MAX WEBER. Prof. Cristhian Lima

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAX WEBER. Prof. Cristhian Lima"

Transcrição

1 MAX WEBER Prof. Cristhian Lima

2 Duas Realidades 1 REPÚBLICA FRANCESA 2 DESENVOLVIMENTO CAPITALISTA 3 CIÊNCIAS NATURAIS 4 ÊNFASE NA UNIVERSALIDADE 5 CIÊNCIAS HUMANAS = CIÊNCIAS EXATAS

3 Duas Realidades 1 FRAGMENTAÇÃO POLÍTICA 2 CAPITALISMO TARDIO 3 ÊNFASE NA DIVERSIDADE 4 IDEALISMO 5 ESPECIFICIDADE DAS CIÊNCIAS HUMANAS

4 Duas Perspectivas Prof. Cristhian Lima

5 Conceitos fundamentais 1 AÇÃO SOCIAL 2 Metodologia TIPO IDEAL 3 RELAÇÕES SOCIAIS 4 PODER E DOMINAÇÃO 5 ESPÍRITO DO CAPITALISMO

6 AÇÃO SOCIAL Ação Social é toda conduta humana (ação, omissão ou permissão) dotada de MOTIVO e SENTIDO e ORIENTADA nas ações de outros indivíduos. não existe autonomia completa do indivíduo. Nossas maneiras de pensar e agir sofrendo forte influência da realidade e dos outros indivíduos. Daí tais ações serem SOCIAIS.

7 AÇÃO SOCIAL A ação humana é social na medida em que, em função da significação subjetiva que o indivíduo que age lhe atribui, toma em consideração o comportamento dos outros e é por ele afetada no seu curso.

8 AÇÃO SOCIAL CUIDADO! Motivação individual: a razão para que a ação exista é construída pelo indivíduo. Sentido: o indivíduo orienta ou dirige sua ação para outros indivíduos. Desempenhando uma função ou papel estabelece nexos causais. Dado que os motivos e sentidos são atributos individuais mas possibilitados coletivamente, não se pode afirmar que as análises sobrecaiam na absoluta individualidade.

9 RESUMINDO MOTIVO SUBJETIVO ABSTRATO AÇÃO SOCIAL DIREÇÃO SUBJETIVA EFEITOS SOCIAIS OBJETO SOCIOLÓGICO

10 CONDUTAS REATIVAS MOTIVO SUBJETIVO ABSTRATO AÇÃO SOCIAL DIREÇÃO SUBJETIVA EFEITOS SOCIAIS condutas CONDUTAS humanas que REATIVAS não se enquadram como ações sociais. São práticas sem relevância para a sociologia na medida em que são DESPROVIDAS DE SUBJETIVIDADE.

11 CONDUTAS REATIVAS CONDUTAS REATIVAS HOMOGÊNEAS OU INSTINTIVAS a ação do indivíduo se faz motivada por uma pressão natural ou fisiológica. IMITATIVAS OU DE MULTIDÃO a ação do indivíduo se faz, simplesmente, espelhada na conduta de outro ou de um grupo de indivíduos..

12 CONDUTAS SOLITÁRIAS MOTIVO SUBJETIVO ABSTRATO AÇÃO SOCIAL DIREÇÃO SUBJETIVA EFEITOS SOCIAIS São práticas sem relevância para a sociologia na CONDUTAS medida em SOLITÁRIAS NÃO EXTRAPOLAM OS LIMITES FÍSICOS DA EXISTÊNCIA INDIVIDUAL. Não estabelecem nexos causais, nem são socialmente referenciadas. Prof. Cristhian Lima

13 Conceitos fundamentais 1 AÇÃO SOCIAL 2 METODOLOGIA TIPO IDEAL 3 RELAÇÕES SOCIAIS 4 PODER E DOMINAÇÃO 5 ESPÍRITO DO CAPITALISMO

14 METODOLOGIA CIENTÍFICA Max Weber está ligado à corrente sociológica que privilegia o indivíduo diante da sociedade. O que o cientista tem diante de si é uma infinidade de ações sociais motivadas e dependentes de especificidades históricas. A realidade é infinita e múltipla em conexões causais (motivos), por isto inalcançável em sua totalidade.

15 METODOLOGIA CIENTÍFICA Max Weber está ligado à corrente sociológica que privilegia o indivíduo diante da sociedade. O CIENTISTA não consegue se livrar de suas prenoções. a neutralidade absoluta é impossível. Deve-se buscar uma neutralidade parcial ou relativa.

16 METODOLOGIA CIENTÍFICA Max Weber está ligado à corrente sociológica que privilegia o indivíduo diante da sociedade. Para a descrição do objeto, o cientista deve elaborar uma descrição fiel que permita a elaboração de um modelo abstrato que partiu de suas observações particulares. Este modelo é denominado Tipo Ideal.

17 RESUMINDO ABSTRATO PARTICULAR SUBJETIVO TIPO IDEAL INFLUÊNCIA KANT REAL INATINGÍVEL NEUTRALIDADE RELATIVA INSTRUMENTO METODOLÓGICO

18 RESUMINDO

19 RESUMINDO

20 Conceitos fundamentais 1 Metodologia TIPO IDEAL 2 AÇÃO SOCIAL TIPOS PUROS 3 RELAÇÕES SOCIAIS 4 PODER E DOMINAÇÃO 5 ESPÍRITO DO CAPITALISMO

21 TIPOS PUROS DA AÇÃO SOCIAL Motivação é um SENTIMENTO IMEDIATO Motivação é um HÁBITO ARRAIGADO Motivadas por valores MORAIS e ÉTICOS, independente das consequências da ação Tem como motivação um único e CLARO OBJETIVO, de forma a possibilitar a ORGANIZAÇÃO PRÉVIA e RACIONAL de todos os meios necessários ou disponíveis para alcançá-lo.

22 Conceitos fundamentais 1 Metodologia TIPO IDEAL 2 AÇÃO SOCIAL 3 RELAÇÕES SOCIAIS 4 PODER E DOMINAÇÃO 5 ESPÍRITO DO CAPITALISMO

23 RELAÇÕES SOCIAIS Prof. Cristhian Lima

24 RELAÇÕES SOCIAIS Fundada num sentimento SUBJETIVO de pertencimento mútuo. Mais caracterizadas por elementos pessoais, afetivos, informais, etc. Apóia-se num ACORDO de INTERESSES motivado RACIONALMENTE. Mais caracterizadas por elementos impessoais, contratuais, formais, etc.

25 RELAÇÕES SOCIAIS Prof. Cristhian Lima

26 RELAÇÕES SOCIAIS Prof. Cristhian Lima

27 RELAÇÕES SOCIAIS Prof. Cristhian Lima

28 RELAÇÕES SOCIAIS Prof. Cristhian Lima

29 RELAÇÕES SOCIAIS Prof. Cristhian Lima

30 RELAÇÕES SOCIAIS Prof. Cristhian Lima

31 Conceitos fundamentais 1 Metodologia TIPO IDEAL 2 AÇÃO SOCIAL 3 RELAÇÕES SOCIAIS 4 PODER E DOMINAÇÃO 5 ESPÍRITO DO CAPITALISMO

32 PODER E DOMINAÇÃO as relações sociais tem sua duração ligada à dominação,ou seja, à probabilidade de alguém impor sobre o outro suas vontades e encontrar aceitação. PODER probabilidade de impor a própria vontade no interior de uma determinada relação social, mesmo contra resistências. DOMINAÇÃO é a probabilidade de encontrar obediência a uma ordem de determinado conteúdo, entre determinadas pessoas indicáveis, é sempre LEGÍTIMA. Motivos de justificação interior, ou seja, O QUE LEVA ALGUÉM A SE SUBMETER à uma dominação.

33 RESUMINDO LEGÍTIMA PERDURA NO TEMPO DOMINAÇÃO TRADICIONAL CARISMÁTICA RELAÇÃO SOCIAL RACIONAL-LEGAL NÃO PRESCINDE DO USO DA VIOLÊNCIA

34 TIPOS DE DOMINAÇÃO "...em virtude de devoção afetiva à pessoa do senhor e a seus dotes sobrenaturais (carisma) e, particularmente: a faculdades mágicas, revelações ou heroísmo, poder intelectual ou de oratória. O sempre novo, o extracotidiano, o inaudito e o arrebatamento emotivo que provocam constituem aqui a fonte de devoção pessoal. Seus tipos mais puros são a dominação do profeta, do herói guerreiro e do grande demagogo. CARISMÁTICA A associação dominante é de caráter comunitário, na comunidade ou no séquito. O tipo que manda é o líder. O tipo que obedece é o 'apóstolo'. Obedece-se exclusivamente à pessoa do líder por suas qualidades excepcionais e não em virtude de sua posição estatuída ou de sua dignidadeautoridade tradicional; do e, portanto, também somente enquanto essas qualidades lhedom sãoda atribuídas, graça ouseja, enquanto seuprofeta carisma ou subsiste. - no pessoal O quadro administrativo é escolhido segundo carisma terreno epolítico vocação - o pessoais, e extraordinário príncipe guerreiro não devido à (carisma), sua qualificação profissional (como o funcionário), à sua escolhido, o posição (como ou seja, noa quadro devoção administrativo estamental) ou totalmente pessoal e a grande à sua dependência pessoal, de caráter doméstico ou outro (como confiança pessoal em demagogo é o caso e do quadro administrativo revelações, patriarcal). heroísmo Falta aqui o conceito chefe racional político de de 'competência', assim comoe outras o estamental qualidades de 'privilégio'. um partido. caudílio do indivíduo São características dela, sobretudo, a revelação ou a criação momentâneas, a ação e o exemplo, as decisões particulares, ou seja, em qualquer caso - medido com a escala das relações estatuídas - o irracional.

35 DOMINAÇÃO LEGÍTIMA CARISMA SUBJETIVA DOMINAÇÃO CARISMÁTICA AFETIVIDADE LÍDER/APÓSTOLO IRRACIONAL PROFETA, LÍDER GUERREIRO, DEMAGOGO

36 TIPOS DE DOMINAÇÃO "... em virtude da crença na santidade das ordenações e dos poderes senhoriais de há muito existentes. Seu tipo mais puro é o da dominação patriarcal. A associação dominantetradicional é de caráter comunitário. O tipo daquele que ordena é o 'senhor', e os que obedecem são 'súditos', enquanto que o quadro administrativo é formado por 'servidores'. Obedece-se à pessoa em se especifica por encontrar legitimidade na validade das ordenações e poderes de mando herdados pela tradição. Os que exercem a dominação estão determinados pela tradição, pela autoridade do ontem eterno. virtude de sua dignidade própria, o patriarca santificada e pela tradição: por fidelidade. O conteúdoo príncipe das ordens está fixado pela tradição, cuja violação desconsiderada patrimonial por de todos os parte do senhor poria em perigo a legitimidade do seu tipos próprio domínio, que repousa exclusivamente na santidade delas. (...) No quadro administrativo, as coisas ocorrem exatamente da mesma forma.

37 DOMINAÇÃO LEGÍTIMA ONTEM ETERNO SUBJETIVA DOMINAÇÃO TRADICIONAL FIDELIDADE SENHOR/SÚDITO IRRACIONAL PATRIARCA, MONARCA, POSIÇÃO OU NASCIMENTO

38 TIPOS DE DOMINAÇÃO a dominação racional-legal se especifica por encontrar legitimidade no direito estatuído de modo racional, com pretensão de ser respeitado pelos membros da associação. O direito racional é um conjunto abstrato de regras a serem aplicadas em casos concretos. A administração racional supõe cuidar dos interesses da associação, nos limites da lei. O soberano está sujeito à lei. Há uma ordem de caráter impessoal. Quem obedece, não obedece à pessoa do soberano, mas obedece ao direito e o faz como RACIONAL-LEGAL membro da associação. Das três formas de dominação, aquela que apresenta um caráter racional ou planejado é a legal. Ela se expressa em qualquer ambiente em que algum sujeito ocupa uma posição de destaque em virtude de sua competência comprovada e testada por algum concurso. O aprovado recebe do estatuto o direito de impor sua vontade a outros que, ocupando posições de menos status, acatam regularmente as orientações hierarquicamente dadas. A racionalidade se externa tanto no processo de montagem da hierarquia (através de critérios objetivos se premia o concursado, sem pesar esta qualquer é a dominação laço afetivo ou familiar, típico do comportamento dominação em corrupto) virtude quanto no estabelecimento das tal como funções a exercem (visto que os melhores ocuparam os da cargos legalidade, a que tem ou competência). E há, para Weber, o moderno uma tendência à racionalização das ações, relações seja, em evirtude formas da de dominação sociais. Isto se deve servidor ao processo do inaugurado pela ética protestante crença que, na ao validade vincular a salvação religiosa com oestado sucessoe econômico, todos estabeleceu critérios objetivos de um em estatuto que os legal fiéis devem se guiar para alcançar aqueles o reino outros dos céus. Por isso, no e da competência longo prazo, as formas de dominação carismática e tradicional, elementos tendem a ser substituídas pela objetiva fundada em forma legal. O exercício da autoridade racional dependeinvestidos um de quadro poder administrativo regras racionalmente hierarquizado e profissional, "separado" do poder de controle que sobre se os assemelham meios de administração. criadas, Por força da tendência à racionalização, as profissões públicas neste aspecto. ou privadas deixariam, gradativamente, outras influências como a amizade e a parentela, para se guiarem por objetivos claros e previamente definidos. A isto Weber á o nome de burocracia. A administração racional se caracteriza, tipicamente, pela existência de uma burocracia.

39 DOMINAÇÃO LEGÍTIMA CRENÇA NA LEI OBJETIVA RACIONAL LEGAL RACIONALIDADE FUNÇÃO-FINALIDADE RACIONAL BUROCRATA (CONCURSADO) MERITOCRACIA

40 Conceitos fundamentais 1 Metodologia TIPO IDEAL 2 AÇÃO SOCIAL 3 RELAÇÕES SOCIAIS 4 PODER E DOMINAÇÃO 5 ESPÍRITO DO CAPITALISMO

41 ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO Weber parte de dados estatísticos que lhe mostraram a proeminência de adeptos da Reforma entre os grandes homens de negócios, empresários bem-sucedidos e mão-de-obra qualificada. A partir dai, procura estabelecer conexões entre a doutrina e a pregação protestante e seus efeitos no comportamento dos indivíduos e sobre o desenvolvimento capitalista. Weber buscou as possíveis raízes do comportamento empresarial, austero, voltado para o lucro e racionalizado. Seu objetivo era detectar as causas do Espírito do Capitalismo.

42 ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO Weber descobre que valores do protestantismo como a disciplina ascética, a poupança, a austeridade, a vocação, o dever e a propensão ao trabalho atuavam de maneira decisiva sobre os indivíduos. No seio das famílias protestantes, os filhos eram criados para o ensino especializado e para o trabalho fabril, optando sempre por atividades mais adequadas à obtenção do lucro.

43 ÉTICA PROTESTANTE PREDESTINAÇÃO ABSOLUTA TEORIA DA PROVA CALVINISMO TRABALHO POUPANÇA VOCAÇÃO ACUMULAÇÃO RACIONALIZA A PRÁTICA RELIGIOSA, O QUE ABRE CAMINHO PARA A CONTÍNUA RACIONALIZAÇÃO DA VIDA.

44 CALVINISMO A ética protestante calvinista, através do estímulo a uma vida voltado ao trabalho e à austeridade, conformaram uma busca pela salvação religiosa muito próxima dos elementos de salvação econômica. No desenrolar da história foram sedimentados comportamentos tipicamente capitalistas. A motivação do protestante, segundo Weber, é o TRABALHO enquanto dever e vocação como um fim absoluto em si mesmo, e não a ganho material obtido através dele. Buscando sair-se bem na profissão, mostrando sua própria virtude e vocação e renunciando aos prazeres materiais, o protestante puritano se adequa facilmente ao mercado de trabalho, acumula capital e o reinveste produtivamente. O motivo que mobiliza internamente os indivíduos é consciente. Entretanto, os efeitos dos atos individuais ultra passam a meta inicialmente visada.

45 ESPÍRITO CAPITALISTA TRABALHO COMO FIM EM SI MESMO RACIONALIZAÇÃO ESPÍRITO DO CAPITALISMO TRABALHO POUPANÇA PRAGMATISMO ACUMULAÇÃO Como o comportamento capitalista exige um planejamento prévio para sua execução, foi inerente o DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES CADA VEZ MAIS RACIONAIS. O mundo vai perdendo seu encanto, sua magia e se vê mergulhado nos cálculos e objetivos milimetricamente planejados.

46 ÉTICA PROTESTANTE PREDESTINAÇÃO ABSOLUTA TEORIA DA PROVA CALVINISMO TRABALHO POUPANÇA VOCAÇÃO ACUMULAÇÃO RACIONALIZA A PRÁTICA RELIGIOSA, O QUE ABRE CAMINHO PARA A CONTÍNUA RACIONALIZAÇÃO DA VIDA.

47

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

(1864-1920) Max Weber: a ética protestante e o espírito do capitalismo

(1864-1920) Max Weber: a ética protestante e o espírito do capitalismo (1864-1920) Max Weber: a ética protestante e o espírito do capitalismo Contexto histórico: Alemanha: organização tardia do pensamento burguês e do Estado nacional. e Humanas na Alemanha: interesse pela

Leia mais

A Sociologia Compreensiva. De Max Weber

A Sociologia Compreensiva. De Max Weber A Sociologia Compreensiva De Max Weber Problematização O comportamento social é espontâneo, individual e descolado do passado? Max Weber Maximillian Carl Emil Weber Nasceu em 1864 na cidade de Erfurt (Alemanha),

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos Desencantamento do mundo e racionalização Tipos puros 1. O conceito de ação social 1.1 Ação racional com relação a objetivos

Leia mais

AÇÃO SOCIAL. Exemplo de AÇÃO SOCIAL 25/3/2011 A MAX WEBER. Vida e Obra de Max Weber. Max Weber (Contexto) Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920)

AÇÃO SOCIAL. Exemplo de AÇÃO SOCIAL 25/3/2011 A MAX WEBER. Vida e Obra de Max Weber. Max Weber (Contexto) Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920) A MAX WEBER Vida e Obra de Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920) Erfurt/Alemanha (Contexto) 1830: Alemanha - país mais atrasado da Europa Origem burguesa, origem protestante e religiosa, família de comerciantes

Leia mais

Ciências Sociais. Objetivos. Max Weber, Alemanha 1864-1920. Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber. Prof.

Ciências Sociais. Objetivos. Max Weber, Alemanha 1864-1920. Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber. Prof. Ciências Sociais Prof. Paulo Barrera Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber Objetivos a) Discutir conceitos básicos da sociologia weberiana, tais como ação social, racionalização, tipos

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I).

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920)

A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920) A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920) Curso de Ciências Sociais IFISP/UFPel Disciplina: Fundamentos de Sociologia Professor: Francisco E. B. Vargas Pelotas, abril de 2015. I. Contexto histórico

Leia mais

Weber e o estudo da sociedade

Weber e o estudo da sociedade Max Weber o homem Maximilian Karl Emil Weber; Nasceu em Erfurt, 1864; Iniciou seus estudos na cidade de Heidelberg Alemanha; Intelectual alemão, jurista, economista e sociólogo; Casado com Marianne Weber,

Leia mais

SOCIOLOGIA. Max Weber.

SOCIOLOGIA. Max Weber. SOCIOLOGIA. Max Weber. 1 - Assinale a opção que contenha as categorias básicas da sociologia de Max Weber: a) função social, tipo ideal, mais-valia b) expropriação, compreensão, fato patológico c) ação

Leia mais

Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber. Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia

Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber. Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia A Teoria de Ação Social de Max Weber 1 Ação Social 2 Forma de dominação Legítimas 3 Desencantamento

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos 1. O conceito de ação social 1.1 Ação tradicional 1.2 Ação afetiva 1.3 Ação racional com relação a valores 1.4 Ação

Leia mais

Sociologia Organizacional. Contextualização. Aula 4. Organização da Aula. Profa. Me. Anna Klamas

Sociologia Organizacional. Contextualização. Aula 4. Organização da Aula. Profa. Me. Anna Klamas Sociologia Organizacional Aula 4 Contextualização Profa. Me. Anna Klamas Organização da Aula A Sociologia de Max Weber e o tema da racionalidade A disciplina de sociologia deve contribuir com a percepção

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática Neusa Chaves Batista 1 1. Introdução O modelo de gestão para a escola pública requerido na atualidade encontra-se expresso no ordenamento

Leia mais

MARX, DURKHEIM, WEBER - REVISÃO -

MARX, DURKHEIM, WEBER - REVISÃO - Sociologia 3ª série Ensino Médio MARX, DURKHEIM, WEBER - REVISÃO - Danilo Arnaldo Briskievicz Os Clássicos da Sociologia No século XIX, três pensadores desenvolveram teorias buscando explicar a sociedade

Leia mais

Max Weber e o Direito (1864-1920)

Max Weber e o Direito (1864-1920) 82 Max Weber e o Direito (1864-1920) Fontes: BILLIER, Jean-Cassiere MARYIOLI, Aglaé. História da Filosofia do Direito. Barueri: Manole, 2005. DEFLEM, Mathiew. Sociology of Law. Cambridge: CUP, 2008. RODRIGUES

Leia mais

O carisma no espetáculo da política: a contribuição de Max Weber

O carisma no espetáculo da política: a contribuição de Max Weber O carisma no espetáculo da política: a contribuição de Max Weber Cosma Ribeiro de Almeida 1 cosma_almeida@yahoo.com.br Resumo Este trabalho tem como objetivo mostrar a contribuição da sociologia de Max

Leia mais

TEORIA DA CIÊNCIA: TEORIA DA AÇÃO. - Conceito de Ação

TEORIA DA CIÊNCIA: TEORIA DA AÇÃO. - Conceito de Ação TEORIA DA CIÊNCIA: A sociologia é uma ciência que pretende entender, interpretando-a, a ação social para, desta maneira, explica-la causalmente em seu desenvolvimento e efeitos. A ação social é o sentido

Leia mais

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO.

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO. 1. ÉMILE DURKHEIM. Bases empíricas da sociologia: o estudo da vida moral. Objeto e método da sociologia: 1. A sociedade como realidade sui generis Representações coletivas da consciência. 2. Fato Social

Leia mais

Tipos de Administração Pública. 1 - Administração Patrimonialista 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial

Tipos de Administração Pública. 1 - Administração Patrimonialista 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial Tipos de Administração Pública Professor Luiz Antonio de Carvalho Tipos de Administração Pública BUROCRÁTICA 1 - Administração 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial lac.consultoria@gmail.com

Leia mais

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Disciplina: D 3.2 Administração Pública Brasileira (24h) (Aula 1: Patrimonialismo e Formação do Estado Brasileiro)

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Disciplina: D 3.2 Administração Pública Brasileira (24h) (Aula 1: Patrimonialismo e Formação do Estado Brasileiro) EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Disciplina: D 3.2 Administração Pública Brasileira (24h) (Aula 1: Patrimonialismo e Formação do Estado Brasileiro) Professor: Eduardo Granha Magalhães Gomes 2 a 4 de fevereiro

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER Professora: Susana Rolim MAX WEBER Sociólogo alemão, nascido em 21 de abril de 1864. Seu primeiro trabalho foi A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1905).

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO MAX WEBER é a ÉTICA PROTESTANTE Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2013 A Importância da teoria sociológica de Max Weber A obra do sociólogo alemão Max Weber para análise

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ESCOLAS DA ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ESCOLAS DA ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ESCOLAS DA ADMINISTRAÇÃO Atualizado em 14/10/2015 ESCOLAS DA ADMINISTRAÇÃO TIPOS DE DOMINAÇÃO Em todo Estado deve existir alguma relação de dominação na qual os governantes exercem

Leia mais

Renata Serafim Bernardi Universidade Federal de São Carlos renataserafim00@gmail.com CNPq

Renata Serafim Bernardi Universidade Federal de São Carlos renataserafim00@gmail.com CNPq PROGRAMA ESCOLA DE GESTORES MEC/UFSCAR : UMA ANÁLISE DO PROVIMENTO DE CARGOS DE DIRETORES E AS PRÁTICAS PATRIMONIALISTAS NOS PÓLOS DE CAMPO LIMPO PAULISTA E OURINHOS Renata Serafim Bernardi Universidade

Leia mais

O ESTADO E DOMINAÇÃO NOS PRESSUPOSTOS DE MARX, WEBER E DURKHEIM

O ESTADO E DOMINAÇÃO NOS PRESSUPOSTOS DE MARX, WEBER E DURKHEIM O ESTADO E DOMINAÇÃO NOS PRESSUPOSTOS DE MARX, WEBER E DURKHEIM Silvia Jurema Leone Quaresma* 1. Estado e dominação nos pressupostos de Marx Karl Heinrich Marx (1818-1883) nasceu em Treves, capital da

Leia mais

SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER

SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER Introdução França e Inglaterra desenvolveram o pensamento social sob a influência do desenvolvimento industrial e urbano, que tornou esses países

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO. Introdução

CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO. Introdução CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO Guilherme Costa Garcia Tommaselli 1 Luis Paulo Santos Bezerra 2 Introdução Este artigo tem como objetivo realizar uma reflexão sobre a educação

Leia mais

Max Weber (1864-1920) Karl Emil Maximilian Weber

Max Weber (1864-1920) Karl Emil Maximilian Weber Max Weber (1864-1920) Karl Emil Maximilian Weber Quais as contribuições de Weber para a Sociologia? Weber foi um dos mais prolíficos escritores da Sociologia. Principais obras: 1. A Ética Protestante e

Leia mais

Curso Wellington Sociologia Teorias Sociológicas Max Weber Prof Hilton Franco

Curso Wellington Sociologia Teorias Sociológicas Max Weber Prof Hilton Franco 1. Na concepção de Weber, a política é uma atividade geral do ser humano. A atividade política se desenvolve no interior de um território delimitado e a autoridade política reivindica o direito de domínio,

Leia mais

A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO

A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO Daniele Bloot de Moura Necker Fryder Geórgia Costa Pizzatto Michele Dal Cortivo Vivian de Souza Silva Co-autora: Prof. Arilda Arboleya arildaa@hotmail.com

Leia mais

4. OS TRÊS TIPOS PUROS DE DOMINAÇÃO LEGÍTIMA 1

4. OS TRÊS TIPOS PUROS DE DOMINAÇÃO LEGÍTIMA 1 4. OS TRÊS TIPOS PUROS DE DOMINAÇÃO LEGÍTIMA 1 A dominação, ou seja, a probabilidade de encontrar obediência a um determinado mandato, pode fundar-se em diversos motivos de submissão. Pode depender diretamente

Leia mais

1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo

1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo 1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo A Sociologia nasceu como disciplina científica no século XIX, no contexto de formação e consolidação da sociedade capitalista. Tornou-se evidente que as

Leia mais

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARA ESAF PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS. Aula 01

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARA ESAF PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS. Aula 01 Aula 01 Olá, Pessoal! Sejam bem-vindos ao curso de Administração Pública para ESAF. Gostaria de agradecer a vocês pela confiança no nosso trabalho e espero que o curso satisfaça as suas expectativas. Vimos

Leia mais

Direito para Durkheim: coercitivo exterior geral

Direito para Durkheim: coercitivo exterior geral Apostila 4 Revisão aula anterior: Direito para Durkheim: O objetivo principal de uma Sociologia do Direito em Durkheim é perceber a relação entre as regras morais e a elaboração das leis escritas, bem

Leia mais

MAX WEBER 1. Wânia Gonzalez. 1. O papel da ciência e o tipo ideal

MAX WEBER 1. Wânia Gonzalez. 1. O papel da ciência e o tipo ideal MAX WEBER 1 Wânia Gonzalez 1. O papel da ciência e o tipo ideal No início da sua vida intelectual 1885 a 1897 Max Weber se deteve nos acontecimentos da história do direito e da economia. Segundo Marianne

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA ÉTICA, POLÍTICA E SOCIEDADE

OFICINA DA PESQUISA ÉTICA, POLÍTICA E SOCIEDADE OFICINA DA PESQUISA ÉTICA, POLÍTICA E SOCIEDADE Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br A FORMAÇÃO DA MORAL OCIDENTAL A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

RAZÃO E PAIXÃO NO PENSAMENTO WEBERIANO 1

RAZÃO E PAIXÃO NO PENSAMENTO WEBERIANO 1 1 RAZÃO E PAIXÃO NO PENSAMENTO WEBERIANO 1 Rogério José de Almeida 2 No presente trabalho, tem-se por objetivo fazer uma breve análise do aparente conflito na formulação de dois conceitos fundamentais

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia Filosofia 1) Gabarito Final sem distribuição de pontos - Questão 1 A) De acordo com o pensamento de Jean-Jacques Rousseau, o poder soberano é essencialmente do povo e o governo não é senão depositário

Leia mais

Etimologia bureau (francês) + krátias (grego); governo dos técnicost

Etimologia bureau (francês) + krátias (grego); governo dos técnicost BUROCRACIA é a organização eficiente por excelência MAX WEBER Etimologia bureau (francês) + krátias (grego); governo dos técnicost (Robert K. Merton; Philip Selznick) 1864-1920 objectivos Descrever as

Leia mais

6. Modelo Burocrático

6. Modelo Burocrático 6. Modelo Burocrático Conteúdo 1. Burocracia 2. Teoria da Burocracia 3. Tipos de Sociedade 4. Tipos de Autoridade 5. Características da Burocracia segundo Weber 6. Disfunções da Burocracia 7. Modelo Geral

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito

Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito Marx e o Direito 1 Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito Bibliografia: DEFLEM, Mathiew. Sociology of Law. Cambridge: CUP, 2008. FERREIRA, Adriano de Assis. Questão

Leia mais

MAX WEBER (1864-1920) SOCIOLOGIA INTERPRETATIVA

MAX WEBER (1864-1920) SOCIOLOGIA INTERPRETATIVA MAX WEBER (1864-1920) SOCIOLOGIA INTERPRETATIVA Vitor Barletta Machado A sociologia weberiana é chamada de interpretativa ou compreensiva, o que significa que ela não se contenta com as macro explicações,

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

Introdução às teorias organizacionais.

Introdução às teorias organizacionais. Curso: Teologia Prof. Geoval Jacinto da Silva. Introdução às teorias organizacionais. Boas vindas Apresentação. Iniciamos hoje, com o Tema: Introdução às teorias organizacionais. Portanto, espero contar

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

Uma Análise de Weber na Teoria da Excelência de Relações Públicas 1

Uma Análise de Weber na Teoria da Excelência de Relações Públicas 1 Uma Análise de Weber na Teoria da Excelência de Relações Públicas 1 Thaysa Cristina de Simoni FLORES 2 Tiago Costa MARTINS 3 Universidade Federal do Pampa, São Borja, RS Resumo O presente artigo, tem como

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

A TEORIA DA BUROCRACIA

A TEORIA DA BUROCRACIA A TEORIA DA BUROCRACIA Uma das primeiras aplicações do termo Burocracia data do século XVIII, onde o termo era carregado de forte conotação negativa, designando aspectos de poder dos funcionários de uma

Leia mais

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações 1 Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

TEORIA CLÁSSICA DA SOCIOLOGIA MAX WEBER. Tópicos essenciais da sociologia weberiana

TEORIA CLÁSSICA DA SOCIOLOGIA MAX WEBER. Tópicos essenciais da sociologia weberiana COLÉGIO O BOM PASTOR SOCIOLOGIA PROF. RAFAEL CARLOS TEORIA CLÁSSICA DA SOCIOLOGIA MAX WEBER Tópicos essenciais da sociologia weberiana A definição de ação social de Max Weber A ação social, para Max Weber,

Leia mais

SOCIEDADE E EDUCAÇÃO EM MAX WEBER

SOCIEDADE E EDUCAÇÃO EM MAX WEBER SOCIEDADE E EDUCAÇÃO EM MAX WEBER Ana Célia Furtado Orsano de Sousa Mestrado em Educação/UFPI Marcelino de Oliveira Fonteles Mestrado em Educação/UFPI Oscarina Maria da Silva NIEPSEF/UFPI Weber não elaborou

Leia mais

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver.

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. Richard Baxter Contexto: Os puritanos surgiram para apoiar e desejar a reforma

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON Antonio Henrique Neto, Discente da Faculdade Integrada de Pernambuco - FACIPE Suzane Bezerra de França, - FACIPE, SEDUC/PE docente. suzyfranca@yahoo.com.br

Leia mais

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 4. ed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1985. Maximilian Carl

Leia mais

A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito

A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito Fabiana Ferraz Dias 1 Marcela Juliana.A. de Oliveira Marink Martins de Souza Vagliano Ralphe Vinicius Pereira dos Santos Resumo: Diante do

Leia mais

O pensamento de Max Weber Prof. João Borba, set. De 2009 (refeita em maio de 2010)

O pensamento de Max Weber Prof. João Borba, set. De 2009 (refeita em maio de 2010) O pensamento de Max Weber Prof. João Borba, set. De 2009 (refeita em maio de 2010) 1. Weber procura sempre mostrar que o conhecimento humano é limitado. Weber, além de sociólogo, era historiador e economista,

Leia mais

SOCIOLOGIA 1ª Parte COMO A SOCIOLOGIA SURGIU? O QUE É A SOCIOLOGIA?

SOCIOLOGIA 1ª Parte COMO A SOCIOLOGIA SURGIU? O QUE É A SOCIOLOGIA? SOCIOLOGIA 1ª Parte O QUE É A SOCIOLOGIA? A sociologia é uma ciência que busca compreender os fenômenos sociais. Em nossa vida em sociedade inúmeros são os exemplos de questões em que a sociologia se debruça.

Leia mais

Sociologia - Resumo Romero - 2014

Sociologia - Resumo Romero - 2014 Sociologia - Resumo Romero - 2014 [imaginação Sociológica] Ao utilizar este termo Giddens refere-se a uma certa sensibilidade que deve cercar a análise sociológica. As sociedades industriais modernas só

Leia mais

Apresentando Émile Durkheim (pág 25)

Apresentando Émile Durkheim (pág 25) Apresentando Émile Durkheim (pág 25) Émile Durkheim nasceu em Épinal, França, em 1858, e morreu em Paris em novembro de 1917. Foi influenciado pelo positivismo de Auguste Comte, considerado o pai da Sociologia

Leia mais

ATIVIDADE / TEXTO MARX, DURKHEIM E WEBER

ATIVIDADE / TEXTO MARX, DURKHEIM E WEBER ATIVIDADE / TEXTO MARX, DURKHEIM E WEBER Nome: / N : / Turma: PARTE I KARL MARX (1818-1883) Sua obra A obra de Marx é resultado de um contexto sociopolítico específico, resposta aos problemas colocados

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Émile Durkheim demonstrou por meio de seus estudos a relação entre as manifestações de solidariedade existentes na sociedade

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA MAKSOUD PLAZA SÃO PAULO 30/3 a 1/4 de 2006 CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO CONSELHOS DE MEDICINA E CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT Celso de Moraes Pinheiro* Resumo: Através de uma análise das principais idéias de Kant sobre o conceito de disciplina, sobretudo os apresentados em seu texto, intitulado

Leia mais

SÉRIE/ANO: 1º TURMA(S): Disciplina: Sociologia DATA: / / 2015

SÉRIE/ANO: 1º TURMA(S): Disciplina: Sociologia DATA: / / 2015 SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO DOS REIS SÉRIE/ANO:

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS. Assinale a alternativa INCORRETA no que se refere aos direitos e deveres individuais e coletivos.

PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS. Assinale a alternativa INCORRETA no que se refere aos direitos e deveres individuais e coletivos. 12 PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS QUESTÃO 21: Assinale a alternativa INCORRETA no que se refere aos direitos e deveres individuais e coletivos. a) É livre a expressão da atividade intelectual, independentemente

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

Verônica A. Pereira Souto

Verônica A. Pereira Souto COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Verônica A. Pereira Souto VITÓRIA-ES 11 de julho 2009 VERÔNICA APARECIDA PEREIRA SOUTO MINI-CURRÍCULO PSICÓLOGA GRADUADA EM LETRAS/INGLÊS PÓS-GRADUADA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia Sociologia Organizacional Aula 1 Organização da Disciplina Aula 1 Contexto histórico do aparecimento da sociologia Aula 2 Profa. Me. Anna Klamas A institucionalização da sociologia: August Comte e Emile

Leia mais

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão.

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Programa UNIDADE 1: UNIDADE 2 Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Funções do administrador no mundo contemporâneo. Arquitetura Organizacional. UNIDADE 3

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Conselho de Arbitragem RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Abril /2013 1 / 4 1. INTRODUÇÃO O Futebol evolui consideravelmente nos últimos anos e a competitividade

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

EDUCAÇÃO E ÉTICA EM MAX WEBER. ALGUMAS REFLEXÕES CRÍTICAS.

EDUCAÇÃO E ÉTICA EM MAX WEBER. ALGUMAS REFLEXÕES CRÍTICAS. EDUCAÇÃO E ÉTICA EM MAX WEBER. ALGUMAS REFLEXÕES CRÍTICAS. Vera Maria Neves SMOLENTZOV' Resumo: O texto atuai tem a intenção de fazer uma brevíssima revisão em alguns pontos da obra de Max Weber, abordando

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Origens da Teoria da Burocracia. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Origens da Teoria da Burocracia. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Origens da Teoria da Burocracia Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1 INTRODUÇÃO A Burocracia é a necessidade que as organizações tem, para alcançar os objetivos estabelecidos, de maneira rápida e eficaz,

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

Reformas Religiosas Monique Bilk

Reformas Religiosas Monique Bilk Reformas Religiosas Monique Bilk Contexto Início da Idade Moderna O Renascimento estimula a crítica e o livre-pensar A burguesia tem projetos que esbarram nos obstáculos que a Igreja coloca... (doutrina

Leia mais