ACIDENTES DE MOTOCICLETAS NO BRASIL, DESAFIOS PARA O ENFERMEIRO: Revisão Integrativa da Literatura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACIDENTES DE MOTOCICLETAS NO BRASIL, DESAFIOS PARA O ENFERMEIRO: Revisão Integrativa da Literatura"

Transcrição

1 1 ACIDENTES DE MOTOCICLETAS NO BRASIL, DESAFIOS PARA O ENFERMEIRO: Revisão Integrativa da Literatura André Luiz Couto da Paixão Elden Carlos Lobato Ferreira Fabianne de Jesus Dias de Sousa Margareth Braun Imbiriba Maria Conceição Freitas Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Universidade da Amazônia (UNAMA) Resumo: Atendimento Pré-Hospitalar (APH) é prestado aos pacientes portadores de quadros agudos que levam a sofrimento, sequelas ou à morte. O enfermeiro, integrante da equipe assume a responsabilidade pela assistência prestada as vítimas. Objetivou-se analisar as evidências na literatura, relacionadas ao atendimento do enfermeiro no APH decorrentes de acidentes com motocicletas. Realizado revisão integrativa da literatura, incluindo artigos publicados de 2005 a O aumento de acidentes envolvendo motocicletas é ocasionado pelo crescimento desordenado da frota, devido baixo custo de aquisição e praticidade de deslocamento. Ficou evidenciado dificuldades do enfermeiro relacionadas ao processo de formação acadêmica em relação ao APH. Descritores: Enfermagem. Acidentes. Formação Abstract: Pre-Hospital Care (PHC) is given to patients with acute conditions that lead to suffering, sequelae or death. The nurse, a member of the team takes responsibility for assisting the victims. This study aimed to examine the evidence in the literature, related to the care of nurses in PHC resulting from motorcycle accidents. Conducted a literature review, including articles published from 2005 to The increase in accidents involving motorcycles are caused by uncontrolled growth of the fleet, due to the low cost and convenience of travel. Evidenced nurses' difficulties related to academic learning process regarding the APH. Keywords: Nursing. Accidents. formation 1.CONSIDERAÇÕES INICIAIS O Atendimento Pré-Hospitalar (APH) é aquela assistência prestada, num primeiro nível de atenção, aos pacientes portadores de quadros agudos, de natureza clínica, traumática ou ainda psiquiátrica, que possa levar a sofrimento, sequelas ou mesmo à morte (BRASIL, 2006). O tempo decorrido entre o acidente e o atendimento hospitalar é um fator decisivo para reduzir a mortalidade e a ocorrência de sequelas, uma vez que 40% dos óbitos ocorrem na fase préhospitalar; em face destas características, para o atendimento neste cenário, há a necessidade de profissionais capacitados (CYRILLO et al, 2009). O atendimento pré-hospitalar - APH no Brasil é representado pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), com base na Portaria n 2048/GM, de 5 de novembro de Possui como objetivo principal ordenar a assistência enquanto forma de resposta rápida às demandas de urgência, seja no domicílio, no local de trabalho, em vias públicas, ou em outros locais nos quais o paciente vier a precisar (VEGIAN; MONTEIRO, 2011). Dentre as tecnologias que vem sendo empregadas no atendimento inicial ao traumatizado, destaca-se o atendimento pré-hospitalar, que possui duas modalidades: o Suporte Básico de Vida cuja característica principal é não realizar manobras invasivas de preservação da vida e o Suporte Avançado à Vida que prevê a realização de procedimentos invasivos (MALVESTIO; SOUSA, 2008). 577

2 2 O enfermeiro é participante ativo da equipe de atendimento pré-hospitalar e assume em conjunto com a equipe a responsabilidade pela assistência prestada as vítimas. Atua onde há restrição de espaço físico e em ambientes diversos, em situações de limite de tempo, da vítima e da cena e, portanto são necessárias decisões imediatas, baseadas em conhecimento e rápida avaliação (RAMOS; SANNA, 2005). O conhecimento do enfermeiro sobre as necessidades de oxigenação/respiração e circulação é fundamental para a detecção precoce das alterações que ocorrem com as vítimas atendidas pelo APH móvel, cuja finalidade é prevenir, principalmente, o agravamento da situação na cena do acidente (CYRILLO et al, 2009). A presença do enfermeiro é de fundamental importância na assistência direta às vítimas, na capacitação técnica das equipes, na elaboração de protocolos de atendimentos e material didático e na supervisão do pessoal. Proporciona atendimento mais rápido, organizado, seguro e tranquilo, sendo considerado um ponto de apoio para as equipes (ROMANZINI; BOCK, 2010). A motocicleta é um veículo que proporciona menos segurança que o automóvel, já que a motocicleta não possui a estrutura e dispositivos de proteção que este possui o que possibilita uma maior exposição dos seus ocupantes. Ademais, a alta velocidade, o álcool, a desatenção, a fadiga e a sonolência são fatores considerados como grandes contribuintes para o aumento das ocorrências e gravidade das vítimas (VIEIRA et al, 2011). O número de veículos em circulação, a desorganização do trânsito, a deficiência da fiscalização, as condições dos veículos, as imprudências dos usuários e a impunidade dos infratores contribuem significativamente para as ocorrências de trânsito na população de motociclistas. Adicionalmente, as ocorrências que envolvem motocicletas são, particularmente, as mais perigosas, porque, quando um veículo colide com a motocicleta, os motociclistas são as vítimas que apresentam maior frequência de lesões graves e morte (OLIVEIRA; SOUSA, 2011). As profissões de motoboy e mototaxista foram consolidadas nesse contexto e regulamentadas pela Lei nº , de 29 de julho de 2009, que exige idade mínima de 21 anos, possuir habilitação por pelo menos dois anos na categoria e ter sido aprovado em curso especializado para o seu exercício. A pressão de clientes e de patrões para realização de entregas rápidas, remuneração por produtividade e turno de trabalho que ultrapassam às dez horas diárias, são apontadas como determinantes da condução inadequada. Característica do jovem do sexo masculino, como audácia, imaturidade, somada à necessidade de integra-se ao grupo, que o estimula a ultrapassar limites e a transgredir, colaboram para agravar os acidentes de trânsito (BACCHIERI; BARROS, 2011). No que se refere às dificuldades encontradas pelos enfermeiros nos serviços de atendimento pré-hospitalar, além da falta de experiência e da pouca formação, destaca-se a adaptação a um novo e diferente ambiente de trabalho e o confronto com a vulnerabilidade social e situações de violência interpessoal, inclusive agressões verbais dirigidas aos profissionais de saúde (AVELAR; PAIVA, 2010). Com suas funções pré-estabelecidas esses profissionais sofrem de intensa pressão pela necessidade de ter respostas rápidas em relação aos casos com que se deparam em seu dia-a-dia. Enfrentam também situações limítrofes de vida e sofrimento, e, portanto, estão num processo constante de ajustes e reajustes para alcançarem o equilíbrio. Esta exigência de manter a sintonia se deve ao ritmo acelerado de trabalho e à constante presença de fatores intervenientes que colaboram com o desgaste destes profissionais, podendo gerar insatisfação no trabalho. Dentro dessa abordagem, compreendemos que o ser humano é ao mesmo tempo, objeto e agente do cuidar, passível de ser influenciado pelas características e elementos ocupacionais do trabalho, em seu bem-estar físico, mental e social. Dessa forma, entendemos que o indivíduo pode estar tecnicamente qualificado para ocupar determinada função na equipe, mas pode não se ajustar às condições psicossociais que a mesma exige (CAMPOS et al, 2009). Diante da situação exposta pretendemos obter com este estudo visão da atuação do enfermeiro na assistência pré-hospitalar em situações que envolvam acidentes com motocicletas, em cidades do Brasil, escolhidas aleatoriamente através de publicações cientificas, na qual evidenciam as suas habilidades e novos conhecimentos no processo de cuidar das vítimas em acidentes com motocicletas, haja vista que a Enfermagem vem se firmando enquanto ciência a cada dia. Durante o processo de 578

3 3 formação acadêmica sentimos uma grande necessidade de nos aprofundarmos a temática envolvendo o atendimento pré-hospitalar, e como estaria o enfermeiro neste contexto. Evidenciamos que a disciplina de Urgência e Emergência só abrange a assistência intrahospitalar. Sendo assim, observamos a importância do profissional enfermeiro e sua atuação especializada de enfermagem diante as situações que necessitem de atendimento fora do âmbito hospitalar. Com a escolha desta temática pretende-se socializar os resultados obtidos com a Enfermagem, em especial aos Enfermeiros já atuantes no APH, a comunidade acadêmica como fonte para futuras publicações. Neste estudo objetivamos analisar as evidências na literatura, relacionadas ao atendimento do enfermeiro no APH decorrentes de acidentes com motocicletas, em algumas cidades do Brasil, identificando as dificuldades apresentadas pelos enfermeiros no APH às vítimas de acidentes com motocicletas no Brasil. 2. ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR (APH) O sistema de saúde deve ser capaz de acolher toda a clientela com agravo a saúde fora do ambiente hospitalar prestando-lhe atendimento e redirecionando-a para os locais adequados de tratamento. Com base nesta necessidade, foi instituído, no Brasil, o Atendimento Pré-Hospitalar (APH) que corresponde aos cuidados prestados na cena do acidente e transporte da vítima até chegar ao Hospital de Referência, com vida e o mínimo de consequência possível (CAMPOS et al, 2009). O APH compreende as ações iniciais realizadas em curto espaço de tempo pela equipe de resgate no local onde ocorre o agravo à saúde, seja ele traumático, clínico ou psíquico. A remoção das vítimas com segurança e com suporte de vida até um centro de atendimento hospitalar de referência tornou-se indispensável, atualmente (ROMANZINI; BOCK, 2010). A primeira hora (golden hour) após a ocorrência de uma lesão traumática é considerada o tempo crítico para a instituição do tratamento que modificará o prognóstico, uma vez que até 40% dos óbitos ocorrem na fase pré-hospitalar do cuidado (LADEIRA; BARRETO, 2008). A finalidade do APH na assistência á pessoa que sofreu acidente de transito é mantê-la viva até a chegada ao local onde será possível curá-la, diminuir as sequelas, possibilitando melhor qualidade de vida ou mesmo sua própria vida. Considerando que o objeto do trabalho é a pessoa vitima de trauma por acidente de transito e o tempo para cumprir com sua finalidade é extremamente curto, torna-se necessário uma organização do trabalho no APH fundamentado no trabalho em equipe (PERREIRA; LIMA, 2009). Os cuidados pré-hospitalares podem fazer a diferença entre a vida e a morte, entre uma sequela temporária, grave, ou permanente, ou ainda, entre uma vida produtiva e uma destituída de bem estar. As intervenções que auxiliam o enfermeiro neste cenário do APH estão embasadas em diretrizes preconizadas universalmente (CYRILLO et al, 2009). No atendimento pré-hospitalar todos os profissionais participam do acolhimento ao paciente, realizando procedimentos mais ou menos invasivos, de maior ou menor complexidade. Profissionais do atendimento pré-hospitalar, independente da categoria profissional, estão expostos a riscos ocupacionais relacionados à exposição a sangue e fluidos; devem, portanto, possuir conhecimentos mínimos sobre estes riscos e como proteger a si e ao paciente (LOPES et al, 2008). Para os profissionais que trabalham em APH, a atuação face ao inesperado é rotineira, pois raramente os trabalhadores sabem o tipo de atendimento que irão prestar, ou as características do local e dos agentes que poderão interferir no atendimento prestado. Outros aspectos devem ser destacados, como a necessidade da tomada rápida de decisões, a exigência de condicionamento físico adequado, a exposição a condições estressantes e os níveis elevados de ansiedade, entre outros (VEGIAN; MONTEIRO, 2011). O Corpo de Bombeiro teve uma atuação histórica importante no sistema pré-hospitalar antecedendo a política representada pelo SAMU. Houve um grande investimento em capacitação de instrutores e em padronização de conteúdo didático e, a partir daí, foram treinados bombeiros de todos os estados da federação, dando inicio ao processo de implantação e fortalecimento do APH móvel executado pelo Corpo de Bombeiro-Militar em todo o país (PERREIRA; LIMA, 2009). 579

4 4 O atendimento pré-hospitalar nas últimas décadas tem sido amplamente discutido e remodelado por autoridades de várias esferas governamentais. Regulamentado e assegurado por lei, ele passou por uma série de modificações, que tiveram como consequência a padronização do serviço em nível nacional (AVELAR; PAIVA, 2010). Considerando a real carência populacional brasileira em atendimentos pré-hospitalares, o Governo Federal por meio do Ministério da Saúde MS, aprovou a Portaria GM Nº 1.864, de 29 de setembro de 2003, que institui o componente pré-hospitalar móvel previsto na Política Nacional de Atenção às Urgências, por meio da implantação de Serviços de Atendimento Móvel de Urgência SAMU 192, suas Centrais de Regulação (Central SAMU 192) (MACHADO et al, 2011). Os SAMU s são compostos por centrais reguladoras e por um conjunto de ambulâncias, e requerem profissionais qualificados e equipamentos adequados para o atendimento às urgências. As centrais podem ser acionadas pelo número de telefone 192 e médicos reguladores designam as ambulâncias apropriadas para cada atendimento. No modelo brasileiro, adotaram-se dois tipos principais de ambulâncias. As de suporte básico SBV, contam com motorista, técnico de enfermagem e material básico para o primeiro atendimento às urgências, em casos sem risco imediato de vida, sob orientação dos médicos das centrais. Já as de suporte avançado - SAV incluem motorista, médico e enfermeiro, além de equipamentos para cuidados intensivos, nas situações de risco iminente de vida. Foram propostos também meios alternativos de transporte, como as ambulanchas, para o atendimento de populações ribeirinhas; as motolâncias, para áreas remotas ou de tráfego intenso; e o transporte aéreo, para situações específicas (MACHADO et a, 2011). Para atingir o objetivo do SAMU, é necessária uma equipe multiprofissional integrada e preparada para refletir positivamente sobre o paciente, uma vez que as possibilidades de sua recuperação estão diretamente relacionadas com a rapidez e eficiência dos serviços prestados na urgência. Essa equipe é composta por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e os condutores que devem ter, além da capacitação em urgência, disposição pessoal para a atividade, capacidade para trabalhar em equipe, iniciativa, equilíbrio emocional e autocontrole, atuando dentro dos limites e critérios necessários na prestação de um cuidado humanizado (CAMPOS et al, 2009). 3. ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO APH DIANTE AOS ACIDENTES COM MOTOCICLETAS A normatização da estrutura e funcionamento dos serviços de APH móveis, no Brasil, aconteceu somente no ano de 2002, mais de uma década após sua implantação, por meio da portaria nº do Ministério da Saúde, sendo este o primeiro regulamento proposto por meio de temas, conteúdos, habilidades e cargas horárias mínimas, a respeito da capacitação específica para enfermeiros em APH (GENTIL et al, 2008). Segundo a legislação, que dispõe sobre a regulamentação da assistência de enfermagem em APH e demais situações relacionadas com o suporte básico e avançado de vida, somente o enfermeiro poderá realizar procedimentos de alta complexidade e prestar assistência de enfermagem em unidades móveis de UTI e suporte avançado de vida terrestre, aéreo ou aquático (CYRILLO et al, 2009). Para a identificação das respostas do indivíduo ao trauma o enfermeiro deve possuir uma base sólida em semiologia, anatomia e fisiopatologia, agregando sua experiência clínica e de suas habilidades de interação e observação. Entende-se assim, que esse conjunto de habilidades é essencial para o julgamento clínico e consequente tomada de decisão (RAMOS e SANNA, 2005). A enfermeira assume no pré-hospitalar o papel de articulação, integração da equipe, contribuindo na inter-relação entre os diversos atores, além de ser reconhecida como coordenadora da equipe de enfermagem. Ela constitui-se em um elo entre a gestão e a assistência, entre a regulação médica e a equipe socorrista, entre a coordenação do serviço e a equipe, pois transita em quase todos os espaços, atuando junto à equipe básica, junto com o médico no suporte avançado, fazendo a administração do serviço, a supervisão da equipe e educação permanente da equipe de técnicos e auxiliares de enfermagem, motoristas e de outros atores (PERREIRA; LIMA, 2009). No Brasil, a atuação do enfermeiro e a sua capacitação está em atraso, se comparados com outros países como, por exemplo, Estados Unidos e França, que possuem um sistema de APH mais desenvolvido, nos quais os enfermeiros têm sua função consolidada e reconhecida em seus sistemas de atendimento (CYRILLO et al, 2009). 580

5 5 Nos Estados Unidos da América, a formação, a experiência e as habilidades exigidas do enfermeiro para atuar no APH variam de Estado para Estado, sendo os cursos geralmente extensos e com conteúdo diversificado. A obtenção de licença para atuar em APH inclui experiência de, no mínimo, 1 a 3 anos de prestação de assistência em serviços de emergência ou aos pacientes críticos, incluindo a certificação em cursos específicos para desenvolvimento de habilidades (GENTIL et al, 2008). Na França, o sistema de atendimento às urgências, Services d Aide Medicále Urgente, é composto por enfermeiros especializados em anestesiologia. A aquisição de competência em atendimento às urgências, pelo enfermeiro francês, inicia no curso de graduação em enfermagem, em unidades de cuidados intensivos e em práticas de suporte avançado de vida (GENTIL et al, 2008). No caso específico do enfermeiro e de suas práticas no cuidar em situações de urgência e emergência (APH), destacam-se, dentre as suas funções: a identificação de sinais e sintomas de gravidade, a interpretação destes, a utilização de todos os recursos disponíveis para a assistência (AVELAR; PAIVA, 2010). 4. ACIDENTES COM MOTOCICLETAS NO BRASIL As motocicletas invadiram o espaço urbano como eficientes ferramentas de transporte e trabalho diante do trânsito congestionado das grandes cidades. A ineficiência do transporte coletivo, o mercado de tele-entregas, a possibilidade de renda para jovens sem qualificação profissional e a facilidade de aquisição de uma motocicleta contribuíram para crescimento em cinco vezes, em relação ao aumento da frota de automóveis (BACCHIERI; BARROS, 2011). O aumento na quantidade de motociclistas que fazem fretes (motoboys ou motociclistas de entrega) é visível nos centros urbanos do país, visto que esses trabalhadores atendem às necessidades de rapidez e agilidade na prestação de serviços e entrega de produtos, e sua presença e tendência de crescimento parecem irreversíveis a curto e médio prazo. Neste contexto, de agilidade, necessidade de rapidez, sociedade de consumo e trânsito caótico, os motoboys representam uma população de grande risco de envolvimento em acidentes de trânsito (SOARES et al, 2011). A motocicleta se tornou viável no trânsito lento e congestionado, sendo econômica, de custo bem inferior quando comparada aos automóveis, de fácil aquisição e manejo. Apesar da frota de automóveis ser superior à frota de motocicletas, essas facilidades têm levado a uma inversão nos padrões de acidentes de trânsito: as vítimas de acidentes de trânsito envolvendo motocicletas (motociclistas e pedestres) predominam em relação àquelas envolvendo os ocupantes de automóveis (CABRAL et al, 2011). Assinale-se que, na última década, dentre os acidentes de trânsito, vem- se observando o aumento crescente do número de acidentes envolvendo motocicletas, veículo que ganha cada vez mais à aceitação e aprovação da população, por ser ágil e de custo reduzido (SANTOS et al, 2008). Os condutores de motocicletas são considerados o grupo prioritário em programas de prevenção, com risco sete vezes maior de morte, quatro vezes maior de lesão corporal e duas vezes maior de atropelar um pedestre, quando comparados aos automobilistas. Motociclistas são as principais vítimas dos AT, posto historicamente ocupado pelos pedestres. Em quatro aglomerações urbanas (Belém, PA, Recife, PE, São Paulo, SP, e Porto Alegre, RS), 7% dos AT com automóveis geraram vítimas, percentual que variou de 61% a 82% para as motocicletas (BACCHIERI; BARROS, 2011). O consumo de bebidas alcoólicas pode ser apontado como um dos principais fatores responsáveis pela alta incidência dos acidentes com vítimas. De uma maneira geral, em vários países, costuma-se considerar que entre metade e um quarto dos acidentes com vítimas fatais estão associados ao uso do álcool (ABREU et al, 2006). Segundo Abreu et al, 2006: O novo Código de Trânsito Brasileiro, de 23 de setembro de 1997 (Lei n 9503), em seu artigo 276, estabelece o nível de alcoolemia limite em 0,6 g/l ou o equivalente para outras formas de medidas (bafômetro). Por ser pouco divulgada a noção do verdadeiro teor alcoólico das bebidas é que se deve dar atenção às chamadas bebidas leves. É importante observar que qualquer bebida contém a mesma quantidade de álcool puro por dose padrão e, ao beber um copo de 300 ml ou uma latinha (350 ml) de cerveja, estaremos ingerindo a mesma quantidade de álcool puro, ou seja, em torno de 12 gramas, a mesma quantidade que há em 581

6 6 uma taça de vinho ou dose de cachaça/uísque, alcançando a taxa de 0,2g/l (alcoolemia). Portanto, uma pessoa pode atingir 0,6g/l de álcool ao consumir três latas de cerveja ou três doses de uísque, variando um pouco conforme a massa corporal e a sensibilidade ao álcool do organismo (ABREU et al, 2006). 5. METODOLOGIA Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, que é uma forma de investigar estudos já existentes, visando obter conclusões a respeito de um tópico em particular. É considerada uma estratégia utilizada para identificar as evidências existentes, fundamentando a prática de saúde nas diferentes especialidades.para a seleção dos artigos foram utilizadas duas bases de dados eletrônicas, de forma a ampliar o âmbito da pesquisa, minimizando possíveis vieses nessa etapa do processo de elaboração da revisão integrativa, a saber: SCIELO (Scientific Electronic Library Online) e LILACS (Literatura Latino Americana e do Caribe em Ciências Sociais e da Saúde). Os critérios de inclusão definidos foram artigos de periódicos publicados em português, com os resumos disponíveis nas bases de dados selecionadas, no período compreendido entre 2005 e Os artigos foram selecionados inicialmente sob a forma de resumos, sendo que, posteriormente, foram buscados e analisados na íntegra.para a análise e posterior síntese dos artigos que atenderam aos critérios de inclusão, foi construído um quadro sinóptico especialmente para esse fim, que contemplou os seguintes aspectos: ano de publicação, periódico onde foi publicado, local do estudo e fatores relacionados aos desafios para o enfermeiro no APH, citados no artigo.em uma primeira etapa, foram usados para levantamento dos artigos, os descritores de assunto: Atendimento pré-hospitalar; SAMU 192; Acidentes com motocicletas; Atuação do enfermeiro no APH; posteriormente foi feita a combinação destes descritores e a palavra enfermagem para a seleção final. Na busca realizada apenas com os descritores, encontramos um número muito grande de artigos que se referiam a outras particularidades dos acidentes com motocicletas, principalmente as que prevaleciam como: gênero, idade, escolaridade, dias e horários da semana, ingestão de álcool e/ou outras drogas. No refinamento da busca, quando acrescentamos a palavra acidentes encontramos 20 artigos na base SCIELO e na LILACS, que abordavam o tema e continham respostas à questão formulada. O estudo foi realizado no período de janeiro a maio de RESULTADOS E DISCUSSÃO A distribuição dos 20 artigos selecionados de acordo com o ano de publicação foi a seguinte: 01(5%) artigos publicados em 2005, 02 (10%) em 2006, 05 (25 %) em 2008, 03 (15%) em 2009, 02 (10%) em 2010 e 07 (35%) em 2011, conforme apresentado na Tabela 1. Tabela 1 - Distribuição dos artigos segundo o ano de publicação, a base de dados e idioma em português Brasil a Nº Ano de publicação Base de dados Scielo Scielo Lilacs Scielo Scielo Scielo Scielo Lilacs Lilacs Lilacs Scielo Scielo Scielo Scielo Scielo Scielo Scielo Scielo 582

7 Scielo Scielo Em relação ao idioma, vinte (100%) dos artigos foram publicados em português, sendo que dezesseis (80%) dos artigos eram da base de dados da Scielo e quatro (20%) dos artigos eram da base de dados da Lilacs. O atendimento pré-hospitalar (APH) móvel faz parte do sistema de assistência às urgências, constituindo-se um tipo de serviço de saúde recente no Brasil. Caracterizam-se por prestar assistência às pessoas em situações de agravos urgentes nas cenas em que os eventos ocorrem, garantindo atendimento precoce e adequado, assim como o acesso do usuário ao sistema de saúde. O APH pode influir positivamente nas taxas de morbidade e mortalidade por trauma. Os acidentes de trânsito nas duas últimas décadas tem sido uma das principais razões das mortes por causas externas (PEREIRA; LIMA, 2009). Em nossa busca observamos dificuldades em obter estudos de prevalência e relacionados com a atuação do enfermeiro em acidentes com motocicletas no Brasil. A tabela 2 aponta nove periódicos onde os artigos foram publicados, evidenciando que 05 (25%) artigos têm como foco central os acidentes com motocicletas no Brasil, 08 (40%) da atuação do enfermeiro no atendimento pré-hospitalar e 07 (35%) de atendimento pré-hospitalar. Este fato mostra que as publicações do tema acidentes com motocicletas no Brasil e os desafios para o enfermeiro no pré-hospitalar, ocorrem não só em periódicos especializados da área de enfermagem, como também na área de saúde pública e epidemiologia. Tabela 2 - Distribuição dos artigos selecionados, segundo o período em que foi publicado Brasil a Nº Autores Revista 01 RAMOS, V.O; SANNA, M.C. Revista Brasileira de Enfermagem 02 ABREU, A.M.M; LIMA, J.M.B; ALVES, T.A Escola Ana Nery R Enfermagem 03 BRASIL, M.S Ministério da Saúde 04 GENTIL, R.C; RAMOS, L.H; WHITAKER, I.Y Revista Latino-am Enfermagem 05 LOPES, A.C.S; OLIVEIRA; A.C; SILVA, J.T; PAIVA, Caderno de Saúde Pública M.H.R.S 06 MALVESTIO, M.A.A; SOUSA, R.M.C Revista Saúde Pública 07 LADEIRA, R.M; BARRETO, S.M Caderno de Saúde Pública 08 SANTOS, A.M.R; MOURA, M.E.B; NUNES, Caderno de Saúde Pública B.M.V.T; LEAL, C.F.S; TÉLES, J.B.M 09 CAMPOS, R.M; FARIAS, G.M; RAMOS, C.S Revista eletrônica de Enfermagem 10 CIRILLO, R.M.Z; DALRI, M.C.B; CANINI, S.R.M.S; Revista eletrônica de Enfermagem CARVALHO, E.C; LOURENCINI, R.R. 11 PEREIRA, W.A.P; LIMA, M.A.D.S Revista Escola de enfermagem 12 AVELAR, V.L.L.M; PAIVA, K.C.M Revista Brasileira de Enfermagem 13 ROMANZINI, E.M; BOCK, L.F Revista Latino- Am Enfermagem 14 BACCHIERI, G; BARROS, A.J.D Revista Saúde Pública 15 CABRAL, A.P.S; SOUZA, W.V; LIMA, M.L.C Revista Brasileira de Epidemiologia 16 MACHADO, C.V; SALVADOR, F.G.F; O DWYER, G Revista Saúde Pública 17 OLIVEIRA, N.L.B; SOUSA, R.M.C Revista Latino- Am Enfermagem 18 SOARES, D.F.P.P; MATHIAS, T.A.F; SILVA, D.W; Revista Brasileira de ANDRADE, S.M Epidemiologia 19 VEIGAN, C.F.L; MONTEIRO, M.I Revista Latino- Am Enfermagem 20 VIEIRA, R.C.A; HORA, E.C; OLIVEIRA, D.V; VAEZ, A.C Revista Escola de enfermagem A realização do atendimento pré-hospitalar nos primeiros minutos após o trauma objetiva que as medidas de reanimação e estabilização possam impedir o agravamento do quadro e influenciar a 583

8 8 sobrevivência da vítima, mantendo-a em condições de chegar com vida até o tratamento hospitalar ser possível (MALVESTIO; SOUSA, 2008). Na busca dos artigos identificamos que houve uma pequena diferença nos achados, onde ocorreu um equilíbrio decrescente das temáticas: 08 (40%) da atuação do enfermeiro no APH, 07 (35%) de atendimento pré-hospitalar e 05 (25%) artigos têm como foco central os acidentes com motocicletas no Brasil, conforme descrito na tabela 3. Tabela 3 Fatores associados à temática, de acordo com o artigo pesquisado - Brasil a Artigo Fatores associados à temática Nº 01 Identificar os marcos históricos no atendimento pré-hospitalar e as transformações na atuação do enfermeiro e aspectos legais do exercício profissional. 02 Mortalidade em acidentes de transito (motocicletas), relacionadas ao abuso de álcool. 03 Política nacional de atenção as Urgências, Portaria nº 2.048, que regulamenta o atendimento pré-hospitalar. 04 Conhecimento teórico e habilidades práticas para o exercício profissional dos enfermeiros no APH. 05 Uso de precauções padrão pelos profissionais do serviço de atendimento pré-hospitalar. 06 Variáveis clínicas e pré-hospitalares associadas à sobrevivência de vítimas de acidentes de trânsito. 07 Características das vítimas que usaram o atendimento pré-hospitalar relacionados ao menor tempo de chegada ao hospital. 08 Identificação dos níveis de satisfação profissional da equipe de enfermagem do SAMU Diagnósticos de enfermagem em vítimas de trauma atendidas em um serviço avançado móvel de urgência. 10 O trabalho em equipe no atendimento pré-hospitalar, relacionado com a vitima de acidente de trânsito. 11 Identidade do enfermeiro no SAMU. 12 Concepção, sentimentos e formação profissional dos enfermeiros no APH. 13 Mortalidade e acidente de trânsito no Brasil. 14 Perfil epidemiológico das vítimas de acidente de trânsito. 15 Conformação da Política de Atenção Móvel no Brasil. 16 Ocorrências de trânsito com motocicletas relacionados com a mortalidade. 17 Ocorrências de transito envolvendo motoboys e mototaxistas 18 Condições de vida e de trabalho dos profissionais do SAMU. 19 Epidemiologia dos acidentes com motocicletas. 20 Perfil epidemiológico do enfermeiro Após a leitura dos achados nos artigos, os fatores associados com o aumento do índice dos acidentes envolvendo motocicletas no Brasil, foram classificados segundo sua prevalência, em seis categorias para análise, dispostos na tabela 4. Tabela 4 Fatores associados à temática, de acordo com a prevalência na categoria de análise - Brasil a Categorias Fatores relacionados ao gênero masculino Fatores relacionados - 18 a 30 anos Fatores associados ao aumento dos acidentes com motocicletas no Brasil - Condutor - Agressividade - Audácia - Autoconfiança - Impaciência - Imprudente - Autoconfiança - Consumo de bebidas alcoólicas 584

9 9 à faixa etária. Fatores relacionados ao dia da semana/horário Fatores relacionados ao consumo de bebidas alcoólicas Fatores relacionados a não utilização de equipamento de proteção individual (EPI) Fatores relacionados às profissões de motoboy e mototaxista - Imaturidade - Pouca experiência - Pouca experiência e habilidade para dirigir - Subestimação - Não adesão às leis de transito - Não utilização do EPI - Comportamento de risco - Ingestão de álcool e uso de drogas - 6ª a domingo, com prevalência aos sábados, no período noturno das 18h ás 23h59 - Consumo de bebidas alcoólicas e outras drogas - Euforia - Desinibição - Diminuição do reflexo - Agressividade ou passividade - Fiscalização ineficiente - Impunidade - Desconforto no uso - Inconveniência - Subestimar o fator perigo - Pressão de clientes e patrões para rapidez no serviço - Excesso de jornada de trabalho - Remuneração por produtividade - Falta de cumprimento das leis de trânsito FATORES RELACIONADOS AO GÊNERO E A FAIXA ETÁRIA Os fatores relacionados ao gênero masculino correlacionam-se com as características citadas acima. Estas variáveis predominam em todos os artigos analisados para a elaboração desta pesquisa. A motocicleta por ser um veículo masculinizado, de fácil aquisição, rápido e econômico, ganhou a aceitação masculina, que a utiliza em deslocamentos ao trabalho e/ou lazer. Esse predomínio masculino em acidentes motociclísticos que podem ocasionar mortes é atribuído a uma maior exposição, em decorrência do crescente número de motocicletas, baixos custos, masculinização do veículo, características da idade: imaturidade, autoconfiança, subestimação do jovem de sua capacidade e limites, pouca experiência e habilidade para dirigir, ingestão de álcool, uso de drogas, comportamentos de risco, não adesão às leis e a não utilização do equipamento de proteção individual (EPI) (VIEIRA et al, 2011). FATORES RELACIONADOS AO DIA DA SEMANA/HORÁRIO E AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS Evidenciamos que os fatores relacionados ao dia da semana/horário e bebidas alcoólicas, tem maior prevalência nos finais de semana com maior incidência aos sábado no horário das 18h ás 23h59. As características dos acidentes em relação ao dia da semana da sua ocorrência indicam uma elevação do número de vítimas a parir da sexta-feira, com maior concentração aos sábados, relacionado à possível ingestão de bebidas alcoólicas, mais frequentes nestes períodos. O crescente aumento dos acidentes nesse período é decorrente do maior consumo de bebida alcoólica, além do desrespeito às leis de trânsito e menor luminosidade das vias públicas. A ingestão de álcool retarda os reflexos e afeta a visão, além de causar sensação de euforia que induz o motorista a abusar da velocidade com perda do controle da motocicleta (VIEIRA et al, 2011). A verificação da presença de álcool no sangue (alcoolemia) é uma questão da maior importância, para se mostrar o verdadeiro impacto do binômio álcool e direção. Por mais que essa combinação seja apontada como perigosa, continua-se a desconsiderar sua gravidade, mesmo quando, sob influência do álcool, os acidentes são mais graves e o índice de mortalidade é maior. No que tange aos dias da semana, este estudo mostra os fins de semana como responsáveis pelo registro de mais de 585

10 10 2/3 dos acidentes de trânsito, nos quais também se constata uma maior frequência de presença do álcool. Assim, é essencial chamar a atenção para efetivas ações de combate ao abuso de bebidas alcoólicas pelos condutores de veículos nos fins de semana. (ABREU et al, 2006). FATORES RELACIONADOS A NÃO UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) A categoria descrita acima relaciona-se ao desconforto e a inconveniência na utilização do equipamento de proteção individual (EPI), e o fato do condutor subestimar o possibilidade de acontecer algum sinistro em seu trajeto em via pública. Estudos que analisaram vítimas de acidentes de moto revelaram que grande parte das vítimas não utilizavam o equipamento, por motivos diversos como a inconveniência e o desconforto do uso do mesmo e por não esperar o envolvimento no acidente. Vale ressaltar que apesar do EPI diminuir os riscos em caso de acidente, o seu uso não exclui a possibilidade de lesões graves ou mortais (VIEIRA et al, 2011). FATORES RELACIONADOS ÀS PROFISSÕES DE MOTOBOY E MOTOTAXISTA Os fatores relacionados às profissões motorizadas correlacionam-se diretamente a pressão de clientes e patrões para rapidez no serviço, o excesso de jornada de trabalho, a remuneração por produtividade e a falta de cumprimento das leis de trânsito. A realidade desses profissionais supera a emoção de pilotar a motocicleta. Condições precárias, ausência de contratos formais, jornadas extensas, estresse, pressão psicológica por maior produtividade, baixos rendimentos e riscos de acidente são constantes. Os motoboys convivem com a dialética risco necessidade: Entre trabalhar sob o risco de sofrer um acidente de trânsito (AT) e não trabalhar, o que escolher? Resta aos motoboys tentar controlar o risco (BACCHIERI; BARROS, 2011). Após a leitura dos achados nos artigos, os fatores associados com as dificuldades encontradas pelos Enfermeiros no APH, foram classificados segundo sua prevalência, em quatro categorias para análise, dispostos na tabela 5. Tabela 5 Fatores associados à temática, de acordo com a prevalência na categoria de análise - Brasil a Categorias Fatores relacionados à formação profissional Fatores relacionados ao atendimento préhospitalar Fatores relacionados ao estado emocional Fatores associados às dificuldades encontradas pelos enfermeiros no APH - Ausência da disciplina APH nas academias de formação profissional - Ausência de estágios curriculares no APH - A formação é generalista - Dificuldades de adaptação em laboratório das situações reais encontradas na prática do serviço - Difícil acesso ao local onde se encontram as vítimas - Atendimento no interior de ambulâncias - Adversidades do cenário - Exposição ao risco das cenas e público - Enfermeiros recém-ingressados no APH - Desequilíbrio emocional FATORES RELACIONADOS ÀS CATEGORIAS: FORMAÇÃO PROFISSIONAL, ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E AO ESTADO EMOCIONAL De acordo com as categorias citadas e seus respectivos fatores associados às dificuldades encontradas pelos enfermeiros no atendimento pré-hospitalar, destacam-se como fatores essenciais a ausência da disciplina APH nas academias de formação profissional, onde este profissional tem grande dificuldade de atuar na área especifica do APH, vivenciando e aperfeiçoando os seus conhecimentos em seu cotidiano laboral. Quanto ao atendimento pré-hospitalar o enfermeiro encontra diversas barreiras físicas e emocionais que contribuem para dificultar o seu desempenho profissional. Estas 586

11 11 dificuldades estão inseridas na realidade que o serviço exige tais quais: difícil acesso ao local do sinistro, exposição a risco iminente de vida em cenas e público, espaço restrito no interior de ambulâncias e principalmente um bom preparo emocional para atuar em situações de comoção, estresse e pressão psicológica. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os acidentes de trânsito envolvendo motocicletas no Brasil ao longo dos anos sofreram mudanças significativas relacionadas a vários aspectos evidenciados ao longo desta revisão integrativa da literatura, merecendo destaque a atuação do Enfermeiro no APH. Foi verificado na análise dos artigos selecionados, o crescente aumento de acidentes envolvendo motocicletas no Brasil, ocasionado pelo crescimento desordenado da frota, devido ao baixo custo de aquisição e praticidade de deslocamento ao trabalho, facilitando a sua trafegabilidade no trânsito caótico das grandes metrópoles, podendo ser utilizada para o lazer e instrumento de trabalho, como nos casos dos motoboys e mototaxistas. Tiveram como prevalência nos artigos analisados, adultos jovens do sexo masculino, com idades variando entre 18 a 30 anos, somados a imaturidade, imprudência, descumprimento as leis de trânsito e a ingestão de bebidas alcoólicas, onde foi identificado em grandes partes dos artigos analisados o álcool como fator predominante nos acidentes motociclísticos, aos finais de semana no período noturno. Tomando como base o crescente aumento de acidentes envolvendo motociclistas, o enfermeiro está inserido neste contexto de atendimento pré-hospitalar, sendo o elemento principal da equipe de enfermagem, participante das ações de coordenação e operacionalização do serviço. O APH por ser um serviço novo no Brasil e o enfermeiro por estar inserido neste processo especializado de atendimento evidenciou dificuldades relacionadas ao processo de formação acadêmica, cujo cursos de graduação em enfermagem ainda não contemplam a temática do APH em suas grades curriculares, dificultando a formação dos profissionais qualificados para atuarem nessa área. Assim, percebeu-se que o próprio serviço de APH tem o papel de preparar o enfermeiro para inseri-lo nas rotinas de trabalho da equipe. Em suas atividades laborais foram identificadas várias dificuldades relacionadas aos locais de atendimento de difícil acesso, adversidade da cena e situações que exigem um bom preparo emocional. Espera-se que os resultados obtidos nessa revisão integrativa da literatura sirvam como contribuição e estímulo para a comunidade acadêmica-cientifica de Enfermagem, ampliando as discussões sobre o investimento na formação de profissionais capacitados para atuar na área, desde os estágios curriculares da graduação, apresentando os acadêmicos aos conteúdos e as particularidades do atendimento pré-hospitalar. 8. BIBLIOGRAFIA ABREU, A.M.M; LIMA, J.M.B; ALVES, T.A. Impacto do álcool na mortalidade em acidentes de trânsito: uma questão de saúde pública. Esc Anna Nery Rev Enf 2006 abr; 10 (1): AVELAR, V.L.L.M; PAIVA, K.C.M. Configuração identitária de enfermeiros de um serviço de atendimento móvel de urgência. Rev Bras Enferm, Brasília 2010 nov-dez; 63(6): BACCHIERI, G. BARROS, A.J.D. Acidentes de trânsito no Brasil de 1998 a 2010: Muitas mudanças e poucos resultados. Instituto Federal Sul-rio-grandense. Pelotas, RS, Brasil. Programa de Pós graduação em Epidemiologia. Universidade Federal de Pelotas, RS, Brasil. Rev Saúde Pública 2011; 45(5): BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria nº de 05 de novembro de 2002: Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência, Disponível: acessado em 13/05/

12 12 CABRAL, A.P.S; SOUZA, W.V; LIMA, M.L.C. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: Um observatório dos acidentes de transporte terrestre em nível local. Rev. Brasileira de Epidemiologia, CAMPOS, R.M; FARIAS, G.M; RAMOS, C.S. Satisfação profissional da equipe de enfermagem do SAMU/Natal. Rev. Eletr. Enf. 2009;11(3): CYRILLO, R.M.Z; DALRI, M.C.B; CANINI, S.R.M.S; CARVALHO, E.C; LOURENCINI, R.R. Diagnósticos de enfermagem em vítimas de trauma atendidas em um serviço pré-hospitalar avançado móvel. Rev. Eletrônica de Enfermagem. [internet]. 2009; 11(4): GENTIL, R.C; RAMOS, L.H; WHITAKER, I.Y. Capacitação de enfermeiros em atendimento préhospitalar. Rev Latino-am Enfermagem 2008 março-abril; 16 (2). LOPES, A.C.S; OLIVEIRA, A.C; SILVA, J.T; PAIVA, M.H.R.S. Adesão às preocupações padrão pela equipe do atendimento pré-hospitalar móvel de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(6): , jun, MACHADO, C.V; SALVADOR, F.G.F; O DWYER, G. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: análise da política brasileira. Rev. Saúde Pública 2011; 45 (3): MALVESTIO, M.A.A; SOUSA, R.M.C; Sobrevivência após acidentes de trânsito: impacto das variáveis clínicas e pré-hospitalares. Rev Saúde Pública 2008; 42(4): LADEIRA, R.M; BARRETO, S.M. Fatores associados ao uso de serviço de atenção pré-hospitalar por vítimas de acidentes de trânsito. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24 (2): , fev, OLIVEIRA, N.L.B; SOUZA, R.M.C. Ocorrências de trânsito com motocicleta e sua relação com a mortalidade. Latino-Am. Enfermagem. Mar-abr 2011;19(2):[08 telas]. RAMOS, V.O; SANNA, M.C. A inserção da enfermeira no atendimento pré-hospitalar: histórico e perspectivas atuais. Rev Bras Enf 2005; maio-jun 58 (3): ROMANZINI, E.M. BOCK, L.F. Concepções e sentimentos de enfermeiros que atuam no atendimento pré-hospitalar sobre a prática e a formação profissional. Rev. Latino-Am. Enfermagem 18(2): [08 telas]. Mar-abr SANTOS, A.M.R; MOURA, M.E.B; NUNES, B.M.V.T; LEAL, C.F.S. TELES, J.B.M. O perfil das vítimas de trauma por acidente de moto atendidas em um serviço público de emergência. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(8): , ago, SOARES, D.F.P.P; MATHIAS, T.A.F; SILVA, D.W. ANDRADE, S.M. Motociclistas de entrega: algumas características dos acidentes de trânsito na Região Sul do Brasil. Revista Brasileira Epidemiologia, 2011; 14(3): PEREIRA, W.A.P; LIMA, M.A.D.S. O trabalho em equipe no atendimento pré-hospitalar à vítimas de acidentes de transito. Rev Esc Enferm USP, 43(2):320-7, VEGIAN, C.F.L; MONTEIRO, M.I. Condições de vida e trabalho de profissionais de um serviço de atendimento móvel de urgência. Rev. Latino-Am. Enfermagem 19(4): [07 telas], jul-ago, VIEIRA, R.C.A; HORA, E.C; OLIVEIRA, D.V; VAEZ, AC. Levantamento epidemiológico dos acidentes motociclísticos atendidos em um Centro de Referência ao Trauma de Sergipe. Rev Esc Enferm USP; 45(6): , mar,

UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL

UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL ISSN 2177-9139 UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL Daniellen Thaianne de Oliveira Severo - daniii_severo@hotmail.com

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834 PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834 Assunto: Ações de resgate de vítimas em altura e em espaço confinado. Competência da equipe de bombeiros militares. 1. Do fato Solicitado

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT. Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013

Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT. Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013 Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013 Fase: Diagnóstico Eloisa Barroso de Mattos Nutricionista Raquel Leão Firmino Reis

Leia mais

Ações de Prevenção nas empresas, baseadas em evidencias.

Ações de Prevenção nas empresas, baseadas em evidencias. Aspectos Legais, Econômicos e de Saúde Associados aos Programas (Exames Toxicológicos) UFRJ/CEPRAL / Curso: Prevenindo Dependências nas Empresas Ações de Prevenção nas empresas, baseadas em evidencias.

Leia mais

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Marta Maria Alves da Silva CGDANT/DASIS/SVS/MS Brasília/DF, 13 de setembro de 2012 2009:

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 026/CT/2015/PT Assunto: Atendimento pré-hospitalar de provável óbito pelo técnico de enfermagem orientador pelo médico regulador. I - Do Fato Trata-se de expediente encaminhado ao Coren/SC,

Leia mais

PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO Maria da Conceição Muniz Ribeiro I - CENTRO CIRÚRGICO CONJUNTO DE ELEMENTOS DESTINADOS AS ATIVIDADES CIRÚRGICAS, BEM COMO À RECUPERAÇÃO PÓS ANESTÉSICA

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

Serviço o de Atendimento Móvel M Urgência- SAMU 192

Serviço o de Atendimento Móvel M Urgência- SAMU 192 Serviço o de Atendimento Móvel M de Urgência- SAMU 192 IV Seminário de Engenharia e Arquitetura Hospitalar 26 a 28 de março o de 2008, HUPES, Salvador-BA Lucianne Fialho Batista (Pesquisadora do GEA-hosp/Somasus,

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA E URGÊNCIA Unidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 INTRODUÇÃO Última edição do Manual (revista e atualizada): 2006 Objetivo: Implantação do Serviço de Atendimento Móvel às Urgências Atende aos princípios e diretrizes do

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

CURSOS DE EXTENSÃO FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE

CURSOS DE EXTENSÃO FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE CURSOS DE EXTENSÃO FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE AGOSTO 2011 Conheça um pouco mais sobre nossos cursos de extensão SUMÁRIO Curso de Primeiros Socorros Modulo 1...3 Os Fundamentos da Ética Contemporânea...5

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1

A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1 A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1 NASCIMENTO, Letícia 2 ; NEVES, Eliane Tatsch 3 ; PIESZAK, Greice Machado 4 ; POTRICH, Tassiana 5 RESUMO

Leia mais

HUMANIZAÇÃO DO REAL PARA O IDEAL NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: UMA REVISÃO DE LITERATURA

HUMANIZAÇÃO DO REAL PARA O IDEAL NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: UMA REVISÃO DE LITERATURA HUMANIZAÇÃO DO REAL PARA O IDEAL NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: UMA REVISÃO DE LITERATURA Francisco Junio do Nascimento 1, Sheron Maria Silva Santos 1, Jose Thiago Gois de Alencar 1, Ivanildo do Carmo

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

Projetos para redução da morbimortalidade por acidentes de trânsito em Belo Horizonte : Vida no Trânsito e TCC BH/BA/Montevideo

Projetos para redução da morbimortalidade por acidentes de trânsito em Belo Horizonte : Vida no Trânsito e TCC BH/BA/Montevideo Projetos para redução da morbimortalidade por acidentes de trânsito em Belo Horizonte : Vida no Trânsito e TCC BH/BA/Montevideo O Município de Belo Horizonte População de Belo Horizonte 2.375.444 hab.

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Setor de Motocicletas

Setor de Motocicletas Setor de Motocicletas Produção anual: 1,6 milhões de unidades 5º maior produtor mundial Frota Nacional*: 20,7milhões (26% do total) Empregos gerados no segmento de motocicletas Diretos: 20 mil (fabricantes)

Leia mais

ATENÇÃO PRÉ-HOSPITALAR: DESAFIOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA NA VISÃO DOS ENFERMEIROS

ATENÇÃO PRÉ-HOSPITALAR: DESAFIOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA NA VISÃO DOS ENFERMEIROS ATENÇÃO PRÉ-HOSPITALAR: DESAFIOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA NA VISÃO DOS ENFERMEIROS SEVERINA ALVES DE ANDRADE RENATA EMANUELA DE QUEIROZ RÊGO KELLY PATRÍCIA MEDEIROS FALCÃO MICELÂNDIA

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE CAPACITAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PARA ESTUDANTES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE CAPACITAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PARA ESTUDANTES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE CAPACITAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PARA ESTUDANTES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM MOTA 1, Carla Pimentel; FARIAS 2, Creusa Ferreira; PEDROSA 3, Ivanilda Lacerda 1 Aluno bolsista;

Leia mais

SEMINÁRIO POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO

SEMINÁRIO POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO SEMINÁRIO POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO Felipe Espíndola Carmona Brasília 13 de setembro de 2012. RS-2012 Ditado Africanos diz: O homem branco tem relógio mas não tem tempo! Vivemos em um período em

Leia mais

I ANÁLISE: Rua Barão de São Borja, 243 Boa Vista CEP 50.070-325 Fone: 3412-4100 www.coren-pe.gov.br

I ANÁLISE: Rua Barão de São Borja, 243 Boa Vista CEP 50.070-325 Fone: 3412-4100 www.coren-pe.gov.br Parecer Técnico Coren-PE nº 003/2015 Protocolo Coren-PE nº 930/2015 Solicitantes: Kátia Maria Sales Santos Cunha Unidade de Enfermagem do HEMOPE Assunto: No transporte, o profissional de enfermagem deverá

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

Distribuição dos pacientes vítimas de Acidente de Trânsito, segundo faixa etária na ocasião do acidente 20,0 16,6 19,4 11,3

Distribuição dos pacientes vítimas de Acidente de Trânsito, segundo faixa etária na ocasião do acidente 20,0 16,6 19,4 11,3 Os Acidentes de Trânsito foram responsáveis por um total de 799 internações nos hospitais SARAH-Brasília, SARAH-Salvador, SARAH-Belo Horizonte e SARAH-São Luís no período de 01/01/2009 a 30/06/2009, correspondendo

Leia mais

PMEE Planejamento Médico para Eventos Especiais

PMEE Planejamento Médico para Eventos Especiais PMEE Planejamento Médico para Eventos Especiais 1. Objetivo Estabelecer critérios mínimos para os serviços de emergência médica préhospitalar no atendimento ao público presente em eventos especiais. 2.

Leia mais

ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério Vasconcellos

ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério Vasconcellos EXPEDIENTE CONSULTA N.º 209.644/11 PARECER CREMEB Nº 21/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 21/05/2013) ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 1. Do fato Solicitado parecer sobre atuação do profissional Enfermeiro no treinamento ministrado aos componentes de brigadas de incêndio, atendendo a Instrução Técnica

Leia mais

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS.

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. CATEGORIA:

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM URGÊNCIA E

Leia mais

Acidentes fatais com motocicleta param de crescer no Estado de São Paulo

Acidentes fatais com motocicleta param de crescer no Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 11 nº 4 Maio 2011 Acidentes fatais com motocicleta param de crescer no Estado de São Paulo O número de mortes por acidentes de motocicleta manteve-se

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 6.117, DE 22 DE MAIO DE 2007 Aprova a Política Nacional sobre o Álcool, dispõe sobre as medidas para redução do uso

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE

FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE Arieli Rodrigues Nóbrega Videres¹- arieli.nobrega@hotmail.com Layz Dantas de Alencar²- layzalencar@gmail.com ¹ Professora mestre do curso

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS.

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. Jéssica Aparecida Gregório Ferreira (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Lais Daniele Lourenço da Silva (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Silvio

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

Bárbara Fabrícia Silva¹

Bárbara Fabrícia Silva¹ O PAPEL DO ENFERMEIRO EMERGENCISTA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA THE ROLE OF THE NURSE EMERGENCY: A LITERATURE REVIEW EL PAPEL DE LA ENFERMERA SALA DE EMERGENCIAS: A REVISIÓN DE LA LITERATURA Bárbara Fabrícia

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA.

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. ANDRADE 1, Elizandra Faria GRANDO 2, Simone Regina BÖING 3, Jaci Simão VIECELLI 4, Ana Maria SILVA 5, Jeane Barros

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

2002 Revisão de literatura, porém não descrito o método no artigo. 2002 Artigo de revista sem descrição de método. 2006 Estudo exploratóriodescritivo

2002 Revisão de literatura, porém não descrito o método no artigo. 2002 Artigo de revista sem descrição de método. 2006 Estudo exploratóriodescritivo DESAFIOS DE ENFERMAGEM: ATENDIMENTO DOMICILIAR A PACIENTES COM DEMÊNCIA Aristófenes Rolim de Holanda; Rosyara Lopes Vieira Sá; Aryslane Júlia Andrade Lustosa; Luis Henrique Rodrigues Nunes; Francisco Júnior

Leia mais

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Especialização Profissional Técnica de Nível Médio

Especialização Profissional Técnica de Nível Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Especialização Profissional Técnica de Nível Médio Etec: Paulino Botelho Código: 091 Municipio: São Carlos Eixo Tecnológico: AMBIENTE e SAÚDE Habilitação Profissional: Habilitação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA LIDERANÇA COMO INSTRUMENTO GERENCIAL NO PROCESSO DE TRABALHO DO ENFERMEIRO

UTILIZAÇÃO DA LIDERANÇA COMO INSTRUMENTO GERENCIAL NO PROCESSO DE TRABALHO DO ENFERMEIRO UTILIZAÇÃO DA LIDERANÇA COMO INSTRUMENTO GERENCIAL NO PROCESSO DE TRABALHO DO ENFERMEIRO ISABELA FERNANDA LARIOS FRACAROLLI ANAIR LAZZARI NICOLA Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, Paraná,

Leia mais

A PRODUÇÂO CIENTÍFICA SOBRE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA NA ENFERMAGEM PUBLICADA NA REVISTA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM NO PERÍODO DE 2001 A 2006

A PRODUÇÂO CIENTÍFICA SOBRE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA NA ENFERMAGEM PUBLICADA NA REVISTA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM NO PERÍODO DE 2001 A 2006 A PRODUÇÂO CIENTÍFICA SOBRE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA NA ENFERMAGEM PUBLICADA NA REVISTA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM NO PERÍODO DE 2001 A 2006 Athaynne Ramos Vasconcelos de Aguiar Danielle de Oliveira Leite Lorenna

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM

EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM Eliese Denardi Cesar 1 Luciane Stanislawski de Souza 2 Roberta Mota Holzschuh 3 Graciela Gonsalves Borba 4 Janaína Kettenhuber

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco IMPORTÂNCIA DO USO DE EPI S EM EMPRESAS INCINERADORAS DE LIXO HOSPITALAR: VISÃO DO TRABALHADOR Suênia Kátia Gonçalves 1 Lidiane Leite Nobre 1 Maria Aparecida de Freitas 1 Ana Cláudia Cavalcante Silva 1

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA Neide Tiemi Murofuse 1 Rejane Rodrigues da Silva 2 INTRODUÇÃO: A área da Saúde do Trabalhador surge no contexto do Movimento

Leia mais

Caracterização dos acidentes de motocicleta e suas vítimas no município de Sorocaba, SP

Caracterização dos acidentes de motocicleta e suas vítimas no município de Sorocaba, SP Caracterização dos acidentes de motocicleta e suas vítimas no município de Sorocaba, SP Camila Lopes de Moraes Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Daniel Ramos Olcerenko Docente do Curso de Graduação

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

A SAÚDE DO TRABALHADOR NA ENFERMAGEM: UM RESGATE LITERÁRIO. Palavra-chave: acidente de trabalho, enfermagem, saúde ocupacional.

A SAÚDE DO TRABALHADOR NA ENFERMAGEM: UM RESGATE LITERÁRIO. Palavra-chave: acidente de trabalho, enfermagem, saúde ocupacional. A SAÚDE DO TRABALHADOR NA ENFERMAGEM: UM RESGATE LITERÁRIO 1 Elizandra Fernandes 2 Jocemara de Souza Fermino 3 Maria Zilar Scarmagnani Palavra-chave: acidente de trabalho, enfermagem, saúde ocupacional.

Leia mais

ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES

ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 RESUMO Glaidson de Souza Pezavento Tatiani Nascimento Santos Miriam Nascimento Santos Ashley da Silva Costa 2 Com a finalidade

Leia mais

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE DE MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE NA BAHIA

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE DE MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE NA BAHIA 1142 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE DE MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE NA BAHIA Andrei Souza Teles¹; Thereza Christina Bahia Coelho² 1. Bolsista PIBIC/CNPq, Graduando em Enfermagem,

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogerio Lisboa)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogerio Lisboa) PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogerio Lisboa) Altera a Lei nº LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997, tornando obrigatória por parte dos fabricantes, importadores e montadores de veículos, a inclusão

Leia mais

Termos de Referência Projeto BRA5U201

Termos de Referência Projeto BRA5U201 (02 cópias) Data limite para apresentação de candidaturas: 08/08/2013 Endereço eletrônico para envio de candidaturas: selecao@unfpa.org.br Identificação a ser utilizada como título do e-mail de candidatura:

Leia mais

Í N D I C E PRÓLOGO 5

Í N D I C E PRÓLOGO 5 Í N D I C E PRÓLOGO 5 CAPÍTULO I - EDUCAÇÃO E SEGURANÇA NO TRÂNSITO Trânsito e transporte II) EDUCAÇÃO E SEGURANÇA NO TRÂNSITO Objetivos da educação e segurança para o trânsito A educação para o trânsito

Leia mais

PROCESSO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA O SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU EDITAL 1/2008

PROCESSO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA O SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU EDITAL 1/2008 Condutor-Socorrista 1. Conduzir veículo terrestre de urgência destinado ao atendimento e transporte de pacientes; 2. Conhecer integralmente o veículo e realizar manutenção básica do mesmo; 3. Estabelecer

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO NA EMPRESA: DA IMPLANTAÇÃO À TESTAGEM TOXICOLÓGICA

PROGRAMA DE PREVENÇÃO NA EMPRESA: DA IMPLANTAÇÃO À TESTAGEM TOXICOLÓGICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Ciências Farmacêuticas Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas Laboratório de Análises Toxicológicas PROGRAMA DE PREVENÇÃO NA EMPRESA: DA IMPLANTAÇÃO À

Leia mais

PROJETO VIDA NO TRÂNSITO. Maria Audea de Lima e Sousa. Teresina Piaui RESUMO. Palavras chave. Introdução. Diagnóstico. Proposições.

PROJETO VIDA NO TRÂNSITO. Maria Audea de Lima e Sousa. Teresina Piaui RESUMO. Palavras chave. Introdução. Diagnóstico. Proposições. PROJETO VIDA NO TRÂNSITO Maria Audea de Lima e Sousa Teresina Piaui RESUMO Palavras chave Introdução Diagnóstico Proposições Resultados Introdução O projeto Vida no Trânsito está relacionado a instituições

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO

Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO Após discussões que duraram mais de cinco anos, foi aprovado no âmbito da Comissão Internacional de Saúde

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas Resultados das pesquisas:

Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas Resultados das pesquisas: Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas O Ministério da Saúde lançou, nesta sexta-feira (10) no Rio de Janeiro (RJ), uma campanha publicitária alertando sobre os

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU Nota Técnica nº 10 LIBERAÇÃO E SOLICITAÇÃO DE AMBULÂNCIA DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL

Leia mais

A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NO PROCESSO ASSISTENCIAL À FAMÍLIA DE RECÉM-NASCIDO DE RISCO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA.

A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NO PROCESSO ASSISTENCIAL À FAMÍLIA DE RECÉM-NASCIDO DE RISCO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA. A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NO PROCESSO ASSISTENCIAL À FAMÍLIA DE RECÉM-NASCIDO DE RISCO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA. Diniz, Alice Teixeira 1 ; Medeiros, Rita de Cássia Noronha 1 ; Rolim, Karla Maria Carneiro

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014)

NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014) NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014) Referência: Expediente n.º 3896/2014 Origem: Câmaras Técnicas EMENTA: RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 460/13. EXAME TOXICOLÓGICO DE

Leia mais

TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP

TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP

Leia mais

Metodologia Atividades Desenvolvidas em Saúde da criança

Metodologia Atividades Desenvolvidas em Saúde da criança A ATUAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA ATENÇÃO BÁSICA PRESTADA À SAÚDE DA CRIANÇA Maisa de Oliveira Sanday Sônia Regina Leite de Almeida Prado 1 Introdução Apesar dos avanços na

Leia mais

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010).

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010). O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e tem como finalidade promover,

Leia mais

SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO. Uma responsabilidade de todos

SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO. Uma responsabilidade de todos SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO Uma responsabilidade de todos QUEM SOMOS A FUNDACIÓN MAPFRE, instituição criada em 1975 pela MAPFRE, desenvolve atividades de interesse geral na Espanha e em outros países

Leia mais

Graduada de Ciência Sociais; Rua General Jardim, 522 CEP 01223-010 Vila Buarque São Paulo/SP; (11) 3123-7800 www.fespsp.org.br 4

Graduada de Ciência Sociais; Rua General Jardim, 522 CEP 01223-010 Vila Buarque São Paulo/SP; (11) 3123-7800 www.fespsp.org.br 4 TÍTULO: Ensaio acadêmico de aplicação do método PES - Planejamento Estratégico Situacional, na estratégia de formulação de uma de política de segurança viária AUTORES: Danielle Penha 1 ; Marinalva da Silva

Leia mais

CARTILHA DE TRÂNSITO. Dicas para você viver mais e melhor!

CARTILHA DE TRÂNSITO. Dicas para você viver mais e melhor! CARTILHA DE TRÂNSITO Dicas para você viver mais e melhor! Este material foi concebido pela SBOT Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia com o intuito de ser um agente expressivo na prevenção

Leia mais