Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais"

Transcrição

1 Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais Seminário Internacional Desafios da Regulação do Setor Elétrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 12 de fevereiro de 2015 Universidade de Coimbra

2 SÍNTESE Capital Brasília Extensão territorial 8,5 milhões de km2 População total milhões habitantes Total do PIB 2013 U$2,07 trilhões (7º) PIB Per capita U$12,118 (75º) Acesso ao serviço de energia elétrica 99,6%

3 Estrutura Institucional do Setor Elétrico Políticas Congresso Nacional Presidência da República CNPE MME Regulação e Fiscalização AGÊNCIAS ESTADUAIS ANP/ANATEL/ANA Mercado CCEE G T D C ONS CONSELHOS DE CONSUMIDORES SENACON/MP/ PROCON SDE /SEAE/CADE CNRH/MMA Agentes Institucionais EPE Concessionárias CMSE BNDES/ outros bancos e FI

4 Competências da ANEEL REGULAÇÃO Onde necessária sob previsão legal FISCALIZAÇÃO Orientar e prevenir aplicar penalidades quando for indispensável MEDIAÇÃO Solução de conflitos Leilões de energia Leilões para novos empreendimentos (G e T) (*) Autorizações(*) Delegação do Poder Concedente (*) (*) Exercido pelo Governo Federal, por meio do MME, que responde pela segurança do abastecimento de energia elétrica

5 Atuação da ANEEL GOVERNO Interesses estratégicos Consumidores MEDIAÇÃO Modicidade tarifária Qualidade do serviço Garantia de direitos Leilões de energia Leilões para novos empreendimentos (G e T) (*) Autorizações(*) Equilíbrio Interesse Público Agentes Regulados Remuneração adequada Contratos honrados Regras claras

6 NOSSA MISSÃO:

7 Oferecer uma Tarifa justa Universalizar os serviços Estimular a competição leal Papel institucional Incentivar a sustentabilidade Conciliar os interesses Assegurar a qualidade

8 CONSUMIDORES O Setor Elétrico Brasileiro

9 Novas Centrais SIN Sistema Interligado Nacional Centros de Consumo

10 Contexto atual Geração Aumento de 44% da capacidade instalada nos últimos 10 anos. Uma média de MW/ano

11 Contexto atual Geração Capacidade instalada por fonte Fóssil

12 Contexto atual Transmissão Média de km de linhas concedidas por ano

13 Sistema de Transmissão

14 Sistema de Transmissão: desafios Interligação Tucuruí Macapá Manaus km em 500 kv 339 km em 230 kv Travessia sobre a floresta Torres de 90 m Travessia do rio Amazonas Torres de 295 m Vão de m

15 63 Concessionárias de Distribuição de energia elétrica - diversidade

16 CONSUMIDORES Evolução da situação recente do Setor Elétrico Brasileiro

17 Medida Provisória nº 579, de 11/9/12 CONSUMIDORES Cenário anterior diversas concessões vencendo de 2015 a % da geração 67% da transmissão Oportunidade para redução das tarifas MP 579/12 Antecipação da renovação das concessões Adesão parcial Adesão se deu de forma espontânea pelos agentes

18 Redução das tarifas CONSUMIDORES Antecipação da renovação das concessões Reestruturação dos encargos setoriais Extinção da Conta de Consumo de Combustíveis CCC Concessão de isenção às distribuidoras do pagamento da Reserva Geral de Reversão RGR. Aporte de recursos da União na CDE Redução média das tarifas em 20%.

19 Cenário verificado CONSUMIDORES Baixa Afluência Energia natural afluente - Brasil janeiros

20 Cenário verificado CONSUMIDORES Baixa Afluência Energia natural afluente

21 Cenário verificado Geração hidrelétrica abaixo da Garantia Física GSF Fator de ajuste de energia menor que 1

22 Cenário verificado CONSUMIDORES Despacho de todas as térmicas Aumento significativo da participação da geração termelétrica de energia

23 Cenário verificado CONSUMIDORES PLD praticamente no máximo

24 Cenário verificado CONSUMIDORES Distribuidoras expostas ao Mercado de Curto Prazo Adesão parcial na antecipação da renovação das concessões combinada Vencimento de parte dos contratos de energia velha Leilões esvaziados Aporte de recursos da União para minimizar efeitos da exposição 2013: R$ 11,1 bi (CVA, ESS, Exposição e Risco Hidrológico) 2014: R$ 11,8 bi (Previstos no orçamento da CDE)

25 Medidas adotadas CONTA ACR Tem como objetivo cobrir os custos das distribuidoras com a exposição involuntária no mercado de curto prazo, o despacho termelétrico vinculado aos CCEARs na modalidade por disponibilidade e o risco hidrológico em função da alocação das cotas.

26 Medidas adotadas CONTA ACR A gestão é de competência da CCEE, inclusive quanto à contratação de operações de crédito com Bancos Financiadores. A partir de 2015, o custo total das operações de crédito contratadas será amortizado em 24 meses, por meio do recolhimento de cotas anuais da CDE pagas por todas as concessionárias de distribuição, na proporção de seus mercados cativos, mediante encargo tarifário a ser incluído nas tarifas de energia elétrica. Os empréstimos contratados pela CCEE totalizam R$ 17,8 bilhões (valor histórico).

27 Medidas adotadas Bandeiras Tarifárias Sinal de preço conforme cenário hidrológico. Custo já está na conta de energia. São acionadas conforme o patamar do PLD mensal. Arrecadação maior quando as distribuidoras precisam e 2014 foram anos testes.

28 Medidas adotadas Bandeiras Tarifárias Bandeira Verde Amarela Vermelha Acionar CMO + ESS_SE* < <= CMO + ESS_SE <350 CMO + ESS_SE >= 350 R$/MWh Impacto aproximado na tarifa média residencial nacional 0% 4,1% 8,2% *CMO - Custo Marginal de Operação; ESS_SE - Encargo de Serviço de Sistema por Segurança Energética

29 Medidas adotadas Situação verificada CONSUMIDORES Alteração dos limites do PLD Carga 100% contratada sinais de preços defasados. Mercado regulado (75%) com reajuste anual. Bandeiras Tarifárias em 2015; Previsão tarifária da exposição involuntária das distribuidoras. Expansão da oferta baseada em leilões de energia nova (PLD Máximo não é uma variável fundamental). Despacho centralizado geradores têm pouca gestão no curto prazo. Boa parte das exposições são involuntárias.

30 Medidas adotadas CONSUMIDORES Alteração dos limites do PLD Limite máximo. Nova térmica relevante: Mario Lago (CVU de R$ 388/MWh); Limite mínimo Baseado no custo das hidrelétricas que renovaram suas concessões (R$ 30,26/MWh) CMO PLD anterior PLD Atual

31 Objetivo Atual CONSUMIDORES Sustentabilidade do Setor elétrico Busca do realismo tarifário União deixa de aportar recursos na CDE

32 Audiência Pública ANEEL nº 7/2015: obter subsídios à proposta de metodologia simplificada a ser aplicada na RTE Cenário Atual CONSUMIDORES Revisão Tarifária Extraordinária Pleitos das distribuidoras motivados por: custos com Exposição Involuntária ao MCP; risco hidrológico dos Contratos de Cota de Garantia Física CCGF; Encargo de Serviço do Sistema por Segurança Energética; aumento dos custos de compra de energia em função do reajuste da tarifa de Itaipu, do resultado do 14º Leilão de Energia Existente e do 18º Leilão de Ajuste; e aumento da Quota de CDE.

33 Cenário Atual Decreto 8.401, de 2015 CONSUMIDORES Aprimoramento do mecanismo das Bandeiras Tarifárias Estabelece a Conta Centralizadora dos Recursos das Bandeiras Tarifárias CCRBT Bandeiras tarifárias deverão considerar as variações dos custos de geração por fonte termelétrica e da exposição aos preços de liquidação no MCP que afetam os agentes de distribuição Audiência Pública ANEEL nº 6/2015 Regulamentação da CCRBT Adicional da bandeira amarela: R$ 25/MWh Adicional da bandeira vermelha: R$ 55/MWh

34 Cenário Atual CONSUMIDORES Cotas Alocação de cotas de energia de usinas cujas concessões vencem em 2015 cobertura da exposição das distribuidoras ao mercado de curto prazo proporção do tamanho do mercado de cada companhia

35 Cenário Atual CONSUMIDORES Uso Eficiente de Energia Oportunidade para se intensificar as ações de conscientização e os projetos relacionadas ao uso racional de energia.

36 Proporcionando condições favoráveis para que o mercado de energia elétrica se desenvolva com equilíbrio entre os agentes e em benefício da sociedade. Obrigado!

Energia em Foco Estratégias e Dasafios para o Futuro

Energia em Foco Estratégias e Dasafios para o Futuro Energia em Foco Estratégias e Dasafios para o Futuro Cenário e Perspectivas para o Setor Elétrico Brasileiro Romeu Rufino Diretor Geral da ANEEL 28.08.2015 Mantenedores: 1 FGV Energia Ciclo de palestras

Leia mais

Tarifas CELPA. Audiência Pública CINDRA Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia

Tarifas CELPA. Audiência Pública CINDRA Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia Audiência Pública CINDRA Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia Tarifas CELPA Davi Antunes Lima Superintendente de Gestão Tarifária - ANEEL 22 de abril de 2015 Brasília

Leia mais

Capítulo: 3 Fundamentos do Processo Tarifário do Setor Elétrico Brasileiro

Capítulo: 3 Fundamentos do Processo Tarifário do Setor Elétrico Brasileiro Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Capítulo: 3 Fundamentos do Processo Tarifário do Setor Elétrico Brasileiro Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila Curitiba-Brasil,

Leia mais

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração Operações do Mercado de Energia Evolução e Perspectiva Seminário FIEPE 11 de abril de 2013 Paulo Born Conselho de Administração Agenda Visão Geral do Mercado de Energia Governança e Ambientes de Comercialização

Leia mais

Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE. O Papel da ANEEL. 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE. Eduardo Ellery Diretor

Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE. O Papel da ANEEL. 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE. Eduardo Ellery Diretor Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE O Papel da ANEEL 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE Eduardo Ellery Diretor Sumário O Papel da ANEEL I. Competências II. Características III. Relacionamento e participação

Leia mais

A Política de Tarifas Setor de Energia Elétrica

A Política de Tarifas Setor de Energia Elétrica A Política de Tarifas Setor de Energia Elétrica André Pepitone da Nóbrega Diretor-Ouvidor 27 de novembro de 2015 Vitória - ES Composição da tarifa de energia Mercado Regulado Tarifa Final de Energia Elétrica

Leia mais

Os Contratos e o Papel do Órgão Regulador

Os Contratos e o Papel do Órgão Regulador Federação das Indústrias do Estado de São Paulo FIESP 5º Encontro de Negócios de Energia Os Contratos e o Papel do Órgão Regulador 10 de agosto de 2004 São Paulo SP José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral

Leia mais

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade. São Paulo SP 26 de maio de 2011

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade. São Paulo SP 26 de maio de 2011 Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade São Paulo SP 26 de maio de 2011 Missão da ANEEL Proporcionar condições favoráveis para que o mercado de energia elétrica

Leia mais

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro 2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro Segundo a lei federal no. 10.848, esse novo modelo tem três objetivos principais: garantir a segurança no suprimento da energia elétrica, atingir a modicidade

Leia mais

Energia Natural Afluente Chuvas

Energia Natural Afluente Chuvas A estimativa de afluência (chuvas) para ao mês de março continua com vazões abaixo da média histórica (MLT) em todo o país. O índice de Energia Natural Afluente ENA esperado para o Sudeste/Centro-Oeste

Leia mais

BANDEIRAS TARIFÁRIAS. Superintendência de Gestão Tarifária SGT/ANEEL

BANDEIRAS TARIFÁRIAS. Superintendência de Gestão Tarifária SGT/ANEEL Superintendência de Gestão Tarifária SGT/ANEEL Brasília, 09 de abril de 2015 SINAL ECONÔMICO DA TE INÍCIO DOS ESTUDOS DAS BANDEIRAS TARIFÁRIAS: AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 120/2010: Aperfeiçoamento da Estrutura

Leia mais

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002 O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO Walfrido Avila - 06/2002 1 1 - CENÁRIOS DE EVOLUÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO CENÁRIO DE REFERÊNCIA (1) Critérios com base na Resolução

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%.

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%. O InfoMercado mensal apresenta os dados da prévia de medição de fevereiro/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em janeiro/15. Este boletim traz um

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2016 SENADO FEDERAL

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2016 SENADO FEDERAL PRESTAÇÃO DE CONTAS 2016 SENADO FEDERAL Prestação de Contas ANEEL Comissão de Infraestrutura do Senado Federação (CI) 2016 Brasília - DF 15 de junho de 2016 Diretoria Colegiada da ANEEL ESTRUTURA INSTITUCIONAL

Leia mais

NOVA REGULAÇÃO PARA GERENCIAMENTO DAS PERDAS DE ENERGIA. Rio de Janeiro,25 de setembro 2006

NOVA REGULAÇÃO PARA GERENCIAMENTO DAS PERDAS DE ENERGIA. Rio de Janeiro,25 de setembro 2006 NOVA REGULAÇÃO PARA GERENCIAMENTO DAS PERDAS DE ENERGIA Metering Latin America 2006 Rio de Janeiro,25 de setembro 2006 Ricardo Vidinich Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade OBJETIVO

Leia mais

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015 Visão Geral das Operações na CCEE Junho/2015 1. Visão do Sistema Elétrico 2. Modelo Institucional 3. Comercialização de Energia do SIN 4. Principais Regras de Comercialização 1. Visão do Sistema Elétrico

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro 15 de agosto de 2012 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

Energia faturada por classe de consumidores (em GWh)

Energia faturada por classe de consumidores (em GWh) 1 Perfil A AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S.A. ( Companhia ) é uma companhia de capital aberto, de direito privado, autorizada a operar como concessionária do Serviço Público de Distribuição de

Leia mais

O PLD da 5ª semana de Novembro foi republicado devido a um erro de entrada de dado no Modelo:

O PLD da 5ª semana de Novembro foi republicado devido a um erro de entrada de dado no Modelo: 02 2 3 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Dezembro de 203 Dezembro (30..203 a 06.2.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 309,49 309,33 Pesada 33,8

Leia mais

III Seminário Internacional Desafios da Regulação no Setor Elétrico

III Seminário Internacional Desafios da Regulação no Setor Elétrico III Seminário Internacional Desafios da Regulação no Setor Elétrico Regulação da Distribuição em Portugal e no Brasil Principais Riscos Regulatórios João Aguiar Presidente Compra de energia para venda

Leia mais

3º Ciclo Revisões Tarifárias Periódicas

3º Ciclo Revisões Tarifárias Periódicas 8 02 3 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 4ª Semana de Fevereiro de 203 Fevereiro (6.02.203 a 22.02.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 87,88 93,57 Pesada 27,60 27,60

Leia mais

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Aspectos jurídicos da contratação no âmbito da CCEE

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Aspectos jurídicos da contratação no âmbito da CCEE IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Aspectos jurídicos da contratação no âmbito da CCEE Solange David Gerente Jurídica, março de 2012 I - Introdução: Principais discussões legais existentes

Leia mais

Panorama do Setor Elétrico Brasileiro. Adriano Pires Janeiro/2015

Panorama do Setor Elétrico Brasileiro. Adriano Pires Janeiro/2015 Panorama do Setor Elétrico Brasileiro Adriano Pires Janeiro/2015 1 Índice Contextualização e Perspectivas para o Setor Elétrico: Mudança no perfil do setor elétrico Questão regulatória (MP 579) Momento

Leia mais

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas.

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas. XX Simpósio Jurídico da ABCE Os 10 anos da Lei 10.848/2004, reflexões e perspectivas. São Paulo Outubro de 2014 Ricardo Brandão Procurador-Geral da ANEEL Marcos normativos antecedentes à Lei 10.848/2004

Leia mais

Cemig Pensar pra frente. Fazer pro mundo. Classificação: Reservado

Cemig Pensar pra frente. Fazer pro mundo. Classificação: Reservado Cemig Pensar pra frente. Fazer pro mundo. Classificação: Reservado Classificação: Reservado Segurança Jurídica das Normas Regulatórias no Setor Elétrico Maria Celeste Morais Guimarães Classificação: Reservada

Leia mais

Associados da Abraceel

Associados da Abraceel Paulo Pedrosa Brasília, 21 de maio de 2009 Associados da Abraceel Tratamento das concessões vencidas Decisão de alocação do crédito / direito / valor acumulado Conjunto original de beneficiados (consumidores)

Leia mais

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Painel 3 - INTEGRAÇÃO NO MERCOSUL Seminário Internacional de Integração Elétrica da América do Sul 7 de agosto de 2012 Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Sistema Interligado

Leia mais

O Papel da ANEEL no Abastecimento de Energia Elétrica

O Papel da ANEEL no Abastecimento de Energia Elétrica ABINEE TEC 2003 O Papel da ANEEL no Abastecimento de Energia Elétrica 7 de outubro de 2003 São Paulo SP José Mário Miranda Abdo Diretor Geral O papel da ANEEL no abastecimento de energia elétrica Papéis

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N 152, DE 3 DE ABRIL DE 2003 Altera a metodologia de cálculo das tarifas de uso dos sistemas de distribuição de energia elétrica, atendendo o disposto

Leia mais

XXXII ENCONSEL Visão do Órgão Regulador sobre a Concessão

XXXII ENCONSEL Visão do Órgão Regulador sobre a Concessão XXXII ENCONSEL Visão do Órgão Regulador sobre a Concessão Aspectos Institucionais Autonomia Transparência Participação pública Decisões técnicas amparadas por análise de impacto Última instância administrativa

Leia mais

Energia Sustentável: Mudança de Paradigma

Energia Sustentável: Mudança de Paradigma Energia Sustentável: Mudança de Paradigma Eng. Cecilia Helena Negri de Magalhães CH Consultoria em Engenharia Ltda cecilia.helena@uol.com.br COPPE - 30/04/2014 Energia Sustentável Sustentável tudo aquilo

Leia mais

Renewable Energy Projects

Renewable Energy Projects Grid Connectivity for Renewable Energy Projects 2nd REFF Latin America 2009 28 de abril de 2009 Roberto Gomes Diretor ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Sumário Estrutura do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Seminário Autoprodução de Energia Elétrica na Ponta Impactos e Perspectivas 8 de agosto de 2012 Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Leia mais

Agenda Positiva do Mercado Livre de Energia 14º Encontro Internacional de Energia - FIESP 5 de agosto de Ricardo Lima Conselho de Administração

Agenda Positiva do Mercado Livre de Energia 14º Encontro Internacional de Energia - FIESP 5 de agosto de Ricardo Lima Conselho de Administração Agenda Positiva do Mercado Livre de Energia 14º Encontro Internacional de Energia - FIESP 5 de agosto de 2013 Ricardo Lima Conselho de Administração Agenda Visão geral de mercado Dados de Comercialização

Leia mais

Operação ACR Financiamento. Reunião de Interação com Agentes. 16 de abril de 2014

Operação ACR Financiamento. Reunião de Interação com Agentes. 16 de abril de 2014 Operação ACR Financiamento Reunião de Interação com Agentes 16 de abril de 2014 SUMÁRIO 1. Operação ACR e objetivos 2. Pilares da operação 3. Legalidade e conformidade jurídica 4. Competência da CCEE 5.

Leia mais

FÓRUM LATINO- AMERICANO DE SMART GRID RICARDO SAVOIA

FÓRUM LATINO- AMERICANO DE SMART GRID RICARDO SAVOIA FÓRUM LATINO- AMERICANO DE SMART GRID RICARDO SAVOIA THYMOS ENERGIA www.thymosenergia.com.br 1 AGENDA EFEITOS DA LEI 12.783/2013 EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DE ENERGIA NO BRASIL E IMPACTOS DO 3º. CICLO E REAJUSTES

Leia mais

Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação. Luiz Fernando Leone Vianna

Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação. Luiz Fernando Leone Vianna Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação Luiz Fernando Leone Vianna 04.07.2013 A APINE 60 associados Geradores privados e concessionárias

Leia mais

O NOVO MARCO REGULATÓRIO DO SETOR ELÉTRICO

O NOVO MARCO REGULATÓRIO DO SETOR ELÉTRICO O NOVO MARCO REGULATÓRIO DO SETOR ELÉTRICO Marcos Juruena Villela Souto AS CARACTERÍSTICAS DO SETOR ELÉTRICO NO BRASIL ATÉ OS ANOS 90 Matriz hidrelétrica Forte presença do Estado no setor, como agente

Leia mais

MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA 1

MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA 1 MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA 1 2 MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA SUMÁRIO 1. Organização 2. Como está estruturado o mercado de energia elétrica? 3. Quais são as

Leia mais

Painel 2: Análise do comportamento dos preços da energia no cenário de escassez Mercado SPOT e contratos futuros no mercado livre.

Painel 2: Análise do comportamento dos preços da energia no cenário de escassez Mercado SPOT e contratos futuros no mercado livre. Painel 2: Análise do comportamento dos preços da energia no cenário de escassez Mercado SPOT e contratos futuros no mercado livre Paulo Pedrosa Empr esa Comer ci al i zador a E C E de En er gi a El ét

Leia mais

Santander VII Conferência Setor Elétrico Brasil Wilson Ferreira Jr CEO

Santander VII Conferência Setor Elétrico Brasil Wilson Ferreira Jr CEO Santander VII Conferência Setor Elétrico Brasil Wilson Ferreira Jr CEO Fevereiro São Paulo, 2016 07 de março de 2012 1 Temas para discussão 1 2 3 4 5 6 7 Panorama 2015-2016 Repactuação do risco hidrológico

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Excelentíssimo Senhor Presidente, Excelentíssimos Senhores Vereadores, A energia elétrica no Brasil é gerada predominantemente

Leia mais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais 6º Painel - Direito da Concorrência e a Regulação Setorial harmonização e discordâncias Visão da Comercialização de Energia

Leia mais

A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil. Ivan Camargo Assessor da Diretoria

A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil. Ivan Camargo Assessor da Diretoria A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil Ivan Camargo Assessor da Diretoria Sumário 1. Marco Regulatório Brasileiro. Resultados. 2. Atuação da Agência Nacional de Energia Elétrica. 3. Principais Desafios.

Leia mais

A retomada do mercado livre de energia

A retomada do mercado livre de energia A retomada do mercado livre de energia Antonio José de Freitas Tópicos O mercado livre no mundo: comparativo com o Brasil Visão geral e contexto atual do mercado livre Mercado livre x mercado cativo: oportunidades

Leia mais

A CCEE e a operacionalização do mercado de energia elétrica em 2015 Canal Energia Agenda Setorial /03/2015

A CCEE e a operacionalização do mercado de energia elétrica em 2015 Canal Energia Agenda Setorial /03/2015 A CCEE e a operacionalização do mercado de energia elétrica em 2015 Canal Energia Agenda Setorial 2015 19/03/2015 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração A CCEE e destaques

Leia mais

Escalada Tarifária do Setor Elétrico

Escalada Tarifária do Setor Elétrico Escalada Tarifária do Setor Elétrico Priscila Lino priscila@psr-inc.com FIESP São Paulo, 19 de agosto de 2015 1 Retrospectiva 2012 Set/12: Edição da MP n o 579 que trata da renovação das concessões: Anúncio

Leia mais

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades Maio / 2005 CCEE Papéis e Responsabilidades Sistema Elétrico Brasileiro (Interligado) Dimensões Continentais Sofisticado Sistema de Supervisão e Controle Integrado Capacidade Instalada (dez/03) Hidráulica:

Leia mais

Nº 54 Fevereiro/

Nº 54 Fevereiro/ www.ccee.org.br Nº 54 Fevereiro/212 8 1 8 O Info Mercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da CCEE. Esta edição refere-se aos dados da contabilização

Leia mais

CUSTOS E TARIFAS DE TRANSMISSÃO

CUSTOS E TARIFAS DE TRANSMISSÃO CUSTOS E TARIFAS DE TRANSMISSÃO Mario Veiga mario@psr-inc.com Fórum APINE-Canal Energia 20/11/2006 Objetivos do modelo setorial Segurança de suprimento Modicidade tarifária 2 Estratégia do novo modelo

Leia mais

Competitividade da energia para a indústria Oportunidades do Mercado Livre

Competitividade da energia para a indústria Oportunidades do Mercado Livre Competitividade da energia para a indústria Oportunidades do Mercado Livre ABRACEEL Mercado Livre de Energia CNI -Regulação e Desburocratização: propostas para melhoria do ambiente de negócios (Nov/15)

Leia mais

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica 24 3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica Algumas características e mecanismos do mercado de energia elétrica brasileiro precisam ser compreendidos para realizar a análise proposta neste estudo. Especialmente,

Leia mais

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Fórum CanalEnergia: Viabilidade de Investimentos em Fontes Alternativas Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Rodrigo Oliveira RJ, 25 de março de 2008 Características do Modelo Atual de Contratação

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Por Dentro da Tractebel Florianópolis, 1º de agosto de 2013 Manoel Zaroni Torres - CEO Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Expansão da Matriz

Leia mais

Resume-se a seguir o desempenho econômico-financeiro da Companhia no primeiro trimestre de 2015 e 2014: Descrição 1T15 1T14 Variação %

Resume-se a seguir o desempenho econômico-financeiro da Companhia no primeiro trimestre de 2015 e 2014: Descrição 1T15 1T14 Variação % Resultados do 1º trimestre de 2015 São Paulo, 15 de maio de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do primeiro trimestre

Leia mais

Instituto Acende Brasil

Instituto Acende Brasil www.pwc.com Instituto Acende Brasil Estudo sobre a Carga Tributária & Encargos do setor elétrico brasileiro ano base 2014 Dezembro 2015 Sumário Item Descrição Página - Sumário Executivo 3 1. O setor 4

Leia mais

A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição

A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição III Seminário Internacional Desafios da Regulação no Setor Elétrico Coimbra, 15 de novembro de 2016 GRUPO ENERGISA Visão Geral GRUPO ENERGISA

Leia mais

2 Conjuntura e Cenário energético brasileiro

2 Conjuntura e Cenário energético brasileiro 2 Conjuntura e Cenário energético brasileiro No ano de 2001, o setor elétrico sofreu uma grave crise de abastecimento que culminou em um plano de racionamento de energia elétrica. Isto proporcionou muitas

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro www.ccee.org.br Nº 219 2ª semana de dezembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

Mercado cativo: vantagens e atratividade para venda de energia em leilões regulados Luiz Carlos Guimarães

Mercado cativo: vantagens e atratividade para venda de energia em leilões regulados Luiz Carlos Guimarães Mercado cativo: vantagens e atratividade para venda de energia em leilões regulados Luiz Carlos Guimarães PRESIDENTE DA ABRADEE Viabilidade de Investimentos em Fontes Alternativas Alternativas para a alocação

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA: ASPECTOS FÍSICOS E REGULAMENTAÇÃO pág. 1 PROGRAMA DETALHADO DOS MÓDULOS

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA: ASPECTOS FÍSICOS E REGULAMENTAÇÃO pág. 1 PROGRAMA DETALHADO DOS MÓDULOS pág. 1 PROGRAMA DETALHADO DOS MÓDULOS - 2012 Módulo 1 - INTRODUÇÃO AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA. 1.1 Considerações iniciais sobre a indústria de energia elétrica. Características do produto. 1.2 Conceitos

Leia mais

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP AUDIÊNCIAS PÚBLICAS Abrimos nossas portas para a sociedade... Antes de expedições de atos administrativos (resolução normativa,

Leia mais

Os dilemas da Energia Elétrica

Os dilemas da Energia Elétrica Os dilemas da Energia Elétrica 1 de março de 2016 Flávia Lefèvre Guimarães flavia@lladvogados.com.br Roberto Pereira D Araujo, Setor Elétrico: mimetismo, fragmentação e suas sequelas, Revista USP Energia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 579, DE 11 DE SETEMBRO DE 2012. Exposição de Motivos Regulamento Regulamento Convertida na Lei nº 12.783, de 2013

Leia mais

A bioeletricidade e o setor sucroenergético brasileiro: oportunidades e desafios

A bioeletricidade e o setor sucroenergético brasileiro: oportunidades e desafios A bioeletricidade e o setor sucroenergético brasileiro: oportunidades e desafios Zilmar Souza 5ª Edição do CampetroEnergy Bioeletricidade Campinas SP 29 de novembro de 2016 Geração da biomassa em 2014

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 1 Estrutura da apresentação O SIN - Sistema Interligado Nacional Robustez do SIN Ações em curso para aprimorar

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro www.ccee.org.br Nº 215 2ª semana de novembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios Zilmar Souza Federação das Indústrias do Estado de Goiás FIEG Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios 18ª Reunião Goiás - GO 18 de agosto de 2015 BIOELETRICIDADE DA CANA

Leia mais

Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro

Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro Fevereiro de 2017 3ª Edição Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro A energia elétrica é insumo essencial à indústria, podendo representar até 40% dos custos de produção em setores eletrointensivos.

Leia mais

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica Élbia Melo 10/02/2010 Agenda Visão Geral da CCEE e do Mercado de Energia Comercialização de Energia de Eólica PROINFA ACL ACR Energia

Leia mais

Desenvolvimento de projetos de geração na indústria

Desenvolvimento de projetos de geração na indústria Desenvolvimento de projetos de geração na indústria Fabio Dias Agenda Processos industriais e a geração de energia Autoprodução para a indústria Alternativas e viabilidade de projetos de geração distribuída

Leia mais

A bioeletricidade no setor sucroenergético

A bioeletricidade no setor sucroenergético A bioeletricidade no setor sucroenergético Zilmar Souza Bioeletricidade Audiência Pública Comissão de Serviços de Infraestrutura Senado Federal Brasília DF 22 de agosto de 2016 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/

Leia mais

Negociações com energia: o modelo mercantil do setor elétrico

Negociações com energia: o modelo mercantil do setor elétrico Negociações com energia: o modelo mercantil do setor elétrico José Antonio Sorge Ludo Energia Tópicos O atual modelo mercantil e de negócios com energia Discussão dos problemas atuais com o modelo e com

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 94,28 35,66 3,42 37,73 49,42 75,93 61,32 83,43 115,58 149,2 2,21 166,5 122,19 121,44 1,64 111,91 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 734, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 734, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 734, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008. Nota Técnica Relatório Voto Homologa o resultado provisório da segunda revisão tarifária periódica

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores:

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores: USINAS TERMELÉTRICAS Autores: Hermínio Fonseca Almeida ONS Joel Mendes Pereira ONS José Renato Dantas ONS Marcelo Prais ONS Ney Fukui da Silveira ONS Paulo César P. da Cunha ONS Túlio Mascarenhas Horta

Leia mais

Energisa Borborema - Distribuidora de Energia S/A Resultados do 1º semestre de 2015

Energisa Borborema - Distribuidora de Energia S/A Resultados do 1º semestre de 2015 Resultados do 1º semestre de 2015 Cataguases, 14 de agosto de 2015 A Administração da ( Energisa Borborema ou Companhia ) apresenta os resultados do segundo trimestre (2T15) e dos primeiros seis meses

Leia mais

XVII Simpósio Jurídico ABCE Tributos e Encargos do Setor Elétrico

XVII Simpósio Jurídico ABCE Tributos e Encargos do Setor Elétrico XVII Simpósio Jurídico ABCE Tributos e Encargos do Setor Elétrico São Paulo, 20.09.2011 CONFIDENCIAL 0 0 Agenda Introdução Carga Tributária do Setor Elétrico Encargos Setoriais Críticas e Desafios Tarifas

Leia mais

Painel 3: PCH e a comercialização no mercado livre. Paulo Pedrosa

Painel 3: PCH e a comercialização no mercado livre. Paulo Pedrosa Painel 3: PCH e a comercialização no mercado livre Paulo Pedrosa Abraceel Abraceel Abraceel Desafio: desenvolvimento Realidade: PCHs, oportunidades e riscos Reflexão: O setor elétrico, uma indústria em

Leia mais

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN 7º SENOP Brasília, junho de 2016. 1 Ambiente Institucional 2 Ambiente Institucional

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de maio

Análise PLD 4ª semana operativa de maio 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 35,66 3,42 37,73 49,42 135,43 86,45 8,39 74,51 73,31 166,69 263,6 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br Nº 243 4ª semana de o/216 8 1 8 O InfoPLD

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N 248, DE 6 DE MAIO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N 248, DE 6 DE MAIO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N 248, DE 6 DE MAIO DE 22 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto Atualiza procedimentos para o cálculo dos limites de repasse dos preços

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro Semana Operativa de 21/01/2017 a 27/01/2017 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 14 a 20/01/2017 ocorreu precipitação nas bacias dos

Leia mais

FACT SHEET 1º Semestre

FACT SHEET 1º Semestre FACT SHEET 1º Semestre - 2015 16/07/2015 DESTAQUES 1º SEMESTRE DE 2015 Destaques Econômico-Financeiros (R$ milhões) (1) Receita Líquida 1S 2015 2.885,6 1S 2014 1.993,3 Variação 44,8% EBITDA 412,3 145,4

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N 22, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2001

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N 22, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2001 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N 22, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2001 Atualiza procedimentos, fórmulas e limites de repasse dos preços de compra de energia elétrica para as tarifas de fornecimento

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 25 03 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2.

Leia mais

Manual de Fiscalização da Conta de Compensação de Variação de Valores de Itens da Parcela A CVA e Itens Financeiros - IF

Manual de Fiscalização da Conta de Compensação de Variação de Valores de Itens da Parcela A CVA e Itens Financeiros - IF Manual de Fiscalização da Conta de Compensação de Variação de Valores de Itens da Parcela A CVA e Itens Financeiros - IF Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF Versão 01/2016 ÍNDICE

Leia mais

CRISE DE ENERGIA E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO 2 9 D E A B R I L D E

CRISE DE ENERGIA E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO 2 9 D E A B R I L D E CRISE DE ENERGIA E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO 2 9 D E A B R I L D E 2 0 1 5 PERSPECTIVAS DE RESTRIÇÃO NO ABASTECIMENTO DE ENERGIA ITEMIZAÇÃO APRESENTAÇÃO OS MOTIVOS DA SITUAÇÃO ATUAL SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 12º Leilão de Energia Existente e Bandeira Tarifária

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 12º Leilão de Energia Existente e Bandeira Tarifária PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - 4ª Semana de Dezembro de 203 Dezembro (2.2.203 a 27.2.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 297,09 296,73 Pesada 294,9 294,9

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012 Secretaria de Energia Elétrica SEE MODELO ATUAL DO SETOR ELÉTRICO PILARES SEGURANÇA ENERGÉTICA UNIVERSALIZAÇÃO

Leia mais

Perfil Energia gerada

Perfil Energia gerada 1. Perfil A AES Tietê, uma das geradoras do grupo AES Brasil, é uma Companhia de capital aberto com ações listadas na BM&FBovespa e está autorizada a operar como concessionária de uso do bem público, na

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS No início da semana de ocorreu chuva fraca isolada nas bacias dos rios Grande e São Francisco. No final da semana ocorreu chuva

Leia mais

Balanço Energético. Versão 1.0

Balanço Energético. Versão 1.0 ÍNDICE BALANÇO ENERGÉTICO 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento do Cálculo do 10 2.1. Cálculo do 10 2 Controle de Alterações Revisão Motivo da Revisão Instrumento

Leia mais

GERAÇÃO A Copel opera 27 usinas próprias, sendo 18 hidrelétricas, uma termelétrica e 8 eólicas

GERAÇÃO A Copel opera 27 usinas próprias, sendo 18 hidrelétricas, uma termelétrica e 8 eólicas GERAÇÃO A Copel opera 27 usinas próprias, sendo 18 hidrelétricas, uma termelétrica e 8 eólicas TRANSMISSÃO O sistema de transmissão de energia é responsável pela operação e manutenção de 32 subestações

Leia mais

Fórum. Abraceel CanalEnergia. O desenvolvimento do mercado brasileiro de energia, a experiência européia e os desafios e perspectivas para a expansão

Fórum. Abraceel CanalEnergia. O desenvolvimento do mercado brasileiro de energia, a experiência européia e os desafios e perspectivas para a expansão Fórum Abraceel CanalEnergia O desenvolvimento do mercado brasileiro de energia, a experiência européia e os desafios e perspectivas para a expansão Edson Luiz da Silva Gerente de Assunto Regulatórios e

Leia mais

FACT SHEET 3º Trimestre

FACT SHEET 3º Trimestre FACT SHEET 3º Trimestre - 2015 27/10/2015 DESTAQUES 3º TRIMESTRE DE 2015 Resultados Econômico-Financeiros (R$ milhões) (1) 30/09/2015 30/09/2014 Variação (1) Variação % Receita Bruta 6.928,5 4.149,2 2.779,3

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA

PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA Manoel Zaroni Torres São Paulo, 30 de Março de 2016 1 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 PIB: histórico x projeção 7,6%

Leia mais

Os Valores financeiros estão em R$ Milhões, a menos que indicado de outra forma. Dados financeiros refletem a adoção do IFRS.

Os Valores financeiros estão em R$ Milhões, a menos que indicado de outra forma. Dados financeiros refletem a adoção do IFRS. Algumas declarações e estimativas contidas neste material podem representar expectativas sobre eventos ou resultados futuros que estão sujeitas a riscos e incertezas ambos conhecidos e desconhecidos. Não

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO NOVO MODELO SOBRE ESTRUTURA TARIFÁRIA. Alessandro de Lima Castro

IMPLICAÇÕES DO NOVO MODELO SOBRE ESTRUTURA TARIFÁRIA. Alessandro de Lima Castro IMPLICAÇÕES DO NOVO MODELO SOBRE ESTRUTURA TARIFÁRIA Alessandro de Lima Castro Abril de 2005 ESTRUTURA TARIFÁRIA VIGENTE TARIFA DE FORNECIMENTO TARIFA DE USO PARCELA FIO PARCELA ENCARGO TARIFA ENERGIA

Leia mais