VIOLÊNCIA E DIREITO: A DIGNIDADE ESFACELADA DO OUTRO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIOLÊNCIA E DIREITO: A DIGNIDADE ESFACELADA DO OUTRO"

Transcrição

1 II FÓRUM MINEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍTICAS PÚBLICAS E VIOLÊNCIA URBANA: REFLEXÃO SOBRE AS PRÁTICAS JURÍDICAS E BIOPOLÍTICAS E DE SEGREGAÇÃO SOCIAL VALDÊNIA GERALDA DE CARVALHO PRÓ-REITORA DE PÓS-GRADUAÇÃO DA ESCOLA SUPERIOR DOM HELDER CÂMARA

2 A VIOLÊNCIA E O OUTRO Em A Conquista da América, Tzvetan Todorov nos relata as práticas de extrema violência impostas pelo conquistador europeu, no século XVI, contra as populações nativas da América, interpretando tal fenômeno como fruto da negação da natureza humana do indígena e, por isso, o nativo como não portador de direitos iguais. Contemporaneamente, outras abordagens defendem que a questão da exclusão do outro é fruto do seu não reconhecimento, derivando desse fenômeno atitudes e atos de unilateralidade e de seletividade dos socialmente integrados e do poder institucional para com os excluídos.

3 A VIOLÊNCIA E O OUTRO Inspirados nessas abordagens de âmbito histórico, sociológico e filosófico, podemos dizer que a violência tem uma natureza múltipla, de ordem moral, econômica, social e política, a partir da qual se manifesta a violência contra o outro, não reconhecido em seus direitos e nem como igual. Para nossos objetivos nessa breve palestra, definimos como o outro, o ser humano que nasce e se desenvolve em espaços urbanos e sociais distanciados e desiguais em relação aos valores da ordem social dominante, numa situação de segregação social, de forma que, como vítima da violência, não há solidariedade e nem reconhecimento dos seus direitos e de suas garantias constitucionais.

4 FUNDO HISTÓRICO Natureza histórica do Estado brasileiro é caracterizada por uma tradição autoritária, elitista, segregacionista e antipopular. Legado de três séculos de escravismo e, posteriormente à escravidão, questões de ordem étnico-racial e social, como o racismo e o preconceito social, determinaram a visão de mundo e de nação que as elites brancas brasileiras abraçaram desde fins do século XIX, modelo de nação que não reconhecia as massas empobrecidas e negras.

5 NAÇÃO E AUTORITARISMO Ideia de nação não integrou processos participativos e democráticos dos grupos étnicos e sociais. Processo modernizador do Estado e da sociedade, iniciado nos anos de 1930, caracterizou-se pelo autoritarismo estatal, conservadorismo e tutela sobre os movimentos sociais. Modelo autoritário de desenvolvimento atingiu seu ápice em 1964, com a tomada do poder pelos militares e seus aliados civis.

6 HERANÇA HISTÓRICA RECENTE Redemocratização iniciada em 1985 e coroada com a promulgação da Constituição de 1988, apesar dos avanços da ordem democrática, ainda não conseguiu extirpar as práticas discriminatórias e autoritárias entre Estado e os grupos socialmente vulneráveis. Relatórios de Organizações de Direitos Humanos, por exemplo, constatam recorrentemente que a tortura e as agressões aos direitos humanos ainda vigoram nas prisões do país. A violência que se difunde nos estratos mais vulneráveis da sociedade encontra nos órgãos e agentes estatais um elemento ativo e decisivo.

7 SIGNOS DA VIOLÊNCIA INSTITUCIONAL Em 20/06/2011, na Baixada Fluminense, quatro policiais executam o menino Juan de Moraes, de 11 anos, e depois desaparecem com o corpo, posteriormente encontrado pelas autoridades. Em Fortaleza, em 25/07/2010, Bruce Cristian, um adolescente de 14 anos sentado na garupa da moto do pai, é morto pelas costas por policial com tiro na cabeça, durante uma desastrada abordagem em um sinal de trânsito.

8 SIGNOS DA VIOLÊNCIA INSTITUCIONAL Em Belo Horizonte, na madrugada do dia 19/02/2011, durante operação, policiais matam, à queima roupa e com tiros de grosso calibre, dois moradores na favela Vila Marçola, no Aglomerado da Serra. Moradores do aglomerado, Jeferson Coelho da Silva (17 anos) e seu tio, Renilson Veriano da Silva, (31 anos), foram as vítimas da desastrada ação policial.

9 NÃO-RECONHECIMENTO DOS DIREITOS DO OUTRO A violência que se verifica entre e contra os segmentos populacionais caracterizados pela vulnerabilidade social e urbana é fruto de uma lógica seletiva e discricionária que guarda raízes ainda nas práticas autoritárias do Estado Brasileiro. Exclusão dos aglomerados e das favelas configura os locais de onde nascem os estigmas, os estereótipos os mais variados sobre o outro. Omissão estatal e impunidade contribuem para que a vida das populações de vilas e favelas se caracterize por baixa qualidade de vida urbana, violência sem fim e uma presença frágil dos serviços públicos essenciais.

10 NÃO-RECONHECIMENTO DOS DIREITOS DO OUTRO Tal situação contribui para que as favelas e seus moradores sejam vistos como estrangeiros em sua cidade, um outro ao qual não se reconhece os direitos humanos e a garantia dos direitos de cidadania. Na prática cotidiana, políticas públicas inclusivas, geralmente isoladas e setoriais, pouco avançam na superação das distâncias e da segregação entre as culturas urbanas. Configura-se, pois, uma vida social limitada pela solidariedade às identidades socialmente reconhecidas, daí resultando a indiferença, os excessos nos mecanismos de controle e de segurança pública e a não solidariedade para com esse outro.

11 VIOLÊNCIA SELETIVA O III Relatório Nacional de Direitos Humanos demonstra que a tortura e o crime violento são ainda corriqueiros no Brasil atual. Vítimas e agentes da violência guardam vínculos com órgãos/agentes estatais, sinalizando não só para uma ineficiência do estado face à violência, mas, o que é grave, sua responsabilidade e estímulo à impunidade. As vítimas e os agentes de crimes violentos, em parte significativa, são jovens negros, brancos empobrecidos, do sexo masculino, geralmente moradores de áreas urbanas carentes e vulneráveis, desassistidas dos serviços públicos essenciais e sem acesso às instâncias do judiciário.

12 PARADOXOS Violência institucional atual ocorre em contexto de vigência do Estado Democrático de Direito, expansão e reconhecimento de direitos para grupos vulneráveis, direitos de minorias, como as garantias de direitos de proteção ao meio ambiente, de proteção aos homossexuais, às mulheres, às crianças, aos idosos etc. Políticas de reforma urbana têm sido executadas nas grandes capitais e centros urbanos brasileiros, mas com impactos ainda limitados no controle da criminalidade violenta e na mudança das perspectivas culturais e de inclusão do outro na sociedade formal.

13 NÃO-RECONHECIMENTO E VIOLÊNCIA 1 - O não reconhecimento do outro: o diferente como não cidadão ou com direitos parciais, fragilizados e limites das políticas públicas de âmbito universal. 2 Participação social restrita a determinados grupos: baixa capacidade de negociação e de comunicação entre os segmentos organizados e não organizados. 3 Sociedade cindida: o não reconhecido é o carente de direitos humanos e vítima privilegiada da violência e da indiferença social.

14 NÃO RECONHECIMENTO E RETROALIMENTAÇÃO Grupos socialmente vulneráveis desenvolvem culturas próprias, identitárias e, por força de uma tradição de exclusão, tendem seus membros mais jovens, do sexo masculino, a ingressar no mundo da criminalidade organizada e compor as estatísticas do crime violento. O não reconhecimento gera a objetificação do outro, sua reificação, e favorece uma consciência seletiva e funesta ao Direito, na medida que uns são cidadãos plenos, enquanto outros ou não o são ou o são parcialmente.

15 VIOLÊNCIA COMO PATOLOGIA SOCIAL A sociedade cindida restringe as solidariedades sociais e humanas, cultiva a indiferença e estimula a impunidade dos atos lesivos à dignidade. O esquecimento é o corolário nefasto do não reconhecimento: a memória dos atos e atitudes lesivos contra o outro cai no esquecimento pela inoperância estatal em fazer justiça e integrar todos os grupos sociais.

16 O LUGAR DO DIREITO A resposta à violência urbana e social contra o outro morador de vilas e favelas - no plano do direito, exige que se estimule e garanta a participação e o protagonismo desses grupos sociais/populacionais nos destinos da sociedade. Aos órgãos e agentes de segurança deve ser incutido o valor e a necessidade de preservação da vida nas ações de segurança, na perspectiva de se reconhecer o outro o ser humano vítima da exclusão urbana e social - como ser humano pleno, portador de direitos inalienáveis como o usufruem as camadas privilegiadas da sociedade.

17 O LUGAR DO DIREITO No campo da segurança urbana, propiciar ao agente estatal responsável pela segurança pública a consciência do outro como detentor de direitos iguais. A conscientização nasce da aplicabilidade do direito, no caso, atos lesivos ao direito do outro impetrados por agentes estatais devem ser punidos, como ação pedagógica inibidora da violência. Os currículos formativos do agente de segurança devem assumir o paradigma do reconhecimento do outro, como reconhecimento de sua alteridade, da solidariedade com um ser igual e pleno de direitos.

18 O LUGAR DO DIREITO Incrementar a participação civil como antídoto à indiferença e à contemplação passiva. Implementar com efetividade o III Programa Nacional de Direitos Humanos que defende no Eixo Orientador IV: Segurança Pública, Acesso à Justiça e Combate à Violência, na Diretriz 17, sob o título Promoção de sistema de justiça mais acessível, ágil e efetivo, para o conhecimento, a garantia e a defesa dos direitos, materializada em VI objetivos estratégicos, os quais vale a pena citar literalmente:

19 O LUGAR DO DIREITO: OBJETIVOS DO III PNDH I: Acesso da população à informação sobre seus direitos e sobre como garanti-los; II: Garantia do aperfeiçoamento e monitoramento das normas jurídicas para proteção dos Direitos Humanos; III: Utilização de modelos alternativos de solução de conflitos; IV: Garantia de acesso universal ao sistema judiciário; V: Modernização da gestão e agilização do funcionamento do sistema de justiça; VI: Acesso à Justiça no campo e na cidade.

20 CONCLUSÃO Reconhecimento: necessidade de uma política pública inclusiva, fundada no reconhecimento dos direitos do outro. Eficácia do Estado Democrático de Direito: políticas públicas de acesso ao Judiciário, em conjugação com a execução de ações universais e particulares de inclusão social. Aprofundamento da Democracia: maior efetividade dos mecanismos decisórios relativos à participação civil. Dignidade da Pessoa Humana: todos os grupos étnicosociais portadores de direitos e de dignidade.

21 CONCLUSÃO Para uma efetiva inclusão social, desenvolvimento de ações públicas de garantia da autoconfiança, do autorrespeito e da autoestima a todo ser humano habitante de áreas urbanas de baixa integração social. Pacificação das favelas: polícia de mãos limpas, sem envolvimento com a criminalidade e plena observância dos direitos humanos. Políticas públicas universais e específicas devem se conjugar, de forma a prevenir os estigmas e estereótipos sobre o público-alvo dos programas.

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE CURSO NEON PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009. Profª Andréa Azevêdo Disciplina: DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO SOCIAL ANDRÉA AZEVÊDO Professora. e-mail: professoraandreaazevedo@yahoo.com.br

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO N 3431

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO N 3431 RESOLUÇÃO N 3431 O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Complementar Estadual n 85, de 27 de dezembro de 1999, tendo em vista o contido

Leia mais

Módulo I. DISCIPLINA Estado, Direito e Cidadania, em perspectiva comparada. DISCIPLINA Introdução aos Estudos sobre Segurança Pública

Módulo I. DISCIPLINA Estado, Direito e Cidadania, em perspectiva comparada. DISCIPLINA Introdução aos Estudos sobre Segurança Pública Módulo I Estado, Direito e Cidadania, em perspectiva comparada Ementa: Liberalismo, individualismo e cidadania na Europa Ocidental dos séculos XVII- XIX. Mecanismos de repressão e de controle da emergente

Leia mais

UNGASS/2016 CONTRIBUIÇÕES PARA O CONAD/MJ ABRAMD - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA MULTIDISCIPLINAR DE ESTUDOS SOBRE DROGAS

UNGASS/2016 CONTRIBUIÇÕES PARA O CONAD/MJ ABRAMD - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA MULTIDISCIPLINAR DE ESTUDOS SOBRE DROGAS UNGASS/2016 CONTRIBUIÇÕES PARA O CONAD/MJ ABRAMD - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA MULTIDISCIPLINAR DE ESTUDOS SOBRE DROGAS Encaminhado por Maria Fátima Olivier Sudbrack Presidente da ABRAMD mfosudbrack@gmail.com

Leia mais

DECLARAÇÃO DE MADRI. A não-discriminação e a ação afirmativa resultam em inclusão social

DECLARAÇÃO DE MADRI. A não-discriminação e a ação afirmativa resultam em inclusão social DECLARAÇÃO DE MADRI A não-discriminação e a ação afirmativa resultam em inclusão social Aprovada em Madri, Espanha, em 23 de março de 2002, no Congresso Europeu de Pessoas com Deficiência, comemorando

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2007

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2007 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2007 Redação final das Emendas do Senado ao Projeto de Lei de Conversão nº 32, de 2007 (Medida Provisória nº 384, de 2007). A Comissão Diretora apresenta a redação final

Leia mais

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br 3º Seminário de Proteção Escolar / Secretaria da Educação 20 e 21 de agosto de 2014 / Serra Negra 1 Diferenças culturais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 6 22/10/2008 16:54 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Mensagem de veto Conversão da Medida Provisória nº 416-08 LEI Nº 11.707, DE 19 DE JUNHO DE 2008. Altera a Lei

Leia mais

II criação e fortalecimento de redes sociais e comunitárias;

II criação e fortalecimento de redes sociais e comunitárias; LEI 11.530, DE 24 DE OUTUBRO DE 2007 Institui o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania PRONASCI e dá outras providências. * V. Portaria MJ 1.411/2007 (Instrumentos de cooperação federativa

Leia mais

CNAS. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Especial dos Direitos Humanos (2007-2015) 2015)

CNAS. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Especial dos Direitos Humanos (2007-2015) 2015) Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária (2007-2015) 2015) MARCO LEGAL A CRIANÇA E O ADOLESCENTE COMO SUJEITOS DE DIREITOS

Leia mais

Da Política Municipal dos Direitos da Cidadania

Da Política Municipal dos Direitos da Cidadania PROCESSO Nº 950/03 - PROJETO DE LEI Nº 82 INTERESSADO: Vereador Idelso Marques de Souza Paraná ASSUNTO: Institui a Política Municipal dos Direitos da Cidadania, contra as discriminações e violências, cria

Leia mais

RESOLUÇÃO N 124/2006. O Conselho Municipal de Assistência Social de Porto Alegre, no uso das atribuições que lhe confere a Lei Complementar n 352/95,

RESOLUÇÃO N 124/2006. O Conselho Municipal de Assistência Social de Porto Alegre, no uso das atribuições que lhe confere a Lei Complementar n 352/95, RESOLUÇÃO N 124/2006 O Conselho Municipal de Assistência Social de Porto Alegre, no uso das atribuições que lhe confere a Lei Complementar n 352/95, RESOLVE: Aprovar a utilização das definições de Programas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 23 DE JANEIRO DE 2008.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 23 DE JANEIRO DE 2008. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 23 DE JANEIRO DE 2008. Altera a Lei no 11.530, de 24 de outubro de 2007, que institui o Programa Nacional

Leia mais

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2 1 O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2 RESUMO: Este artigo apresenta uma reflexão sobre a violência

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS LINHAS DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS LINHAS DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 1. SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - SENASP Gestão do Conhecimento e de Informações criminais; Formação e Valorização Profissional; Implantação

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual

A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual Audiência Pública: CSSF da Câmara dos Deputados, 06/11/2012 Apresentação Toni Reis Especialista em Sexualidade Humana Mestre em Filosofia, na área de ética

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM: POLÍTICAS E GESTÃO PRISIONAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM: POLÍTICAS E GESTÃO PRISIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM: POLÍTICAS E GESTÃO PRISIONAL DISCIPLINAS MÓDULOS CH 01 ÉTICA NA SEGURANÇA PÚBLICA E PRISIONAL Capacitar o aluno para assumir uma conduta ética e legal no relacionamento profissional e

Leia mais

Senhor Presidente: JUSTIFICAÇÃO

Senhor Presidente: JUSTIFICAÇÃO Senhor Presidente: REQUERIMENTO Nº, 2015 Requeremos a Vossa Excelência, nos termos do 3o do art. 58 da Constituição Federal e na forma dos artigos 35 e seguintes do Regimento Interno da Câmara dos Deputados,

Leia mais

CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO RACIAL (DECRETO Nº 65.810, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1969)

CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO RACIAL (DECRETO Nº 65.810, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1969) Normas internacionais sistema global DECLARAÇÃO UNIVERSAL DE DIREITOS HUMANOS Art. 2º - Toda pessoa tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidas nesta Declaração, sem distinção de

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

Leia o texto a seguir e responda às questões de 01 a 05. Dia Nacional de Combate ao abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

Leia o texto a seguir e responda às questões de 01 a 05. Dia Nacional de Combate ao abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes Leia o texto a seguir e responda às questões de 01 a 05. Dia Nacional de Combate ao abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes Francisco dos Santos Marcos (Presidente do CMDCA de Jaguariaíva)

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* PREVENÇÃO

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* PREVENÇÃO PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* PREVENÇÃO Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015. ASSUNTO

Leia mais

DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA CONTEMPORANEIDADE. Aida Monteiro

DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA CONTEMPORANEIDADE. Aida Monteiro DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA CONTEMPORANEIDADE Aida Monteiro 2011 Direitos Humanos Para Todos/as Os Direitos Humanos são frutos da luta pelo reconhecimento, realização e universalização

Leia mais

Noções de Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos

Noções de Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Noções de Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Direitos Humanos Criada durante o pós Guerra ( 2ª Guerra Mundial), em 1946 e aprovada em 1948 pela Assembléia Geral das Nações Unidas;

Leia mais

MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04

MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04 MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Apresentação O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completa 24 anos este ano, mas sua história

Leia mais

Torre de Babel. Luis Flavio Sapori. Nota sobre a I Conseg

Torre de Babel. Luis Flavio Sapori. Nota sobre a I Conseg Nota sobre a I Conseg Luís Flávio Sapori é doutor em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro, professor e coordenador do curso de Ciências Sociais da Universidade Católica

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS. 1. Nome da organização/coletivo/indivíduo* 2. Local onde são desenvolvidas suas atividades ou as de sua agrupação*

INFORMAÇÕES GERAIS. 1. Nome da organização/coletivo/indivíduo* 2. Local onde são desenvolvidas suas atividades ou as de sua agrupação* Indivíduos e instituições (ONGs, sindicatos, organizações internacionais, igrejas, associações, institutos, órgãos públicos, entre outras) no Hemisfério Sul: [Formulário único e intransferível para a organização

Leia mais

DECLARAÇÃO DO BRASIL

DECLARAÇÃO DO BRASIL DECLARAÇÃO DO BRASIL Um Marco de Cooperação e Solidariedade Regional para Fortalecer a Proteção Internacional das Pessoas Refugiadas, Deslocadas e Apátridas na América Latina e no Caribe Brasília, 3 de

Leia mais

PRINCÍPIO DA IGUALDADE DIREITOS INDIVIDUAIS PRINCÍPIO DA ISONOMIA. Estrangeiro Não residente. Princípio da Legalidade.

PRINCÍPIO DA IGUALDADE DIREITOS INDIVIDUAIS PRINCÍPIO DA ISONOMIA. Estrangeiro Não residente. Princípio da Legalidade. DIREITOS INDIVIDUAIS PRINCÍPIO DA IGUALDADE Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F Ensino Médio Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Movimentos Sociais e Lei Maria da Penha H33 2 Arte, Cultura Global e Identidade Cultural H58, H59

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 2014. 6º Ofício de Registro de Títulos e Documentos da Cidade do Rio de Janeiro PACTO GLOBAL

COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 2014. 6º Ofício de Registro de Títulos e Documentos da Cidade do Rio de Janeiro PACTO GLOBAL COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 2014 6º Ofício de Registro de Títulos e Documentos da Cidade do Rio de Janeiro PACTO GLOBAL I INTRODUÇÃO A. Palavra da Oficiala Já são quase dez anos desde que o projeto Registro

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO LESSA CURSOS PREPARATÓRIOS CAPÍTULO 1 O ESTATUTO DO IDOSO O Estatuto do Idoso - Lei 10.741/2003, é o diploma legal que tutela e protege, através de um conjunto

Leia mais

III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL.

III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL. III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL. DOCUMENTO BASE: 1 - A comissão organizadora propõe aos delegados das pré conferências a aprovação das seguintes propostas de políticas e ações

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA COMITÊ DEFICIÊNCIA E ACESSIBILIDADE. Relatório de atividades

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA COMITÊ DEFICIÊNCIA E ACESSIBILIDADE. Relatório de atividades ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA COMITÊ DEFICIÊNCIA E ACESSIBILIDADE Relatório de atividades Criado em março de 2012, o Comitê participou da Organização da 28ª RBA, tornando o evento acessível por

Leia mais

Secretaria Nacional de Segurança Pública

Secretaria Nacional de Segurança Pública Secretaria Nacional de Segurança Pública Mulheres da Paz Conceito do Mulheres da Paz O Projeto MULHERESDAPAZ é uma iniciativa do Ministério da Justiça, instituída pela Lei n 11.530/2007 e pelo Decreto

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA 14/2012 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA PÚBLICA E CIDADANIA SERVIDORES PÚBLICOS ESTADUAIS

EDITAL DE ABERTURA 14/2012 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA PÚBLICA E CIDADANIA SERVIDORES PÚBLICOS ESTADUAIS EDITAL DE ABERTURA 14/2012 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA PÚBLICA E CIDADANIA SERVIDORES PÚBLICOS ESTADUAIS 1. DA REALIZAÇÃO A Rede Escola de Governo (REG), através da Fundação

Leia mais

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO CUMPRIR E FAZER CUMPRIR A CONSTITUIÇÃO 1. Cumprir e fazer cumprir a

Leia mais

convicções religiosas...

convicções religiosas... apresenta Cartilha O termo DISCRIMINAR significa separar; diferenciar; estabelecer diferença; distinguir; não se misturar; formar grupo à parte por alguma característica étnica, cultural, religiosa etc;

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NOME DO PROJETO ORGANIZAÇÃO PROPONENTE

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NOME DO PROJETO ORGANIZAÇÃO PROPONENTE CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NOME DO PROJETO EDUCAÇÃO, CIDADANIA E CULTURA DA VIDA ORGANIZAÇÃO PROPONENTE FUNDAÇÃO HERMON CONSELHO

Leia mais

23 de Setembro ENFRENTAR O TRÁFICO DE PESSOAS É NOSSO COMPROMISSO! Dia Internacional Contra a Exploração Sexual e o Tráfico de Mulheres e Crianças

23 de Setembro ENFRENTAR O TRÁFICO DE PESSOAS É NOSSO COMPROMISSO! Dia Internacional Contra a Exploração Sexual e o Tráfico de Mulheres e Crianças ! 23 de Setembro Dia Internacional Contra a Exploração Sexual e o Tráfico de Mulheres e Crianças Enfrentar o Tráfico de Pessoas é nosso Compromisso: com este lema a Rede um Grito pela Vida assume a luta

Leia mais

TERMO DE ORIENTAÇÃO ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS EM ABORDAGEM SOCIAL NA RUA

TERMO DE ORIENTAÇÃO ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS EM ABORDAGEM SOCIAL NA RUA TERMO DE ORIENTAÇÃO ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS EM ABORDAGEM SOCIAL NA RUA Este Termo de Orientação tem por objetivo orientar o trabalho de assistentes sociais ao realizarem, em sua intervenção profissional,

Leia mais

Maiêutica - Serviço Social

Maiêutica - Serviço Social A CIDADANIA NO PROCESSO DE EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES INTEGRADOS NO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PETI: ABORDANDO A COOPERAÇÃO, RESPEITO, DIÁLOGO E SOLIDARIEDADE NA CONVIVÊNCIA

Leia mais

Política Nacional de Imigração e Proteção ao(a) Trabalhador(a) Migrante

Política Nacional de Imigração e Proteção ao(a) Trabalhador(a) Migrante ANEXO II Política Nacional de Imigração e Proteção ao(a) Trabalhador(a) Migrante (Proposta aprovada pelo Conselho Nacional de Imigração em 12/05/2010 para avaliação pública e sujeita a alterações) DISPOSIÇÕES

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando o seu compromisso com a plena realização dos direitos humanos e das liberdades fundamentais proclamadas na Declaração

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE Vera Lucia Conrado de Oliveira¹; Maria Zildaneide Gonzaga²; Elda Cristiane de Souza Lima³ ESCOLA SENADOR PAULO GUERRA/CABROBÓ-PE lucinhaconrado.77@gmail.com;

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Resgate da Cidadania: uma questão de direito

Mostra de Projetos 2011. Resgate da Cidadania: uma questão de direito Mostra de Projetos 2011 Resgate da Cidadania: uma questão de direito Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: (Campo

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL. Planejamento Estratégico Nacional do Poder Judiciário 2015/2020

ESTRATÉGIA NACIONAL. Planejamento Estratégico Nacional do Poder Judiciário 2015/2020 Poder Judiciário Conselho Nacional de Justiça ESTRATÉGIA NACIONAL Planejamento Estratégico Nacional do Poder Judiciário 2015/2020 Versão 7 Planejamento Estratégico Nacional do Poder Judiciário 2015-2020

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Educação em Direitos Humanos Extensão

Educação em Direitos Humanos Extensão Código / Área Temática Direitos Humanos Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação em Direitos Humanos Extensão QUALQUER ETAPA DE ENSINO Nível do Curso Extensão Objetivo O objetivo

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PARANAGUA PROVA PARA ASSISTENTE SOCIAL

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PARANAGUA PROVA PARA ASSISTENTE SOCIAL PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PARANAGUA PROVA PARA ASSISTENTE SOCIAL 01 - A Constituição de 1988 consagrou na área social o (a): a) paradigma do mérito e da solidariedade;

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA Comitê Intersetorial Direito à Convivência Familiar e Comunitária Porto Alegre, 9 de outubro de 2012 DIRETRIZES Fundamentação Plano Nacional Efetivação

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO MACAPÁ-AP JULHO DE 2014 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 2 DIRETRIZES 3 PRINCÍPIOS 4 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE

A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE Maíra Sgobbi de FARIA 1 Resumo: O respeito e a proteção que devem ser concedidos aos idosos sempre foram um dever da sociedade, uma vez que as

Leia mais

Curso Formação de Governantes

Curso Formação de Governantes São Paulo, 28 de outubro de 2014 Curso Formação de Governantes Aula: Segurança Pública Pedro Aguerre¹ Premissas para uma visão crítica (1): Concepção multicausal do crime e da violência; História brasileira,

Leia mais

Campanha Clarear Relatório 1º semestre 2013

Campanha Clarear Relatório 1º semestre 2013 Campanha Clarear Relatório 1º semestre 2013 Campanha Clarear A Campanha Clarear éuma parceria da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) e 5 entidades filantrópicas do estado, com o objetivo de viabilizar

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física, da Atividade Física e do Esporte

Carta Internacional da Educação Física, da Atividade Física e do Esporte Carta Internacional da Educação Física, da Atividade Física e do Esporte Preâmbulo A Conferência Geral da UNESCO, 1. Recordando que, na Carta das Nações Unidas, os povos proclamaram sua fé nos direitos

Leia mais

CMPI da Violência contra a mulher

CMPI da Violência contra a mulher CMPI da Violência contra a mulher É entristecedor saber que o Brasil ocupa o 7º lugar no ranking dos países em assassinato de mulheres dentro de casa. E que, apesar de termos uma Lei, no caso a Lei Maria

Leia mais

sumário executivo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional

sumário executivo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional sumário executivo PREVENcÃo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional 2012 O Relatório Internacional sobre Prevenção da Criminalidade e Segurança Cidadã 2012 do Centro Internacional para

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

eixo 5 5.2 Saneamento e resíduos sólidos na taxa de urbanização de 85%, que contrasta com a completa

eixo 5 5.2 Saneamento e resíduos sólidos na taxa de urbanização de 85%, que contrasta com a completa tempo, Novo fonte e urbanismo resultado da paralisia e o pacto de nosso pela sistema vidapolítico e da baixa sidade de nossa democracia. As estruturas institucionais da política são das e indispostas às

Leia mais

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p.

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p. RESUMO Programa de Ação Anual 2013, ao abrigo do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH), a financiar pela rubrica orçamental 19 04 01 do orçamento geral da União Europeia 1.

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

Nossas Claudias, nossos Amarildos

Nossas Claudias, nossos Amarildos Universidade Federal do Espírito Santo Vitória/Espírito Santo Aluna: Jéssyka Bernardone Saquetto (27) 99775-3657 E-mail jbsaquetto@gmail.com Aluna: Laís Rocio de Mello (27) 99835-5099 E-mail laismrocio@gmail.com

Leia mais

CARTA ABERTA PELO DIREITO A CIDADE E A GESTÃO DEMOCRÁTICA

CARTA ABERTA PELO DIREITO A CIDADE E A GESTÃO DEMOCRÁTICA CARTA ABERTA PELO DIREITO A CIDADE E A GESTÃO DEMOCRÁTICA Apesar de nos últimos anos ter-se dado visibilidade apenas ao discurso único capitaneado pelo IPPUC, vários movimentos populares, associações de

Leia mais

ZILIOTTO CONSULTORIA SOCIAL LTDA. FEBRAEDA

ZILIOTTO CONSULTORIA SOCIAL LTDA. FEBRAEDA . FEBRAEDA OFICINA DE TRABALHO SOBRE A CONSTRUÇÃO DA METODOLOGIA DA SÓCIO APRENDIZAGEM PROFª: MARIA CECILIA ZILIOTTO 26 DE MAIO DE 2014 CAMP - PINHEIROS . Construindo a Metodologia da Socioaprendizagem

Leia mais

CULTURA SUSTENTÁVEL. Na Cidade de São Paulo

CULTURA SUSTENTÁVEL. Na Cidade de São Paulo CULTURA SUSTENTÁVEL Na Cidade de São Paulo QUAL CULTURA? É a entendida como a manifestação da identidade individual e coletiva nos seus diversos modos de existir. QUAL CULTURA? Compõe-se a cultura da qual

Leia mais

Antirracismo e Não Discriminação

Antirracismo e Não Discriminação Antirracismo e Não Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente

Leia mais

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão SUMÁRIO Apresentação Introdução Soluções para resolv esolver er a violência e a criminalidade Popularidade de possíveis soluções Políticas sociais x políticas de segurança Redução da maioridade penal Legislação

Leia mais

UNIDADE 7 DIFERENÇA E IDENTIDADE E DIREITO À DIFERENÇA

UNIDADE 7 DIFERENÇA E IDENTIDADE E DIREITO À DIFERENÇA UNIDADE 7 DIFERENÇA E IDENTIDADE E DIREITO À DIFERENÇA Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 7 Diferença e identidade e direito à diferença Objetivos: Estabelecer

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

Senhor Presidente PROJETO DE LEI

Senhor Presidente PROJETO DE LEI Senhor Presidente PROJETO DE LEI " INSTITUI, NO CALENDÁRIO OFICIAL DE DATAS E EVENTOS DO MUNICÍPIO DE SÃO CAETANO DO SUL, A 'SEMANA DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE ÉTICA E CIDADANIA', E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS."

Leia mais

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação 4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação A desigualdade, em suas várias formas, é um fenômeno bastante antigo nas sociedades e reflete sempre uma relação de poder, na medida em que representa um padrão

Leia mais

MULHERES DA PAZ. Capacitação para cultivar a paz nas comunidades

MULHERES DA PAZ. Capacitação para cultivar a paz nas comunidades MULHERES DA PAZ Capacitação para cultivar a paz nas comunidades República Federativa do Brasil Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministério da Justiça Ministro da Justiça Tarso Genro Secretaria

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

TRAFICO DE PESSOAS Subsídios para proposição de ações e políticas de segurança pública

TRAFICO DE PESSOAS Subsídios para proposição de ações e políticas de segurança pública TRAFICO DE PESSOAS Subsídios para proposição de ações e políticas de segurança pública Documento enviado ao Conselho de Segurança do Estado do Pará (Consep) Belém, outubro de 2013. Redação: Jaqueline Almeida

Leia mais

OUVIDORIA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS. Balanço das Denúncias de Violações de Direitos Humanos

OUVIDORIA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS. Balanço das Denúncias de Violações de Direitos Humanos OUVIDORIA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS Balanço das Denúncias de Violações de Direitos Humanos 2015 Departamento de Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos Competências do Departamento: Receber, examinar

Leia mais

GRUPO DE EDUCAÇÃO POPULAR (GEP)

GRUPO DE EDUCAÇÃO POPULAR (GEP) GRUPO DE EDUCAÇÃO POPULAR (GEP) Educar, Criar Poder Popular Julho, 2012 Apresentação Em 2012 o Grupo de Educação Popular (GEP) completa cinco anos. Um grupo que se uniu no início de 2008 pra resistir à

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 2.785, DE 2011 Altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente, para assegurar a convivência

Leia mais

BARREIRAS ENCONTRADAS/ENFRENTADAS POR HOMOSSEXUAIS NO ESPORTE

BARREIRAS ENCONTRADAS/ENFRENTADAS POR HOMOSSEXUAIS NO ESPORTE BARREIRAS ENCONTRADAS/ENFRENTADAS POR HOMOSSEXUAIS NO ESPORTE Jarlson Carneiro Amorim da Silva(1); Iraquitan De Oliveira Caminha (Orientador)(2); Tatiane Dos Santos Silva(3); Jéssica Leite Serrano(4) (1)Mestrando

Leia mais

50 pontos do programa de governo do PSOL - Ivanete Prefeita para transformar Duque de Caxias:

50 pontos do programa de governo do PSOL - Ivanete Prefeita para transformar Duque de Caxias: 50 pontos do programa de governo do PSOL - Ivanete Prefeita para transformar Duque de Caxias: Duque de Caxias nas mãos do Povo: contra a corrupção e pela mudança 1) Garantir a participação popular e a

Leia mais

Vivências da Homofobia na Adolescência

Vivências da Homofobia na Adolescência Vivências da Homofobia na Adolescência A homofobia é um termo conceitual, o qual se refere á aversão ou o ódio irracional aos homossexuais. A discriminação e a violência se materializam com práticas de

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO E VIOLÊNCIA SEXUAL EM MENINOS E. Pinheiro de Brida. Juliana dos Santos Bombardi Mariana Mendes Bonato

SOFRIMENTO PSÍQUICO E VIOLÊNCIA SEXUAL EM MENINOS E. Pinheiro de Brida. Juliana dos Santos Bombardi Mariana Mendes Bonato 1 SOFRIMENTO PSÍQUICO E VIOLÊNCIA SEXUAL EM MENINOS E MENINAS Glaucia Valéria Pinheiro de Brida Nayara Maeda Juliana dos Santos Bombardi Mariana Mendes Bonato SOFRIMENTO PSÍQUICO E VIOLÊNCIA SEXUAL EM

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA POLOS DE CIDADANIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA POLOS DE CIDADANIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA POLOS DE CIDADANIA EDITAL Nº 02/2015 DO PROGRAMA POLOS DE CIDADANIA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (UFMG)

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.886, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2003. Institui a Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial - PNPIR e dá

Leia mais

Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014

Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014 Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014 Diretrizes para articular saúde e desenvolvimento social Para contribuir

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 228, DE 2010

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 228, DE 2010 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 228, DE 2010 Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da educação nacional), para incluir entre as incumbências dos estabelecimentos

Leia mais

TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS

TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS Curso de capacitação para o provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS e implementação de ações do plano Brasil sem Miséria Maria Luiza João Pessoa - PB TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Presente em 20 estados Unidades próprias em Curitiba Sede Administrativa em Curitiba Parque Gráfico em Pinhais - Pr

Presente em 20 estados Unidades próprias em Curitiba Sede Administrativa em Curitiba Parque Gráfico em Pinhais - Pr Presente em 20 estados Unidades próprias em Curitiba Sede Administrativa em Curitiba Parque Gráfico em Pinhais - Pr A violência na escola e o mundo onde fica? EMENTA Causa da Violência e Relacionamento

Leia mais