ARBITRAGEM UMA ATIVIDADE PARA CONTADORES. Este evento é uma homenagem póstuma ao ilustre contador: José Rojo Alonso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARBITRAGEM UMA ATIVIDADE PARA CONTADORES. Este evento é uma homenagem póstuma ao ilustre contador: José Rojo Alonso"

Transcrição

1 ARBITRAGEM UMA ATIVIDADE PARA CONTADORES Este evento é uma homenagem póstuma ao ilustre contador: José Rojo Alonso 1

2 BREVE HISTÓRICO DA ARBITRAGEM Idade média - séculos V e XV; Tratado de Tordesilhas 1494; Portugal e Espanha. O árbitro foi o Papa. 2

3 ARBITRAGEM NO MERCOSUL Em função do Decreto 4.719/2003, o Brasil admite com seus pares no Mercosul, a arbitragem como um dos métodos alternativos para a solução de controvérsias surgidas de contratos comerciais internacionais concluídos entre pessoas de direito privado. 3

4 DEMANDAS ENTRE CONTADORES E SEUS CLIENTES Serviços Responsabilidade Indenizações A R B I T R A G E M 4

5 Noções sobre arbitragem e o mercado para os contadores. 5

6 ARBITRAGEM Lei 9.307/1996 SOLUÇÃO MODERNA DE CONFLITOS 6

7 O QUE SE BUSCA COM ESTA APRESENTAÇÃO: a) Desenvolver um espírito crítico dos contadores em relação ao instituto; b) Avaliar riscos e possibilidades da atuação do contador nas soluções de conflitos. 7

8 A ARBITRAGEM NO BRASIL Lei 9.307/1996. Segmento de mercado para contadores. As grandes disputas: Mineração Construção Civil Comércio Petróleo Distribuição Fornecimento Representação 8

9 O QUE INTERESSA AOS DEMANDANTES Solução que busque a equidade 1. Árbitro com especialização no assunto; 2. Testemunha técnica adequada; 3. Perito independente e imparcial; 4. Sigilo; 5. Justiça com uma solução rápida. 9

10 ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS Arbitragem - livre vontade e renúncia ao judiciário; Negociação as partes tentam decidir sozinhas o conflito; Conciliação o conciliador propõe soluções; Mediação - o mediador ajuda as partes a obterem uma solução. 10

11 INSTITUIÇÕES DE ARBITRAGEM Em SC: 14 Entidades - FECEMA No PR: 7 Entidades Internacionais CCI AAA Euro Câmaras 11

12 CABE AO INSTITUTO ARBITRAL a) Designar as datas e locais para realização das audiências e demais atos processuais; b) Fazer a notificação das partes, testemunhas e peritos, a fim de que compareçam para praticarem os atos pertinentes, propiciando o andamento do processo; c) Requerer a efetivação de medidas coercitivas ao judiciário de acordo com a necessidade; 12

13 d) Eleger o presidente do tribunal arbitral, em sendo órgão colegiado; e) Nomear árbitro desempatador; f) Nomear um secretário para o árbitro ou árbitros, se for o caso; g) Fixar o procedimento arbitral no silêncio das partes ou quando delegado por elas, determinar o adiantamento das despesas processuais, se achar conveniente, dentre outros. 13

14 VANTAGENS DA ARBITRAGEM Celeridade; Sigilo; Especialização (árbitro com conhecimento de contabilidade); Livre escolha do árbitro ou árbitros; Economia (tempo e dinheiro). 14

15 DEMANDAS TÍPICAS DA ARBITRAGEM Direitos patrimoniais disponíveis, tais como: 1. Apuração de haveres, ações/quotas; 2. Serviços especializados; 3. Contratos; 4. Acordo de acionistas; 5. Questões ligadas a incorporação cisão, fusão. 15

16 OUTRAS BASES LEGAIS Participação nos lucros de empregados Lei /2000, art. 4; Questões Societárias - Lei 6.404/76, art. 109; Contratos - CC/2002, art. 853; Parcerias Públicas Privadas Lei /2004, art. 11, inc. 3; Concessão de Serviços Públicos Lei 8.987/1995 art A; No texto da Constituição, art. 114, 1º, as partes poderão eleger árbitros. 16

17 Lei 9.307/1996, art. 2, 3 o : A arbitragem que envolva a administração pública será sempre de direito e respeitará o princípio da publicidade. 17

18 LEI COMPLEMENTAR 123 DE 14/12/2006 Art. 75. As microempresas e as empresas de pequeno porte deverão ser estimuladas a utilizar os institutos de conciliação prévia, mediação e arbitragem para a solução de seus conflitos. 18

19 Câmara de Arbitragem do Mercado - BOVESPA Petrobrás Estatuto social art

20 TIPOS DE ARBITRAGEM De Equidade De Direito 21

21 FATOS NOTÓRIOS DA ARBITRAGEM Não se aplica o Código de Processo Civil; O árbitro decide sobre a sua própria competência; Não se têm instâncias superiores ou recursos; A cláusula arbitral é autônoma em relação aos contratos; Eleita a arbitragem, fica afastado o Poder Judicial. 22

22 ARBITRAGEM INSTITUCIONAL É a administração dos procedimentos da arbitragem, através das regras e regulamentos, criadas por uma instituição arbitral, ou seja, é a hipótese onde se aplica a forma convencionada pela instituição arbitral, para a condução do pleito arbitral. 23

23 ARBITRAGEM AD HOC É aquela forma de arbitragem que se dará somente entre os árbitros e as partes, sem intermédio ou com a aplicação de regras e regulamentos criadas por uma instituição arbitral, ou seja, é a hipótese onde se aplica a forma convencionada pelas partes, sem interferência de uma instituição arbitral. A arbitragem ad hoc é quando os procedimentos para arbitragem são as fixadas pelas partes ou determinadas pelo árbitro; normalmente isto decorre da escolha efetuada livremente pelos litigantes, através do compromisso arbitral que poderá ser firmado na existência de um litígio. 24

24 ÁRBITRO Qualquer pessoa capaz e maior; De confiança das partes; Juiz de fato e de direito; Um ou mais árbitros; Equiparados a funcionário público. 25

25 NÃO PODEM SER ÁRBITROS Os incapazes; Os analfabetos; Os suspeitos de parcialidade. 26

26 A AUTONOMIA DA ESCOLHA A autonomia funda-se na base das obrigações. É uma vontade livre e soberana, sem a qual o indivíduo não poderia vincular-se a arbitragem. Tendo a arbitragem uma natureza contratual, predomina a autonomia da vontade, que se constitui na essência do instituto. 27

27 CLÁUSULA COMPROMISSÓRIA Cláusula Compromissória Vazia; Cláusula Compromissória Cheia. 28

28 É POSSÍVEL NA ARBITRAGEM: 1. Afastar inclusive a legislação; 2. Simplesmente apoiar-se nos princípios gerais de direito, nos usos e costumes e nas regras internacionais do comércio (art. 2º, 2º); 3. Pactuar que a arbitragem seja instituída e processada segundo as regras instituídas por alguma entidade especializado no assunto. 29

29 INFORMAÇÕES MÍNIMAS Sede da arbitragem Brasil ou não, (homologação do Superior Tribunal de Justiça); A lei aplicada ou autorização para a equidade; Idioma da Arbitragem; Regra da Arbitragem (entidade ou definida pelas partes); Responsabilidade, honorários, despesas, etc. 30

30 PROVAS NA ARBITRAGEM Testemunhas; Confissão; Testemunhas técnicas; Perícia; Presunção; E outros meios de provas (documentais); Obtidas com a ajuda da justiça estatal, carta arbitral, pedido de cooperação; Discovery Descoberta. 31

31 O esclarecimento de uma testemunha técnica muitas vezes é a diferença entre ganhar ou perder uma demanda. 32

32 Perícia Contábil Podem os assistentes apresentarem seus pareceres e defesa oral antes do perito do árbitro. Ao perito do árbitro pode ficar restrito apenas as questões divergentes dos assistentes. 33

33 LABORATÓRIO DE PERÍCIA CONTÁBIL FORENSE-ARBITRAL Método Análise técnica Análise científica Questões doutrinárias 34

34 ANÁLISE CIENTÍFICA Deve se submeter aos seguintes princípios: 1. Da equidistância dos peritos (tanto nomeados quanto os indicados pelas partes); 2. Da independência e da imparcialidade; 3. Da razoabilidade; 4. Da proporcionalidade; 5. Da probabilidade; 6. Da epiqueia contabilística; 35

35 7. Da condição de testabilidade; 8. Da ampla defesa técnica (tese), e do amplo contraditório técnico (antítese); 9. De não tergiversar; 10. Do interesse heurístico; 11. Do afastamento da hipóstase contábil(realidade permanente); 12. Da não utilização do argumentam ad verecundiam; e o 13. Da fidelidade. 36

36 37 ANÁLISE TÉCNICA Vários são os procedimentos: amostratestemunha, arbitramento, avaliação, certificação, circularização, exame, impairment, indagação, investigação, mensuração, observação, vistoria, entre outras.

37 Várias são as métricas: Margem de contribuição; Fluxo de caixa; Índices econômicos, Método holístico; Balanço de determinação; Índices financeiros.

38 SÃO GARANTIDOS NA ARBITRAGEM O contraditório; A ampla defesa. 39

39 OS PRINCÍPIOS DA ARBITRAGEM 2, ART. 21, SÃO: Contraditório; Da igualdade das partes; Da imparcialidade; Do livre convencimento. 40

40 CAPACIDADE POSTULATÓRIA A LA no art. 21, 3º, confere às partes a capacidade postulatória, ou seja, a possibilidade de atuarem por si, sem a necessidade de procurador. A presença do advogado na arbitragem não é obrigatória, mas admissível. 41

41 SENTENÇA ARBITRAL Seis meses; Não tem recurso; Requisitos da sentença; Anulação da sentença; Sentenças arbitrais estrangeiras STJ. 42

42 REQUISITOS DA SENTENÇA ARBITRAL O art. 31 da Lei de Arbitragem determina que: A sentença arbitral produz, entre as partes e seus sucessores, os mesmos efeitos da sentença proferida pelo órgão do Poder Judiciário e, sendo condenatória, constitui título executivo. E ainda dispõe o art. 18: O árbitro é juiz de fato e de direito, e a sentença que proferir não fica sujeita a recurso ou homologação pelo Poder Judiciário. 43

43 A SENTENÇA ARBITRAL É COMPOSTA DE: 1. Relatório; 2. Fundamentação; 3. Dispositivo. 44

44 UMA SENTENÇA ARBITRAL, ASSIM COMO, UMA DO JUÍZO COMUM ESTATAL, PRODUZ EFEITOS QUE SÃO: a) Dizer o direito e a obrigação das partes; b) Por fim à atividade de disputa; c)constituir título executivo, se condenatória for a sentença; d) Sujeitar o devedor à execução. 45

45 CURIOSIDADES O árbitro pode declarar a inconstitucionalidade de uma determinada lei, em relação ao caso em concreto; Pode haver condenação por litigância de má-fé; Pode haver ou não honorários de sucumbência. 46

46 A sentença arbitral deverá evidenciar: a)relatório sobre os fatos e alegações do caso: (Lei Brasileira de Arbitragem, art. 26, inc. I); b) A descrição do desenvolvimento do procedimento e provas produzidas: 47

47 c)informação sobre a legislação aplicável; d)fundamentos da decisão questões de fato e de direito (art. 26, inc. II, da Lei Brasileira de Arbitragem); 48

48 e) Dispositivo com a decisão do árbitro (e, caso exista mais de um árbitro, deve ser informado se a decisão foi unânime ou por maioria), o prazo e a forma de cumprimento do Laudo Arbitral para as partes (Lei Brasileira de Arbitragem, art. 26, inc. III). 49

49 50

50 Receba informações e novidades sobre Contabilidade CADASTRE O SEU EM: 51

SUMÁRIO. 1 Introdução 1.1 Introdução aos meios alternativos de resolução de disputas 1.2 Breve histórico 1.3 Bibliografia recomendada

SUMÁRIO. 1 Introdução 1.1 Introdução aos meios alternativos de resolução de disputas 1.2 Breve histórico 1.3 Bibliografia recomendada Livro: Curso de Arbitragem, 2ª edição Professor Francisco José Cahali SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 Introdução 1.1 Introdução aos meios alternativos de resolução de disputas 1.2 Breve histórico 1.3 Bibliografia

Leia mais

Noções de Arbitragem

Noções de Arbitragem Noções de Arbitragem Conceito A arbitragem é a instituição pela qual um terceiro resolve o litígio que opõem duas ou mais partes, exercendo a missão jurisdicional que lhe é conferida pelas partes. (Charles

Leia mais

FRANCISCO JOSÉ CAHALI CURSO DE ARBITRAGEM. LivroAS pdf corrigido indb 3 26/07/ :14:50

FRANCISCO JOSÉ CAHALI CURSO DE ARBITRAGEM. LivroAS pdf corrigido indb 3 26/07/ :14:50 FRANCISCO JOSÉ CAHALI CURSO DE ARBITRAGEM LivroAS 7073 - pdf corrigido - 26.07.2011.indb 3 26/07/2011 15:14:50 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 9 1 INTRODUÇÃO... 19 1.1 Introdução aos meios alternativos de resolução

Leia mais

CURSO DE ARBITRAGEM EMPRESARIAL

CURSO DE ARBITRAGEM EMPRESARIAL CURSO DE ARBITRAGEM EMPRESARIAL Princípios (Texto aprovado na reunião ordinária de 24 de abril de 1999) I. O Árbitro é o privilegiamento da autonomia da vontade das partes, que o elegem para dirimir uma

Leia mais

Reunião Técnica ANEFAC

Reunião Técnica ANEFAC Reunião Técnica ANEFAC ARBITRAGEM INTERNACIONAL: CONCEITOS, PROCEDIMENTO E A IMPORTÂNCIA DA SEDE Palestrante: Ramon Alberto dos Santos ramonlas@usp.br Arbitragem - Introdução Forma alternativa de solução

Leia mais

Câmara de Arbitragem do Mercado

Câmara de Arbitragem do Mercado Câmara de Arbitragem do Mercado O canal mais rápido e econômico para a solução de conflitos societários e do mercado de capitais. A Câmara de Arbitragem do Mercado (CAM) é o foro adequado para resolver

Leia mais

PAINEL 2 PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO CNPC, CMCA E NO CONGRESSO NACIONAL

PAINEL 2 PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO CNPC, CMCA E NO CONGRESSO NACIONAL PAINEL 2 PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO CNPC, CMCA E NO CONGRESSO NACIONAL DANILO RIBEIRO MIRANDA MARTINS Procurador Federal da AGU em exercício na PREVIC, Especialista em Direito Previdenciário, Gestão Previdenciária

Leia mais

Manual de Negociação

Manual de Negociação Disciplina: Processo Decisório Prof. Gustavo Nogueira Manual de Negociação Organizador: Gilberto Sarfati 1º Edição 2010 Clarissa Brandão Clarissa Brandão é advogada, mestre em Direito Internacional e Integração

Leia mais

Arbitragem Internacional. Renato Leite Monteiro

Arbitragem Internacional. Renato Leite Monteiro Arbitragem Internacional Renato Leite Monteiro Conceito É o mecanismo de solução de litígios pelo qual as partes decidem submeter um conflito a um ou mais especialistas em certo tema, que não pertencem

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA - SAFRA

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA - SAFRA CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA - SAFRA Pelo presente instrumento particular as partes abaixo identificadas celebram o contrato de compra e venda de energia elétrica (o Contrato ), de acordo

Leia mais

A importância da escolha do árbitro e da instituição arbitral. Palestrante: Alvaro de Carvalho Pinto Pupo

A importância da escolha do árbitro e da instituição arbitral. Palestrante: Alvaro de Carvalho Pinto Pupo A importância da escolha do árbitro e da instituição arbitral Palestrante: Alvaro de Carvalho Pinto Pupo Convenção de arbitragem Convenção de arbitragem Cláusula compromissório Compromisso arbitral Convenção

Leia mais

Inovações legislativas e aspectos práticos no uso da Mediação em Propriedade Intelectual. Daniela Monteiro Gabbay

Inovações legislativas e aspectos práticos no uso da Mediação em Propriedade Intelectual. Daniela Monteiro Gabbay Inovações legislativas e aspectos práticos no uso da Mediação em Propriedade Intelectual Daniela Monteiro Gabbay 30.08.2016 Escolha da mediação: arte ou ciência? Como escolher a porta mais adequada de

Leia mais

ANEXO I TABELA DE CUSTAS E HONORÁRIOS DOS ÁRBITROS

ANEXO I TABELA DE CUSTAS E HONORÁRIOS DOS ÁRBITROS ANEXO I TABELA DE CUSTAS E HONORÁRIOS DOS ÁRBITROS Consoante dispõe o Regulamento de Arbitragem, doravante denominado simplesmente Regulamento, os custos dos procedimentos arbitrais comportam 1 : 1. TAXA

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Sujeitos Processuais. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Sujeitos Processuais. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Sujeitos Processuais Gustavo Badaró aula de 11.10.2016 1. Noções Gerais 2. Juiz PLANO DA AULA Peritos, interpretes e auxiliares da justiça 3. Ministério

Leia mais

Arbitragem Internacional

Arbitragem Internacional Arbitragem Internacional Tânia Cascais Lisboa, 18 de Novembro de 2009 O que é a Arbitragem? É um dos modos alternativos de resolução de litígios. Mais concretamente, consiste num modo de resolução jurisdicional

Leia mais

Ofício nº 177 (SF) Brasília, em 11 de fevereiro de 2014.

Ofício nº 177 (SF) Brasília, em 11 de fevereiro de 2014. Ofício nº 177 (SF) Brasília, em 11 de fevereiro de 2014. A Sua Excelência o Senhor Deputado Marcio Bittar Primeiro-Secretário da Câmara dos Deputados Assunto: Projeto de Lei do Senado à revisão. Senhor

Leia mais

CONCILIAÇÃO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL 12 e 13 de maio de 2016 ENUNCIADOS/RECOMENDAÇÕES

CONCILIAÇÃO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL 12 e 13 de maio de 2016 ENUNCIADOS/RECOMENDAÇÕES CONCILIAÇÃO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL 12 e 13 de maio de 2016 ENUNCIADOS/RECOMENDAÇÕES A conciliação em demandas de alta complexidade, relevância social e/ou com desdobramentos estadual e regional

Leia mais

NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL (LEI DE 2015)

NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL (LEI DE 2015) BASE LEGAL LEI 9.307 DE 1996 LEI 13.129 DE 2015 DECRETO 8.465 DE 2015 NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL (LEI 13.105 DE 2015) VANTAGENS PROPORCIONADAS PELA ARBITRAGEM Base legal eficiente: o Brasil possui leis

Leia mais

www.momentoarbitragem.com.br www.youtube.com/momentoarbitragem REFORMA DA LEI DE ARBITRAGEM Lei 13.129/2015 REFORMA DA LEI DE ARBITRAGEM Lei 13.129/2015 Lei de Arbitragem 9.307/96 Art. 1º As pessoas capazes

Leia mais

É uma forma judicial e alternativa de

É uma forma judicial e alternativa de Av. D N. 354 St. Oeste Goiânia-GOGO CEP 74160-140140 Fone/Fax (62) 32390801 Parceria e convênio com a Ordem dos Advogados do Brasil Seção de Goiás (OAB-GO) O que é Arbitragem? É uma forma judicial e alternativa

Leia mais

Arbitragem em contratos de petróleo

Arbitragem em contratos de petróleo Arbitragem e Poder Público Arbitragem em contratos de petróleo Ricardo Barretto de Andrade 23.10.2015 1. Antecedentes legislativos do setor Lei nº 2.004/1953: monopólio da União exercido, com exclusividade,

Leia mais

Unidade I PERÍCIA CONTÁBIL. Prof. Francisco Crisóstomo

Unidade I PERÍCIA CONTÁBIL. Prof. Francisco Crisóstomo Unidade I PERÍCIA CONTÁBIL Prof. Francisco Crisóstomo Unidade I - Conceitos Conceito I de Perícia Contábil: Verificação de fatos, através de; Exames, diagnóstico e vistorias; Indagações sobre o assunto;

Leia mais

Apresentação. Histórico

Apresentação. Histórico Apresentação Em resposta aos anseios da população e da comunidade empresarial que reclamavam uma alternativa mais eficaz para a solução de seus conflitos, a Associação Comercial da Bahia criou, em outubro

Leia mais

PERDAS, DANOS E LUCROS CESSANTES. 210 páginas Publicado em: 14/10/2010 Editora: Juruá Editora

PERDAS, DANOS E LUCROS CESSANTES. 210 páginas Publicado em: 14/10/2010 Editora: Juruá Editora PERDAS, DANOS E LUCROS CESSANTES 210 páginas Publicado em: 14/10/2010 Editora: Juruá Editora 1 Regime principiológico Publicidade Impessoalidade CF Art. 37 Eficiência Moralidade Legalidade Perito Servidor

Leia mais

Arbitragem Institucionalizada: o melhor modelo para a resolução de litígios comerciais e de investimento. José Miguel Júdice

Arbitragem Institucionalizada: o melhor modelo para a resolução de litígios comerciais e de investimento. José Miguel Júdice Arbitragem Institucionalizada: o melhor modelo para a resolução de litígios comerciais e de investimento. José Miguel Júdice jmj@plmj.pt Sócio Fundador de PLMJ, Professor Associado Convidado da Faculdade

Leia mais

Perícia Contábil em Liquidação de Sentença. E a Prova Contábil por Presunção. À Luz do CPC/2015.

Perícia Contábil em Liquidação de Sentença. E a Prova Contábil por Presunção. À Luz do CPC/2015. Perícia Contábil em Liquidação de Sentença. E a Prova Contábil por Presunção. À Luz do CPC/2015. Prof. Me. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: A doutrina contábil especializada em perdas, danos e lucros

Leia mais

Os axiomas do sistema básico das diretrizes da perícia contábil.

Os axiomas do sistema básico das diretrizes da perícia contábil. Os axiomas do sistema básico das diretrizes da perícia contábil. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: O artigo apresenta uma revelação dos axiomas do sistema básico das diretrizes da perícia

Leia mais

A RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS DE CONSUMO

A RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS DE CONSUMO A RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS DE CONSUMO Uma justiça simples, acessível e rápida: Mediação Conciliação Arbitragem O que é a resolução alternativa de litígios de consumo? A resolução alternativa de

Leia mais

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ Posição legal Momento processual Necessidade, finalidade, objeto e limites Natureza jurídica Liquidação na pendência de recurso Liquidação concomitante com execução Modalidades Liquidação de sentença Sumário

Leia mais

Regulamento do Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Distrito de Coimbra

Regulamento do Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Distrito de Coimbra Regulamento do Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Distrito de Coimbra Capítulo 1 Objeto, natureza e âmbito geográfico Artigo 1.º Objeto O Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Distrito

Leia mais

I CONGRESSO INTERNACIONAL CBMA DE ARBITRAGEM ARBITRAGEM ENVOLVENDO A ACTIVIDADE PÚBLICA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A EXPERIÊNCIA PORTUGUESA

I CONGRESSO INTERNACIONAL CBMA DE ARBITRAGEM ARBITRAGEM ENVOLVENDO A ACTIVIDADE PÚBLICA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A EXPERIÊNCIA PORTUGUESA I CONGRESSO INTERNACIONAL CBMA DE ARBITRAGEM ARBITRAGEM ENVOLVENDO A ACTIVIDADE PÚBLICA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A EXPERIÊNCIA PORTUGUESA Pedro Leite Alves Jardim, Sampaio, Magalhães e Silva e Associados

Leia mais

www.momentoarbitragem.com.br www.youtube.com/momentoarbitragem A Jurisprudência do STJ A Reforma da Lei de Arbitragem Lei n. 13.129/2015 CAPÍTULO IV-A Lei 9.307/96 alterada pela Lei 13.129/2015 DAS TUTELAS

Leia mais

Meios de solução de controvérsias nas relações de consumo de seguros GUSTAVO DA ROCHA SCHMIDT

Meios de solução de controvérsias nas relações de consumo de seguros GUSTAVO DA ROCHA SCHMIDT Meios de solução de controvérsias nas relações de consumo de seguros GUSTAVO DA ROCHA SCHMIDT Em razão do volume exorbitante de demandas, o Judiciário brasileiro torna-se, naturalmente, incapaz de pacificar

Leia mais

A ARBITRAGEM NA ACÇÃO EXECUTIVA

A ARBITRAGEM NA ACÇÃO EXECUTIVA 2.º CONFERÊNCIA INTERNACIONAL PROMOVER A EFICÁCIA DAS EXECUÇÕES E WORKSHOP BOAS PRÁTICAS NA ACTIVIDADE DO AGENTE DE EXECUÇÃO A ARBITRAGEM NA ACÇÃO EXECUTIVA ANA CABRAL DIA 24 DE SETEMBRO DE 2011 SUMÁRIO

Leia mais

CARF ESTRUTURA ATUAL E ASPECTOS JURISPRUDENCIAIS. DENISE LUCENA CAVALCANTE Gramado-RS, 25 /06/2010. Denise Lucena Cavalcante

CARF ESTRUTURA ATUAL E ASPECTOS JURISPRUDENCIAIS. DENISE LUCENA CAVALCANTE Gramado-RS, 25 /06/2010. Denise Lucena Cavalcante CARF ESTRUTURA ATUAL E ASPECTOS JURISPRUDENCIAIS DENISE LUCENA CAVALCANTE Gramado-RS, 25 /06/2010 1 Denise Lucena Cavalcante HISTÓRICO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO 1924 Conselho de Contribuintes do Imposto

Leia mais

Por iniciativa das partes (art. 262 Regra Geral). Princípio da Inércia. Princípio Dispositivo. Desenvolvimento por impulso oficial.

Por iniciativa das partes (art. 262 Regra Geral). Princípio da Inércia. Princípio Dispositivo. Desenvolvimento por impulso oficial. Direito Processual Civil I EXERCÍCIOS - 2º BIMESTRE Professor: Francisco Henrique J. M. Bomfim 1. a) Explique como ocorre a formação da relação jurídica processual: R. Início do Processo: Por iniciativa

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL

DIREITO PROCESSUAL CIVIL DIREITO PROCESSUAL CIVIL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) TÉCNICO TRT s 07 PROVAS 34 QUESTÕES (2012 2010) A apostila contém provas de Direito Processual Civil de concursos da Fundação Carlos Chagas (FCC),

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 A Situação Concreta Exposição da Situação Concreta e de suas mais de 50 Petições Vinculadas...1

Sumário. Capítulo 1 A Situação Concreta Exposição da Situação Concreta e de suas mais de 50 Petições Vinculadas...1 Sumário Capítulo 1 A Situação Concreta... 1 1.1. Exposição da Situação Concreta e de suas mais de 50 Petições Vinculadas...1 Capítulo 2 Petições Cíveis: Procedimento Comum... 7 2.1. Petição Inicial...7

Leia mais

A VIABILIDADE DA ARBITRAGEM NO PLANO INTERNACIONAL

A VIABILIDADE DA ARBITRAGEM NO PLANO INTERNACIONAL A VIABILIDADE DA ARBITRAGEM NO PLANO INTERNACIONAL Camila Nogueira Cardozo, 5º período A arbitragem, ao longo dos períodos históricos, era conhecida como uma das únicas formas de jurisdição, pela qual

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Prática Processual Civil Programa I CONSULTA JURÍDICA 1.1 Consulta jurídica 1.2 Tentativa de resolução amigável 1.3 Gestão do cliente e seu processo II PATROCÍNIO

Leia mais

CENTRO DE ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO DE LISBOA

CENTRO DE ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO DE LISBOA REGULAMENTO DO TRIBUNAL ARBITRAL DO CENTRO DE ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO DE LISBOA No quadro da Lei nº 31/86, de 29 de Agosto * e do Decreto-Lei nº425/86, de 27 de Dezembro, a Câmara Municipal

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO IV DAS FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA Seção I Do Ministério Público Art. 127. O Ministério Público é instituição

Leia mais

Ezequiel Luís Lopes Giovanella. Ranieri Angioletti

Ezequiel Luís Lopes Giovanella. Ranieri Angioletti Ezequiel Luís Lopes Giovanella Ranieri Angioletti INSTRUMENTALIZAÇÃO PERICIAL! O instrumental pericial é vasto e seu limite é a legalidade com que se aplica, pois a verdade dos fatos, não pode ser evidenciada

Leia mais

NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E A CLT (DA CONTESTAÇÃO)

NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E A CLT (DA CONTESTAÇÃO) NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E A CLT (DA CONTESTAÇÃO) I DA CONTESTAÇÃO OS DISPOSITIVOS CLASSICOS DA CLT: O artigo 769 da CLT (SUBSIDIÁRIA), será aplicada no processo de fase conhecimento observando todas

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS GERAIS:

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS GERAIS: PLANO DE ENSINO FACULDADE: Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais CURSO: Direito Período: 3 DEPARTAMENTO: Ano: 2016 DISCIPLINA: Teoria Geral do Processo CARGA HORÁRIA: 80 horas PRÉ-REQUISITO: não há.

Leia mais

2ª TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

2ª TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ 2ª TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ Processo nº 2009.70.56.000660-8 Relatora: Juíza Federal Andréia Castro Dias Recorrente: PEDRO FERNANDES Recorrido: INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Dispõe sobre a mediação extrajudicial. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Esta lei dispõe sobre mediação extrajudicial. Parágrafo único.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE CONCILIAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CIESP/FIESP

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE CONCILIAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CIESP/FIESP REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE CONCILIAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CIESP/FIESP DENOMINAÇÃO E LOCALIZAÇÃO 1. A Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem de São Paulo CIESP/FIESP denominar-se-á Câmara

Leia mais

Estratégias para famílias empresárias

Estratégias para famílias empresárias Estratégias para famílias empresárias Ordem dos Economistas do Brasil MÉTODOS EXTRAJUDICIAIS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS: a nova tendência no Brasil e no mundo Direitos reservados proibida a reprodução 23.06.2010

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE MEDIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM DA COMISSÃO DAS SOCIEDADES DE ADVOGADOS OAB/SP

REGULAMENTO DA CÂMARA DE MEDIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM DA COMISSÃO DAS SOCIEDADES DE ADVOGADOS OAB/SP REGULAMENTO DA CÂMARA DE MEDIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM DA COMISSÃO DAS SOCIEDADES DE ADVOGADOS OAB/SP Considerando que de acordo com o disposto no art. 121, alíneas "b" e "c" do Regimento Interno

Leia mais

Perícia no Novo CPC, Obrigações das Análises Técnicas e Análises Científicas na Perícia Contábil

Perícia no Novo CPC, Obrigações das Análises Técnicas e Análises Científicas na Perícia Contábil Perícia no Novo CPC, Obrigações das Análises Técnicas e Análises Científicas na Perícia Contábil Prof. Me. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresenta-se uma resumida análise sobre as obrigações das

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Secção de São Paulo

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Secção de São Paulo REGULAMENTO DO TRIBUNAL DE MEDIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM DA COMISSÃO DAS SOCIEDADES DE ADVOGADOS OAB/SP Considerando que de acordo com o disposto no art. 121, alíneas "b" e "c" do Regimento Interno

Leia mais

Prof.ª Bruna Socreppa

Prof.ª Bruna Socreppa Prof.ª Bruna Socreppa 1924 No Brasil: Perícia Contábil foi pela primeira vez incluída para debates perante um evento da classe no I Congresso Brasileiro de Contabilidade de 1024. Divisão da Contabilidade

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE O RECONHECIMENTO E A EXECUÇÃO DE SENTENÇAS ARBITRAIS ESTRANGEIRAS, CELEBRADA EM NOVA IORQUE AOS 10 DE JUNHO DE 1958

CONVENÇÃO SOBRE O RECONHECIMENTO E A EXECUÇÃO DE SENTENÇAS ARBITRAIS ESTRANGEIRAS, CELEBRADA EM NOVA IORQUE AOS 10 DE JUNHO DE 1958 CONVENÇÃO SOBRE O RECONHECIMENTO E A EXECUÇÃO DE SENTENÇAS ARBITRAIS ESTRANGEIRAS, CELEBRADA EM NOVA IORQUE AOS 10 DE JUNHO DE 1958 Artigo I 1 A presente Convenção aplica-se ao reconhecimento e à execução

Leia mais

Vítor F. Alves de Brito junho/2016

Vítor F. Alves de Brito junho/2016 Vítor F. Alves de Brito junho/2016 Crescimento no número de causas? Possíveis Causas: Aumento no número de usuários (consumidores residenciais e industriais). Consequente acréscimo de megawatts gerado

Leia mais

Balanço Especial para Apuração de Haveres e seu Regime Principiológico

Balanço Especial para Apuração de Haveres e seu Regime Principiológico Balanço Especial para Apuração de Haveres e seu Regime Principiológico Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Em razão da importância dos princípios na elaboração do balanço especial para apuração

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico ETEC: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ-SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio em

Leia mais

IMPACTOS CORPORATIVOS SOBRE AS ALTERAÇÕES DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Carolina Sayuri Nagai Calaf

IMPACTOS CORPORATIVOS SOBRE AS ALTERAÇÕES DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Carolina Sayuri Nagai Calaf IMPACTOS CORPORATIVOS SOBRE AS ALTERAÇÕES DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Carolina Sayuri Nagai Calaf O QUE MUDOU EM LINHAS GERAIS Parágrafo 5º, no art. 46: Execução Fiscal sempre será proposta no domicílio

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE O ALCANCE DAS MODIFICAÇÕES TRAZIDAS PELO NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL (CPC) 11 DE MAIO DE 2016

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE O ALCANCE DAS MODIFICAÇÕES TRAZIDAS PELO NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL (CPC) 11 DE MAIO DE 2016 AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE O ALCANCE DAS MODIFICAÇÕES TRAZIDAS PELO NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL (CPC) 11 DE MAIO DE 2016 ASPEJUDI ASSOCIAÇÃO DE PERITOS JUDICIAIS, ÁRBITROS, MEDIADORES E CONCILIADORES DE

Leia mais

Regulamento do Centro de Informação, Mediação e Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve CIMAAL

Regulamento do Centro de Informação, Mediação e Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve CIMAAL Regulamento do Centro de Informação, Mediação e Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve CIMAAL CIMAAL Centro de Informação, Mediação e Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve Edifício Ninho

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Reorganiza as atribuições gerais e as classes dos cargos da Carreira Policial Federal, fixa a remuneração e dá outras providências.

Leia mais

ANEXO III TABELA DE CUSTAS E HONORÁRIOS DOS MEDIADORES. Consoante dispõe o Regulamento de Mediação, os custos dos procedimentos de mediação comportam:

ANEXO III TABELA DE CUSTAS E HONORÁRIOS DOS MEDIADORES. Consoante dispõe o Regulamento de Mediação, os custos dos procedimentos de mediação comportam: ANEXO III TABELA DE CUSTAS E HONORÁRIOS DOS MEDIADORES Consoante dispõe o Regulamento de Mediação, os custos dos procedimentos de mediação comportam: 1. TAXA DE ADMINISTRAÇÃO 1.1. A Taxa de Administração

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores FELIPE FERREIRA (Presidente sem voto), RENATO SARTORELLI E VIANNA COTRIM.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores FELIPE FERREIRA (Presidente sem voto), RENATO SARTORELLI E VIANNA COTRIM. 1 Registro: 2016.0000888926 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 2223275-04.2016.8.26.0000, da Comarca de Santa Bárbara D Oeste, em que é agravante ELZA DOMINGOS

Leia mais

A Dúvida e a Perícia Contábil na Arbitragem

A Dúvida e a Perícia Contábil na Arbitragem A Dúvida e a Perícia Contábil na Arbitragem Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: O artigo apresenta de forma sucinta como uma dúvida resulta em perícia na arbitragem. E com este referente, tratamos

Leia mais

Câmara de Mediação e Arbitragem do Conselho Regional de Administração do Rio Grande do Sul

Câmara de Mediação e Arbitragem do Conselho Regional de Administração do Rio Grande do Sul CÓDGO DE ÉTCA PARA OS ÁRBTROS PREÂMBULO. O Árbitro é um elemento neutro escolhido de comum acordo entre as Partes, tem por função empregar uma série de habilidades e técnicas para proferir uma Sentença

Leia mais

Resolução de conflitos na ERS Mediação ou Conciliação

Resolução de conflitos na ERS Mediação ou Conciliação Resolução de conflitos na ERS Mediação ou Conciliação Outubro de 2015 O que é a mediação ou conciliação de conflitos? Trata-se de um meio alternativo (extrajudicial) de resolução de conflitos, em que as

Leia mais

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO 1. Introdução O Estado Moçambicano encetou um processo de reformas legislativas e administrativas, visando dotar o País de leis

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Direito das Sociedades

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Direito das Sociedades INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico / / Aprovação do Conselho Técnico-Científico / / Ficha de Unidade Curricular

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Organização Judiciária Programa I Introdução 1 Conceito e âmbito da organização judiciária: 1.1. Considerações preliminares 1.2. Conceito 1.3. Âmbito 2 Noções fundamentais

Leia mais

A COBRANÇA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS PERANTE A JUSTIÇA DO TRABALHO

A COBRANÇA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS PERANTE A JUSTIÇA DO TRABALHO A COBRANÇA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS PERANTE A JUSTIÇA DO TRABALHO Eneida Cornel * A Emenda Constitucional nº 45/2004 trouxe mudanças profundas de competência dos órgãos do Poder Judiciário, especificamente

Leia mais

Processo do Trabalho I

Processo do Trabalho I Processo do Trabalho I»Aula 5 Jurisdição e Competência Parte 1 Introdução Jurisdição Competência Em razão da Matéria Competência Funcional Jurisdição e competência da Justiça a do Trabalho I Introdução

Leia mais

EIXO FUNDAMENTAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA

EIXO FUNDAMENTAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA Direito Constitucional e Teoria Geral do Estado * O Poder Constituinte * Processo Legislativo

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: DIREITO CIVIL V Código da Disciplina: JUR 224 Curso: Direito Semestre de Oferta da Disciplina: 6º Faculdade Responsável: DIREITO Programa em vigência a partir de: 2015

Leia mais

Departamento de Direito Projeto Justiça a Termo

Departamento de Direito Projeto Justiça a Termo Departamento de Direito Projeto Justiça a Termo Estrutura e Procedimento no Juizado Especial Cível Federal Prof. Fernando Laércio Alves da Silva Proposta de discussão Fundamentação teórica e antecedentes

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VIII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 20 de novembro de 2015

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VIII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 20 de novembro de 2015 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A ARBITRAGEM NO BRASIL Caroline Valduga 1 Liana Maria Feix Suski 2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 CONCEITO DE ARBITRAGEM. 3 CONVENÇÃO DE ARBITRAGEM E SUAS ESPÉCIES. 3.1 CLÁUSULA ARBITRAL

Leia mais

Foi instituída no ordenamento jurídico brasileiro a partir da Lei. 9079/95, que incluiu os arts A, 1102-B e 1102-C no CPC/73.

Foi instituída no ordenamento jurídico brasileiro a partir da Lei. 9079/95, que incluiu os arts A, 1102-B e 1102-C no CPC/73. AÇÃO MONITÓRIA Observações iniciais Foi instituída no ordenamento jurídico brasileiro a partir da Lei. 9079/95, que incluiu os arts. 1102-A, 1102-B e 1102-C no CPC/73. No NCPC tal matéria é tratada nos

Leia mais

Sumário PARTE I ASPECTOS PROCESSUAIS GERAIS

Sumário PARTE I ASPECTOS PROCESSUAIS GERAIS Sumário PARTE I ASPECTOS PROCESSUAIS GERAIS 1 Jurisdição 1.1 Introdução 1.2 Conceito e características 1.3 Divisão da jurisdição 1.4 Organização judiciária 2 Direito Processual Civil 2.1 Conceito e delimitação

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2012.0000586909 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0215852-03.2011.8.26.0000, da Comarca de, em que é impetrante ARMANDO PETRELLA NETO, é impetrado

Leia mais

A ARBITRAGEM COMO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS

A ARBITRAGEM COMO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS CURSO DE POS-GRADUAÇÃO Luanda Universidade Agostinho Neto 12 a 17 de Março de 2012 A ARBITRAGEM COMO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS José Miguel Júdice josemiguel.judice@plmj.pt www.josemigueljudice-arbitration.com

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA S.A. FÁBRICA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS VIGOR PELA VIGOR ALIMENTOS S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA S.A. FÁBRICA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS VIGOR PELA VIGOR ALIMENTOS S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA S.A. FÁBRICA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS VIGOR PELA VIGOR ALIMENTOS S.A. Pelo presente instrumento particular, os administradores das partes abaixo qualificadas:

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL CÂMARA DO MERCOSUL PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS

TRIBUNAL ARBITRAL CÂMARA DO MERCOSUL PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS TRIBUNAL ARBITRAL CÂMARA DO MERCOSUL PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS NORMAS E PROCEDIMENTOS Introdução: O TRIBUNAL ARBITRAL CÂMARA DO MERCOSUL, considera a Arbitragem uma modalidade rápida e eficaz de solução

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS 1. PROCURAÇÃO; 2. CONTRATO; 3. DECLARAÇÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA; 4. CÓPIA DA IDENTIDADE; 5. COMPROVANTE DE RESIDÊNCIA; 6. CONTRACHEQUE DOS ÚLTIMOS 5 ANOS; 7. DECLARAÇAÕ

Leia mais

Serviço Social nas Varas de Família e Sucessões O trabalho do Assistente Social nas VFS possui especificidade. Atua em ações diversas: guarda/mod.

Serviço Social nas Varas de Família e Sucessões O trabalho do Assistente Social nas VFS possui especificidade. Atua em ações diversas: guarda/mod. Serviço Social nas Varas de Família e Sucessões O trabalho do Assistente Social nas VFS possui especificidade. Atua em ações diversas: guarda/mod. Guarda, regulamentação visitas, interdições, investigação

Leia mais

As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei /2014. Apresentação: Rafael Correia Fuso

As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei /2014. Apresentação: Rafael Correia Fuso As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei 12.973/2014 Apresentação: Rafael Correia Fuso A formação do ágio / deságio ÁGIO / DESÁGIO CUSTO DE AQUISIÇÃO VALOR PATRIMONIAL Se custo de aquisição > valor patrimonial

Leia mais

CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A AÇÃO CIVIL PÚBLICA... 23

CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A AÇÃO CIVIL PÚBLICA... 23 SUMÁRIO Capítulo I CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A AÇÃO CIVIL PÚBLICA... 23 1. Previsão normativa... 23 1.1. A tradição individualista na tutela dos direitos... 23 1.2. Surgimento e consolidação da tutela

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO Código da Disciplina: JUR214 Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 3º

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO Código da Disciplina: JUR214 Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 3º PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO Código da Disciplina: JUR214 Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 3º Faculdade responsável: DIREITO Programa em vigência a partir

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

DIREITO ADMINISTRATIVO E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIREITO ADMINISTRATIVO E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Autonomia e controle no setor público Controlar é qualquer ação tomada pela administração pública com o objetivo de atingir metas preestabelecidas. A administração

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL 1. A recuperação extrajudicial é uma modalidade prevista na Lei Nº 11.101/2005, e pode ser adotada pelo empresário em dificuldade e com

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica Especial de Letras, Ciências Humanas e Sociais Aplicadas Regional Jataí Curso: Direito. Disciplina: Direito Processual Civil II. Carga horária semestral:

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 04 DE 26 DE ABRIL DE A Câmara Municipal de Guaíra resolve:

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 04 DE 26 DE ABRIL DE A Câmara Municipal de Guaíra resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 04 DE 26 DE ABRIL DE 2016 Regulamenta a prestação de contas de adiantamentos para as despesas com viagens dos vereadores e servidores; e dá outras providências. A Câmara Municipal

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: DEONTOLOGIA JURÍDICA Código da Disciplina: JUR268 Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 2º Faculdade responsável: DIREITO Programa em vigência a partir de:

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PARA INSTITUIÇÕES DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CONIMA - Conselho Nacional das Instituições de Mediação e Arbitragem

CÓDIGO DE ÉTICA PARA INSTITUIÇÕES DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CONIMA - Conselho Nacional das Instituições de Mediação e Arbitragem CÓDIGO DE ÉTICA PARA INSTITUIÇÕES DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CONIMA - Conselho Nacional das Instituições de Mediação e Arbitragem (aprovado em Assembleia Geral Extraordinária realizada em 08/12/2010 e vigorará

Leia mais

Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso do Sul Corregedoria-Geral de Justiça

Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso do Sul Corregedoria-Geral de Justiça Autos n.º 2007.960107-7 PARECER N.º 147/2007 Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso do Sul CONSULTA HABILITAÇÃO CRÉDITO EM INVENTÁRIO PROCEDIMENTO AUTÔNOMO DE CARÁTER INCIDENTE DISTRIBUIÇÃO E RECOLHIMENTO

Leia mais

Conselho de Segurança, Corte Internacional de Justiça e o Direito Internacional Público. Projeto Universitários pela Paz- UFRJ e UNIC-ONU

Conselho de Segurança, Corte Internacional de Justiça e o Direito Internacional Público. Projeto Universitários pela Paz- UFRJ e UNIC-ONU Conselho de Segurança, Corte Internacional de Justiça e o Direito Internacional Público Projeto Universitários pela Paz- UFRJ e UNIC-ONU Apresentação- Resumo I- Conselho de Segurança II- Corte Internacional

Leia mais

António e Bernardete, brasileiros casados em regime de comunhão de adquiridos, domiciliados no

António e Bernardete, brasileiros casados em regime de comunhão de adquiridos, domiciliados no FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A REGENTE: PROF. DOUTOR MIGUEL TEIXEIRA DE SOUSA 09-02-2015 DURAÇÃO DA PROVA: 2H00 António e Bernardete,

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS CURSO DE DIREITO CALENDÁRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1º SEMESTRE DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I 3º.

FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS CURSO DE DIREITO CALENDÁRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1º SEMESTRE DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I 3º. 20-02-16 Sábado 08:30h 02-04-16 - Sábado 08:30h ESTÁGIO SUPERVISIONADO I 3º. Período * As aulas práticas têm início às 08:30h, impreterivelmente, não sendo tolerados atrasos. A aprovação. Em caso de reprovação

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DE CONSUMO E ARBITRAGEM DO PORTO

REGULAMENTO DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DE CONSUMO E ARBITRAGEM DO PORTO REGULAMENTO DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DE CONSUMO E ARBITRAGEM DO PORTO REGULAMENTO DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DE CONSUMO E ARBITRAGEM DO PORTO No quadro da Lei nº 31/86, de 29 de Agosto, e do Decreto-Lei nº

Leia mais

Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo. No módulo 10, tratamos dos recursos. Agora veremos algumas questões sobre a fase executiva.

Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo. No módulo 10, tratamos dos recursos. Agora veremos algumas questões sobre a fase executiva. CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROCESSO CIVIL PONTO A PONTO PARA TRIBUNAIS MÓDULO 11 EXECUÇÃO Professora: Janaína Noleto Curso Agora Eu Passo () Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2012.0000111145 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0260447-87.2011.8.26.0000, da Comarca de, em que são agravantes DENISSON MOURA DE FREITAS e MARIA

Leia mais