmara Federal de Deputados, na área de energia Evolução

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 26, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 26, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 26, DE 2011 Autoriza o Estado do Rio de Janeiro a criar conta garantidora, com recursos de até R$ 200.000.000,00 (duzentos milhões de reais), para garantir

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 42, DE 1 o DE MARÇO DE 2007. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.1 Apurações da energia ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES 7. ANEXOS Revisão Motivo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001)

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) Página 1 de 5 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) O Conselho Nacional de Recursos Hídricos, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 9.433,

Leia mais

5.1 1 a Rodada de Licitações Sob o Regime de Partilha de Produção

5.1 1 a Rodada de Licitações Sob o Regime de Partilha de Produção 26ª Reunião Ordinária 25 de junho de 2013 5.1 1 a Rodada de Licitações Sob o Regime de Partilha de Produção Licitação da Área de Libra Regime de Partilha Resolução CNPE n o 4, de 22 de maio de 2013 Prospecto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 17, DE 12 DE AGOSTO DE 2016 Dispõe sobre a ocupação de vagas remanescentes do processo seletivo do Fundo de Financiamento Estudantil Fies referente ao segundo

Leia mais

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural João Carlos de Souza Meirelles Secretário Potência de Geração de Energia Elétrica Comparativo entre São Paulo e o Brasil Tipos de Geração Capacidade Instalada

Leia mais

Formação de Preço de Curto Prazo no Setor Elétrico Sua Relação com a Expansão da Geração. São Paulo, 21 de março de 2012

Formação de Preço de Curto Prazo no Setor Elétrico Sua Relação com a Expansão da Geração. São Paulo, 21 de março de 2012 Formação de Preço de Curto Prazo no Setor Elétrico Sua Relação com a Expansão da Geração São Paulo, 21 de março de 2012 Agenda Critério de Suprimento Papel do Preço de Curto Prazo Formação de Preço e Critério

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 2 05 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2. PLD

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF.

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF. VOTO PROCESSO: 48500.000349/2016-11 INTERESSADA: Tijoa Participações e Investimentos S.A. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF.

Leia mais

1) do termo final do período de apuração;

1) do termo final do período de apuração; RESOLUÇÃO NO 2.554, DE 17 DE AGOSTO DE 1994 (MG de 18 e ret. em 25) REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 2.880/97 Trata da atualização monetária dos créditos tributários do Estado, da cobrança de juros de mora,

Leia mais

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 52 - Outubro/Novembro 2012

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 52 - Outubro/Novembro 2012 Sumário...04 Expediente Conselho Deliberativo ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Luis Domenech Vice-Presidente: Aldo Guedes Conselheiros: Bruno Armbrust,

Leia mais

6 Expansão Energética: custos a longo prazo

6 Expansão Energética: custos a longo prazo 6 Expansão Energética: custos a longo prazo 6.1 Idéia Central Para garantir o suprimento, é necessário trazer investimentos, e o investidor precisa de garantias para a recuperação de seu capital. O Novo

Leia mais

PORTARIA Nº 1.062, DE 12 DE SETEMBRO DE 2016

PORTARIA Nº 1.062, DE 12 DE SETEMBRO DE 2016 PORTARIA Nº 1.062, DE 12 DE SETEMBRO DE 2016 Altera a Portaria nº 1.744, de 13 de novembro de 2014, publicada no Diário Oficial da União nº 221, Seção I, página 202, de 14 de novembro de 2014 que dispõe

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 445, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 445, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 ALTERADA PELA PORTARIA MMA Nº 98/2015, PORTARIA MMA Nº 163/2015. PORTARIA MMA Nº 163, DE 08 DE JUNHO DE PORTARIA MMA Nº 445, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 2015 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso

Leia mais

Panorama Geral do Setor Elétrico

Panorama Geral do Setor Elétrico 11º CONSTRUBUSINESS Congresso Brasileiro da Construção 2015 Panorama Geral do Setor Elétrico Ministro Eduardo Braga São Paulo, 09 de março de 2015 2 Condições Hidrológicas Desfavoráveis 29.909 21.438 22.413

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais