Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br"

Transcrição

1 Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto 3º Seminário de Proteção Escolar / Secretaria da Educação 20 e 21 de agosto de 2014 / Serra Negra 1

2 Diferenças culturais e biológicas distinguem os seres humanos. O que iguala os seres humanos? 2

3 Únicos seres no mundo capazes de amar, descobrir a verdade e criar a beleza. Ninguém em virtude de gênero, etnia, classe social, grupo religioso ou nação pode afirmar-se superior aos demais. 3

4 Ser humano é sempre um fim e isto implica em deveres positivos: favorecer a felicidade alheia, as liberdades, realizar políticas públicas para promoção de direitos sociais e econômicos. Coisas têm valor relativo Ser humano tem valor absoluto 4

5 Direitos inerentes a nossa natureza (que nos tornam humanos) Direitos que permitem que os seres humanos desenvolvam plenamente suas qualidades humanas, como inteligência, aptidões, consciência e que satisfaça necessidades "espirituais". Os Direitos Humanos afirmam a igualdade entre todos os seres humanos e por isso se convertem em formas de luta contra as situações de desigualdades, discriminações opressões vinculadas ao controle do poder por minorias. Um direito estabelece a possibilidade de exigir algo. 1

6 Os DH são produto da luta da humanidade em defesa da dignidade, liberdade e igualdade. Os DH foram reconhecidos oficialmente com o estabelecimento das Nações Unidas. Em 10 de dezembro de 1948 foi criada a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Embora não seja um documento que representa obrigatoriedade legal, marca o compromisso de cada pais signatário com a promoção dos DH. 6

7 Do que se trata? 7

8 A EDH é um processo sistemático e multidimensional. Isso significa que se almeja uma educação contínua e não pontual. EDH não é um tema a ser tratado pela escola, é um modo de vida que deve orientar a convivência escolar. Formação para a cidadania. Democracia e DH não se separam. 8

9 Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos Programa Mundial para a Educação em Direitos Humanos, PMEDH, primeira fase PMEDH, segunda fase, educação superior Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos (PNEDH) - afirma o compromisso nacional sob a forma de políticas públicas de EDH Programa Nacional de Direitos Humanos, PNDH-3 tem um eixo dedicado à educação e cultura em direitos humanos RESOLUÇÃO Nº 1, DE 30 DE MAIO DE 2012 (CNE/CP) - Estabelece Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. 9

10 Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos (PNEDH) Programa Nacional de Direitos Humanos 3 (PNDH 3) Programa Mundial de Educação em Direitos Humanos (PMEDH - internacional) Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos - (Parecer nº 8 CNE/CP/2012 e a Resolução nº 01 CNE/CP/2012) Plano Estadual de Ações em EDH Plano Municipal de EDH 10

11 Por que? 11

12 Abraço de irmão acaba em morte na Bahia. Gêmeos foram confundidos com homossexuais por grupo de oito agressores. Adolescente de 16 anos foi autuado sob suspeita de racismo. Ele publicou um anuncio no site Mercado Livre em que oferecia negros por R$ 1 "com diversas utilidades". Folha on line, 16/01/2014. Uma muçulmana foi impedida de fazer uma prova do Detran em São Bernardo do Campo por se negar a retirar seu véu - usados por mulheres islâmicas por motivos religiosos. Folha on line, 15/10/2011 A Policia Federal de Ribeirão Preto prendeu suspeito de participar de um esquema de tráfico de humanos, trabalho escravo e prostituição infantil. Folha on line, 02/07/

13 O Brasil milhões de pessoas; 60 milhões têm menos de 18 anos de idade Vulnerabilidade infantil 29% da população - vive em famílias pobres; entre as crianças, esse número chega a 45,6%. As crianças negras e as de áreas rurais têm quase 70% mais chance de viver na pobreza do que as brancas e urbanas; 64% das crianças pobres não vão à escola durante a primeira infância. Nas regiões mais pobres, como o Norte e o Nordeste, somente 40% das crianças terminam a educação fundamental. No sul e sudeste 70% De cada 100 estudantes que entram no ensino fundamental,- 59 terminam a 8ª série e apenas 40, o ensino médio. Fonte: Unicef - Todas as crianças na escola em

14 14

15 Direitos já conquistados que são violados. Direitos a serem conquistados. Valores e atitudes preconceituosas que inferiorizam as pessoas em virtude de suas diferenças. 15

16 Para quê? 16

17 Atuar na promoção de direitos e na conscientização sobre os mesmos Formar seres humanos sensíveis aos princípios e valores que reconhecem a centralidade do ser humano no mundo, a dignidade humana como fundamento da vida social, que reconheçam a igualdade nas diferenças e que repudiem a desigualdade. A educação é uma das principais vias para o despertar de um novo olhar. 17

18 A EDH contribui decisivamente para a realização dos DH. Objetivo: promover o entendimento comum de que as pessoas são responsáveis para que os direitos humanos sejam realidade em todas as comunidades e na sociedade como um todo. Nesse sentido, cada um contribui para a prevenção no longo prazo dos abusos de direitos humanos e dos conflitos violentos, para a promoção da igualdade e do desenvolvimento sustentável e para o aumento da participação das pessoas nos processos de tomada de decisões dentro dos sistemas democráticos 18

19 Como? 19

20 Para concretizar a EDH deve-se trabalhar seus conteúdos por meio de: Conhecimentos e informações acerca dos DH Valores Práticas DESAFIO: construir um ambiente educacional promotor de direitos, no qual os direitos sejam vividos cotidianamente. O ambiente educacional pode ser compreendido a partir de duas dimensões: Meio físico (condições físicas e materiais, organização dos espaços); Interações (relações entre os sujeitos que integram a comunidade escolar, relações da escola com a comunidade e com a sociedade, relação dos/as estudantes com o conhecimento). 20

21 1. AMBIENTE ESCOLAR PROMOTOR DA EDH A- Política e disposições de implementação dos direitos humanos na escola/instituição B - Formação e atuação docente em EDH C - Direitos e participação dos estudantes D - Escola, família e comunidade 2. APRENDIZAGEM PAUTADA PELA EDH E - Currículo/ Projeto Político Pedagógico F - Práticas e metodologias de ensino G - Suporte ao ensino e aprendizagem/tecnologia H - Avaliação. 21

22 Informação e conhecimentos Ensino para a compreensão de: Conceitos: categorias de análises, princípios, parâmetros, lógica da argumentação, debate de posições ideológicas, etc. História: origem, evolução e fatos significativos para o reconhecimento e a vigência (ou violação) dos DH, a democracia e o Estado de direito no mundo, na região e no país (contexto, antecedentes, influências, protagonistas, resultados, impacto). Normas: instrumentos de direitos humanos; documentos internacionais e regionais de diferente natureza e efeito jurídico; legislação nacional, etc. Instituições: instâncias de proteção de direitos (nacionais, regionais e universais): sua estrutura, função, procedimentos, etc. Fonte: Adaptado do VIII Relatório Interamericano da Educação em Direitos Humanos, IIDH, 2010, p

23 Valores e atitudes Formação no apreço e disposição para agir de acordo com os princípios universais que sustentam a dignidade e os direitos das pessoas. O núcleo central de valores se expressa nos instrumentos de DH acordados pela comunidade internacional: Vida e integridade pessoal Dignidade humana Identidade Liberdade e responsabilidade Igualdade e não discriminação Justiça e equidade Solidariedade e cooperação Participação Pluralismo Desenvolvimento humano Paz e segurança Fonte: Adaptado do VIII Relatório Interamericano da Educação em Direitos Humanos, IIDH, 2010, p

24 Destrezas capacidades para a ação ou Desenvolvimento de destrezas necessárias para o exercício pleno dos direitos humanos e a prática da democracia: Pensamento crítico. Comunicação e a argumentação eficaz. Participação e o trabalho cooperativo. Fonte: Adaptado do VIII Relatório Interamericano da Educação em Direitos Humanos, IIDH, 2010, p

25 Domínio 1: Livros de texto para meninos/meninas de 10 a 12 anos. Fonte: VIII Relatório Interamericano da Educação em Direitos Humanos. IIDH. 2010, p. 37. Variáveis Indicadores 1. Incorporação de conceitos e desenvolvimentos conceituais básicos de DH 2. Incorporação da história dos DH Conceito de direitos humanos ou direitos da pessoa. Definição dos DH (seu fundamento na dignidade da pessoa e seu caráter tanto de princípios éticos como de normas jurídicas). Características dos DH. Direitos humanos acordados na Declaração Universal. Conceito de direitos da infância. Direitos da infância acordados na Convenção sobre os Direitos da Criança. Igualdade e não discriminação. Igualdade ou equidade de gênero. Preconceitos, estereótipos e discriminação. Diferentes tipos de discriminação: por sexo, idade, raça, etnia ou nacionalidade, religião ou ideologia, situação econômica, capacidades especiais e orientação sexual. Pobreza, fome, inequidade, exclusão no mundo, no continente e no país. Antecedentes históricos dos DH na Antiguidade e na Idade Média. A construção moderna dos DH: revoluções americana e francesa. As Nações Unidas. A Declaração Universal dos DH. A Convenção sobre os Direitos da Criança. Personalidades que se destacam na defesa dos DH no mundo, no continente 25 e no país.

26 Domínio 1: Livros de texto para meninos/meninas de 10 a 12 anos. Variáveis Indicadores Incorporação de conceitos e desenvolvimentos conceituais Conceito de direitos humanos ou direitos da pessoa. História e cultura das populações indígenas e afrodescendentes que básicos de DH habitam o território nacional 3. Incorporação de normas e instituições básicas de DH Democracia. Estado ou Estado de Direito. A Lei. Igualdade perante a lei. Devido processo. Os DH na Constituição Política do país. Instituições que protegem os DH no âmbito nacional. Organizações internacionais de cooperação e promoção de DH (ONU, UNESCO e UNICEF). Organizações de participação estudantil na escola (governo estudantil ou similar). 26

27 Domínio 2: Livros de texto para meninos(as) de 13 e 14 anos. Variáveis Indicadoras(*) Classificação dos DH em direitos civis e políticos; direitos econômicos, sociais e culturais, e direitos coletivos. 1. Incorporação de conceitos e desenvolvimentos conceituais básicos de DH Direitos civis e políticos. Direitos econômicos, sociais e culturais. Direitos coletivos. Cidadania. Cidadania global. Desenvolvimento econômico e social. Desenvolvimento sustentável. Desenvolvimento dos DH nos séculos XX e XXI. Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. 2. Incorporação de história dos DH Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos Outros instrumentos de DH de populações específicas (indígenas, refugiados, pessoas com deficiência). Casos de violações em massa de DH na história recente do mundo, América Latina e no país, se aplica. 27

28 Evolução histórica do conceito de democracia. 3. Incorporação de normas e instituições básicas de DH Eleições e sufrágio. Transparência e prestação de contas. (Ou, em termos negativos, luta contra a corrupção e a impunidade). Sistema regional de proteção dos DH. OEA, Comissão Interamericana e Corte Interamericana de DH. Sistema internacional de proteção de DH. 28

29 promoção de debates que envolvam a escola e a comunidade, levando o conhecimento acerca dos DH às pessoas do bairro e da própria escola; organização de comemoração de datas significativas para os Direitos Humanos; oferta de sessões de cine-debate à comunidade, apresentado filmes que tratam de temáticas relativas aos direitos dos seres humanos; campanhas ou ações para promover direitos: direito à literatura (por meio de saraus de leitura, por exemplo), direito ao lazer (com propostas que utilizem o espaço da escola para promover atividades); direito à alimentação saudável (informando e promovendo a escolha consciente de alimentos); realização de pequenas filmagens sobre Direitos Humanos na comunidade em que vivem, ou sobre a opinião das pessoas sobre estes direitos; exposições de fotos, desenhos, redações, poesias que tratem de Direitos Humanos; organização de atividades que promovam o reconhecimento da diversidade cultural, racial, religiosa, etc de nosso pais; informar a comunidade escolar e local sobre os mecanismos de defesa e promoção de direitos: o que fazer quando um direito é violado? Como organizar-se para reivindicar direitos? 29

30 A educação para a cidadania não se limita a aprendizagem sobre política, mas refere-se, também, à capacidade de viver uma vida social e política. Alargar o conceito de cidadania implica em possibilitar aos estudantes espaços para relações dialógicas e participação em processos que possibilitem a reflexão, a discussão e a elaboração conjunta de normas e formas de convivência. Neste sentido, tornar-se um cidadão é o resultado do esforço coletivo de indivíduos que têm ligações entre si. Discutir as formas de interação entre os sujeitos, os princípios que as orientam, as regras que regulam a convivência escolar e os direitos e responsabilidades de cada um são ações que integram o processo de formação do ser humano e que concretizam valores. Trata-se de atribuir um papel ativo a todos os membros integrantes da comunidade escolar no que tange à discussão e à busca de soluções para problemas comuns, rompendo com a verticalidade que muitas vezes caracteriza a elaboração de normas coletivas. 30

31 Os Direitos Humanos tratam basicamente de relacionamentos, consequentemente envolvem relações de poder entre indivíduos, grupos, sociedade ou Estado, são culturais, históricos, sociais e políticos. É preciso que se tenha consciência desta dimensão para que a EDH não se transforme em mera transmissão de informações sobre direitos já estabelecidos e desvinculados de seu contexto de luta e conquista. A variedade de relações entre seres humanos é ampla, o que torna os direitos humanos dinâmicos, em constante discussão, reivindicação e transformação. Por isso, a EDH se desenvolve em contextos reais, a partir de experiências, necessidades e problemas dos sujeitos (estudantes, comunidade escolar, comunidade na qual a escola se localiza) e das relações destes entre si, com a sua escola, sua comunidade e com o seu governo. 31

32 32

Educação em Direitos Humanos Extensão

Educação em Direitos Humanos Extensão Código / Área Temática Direitos Humanos Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação em Direitos Humanos Extensão QUALQUER ETAPA DE ENSINO Nível do Curso Extensão Objetivo O objetivo

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: a Práxis Educacional

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: a Práxis Educacional SEMINÁRIO DE FORMAÇÃO DE GESTORES E EDUCADORES DO PROGRAMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE Palmas-Tocantins-2012 DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: a Práxis Educacional Aida Monteiro trevoam@terra.com.br

Leia mais

A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS

A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS Adriana Teixeira Gomes Jediã Ferreira Lima Rosana Marques de Souza Secretaria

Leia mais

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 1 O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Ana Carolina Corrêa 1 RESUMO O presente artigo pretende refletir sobre a urgente e necessária efetivação da

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO

CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PARECER N o 08/2015/CAEG APROVADO EM: 27/10/2015 PROCEDÊNCIA OBJETO RELATORES Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Componente Curricular: Educação em Direitos Humanos

Leia mais

Comitês Estaduais de Educação em Direitos Humanos no Brasil : desafios e perspectivas

Comitês Estaduais de Educação em Direitos Humanos no Brasil : desafios e perspectivas GT 10 - Ensino e Educação em Direitos Humanos Comitês Estaduais de Educação em Direitos Humanos no Brasil : desafios e perspectivas Nair Heloisa Bicalho de Sousa ( Professora doutora da Universidade de

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS PARA A DIVERSIDADE SEXUAL: perspectivas e efetivação em tempos de inclusão

POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS PARA A DIVERSIDADE SEXUAL: perspectivas e efetivação em tempos de inclusão POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS PARA A DIVERSIDADE SEXUAL: perspectivas e efetivação em tempos de inclusão Alexandre Martins Joca 1 Resumo: Nas últimas décadas o movimento homossexual brasileiro tem reivindicado

Leia mais

2º ENCONTRO GRUPO DE ESTUDOS CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM/ PARA OS DIREITOS HUMANOS. Bom dia, Profissionais da Educação

2º ENCONTRO GRUPO DE ESTUDOS CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM/ PARA OS DIREITOS HUMANOS. Bom dia, Profissionais da Educação 2º ENCONTRO GRUPO DE ESTUDOS CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM/ PARA OS DIREITOS HUMANOS Bom dia, Profissionais da Educação Hoje daremos continuidade aos estudos sobre os fundamentos necessários para a compreensão

Leia mais

2008-2009. construindo Cidadania. educação em direitos humanos: para transformar o mundo. 1ª edição

2008-2009. construindo Cidadania. educação em direitos humanos: para transformar o mundo. 1ª edição 2008 1ª edição 2008-2009 educação em direitos humanos: construindo Cidadania para transformar o mundo Guia do site Conheça o texto que inspirou os vencedores do Prêmio Nacional de Educação em Direitos

Leia mais

Presidência da República Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção e Defesa e Defesa dos Direitos Humanos

Presidência da República Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção e Defesa e Defesa dos Direitos Humanos AVISO DE CHAMAMENTO PÚBLICO (publicado no Diário Oficial da União, Seção 3, em 2 de maio de 2008) SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS PARA A CRIAÇÃO E/OU FORTALECIMENTO INSTITUCIONAL DE

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA CONSELHO DO DA UnB SE POSICIONA CONTRA A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL O Conselho do (CIP/UnB) da, instância máxima do Curso de Psicologia (graduação e pós-graduação), em Reunião Ordinária de 23 de junho

Leia mais

Plano de ação. Programa Mundial para educação em direitos humanos. Primeira etapa. Nações Unidas

Plano de ação. Programa Mundial para educação em direitos humanos. Primeira etapa. Nações Unidas Plano de ação Programa Mundial para educação em direitos humanos Primeira etapa Nações Unidas Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura Escritório do Alto Comissariado das Nações

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR COTAS RACIAIS NO BRASIL SOB A ÓTICA DAS AÇÕES AFIRMATIVAS E DIREITOS HUMANOS

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR COTAS RACIAIS NO BRASIL SOB A ÓTICA DAS AÇÕES AFIRMATIVAS E DIREITOS HUMANOS COTAS RACIAIS NO BRASIL SOB A ÓTICA DAS AÇÕES AFIRMATIVAS E DIREITOS HUMANOS Maria Carolina de Sá França* RESUMO Este artigo objetiva desenvolver um estudo a cerca das cotas raciais na perspectiva das

Leia mais

DIREITOS E IGUALDADES EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS

DIREITOS E IGUALDADES EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS DIREITOS E IGUALDADES EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS Carlos Ugo Santander Universidade Federal de Goiás - UFG csantander@hotmail.com Resumo: O artigo tem como objetivo discutir as questões

Leia mais

A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004

A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004 N Ú M E R O I Série Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995 2004 DIREITOS HUMANOS A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FACULDADE DE MANTENA 2010-2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FACULDADE DE MANTENA 2010-2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FACULDADE DE MANTENA 2010-2014 Mantena-MG INTRODUÇÃO A Faculdade de Mantena FAMA - é um estabelecimento particular de ensino superior, que visa a atender

Leia mais

Preconceito juízo pré-concebido atitude discriminatória

Preconceito juízo pré-concebido atitude discriminatória PRECONCEITO RACIAL O QUE É PRECONCEITO? Preconceito é um juízo pré-concebido, que se manifesta numa atitude discriminatória, perante pessoas, crenças, sentimentos e tendências de comportamento. O preconceito

Leia mais

DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos

DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos 2 3 Artigo 1º, Direito à Igualdade Você nasce livre e igual em direitos como qualquer outro ser humano. Você tem capacidade de pensar e distinguir o certo do errado.você

Leia mais

A FORMAÇÃO DO/A PEDAGOGO/A EM DIREITOS HUMANOS: UMA ANÁLISE DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPB

A FORMAÇÃO DO/A PEDAGOGO/A EM DIREITOS HUMANOS: UMA ANÁLISE DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPB A FORMAÇÃO DO/A PEDAGOGO/A EM DIREITOS HUMANOS: UMA ANÁLISE DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPB Ingrid Karla Cruz Biserra Mestranda em Educação PPGE/ UFPB Ingrid.karla@bol.com.br Francisca Jocineide da Costa

Leia mais

PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com. do Espírito Santo

PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com. do Espírito Santo PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS e PROGRAMA ESTADUAL DE DIREITOS HUMANOS do Espírito Santo Conforme publicados no Diário Oficial

Leia mais

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO LESSA CURSOS PREPARATÓRIOS CAPÍTULO 1 O ESTATUTO DO IDOSO O Estatuto do Idoso - Lei 10.741/2003, é o diploma legal que tutela e protege, através de um conjunto

Leia mais

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES 1 CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A discussão que vem sendo proposta por variados atores sociais na contemporaneidade

Leia mais

CONVOCATÓRIA. II Conferência Internacional Com Todos e para o Bem de Todos

CONVOCATÓRIA. II Conferência Internacional Com Todos e para o Bem de Todos CONVOCATÓRIA II Conferência Internacional Com Todos e para o Bem de Todos O programa mundial de atividades em homenagem a José Martí por ocasião do seu 160º aniversário natalício abre imensas possibilidades

Leia mais

8 Jeitos de Mudar o Mundo

8 Jeitos de Mudar o Mundo 8 Jeitos de Mudar o Mundo No dia 8 de setembro de 2000, a Organização das Nações Unidas (ONU) sintetizou uma série de acordos internacionais firmados em diversas cúpulas mundiais e desenvolveu a Declaração

Leia mais

Adolescentes no Brasil Um olhar desde o Direito

Adolescentes no Brasil Um olhar desde o Direito PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Adolescentes no Brasil Um olhar desde o Direito Novembro / 2013 Art. 227/CF

Leia mais

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS UNIÃO 1

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS UNIÃO 1 EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS Tendo em vista a construção do PNE e do SNE como política de Estado, são apresentadas, a seguir, proposições e estratégias, indicando

Leia mais

Pesquisa. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República

Pesquisa. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Pesquisa A Implementação do PNEDH nas Diretrizes do Ensino Fundamental nos Municípios Brasileiros Instituição Executora: Coordenação Geral: Apoio: Gajop Gajop e Undime Secretaria de Direitos Humanos da

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

alfabetizaçãocomoliberdade

alfabetizaçãocomoliberdade alfabetizaçãocomoliberdade 53 A DÉCADA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A ALFABETIZAÇÃO: EDUCAÇÃO PARA TODOS Plano de Ação Internacional; Implementação da Resolução nº 56/116, da Assembléia Geral.Relatório do Secretário-Geral

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO

5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO 5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade - Nós Podemos Paraná, articulado pelo Sesi-PR e com o apoio de diversas instituições

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Lei 10.639/2003. Diversidade Etnicorracial. Práticas Pedagógicas.

PALAVRAS-CHAVE: Lei 10.639/2003. Diversidade Etnicorracial. Práticas Pedagógicas. REVELANDO SENTIDOS E DESPERTANDO PERTENÇAS: O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 EM UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CAMPINA GRANDE-PB Acacia Silva Alcantara Graduanda Pedagogia UEPB/PROPESQ/PIBIC-Af

Leia mais

Educação Moral e Religiosa Católica

Educação Moral e Religiosa Católica Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto Ano letivo: 205/6 Educação Moral e Religiosa Católica Planos de Unidade do 7º ano de escolaridade Unidade letiva : As origens Metas: B. Construir uma chave de

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE PROJETO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL DO VALE DO RIBEIRA E IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS PRIORITÁRIOS 1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: REFLEXÕES ACERCA DE PRÁTICAS ESCOLARES

EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: REFLEXÕES ACERCA DE PRÁTICAS ESCOLARES EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: REFLEXÕES ACERCA DE PRÁTICAS ESCOLARES Juliana Aparecida Matias Zechi 1 Claudiele Carla Marques da Silva 2 Alana Paula de Oliveira 3 Faculdade de Ciências e Tecnologia - UNESP

Leia mais

CONCURSO PARA A REDE DE ESCOLAS ASSOCIADAS DA UNESCO

CONCURSO PARA A REDE DE ESCOLAS ASSOCIADAS DA UNESCO CONCURSO PARA A REDE DE ESCOLAS ASSOCIADAS DA UNESCO AGRICULTURA FAMILIAR Comissão Nacional da UNESCO ; u r l: h t t p : / / w w w. u n e s c o p o r t u g a l. m n e. p t Concurso para a Rede de Escolas

Leia mais

AÇÃO PROPOSTA PELO PARTIDO DEMOCRATAS ENCAMPANHANDO A TESE DE MESTRADO DA DRA. ROBERTA KAUFFMAN PROCURADORA DO DF E MESTRE PELA UNB.

AÇÃO PROPOSTA PELO PARTIDO DEMOCRATAS ENCAMPANHANDO A TESE DE MESTRADO DA DRA. ROBERTA KAUFFMAN PROCURADORA DO DF E MESTRE PELA UNB. ADPF 186 AÇÃO PROPOSTA PELO PARTIDO DEMOCRATAS ENCAMPANHANDO A TESE DE MESTRADO DA DRA. ROBERTA KAUFFMAN PROCURADORA DO DF E MESTRE PELA UNB. O QUÊ PEDEM OS DEMOCRATAS A ação movida pelo Democratas impugna

Leia mais

O SISTEMA DE COTAS PARA INGRESSO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA BRASILEIRA

O SISTEMA DE COTAS PARA INGRESSO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA BRASILEIRA O SISTEMA DE COTAS PARA INGRESSO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA BRASILEIRA Andrea Palmerston Muniz 1 Jones Ferreira Matos 2 Lília Mara Sousa Ribeiro 3 Marciene Batista Soares 4 RESUMO: O presente

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS E A DIVERSIDADE COMO PILARES DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE PSICOLOGIA, DIREITO E ADMINISTRAÇÃO

OS DIREITOS HUMANOS E A DIVERSIDADE COMO PILARES DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE PSICOLOGIA, DIREITO E ADMINISTRAÇÃO OS DIREITOS HUMANOS E A DIVERSIDADE COMO PILARES DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE PSICOLOGIA, DIREITO E ADMINISTRAÇÃO Márcia Skibick Araújo 1 Herlon Ponte Vasconcelos 2 Reginaldo Rodrigues Ponte

Leia mais

Caderno MEL 46 PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL José Martín Montoya Durá, fsc. Apresentação

Caderno MEL 46 PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL José Martín Montoya Durá, fsc. Apresentação 1 Caderno MEL 46 PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL José Martín Montoya Durá, fsc Apresentação Este novo Caderno MEL nos põe em contato com um dos temas que mais preocupa a

Leia mais

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Falar dos direitos da criança implica necessariamente um resgate do maior avanço em âmbito jurídico e político-ideológico relacionado

Leia mais

5 - Direito humano à educação no Brasil: uma conquista para todos/as? 1

5 - Direito humano à educação no Brasil: uma conquista para todos/as? 1 5 - Direito humano à educação no Brasil: uma conquista para todos/as? 1 Introdução Susana Sacavino Vivemos em um país e num mundo marcados por contrastes e desigualdades de recursos, oportunidades e direitos.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DESENVOLVIMENTO SOCIAL

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DESENVOLVIMENTO SOCIAL EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADE PARA CAPACITAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DE GESTORES, TÉCNICOS E EDUCADORES, A SER REALIZADA NOS

Leia mais

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal Data: 10 e 11 de dezembro de 2010 Local: UFPR Praça Santos

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

Plano de Ação. Segunda Fase. Programa Mundial para Educação em Direitos Humanos. Nações Unidas

Plano de Ação. Segunda Fase. Programa Mundial para Educação em Direitos Humanos. Nações Unidas Plano de Ação Programa Mundial para Educação em Direitos Humanos Segunda Fase Nações Unidas Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura Escritório do Alto Comissariado das Nações

Leia mais

4h diárias - 16 meses

4h diárias - 16 meses 4h diárias - 16 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM RECEPCIONISTA ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral: 4 -

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A

CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A O código de ética da Empresa Luz e Força Santa Maria S/A contempla as seguintes partes interessadas: empregados, fornecedores, meio ambiente, consumidores

Leia mais

SÍNTESE DOS RESULTADOS DAS CONSULTAS

SÍNTESE DOS RESULTADOS DAS CONSULTAS Plataforma dos Centros Urbanos SÍNTESE DOS RESULTADOS DAS CONSULTAS PARTICIPATIVAS DE SÃO PAULO INTRODUÇÃO Este relatório sintetiza os dados consolidados do processo de consulta participativa, realizado

Leia mais

A FORMAÇÃO DO CONHECIMENTO EM DIREITOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO

A FORMAÇÃO DO CONHECIMENTO EM DIREITOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO A FORMAÇÃO DO CONHECIMENTO EM DIREITOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO Resumo Jaderson Felisberto Valério 1 - PUCPR Reginaldo Rodrigues da Costa 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.949, DE 25 DE AGOSTO DE 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo

Leia mais

TÍTULO: A DESCONSTRUÇÃO DO PRECONCEITO NO FALAR DO PORTUGUÊS NO BRASIL ORIENTADOR(ES): ILZA ALVES FERREIRA GONÇALVES DA SILVA, JOÃO ANGELO SEGANTIN

TÍTULO: A DESCONSTRUÇÃO DO PRECONCEITO NO FALAR DO PORTUGUÊS NO BRASIL ORIENTADOR(ES): ILZA ALVES FERREIRA GONÇALVES DA SILVA, JOÃO ANGELO SEGANTIN TÍTULO: A DESCONSTRUÇÃO DO PRECONCEITO NO FALAR DO PORTUGUÊS NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: LETRAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): DULCELENA RIBEIRO

Leia mais

Este número. A quem serve reduzir a maioridade penal?

Este número. A quem serve reduzir a maioridade penal? CONT A-COENTE A análise da conjuntura econômica na visão e linguagem do sindicalismo classista e dos movimentos sociais Boletim mensal de conjuntura econômica do ILAESE Ano 05, N 57 - Julho de 2015 A quem

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O DIREITO EDUCACIONAL: DESDOBRAMENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS.

REFLEXÕES SOBRE O DIREITO EDUCACIONAL: DESDOBRAMENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS. 1 REFLEXÕES SOBRE O DIREITO EDUCACIONAL: DESDOBRAMENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS. Daelcio Ferreira Campos Mendonça Universidade Federal da Bahia (UFBA), Brasil. daelcio@yahoo.com.br. RESUMO Este artigo

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história;

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história; Lei nº 1.315, de 25 de agosto de 2003. Dispõe sobre o Plano Municipal Decenal de Educação e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CODÓ, ESTADO DO MARANHÃO: Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

Seria possível uma infância sem racismo?

Seria possível uma infância sem racismo? Seria possível uma infância sem racismo? Seria possível termos todas as crianças de até 1 ano de idade sobrevivendo? Seria possível um Brasil com todas as crianças sem faltar nenhuma delas tendo seu nome

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 88-GR/UNICENTRO, DE 12 DE MAIO DE 2014. Especifica a estrutura curricular do Curso de Especialização em Educação e Formação Empreendedora, modalidade de educação a distância, aprovado pela

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES RACIAIS/ÉTNICAS

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES RACIAIS/ÉTNICAS EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES RACIAIS/ÉTNICAS Maria Aparecida Silva Bento Doutora em Psicologia Social pela USP Diretora do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades Este resumo está ancorado

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos

Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos Profª. Dda. Maria de Nazaré Tavares Zenaide Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Não bastam boas leis, uma boa Constituição, é preciso que as pessoas

Leia mais

PROFESSORA: GISELE GELMI. LOCAL: SÍTIO BANDEIRANTES

PROFESSORA: GISELE GELMI. LOCAL: SÍTIO BANDEIRANTES EMEF ANTÔNIO ANDRADE GUIMARÃES PROJETO CONSCIÊNCIA NEGRA: EDUCAÇÃO NÃO TEM COR. PROFESSORA: GISELE GELMI. LOCAL: SÍTIO BANDEIRANTES Todo brasileiro, mesmo o alvo, de cabelo louro, traz na alma, quando

Leia mais

Educação para a Paz, os Direitos Humanos e a Democracia

Educação para a Paz, os Direitos Humanos e a Democracia 1 Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) Declaração e Plano de Ação Integrado sobre a Educação para a Paz, os Direitos Humanos e a Democracia 1 9 9 5 2 Declaração

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social 1ª Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial - Conapir Eu tenho um sonho... de que um dia minhas quatro crianças viverão numa nação onde elas não serão julgadas pela cor da sua pele, mas pela

Leia mais

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Maria Rebeca Otero Gomes Coordenadora do Setor de Educação da Unesco no Brasil Curitiba, 02 de outubro de 2015 Princípios orientadores (i) A educação é um direito

Leia mais

BRASIL AFROATITUDE. Programa Integrado de Ações Afirmativas para Negros

BRASIL AFROATITUDE. Programa Integrado de Ações Afirmativas para Negros Presidência da República Secretaria Especial dos Direitos Humanos Conselho Nacional de Combate à Discriminação BRASIL AFROATITUDE Programa Integrado de Ações Afirmativas para Negros Ministério da Saúde

Leia mais

Guia de. Orientação. Ética

Guia de. Orientação. Ética Guia de Orientação Ética Guia de Orientação Ética 02 1ª Edição - V. 1 Publicação do Sindivarejista Presidente Sanae Murayama Saito Projeto Gráfico Communitas Comunicação ÍNDICE 04. Palavras da Presidente

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Presidência da República Federativa do Brasil Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial A SEPPIR CRIAÇÃO A Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Leia mais

Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um. referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro.

Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um. referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro. TEMA: Preconceito religioso SÉRIE 2ª. Série Andressa Priscila Chiquiti - chiqt@bol.com.br 4. OBJETIVO /s Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um referencial de entendimento

Leia mais

Bilhete 084/14. Bilhete 084/14 Santo André, 25 de novembro de 2014. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil.

Bilhete 084/14. Bilhete 084/14 Santo André, 25 de novembro de 2014. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos do 1º ano. Senhores Pais dos alunos do 1º ano. Senhores Pais dos alunos da turma 1F8.

Leia mais

AÇÕES AFIRMATIVAS NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS: UM ESTUDO INICIAL

AÇÕES AFIRMATIVAS NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS: UM ESTUDO INICIAL AÇÕES AFIRMATIVAS NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS: UM ESTUDO INICIAL Gina Glaydes Guimarães de Faria Fábia de Oliveira Santos NEPPEC FE/UFG guima.fa@uol.com.br fabia.psi@gmail.com Objetiva-se, neste

Leia mais

O estado da arte nas pesquisas sobre as relações famíliaescola nos anais da Anppep e Conpe

O estado da arte nas pesquisas sobre as relações famíliaescola nos anais da Anppep e Conpe Anais do XV Encontro de Iniciação Científica da PUC-Campinas - 26 e 27 de outubro de 2010 ISSN 1982-0178 O estado da arte nas pesquisas sobre as relações famíliaescola nos anais da Anppep e Conpe Leandro

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação de 23 31/05/2012 20:57 Ministério da Educação Nº 1435 - Quarta feira, 30 de maio de 2012 PORTARIAS DE NºS 706 A 714, 29 DE MAIO DE 2012 Recredenciamentos Diversos PORTARIAS DE NºS 717 E 718, 29 DE MAIO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Planejamento da Educação; Financiamento da Educação; Formação dos Profissionais da Educação

PALAVRAS-CHAVE: Planejamento da Educação; Financiamento da Educação; Formação dos Profissionais da Educação A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS: CONSTRUINDO A ESCOLA COMO ESPAÇO DE PROTEÇÃO DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Émina Santos-UFPA/GEEDH emina@ufpa.br

Leia mais

Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil

Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil RELATÓRIO FINAL Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil Preparado pelo Instituto Reos JUNHO 2015 CONVOCADORES FINANCIADORES Capítulo 2 CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA C2 17 CAPÍTULO 2

Leia mais

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE Kizzy Morejón 1 Luci Riston Garcia 2 Cristiane Camargo Aita 3 Vitor Cleton Viegas de Lima 4 RESUMO Vivemos em uma sociedade que,

Leia mais

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL RESUMO

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL RESUMO 138 O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL Ana Carolina Corrêa 1 RESUMO Ao analisarmos a educação em direitos humanos vários desafios se revelam. Um deles se traduz em

Leia mais

Cód. 12 Assistente Social I

Cód. 12 Assistente Social I EMPRESA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DE CAMPINAS S/A EMDEC CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2010 Cód. 12 Assistente Social I 1. Os direitos sociais são direitos fundamentais do homem, caracterizando-se como verdadeiras

Leia mais

I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E ECONOMIA SOLIDÁRIA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

PACTO GLOBAL RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

PACTO GLOBAL RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE PACTO GLOBAL RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE PACTO GLOBAL Lançado em 2000, o Pacto Global das Nações Unidas constitui uma convocação às empresas de todo o mundo para que alinhem suas estratégicas e operações

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

GT de Juventude do Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e Desenvolvimento

GT de Juventude do Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e Desenvolvimento GT de Juventude do Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e Desenvolvimento CETEM 11 de setembro de 2009 Programa Nacional de Juventude e Meio Ambiente De Onde Vêm? Porque Juventude

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* PREVENÇÃO

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* PREVENÇÃO PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* PREVENÇÃO Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015. ASSUNTO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Amambai 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Interdisciplinar Obs.: Para proposta

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E EDUCAÇÃO: PARA UMA SOCIEDADE DE PAZ E JUSTIÇA RESUMO

DIREITOS HUMANOS E EDUCAÇÃO: PARA UMA SOCIEDADE DE PAZ E JUSTIÇA RESUMO DIREITOS HUMANOS E EDUCAÇÃO: PARA UMA SOCIEDADE DE PAZ E JUSTIÇA Ane Caroline dos Santos¹; Irene Tochibana Hilahata¹; Rosalvo Ivarra Ortiz¹; Thaynara Martins de Oliveira¹; André luiz faisting². ¹Discentes

Leia mais

DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA.

DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA. DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA. Amanda Pathiely Serrânia Faria UFG/FEFD 1 Orientador e Coautor: Prof. Dr. Alexandre Ferreira UFG/FEFD 2 Graduanda do curso de Licenciatura

Leia mais

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**)

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Os Estados Membros da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura reunidos em Paris em virtude da 28ª reunião da Conferência

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA:

PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA: PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. Altera a Lei Municipal nº 2101 de 02/09/2004 e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA: Art. 1º Fica alterado o art. 6º da Lei Complementar

Leia mais

Lei 8.069/1990. 5º Momento: Do Direito Fundamental à Convivência Familiar

Lei 8.069/1990. 5º Momento: Do Direito Fundamental à Convivência Familiar Lei 8.069/1990 5º Momento: Do Direito Fundamental à Convivência Familiar Origem da família Segundo os preceitos judaico-cristão, Deus criou o ser humano desdobrado em dois sexos: homem e mulher e mandou

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

*Revista Eletrônica do CEAF. Porto Alegre - RS. Ministério Público do Estado do RS. Vol. 1, n. 2, fev./maio 2012*

*Revista Eletrônica do CEAF. Porto Alegre - RS. Ministério Público do Estado do RS. Vol. 1, n. 2, fev./maio 2012* *Revista Eletrônica do CEAF. Porto Alegre - RS. Ministério Público do Estado do RS. Vol. 1, n. 2, fev./maio 2012* CUSTO DO NÃO INVESTIMENTO NA INFÂNCIA E NA JUVENTUDE Mário Luiz Ramidoff Promotor de Justiça

Leia mais