Regulação e Autoregulação em Saúde: a experiência portuguesa e em países europeus

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulação e Autoregulação em Saúde: a experiência portuguesa e em países europeus"

Transcrição

1 Regulação e Autoregulação em Saúde: a experiência portuguesa e em países europeus Licínio Lopes Martins (Prof. da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra)

2 I Introdução: os sistemas de saúde no contexto Europeu (o modelo Bismarck e o modelo Beveridge) 1. A institucionalização do modelo Bismarck : lançaria as bases organizatórias do primeiro sistema de saúde (e também as bases organizatórias do primeiro sistema nacional de segurança social) Na Alemanha, em 1883, as entidades patronais foram, por lei, obrigadas a contribuir para um esquema de seguro-doença em favor dos trabalhadores mais pobres, tendo, posteriormente, o esquema do seguro-obrigatório, sido alargado aos trabalhadores, que passaram a ser obrigados a contribuir para o esquema-seguro doença, que cobria os riscos de doença temporária, invalidez permanente, velhice e morte prematura.

3 1.1. A racionalidade do modelo de Bismarck: a sua racionalidade económica (e não social). A sua finalidade reside na melhoria dos níveis de saúde dos trabalhadores, de forma a diminuir as perdas de produtividade laboral devido a doença 1.2. A generalização do modelo: no final do século XIX e inícios do século XX, o modelo de sistemas de saúde baseados no esquema jurídico do seguro, sustentado pelo esforço contributivo dos empregados e dos empregadores, viria a ser adoptado por outros países da Europa (p. ex., Áustria, Bélgica, Suíça, França, Luxemburgo e Países Baixos)

4 2. A Segunda Guerra Mundial, as funções sociais do Estado e o modelo Beveridge: a Segunda Guerra Mundial fez repensar o papel e as funções do Estado, designadamente no âmbito das políticas sociais 2.1. O Relatório Beveridge : é neste contexto que, em 1948, com base nas propostas do Relatório Beveridge, é criado, no Reino Unido, o Serviço Nacional de Saúde (National Health Service), de inteira responsabilidade do Estado. O Serviço Nacional de Saúde deveria ser: 1) Completo (no sentido de que deveria dispor todos os cuidados de saúde); 2) Universal (isto é, para toda a população e sem qualquer discriminação económica, social ou geográfica); e 3) Gratuito (pelo menos inicialmente), sendo essencial ou predominantemente financiado com base nos impostos

5 2.2. A generalização do modelo de Beverigde: o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido, concebido segundo o modelo de Beverigde, seria, no essencial, replicado por outros países da Europa (p. ex., Dinamarca, Finlândia, Noruega, Suécia, Grécia, Espanha, Itália e Portugal) 2.3. O modelo de financiamento: o Estado financia os cuidados de saúde e assegura a sua directa prestação à população, nomeadamente através de hospitais e de centros de saúde (p. ex., ao nível das camas hospitalares, a sua grande fatia pertence ao Serviço Nacional de Saúde de responsabilidade exclusiva do Estado: cerca de 90% na Dinamarca, Suécia, Finlândia e Reino Unido; entre 60% e 70% na Itália e Portugal; e entre 50% e 70% na Espanha, Grécia e na Irlanda)

6 Introdução de novos princípios: tem vindo a proceder-se à separação entre as entidades financiadoras/pagadoras e as entidades prestadoras de cuidados de saúde, reflectindo um processo de substituição do modelo modelo integrado - em que o Estado cumulava todas as funções (funções de gestão, prestação e de financiamento) por um modelo estruturalmente contratual Tema do painel: A Autorregulação como Estratégia 2.4. A progressiva introdução de novos métodos de gestão Introdução de métodos e regras de gestão dos agentes privados: em alguns países, desde a década de 90 do século XX, têm vindo a transpor as regras de gestão do mercado para o interior das unidades públicas e a promover a competição destas com as unidades privadas

7 II. Caracterização, neste contexto, do Sistema de Saúde Português 1. O Serviço Nacional de Saúde (criado pela Lei nº 56/79, de 15-9) 2. Serviço Nacional de Saúde e Sistema Nacional de Saúde 2.1. Rede Nacional de Cuidados Diferenciados (hospitais empresa) 2.2. Rede Nacional de Cuidados Primários (Agrupamentos de Centros de Saúde) 2.3. Rede Nacional de Cuidados Paliativos

8 3. A Lei de Bases da Saúde (Lei nº 48/90, de 24 de Agosto): veio enquadrar o papel do SNS num contexto mais diversificado e alargado 3.1. Introdução do conceito experiências inovadoras de gestão : viria a revelar-se revolucionário, constituindo, a partir de então, a base legal para a renovação das formas e dos instrumentos jurídicos de gestão dos estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde 3.2. A valorização dos actores privados: a Lei de Bases da Saúde traria também um novo papel para o sector privado na área da saúde e numa dupla vertente:

9 a) O sector privado da saúde enquanto sector no qual os agentes/operadores actuam na qualidade de privados e no exercício de uma actividade privada; b) E também enquanto agentes que colaboram nas experiências inovadoras de gestão, isto é, enquanto agentes que, contratualmente, podem, na vez e por conta do Estado, assumir a prestação directa de cuidados de saúde e, inclusivamente, ser investidos na gestão de estabelecimentos. O que acontece desde 1995, ano em que a gestão do Hospital Fernando da Fonseca (Hospital Amadora-Sintra), que foi entregue, através de um contrato de gestão, a uma entidade privada Vejamos, neste quadro, qual o papel do sector privado na saúde:

10 III - O papel do sector privado da saúde no sistema de saúde português: de sector meramente complementar do Serviço Nacional de Saúde a sector concorrencial com os estabelecimentos deste Serviço Nacional 1. A crescente importância dos agentes privados na gestão de estabelecimentos públicos de saúde e na prestação do serviço público de saúde 1.1. A contratação da prestação de cuidados de saúde aos agentes privados (lucrativos e não lucrativos), designadamente através do regime das convenções (Decreto-Lei n.º 139/2013, de 9 de Outubro)

11 1.2. A contratação da prestação de cuidados de saúde aos agentes privados (lucrativos e não lucrativos) no combate às listas de espera para cirurgia (Sistema de Gestão de Inscritos para Cirurgia - SIGIC) 1.3. O financiamento e a gestão de estabelecimentos públicos pelos actores privados da saúde: as parcerias público-privadas em saúde (Decreto-Lei n.º 185/2002, de 20 de Agosto) 1.4. A Rede Nacional de Cuidados Paliativos e o papel (essencial) das entidades do terceiro sector ( sector da economia social ). Lei n.º 52/2012, de 5 de Setembro (Lei de Bases dos Cuidados Paliativos)

12 2. A crescente relevância do sector privado da saúde (não obstante os utentes do Serviço Nacional de Saúde ainda - não disponham de plena liberdade de escolha): a regulação da concorrência entre o mercado público da saúde e o mercado privado da saúde e dentro do mercado privado da saúde 2.1. A liberdade de acesso ao exercício da actividade privada na área da saúde (excepto quanto aos requisitos habilitacionais): - liberdade de acesso na área da medicina geral e familiar; - liberdade de acesso em todas as especialidades da medicina; e - liberdade de acesso na área dos meios complementares de diagnóstico e terapêutica

13 2.2. A regulação do acesso: o licenciamento e o registo das unidades de saúde privadas pela Entidade Reguladora da Saúde (o Decreto-lei n.º 126/2014, de 22-8, que aprovou os novos - Estatutos da Entidade Reguladora da Saúde ERS, e o Decreto-lei n.º 127/2014, de 22-8, que aprovou o regime de licenciamento das unidades de saúde privadas) Licenciamento: a abertura e funcionamento de uma unidade privada de saúde dependem da verificação dos requisitos técnicos de funcionamento aplicáveis a cada uma das tipologias (p. ex., medicina dentária, oftalmologia, etc.), definidos por portaria do membro do Governo responsável pela área da saúde

14 a) Licenciamento simplificado por mera comunicação prévia: os interessados iniciam a actividade através de uma declaração electrónica na qual se responsabiliza pelo cumprimento integral dos requisitos de funcionamento exigíveis para a actividade que se propõem exercer (assim sucede com: clínicas e consultórios dentários; clínicas e consultórios médicos; centros de enfermagem; unidades de medicina física e reabilitação; unidades de radiologia) b) Licenciamento ordinário: é aplicável a todas as outras entidades privadas com cuidados de saúde diferentes daqueles. A licença de funcionamento depende, nestes casos, de uma vistoria prévia, a realizar pela ERS, nos 30 dias subsequentes à data de apresentação do pedido de licença

15 c) Declaração de conformidade: para as entidades da economia social (instituições particulares de solidariedade social) a verificação dos requisitos de funcionamento é titulada por mera declaração de conformidade. O Decreto-Lei n.º 138/2013, de 9-10, define as formas de articulação do Ministério da Saúde e dos estabelecimentos e serviços do Serviço Nacional de Saúde com as instituições particulares de solidariedade social, enquadradas no regime da Lei de Bases da Economia Social 2.3. A regulação do exercício das actividades de saúde pelas unidades privadas de saúde: a regulação pública; a autoregulação pública; e a auto-regulação (privada)

16 Regulação pública feita através de entidades do Estado a) A Entidade Reguladora da Saúde (Decreto-lei n.º 126/2014, de 22-8) i) Regula o acesso ao exercício da actividade privada pelos profissionais legalmente habilitados: isto é, procede ao licenciamento das unidades privadas de saúde e de consultórios nos termos que antes referimos ii) Fiscaliza e supervisiona o exercício da actividade (p. ex., preços, práticas anti concorrenciais, respeito pelos direitos dos utentes, cumprimentos de normas de qualidade e de boas práticas) iii) Sanciona os infractores

17 b) Inspecção Geral das Actividades em Saúde (Decreto-Lei n.º 33/2012 de 13-2) i) Realiza: inspecções temáticas, normativas e à qualidade; auditorias de gestão, financeiras e técnicas, acções de fiscalização, verificação ou acompanhamento e outras não tipificadas destinadas à prevenção e detecção da corrupção e da fraude; ii) Determina: providências que em cada caso se justifiquem para prevenir ou eliminar as situações de que possa resultar perigo grave para a saúde das pessoas

18 Auto-regulação pública das ordens profissionais (associações públicas profissionais p. ex., Ordem dos Médicos, Ordem dos Médicos Veterinários, Ordem dos Médicos Dentistas, Ordem dos Farmacêuticos, Ordem dos Enfermeiros, Ordem dos Psicólogos, Ordem dos Biólogos, Ordem dos Nutricionistas) A auto-regulação privada A APHP - Associação Portuguesa de Hospitalização Privada A auto-regulação das associações mutualistas: a crescente importância destas entidades privadas sem fins lucrativos

19 A auto-regulação contratual, ainda que sob a supervisão de uma autoridade pública reguladora (o Instituto de Seguros de Portugal) a) Os seguros de saúde (planos de saúde baseados em seguros) têm o seu regime no Decreto-Lei n.º 72/2008, de 16 de Abril (Lei do Contrato de Seguro). A dados de 2007, o número de pessoas abrangidas ascendia já a cerca de dois milhões

20 b) O sistema privado de assistência/saúde baseado em seguros de saúde pode funcionar em articulação com o SNS: pois Estatuto do SNS, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 11/93, de 15 de Janeiro, aplica-se às instituições e serviços que constituem o Serviço Nacional de Saúde e às entidades particulares e profissionais em regime liberal integradas na rede nacional de prestação de cuidados de saúde, quando articuladas com o Serviço Nacional de Saúde (artigo 2.º)

21 c) Este mesmo Estatuto, contem um capítulo dedicado ao «Seguro alternativo de saúde»: estabelece que podem ser celebrados contratos de seguro por força dos quais as entidades seguradoras assumam, no todo ou em parte, a responsabilidade pela prestação de cuidados de saúde aos beneficiários do SNS, salvaguardando-se sempre o direito de opção dos beneficiários

22 d) O seguro de saúde pode ser contratado como seguro/plano individual ou de seguro/plano de grupo (artigo 176.º), sendo individual quando esteja em causa uma das seguintes situações: a) Uma pessoa individualmente considerada; b) Agregado familiar; c) Conjunto de pessoas vivendo em economia comum

23 e) Seguros de grupo: no sistema português de seguros de saúde, o seguro de grupo tem tanta importância como o seguro individual, já que muitas empresas oferecem seguros de saúde para os seus trabalhadores e assumem o pagamento do prémio no todo ou em parte, ficando o remanescente do valor do prémio a cargo do segurado trabalhador, podendo incluir na cobertura do seguro os membros do agregado familiar f) Tendência da evolução: a complementaridade dos seguros/planos de saúde com o SNS tende a ser cada vez mais geral e universal, possibilitando-se aos cidadãos a contratação dos serviços mais apropriados às suas necessidades

24 e) Cumulação de seguros: para os seguros de pessoas permite-se cumulação de seguros g) Mas os seguros/planos de saúde individuais ou de grupo constituem uma prática comum à generalidade dos países europeus, com modalidades que podem variar entre seguros/planos de enfermidade e de assistência sanitária e seguros de dependência ou ambos simultaneamente Por último, temos os sistemas mistos de autoregulação pública e de auto-regulação privada: os subsistemas de saúde (alguns deles também baseados em seguros/planos de saúde privados e profissionais)

25 IV Em síntese, em Portugal, temos a coexistência de diversos sistemas sobreponíveis: - o Serviço Nacional de Saúde; - os esquemas especiais de seguro para determinadas profissões (subsistemas de saúde); - os seguros voluntários de saúde privados - o sector cooperativo e social, em especial as associações mutualistas É, pois, um sistema misto, com uma combinação de prestadores públicos e privados e de financiamento público e privado

26 V Alguns dados sobre a prestação mista do sistema de saúde português (despesa corrente em saúde em » fonte Instituto Nacional de Estatística, 2013) Despesa corrente hospitalar (em % de milhões de euros) - Hospitais públicos 78% - Hospitais privados 22% (mas com acentuada tendência para crescer) Despesa corrente em prestadores de ambulatório (em % de milhões de euros) - Prestadores públicos - 27% - Prestadores privados 73%

27 VI Alguns dados sobre a rede de prestadores de cuidados de saúde Unidades de cuidados de saúde sem internamento - Públicos 5% -Privados e sector cooperativo e social 95% Meios complementares de diagnóstico - Públicos 1% - Privados 99% Unidades de cuidados de saúde com internamento - Públicos - 42% - Privados - 31% - Sector social - 27%

28 Cuidados Continuados - Públicos 0% - Privados 29% - Sector social 21% Termas Públicos 29% Privados 71% Tema do painel: A Autorregulação como Estratégia Dentistas - Público 0% - Privados - 99% (e sector social 1%)

29 VII - Gestão empresarial em todos os subsectores da saúde - Entidades públicas empresariais (hospitais, Unidades Locais de Saúde) - Parcerias público-privadas - Agente económicos do sector privado - Sector social sem objectivos de lucro VIII - Entidades empresariais são geridas em função de objectivos/ resultados

30 IX Mas há riscos da gestão empresarial na ausência de regulação: 1. Indução artificial da procura (excesso de consumo de serviços de saúde e, portanto, também de despesa) 2. Selecção de utentes, em função das suas características: 2.1. Prestadores: restrições a patologias com pior relação preço/custo de produção Financiadores: restrições de coberturas (implícitas ou explícitas)

31 3. Redução da qualidade dos serviços prestados: 3.1. Com preços predeterminados, a procura de maior rendibilidade passa pela redução dos custos 3.2. Redução dos custos pode ser conseguida à custa da qualidade do serviço X Em face deste quadro de potenciais riscos, quais devem ser os objectivos da intervenção pública no mercado, público e privado, da saúde Vejamos:

32 1. Garantir o acesso universal aos cuidados de saúde 2. Assegurar o financiamento dos cuidados de saúde 3. Supervisão do acesso universal, sem discriminação de utentes 4. Assegurar níveis de qualidade/desempenho (pelo menos, satisfatórios), através: - do licenciamento dos operadores - da avaliação da qualidade dos operadores

33 5. Promover e garantir uma concorrência que produza relação qualidade/preço (pelo menos, satisfatória) 6. Garantia de equidade entre todos os prestadores 7. Promover a capacitação dos utentes (prestação de informação, capacidade de reclamação)

34 XI Outras experiências de países europeus 1. Reino Unido 1.1. Todos os cuidados de saúde do Serviço Nacional de Saúde (National Health System NHS), criado em 1948, sempre foram prestado quer por entidades do sector público quer do sector privado, existindo actualmente uma economia mista, de acordo com a qual qualquer entidade devidamente licenciada pode prestar serviços de saúde para pacientes do NHS

35 1.2. Modelo regulatório As organizações que prestam serviços de saúde são, portanto, reguladas to ensure they meet essential standards : estas entidades têm a responsabilidade de assegurar a qualidade e a segurança dos serviços prestados, e as entidades reguladoras garantem o cumprimento destas obrigações A regulação da saúde no Reino Unido compreende dois elementos essenciais: a) E a regulação do mercado da prestação de serviços de saúde, da responsabilidade do Monitor e do Department of Health:

36 - O Department of Health é responsável pela fixação de uma tarifa nacional para a maior parte das actividades dos hospitais, para encorajar a concorrência com base na qualidade do serviço e não nos custos; - o Monitor foi criado como o regulador sectorial dos serviços de saúde, com o objectivo de protecção e promoção dos interesses dos pacientes, assegurando o funcionamento do mercado no seu benefício;

37 - O Monitor tem os seus poderes delegados pelo Parlamento, que lhe atribui competências para definir e implementar um quadro de regras a aplicar aos prestadores de serviços de saúde e assegurar o bom funcionamento das organizações de mental health and community care, detendo ainda outros poderes (p. ex., emitir licenças aos organismos integrantes do NHS);

38 b) A regulação da qualidade e da segurança do serviço de saúde prestado, actualmente a cargo da Care Quality Commisssion (CQC) A Care Quality Commission é um organismo público que pertence ao Department of Health e trabalha em colaboração com o Monitor e com o Foundation Trust e tem como principal objectivo assegurar que os hospitais, lares, dentistas, clínicas médicas e outros prestadores de serviços de saúde cumprem os padrões de qualidade, segurança e efectividade no exercício das suas funções. Este organismo assume-se como um regulador independente no sector da saúde (e também da acção social no Reino Unido)

39 Ao nível da regulação sectorial para cada área de saúde, temos: - The Medicines and Healthcare Products Regulatory Agency, relativa aos aparelhos médicos e às componentes do sangue; - The Human Tissue Authority, autoridade encarregue do licenciamento e inspecção das organizações que armazenam e utilizam tecidos e órgãos humanos para investigação; - The Human Fertilisation and Embryology Authority, reguladora voltada para os procedimentos de fertilização; - NHS Blood and Transplant, respeitante à colheita de órgãos e testes de sangue; - e a The Health Research Authority, para os centros de investigação

40 Regulação profissional (existe um regulador para cada profissão/especialidade): - General Medical Council (médicos, em geral); - General Optical Council (especialistas dos olhos); - General Dental Council (dentistas); - General Pharmaceutical Council (farmacêuticos); - Nursing and Midwifery Council (enfermeiras e parteiras); - General Chiropractic Council (quiropráticos); - General Osteopathic Council (osteopatas); - Health and Care Professions Council (profissionais da saúde, psicologia e acção social)

41 2. França 2.1. França dispõe igualmente de um sistema de saúde universal, em grande parte financiado pelo Estado através de um sistema de seguro nacional de saúde (em 2005, a França gastou 11,2% do PIB em saúde, um valor muito superior à média de gasto por países da Europa e menor do que os Estados Unidos. Cerca de 77% dos gastos com saúde são cobertos pelo Estado) 2.2. A Haute Autorité de Santé (HAS): é uma entidade pública de carácter independente, criada em Agosto de 2004 com a Loi de Santé

42 É a autoridade responsável por: - garantir a qualidade dos serviços médicos prestados aos pacientes; - garantir a igualdade na prestação do serviço de saúde; - garantir o acesso sustentável aos cuidados tão eficaz e eficiente possível As actividades da HAS vão desde: - a avaliação de medicamentos, de equipamentos técnicos e procedimentos; - até à publicação de guias informativos; e - acreditação de entidades prestadoras de serviços médicos e profissionais da saúde

43 Relativamente às actividades de acreditação e certificação das actividades médicas É a HAS que tem competência para avaliar e melhorar a qualidade do atendimento e segurança do paciente nas unidades de saúde e na prática geral, certificando os estabelecimentos e acreditando os profissionais de saúde, tendo vindo a substituir, desde 2005, a Agence Nationale d'accréditation et d'évaluation en Santé

44 O papel do sector privado a) O sector privado com fins lucrativos assume um papel muito relevante: no ano 2000, 20% das camas para medicina, cirurgia e obstetrícia estavam em hospitais privados com fins lucrativos. Os prestadores de cuidados médicos de ambulatório são, na sua maioria, privados e pagos através de seguros de saúde, de contribuições dos empregadores e trabalhadores, e cada vez mais por impostos sobre o rendimento; também os leitos hospitalares podem ser de natureza pública ou privada

45 b) Considerando que cerca de dois terços dos profissionais da saúde são trabalhadores independentes, a Lei de Reforma de Seguro de Saúde de 2004, estabeleceu uma organização para todos os profissionais de saúde no sector privado - a Union Nationale des Professions de Santé (UNPS). Trata-se de uma organização de cúpula que representa os profissionais de saúde e define a agenda de negociações com os sistemas de saúde; no entanto, não substitui as já existentes organizações profissionais

46 Muito Obrigado pela Vossa atenção! Rio de Janeiro, Licínio Lopes Martins

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde ARTIGO CAP Luís Pereira Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde Cada país da Europa desenvolveu, ao longo de décadas ou de séculos, um modelo de sistemas de saúde que assenta em características

Leia mais

A Entidade Reguladora da Saúde no contexto do Sistema de Saúde

A Entidade Reguladora da Saúde no contexto do Sistema de Saúde A Entidade Reguladora da Saúde no contexto do Sistema de Saúde Jorge Simões 2.ª Conferência Regulação e Inovação, SPQS Porto, 4 de Março de 2011 Outline 1. Regulação Independente da Saúde 2. A Entidade

Leia mais

Os modelos de financiamento da saúde e as formas de pagamento aos hospitais: em busca da eficiência e da sustentabilidade

Os modelos de financiamento da saúde e as formas de pagamento aos hospitais: em busca da eficiência e da sustentabilidade Os modelos de financiamento da saúde e as formas de pagamento aos hospitais: em busca da eficiência e da sustentabilidade Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Agenda Enquadramento

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV DOCUMENTO 3 DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS TITULARES DOS CARTÕES EUROPEUS DE SEGURO DE DOENÇA OU DE DOCUMENTOS EQUIVALENTES NA SEQUÊNCIA DAS ALTERAÇÕES DO PONTO I DA ALÍNEA A)

Leia mais

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Seminário internacional: Inclusão dos cidadãos em políticas públicas de saúde A participação dos cidadãos no sistema de saúde português Mauro Serapioni Centro de

Leia mais

Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português

Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português Objectivos: Construir participativamente e partilhar amplamente uma visão dos determinantes da evolução do sistema de saúde português,

Leia mais

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº./ X CARTA DOS DIREITOS DE ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Exposição de motivos A espera por cuidados de saúde é um fenómeno

Leia mais

A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*)

A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*) A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*) Covilhã, 18 de Maio de 2007 (*) Manuel Delgado 1 AGENDA I Breve Caracterização dos Recursos Humanos da Saúde II As Despesas com Pessoal

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

A Saúde dos Portugueses que caminhos?

A Saúde dos Portugueses que caminhos? A Saúde dos Portugueses que caminhos? APRESENTAÇÃO Universidade A da [CLIENTE] Beira Interior Covilhã, 19.Maio.2007 PAGE 1 AGENDA Serviço Nacional de Saúde Financiamento privado: o caso MultiCare MultiCare

Leia mais

Assistência Médica e Saúde

Assistência Médica e Saúde Assistência Médica e Saúde O Governo da RAEM define e prossegue as linhas de acção governativa de Tratamento seguro e adequado com prioridade para a prevenção em correspondência à directriz de elevar a

Leia mais

José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde

José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde Inclusivo, equitativo, sustentável José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde Auditório do Instituto para a Investigação

Leia mais

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 1. Serviços Comerciais. Subsector. A. Serviços Profissionais. h. Serviços Médicos e Dentários (CPC9312)

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 1. Serviços Comerciais. Subsector. A. Serviços Profissionais. h. Serviços Médicos e Dentários (CPC9312) CEPA 1. A maioria do pessoal médico empregue por hospitais e clínicas que sejam empresas de capitais mistos de Macau e do Continente («joint ventures») pode ser constituída por residentes permanentes de

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

Serviço Nacional de Saúde

Serviço Nacional de Saúde Informação de Custos dos Cuidados de Saúde Serviço Nacional de Saúde A Informação de custos dos Cuidados de Saúde é uma iniciativa do Ministério da Saúde, de abrangência nacional, enquadrada no Programa

Leia mais

Inovação no Financiamento

Inovação no Financiamento Inovação no Financiamento José Mendes Ribeiro Covilhã,18 de Maio de 2007 UBI_JMR_Maio 2007 Três perguntas simples...... de resposta muito complexa! Quem financia, hoje, a SAÚDE? Onde é gasto o dinheiro?

Leia mais

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional - A ligação entre os Fundos de Pensões e o 1 Os Fundos de Pensões em Portugal Início em 1987 Fundos de Pensões

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL Exposição de motivos A necessidade de função de mediação sócio-cultural surgiu da vontade de melhorar a relação entre

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril

Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril (Rectificado, nos termos da Declaração de Rectificação n.º 134/93, publicada no DR, I-A, supl, n.º 178, de 31.07.93) Objecto... 2 Obrigatoriedade do seguro... 2 Seguro

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO

REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO A prestação de serviços ao exterior por docentes com contrato em funções públicas, em regime de dedicação exclusiva,

Leia mais

Sistemas de gestão em confronto no SNS Pág. 1

Sistemas de gestão em confronto no SNS Pág. 1 Sistemas de gestão em confronto no SNS Pág. 1 OS QUATRO SISTEMAS DE GESTÃO ACTUALMENTE EM CONFRONTO NO ÂMBITO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE (SNS) E O PROGRAMA DO PS PARA A SAÚDE RESUMO DESTE ESTUDO Neste momento

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros

Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros Regulamentação dos serviços profissionais Iain Paterson, Marcel Fink, Anthony Ogus et al. Resumo Estudo

Leia mais

Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1

Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1 Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1 A TRANSFORMAÇÃO DOS HOSPITAIS SA EM HOSPITAIS EPE, A PRIVATIZAÇÃO DA SAÚDE EM PORTUGAL E O PROGRAMA DO GOVERNO PS PARA A ÁREA DA SAÚDE RESUMO

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio, E. P. E. rege-se pela legislação e demais normativos aplicáveis às Entidades

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio hospi tais 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? um novo modelo de gestão hospitalar A reflexão sobre um novo modelo de gestão hospitalar não pode deixar de ter em conta a enorme complexidade do sistema em que

Leia mais

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas Começo por cumprimentar os membros deste painel, Professor João Carvalho das Neves,

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

PARECER ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE. Rua S. João de Brito, 621 L 32 4100-455 PORTO TEL.:222 092 350 FAX: 222 092 351. www.ers.pt geral@ers.

PARECER ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE. Rua S. João de Brito, 621 L 32 4100-455 PORTO TEL.:222 092 350 FAX: 222 092 351. www.ers.pt geral@ers. PARECER Na sequência de diversas denúncias e exposições rececionadas pela Entidade Reguladora da Saúde (ERS), e de informações prestadas a título de cooperação institucional 1, sobre prestação de cuidados

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020 ESTATUTOS Artigo Primeiro (Denominação e sede social) 1 - A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina. 2 - A sociedade

Leia mais

Projecto de Lei n.º 408/ X

Projecto de Lei n.º 408/ X Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 408/ X Consagra o processo eleitoral como regra para a nomeação do director-clínico e enfermeiro-director dos Hospitais do Sector Público Administrativo e dos Hospitais,

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril REPE Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril 1 - A enfermagem registou entre nós, no decurso

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO 1. A auto-regulação da publicidade é a resposta da indústria publicitária ao desafio de lidar com as questões

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt Qualidade, Gestão do Risco e Segurança do Doente na Prestação de Cuidados de Saúde Margarida Eiras margarida.eiras@ensp.unl.pt Beja, 25 de Março 2009 Índice Conceitos de Qualidade em Saúde da Qualidade

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA Convénio 10-CO1-005: Fortalecimento dos serviços públicos de saúde nas zonas de intervenção

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI N. o 10/2004 DE 24 DE NOVEMBRO LEI DO SISTEMA DE SAÚDE O funcionamento dum sistema de saúde harmónico e estruturado, que possibilite a efectivação

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Como reclamar de um profissional de saúde. Índice

Como reclamar de um profissional de saúde. Índice Como reclamar de um profissional de saúde Índice Acerca desta brochura... 1 O que é o HPC?... 1 O que significa aptidão para exercer?... 2 E se não ficar satisfeito com um registante?... 2 Quem pode fazer

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI APDSI Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de Hoje SESSÃO

Leia mais

Grupo Parlamentar INQUÉRITO PARLAMENTAR N.º 3/X

Grupo Parlamentar INQUÉRITO PARLAMENTAR N.º 3/X Grupo Parlamentar INQUÉRITO PARLAMENTAR N.º 3/X COMISSÃO EVENTUAL DE INQUÉRITO PARLAMENTAR AO ACOMPANHAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO DO HOSPITAL AMADORA - SINTRA 1 - Em 4 de Junho de 2004, a Administração

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

Workshop on Health Workforce Policy Development for Portuguese Speaking Countries. Sandton, South Africa 17-21/10/ 2005

Workshop on Health Workforce Policy Development for Portuguese Speaking Countries. Sandton, South Africa 17-21/10/ 2005 República de Angola Ministério da Saúde Direcção Nacional de Recursos Humanos Workshop on Health Workforce Policy Development for Portuguese Speaking Countries Sandton, South Africa 17-21/10/ 2005 1 Angola

Leia mais

Desafios da saúde em Portugal

Desafios da saúde em Portugal www.pwc.pt/saude Desafios da saúde em Portugal 2013 Duas agendas simultâneas: cortes e reformas, com sentido Agenda 16.15h Abertura José Alves, Territory Senior Partner 16.15h 16.55h Apresentação do estudo

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL

CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL abril 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança

Leia mais

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA. eu gosto particularmente na Suíça.» sobre o lago e os Alpes, é o que. «Um esplêndido nascer de sol

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA. eu gosto particularmente na Suíça.» sobre o lago e os Alpes, é o que. «Um esplêndido nascer de sol «Um esplêndido nascer de sol sobre o lago e os Alpes, é o que eu gosto particularmente na Suíça.» Claudia Ruisi, parteira, Bélgica VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA + O SISTEMA DE SEGURANÇA SOCIAL NA SUÍÇA +

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÓMICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO Competindo ao Ministério da Educação definir a política educativa e coordenar a sua aplicação, bem como assegurar o funcionamento

Leia mais

OS SEGUROS DE SAÚDE PRIVADOS NO CONTEXTO DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS

OS SEGUROS DE SAÚDE PRIVADOS NO CONTEXTO DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS OS SEGUROS DE SAÚDE PRIVADOS NO CONTEXTO DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS OS SEGUROS DE SAÚDE PRIVADOS NO CONTEXTO DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS INTRODUÇÃO 01 - OS SEGUROS DE SAÚDE PRIVADOS NO CONTEXTO DO

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 27/IX REGIME JURÍDICO DAS TERAPÊUTICAS NÃO CONVENCIONAIS. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 27/IX REGIME JURÍDICO DAS TERAPÊUTICAS NÃO CONVENCIONAIS. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 27/IX REGIME JURÍDICO DAS TERAPÊUTICAS NÃO CONVENCIONAIS Exposição de motivos Nos países europeus para os quais existem estatísticas disponíveis as medicinas não convencionais são utilizadas

Leia mais

Luis Natal Marques, Gebalis EEM

Luis Natal Marques, Gebalis EEM Luis Natal Marques, Gebalis EEM TÓPICOS I. Porquê Responsabilidade Social (RS)? II. As Empresas de Serviços de Interesse Geral (SIGs) III. Mais valias da Responsabilidade Social nas Empresas de Serviço

Leia mais

29/10/12. Cuidados de Saúde Mental: Prioridades, Desafios e Riscos Filipa Palha

29/10/12. Cuidados de Saúde Mental: Prioridades, Desafios e Riscos Filipa Palha 29/10/12 Em parceria com: Sumário Marcos recentes nas políticas de saúde mental em Portugal (1963-2007) Saúde Mental: magnitude do problema PNSM 2007-2011: Da expectativa ao desânimo Reflexões finais COMEMORAÇÕES

Leia mais

A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório

A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório Carta de Ottawa Promoção da saúde: Carta de Ottawa (1986) Processo que visa criar condições

Leia mais

Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos

Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos A Lei n.º115/99, de 3 de Agosto, estabeleceu o regime jurídico das associações representativas dos imigrantes e seus descendentes, prevendo o reconhecimento

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

Compromissos na educação

Compromissos na educação Compromissos na educação Comentário Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Ciclo de Seminários Sextas da Reforma Lisboa, 23 de Maio de 2014 Organização do Banco de Portugal, do Conselho

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º).

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). 3. EDUCAÇÃO Quadro legal O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 205 22 de Outubro de 2009 7933. CAPÍTULO II Regime jurídico Artigo 5.º

Diário da República, 1.ª série N.º 205 22 de Outubro de 2009 7933. CAPÍTULO II Regime jurídico Artigo 5.º Diário da República, 1.ª série N.º 205 22 de Outubro de 2009 7933 CAPÍTULO II Regime jurídico Artigo 5.º Regime aplicável 1 À entidade pública empresarial criada pelo presente decreto -lei aplica -se,

Leia mais

O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS SISTEMAS DE SAÚDE?

O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS SISTEMAS DE SAÚDE? Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0640 Prof. Dr. Paulo Eduardo Elias 2011 Paulo Eduardo Elias Ana Luiza Viana O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS SISTEMAS DE SAÚDE?

Leia mais

Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado.

Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado. 1 Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado. Artigo 25.º, n.ºs 3 e 4 da Lei n.º 50/2012, de 31 de agosto O valor da remuneração do(s)

Leia mais

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia No âmbito da Estratégia Nacional para a Energia, aprovada no passado mês de Outubro, foram agora publicados os diplomas que estabelecem os novos

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

Mercado de planos odontológicos Cenário para a América Latina. Marcos Novais Economista do Sistema Abramge/Sinamge/Sinog

Mercado de planos odontológicos Cenário para a América Latina. Marcos Novais Economista do Sistema Abramge/Sinamge/Sinog Mercado de planos odontológicos Cenário para a América Latina Marcos Novais Economista do Sistema Abramge/Sinamge/Sinog Objetivo Análise de forma ainda superficial sobre a organização do sistema de saúde

Leia mais

Lei n.º 41/VI/2004 (B.O. n.º 10, 05/04/2004)

Lei n.º 41/VI/2004 (B.O. n.º 10, 05/04/2004) Lei n.º 41/VI/2004 (B.O. n.º 10, 05/04/2004) Por mandato do povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 174 e da alínea c) do n.º 2 do artigo 176º da Constituição, o seguinte:

Leia mais

Direito de Empréstimo Público: a Directiva Comunitária e suas Transposições Helena Simões Patrício

Direito de Empréstimo Público: a Directiva Comunitária e suas Transposições Helena Simões Patrício Direito de Empréstimo Público: a Directiva Comunitária e suas Transposições Helena Simões Patrício Lisboa, 29 de Maio de 2007 1 Sumário: 1. Direito de comodato público 2. Harmonização comunitária 3. Acções

Leia mais

Os Serviços Partilhados do SUCH

Os Serviços Partilhados do SUCH Os Serviços Partilhados do SUCH ONI e-powered: 1ª Conferência sobre Soluções Integradas para o Sector Público 8 de Abril de 2008 Serviço de Utilização Comum dos Hospitais 7 áreas de negócio Todas operando

Leia mais

ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS

ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO LEGAL 3 2- PRINCÍPIOS DO VOLUNTARIADO 3 3- ESTATUTO DE VOLUNTÁRIO 4 4- DIREITOS DO VOLUNTÁRIO 4 5- DEVERES DO VOLUNTÁRIO 6 6- ÂMBITO DE ACÇÃO 6

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 16/2012, de 14 de fevereiro, que aprova os critérios de determinação do vencimento dos gestores públicos, estabelece

Leia mais