A Prova Técnica na Arbitragem

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Prova Técnica na Arbitragem"

Transcrição

1 1 CRC/SP São Paulo, A Prova Técnica na Arbitragem Profa. Dra. Selma Ferreira Lemes

2 Sumário 2 I. Arbitragem - Noções Gerais II. III. IV. A Instituição da Arbitragem A Prova Técnica e suas Formas Dados Estatísticos

3 Métodos Extrajudiciais de Solução de Conflitos 3 Métodos Autocompositivos ( Negociação, Conciliação e Mediação) Método Heterocompositivo ( Judicial e Arbitral) Métodos Adequados de Solução de Conflitos não foram criados para descongestionar o sistema judicial, mas para propiciar outras opções diferenciadas e especializadas. Sistema Multiportas

4 10 Motivos para eleger a 4 Arbitragem 1. Autonomia da vontade e consentimento 2. Tempo de uma demanda judicial e número de recursos 3.Complexidades técnicas das matérias. Árbitro técnico (simetria de informações) 4.Segurança jurídica Judiciário assimilou e ratificou os conceitos inovadores da LA. Lei eficiente e eficaz- facilitar o acesso a Justiça. 5. Sigilo e confidencialidade do processo arbitral (exceção arbitragem com a Adm. Pública).

5 10 Motivos para eleger a 5 Arbitragem? 6. Eleição do julgador: o árbitro 7. Indicação das Regras de Direito, Equidade ou os usos e costumes (Lex Mecatoria) 8. Moldar o Procedimento. Arbitragem Institucional ou Ad Hoc 9.Custos de Transação (Law & Economics) 58% de redução dos custos do processo 10. Efetividade da Sentença. > Cumprimento espontâneo.

6 Arbitragem 6 Arbitragem é uma forma extrajudicial de solução de controvérsias referentes a direitos patrimoniais disponíveis, em que as partes elegem um terceiro independente e imparcial - o árbitro -, para dirimir a controvérsia. Fundamento - Lei nº de (c/redação da Lei nº /2015) (Forma heterocompositiva)

7 Como optar pela solução de conflitos 7 por arbitragem? Convenção de Arbitragem: cláusula compromissória e compromisso arbitral Efeito vinculante da cláusula compromissória

8 Exemplo de cláusula compromissória: 8 Qualquer controvérsia decorrente da interpretação ou da execução do presente contrato, ou com ele relacionado, será definitivamente resolvida por arbitragem, administrada pelo xxx [Câmara de Mediação e Arbitragem de São Paulo do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo, com sede em São Paulo], de acordo e segundo o seu Regulamento. O número de árbitros será de (um/três). A arbitragem terá sede em (indicar). O idioma oficial da arbitragem será o (definir). A arbitragem será regida pela (estabelecer a legislação).

9 A Instituição da Arbitragem Procedimento Arbitral 9 Arbitragem Institucional e Ad Hoc Papel da Instituição Arbitral Início da Arbitragem. Intimação da parte contrária Termo de Arbitragem Procedimento Prova: oral e técnica

10 A Prova Técnica e suas Formas. 10 Características e Funções 1.Perito indicado pelo Tribunal Arbitral 2. Assistente Técnico indicado pela parte 3. Testemunha Técnica 4. Parecer Independente Dever de lealdade e conduta ética (Código Deontológico da Profissão) Inexistir conflito de interesses. Perícias Diversas Interligadas (ex. engenharia/contábil)

11 Árbitro Perito 11 Árbitro Perito- simetria de informações O árbitro deve atuar no procedimento arbitral como perito? Pode ser árbitro qualquer pessoa capaz e que tenha a confiança das partes. (art. 13 LA) Árbitro Independente, imparcial, competente, diligente e discreto (art. 13, 6º) dever de revelação- dúvidas justificadas quanto à sua independência e imparcialidade Tribunal Arbitral Árbitro juiz de fato e de direito (art. 18)

12 Pesquisa da Queen Mary (London University)2012 / White& Case- Procedimento Arbitral. Perícia questionários e 104 entrevistas advogados, advogados de empresas, árbitros e outros 5 continentes 2/3 das arbitragens há prova pericial Países de Common Law 77% e de Civel Law 57% 46% - perícias financeiras/contábeis. 35% Técnicas. 17% área industrial.13% legal. Oitiva dos Peritos em Audiência 86% dos entrevistados entendem útil. Indicação do perito pela parte (mais eficaz) 43%. Pelo TA 31%. Arbitragens Domésticas: Civil Law (mais eficaz) 43% - TA indica. Common Law- 19% - Partes indicam

13 Custos do Procedimento Arbitral 13 Pesquisa CCI (2007) 82% - custos, honorários de advogados, custos com testemunhas (locomoção, hospedagem etc), prova pericial e outros custos incorridos na arbitragem. 16% custos com honorários de árbitros e despesas 2% custos de administração pela CCI

14 14 Estatísticas da Arbitragem Câmaras Nacionais - AMCHAM, CAM-CCBC, CAM/CIESP/FIESP, CAM-BOVESPA, CAM/FGV e CAMARB 6 anos ( ) 1. Números de arbitragens casos novos casos novos (em ) Aumento de 73% Nos seis anos : 1043 casos novos (CCBC 45%, CAM/FIESP 22% e CAMARB com 11%) Em casos em curso ( 50% CCBC, 19 % CAM/FIESP e 11% CAM/FGV) 2. Valores envolvidos 2010 R$2,8 bi 2015 R$10,7 bi ( 4x) Seis anos > R$38 bi ( CCBC 52%, CAM/FIESP 12,5% e CAM/BOVESPA 12%) 3. Matérias CAM-CCBC 38% matérias societárias; 36% contratos comerciais; 19 % construção civil e energia CAM- FIESP29% contratos de fornecimento de bens e serviços; 21% matérias societárias e 10% contratos internacionais. CAMARB 46% const. Civil e energia; 25% demandas empresariais e 19% mat. societárias CAM-BOVESPA 60% matérias societárias e quase 27% contratos empresariais Arbitragem com a Adm. Pública casos. ( 4% dos casos)

15 15 Brasil 91 casos Arbitragens em Números CCI Lugar (USA, Alemanha, Italia, Espanha, França ) 71 árbitros brasileiros (6º lugar ) AL: 1ª Brasil, 2º México Português 4 lugar São Paulo e Cidade do México 12 sedes -Top Ten no mundo Global 801 arbitragens novas partes Inglês (407), Espanhol e Francês 34% casos arbitragens multipartes (> com 31 partes) Valores: < US$50 mil > US$ 1 Bilhão Valores envolvidos US$ 286 Bilhões Árbitros: Ingleses, americanos, suíços,franceses, alemães Setores: Construção civil (25%), Energia (18%), restante 5%(finanças, seguros, equipamentos industriais, comércio em geral, distribuição, TI e transportes.

Profa. Dra. Selma Ferreira Lemes Selma Lemes Advogados

Profa. Dra. Selma Ferreira Lemes Selma Lemes Advogados Palestra ANEFAC São Paulo, 29.06.2016 Caminhos da Arbitragem no Brasil Profa. Dra. Selma Ferreira Lemes Selma Lemes Advogados 1 Sumário I. Métodos Adequados de Solução de Conflitos II. III. IV. Por que

Leia mais

A importância da escolha do árbitro e da instituição arbitral. Palestrante: Alvaro de Carvalho Pinto Pupo

A importância da escolha do árbitro e da instituição arbitral. Palestrante: Alvaro de Carvalho Pinto Pupo A importância da escolha do árbitro e da instituição arbitral Palestrante: Alvaro de Carvalho Pinto Pupo Convenção de arbitragem Convenção de arbitragem Cláusula compromissório Compromisso arbitral Convenção

Leia mais

Clemenceau Chiabi Saliba Junior Presidente da CMA CREA-MG

Clemenceau Chiabi Saliba Junior Presidente da CMA CREA-MG Clemenceau Chiabi Saliba Junior Presidente da CMA CREA-MG cma@crea-mg.org.br TEORIA DO CONFLITO As divergências emocionais, sociais, políticas, ideológicas, familiares ou profissionais, que ocorrem nas

Leia mais

Visão geral da arbitragem no Brasil. Giovanni Ettore Nanni

Visão geral da arbitragem no Brasil. Giovanni Ettore Nanni Visão geral da arbitragem no Brasil Giovanni Ettore Nanni gnanni@tozzinifreire.com.br Visão Geral da Arbitragem no Brasil Arbitrabilidade Arbitragem Doméstica e Internacional Cláusula Compromissória Compromisso

Leia mais

Noções de Arbitragem

Noções de Arbitragem Noções de Arbitragem Conceito A arbitragem é a instituição pela qual um terceiro resolve o litígio que opõem duas ou mais partes, exercendo a missão jurisdicional que lhe é conferida pelas partes. (Charles

Leia mais

CURSO DE ARBITRAGEM EMPRESARIAL

CURSO DE ARBITRAGEM EMPRESARIAL CURSO DE ARBITRAGEM EMPRESARIAL Princípios (Texto aprovado na reunião ordinária de 24 de abril de 1999) I. O Árbitro é o privilegiamento da autonomia da vontade das partes, que o elegem para dirimir uma

Leia mais

Arbitragem Internacional. Renato Leite Monteiro

Arbitragem Internacional. Renato Leite Monteiro Arbitragem Internacional Renato Leite Monteiro Conceito É o mecanismo de solução de litígios pelo qual as partes decidem submeter um conflito a um ou mais especialistas em certo tema, que não pertencem

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Introdução 1.1 Introdução aos meios alternativos de resolução de disputas 1.2 Breve histórico 1.3 Bibliografia recomendada

SUMÁRIO. 1 Introdução 1.1 Introdução aos meios alternativos de resolução de disputas 1.2 Breve histórico 1.3 Bibliografia recomendada Livro: Curso de Arbitragem, 2ª edição Professor Francisco José Cahali SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 Introdução 1.1 Introdução aos meios alternativos de resolução de disputas 1.2 Breve histórico 1.3 Bibliografia

Leia mais

ATUALIDADES SOBRE ARBITRAGEM E O MERCADO

ATUALIDADES SOBRE ARBITRAGEM E O MERCADO ATUALIDADES SOBRE ARBITRAGEM E O MERCADO DE INFRAESTRUTURA IV FÓRUM NACIONAL DE INFRAESTRUTURA 6 e 7 de Dezembro de 2016 IBEJI / CREA-SP Flávia Bittar Neves Presidente do CBAr INTRODUÇÃO Para oferecer

Leia mais

A aquisição de bens com o resultado de infrações penais.

A aquisição de bens com o resultado de infrações penais. Para se pensar em termos de responsabilidades A aquisição de bens com o resultado de infrações penais. Balanços auditados 1 Lei 12.683/2012 Crimes de "lavagem" ou ocultação de bens, direitos e valores;

Leia mais

FRANCISCO JOSÉ CAHALI CURSO DE ARBITRAGEM. LivroAS pdf corrigido indb 3 26/07/ :14:50

FRANCISCO JOSÉ CAHALI CURSO DE ARBITRAGEM. LivroAS pdf corrigido indb 3 26/07/ :14:50 FRANCISCO JOSÉ CAHALI CURSO DE ARBITRAGEM LivroAS 7073 - pdf corrigido - 26.07.2011.indb 3 26/07/2011 15:14:50 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 9 1 INTRODUÇÃO... 19 1.1 Introdução aos meios alternativos de resolução

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA - SAFRA

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA - SAFRA CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA - SAFRA Pelo presente instrumento particular as partes abaixo identificadas celebram o contrato de compra e venda de energia elétrica (o Contrato ), de acordo

Leia mais

Reunião Técnica ANEFAC

Reunião Técnica ANEFAC Reunião Técnica ANEFAC ARBITRAGEM INTERNACIONAL: CONCEITOS, PROCEDIMENTO E A IMPORTÂNCIA DA SEDE Palestrante: Ramon Alberto dos Santos ramonlas@usp.br Arbitragem - Introdução Forma alternativa de solução

Leia mais

Categorias/ Questões. Habilidades e Competências. Textos, filmes e outros materiais. Conteúdos/ Matéria. Semana. Tipo de aula UNIDADE I.

Categorias/ Questões. Habilidades e Competências. Textos, filmes e outros materiais. Conteúdos/ Matéria. Semana. Tipo de aula UNIDADE I. PLANO DE CURSO DISCIPLINA: RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE DISPUTAS (CÓD. ENEX 60133) ETAPA: 6ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências

Leia mais

Arbitragem Internacional

Arbitragem Internacional Arbitragem Internacional Tânia Cascais Lisboa, 18 de Novembro de 2009 O que é a Arbitragem? É um dos modos alternativos de resolução de litígios. Mais concretamente, consiste num modo de resolução jurisdicional

Leia mais

Arbitragem Institucionalizada: o melhor modelo para a resolução de litígios comerciais e de investimento. José Miguel Júdice

Arbitragem Institucionalizada: o melhor modelo para a resolução de litígios comerciais e de investimento. José Miguel Júdice Arbitragem Institucionalizada: o melhor modelo para a resolução de litígios comerciais e de investimento. José Miguel Júdice jmj@plmj.pt Sócio Fundador de PLMJ, Professor Associado Convidado da Faculdade

Leia mais

INDICAÇÃO DO ÁRBITRO PELO PODER PÚBLICO. Carmen Tiburcio Profª. Associada da UERJ

INDICAÇÃO DO ÁRBITRO PELO PODER PÚBLICO. Carmen Tiburcio Profª. Associada da UERJ INDICAÇÃO DO ÁRBITRO PELO PODER PÚBLICO Carmen Tiburcio Profª. Associada da UERJ Indicação de árbitros Trata-se da questão mais relevante da arbitragem. Mais do que as decisões relativas à arbitragem ad

Leia mais

A ATUAÇÃO DO CONTADOR NA ARBITRAGEM

A ATUAÇÃO DO CONTADOR NA ARBITRAGEM A ATUAÇÃO DO CONTADOR NA ARBITRAGEM Bianca Ferreira Oliveira 1 ; Zilane Maria Sousa de Carvalho Silva 1 ; Adriano Barreira de Andrade 2 ; Marli Terezinha Vieira 3 1 Aluno do Curso de Ciências Contábeis;

Leia mais

Câmara de Arbitragem do Mercado

Câmara de Arbitragem do Mercado Câmara de Arbitragem do Mercado O canal mais rápido e econômico para a solução de conflitos societários e do mercado de capitais. A Câmara de Arbitragem do Mercado (CAM) é o foro adequado para resolver

Leia mais

A ARBITRAGEM COMO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS

A ARBITRAGEM COMO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS CURSO DE POS-GRADUAÇÃO Luanda Universidade Agostinho Neto 12 a 17 de Março de 2012 A ARBITRAGEM COMO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS José Miguel Júdice josemiguel.judice@plmj.pt www.josemigueljudice-arbitration.com

Leia mais

NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL (LEI DE 2015)

NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL (LEI DE 2015) BASE LEGAL LEI 9.307 DE 1996 LEI 13.129 DE 2015 DECRETO 8.465 DE 2015 NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL (LEI 13.105 DE 2015) VANTAGENS PROPORCIONADAS PELA ARBITRAGEM Base legal eficiente: o Brasil possui leis

Leia mais

www.momentoarbitragem.com.br www.youtube.com/momentoarbitragem A Jurisprudência do STJ A Reforma da Lei de Arbitragem Lei n. 13.129/2015 CAPÍTULO IV-A Lei 9.307/96 alterada pela Lei 13.129/2015 DAS TUTELAS

Leia mais

Inovações legislativas e aspectos práticos no uso da Mediação em Propriedade Intelectual. Daniela Monteiro Gabbay

Inovações legislativas e aspectos práticos no uso da Mediação em Propriedade Intelectual. Daniela Monteiro Gabbay Inovações legislativas e aspectos práticos no uso da Mediação em Propriedade Intelectual Daniela Monteiro Gabbay 30.08.2016 Escolha da mediação: arte ou ciência? Como escolher a porta mais adequada de

Leia mais

FLUXOGRAMA DO PROCEDIMENTO ARBITRAL 3 ÁRBITROS

FLUXOGRAMA DO PROCEDIMENTO ARBITRAL 3 ÁRBITROS FLUXOGRAMA DO PROCEDIMENTO ARBITRAL 3 ÁRBITROS 1 Requerimento de Instauração de Arbitragem protocolado na Câmara. - Checar eventuais particularidades da cláusula compromissória para adaptação dos prazos

Leia mais

A perícia contábil é de competência exclusiva de contador em situação regular perante o Conselho Regional de Contabilidade de sua jurisdição.

A perícia contábil é de competência exclusiva de contador em situação regular perante o Conselho Regional de Contabilidade de sua jurisdição. Uma função que necessita constante aprimoramento, a Perícia Contábil vem atraindo cada vez mais a atenção dos profissionais de contabilidade. O perito contábil, contratado pelas partes ou indicado pelo

Leia mais

MINUTA FINAL ( )

MINUTA FINAL ( ) CÓDIGO DE ÉTICA PARA OS ÁRBITROS DO CENTRO DE ARBITRAGEM DA CÂMARA DE COMÉRCIO BRASIL-CANADÁ (CCBC) INTRODUÇÃO Este Código objetiva orientar o proceder dos árbitros que atuam perante o Centro de Arbitragem

Leia mais

CURRICULUM VITAE DE JOSÉ EMILIO NUNES PINTO. José Emilio Nunes Pinto é advogado em São Paulo e sócio fundador de José Emilio Nunes Pinto Advogados.

CURRICULUM VITAE DE JOSÉ EMILIO NUNES PINTO. José Emilio Nunes Pinto é advogado em São Paulo e sócio fundador de José Emilio Nunes Pinto Advogados. CURRICULUM VITAE DE JOSÉ EMILIO NUNES PINTO José Emilio Nunes Pinto é advogado em São Paulo e sócio fundador de José Emilio Nunes Pinto Advogados. Além disso, José Emilio atuou em operações comerciais

Leia mais

ARBITRAGEM E ANÁLISE DE RISCO LEGAL. Maurício Dantas Góes e Góes

ARBITRAGEM E ANÁLISE DE RISCO LEGAL. Maurício Dantas Góes e Góes ARBITRAGEM E ANÁLISE DE RISCO LEGAL Maurício Dantas Góes e Góes Banco Central (Res. 3.380) Art. 2º Para os efeitos desta resolução, definese como risco operacional a possibilidade de ocorrência de perdas

Leia mais

É uma forma judicial e alternativa de

É uma forma judicial e alternativa de Av. D N. 354 St. Oeste Goiânia-GOGO CEP 74160-140140 Fone/Fax (62) 32390801 Parceria e convênio com a Ordem dos Advogados do Brasil Seção de Goiás (OAB-GO) O que é Arbitragem? É uma forma judicial e alternativa

Leia mais

PODER NORMATIVO DA JUSTIÇA DO TRABALHO. Davi Furtado Meirelles

PODER NORMATIVO DA JUSTIÇA DO TRABALHO. Davi Furtado Meirelles PODER NORMATIVO DA JUSTIÇA DO TRABALHO Davi Furtado Meirelles Resultado Negativo da Negociação - Mediação - é mais uma tentativa de conciliação, após o insucesso da negociação direta, porém, desta feita,

Leia mais

ANEXO I TABELA DE CUSTAS E HONORÁRIOS DOS ÁRBITROS

ANEXO I TABELA DE CUSTAS E HONORÁRIOS DOS ÁRBITROS ANEXO I TABELA DE CUSTAS E HONORÁRIOS DOS ÁRBITROS Consoante dispõe o Regulamento de Arbitragem, doravante denominado simplesmente Regulamento, os custos dos procedimentos arbitrais comportam 1 : 1. TAXA

Leia mais

PAINEL 2 PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO CNPC, CMCA E NO CONGRESSO NACIONAL

PAINEL 2 PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO CNPC, CMCA E NO CONGRESSO NACIONAL PAINEL 2 PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO CNPC, CMCA E NO CONGRESSO NACIONAL DANILO RIBEIRO MIRANDA MARTINS Procurador Federal da AGU em exercício na PREVIC, Especialista em Direito Previdenciário, Gestão Previdenciária

Leia mais

FLUXOGRAMA DO PROCEDIMENTO ARBITRAL ÁRBITRO ÚNICO

FLUXOGRAMA DO PROCEDIMENTO ARBITRAL ÁRBITRO ÚNICO FLUXOGRAMA DO PROCEDIMENTO ARBITRAL ÁRBITRO ÚNICO 1 Indicações do árbitro único pelas Partes. Requerimento de Recebido o requerimento, a Secretaria 15 dias Instauração de Arbitragem protocolado na Câmara.

Leia mais

Princípio da paridade de armas aplicado na perícia contábil

Princípio da paridade de armas aplicado na perícia contábil Princípio da paridade de armas aplicado na perícia contábil Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog Resumo: O artigo apresenta de forma sucinta uma visão da aplicação do princípio da paridade de armas durante

Leia mais

Serviço Social nas Varas de Família e Sucessões O trabalho do Assistente Social nas VFS possui especificidade. Atua em ações diversas: guarda/mod.

Serviço Social nas Varas de Família e Sucessões O trabalho do Assistente Social nas VFS possui especificidade. Atua em ações diversas: guarda/mod. Serviço Social nas Varas de Família e Sucessões O trabalho do Assistente Social nas VFS possui especificidade. Atua em ações diversas: guarda/mod. Guarda, regulamentação visitas, interdições, investigação

Leia mais

Regulamento do Centro de Informação, Mediação e Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve CIMAAL

Regulamento do Centro de Informação, Mediação e Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve CIMAAL Regulamento do Centro de Informação, Mediação e Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve CIMAAL CIMAAL Centro de Informação, Mediação e Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve Edifício Ninho

Leia mais

Quando as Cláusulas Compromissórias Demandam Interpretação 1

Quando as Cláusulas Compromissórias Demandam Interpretação 1 Quando as Cláusulas Compromissórias Demandam Interpretação 1 A cláusula compromissória inserida em contrato ou em documento apartado, classificada como incompleta, ambígua, contraditória etc., não se verifica

Leia mais

Unidade I PERÍCIA CONTÁBIL. Prof. Francisco Crisóstomo

Unidade I PERÍCIA CONTÁBIL. Prof. Francisco Crisóstomo Unidade I PERÍCIA CONTÁBIL Prof. Francisco Crisóstomo Unidade I - Conceitos Conceito I de Perícia Contábil: Verificação de fatos, através de; Exames, diagnóstico e vistorias; Indagações sobre o assunto;

Leia mais

TECHNOS S.A. NIRE CNPJ/MF n.º /

TECHNOS S.A. NIRE CNPJ/MF n.º / TECHNOS S.A. NIRE 33.3.0029837-1 CNPJ/MF n.º 09.295.063/0001-97 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES I. OBJETIVO DA OUTORGA DE OPÇÕES 1.1. O objetivo do Plano de Opção de Compra de Ações da TECHNOS S.A. ("Companhia"),

Leia mais

Arbitragem nos Contratos de Seguro e Resseguro. Marcia Cicarelli Barbosa de Oliveira

Arbitragem nos Contratos de Seguro e Resseguro. Marcia Cicarelli Barbosa de Oliveira Arbitragem nos Contratos de Seguro e Resseguro Marcia Cicarelli Barbosa de Oliveira Agenda Formas alternativas de resolução de conflitos (ADR) Noções Gerais de Mediação Noções gerais de Arbitragem Arbitragem

Leia mais

Podemos concluir, então, que o perito possui atribuições, direitos e. obrigações:

Podemos concluir, então, que o perito possui atribuições, direitos e. obrigações: 1.4 O PERITO Segundo Almeida (2006), O perito é o técnico, com a habilitação que a lei exigir, chamado a opinar, de forma imparcial e sob compromisso, sobre tema de sua especialidade profissional. O perito

Leia mais

Análise econômica dos custos envolvidos em procedimentos arbitrais

Análise econômica dos custos envolvidos em procedimentos arbitrais Reunião Técnica ANEFAC Análise econômica dos custos envolvidos em procedimentos arbitrais Palestrante: Alvaro de Carvalho Pinto Pupo Advogado de Pinhão e Koiffman Advogados Análise Econômica dos Custos

Leia mais

III PÓS-GRADUAÇÃO EM ARBITRAGEM PLANO DE ESTUDOS

III PÓS-GRADUAÇÃO EM ARBITRAGEM PLANO DE ESTUDOS 1º MÓDULO 6 horas 6 e 8 de Janeiro 2010 Profª Mariana França Gouveia Dr. José Vasconcelos e Sousa III PÓS-GRADUAÇÃO EM ARBITRAGEM PLANO DE ESTUDOS 1. A ARBITRAGEM E RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS 0,5

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A importância da ética na arbitragem José Emilio Nunes Pinto* Muito se tem discutido acerca do desenvolvimento do instituto da arbitragem no Brasil. Superado o obstáculo decorrente

Leia mais

Registrado no 4º. Registro de Títulos e Documentos sob no de 04 de Julho de Câmara Arbitral constituida em 21 de novembro de 2003.

Registrado no 4º. Registro de Títulos e Documentos sob no de 04 de Julho de Câmara Arbitral constituida em 21 de novembro de 2003. Regulamento e Normas de Funcionamento da Mediação e Arbitragem no TNA CAMARA NACIONAL DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CNPJ/MF n o.06.152.354/0001-38 Registrado no 4º. Registro de Títulos e Documentos sob no.

Leia mais

Perícia, Arbitragem e Mediação

Perícia, Arbitragem e Mediação CRC - CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SÃO PAULO Gestão: Domingos Orestes Chiomento 22ª Convenção de Contabilistas do Estado de São Paulo Santos Perícia, Arbitragem e Mediação 19.08.2011 Antonio Carlos

Leia mais

OS TERCEIROS INTERESSADOS E A HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ARBITRAL ESTRANGEIRA

OS TERCEIROS INTERESSADOS E A HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ARBITRAL ESTRANGEIRA OS TERCEIROS INTERESSADOS E A HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ARBITRAL ESTRANGEIRA Helder Corrêa Marcellino 1 RESUMO Os litígios transnacionais requerem sistema jurídico que dê suporte necessário para assegurar

Leia mais

Habilitação e Nomeação de Perito 18/04/16

Habilitação e Nomeação de Perito 18/04/16 Habilitação e Nomeação de Perito 18/04/16 PERITO De acordo com o 1º do artigo 156 do novo CPC, "os peritos serão nomeados entre os profissionais legalmente habilitados e os órgãos técnicos ou científicos

Leia mais

Câmara de Mediação e Arbitragem do Conselho Regional de Administração do Rio Grande do Sul

Câmara de Mediação e Arbitragem do Conselho Regional de Administração do Rio Grande do Sul CÓDGO DE ÉTCA PARA OS ÁRBTROS PREÂMBULO. O Árbitro é um elemento neutro escolhido de comum acordo entre as Partes, tem por função empregar uma série de habilidades e técnicas para proferir uma Sentença

Leia mais

Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo de Lisboa. Isabel Morais Mendes Cabeçadas

Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo de Lisboa. Isabel Morais Mendes Cabeçadas Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo de Lisboa Isabel Morais Mendes Cabeçadas CONFERÊNCIA Crise - Meios Alternativos de Resolução de Conflitos Lisboa, 17, 18 e 19 de Junho de 2009 Conflito Processo

Leia mais

Análise econômica dos modos de solução de conflitos: uma comparação entre a arbitragem e a jurisdição comum

Análise econômica dos modos de solução de conflitos: uma comparação entre a arbitragem e a jurisdição comum Análise econômica dos modos de solução de conflitos: uma comparação entre a arbitragem e a jurisdição comum Henrique Soares Campos * Resumo: A arbitragem é um modo alternativo de solução de conflitos cada

Leia mais

Procedimento de Arbitragem e Mediação da OMPI como alternativa. José Eduardo de V. Pieri

Procedimento de Arbitragem e Mediação da OMPI como alternativa. José Eduardo de V. Pieri Procedimento de Arbitragem e Mediação da OMPI como alternativa José Eduardo de V. Pieri pieri@bmapi.com.br Setembro 2011 OMPI Organização Mundial da Propriedade Intelectual Missão Promover a proteção internacional

Leia mais

DISPUTE BOARDS 1º Seminário Internacional sobre Dispute Boards

DISPUTE BOARDS 1º Seminário Internacional sobre Dispute Boards DISPUTE BOARDS. 1º Seminário Internacional sobre Dispute Boards São Paulo, 07 e 08 de Agosto de 2014 2 Índice 1. Conceito 2. Onde são utilizados 3. Breve histórico 4. Modalidades 5. Causas de conflitos

Leia mais

Contratos Internacionais: A Arbitragem e a Eleição do Foro em Cláusula Combinada

Contratos Internacionais: A Arbitragem e a Eleição do Foro em Cláusula Combinada Contratos Internacionais: A Arbitragem e a Eleição do Foro em Cláusula Combinada Fernanda Cristina Alem Freitas O Direito Internacional Privado e os Contratos Internacionais Iniciamos este artigo com o

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE CONCILIAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CIESP/FIESP

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE CONCILIAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CIESP/FIESP REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE CONCILIAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CIESP/FIESP DENOMINAÇÃO E LOCALIZAÇÃO 1. A Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem de São Paulo CIESP/FIESP denominar-se-á Câmara

Leia mais

Estratégias para famílias empresárias

Estratégias para famílias empresárias Estratégias para famílias empresárias Ordem dos Economistas do Brasil MÉTODOS EXTRAJUDICIAIS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS: a nova tendência no Brasil e no mundo Direitos reservados proibida a reprodução 23.06.2010

Leia mais

CONCILIAÇÃO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL 12 e 13 de maio de 2016 ENUNCIADOS/RECOMENDAÇÕES

CONCILIAÇÃO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL 12 e 13 de maio de 2016 ENUNCIADOS/RECOMENDAÇÕES CONCILIAÇÃO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL 12 e 13 de maio de 2016 ENUNCIADOS/RECOMENDAÇÕES A conciliação em demandas de alta complexidade, relevância social e/ou com desdobramentos estadual e regional

Leia mais

OBJETIVO DA CÂMARA DE ARBITRAGEM DO MERCADO

OBJETIVO DA CÂMARA DE ARBITRAGEM DO MERCADO OBJETIVO DA CÂMARA DE ARBITRAGEM DO MERCADO A Câmara de Arbitragem do Mercado foi instalada pela BOVESPA no dia 27 de julho de 2001, visando a oferecer um foro adequado para a solução de conflitos relacionados

Leia mais

QUESTÃO 1 ASPECTOS MACROESTRUTURAIS QUESITOS AVALIADOS

QUESTÃO 1 ASPECTOS MACROESTRUTURAIS QUESITOS AVALIADOS QUESTÃO 2. Foro competente (ECA, art. 209) 0.75 2.2 Legitimidade para a propositura da ação civil pública (ECA, art. 20) 0.75 2.3 Cabimento da ação mandamental / objetivo da ação (ECA, art. 22) 0.75 QUESTÃO

Leia mais

Oportunidades de Mercado para a Atuação em Perícia Contábil

Oportunidades de Mercado para a Atuação em Perícia Contábil Oportunidades de Mercado para a Atuação em Perícia Contábil Fórum Paulista de Perícia Contábil Flávio Pereira Lima 25 de novembro de 2016 2016: mudanças éticas e processuais O Novo Código de Processo Civil

Leia mais

A VIABILIDADE DA ARBITRAGEM NO PLANO INTERNACIONAL

A VIABILIDADE DA ARBITRAGEM NO PLANO INTERNACIONAL A VIABILIDADE DA ARBITRAGEM NO PLANO INTERNACIONAL Camila Nogueira Cardozo, 5º período A arbitragem, ao longo dos períodos históricos, era conhecida como uma das únicas formas de jurisdição, pela qual

Leia mais

REUNIÃO TÉCNICA DE PERÍCIAS ANEFAC SÃO PAULO TEMA: PERÍCIA (PROVA PERICIAL) EM ARBITRAGEM. Ricardo Dalmaso Marques

REUNIÃO TÉCNICA DE PERÍCIAS ANEFAC SÃO PAULO TEMA: PERÍCIA (PROVA PERICIAL) EM ARBITRAGEM. Ricardo Dalmaso Marques REUNIÃO TÉCNICA DE PERÍCIAS ANEFAC SÃO PAULO TEMA: PERÍCIA (PROVA PERICIAL) EM ARBITRAGEM Ricardo Dalmaso Marques 19.3.2013 R ELEVÂNCIA DO T EMA Arbitragem no Brasil é uma realidade - GRANDE CRESCIMENTO

Leia mais

O primeiro curso já tendo diversas pessoas inscritas tem início no próximo dia 16 de dezembro.

O primeiro curso já tendo diversas pessoas inscritas tem início no próximo dia 16 de dezembro. A Universidade do Estado da Bahia (UNEB) é detentora de uma sólida trajetória na área do ensino, possuindo uma experiência e tecnologia reconhecida pelos milhares de alunos que já passaram pelos seus mais

Leia mais

Apresentação. Histórico

Apresentação. Histórico Apresentação Em resposta aos anseios da população e da comunidade empresarial que reclamavam uma alternativa mais eficaz para a solução de seus conflitos, a Associação Comercial da Bahia criou, em outubro

Leia mais

2. Arbitragem na atividade portuária visão do terminal;

2. Arbitragem na atividade portuária visão do terminal; ARBRITRAGEM NA ATIVIDADE PORTUÁRIA TEMAS PARA DISCUSSÃO 1. Métodos de solução de controvérsias; 2. Arbitragem na atividade portuária visão do terminal; 3. Reforma da Lei dos Portos arbitragem em controvérsia

Leia mais

Manual de Negociação

Manual de Negociação Disciplina: Processo Decisório Prof. Gustavo Nogueira Manual de Negociação Organizador: Gilberto Sarfati 1º Edição 2010 Clarissa Brandão Clarissa Brandão é advogada, mestre em Direito Internacional e Integração

Leia mais

Em dez anos, arbitragem amadurece e vira saída para solução de conflitos na construção

Em dez anos, arbitragem amadurece e vira saída para solução de conflitos na construção Litígios Fórum privilegiado Em dez anos, arbitragem amadurece e vira saída para solução de conflitos na construção A arbitragem, meio extrajudicial para solução de conflitos, oferece tudo aquilo que o

Leia mais

A ARBITRAGEM NA ACÇÃO EXECUTIVA

A ARBITRAGEM NA ACÇÃO EXECUTIVA 2.º CONFERÊNCIA INTERNACIONAL PROMOVER A EFICÁCIA DAS EXECUÇÕES E WORKSHOP BOAS PRÁTICAS NA ACTIVIDADE DO AGENTE DE EXECUÇÃO A ARBITRAGEM NA ACÇÃO EXECUTIVA ANA CABRAL DIA 24 DE SETEMBRO DE 2011 SUMÁRIO

Leia mais

Os axiomas do sistema básico das diretrizes da perícia contábil.

Os axiomas do sistema básico das diretrizes da perícia contábil. Os axiomas do sistema básico das diretrizes da perícia contábil. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: O artigo apresenta uma revelação dos axiomas do sistema básico das diretrizes da perícia

Leia mais

Curriculum Vitae. Valeria Galíndez Advogada OAB/SP nº INFORMAÇÕES PESSOAIS EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Curriculum Vitae. Valeria Galíndez Advogada OAB/SP nº INFORMAÇÕES PESSOAIS EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Curriculum Vitae Valeria Galíndez Advogada OAB/SP nº 184.239 INFORMAÇÕES PESSOAIS Local de Nascimento: San Miguel de Tucumán (Tucumán - Argentina) Data de Nascimento: 21 de agosto de 1976 Nacionalidades:

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PARA INSTITUIÇÕES DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CONIMA - Conselho Nacional das Instituições de Mediação e Arbitragem

CÓDIGO DE ÉTICA PARA INSTITUIÇÕES DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CONIMA - Conselho Nacional das Instituições de Mediação e Arbitragem CÓDIGO DE ÉTICA PARA INSTITUIÇÕES DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CONIMA - Conselho Nacional das Instituições de Mediação e Arbitragem (aprovado em Assembleia Geral Extraordinária realizada em 08/12/2010 e vigorará

Leia mais

Regulamento de Arbitragem. Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve

Regulamento de Arbitragem. Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve Regulamento de Arbitragem Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve Capítulo 1 Objeto, natureza e âmbito geográfico Artigo 1.º Objeto O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem de Conflitos

Leia mais

A VALORIZAÇÃO DA ÉTICA PROFISSIONAL. Flavio F. de Figueiredo

A VALORIZAÇÃO DA ÉTICA PROFISSIONAL. Flavio F. de Figueiredo A VALORIZAÇÃO DA ÉTICA PROFISSIONAL Flavio F. de Figueiredo O procedimento ético dos peritos se torna extremamente importante pelo fato de a atividade estar ligada ao campo do direito, no qual as normas

Leia mais

CONVENÇÃO ARBITRAL TÁCITA? CISG, ART. 9º (2) Eduardo Talamini

CONVENÇÃO ARBITRAL TÁCITA? CISG, ART. 9º (2) Eduardo Talamini CONVENÇÃO ARBITRAL TÁCITA? CISG, ART. 9º (2) Eduardo Talamini 1 Introdução CISG, Artigo 9º (1) As partes se vincularão pelos usos e costumes em que tiverem consentido e pelas práticas que tiverem estabelecido

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VIII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 20 de novembro de 2015

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VIII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 20 de novembro de 2015 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A ARBITRAGEM NO BRASIL Caroline Valduga 1 Liana Maria Feix Suski 2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 CONCEITO DE ARBITRAGEM. 3 CONVENÇÃO DE ARBITRAGEM E SUAS ESPÉCIES. 3.1 CLÁUSULA ARBITRAL

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. DA SUJEIÇÃO AO PRESENTE REGULAMENTO

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. DA SUJEIÇÃO AO PRESENTE REGULAMENTO REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. DA SUJEIÇÃO AO PRESENTE REGULAMENTO 1.1. As partes que avençarem, mediante convenção de arbitragem, submeter qualquer controvérsia à Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem

Leia mais

INTERVENÇÕES EM PROCESSOS JUDICIAIS E OUTROS PROCEDIMENTOS para efeitos de cumprimento do disposto nos números 1, 2 e 5 do artigo 22º

INTERVENÇÕES EM PROCESSOS JUDICIAIS E OUTROS PROCEDIMENTOS para efeitos de cumprimento do disposto nos números 1, 2 e 5 do artigo 22º INTERVENÇÕES EM PROCESSOS JUDICIAIS E OUTROS PROCEDIMENTOS para efeitos de cumprimento do disposto nos números 1, 2 e 5 do artigo 22º do REGULAMENTO NACIONAL DE ESTÁGIO (Regulamento nº 913 A/2015) A segunda

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE ARBITRAGEM DO MERCADO 1. OBJETO

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE ARBITRAGEM DO MERCADO 1. OBJETO REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE ARBITRAGEM DO MERCADO Os membros integrantes do Corpo de Árbitros da Câmara de Arbitragem do Mercado, no uso da atribuição conferida por seu Regulamento ( Regulamento ),

Leia mais

ARBITRAGEM nos CONTRATOS DE ENGENHARIA com a ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Dr. Pablo Raúl Masud Blanco & Masud Advogados Buenos Aires República Argentina

ARBITRAGEM nos CONTRATOS DE ENGENHARIA com a ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Dr. Pablo Raúl Masud Blanco & Masud Advogados Buenos Aires República Argentina ARBITRAGEM nos CONTRATOS DE ENGENHARIA com a ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Dr. Pablo Raúl Masud Blanco & Masud Advogados Buenos Aires República Argentina ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA ARGENTINA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Leia mais

REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO DA CÂMARA DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DO INSTITUTO DE ENGENHARIA CMA-IE

REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO DA CÂMARA DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DO INSTITUTO DE ENGENHARIA CMA-IE REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO DA CÂMARA DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DO INSTITUTO DE ENGENHARIA CMA-IE ARTIGO 1 DA MEDIAÇÃO 1.1- Mediação é a atividade técnica exercida por terceiro imparcial e sem poder decisório,

Leia mais

Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias

Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias 03/12/2012 Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias ASPECTOS INTRODUTÓRIOS E PRÁTICOS DA PERÍCIA As características e caminhos percorridos pelo profissional na condição de perito

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Sujeitos Processuais. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Sujeitos Processuais. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Sujeitos Processuais Gustavo Badaró aula de 11.10.2016 1. Noções Gerais 2. Juiz PLANO DA AULA Peritos, interpretes e auxiliares da justiça 3. Ministério

Leia mais

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO 1. Introdução O Estado Moçambicano encetou um processo de reformas legislativas e administrativas, visando dotar o País de leis

Leia mais

A perícia no projeto do novo CPC. Francisco Maia Neto Advogado/Engenheiro

A perícia no projeto do novo CPC. Francisco Maia Neto Advogado/Engenheiro A perícia no projeto do novo CPC Francisco Maia Neto Advogado/Engenheiro A perícia no projeto do novo CPC Honorários periciais Do perito Da prova documental Da prova pericial Honorários periciais Perícias

Leia mais

CAPÍTULO 1 CONSIDERAÇÕES PREAMBULARES Considerações As reformas do Código de Processo Civil - Maiores Esclarecimentos...

CAPÍTULO 1 CONSIDERAÇÕES PREAMBULARES Considerações As reformas do Código de Processo Civil - Maiores Esclarecimentos... Sumário CAPÍTULO 1 CONSIDERAÇÕES PREAMBULARES... 21 1.1 Considerações... 21 1.2 As reformas do Código de Processo Civil - Maiores Esclarecimentos... 23 CAPÍTULO 2 ASPECTOS RELEVANTES DA TEORIA GERAL DO

Leia mais

Contrato de Mediação de Exportação

Contrato de Mediação de Exportação Contrato de Mediação de Exportação IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES CONTRATANTE: (Nome da Contratante), com sede em (xxx), na Rua (xxx), nº (xxx), bairro (xxx), Cep (xxx), no Estado (xxx), inscrita

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA

CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA Direito Constitucional e Teoria Geral do Estado *Aspectos de Direito Eleitoral *Controle

Leia mais

INTRODUÇÃO À ARBITRAGEM, CONVENÇÃO ARBITRAL, CONSTITUIÇÃO DO TRIBUNAL ARBITRAL

INTRODUÇÃO À ARBITRAGEM, CONVENÇÃO ARBITRAL, CONSTITUIÇÃO DO TRIBUNAL ARBITRAL INTRODUÇÃO À ARBITRAGEM, CONVENÇÃO ARBITRAL, CONSTITUIÇÃO DO TRIBUNAL ARBITRAL Curso de Resolução Alternativa de Litígios Universidade Nova, 27 de Novembro 2010 José Miguel Júdice A. INTRODUÇÃO À ARBITRAGEM

Leia mais

Sumário. Prefácio Introdução Considerações Relativas à Implantação dos Juizados. Especiais da Fazenda Pública Estadual e Municipal

Sumário. Prefácio Introdução Considerações Relativas à Implantação dos Juizados. Especiais da Fazenda Pública Estadual e Municipal Sumário Prefácio... 17 Introdução... 19 Parte I Considerações Relativas à Implantação dos Juizados Especiais da Fazenda Pública Estadual e Municipal... 23 Pressupostos da instituição dos Juizados Especiais

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Organização Judiciária Programa I Introdução 1 Conceito e âmbito da organização judiciária: 1.1. Considerações preliminares 1.2. Conceito 1.3. Âmbito 2 Noções fundamentais

Leia mais

NORMAS DE ATUAÇÃO PARA A PERÍCIA E A AUDITORIA MÉDICA

NORMAS DE ATUAÇÃO PARA A PERÍCIA E A AUDITORIA MÉDICA R E S O L U Ç Ã O C R E M A L N 206195, de 15 de dezembro de 1995 Aprova as normas de atuação para a perícia e a auditoria médica. 0 Conselho Regional de Medicina do Estado de Alagoas, no uso de suas atribuições

Leia mais

CENTRO DE ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO DE LISBOA

CENTRO DE ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO DE LISBOA REGULAMENTO DO TRIBUNAL ARBITRAL DO CENTRO DE ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO DE LISBOA No quadro da Lei nº 31/86, de 29 de Agosto * e do Decreto-Lei nº425/86, de 27 de Dezembro, a Câmara Municipal

Leia mais

ANEXO III TABELA DE CUSTAS E HONORÁRIOS DOS MEDIADORES. Consoante dispõe o Regulamento de Mediação, os custos dos procedimentos de mediação comportam:

ANEXO III TABELA DE CUSTAS E HONORÁRIOS DOS MEDIADORES. Consoante dispõe o Regulamento de Mediação, os custos dos procedimentos de mediação comportam: ANEXO III TABELA DE CUSTAS E HONORÁRIOS DOS MEDIADORES Consoante dispõe o Regulamento de Mediação, os custos dos procedimentos de mediação comportam: 1. TAXA DE ADMINISTRAÇÃO 1.1. A Taxa de Administração

Leia mais

Ofício nº 177 (SF) Brasília, em 11 de fevereiro de 2014.

Ofício nº 177 (SF) Brasília, em 11 de fevereiro de 2014. Ofício nº 177 (SF) Brasília, em 11 de fevereiro de 2014. A Sua Excelência o Senhor Deputado Marcio Bittar Primeiro-Secretário da Câmara dos Deputados Assunto: Projeto de Lei do Senado à revisão. Senhor

Leia mais

A RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS DE CONSUMO

A RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS DE CONSUMO A RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS DE CONSUMO Uma justiça simples, acessível e rápida: Mediação Conciliação Arbitragem O que é a resolução alternativa de litígios de consumo? A resolução alternativa de

Leia mais

Regulamento do Centro de Informação de Consumo e Arbitragem do Porto. Capítulo 1 Objeto, natureza e âmbito geográfico. Artigo 1.

Regulamento do Centro de Informação de Consumo e Arbitragem do Porto. Capítulo 1 Objeto, natureza e âmbito geográfico. Artigo 1. Regulamento do Centro de Informação de Consumo e Arbitragem do Porto Capítulo 1 Objeto, natureza e âmbito geográfico Artigo 1.º Objeto O Centro de Informação de Consumo e Arbitragem do Porto/Tribunal Arbitral

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO 2015/01

EDITAL DE SELEÇÃO 2015/01 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE DIREITO Av. Fernando Ferrari, 514, Campus Universitário, CCJE, ED V, Goiabeiras, Vitória ES. Cep.: 29075-910.

Leia mais

TGP TEORIA GERAL DO PROCESSO. PROF. Marcia Cardoso Simões

TGP TEORIA GERAL DO PROCESSO. PROF. Marcia Cardoso Simões TGP TEORIA GERAL DO PROCESSO PROF. Marcia Cardoso Simões O QUE É DIREITO PROCESSUAL? É o ramo do Direito que estuda o conjunto de normas e princípios que regulam a função jurisdicional do Estado em todos

Leia mais

Curso de Mediação e Conciliação- Resolução 125/2010 CNJ

Curso de Mediação e Conciliação- Resolução 125/2010 CNJ Curso de Mediação e Conciliação- Resolução 125/2010 CNJ ÉTICA NA MEDIAÇÃO SIGNIFICADO DAS PALAVRAS ÉTICA E MORAL A palavra ética vem do Grego ethos que significa modo de ser ou caráter. Já a palavra moral

Leia mais

1.2 - Qualquer alteração ao presente Regulamento que tenha sido acordado pelas partes só terá aplicação ao caso específico.

1.2 - Qualquer alteração ao presente Regulamento que tenha sido acordado pelas partes só terá aplicação ao caso específico. REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Da Sujeição ao Presente Regulamento 1.1 - As partes que avençarem, mediante convenção de arbitragem, submeter qualquer pendência surgida à Câmara de Conciliação, Mediação e

Leia mais