A inserção das fontes de energia renovável no processo de desenvolvimento da matriz energética do país

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A inserção das fontes de energia renovável no processo de desenvolvimento da matriz energética do país"

Transcrição

1 A inserção das fontes de energia renovável no processo de desenvolvimento da matriz energética do país Drª Elbia Melo Presidente Executiva

2 82 Associados 2

3 82 Associados 3

4 Energia Eólica no Mundo 4

5 Ranking Mundial Em Dezembro de 2011 o Brasil foi classificado na 20ª colocação. Em 2013, o Brasil será o 10º país no ranking em Capacidade Eólica Instalada! Em Dez/2012 é o 15º com 2,5 GW Fonte: GWEC/WWEA/ABEEólica 5

6 Capacidade Adicional Instalada 8º colocado Fonte: GWEC 6

7 Atendimento à Demanda Brasil: 1% da Demanda é atendida pela fonte Eólica Qual o limite de participação da eólica?? 7

8 Energia Eólica no Brasil 8

9 Matriz Elétrica Brasileira *A fonte fotovoltaica possuí 2,6MW de capacidade instalada. Fonte: ABEEólica/ANEEL 9

10 Capacidade Nova e Acumulada Capacidade Instalada Brasil (MW) 7.628, , , , , , ,8 934,1 607,3 27,1 235,3 245,5 323, Nova (MW) Total (MW) Fonte: ABEEólica/ANEEL 10

11 Localização dos Parques Eólicos Contratado: 351,9 MW Operação: 18 MW Construção: 105,6 MW Operação: 608 MW Construção: 606,9 MW Contratado: 689,7 MW Operação: 727,2 MW Construção: 1298,8 MW Contratado: 811,5 MW Operação: 69 MW Operação: 24,8 MW Construção: 78 MW Operação: 34,5 MW Operação: 582 MW Construção: 718,6 MW Contratado: 351 MW Operação: 460,0 MW Construção: 880,8 MW Contratado: 89,6 MW Operação: 2,5 MW Operação: 236,4 MW Operação: 28,1 MW TOTAL Operação: 2790,4 MW Construção: 3688,7 MW Contratado: 2293,7 MW Fonte: ABEEólica/ANEEL 11

12 Indústria Eólica no Brasil Vestas Fuhrlander Wobben Windpower Aeris Energy Suzlon Tecnomaq Wobben Windpower IMPSA RM Pernambucana Eolice Sinovel (Office) Gamesa Alstom Acciona Torresbrás Aeris Energy Tecsis WEG Wobben Windpower/WOEBCK Intecnial Impsa Alstom Tecsis Wobben Windpower Siemens GE Wind S.A.W.E./Engebasa Fundição Brasil Fundição Brasil ROMI Vöith Moreno Aerogerador construção Aerogerador operação Aerogerador planejado Torre construção Torre operação Pás construção Pás operação Pás planejado Fundição 12

13 Geração Realizada 2ª Fase ultrapassa a geração PROINFA Fonte: ABEEólica 13

14 Fator de Capacidade Fonte: ABEEólica 14

15 Energia Armazenada x Geração Eólica Fonte: ABEEólica 15

16 Energia Armazenada x Geração Eólica Fonte: ABEEólica 16

17 Encargos Custo do ESS em função do despacho das térmicas Sem as Eólicas (linha azul) os encargos seriam maiores Em 2012 foram evitados cerca de R$ 1,6 bilhões Em Março de 2013 foram evitados R$ ,92 milhões. Fonte: ABEEólica 17

18 Leilões A-3 e LER 2011 A A LER (A-2) = 7.073,4 MW Inscritos 13 GW Inscritos 11 GW Inscritos 10,5 GW Inscritos 7,5 GW Inscritos 12 GW Inscritos 16,04 GW Potência Instalada contratada em 36 meses (Dez 2009 a Dez 2012) Contratação 753 MW médios Contratação 899 MW médios Contratação 832 MW médios Contratação 487,5 MW médios Contratação 152,2 MW médios Contratação... = MW de potência instalada = MW de potência instalada = MW de potência instalada = 978,5 MW de potência instalada = 281,9 MW de potência instalada =... de potência instalada Fonte: ABEEólica 18

19 Preços Fonte: ABEEólica 19

20 Leilões 2013 LER (A-2) A-5 A-3 A-5 Cadastrados 16,04 GW Hidrelétricas Todas as Fontes Todas as Fontes Termelétricas: Exclusivo Eólicas - Carvão - Biomassa - Gás Natural 23/08/13 29/08/13 Outubro Dezembro Fonte: ABEEólica 20

21 LER Cronograma Fim do Suprimento: 01/09/2035 Início do Suprimento: 01/09/2015 Construção: 2 anos Leilão: 23/08/

22 Parques Cadastrados LER Estados Estado Nº de Projetos Potência (MW) Porcentagem Bahia % Ceará % Maranhão % Paraíba % Pernambuco % Piauí % Rio Grande do Norte % Rio Grande do Sul % Santa Catarina % Total % Fonte: EPE 22

23 Nova Sistemática O leilão será realizado em duas fases subsequentes conforme sistemática definida pelo MME 1ª Fase Classificação por ordem de preço 2ª Fase Considera a capacidade de escoamento da Rede Básica e de fronteira e de cada instalação para conexão dos empreendimentos ao sistema de geração Negociação de energia proveniente das usinas associadas aos lances vencedores da 1ª Fase 23

24 Aspectos Socioeconômicos 24

25 Geração de Empregos PDE 2020 No período todo serão empregos diretos e indiretos acumulados; A maior parte na fase de construção de parques eólicos; No período serão criados novos postos de trabalho permanente em O&M. Fonte: ABEEólica 25

26 Convivência com Outras Atividade Multiuso das áreas arrendadas; Baixa interferência na rotina; Aumento da renda dos proprietários das áreas; Manutenção dos empregos. Parque Eólico Rio do Fogo (RN) Parque Eólico de Osório (RS) Produção de Cocos (RN) Piscicultura e Rizicultura (RS) Produção de Pinus (RS) 26

27 Estatísticas 2012: 2,5 GW 2% 2012 = R$ 4,8 bilhões Investidos nos parques eólicos e 2015: 8 GW 6% 2021: 16 GW 9% ,2 milhões de casas abastecidas 2021 na Energética 29,8 milhões de casas sendo abastecidas Até R$ 60,7 bilhões Investidos nos parques eólicos Médias Brasileiras da Energia Eólica ,2 milhões de toneladas de CO 2 evitadas por ano , milhões de 13,7 milhões de toneladas 7,2 milhões de de toneladas de CO toneladas de CO 2 2 evitadas CO por evitadas 2 evitadas ano por ano Capacidade: 2,5 GW Casas Abastecidas: 2,5 milhões Fator de Capacidade: 1ª Fase: 27% 2ª Fase: 54% Produção Anual: 4,9 TWh Emissões de CO 2 evitadas: 1,2 milhões de toneladas 27

28 Contribuições Fixação do homem no campo Ganhos com arrendamento Empenho em projetos e ações sociais não obrigatórias Proporção de atividade complementar Capacitação das populações Redução da pobreza 28

29 Notícias 29

30 Desafios e Futuro da Eólica 30

31 Desafios da Fonte Eólica Transmissão ICG FINAME Novas Regras Garantia Física P90 31

32 Grande DESAFIO e OPORTUNIDADE da Indústria Eólica Brasileira Complementar à fonte Hidrelétrica Considerando Não emissora de gases de efeito estufa Disponível com qualidade e potencial no Brasil Forte geração de empregos e incentivo à pesquisa e desenvolvimento; Competitividade * *2ª Fonte mais competitiva Sinal adequado para o investimento de longo prazo para a sustentabilidad e da cadeia produtiva da eólica 32

33 Obrigada! 33

V JORNADAS INTERNACIONALES DE ENERGÍA EÓLICA. Energia Eólica. Brasil x Uruguai

V JORNADAS INTERNACIONALES DE ENERGÍA EÓLICA. Energia Eólica. Brasil x Uruguai V JORNADAS INTERNACIONALES DE ENERGÍA EÓLICA Energia Eólica Brasil x Uruguai Elbia Melo Maio / 2014 Fonte Eólica no Mundo Ranking Mundial 1 China 91,42 2 EUA 61,09 3 Alemanha 34,25 4 Espanha 22,96 5 Índia

Leia mais

Energia Eólica em um Contexto Mundial

Energia Eólica em um Contexto Mundial Energia Eólica em um Contexto Mundial 1 China 91,42 2 EUA 61,09 3 Alemanha 34,25 4 Espanha 22,96 5 Índia 20,15 6 Reino Unido 10,53 7 Itália 8,55 8 França 8,25 9 Canadá 7,80 10 Dinamarca 4,77 11 Portugal

Leia mais

Energia Eólica Agosto / 2016

Energia Eólica Agosto / 2016 Energia Eólica Agosto / 2016 ABEEólica: Quem somos? A ABEEólica Associação Brasileira de Energia Eólica, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, fundada em 2002, congrega, em todo o Brasil,

Leia mais

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva Energia Eólica Elbia Melo Presidente Executiva 05/08/2013 Energia Eólica no Mundo Grande Porte 2 Ranking 1 China 75,56 2 EUA 60,01 3 Alemanha 31,33 4 Espanha 22,80 5 Índia 18,42 6 Reino Unido 8,45 7 Itália

Leia mais

Energia Eólica Elbia Gannoum

Energia Eólica Elbia Gannoum Energia Eólica Elbia Gannoum Maio, 2016 Trajetória Mundial (Capacidade Instalada Acumulada) -------------------- Ranking Mundial 2015 -------------------- 1º 2º 3º 4º 5º China 145,10 EUA 74,47 Alemanha

Leia mais

Energia Eólica Desenvolvimento e Perspectivas

Energia Eólica Desenvolvimento e Perspectivas Energia Eólica Desenvolvimento e Perspectivas Elbia Melo Presidente Executiva Quem somos A ABEEólica Associação Brasileira de Energia Eólica, pessoa jurídica de direito provado sem fins lucrativos, fundada

Leia mais

Energia Eólica Agosto / 2016

Energia Eólica Agosto / 2016 Energia Eólica Agosto / 2016 Associados 2 Histórico do Setor Elétrico - Brasileiro 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Base Conceitual do Novo Modelo - MPs 144 e 145 Instituição do PROINFA Regulamentação

Leia mais

Energia Renovável. Eólica. Dilcemar de Paiva Mendes. Foz do Iguaçu, setembro de 2016

Energia Renovável. Eólica. Dilcemar de Paiva Mendes. Foz do Iguaçu, setembro de 2016 Energia Renovável Eólica Dilcemar de Paiva Mendes Foz do Iguaçu, setembro de 2016 ü Sustentabilidade ü Aspectos Ambientais ü Vento ü Energia ü Principais componentes ü Leilão e Outorga ü EstaHsIcas ü Comercialização

Leia mais

Elbia Gannoum. Presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica)

Elbia Gannoum. Presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica) Elbia Gannoum Presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica) Energia Eólica Agosto de 2017 Associados 3 Trajetória Mundial (Capacidade Instalada Acumulada) -------------------- Ranking

Leia mais

Energia Eólica Setembro de 2017

Energia Eólica Setembro de 2017 Energia Eólica Setembro de 2017 Associados 2 Linha do tempo da eólica no Brasil Fonte: ABEEólica / ANEEL 3 Capacidade Eólica Instalada Maranhão 8 (220,8 MW) Piauí 47 (1.296,1 MW) 5 Ceará 70 (1.837,1 MW)

Leia mais

Sustentabilidade socioambiental em um contexto de crise

Sustentabilidade socioambiental em um contexto de crise 1 Políticas estratégicas de inovação e mudança estrutural Sustentabilidade socioambiental em um contexto de crise Organizadores José E. Cassiolato Maria Gabriela Podcameni Maria Clara C. Soares Rio de

Leia mais

Desenvolvimento da Indústria Eólica no Brasil Necessidades e Oportunidades de Investimentos

Desenvolvimento da Indústria Eólica no Brasil Necessidades e Oportunidades de Investimentos Desenvolvimento da Indústria Eólica no Brasil Necessidades e Oportunidades de Investimentos 17 Julho de 2017 Associados 2 Data: junho/2016 Contexto Mundial Trajetória Mundial (Capacidade Instalada Acumulada)

Leia mais

Cenários para o Setor Elétrico. Energia Competitiva no Nordeste

Cenários para o Setor Elétrico. Energia Competitiva no Nordeste Cenários para o Setor Elétrico Energia Competitiva no Nordeste BAHIA Atividade Econômica Estrutura da Produção Industrial Bahia Setores % Refino de petróleo e coque 30,1 Alimentos e Bebidas 17,8 Produtos

Leia mais

Elbia Melo. Presidente Executiva ABEEólica

Elbia Melo. Presidente Executiva ABEEólica Cenário e Perspectivas para o Segmento de Energia Eólica Elbia Melo Presidente Executiva ABEEólica 84 Associados 2 84 Associados 3 Energia Eólica no Mundo 4 Ranking Mundial 1 China 75,56 2 EUA 60,01 3

Leia mais

Elbia Melo Presidente Executiva

Elbia Melo Presidente Executiva Elbia Melo Presidente Executiva QUEM SOMOS A ABEEólica Associação Brasileira de Energia Eólica congrega, em todo o Brasil, contando com 94 empresas pertencentes à cadeia produtiva direcionada à produção

Leia mais

Lauro Fiuza Presidente do Conselho de Administração

Lauro Fiuza Presidente do Conselho de Administração Panorama de Energia Eólica no Brasil Lauro Fiuza Presidente do Conselho de Administração Outubro de 2017 Inspirações Por Mohammed Yunes, prêmio Nobel da Paz em 1998 Estou convencido que a única forma de

Leia mais

Planejamento Energético Matriz Futura

Planejamento Energético Matriz Futura Planejamento Energético Matriz Futura Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor PROMOÇÃO Belo Horizonte, MG 24 de Abril de 2014 O planejamento energético é orientado para atender

Leia mais

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Presidente Executivo Encontro Nacional do Setor Elétrico ENASE 2017 Rio de Janeiro (RJ) 18/05/2017 Focos Principais Representar

Leia mais

A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO

A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 1 A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Angela C. S. L. Guimarães Pedro Bezerra Companhia Hidro Elétrica do São Francisco - Chesf 2 PROPOSTA DO TRABALHO MOTIVAÇÃO

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis

Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis Histórico de apoio do BNDES ao setor de infraestrutura Evolução dos Desembolsos BNDES (R$ bilhões) 92,2 137,4 168,4 139,7 155,9 190,4 7% 8% 10% 12% 12% 13%

Leia mais

23º Leilão de Energia Nova

23º Leilão de Energia Nova 1 23º Leilão de Energia Nova Realização: 29/04/2016 Categoria: A-5 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 19:30 do dia 28/04/2016)

Leia mais

A INDÚSTRIA DE ENERGIA EÓLICA BRASILEIRA: DA INSERÇÃO A CONSOLIDAÇÃO.

A INDÚSTRIA DE ENERGIA EÓLICA BRASILEIRA: DA INSERÇÃO A CONSOLIDAÇÃO. A INDÚSTRIA DE ENERGIA EÓLICA BRASILEIRA: DA INSERÇÃO A CONSOLIDAÇÃO. autora: Élbia Gannoum setembro.2015 2 3 SOBRE A FGV ENERGIA A FGV Energia é o centro de estudos dedicado à área de energia da Fundação

Leia mais

Energia eólica no Brasil

Energia eólica no Brasil Energia eólica no Brasil A. Ricardo J. Esparta Ecopart Assessoria I Jornada Internacional sobre Energias Renováveis, Eficiência Energética e Poder Local Betim, 19 de março de 2010 Experiência profissional

Leia mais

Energia Eólica Reunião GT Eólicas Conama

Energia Eólica Reunião GT Eólicas Conama Energia Eólica Reunião GT Eólicas Conama Elbia Melo Presidente ABEEólica O Sistema Sistema Interligado Nacional (SIN) Sistema Isolado Predominância: Termelétricas Sistema Interligado Predominância: Hidrelétricas

Leia mais

A ENERGIA EÓLICA NO BRASIL 1º. Congresso Brasileiro de Geração Distribuída e Energias Renováveis Agosto de 2009

A ENERGIA EÓLICA NO BRASIL 1º. Congresso Brasileiro de Geração Distribuída e Energias Renováveis Agosto de 2009 A ENERGIA EÓLICA NO BRASIL 1º. Congresso Brasileiro de Geração Distribuída e Energias Renováveis Agosto de 2009 Regina Araújo Desenvolvimento de Negócios Energia Eólica no Mundo 2 PRINCIPAIS MERCADOS DA

Leia mais

II Workshop PROTENSÃO COMO SOLUÇÃO 04 a 06 de agosto de 2016 Protensão em Torres Eólicas Eng.º Ricardo Loiacono

II Workshop PROTENSÃO COMO SOLUÇÃO 04 a 06 de agosto de 2016 Protensão em Torres Eólicas Eng.º Ricardo Loiacono II Workshop PROTENSÃO COMO SOLUÇÃO 04 a 06 de agosto de 2016 Protensão em Torres Eólicas Eng.º Ricardo Loiacono ENERGIA EÓLICA NO BRASIL E NO MUNDO O Brasil tem alguns dos melhores ventos do mundo, três

Leia mais

Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis. Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis

Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis. Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis Junho 2016 Agenda 1. CPFL Renováveis 2 Energia renovável Potencial a ser explorado

Leia mais

Renewable Energy Projects

Renewable Energy Projects Grid Connectivity for Renewable Energy Projects 2nd REFF Latin America 2009 28 de abril de 2009 Roberto Gomes Diretor ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Sumário Estrutura do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Energia e o Desenvolvimento sustentável

Energia e o Desenvolvimento sustentável * Energia e o Desenvolvimento sustentável Os principais desafios para promoção do desenvolvimento sustentável são expandir o acesso a preços acessíveis, o fornecimento de energia confiável e adequado,

Leia mais

Energia Eólica Panorama Geral e a Geração Distribuída

Energia Eólica Panorama Geral e a Geração Distribuída Energia Eólica Panorama Geral e a Geração Distribuída Novembro de 2017 Associados 2 Trajetória Mundial (Capacidade Instalada Acumulada) Fonte: GWEC ABEEólica 3 Trajetória Mundial (Capacidade Instalada

Leia mais

3º seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes inteligentes no. Energético Nacional. Fontes Renováveis e Geração Flexível

3º seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes inteligentes no. Energético Nacional. Fontes Renováveis e Geração Flexível Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL 3º seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes inteligentes no Título Planejamento do trabalho Energético Nacional Fontes Renováveis e Geração

Leia mais

CARVÃO MINERAL na Matriz Elétrica Brasileira

CARVÃO MINERAL na Matriz Elétrica Brasileira CARVÃO MINERAL na Matriz Elétrica Brasileira Eng. Fernando Luiz Zancan - ABCM Rio de Janeiro/RJ - 05 de julho de 2013 23/10/09 WWW.CARVAOMINERAL.COM.BR O que vamos falar... - O carvão é o maior recurso

Leia mais

PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE

PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE : a Energia Elétrica da Cana de Açúcar Belo Horizonte, 05 de outubro de 2016 José Mauro Coelho Diretoria

Leia mais

VANTAGENS DA GERAÇÃO HÍBRIDA FOTOVOLTAICA E HIDRELÉTRICA NO BRASIL II CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA SOLAR

VANTAGENS DA GERAÇÃO HÍBRIDA FOTOVOLTAICA E HIDRELÉTRICA NO BRASIL II CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA SOLAR VANTAGENS DA GERAÇÃO HÍBRIDA FOTOVOLTAICA E HIDRELÉTRICA NO BRASIL II CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA SOLAR São Paulo, 17 de Maio de 2017 1 GERAÇÃO HÍBRIDA FOTOVOLTAICA E HIDRELÉTRICA VANTAGENS E PERPECTIVAS

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Belo Horizonte, 21 de Agosto de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa pouco mais de 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia

Leia mais

18º Leilão de Energia Nova

18º Leilão de Energia Nova 1 18º Leilão de Energia Nova Realização: 13/12/2013 Categoria: A-5 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 17:30 do dia 12/12/2013)

Leia mais

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 CENÁRIO TECNOLÓGICO PARA O DESENVOLVIMENTO DA ENERGIA EÓLICA NO BRASIL: PERCEPÇÕES F. L. M. Antunes* M. A. N. Nunes* S. C. Ximenes* A. A. A. Freitas* *Universidade Federal do Ceará - UFC RESUMO A matriz

Leia mais

Fernando Henrique Schüffner Neto

Fernando Henrique Schüffner Neto Fernando Henrique Schüffner Neto 24/Março/2011 Tópicos i. Produção de Energia Elétrica ii. Comercialização da Energia Elétrica iii. Panorama Atual das Fontes Geração Grandes Centrais Hidrelétricas (UHE)

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

UM PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA DO BRASIL

UM PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA DO BRASIL UM PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA DO BRASIL 25 de Outubro de 2011 Centro de Eventos e Convenções Brasil 21 Brasília Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de Minas e Energia Mauricio

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS MAIO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS MAIO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS MAIO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Mecanismos de suporte para inserção da energia solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira. Modelos e sugestão para uma transição acelerada

Mecanismos de suporte para inserção da energia solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira. Modelos e sugestão para uma transição acelerada Mecanismos de suporte para inserção da energia solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira Modelos e sugestão para uma transição acelerada Matriz de energia elétrica em 2013 Fonte: MME - Ministério

Leia mais

21º Leilão de Energia Nova

21º Leilão de Energia Nova 1 21º Leilão de Energia Nova Realização: 30/04/2015 Categoria: A-5 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 17:30 do dia 29/04/2015)

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES ENERGIAS RENOVÁVEIS AVANÇAM

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES ENERGIAS RENOVÁVEIS AVANÇAM INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES ENERGIAS RENOVÁVEIS AVANÇAM Francisco Benedito da Costa Barbosa Sócio Presidente IPADES Na nova conjuntura do século XXI,

Leia mais

WORKSHOP ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NO BRASIL

WORKSHOP ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NO BRASIL WORKSHOP ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NO BRASIL Painel 1: Expansão da Geração Solar Fotovoltaica no Brasil FIESP 18 de outubro de 2017 Thiago Barral Superintendente de Projetos de Geração Diretoria de Estudos

Leia mais

Workshop Infraestrutura - Energia. Novos Modelos de Negócio para o Setor Elétrico

Workshop Infraestrutura - Energia. Novos Modelos de Negócio para o Setor Elétrico Workshop Infraestrutura - Energia Novos Modelos de Negócio para o Setor Elétrico Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica - EPE São Paulo, SP 18 de Julho de 2017 Agenda 1. Introdução 2.

Leia mais

HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL?

HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL? HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL? Mario Veiga mario@psr-inc.com Institute of the Americas Mesa Redonda sobre Energia no Brasil Rio de Janeiro, 1 de abril de 2011 A pergunta que não quer calar Dado

Leia mais

Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético. Maio de 2017

Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético. Maio de 2017 Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético Maio de 2017 Instabilidade do preço-teto nos leilões O preço teto para a fonte biomassa tem

Leia mais

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Zilmar José de Souza Câmara Consultiva do Açúcar e Etanol na BM&F-Bovespa São Paulo - 9 de setembro de 2014 Bioeletricidade: capacidade instalada (em MW)

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Marcelo Khaled Poppe, Secretário de Desenvolvimento Energético MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BRASIL- MATRIZ ENERGÉTICA Petróleo 47,1% Nuclear 1,2%

Leia mais

Situação dos investimentos em energias renováveis em Minas Gerais, incluindo as demandas futuras. 27 de Março de 2017

Situação dos investimentos em energias renováveis em Minas Gerais, incluindo as demandas futuras. 27 de Março de 2017 Situação dos investimentos em energias renováveis em Minas Gerais, incluindo as demandas futuras 27 de Março de 2017 Agenda Atuação da Cemig Parque gerador Investimentos em energia renovável Geração Distribuída

Leia mais

O Setor Elétrico do Brasil

O Setor Elétrico do Brasil V SISEE Seminário Internacional do Setor de Energia Elétrica Integração com Energia Renovável O Setor Elétrico do Brasil Desafios para o Século XXI José Antonio Coimbra Secretário-Executivo Rio de Janeiro,

Leia mais

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 A Abragel Possui 16 anos de atuação Congrega 252 empresas associadas Consolidadas em 70 grupos econômicos

Leia mais

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Planejamento nacional e Integração elétrica regional Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Foz do Iguaçu, Brasil 27 de novembro de 2015 Planejamento nacional e Integração elétrica regional

Leia mais

WEG DAY. WEG Eólica. João Paulo Silva. Maio 2016

WEG DAY. WEG Eólica. João Paulo Silva. Maio 2016 WEG DAY WEG Eólica João Paulo Silva Maio 2016 1. Histórico da WEG no segmento eólico Fornecimento de subestações e transformadores para parques eólicos, com potência instalada total de 1.281,85 MW. Desenvolvimento

Leia mais

Matriz Elétrica Brasileira e

Matriz Elétrica Brasileira e Matriz Elétrica Brasileira e as REI s 3 0 Seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Rio de Janeiro, 20 de Setembro de 2016 Jeferson Borghetti

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e desafios. Márcia Leal Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e desafios. Márcia Leal Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e desafios Márcia Leal Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura Matriz Elétrica Brasileira (31/08/2015) 13% 23% Térmicas 29% Eólicas 5% Outros 2% Hidro

Leia mais

Fórum e Mostra Tecnológica Água e Energia. Vitória, junho de 2017

Fórum e Mostra Tecnológica Água e Energia. Vitória, junho de 2017 Fórum e Mostra Tecnológica Água e Energia Vitória, junho de 2017 O Grupo EDP nasceu em Portugal mas é um grupo global com presença em 14 países Atualmente estamos presentes em 12 estados no Brasil Geração

Leia mais

BASES DE DADOS EM ENERGIA

BASES DE DADOS EM ENERGIA BASES DE DADOS EM ENERGIA Ministério de Minas e Energia João Antonio Moreira Patusco Seminário sobre Bases de Dados de Energia Associação de Reguladores Iberoamericanos de Energia ARIAE RJ 17 e 18 de junho

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

07/04/2010. Abril/2008. Apresentação 5 e 6

07/04/2010. Abril/2008. Apresentação 5 e 6 Abril/2008 Apresentação 5 e 6 1 Bibliografia Mercado PDEE 2008-2017 Hipóteses: UM único cenário com créscimento médio do PIB de 4,9% a.a. e crescimento médio do consumo de energia elétrica de 5,4% a.a.

Leia mais

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES POR QUE PLANEJAR? Há necessidade de prever as possibilidades do amanhã para esboçar, com

Leia mais

Palestra Introdutória Energia Solar Fotovoltaica

Palestra Introdutória Energia Solar Fotovoltaica Palestra Introdutória Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Presidente Executivo Talk Show com as Lideranças do Setor Elétrico Brasileiro Brasil Solar Power Rio de Janeiro (RJ) 06/07/2017

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Sistemas de Potência e Energia

Sistemas de Potência e Energia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Sistemas de Potência e Energia Departamento de Energia Elétrica Faculdade de Engenharia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA E-mail: jopass@ieee.org Juiz de Fora, 30

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS VI Congresso Brasileiro de energia Solar - UFMG BH Wilson Pereira Barbosa Filho Fundação

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa já representa quase 10% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

DEMANDAS POR FONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

DEMANDAS POR FONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS DEMANDAS POR FONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS 02 de outubro de Rafael González Diretor-Desenvolvimento Tecnológico AGRONEGÓCIO Brasil 25% do PIB do Brasil 46% das exportações DESAFIO 35% Segurança Alimentar

Leia mais

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 Forum COGEN / Canal Energuia Geração Distribuida e Cogeração Ubiratan Francisco Castellano Secretario de Planejamento

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria Executiva Assessoria Especial em Gestão Socioambiental

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria Executiva Assessoria Especial em Gestão Socioambiental 48330.001664/2013-00 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria Executiva Assessoria Especial em Gestão Socioambiental NOTA TÉCNICA N o 44/2013-AESA/SE-MME Assunto: Licenciamento Ambiental de Parques Eólicos

Leia mais

Apresentação Credit Suisse 26 de agosto de /07

Apresentação Credit Suisse 26 de agosto de /07 Apresentação Credit Suisse 26 de agosto de 2016 05/07 Nova Realidade no Setor Matriz mais complexa e centrada no cliente Cogeração Geração Energia Eólica Geração Veículos Elétricos Transmissão Energia

Leia mais

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017 Destaques: A capacidade instalada atualmente pela biomassa (14.619 MW) supera a capacidade instalada pela usina Itaipu. Com 9% da matriz elétrica brasileira, a fonte biomassa em geral ocupa a 2ª posição

Leia mais

Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026

Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 Low Carbon Business Action Brazil Ubiratan Francisco Castellano Secretaria de Planejamento e

Leia mais

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios Zilmar Souza Federação das Indústrias do Estado de Goiás FIEG Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios 18ª Reunião Goiás - GO 18 de agosto de 2015 BIOELETRICIDADE DA CANA

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA São Paulo, 05/09/2012 Ministério de Minas e Energia ABINEE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE TEC 2012 TALK SHOW MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Altino Ventura Filho Secretário

Leia mais

Prioridades da política energética nacional e criação de ambiente favorável ao investimento privado Vitória, 21 de agosto de 2017

Prioridades da política energética nacional e criação de ambiente favorável ao investimento privado Vitória, 21 de agosto de 2017 Prioridades da política energética nacional e criação de ambiente favorável ao investimento privado Vitória, 21 de agosto de 2017 Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Agenda Prioridades

Leia mais

3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016

3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016 3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016 Panorama político-econômico para a geração de energia eólica e perspectivas ambientais para o setor Saulo Cisneiros

Leia mais

Consumo de energia x Investimentos no setor elétrico: um estudo de caso Eletrobrás/PI

Consumo de energia x Investimentos no setor elétrico: um estudo de caso Eletrobrás/PI Consumo de energia x Investimentos no setor elétrico: um estudo de caso Eletrobrás/PI Jaciara Carvalho Thais Ibiapino Linardy Moura Pedro Luiz O. Costa Neto Introdução Demanda por outras fontes para compor

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ 30 de agosto de

Leia mais

Energia Eólica - O Brasil é a Bola da vez

Energia Eólica - O Brasil é a Bola da vez Energia Eólica - O Brasil é a Bola da vez 6º Fórum Industrial de Produtividade, Energia e Negócios, CIEMG-FIEMG, Belo Horizonte 20.10.2011 Brotas de Macaúbas - BA Praia de Parajuru - CE Morro do Camelinho

Leia mais

A implantação de empreendimentos eólicos e

A implantação de empreendimentos eólicos e I Jornada Internacional sobre Energias Renováveis, veis, Eficiência Energética e Poder Local Betim, mar/09 A implantação de empreendimentos eólicos e pela Cemig Alexandre Heringer Lisboa O vento, ao incidir

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA.

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

O RIO ENERGY ENTRA NO MERCADO EM. + Capacidade Financeira. + Entrega + Gestão dos Ativos

O RIO ENERGY ENTRA NO MERCADO EM. + Capacidade Financeira. + Entrega + Gestão dos Ativos INSTITUCIONAL O RIO ENERGY ENTRA NO MERCADO EM 2012 + Capacidade Financeira + Entrega + Gestão dos Ativos Retorno aos investidores Rio Energy: Viabilizando projetos de energia renovável, impactamos o futuro

Leia mais

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ 30 de agosto de

Leia mais

Brasil Solar Power 2016

Brasil Solar Power 2016 Brasil Solar Power 2016 Aprovações de Financiamento: 2003 a 2015 Segmentos Capacidade Projetos Financiamento BNDES R$ bilhões Investimentos UHEs 34.728 MW 52 66,3 107,9 Térmicas 6.578 MW 18 6,5 14,1 PCHs

Leia mais

Bioeletricidade - a energia elétrica da cana: Evolução e perspectivas

Bioeletricidade - a energia elétrica da cana: Evolução e perspectivas Bioeletricidade - a energia elétrica da cana: Evolução e perspectivas Zilmar José de Souza Thermal Energy LatAm 2012 Rio de Janeiro RJ 31 de janeiro de 2012 A UNICA A União da Indústria de Cana-de-Açúcar

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro PORTARIA N o 172, DE 10 DE MAIO DE 2016 O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos

Leia mais

PAINEL 30 ANOS DE BIOELETRICIDADE: REALIZANDO O POTENCIAL

PAINEL 30 ANOS DE BIOELETRICIDADE: REALIZANDO O POTENCIAL PAINEL 30 ANOS DE BIOELETRICIDADE: REALIZANDO O POTENCIAL Ethanol Summit 2017 São Paulo/SP 27 jun. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis 30 ANOS DE BIOELETRICIDADE

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE FONTES RENOVÁVEIS NÃO DESPACHÁVEIS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL ALESSANDRA MACIEL - ONS

INTEGRAÇÃO DE FONTES RENOVÁVEIS NÃO DESPACHÁVEIS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL ALESSANDRA MACIEL - ONS INTEGRAÇÃO DE FONTES RENOVÁVEIS NÃO DESPACHÁVEIS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL ALESSANDRA MACIEL - ONS Sumário Evolução da capacidade instalada e expansão prevista Geração, fator de capacidade e recordes

Leia mais

BNDES: Apresentação ABIMAQ - GAMESA

BNDES: Apresentação ABIMAQ - GAMESA BNDES: Apresentação ABIMAQ - GAMESA Fevereiro de 2016 Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: GP/DEDIV/GATE 1. Aspectos Institucionais Apoio a infraestrutura no BNDES Os vários setores são

Leia mais

ENEGIA EÓLICA- PARTE DA SOLUÇÃO NO BRASIL. Por Laura Porto

ENEGIA EÓLICA- PARTE DA SOLUÇÃO NO BRASIL. Por Laura Porto ENEGIA EÓLICA- PARTE DA SOLUÇÃO NO BRASIL Por Laura Porto MATRIZ BRASILEIRA- PARTICIPAÇÃO DOS DIVERSOS TIPOS DE FONTES (% da capacidade instalada total) Fonte: PDE 2008-17 MATRIZ BRASILEIRA- PARTICIPAÇÃO

Leia mais

Programa de Incentivos às Fontes Alternativas de Energia. Valter Luiz Cardeal Diretor de Engenharia da ELETROBRÁS

Programa de Incentivos às Fontes Alternativas de Energia. Valter Luiz Cardeal Diretor de Engenharia da ELETROBRÁS Programa de Incentivos às Fontes Alternativas de Energia Valter Luiz Cardeal Diretor de Engenharia da ELETROBRÁS Brasília, 29 de Outubro de 2003 PROGRAMAS DE INCENTIVO PROMOVIDOS PELA ELETROBRÁS/MME Excedentes

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

A bioeletricidade no setor sucroenergético

A bioeletricidade no setor sucroenergético A bioeletricidade no setor sucroenergético Zilmar Souza Bioeletricidade Audiência Pública Comissão de Serviços de Infraestrutura Senado Federal Brasília DF 22 de agosto de 2016 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA AMCHAM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: PROJETOS, DETERMINAÇÕES E INVESTIMENTOS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS PARA A EFICICIÊNCIA ENERGÉTICA A Matriz Energética,

Leia mais

Os desafios regulatórios, comerciais e tecnológicos para armazenamento de energia: O papel das usinas reversíveis

Os desafios regulatórios, comerciais e tecnológicos para armazenamento de energia: O papel das usinas reversíveis Seminário Brasileiro de Qualidade e Armazenamento de Energia Os desafios regulatórios, comerciais e tecnológicos para armazenamento de energia: O papel das usinas reversíveis Dr. Manuel Gonçalves, diretor

Leia mais