DÓLAR. Imagine que um investidor que nasceu em Santa Catarina

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DÓLAR. Imagine que um investidor que nasceu em Santa Catarina"

Transcrição

1 CAPA LUCRE EM O Brasil está prestes a experimentar um boom de aplicações financeiras que permitem investir dinheiro no exterior e aproveitar a valorização do dólar; saiba como fazer POR JOÃO SANDRINI E DIEGO LAZZARIS Imagine que um investidor que nasceu em Santa Catarina goste tanto de sua terra-natal que decida aplicar o próprio dinheiro apenas em ações de empresas fundadas por catarinenses ou com sede no Estado. Faz algum sentido investir dessa maneira? Ainda que esse catarinense possa ter obtido lucros elevados com a valorização das ações da Weg ou da BRF nos últimos anos, é bem provável que, com tão poucas possibilidades de investimento, ele também tenha aplicado em papéis como da Teka ou da Hering, do setor têxtil, e perdido dinheiro. Ao adotar um critério geográfico e pouco racional, esse investidor também não pôde pegar na veia a disparada de empresas como as paulistas Cielo, Klabin e Embraer ou a mineira Cemig durante o governo Dilma. Mas a essa altura é provável que você esteja pensando: que tipo de investidor seria tão bairrista a ponto de só comprar empresas do seu próprio Estado? Pois saiba que, de certa forma, é assim que investem mais de 99% dos brasileiros não em relação ao Estado de origem, mas em relação à nacionalidade. Pense em quantos dos seus amigos investem em ações de empresas americanas que você perceberá que o país-sede da companhia conta muito na hora em que um brasileiro vai montar seu portfólio de investimentos ainda que inconscientemente. IMAGEM SATTU RODRIGUES 11

2 O grande problema de concentrar a carteira no país de origem é que nem sempre as melhores oportunidades estão lá o que fica evidente nos ciclos econômicos de baixa como o atual. Com ao redor de 400 empresas abertas, a Bovespa é hoje um lago bem raso, que responde por cerca de 1% do mercado acionário mundial. Como a maioria dos peixes nem passa por suas águas, um investidor vai precisar de muita sorte pescar o maior deles na Bovespa. Se houver um boom das empresas pontocom, por exemplo, é provável que os investidores brasileiros fiquem a ver navios. Caso a indústria farmacêutica faça descobertas revolucionárias nos próximos anos, seus amigos não vão ganhar dinheiro com isso. Além de restringir as possibilidades de lucro, a baixa diversificação também aumenta o risco do investidor. Imagine, apenas por um exercício hipotético, que a presidente Dilma tenha um arroubo bolivariano e decida que é hora de estatizar a Vale. Todas as empresas da Bovespa sofreriam, não é mesmo? Mas se sairia menos mal quem aplicasse uma parte do dinheiro nos EUA. O Brasil representa 1% do mercado acionário mundial, 2% do mercado de renda fixa e 3% do PIB. Faz muito mais sentido diversificar geograficamente do que aplicar tudo aqui, diz Giuliano De Marchi, diretor comercial da gestora de fundos do JPMorgan para a América Latina. A tendência de concentrar o dinheiro em empresas locais não é exclusividade dos brasileiros, ainda que, aqui, o fenômeno seja mais acentuado. O percentual da poupança investida no mercado local é equivalente a 99% no Brasil, 82% nos EUA, 58% na Alemanha e apenas 32% na Holanda, segundo estudo da gestora de recursos Mint Capital (veja o Os países onde os investidores têm mais viés doméstico gráfico no final desta página). Os investidores brasileiros têm até mesmo preferências regionais. O levantamento da Mint mostra, entre outros exemplos, que tradicionais fundos de ações cariocas preferem investir na empresa de educação Estácio, também do Rio de Janeiro, enquanto os gestores paulistas possuem uma alocação muito mais relevante na concorrente Kroton, com sede em São Paulo. A preferência não é necessariamente irracional. Por estarem geograficamente próximos, os gestores de ações cariocas podem, por exemplo, marcar reuniões ou mesmo happy hours com executivos da Estácio com muito mais facilidade. Mas isso não significa que um paulista que passa diariamente por algum campus da Kroton no caminho para o trabalho esteja mais bem informado sobre a situação da empresa a ponto de dar preferência a ela na hora de incluir o setor de educação na carteira de investimentos. Os principais fatores que explicam o viés doméstico dos investidores brasileiros não são psicológicos. Em primeiro lugar, é preciso considerar que a maioria da população ganha em reais e tem despesas em reais. Possuir investimentos em dólar, portanto, pode não fazer sentido para uma parte dos brasileiros. O segundo fator é o desconhecimento do mercado americano ou europeu. As pessoas se sentem mais confortáveis ao investir no que conhecem. Se já é difícil para muita gente escolher ações na Bovespa para montar uma carteira, imagine quando existe a possibilidade de investir em dezenas de milhares de empresas em âmbito global. Por último, vale lembrar a existência de diversas restrições regulatórias para o investimento de brasileiros no exterior. A boa notícia é que essas PERCENTUAL DO DINHEIRO INVESTIDO NO MERCADO LOCAL 99% Brasil 89% África do Sul 85% Chile As novas regras da CVM para os fundos Duas instruções da CVM editadas em dezembro, a 554 e a 555, vão mudar as regras para o investimentos em fundos que aplicam no exterior. A instrução 554 alterou as classificações dos investidores brasileiros. A partir de julho, será considerado investidor qualificado quem tiver R$ 1 milhão em aplicações financeiras hoje o limite é de R$ Já os investidores superqualificados passam a ser chamados de profissionais. O patrimônio mínimo para se enquadrar nessa categoria subiu de R$ 1 milhão para R$ 10 milhões. Essas classificações servem para restringir o acesso dos investidores a aplicações que a CVM considera ser de maior risco ou de difícil avaliação, como CRI (certificados de recebíveis imobiliários), FIDC (fundos de investimento em direitos creditórios), debêntures isentas de IR distribuídas em ofertas com esforços restritos (a um pequeno grupo de investidores) e também fundos que investem no exterior. Mas se CVM aumentou o patrimônio mínimo exigido para que os investidores sejam considerados qualificados e profissionais, por que as novas regras vão favorecer as aplicações em ativos no exterior? Porque a instrução 555 facilitou esse tipo de aplicação via fundos. Hoje fundos de investimento que aplicam mais de 67% do patrimônio no exterior exigem aplicação inicial mínima de R$ 1 milhão. A partir de julho, esses fundos serão restritos a investidores qualificados, mas caberá à gestora dos recursos definir o tíquete mínimo de entrada poderá ser de R$ ou R$ , por exemplo. A mudança é importante porque investidores qualificados poderão diversificar a carteira com investimentos no exterior. Outra regra importante é que fundos destinados a investidores qualificados poderão investir até 40% do patrimônio no exterior hoje esse limite é de 20%. Já fundos voltados para o varejo poderão investir 20% dos recursos fora do Brasil. E fundos de BDR, hoje restritos a investidores qualificados, poderão ser oferecidos a qualquer investidor a partir de julho. Na visão de especialistas, as novas regras permitirão que uma quantidade muito maior de brasileiros passe a ter exposição a ativos internacionais em suas carteiras de investimento algo que já acontece nas principais economias da América Latina. Demorou, mas finalmente o investidor de varejo vai poder acessar o mercado internacional, diz Ernesto Leme, diretor comercial da Claritas. 82% EUA 65% Reino Unido 58% Alemanha 32% Holanda FONTE: MINT CAPITAL 12 IMAGENS PAVEL SHLYKOV E NASTIAMED 13

3 Carlos Takahashi, da BB DTVM: fundo cambial serve mais para hedge de despesas em dólar restrições serão flexibilizadas a partir de julho, quando entram em vigor as novas regras estabelecidas pelas instruções 554 e 555 da CVM (Comissão de Valores Mobiliários). As duas instruções vão tornar mais acessível para as pessoas físicas o investimentos no exterior por meio de fundos (veja o box na página 13). E a indústria já se prepara para trazer ao país centenas de novas aplicações financeiras que permitirão aos brasileiros ter exposição a ativos dos EUA e da Europa. Do ponto de vista cambial, a nova regulamentação não poderia vir em melhor hora. O dólar entrou há dois anos em um ciclo de alta ante as principais moedas mundiais devido à recuperação da economia americana, à redução dos estímulos monetários pelo Federal Reserve (o banco central dos EUA) e à expectativa de início do aumento dos juros, que permanecem muito próximos a zero desde a crise do subprime. A história mostra que os ciclos cambiais costumam durar muitos verões. O real, por exemplo, se valorizou por quase uma década, entre 2002 e 2011, devido à ascensão da China e ao superciclo das commodities. Já os dois últimos grandes ciclos de valorização do dólar ocorreram entre agosto de 1980 e fevereiro de 1985 e depois entre maio de 1995 e maio de Esse é um dos motivos que leva a maior parte dos gestores de fundos a apostar que o atual ciclo da moeda americana está longe de se encerrar. Na comparação com o real, o dólar vem em um movimento de valorização desde 2011, quando chegou a cair abaixo de R$ 1,60. A valorização gradual porém contínua acumulada desde então já supera 80%. O principal fator de pressão sobre o câmbio é a desvalorização das commodities, que reduz drasticamente a entrada de dólares no Brasil. Mas também há motivos internos para a perda de valor do real. Para Eduardo Levy, gestor de investimentos no exterior da Rio Bravo, pesa sobre a moeda brasileira a perda de competitividade do setor produtivo. Como o governo não faz reformas no sentido de reduzir os custos das empresas com salários, impostos, insumos, etc., o ajuste acaba ocorrendo com a depreciação cambial. Analistas ouvidos pela Revista InfoMoney também citaram a falta de confiança no governo Dilma como fator de redução da entrada de moeda forte no país, assim como o provável racionamento duplo de água e energia. Mas até que ponto poderia ir a valorização do dólar? O economista-chefe para a América Latina do banco Goldman Sachs, Alberto Ramos, disse em fevereiro que o dólar deveria se fortalecer para R$ 3,10 ou R$ 3,20. Ainda que haja divergências sobre o tamanho da desvalorização adicional, é curioso notar que nem mesmo o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, parece confortável com o patamar atual. No final de janeiro, quando o dólar estava em R$ 2,60, ele disse abertamente que não tomaria medidas para manter o câmbio artificialmente valorizado. Outro profeta de depreciação do real é Luis Stuhlberger, o mais renomado gestor de fundos do Brasil. Na carta do Fundo Verde divulgada em fevereiro, ele disse que o dólar é o ativo com preço mais profundamente errado no Brasil. Poucas vezes em minha carreira profissional me lembro de ter visto um alinhamento de circunstâncias negativas tão forte que levaria a uma depreciação cambial, escreveu o principal sócio da Verde Asset Management. Stuhlberger também afirmou que um ajuste mais profundo no câmbio só não ocorreu ainda porque é difícil apostar contra um país que paga as maiores taxas de juros entre todas as nações com grau de investimento. Considerando que a taxa Selic garante um retorno de mais de 12% ao ano, bastante atrativo para gestores de fundos ou para qualquer brasileiro, quanto alguém deveria investir em ativos em dólar neste momento? Para Eduardo Levy, da Rio Bravo, um pessoa com patrimônio de R$ e perfil moderado já deveria avaliar a possibilidade de ter uma exposição internacional equivalente a cerca de 15% da carteira para fins de diversificação. Mas que ativos escolher? A primeira aplicação financeira que vem à cabeça dos brasileiros é algum fundo cambial. O problema desse tipo de aplicação é que o dólar precisaria registrar uma valorização ao longo de um ano de ao menos 5 pontos percentuais acima da Selic para que a relação entre o risco e o retorno de um fundo cambial valesse a pena. Carlos Takahashi, presidente da BB DDTVM, a maior gestora de recursos do Brasil, indica fundo cambial apenas para hedge de alguma despesa em dólar que a pessoa terá dentro de alguns meses. Ter exposição a fundo cambial buscando janelas de oportunidade é muito difícil, diz. Toda a indústria parece trabalhar com essa filosofia, uma vez que os cambiais respondem por apenas 0,1% do patrimônio total dos fundos. Para investidores, o melhor é buscar ativos que paguem a oscilação do dólar somada a alguma remuneração. O número de aplicações desse tipo vai crescer muito a partir de julho, com a nova regulamentação da CVM. A seguir a Revista InfoMoney apresenta algumas possibilidades que já estão à disposição dos brasileiros: Giuliano De Marchi, do JPMorgan: não faz sentido concentrar todo seu dinheiro no Brasil IMAGENS ANDRÉ LESSA/INFOMONEY

4 + S&P 500 Na Bovespa existem dois ETFs (fundos de ações com cotas negociadas em Bolsa) que garantem ao investidor uma remuneração em reais equivalente à oscilação do S&P 500, o principal índice de ações dos EUA, somada à variação do dólar. Se a moeda americana se valorizar 10% em um ano em que o S&P 500 também suba 10%, o investidor que comprar um desses produtos garantirá um retorno próximo a 21%. Um dos ETFs é o S&P 500 FI em Cotas de Fundo de Índice, negociado sob o código IVVB11 na Bovespa. Lançado no final de abril de 2014 pela gestora americana BlackRock, o fundo rendeu quase 33% em seus nove primeiros meses de existência. Em fevereiro, foi a vez da Itaú Asset Management lançar o It Now S&P500 TRN, negociado na Bovespa sob o código SPXI11. Os dois produtos investem em ETFs de S&P 500 negociados na Bolsa de Nova York. Ambos cobram uma taxa de administração bem baixa para fundos de ações: de 0,27% ao ano, sem taxa de performance. Como o lote-padrão é de 10 ETFs, com cerca de R$ 600 já é possível investir nesses ativos. O Imposto de Renda é de 15% sobre o ganho de capital obtido Os brasileiros que quiserem ter exposição a ações americanas podem comprar na Bovespa dois ETFs que seguem o S&P 500 pelo investidor. Ao contrário do investimento direto em ações, no entanto, vendas inferiores a R$ por mês não estão isentas de IR porque a Receita Federal tem dado aos ETFs o mesmo tratamento tributário dos fundos de ações. Por já estar há quase um ano no mercado, o produto da BlackRock tem mais liquidez. Nos horários em que a Bovespa e também a Bolsa de Nova York estão abertas, sempre há no livro de ofertas grandes ordens de compra e venda com uma diferença de até R$ 0,05 o que garante ao investidor entrada e saída sem ágio ou deságio. O que afasta muitos investidores do produto é o fato de o S&P 500 já estar em alta há quase seis anos ou seja, para muita gente, já ficou caro comprar ações americanas. Em fevereiro, o S&P 500 superou pela primeira vez a barreira dos pontos, com uma valorização acumulada de quase 250% desde março de Bruno Stein, diretor de desenvolvimento de negócios da BlackRock no Brasil, afirma, no entanto, que não basta olhar o número de pontos de um índice para tirar uma conclusão se o mercado está barato ou caro. Se houver expansão proporcional do lucro das empresas, um índice pode bater seu recorde histórico e continuar barato, afirma. Ele defende que o investidor analise a relação entre o preço da ação e o lucro por ação (o chamado P/L). Olhando para a expectativa de lucros das 500 maiores empresas americanas para os próximos 12 meses, as ações do S&P 500 negociam em média a 18 vezes o lucro o que não chega a ser uma pechincha, mas também não configura uma bolha. Nos últimos 20 anos, o menor P/L foi observado em 2012, de 12 vezes, e o maior, em 1999, de 27 vezes. Na média, o S&P tem negociado a cerca de 16 vezes o lucro das empresas. O ágio atual pode ser considerado natural dada a expectativa de valorização do dólar que beneficia quem investe nos EUA e também considerando que a economia americana tem apresentado melhores resultados que a maioria dos países desenvolvidos. Para um brasileiro que quer ter exposição em Bolsa, neste momento parece fazer muito mais sentido comprar um produto atrelado ao S&P 500 do que ao Ibovespa, que tem sofrido com a recessão econômica e a inflação elevada. O único problema do investimento em S&P 500 via ETF é que o produto da BlackRock está disponível apenas para investidores qualificados (com ao menos R$ 300 mil em aplicações financeiras) enquanto no caso do Itaú é necessário ter ao menos R$ 1 milhão em aplicações financeiras. Bolsa de Nova York: ações americanas ainda estão atrativas apesar de alta de 250% desde IMAGENS SHUTTERSTOCK 17

5 S&P SELIC Uma forma de fugir dessa restrição aos investidores de varejo dos ETFs é comprar cotas de fundos multimercados que investem em contratos futuros de S&P 500 na BM&F. Esse é o caso do Western Asset US Index 500 FI Multimercado, que permite aplicações a partir de R$ 25 mil para qualquer investidor. O fundo investe os quase R$ 130 milhões em patrimônio nos títulos públicos mais seguros do mercado, as LFT (letras financeiras do Tesouro). Paralelamente o gestor compra contratos futuros de S&P 500 na BM&F e usa os títulos públicos para o depósito das garantias exigidas em operações com derivativos. O fundo paga ao investidor a Selic (remuneração das LFT) mais a variação do S&P 500 em dólares, e não em reais. Ou seja, se o S&P 500 subir de para pontos em determinado período, o investidor ganha 5% mais a Selic, independente da oscilação cambial. Nos últimos 12 meses até 19 de fevereiro, o fundo garantiu um retorno de 26,8%. O fundo tem andado bem por conta da alta da Bolsa americana e dos juros elevados no Brasil. Mas não é um produto para ter exposição ao dólar, explica Marcelo Guterman, especialista de investimentos da Western Asset. O fundo também pode ser considerado menos arriscado que os ETFs de S&P 500 porque, ao contrário do dólar, a Selic sempre garante um retorno positivo ao investidor. Há fundos no Brasil que garantem um retorno igual à taxa Selic mais a valorização do S&P 500 em dólar + AÇÕES AMERICANAS Uma das principais iniciativas da Bovespa para permitir o acesso de brasileiros a ações de grandes empresas americanas e europeias foi o lançamento dos BDRs (brazilian depositary receipts) não-patrocinados. Esses papéis permitem investir em Apple, Google, Goldman Sachs e outras 88 empresas enviando ordens pelo home broker de alguma corretora - igualzinho quando você compra Vale ou Petrobras. O problema dos BDRs é a restrição para que apenas investidores institucionais (como bancos e gestoras de fundos) ou superqualificados (hoje aqueles com ao menos R$ 1 milhão em aplicações financeiras) possam negociá-los na Bovespa. Uma forma de as pessoas físicas acessarem o produto é por meio do investimento em fundos de BDRs, disponibilizados por instituições como o Bradesco, o Itaú e a Western Asset. Esses fundos estão entre os mais rentáveis dos últimos dois anos porque a Bolsa americana e o dólar andaram muito bem no período. Só que, até julho, esses fundos só poderão ser acessados por investidores qualificados (aqueles com ao menos R$ 300 mil em aplicações financeiras). A boa notícia é que a partir do segundo semestre a CVM vai autorizar qualquer investidor de varejo a comprar cotas desses fundos, tornando o produto muito mais acessível. O investidor só precisa entender que há três riscos nos fundos de BDR: de queda das Bolsas americanas ou europeias, de desvalorização do dólar ou do euro e de uma escolha ruim dos papéis comprados pelo gestor. Para minimizar esse último risco, o ideal é escolher gestores com experiência em fundos de ações no exterior e que realmente tenham capacidade de escolher os papéis com mais potencial. Outro grande problema desses fundos é que comprar ações diretamente nos EUA dá ao gestor a possibilidade de escolher entre empresas abertas e não apenas as 91 com BDRs. Isso deve mudar com a nova regulamentação da CVM para a indústria de fundos, que entra em vigor em julho. Dezenas ou centenas de fundos de ações existentes no exterior deverão ganhar uma versão nacional para investidores qualificados ou seja, Wall Street estará ao alcance dos brasileiros. Google: é possível investir na empresa pelo home broker da Bovespa comprando BDRs Embraer: a fabricante de aviões é opção para se beneficiar caso o dólar continue em alta 18 IMAGENS SHUTTERSTOCK E DIVULGAÇÃO 19

6 Escritório do Itaú em Miami: o banco é líder no atendimento a brasileiros endinheirados nos EUA AÇÕES BRASILEIRAS DOLARIZADAS Comprar ações de empresas brasileiras que lucram mais com a alta do dólar é uma opção para ter exposição indireta à moeda americana. Geralmente são empresas com a maior parte das receitas em dólar, mas com custos em reais. A valorização da moeda americana, portanto, engorda diretamente as margens de lucro e irriga o caixa dessas companhias. Os papéis dolarizados mais recomendados pelos analistas são os da Suzano, Embraer e Fibria. Presente na carteira recomendada de dez corretoras em fevereiro, as ações da Suzano (SUZB5) têm se beneficiado tanto da alta do dólar quanto pelo início das operações da nova fábrica no Maranhão, que elevou em 80% sua capacidade de produção de celulose. Já as ações da Embraer (EMBR3) foram recomendadas por oito corretoras em fevereiro porque mais de 90% de suas receitas estão em dólar e porque a lista de encomendas de aviões cresceu de US$ 18 bilhões para US$ 22,1 bilhões nos últimos 12 meses. A Fibria, por sua vez, está nas carteiras recomendadas de quatro corretoras porque conseguiu diminuir o endividamento e, com a alta do dólar, obteve margem Ebtida recorde de 45,3% no quarto trimestre. + JUROS Uma forma de ganhar com a alta do dólar obtendo uma remuneração adicional é comprar cotas de fundos que investem em bonds ou títulos de dívida de empresas negociados no mercado global e que pagam juros aos investidores. O problema é que, na renda fixa, os brasileiros estão acostumados com taxas irreais para os padrões internacionais, principalmente neste momento de juros baixos. Quem investe em depósitos a prazo ou seja, em uma espécie de CDB do Banco do Brasil nos EUA vai obter uma remuneração próxima a 1% ao ano, segundo Claudio Prado, gerentegeral do BB em Miami. Já Eduardo Levy, da Rio Bravo, lembra que só 15% dos títulos de renda fixa negociados nos EUA pagam ao menos 4% ao ano em juros há dez anos, esse percentual era de 100%. Para obter um retorno mais interessante, o investidor não poderá comprar apenas títulos com grau de investimento e precisará correr o risco de empresas classificadas como high yield. Giuliano De Marchi, do JPMorgan, lembra que é preciso ser muito cuidadoso para investir nesses papéis. É como andar em gelo fino. O JPMorgan oferece a brasileiros um fundo de renda fixa desse tipo, o JPM Global High Yield Bond Fund FIM, em que o gestor compra títulos de centenas de empresas e pulveriza o risco de crédito. Com essa diversificação, se uma ou duas empresas derem calote o que é até esperado a rentabilidade do fundo não é comprometida. O fundo tem aplicação mínima de R$ 1 milhão, mas o tíquete de entrada vai cair drasticamente quando a nova regulamentação da CVM para fundos entrar em vigor em julho. De Marchi considera que o maior risco para esses fundos é o início do ciclo de alta dos juros nos EUA. Ele lembra que as taxas americanas atingiram o pico em 1982, quando chegaram a 17% ao ano. Desde então, os juros vieram cedendo gradativamente até que chegaram próximos de zero após a crise do subprime. O problema é que uma reversão de tendência parece bem próxima. Nos últimos 30 anos, tivemos um dos maiores bull markets da história da renda fixa nos EUA. Para baixo os juros não vão mais. E, quando eles começarem a subir, muita gente vai apanhar com bonds, afirma o diretor do JPMorgan. COM PROTEÇÃO 99 em cada 100 investidores profissionais acham que o dólar continuará a se valorizar ante o real nos próximos anos, mas, em se tratando de renda variável, nunca há ganho certo. Para investidores conservadores que não toleram o risco de perder dinheiro, uma possibilidade é investir em dólar com capital protegido. Os COE (certificados de operações estruturadas) cambiais permitem participar da valorização do dólar até determinado limite ou resgatar o mesmo valor aplicado caso o dólar surpreenda o mercado e se desvalorize. Em um COE, há ativos de renda fixa e variável. Um COE de dólar pode comprar um CDB de um grande banco (renda fixa) e uma opção de compra de dólares por um valor em reais e uma data pré-definida (renda variável). Por exemplo, imagine um COE atrelado ao dólar comprado com o câmbio a R$ 2,50. Se a moeda se valorizar, o investidor embolsa toda a variação até o teto de R$ 3 ou seja, ganhará até 20%. Já se o dólar se desvalorizar no período, o investidor recebe os mesmos R$ 2,50. Na pior das hipóteses você não perde o que investiu, diz Fábio Zenaro, gerente-executivo de produtos e negócios da Cetip. Esse tipo de estrutura já é feita na mesa de operações de grandes bancos e corretoras. Para aplicar não é necessário ser investidor qualificado e a decisão sobre o tíquete mínimo fica com o banco emissor já houve emissões para aplicações a partir de R$ 15 mil. Segundo dados da Cetip, mais de 35% das emissões de COE no Brasil são de câmbio. ABRIR CONTA NO EXTERIOR Para quem planeja morar, trabalhar, adquirir um imóvel, fazer uma pós-graduação ou passar um tempo viajando no exterior pode fazer muito sentido enviar parte do dinheiro para fora e investi-lo em moeda forte. Uma das vantagens de investir nos EUA é diversificar a carteira com a exposição a produtos de investimento diferentes dos existentes no Brasil, diz Rodrigo Jabali, da XP Securities. Os EUA respondem por cerca de 50% do mercado acionário mundial. As maiores empresas de outros países também costumam ter ADRs (american depositary receipts) negociados nas Bolsas americanas. O mercado de bonds é gigantesco e, ao contrário do que se vê no Brasil, bastante popular entre pessoas físicas. No entanto, não vale a pena ter conta no exterior quando o patrimônio é muito baixo ou quando é esperado que o dinheiro permaneça por pouco tempo lá fora. Os motivos são de ordem burocrática, tributária e sucessória. Em primeiro lugar, o investidor deve estar ciente de que enviar dinheiro ao exterior é uma operação 100% legal, mas que envolve três custos: 1) IOF (Imposto sobre Operações Financeiros) de 0,38% do valor da operação; 2) taxa de US$ 15 a US$ 75 por remessa; e 3) spread da casa de câmbio. Nesse último caso, alguns bancos chegam a cobrar 4% de spread sobre a cotação do dólar comercial na remessa. A dica, se isso acontecer, é procurar um banco médio, que chega a enviar dinheiro aos EUA com margens inferiores a 1%. Já os aspectos tributários e sucessórios favorecem a abertura de uma empresa para investir nos EUA (veja o box na página 23). Outro ponto importante é a escolha da instituição financeira americana onde será aberta a conta. A maioria dos brasileiros acaba escolhendo um banco também brasileiro devido à facilidade do atendimento em português. Em Miami, a liderança absoluta do mercado de private banking entre os brasileiros é do Itaú. Entre as instituições financeiras que tradicionalmente atendem clientes de alta renda no exterior, também estão o Safra, o BB, 20 IMAGENS DIVULGAÇÃO E ILYASHENKO OLEKSIY 21

7 IMÓVEIS NO EXTERIOR Imóveis em Miami: potencial de valorização é maior para quem compra durante a construção a XP Securities e o UBS. A quantidade de dinheiro que saiu do Brasil aumentou nos últimos anos com a valorização do dólar e depois com as eleições. Miami virou o grande hub de investidores latino -americanos que querem ter investimentos em moeda forte, afirma Claudio Prado, do BB. Temos cerca de 20 mil clientes e US$ 22 bilhões em ativos nos EUA. Escolhida a instituição, o próximo passo é decidir que ativos comprar. Há basicamente três opções: ações, títulos de renda fixa e fundos de investimento. A maior parte dos clientes compra títulos de renda fixa de empresas brasileiras em dólar pela familiaridade, e não porque são os investimentos mais indicados, principalmente em termos de diversificação. Cientes das dificuldades dos brasileiros, Leandro Ruschel e Tito Gusmão, que fizeram carreira no mercado de capitais nacional, decidiram abrir uma empresa de educação para ensinar o funcionamento do mercado dos EUA. Com sedes em Nova York e em Miami, a Liberta Global explica os mercados de ações, derivativos, fundos imobiliários, bonds, ETFs e fundos de investimento. Estudar bastante antes de investir faz todo sentido, principalmente para quem começa a dar os primeiros passos rumo à diversificação internacional. 22 Assim como o S&P 500 deu um banho no Ibovespa nos últimos cinco anos, também o mercado imobiliário americano tem tudo para apresentar resultados melhores que o brasileiro daqui em diante. E as pessoas já vem percebendo isso. Segundo a consultoria Faccin Investments, os brasileiros são os estrangeiros que mais compram imóveis em Miami, atrás apenas dos venezuelanos. Cassio Faccin, vice-presidente da consultoria, diz que a grande maioria dos brasileiros são investidores em busca da diversificação, que compram imóveis com valor médio de US$ 1 milhão. As cidades de Orlando e Nova York também estão com boa procura. Em Orlando, os investidores compram propriedades em média de US$ , buscam retorno com aluguel por temporada e aproveitam para usar o imóvel nas férias. Já os clientes de Nova York são os mais sofisticados: procuram uma segunda residência com valor médio de US$ 3,5 milhões. Em todas as cidades, a demanda é motivada pela recuperação da economia americana, que vai na direção contrária da brasileira, diz Luiz Henrique Perlingeiro, consultor sênior do Westchester Financial Group. Para quem sonha em comprar um imóvel nos EUA, o primeiro passo é ter um visto válido para entrar no país, que pode ser o de turista. Também é necessário abrir uma conta em banco americano e registrar o imóvel em nome de uma empresa aberta para esse fim, como forma de evitar a taxação sobre heranças (veja o box na página ao lado). Para os investidores que estão de olho na renda dos aluguéis, os especialistas recomendam a compra de imóveis comerciais ou residenciais que permitam a locação por temporada. Já quem está investindo na expectativa de obter uma valorização futura deve, segundo Faccin, comprar uma unidade em um empreendimento imobiliário que ainda está em desenvolvimento. Estima-se uma valorização média de 25% a 35% no período de lançamento, execução e venda do projeto, diz. Os especialistas desaconselham a compra de imóveis pela internet ainda que 85% das vendas de Faccin sejam fechadas no escritório de São Paulo. Sempre recomendamos que os clientes visitem os projetos, aconselha. IMAGENS SONGQUAN DENG E NASTIAMED Abra empresa para investir nos EUA Uma alternativa interessante para brasileiros que investem nos EUA pagarem menos impostos é com a abertura de uma empresa. Quem aplica dinheiro no país como pessoa física terá de pagar 15% de Imposto de Renda sobre o lucro obtido nos EUA sempre que vender ativos com ganho de capital. O pagamento é feito no mês seguinte à venda, por meio de um Darf (documento de arrecadação de receitas federais). Até aí nenhuma novidade em relação ao procedimento da Bovespa. Só que para aplicações em Bolsa nos EUA, eventuais prejuízos registrados em um mês não poderão ser utilizados para abater o imposto nos meses seguintes. A variação cambial também entra na conta, uma vez que o cálculo do ganho de capital será feito em reais. Dividendos também serão tributados de acordo com a tabela progressiva ou seja, com alíquotas que variam de 0 a 27,5%, de acordo com o valor dos rendimentos. Outro problema de fazer operações nos EUA com uma conta em nome da pessoa física é que em caso de falecimento do titular, será cobrado um imposto sobre a herança que pode chegar a até 50% do valor do investimento. Devido a essas regras, pode fazer mais sentido investir nos EUA por meio de um trust, uma offshore ou uma empresa americana. Todas essas estruturas são absolutamente legais. Nesses casos, não haverá cobrança de imposto sobre ganho de capital com ações e bonds. Os juros pagos pelos títulos de renda fixa são isentos. Estrangeiros, no entanto, pagam 30% de imposto sobre o recebimento de dividendos. No Brasil, só será cobrado IR sobre o ganho de capital obtido em ações nos EUA quando o dinheiro for trazido de volta ao país. E, no aspecto sucessório, não haverá a sobretaxação, já que, em caso de falecimento do dono da empresa, ela continua a existir suas cotas apenas são transferidas aos herdeiros. O único problema é que a abertura de uma empresa vai gerar custos de US$ a US$ por ano entre contador e taxas. Para pessoas com um patrimônio no exterior de US$ ou mais, o custo é bem diluído e pode valer a pena abrir a empresa. 23

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Alguns preferem papéis federais mais curtos, de menor risco, mas há os que sugerem títulos um pouco mais longos corrigidos pela inflação.

Alguns preferem papéis federais mais curtos, de menor risco, mas há os que sugerem títulos um pouco mais longos corrigidos pela inflação. Empírica Investimentos na mídia EXAME Janeiro 23/12/2014 Com juro alto, renda fixa é mais atrativa e Petrobras, opção A alta dos juros na semana passada por conta da instabilidade externa tornou mais atrativos

Leia mais

Proposta da CVM pode reduzir acesso a investimentos isentos de IR; mercado questiona

Proposta da CVM pode reduzir acesso a investimentos isentos de IR; mercado questiona Página 1 de 5 Proposta da CVM pode reduzir acesso a investimentos isentos de IR; mercado questiona Associações pedem à CVM que seja menos rigorosa em norma que deve aumentar limite para que investidores

Leia mais

Veja na tabela a seguir as performances de cada aplicação em setembro e no acumulado do ano. Desempenho em setembro. Ibovespa 4,84% -17,96% 30/09/2013

Veja na tabela a seguir as performances de cada aplicação em setembro e no acumulado do ano. Desempenho em setembro. Ibovespa 4,84% -17,96% 30/09/2013 Veículo: Exame.com Os melhores e os piores investimentos de setembro Ibovespa fecha o mês com a maior alta, seguido pelos fundos de ações small caps; na renda fixa, a LTN, título do Tesouro prefixado,

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A ANBID A ANBID Associação Nacional dos Bancos de Investimentos Criada em 1967, é a maior representante das

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

02/02/2013. Para onde correr?

02/02/2013. Para onde correr? 02/02/2013 Para onde correr? Juros historicamente baixos, crescimento modesto, inflação elevada e um ambiente menos hostil, mas ainda cheio de incertezas. Decidir onde aplicar, num cenário desses, é um

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

Veículo: Valor Econômico Data: 11/05/2015 Seção: Finanças Pág.: 01 Assunto: Retorno imobiliário

Veículo: Valor Econômico Data: 11/05/2015 Seção: Finanças Pág.: 01 Assunto: Retorno imobiliário Veículo: Valor Econômico Data: 11/05/2015 Seção: Finanças Pág.: 01 Assunto: Retorno imobiliário Veículo: Valor Econômico Data: 11/05/2015 Seção: Finanças Pág.: http://zip.net/bfrdry Assunto: Retorno imobiliário

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

Roberto Mendonça Pereira. CVM - Comissão de Valores Mobiliários Brasil

Roberto Mendonça Pereira. CVM - Comissão de Valores Mobiliários Brasil Clasificaciones de productos financieros por riesgo y diferenciación de los inversores. Diferentes niveles de protección y obligaciones que se derivan para las entidades. Roberto Mendonça Pereira CVM -

Leia mais

Perfis de Investimento

Perfis de Investimento Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Índice Objetivo... 3 Introdução... 3 Falando sobre sua escolha e seu plano... 3 Perfis de Investimento... 5 Principais

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 8 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo IV ) Revisão da tentativa 3 Iniciado

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8%

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8% Outubro de 2015 INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES O Geral Asset Long Term - GALT FIA é um fundo de investimento que investe em ações, selecionadas pela metodologia de análise

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER

GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER 1 PARA QUE SERVE ESSE GUIA? Este guia se propõe a trazer os principais conceitos relacionados aos Brazilian Depositary Receipts (BDRs) e a explicar como funcionam. Ao término de sua

Leia mais

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 1 de junho de 2015

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 1 de junho de 2015 1. Alocação recomendada para Junho de 2015 Classe de Ativo Carteira Conservadora* Carteira Moderada* Carteira Agressiva* Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Pós-Fixado

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Quando o imóvel vira renda

Urban View. Urban Reports. Quando o imóvel vira renda Urban View Urban Reports Quando o imóvel vira renda Programa Elas & Lucros, Rádio Brasil 2000 FM 107,3 Coluna minha cidade, meu jeito de morar e investir Quando o imóvel vira renda Aqueles com menos de

Leia mais

Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras

Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras Veículo: Estadão Data: 26.11.13 Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras Veja qual produto é mais adequado ao seu bolso: até R$ 10 mil, de R$ 10 mil a R$ 100 mil e acima

Leia mais

Quem cuida melhor de seu dinheiro na Bolsa

Quem cuida melhor de seu dinheiro na Bolsa Quem cuida melhor de seu dinheiro na Bolsa Os gestores que administram os fundos de ações com as maiores rentabilidades do mercado e como eles conseguiram chegar ao topo do pódio MARIA LAURA NEVES O BANRISUL,

Leia mais

Manual Perfis de Investimentos

Manual Perfis de Investimentos Manual Perfis de Investimentos 2015 Manual de Perfis de Investimentos Índice Perfi s de Investimentos Avonprev... 4 Por que existem os Perfi s de Investimentos... 5 O que são Perfi s de Investimentos...

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.05 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 14/05/2015 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Iniciando. Bolsa de Valores. O que é uma ação?

Iniciando. Bolsa de Valores. O que é uma ação? O que é uma ação? Por definição é uma fração de uma empresa. Por isso, quem detém ações de uma companhia é dono de uma parte dela, ou melhor, é um dos seus sócios e por conseguinte passa a ganhar dinheiro

Leia mais

Banco do Brasil - Cartilha de Fundos de Investimento Fundos de Investimento

Banco do Brasil - Cartilha de Fundos de Investimento Fundos de Investimento Fundos de Investimento O que é?...2 Tipos de Fundos...2 Fundos de curto prazo...2 Fundos renda fixa...2 Fundos referenciados DI...2 Fundos multimercado...3 Fundos de ações...3 Fundos da dívida externa...3

Leia mais

Finança Pessoal. Artigo Clube de Investimento Versão completa em PDF Versão 1.0 www.financapessoal.com.br

Finança Pessoal. Artigo Clube de Investimento Versão completa em PDF Versão 1.0 www.financapessoal.com.br Bem-vindo aos artigos do Finança Pessoal. Nesse primeiro artigo vamos esclarecer as informações sobre os Clubes de Investimentos e vamos fazer um passo-a-passo de como montar um clube. Esse artigo é uma

Leia mais

Como funcionam os fundos de investimentos

Como funcionam os fundos de investimentos Como funcionam os fundos de investimentos Fundos de Investimentos: são como condomínios, que reúnem recursos financeiros de um grupo de investidores, chamados de cotistas, e realizam operações no mercado

Leia mais

Relatório Mensal - Fevereiro de 2015

Relatório Mensal - Fevereiro de 2015 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa encerrou o mês de fevereiro com alta de 9,97%, recuperando as perdas do início do ano. Mesmo com o cenário macroeconômico bastante nebuloso

Leia mais

INFORME FINACAP DTVM

INFORME FINACAP DTVM INFORME FINACAP DTVM Histórico de crescimento até a criação da Finacap DTVM Março/97 - A Finacap nasce como empresa de consultoria financeira, a Finacap - Consultoria Financeira e Mercado de Capitais.

Leia mais

Finanças Pessoais e Mercado Financeiro 14º Encontro Informal - IBRI 11 de agosto de 2004. Mauricio Gallego Augusto Gestor de Renda Variável

Finanças Pessoais e Mercado Financeiro 14º Encontro Informal - IBRI 11 de agosto de 2004. Mauricio Gallego Augusto Gestor de Renda Variável Finanças Pessoais e Mercado Financeiro 14º Encontro Informal - IBRI 11 de agosto de 2004 Mauricio Gallego Augusto Gestor de Renda Variável 1 Objetivo Abordar assuntos que são focados pelos gurus das finanças

Leia mais

gestão de recursos Sobe e desce de taxas

gestão de recursos Sobe e desce de taxas Sobe e desce de taxas 14 Capital Aberto Julho 2010 Enquanto os juros menores e a concorrência comprimem as taxas de administração dos fundos DI e de renda fixa, os multimercados se sofisticam e sobem de

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Certificate in Financial Management CFM Carolina Aun Rodrigues ESTÍMULOS À LIQUIDEZ DOS TÍTULOS PRIVADOS DE RENDA FIXA São Paulo 2014 1 Carolina Aun Rodrigues ESTÍMULOS

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

3.3.2.2. O objetivo do FRONT é proporcionar ganhos de capital de longo prazo aos seus cotistas, através de um portfolio diversificado de aplicações.

3.3.2.2. O objetivo do FRONT é proporcionar ganhos de capital de longo prazo aos seus cotistas, através de um portfolio diversificado de aplicações. 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG GLOBAL CURRENCIES HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Banco conseguiu os melhores resultados num universo de 140 competidores

Banco conseguiu os melhores resultados num universo de 140 competidores ! Matéria publicada em 24/09/2001 no jornal O Estado de São Paulo: Itaú vai à liderança de ranking de empresas Banco conseguiu os melhores resultados num universo de 140 competidores MÁRCIO ANAYA e DANIELA

Leia mais

+ ONDE INVESTIR EM 2012?

+ ONDE INVESTIR EM 2012? + ONDE INVESTIR EM 2012? A SELIC VAI CAIR. E AGORA? O investidor brasileiro sempre teve uma posição vantajosa e relativamente confortável em relação ao resto do mundo. Durante muito tempo, nossa taxa de

Leia mais

INVESTIMENTOS CONSERVADORES

INVESTIMENTOS CONSERVADORES OS 4 INVESTIMENTOS CONSERVADORES QUE RENDEM MAIS QUE A POUPANÇA 2 Edição Olá, Investidor. Esse projeto foi criado por Bruno Lacerda e Rafael Cabral para te ajudar a alcançar mais rapidamente seus objetivos

Leia mais

ETF Exchange Traded Fund. Fevereiro 2015

ETF Exchange Traded Fund. Fevereiro 2015 ETF Exchange Traded Fund Fevereiro 2015 1 SUMÁRIO DESTAQUES INICIAIS VANTAGENS DO PRODUTO ESTATÍSTICAS MERCADO LOCAL ESTATÍSTICAS MERCADO INTERNACIONAL FUNCIONAMENTO DO PRODUTO ETF DE ÍNDICE ESTRANGEIRO

Leia mais

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Os fundos de previdência privada, sejam fechados ou abertos, têm características próprias e vantagens tributárias em relação aos investimentos

Leia mais

Menos imobilizado, mais caixa

Menos imobilizado, mais caixa Menos imobilizado, mais caixa 30 ESPECIAL Captações de recursos Com os CRIs, é possível aliviar o peso do ativo imobilizado no balanço, usufruir um imóvel construído sob medida e liberar recursos para

Leia mais

Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13

Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13 CARTEIRA COMENTÁRIO Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13 A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.04 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 30/09/2013 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

Preparatório para Certificação da ANBIMA CPA 10

Preparatório para Certificação da ANBIMA CPA 10 Preparatório para Certificação da ANBIMA CPA 10 Programa 2012 OBJETIVO: Habilitar os candidatos à Certificação Profissional ANBIMA CPA-10 a participarem do exame reunindo os conhecimentos necessários.

Leia mais

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Ibovespa WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. WEBTRADING O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples, rápido e seguro.

Leia mais

cartilha_18x10.qxd 9/20/2005 1:45 PM Page 1 dicas dos especialistas Como investir em ações utilizando Análise Fundamentalista

cartilha_18x10.qxd 9/20/2005 1:45 PM Page 1 dicas dos especialistas Como investir em ações utilizando Análise Fundamentalista cartilha_18x10.qxd 9/20/2005 1:45 PM Page 1 dicas dos especialistas Como investir em ações utilizando Análise Fundamentalista cartilha_18x10.qxd 9/20/2005 1:45 PM Page 2 Como investir em ações utilizando

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Novatec CAPÍTULO 1 Afinal, o que são ações? Este capítulo apresenta alguns conceitos fundamentais para as primeiras de muitas decisões requeridas de um investidor,

Leia mais

Relatório Mensal Dezembro de 2015

Relatório Mensal Dezembro de 2015 Relatório Mensal Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa teve um desfecho melancólico no ultimo mês de 2015, fechando com queda de 3,92% e acumulando uma retração de 13,31% no ano. O cenário econômico

Leia mais

Versão atualizada em março de 2011

Versão atualizada em março de 2011 Versão atualizada em março de 2011 Apresentação Ativo, rentabilidade, renda fixa, perfil de investimento... Se você tem o hábito de se informar sobre como anda o dinheiro investido no seu plano previdenciário,

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundo de Investimento é uma comunhão de recursos, constituída sob a forma de condomínio que reúne recursos de vários investidores para aplicar em uma carteira diversificada de ativos financeiros. Ao aplicarem

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS

FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG S IMOBILIÁRIOS Luis Fellipe Maia Advogado Formado pela UFMG Sócio da Vivá Capital Membro do Conselho Diretor da Júnior Achievement/MG

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

Investimento no exterior: MORTGAGE

Investimento no exterior: MORTGAGE Investimento no exterior: MORTGAGE 01. Overview Crise do Subprime 2 01. Overview Crise Subprime Entendendo a Crise do Subprime Baixas taxas de juros levaram ao aquecimento do mercado imobiliários nos EUA

Leia mais

SOBRE O AUTOR. Leonardo Rocha é formado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

SOBRE O AUTOR. Leonardo Rocha é formado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). SOBRE O AUTOR Leonardo Rocha é formado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Iniciou seu aprendizado em 2007, quando começou a estudar sobre o mercado financeiro.

Leia mais

Perfis de Investimento. GEBSA Prev

Perfis de Investimento. GEBSA Prev Perfis de Investimento GEBSA Prev 2 GEBSA-PREV INTRODUÇÃO Esta cartilha reúne as principais informações relacionadas aos Perfis de Investimento da GEBSA PREV e vai lhe ajudar a identificar alguns aspectos

Leia mais

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 AO FINAL DESTE GUIA TEREMOS VISTO: GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo

Leia mais

Relatório Mensal - Setembro de 2013

Relatório Mensal - Setembro de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa emplacou o terceiro mês de alta consecutiva e fechou setembro com valorização de 4,65%. Apesar dos indicadores econômicos domésticos ainda

Leia mais

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana Câmbio X IOF Nesta apresentação será exposto e discutido parte do debate sobre a valorização do real frente outras moedas, em especial o dólar. Ao final será apresentado um resumo das notícias da semana.

Leia mais

2º Panorama Anual da Indústria Brasileira de Fundos de Investimento

2º Panorama Anual da Indústria Brasileira de Fundos de Investimento 2º Panorama Anual da Indústria Brasileira de Fundos de Investimento Abril de 2007 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2º PANORAMA ANUAL DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Evolução dos fundos

Leia mais

Especialistas ensinam como é possível arcar com as despesas escolares da criança sem causar grandes estragos no orçamento

Especialistas ensinam como é possível arcar com as despesas escolares da criança sem causar grandes estragos no orçamento Veículo: Bebê.com.br Data: 03/02/10 Poupe pelo futuro do seu filho Especialistas ensinam como é possível arcar com as despesas escolares da criança sem causar grandes estragos no orçamento Assim que a

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Opções para sua carteira de investimentos 8 10

Opções para sua carteira de investimentos 8 10 8 Dinheiro&Direitos 32 junho-julho 2011 dossiê Ações Opções para sua carteira de investimentos 8 10 Setores e fatores que influenciam A Bolsa ao alca Nunca foi tão fácil investir nesse mercado. Nós ensinamos

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

Carta ao Cotista Dezembro 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Dezembro 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Dezembro 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O Federal Reserve elevou a taxa de juros em 25bps, subindo os juros no intervalo de 0,25% a 0,50%. Mais importante foi a sinalização

Leia mais

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Dólar WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. FUTURO WEBTRADING EM UM CLIQUE O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples,

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII

Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII Fundo de Investimento Imobiliário Aplicação no mercado imobiliário sem investir diretamente em imóveis O produto O Fundo de Investimento

Leia mais

plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012

plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012 plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012 Apresentação Ativo, rentabilidade, renda fixa, perfil de investimento... Se você tem o hábito de se informar sobre como anda o dinheiro investido no seu plano

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

CLUBE DE INVESTIMENTO. Mais uma maneira de investir no mercado de ações

CLUBE DE INVESTIMENTO. Mais uma maneira de investir no mercado de ações CLUBE DE INVESTIMENTO Mais uma maneira de investir no mercado de ações Clube de Investimento Clube de Investimento É uma associação de pessoas físicas, mínimo de 3 e máximo de 150, com objetivo em comum

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS Mercado Primário de Ações Mercado de Capitais Renda Variável Mestrando: Paulo Jordão. 03/04/2012 Venda direta aos investidores através de ofertas públicas (IPOs) ou subscrição particular; Motivos: Expansão

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

Rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV no 1º Trimestre de 2014

Rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV no 1º Trimestre de 2014 Investimentos Rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV no 1º Trimestre de 2014 Como forma de manter os Participantes informados sobre a evolução do seu Plano no que diz respeito à rentabilidade dos

Leia mais

1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11

1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11 1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11 O FII BTG Pactual Corporate Office Fund é um fundo de investimento imobiliário do tipo corporativo, ou seja, tem como objetivo investir em ativos imobiliários

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL Valdery Albuquerque 2ª Conferência Internacional de Crédito Imobiliário De 17 a 19 de março de 2010 Índice 1. Conceitos e Características

Leia mais

Sexta-feira, 06 de Maio de 2013. DESTAQUES

Sexta-feira, 06 de Maio de 2013. DESTAQUES DESTAQUES Bolsa encerra semana em alta Mercado aguarda IPCA para ajustar cenários Divisão Consumo da Hypermarcas cresce 10% M.Dias Branco tem lucro de R$108 mi Contax aprovou R$ 55,4 milhões em dividendos

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Cotas de Fundos de Investimento em Ações - FIA Mais uma alternativa na diversificação da carteira de investimento em ações O produto O Fundo

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

CSHG RECEBIVEIS IMOBILIARIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII

CSHG RECEBIVEIS IMOBILIARIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CSHG RECEBIVEIS IMOBILIARIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ 11.160.521/0001-22 Administradora: Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A. CNPJ: 61.809.182/0001-30 I. Objeto do Fundo

Leia mais

Conteúdo Programático. Agente Autônomo de Investimentos (ANCORD)

Conteúdo Programático. Agente Autônomo de Investimentos (ANCORD) Conteúdo Programático Agente Autônomo de Investimentos (ANCORD) 1. A atividade do agente autônomo de investimento Instrução CVM 497 Diferenciação das atividades do agente autônomo, administração de carteiras,

Leia mais