TÍTULO: O valor do trabalho humano digno na nova ordem mundial. RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO: O valor do trabalho humano digno na nova ordem mundial. RESUMO"

Transcrição

1 TÍTULO: O valor do trabalho humano digno na nova ordem mundial. Autor: Marcell Fernandes Santana. RESUMO Desde a existência dos meios produtivos realizados pela força do trabalho humano é que existe a constante pressão em busca de uma maior produtividade, reduzindo os custos de produção, entre eles os da mão de obra, de modo a aumentar os lucros do negócio, buscandose produzir sempre mais com cada vez menos recursos. Nasce dessa equação a luta por direitos pela classe trabalhadora, culminando com o nascimento do Direito do Trabalho, que no Brasil teve como marco legal a Consolidação das Leis do Trabalho em 1943, unindo legislações esparsas sobre o assunto e, posteriormente, a positivação de direitos tão duramente conquistados na Constituição Federal de 1988, em seu artigo 1º, que elenca como fundamentos do Estado democrático de direito da República Federativa do Brasil, entre outros, os princípios de cidadania, dignidade da pessoa humana e dos valores sociais do trabalho. A Constituição Federal estabeleceu, em seu artigo 21, inciso XXIV, a competência da União para organizar, manter e executar a inspeção do trabalho, a cargo da Auditoria-Fiscal do Trabalho, cuja honrosa missão cabe a garantia do cumprimento da legislação trabalhista, tendo por objetivo, entre outros, o combate à informalidade, ao trabalho escravo e infantil, a arrecadação do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, a inclusão de deficientes e aprendizes no mercado de trabalho, a melhoria das condições de segurança e saúde dos ambientes de trabalho visando à redução dos índices de acidentes e doenças profissionais, tendo sempre como foco central o trabalhador, o cidadão, o ser humano dotado de sentimentos, de cujo trabalho depende sua sobrevivência digna e de sua família. Palavras-chaves: Dignidade da pessoa humana, cidadania, valor social do trabalho, Auditoria-Fiscal do Trabalho.

2 As últimas décadas foram marcadas por profundas mudanças trazidas pelo processo de globalização e pelo neoliberalismo, com transformações rápidas e constantes na economia e nas relações de trabalho. A busca por produtividade é a palavra de ordem, seja através do incremento da produção, seja pela redução de custos, visando aumentar cada vez mais os lucros do negócio. Essa nova ordem mundial atingiu indistintamente todos os países, prejudicando principalmente aqueles em processo de desenvolvimento, pois suas fragilidades internas e externas os tornam mais vulneráveis a esse processo capitalista. Essas mudanças têm ramificações em todos os setores, em todas as áreas, mas essencialmente de forma mais agressiva na relação capital x trabalho. Na busca incessante por reduzir custos de produção, um dos principais alvos tem sido os relativos aos da mão de obra, devendo-se isso à maior fragilidade dos agentes envolvidos e pela facilidade em se atacar esse ponto, bastando o conhecido discurso de ameaça de desemprego se não houver a supressão de direitos trabalhistas. Tanto as pressões externas quanto internas sobre os países em desenvolvimento, em relação à legislação trabalhista, são muito grandes, e originam-se do interesse do capital em aumentar seus ganhos em contrapartida à precarização de direitos da classe trabalhadora. Do lado das grandes empresas multinacionais, a busca pela redução de custos as tem feito migrar sua produção para países com direitos trabalhistas mais precários como para a China, Índia, Paquistão, Indonésia, entre outros. Em comum, esses países têm uma grande população e um baixo índice de desenvolvimento humano, com uma economia ainda em crescimento necessitando, portanto, atrair investimentos externos. O Brasil encontra-se nesse patamar, mas ainda mantém uma legislação trabalhista, que em comparação a outros países de igual nível de desenvolvimento é bastante engessada, e complexa, na visão desses grandes grupos econômicos internacionais, o que provoca, por essa filosofia capitalista, uma enorme dificuldade de atrair investimentos externos e crescer a taxas condizentes com seu potencial econômico. Segundo Almir Pazzianotto Pinto 1, ex-ministro do Trabalho, e ex-presidente do Tribunal Superior do Trabalho, é preciso dizer que buscar maior produtividade, com redução de custos, não é imoral, antiético, pecado ou crime, precisamente porque produtos brasileiros têm preços superiores aos padrões internacionais, nossas indústrias não exportam, encontram- 1 Almir Pazzianotto Pinto. Cenários Possíveis. Jornal O Estado de São Paulo, 11 de agosto de

3 se em crise e desempregam. Nada protege melhor o trabalhador do que uma economia vigorosa, pois é ela quem dita o nível de emprego e os salários. Toda essa pressão por mudanças vem justamente daí. Pelo fato de não estar competitivo perante outros países de igual desenvolvimento, o Brasil é bombardeado constantemente por Projetos de Lei que visam à redução de direitos trabalhistas com o discurso de atrair mais investimentos para o país e, com isso, maior crescimento, nascendo desse pretexto o que já há muito conhecemos como, por exemplo, os projetos para normatizar a prevalência do negociado sobre o legislado, a terceirização, cuja legislação reguladora nunca existiu, mas já absolutamente enraizada na nossa economia e os constantes, e incessantes, Projetos de Lei que ora ou outra vêm à tona objetivando, disfarçadamente, simplificar a legislação trabalhista, mas que trazem sorrateiramente a precarização de direitos, a exemplo da mais recente proposta de criação do SUT Sistema Único do Trabalho 2, que tem por objetivo a unificação de todas as ações relacionadas ao mundo do trabalho, mas que fere a Constituição Federal e a organização do Sistema Federal de Inspeção do Trabalho diretamente ao prever, entre outras coisas, a criação de um conselho deliberativo, denominado Conselho Nacional do Trabalho, integrado por representação de empresários com poderes para normatizar e definir a política de fiscalização trabalhista, ou seja, os agentes que serão alvos de fiscalização é que definirão a própria política pública de fiscalização. É no mínimo um absurdo jurídico, técnico e moral. O objetivo de todo esse complexo sistema de forças é apenas um: a precarização constante das relações de trabalho, advinda da redução de direitos trabalhistas fundamentais, porém já vivenciada na prática há muito tempo, confirmada pelo índice de cerca de 20% 3 de trabalhadores sem carteira assinada no país e os alarmantes números de acidentes de trabalho, ceifando aproximadamente vidas e gerando para o país gastos da ordem de mais de R$ 70 bilhões 4 todos os anos. A precarização das relações de trabalho não virá, ela já está instalada há muito tempo, basta ver os números, que falam por si só. No mundo, assim como no Brasil, as conquistas de direitos trabalhistas se consolidaram a duras penas e, ao longo do tempo, foi adquirindo status de concretização da 2 Ofício-Circular nº. 07/2014 GM/MTE, de 18 de junho de Fonte: Jornal Correio Braziliense, disponível em publicado em 23/06/2014. Acesso em 21/10/2014. Estatísticas: 19,1 milhões de trabalhadores sem Carteira de Trabalho assinada; 96,1 milhões de trabalhadores no país; 30,2 milhões de trabalhadores autônomos, empregadores ou que exercem outra atividade. 4 Disponível em Acesso em 01 de julho de

4 dignidade de pessoa humana, sendo recepcionados na Constituição Federal de 1988, em seu artigo 1º como um dos princípios fundamentais, ali também compreendidos os valores sociais do trabalho e a cidadania. Na verdade esses conceitos se confundem, pois são indissociáveis, não sendo possível se pensar em valor social do trabalho sem associá-lo com ao conceito de cidadania e, por conseguinte, à dignidade da pessoa humana do trabalhador. Ao tratar sobre os princípios gerais da atividade econômica, a Constituição Federal, afirma que a ordem econômica é fundada na valorização do trabalho, tendo por fim assegurar a todos uma existência digna, de acordo com os ditames da justiça social (art. 170, CF/88). Conclui-se, portanto, que qualquer atividade econômica não deve se sobrepor ao princípio da dignidade humana, que é o alicerce dos direitos dos trabalhadores, pois são compreendidos como legítimos direitos humanos. A Declaração Universal dos Direitos do Homem dispõe que "Todo o Homem que trabalha tem direito a uma remuneração justa e satisfatória, que lhe assegure, assim como à sua família, uma existência compatível com a dignidade humana, e a que se acrescentarão, se necessário, outros meios de proteção social". Portanto, direito do trabalho é a base principal dos direitos humanos, garantindo ao homem seu direito mais básico, sua própria vida. Thereza Gosdal 5 entende que, no âmbito das relações de trabalho, a dignidade assume a característica de instrumento na luta contra os atos e práticas abusivas e contra as violações de direitos fundamentais dos trabalhadores, que os desconsideram como sujeitos de direitos. Numa visão abrangente e interpretação sistemática do enunciado dos princípios fundamentais é possível chegarmos à conclusão de que o Estado democrático de direito apóiase essencialmente no trabalho, mas não em qualquer trabalho, mas sim na idéia de trabalho decente, que seja alinhado aos princípios de cidadania e de dignidade da pessoa humana, pois como já mencionado, são conceitos indissociáveis por natureza. Ao longo de toda a história, desde a Revolução Industrial, iniciando-se pela busca de proteção ao trabalho de crianças nas, então, recentes fábricas e na limitação das extenuantes jornadas de trabalho, o nascimento do Direito do Trabalho teve como princípio, única e exclusivamente, senão a busca pela dignidade da pessoa humana, segundo o qual todo ser humano tem o direito legítimo ao respeito de seus semelhantes e, por isso, está obrigado a respeitar todos os demais. 5 GOSDAL. Thereza Cristina. Dignidade do Trabalhador: um conceito construído sobre o paradigma do trabalho decente e da honra. São Paulo, LTr,

5 De acordo com GARCIA 6, o Direito do Trabalho é uma verdadeira conquista obtida ao longo da história da humanidade, exercendo papel fundamental ao garantir condições mínimas de vida aos trabalhadores, assegurando a dignidade da pessoa humana e evitando abusos que o capital e a busca pelo lucro pudessem causar aos membros da sociedade, em especial àqueles que não detêm o poder econômico. Ainda segundo GARCIA, o sistema capitalista, por sua própria natureza, acarreta a necessidade de que certas limitações e exigências sejam fixadas no que se refere à utilização do trabalho humano, especialmente quanto àqueles que não detêm os meios de produção. O Direito do Trabalho, desse modo, exerce o relevante papel de assegurar patamares mínimos de dignidade e justiça social, impedindo que a busca pela obtenção de lucros e concorrência acabem impondo níveis inaceitáveis de exploração do trabalho humano, em afronta aos valores magnos da liberdade, justiça, solidariedade e bem comum. Desde a chamada sociedade pré-industrial, passando pela Revolução Francesa e Revolução Industrial, e no Brasil pela Constituição Imperial de 1824 que estabeleceu o dever de existir liberdade de exercício de profissões, depois pela era da escravidão, que teve sua abolição normativamente decretada pela Lei Áurea, de 13 de maio de 1888, mas que na prática perdura até os dias de hoje, pela Constituição de 1934, da era Vargas, que foi a primeira a ter normas específicas de Direito do Trabalho, pela Constituição de 1937 que previu expressamente a intervenção do Estado, instituindo o sindicato único, posteriormente pela Constituição de 1946 que restabeleceu o direito de greve, pela Constituição de 1967 que manteve os direitos trabalhistas previstos nas Constituições anteriores e passou a prever o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, que havia sido criado pela Lei 5.107, de 13 de setembro de 1966, em seguida pela Emenda Constitucional 1, de 17 de outubro de 1969 e pela Constituição de 1967, culminando com a Constituição Federal de 1988, passaram-se mais de um século de luta para a conquista e consolidação de direitos. A Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-Lei 5.452, de 1º de maio de 1943, sistematizou e reuniu as diversas leis esparsas sobre Direito do Trabalho existentes na época. A Constituição Federal de 1988, promulgada em 5 de outubro de 1988, tratando dos Direitos Sociais, em seu artigo 6º, regulou de forma particular a matéria pertinente ao Direito do Trabalho nos seus artigos 7º a GARCIA, Gustavo Filipe Barbosa. Manual de direito do trabalho. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo. Editora Método, p. 3 e 4. 4

6 Esse breve, e muito sucinto, relato histórico é para lembrar o quanto de luta e de esforços, de derrotas e de vitórias se travou no decorrer de décadas para se chegar ao que temos atualmente, que foi conquistado pelos trabalhadores ao longo da história e agora está consolidado constitucionalmente. Todo esse enorme legado é patrimônio de todos os trabalhadores brasileiros. É esse, portanto, o tamanho da responsabilidade da Auditoria-Fiscal do Trabalho, encarregada da competência de defender esses direitos tão duramente alcançados e com o desafio de garantir seu cumprimento para todos os trabalhadores, indistintamente, em todos os cantos do Brasil. Responsabilidade essa reconhecida, respeitada e corroborada por todos os entes que operam o Direito do Trabalho como, por exemplo, a ANAMATRA Associação Nacional dos Magistrados Trabalhistas (ANAMATRA III) que em seu relatório de propostas sobre a Reforma Trabalhista reafirma essa competência, in verbis: Os Auditores Fiscais têm a nobre missão de buscar assegurar o cumprimento da legislação de proteção ainda no curso da relação de emprego, razão pela qual o fortalecimento de sua atuação contribuirá para conferir mais efetividade àquela legislação e, consequentemente, prevenir conflitos 7. A instituição Inspeção do Trabalho, através da Auditoria-Fiscal do Trabalho, por certo não é a única, mas ouso a afirmar que é a principal instituição garantidora e defensora dos direitos trabalhistas no Brasil. E afirmo isso, com toda a convicção, não somente pelo fato de possuir a competência dada pelo artigo 21, inciso XXIV da Constituição Federal, o qual atribui à União organizar, manter e executar a inspeção do trabalho, ou também pelo fato de estar amparada pela Convenção nº. 81 da Organização Internacional do Trabalho, mas principalmente por ter a competência legal de estar na denominada linha de frente, de estar na ponta, com o objetivo de evitar a ocorrência de práticas abusivas, que resultem no aviltamento das condições de vida do trabalhador e lhe neguem direitos básicos para sua existência com dignidade. A importância da atuação da Auditoria-Fiscal do Trabalho pode ser mensurada de diversas maneiras, seja através do sentimento individual de cada trabalhador que teve seu problema resolvido ou seu direito garantido, através de uma ação fiscal, resgatando sua dignidade quanto pessoa, detentora de direitos, mas também pode ser medida em números, o que nos dá uma dimensão quantitativa do seu alcance. 7 Ação Civil Pública nº , de 10 de junho de 2014, p

7 De acordo com o Boletim Informativo 8, da Secretaria de Inspeção do Trabalho SIT, sobre o resultado da Fiscalização do Trabalho durante o período compreendido entre os anos de 2003 a 2014 (grifo nosso), extraímos que foram fiscalizadas mais de 3 milhões e 450 mil empresas, alcançando mais de 358 milhões e 500 mil trabalhadores, registrando mais de 6 milhões e 600 mil trabalhadores e recolhidos R$ ,00 de FGTS, ambos sob ação fiscal, e resgatados trabalhadores nas operações de fiscalização móvel para erradicação do trabalho escravo. São números altamente expressivos, que retratam a importância, o comprometimento e a eficiência da Auditoria-Fiscal do Trabalho na garantia dos princípios constitucionais de direitos humanos fundamentais tendo por base os direitos trabalhistas. Mas essa tão nobre missão constitucional, na garantia do cumprimento da plenitude dos direitos trabalhistas e, por conseguinte, da dignidade da pessoa humana do trabalhador, e do próprio valor social do trabalho, está atualmente comprometida por vários aspectos, fruto do descaso histórico com a instituição, entre eles pelo quantitativo de Auditores-Fiscais do Trabalho, contando atualmente com apenas em atividade no país, número insignificante frente às crescentes demandas. Outro aspecto é o sucateamento físico, estrutural propriamente dito, do Ministério do Trabalho e Emprego e as constantes instabilidades institucionais ao longo das últimas duas décadas, provocadas por ameaças de retirada de competências, ausência de uma política de carreira justa e ombreada com as responsabilidades do cargo, por Projetos de Leis que fragilizam e desestimula a categoria, e tudo isso por puro desinteresse do governo, haja vista, como exemplo, o projeto de Lei Orgânica do Fisco, que não passou de uma simples promessa. Em relação ao quantitativo de Auditores-Fiscais, um recente estudo 10 realizado pelo IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), em julho de 2012, intitulado A necessidade de auditores fiscais do trabalho no Brasil: uma análise contemplando o grau de descumprimento da legislação trabalhista mostra o descompasso entre a estagnação do número de auditores e a ampliação de seu objeto (os trabalhadores ocupados), pois esse quantitativo saltou de 52 milhões, em 1990, para 73,3 milhões em 2009, enquanto o número 8 Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego. SIT Secretaria de Inspeção do Trabalho. Disponível em <http://www.mte.gov.br> Acesso em 26 de setembro de Dados apurados até junho de Empresas fiscalizadas ; Trabalhadores alcançados: ; Trabalhadores registrados sob ação fiscal: Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego, obtido em <http://www.mte.gov.br>. 10 IPEA. Autores do estudo: Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa; Carlos Henrique Leite Corseuil e Maurício Cortez Reis. Julho de

8 de auditores caiu de em 1990 para no ano de , coincidindo justamente com o início de um processo de elevação sem precedentes no grau de informalidade no mercado de trabalho brasileiro, totalizando um aumento de 10 pontos percentuais (p.p) ao final dos anos 90, passando de 28% para 38% da população ocupada, segundo estudo 12, também o IPEA, intitulado Informalidade no mercado de trabalho brasileiro: uma resenha da literatura, de Gabriel Ulyssea. Ou seja, enquanto o número de trabalhadores e de empresas aumentou exponencialmente durante os últimos anos, o quantitativo de auditores diminuiu sobremaneira, e essa defasagem é sentida no dia a dia do trabalho dos Setores de Fiscalização das Superintendências Regionais, que são constantemente inundados por denúncias e por uma infindável quantidade de pedidos oriundos do Ministério Público do Trabalho, da Justiça do Trabalho, de sindicatos e tantos outros, e que, por sua vez, desembocam nos poucos auditoresfiscais já completamente sobrecarregados. A OIT Organização Internacional do Trabalho (Relatório III 1B, 95ª Conferência, 2006) indica como parâmetro para países em ritmo de industrialização como o Brasil, pelo menos, 01 auditor-fiscal do trabalho para cada 15 mil trabalhadores, o que significa que se levarmos em conta a População Economicamente Ativa (PEA) atual, precisaríamos de aproximadamente auditores 13. Com 19,1 milhões de trabalhadores em carteira assinada 14 e a insuficiência de Auditores-Fiscais do Trabalho, o custo de oportunidade para o país é enorme, pois deixa, potencialmente, de arrecadar cerca de 26 bilhões de reais ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço 15, assim como também deixa de garantir proteção previdenciária a milhões de trabalhadores, sem contar o gigantesco rombo nas contas da Previdência Social e do Sistema Único de Saúde pelo gasto bilionário oriundos de doenças profissionais e acidentes de trabalho, com cerca de 700 mil acidentados e mortes anualmente. 11 Ação Civil Pública nº , de 10/06/2014, ajuizado pelo Ministério Público do Trabalho. Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego, disponível em 12 ULYSSEA, Gabriel. Informalidade no mercado de trabalho brasileiro: uma resenha da literatura. IPEA. Rio de Janeiro, fevereiro de Disponível em ACP Ação Civil Pública nº Fonte: Correio Braziliense. Publicação em 23/06/2014. PNAD Fonte: SINPROFAZ - IBPT, 2009 (proxy do INSS). Estudo intitulado Sonegação no Brasil Uma estimativa do desvio da arrecadação do exercício de Disponível em Acesso em 17/10/

9 Além do impacto direto nas contas públicas, existem ainda inúmeros reflexos indiretos desse cenário em diversas áreas como, por exemplo, deixar de investir mais recursos nos programas de saneamento básico, habitação popular e infra-estrutura com a arrecadação proveniente do FGTS, cuja criação há quarenta e oito anos trouxe importantes benefícios para a população brasileira, priorizando as camadas mais humildes e de mais baixa renda, o que possibilitou investimentos 16 da ordem de R$ 46,2 bilhões para a área de habitação e de R$ 12,2 bilhões para saneamento e infraestrutura somente no ano de 2013, proporcionando mais dignidade, cidadania e uma qualidade de vida melhor para milhares de famílias em todo o Brasil, fruto em grande parte da atuação da Auditoria-Fiscal do Trabalho. Soma-se à questão do reduzido número de auditores, o sucateamento físico e institucional, vivido pelo Ministério do Trabalho e Emprego nos últimos anos. Ao físico, pelo fato notório, e publicamente conhecido, da estrutura física dos imóveis das Superintendências Regionais e locais de atendimento ao público nas Gerências e Agências, muitos dos quais sem as mínimas condições de conforto, higiene e segurança para seus servidores fiscais e administrativos, de modo a proporcionar o mínimo de dignidade àqueles trabalhadores que procuram a instituição como última esperança para a solução de seus problemas. Ao sucateamento institucional, referimo-nos às constantes instabilidades vivenciadas nos últimos 20 anos, como a ameaça do SUS nas competências de fiscalização da segurança e saúde do trabalho, dos cortes anuais no orçamento do Ministério do Trabalho, fazendo com que diversos projetos fossem esvaziados, sem recursos para dar continuidade, ausência de programas de treinamento e capacitação regulares, inexistência de uma política de salarial continuada, e até mesmo interferências políticas em diversas regionais, desgastando sobremaneira todo o corpo fiscal, e provocando o sindicato da categoria para a defesa das nossas atribuições como, por exemplo, o caso da retirada da delegação de competência dos auditores para embargar e interditar, em três Superintendências, que custou grande esforço e até hoje não se chegou a um desfecho definitivo, tendo por respeito o direito à própria vida dos trabalhadores em situação de risco. Essa maré constante de insegurança quanto à nossa carreira faz estragos sérios na área de recursos humanos da Inspeção do Trabalho, levando diversos colegas de alta capacidade a trocar a carreira de Auditoria-Fiscal por outra considerada mais estável do ponto de vista institucional, levando consigo um enorme conhecimento prático e teórico que contribuiria de maneira significante para a excelência da instituição, além do constante desestímulo em toda a 16 Fonte: Demonstrações contábeis do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FGTS. Disponível em Acesso em 17/10/

10 categoria pela vivência de completo descaso com um trabalho de tão grande importância para a promoção da justiça social para toda a sociedade brasileira. Qual, portanto, a importância do investimento na estrutura da carreira de Auditoria- Fiscal do Trabalho e da instituição Inspeção do Trabalho quando falamos de cidadania, dignidade da pessoa humana e dos valores sociais do trabalho? No âmbito das relações de trabalho, estamos nos referindo à estrutura do Estado presente que garante o respeito aos direitos fundamentais que propiciam um trabalho digno e decente, com respeito às disposições legais, especialmente àquelas concentradas na Consolidação das Leis do Trabalho, cuja atuação da Auditoria-Fiscal do Trabalho assegura o pleno cumprimento a todos os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil de forma igualitária, célere, eficaz e, principalmente, de maneira homogênea em todo o país. A Auditoria-Fiscal do Trabalho já fez muito pelo país ao longo de sua história de mais de 120 anos 17, sendo modelo de referência mundial na luta contra o trabalho escravo contemporâneo, atuando no combate ao trabalho infantil, na inserção de pessoas com deficiência e de aprendizes no mercado de trabalho, na redução dos índices de informalidade na área rural e urbana, na arrecadação do FGTS, assim como também contribuiu de forma decisiva para diversas ações na área de segurança e saúde do trabalho como, por exemplo, na luta pelo banimento do amianto, pelos avanços normativos da Portaria de 1978, nas áreas de mineração, construção civil, atividade portuária e aquaviária, proteção de máquinas e equipamentos, serviços de saúde, eletricidade, frigoríficos, trabalho em altura, que é responsável por cerca de 95% dos acidentes na construção civil, na criação do projeto de Ação Integrada 18 cujo objetivo é a inserção dos egressos do trabalho escravo no mercado de trabalho e tantas outras ações fundamentais para um desenvolvimento mais justo e igualitário do país. Daí a importância de uma Auditoria-Fiscal do Trabalho forte, com independência administrativa e orçamentária, dotada de servidores fiscais e administrativos, em número suficiente e estrutura física adequada para dar conta das enormes demandas atuais, com uma legislação orgânica específica para a carreira do Fisco visando dar garantias e segurança para uma atuação eficaz e independente. 17 A Inspeção do Trabalho no Brasil tem seu marco inicial no Decreto nº , de 17 de janeiro de 1891, que em seu art. 1º previa É instituída a fiscalização permanente de todos os estabelecimentos fabris em que trabalharem menores. 18 O projeto Ação Integrada, que começou com os auditores fiscais do trabalho no Mato Grosso, e foi lançado durante a audiência pública no Senado, na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa CDH, no dia 6 de maio de 2013, como um movimento do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait). 9

11 A Auditoria-Fiscal do Trabalho está inserida num cenário de extrema complexidade e de transformações contínuas, que faz parte de sua própria natureza como instituição que trata de um tema, o direito do trabalho, que está sempre sofrendo constante pressão por mudança, e esse movimento, por sua vez, norteia-se de acordo com ventos de progresso, recessão, crises ou prosperidade econômica. Mas independentemente de quais pressões esteja sofrendo ou irá passar o mundo do trabalho no Brasil e, por conseguinte, a Auditoria-Fiscal do Trabalho, é preciso pautar princípios norteadores da nação que almejamos ser, esses sim são imutáveis e estão sacramentados na própria Constituição Federal, em seu artigo 1º, como fundamentos basilares do Estado democrático de direito da República Federativa do Brasil. Qualquer que seja a mudança vindoura não podemos abrir mão, como nação, de cuidar do nosso povo, das pessoas que trabalham e que fazem esse país crescer e se desenvolver. É preciso garantir a proteção plena e eficaz dos direitos trabalhistas para toda a classe trabalhadora indistintamente em todo o Brasil, e é justamente nesse aspecto que a Auditoria- Fiscal do Trabalho se faz presente, fazendo cumprir de maneira plena a legislação trabalhista, garantindo, assim, que sejam respeitados os fundamentos constitucionais de cidadania, dignidade da pessoa humana, valorizando o trabalho de todos os brasileiros e brasileiras que são o alicerce desse grande país. 10

12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1) ALMEIDA, André Luiz Paes de. Direito do Trabalho: material, processual e legislação especial - 2ª edição. São Paulo: Ed. Rideel, 2007; 2) BALANCES DE GESTIÓN INTEGRAL. Disponível em <http://www.dt.gob.cl/1601/w3- propertyvalue html>. Acesso em 15 de julho de 2013; 3) BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Org. Cláudio Brandão de Oliveira. Rio de Janeiro: Roma Victor, 2002; 4) Caixa Econômica Federal CEF, Site Institucional. Disponível em Acesso em 17/10/2014; 5) CASTEL, Robert. Metamorfoses da questão social. Vozes, Petrópolis, 1998, p ; 6) DELGADO, Maurício Godinho. Curso de direito do trabalho. 3ª Edição. São Paulo, Editora LTr, 2004; 7) GARCIA, Gustavo Filipe Barbosa. Manual de direito do trabalho. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo. Editora Método, 2009; 8) MADRID, C. Alba y GARCIA, J. Disponível em <http://www.intereconomia.com/noticiasgaceta/economia/trabajo-tiene-inspectores-casa-luchar-contra-economia-sumergida >. Acesso em 15 de julho de 2013; 9) Ministério da Previdência e Assistência Social MPAS, site institucional. Disponível em <http://www.mpas.gov.br>. Acessos: 10, 19 e 23 de setembro de 2014; 10) Ministério do Trabalho e Emprego, site institucional. Disponível em <http://www.mte.gov.br>. Acessos em 17, 18, 22, 29 de setembro de 2014; 11) PINTO, Almir Pazzianotto. Cenários Possíveis. Jornal O Estado de São Paulo, 11 de agosto de 2014; 12) PIRES, Roberto Rocha. Flexibilidade, consistência e impactos na gestão do desempenho burocrático. Subsídios para uma nova sistemática de acompanhamento e avaliação do desempenho da inspeção do trabalho no Brasil/Organização Internacional do Trabalho Brasília: OIT, 2010; 13) PORTAL SINAIT - Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais do Trabalho. Disponível em: <http://www.sinait.org.br>.acesso em 20,22 e 27 de outubro de 2014; 14) RIGOTTO, R. M. - Saúde dos trabalhadores e meio ambiente em tempos de globalização e reestruturação produtiva. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 93/94: 9-20, dez.1998; 15) SINGER, Paul. Em defesa dos direitos dos trabalhadores. Ministério do Trabalho e Emprego, Brasília, maio de 2004; 16) ULYSSEA, Gabriel. Informalidade no mercado de trabalho brasileiro: uma resenha da literatura. IPEA Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Rio de Janeiro, fevereiro de

A INSPEÇÃO DO TRABALHO SEM NÚMEROS, MAS EM VALORES.

A INSPEÇÃO DO TRABALHO SEM NÚMEROS, MAS EM VALORES. A INSPEÇÃO DO TRABALHO SEM NÚMEROS, MAS EM VALORES. Com a missão de proteger milhares de crianças sacrificadas pelas duras condições de trabalho nas fábricas, nasce em 17 de janeiro de 1891 a Inspeção

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

contribuição previdenciária de aposentados e pensionistas, e a PEC 63, que resgata o ATS.

contribuição previdenciária de aposentados e pensionistas, e a PEC 63, que resgata o ATS. Neste ano histórico em que completa 60 anos de vitoriosa trajetória associativa, a Amagis é agraciada ao ser escolhida para sediar, novamente, onze anos depois, outro importante encontro integrativo como

Leia mais

Inspeção do Trabalho: uma questão de ideal ao longo de 120 anos

Inspeção do Trabalho: uma questão de ideal ao longo de 120 anos Inspeção do Trabalho: uma questão de ideal ao longo de 120 anos Antônio Alves Mendonça Júnior Auditor Fiscal do Trabalho Em um contexto capitalista, em que o lucro é entendido como essência da busca de

Leia mais

Modernização da Legislação Trabalhista

Modernização da Legislação Trabalhista Sumário executivo Modernização da Legislação Trabalhista - Com a evolução dos sistemas produtivos agroindustriais, marcos legais importantes ficaram desatualizados, como nos casos da Legislação Trabalhista,

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL SANTANA DA VARGEM www.santanadavargem.cam.mg.gov.br

CÂMARA MUNICIPAL SANTANA DA VARGEM www.santanadavargem.cam.mg.gov.br LEI Nº 1342 /2014 Dispõe sobre a criação e regulamentação do Programa Social de Garantia aos Direitos Fundamentais de Moradia, Alimentação e Saúde no Município de Santana da Vargem, a organização e o funcionamento

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO RELATÓRIO VOTO : REV-G.MJMS-1196/2015 PROCESSO TC/MS : TC/116662/2012 PROTOCOLO : 2012 ÓRGÃO : INSTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DE ROCHEDO ASSUNTO DO PROCESSO : CONSULTA RELATOR : CONS. JERSON

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 391-A, DE 2014

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 391-A, DE 2014 COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROFERIR PARECER À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 391-A, DE 2014 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 391-A, DE 2014 Fixa parâmetros para a remuneração da Carreira de

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO A NOVA LEI DO COOPERATIVISMO E AS COOPERATIVAS POPULARES, COM DESTAQUE PARA AS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS. Margaret Matos de Carvalho, Procuradora do Trabalho na PRT 9ª Região.

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos: PROJETO DE LEI Dispõe sobre a criação do Serviço Social do Transporte Ferroviário - SESF e altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.706, de 14 de setembro de 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º

Leia mais

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Falar dos direitos da criança implica necessariamente um resgate do maior avanço em âmbito jurídico e político-ideológico relacionado

Leia mais

Fonte: Sepe/RJ, Dieese e IBGE Elaboração: Dieese - Subseção Sepe/RJ

Fonte: Sepe/RJ, Dieese e IBGE Elaboração: Dieese - Subseção Sepe/RJ Em praticamente todos os segmentos da sociedade, fala-se muito da importância da educação pública para o desenvolvimento de um povo, e no município do Rio de Janeiro não é diferente. Nas diversas instâncias

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO FINANCEIRA I CICLO DE APERFEIÇOAMENTO EM GESTÃO FINANCEIRA O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO Prof. Ariel Lopes Torres E-mail: ariel@unemat.br CÁCERES

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA PARECER Nº, DE 2015 1 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 218, de 2011, do Senador EUNÍCIO OLIVEIRA, que dispõe sobre o empregador arcar com os

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 3 DIREITO DO TRABALHO 3.1 Conceito de empregador e empregado De acordo com o que estabelece a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

ANEXO ÚNICO RESOLUÇÃO CRM-SC N 166, DE 16/8/2015 DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES E REQUISITOS PARA A OCUPAÇÃO DO CARGO DE CONTADOR

ANEXO ÚNICO RESOLUÇÃO CRM-SC N 166, DE 16/8/2015 DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES E REQUISITOS PARA A OCUPAÇÃO DO CARGO DE CONTADOR RESOLUÇÃO CRM-SC Nº 166/2015 Institui na estrutura administrativa de pessoal do CRM-SC o cargo de contador e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado de Santa Catarina, instituição

Leia mais

ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO

ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO VANIA MARIA DE SOUZA ALVARIM (Advogada, Estudante de pós-graduação em Direito Público, Mestre

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

DIAP: PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: SERVIDORES CONTRÁRIOS AO PL 1.992/07

DIAP: PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: SERVIDORES CONTRÁRIOS AO PL 1.992/07 DIAP: PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: SERVIDORES CONTRÁRIOS AO PL 1.992/07 Durante audiência pública realizada na Comissão de Trabalho da Câmara dos Deputados, na última quarta-feira (27), associações e sindicatos

Leia mais

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU PARECER N o, DE 2009 Da COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA, sobre o Projeto de Lei do Senado n o 246, de 2007, que regula o Programa de Seguro- Desemprego Rural, o Abono Salarial Rural, o Programa

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA Regulamenta o inciso VIII do artigo 206 da Constituição Federal, para instituir o piso salarial profissional

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA Regulamenta o inciso VIII do artigo 206 da Constituição Federal, para instituir o piso salarial profissional

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental João Pedro Ignácio Marsillac (apresentador), Denise Pires Fincato (orientadora) Faculdade de Direito -

Leia mais

Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o. Não Pagamento da Dívida Pública

Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o. Não Pagamento da Dívida Pública Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o Não Pagamento da Dívida Pública O endividamento público vem pautando a vida do povo brasileiro sob diversas formas, especialmente a partir da

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS - EAD PARA SERVIDORES DO TCE E CURSOS OBJETIVO PÚBLICO-ALVO CARGA HORÁRIA N. DE VAGAS MODALIDADE 1. As Novas Normas de Contabilidade Aplicada

Leia mais

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Julho de 2011 1 Debate sobre desoneração da folha de pagamento deve ser feito com cautela e tendo como ponto de partida a compensação vinculada (principal

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE AULA 04 INTRODUÇÃO AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DOCENTE: ROSEMARI VIEIRA BRAGANÇA ARQUITETO E URBANISTA RESPONSABILIDADES E OBRIGAÇÕES ÉTICA RESPONSABILIDADE TÉCNICA RESPONSABILIDADE

Leia mais

PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal)

PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal) PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal) Altera o art. 6º da Constituição Federal para incluir o direito à Acessibilidade entre os direitos e garantias fundamentais

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 030/2013.

PROJETO DE LEI N.º 030/2013. PROJETO DE LEI N.º 030/2013. Institui o Programa Menor Aprendiz no âmbito do Município de Bela Vista de Minas e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Bela Vista de Minas, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

O governo mineiro deixou de promover concursos públicos e optou por assumir a terceirização Estrito controle dos meios de comunicação

O governo mineiro deixou de promover concursos públicos e optou por assumir a terceirização Estrito controle dos meios de comunicação Cerca de 500 professores desistem de dar aulas no setor público por mês O professor mineiro tem apenas o 19º melhor salário entre as 27 unidades da Federação Investimentos na educação se concentram em

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

NOTA DE REPÚDIO ou sob o regime de tempo parcial, a partir de quatorze anos

NOTA DE REPÚDIO ou sob o regime de tempo parcial, a partir de quatorze anos NOTA DE REPÚDIO A presente Nota faz considerações referentes à Proposta de Emenda Constitucional PEC nº 18 de 2011, de autoria do Deputado Federal Dilceu Sperafico e outros, que propõe o seguinte texto

Leia mais

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro GESTÃO DE MACROPOLÍTICAS PÚBLICAS FEDERAIS O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro Esther Dweck Brasília Ministério do Planejamento 04 de fevereiro de 2014 O modelo de desenvolvimento brasileiro Objetivos

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DESTINADA A DISCUTIR PROPOSTAS QUE INTERESSAM À CLASSE TRABALHADORA E AOS EMPRESÁRIOS EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 00006/2013. O TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE GOIÁS, no uso de suas atribuições legais e constitucionais,

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 00006/2013. O TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE GOIÁS, no uso de suas atribuições legais e constitucionais, INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 00006/2013 Institui os Grupos Técnicos de Procedimentos Contábeis GTCON; de Sistematização de Informações Contábeis e Fiscais GTSIS; e de Controladores Internos Municipais - GTCIN,

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s)

Indicador(es) Órgão(s) Programa 0102 Rede de Proteção ao Trabalho Objetivo Garantir o cumprimento das normas legais e convencionadas de proteção ao trabalho Indicador(es) Taxa de Regularização dos Estabelecimentos Fiscalizados

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

"Envelhecer é um triunfo", observa o professor Alexandre Kalache," mas. para usufruir da velhice,

Envelhecer é um triunfo, observa o professor Alexandre Kalache, mas. para usufruir da velhice, A questão dos direitos humanos, relevante por si SÓ, adquire nova e inusitada dimensão, quando considerada li luz do crescimento demográfico de todo o mundo, emespecial daaméricalatina, jáque envolve,

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO FINANCIAMENTO DA SAÚDE

REGULAMENTAÇÃO DO FINANCIAMENTO DA SAÚDE REGULAMENTAÇÃO DO FINANCIAMENTO DA SAÚDE O QUE É A EMENDA 29? Foi promulgada no ano de 2000 e considerada uma grande conquista social vez que vinculou recursos públicos para o financiamento da Saúde dos

Leia mais

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem ELETROBRAS TERMONUCLEAR S.A. Diretoria de Administração e Finanças DA Superintendência de Recursos Humanos SH.A Gerência de Desenvolvimento e Capacitação- GDC.A Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

ORIENTAÇÃO LEGAL ' GOMES, João Novaes 1 ; NOVAES, Valcemia Gonçalves de Sousa 2. Palavras-chave: diretos, criança, trabalhador, consumidor.

ORIENTAÇÃO LEGAL ' GOMES, João Novaes 1 ; NOVAES, Valcemia Gonçalves de Sousa 2. Palavras-chave: diretos, criança, trabalhador, consumidor. ORIENTAÇÃO LEGAL ' GOMES, João Novaes 1 ; NOVAES, Valcemia Gonçalves de Sousa 2. Palavras-chave: diretos, criança, trabalhador, consumidor. Introdução A cidade de Palmeiras de Goiás vem apresentando hodiernamente

Leia mais

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social Associação Fundação Privada Associação Sindical Partidos Políticos (1) renúncia fiscal Subvencionada 1 Entidades

Leia mais

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian Planos Municipais de Mobilidade Urbana e Acessibilidade e o papel do TCE-RS na sua implementação Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian SUPORTE

Leia mais

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Considerando que a criação da OIT procede da convicção de que a justiça social é essencial para garantir uma paz universal e permanente;

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com 1 CARTILHA DO SEGURADO 1. MENSAGEM DA DIRETORA PRESIDENTE Esta cartilha tem como objetivo dar orientação aos segurados do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Itatiaia IPREVI,

Leia mais

MÓDULO II PISO SALARIAL PROFISSIONAL NACIONAL

MÓDULO II PISO SALARIAL PROFISSIONAL NACIONAL MÓDULO II PISO SALARIAL PROFISSIONAL NACIONAL LEGISLAÇÃO BÁSICA LEI Nº 11.738, DE 16/07/2008 1 Profissionais têm direito ao piso piso. O art. 1º e o 2º do art. 2º definem quais profissionais têm direito

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014 EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA Abril / 2014 Reflexão Inicial Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. (Paulo Freire) Mundo em Crise 30 mil crianças morrem

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre a criação do Conselho de Ética Pública e estabelece medidas de transparência e controle de atos de agentes políticos, dirigentes, empregados e servidores públicos.

Leia mais

e a p e c d o d e s e m p r e g o Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo - CNC

e a p e c d o d e s e m p r e g o Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo - CNC a jornada de trabalho e a p e c d o d e s e m p r e g o Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo - CNC Apresentação A PEC do desemprego, da informalidade e da inflação A Proposta de

Leia mais

Previdência Associativa

Previdência Associativa Previdência Associativa Previdência Associativa Fatores Críticos de Sucesso Denise Maidanchen Expectativas Governo: crescimento da Previdência Fechada Associações: fortalecimento do vínculo, crescimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas VI política de recursos humanos Gestão de Pessoas mensagem presidencial GESTÃO DE PESSOAS O Governo Federal estabeleceu, em todos os setores, um processo amplo de diálogo e de participação. Assim, a opção

Leia mais

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL.

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. 1- Apresentação A Constituição de 1988, denominada pelo saudoso Deputado

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais

As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais Secretaria de Estudos, Pesquisas e Políticas Públicas e Secretaria de Formação Política e Sindical. SINDICATO DOS TRABALHADORES

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL

CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL 1. Introdução: Atualmente, há três PEC(s) visando alterar Incisos do art.7º, da Constituição Federal que estabelecem: - XIII:

Leia mais

Servidor Público Militar. Veja o quanto de perdas salariais que você terá com 5% de Data Base

Servidor Público Militar. Veja o quanto de perdas salariais que você terá com 5% de Data Base Servidor Público Militar. Veja o quanto de perdas salariais que você terá com 5% de Data Base Técnicos do FES fizeram uma análise das contas do governo. Usando os dados de janeiro a maio deste ano e a

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA DICIONÁRIO

EDUCAÇÃO BÁSICA DICIONÁRIO EDUCAÇÃO BÁSICA A educação básica, presumida no texto original da Constituição da República de 1988, tornou-se manifesta por meio da Emenda Constitucional n o 59/2009. O art. 208, incisos I e VII, ora

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

O que é o conglomerado Caixa...

O que é o conglomerado Caixa... CAIXA FEDERAL QUAL CAIXA QUEREMOS? Março 2015 O que é o conglomerado Caixa... A Caixa é uma instituição financeira constituída pelo Decreto-Lei 759/1969, sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores,

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores, Carta 035/ 2015 Brasília, 12 de maio de 2015 Carta Aberta da Undime às Senadoras e aos Senadores integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal referente ao PLS 532/ 2009

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Administração Pública Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 A seguir veremos: Novas Modalidades de Administração no Brasil; Organização da Administração Pública; Desafios da Administração Pública.

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 279, DE 2013.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 279, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 279, DE 2013. Dispõe sobre a instituição de ouvidoria pelas sociedades seguradoras, entidades abertas de previdência complementar

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

A Evolução Recente da Arrecadação Federal

A Evolução Recente da Arrecadação Federal Carta PR 1164 /2015 Brasília, 28 de agosto de 2015 Exmo(a). Senhor(a) Senador(a), O Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil SINDIFISCO NACIONAL oferece a Vossa Excelência um breve

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais