UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECO CONTABILIDADE SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECO-02215 CONTABILIDADE SOCIAL"

Transcrição

1 IDENTIFICAÇÃO Disciplina: ECO Contabilidade Social Carga horária: 4 horas/aula semanais Créditos: 04 Turmas: A e B Professor: Carlos Henrique Horn 1. Introdução ao estudo da Contabilidade Social UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECO CONTABILIDADE SOCIAL ROTEIRO DE QUESTÕES PARA REVISÃO PONTOS 1 A 3 1) Qual o objeto de estudo da Contabilidade Social? 2) O que significa a expressão Agregados Econômicos? Exemplifique. 3) Defina mensuração. 4) Num processo de mensuração, em que consiste uma definição operacional? 5) É correto afirmar que o preço de um produto singular, por exemplo, não apresenta qualquer interesse para a Contabilidade Social? 6) É correto afirmar que a Contabilidade Social trata exclusivamente das economias nacionais? Explique. 7) A fixação dos limites do objeto de estudo da Contabilidade Social, ao excluir a teoria e a política econômica do seu escopo, significa que essa disciplina não guarda relação com a teoria e a política econômica? Explique. 2. O Produto da economia e suas três óticas de cálculo 2.1. Conceitos básicos 8) Figueiredo (1999) principia seu manual de Contabilidade Social com a afirmação de que a vida em sociedade exige dos seres humanos uma atividade cotidiana, repetida, mediante a qual surjam os meios necessários à satisfação das necessidades ditadas pelas suas próprias existências (p. 1). Responda: (a) Quais as categorias em que Figueiredo divide as necessidades humanas? (b) As necessidades humanas são estáticas? Explique. 9) O que é produção econômica? 10) Podemos afirmar que parte das necessidades humanas pode ser satisfeita sem que se exija a produção econômica? Exemplifique. 11) O que são bens em sentido amplo? O que são bens em sentido estrito? 12) Qual a diferença entre bens em sentido estrito e serviços? Exemplifique. 13) A expressão produtos se refere exclusivamente ao resultado da produção de bens? Explique. 14) O que são fatores de produção? Como Cano (1998) classifica os fatores de produção? 15) As matérias-primas constituem um fator de produção? 16) O que é produção intermediária (ver Figueiredo, 1999, p. 4)? 17) Qual a diferença entre serviços de fatores de produção e serviços não-fatores? Exemplifique. 18) O que caracteriza uma economia mercantil? 19) Uma classificação útil para a Contabilidade Social é aquela que distingue os bens econômicos em bens de consumo final, bens de consumo intermediário e bens de capital. Defina cada uma dessas categorias e exemplifique As três óticas de cálculo do Produto 20) O que é o problema da agregação? Como a Contabilidade Social resolve esse problema? 21) O que é o Valor da Produção? O que é o Valor Bruto da Produção? 22) Por que o Valor Bruto da Produção não é uma medida adequada do Produto da economia? 23) Quais são as óticas de cálculo do Produto? 24) De que forma se avalia o Produto da economia segundo a ótica do produto? 25) De que forma se avalia o Produto da economia segundo a ótica do dispêndio? 26) O que é um bem ou serviço final? 27) Explique por que bem final não equivale a bem de consumo final. 28) Por que a soma das remunerações pagas aos fatores de produção pode ser um caminho para a avaliação do Produto da economia? De que ótica estamos falando? (Paulani e Braga, 2006). 29) Figueiredo (1999, p. 31) afirma que faz sentido o cálculo de valores agregados setoriais. O que é o Valor Agregado Setorial? 30) Por que o Produto, a Renda e o Dispêndio conformam uma identidade? (Paulani e Braga, 2006). 31) Sejam as seguintes informações sobre a produção em uma economia com seis setores num determinado ano. Suponha que em cada um desses setores exista apenas uma empresa e que os setores químico e de fios têxteis produzem do nada. No setor químico, o valor da produção de produtos químicos para a fabricação de calçados foi de $700. Uma parte da produção, no valor de $400 foi vendida ao setor de couros e peles; outra parte da produção, no valor de $300, foi vendida ao setor de fabricação de calçados. No setor de couros e peles, os produtos adquiridos do setor químico foram utilizados para a fabricação de couros para calçados, cujo valor de produção foi de $ Esses produtos foram vendidos ao setor de fabricação de calçados. No setor de fabricação de calçados, os produtos adquiridos dos setores químico e de couros e peles foram processados, resultando num valor da produção igual a $ Os calçados foram vendidos a famílias. No setor de fios têxteis, o valor da produção foi de $900. Sua produção foi integralmente vendida ao setor de tecelagem. No setor de tecelagem, os produtos adquiridos do setor de fios têxteis foram transformados em tecidos cujo valor de produção foi de $ Esses tecidos foram vendidos ao setor de vestuário. No setor de vestuário, os tecidos foram utilizados na produção de roupas cujo valor da produção atingiu $ As roupas foram vendidas a famílias. 1

2 Calcular e responder: a) O Valor Bruto da Produção da economia. (R: $9.850). b) O Consumo Intermediário em cada setor. Note que a produção do setor destinada ao consumo intermediário não é o mesmo que o consumo intermediário do setor. (R: Químico = 0; Couros = $400; Calçados = $1.400; Fiação = 0; Tecelagem = $900; Vestuário = $1.700). c) O Valor Adicionado em cada setor. (R: Químico = $700; Couros = $700; Calçados = $950; Fiação = $900; Tecelagem = $800; Vestuário = $1.400). d) O Produto da economia. Que ótica de cálculo utilizaste para avaliar o Produto da economia? (R: $5.450). e) Neste exercício, é possível avaliar o Produto da economia por meio de outra ótica? Se for possível, calcule o Produto e mostre a equivalência dos resultados das avaliações. f) Podemos estimar em que setor é maior a remuneração total dos fatores de produção? Explique. 32) Numa economia hipotética com quatro setores de produção, foram registradas as operações econômicas em unidades monetárias ($), em conseqüência da produção no ano t, listadas no quadro abaixo. Para simplificar, suponha que cada setor tem apenas uma empresa, que não havia estoques no início do ano t e que o setor 1 produz do nada. Setor Formação de estoques S1 200 Venda para uso produtivo como insumos 250 ao S2 400 ao S3 650 ao S4 S Venda de máquinas e equipamentos a empresas Venda para consumo das famílias ao S1 850 ao S3 S S ao S3-350 Calcule o Produto desta economia no ano t. Demonstre o cálculo pelas óticas do produto e do dispêndio. (R: $5.510). 33) A tabela a seguir apresenta os volumes (em unidades físicas, ou uf) e os preços de transação (em unidades monetárias por unidade física, ou $/uf) dos bens e serviços produzidos em uma economia hipotética num ano qualquer t, assim como o destino da produção de cada setor que compõe essa economia. Para simplificar, suponha que cada setor tem apenas uma empresa, que não havia estoques no início do ano t e que o setor 1 produz do nada - Setor Volume Preço de transação S ,50 S ,00 S ,40 Destino da produção Venda de insumos ao S2: 400 Venda de insumos ao S3: 900 Produção não-vendida: 200 Venda de insumos ao S3: 500 Venda a consumidores finais: Produção não-vendida: 100 Venda a consumidores finais: Produção não-vendida: 50 Calcule o Produto desta economia no ano t. Demonstre o cálculo pelas óticas do produto e do dispêndio. (R: $15.580). 34) Segundo Haguenauer e outros autores, em texto sobre os complexos industriais na economia brasileira, o processo de produção industrial é um processo de transformação através do qual se alteram as características das matérias envolvidas. Neste contexto, a designação cadeia produtiva pode ser atribuída à seqüência de estágios sucessivos assumidos pelas diversas matérias neste processo de transformação. A tabela abaixo apresenta um exemplo hipotético com valores da produção e destino da produção em oito segmentos da cadeia produtiva têxtil e do vestuário, referente a um determinado ano. Segmentos Valor da Produção ($) S1 Produtos químicos para tratamento de couros 100 S2 Couros 150 Destino da produção Venda de $75 para uso produtivo em S2 e formação de estoques de $25 Venda de $110 para uso produtivo em S3, venda de $20 para famílias, e formação de estoques de $20 S3 Calçados 300 Venda de $260 para famílias e formação de estoques de $40 S4 Resinas e outros produtos para tecelagem 80 Venda de $80 para uso produtivo em S5 S5 Fiação e tecelagem de produtos têxteis artificiais 180 Venda de $165 para uso produtivo em S8 e formação de estoques de $15 S6 Beneficiamento de fibras têxteis naturais 40 Venda de $40 para uso produtivo em S7 S7 Fiação e tecelagem de produtos têxteis naturais 90 S8 Produtos de vestuário 400 Venda de $80 para uso produtivo em S8 e formação de estoques de $10 Venda de $370 para famílias e formação de estoques de $30 Considere, para fins de simplificação, que não há outros produtos na cadeia produtiva e que o valor dos estoques no início do ano era igual a zero. Calcular: 2

3 a) O Valor Bruto da Produção da cadeia produtiva. (R: $1.340). b) O Valor da Produção destinada ao consumo intermediário. (R: $550). c) O Valor Adicionado em cada segmento. (R: Químicos = $100; Couros = $75; Calçados = $190; Resinas = $80; Fiação e tecelagem artificiais = $100; Beneficiamento de fibras = $40; Fiação e tecelagem naturais = $50; Vestuário = $155). d) O Valor Adicionado Bruto da cadeia produtiva. (R: $790). e) A composição do Dispêndio Final da cadeia produtiva, segundo sua origem nos diferentes segmentos. (R: Químicos = $25; Couros = $40; Calçados = $300; Resinas = 0; Fiação e tecelagem artificiais = $15; Beneficiamento de fibras = 0; Fiação e tecelagem naturais = $10; Vestuário = $400). f) Em que segmento é maior a Renda dos fatores? 35) Considere a seguinte economia simplificada S. É uma economia fechada e sem governo, que possui seis setores de produção. Em cada setor opera apenas uma empresa. Os setores de produção produzem os seguintes bens: Setor Bens Setor Bens S1 Trigo S4 Forno para assar pães S2 Farinha de trigo S5 Pão S3 Sal S6 Biscoito Num determinado ano A, os setores da economia S registraram as seguintes operações com base em sua produção: O setor S1 vendeu trigo no valor de $400 ao setor S2. Uma parte da produção do ano, todavia, não chegou a ser vendida. Essa parte foi avaliada em $80. O setor S2 utilizou bens adquiridos dos setores S1, S5 e S6 em suas atividades. A produção de farinha desse setor teve o seguinte destino: vendas ao setor S5 no valor de $650, ao setor S6 no valor de $250 e às famílias no valor de $180. Um volume de produção com valor igual a $60 não foi vendido. O setor S3 vendeu sal no valor de $100 ao setor S5, de $50 ao setor S6 e de $40 às famílias, deixando de vender uma parte de sua produção, avaliada em $10. O setor S4 comprou bens dos setores S5 e S6. O resultado de sua produção, no valor de $950, foi inteiramente vendido ao setor S5. O setor S5 adquiriu bens dos setores S2, S3, S4 e S6. Sua produção teve o seguinte destino: vendas ao setor S2 no valor de $50, ao setor S4 no valor de $90 e às famílias no valor de $1.500, restando um parte não-vendida no valor de $80. O setor S6 destinou sua produção para vendas ao setor S2 no valor de $10, ao setor S4 no valor de $30, ao setor S5 no valor de $20 e às famílias no valor de $800. Uma parte da produção, avaliada em $50, não foi vendida. Suponha, por fim, que não havia estoques de bens no início do ano A. Calcular: a) O Valor Bruto da Produção da economia S? (R: $5.400). b) O Dispêndio Final da economia S? (R: $3.750) c) O setor da economia S que registrou a maior remuneração total aos proprietários dos fatores de produção? (R: S5). 3. Agregados econômicos e identidades contábeis 3.1. Famílias e empresas num modelo de economia fechada e sem governo As questões 36 a 74 devem ser respondidas com base no modelo de uma economia fechada e sem governo. 36) O que caracteriza um modelo de economia fechada e sem governo? 37) A que se refere a expressão recursos reais da economia nacional? 38) Como se compõe a Oferta agregada num modelo de economia fechada e sem governo? Mostre diferentes modos de expressar essa Oferta. 39) A que se refere a expressão usos dos recursos reais da economia nacional? 40) Como se compõe a Demanda agregada num modelo de economia fechada e sem governo? Mostre diferentes modos de expressar essa Demanda. 41) O que é Consumo das Famílias? Que outros termos designam o Consumo das Famílias? 42) O que é Investimento em Contabilidade Social? 43) Quais são as duas formas de Investimento? 44) Podemos afirmar que o valor dos estoques no final de determinado ano se origina exclusivamente da produção realizada nesse ano? Explique. 45) O que é Formação Bruta de Capital Fixo? Que tipo de bens correspondem à Formação Bruta de Capital Fixo? Qual a utilidade desses bens? 46) O fato de os bens de capital fixo não serem inteiramente transformados ao longo de um ciclo produtivo, sendo novamente usados em ciclos produtivos sucessivos, significa que jamais são retirados do aparelho produtivo? Explique. 47) O que é Depreciação do estoque de capital fixo? 48) Por que se associa a expansão da capacidade de produção de uma economia nacional à variação positiva no seu estoque de capital fixo? 49) A variação no estoque de capital fixo de uma economia nacional é mensurada pela Formação Bruta de Capital Fixo? Explique. 50) O que é Formação Líquida de Capital Fixo? 51) O que é Investimento de reposição do estoque de capital fixo? 52) O que é Investimento de expansão do estoque de capital fixo? 53) É possível que a Formação Bruta de Capital Fixo seja negativa? 54) É possível que a Formação Líquida de Capital Fixo seja negativa? 55) Qual a diferença entre Agregados Econômicos mensurados em termos brutos e Agregados Econômicos mensurados em termos líquidos? 56) O Investimento Bruto de uma economia nacional é sinônimo de sua Formação Bruta de Capital Fixo? 57) Qual a melhor medida da variação do estoque de capital fixo de uma economia nacional: o Investimento Líquido ou a Formação Líquida de Capital Fixo? Explique. 3

4 58) Como se calcula a taxa de formação bruta de capital fixo? O que se pode dizer da comparação entre uma economia com alta taxa de FBCF, digamos, de 35%, e uma economia com baixa taxa de FBCF, digamos, de 15%? 59) A taxa de investimento de uma economia significa o mesmo que a taxa de formação bruta de capital fixo de uma economia? 60) O que é Produto Potencial? 61) O que é Produto Efetivo? 62) Como se mede o grau de utilização da capacidade de produção com base no estoque de capital fixo da economia? 63) O Produto Potencial de uma economia pode aumentar, entre um e outro ano, mais do que o Produto Efetivo? Explique. 64) É possível haver aumentos sucessivos do Produto Efetivo, durante vários anos, acima do crescimento do Produto Potencial? Explique. 65) Um Investimento em Variação de Estoques retrata uma expansão da capacidade de produção de uma economia nacional? Explique. 66) Construa um exemplo numérico da identidade entre Oferta e Demanda que identifique cada um dos seus componentes. Quanto aos estoques, considere a forma habitual de tratamento da Variação de Estoques como um componente da Demanda agregada. Considere, ainda, as seguintes alternativas quanto ao registro da Oferta: a) Mensurada pelo Produto. b) Mensurada pelo Valor Bruto da Produção. 67) A identidade entre Oferta e Demanda, na Contabilidade Social, significa que todo o Produto da economia é vendido? Explique. 68) Qual a expressão de cálculo do Produto, sob a ótica do dispêndio, em um modelo de economia fechada e sem governo? 69) Retome seu exemplo numérico da questão 66 e suponha que existam dois Fatores da Produção (Trabalho e Capital), remunerados através de salários e de lucros, respectivamente. Amplie o exemplo para incluir a distribuição da renda aos fatores da produção. Depois, com base no seu conjunto de dados, mostre o cálculo (a) do Valor Adicionado Bruto, (b) do Dispêndio Final e (c) da Renda Fatorial. Os três valores devem ser iguais, pois são três maneiras diferentes de se avaliar o Produto. 70) O que é Poupança em Contabilidade Social? 71) Se um indivíduo utiliza o dinheiro recebido na venda de um imóvel de sua propriedade para adquirir cotas de um fundo de investimento num banco, o valor da aplicação nessas cotas deve ser computado na Poupança agregada da economia nacional? Explique. 72) Mostre, algebricamente, que a Poupança e o Investimento, numa economia fechada e sem governo, formam uma identidade contábil. Ilustre com os dados de seu exemplo numérico da questão ) A identidade contábil entre Poupança e Investimento significa que um país precisa primeiro poupar para depois investir? Explique. 74) Sob que condições um aumento no Produto não acarreta necessariamente um aumento na Poupança? Você é capaz de alterar seu exemplo da questão 66 para ilustrar essa situação? 3.2. Governo e Contabilidade Social As questões 75 a 96 devem ser respondidas com base no modelo de uma economia fechada e com governo. 75) O que caracteriza um modelo de economia fechada e com governo? 76) O que é Governo em Contabilidade Social? 77) O que significa a expressão produção não-mercantil do Governo? Exemplifique. 78) Como se mensura o Valor da Produção não-mercantil do Governo? 79) Como se mensura o Produto não-mercantil do Governo? 80) O Valor Adicionado nas corporações públicas ou empresas estatais é um agregado do Governo? 81) Como a consideração do Governo altera os componentes da Oferta da economia nacional em comparação com o modelo de economia fechada e sem governo? 82) O que é Consumo do Governo? 83) Como se compõem as Despesas de Consumo Final da economia? 84) O que é Investimento do Governo? 85) Como a consideração do Governo altera os componentes da Demanda da economia nacional em comparação com o modelo de economia fechada e sem governo? 86) Qual a expressão de cálculo do Produto, segundo a ótica do dispêndio, em uma economia fechada e com governo? 87) O que é Saldo do Governo em Conta Corrente? 88) O que são Transferências Correntes do Governo? Exemplifique. 89) O que são Subsídios? Exemplifique. 90) Como a tributação modifica a avaliação monetária da produção? 91) O que é Renda Líquida do Governo? 92) O que é Renda Privada Disponível? 93) O que é Poupança do Governo? 94) Mostre que a soma da Poupança privada e do Governo forma uma identidade contábil com o Investimento agregado numa economia fechada e com governo. 95) Comente a identidade entre Poupança agregada e Investimento agregado nos seguintes casos: a) Superávit do Governo em conta corrente. b) Déficit do Governo em conta corrente. 96) Retome seu exemplo numérico da questão 66. Inclua novos dados que reflitam a presença do Governo nessa economia receita tributária, despesas de consumo do governo, transferências unilaterais e subsídios e, se entender necessário, altere os dados dos outros Agregados de modo a reconstruir seu exemplo numérico. Com base nesse novo conjunto de dados, mostre e/ou calcule: a) A composição da Oferta e da Demanda agregada e sua identidade. Use o Produto da economia para a Oferta agregada. b) A Renda Líquida do Governo. c) A Renda Privada Líquida. d) O Saldo do Governo em Conta Corrente. e) A carga tributária bruta. f) A carga tributária líquida. g) A taxa de investimento. h) A taxa de formação bruta de capital fixo. 4

5 i) A taxa de formação líquida de capital fixo. j) A taxa de consumo. k) A identidade entre Poupança e Investimento Setor externo e Contabilidade Social. Renda Interna, Renda Nacional e Renda Disponível As questões 97 a 131 devem ser respondidas com base no modelo de uma economia aberta e com governo. 97) O que caracteriza um modelo de economia aberta e com governo? 98) Que tipos de transação entre residentes e não-residentes são computadas na Oferta e na Demanda agregadas em uma economia aberta e com governo? 99) A Importação de bens e serviços não-fatores compõe os Recursos reais ou os Usos da economia nacional? Explique. 100) O que é Exportação Líquida de bens e serviços não-fatores? 101) Pode haver Exportação Líquida negativa? Explique. 102) A Oferta agregada equivale ao resultado da produção dessa economia? Quais os componentes da Oferta agregada? 103) Quais os componentes da Demanda agregada final? 104) Qual a expressão de cálculo do Produto Interno, sob a ótica do dispêndio, em uma economia aberta e sem governo? 105) Que componentes da Demanda agregada final representam Absorção Interna e que componentes representam Absorção Externa da Oferta agregada? 106) Retome seu exemplo numérico da questão 96. Inclua, agora, dados sobre as transações de bens e serviços não-fatores entre a economia nacional e o Resto do Mundo, alternado os demais dados do exemplo anterior no que for necessário a fim de construir um novo exemplo numérico. Identifique os componentes da Oferta e da Demanda agregada, registrando o resultado do esforço produtivo nacional pelo Agregado Produto, e mostre a identidade entre Oferta e Demanda. 107) No exemplo da questão 106, calcule o Produto da economia segundo a ótica do dispêndio. 108) Com base no exemplo numérico da questão 106, calcule o grau de abertura comercial da economia. 109) A Absorção Interna pode ser maior do que o Produto de uma economia? Explique e ilustre com um exemplo numérico. Você pode utilizar seu exemplo da questão 106, alterando os dados se isto for necessário. 110) A Absorção Interna pode ser menor do que o Produto de uma economia? Explique e ilustre com um exemplo numérico. Você pode utilizar seu exemplo da questão 106, alterando os dados se isto for necessário. 111) Se a Absorção Interna for menor do que o Produto de uma economia, o ajuste que assegura a identidade entre Oferta e Demanda ocorre através de um valor positivo para o agregado Variação de Estoques? Explique. 112) Se a Formação Bruta de Capital Fixo corresponde, em parte, às compras de bens de capital importados, não seria contraditório classificar essa parte adquirida do exterior como Absorção Interna? Explique. 113) O que é Produto Interno Bruto (PIB)? 114) O que é Renda Interna Bruta (RIB)? 115) O que é Produto Nacional Bruto (PNB)? 116) O que é Renda Nacional Bruta (RNB)? 117) Qual a diferença entre o Produto Interno Bruto e o Produto Nacional Bruto? 118) O que é Produto Interno Líquido (PIL)? 119) O que é Produto Nacional Líquido (PNL)? 120) Se uma economia nacional cede mais fatores de produção de residentes do que utiliza fatores de produção de não-residentes, o que é maior: a Renda Enviada ao Exterior ou a Renda Recebida do Exterior? A Renda Líquida Enviada ao Exterior é positiva ou negativa? 121) Se uma economia nacional utiliza mais fatores de produção de não-residentes do que cede fatores de produção de residentes, o que é maior: a Renda Enviada ao Exterior ou a Renda Recebida do Exterior? A Renda Líquida Enviada ao Exterior é positiva ou negativa? 122) Se a Renda Líquida Enviada ao Exterior é positiva, isto significa um fluxo real de fatores positivo ou negativo para a economia nacional? Explique. 123) Por que razão, no caso dos países menos desenvolvidos, o Produto Nacional tende a ser menor do que o Produto Interno? (Paulani e Braga, 2006). 124) Volte novamente ao seu exemplo numérico e crie dados de Produto Interno Bruto, Renda Nacional Bruta, Renda Enviada ao Exterior, Renda Recebida do Exterior e Renda Líquida Enviada ao Exterior para os seguintes casos: a) A economia nacional cede serviços de fatores ao exterior em valor maior do que recebe do exterior. b) A economia nacional cede serviços de fatores ao exterior em valor menor do que recebe do exterior. 125) O que são transferências? Quais as semelhanças e diferenças entre as Transferências Correntes do Governo e as Transferências Unilaterais Correntes do Balanço de Pagamentos? 126) O que é Renda Disponível Bruta (RDB)? 127) O que é Poupança externa? Que transações entre residentes e não-residentes dão origem à Poupança externa? 128) Mostre que a soma da Poupança interna e da Poupança externa forma uma identidade contábil com o Investimento agregado num modelo de economia aberta e com governo. 129) Complete seu exemplo numérico a fim de ilustrar: c) A Renda Disponível Bruta. d) A Poupança Interna. e) A Poupança Externa. f) A identidade entre Investimento e Poupança. 5

6 130) A tabela abaixo apresenta agregados da economia nacional de Lizarb, mensurados em Leares (L$) a preços de mercado ou de consumidor. Valor Bruto da Produção Consumo Intermediário Consumo das Famílias Consumo do Governo Transferências Correntes do Governo 340 Subsídios 85 Formação Bruta de Capital Fixo Variação de Estoques 140 Exportação de bens 950 Exportação de serviços não-fatores 340 Importação de bens 580 Importação de serviços não-fatores 230 Salários e ordenados recebidos por residentes 40 Salários e ordenados pagos a não-residentes 90 Lucros e juros recebidos por residentes (pagos por não-residentes) 890 Lucros e juros pagos a não-residentes (pagos por residentes) 350 Transferências Correntes recebidas do exterior 25 Transferências Correntes enviadas ao exterior 160 Tributação Outras Receitas Correntes do Governo 80 Depreciação do Estoque de Capital Fixo 230 Calcular os seguintes Agregados Econômicos de Lizarb: a) Oferta da economia nacional com base no Valor Bruto da Produção. (R: L$ ). b) Demanda da economia nacional pela Oferta calculada em a. (R: L$ ). c) Produto Interno Bruto (PIB) pela ótica do produto. (R: L$ 6.300). d) Oferta da economia nacional com base no PIB. (R: L$ 7.110). e) Demanda da economia nacional pela Oferta calculada em d. (R: L$ 7.110). f) A identidade entre Oferta e Demanda indica que todos os recursos reais forma vendidos? O que ocorreu em Lizarb? Para o cálculo dos Agregados a seguir, considere a Oferta e a Demanda obtidas, respectivamente, em d e e. g) Absorção Interna. A Absorção Interna foi maior ou menor do que o Produto? Explique a diferença? (R: L$ 5.820). h) Absorção Externa. (R: L$ 1.290). i) Absorção Total. (R: L$ 7.110). j) Despesas de Consumo Final. (R: L$ 4.500). k) Investimento Bruto. (R: L$ 1.320). l) Exportação Líquida. (R: L$ 480). m) Produto Interno Bruto (PIB) pela ótica do dispêndio. (R: L$ 6.300). n) Formação Líquida de Capital Fixo. (R: L$ 950). o) Investimento Líquido. (R: L$ 1.090). p) Produto Interno Líquido. (R: L$ 6.070). q) Investimento de reposição do Estoque de Capital Fixo. (R: L$ 230). r) Investimento de expansão do Estoque de Capital Fixo. (R: L$ 950). s) Renda Recebida do Exterior. (R: L$ 930). t) Renda Enviada ao Exterior. (R: L$ 440). u) Renda Líquida Recebida do exterior. (R: L$ 490). v) Renda Líquida Enviada ao exterior. (R: L$ 490). w) Renda Nacional Bruta (RNB). (R: L$ 6.790). x) Renda Nacional Líquida. (R: L$ 6.560). y) Renda Disponível Bruta (RDB). (R: L$ 6.655). z) Renda Líquida do Governo. (R: L$ 1.035). aa) Renda Privada Disponível. (R: L$ 5.620). bb) Poupança do Governo. (R: L$ 65). cc) Poupança privada. (R: L$ 2.220). dd) Poupança interna. (R: L$ 2.155). ee) Poupança externa. (R: L$ 835). ff) Poupança total. (R: L$ 1.320). gg) Mostre a identidade entre Poupança e Investimento. Calcule, por fim, os seguintes indicadores da economia de Lizarb: hh) Taxa de formação líquida de capital fixo. (R: 15,08%). ii) Taxa de formação bruta da capital fixo. (R: 18,73%). jj) Taxa de investimento. (R: 20.95%). kk) Taxa de consumo. (R: 71,43%). ll) Carga tributária bruta. (R: 21,90%). 6

7 mm) Carga tributária líquida. (R: 15,16%). nn) Grau de abertura comercial da economia nacional. (R: Há alternativas de cálculo. Uma alternativa resulta em 20,48%). 131) Sejam os seguintes dados, em unidades monetárias ($), das economias nacionais A e B num determinado ano: Formação Bruta de Capital Fixo Consumo do Governo Renda Recebida do Exterior Outras Receitas Correntes do Governo Importação de Serviços Não-Fatores Variação de Estoque Exportação de Bens Investimentos Externos Diretos Consumo Intermediário Lucros Retidos Exportação de Serviços Não-Fatores Renda Enviada ao Exterior Subsídios Consumo das Famílias Depreciação do Estoque de Capital Fixo Transferências Unilaterais Correntes do Balanço de Pagamentos Receita Tributária do Governo Importação de Bens Transferências do Governo Salários Calcular: a) O Produto Interno Bruto de cada economia. (R: A = $ 1.400; B = $ 1.400). b) A Renda Nacional Bruta de cada economia. (R: A = $ 1.260; B = $ 1.430). c) A Renda Disponível Bruta de cada economia. (R: A = $ 1.360; B = $ 1.480). d) Em que economia a expansão do estoque de capital fixo foi maior. (R: A = $ 200; B = $ 195. Em A.) e) A Renda Líquida do Governo em cada economia. (R: A = $ 290; B = $ 255). f) Em que economia a absorção interna do Produto foi maior. (R: A = $ 1.385; B = $ Em A). Março de 2008 A B 7

3.3 - Setor externo e CS

3.3 - Setor externo e CS Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Ciências Econômicas ECO-02215 - Contabilidade Social Agregados econômicos e identidades contábeis Setor externo

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

Conta Corrente do Governo

Conta Corrente do Governo Faculdade de Economia UFF Lista 07 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala

Leia mais

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB:

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB: Cap 2 1) Considere que numa economia em determinado ano ocorreu uma severa epidemia, que ocasionou um aumento na demanda de serviços médico-hospitalares e por medicamentos. Considerando todo o resto constante,

Leia mais

Agregados macroeconômicos:

Agregados macroeconômicos: 2.1 Introdução Agregados macroeconômicos: Contabilidade social Capítulo II Macroeconomia: ramo da teoria econômica que estuda a determinação e o comportamento dos agregados nacionais. a parte relativa

Leia mais

2.2 - Três óticas de cálculo

2.2 - Três óticas de cálculo Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Ciências Econômicas ECO-02215 - Contabilidade Social O Produto da economia e suas óticas de cálculo As três óticas

Leia mais

Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional

Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional Victor Gomes Universidade Católica de Brasília victor@pos.ucb.br 6 de março de 2003 1 Introdução Como em outras ciências, os economistas

Leia mais

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1 - Prof. Fábio Tavares Lobato a Dois Setores Sem Formação de Capital a Dois Setores Com Formação de Capital a Três Setores: O Setor Público a Quatro Setores: O Setor Externo 1 2 Contas Básicas: - Produto

Leia mais

Questão 1 O que é Fluxo Circular da Renda? O que são fluxos reais e fluxos monetários? Desenhe um e pense sobre como isso resume a economia real.

Questão 1 O que é Fluxo Circular da Renda? O que são fluxos reais e fluxos monetários? Desenhe um e pense sobre como isso resume a economia real. Faculdade de Economia UFF Monitoria 3 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Professor: Claudio M. Considera Monitor: Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento

Leia mais

Macroeconomia. Economia

Macroeconomia. Economia Macroeconomia Economia Fluxo de renda Comecemos então com o modelo simples de fluxo circular de renda. Bens e serviços vendidos Mercado de Bens e serviços Bens e serviços comprados Receita Despesa Empresas

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL 1

CONTABILIDADE NACIONAL 1 CONTABILIDADE NACIONAL 1 Ópticas de cálculo do valor da produção O produto de um país pode ser obtido por três ópticas equivalentes: Óptica do Produto permite-nos conhecer o valor do produto por sector

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

6 - Balanço de Pagamentos

6 - Balanço de Pagamentos Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Ciências Econômicas ECO-2215 - Contabilidade Social Balanço de Pagamentos Estrutura da apresentação 1) Definição

Leia mais

23/07/15. A atividade econômica. Referências. Referências. Mensuração

23/07/15. A atividade econômica. Referências. Referências. Mensuração 1 A atividade econômica Mensuração 2 Referências BACHA, Carlos José Caetano. Macroeconomia aplicada à análise da Economia Brasileira. São Paulo: Edusp, 2004 Ver capítulo 3 3 Referências PAULANI, Leda Maria;

Leia mais

Circuito Económico e Contabilidade Nacional

Circuito Económico e Contabilidade Nacional Circuito Económico e Contabilidade Nacional Visão das actividades económicas em termos de circuito. Relacionamento dos agentes pelas operações: - relacionamento em termos de equilíbrio ou, - desequilíbrio.

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL

CONTABILIDADE NACIONAL CONTABILIDADE NACIONAL 1) Conceitos Básicos O que é a CN? A contabilidade nacional é uma técnica que tem por objectivo medir a atividade económica de um país nas suas diversas vertentes. Funciona como

Leia mais

Tabela 2 - Economia Nacional - Contas de produção, renda e capital - 2003-2007

Tabela 2 - Economia Nacional - Contas de produção, renda e capital - 2003-2007 (continua) Produção 2 992 739 1 522 125 Consumo intermediário Impostos sobre produtos 229 673 Subsídios aos produtos (-) 339 2003 1 699 948 Produto Interno Bruto Produto interno bruto 1 699 948 671 872

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão.

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão. Faculdade de Economia Lista 08 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala 21.

Leia mais

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL PRINCIPAIS FONTES DE DADOS: CONCLA (Comissão nacional de classificação) Órgão administrado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão criado em

Leia mais

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 2: Agregados Macroeconômicos

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 2: Agregados Macroeconômicos Aula 2: Agregados Macroeconômicos Macroeconomia As identidades macroeconômicas básicas, o sistema de Contas Nacionais, as Contas Nacionais no Brasil. Gilmar Ferreira Abril 2010 Fluxo Circular da Renda

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS I NOÇÕES DE CONTABILIDADE SOCIAL E MODELO KEYNESIANO SIMPLES

LISTA DE EXERCÍCIOS I NOÇÕES DE CONTABILIDADE SOCIAL E MODELO KEYNESIANO SIMPLES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA DISCIPLINA: ANÁLISE MACROECONÔMICA PROF. RAFAEL TIECHER CUSINATO LISTA DE EXERCÍCIOS I NOÇÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

Contabilidade Básica

Contabilidade Básica Contabilidade Básica 2. Por Humberto Lucena 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos bens, pelos direitos e pelas obrigações pertencentes a uma

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010 Nota Metodológica nº 07 As Famílias no Sistema de Contas Nacionais (versão para informação

Leia mais

CURSO AGENTE DA POLICIA FEDERAL E ESCRIVÃO Disciplina: Noções de Economia Tema: Macroeconomia Prof.: Carlos Ramos Aula 29.05.09

CURSO AGENTE DA POLICIA FEDERAL E ESCRIVÃO Disciplina: Noções de Economia Tema: Macroeconomia Prof.: Carlos Ramos Aula 29.05.09 MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR Noções de Economia Módulo III 8. Conceitos Fundamentais de Macroeconomia A Macroeconomia trata do estudo dos agregados econômicos, de seus comportamentos e das

Leia mais

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Roberto Guena de Oliveira USP 29 de agosto de 2013 Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro29 de agosto de 2013 1 / 34 Sumário 1 Instituições Financeiras

Leia mais

LISTA 3A. Conceitos importantes: 1) Definição de produto. 2) Fluxo circular da renda ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 3A Introdução à Economia 1

LISTA 3A. Conceitos importantes: 1) Definição de produto. 2) Fluxo circular da renda ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 3A Introdução à Economia 1 LISTA 3A Conceitos importantes: 1) Definição de produto 2) Fluxo circular da renda 4) As três óticas de mensuração: as óticas da produção, da renda e da despesa; 5) As diversas medidas do produto: interno/nacional,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia Módulo 1 Questões Básicas da Economia 1.1. Conceito de Economia Todos nós temos uma série de necessidades. Precisamos comer, precisamos nos vestir, precisamos estudar, precisamos nos locomover, etc. Estas

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

LISTA 3A. 4) As diversas medidas do produto: interno/nacional, bruto/líquido, a custo de fatores/a preços de mercado ANOTAÇÕES

LISTA 3A. 4) As diversas medidas do produto: interno/nacional, bruto/líquido, a custo de fatores/a preços de mercado ANOTAÇÕES LISTA 3A Conceitos importantes: 1) Definição de produto 2) Fluxo circular da renda 3) As três óticas de mensuração: as óticas da produção, da renda e da despesa 4) As diversas medidas do produto: interno/nacional,

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014.

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. Tanto as pessoas físicas quanto as jurídicas têm patrimônio, que nada mais é do que o conjunto

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217. Aula 14 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 27/04/2006. Conteúdo

TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217. Aula 14 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 27/04/2006. Conteúdo TEORIA MACROECONÔMICA II ECO7 Aula 4 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 7/04/006 Conteúdo Poupança e Investimento na Economia Aberta a Conta Consolidada de Capital do Sistema

Leia mais

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS IGEPP Instituto de Gestão, Economia e Políticas Públicas Telefone:(61) 3443 0369 E-mail: contatoigepp@gmail.com MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO. Profa.: Enimar J. Wendhausen

CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO. Profa.: Enimar J. Wendhausen CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO Profa.: Enimar J. Wendhausen TEORIA MACROECONÔMICA A partir da teoria macroeconômica foram empregados esforços para a construção de um sistema

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

GABARITO ECONOMIA - PEN

GABARITO ECONOMIA - PEN GABARITO ECONOMIA - PEN CAPITULO 1 A ESSENCIA DO PROBLEMA ECONOMICO Ciência econômica é o estudo da alocação dos recursos produtivos escassos para organizar da melhor maneira as condições de vida em uma

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Engenharia de Produção

Engenharia de Produção Engenharia de Produção CONCEITOS DE INVESTIMENTOS Genérico Investimento é qualquer aplicação de recursos de capital realizada visando obter um fluxo de benefícios ao longo de um determinado período de

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.12.2010 COM(2010) 774 final Anexo A/Capítulo 08 ANEXO A à Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo ao Sistema europeu de contas nacionais

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Alicia Ruiz Olalde Balanço de Pagamentos No balanço de pagamentos, são registradas todas as transações econômicas que o país realiza com o resto do mundo, num determinado período de tempo. O Balanço de

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado Macroeconomia Faculdade de Direito UNL 2008/09 José A. Ferreira Machado 1. As principais grandezas macroeconómicas e a sua medição Medição do rendimento nacional, do nível geral de preços e da taxa de

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL

CONTABILIDADE NACIONAL UNIDADE 2 CONTABILIDADE NACIONAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Reconhecer as contas nacionais; Avaliar como se determina a medição do produto

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE 1.Discuta a diferença entre os seguintes conceitos? (a) Produto Interno Bruto - Produto Interno Líquido; (b) Produto Nacional

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

MACROECONOMIA I UFF FACULDADE DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS GUIA PARA OS ESTUDANTES E EXERCÍCIOS PARA O LABORATÓRIO

MACROECONOMIA I UFF FACULDADE DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS GUIA PARA OS ESTUDANTES E EXERCÍCIOS PARA O LABORATÓRIO UFF FACULDADE DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS MACROECONOMIA I GUIA PARA OS ESTUDANTES E EXERCÍCIOS PARA O LABORATÓRIO PROFESSOR RESPONSÁVEL CLAUDIO MONTEIRO CONSIDERA NOTA: Este texto é uma tradução

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

3. Contas Correntes: A categoria Contas Correntes tem quatro sub-divisões, a saber:

3. Contas Correntes: A categoria Contas Correntes tem quatro sub-divisões, a saber: 1. B/Pgtos, p. 1 Comércio e Finanças Internacionais Prof. José Alfredo A. Leite 1A. BALANÇO DE PAGAMENTOS 1. Definição: O B/P é o registro contábil dos recebimentos e pagamentos feitos pelos diversos agentes

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Introdução Representação gráfica. Ativo. Passivo. Patrimônio Líquido. Outros acréscimos ao Patrimônio Líquido (PL) As obrigações

Leia mais

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens)

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens) 4.1. Determine a função representativa do consumo privado de uma economia em relação à qual se sabe o seguinte: - As intenções de consumo das famílias são caracterizadas por uma dependência linear relativamente

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CAPITAL DE GIRO

NOÇÕES BÁSICAS DE CAPITAL DE GIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DISCIPLINA: ECONOMIA DO TURISMO (ECTX2) Questões para revisão Nome completo: 1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas

Leia mais

Tendo em atenção os seguintes dados referentes a Portugal:

Tendo em atenção os seguintes dados referentes a Portugal: Exercício - II.1 Tendo em atenção os seguintes dados referentes a Portugal: (valores em milhões de contos) PIB 1986 a preços correntes 4418,8 PIB 1987 a preços de 1986 4608,1 PIB 1987 a preços correntes

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Conceito de Contabilidade

Conceito de Contabilidade !" $%&!" #$ "!%!!&$$!!' %$ $(%& )* &%""$!+,%!%!& $+,&$ $(%'!%!-'"&!%%.+,&(+&$ /&$/+0!!$ & "!%!!&$$!!' % $ $(% &!)#$ %1$%, $! "# # #$ &&$ &$ 0&$ 01% & $ #$ % & #$&&$&$&* % %"!+,$%2 %"!31$%"%1%%+3!' #$ "

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO Questão 01 A questão 01 tem um pequeno problema que é o enunciado afirmar que se trata de uma economia sem governo, o que indicaria a não existência de tudo

Leia mais

LISTA 3A GABARITO. Nova participação no PIB

LISTA 3A GABARITO. Nova participação no PIB 1 LISTA 3A GABARITO Conceitos importantes: 1) Definição de produto 2) Fluxo circular da renda 3) As três óticas de mensuração: as óticas da produção, da renda e da despesa 4) As diversas medidas do produto:

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS RF FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS RF FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ/MF: Informações referentes a Julho de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o BNP PARIBAS RF FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA.

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Crescimento em longo prazo

Crescimento em longo prazo Crescimento em longo prazo Crítica ao conceito de poupança http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo dos Três Hiatos Y = (C + I) + (XS -MS) + (G -T), onde: Y= PIB; (C + I)= demanda efetiva privada;

Leia mais

Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II

Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II Como elaborar a programação dos investimentos? Existe um método alternativo para o cálculo do Capital de Giro de uma empresa ou projeto? Como elaborar

Leia mais

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof.

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof. (Aula-V) 19/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Economia 2º Período Noções de Contabilidade Nacional e Cálculo do PIB Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 5. Noções

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos do Processo Seletivo Stricto Sensu UFAL 2012.1 CADERNO DE PROVA

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 CAP. 2 A MEDIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA --- EXERCÍCIOS 1. EXERCÍCIOS DAS AULAS 1.1. Contas Nacionais Considere o Quadro 1, com os principais agregados

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

Não são considerados bens produzidos em período anterior, apenas a remuneração do vendedor (que é remuneração a um serviço corrente)

Não são considerados bens produzidos em período anterior, apenas a remuneração do vendedor (que é remuneração a um serviço corrente) Macroeconomia Contabilidade Nacional VASCONCELLOS, M. A. S. Economia micro e macro. 3ª ed. São Paulo: Atlas. 2002. Capítulo 9: Contabilidade social Tópicos para Discussão Principais Agregados Macroeconômicos

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA MATERIAL DE AUXILIO PARA AULAS DE ECONOMIA II CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANO

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS REINTEGRA Medida Incentivo fiscal à exportação. Beneficiados Pessoa jurídica produtora que efetue exportação direta ou indireta. Condições Exclusivo para bens manufaturados

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais