Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova"

Transcrição

1 Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 24 de Maio de 2014 Enunciado da Prova O presente enunciado é composto por 11 páginas (incluindo a presente) Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Página 1 de 11

2 Parte I Perguntas de Escolha (15 perguntas, 2 pontos por cada pergunta, total de 30 pontos) 1 Dos itens ou acontecimentos que se seguem, aquele ou aqueles que simultaneamente poderão determinar alterações nos passivos e nos capitais próprios é/são ( ). (A) O aumento de capital pela incorporação de reservas excedentárias (B) (C) A emissão de obrigações da sociedade, com fundos já depositados numa conta bancária A aprovação, em assembleia geral, da proposta do conselho de administração no sentido de se proceder ao pagamento de dividendos (D) Aceitação duma doação em dinheiro 2 A moeda funcional de uma determinada sociedade é o USD. Em 1 de Dezembro de 2012, a sociedade adquiriu um lote de produtos pelo preço de EUR 20,000, sendo a taxa de câmbio na altura de EUR 1 = USD 1.4. Em 31 de Dezembro de 2012, o pagamento daqueles produtos ainda não havia sido efectuado, sendo que a taxa de câmbio no final do ano era de EUR 1 = USD 1.2. Nestes termos, o referido item gerou no final do ano ( ). (A) Uma perda de USD 4,000 (B) Um ganho de USD 4,000 (C) Uma perda de EUR 3,333 (D) Um ganho de EUR 4,000 3 Das afirmações que se seguem relacionadas com o tratamento contabilístico dos activos financeiros disponíveis para venda, a correcta é ( ). i) As perdas de imparidade incorridas por activos financeiros disponíveis para venda devem ser contabilizadas nos resultados correntes; ii) iii) Os custos de transacção incorridos pela aquisição de activos financeiros disponíveis para venda devem ser contabilizados no custo do activo; Os activos financeiros disponíveis para venda devem ser mensurados pelos custos amortizados no final do exercício; iv) Os dividendos em numerário recebidos enquanto na posse de activos financeiros disponíveis para venda devem ser deduzidos aos custos dos activos. (A) (i) e (ii) (B) (ii) e (iii) (C) (i) e (iv) (D) (iii) e (iv) 4 Um determinado centro comercial utiliza o método do lucro bruto na sua contabilização diária das entradas e saídas de mercadorias e no cálculo do respectivo inventário. Em Outubro de 2012, Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Página 2 de 11

3 o inventário inicial da mercadoria A era de $200,000. Relativamente a esta mercadoria específica, o total das compras efectuadas ascende, no mês, a $600,000, a receita mensal das vendas é de $920,000, e o total do mês dos descontos concedidos sobre o preço de venda das mercadorias é de 20,000. No mês anterior, o lucro bruto deste tipo concreto de mercadoria (após dedução dos descontos concedidos sobre o preço de venda das mercadorias) foi calculado em 30%. Não tomando em consideração a correspondente despesa com impostos, o inventário final deste tipo concreto de activo deverá ser, em Outubro de 2012, de ( ). (A) $156,000 (B) $170,000 (C) $524,000 (D) $530,000 5 A sociedade Hendry tem, em 1 de Janeiro de 2013, 400,000 acções ordinárias em circulação. A sociedade emitiu, em 1 de Março, mais 60,000 acções, tendo, em 1 de Outubro, adquirido 40,000 de acções próprias. A sociedade registou um lucro líquido de $6,120,000 em 2013, tendo anunciado a distribuição de dividendos às acções preferenciais no montante de $840,000. Em 1 de Fevereiro de 2013, a sociedade procedeu ao desdobramento das suas acções (stock split) com um factor de conversão de 2-1. Nestes termos e no que se refere às acções ordinárias, os ganhos por acção, em 2013, foram de ( ). (A) $6 (B) $9 (C) $11 (D) $12 6 Suponha que os activos financeiros devem ser mensurados pelo seu justo valor, e que quaisquer alterações devem ser contabilizadas em outro rendimento integral. Qual então dos seguintes itens pode ser contabilizado na conta de resultados? ( ) (A) Resultado das vendas (B) Ganhos ou perdas resultante de variações no justo valor (C) Dividendos (D) Diferenças cambiais 7 A sociedade San Ut exporta utensílios domésticos. Este ano, a sociedade exportou um lote de utensílios para uma sociedade de Taiwan pelo preço de NT (moeda de Taiwan) 4,000,000. No dia da venda, a taxa de câmbio era de NT 1 = MOP 0.25, sendo que no dia em que o pagamento foi efectuado a mesma era de MOP 1 = NT Qual a receita da referida venda? ( ) (A) 103,8961 patacas Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Página 3 de 11

4 (B) 961,039 patacas (C) 100,0000 patacas (D) 800,000 patacas 8 O ciclo de conversão de caixa de uma determinada sociedade é de 70 dias. Se o prazo médio de pagamentos diminuir de 11 para 10 dias, e o prazo médio de recebimentos aumentar em 5 dias, de que forma é que o ciclo de conversão de caixa da sociedade será afectado? ( ) (1 ano = 360 dias) (A) Diminuirá em 8 dias (B) Diminuirá em 3 dias (C) Aumentará em 3 dias (D) Aumentará em 2 dias 9 Segue-se informação relativa a uma determinada sociedade: i) A sociedade teve, ao longo do ano, 1,000,000 de acções ordinárias em circulação ii) O preço de cada acção era de $50 no início do ano e de $70 no final do mesmo. Durante o ano, o preço médio de cada acção foi de $60 iii) A sociedade tem, no referido ano, 100,000 opções de compra de acções em circulação iv) Cada uma daquelas opções permite adquirir 1 acção ordinária pelo preço de exercício de $50 Qual o número de acções que a sociedade deverá considerar para efeito do cálculo do ganho diluído por acção? ( ) (A) 1,100,000 (B) 1,028,751 (C) 1,083,333 (D) 1,016, Um determinado contabilista reuniu os seguintes dados relativos à sociedade ABC: Margem de lucro (lucro / rendimento) 15% 10% Rotação dos activos (rendimento / activos) Grau ou factor de alavancagem (activos / capital próprio) Comparativamente com 2012, o que deverá suceder à rentabilidade do capital próprio da sociedade em 2013? ( ) (A) Diminuir, uma vez que a margem de lucro decresceu (B) Aumentar, uma vez que o multiplicador de alavancagem aumentou (C) Aumentar, uma vez que a rotação dos activos aumentou (D) Permanecer inalterado, uma vez que o efeito resultante do aumento da rotação dos activos e do multiplicador de alavancagem é compensado pela diminuição da margem Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Página 4 de 11

5 de lucro 11 Nos termos do estabelecido na Norma Internacional de Contabilidade (IAS) 10 Acontecimentos Após a Data do Balanço, os referidos acontecimento podem ou não dar lugar a ajustamentos. Dos acontecimentos abaixo, qual dará lugar a um ajustamento? ( ) (A) A sociedade e os funcionários entraram em conflito, o que levou a que uma determinada linha de produção estivesse encerrada durante 6 semanas após o final do ano (B) Um mês após o final do ano, os administradores da sociedade decidem terminar com uma das linhas de produção da sociedade, e encerrar todas as instalações relacionadas com aquela (C) Um mês após o final do ano, a sociedade foi condenada a pagar, em tribunal, uma indemnização a um cliente no valor de $50,000. Antes da sentença ter sido proferida, a sociedade houvera já previsto a possibilidade de ter que pagar uma indemnização, pelo que constituiu, no final do ano, uma provisão no valor de $30,000 (D) Três semanas após o final do ano, um incêndio destruiu o principal armazém da sociedade, assim como a maior parte do inventário 12 No dia 31 de Dezembro de 2013 (final do actual exercício contabilístico), a sociedade Eric avaliou a imparidade de uma patente (em virtude dos avanços tecnológicos). Segue-se informação relevante: Valor escriturado $500,000 Preço de venda estimado $480,000 Custo de venda estimado $50,000 Valor em uso estimado $420,000 No actual exercício contabilístico, a sociedade deverá contabilizar uma perda de imparidade relativamente a este activo (patente) de ( ). (A) $20,000 (B) $50,000 (C) $70,000 (D) $80, Em 31 de Janeiro de 2012, a sociedade Lucky emitiu 300,000 obrigações com uma taxa de juro de 12%, a fim de angariar $300,000. A data de registo das obrigações é 31 de Dezembro de 2011, vencendo-se as mesmas em 31 de Dezembro de Os juros são pagos semestralmente, em 30 de Junho e 31 de Dezembro respectivamente. Nestes termos, em 30 de Setembro, a sociedade Lucky deverá registar, a título de juros a pagar, a quantia de ( ) (A) $9,000 (B) $18,000 Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Página 5 de 11

6 (C) $27,000 (D) $24, Segue-se informação retirada das demonstrações financeiras dos Armazéns Comerciais Pak Si Tat: Inventário 1/1 $200,000; Inventário 12/31 $300,000; Vendas líquidas $2,000,000; Compras líquidas $600,000. Em 31 de Dezembro, a taxa de rotação do inventário da Pak Si Tat é de ( ). (A) 2.0 (B) 2.5 (C) 3.8 (D) No dia 2 de Janeiro de 2013, a sociedade Keng Tak autorizou o senhor Morgan (presidente da sociedade) a utilizar opções de compra de acções concedidas a funcionários (compensatory stock options) para adquirir 1,000 de acções ordinárias da sociedade Keng Tak com o valor nominal de $10. O preço a pagar pelo reembolso da opção de compra de acções concedida a funcionários é de $20 por acção, sendo que a referida opção pode ser exercida no prazo de 3 anos contados da respectiva atribuição. O senhor Morgan exerceu as referidas opções em 31 de Dezembro daquele ano. O preço de mercado de cada acção era de $45 no dia 2 de Janeiro, e de $70 no dia 31 de Dezembro. Utilizando um modelo de determinação do preço da opção aceitável, o senhor Morgan decidiu que o justo valor das opções de compra atribuídas é de $30,000. Nestes termos, após a atribuição e exercício das referidas opções de compra de acções, o capital próprio deveria ter sofrido um aumento líquido de ( ) (A) $30,000 (B) $70,000 (C) $50,000 (D) $20,000 Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Página 6 de 11

7 Parte II Cálculos Curtos (Escolha 3 das 4 perguntas abaixo, 10 pontos por cada pergunta, total de 30 pontos) 1. Os activos financeiros disponíveis para venda detidos pela sociedade ABC são mensurados pelo justo valor no final do exercício. Segue-se informação relativa aos mesmos: (1) O valor escriturado e o justo valor dos activo financeiros disponíveis para venda em 30 de Junho de 2013 é o seguinte: Item Valor escriturado ($) Justo valor ($) Activos financeiros disponíveis para venda - Acções Activos financeiros disponíveis para venda Obrigações Acção A 150, ,800 Acção B 85,000 84,500 Acção C 110, ,000 Obrigações sociedade X 500, ,000 Obrigações sociedade Y 360, ,500 (2) Em 1 de Setembro de 2013, a sociedade ABC vendeu 50% das obrigações da sociedade X, realizando um rendimento líquido (líquido da correspondente despesa com imposto) de $260,000; no mesmo dia, a sociedade ABC vendeu todas as suas acções A, realizando um rendimento líquido (líquido da correspondente despesa com imposto) de $149,000 (3) Em 1 de Dezembro de 2013, a sociedade ABC adquiriu 50,000 unidades de acções D, tendo já sido anunciado, relativamente a estas, um pagamento de dividendos (ainda não recebido) no valor de $0.1 por acção. As acções foram pagas em dinheiro, através de um depósito bancário de $175,000. Perguntas: Com base na informação disponibilizada acima, indique: (1) Os resultados resultantes das variações de justo valor calculadas e contabilizadas em 30 de Junho de 2013 (2) Os lançamentos contabilísticos relativos aos ganhos e perdas, resultantes das variações de justo valor dos activos financeiros disponíveis para venda, reconhecidos em 30 de Junho de 2013 (3) Os lançamentos contabilísticos relativos à venda das obrigações e acções em 1 de Setembro de 2013 (4) Os lançamentos contabilísticos relativos à compra das acções D em 1 de Dezembro de Segue-se alguma informação da sociedade Kin Ip relativa aos anos de 2012 e 2013: Receita das vendas (líquida) 260, ,000 Resultado corrente 63,000 55,500 Juros de obrigações 8,000 9,000 Capital constituído por acções 230, ,000 ordinárias no final do ano ($10 por acção) Total dos activos no final do ano 350, ,000 Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Página 7 de 11

8 Informação adicional: A sociedade emitiu 3000 acções ordinárias adicionais em 2013, sendo que em 2012 não houve qualquer alteração ao número de acções. A taxa de imposto é de 20%. Perguntas: Calcule (relativamente ao ano de 2013) o seguinte: 1) Ganhos por acção 2) Taxa de lucro líquido 3) O rácio de cobertura de juros (rácio TIE) 4) Taxa de rentabilidade do capital próprio 5) Rentabilidade do total dos activos 3 Explique qual a base fiscal dos activos e passivos de acordo com a Norma Internacional de Contabilidade (IAS) 12 Impostos sobre o Rendimento. (2 pontos) Analise e calcule a base fiscal das transacções abaixo, assim como o valor escriturado dos correspondentes itens: (i) A sociedade A contabilizou, a título de dividendos a receber de uma subsidiária (e conforme relatado por esta), o montante de $1 milhão. Suponha que os referidos dividendos não são objecto de imposto. (ii) A sociedade B capitalizou, no ano transacto, um custo de desenvolvimento de $3,000,000, tendo alocado, durante o ano, a quantia de $500,000 a título de amortização. De acordo com a legislação fiscal, todavia, a amortização permitida anualmente é de 25%. (iii) A sociedade C recebeu antecipadamente do respectivo arrendatário uma renda no valor de $100,000 pelo arrendamento de um armazém. De acordo com as Normas de Contabilidade, a sociedade ainda não reconheceu o referido montante enquanto receita do arrendamento. Nos termos da legislação fiscal, todavia, a mesma é reconhecida segundo o regime de caixa. (iv) A sociedade D contraiu um empréstimo de longo prazo no valor de $500,000 no corrente ano. O juro anual é de 5%, pagável no final de cada exercício contabilístico. (8 pontos) 4 No dia 1 de Janeiro de 2014, a sociedade San Lek obteve um empréstimo de $1,000,000 da sociedade Ou Tai Lan para efeito de construir uma fábrica. Ambas as partes acordaram o seguinte: (i) O empréstimo terá a duração de 5 anos; (ii) O capital e os correspondentes juros deverão ser pagos em 10 prestações iguais; (iii) A taxa de juro do empréstimo é de 10%, e a primeira prestação deverá ser paga em 30 de Junho de 2014; (iv) Suponha N=5 anos, taxa de desconto =10%, o valor actual da anuidade ordinária de $1 é 4.0; (v) Suponha que N=10, taxa=5%, o valor actual da anuidade ordinária de $1 é 8.0 Perguntas: (1) Calcule e prepare os lançamentos contabilísticos da sociedade San Lek relativos a este empréstimo, à data de 31 de Dezembro de (2) Determine o valor escriturado da conta Prestações de Empréstimo Ou Tan Lan do balanço da sociedade San Lek de Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Página 8 de 11

9 Parte III Cálculos Extensos (Escolha 2 das 3 perguntas abaixo, 20 pontos por cada pergunta, total de 40 pontos) 1. Com base na informação abaixo, e utilizando para o efeito o método indirecto, elabore a demonstração de fluxos de caixa da sociedade Hong Neng relativa ao ano de 2012: 31 de Dezembro Activos correntes: Caixa e equivalente de caixa... $26,000 $ 8,000 Contas a receber... 22,000 23,000 Inventário... 34,000 31,000 Despesas pagas antecipadamente... 1,000 3,000 Passivos correntes: Títulos a pagar (compras)... $11,000 $ 7,000 Contas a pagar... 24,000 19,000 Despesas acrescidas... 4,000 9,000 Imposto sobre o rendimento a pagar... 10,000 10,000 Realizaram-se e tiveram lugar, em 2012, as seguintes transacções e eventos: (1) Aquisição de algum equipamento por $98,000. (2) Pagamento de dividendos no valor de $18,000. (3) Resultado líquido do exercício de $26,000. (4) Emissão de acções no valor de $25,000 para reembolsar obrigações da sociedade que se venceram. (5) Aquisição de títulos de investimento de longo prazo no valor de $8,000. (6) Emissão de títulos de longo prazo, no valor de $80,000, em troca de um direito de patente. (7) Despesa de depreciação no valor de $12,000. (8) Emissão de títulos de longo prazo para obtenção de um empréstimo de $7,000. (9) Recebimento de $19,000 pela emissão de acções. (10) Recebimento de $74,000 pela venda de um imóvel para habitação. (11) Reaquisição de acções (acções próprias) no valor de $5,000. (12) Incorrimento numa perda de $2,000 pela venda de um imóvel para habitação. (13) Despesa de amortização no valor de $3, A sociedade Hou Lei Loi Lda. nunca contratou os serviços de um contabilista para tratar da sua contabilidade desde que iniciou as suas operações. Em 2013, o gerente da sociedade Hou Lei Loi Lda. elaborou umas demonstrações financeiras das quais constava a seguinte informação: Contas a receber $302,000 Capital constituído por acções 1,000,000 ordinárias, valor nominal unitário de $1 Veículo 337,000 Custo das vendas 1,560,000 Salários 760,000 Prémios de seguro pagos 18,000 Rendas 195,000 Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Página 9 de 11

10 Vendas 2,700,000 Despesas de publicidade 93,000 Caixa 45,000 Material de escritório 20,000 Contas a pagar 210,000 Inventário 610,000 Despesas diversas 50,000 Informação adicional: A informação acima traduz o saldo normal das contas. Na qualidade de contabilista, acredita que a referida informação está no essencial correcta, no entanto o gerente da sociedade não procedeu aos ajustamentos apropriados relativamente aos seguintes 4 pontos: (i) O valor das rendas já incluiu a quantia montante de $15,000 correspondente ao pagamento antecipado da renda relativa ao mês de Janeiro de (ii) De entre o valor dos prémios de seguro já pagos encontra-se a quantia de $6,000 correspondente ao prémio de seguro de 2014 já pago antecipadamente. (iii) O veículo foi adquirido em 2013, a depreciação foi de $48,000 nesse ano. (iv) Do material de escritório, no valor de $20,000, uma parte correspondente a $12,000 foi já consumida em Perguntas: (1) Prepare os lançamentos de ajustamento aos acima pontos (i) a (iv) (2) Elabore a demonstração de resultados de 2013 da sociedade Hou Lei Loi Lda. (3) Elabore o balanço da sociedade Hou Lei Loi Lda. à data de 31 de Dezembro de Em 1 de Janeiro de 2013, a sociedade Darwin investiu MOP1,500,000 na compra de 25% das acções ordinárias da sociedade Ronald. Na data do investimento, os índices primários constantes do balanço da sociedade Ronald eram os seguintes: (moeda: MOP) Valor Escriturado Justo Valor Caixa 2,800,000 2,800,000 Contas a receber 1,500,000 1,500,000 Inventário 350, ,000 Activos Fixos: Equipamento 1,550,000 Depreciação acumulada equipamento (300000) Equipamento (valor líquido) 1,250,000 1,300,000 Imóvel 5,400,000 Depreciação acumulada Imóvel (600000) Imóvel (valor líquido) 4,800,000 5,000,000 Total dos Activos 10,700,000 11,000,000 Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Página 10 de 11

11 Contas a pagar 1,800,000 1,800,000 Títulos pagáveis a longo prazo 4,000,000 4,000,000 Total dos Passivos 5,800,000 5,800,000 Acções ordinárias 1,600,000 Valor nominal de Mop$2, autorizada a emitir 1 milhão de acções, 800,000 acções em circulação Prémio de acções (acções ordinárias) 1,100,000 Resultados acumulados 2,200,000 Total do Capital Próprio 4,900,000 Informação adicional: A sociedade Ronald vendeu todo o seu inventário no decurso do ano. O equipamento foi adquirido em 1 de Janeiro de 2011 e tem uma vida útil estimada de 10 anos, e um valor residual de MOP$50,000; o imóvel foi adquirido em 30 de Dezembro de 2007, tem uma vida útil estimada de 45 anos e não tem qualquer valor residual. A sociedade utiliza o método da linha recta para depreciar os activos. Em 1 de Outubro de 2013, o conselho de administração da sociedade Ronald anunciou o pagamento de dividendos no valor de MOP$2 por acção. A sociedade Ronald registou um lucro líquido de MOP$600,000 no exercício contabilístico de Perguntas: (1) Prepare os lançamentos contabilísticos da sociedade Darwin relativos a este investimento realizado no exercício contabilístico de 2013, e calcule o saldo da conta Investimento: Sociedade Ronald constante do balanço de 2013 da sociedade Darwin. (2) Suponha que, ao invés, a sociedade Darwin investiu, no início do ano, MOP3,500,000 na aquisição de 60% das acções da sociedade Ronald. Necessitaria a sociedade Darwin de consolidar os seus relatórios financeiros com os da sociedade Ronald? Em caso afirmativo, indique os lançamentos de eliminação à data da aquisição (a sociedade utiliza o método do partial goodwill). Fim Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Página 11 de 11

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (2.ª Época) Prestação de provas para registo como auditor de contas 22 de Novembro de 2014 Enunciado

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2015 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 30 de Maio de 2015

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2008/09 Data: 19 de Junho de 2009 Início: 12h30m Duração: 2h00m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos Contabilidade Financeira Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos 3º TESTE INTERMÉDIO NOME: NÚMERO: Atenção

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS CONTABILIDADE II CADERNO DE EXERCÍCIOS CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS Ano Lectivo 2009/2010 Maio de 2010 EXERCÍCIO N º 1C A sociedade M possui 60% de voto da sociedade A, a qual possui, por sua vez, 40% de direitos

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 33 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 33 Resultados por Acção ÍNDICE Parágrafos Objectivo 1 Âmbito 2-4 Definições 5-8 Mensuração 9-63 Resultados por Acção Básicos 9-29 Resultados 12-18 Acções

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40)

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) AULA 08 1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) 3. Capital Próprio - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 Activos Fixos Intangíveis Activo intangível:

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO

RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO Verificar passagem de ano Verificar aprovação de contas do exercício anterior Verificar apuramentos do IVA Verificar contas do balancete e fazer as devidas correcções

Leia mais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais CONTABILIDADE Docente: José Eduardo Gonçalves Ano: 2008/2009 Universidade da Madeira Elementos Patrimoniais Activo Recurso controlado pela entidade como resultado de acontecimentos passados e do qual se

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

NCRF 27 Instrumentos financeiros

NCRF 27 Instrumentos financeiros NCRF 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 - Instrumentos Financeiros: Apresentação, IAS 39 - Instrumentos

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

! " # $%&' (") *+)( *+)* , " # - %. " / 012 $ )"* *+)( 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6! ! " '.! " 7 . % "' *+)( $%, % " ## *++* -. - ! $ ." )+#.

!  # $%&' () *+)( *+)* ,  # - %.  / 012 $ )* *+)( 012+4 # *+)( 012 55  6! !  '.!  7 . % ' *+)( $%, %  ## *++* -. - ! $ . )+#. !! " # $%&' (") *+)( *+)*, " # %. " / 012 $ )"* *+)( 3 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6!! " '.! " 7. % "' *+)(!, $%, % " ## *++*. 7! $." )+#. *+)*!! 28" *+)(. "' $%981!5": *+)(*+);!)5) *++**++

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

LIVRO SNC CONTABILIDADE FINANCEIRA: SUA APLICAÇÃO

LIVRO SNC CONTABILIDADE FINANCEIRA: SUA APLICAÇÃO LIVRO SNC CONTABILIDADE FINANCEIRA: SUA APLICAÇÃO P. 2 Sistema de Normalização Contabilística Prático SNC Contabilidade Financeira: sua aplicação CAPÍTULO 1 CONTABILIDADE E O SEU PAPEL PARTE I P. 28 (QUESTÃO

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B LEC11 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS COMENTÁRIOS À RESOLUÇÃO DO EXERCÍCIO 1 Lançamento nº 1 - Eliminação de saldos entre empresas do grupo As empresas do Grupo efectuaram operações

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 1ª Frequência

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 1ª Frequência CONTABILIDADE FINANCEIRA II Data: 31 de Março de 2008 Duração: 2 horas e 30 minutos 1ª Frequência Responda a cada grupo em folhas separadas Grupo I (35 minutos - 4,5 valores) Na sociedade Turismo & Aventura,

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA 1 Introdução: A adaptação do Plano Oficial de Contabilidade à Directiva n. o 78/660/CEE (4. a Directiva do Conselho, de 25-7-78), consubstanciada

Leia mais

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 Os procedimentos contabilísticos a adoptar nas operações de concentração de actividades empresariais são definidos nas seguintes

Leia mais

GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1 valor; uma resposta errada dá lugar à dedução de 0,25 pontos.

GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1 valor; uma resposta errada dá lugar à dedução de 0,25 pontos. NOTA: ------------ -- Docente atribuído: Docente que frequentou e que corrigirá a prova: Aluno Nº: Turma: Nome: Assinatura: GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1

Leia mais

Acordo Quadro para Transacções Financeiras. Anexo de Produto para Empréstimos de Valores Mobiliários Edição de Janeiro de 2001

Acordo Quadro para Transacções Financeiras. Anexo de Produto para Empréstimos de Valores Mobiliários Edição de Janeiro de 2001 Acordo Quadro para Transacções Financeiras Anexo de Produto para Empréstimos de Valores Mobiliários Edição de Janeiro de 2001 Este Anexo complementa as Condições Gerais que fazem parte de qualquer Acordo

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro AULA 10 Capital Próprio Aumentos de capital Demonstração de fluxos de caixa Construção da DFC - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL Por incorporação de Reservas Por

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I INVESTIMENTOS É constituído pelos recursos que a empresa detém com carácter de continuidade, não se destinando a ser vendidos ou transformados no decorrer das suas actividades

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Tipo de Propriedade 1ª Habitação Residência habitual do agregado familiar (habitação própria permanente). 2ª Habitação Residência não habitual do agregado familiar

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

DC14 - Demonstração dos Fluxos de Caixa (1) Directriz Contabilística nº 14

DC14 - Demonstração dos Fluxos de Caixa (1) Directriz Contabilística nº 14 DC14 Demonstração dos Fluos de Caia (1) Directriz Contabilística nº 14 Julho de 1993 Índice 1. Introdução 2. Objectivos 3. Definições 4. Componentes da Demonstração dos Fluos de Caia 4.1. Actividades operacionais

Leia mais

2. CAPITAL SOCIAL. Contabilidade das Sociedades 2009/2010 1

2. CAPITAL SOCIAL. Contabilidade das Sociedades 2009/2010 1 2. CAPITAL SOCIAL 1 Índice Conceitos 3 Referências normativas 4 Sociedade por quotas 6 10 2 Conceitos Sociedades SUBSCRIÇÃO Acto pelo qual os sócios formalizam a sua obrigação de entrada. REALIZAÇÃO ou

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Cálculo Financeiro Fixa nº2

Cálculo Financeiro Fixa nº2 Cálculo Financeiro Fixa nº2 2. Regimes de Capitalização 2.1. O Regime de Juro Simples 2.2. O Regime de Juro Composto 8 Considere um empréstimo de 300 000 Euros, pelo prazo de 4 anos, à taxa anual de juro

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I V - CADERNO DE EXERCÍCIOS Imobilizações ANO LECTIVO 2004/2005 1º SEMESTRE Exercício 29 A empresa Sempre a dever,

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Operações de Fim de Exercício Terminado o exercício contabilístico a empresa efectua diversos trabalhos ou operações de fim de exercício contabilístico. Contabilidade Financeira I Operações de Fim de Exercício

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO [LGE103] EXERCÍCIOS #2 [Matemática Financeira] 2007-2008 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO Exercício 1 Uma taxa de juro anual nominal

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013

newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013 newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Julho de 2013 2 Capitalização de Gastos com Empréstimos Obtidos 4 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Tribunal Constitucional

Leia mais

Acordo Quadro para Transacções Financeiras. Anexo de Produto para Transacções de Reporte Edição de Janeiro de 2001

Acordo Quadro para Transacções Financeiras. Anexo de Produto para Transacções de Reporte Edição de Janeiro de 2001 Acordo Quadro para Transacções Financeiras Anexo de Produto para Transacções de Reporte Edição de Janeiro de 2001 Este Anexo complementa as Condições Gerais que fazem parte de qualquer Acordo Quadro para

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Grupo I Múltipla Escolha

Grupo I Múltipla Escolha Grupo I Múltipla Escolha 1 A empresa comprou 250 USD a 0,98 USD/EUR com o pagamento de despesas bancárias de 10. Qual das seguintes afirmações está correcta? a) Movimentar a conta 11 Caixa a crédito por

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Formação Eventual Sistema de Normalização Contabilística Exemplos práticos 14Set2009 a 14Out2009 1 de 142 Sistema de Normalização Contabilística Exemplos práticos

Leia mais

O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias

O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias Enquadramento em SNC Influência e Controlo Controlo exclusivo a sociedade dominante tem mais de 50% dos direitos de voto da filial; Controlo conjunto

Leia mais

Fiscalidade da RAEM. Enunciado da Prova

Fiscalidade da RAEM. Enunciado da Prova Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2009 (2.ª Época) Prestação de provas para registo como Contabilista Registado/Técnico de contas 29 de

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais