3 Micro e pequenos empresários, 167

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3 Micro e pequenos empresários, 167"

Transcrição

1 Nota do autor, xix 1 HISTÓRICO, 1 1 A invenção do comércio e do mercado, 1 2 Antiguidade, 5 3 Idade média e moderna, Direito comercial no Brasil, 19 4 Unificação do direito privado, 20 5 A valorização da empresa, 23 2 TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL, 26 1 Base constitucional, 26 2 Atuação econômica organizada, 28 3 O direito de empresa, 29 4 Coletividade de bens, 32 5 Empresário, 33 3 PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO EMPRESARIAL, 35 1 Princípios jurídicos, 35 2 Livre iniciativa, Livre movimentação interna de capitais, Livre empreendimento, 40 3 Liberdade de contratar, 41 4 Regime jurídico privado, 43 5 Livre concorrência, 45 6 Função social da empresa, Institucionalismo, 50 7 Preservação da empresa, 52 8 Outros níveis principiológicos, 54 4 REGISTRO PÚBLICO DE EMPRESAS E ATIVIDADES AFINS, 56 1 O registro, 56 2 Juntas comerciais, 57 3 Estrutura da junta comercial, 59 4 Atos do registro empresarial, 60 5 Processo decisório, 64 6 Auxiliares mercantis, 68 7 Assentamento dos usos ou práticas mercantis, 70 8 Redesim, 71 5 EMPRESÁRIO INDIVIDUAL, 79 1 Inscrição, Qualificação, Firma e assinatura, Capital, Princípios jurídicos que orientam o capital social, Objeto e sede da empresa, 85 2 Capacidade, Incapacidade do sócio, Falecimento do empresário individual, 89

2 3 Impedimento, 90 4 Empresário casado, 93 5 Estabelecimento secundário, 95 6 Empresário rural, 95 7 Empresa Individual de Responsabilidade Limitada - Eireli, 97 8 Transformação em sociedade, MICRO E PEQUENA EMPRESA, Tratamento especial, Definições, Empresário e sociedade (simples ou empresária), Constituição, Benefícios do regime especial, NOME EMPRESARIAL, Nome, Firma, Denominação, Nome e tipo empresarial, Natureza jurídica, Proteção ao nome empresarial, Tutela do nome empresarial, Proteção à razão empresarial, Proteção à denominação, Nome, marca e título de estabelecimento, Extinção, ESCRITURAÇÃO EMPRESARIAL, Expressão contábil da empresa, Princípios aplicáveis à escrituração, Forma da escrituração, Requisitos extrínsecos, Requisitos intrínsecos, Guarda e conservação da escrituração, Valor probante da escrituração empresarial, Sigilo escritural, Exibição parcial da escrituração, Fiscalização fazendária, Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), O DIÁRIO, Livro Diário, Balanço patrimonial, Ativo, Passivo exigível, Patrimônio líquido, Outras rubricas de segurança, Inventário, Outros valores do ativo, Exemplo de balanço, 166

3 3 Micro e pequenos empresários, ESCRITURAÇÃO EMPRESARIAL COMPLEMENTAR, Resultado econômico da empresa, Demonstração do Resultado do Exercício (DRE), Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados (DLPA), Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL), Demonstração dos fluxos de caixa, Demonstração do valor adicionado, Outros livros obrigatórios, Livros facultativos, ESTABELECIMENTO, Estabelecimento, Individualização do estabelecimento, Objetivação jurídica do estabelecimento, Aviamento, Expressão isolada do aviamento ou benefício de mercado, Outros tratamentos isolados do aviamento, Trespasse, Contratos no trespasse, Créditos no trespasse, Restabelecimento, Nome empresarial no trespasse, Penhor do estabelecimento, Anticrese do estabelecimento empresarial, Penhora do estabelecimento empresarial, TECNOLOGIA, Bens intelectuais, Patentes, Exceções, Pedido de patente, Requisitos do pedido, Carta de patente, Nulidade da patente, Emprego da patente, Extinção da patente, Topografia de circuitos integrados (chips), Desenho industrial, Software, MARCA, Signos e empresas, Registro de marca, Marcas registráveis, Marcas não registráveis, Relações entre marcas, Relações entre marca, nome e título de estabelecimento, Relações entre marca e nome da pessoa natural, 260

4 5 Direitos sobre a marca, Importações paralelas e Direito Marcário, Contrato de nominação, Perda do direito de marca, Material publicitário, CLIENTELA E FREGUESIA, Clientela, Freguesia, Ponto empresarial, Ponto empresarial eletrônico, Ponto empresarial locado, Direito a renovação, Requisitos para a renovação, Ação renovatória, Legitimidade para ação, Contestação, Exceção de retomada, Presunção de sinceridade, Retomada insincera ou desidiosa, Improcedência da renovação, Ação de despejo, Identidade visual (trade dress e product dress), SHOPPING CENTERS, Shopping centers, Sujeitos da relação, Locação em shopping center, Reserva de localização, Locação, Ponto empresarial locado, Despesas com áreas comuns, Prestação de serviços de administração de shopping center, Auditoria da contabilidade, Inexistência de condomínio e síndico, Contrato de adesão ao empreendimento, Limitação da concorrência e da liberdade de agir, Regimento interno, Fundo de promoção e publicidade, Associação de lojistas, Responsabilidade pelo empreendimento, Segurança, FRANQUIA EMPRESARIAL, Histórico, Lei 8.955/94, As partes e suas relações, Subfranqueamento, Fornecedores e prestadores de serviços do sistema, Identidade empresarial, 348

5 2.3 Distribuição exclusiva, Circular de oferta de franquia, Contrato de franquia, Extinção da franquia, PREPOSTOS, Aspectos genéricos, Responsabilidade civil por ato do preposto, Substabelecimento, Exclusividade, Gerência, Representação em juízo, Contabilistas, Terceirização, REPRESENTAÇÃO COMERCIAL, Base legal, Elementos do contrato de representação, Desempenho da atividade, Comissões, Rescisão do contrato, Rescisão motivada pelo representado, Rescisão motivada pelo representante, Foro para controvérsias, 390 Bibliografia, 393 Índice remissivo, 399

2 TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL 1 Base constitucional 2 Atuação econômica organizada 3 O direito de empresa 4 Coletividade de bens 5 Empresário

2 TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL 1 Base constitucional 2 Atuação econômica organizada 3 O direito de empresa 4 Coletividade de bens 5 Empresário 1 HISTÓRICO 1 A invenção do comércio e do mercado 2 Antiguidade 3 Idade média e moderna 3.1 Direito comercial no Brasil 4 Unificação do direito privado 5 A valorização da empresa 2 TEORIA GERAL DO DIREITO

Leia mais

STJ00070615. Sumário. Nota do autor, xix 1 HISTÓRICO, 1

STJ00070615. Sumário. Nota do autor, xix 1 HISTÓRICO, 1 STJ00070615 Sumário Nota do autor, xix 1 HISTÓRICO, 1 1 A invenção do comércio e do mercado, 1 2 Antigüidade, 5 3 Idade média e moderna, 17 4 Unificação do direito privado, 19 5 A valorização da empresa,

Leia mais

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77 Nota do autor, xix 1 Empresa, 1 1 Empreender, 1 2 Noções históricas, 2 3 Teoria da empresa, 3 4 Registro, 8 4.1 Redesim, 10 4.2 Usos e práticas mercantis, 14 4.3 Empresário rural, 15 5 Firma individual,

Leia mais

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49 Nota do autor, xv Parte I - Teoria Geral da Empresa, 1 1 Introdução ao Direito de Empresa, 3 1.1 Considerações gerais, 3 1.2 Escorço histórico: do direito comercial ao direito de empresa, 4 1.3 Fontes

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA Visão teórica, e tanto quanto possível prática, dos principais temas relacionados à introdução ao estudo do Direito Comercial.

PLANO DE ENSINO EMENTA Visão teórica, e tanto quanto possível prática, dos principais temas relacionados à introdução ao estudo do Direito Comercial. Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Direito Empresarial I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Empresarial Área: Privado PLANO DE ENSINO EMENTA Visão teórica, e tanto quanto

Leia mais

EMENTA: DIREITO EMPRESARIAL: empresa, espécies, divisão. Empresário. Atos de empresário. Sociedades empresariais.

EMENTA: DIREITO EMPRESARIAL: empresa, espécies, divisão. Empresário. Atos de empresário. Sociedades empresariais. AULA XI CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: DIREITO PRIVADO: EMPRESARIAL PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ EMENTA: DIREITO EMPRESARIAL: empresa, espécies, divisão. Empresário. Atos

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO... 15

Sumário APRESENTAÇÃO... 15 Sumário APRESENTAÇÃO... 15 Capítulo 1 DIREITO EMPRESARIAL... 17 1. Evolução histórica... 17 2. Evolução do Direito Comercial no Brasil... 18 3. Fontes... 21 4. Conceito e autonomia... 22 5. Questões...

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

Plano de Ensino. Objetivos. Ementa

Plano de Ensino. Objetivos. Ementa Plano de Ensino Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL I Código: Série: 2ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 68 CH Prática: CH Total: 68 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

Conceito de Empresário

Conceito de Empresário Conceito de Empresário Requisitos (Art. 966,caput,CC): a) Profissionalismo; b) Atividade Econômica; c) Organização; d) Produção/Circulação de bens/serviços; Não Empresário Requisitos (Art. 966, único,

Leia mais

Capítulo III DIREITO DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL

Capítulo III DIREITO DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL Sumário Capítulo I EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO COMERCIAL 1. Origens do direito comercial 2. Da definição do regime jurídico dos atos de comércio 2.1. Definição e descrição dos atos de comércio e sua

Leia mais

TEORIA. Como Tudo Começou... EMPRESA TEORIA DA EMPRESA EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE

TEORIA. Como Tudo Começou... EMPRESA TEORIA DA EMPRESA EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE TEORIA DA EMPRESA TEORIA DA EMPRESA Como Tudo Começou... EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE FASE SUBJETIVA Matrícula PRODUTOR CONSUMIDOR FASE OBJETIVA Atos

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs. 1 A Contabilidade como Ferramenta de Gestão: Nova Visão Empresarial Benefícios e Vantagens; Parceria do Administrador e do Profissional

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: São Jose do Rio Pardo Código: 150 Município: São Jose do Rio Pardo Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Legislação Empresarial

Leia mais

GOVERNO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLÓGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ

GOVERNO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLÓGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ TABELA DE PREÇOS PÚBLICOS JUCEPI Vigência 06/04/2015 ATOS INTEGRANTES DA TABELA DE PREÇOS DOS SERVIÇOS DO REGISTRO PÚBLICO DE EMPRESAS MERCANTIS E ATIVIDADES AFINS Ordem 01 ATOS SERVIÇOS PRESTADOS Normal

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD) 1 Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD) 04/06/2014. Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa 1

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Registro de Empresa. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Registro de Empresa. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Registro de Empresa Obrigações aos Empresários São obrigações dos empresários: a) Seguir um sistema de contabilidade, mecanizado ou não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência

Leia mais

índice GERAL Capítulo IV A UNIFICAÇÃO PARCIAL DO DIREITO PRIVADO

índice GERAL Capítulo IV A UNIFICAÇÃO PARCIAL DO DIREITO PRIVADO índice GERAL Capítulo I A UNIFICAÇÃO PARCIAL DO DIREITO PRIVADO I. A unificação na Itália: Cesare Vivante (1892) e sua retratação em ]919; a posição contrária de Alfredo Rocco; a malograda experiência

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TURISMO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE ALAGOAS

SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TURISMO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE ALAGOAS SERVIÇOS PRESTADOS PELA DO DO F 1. EMPRESÁRIO (213-5) 1.1. Inscrição (registro inicial) 080 080 02 dias úteis R$ 88,00 R$ 10,00 1.2 Alteração (exceto para filiais) Alteração de nome empresarial (código

Leia mais

PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE A CONTABILIDADE PÚBLICA E A CONTABILIDADE GERAL

PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE A CONTABILIDADE PÚBLICA E A CONTABILIDADE GERAL PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE A CONTABILIDADE PÚBLICA E A CONTABILIDADE GERAL Aspectos Contabilidade Pública Contabilidade Geral Legislação Lei nº 4.320/64 Lei nº 6.404/76 Princípios PFC e Princípios PFC

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL APRESENTAÇÃO EMENTA

DIREITO EMPRESARIAL APRESENTAÇÃO EMENTA EMPRESARIAL NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSORES-AUTORES: Telder Andrade Lage Ana Luisa Coelho Perim Fabiano Eustáquio Zica Silva APRESENTAÇÃO O direito empresarial, ramo do direito

Leia mais

SUGESTÃO PARA O DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE ENSINO DE DIREITO COMERCIAL. Da especificação dos temas do programa proposto para o Semestre (único)

SUGESTÃO PARA O DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE ENSINO DE DIREITO COMERCIAL. Da especificação dos temas do programa proposto para o Semestre (único) Carga Horária Período Semestre (único) SUGESTÃO PARA O DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE ENSINO DE DIREITO COMERCIAL Da especificação dos temas do programa proposto para o Semestre (único) A dicotomia do Direito

Leia mais

LIVROS EMPRESARIAIS/ ESCRITURAÇÃO MERCANTIL (Ponto 4) Prof. João Glicério de Oliveira Filho. I. Obrigações comuns a todos os empresários

LIVROS EMPRESARIAIS/ ESCRITURAÇÃO MERCANTIL (Ponto 4) Prof. João Glicério de Oliveira Filho. I. Obrigações comuns a todos os empresários LIVROS EMPRESARIAIS/ ESCRITURAÇÃO MERCANTIL (Ponto 4) Prof. João Glicério de Oliveira Filho I. Obrigações comuns a todos os empresários - Registrar-se conseqüência pelo descumprimento: Irregularidade.

Leia mais

- Crédito trabalhista: obrigação solidária do adquirente e alienante;

- Crédito trabalhista: obrigação solidária do adquirente e alienante; Aula de 02/03/15 5. ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL - Conceito: corresponde ao conjunto de bens reunidos pelo empresário (individual ou sociedade empresária) para a realização de sua atividade econômica; -

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 22/10/2014.

DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 22/10/2014. DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 22/10/2014. Sociedade Empresária Conceito: Sociedade empresária é um tipo de aglutinação de esforços de diversos agentes,

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ORIENTAÇÕES RECEBIDAS DO FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE,

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Direito Empresarial ADM 065. 36h 5º

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Direito Empresarial ADM 065. 36h 5º Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS

S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS 1.1. Generalidades... 17 1.2. Conceito, requisitos e características... 37 1.3. Natureza jurídica do contrato de locação...

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Junta Comercial do Estado de São Paulo

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Junta Comercial do Estado de São Paulo ANEXO I A QUE SE REFERE À DELIBERAÇÃO JUCESP Nº 01, DE 18 DE MARÇO DE 2015. TABELA DE PREÇOS DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO JUCESP APROVADA PELO COLÉGIO DE VOGAIS DA JUCESP EM SESSÃO PLENÁRIA

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 ALTERA AS EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS DISCIPLINAS CH1301 - COMERCIAL I, CH1306 - COMERCIAL II E CH1308 - COMERCIAL III, DO CURSO DE, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL. Unidade 7

ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL. Unidade 7 ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL Unidade 7 Definição Expressões sinônimas: Estabelecimento empresarial ou comércio ou azienda (do Italiano) fundo de Conceito: Reunião dos bens, materiais ou imateriais, necessários

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE ALAGOAS

SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE ALAGOAS SERVIÇOS PRESTADOS PELA 1. EMPRESÁRIO (213-5) DO F 1.1. Inscrição (registro inicial) 080 080 02 dias úteis R$ 85,00 R$ 10,00 1.2 Alteração (exceto para filiais) Alteração de nome empresarial (código de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRET ARIA DA FAZENDA JU NTA C OM ERCI AL DO E STADO DE S ÃO P AU LO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRET ARIA DA FAZENDA JU NTA C OM ERCI AL DO E STADO DE S ÃO P AU LO DELIBERAÇÃO JUCESP N 1, DE 06 DE ABRIL DE 2010. Aprova Tabela de Preços dos atos pertinentes ao Registro Público de Empresas Mercantis e Atividades Afins O PLENÁRIO DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

Colaborando com este pensamento temos o artigo 1179 do Código Civil 2002.

Colaborando com este pensamento temos o artigo 1179 do Código Civil 2002. UNIDADE IV CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: REGISTRO DE EMPRESA PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ EMENTA: Livros comerciais: obrigações comuns a todos os empresários. Espécies de

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL

TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma breve análise sobre a teoria do estabelecimento empresarial, considerando o seu teorema e axiomas,

Leia mais

2ª ATIVIDADE: (TRABALHO MANUSCRITO): COMENTÁRIO LIVRE EM 10 LINHAS REFERENTE A UMA PESQUISA LEGISLATIVA.

2ª ATIVIDADE: (TRABALHO MANUSCRITO): COMENTÁRIO LIVRE EM 10 LINHAS REFERENTE A UMA PESQUISA LEGISLATIVA. MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. Vide dicas MDE: Material Didático Estácio. 1ª ATIVIDADE: Pesquisar um tema referente a matéria na biblioteca e redigir um artigo nos

Leia mais

PARTE I DO DIREITO PRIVADO

PARTE I DO DIREITO PRIVADO PARTE I INTRODUÇÃO ÍNDICE SISTEMÁTICO AO ESTUDO DO DIREITO PRIVADO O DIREITO ÍNDICE E AS SUAS FONTES Objecto e plano do curso... 21 PARTE I INTRODUÇÂO AO ESTUDO DO DIREITO PRIVADO TÍTULO I O DIREITO E

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE ALAGOAS

SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE ALAGOAS ATO SERVIÇOS PRESTADOS PELA JUNTA COMERCIAL DE ALAGOAS CÓDIGO DO ATO CÓDIGO DO EVENTO PRAZO PARA ARQUIVAMENTO DAR (Código 3220-4) DARF (Código 6621) 1. EMPRESÁRIO (até 4 vias) (213-5) 1.1. Inscrição (registro

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO UNIDADE ACADÊNICO-ADMINISTRATIVA DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO UNIDADE ACADÊNICO-ADMINISTRATIVA DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE EMPRESARIAL CÓDIGO CRÉDITO PERÍODO PRÉ REQUISITO TURMA ANO CSA 1206 04 4º Contabilidade Empresarial A01 2015 1 Prof.: Jediel Teixeira

Leia mais

Direito Societário. Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro

Direito Societário. Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro Direito Societário Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro Importância do Direito Societário Conhecimento Jurídico como ferramenta para a gestão de negócios

Leia mais

Índice Sistemático. Capítulo Primeiro NOÇÕES GERAIS. I O Comércio e o Direito Regulador das Atividades Comerciais

Índice Sistemático. Capítulo Primeiro NOÇÕES GERAIS. I O Comércio e o Direito Regulador das Atividades Comerciais Índice Sistemático Capítulo Primeiro NOÇÕES GERAIS I O Comércio e o Direito Regulador das Atividades Comerciais 1. O Comércio como Atividade Empresarial 2. Desenvolvimento do Comércio e do Direito Regulador

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO DO COMÉRCIO PARECER JURÍDICO DNRC/COJUR/Nº 205/03 REFERÊNCIA: Processos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Plano de Trabalho Docente 2014

Plano de Trabalho Docente 2014. Plano de Trabalho Docente 2014 Plano de Trabalho Docente 2014 Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Ensino Técnico Técnico Etec Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

SPED no Cenário Jurídico e Corporativo. De quem é a Responsabilidade?

SPED no Cenário Jurídico e Corporativo. De quem é a Responsabilidade? SPED no Cenário Jurídico e Corporativo. De quem é a Responsabilidade? I. MULTAS (Legislação do SPED) - I por apresentação extemporânea: a) R$ 500,00 (quinhentos reais) por mês-calendário ou fração, relativamente

Leia mais

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito Empresarial Prof. Elisabete Vido Data: 20.08.2009 Aula nº 01

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito Empresarial Prof. Elisabete Vido Data: 20.08.2009 Aula nº 01 OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito Empresarial Prof. Elisabete Vido Data: 20.08.2009 Aula nº 01 TEMAS TRATADOS EM AULA 1. ATIVIDADE EMPRESARIAL X ATIVIDADE NÃO EMPRESARIAL O CC/02 adota

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Evandro Muniz Período/ Fase: 9ª Semestre: 2º Ano: 2013 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis Introdução l 1. l Um breve histórico l l.2 Definição do termo Contabilidade 2 1.3 O processo contábil 3 1.3.1 Posicionamento do contador em relação à empresa 4 l.4 Ramos de atuação da Contabilidade 5 l.4.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série CONTABILIDADE INTRODUTORIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA DA CONTABILIDADE CONTEÚDO

Leia mais

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior Exportação e Importação Gerência

Leia mais

É necessário que a contabilidade de 2013 da empresa esteja com o período encerrado.

É necessário que a contabilidade de 2013 da empresa esteja com o período encerrado. Geração do SPED ECD e FCONT referente ao exercício de 2013. É necessário que a contabilidade de 2013 da empresa esteja com o período encerrado. Porém antes de encerrar o exercício, efetue os procedimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS DIRETORIA ACADÊMICA PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS DIRETORIA ACADÊMICA PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIAS DISCIPLINA GL203 NOME Contabilidade I Horas Semanais Teóricas Práticas Laboratório Orientação Distância Estudo em Casa Sala de Aula 04 00 00 00 00 00 04 Nº semanas Carga horária total Créditos Exame Frequência

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL EVOLUÇÃO HISTÓRICA. Fases:

DIREITO EMPRESARIAL EVOLUÇÃO HISTÓRICA. Fases: 1 DIREITO EMPRESARIAL Fases: EVOLUÇÃO HISTÓRICA 1. Conceito Subjetivo (Id. Média): mercadores somente os associados estavam sujeitos às normas das corporações; 2. Conceito Objetivo (Sistema Francês 1807-1808):

Leia mais

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil Ferramentas da Contabilidade Tipos de Auditoria Escrituração Contabilidade de Custos Análise das Demonstrações Contábeis Auditoria * Balanço Patrimonial -- BP, BP, Demonstração do do Resultado do do Exercício

Leia mais

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum 11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas As sociedades não-personificadas são sociedades que não tem personalidade jurídica própria, classificada em: sociedade em comum e sociedade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No 94, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2002

INSTRUÇÃO NORMATIVA No 94, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2002 INSTRUÇÃO NORMATIVA No 94, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2002 Dispõe sobre a especificação de atos integrantes da Tabela de Preços dos Serviços prestados pelos órgãos do Sistema Nacional de Registro de Empresas

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROF. ROBERTA MAROPO AULA 02

DIREITO EMPRESARIAL PROF. ROBERTA MAROPO AULA 02 REFORÇO ACADÊMICO DIREITO EMPRESARIAL PROF. ROBERTA MAROPO AULA 02 ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL CONCEITO - Art. 1142. Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para exercício da empresa,

Leia mais

PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015

PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015 21/02/2011 Página 1 de 5 PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015 Disciplina DIREITO DE EMPRESA Curso Graduação Período 3º PERÍODO Eixo de Formação EIXO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Turma A, B e D Código 076

Leia mais

o comércio e o direito regulador das atividades comerciais

o comércio e o direito regulador das atividades comerciais STJ00055854 ÍNDICE SISTEMÁTICO Sumário... Do Autor........................................................... Apresentação....................................................... XI XIII XV Capitulo Primeiro

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 15

PROVA ESPECÍFICA Cargo 15 14 PROVA ESPECÍFICA Cargo 15 QUESTÃO 31 O Ativo representa um conjunto de: a) bens intangíveis. b) dinheiro na empresa. c) bens para investimento. d) bens e direitos da empresa. QUESTÃO 32 Um pagamento

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

STJ00097431 - V. 1 MARLON TOMAZETTE. cu SO DE DlREIT EMP S RIAL. Teoria. Societário. 6ª Edição. Volume 1

STJ00097431 - V. 1 MARLON TOMAZETTE. cu SO DE DlREIT EMP S RIAL. Teoria. Societário. 6ª Edição. Volume 1 MARLON TOMAZETTE cu SO DE DlREIT EMP S RIAL Teoria Societário 6ª Edição Volume 1 são PAULO EDITORA ATLAS S.A. - 2014 2007 by Editora Atlas SA 1.ed. 2008; 2. ed. 2009;3. ed. 2011; 4. ed. 2012; 5. ed. 2013;

Leia mais

Net São José do Rio Preto Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Setembro de 2009 para fins de incorporação

Net São José do Rio Preto Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Setembro de 2009 para fins de incorporação Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Setembro de 2009 1. Globalconsulting Assessoria Contábil Ltda., empresa devidamente inscrita no Conselho Regional de Contabilidade de São Paulo

Leia mais

Controle do Registro Empresarial Obrigações eletrônicas dos contribuintes. Eugênio Vicenzi Secretário da Fazenda Rio do Sul Presidente do CONFAZ-M-SC

Controle do Registro Empresarial Obrigações eletrônicas dos contribuintes. Eugênio Vicenzi Secretário da Fazenda Rio do Sul Presidente do CONFAZ-M-SC Controle do Registro Empresarial Obrigações eletrônicas dos contribuintes Eugênio Vicenzi Secretário da Fazenda Rio do Sul Presidente do CONFAZ-M-SC Novas Diretrizes no Registro Empresarial Lei nº 11.598/07

Leia mais

REVISÃO 21 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS - RENOVAÇÃO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA PASTA AMARELA

REVISÃO 21 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS - RENOVAÇÃO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA PASTA AMARELA REVISÃO 21 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS - RENOVAÇÃO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA PASTA AMARELA 1. Na renovação a empresa deverá informar, por escrito, se houve ou não alteração dos documentos de Qualificação Técnica

Leia mais

A teoria do direito empresarial se subdivide em três:

A teoria do direito empresarial se subdivide em três: TEORIAS DO DIREITO EMPRESARIAL A teoria do direito empresarial se subdivide em três: TEORIA SUBJETIVA o direito comercial se caracterizava por dois fatores: RAMO ASSECURATÓRIO DE PRIVILÉGIOS À CLASSE BURGUESA,

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PONTO I

DIREITO EMPRESARIAL PONTO I DIREITO EMPRESARIAL PONTO I a) Objeto, fontes e autonomia do Direito Empresarial. O Direito de Empresa no novo Código Civil. Perfis da empresa. A empresa e a livre iniciativa. Limites ao exercício da empresa.

Leia mais

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2006 E DE 2005 E RELATÓRIO SOBRE A REVISÃO LIMITADA A BDO International é

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

AULA 2 - REGISTRO DE EMPRESAS

AULA 2 - REGISTRO DE EMPRESAS 1 AULA 2 - REGISTRO DE EMPRESAS Introdução funções: O Código Comercial de 1850 criou os Tribunais de Comércio que tinha duas 1) Julgar os conflitos que envolviam comerciantes; 2) Função administrativa

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial PRIMEIRA FASE 01 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Funções, gráficos e aplicações; cálculo diferencial e aplicações; funções de duas ou mais variáveis: derivadas parciais e aplicações; aplicação computacional

Leia mais

Agência de Propaganda

Agência de Propaganda Agência de Propaganda Um assinante do Consultor Municipal fez a seguinte consulta: As empresas de propaganda e marketing são consideradas agências? E qual seria a base de cálculo do ISS? Por ser um assunto

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO GERAL DOS GRUPOS DE INDÚSTRIA

CLASSIFICAÇÃO GERAL DOS GRUPOS DE INDÚSTRIA Grupo: CLASSIFICAÇÃO GERAL DOS GRUPOS DE INDÚSTRIA 1º Lugar Indústria Náutica Boat Resultado : R$ 162.953,00 10 45% 4,5 Pontuação Produção 630 7,1 25% 1,8 Pontuação Auditoria 95 7,3 15% 1,1 Apresentação

Leia mais

CONTABILIDADE. Prof Adelino Correia

CONTABILIDADE. Prof Adelino Correia CONTABILIDADE GERAL Prof Adelino Correia Definição de Contabilidade Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas. Objeto da Contabilidade

Leia mais

Imagem da Contabilidade/Contador Ambiente contábil Viés fiscal Fisco se apropriou da Contabilidade Objetividade das normas/dificuldade de

Imagem da Contabilidade/Contador Ambiente contábil Viés fiscal Fisco se apropriou da Contabilidade Objetividade das normas/dificuldade de Imagem da Contabilidade/Contador Ambiente contábil Viés fiscal Fisco se apropriou da Contabilidade Objetividade das normas/dificuldade de evidenciação Inexistência de escrituração contábil Inexistência

Leia mais

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido 1) Valorize a profissão: é a única com desemprego zero; tem 23 áreas de especialização

Leia mais

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Conceito de Contabilidade CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Processo de identificar, mensurar e comunicar informações econômicas para permitir julgamentos e decisões fundamentais

Leia mais

QUALICORP ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

QUALICORP ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 QUALICORP ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas,

Leia mais

Direito Comercial. Estabelecimento Comercial

Direito Comercial. Estabelecimento Comercial Direito Comercial Estabelecimento Comercial 1. Noção Geral 2. Conceito 3. Natureza Jurídica 4. Estabelecimento x Patrimônio 5. Estabelecimento Principal e Filiais 6. Elementos Componentes do Estabelecimento

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 4 Demonstrações Financeiras

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 4 Demonstrações Financeiras 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstrações Financeiras Tópicos do Estudo Demonstrações Financeiras ou Relatórios Contábeis Demonstrações Financeiras e a Lei das Sociedades Anônimas Objetivos

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Profissionais formados em Cursos Superiores de Tecnologia ligados à área de Administração podem obter seu registro profissional no CRA/RJ

Profissionais formados em Cursos Superiores de Tecnologia ligados à área de Administração podem obter seu registro profissional no CRA/RJ 19/11/2009 Profissionais formados em Cursos Superiores de Tecnologia ligados à área de Administração podem obter seu registro profissional no CRA/RJ (fonte: CFA) Nos últimos anos cresceu significativamente

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

LL ASSESSORiA CONTÁbil, FisCAl E TRibuTÁRiA S S.

LL ASSESSORiA CONTÁbil, FisCAl E TRibuTÁRiA S S. Contábil Gestão Operacional Auditoria Terceirização de Deptos. SANTA VTÓRA DO PALMAR ENERGAS RENOVA VES SA Ativo 31/1212012 31/12/2013 Circulante 0,00 905,40 Disponibilidades 0,00 905,40 Realizavel a Longo

Leia mais

LISTA DE CONFERÊNCIA DOS REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO COMO OSCIP

LISTA DE CONFERÊNCIA DOS REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO COMO OSCIP LISTA DE CONFERÊNCIA DOS REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO COMO OSCIP I DOCUMENTAÇÃO: Checar se, de acordo com o artigo 5º, da Lei n.º 9.790/99, o requerimento de qualificação como OSCIP (Modelo II) está acompanhado

Leia mais

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88 Apresentação 1 Contabilidade Geral - Rodrigo de Souza Gonçalves e Fernanda Fernandes Rodrigues, 1 Objetivos, 1 Introdução, 1 1 Plano de contas - elaboração e utilização, 2 2 Balanço patrimonial - estrutura

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09)

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09) Publicada no D.O.U. nº 217, de 13/11/09 Seção 1 Página 183 e 184 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09) Aprova o registro profissional

Leia mais