1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo"

Transcrição

1 1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo A Sociologia nasceu como disciplina científica no século XIX, no contexto de formação e consolidação da sociedade capitalista. Tornou-se evidente que as transformações sociais surgidas com a industrialização se deviam antes de tudo à mudanças de ordem social e não à causas naturais. Entre os sociólogos fez muito sucesso o argumento evolucionista que então era mobilizado por biólogos. Assim, apesar de se afirmar como disciplina científica autônoma, a Sociologia foi muito influenciada por argumentos de outras ciências, tal qual o evolucionismo (desta maneira, percebia a transformação social como algo que sempre tende à evolução, acreditava que o futuro sempre será melhor que o passado). Além disso, a Sociologia foi influenciada pelo cientificismo (crença na onipotência da ciência) da Física e por seu empirismo. Em suma, a sociologia nasceu cientificista, empirista, evolucionista, tentando descobrir leis científicas sobre a vida social para possibilitar que se fizesse intervenções políticas sobre a sociedade com vistas a defender a ordem social. Isto é, nasceu influenciada pelos ideais que se convencionou chamar de Positivismo. O Positivismo pode ser sucintamente explicado na obra de Auguste Comte. Para Comte as sociedades humanas podem ser compreendidas como estando em níveis evolucionários diversos, isto é, cada sociedade está num ponto diferente de desenvolvimento social. Assim, ele desenvolveu a "lei dos três estados". Os três estados, de acordo com a história humana, são: Estado Teológico: o estado onde Deus está presente em toda a vida social. Assim, as sociedades que estão nesse primeiro estágio explicam tudo com base na vontade de Deus, ou seja, as coisas são explicadas pura e simplesmente por Deus. Estado Metafísico: no qual a ignorância da realidade e a descrença num Deus todo poderoso levam a crer em relações misteriosas entre as coisas, nos espíritos, como exemplo. O pensamento abstrato é substituído pela vontade pessoal. Estado Positivo: a humanidade busca respostas científicas todas as coisas. Este estado ficou conhecido como Positivismo. A busca pelo conhecimento absoluto, esclarecimento sobre a natureza e seus fatos. É o resultado da soma dos dois estágios anteriores. A lei dos três estados é uma lei teleológica, isto é, ele coloca uma telos (um sentido, uma direção) no desenvolvimento histórico. Assim, o sentido do desenvolvimento histórico para Comte era o desenvolvimento da Ciência, de modo que todas as sociedades que não estivessem nesse nível eram vistas como sociedades primitivas num estágio anterior de desenvolvimento social. 2. Antropologia e Cultura Tanto os desdobramentos da Revolução Francesa quanto a expansão comercial proporcionada pela Revolução Industrial em fins do século XVIII, fizeram com que os contatos entre o Ocidente e os povos "não-ocidentais" se intensificaram. Esta intensificação dos contatos, associada a desenvolvimentos específicos no interior das ciências humanas, proporcionou o surgimento de uma ciência específica: a Antropologia. A Antropologia surgiu como uma ciência que tentava compreender a diversidade cultural entre as sociedades humanas. Enquanto a Sociologia se dedicava ao estudo da sociedade ocidental, em geral a Antropologia se dedicava ao estudo das sociedades "nãoocidentais". O par de conceitos que se desenvolveu para tratar da relação entre as sociedades ocidentais e as sociedades "não-ocidentais" foram as noções de NÓS e de 1

2 OUTROS. Estes são conceitos relativos, podendo ser trocados de posição, a depender do viés do observador. Entretanto, o que mais interessa é que normalmente chamamos de nós a sociedade ocidental, da qual, aliás, nós mesmos (brasileiros) fazemos parte atualmente. A noção de "outros" geralmente é associada às sociedades "não-ocidentais" (indígenas americanos, sociedades tribais africanas ou asiáticas, etc.). No início de sua história, a Antropologia se pautou por ser uma ciência que tentava compreender os outros do ponto de vista ( isto é, da perspectiva) da nossa própria sociedade. Fazendo isso, a Antropologia utilizava os parâmetros da sociedade ocidental para compreender e julgar as sociedades não ocidentais. Esse tipo de abordagem dos povos "não-ocidentais" fez com que a Antropologia recaísse no chamado "Etnocentrismo", desenvolvendo argumentos no sentido de afirmar que as sociedades ocidentais eram centrais, mais desenvolvidas, educadas, inteligentes e civilizadas, enquanto as sociedades "não-ocidentais" seriam secundárias, subdesenvolvidas, ignorantes, e selvagens/incivilizadas/bárbaras. A atitude etnocêntrica acabou por contribuir com o preconceito racial que era um tipo de desvalorização cultural das sociedades ocidentais em relação às culturas "nãoocidentais". O Etnocentrismo acabou servindo de argumento ideológico para a dominação dos europeus sobre os povos coloniais, especialmente daqueles que não aceitavam se subjugar ao domínio ocidental, argumento esse expresso na famosa frase fardo do homem branco, que afirma que o europeu branco e civilizado teria uma tarefa árdua (isto é, um fardo ), porém necessária: educar os ignorantes e incivilizados povos "não-ocidentais". Ao perceber os problemas do etnocentrismo, os antropólogos, os sociólogos (e até mesmo os filósofos) desenvolveram aos poucos outra atitude com relação aos outros : foi desenvolvida uma atitude baseada na Alteridade. Esta nova atitude, ao invés de desvalorizar os outros, evidenciava sua valorização, tratando-os não como melhores nem piores, mas sim como sendo diferentes dos ocidentais. Esta nova atitude abandonou o preconceito e tentou compreender os povos "não-ocidentais" não mais do ponto de vista ocidental, mas sim do viés deles próprios, isto é, de sua própria perspectiva. Todavia, isso também acarretou um preço: se temos a vantagem de termos abandonado uma visão preconceituosa do outro, caímos no problema de que a valorização extrema das sociedades "não-ocidentais" pode fazer com que caíamos num relativismo cultural exacerbado que aceita tudo. Isso pode nos fazer tolerar certas práticas culturais que, a primeira vista, poderíamos achar absurdas e até mesmo contrárias aos Direitos Humanos isto é, poderíamos perder parâmetros mínimos de justiça e de moralidade. No decorrer do século XX, a Antropologia passou por uma fase de dúvidas sobre a continuidade de sua existência enquanto ciência, uma vez que seu objeto de estudo (as sociedades "não-ocidentais") estavam desaparecendo por conta da dominação cultural e da destruição que as sociedades ocidentais empreendiam contra as sociedades "nãoocidentais". Aliás, a globalização e as consequências de homogeneização cultural que dela supostamente decorre em muito contribui para o fim das peculiaridades de cada cultura. Muito se discutiu se com o desaparecimento das sociedades "não-ocidentais", também não desaparecia a ciência antropológica. A resposta a que se chegou, entre outras, é que a oposição entre "nós" e "outros" pode ser vista dentro da sociedade ocidental. Isto é, não precisamos mais procurar indígenas ou povos tribais para encontrar os outros. Os outros estão no interior da sociedade ocidental. Isso aponta para o fato de que a sociedade ocidental é composta de vários grupos, sendo mais certo dizer que ela não é uma única cultura homogênea, mas sim que ela é multicultural. Hoje, a Antropologia continua estudando as sociedades "não-ocidentais", mas ela também encontrou a possibilidade de estudar o multiculturalismo no interior das sociedades ocidentais. 2

3 3. A Sociologia de Émile Durkheim O objeto da Sociologia varia conforme a definição de cada sociólogo, entretanto, todos concordam que seu objetivo é tornar evidente como o comportamento humano só pode ser compreendido como algo que é embebido na multiplicidade da vida social. Assim, uma boa investigação sociológica deve ser uma maneira de pensar a vida humana a partir da multiplicidade de seus aspectos, isto é, deve ter como referência as relações sociais no trabalho, na economia, na cultura, na política, etc., tudo isso sendo pensado à luz de seu desenvolvimento histórico. Assim, como o objeto da Sociologia varia conforme a definição de cada sociólogo, tentaremos compreender as várias maneiras de pensar sociologicamente. Isto é, estudaremos a obra de cada sociólogo e perceberemos como existem múltiplas maneiras de compreender a vida social. Faremos basicamente dois esforços: 1) Inicialmente procuraremos compreender como cada sociólogo pensa a vida social, isto é, como cada sociólogo compreende as formas pelas quais o comportamento humano depende da vida social. 2) Depois tentaremos compreender como cada um entendeu a formação e a consolidação da sociedade contemporânea. Isto é, tentaremos compreender como cada sociólogo tentou explicar a formação, o desenvolvimento e a consolidação da sociedade capitalista, bem como as característica desta formação social. Neste segundo ponto enfatizaremos a formação da sociedade brasileira contemporânea. O primeiro sociólogo que estudaremos será Émile Durkheim, intelectual francês que nasceu em 1858 e morreu em Suas principais obras foram: - A divisão do trabalho social - As regras do método sociológico - As formas elementares da vida religiosa - O suicídio Houve outros intelectuais que precederam Durkheim, tal como o positivista francês Auguste Comte. Todavia, no sentido moderno, pode-se dizer que Durkheim foi o primeiro sociólogo clássico, ao passo que Comte ainda se ligava a argumentos de natureza filosófica. A primeira questão que devemos compreender acerca de Durkheim, é verificar como ele demonstrou a determinação social do comportamento humano. Para tanto, ele construiu o conceito de Fato Social. Para Émile Durkheim, o Fato Social é o objeto da Sociologia, isto é, trata-se exatamente do ponto que deve ser investigado pelo sociólogo. É um conceito que tenta explicar o modo pelo qual o comportamento humano é determinado socialmente. Assim, ele definiu o Fato Social como maneiras de ser, agir, pensar e sentir que são construídas a partir de uma pressão social exterior ao indivíduos e que está generalizada por toda a sociedade. Noutras palavras, o Fato Social deve ser entendido como maneiras de ser, agir, pensar e sentir que não dependem da vontade e nem da liberdade individual. Portanto, pode-se dizer que as três características dele são: a exterioridade, a coercitividade e a generalidade. 3

4 Em suma, para Durkheim há uma realidade social objetiva e exterior aos indivíduos (o Fato Social) que lhes é imposta coercitivamente. No caso de enfrentarem tal pressão social, os indivíduos são punidos com vistas a se adequarem à coerção social. A eficiência da coercitividade social está justamente na generalidade do Fato Social, isto é, a eficiência da coerção social existe porque tal pressão está espalhada por toda a sociedade (generalidade). O Fato Social acaba levando à três duas situações que devem ser destacadas: - Uma vez que o Fato Social submete todos à mesma pressão social, Durkheim destaca que todos acabam tendo uma mesma maneira coletiva de ser, agir, pensar e sentir, todos acabam tendo uma mesma Consciência Coletiva. Todos os seres humanos que vivem na mesma sociedade portam uma mesma consciência coletiva que, contudo, não se confunde com suas consciências individuais. Resta saber, ainda, quanto espaço existe para a consciência individual e quanto espaço existe para a consciência coletiva. - Como o conceito de Fato Social define que tudo o que o ser humano é depende de uma realidade exterior que lhe foi imposta coercitivamente, isto leva à constatação de que o ser humano não tem uma essência ou uma natureza. Ou seja, isto leva à constatação de que tudo o que somos foi socialmente determinado. Este determinismo social acaba por anular a liberdade humana e reduzir o ser humano ao meio social que o construiu. - O Determinismo Social que pode ser deduzido do conceito de Fato Social, acaba levando à constatação de que os argumentos de Durkheim explicam bem o modo como a sociedade se reproduz tal qual ela é, todavia, este tipo de argumentação é frágil para demonstrar o modo pela qual a vida social se transforma. E, deve-se reconhecer que a vida social se transforma ao mesmo tempo que se mantém, de maneira que um conceito que só valoriza um destes aspectos acaba sendo um conceito falho. Entre outras, a questão que Durkheim se colocava é a seguinte: o que faz as pessoas ficarem juntas? Para responder à este questionamento, ele desenvolveu as noções de solidariedade mecânica e solidariedade orgânica. Solidariedade mecânica: Para ele a solidariedade mecânica é característica das sociedades ditas "primitivas" ou "arcaicas", ou seja, em agrupamentos humanos de tipo tribal formado por clãs. Nestas sociedades, os indivíduos que a integram compartilham das mesmas noções e valores sociais tanto no que se refere às crenças religiosas como em relação aos interesses materiais necessários a subsistência do grupo. São justamente essa correspondência de valores que irão assegurar a coesão social. Isto é, as pessoas se mantém unidas pela semelhança. Solidariedade orgânica: De modo distinto, existe a solidariedade orgânica que é a do tipo que predomina nas sociedades ditas "modernas" ou "complexas" do ponto de vista da maior diferenciação individual e social (o conceito deve ser aplicado às sociedades capitalistas). Além de não compartilharem dos mesmos valores e crenças sociais, os interesses individuais são bastante distintos e a consciência de cada indivíduo é mais acentuada. A divisão econômica do trabalho social é mais desenvolvida e complexa e se expressa nas diferentes profissões e variedade das atividades industriais. 4

5 Isto é, as pessoas se mantém unidas pela diferença individual que acaba por fazer com que cada indivíduo seja interdependente. Segundo Durkheim, há uma tendência de a sociedades humanas caminharem em direção à solidariedade orgânica. Todavia, isto não quer dizer que as formas de solidariedade mecânica desapareçam nas sociedades contemporâneas. Ao definir deste modo o Fato Social, a Consciência Coletiva, a Solidariedade Mecânica e a Solidariedade Orgânica, Durkheim busca explicar a vida social utilizando tais conceitos. Deste modo, o que mais importa é saber usar estes conceitos em situações concretas, bem como saber as consequências de explicar a vida social a partir deles. 4. A Sociologia de Max Weber Max Weber construiu sua teoria sociológica entre o final do século XIX e o início do século XX, portanto, viu de perto as transformações sociais que ocorreram no Ocidente com a consolidação do capitalismo industrial. Diferentemente de Durkheim, Weber procurava as dimensões sociais da experiência humana na própria ação individual das pessoas. Assim, Weber propôs que a sociologia deveria se voltar para as ações sociais. Para este sociólogo, ação social é toda a ação humana dotada de sentido/significado intersubjetivo (isto é, um sentido compartilhado entre vários sujeitos/pessoas). O sentido/significado da ação nos motiva a agir do modo como agimos e a fazer o que fazemos. Ao longo de nossa socialização, aos poucos aprendemos o sentido/significado do mundo e agimos com base neste sentido. Para compreender a ação humana é necessário, portanto, decifrar o sentido/significado que motiva a ação dos seres humanos. O sentido que aprendemos e que motiva nossas ações é resultado de um processo social mais ou menos longo (e com múltiplos aspectos). Tal processo social coloca os seres humanos em disputa pelo significado do mundo social e acaba por definir o sentido geral deste mundo. Um exemplo que podemos destacar deste processo que constrói significados sociais é àquele que Weber observou em sua análise sociológica das religiões. Weber demonstrou como o significado da ação humana no ocidente dependeu muito de um sentido construído no interior de algumas religiões. Weber demonstrou como a doutrina da predestinação e a doutrina da comprovação típicas do calvinismo radical clássico levavam à uma conduta de vida autocontrolada e autocontida, isto é, uma conduta ascética (ou, o que é o mesmo, ascetismo). Segundo a doutrina da predestinação, Deus teria escolhido e predestinado alguns seres humanos para serem salvos enquanto outros estariam predestinados condenados ao inferno (doutrina da predestinação). Como nunca ninguém poderia saber se foi ou não escolhido por Deus, a incerteza levaria o ser humano à buscar durante sua vida cotidiana algumas provas de que Deus o salvou. A melhor forma que o indivíduo pode encontrar para comprovar para si mesmo que Deus o salvou, seria ter uma conduta ascética, isto é, ter uma ação humana autocontida e autocontrolada. A melhor forma de conduta ascética é trabalhar duro, trabalhar arduamente e todo dia. Ao trabalhar desta maneira sóbria e ascética, o ser humano conseguiria comprovar a si mesmo que Deus o escolheu como um salvo. Este tipo de sentido religioso inundou todas as ações no Ocidente pois teria 5

6 incentivado e motivado os seres humanos a trabalhar e acumular dinheiro, ação conexa ao tipo de ação necessária para o desenvolvimento da sociedade capitalista (daí Weber apontar que existiria uma afinidade entre a ética protestante calvinista e o "espírito" o sentido e significado do capitalismo). Evidentemente que outras formas de religião levam à outros tipos de significação do mundo social e, portanto, à outros tipos de ação humana. O importante é perceber como o sentido construído no interior de uma religião pode se esparramar para todas as pessoas e, assim, definir o sentido/significado que motiva a ação das pessoas. Weber procurou construir tipos ideais que seriam espécies de modelos puros de ação. Todas as ações de todas as pessoas combinam estes quatro principais tipos puros de ação, ora enfatizando um dos tipos, ora enfatizando outro tipo. Para Weber as ações humanas podem ser agrupadas em quatro tipos ideais, isto é, em quatro modelos puros (que se combinam aos demais): 1 - ação social afetiva (aqui o agente social age inspirado por afetos e sentimentos, aspectos irracionais e pouco refletidos); 2 - ação social tradicional (aqui o agente social age como sempre fez sem nunca questionar-se as razões pelas quais age de tal maneira); 3 - ação social racional com referência à valores (aqui o agente social se inspira num valor o qual ele atribui muita importância; o sentido da ação do indivíduo é o resultado de uma reflexão que faz com que ele aja em conformidade com aquilo que valoriza); 4 - ação social racional com referência à meios e fins (aqui o agente social se inspira numa finalidade, num objetivo e, por meio da reflexão, ajusta todas as suas ações à este objetivo). Para Weber, os modelos 1 e 2 seriam típicos das relações comunitárias e tradicionais, ao passo que os modelos de ação 3 e 4 predominariam no mundo moderno e racional. No final das contas, todos os tipos de ação coexistem, entretanto, a sociedade ocidental tem historicamente experimentado um processo de racionalização (isto é, os modelos 3 e 4 tendem a predominar) que pode ser descrito como um desencantamento do mundo, isto é, este processo de racionalização pode ser descrito como um enfraquecimento das dimensões mais mágicas, encantadas, afetivas e tradicionais do mundo e um fortalecimento de uma compreensão mais racional do mundo natural e social. Os tipos de ação e os processo de racionalização e modernização tem vínculos com a vida política. Assim, Weber descreveu três formas pelas quais a dominação política pode se estabelecer. Assim, Weber aponta os três tipos puros de dominação legítima: 1 - dominação carismática: é aquela dominação fundada nas habilidades pessoais e quase mágicas daquele que domina. É um aspecto meio mágico, meio encantado e meio afetivo e faz com que os dominados se curvem às ordens do dominante. Ex.: Getúlio Vargas efetuou um tipo de dominação política que tinha um aspecto carismático. 2 - dominação tradicional: é aquela dominação fundada em uma autoridade tradicional que é respeitada sem qualquer questionamento. A autoridade tradicional 6

7 domina e ordena porque sempre o fez e nunca ninguém a questionou. A dominação patriarcal (autoridade paterna) é um tipo de dominação tradicional 3 - dominação burocrático legal: é aquela dominação fundada na autoridade legal de um centro burocrático de poder (por exemplo o Estado) que indica ordens padronizadas que todos devem seguir igualmente. Aqui domina o aspecto racional e moderno das condutas. Para Weber as sociedades ocidentais passaram por um processo de desencantamento do mundo e racionalização que, enfim, levou as relações políticas em direção à burocratização e domínio do poder do Estado e consequentemente à uma perda do poder dos chefes carismáticos e tradicionais. Entretanto, alguns diriam que em países como o Brasil o processo de modernização não se completou, de maneira que toda a vida social dos brasileiros é plasmada e inspirada em aspectos tradicionais e afetivos. Este aspecto nos faz ser uma sociedade pouco moderna mas afetuosa, mas por outro lado ainda faz com que os brasileiros padeçam nas mãos de autoridades carismáticas e tradicionais, patrimonialistas e adeptas da corrupção e do nepotismo. Na ótica weberiana, o tradicionalismo da sociedade brasileira faz com que ainda sejamos vítimas da corrupção e do jeitinho. 7

Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção

Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção de evolução social na compreensão deste sociólogo sobre

Leia mais

Sociologia. Surgimento e principais tópicos. Prof. Alan Carlos Ghedini

Sociologia. Surgimento e principais tópicos. Prof. Alan Carlos Ghedini Sociologia Surgimento e principais tópicos Prof. Alan Carlos Ghedini Podemos entender a sociologia, de modo geral, como a área de estudo que se dedica a entender o comportamento humano em sociedade. São

Leia mais

CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA. Profº Ney Jansen Sociologia

CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA. Profº Ney Jansen Sociologia CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA Profº Ney Jansen Sociologia Ao problematizar a relação entre indivíduo e sociedade, no final do século XIX a sociologia deu três matrizes de respostas a essa questão: I-A sociedade

Leia mais

Clóvis de Barros Filho

Clóvis de Barros Filho Clóvis de Barros Filho Sugestão Formação: Doutor em Ciências da Comunicação pela USP (2002) Site: http://www.espacoetica.com.br/ Vídeos Produção acadêmica ÉTICA - Princípio Conjunto de conhecimentos (filosofia)

Leia mais

Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim. Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes

Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim. Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes Teorias e Perspectivas Sociológicas Funcionalismo: enfatiza que o comportamento humano é governado por estruturas

Leia mais

Professora: Susana Rolim S. Silva

Professora: Susana Rolim S. Silva Professora: Susana Rolim S. Silva Sociólogo, filósofo e antropólogo francês. Conferiu a Sociologia o reconhecimento acadêmico. Considerado por muitos o pai da Sociologia. Sua grande preocupação: estabelecer

Leia mais

1º Anos IFRO. Aula: Conceitos e Objetos de Estudos

1º Anos IFRO. Aula: Conceitos e Objetos de Estudos 1º Anos IFRO Aula: Conceitos e Objetos de Estudos Contextualização Os clássicos da sociologia: 1. Émile Durkhiem 2. Max Weber 3. Karl Marx Objeto de estudo de cada teórico Principais conceitos de cada

Leia mais

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 04. DIREITO NATURAL E DIREITO POSITIVO Prof. Milton Correa Filho

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 04. DIREITO NATURAL E DIREITO POSITIVO Prof. Milton Correa Filho CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito Aula 04 DIREITO NATURAL E DIREITO POSITIVO Prof. Milton Correa Filho 1.Motivação: O que é o que é (Gonzaguinha) -Dialógo de Antigona 2.Apresentação

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. AUGUSTE COMTE E O PENSAMENTO POSITIVISTA Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir do Prado 2013

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. AUGUSTE COMTE E O PENSAMENTO POSITIVISTA Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir do Prado 2013 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO AUGUSTE COMTE E O PENSAMENTO POSITIVISTA Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir do Prado 2013 A Sociologia enquanto ciência Augusto Comte (1798 1857) francês, autor de Catecismo

Leia mais

Durkheim, Weber, Marx e as modernas sociedades industriais e capitalistas

Durkheim, Weber, Marx e as modernas sociedades industriais e capitalistas Durkheim, Weber, Marx e as modernas sociedades industriais e capitalistas Curso de Ciências Sociais IFISP/UFPel Disciplina: Fundamentos de Sociologia Professor: Francisco E. B. Vargas Pelotas, abril de

Leia mais

Liberdade. O comportamento moral: O bem e o mal. A ética hoje O QUE É ÉTICA

Liberdade. O comportamento moral: O bem e o mal. A ética hoje O QUE É ÉTICA Liberdade O QUE É ÉTICA O comportamento moral: O bem e o mal A ética hoje LIBERDADE ÉTICA Primeiro... Supomos que o indivíduo é livre Normas - Diz como devemos agir - PODEMOS agir ou não agir conforme

Leia mais

Modernidade: o início do pensamento sociológico

Modernidade: o início do pensamento sociológico Modernidade: o início do pensamento sociológico Os dois tipos de solidariedade Solidariedade Mecânica Solidariedade Orgânica Laço de solidariedade Consciência Coletiva Divisão social do trabalho Organização

Leia mais

Biografia de Augusto Comte

Biografia de Augusto Comte Biografia de Augusto Comte Augusto Comte nasceu em 19 de janeiro de 1798, em Montpellier, e faleceu em 5 de setembro de 1857, em Paris. Filósofo e auto-proclamado líder religioso, deu à ciência da Sociologia

Leia mais

Durkheim SOCIEDADE HOMEM. Anos 70 ROCOCÓ DETERMINA OPERÁRIOS

Durkheim SOCIEDADE HOMEM. Anos 70 ROCOCÓ DETERMINA OPERÁRIOS Durkheim Durkheim SOCIEDADE Anos 70 OPERÁRIOS ROCOCÓ DETERMINA HOMEM Sociologia Ciências naturais Sociologia Objetividade Relações causais Bases estatísticas Tipologia Social Sociedades de: Solidariedade

Leia mais

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Turma I - 3as e 5as feiras, às 8 h

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Turma I - 3as e 5as feiras, às 8 h UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA Disciplina: INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Turma I - 3as e 5as feiras, às 8 h Professor: Prof. Dr. Sergio B. F. Tavolaro sergiotavolaro@unb.br

Leia mais

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER Professora: Susana Rolim MAX WEBER Sociólogo alemão, nascido em 21 de abril de 1864. Seu primeiro trabalho foi A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1905).

Leia mais

PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA II (CÓD. ENUN60010) PERÍODO: 2 º PERÍODO EXPOSITIVA EXPOSITIVA EXPOSITIVA EXPOSITIVA

PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA II (CÓD. ENUN60010) PERÍODO: 2 º PERÍODO EXPOSITIVA EXPOSITIVA EXPOSITIVA EXPOSITIVA PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA II (CÓD. ENUN60010) PERÍODO: 2 º PERÍODO TOTAL DE SEMANAS: 20 SEMANAS TOTAL DE ENCONTROS: 20 AULAS Aulas Conteúdos/ Matéria Tipo de aula Textos, filmes e outros

Leia mais

Consciência coletiva segundo Émile Durkheim. Sociologia da Comunicação FLUL, Docente: Rita Marquilhas

Consciência coletiva segundo Émile Durkheim. Sociologia da Comunicação FLUL, Docente: Rita Marquilhas Consciência coletiva segundo Émile Durkheim Sociologia da Comunicação FLUL, 23.02.2016 Docente: Rita Marquilhas Bibliografia Durkheim, Émile. 1893. De la division du travail social (capítulo sobre solidariedade

Leia mais

P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I. CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas Total: 80 horas. Professora Doutora Márcia Maria de Oliveira

P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I. CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas Total: 80 horas. Professora Doutora Márcia Maria de Oliveira Curso: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO CÓDIGO DRP30156 P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I HABILITAÇÃO: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PERÍODO 3 CRÉDITOS 06 CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas

Leia mais

Capítulo 10. Modernidade x Pós - Modernidade. O mal estar científico e o mal estar social

Capítulo 10. Modernidade x Pós - Modernidade. O mal estar científico e o mal estar social Capítulo 10 Modernidade x Pós - Modernidade O mal estar científico e o mal estar social Modernidad e As transformações sociais e políticas tornaram o século XIX um cenário de mudanças. Duas grandes revoluções

Leia mais

Positivismo ou sociologia da ordem. Comte e Durkheim

Positivismo ou sociologia da ordem. Comte e Durkheim Positivismo ou sociologia da ordem Comte e Durkheim Por que a palavra positivismo? Positivo: o que é palpável, baseado nos fatos; o que pode ser observado. Para Comte, o termo positivo designa o real em

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

3º ANO / PRÉVEST PROF. Abdulah

3º ANO / PRÉVEST PROF. Abdulah 3º ANO / PRÉVEST PROF. Abdulah QUEM FOI DURKHEIM? BIOGRAFIA Francês, nascido em Épinal, em 1858. Inaugurou o estudo da Sociologia. CONTEXTO / INFLUÊNCIAS Revolução Industrial / Neocolonialismo. Influenciado

Leia mais

CONHECIMENTO, REALIDADE E VERDADE

CONHECIMENTO, REALIDADE E VERDADE CONHECIMENTO, REALIDADE E VERDADE SERÁ QUE TUDO QUE VEJO É REAL e VERDADEIRO? Realidade Realismo A primeira opção, chamada provisoriamente de realismo : supõe que a realidade é uma dimensão objetiva,

Leia mais

AULA AO VIVO. Professora Laira Pinheiro

AULA AO VIVO. Professora Laira Pinheiro AULA AO VIVO Professora Laira Pinheiro Folha de São Paulo, São Paulo, 28 out., 1993, pg.6, cad.4. Você sabe o que é ética? Será que ela tem preço? Qual é o seu valor? A ética está em crise? Vivemos numa

Leia mais

Ética profissional e Técnicas de Guiamento

Ética profissional e Técnicas de Guiamento MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Ética profissional e Técnicas de Guiamento Maria Helena Alemany

Leia mais

DATA: / / 2015 III ETAPA AVALIAÇÃO DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 9.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: ALUNO(A): N.º: TURMA: ALUNO(A): N.º: TURMA: O SER HUMANO

DATA: / / 2015 III ETAPA AVALIAÇÃO DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 9.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: ALUNO(A): N.º: TURMA: ALUNO(A): N.º: TURMA: O SER HUMANO SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: / / 205 III ETAPA AVALIAÇÃO DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 9.º ANO/EF PROFESSOR(A): VALOR: 0,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO:

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão B Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.Dizer que a filosofia é uma atividade reflexiva é afirmar que: a) A filosofia é um saber puramente racional. b) A filosofia é um método puramente

Leia mais

1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO 1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Um relato supõe uma seleção de fatos a partir da sua relevância, por critérios estabelecidos por alguém. Como ele o estuda? Porque? Quais os pressupostos teóricos

Leia mais

09/05/2012. Os Clássicos da Sociologia. Os Clássicos da Sociologia. Características de um clássico EMILE DURKHEIM Objeto da Sociologia

09/05/2012. Os Clássicos da Sociologia. Os Clássicos da Sociologia. Características de um clássico EMILE DURKHEIM Objeto da Sociologia OS CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA : MARX, DURKHEIM E WEBER OS CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA: DURKHEIM, WEBER E MARX Características de um clássico Seja considerado interprete autêntico e único de seu tempo, cuja obra

Leia mais

PRINCÍPIOS ÉTICOS FUNDAMENTAIS Fábio Konder Comparato. I Introdução

PRINCÍPIOS ÉTICOS FUNDAMENTAIS Fábio Konder Comparato. I Introdução 1 A felicidade PRINCÍPIOS ÉTICOS FUNDAMENTAIS Fábio Konder Comparato I Introdução Objetivo supremo da vida humana: aquele que escolhemos por si mesmo, não como meio de alcançar outros fins. A felicidade

Leia mais

A FORMAÇÃO DO CAPITALISMO E SUAS FASES MÓDULO 02

A FORMAÇÃO DO CAPITALISMO E SUAS FASES MÓDULO 02 A FORMAÇÃO DO CAPITALISMO E SUAS FASES MÓDULO 02 Sistema político econômico que tem como principal foco a acumulação de capitais, ou seja, moedas, recursos ou produtos que de alguma forma representem o

Leia mais

Pensamento do século XIX

Pensamento do século XIX Pensamento do século XIX SÉCULO XIX Expansão do capitalismo e novos ideais De acordo com a periodização tradicional, considera-se a Revolução Francesa o marco inicial da época contemporânea. Esse movimento

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 Índice 1. Ética Geral...3 1.1 Conceito de ética... 3 1.2 O conceito de ética e sua relação com a moral... 4 2 1. ÉTICA GERAL 1.1 CONCEITO DE ÉTICA Etimologicamente,

Leia mais

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia O que caracteriza a consciência mítica é a aceitação do destino: Os costumes dos ancestrais têm raízes no sobrenatural; As ações humanas são determinadas pelos

Leia mais

Filosofia Iluminista. Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p Unidade 08. Capítulo 05: pg

Filosofia Iluminista. Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p Unidade 08. Capítulo 05: pg Filosofia Iluminista Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p.57-58 Unidade 08. Capítulo 05: pg. 442-446 Filosofia da Ilustração ou Iluminismo (meados do século XVIII ao começo do século

Leia mais

A ORDEM GEOPOLÍTICA BIPOLAR

A ORDEM GEOPOLÍTICA BIPOLAR A ORDEM GEOPOLÍTICA BIPOLAR CAPITALISMO X SOCIALISMO Economia de mercado lei da oferta e procura; Propriedade privada dos meios de produção; Obtenção de lucro; Sociedade dividida em classes sociais; Trabalho

Leia mais

Sociologia Prof. Fernando César Silva. ÉTICA PROTESTANTE Max Weber

Sociologia Prof. Fernando César Silva. ÉTICA PROTESTANTE Max Weber Sociologia Prof. Fernando César Silva ÉTICA PROTESTANTE Max Weber A França desenvolveu seu pensamento social sob influência da filosofia positivista. Como potência emergente nos séculos XVII e XVIII foi,

Leia mais

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE Viver é isto: ficar se equilibrando o tempo todo entre escolhas e consequências Jean Paul Sartre Jean-Paul Sartre - Paris, 1905 1980.

Leia mais

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação Semana I Prof. Ms. Joel Sossai Coleti O que é? O que é? Filosofia: disciplina que tem como objeto

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Períodos Históricos da Filosofia Filosofia Grega ou Antiga (Séc. VI a.c. ao VI d.c.) Filosofia Patrística (Séc. I ao VII) Filosofia

Leia mais

Durkheim. Durkheim. Tipologia Social. Sociologia. Consciência Coletiva. Divisão Social do Trabalho SOCIEDADE HOMEM

Durkheim. Durkheim. Tipologia Social. Sociologia. Consciência Coletiva. Divisão Social do Trabalho SOCIEDADE HOMEM Durkheim Durkheim SOCIEDADE Anos 70 OPERÁRIOS ROCOCÓ DETERMINA HOMEM Ciências naturais Tipologia Social Sociedades de: Solidariedade Mecânica (SSM): arcaicas Solidariedade Orgânica (SSO): avançadas Objetividade

Leia mais

Ciência, Tecnologia e sociedade

Ciência, Tecnologia e sociedade Ciência, Tecnologia e sociedade [Aula 2] Qual conhecimento? profa. Maria Caramez Carlotto SCB 2 quadrimestre de 2016 Qual conhecimento? [Aula 2] Quinta-feira, 09 de junho de 2016 Qual conhecimento? Texto

Leia mais

Teoria de Karl Marx ( )

Teoria de Karl Marx ( ) Teoria de Karl Marx (1818-1883) Professora: Cristiane Vilela Disciplina: Sociologia Bibliografia: Manual de Sociologia. Delson Ferreira Introdução à Sociologia. Sebastião Vila Sociologia - Introdução à

Leia mais

Sociologia 23/11/2015 PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO

Sociologia 23/11/2015 PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO Sociologia Professor Scherr PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO Comunismo primitivo os homens se unem para enfrentar os desafios da natureza. Patriarcal domesticação de animais, uso

Leia mais

Aula 5: Precursores e modelos clássicos de análise e compreensão da sociedade: o Darwinismo social e o pensamento de Augusto Comte.

Aula 5: Precursores e modelos clássicos de análise e compreensão da sociedade: o Darwinismo social e o pensamento de Augusto Comte. Aula 5: Precursores e modelos clássicos de análise e compreensão da sociedade: o Darwinismo social e o pensamento de Augusto Comte. CCJ0001 - Fundamentos de Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman Centro

Leia mais

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.1

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.1 Capacitação em Educação em Direitos Humanos FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.1 1 FUNDAMENTOS HISTÓRICO-FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Direitos Humanos: sua origem e natureza

Leia mais

10/03/2010 CAPITALISMO NEOLIBERALISMO SOCIALISMO

10/03/2010 CAPITALISMO NEOLIBERALISMO SOCIALISMO CAPITALISMO NEOLIBERALISMO SOCIALISMO Uma empresa pode operar simultaneamente em vários países, cada um dentro de um regime econômico diferente. 1 A ética não parece ocupar o papel principal nos sistemas

Leia mais

FILOSOFIA MODERNA (XIV)

FILOSOFIA MODERNA (XIV) FILOSOFIA MODERNA (XIV) CORRENTES EPSTEMOLÓGICAS (I) Racionalismo Inatismo: existem ideias inatas, ou fundadoras, de onde se origina todo o conhecimento. Ideias que não dependem de um objeto. Idealismo:

Leia mais

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão A Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.A filosofia não é uma ciência: a) Porque a filosofia consiste na procura do conhecimento factual. b) Porque os problemas e métodos da filosofia

Leia mais

Cap. 2 - O BEM E A FELICIDADE. Ramiro Marques

Cap. 2 - O BEM E A FELICIDADE. Ramiro Marques Cap. 2 - O BEM E A FELICIDADE Ramiro Marques A maior parte das pessoas identificam o bem com a felicidade, mas têm opiniões diferentes sobre o que é a felicidade. Será que viver bem e fazer o bem é a mesma

Leia mais

Sociologia I Prof.: Romero. - Definição - Contexto - A. Comte - Durkheim

Sociologia I Prof.: Romero. - Definição - Contexto - A. Comte - Durkheim Sociologia I Prof.: Romero - Definição - Contexto - A. Comte - Durkheim Quem não se movimenta não sente as correntes que o prendem Rosa Luxemburgo (1871-1919) [imaginação Sociológica] Ao utilizar este

Leia mais

SUMÁRIO DETALHADO 1 A PERSPECTIVA SOCIOLÓGICA...1

SUMÁRIO DETALHADO 1 A PERSPECTIVA SOCIOLÓGICA...1 SUMÁRIO DETALHADO 1 A PERSPECTIVA SOCIOLÓGICA...1 O que é sociologia?...2 A imaginação sociológica...2 A sociologia e as ciências sociais...3 Sociologia e senso comum...5 O que é teoria sociológica?...6

Leia mais

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça?

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça? Hans Kelsen Prof. Nogueira O que é Justiça? Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 12) Segundo Marx,as relações de produção ou a natureza da produção e a organização do trabalho, determinam a organização de uma sociedade em um específico momento histórico. Em relação ao pensamento de

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: SOCIOLOGIA GERAL E JURÍDICA Código da Disciplina: Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 2º Faculdade responsável: DIREITO Programa em vigência a partir de:

Leia mais

A ORIGEM DA FILOSOFIA

A ORIGEM DA FILOSOFIA A ORIGEM DA FILOSOFIA UMA VIDA SEM BUSCA NÃO É DIGNA DE SER VIVIDA. SÓCRATES. A IMPORTÂNCIA DOS GREGOS Sob o impulso dos gregos, a civilização ocidental tomou uma direção diferente da oriental. A filosofia

Leia mais

Processo Seletivo de Acesso à Educação Superior PAES/ DOCV/PROG/UEMA FILOSOFIA

Processo Seletivo de Acesso à Educação Superior PAES/ DOCV/PROG/UEMA FILOSOFIA FILOSOFIA 1. Sobre o evento Rock In Rio, o cantor da banda U2, Bono Vox, afirmou o seguinte: O Brasil está no centro do mundo. Esta é uma afirmação sobre a atuação do Brasil no cenário político mundial?

Leia mais

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES GRÉCIA, SÉC. V a.c. Reflexões éticas, com um viés político (da pólis) _ > como deve agir o cidadão? Nem todas as pessoas eram consideradas como cidadãos Reflexão metafísica: o que é a virtude? O que é

Leia mais

1) Observe a imagem a seguir, leia o trecho abaixo e depois responda às questões a e b.

1) Observe a imagem a seguir, leia o trecho abaixo e depois responda às questões a e b. PROVA DE HISTÓRIA GRADUAÇÃO FEV/2005 PG 1 1) Observe a imagem a seguir, leia o trecho abaixo e depois responda às questões a e b. Interior da nave da catedral de Notre-Dame de Laon, século XII Os esforços

Leia mais

Trabalho e socialismo Trabalho vivo e trabalho objetivado. Para esclarecer uma confusão de conceito que teve consequências trágicas.

Trabalho e socialismo Trabalho vivo e trabalho objetivado. Para esclarecer uma confusão de conceito que teve consequências trágicas. Trabalho e socialismo Trabalho vivo e trabalho objetivado Para esclarecer uma confusão de conceito que teve consequências trágicas. 1 Do trabalho, segundo Marx Há uma frase de Marx nos Manuscritos de 1861-63

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

Colégio Madre Carmen Sallés

Colégio Madre Carmen Sallés Colégio Madre Carmen Sallés Educação Infantil Ensino Fundamental Ensino Médio Desde 1962 evangelizando através da educação em Brasília DF AV. L2 NORTE QUADRA 604 Bloco D Tel: 3223-2863 www.carmensalles.com.br

Leia mais

Gestão de Produção Aula1: Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena

Gestão de Produção Aula1: Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena Gestão de Produção Aula1: Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção Prof. Valdir Tavares de Lucena »Vamos começar relembrando algumas teorias administrativas... 2 EVOLUÇÃO HISTÓRICA Pré-história

Leia mais

Filosofia e Sociologia PROFESSOR: Alexandre Linares

Filosofia e Sociologia PROFESSOR: Alexandre Linares AULA 1 - Sociologia Filosofia e Sociologia PROFESSOR: Alexandre Linares 1 Sociologia Uma ciência que tem a totalidade da vida social do homem como sua esfera. Leonard Hobhouse (1864-1929) Sociologia Origens

Leia mais

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I 1.1 1.2 1.3 Conhecimento filosófico, religioso, científico e senso comum. Filosofia e lógica. Milagre Grego.

Leia mais

Teoria Realista das Relações Internacionais (I)

Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Janina Onuki janonuki@usp.br BRI 009 Teorias Clássicas das Relações Internacionais 25 de agosto de 2016 Realismo nas RI Pressuposto central visão pessimista

Leia mais

O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS

O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS 1. O CONHECIMENTO é uma relação que se estabelece entre o sujeito que conhece e o objeto conhecido. O sujeito que conhece se apropria, de certo modo, do objeto conhecido. Através

Leia mais

REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO

REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO www.infoescola.com Revolução da técnica Introduz Forma eficiente de padronizar a mercadoria Menor tempo Menor custo Agrupamento de trabalhadores

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA 1º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA 1º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA 1º PERÍODO FIL02457 - FILOSOFIA POLÍTICA I (60 h, OBR) O homem e sua ação política. A noção de polis no pensamento grego antigo e seus desdobramentos

Leia mais

Agora vamos assistir a uma Apresentação Narrada sobre o Positivismo. Ao final desta espera-se que você aprenda sobre as características do

Agora vamos assistir a uma Apresentação Narrada sobre o Positivismo. Ao final desta espera-se que você aprenda sobre as características do Agora vamos assistir a uma Apresentação Narrada sobre o Positivismo. Ao final desta espera-se que você aprenda sobre as características do positivismo como forma de análise sociológica. Análise que pretende

Leia mais

1. Ensino Fundamental. O cotidiano europeu no século XVI Haydn Middleton Coleção Povos do passado São Paulo: Melhoramentos, 1992.

1. Ensino Fundamental. O cotidiano europeu no século XVI Haydn Middleton Coleção Povos do passado São Paulo: Melhoramentos, 1992. APÊNDICE 02 LIVROS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA QUE CONTEXTUALIZAM A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA DO PONTO DE VISTA HISTÓRICO, SOCIAL, CULTURAL, FILOSÓFICO, POLÍTICO E ECONÔMICO. 1. Ensino Fundamental O cotidiano

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 6 semestres. Prof. Dr. Jaimir Conte

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 6 semestres. Prof. Dr. Jaimir Conte Habilitação: Bacharelado e Licenciatura em Filosofia Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Renovação Atual de Reconhecimento - Port. nº286/mec de 21/12/12-DOU 27/12/12.Curso reconhecido pelo Decr.

Leia mais

Filosofia (aula 20) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 20) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 20) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Teorias Éticas - Antropocentrismo; - Reflexão Filosófica; - Ascensão da Burguesia; - Surgimento do Capitalismo; - Visa tornar-se senhor da

Leia mais

Curso Aprendizes do Evangelho 1º Ano. Aula 1 Evolução da Religiosidade através dos tempos

Curso Aprendizes do Evangelho 1º Ano. Aula 1 Evolução da Religiosidade através dos tempos Curso Aprendizes do Evangelho 1º Ano Aula 1 Evolução da Religiosidade através dos tempos Texto para reflexão Pão Nosso Item 41 No Futuro Quem aqui gosta de manga? Prefere comprida ou curta? Evolução da

Leia mais

TEORIAS SOCIALISTAS MOVIMENTOS OPERÁRIOS NO SÉCULO XIX.

TEORIAS SOCIALISTAS MOVIMENTOS OPERÁRIOS NO SÉCULO XIX. TEORIAS SOCIALISTAS MOVIMENTOS OPERÁRIOS NO SÉCULO XIX 1. DEFINIÇÃO Ideais críticos ao capitalismo industrial. Crítica à propriedade privada (meios de produção). Crítica à desigualdade na distribuição

Leia mais

O novo Organum crítica a obra de Aristóteles, reinterpreta sua obra ordem do universo

O novo Organum crítica a obra de Aristóteles, reinterpreta sua obra ordem do universo FRANCIS BACON . Nasceu em Londres em 1561, filho de, filho de Sir Nicholas Bacon, lorde tabelião da rainha Elisabeth, Francis Bacon gozou do privilégio de ser introduzido na corte desde pequeno. Em 1584

Leia mais

Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB

Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB CURSO DE TECNOLOGIA Metodologia Científica A Atitude Científica As Concepções de Ciência A Ciência na História Classificações de Ciência Tipos de Conhecimentos

Leia mais

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade Ficha de filosofia A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas Fundamento e critérios da moralidade Ética deontológica Ética consequencialista Respeito

Leia mais

Aula 6: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Émile Durkheim (I).

Aula 6: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Émile Durkheim (I). Aula 6: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Émile Durkheim (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

Ética Política e Cidadania. Aula 4

Ética Política e Cidadania. Aula 4 Ética Política e Cidadania Aula 4 Política e Cidadania. As Relações Humanas e o Poder!!! Existe disputas entre vontades e interesses? Quem vence esse conflito? É o PODER: A capacidade de transformar as

Leia mais

HISTÓRIA. Professores: André, Guga, Pedro

HISTÓRIA. Professores: André, Guga, Pedro HISTÓRIA Professores: André, Guga, Pedro Questão esperada sobre Mundo Islâmico (Idade Média). A resposta correta, letra A, fala sobre o expansionismo da cultura islâmica. A obra de Avicena, muito famosa,

Leia mais

Professor Roberson Calegaro

Professor Roberson Calegaro L I B E R D A D E L I B Ousadia E R D A D E Liberdade, em filosofia, pode ser compreendida tanto negativa quanto positivamente. Negativamente: a ausência de submissão; isto é, qualifica a ideia de que

Leia mais

Geopolítica. foi criado pelo cientista. político sueco Rudolf Kjellén, no início do século. XX, inspirado pela obra de Friedrich Ratzel,

Geopolítica. foi criado pelo cientista. político sueco Rudolf Kjellén, no início do século. XX, inspirado pela obra de Friedrich Ratzel, Geopolítica O termo foi criado pelo cientista político sueco Rudolf Kjellén, no início do século XX, inspirado pela obra de Friedrich Ratzel, Politische Geographie (Geografia Política), de 1897. Geopolítica

Leia mais

TRÊS VISÕES SOBRE A SOCIEDADE MODERNA: positivismo, racionalismo, materialismo-histórico SOCIOLOGIA DE ÉMILE DURKHEIN ( )

TRÊS VISÕES SOBRE A SOCIEDADE MODERNA: positivismo, racionalismo, materialismo-histórico SOCIOLOGIA DE ÉMILE DURKHEIN ( ) TRÊS VISÕES SOBRE A SOCIEDADE MODERNA: positivismo, racionalismo, materialismo-histórico SOCIOLOGIA DE ÉMILE DURKHEIN (1858-1917) Compreender a sociedade moderna = observar as diferentes contribuições

Leia mais

Fil. Semana. Lara Rocha (Debora Andrade)

Fil. Semana. Lara Rocha (Debora Andrade) Fil. Semana 2 Lara Rocha (Debora Andrade) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. CRONOGRAMA 17/02

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 3 INTRODUÇÃO Este trabalho enfoca o tema epistemologia crítica e foi elaborado segundo a técnica de resumo do texto com

Leia mais

» As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história

» As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história Denis Hendrick » As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história» A palavra cultura não tem equivalente na maioria das línguas orais.

Leia mais

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder!

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder! Estado moderno! Europa e Estados Unidos! Centralização crescente e politização do poder! Na estrutura feudal da Idade Média, o poder ainda era uma relação de direito privado no sentido de dependência pessoal

Leia mais

O conceito ética. O conceito ética. Curso de Filosofia. Prof. Daniel Pansarelli. Ética filosófica: conceito e origem Estudo a partir de Aristóteles

O conceito ética. O conceito ética. Curso de Filosofia. Prof. Daniel Pansarelli. Ética filosófica: conceito e origem Estudo a partir de Aristóteles Curso de Filosofia Prof. Daniel Pansarelli Ética filosófica: conceito e origem Estudo a partir de Aristóteles O conceito ética Originado do termo grego Ethos, em suas duas expressões Êthos (com inicial

Leia mais

O ENFOQUE COMPORTAMENTAL NA ADMINISTRAÇÃO

O ENFOQUE COMPORTAMENTAL NA ADMINISTRAÇÃO O ENFOQUE COMPORTAMENTAL NA ADMINISTRAÇÃO Desde o início da moderna sociedade industrial, percebeu-se a importância do comportamento e sentimentos das pessoas para a produção e desempenho das organizações

Leia mais

O Código do Direito de Autor. Síntese e conselhos éticos na utilização da informação

O Código do Direito de Autor. Síntese e conselhos éticos na utilização da informação O Código do Direito de Autor Síntese e conselhos éticos na utilização da informação Direito de Autor É um Direito Fundamental (Constituição da República). Visa a proteção das criações intelectuais. Legislação

Leia mais

CAPÍTULO: 38 AULAS 7, 8 e 9

CAPÍTULO: 38 AULAS 7, 8 e 9 CAPÍTULO: 38 AULAS 7, 8 e 9 SURGIMENTO Com as revoluções burguesas, duas correntes de pensamento surgiram e apimentaram as relações de classe nos séculos XIX e XX: o Liberalismo e o Socialismo. O LIBERALISMO

Leia mais

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( )

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( ) TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant (1724-1804) Obras de destaque da Filosofia Kantiana Epistemologia - Crítica da Razão Pura (1781) Prolegômenos e a toda a Metafísica Futura (1783) Ética - Crítica da

Leia mais

Acesso ao enensino superior no Brasil: uma questão de classe. André Junqueira Caetano PPGCS PUC Minas Agosto 2008

Acesso ao enensino superior no Brasil: uma questão de classe. André Junqueira Caetano PPGCS PUC Minas Agosto 2008 Acesso ao enensino superior no Brasil: uma questão de classe André Junqueira Caetano PPGCS PUC Minas Agosto 2008 Estrutura do parlapatório 1. Porquês 2. Classe social e Souza 2010 3. Classe social, Souza

Leia mais

Patrimonialismo, Burocracia e Administração por Objetivos

Patrimonialismo, Burocracia e Administração por Objetivos Patrimonialismo, Burocracia e Administração por Objetivos Três modelos gerenciais básicos e suas respectivas fontes de legitimação nas organizações. Fundamentos da Administração Origens históricas do Patrimonialismo

Leia mais

Comte, Marx, Durkheim e Weber

Comte, Marx, Durkheim e Weber Comte, Marx, Durkheim e Weber Texto e atividade extraída no blog Sociologia aplicada ao aluno Mestres das Ciências Sociais MESTRES DAS CIÊNCIAS SOCIAIS A Sociologia e as demais ciências sociais têm sido

Leia mais

"O verdadeiro é o todo." Georg Hegel

O verdadeiro é o todo. Georg Hegel "O verdadeiro é o todo." Georg Hegel Hegel: o evangelista do absoluto By zéck Biografia Georg Wilhelm F. Hegel (1770-1831) 1831) Nasceu em Stuttgart. Foi colega de Schelling. Influências Spinoza, Kant

Leia mais

O Positivismo de Augusto Comte. Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior

O Positivismo de Augusto Comte. Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior O Positivismo de Augusto Comte Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior Augusto Comte (1798-1857). Um dos pais fundadores da Sociologia. Obras principais: Curso de Filosofia Positiva. 6 volumes. (1830-1842).

Leia mais