INTRODUÇÃO. Conceito: Principal forma de trabalho do Brasil. Ausência de Liberdade / alienação Processo de coisificação Trabalho forçado

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO. Conceito: Principal forma de trabalho do Brasil. Ausência de Liberdade / alienação Processo de coisificação Trabalho forçado"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO Conceito: Ausência de Liberdade / alienação Processo de coisificação Trabalho forçado Principal forma de trabalho do Brasil

2 Imagem: Dono de Escravo sendo carregado pelos seus escravos. Gravura de Jean Baptiste Debret, 1816 / Domínio público SER ESCRAVO Quando se fala em escravidão no Brasil, no século XIX, qual a primeira imagem que lhe vem à mente? Gravura de Jean Baptiste Debret.

3 Imagem: O Pelourinho. Gravura de Jean Baptiste Debret / United States Public Domain. Imagem: Negros de Carro. Gravura de Jean Baptiste Debret / United States Public Domain. Escravo no pelourinho sendo açoitado. Escravos transportando carga. Geralmente, as primeiras referências que nos ocorrem são os castigos e as duras atividades diárias.

4 Imagem: Antiga Rua da Cruz, atual Rua do Bom Jesus. Gravura de Luis Schlappriz entre Domínio Público Presença escrava no espaço público urbano Tente identificar na imagem as características da escravidão urbana estudadas até aqui. Antiga Rua da Cruz, atual rua do Bom Jesus, com chafariz no meio dela. Alguns prédios a esquerda ainda existem. No último plano a Torre Malakoff. Desenho e litografia de Luiz Schlappriz, editada no Recife por Francisco Henrique Carls em Exposição Comemorativa Iconográfica do Recife, século XIX.

5 Observe os personagens desta imagem: identifique suas vestimentas, suas ocupações e tente imaginar como viviam. Imagem: Recife, capital de Pernambuco, meados da década de Gravura de Rugendas / United States Public Domain.

6 RESISTÊNCIA FORMAS DE RESISTÊNCIA PASSIVA FORMAS DE RESISTÊNCIA ATIVA Suicídio Revoltas Fuga Violência contra terceiros Matar o trabalho Violência contra senhores e feitores Formação de quilombo Capoeira

7 O MOVIMENTO ABOLICIONISTA O abolicionismo foi um movimento que se destacou a partir da década de 1880, que desejava a abolição total e imediata da escravidão. Entretanto, desde 1850 o sistema escravista vinha perdendo forças. Acontecimentos que colaboraram para o enfraquecimento da escravidão: A abolição do tráfico negreiro, por meio da lei Eusébio de Queirós (1850), gerou problemas na manutenção da mão de obra vinda da África; A Guerra do Paraguai ( ), em que milhares de escravos foram libertados para combater no lugar de seus proprietários; Guerra Civil Americana ( ), que terminou com a vitória dos nortistas, favoráveis ao fim da escravatura; O fim da escravidão nos impérios francês e português

8 O movimento abolicionista era composto por integrantes de várias classes sociais, inclusive das elites políticas, por intelectuais brancos, por segmentos do exército, pelas classes médias urbanas que começavam a ter significado na sociedade brasileira e por estudantes universitários. Foram criados clubes de emancipação, uma espécie de organização secreta para minar as bases econômicas do escravismo, roubando escravos. O mais antigo deles era o Clube do Cupim, com sede em Recife.

9 PEERSONAGENS O teatrólogo Artur Azevedo O engenheiro negro André de Rebouças O poeta Castro Alves O jornalista mestiço José do Patrocínio O jornalista negro Luís Gama Imagens da esquerda para a direita: (a) Autor Desconhecido / United States Public Domain. (b) Retrato de André Rebouças, óleo sobre tela, uma das raras pinturas de Rodolfo Bernardelli / United States Public Domain. (c) Albert Henschel, cerca de 1870 / Domínio Público. (d) Albert Henschel /United States Public Domain. (e) Autor desconhecido / United States Public Domain.

10 LEIS ABOLICIONISTAS Lei Bill Aberdeen (1845) A Inglaterra atribui direito de aprender qualquer navio negreiro que porventura dirigisse ao Império do Brasil. A marinha Inglesa capturou 625 embarcações Lei Eusébio de Queiroz (1850) Legislação Brasileira que proibiu o trafico negreiro no Brasil. Diminuiu a entrada de africanos no Brasil, contudo, aumento o trafico interno.

11 LEIS ABOLICIONISTAS Lei do Rio Branco ou Lei do Ventre Livre (1871) Liberdade para todas os escravos nascidos a partir da criação da lei; Meio milhão de crianças foram libertadas em idade produtiva. Lei dos Sexagenários ou Lei Saraiva Cotegipe (1885) Liberdade as escravos acima dos 60 anos de idade; O Estado pagava por cada alforria dada.

12 LEIS ABOLICIONISTAS Lei Áurea (1888) Abolia definitivamente a escravidão; 700 mil cativos foram libertados; Seus donos não receberam nenhuma indenização.

13 LEI DE TERRAS (1850) Só poderiam adquiri terras por compra ou por doação do Estado; Proibição a aquisição de terras por meio de posse; Os que já ocupavam as terras receberam titulo de proprietário e a única exigência era de produzir e residir nas terras. FAVELA

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

Escravidão. José Roberto Pinto de Góes Professor de História do Brasil/UERJ Pesquisador do CNPq

Escravidão. José Roberto Pinto de Góes Professor de História do Brasil/UERJ Pesquisador do CNPq Escravidão José Roberto Pinto de Góes Professor de História do Brasil/UERJ Pesquisador do CNPq Por quase quatro séculos, o sucesso do tipo de sociedade criada no Brasil dependeu da escravização de grande

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se 1 A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se envolveram na arrumação da sociedade étnica que estava

Leia mais

Desafios e mudanças no Império do Brasil

Desafios e mudanças no Império do Brasil A U A UL LA MÓDULO 6 Desafios e mudanças no Império do Brasil Abertura Art. 1º - As embarcações Brasileiras encontradas em qualquer parte, e as Estrangeiras encontradas nos portos, enseadas, ancoradouros

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral

APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral O convite que me foi feito por João Lopes Filho para apresentar o livro Cabo Verde abolição da escravatura subsídios

Leia mais

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO Sabrina Nascimento de Carvalho, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA, sabrinaerarisson@hotmail.com Rárisson

Leia mais

OS NEGOCIANTES DE ESCRAVOS E A PRESSÃO INGLESA PELA ABOLIÇÃO DO TRÁFICO TRANSATLÂNTICO (1830-1850)

OS NEGOCIANTES DE ESCRAVOS E A PRESSÃO INGLESA PELA ABOLIÇÃO DO TRÁFICO TRANSATLÂNTICO (1830-1850) OS NEGOCIANTES DE ESCRAVOS E A PRESSÃO INGLESA PELA ABOLIÇÃO DO TRÁFICO TRANSATLÂNTICO (1830-1850) Flávia Campany do Amaral 1 É sabido que na cidade do Rio de Janeiro, desde o século XVIII, existia um

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL * Três etapas: 1) Revoltas Nativistas 2) Revoltas Emancipacionistas 3) Período Joanino Família Real no Brasil (1808-1822)

Leia mais

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009.

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. A carta de alforria trazia as seguintes informações: identidade do dono [...],

Leia mais

História do Negro no Brasil

História do Negro no Brasil SHARYSE PIROUPO DO AMARAL Módulo 2 História do Negro no Brasil Salvador - 2011 PRESIDENTA DA REPÚBLICA Dilma Vana Rousseff MINISTRO DA EDUCAÇÃO Fernando Haddad REITORA DA UFBA Dora Leal Rosa VICE-REITOR

Leia mais

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2014/2 DIREITO HISTÓRIA

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2014/2 DIREITO HISTÓRIA Questão 0 HISTÓRIA Observe atentamente as imagens do jornal A Folha de S. Paulo, publicado em 0 de março de, e as manchetes transcritas ao lado. (Disponível em:

Leia mais

AULA 16 - Monarquia Brasileira. O Segundo Reinado (1840/1889)

AULA 16 - Monarquia Brasileira. O Segundo Reinado (1840/1889) AULA 16 - Monarquia Brasileira A aula de número quinze, tratou do Primeiro Reinado e do Período Regencial, nesta aula, abordaremos a Segundo Reinado. O Segundo Reinado (1840/1889) Política interna A vida

Leia mais

A campanha abolicionista e a escravidão no século XIX no Brasil, em Cuba e nos Estados Unidos

A campanha abolicionista e a escravidão no século XIX no Brasil, em Cuba e nos Estados Unidos MAMIGONIAN, Beatriz G.; SIQUEIRA, A. P. P. A campanha abolicionista e a escravidão no século XIX no Brasil, em Cuba e nos Estados Unidos. In: Adriana Pereira Campos; Gilvan Ventura da Silva. (Org.). A

Leia mais

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História Brasil Império Sétima Série Professora Carina História Confederação do Equador Local: Províncias do Nordeste. Época: 1824. Líderes da revolta: Manuel Paes de Andrade, frei Caneca e Cipriano Barata. Causas:

Leia mais

PEP/2011-2ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUES TÃ O (Valor 6,0)

PEP/2011-2ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUES TÃ O (Valor 6,0) 1 PEP/2011-2ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUES TÃ O (Valor 6,0) Comparar os períodos Regencial e Segundo Reinado, nos campos político e econômico, concluindo sobre os

Leia mais

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens Jean Baptiste Debret nasceu em Paris, na França, em 18 de abril de 1768. Formado pela Academia de Belas Artes de Paris, Debret foi um dos membros da Missão

Leia mais

Palavras-chave: Conselho de Estado - Abolição - Segundo Reinado

Palavras-chave: Conselho de Estado - Abolição - Segundo Reinado O Negro como Problema : A Escravidão no Conselho de Estado (1841-1889) 1 Ricardo Bruno da Silva Ferreira (UFF/RJ) RESUMO: No decorrer do século XIX, a abolição se tornara um assunto premente na imprensa,

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

LIBERDADE RELIGIOSA NO BRASIL IMPÉRIO SANTOS, Cristiano Rocha 1 Email: rochacristiano2005@hotmail.com

LIBERDADE RELIGIOSA NO BRASIL IMPÉRIO SANTOS, Cristiano Rocha 1 Email: rochacristiano2005@hotmail.com LIBERDADE RELIGIOSA NO BRASIL IMPÉRIO SANTOS, Cristiano Rocha 1 Email: rochacristiano2005@hotmail.com Introdução A expressão "liberdade religiosa" foi utilizada, provavelmente, pela primeira vez no segundo

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO APOLÔNIO SALLES

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO APOLÔNIO SALLES GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO APOLÔNIO SALLES SUPLETIVO 2013 NÍVEL: MÉDIO TURNO: MANHÃ QUADRO DE PROVAS HISTÓRIA PRÉDIO: SALA: NOME COMPLETO: RG: Nº DE INSCRIÇÃO: Leia

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

BRASIL MONÁRQUICO 2º REINADO BRASILEIRO História do Brasil Prof. Thiago

BRASIL MONÁRQUICO 2º REINADO BRASILEIRO História do Brasil Prof. Thiago BRASIL MONÁRQUICO 2º REINADO BRASILEIRO História do Brasil Prof. Thiago 1840-1850 ------1850 1870-------1870-1889 Pacificação Auge Crise Política Interna 02 Partidos Liberais Sem diferenças Conservadores

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo rivalidades e divergências

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 01. (Fatec-SP) Não

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR

PROJETO INTERDISCIPLINAR PROJETO INTERDISCIPLINAR 5º ANO 2013 DESENVOLVIMENTO ALUNOS BENEFICIADOS: 5º ANO TEMA: VISITANDO A HISTÓRIA DO BRASIL, ATRAVÉS DE DEBRET E OUTROS PINTORES O que se propõe é o estudo da história do Brasil

Leia mais

SAMBA EXPRESSÃO E MANIFESTAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOCIAL

SAMBA EXPRESSÃO E MANIFESTAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOCIAL SAMBA EXPRESSÃO E MANIFESTAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOCIAL Renata Albuquerque do Nascimento Trabalho de Conclusão de Curso de Licenciatura e Bacharelado em Geografia do Centro Universitário Fundação Santo André

Leia mais

UMA LEI PARA INGLÊS VER: A TRAJETÓRIA DA LEI DE 7 DE NOVEMBRO DE 1831

UMA LEI PARA INGLÊS VER: A TRAJETÓRIA DA LEI DE 7 DE NOVEMBRO DE 1831 UMA LEI PARA INGLÊS VER: A TRAJETÓRIA DA LEI DE 7 DE NOVEMBRO DE 1831 A LAW MADE TO DECEIVE GREAT BRITAIN THE TRAJECTORY OF THE LAW OF NOVEMBER 7, 1831 Argemiro Eloy Gurgel RESUMO Este artigo tem por objetivo

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

A GUERRA DE SECESSÃO UM OLHAR SOBRE A ESCRAVIDÃO

A GUERRA DE SECESSÃO UM OLHAR SOBRE A ESCRAVIDÃO A GUERRA DE SECESSÃO UM OLHAR SOBRE A ESCRAVIDÃO HISTÓRICO O O sul, de clima seco e quente permaneceu no séc. XIX atrasado com uma economia agroexportadora de algodão e de tabaco, baseada no latifúndio

Leia mais

EXAME INTELECTUAL AOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS 2011-12 SOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DO BRASIL

EXAME INTELECTUAL AOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS 2011-12 SOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DO BRASIL dessa Escoladessa Escola MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DFA ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLFF FILHO EXAME INTELECTUAL AOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS 2011-12 SOLUÇÃO

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

O abraço da hera. Raça e escravidão na Universidade

O abraço da hera. Raça e escravidão na Universidade DOI: 10.1590/S0103-40142015000200026 O abraço da hera. Raça e escravidão na Universidade Elena Pajaro Peres I comum considerar que a escravidão e É o tráfico de escravos africanos tornaram-se, após a independência

Leia mais

O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo de emancipação do trabalho escravo

O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo de emancipação do trabalho escravo O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo de emancipação do trabalho escravo Tiago Cesar da Silva Vanessa Faria e Silva 1. Introdução Este trabalho tem por objetivo demonstrar

Leia mais

Seminário internacional Herança, identidade, educação e cultura: gestão dos sítios e lugares de memória ligados ao tráfico negreiro e à escravidão

Seminário internacional Herança, identidade, educação e cultura: gestão dos sítios e lugares de memória ligados ao tráfico negreiro e à escravidão Seminário internacional Herança, identidade, educação e cultura: gestão dos sítios e lugares de memória ligados ao tráfico negreiro e à escravidão Palestra: Apresentação de experiências e práticas exemplares

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS TATIANA CAVALCANTE DE OLIVEIRA BOTOSSO Racismo no Brasil SÃO PAULO 2012 A segregação sócio-econômica que os negros sofrem no Brasil está naturalizada

Leia mais

AFROLAB III DIÁSPORA AFRICANA

AFROLAB III DIÁSPORA AFRICANA AFROLAB III DIÁSPORA AFRICANA São Paulo, 06 de dezembro de 2011 Sumário Introdução 3 Descobrir Afro-américa e o Caribe desde o Brasil 4 Banzo, Muhamed Buquaqua e a ideia de Diáspora Africana 5 Quisqueya

Leia mais

O FIM DO TRÁFICO ATLÂNTICO DE ESCRAVOS E A POLÍTICA DE ALFORRIAS NO BRASIL

O FIM DO TRÁFICO ATLÂNTICO DE ESCRAVOS E A POLÍTICA DE ALFORRIAS NO BRASIL O FIM DO TRÁFICO ATLÂNTICO DE ESCRAVOS E A POLÍTICA DE ALFORRIAS NO BRASIL Ricardo Tadeu Caires Silva 1 O tráfico ilegal de escravos para o Brasil era algo amplamente percebido pela população e durante

Leia mais

REFLETIR SOBRE A HISTÓRIA DO NEGRO NO BRASIL: UMA REPOSTA AO RACISMO

REFLETIR SOBRE A HISTÓRIA DO NEGRO NO BRASIL: UMA REPOSTA AO RACISMO REFLETIR SOBRE A HISTÓRIA DO NEGRO NO BRASIL: UMA REPOSTA AO RACISMO FREITAS, Madalena Dias Silva 1 Universidade Estadual de Goiás - Unidade Universitária de Iporá ¹madalenafreitasf@hotmail.com RESUMO

Leia mais

A TRANSIÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO PARA O TRABALHO LIVRE E AS RAÍZES DAS DESIGUALDADES DANIEL DO VAL COSENTINO 1 INTRODUÇÃO

A TRANSIÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO PARA O TRABALHO LIVRE E AS RAÍZES DAS DESIGUALDADES DANIEL DO VAL COSENTINO 1 INTRODUÇÃO A TRANSIÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO PARA O TRABALHO LIVRE E AS RAÍZES DAS DESIGUALDADES SOCIAIS NO BRASIL DANIEL DO VAL COSENTINO 1 INTRODUÇÃO A transição do trabalho escravo para o trabalho livre no Brasil

Leia mais

Abolição da Escravidão e dia da Consciência Negra

Abolição da Escravidão e dia da Consciência Negra Abolição da Escravidão e dia da Consciência Negra série Cadernos do Museu n 8 Câmara dos Deputados Mesa da Câmara dos Deputados 53ª Legislatura 2ª Sessão Legislativa 2008 Presidente Arlindo Chinaglia Primeiro-Vice-Presidente

Leia mais

Brasil no século XVII

Brasil no século XVII BRASIL COLÔNIA Brasil no século XVII Entre 1534 (quando foi implantado o sistema de Capitanias Hereditárias) e 1822 (emancipação política brasileira), o Brasil, e sua economia, estiveram subordinados a

Leia mais

Abolição e Resistência na Bahia

Abolição e Resistência na Bahia Vol. 5, No. 2, Spring 2008, 237-242 www.ncsu.edu/project/acontracorriente Review/Resenha Dale Torston Graden, From Slavery to Freedom in Brazil. Bahia, 1835-1900. Albuquerque: University of New Mexico

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS - HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º ANO

PLANO DE ESTUDOS - HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º ANO PLANO DE ESTUDOS - HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º ANO O aluno, no final do 6º ano, deve ser capaz de: Conhecer e compreender as características do império português dos séculos XVII e XVIII Conhecer

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2015-2 EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS Nº 03/2015 SEGUNDA FASE

PROCESSO SELETIVO 2015-2 EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS Nº 03/2015 SEGUNDA FASE PROCESSO SELETIVO 2015-2 EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS Nº 03/2015 SEGUNDA FASE RESPOSTAS ÀS CONTESTAÇÕES AO GABARITO OFICIAL PRELIMINAR DA PROVA DE HISTÓRIA QUESTÃO 1: A questão pede para caracterizar a política

Leia mais

Título Produção Quantidade Palavras chaves Resumo. 67 slides, uma fita k7 e roteiro audiovisual. Apenas cópia.

Título Produção Quantidade Palavras chaves Resumo. 67 slides, uma fita k7 e roteiro audiovisual. Apenas cópia. Título Produção Quantidade Palavras chaves Resumo A história que não foi contada 67 slides, uma fita k7 e roteiro Trabalho escravo, abolição. Trata sobre a formação do trabalho escravo, os trabalhos aos

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

SECA, SERTÃO, ESCRAVIDÃO O IMPACTO DA SECA DE 1877-79 NO ESCRAVISMO SERTANEJO Caetano De Carli

SECA, SERTÃO, ESCRAVIDÃO O IMPACTO DA SECA DE 1877-79 NO ESCRAVISMO SERTANEJO Caetano De Carli SECA, SERTÃO, ESCRAVIDÃO O IMPACTO DA SECA DE 1877-79 NO ESCRAVISMO SERTANEJO Caetano De Carli 2 SECA, SERTÃO, ESCRAVIDÃO O IMPACTO DA SECA DE 1877-79 NO ESCRAVISMO SERTANEJO Caetano De Carli Introdução

Leia mais

36a43-134-pesquisa-perfilgen 30/3/07 7:58 PM Page 36 > CAPA

36a43-134-pesquisa-perfilgen 30/3/07 7:58 PM Page 36 > CAPA > CAPA GENÉTICA A Africa nos genes do povo brasileiro Análise de DNA revela regiões que mais alimentaram o tráfico de escravos para o país RICARDO ZORZETTO * Durante pouco mais de três séculos de tráfico

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Analise com atenção as afirmativas a seguir que se referem às guerras napoleônicas, período de expansão militar e conquistas

Leia mais

Prof. Dra. Laiana Lannes.

Prof. Dra. Laiana Lannes. Entre a miscigenação e a multirracialização: brasileiros negros ou negros brasileiros? Os desafios do movimento negro brasileiro no período de valorização nacionalista Prof. Dra. Laiana Lannes. O tema

Leia mais

1) EXPOSIÇÃO: pinturas

1) EXPOSIÇÃO: pinturas º 1) EXPOSIÇÃO: pinturas KANDINSKY: TUDO COMEÇA NUM PONTO Local: CCBB BH : Praça da Liberdade Período: de 15 de abril a 22 de junho [segunda, quarta, quinta, sexta, sábado e domingo - 9h às 21h]. Entrada

Leia mais

de escravos a sul do Equador. A França iniciou o processo de libertação dos escravos no ano de 1818.

de escravos a sul do Equador. A França iniciou o processo de libertação dos escravos no ano de 1818. COMÉRCIO EXTERNO A análise do comércio externo da Guiné esbarra na realidade nua e crua do carácter agrícola e comercial como base da sua economia. Desde os primórdios dos Descobrimentos a Guiné contribuiu

Leia mais

MARCO CONCEITUAL A COR DA CULTURA DO PROJETO POR WÂNIA SANT ANNA

MARCO CONCEITUAL A COR DA CULTURA DO PROJETO POR WÂNIA SANT ANNA MARCO CONCEITUAL DO PROJETO A COR DA CULTURA POR WÂNIA SANT ANNA Fevereiro, 2005 SUMÁRIO Introdução... 03 Marco Conceitual... 06 Apresentação do projeto A cor da Cultura : objetivos e parceiros... 07 Teorias

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO: SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

MEMORIAL DESCRITIVO: SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA MEMORIAL DESCRITIVO: SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA IRATI NOV/2014 Durante o ano letivo de 2014 foram desenvolvidas diversas atividades referentes aos temas: Cultura Afro-Brasileira e Africana, Cultura Indígena,

Leia mais

ASSINADA A LEI ÁUREA

ASSINADA A LEI ÁUREA Órgão do Senado do Império ASSINADA A LEI ÁUREA O Brasil está livre do trabalho escravo. Na tarde de ontem, domingo, a Princesa Isabel sancionou a lei que pôs fim a mais de 300 anos de escravidão. Conforme

Leia mais

Tratado de Methuen: A Primeira Desgraça Imperialista Inglesa

Tratado de Methuen: A Primeira Desgraça Imperialista Inglesa 1 Capítulo I Tratado de Methuen: A Primeira Desgraça Imperialista Inglesa A grande desgraça que a Inglaterra fez abater sobre Portugal é o Tratado de Methuen em 1703. Os resultados do tratado foram desfavoráveis

Leia mais

Hospital da Santa Casa da Misericórdia: assistência à saúde no Rio de Janeiro dos Oitocentos

Hospital da Santa Casa da Misericórdia: assistência à saúde no Rio de Janeiro dos Oitocentos Hospital da Santa Casa da Misericórdia: assistência à saúde no Rio de Janeiro dos Oitocentos TÂNIA SALGADO PIMENTA O objetivo deste trabalho é analisar essas relações ao longo do século XIX, considerando

Leia mais

Escola de pensamento surgida Faculdade de Direito do Recife na década de 1870.

Escola de pensamento surgida Faculdade de Direito do Recife na década de 1870. ESCOLA DO RECIFE Escola de pensamento surgida Faculdade de Direito do Recife na década de 1870. OS PRIMEIROS CURSOS SUPERIORES As Faculdades de Direito surgiram no Brasil no início do século XIX, ligadas

Leia mais

VESTIBULAR 2013 1ª Fase. HISTÓRIA Grade de Correção. Instruções Gerais: Instruções para a prova de História:

VESTIBULAR 2013 1ª Fase. HISTÓRIA Grade de Correção. Instruções Gerais: Instruções para a prova de História: Instruções Gerais: VESTIBULAR 2013 1ª Fase HISTÓRIA Grade de Correção Hoje você deverá responder às questões de Artes e Questões Contemporâneas, História, Geografia e de Raciocínio Lógico-Matemático. Você

Leia mais

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome:

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: Leia este texto para responder às questões de 1 a 4. Quando eu nasci, meu pai logo se encarregou de registrar este acontecimento.

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder...

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder... Liberdade, propriedade e exploração. A revolução agrícola e as relações comerciais. Capítulo 1: Item 5 Relações de trabalho nas sociedades indígenas brasileiras e americanas. Escravidão e servidão. Divisão

Leia mais

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 Não é possível exibir esta imagem no momento. A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 É também chamada Guerra da Tríplice Aliança

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

SOUZA, Ailton Benedito de. Haiti: A recorrente ira de Spartacus, In_ Comunicação & Política, n.s., v. XI, n.1.

SOUZA, Ailton Benedito de. Haiti: A recorrente ira de Spartacus, In_ Comunicação & Política, n.s., v. XI, n.1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DISCIPLINA: AMÉRICA III ALUNO: IRLAN VILELA RESENHA BIBLIOGRAFIA: SOUZA, Ailton Benedito de. Haiti: A recorrente ira de Spartacus,

Leia mais

A REPRESENTAÇÃO DO NEGRO NA FOTOGRAFIA BRASILEIRA

A REPRESENTAÇÃO DO NEGRO NA FOTOGRAFIA BRASILEIRA A REPRESENTAÇÃO DO NEGRO NA FOTOGRAFIA BRASILEIRA UM ESTUDO DAS CARTES DE VISTE Marcelo Eduardo Leite Professor Adjunto da Universidade Federal do Ceará Campus Cariri marceloeleite@cariri.ufc.br Apresentação

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Considerando a função social das informações geradas nos sistemas de comunicação e informação, o ambiente virtual descrito no texto exemplifica

Considerando a função social das informações geradas nos sistemas de comunicação e informação, o ambiente virtual descrito no texto exemplifica 01) O "Portal Domínio Público", lançado em novembro de 2004, propõe o compartilhamento de conhecimentos de forma equânime e gratuita, colocando à disposição de todos os usuários da Internet, uma biblioteca

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2012-2 GABARITO DA PROVA DE HISTÓRIA

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2012-2 GABARITO DA PROVA DE HISTÓRIA Questão 1 Leia o seguinte trecho: Sem dúvida sempre houve cidades no Ocidente, mas os cadáveres das cidades romanas do Baixo Império não continham em suas muralhas mais do que um punhado de habitantes,

Leia mais

II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional

II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional EM ÁGUAS DO ATLÂNTICO SUL: escravos-marinheiros no cais do porto de Itajaí (SC) no século XIX. José Bento Rosa da Silva Manoel Caetano Vieira, era

Leia mais

Quando Nosso Senhor Deus fez as criaturas, não quis que todas fossem iguais, mas estabeleceu e ordenou a cada um a sua virtude.

Quando Nosso Senhor Deus fez as criaturas, não quis que todas fossem iguais, mas estabeleceu e ordenou a cada um a sua virtude. Os Estados Nacionais Modernos e o Absolutismo Monárquico Quando Nosso Senhor Deus fez as criaturas, não quis que todas fossem iguais, mas estabeleceu e ordenou a cada um a sua virtude. Quanto aos reis,

Leia mais

A ÁFRICA NOS TEMPOS DO TRÁFICO ATLÂNTICO

A ÁFRICA NOS TEMPOS DO TRÁFICO ATLÂNTICO A ÁFRICA NOS TEMPOS DO TRÁFICO ATLÂNTICO O ISLÃ CHEGA À ÁFRICA A partir do séc. VII, os árabes muçulmanos construíram um grande império na África: Oriente Médio, norte da África até grande parte da Península

Leia mais

Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos de recuperação semestral.

Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos de recuperação semestral. Nome: Nº: Ano: 8º Ensino Fundamental Disciplina: História Data: / / Prof: Teonila L. S. Maia Nota: Roteiro de Recuperação 2ª etapa Caro aluno, Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos

Leia mais

FAEC - Fundação Antares de Educação e Cultura Colégio Antares - Ensino Fundamental, Médio, Pré-Vestibular e Educação Profissional

FAEC - Fundação Antares de Educação e Cultura Colégio Antares - Ensino Fundamental, Médio, Pré-Vestibular e Educação Profissional FAEC - Fundação Antares de Educação e Cultura Colégio Antares - Ensino Fundamental, Médio, Pré-Vestibular e Educação Profissional Preparamos uma breve lista com dicas de outros materiais e/ou fontes de

Leia mais

MEMÓRIA E IDENTIDADE: O PATRIMÔNIO CULTURAL DE CONCEIÇÃO DOS CAETANOS

MEMÓRIA E IDENTIDADE: O PATRIMÔNIO CULTURAL DE CONCEIÇÃO DOS CAETANOS MEMÓRIA E IDENTIDADE: O PATRIMÔNIO CULTURAL DE CONCEIÇÃO DOS CAETANOS Pryscilla Rodrigues Martins Universidade Estadual do Ceará (ex- aluna) pryscilla.martins@gmail.com O Patrimônio Cultural e sua preservação

Leia mais

Ricardo Morais SCATENA

Ricardo Morais SCATENA SCHWARCZ, Lilia Moritz. O sol do Brasil: Nicolas-Antoine Taunay e as desventuras dos artistas franceses na corte de D. João. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. Ricardo Morais SCATENA Professora titular

Leia mais

Ideais revolucionários do século XVIII

Ideais revolucionários do século XVIII Ideais revolucionários do século XVIII O que é Liberdade? Simón Bolívar Venezuela? livro pg. 158. Toussanint-L Overture Haiti livro pg.158. Camponeses mexicanos? livro pg. 158. Indígenas do Peru? livro

Leia mais

ANPUH XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA João Pessoa, 2003. KOTHE, Flávio. Walter Benjamin, São Paulo: Ática, 1985. 3 - Ob. cit., p.55.

ANPUH XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA João Pessoa, 2003. KOTHE, Flávio. Walter Benjamin, São Paulo: Ática, 1985. 3 - Ob. cit., p.55. IMPRENSA E ABOLICIONISMO NO RIO DE JANEIRO Prof. Humberto Fernandes Machado - UFF O movimento abolicionista a partir de 1880 foi impulsionado pelas transformações que estavam se operando no Império, em

Leia mais

Exercícios de Guerra Civil Espanhola e 2ª Guerra Mundial

Exercícios de Guerra Civil Espanhola e 2ª Guerra Mundial Exercícios de Guerra Civil Espanhola e 2ª Guerra Mundial 1. (Ufes) A Guerra Civil Espanhola (1936-1939), em que perderam a vida mais de 1 milhão de pessoas, terminou com a derrota dos Republicanos e com

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

ESCRAVOS E SENHORES NA PROVÍNCIA DE GOIÁS: demografia e cotidiano

ESCRAVOS E SENHORES NA PROVÍNCIA DE GOIÁS: demografia e cotidiano ESCRAVOS E SENHORES NA PROVÍNCIA DE GOIÁS: demografia e cotidiano Pedro Luiz do Nascimento Neto 1 Dentre os trabalhos que tiveram grande destaque, e que, de certa forma repercutiram na produção historiográfica

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Direito Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Direito Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Graduação Curso de Direito Trabalho de Conclusão de Curso AÇÕES AFIRMATIVAS PARA O INGRESSO DE NEGROS NA UNIVERSIDADE PÚBLICA: COMPARAÇÃO ENTRE O MODELO NORTE AMERICANO E O BRASILEIRO Autora:

Leia mais

EXPLIQUE o modelo de sociedade patriarcal presente no Nordeste açucareiro no período colonial.

EXPLIQUE o modelo de sociedade patriarcal presente no Nordeste açucareiro no período colonial. PARA A VALIDADE DO QiD, AS RESPOSTAS DEVEM SER APRESENTADAS EM FOLHA PRÓPRIA, FORNECIDA PELO COLÉGIO, COM DESENVOLVIMENTO E SEMPRE A TINTA. TODAS AS QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA DEVEM SER JUSTIFICADAS.

Leia mais