Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br"

Transcrição

1 Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto 3º Seminário de Proteção Escolar / Secretaria da Educação 20 e 21 de agosto de 2014 / Serra Negra 1

2 Diferenças culturais e biológicas distinguem os seres humanos. O que iguala os seres humanos? 2

3 Únicos seres no mundo capazes de amar, descobrir a verdade e criar a beleza. Ninguém em virtude de gênero, etnia, classe social, grupo religioso ou nação pode afirmar-se superior aos demais. 3

4 Ser humano é sempre um fim e isto implica em deveres positivos: favorecer a felicidade alheia, as liberdades, realizar políticas públicas para promoção de direitos sociais e econômicos. Coisas têm valor relativo Ser humano tem valor absoluto 4

5 Direitos inerentes a nossa natureza (que nos tornam humanos) Direitos que permitem que os seres humanos desenvolvam plenamente suas qualidades humanas, como inteligência, aptidões, consciência e que satisfaça necessidades "espirituais". Os Direitos Humanos afirmam a igualdade entre todos os seres humanos e por isso se convertem em formas de luta contra as situações de desigualdades, discriminações opressões vinculadas ao controle do poder por minorias. Um direito estabelece a possibilidade de exigir algo. 1

6 Os DH são produto da luta da humanidade em defesa da dignidade, liberdade e igualdade. Os DH foram reconhecidos oficialmente com o estabelecimento das Nações Unidas. Em 10 de dezembro de 1948 foi criada a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Embora não seja um documento que representa obrigatoriedade legal, marca o compromisso de cada pais signatário com a promoção dos DH. 6

7 Do que se trata? 7

8 A EDH é um processo sistemático e multidimensional. Isso significa que se almeja uma educação contínua e não pontual. EDH não é um tema a ser tratado pela escola, é um modo de vida que deve orientar a convivência escolar. Formação para a cidadania. Democracia e DH não se separam. 8

9 Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos Programa Mundial para a Educação em Direitos Humanos, PMEDH, primeira fase PMEDH, segunda fase, educação superior Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos (PNEDH) - afirma o compromisso nacional sob a forma de políticas públicas de EDH Programa Nacional de Direitos Humanos, PNDH-3 tem um eixo dedicado à educação e cultura em direitos humanos RESOLUÇÃO Nº 1, DE 30 DE MAIO DE 2012 (CNE/CP) - Estabelece Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. 9

10 Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos (PNEDH) Programa Nacional de Direitos Humanos 3 (PNDH 3) Programa Mundial de Educação em Direitos Humanos (PMEDH - internacional) Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos - (Parecer nº 8 CNE/CP/2012 e a Resolução nº 01 CNE/CP/2012) Plano Estadual de Ações em EDH Plano Municipal de EDH 10

11 Por que? 11

12 Abraço de irmão acaba em morte na Bahia. Gêmeos foram confundidos com homossexuais por grupo de oito agressores. Adolescente de 16 anos foi autuado sob suspeita de racismo. Ele publicou um anuncio no site Mercado Livre em que oferecia negros por R$ 1 "com diversas utilidades". Folha on line, 16/01/2014. Uma muçulmana foi impedida de fazer uma prova do Detran em São Bernardo do Campo por se negar a retirar seu véu - usados por mulheres islâmicas por motivos religiosos. Folha on line, 15/10/2011 A Policia Federal de Ribeirão Preto prendeu suspeito de participar de um esquema de tráfico de humanos, trabalho escravo e prostituição infantil. Folha on line, 02/07/

13 O Brasil milhões de pessoas; 60 milhões têm menos de 18 anos de idade Vulnerabilidade infantil 29% da população - vive em famílias pobres; entre as crianças, esse número chega a 45,6%. As crianças negras e as de áreas rurais têm quase 70% mais chance de viver na pobreza do que as brancas e urbanas; 64% das crianças pobres não vão à escola durante a primeira infância. Nas regiões mais pobres, como o Norte e o Nordeste, somente 40% das crianças terminam a educação fundamental. No sul e sudeste 70% De cada 100 estudantes que entram no ensino fundamental,- 59 terminam a 8ª série e apenas 40, o ensino médio. Fonte: Unicef - Todas as crianças na escola em

14 14

15 Direitos já conquistados que são violados. Direitos a serem conquistados. Valores e atitudes preconceituosas que inferiorizam as pessoas em virtude de suas diferenças. 15

16 Para quê? 16

17 Atuar na promoção de direitos e na conscientização sobre os mesmos Formar seres humanos sensíveis aos princípios e valores que reconhecem a centralidade do ser humano no mundo, a dignidade humana como fundamento da vida social, que reconheçam a igualdade nas diferenças e que repudiem a desigualdade. A educação é uma das principais vias para o despertar de um novo olhar. 17

18 A EDH contribui decisivamente para a realização dos DH. Objetivo: promover o entendimento comum de que as pessoas são responsáveis para que os direitos humanos sejam realidade em todas as comunidades e na sociedade como um todo. Nesse sentido, cada um contribui para a prevenção no longo prazo dos abusos de direitos humanos e dos conflitos violentos, para a promoção da igualdade e do desenvolvimento sustentável e para o aumento da participação das pessoas nos processos de tomada de decisões dentro dos sistemas democráticos 18

19 Como? 19

20 Para concretizar a EDH deve-se trabalhar seus conteúdos por meio de: Conhecimentos e informações acerca dos DH Valores Práticas DESAFIO: construir um ambiente educacional promotor de direitos, no qual os direitos sejam vividos cotidianamente. O ambiente educacional pode ser compreendido a partir de duas dimensões: Meio físico (condições físicas e materiais, organização dos espaços); Interações (relações entre os sujeitos que integram a comunidade escolar, relações da escola com a comunidade e com a sociedade, relação dos/as estudantes com o conhecimento). 20

21 1. AMBIENTE ESCOLAR PROMOTOR DA EDH A- Política e disposições de implementação dos direitos humanos na escola/instituição B - Formação e atuação docente em EDH C - Direitos e participação dos estudantes D - Escola, família e comunidade 2. APRENDIZAGEM PAUTADA PELA EDH E - Currículo/ Projeto Político Pedagógico F - Práticas e metodologias de ensino G - Suporte ao ensino e aprendizagem/tecnologia H - Avaliação. 21

22 Informação e conhecimentos Ensino para a compreensão de: Conceitos: categorias de análises, princípios, parâmetros, lógica da argumentação, debate de posições ideológicas, etc. História: origem, evolução e fatos significativos para o reconhecimento e a vigência (ou violação) dos DH, a democracia e o Estado de direito no mundo, na região e no país (contexto, antecedentes, influências, protagonistas, resultados, impacto). Normas: instrumentos de direitos humanos; documentos internacionais e regionais de diferente natureza e efeito jurídico; legislação nacional, etc. Instituições: instâncias de proteção de direitos (nacionais, regionais e universais): sua estrutura, função, procedimentos, etc. Fonte: Adaptado do VIII Relatório Interamericano da Educação em Direitos Humanos, IIDH, 2010, p

23 Valores e atitudes Formação no apreço e disposição para agir de acordo com os princípios universais que sustentam a dignidade e os direitos das pessoas. O núcleo central de valores se expressa nos instrumentos de DH acordados pela comunidade internacional: Vida e integridade pessoal Dignidade humana Identidade Liberdade e responsabilidade Igualdade e não discriminação Justiça e equidade Solidariedade e cooperação Participação Pluralismo Desenvolvimento humano Paz e segurança Fonte: Adaptado do VIII Relatório Interamericano da Educação em Direitos Humanos, IIDH, 2010, p

24 Destrezas capacidades para a ação ou Desenvolvimento de destrezas necessárias para o exercício pleno dos direitos humanos e a prática da democracia: Pensamento crítico. Comunicação e a argumentação eficaz. Participação e o trabalho cooperativo. Fonte: Adaptado do VIII Relatório Interamericano da Educação em Direitos Humanos, IIDH, 2010, p

25 Domínio 1: Livros de texto para meninos/meninas de 10 a 12 anos. Fonte: VIII Relatório Interamericano da Educação em Direitos Humanos. IIDH. 2010, p. 37. Variáveis Indicadores 1. Incorporação de conceitos e desenvolvimentos conceituais básicos de DH 2. Incorporação da história dos DH Conceito de direitos humanos ou direitos da pessoa. Definição dos DH (seu fundamento na dignidade da pessoa e seu caráter tanto de princípios éticos como de normas jurídicas). Características dos DH. Direitos humanos acordados na Declaração Universal. Conceito de direitos da infância. Direitos da infância acordados na Convenção sobre os Direitos da Criança. Igualdade e não discriminação. Igualdade ou equidade de gênero. Preconceitos, estereótipos e discriminação. Diferentes tipos de discriminação: por sexo, idade, raça, etnia ou nacionalidade, religião ou ideologia, situação econômica, capacidades especiais e orientação sexual. Pobreza, fome, inequidade, exclusão no mundo, no continente e no país. Antecedentes históricos dos DH na Antiguidade e na Idade Média. A construção moderna dos DH: revoluções americana e francesa. As Nações Unidas. A Declaração Universal dos DH. A Convenção sobre os Direitos da Criança. Personalidades que se destacam na defesa dos DH no mundo, no continente 25 e no país.

26 Domínio 1: Livros de texto para meninos/meninas de 10 a 12 anos. Variáveis Indicadores Incorporação de conceitos e desenvolvimentos conceituais Conceito de direitos humanos ou direitos da pessoa. História e cultura das populações indígenas e afrodescendentes que básicos de DH habitam o território nacional 3. Incorporação de normas e instituições básicas de DH Democracia. Estado ou Estado de Direito. A Lei. Igualdade perante a lei. Devido processo. Os DH na Constituição Política do país. Instituições que protegem os DH no âmbito nacional. Organizações internacionais de cooperação e promoção de DH (ONU, UNESCO e UNICEF). Organizações de participação estudantil na escola (governo estudantil ou similar). 26

27 Domínio 2: Livros de texto para meninos(as) de 13 e 14 anos. Variáveis Indicadoras(*) Classificação dos DH em direitos civis e políticos; direitos econômicos, sociais e culturais, e direitos coletivos. 1. Incorporação de conceitos e desenvolvimentos conceituais básicos de DH Direitos civis e políticos. Direitos econômicos, sociais e culturais. Direitos coletivos. Cidadania. Cidadania global. Desenvolvimento econômico e social. Desenvolvimento sustentável. Desenvolvimento dos DH nos séculos XX e XXI. Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. 2. Incorporação de história dos DH Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos Outros instrumentos de DH de populações específicas (indígenas, refugiados, pessoas com deficiência). Casos de violações em massa de DH na história recente do mundo, América Latina e no país, se aplica. 27

28 Evolução histórica do conceito de democracia. 3. Incorporação de normas e instituições básicas de DH Eleições e sufrágio. Transparência e prestação de contas. (Ou, em termos negativos, luta contra a corrupção e a impunidade). Sistema regional de proteção dos DH. OEA, Comissão Interamericana e Corte Interamericana de DH. Sistema internacional de proteção de DH. 28

29 promoção de debates que envolvam a escola e a comunidade, levando o conhecimento acerca dos DH às pessoas do bairro e da própria escola; organização de comemoração de datas significativas para os Direitos Humanos; oferta de sessões de cine-debate à comunidade, apresentado filmes que tratam de temáticas relativas aos direitos dos seres humanos; campanhas ou ações para promover direitos: direito à literatura (por meio de saraus de leitura, por exemplo), direito ao lazer (com propostas que utilizem o espaço da escola para promover atividades); direito à alimentação saudável (informando e promovendo a escolha consciente de alimentos); realização de pequenas filmagens sobre Direitos Humanos na comunidade em que vivem, ou sobre a opinião das pessoas sobre estes direitos; exposições de fotos, desenhos, redações, poesias que tratem de Direitos Humanos; organização de atividades que promovam o reconhecimento da diversidade cultural, racial, religiosa, etc de nosso pais; informar a comunidade escolar e local sobre os mecanismos de defesa e promoção de direitos: o que fazer quando um direito é violado? Como organizar-se para reivindicar direitos? 29

30 A educação para a cidadania não se limita a aprendizagem sobre política, mas refere-se, também, à capacidade de viver uma vida social e política. Alargar o conceito de cidadania implica em possibilitar aos estudantes espaços para relações dialógicas e participação em processos que possibilitem a reflexão, a discussão e a elaboração conjunta de normas e formas de convivência. Neste sentido, tornar-se um cidadão é o resultado do esforço coletivo de indivíduos que têm ligações entre si. Discutir as formas de interação entre os sujeitos, os princípios que as orientam, as regras que regulam a convivência escolar e os direitos e responsabilidades de cada um são ações que integram o processo de formação do ser humano e que concretizam valores. Trata-se de atribuir um papel ativo a todos os membros integrantes da comunidade escolar no que tange à discussão e à busca de soluções para problemas comuns, rompendo com a verticalidade que muitas vezes caracteriza a elaboração de normas coletivas. 30

31 Os Direitos Humanos tratam basicamente de relacionamentos, consequentemente envolvem relações de poder entre indivíduos, grupos, sociedade ou Estado, são culturais, históricos, sociais e políticos. É preciso que se tenha consciência desta dimensão para que a EDH não se transforme em mera transmissão de informações sobre direitos já estabelecidos e desvinculados de seu contexto de luta e conquista. A variedade de relações entre seres humanos é ampla, o que torna os direitos humanos dinâmicos, em constante discussão, reivindicação e transformação. Por isso, a EDH se desenvolve em contextos reais, a partir de experiências, necessidades e problemas dos sujeitos (estudantes, comunidade escolar, comunidade na qual a escola se localiza) e das relações destes entre si, com a sua escola, sua comunidade e com o seu governo. 31

32 32

Educação em Direitos Humanos Extensão

Educação em Direitos Humanos Extensão Código / Área Temática Direitos Humanos Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação em Direitos Humanos Extensão QUALQUER ETAPA DE ENSINO Nível do Curso Extensão Objetivo O objetivo

Leia mais

DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA CONTEMPORANEIDADE. Aida Monteiro

DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA CONTEMPORANEIDADE. Aida Monteiro DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA CONTEMPORANEIDADE Aida Monteiro 2011 Direitos Humanos Para Todos/as Os Direitos Humanos são frutos da luta pelo reconhecimento, realização e universalização

Leia mais

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE CURSO NEON PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009. Profª Andréa Azevêdo Disciplina: DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO SOCIAL ANDRÉA AZEVÊDO Professora. e-mail: professoraandreaazevedo@yahoo.com.br

Leia mais

TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM

TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM VERDADEIRO? FALSO? TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM VERDADEIRO? FALSO? A EDUCAÇÃO PODE ME PREJUDICAR VERDADEIRO? FALSO? APRENDO SEMPRE DE FORMA CONSCIENTE ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM Podemos concordar que aprendemos

Leia mais

Antirracismo e Não Discriminação

Antirracismo e Não Discriminação Antirracismo e Não Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente

Leia mais

Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 A Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas tem por finalidade estabelecer princípios, diretrizes

Leia mais

Direito à Educação. Parceria. Iniciativa. Coordenação Técnica. Apoio

Direito à Educação. Parceria. Iniciativa. Coordenação Técnica. Apoio Direito à Educação Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Objetivos Refletir sobre: O que é Direito à Educação e como chegamos até aqui Garantia do direito à educação no Brasil Papel atual do Gestor

Leia mais

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 1 O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Ana Carolina Corrêa 1 RESUMO O presente artigo pretende refletir sobre a urgente e necessária efetivação da

Leia mais

Incentivar a comunidade escolar a construir o Projeto político Pedagógico das escolas em todos os níveis e modalidades de ensino, adequando o

Incentivar a comunidade escolar a construir o Projeto político Pedagógico das escolas em todos os níveis e modalidades de ensino, adequando o SELO DE EDUCAÇÃO PARA IGUALDADE RACIAL ANEXO 1: METAS NORTEADORAS DO PLANO NACIONAL DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E PARA O ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA

Leia mais

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: a Práxis Educacional

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: a Práxis Educacional SEMINÁRIO DE FORMAÇÃO DE GESTORES E EDUCADORES DO PROGRAMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE Palmas-Tocantins-2012 DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: a Práxis Educacional Aida Monteiro trevoam@terra.com.br

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS:

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: Art. 3º - A Escola oferece os seguintes níveis de ensino: I. Educação Infantil: de 0 a 05 anos de idade. Educação Precoce de 0 a 03 anos Educação

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS TEMPO FORMATIVO JUVENIL

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS TEMPO FORMATIVO JUVENIL Superintendência de Educação Básica Diretoria de Educação Básica Coordenação de Educação de Jovens Adultos EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS TEMPO FORMATIVO JUVENIL Democratização e efetividade do processo

Leia mais

A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA

A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA Moura (2001) nos traz um desafio preocupante, não só a partir do debate sobre a melhoria estrutural das escolas em comunidades quilombola, da qualificação continuada dos professores,

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE 2ª COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE 2ª COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE 2ª COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO I ENCONTRO PARA ESTUDOS COM ORIENTADORES II ETAPA CADERNO I FORMADORA REGIONAL: Elyda Cristina

Leia mais

VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTES

VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTES VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTES UMA POLÍTICA PARA O ENFRENTAMENTO Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Criança e Adolescente N1 Slide 1 N1 Material preparado por Renato

Leia mais

Programa Nacional de Direitos Humanos 3

Programa Nacional de Direitos Humanos 3 A educação e a cultura em Direitos Humanos visam à formação de nova mentalidade coletiva para o exercício da solidariedade, do respeito às diversidades e da tolerância. Como processo sistemático e multidimensional

Leia mais

Apresentação. Objetivos do Programa

Apresentação. Objetivos do Programa Diálogo Jovem 0 Índice Assunto Pagina Apresentação 2 Objetivos do Programa 2 Resultados esperados 3 Demandas do Programa 3 Por que investir 4 Origem dos Recursos 5 Metodologia 6 Roteiro do Primeiro encontro

Leia mais

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Assegurar, em regime de colaboração, recursos necessários para a implementação de políticas de valorização

Leia mais

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE 19 EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE Alexandre do Nascimento - FAETEC - RJ Resumo No Brasil, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação,

Leia mais

CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO

CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PARECER N o 08/2015/CAEG APROVADO EM: 27/10/2015 PROCEDÊNCIA OBJETO RELATORES Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Componente Curricular: Educação em Direitos Humanos

Leia mais

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE Patrícia da Silva Souza Graduanda de Pedagogia pela UEPB pipatricia278@gtmail.com Kátia Anne Bezerra da Silva Graduanda em Pedagogia

Leia mais

Política Nacional de Imigração e Proteção ao(a) Trabalhador(a) Migrante

Política Nacional de Imigração e Proteção ao(a) Trabalhador(a) Migrante ANEXO II Política Nacional de Imigração e Proteção ao(a) Trabalhador(a) Migrante (Proposta aprovada pelo Conselho Nacional de Imigração em 12/05/2010 para avaliação pública e sujeita a alterações) DISPOSIÇÕES

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Maria Izabel do Amaral Sampaio Castro 8.ª Promotora de Justiça de São Caetano do Sul miasc@mp.sp.gov.br (11) 4238-8757 1 TERMINOLOGIA 1) Pessoa PORTADORA de Deficiência:

Leia mais

Agenda Nacional de Trabalho Decente

Agenda Nacional de Trabalho Decente Agenda Nacional de Trabalho Decente Brasília, 2006 Sumário Gerar Trabalho Decente para Combater a Pobreza e as Desigualdades Sociais A. Antecedentes...5 B. Prioridades...9 B.1. Prioridade 1: Gerar mais

Leia mais

POLÍTICA DE EQUIDADE DE GÊNERO E DIVERSIDADE

POLÍTICA DE EQUIDADE DE GÊNERO E DIVERSIDADE POLÍTICA DE EQUIDADE DE GÊNERO E DIVERSIDADE Brasília, fevereiro de 2014 Conteúdo 1. Objetivo... 3 2. Princípios... 4 3. Diretrizes... 5 4. Responsabilidades... 6 5. Conceitos... 7 6. Disposições Gerais...

Leia mais

Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde

Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde Ana Valéria Machado Mendonça¹ Grasiela de Sousa Pereira² Dyego Ramos Henrique Raelma Paz Silva Maria

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL

EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL 1 EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL Fabio Barbosa Ribas Jr. 1 Novembro 2004 A juventude sempre foi considerada um período delicado e decisivo da vida humana. No entanto, no mundo atual os conflitos e desafios

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA COMITÊ DEFICIÊNCIA E ACESSIBILIDADE. Relatório de atividades

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA COMITÊ DEFICIÊNCIA E ACESSIBILIDADE. Relatório de atividades ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA COMITÊ DEFICIÊNCIA E ACESSIBILIDADE Relatório de atividades Criado em março de 2012, o Comitê participou da Organização da 28ª RBA, tornando o evento acessível por

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria Conselho de Graduação e Educação Profissional

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria Conselho de Graduação e Educação Profissional Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria Conselho de Graduação e Educação Profissional Conselho de Graduação e Educação Profissional COGEP PROCESSO Nº. 038/13-COGEP Câmara

Leia mais

Declaração de Salvador

Declaração de Salvador Declaração de Salvador Os Chefes de Estado da República Federativa do Brasil, da República de Cabo Verde, da República da Guiné, da República Oriental do Uruguai, o Vice-Presidente da República da Colômbia,

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos.

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos. Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 1 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Grupo Uninter Ementa da Disciplina Contextos e conceitos históricos sobre

Leia mais

Carta do Movimento Paz & Proteção

Carta do Movimento Paz & Proteção Carta do Movimento Paz & Proteção A infância é considerada merecedora de proteção especial por todas as religiões do mundo. A violência contra crianças e adolescentes, assim como a exploração e o abuso,

Leia mais

Coleção Cadernos Afro-Paraibanos APRESENTAÇÃO

Coleção Cadernos Afro-Paraibanos APRESENTAÇÃO Coleção Cadernos Afro-Paraibanos APRESENTAÇÃO O racismo é um fenômeno das relações sociais do Brasil. No estado da Paraíba, onde mais de 60% da população é negra, não encontramos essa mesma proporcionalidade

Leia mais

Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil. Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados,

Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil. Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, Conhecemos as desigualdades raciais no Brasil, que estão inequivocamente

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de 2009. (Do Sr. Chico Lopes) Art. 1º - Fica criada a profissão de Educador e Educadora Social, nos termos desta Lei.

PROJETO DE LEI Nº de 2009. (Do Sr. Chico Lopes) Art. 1º - Fica criada a profissão de Educador e Educadora Social, nos termos desta Lei. PROJETO DE LEI Nº de 2009 (Do Sr. Chico Lopes) Dispõe sobre a criação da profissão de educador e educadora social e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º - Fica criada a profissão

Leia mais

PARTE 1 NOÇÕES PRELIMINARES

PARTE 1 NOÇÕES PRELIMINARES Sum ário j PARTE 1 NOÇÕES PRELIMINARES A Igualdade Racial no Estado Democrático de Direito... 25 1 A igualdade nos Estados Unidos... 27 2 A igualdade entre brancos e negros no Brasil... 34 O Papel dos

Leia mais

POLÍTICA. Direitos Fundamentais nas Relações de Trabalho ÍNDICE

POLÍTICA. Direitos Fundamentais nas Relações de Trabalho ÍNDICE Folha 1/5 ÍNDICE 1. Objetivo.... 2 2. Abrangência... 2 3. Premissas... 2 Folha 2/5 1. Objetivo Estabelecer diretrizes que devem assegurar os direitos fundamentais nas relações de trabalho na Klabin e com

Leia mais

III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL.

III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL. III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL. DOCUMENTO BASE: 1 - A comissão organizadora propõe aos delegados das pré conferências a aprovação das seguintes propostas de políticas e ações

Leia mais

Composição dos PCN 1ª a 4ª

Composição dos PCN 1ª a 4ª Composição dos PCN 1ª a 4ª Compõem os Parâmetros os seguintes módulos: Volume 1 - Introdução - A elaboração dos Parâmetros curriculares Nacionais constituem o primeiro nível de concretização curricular.

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs História Oficina de História 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

DIREITOS E IGUALDADES EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS

DIREITOS E IGUALDADES EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS DIREITOS E IGUALDADES EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS Carlos Ugo Santander Universidade Federal de Goiás - UFG csantander@hotmail.com Resumo: O artigo tem como objetivo discutir as questões

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Fundamentos Socioculturais e Diversidades

Fundamentos Socioculturais e Diversidades NATURALIZAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Fundamentos Socioculturais e Diversidades MÓDULO III Prof.: MSc. Getulio Ribeiro Histórias da Infância e do Mundo Adulto Da Infância à Melhor Idade

Leia mais

Propostas para uma Política Municipal de Migrações:

Propostas para uma Política Municipal de Migrações: Ao companheiro Fernando Haddad Novo Prefeito de São Paulo, Propostas para uma Política Municipal de Migrações: Saudamos o novo prefeito de São Paulo, por sua expressiva eleição e desde já desejamos que

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA Adoptada pela Resolução No. 44/25 da Assembleia Geral das Nações Unidas em 20 de Novembro de 1989 PREÂMBULO Os Estados Partes da presente Convenção, Considerando

Leia mais

Plano Nacional de Trabalho Decente - PNTD

Plano Nacional de Trabalho Decente - PNTD Plano Nacional de Trabalho Decente - PNTD Ministério do Trabalho e Emprego Assessoria Internacional Junho de 2009 Trabalho Decente Contar com oportunidades de um trabalho produtivo com retribuição digna,

Leia mais

Pesquisa e Prática Profissional: Educação Especial. Direitos Humanos. Contextualização. Quem são os Excluídos? Vídeo: Um Sonho Possível.

Pesquisa e Prática Profissional: Educação Especial. Direitos Humanos. Contextualização. Quem são os Excluídos? Vídeo: Um Sonho Possível. Pesquisa e Prática Profissional: Educação Especial Teleaula 2 Profa. Me. Regiane B. Bergamo tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Direitos Humanos Pedagogia Contextualização Para que possamos discutir sobre

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

TERMO DE ORIENTAÇÃO ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS EM ABORDAGEM SOCIAL NA RUA

TERMO DE ORIENTAÇÃO ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS EM ABORDAGEM SOCIAL NA RUA TERMO DE ORIENTAÇÃO ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS EM ABORDAGEM SOCIAL NA RUA Este Termo de Orientação tem por objetivo orientar o trabalho de assistentes sociais ao realizarem, em sua intervenção profissional,

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Resgate da Cidadania: uma questão de direito

Mostra de Projetos 2011. Resgate da Cidadania: uma questão de direito Mostra de Projetos 2011 Resgate da Cidadania: uma questão de direito Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: (Campo

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO/ CONSELHO PLENO/DF

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO/ CONSELHO PLENO/DF CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO/ CONSELHO PLENO/DF RESOLUÇÃO Nº1, DE 17 DE junho 2004 4 Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA ATENDER A DIVERSIDADE DAS COMUNIDADES CIGANAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA DO PARANÁ

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA ATENDER A DIVERSIDADE DAS COMUNIDADES CIGANAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA DO PARANÁ PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA ATENDER A DIVERSIDADE DAS COMUNIDADES CIGANAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA DO PARANÁ Gilce Francisca Primak Niquetti Ciências Sociais - FG Orientadora: Prof.ªMs. Cerize Nascimento Gomes

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando o seu compromisso com a plena realização dos direitos humanos e das liberdades fundamentais proclamadas na Declaração

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

Plano de Atividades da Comissão Nacional para os Direitos Humanos (CNDH) para 2014

Plano de Atividades da Comissão Nacional para os Direitos Humanos (CNDH) para 2014 Plano de Atividades da Comissão Nacional para os Direitos Humanos (CNDH) para 2014 1. Coordenação dos vários membros da CNDH, com vista ao cumprimento pelo Estado Português das suas obrigações em matéria

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INTEGRAL NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

DESENVOLVIMENTO INTEGRAL NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DESENVOLVIMENTO INTEGRAL NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR A BASE A Base Nacional Comum é um conjunto de conhecimentos e habilidades essenciais que cada estudante brasileiro tem o direito de aprender a

Leia mais

Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres

Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres Presidência da República Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Responsável: Aparecida Gonçalves, Subsecretária

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS SOBRE DIVERSIDADE E INCLUSÃO

GLOSSÁRIO DE TERMOS SOBRE DIVERSIDADE E INCLUSÃO GLOSSÁRIO DE TERMOS SOBRE DIVERSIDADE E INCLUSÃO Acessibilidade Condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações,

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais

CONVOCATÓRIA. II Conferência Internacional Com Todos e para o Bem de Todos

CONVOCATÓRIA. II Conferência Internacional Com Todos e para o Bem de Todos CONVOCATÓRIA II Conferência Internacional Com Todos e para o Bem de Todos O programa mundial de atividades em homenagem a José Martí por ocasião do seu 160º aniversário natalício abre imensas possibilidades

Leia mais

Audiência Pública. Questões socioeconômicas e territorialidade. Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Seminário

Audiência Pública. Questões socioeconômicas e territorialidade. Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Seminário Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Seminário Diversidade nas escolas: preconceito e inclusão Audiência Pública Questões socioeconômicas e territorialidade Timothy D. Ireland UNESCO

Leia mais

Gestão de Projetos Sociais

Gestão de Projetos Sociais Gestão de Projetos Sociais COMO FORMAR E ADMINISTRAR UMA ASSOCIAÇÃO, ONG, OU OSCIP SIMEILACERDA@HOTMAIL.COM 1 O que é o Terceiro Setor Primeiro setor Público (Governo) Segundo setor Privado ( Empresas

Leia mais

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1 Denise Carrera A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto de que a ordem social não é natural e por isso pode ser transformada. A

Leia mais

1. Que os Estados partes fortaleçam o Instituto de Políticas Públicas de Direitos

1. Que os Estados partes fortaleçam o Instituto de Políticas Públicas de Direitos 20 Propostas para oaprofundamento da Democracia e da Participação Social no MERCOSUL Preâmbulo Nós, os movimentos e organizações da sociedade civil do MERCOSUL reunidos em Brasília, de 4 a 6 de dezembro

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

Proposta de Projeto do Curso de Extensão: ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO BÁSICA CATARINENSE

Proposta de Projeto do Curso de Extensão: ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO BÁSICA CATARINENSE ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Superior - DIES Rua Antônio Luz, 111 Centro Fpolis/SC CEP 88010-410 Proposta de Projeto do Curso de Extensão: ORGANIZAÇÃO

Leia mais

OBSERVATÓRIO CRÍTICO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA E OS DIREITOS HUMANOS

OBSERVATÓRIO CRÍTICO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA E OS DIREITOS HUMANOS OBSERVATÓRIO CRÍTICO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA E OS DIREITOS HUMANOS Resumo Edna Luzia Cavalari Barbosa 1 IFPR Sandra Regina Gavasso Amarantes 2 IFPR Grupo de Trabalho Educação e Direitos

Leia mais

Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil

Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Zilma de Moraes Ramos de Oliveira zilmaoliveira@uol.com.br Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa OBJETIVOS Discutir as implicações

Leia mais

convicções religiosas...

convicções religiosas... apresenta Cartilha O termo DISCRIMINAR significa separar; diferenciar; estabelecer diferença; distinguir; não se misturar; formar grupo à parte por alguma característica étnica, cultural, religiosa etc;

Leia mais

Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1

Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1 Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1 Vídeo Aula 1 2 O Direito da Criança e do Adolescente Vamos tratar do direito da criança e do adolescente. Uma primeira observação: quando se afirma a

Leia mais

TÍTULO: AUTISMO INFANTIL: UM ESTUDO DA LEGISLAÇÃO ACERCA DA INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: AUTISMO INFANTIL: UM ESTUDO DA LEGISLAÇÃO ACERCA DA INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AUTISMO INFANTIL: UM ESTUDO DA LEGISLAÇÃO ACERCA DA INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: EM

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA Tamara Nomura NOZAWA 1 Telma Lúcia Aglio GARCIA 2 Edmárcia Fidelis ROCHA

Leia mais

Núcleo Regional de Piên

Núcleo Regional de Piên Núcleo Regional de Piên Municípios participantes Lapa Mandirituba Quitandinha Tijucas do Sul Agudos do Sul Campo do Tenente Piên Rio Negro Ações prioritárias para a região Objetivo 1: Erradicar a extrema

Leia mais

CAPÍTULO 2 DEMOCRACIA E CIDADANIA

CAPÍTULO 2 DEMOCRACIA E CIDADANIA CAPÍTULO 2 DEMOCRACIA E CIDADANIA Nos dias de hoje os conceitos de democracia e cidadania são cada vez mais reconhecidos e relevantes para a realidade actual (Menezes, 2005; Ferreira, 2010; Perrenoud,

Leia mais

Senhor Presidente PROJETO DE LEI

Senhor Presidente PROJETO DE LEI Senhor Presidente PROJETO DE LEI " INSTITUI, NO CALENDÁRIO OFICIAL DE DATAS E EVENTOS DO MUNICÍPIO DE SÃO CAETANO DO SUL, A 'SEMANA DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE ÉTICA E CIDADANIA', E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS."

Leia mais

Ações do Ministério da Educação no enfrentamento ao Trabalho Infantil

Ações do Ministério da Educação no enfrentamento ao Trabalho Infantil MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação em Direitos Humanos e Cidadania Ações do Ministério da Educação no enfrentamento

Leia mais

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011.

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro

Leia mais

Noções de Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos

Noções de Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Noções de Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Direitos Humanos Criada durante o pós Guerra ( 2ª Guerra Mundial), em 1946 e aprovada em 1948 pela Assembléia Geral das Nações Unidas;

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

1. Garantir a educação de qualidade

1. Garantir a educação de qualidade 1 Histórico O Pacto pela Juventude é uma proposição das organizações da sociedade civil, que compõem o Conselho Nacional de Juventude, para que os governos federal, estaduais e municipais se comprometam

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO

PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO SÉRIE: 9ºs anos PROFESSOR:

Leia mais

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP Proposta: Propor mudanças nas leis que regem a publicação, desenvolvimento e divulgação dos testes no Brasil, de forma que se padronizem e ofereçam subsídios do alcance e limites dos testes. Proposta:

Leia mais

O FUTURO SE FAZ COM A CONSCIENTIZAÇÃO DAS DIFERENÇAS

O FUTURO SE FAZ COM A CONSCIENTIZAÇÃO DAS DIFERENÇAS O FUTURO SE FAZ COM A CONSCIENTIZAÇÃO DAS DIFERENÇAS Fabiana Maria das Graças Soares de Oliveira 1 Com o tema O Futuro se faz com a conscientização das Diferenças 2, a Federação Nacional das APAEs, em

Leia mais

Declaração dos Mecanismos das Mulheres da América Latina e do Caribe frente ao 58º Período de Sessões da Comissão do Status da Mulher (CSW)

Declaração dos Mecanismos das Mulheres da América Latina e do Caribe frente ao 58º Período de Sessões da Comissão do Status da Mulher (CSW) Declaração dos Mecanismos das Mulheres da América Latina e do Caribe frente ao 58º Período de Sessões da Comissão do Status da Mulher (CSW) Cidade do México, México 7 de fevereiro de 2014 Nós, ministras

Leia mais

Título: A UFPB e os Direitos Humanos. Autor: Maria de Nazaré Tavares Zenaide. 1. Apresentação

Título: A UFPB e os Direitos Humanos. Autor: Maria de Nazaré Tavares Zenaide. 1. Apresentação Título: A UFPB e os Direitos Humanos Autor: Maria de Nazaré Tavares Zenaide 1. Apresentação A UFPB vem ao longo das décadas de 70, 80 e 90 exercendo como ator social, um relevante papel, intervindo através

Leia mais

Malabaristas Equilibristas infantis lutando por uma vida digna

Malabaristas Equilibristas infantis lutando por uma vida digna Malabaristas Equilibristas infantis lutando por uma vida digna Autor: Alexandre Pontieri (Advogado, Pós-Graduado em Direito Tributário pela UNIFMU-SP, Pós-Graduado em Direito Penal pela ESMP-SP) Publicado

Leia mais

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS Mônica Abranches 1 No Brasil, no final da década de 70, a reflexão e o debate sobre a Assistência Social reaparecem e surge

Leia mais

AÇÃO JOVEM: um estudo no município de Franca-SP.

AÇÃO JOVEM: um estudo no município de Franca-SP. 141 AÇÃO JOVEM: um estudo no município de Franca-SP. Samanta Antonio Gea Uni-FACEF Maria Zita Figueiredo Gera² Uni-FACEF 1. INTRODUÇÃO A presente proposta de pesquisa tem como objetivo realizar um estudo

Leia mais

Para além m daquilo que se percebe: a/cor na saúde

Para além m daquilo que se percebe: a/cor na saúde Para além m daquilo que se percebe: a importância da raça/cor a/cor na saúde Fernanda Lopes Programa de Combate ao Racismo Institucional DFID, OPAS, PNUD O direito à saúde De acordo com a OMS a saúde é

Leia mais

COMPATIBILIZAÇÃO DAS AÇÕES

COMPATIBILIZAÇÃO DAS AÇÕES PRINCÍPIOS DO PACTO GLOBAL Princípios de Direitos Humanos 1. Respeitar e proteger os direitos humanos; 2. Impedir violações de direitos humanos; COMPATIBILIZAÇÃO DAS AÇÕES Reeleita como membro integrante

Leia mais

EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA. D1.2 Democracia e Cidadania no Brasil (16h) Professor : Roberto Rocha Coelho Pires. Aula 2

EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA. D1.2 Democracia e Cidadania no Brasil (16h) Professor : Roberto Rocha Coelho Pires. Aula 2 EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA D1.2 Democracia e Cidadania no Brasil (16h) Professor : Roberto Rocha Coelho Pires Aula 2 5 e 6, 12 e 13 de setembro de 2011 Cidadania Introdução (conexão com aula

Leia mais

Ano lectivo de 2009/2010

Ano lectivo de 2009/2010 Parâmetros / Instrumentos Pesos a) Atitudes e Comportamentos no espaço escolar (5) b) Cumprimento das tarefas (5) c) Capacidade de expressão oral e escrita (5) d) Trabalhos Individuais / grupo (15) e)

Leia mais