UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU O IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA AUTOR ALINE VIEIRA ORIENTADOR PROF. ANSELMO SOUZA RIO DE JANEIRO 2012

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU O IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA Monografia apresentada à Universidade Candido Mendes Instituto a Vez do Mestre, como requisito parcial para a conclusão do curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Público e Tributário. Por: Aline Vieira.

3 Agradeço a Deus, por tudo que Ele me proporcionou até hoje. 3

4 Dedico este trabalho ao meu filho Gabriel. 4

5 5 RESUMO O imposto sobre a renda ou imposto sobre o rendimento é um imposto existente em vários países, onde cada indivíduo é obrigado a deduzir um determinado percentual estabelecido por lei de sua renda média mensal ou anual para o governo federal. Referido percentual pode variar de acordo com a renda média anual, ou pode ser fixo em um determinado percentual único. No Brasil, o Imposto de Renda de Pessoa Física - IRPF é um imposto federal que incide sobre a renda de todos os indivíduos que tenham obtido um ganho acima de um determinado valor mínimo. O contribuinte sujeito à tributação pelo imposto de renda pessoa física é obrigado a prestar informações através da Declaração de Ajuste Anual, com o intuito de apurar possíveis débitos (diferenças de imposto a serem recolhidas) ou créditos (restituição de imposto). O Imposto de Renda Pessoa Física no Brasil é pago pelas pessoas físicas, sendo calculado com base em sua renda. A alíquota é variável e proporcional à renda tributável (tabela progressiva). Contribuintes com renda até determinado valor estão isentos de recolher imposto sobre a renda. Historicamente, o imposto de renda brasileiro, desde a sua criação, sofreu diversas alterações até chegar ao modelo atual (regido pelo Regulamento do Imposto de Renda Decreto n 3.000/1999). O Imposto de Renda Pessoa Física é um assunto que, atualmente, tem chamado a atenção dos estudiosos, pois muito se tem falado acerca da distribuição da carga tributária e uma possível reforma tributária. Um outro ponto que também chama a atenção e é alvo de discussões atualmente é acerca das incidências e das deduções permitidas por lei. O tema vem sendo amplamente discutido e debatido pela doutrina, gerando a criação de novas teses e decisões acerca das deduções permitidas por lei e das parcelas que podem ou não ser deduzidas a base de cálculo do imposto de renda pessoa física.

6 6 METODOLOGIA O presente trabalho constitui-se em uma descrição detalhada das características relativas ao Imposto de Renda Pessoa Física no Brasil e os detalhes acerca da base de cálculo do imposto e as deduções permitidas pela legislação. O estudo que ora se apresenta foi levado a efeito a partir do método da pesquisa bibliográfica, em que se buscou o conhecimento em diversos tipos de publicações, como livros e artigos em jornais, revistas e outros periódicos especializados, além de publicações oficiais da legislação atualmente em vigor e da jurisprudência. A pesquisa que resultou nesta monografia também foi empreendida através do método dogmático, tendo em vista que tomou como base e referencia a dogmática desenvolvida pelos estudiosos que já se debruçaram sobre o tema anteriormente. A pesquisa buscou ainda identificar a realidade através de estudo acerca do tratamento jurídico e sobre as tendências do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais sobre a matéria. Adicionalmente, o estudo que resultou neste trabalho identifica-se principalmente com o método da pesquisa aplicada, por pretender produzir conhecimento para aplicação prática, assim como com o método da pesquisa qualitativa, porque procurou entender a realidade a partir da interpretação e qualificação dos fenômenos estudados; identifica-se, ainda, com a pesquisa exploratória, porque buscou proporcionar maior conhecimento sobre a questão proposta, além da pesquisa descritiva, porque visou a obtenção de um resultado puramente descritivo, sem a pretensão de uma análise crítica do tema.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 9 CAPÍTULO I - PRINCIPAIS ASPECTOS DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA TRIBUTO FEDERAL REGIME CAIXA ANTECIPAÇÃO MENSAL APURAÇÃO ANUAL MODALIDADES DO IMPOSTO ALÍQUOTAS E PRAZO DE RECOLHIMENTO DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL CAPÍTULO II GANHO DE CAPITAL CONCEITO VALOR DE ALIENAÇÃO CUSTO DE AQUISIÇÃO ALÍQUOTAS E PRAZOS DE RECOLHIMENTO ISENÇÕES DO GANHO DE CAPITAL CAPÍTULO III DEDUÇÕES PREVISTAS NA LEGISLAÇÃO CONCEITO DEDUÇÕES MENSAIS DEDUÇÕES ANUAIS E DEDUÇÕES DO IMPOSTO DEVIDO CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA ÍNDICE... 40

8 8 INTRODUÇÃO Renda Pessoa Física. O presente trabalho é um estudo sobre os aspectos relativos ao Imposto de Nesse contexto, o estudo dedica-se a identificar as características acerca do Imposto de Renda Pessoa Física no Brasil e das deduções permitidas em lei, bem como visando identificar qual seria o entendimento e a tendência do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF) acerca de alguns assuntos já sumulados. Deste modo, o presente estudo apresenta os procedimentos necessários para estudar e analisar os aspectos relativos ao Imposto de Renda Pessoa Física. O estudo do tema Imposto de Renda Pessoa Física e das questões analisadas em torno do mesmo justifica-se pelo fato de que atualmente referido tema vem sendo alvo de discussões devido ao fato de estar em evidencia a cobrança por uma reforma tributária, bem como devido ao fato de não haver entendimento pacificado pelo Conselho Administrativo de Recursos Fiscais acerca de alguns montantes que devem ou não ser considerados como parcelas dedutíveis da base de calculo do imposto de renda. A pesquisa que precedeu esta monografia teve como ponto de partida o pressuposto de que há muitas discussões acerca das possibilidades de inclusão de novas deduções. Nesse sentido, a pesquisa objetivou verificar as principais características do Imposto de Renda Pessoa Física. Visando um trabalho objetivo, a presente monografia dedica-se, especificamente, às questões relativas à análise do Imposto de Renda Pessoa Física e seus principais aspectos. O tema em questão está inserido no campo do Direito Tributário e foi estudado focando-se a temática no presente.

9 9 CAPÍTULO I PRINCIPAIS ASPECTOS DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 1.1 TRIBUTO FEDERAL É sabido que o Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) é um imposto sobre a renda e proventos de qualquer natureza e é de competência da União1. Deste modo, como é de competência da União, a criação, extinção, isenção, majoração de alíquotas e benefícios referentes a ele apenas podem ser concedidos por lei federal. Caso algum destes eventos seja promovido por lei que não seja federal, esta será considerada inconstitucional. Tendo em vista tratar-se de um imposto, a receita oriunda de sua arrecadação não possui um destino específico e ingressa nos cofres públicos com o intuito de cobrir as diversas despesas públicas. 1.2 REGIME CAIXA O Imposto de Renda Pessoa Física, diferentemente do imposto sobre a renda de pessoas jurídicas, incide com base no regime de caixa, conforme descrito abaixo no artigo 2 o do Decreto n 3.000/19992 e não com base no regime de competência: Art. 2º As pessoas físicas domiciliadas ou residentes no Brasil, titulares de disponibilidade econômica ou jurídica de renda ou proventos de qualquer natureza, inclusive rendimentos e ganhos de capital, são contribuintes do imposto de renda, sem distinção da nacionalidade, sexo, idade, estado civil ou profissão (...) 1 Conforme Artigo 153, III da Constituição Federal c/c Artigo 43, caput da Lei n 5.172/66 (CTN). 2 Conforme Artigo 2 o, 2 o do Decreto n 3.000/99.

10 10 2º O imposto será devido à medida em que os rendimentos e ganhos de capital forem percebidos (...). O regime de caixa determina a tributação no momento em que a renda é disponibilizada e auferida pelo contribuinte, ou seja, a renda é considerada tributável no momento em que é recebida. Apenas a título de comparação, nos EUA, o regime caixa é conhecido como PAYE (pay as you earn) e significa que o imposto de rende é pago à medida em que a renda é auferida. Já o regime de competência (accrual basis), que é o regime adotado pelo fisco americano) consiste na tributação da renda no momento em que ela é registrada, mesmo que não ocorra o recebimento físico ANTECIPAÇÃO MENSAL Conforme mencionado anteriormente, o imposto sobre a renda das pessoas físicas é devido através do regime caixa, ou seja, os rendimentos auferidos durante o período são sujeitos à tributação à medida que são percebidos. Cabe destacar que as antecipações do imposto sobre a renda são feitos em bases mensais, conforme descrito no artigo 38, parágrafo único do Decreto n 3.000/1999: Parágrafo único. Os rendimentos serão tributados no mês em que forem recebidos, considerado como tal o da entrega de recursos pela fonte pagadora, mesmo mediante depósito em instituição financeira em favor do beneficiário. Deste modo, os rendimentos auferidos em determinado mês pelo contribuinte estão sujeitos à tributação naquele próprio mês. Consequentemente, caso 3 CEIA. Nathália. IRPF Imposto de Renda Pessoa Física. Coordenação: Luiz Cezar Quintans. Rio de Janeiro: Freitas Bastos Editora, 2007.

11 não haja pagamento do imposto devido, haverá incidência de penalidades (multa de mora e juros) pelo atraso no pagamento APURAÇÃO ANUAL Embora seja aplicada a antecipação mensal para fins de recolhimento, o imposto de renda pessoa física deve ser apurado em bases anuais, ou seja, o IRPF é devido com base na renda anual auferida pelo contribuinte e é apurado através da Declaração de Ajuste Anual, através da qual há o reporte de todos os rendimentos auferidos ao longo do ano e do respectivo imposto que foi antecipado, bem como das deduções permitidas em lei. Vejamos um acórdão do antigo Conselho dos Contribuintes: IRPF. APURAÇÃO. O imposto de renda pessoa física é devido mensalmente como antecipação do imposto devido na declaração de ajuste, que é anual e onde se determina a tributação definitiva (Ac. 1 o em 21/02/2002). Deste modo, o imposto devido anualmente é apurado através da Declaração de Ajuste Anual baseado na renda auferida pelo contribuinte ao longo do ano. Do total dos rendimentos tributáveis é deduzido o imposto de renda que já foi pago antecipadamente ao longo do ano, bem como todas as demais deduções previstas em lei que serão analisadas no próximo capítulo. A diferença entre o imposto devido na declaração e o imposto que já foi antecipado, se positiva, gerará um saldo de imposto a pagar na Declaração e, se negativa, gerará um saldo de imposto a restituir na Declaração de Ajuste Anual. O prazo para entrega da Declaração de Ajuste Anual se encerra sempre no ultimo dia útil do mês de abril do ano seguinte ao ano nos quais os rendimentos foram auferidos. Deste modo, para o ano-calendário 2011, o período para entrega da Declaração de Ajuste Anual se encerrará em 30 de abril de Ainda neste capítulo será apresentadas algumas características da Declaração de Ajuste Anual.

12 12 Importante destacar que no Brasil não é aplicável a tributação sobre o patrimônio, sendo existente apenas a tributação sobre a renda. Deste modo, diferentemente do que ocorre em outros países, como Espanha e Argentina 4, por exemplo, as alterações patrimoniais de um ano para outro não representam fato gerador do imposto de renda. Contudo, é importante destacar que caso a variação patrimonial não seja suportada pelos rendimentos declarados, referida variação estará sujeita à tributação pelo imposto de renda, conforme artigo 33 da Instrução Normativa SRF 15/2001 abaixo transcrito: Art. 33. Constitui rendimento tributável na Declaração de Ajuste Anual o valor correspondente ao acréscimo patrimonial não justificado pelos rendimentos tributáveis, nãotributáveis, isentos, tributáveis exclusivamente na fonte ou de tributação definitiva. Nesses casos, presume-se que houve omissão de rendimentos. Cabe enfatizar que na Constituição Federal de 1988 há uma previsão em seu artigo 153 para criação de um imposto sobre Grandes Fortunas. Entretanto, para tanto é necessária a elaboração de uma lei complementar que defina as diretrizes de referido imposto. No que tange ao fato gerador, destaca-se que o fato gerador do imposto de renda pessoa física é a aquisição da renda, ou seja, é a disponibilidade jurídica ou econômica da renda, conforme previsto no artigo 43 da Lei n 5.172/66 (Código Tributário Nacional): Art. 43. O imposto, de competência da União, sobre a renda e proventos de qualquer natureza tem como fato gerador a aquisição da disponibilidade econômica ou jurídica: I - de renda, assim entendido o produto do capital, do trabalho ou da combinação de ambos; 4 CEIA. Nathália. IRPF Imposto de Renda Pessoa Física. Coordenação: Luiz Cezar Quintans. Rio de Janeiro: Freitas Bastos Editora, 2007.

13 13 II - de proventos de qualquer natureza, assim entendidos os acréscimos patrimoniais não compreendidos no inciso anterior. Lembrando que a disponibilidade econômica ou jurídica ocorre quando os recursos estão à disposição do beneficiário em moeda ou em crédito em conta corrente bancária. Ademais, entende-se como renda o fruto do capital, do trabalho ou de ambos e proventos de qualquer natureza o acréscimo patrimonial não compreendido pelo fruto do capital ou trabalho. 1.5 MODALIDADES DO IMPOSTO As principais modalidades de imposto de renda pessoa física são o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF), o Carnê-leão, o Mensalão e o Livro-caixa Imposto de Renda Retido na Fonte O Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) é aplicado nos casos de rendimentos pagos no Brasil por pessoas jurídicas ou físicas a pessoas físicas. Neste caso, a responsabilidade pela retenção e respectivo recolhimento do imposto é da fonte pagadora do rendimento. É possível mencionar como exemplo do imposto de renda retido na fonte o imposto devido sobre os salários pagos a empregados devidamente registrados em folha de pagamento. Destaca-se que nesses casos a fonte pagadora é a responsável pela retenção e devido recolhimento do imposto devido apurado sobre o rendimento bruto pago à pessoa física. Entretanto, a responsabilidade pela retenção se extingue no momento da entrega da Declaração de Ajuste Anual pela pessoa física beneficiária do rendimento.

14 Tal matéria já é sumulada pelo Conselho Administrativo de Recursos Fiscais pela Súmula Nesse caso, cabe à pessoa física reportar os rendimentos auferidos, bem como o imposto retido em sua declaração de ajuste anual para que ocorra o devido ajuste do imposto e eventuais diferenças (retenção a maior ou a menor) possam ser ajustadas Carnê-leão Já a modalidade denominada carnê-leão é considerada uma antecipação mensal do imposto devido na declaração de ajuste anual e é aplicável em casos de imposto devido sobre rendimentos auferidos no exterior por pessoas físicas ou quaisquer outros rendimentos auferidos por pessoas físicas mensalmente, tais como aluguéis, pensão alimentícia etc. Neste caso, a responsabilidade pelo recolhimento do imposto devido é da própria pessoa física beneficiária dos rendimentos. Tanto os rendimentos auferidos quanto o imposto pago devem ser reportados na Declaração de Ajuste Anual para que ocorra o ajuste, assim como ocorre no caso do imposto retido na fonte Mensalão No caso do Mensalão, esta é uma modalidade de recolhimento que é totalmente opcional, cabendo ao contribuinte a decisão de efetuar o recolhimento. O principal objetivo do Mensalão é antecipar o imposto devido na declaração de ajuste anual. 5 Súmula 18: Constatada a omissão de rendimentos sujeitos à incidência do imposto de renda na declaração de ajuste anual é legitima a constituição de crédito tributário na pessoa física do beneficiário, ainda que a fonte pagadora não tenha procedido à respectiva retenção.

15 Livro-Caixa Por fim, a modalidade livro-caixa é o imposto incidente sobre rendimentos do trabalho auferidos por pessoas físicas que não possuem vínculo empregatício. São exemplos os médicos, advogados, leiloeiros etc. Neste caso, é permitida a dedução das despesas necessárias à execução dos serviços, conforme previsto no artigo 51 da Instrução Normativa SRF n 15/2001: Art. 51. O contribuinte que receber rendimentos do trabalho não-assalariado, inclusive o titular de serviços notariais e de registro e o leiloeiro deve registrar as receitas e as despesas em livro Caixa, podendo deduzir, da receita decorrente do exercício da respectiva atividade, as despesas escrituradas, a saber: I - a remuneração paga a terceiros, desde que com vínculo empregatício, e os respectivos encargos trabalhistas e previdenciários; II - os emolumentos pagos a terceiros, assim considerados os valores referentes à retribuição pela execução, pelos serventuários públicos, de atos cartorários, judiciais e extrajudiciais; III - as despesas de custeio pagas, necessárias à percepção da receita e à manutenção da fonte produtora. Deste modo, o contribuinte está obrigado a reportar na Declaração de Ajuste Anual as receitas e despesas escrituradas em livro-caixa ao longo do anocalendário. Destaca-se que é necessário manter todos os documentos relativos as receitas e despesas reportadas que serão necessários para o caso de fiscalização. 1.6 ALÍQUOTAS E PRAZOS DE RECOLHIMENTO As alíquotas e os prazos de recolhimento variam se o contribuinte é residente fiscal ou não no Brasil. No presente trabalho, considera-se para todos os fins apenas o caso dos residentes fiscais no Brasil.

16 Alíquotas O imposto de renda sobre os rendimentos de trabalho e demais rendimentos é calculado com base na tabela progressiva mensal e ajustado na declaração de ajuste anual com base na tabela progressiva anual. Abaixo se encontram ambas as tabelas válidas para o ano 2011: Tabela Progressiva Mensal 6 Base de cálculo mensal em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até 1.566, De 1.566,62 até 2.347,85 7,5 117,49 De 2.347,86 até 3.130,51 15,0 293,58 De 3.130,52 até 3.911,63 22,5 528,37 Acima de 3.911,64 27,5 723,95 Tabela Progressiva Anual 7 Base de cálculo anual em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até , De ,33 a ,25 7,5% 1.409,96 De ,26 a % 3.523,02 De ,01 a ,56 22% 6.340,47 Acima de ,57 27,5% 8.687,45 Deste modo, a tabela progressiva deve ser aplicada sobre a base de cálculo do imposto, sendo esta definida através do somatório dos rendimentos sujeitos à tributação excluindo-se as deduções permitidas em lei. A tabela progressiva é aplicável às quatro modalidades de imposto apresentada neste capítulo: IRRF; carnê-leão; mensalão e livro caixa. Atualmente a tabela progressiva é reajustada todos os anos, através de publicação de instrução normativa emitida pela Secretaria da Receita Federal. 6 Disponível em: Acesso em 18 de dezembro de Disponível em: Acesso em 18 de dezembro de 2011.

17 Prazos de Recolhimento A data limite para o recolhimento do imposto depende da modalidade deste. Influenciam também a espécie do rendimento auferido, bem como a residência fiscal do indivíduo (lembrando que no presente trabalho, será analisado apenas o caso dos residentes fiscais no Brasil). No caso do Imposto de Renda Retido na Fonte, o prazo para o recolhimento do imposto devido é até o último dia útil semana subseqüente à da ocorrência do fato gerador 8. Já no caso do carnê-leão, o imposto devido deve ser recolhido até o último dia útil do mês subseqüente ao da percepção dos rendimentos 9. Com relação ao mensalão, ou imposto complementar, o mesmo é facultativo e o contribuinte que deseja efetuar o recolhimento complementar, pode realizá-lo dentro do curso do ano-calendário, até o último dia útil do mês de dezembro 10. Por fim, no caso do livro caixa, o prazo para recolhimento do imposto devido deverá ser pago até o último dia útil do mês subseqüente àquele em que os rendimentos ou ganhos forem percebidos 11. Destaca-se abaixo um quadro resumo considerando os prazos de recolhimento das quatro modalidades de imposto apresentadas neste capítulo: Prazos de Recolhimento Modalidade do Imposto Prazo de Recolhimento IRRF Carnê-leão Mensalão Até o último dia útil da semana seguinte a que os rendimentos foram pagos Até o último dia útil do mês seguinte ao qual o rendimento foi auferido Pode ser recolhido até o ultimo dia útil do mês de dezembro 8 Artigo 58, inciso I da Instrução Normativa SRF n 15/ Artigo 58, inciso II da Instrução Normativa SRF n 15/ Artigo 58, inciso III da Instrução Normativa SRF n 15/ Artigo 852 do Decreto n 3.000/1999.

18 18 Livro Caixa Até o último dia útil do mês seguinte ao qual o rendimento foi auferido 1.7 DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL A Declaração de Ajuste Anual é o documento através do qual o contribuinte apresenta às autoridades fiscais os seus rendimentos auferidos ao longo do ano, o imposto pago, os pagamentos, bem como as dívidas e os bens e direitos mantidos no Brasil e no exterior. As declarações são enviadas via internet e nenhum documento deve ser anexado. Entretanto, o contribuinte deve manter em seu poder durante um prazo de cinco anos todos os documentos relativos às informações reportadas na Declaração para o caso de possíveis fiscalizações. Após a entrega, as declarações são submetidas à análise por parte da Secretaria da Receita Federal que poderá solicitar esclarecimentos aos contribuintes durante um período de até cinco anos. Nesse período, as autoridades fiscais podem solicitar documentos comprobatórios, efetuar lançamentos suplementares de imposto e emitir autos de infração se restar comprovada alguma irregularidade fiscal Obrigatoriedade de Entrega Para o ano-calendário 2011, está obrigado a apresentar Declaração de Ajuste Anual o residente fiscal no Brasil que 12 : a) recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste na declaração, cuja soma foi superior a R$ ,25 (vinte e dois mil, quatrocentos e oitenta e sete reais e vinte e cinco centavos); b) recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ ,00 (quarenta mil reais); 12 Artigo 2 o da Instrução Normativa SRF n 1.095/2010.

19 19 c) obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas; d) relativamente à atividade rural: i) obteve receita bruta em valor superior a R$ ,25 (cento e doze mil, quatrocentos e trinta e seis reais e vinte e cinco centavos); ii) pretenda compensar, no ano-calendário de 2010 ou posteriores, prejuízos de anos-calendário anteriores ou do próprio ano-calendário de 2010; e) teve, em 31 de dezembro, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ ,00 (trezentos mil reais); f) passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês e nesta condição se encontrava em 31 de dezembro; ou g) optou pela isenção do Imposto sobre a Renda incidente sobre o ganho de capital auferido na venda de imóveis residenciais, cujo produto da venda seja aplicado na aquisição de imóveis residenciais localizados no País, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias contados da celebração do contrato de venda, nos termos do art. 39 da Lei nº , de 21 de novembro de Deste modo, as pessoas físicas que não se enquadrem em nenhum das hipóteses previstas acima estão desobrigadas de apresentar a Declaração de Ajuste Anual Prazo, Forma e Modelos de Entrega De acordo com a legislação fiscal, a Declaração de Ajuste Anual deve ser entregue até o último dia útil do mês de abril do ano seguinte ao período da apuração.

20 20 Caso o contribuinte não entregue a Declaração dentro do prazo estipulado pela legislação, ele estará sujeito a uma multa de 1% ao mês sobre o imposto devido. O valor de multa mínimo a ser pago é de R$ 165, Até o ano calendário 2010, a Declaração de Ajuste Anual poderia ser entregue em formulário de papel ou pela internet. Atualmente, a Declaração apenas pode ser entregue via internet por todos os contribuintes que estejam obrigados a sua apresentação. A Declaração de Ajuste Anual pode ser entregue em dois modelos: completo ou simplificado, cabendo ao contribuinte a escolha de qual modelo seja mais vantajoso do ponto de vista fiscal. O modelo completo é indicado para os contribuintes que desejam aproveitar todas as deduções permitidas em lei, conforme será comentado no capítulo 3 deste trabalho. Já o modelo simplificado é mais vantajoso para os contribuintes que não possuam deduções a serem aplicadas e descontadas da base de calculo do imposto. Neste caso, será permitido ao contribuinte uma dedução de 20% dos rendimentos tributáveis limitada ao valor de R$ ,09 14 em substituição a todas as deduções legais permitidas na declaração completa. Conforme mencionado, a escolha acerca do modelo é facultada ao contribuinte não havendo nenhum requisito necessário a ser cumprido. Importante destacar que caso haja alguma informação incorreta por parte do contribuinte, a Declaração de Ajuste Anual pode ser retificada a qualquer momento, dentro de um período de cinco anos e desde que a mesma não esteja sob fiscalização por parte das autoridades fiscais. Entretanto, após o prazo para entrega da Declaração, não é permitido ao contribuinte retificar a declaração alterando o modelo originalmente entregue. 13 Conforme artigo 88 da Lei n 8.981/ Conforme Instrução Normativa SRF n 1.095/2010.

21 Saldo de Imposto a Pagar ou a Restituir Conforme mencionado, ao final do ajuste a Declaração de Ajuste Anual pode apurar um saldo de imposto a pagar ou a restituir. No caso de imposto a pagar, o mesmo deve ser recolhido nas agencias bancárias através do documento de arrecadação de receitas federais (DARF) sob o código O prazo para recolhimento do imposto é o mesmo para entrega da Declaração, ou seja, até o ultimo dia útil do mês de abril do ano subseqüente ao período de apuração. Nesse caso, o imposto a pagar pode ser parcelado em até oito parcelas iguais, mensais e sucessivas devendo a primeira ser quitada até o ultimo dia útil do mês de abril e as demais até o ultima dia útil dos meses subseqüentes. Nesse caso, as parcelas são atualizadas pelos juros SELIC. Caso o contribuinte não pague o imposto apurado na Declaração até o prazo estipulado ele estará sujeito ao pagamento de multa de mora no montante de 0.33% por dia de atraso, limitada a 20%, bem como juros SELIC acrescido de 1% no mês do pagamento. No caso de restituição apurada, esta será devolvida ao contribuinte de acordo com o cronograma de pagamento das restituições divulgado pela Secretaria da Receita Federal. Nesse caso, a restituição será atualizada pela SELIC acumulada desde a data de entrega da Declaração até o mês do pagamento da restituição. Para o recebimento da restituição, o contribuinte deve informar em sua Declaração de Ajuste Anual sua conta e agencia bancária (em seu nome) para que ocorra o crédito do valor tão logo a restituição seja liberada pelo fisco. Caso o contribuinte não possua conta bancária, ele receberá sua restituição através do Banco do Brasil através da abertura de uma conta temporária. Caso o valor relativo à restituição não seja resgatado dentro de um período de doze meses contados da data do depósito, o valor retornará para a Secretaria da Receita Federal e apenas através de abertura de um processo administrativo será permitido o pagamento ao contribuinte.

22 22 CAPÍTULO II GANHO DE CAPITAL 2.1 CONCEITO O ganho de capital pode ser definido como a diferença positiva entre o valor de venda e o valor de aquisição de um bem ou direito 15. Em termos de legislação, a Instrução Normativa SRF nº 84/2001 consolida as normas relativas à apuração e tributação do ganho de capital auferido por pessoas físicas na alienação de bens ou direitos. Já a Lei nº /2005 incorporou os benefícios da MP nº 252/2005, conhecida por "MP do Bem"16. A Instrução Normativa SRF nº 599/2005 regulamentou os benefícios ao Imposto de Renda incidentes sobre ganhos de capital das pessoas físicas, previstos na Lei nº /2005. No Brasil, eventuais prejuízos (valor de venda inferior ao valor de aquisição) não são tributáveis, bem como não há possibilidade de compensar tais perdas com eventuais ganhos futuros. Pode-se afirmar que estão sujeitas à apuração de ganho de capital no Brasil as operações que tratem de 17 : a) alienação, a qualquer título, de bens ou direitos ou cessão ou promessa de cessão de direitos à sua aquisição, tais como as realizadas por compra e venda, permuta, adjudicação, desapropriação, dação em pagamento, procuração em causa própria, promessa de compra e venda, cessão de direitos ou promessa de cessão de direitos e contratos afins; 15 Artigo 2 da Instrução Normativa SRF n 84/ Entre 16 de junho de 2005 e 13 de outubro de 2005 esteve em vigor a Medida Provisória nº 252/2005, conhecida como "MP do Bem", que trazia em seu texto os benefícios incorporados à Lei nº /2005. Apesar da perda de sua eficácia, por falta de aprovação, considerando que o Congresso Nacional não editou, em 60 dias um decreto legislativo disciplinando as relações jurídicas dela

23 23 b) transferência a herdeiros e legatários na sucessão causa mortis, a donatários na doação, inclusive em adiantamento da legítima, ou atribuição a excônjuge ou ex-convivente, na dissolução da sociedade conjugal ou união estável, de direito de propriedade de bens e direitos adquiridos por valor superior àquele pelo qual constavam na Declaração de Ajuste Anual do de cujus, do doador, do ex-cônjuge ou ex-convivente que os tenha transferido. Os contribuintes do imposto sobre o ganho de capital são as pessoas físicas residentes fiscais no Brasil que realizaram uma operação de venda com ganho de capital de um bem localizado no Brasil ou no exterior. Caso um indivíduo não residente para fins fiscais no Brasil realize uma venda de um bem localizado no Brasil, o eventual ganho apurado também está sujeito à tributação. 2.2 VALOR DE ALIENAÇÃO Em termos gerais, o valor de alienação é o preço efetivo da operação de venda. No caso de impossibilidade de comprovação do valor efetivamente pago em caso de fiscalização, op valor de alienação poderá ser arbitrado pela autoridade fiscalizadora. 2.3 CUSTO DE AQUISIÇÃO O custo de aquisição é o valor de aquisição do bem, expresso em reais. Em caso de impossibilidade de determinação do custo de aquisição, o valor do custo de aquisição pode ser calculado considerando-se também o valor indicado para efeito do pagamento do imposto de transmissão, o valor da avaliação disposta no inventário ou arrolamento ou o valor corrente do bem na data da aquisição. Podem integrar o custo de aquisição, quando comprovados com documentação hábil e idônea e discriminados na Declaração de Ajuste Anual, entre outros 18 : decorrentes no período em que esteve em vigor, estas relações constituídas conservar-se-ão por ela regidas, ou seja, são plenamente válidas. 17 Artigo 3 da Instrução Normativa SRF n 84/ Artigo 17 da Instrução Normativa SRF n 84/2001.

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 Perguntas e Respostas 1. QUAL CONDIÇÃO TORNA A PESSOA FÍSICA OBRIGADA A APRESENTAR DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA? Está obrigado a apresentar a declaração,

Leia mais

O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física

O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física O QUE É DAA? É a Declaração de Imposto de Renda Anual Denominada - Declaração de Ajuste Anual ÓRGÃOS REGULADORES Receita Federal do Brasil Procuradoria

Leia mais

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40.

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40. Vitória/ES, 23 de fevereiro de 2013. ORIENTAÇÕES PARA DECLARAÇÃO DO IRPF 2013 A partir do dia 1º março a Receita Federal começa a receber a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física.

Leia mais

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 13/2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015. IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2014 Prezado cliente, No dia 03 de fevereiro de 2015 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 09/2012 São Paulo, 10 de Fevereiro de 2012. IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2011 Prezado cliente, No dia 06 de Fevereiro de 2012 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

Índice 1. Obrigatoriedades... 3. 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4. 2.1 Formas de entrega... 4. 2.2 Prazo de entrega...

Índice 1. Obrigatoriedades... 3. 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4. 2.1 Formas de entrega... 4. 2.2 Prazo de entrega... Índice 1. Obrigatoriedades... 3 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4 2.1 Formas de entrega... 4 2.2 Prazo de entrega... 4 2.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração... 4 3. Modelos de

Leia mais

IR/ PESSOAS FÍSICAS GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE BENS OU DIRIEITOS

IR/ PESSOAS FÍSICAS GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE BENS OU DIRIEITOS IR/ PESSOAS FÍSICAS GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE BENS OU DIRIEITOS Nesta edição, a Asscontas traz esclarecimentos acerca do cálculo e da incidência do Imposto de Renda sobre o ganho de capital auferido

Leia mais

Organização Hilário Corrêa Assessoria Empresarial e Contabilidade

Organização Hilário Corrêa Assessoria Empresarial e Contabilidade Desde o dia 02/03/2015 iniciamos o período de entrega da declaração de imposto de renda pessoa física de 2015 com base nos fatos ocorridos no ano de 2014, a declaração poderá ser transmitida até o dia

Leia mais

a d en e R d sto o p e Im 20 d eclaração Cartilha D 1

a d en e R d sto o p e Im 20 d eclaração Cartilha D 1 ÍNDICE 1. Obrigatoriedades... 3 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2014... 4 2.1 Formas de entrega... 4 2.2 Prazo de entrega... 4 2.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração... 4 3. Modelos de

Leia mais

GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE IMÓVEL (POR PESSOA FÍSICA)

GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE IMÓVEL (POR PESSOA FÍSICA) GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE IMÓVEL (POR PESSOA FÍSICA) A legislação brasileira prevê alguns benefícios na alienação de imóveis por pessoas físicas residentes no país. Os não-residentes não possuem

Leia mais

Cartilha Imposto de Renda 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3

Cartilha Imposto de Renda 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3 CARTILHA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3 2. FORMA DE ELABORAR A DECLARAÇÃO DE IRPF 2014...4 2.1 FORMAS DE ENTREGA...4 2.2 PRAZO DE ENTREGA...4 2.3 MULTA

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física 2015

Imposto de Renda Pessoa Física 2015 Imposto de Renda Pessoa Física 2015 1 IRPF É um imposto federal brasileiro que incide sobre todas as pessoas que tenham obtido um ganho acima de um determinado valor mínimo. Anualmente este contribuinte

Leia mais

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO.

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. Porto Alegre, 17 de fevereiro de 2012 Sr. Cliente: CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. No período de 01 de março até 30 de abril de 2012, a RFB estará recepcionando as Declarações do Imposto

Leia mais

DRF - Goiânia Imposto de Renda Pessoa Física

DRF - Goiânia Imposto de Renda Pessoa Física DRF - Goiânia Imposto de Renda Pessoa Física Normas Gerais IN SRF nº 1.500/2014 e 1.545/2014 Obrigado a declarar Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda referente ao

Leia mais

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011 IRPF Imposto de Renda da Pessoa Física Nathália Ceia Março 2011 Programa Aula 1 1. Princípios Gerais 2. Fato Gerador 3. Características 4. Contribuinte e Responsável Programa Aula 2 5. Alíquotas e Formas

Leia mais

Obrigatoriedade na declaração

Obrigatoriedade na declaração A declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física 2010 aparece com algumas novidades, especialmente em relação aos parâmetros que definem a obrigatoriedade da apresentação, o que deverá fazer com que diminua,

Leia mais

Entenda como é realizado o cálculo do Imposto de Renda Retido na Fonte:

Entenda como é realizado o cálculo do Imposto de Renda Retido na Fonte: Entenda como é realizado o cálculo do Imposto de Renda Retido na Fonte: Observação: Como exemplo, será utilizado o Demonstrativo de Pagamento fictício apresentado abaixo, cuja competência é de junho de

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR Muito embora não seja uma novidade, já que a maioria das pessoas estejam obrigadas a entregar a Declaração de Imposto de Renda, trazemos aqui alguns

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 599, de 28 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 599, de 28 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 599, de 28 de dezembro de 2005 DOU de 30.12.2005 Dispõe sobre os arts. 38, 39 e 40 da Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005, relativamente ao Imposto de Renda incidente sobre

Leia mais

Declaração de Espólio

Declaração de Espólio SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Conceito de Espólio 3. Declarações de Espólio 3.1. Declaração inicial 3.2. Declarações intermediárias 3.3. Declaração final 4. Declaração de Bens 5. Prazo para Apresentação

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 31 - Data 30 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA FÍSICA - IRPF Ementa: ALIENAÇÃO DE

Leia mais

DECLARAÇÃO IMPOSTO DE RENDA

DECLARAÇÃO IMPOSTO DE RENDA DECLARAÇÃO IMPOSTO DE RENDA Tendo em vista o início do prazo para a declaração de imposto de renda (IR), a Asscontas traz nesta edição do Afinal de Contas alguns esclarecimentos pontuais que podem ser

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 60 - Data 20 de fevereiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA FÍSICA - IRPF ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS

Leia mais

1º Fica dispensada de apresentar a Declaração de Ajuste Anual, a pessoa física que se enquadrar:

1º Fica dispensada de apresentar a Declaração de Ajuste Anual, a pessoa física que se enquadrar: SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.246,DE 3 DE FEVEREIRO DE 2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício

Leia mais

Declaração de Imposto de Renda 2012

Declaração de Imposto de Renda 2012 Declaração de Imposto de Renda 2012 Cartilha Índice 1. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2012... 3 1.1 Formas de entrega... 3 1.2 Prazo de entrega... 3 1.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração...

Leia mais

Pessoas obrigadas a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do IRPF 2015

Pessoas obrigadas a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do IRPF 2015 Pessoas obrigadas a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do IRPF 2015 Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício de 2015, a pessoa física

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal 03/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão...

Leia mais

LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986

LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986 LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986 Cria o Fundo de Prevenção, Recuperação e de Combate às Drogas de Abuso, dispõe sobre os Bens Apreendidos e Adquiridos com Produtos de Tráfico Ilícito de Drogas ou

Leia mais

IRPF 2012 Cartilha IR 2012

IRPF 2012 Cartilha IR 2012 IRPF 2012 Cartilha IR 2012 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

Informativo Março/2015 edição 19. A partir do dia 02 de março do corrente ano, os

Informativo Março/2015 edição 19. A partir do dia 02 de março do corrente ano, os Informativo Março/2015 edição 19 DIRPF2015 A partir do dia 02 de março do corrente ano, os contribuintes poderão entregar suas declarações do Imposto de Renda 2015, até o dia 30 de abril de 2015. É importante

Leia mais

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2 Guia de Declaração de IRPF 2011 Ano-calendário 2010 Previdência IR 2010 Prev e Cp_v2 Quem é obrigado a declarar? Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

Tributação do lucro imobiliário na alienação de imóvel

Tributação do lucro imobiliário na alienação de imóvel Tributação do lucro imobiliário na alienação de imóvel João dos Santos * 1. Os imóveis de propriedade das pessoas físicas são registrados e mantidos na declaração de bens que integra a declaração de ajuste

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Quais são os limites de rendimentos que obrigam (pessoa física) a apresentação da Declaração de Ajuste Anual relativa ao ano-calendário de 2014, exercício de 2015? A

Leia mais

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

INDICE >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

INDICE >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> INDICE >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> INTRODUÇAO... OBRIGATORIEDADE... NOVAS REGRAS... DESPESAS DEDUTIVEIS... DECLARAÇÃO DE BENS E DÍVIDAS... DOENÇA GRAVE... PRAZO

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA

IMPOSTO DE RENDA IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA IMPOSTO DE RENDA IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA IMPOSTO l ELEMENTOS DO IMPOSTO: INCIDÊNCIA FATO GERADOR PERÍODO DE APURAÇÃO BASE DE CÁLCULO ALÍQUOTA INCIDÊNCIA l IRPF - É o imposto que incide sobre o produto

Leia mais

Física. Pessoa IMPOSTO DE RENDA. c o n t a b i l i z e. É hora de acertar as contas com o Leão

Física. Pessoa IMPOSTO DE RENDA. c o n t a b i l i z e. É hora de acertar as contas com o Leão IMPOSTO DE RENDA Distribuição Gratuita Pessoa Física É hora de acertar as contas com o Leão CONTRATE UM PROFISSIONAL E EVITE PROBLEMAS Entre em contato conosco 47 3028-1483 contabilize@contabilizesc.com.br

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

IV - Bens e direitos que devem ser declarados

IV - Bens e direitos que devem ser declarados IV - Bens e direitos que devem ser declarados Regra geral, devem ser relacionados nessa ficha da Declaração a totalidade dos bens e direitos que, no Brasil ou no exterior, constituam, em 31 de dezembro

Leia mais

IRPF-2011 MALHA FINA E CUIDADOS ESPECIAIS

IRPF-2011 MALHA FINA E CUIDADOS ESPECIAIS IRPF-2011 MALHA FINA E CUIDADOS ESPECIAIS Instrutora: Andréa Teixeira Nicolini BLOCOS PROGRAMA 1. Regras Gerais Declaração de Ajuste Anual 2011. 2. Deduções Permitidas IRPF 2011. 3. Deduções Parte II.

Leia mais

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Dispõe sobre os procedimentos de acompanhamento, controle e avaliação a serem adotados na utilização dos benefícios fiscais instituídos pela Lei n

Leia mais

Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem.

Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem. Guia IR 2012 No Banrisul, o leão não assusta. Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem. O Banrisul antecipa

Leia mais

Subchefia de Assuntos Parlamentares SUPAR

Subchefia de Assuntos Parlamentares SUPAR Quadro Comparativo Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015 Tabela do Imposto de Renda Publicada em 11 de março de 2015. LEGISLAÇÃO TEXTO DA MP TRECHO DA EM Nº 00045/2015 MF Altera a Lei nº 11.482,

Leia mais

Além da documentação acima a inscrição será efetivada com a doação de uma lata de leite em pó que será doado à uma instituição filantrópica da região.

Além da documentação acima a inscrição será efetivada com a doação de uma lata de leite em pó que será doado à uma instituição filantrópica da região. Peruíbe, 10 de março de 2013. As Faculdade Peruíbe realizará pela 1ª vez o serviço de preenchimento gratuito da declaração do imposto de renda (IRPF 2014) para pessoas físicas na atividade IRPF Social.

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO SUMÁRIO: 1. Serviços Prestados por Pessoas Jurídicas 1.1. Incidência 1.2. Serviços de Limpeza e Conservação

Leia mais

CONQUIST Assessoria em Concursos Públicos Ltda. GANHO DE CAPITAL. I.R.P.F. 2008 Imposto de Renda Pessoa Física

CONQUIST Assessoria em Concursos Públicos Ltda. GANHO DE CAPITAL. I.R.P.F. 2008 Imposto de Renda Pessoa Física CONQUIST Assessoria em Concursos Públicos Ltda. GANHO DE CAPITAL I.R.P.F. 2008 Imposto de Renda Pessoa Física Índice Página 1 GANHO DE CAPITAL 1.1 Definição de Ganho de Capital 04 1.2 Operações sujeitas

Leia mais

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF?

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Sim. A legislação da DIRF, Instrução Normativa n 1.406, de 23 de outubro de 2013, coloca como pessoa jurídica

Leia mais

ANO XXV - 2014-5ª SEMANA DE JANEIRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 05/2014

ANO XXV - 2014-5ª SEMANA DE JANEIRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 05/2014 ANO XXV - 2014-5ª SEMANA DE JANEIRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 05/2014 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE COMPROVANTE ELETRÔNICO DE RENDIMENTOS PAGOS IRRF E SERVIÇOS MÉDICOS E DE SAÚDE - PESSOA FÍSICA

Leia mais

CONFIRA COMO ENVIAR A DECLARAÇÃO DO IR 2009

CONFIRA COMO ENVIAR A DECLARAÇÃO DO IR 2009 CONFIRA COMO ENVIAR A DECLARAÇÃO DO IR 2009 Passo 1 - Tipo de declaração Nesta tela, o contribuinte escolhe se deseja fazer a declaração de ajuste anual, para prestar conta sobre seus rendimentos e despesas

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação. Relatório. Solução de Consulta Interna nº 29 Cosit Data 4 de novembro de 2013 Origem

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação. Relatório. Solução de Consulta Interna nº 29 Cosit Data 4 de novembro de 2013 Origem Fl. 36 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 29 Data 4 de novembro de 2013 Origem Delegacia da Receita Federal do Brasil em Palmas (DRF/Palmas) Assunto: Imposto sobre a

Leia mais

Comprovante de Rendimentos Financeiros

Comprovante de Rendimentos Financeiros Comprovante de Rendimentos Financeiros INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

ASSUNTO: NORMAS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA

ASSUNTO: NORMAS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA ASSUNTO: NORMAS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 235 de 15 de Setembro de 2010 EMENTA: Os serviços notariais e de registro (cartórios) devem possuir cadastro no CNPJ, o qual permanecerá

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de Transportador Autônomo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de Transportador Autônomo Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de 10/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Incidência do IRRF para

Leia mais

IRRF/ 2014. Instalar o programa da Receita Federal. WWW.receita.fazenda.gov.br. Nova. Após abrir declaração (importação/nova)

IRRF/ 2014. Instalar o programa da Receita Federal. WWW.receita.fazenda.gov.br. Nova. Após abrir declaração (importação/nova) IRRF/ 2014 Instalar o programa da Receita Federal WWW.receita.fazenda.gov.br Nova Tenho Anterior Após abrir declaração (importação/nova) Durante a importação o programa 2013 traz também os pagamentos efetuados.

Leia mais

Pessoa Física Ganho de Capital Apuração e Recolhimento do Imposto de Renda

Pessoa Física Ganho de Capital Apuração e Recolhimento do Imposto de Renda Pessoa Física Ganho de Capital Apuração e Recolhimento do Imposto de Renda SUMÁRIO 1. Introdução 2. Conceito de Ganho de Capital 3. Contribuintes 3.1. Residentes ou domiciliados no exterior que aliena

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002. Altera a legislação tributária federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Durante o ano de 2014 contribuí para a Previdência Social como autônoma. Como devo fazer para deduzir esses valores? Qual campo preencher? Se pedirem CNPJ, qual devo

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm Page 1 of 9 Espólio - Contribuinte Falecido CONCEITO 085 O que é espólio? Espólio é o conjunto de bens, direitos e obrigações da pessoa falecida. É contribuinte distinto do meeiro, herdeiros e legatários.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 90. O prazo previsto no caput do art. 84 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA/2015

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA/2015 DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA/2015 Regulamento para a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda, PESSOA FÍSICA, exercício de 2015, ano-calendário de 2014. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA

Leia mais

SEM CRISE QUEM ESTÁ OBRIGADO A DECLARAR

SEM CRISE QUEM ESTÁ OBRIGADO A DECLARAR SEM CRISE Se você não é contador e, portanto, não ganha dinheiro para declarar o Imposto de Renda, é provável que você torça o nariz para as letrinhas "IR". Também não seria nenhuma surpresa saber que

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2009 PERGUNTAS E RESPOSTAS

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2009 PERGUNTAS E RESPOSTAS IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2009 PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Quem está obrigada à entrega da Declaração de Ajuste Anual no exercício de 2009, anocalendário 2008? Está obrigada a apresentar a Declaração

Leia mais

Treinamento da DIRF e Comprovante de Rendimentos

Treinamento da DIRF e Comprovante de Rendimentos Treinamento da DIRF e Comprovante de Rendimentos Este treinamento tem o objetivo de demonstrar as informações e funcionalidades da DIRF em relação às rotinas específicas do sistema JB Folha de Pagamento.

Leia mais

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência.

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência. Especial IRPF 2011 Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência - Março de 2011 Chegou a hora de declarar o IRPF2011 Fique atento! Não descuide do

Leia mais

Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties

Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties ALUGUÉIS Retenção do Imposto Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties A legislação tributária prevê que constituem rendimento bruto sujeito ao Imposto de Renda

Leia mais

CIRCULAR Medida Provisória 252/05

CIRCULAR Medida Provisória 252/05 CIRCULAR Medida Provisória 252/05 A Medida Provisória 252/05, publicada no Diário Oficial em 16 de junho de 2005, instituiu regimes especiais de tributação, alterou parte da legislação de Imposto de Renda,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

LIVRO CAIXA - PESSOA FÍSICA

LIVRO CAIXA - PESSOA FÍSICA LIVRO CAIXA - PESSOA FÍSICA O profissional que percebe remuneração sem vínculo empregatício, assim como os titulares de serviços notariais e de registro e os leiloeiros, poderá deduzir da receita recebida

Leia mais

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO Instrução Normativa RFB Nº 1246 DE 03/02/2012 (Federal) Data D.O.: 06/02/2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício de 2012, ano-calendário

Leia mais

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Tributação Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Índice Quem recolhe o Imposto? 3 Prazo para Recolhimento 3 Como calcular o Imposto 3 Imposto de Renda

Leia mais

Objetivo. Conteúdo. Imposto de Renda Pessoa Física. Rendimentos recebidos acumuladamente Palestra TRT 6ª Região

Objetivo. Conteúdo. Imposto de Renda Pessoa Física. Rendimentos recebidos acumuladamente Palestra TRT 6ª Região Imposto de Renda Pessoa Física Rendimentos recebidos acumuladamente Palestra TRT 6ª Região Alexandre de Moraes Rego AFRFB DRF Recife Objetivo Divulgação da nova sistemática de tributação do Imposto de

Leia mais

IRPF IMPOSTO DE RENDA

IRPF IMPOSTO DE RENDA Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

Cartilha Declaração de Imposto de Renda 2016

Cartilha Declaração de Imposto de Renda 2016 CARTILHA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2016 1 SUMÁRIO 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO... 4 1.1. Pessoas obrigadas à apresentação da Declaração de Ajuste Anual IRPF 2016... 4 1.2. Pessoas dispensadas

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

Declaração de Imposto de Renda Pessoas Físicas - 2014. São Paulo 26/03/2014

Declaração de Imposto de Renda Pessoas Físicas - 2014. São Paulo 26/03/2014 Declaração de Imposto de Renda Pessoas Físicas - 2014 São Paulo 26/03/2014 ROTEIRO DE APRESENTAÇÃO 1. REGRAS BÁSICAS IRPF 1.1. Quem deve declarar? Prazo? O que deve ser declarado? 1.2. Tipos de Declaração

Leia mais

IRPF 2012. Principais Novidades. Março 2013. Elaborado por: Wagner Mendes. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

IRPF 2012. Principais Novidades. Março 2013. Elaborado por: Wagner Mendes. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

DIRPF 2015 - REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/02/2015. Sumário:

DIRPF 2015 - REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/02/2015. Sumário: DIRPF 2015 - REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/02/2015. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO 2.1 - Quanto à Renda 2.2 - Ganho

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Centro de Economia e Administração. Faculdade de Ciências Contábeis

Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Centro de Economia e Administração. Faculdade de Ciências Contábeis Pontifícia Universidade Católica de Campinas Centro de Economia e Administração Faculdade de Ciências Contábeis OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO Renda Recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: LEI COMPLEMENTAR Nº 21, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1988 Institui o Imposto sobre a Transmissão causa mortis e Doação de Bens ou Direitos. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: seguinte Lei: FAÇO SABER que o Poder

Leia mais

SAFRAS & CIFRAS. IMPOSTO DE RENDA 2014, 20 questões que o produtor rural precisa saber!

SAFRAS & CIFRAS. IMPOSTO DE RENDA 2014, 20 questões que o produtor rural precisa saber! SAFRAS & CIFRAS IMPOSTO DE RENDA 2014, 20 questões que o produtor rural precisa saber! * Enio B. Paiva *Lizandra Blaas * Ana Paiva Em clima de imposto de renda, alguns profissionais da Safras & Cifras

Leia mais

Novidades na Declaração de 2014 - Base 2013 Obrigatoriedade de Entrega Prazo de Entrega Apresentação e Locais de Entrega Declaração em Conjunto

Novidades na Declaração de 2014 - Base 2013 Obrigatoriedade de Entrega Prazo de Entrega Apresentação e Locais de Entrega Declaração em Conjunto Novidades na Declaração de 2014 - Base 2013 Obrigatoriedade de Entrega Prazo de Entrega Apresentação e Locais de Entrega Declaração em Conjunto Declaração em Separado Características Fato Gerador Alíquotas

Leia mais

Carlos Roberto Occaso Subsecretário de Arrecadação e Atendimento da Receita Federal do Brasil

Carlos Roberto Occaso Subsecretário de Arrecadação e Atendimento da Receita Federal do Brasil Ofício nº. 071/2014 PRE Brasília, 29 de maio de 2014. Ilmo. Sr. Carlos Roberto Occaso Subsecretário de Arrecadação e Atendimento da Receita Federal do Brasil Marcelo de Melo Souza Subsecretário de Gestão

Leia mais

Imposto de Renda sobre o Ganho de Capital

Imposto de Renda sobre o Ganho de Capital Imposto de Renda sobre o Ganho de Capital Formas de Redução e Isenção da Obrigação Tributária gerada pelo ganho de capital com a venda de imóveis. Lucas Calafiori Catharino de Assis Conceito de Tributo

Leia mais

Imposto sobre a Renda. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Imposto sobre a Renda. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Imposto sobre a Renda Objetivos O presente curso tem por objetivo apresentar um estudo sobre o Imposto sobre a Renda, características, conceito, competência, fato gerador, sujeito ativo e passivo, base

Leia mais

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF Fls. 1 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF Solução de Consulta Interna nº 1 Data 15 de junho de 2012 Origem DIFIS/SRRF01 (e processo nº 10166.725012/2012 53) Assunto: Contribuições

Leia mais

CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE SER RENDA;

CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE SER RENDA; DOS IMPOSTOS (CONTINUAÇÃO) IMPOSTO SOBRE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA ENCONTRA-SE PREVISTO NO ARTIGO 153, INCISO III, DA C.F.. CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 258, de 17 de dezembro de 2002

Instrução Normativa SRF nº 258, de 17 de dezembro de 2002 DOU de 19.12.2002 Instrução Normativa SRF nº 258, de 17 de dezembro de 2002 Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para fruição dos benefícios fiscais relativos ao Imposto de Renda das Pessoas

Leia mais

GUIA IRPF Orientações Gerais

GUIA IRPF Orientações Gerais 2013 GUIA IRPF Orientações Gerais Imposto de Renda 2013 ÍNDICE 1 Obrigatoriedade de entrega 5 2 Formas de entrega 6 3 Multa por atraso na entrega 6 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO

Leia mais

Capítulo 1 CONTRIBUINTES

Capítulo 1 CONTRIBUINTES Capítulo 1 CONTRIBUINTES Contribuintes do Imposto de Renda São contribuintes do imposto de renda, sem distinção da nacionalidade, sexo, idade, estado civil ou profissão as pessoas físicas domiciliadas

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fl. 11 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 20 Data 13 de agosto de 2013 Origem COORDENAÇÃO GERAL DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO E JUDICIAL (COCAJ) ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE

Leia mais

INFORME DE RENDIMENTOS

INFORME DE RENDIMENTOS INFORME DE RENDIMENTOS Consultoria Técnica / Obrigações Acessórias Circular 06/2015 1. INTRODUÇÃO Instituído pela Instrução Normativa da Secretaria da Receita Federal sob nº 690 de 20/12/2006, as instituições

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário complemento de 13º Salário 01/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais