Associação Criadora de Raça Cachena ACRC

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Associação Criadora de Raça Cachena ACRC"

Transcrição

1 Associação Criadora de Raça Cachena ACRC

2 Introdução A publicação de um Relatório de Gestão e Prestação de Contas coloca à disposição das partes interessadas toda a informação que permite a correta avaliação do desempenho da Associação. A gestão e a prestação de contas anuais, estruturadas em relatório, constitui uma oportunidade da Associação demonstrar, aos seus associados, as ações, evoluções, planeamento, entre outros elementos desenvolvidos no exercício anterior. O Relatório é constituído, essencialmente, por duas partes: Apresentação das atividades desenvolvidas, previsivel evolução e situação financeira da ACRC. As contas da Associação, nomeadamente o Balanço, a Demonstração de Resultados e anexos. O Plano de Actividades e Orçamento é um documento que procura na experiência vivida, programar a actividade para um ciclo temporal de um ano civil, sendo assim, são predisposições para o futuro, cuja execução está sujeita um significativo número de contingências, embora da experiência adquirida pretende-se sempre minorar essas contingências de forma a maximizar a acção da nossa missão, através da reflexão contínua sobre a forma e avaliação do grau de execução do que previamente se concebeu. Visando sempre encontrar as respostas adequadas às situações colocadas no dia a dia, resta-nos a consciência de que dedicamos o melhor do nosso saber, dedicação e esforço, para prestigiar, promover, desenvolver e dinamizar a Instituição. Relativamente aos resultados, regista-se uma melhor performance em relação ao ano anterior na prestação de serviços. No que concerne em termos estratégicos foram totalmente cumpridos os objectivos estabelecidos. 2

3 Actividades Desenvolvidas O desenvolvimento do Projecto PRODER de Conservação e Melhoramento de Recursos Genéticos - Componente Animal, é o reconhecimento do crescimento da actividade da Associação, demonstrando continuado esforço de promoção e preservação da Raça Cachena, através de iniciativas próprias como a elaboração de material promocional, melhoramento, criação e comercialização desta raça autóctone, assim como acompanhamento técnico e aconselhamento técnico aos criadores da raça e identificação e inscrição de animais nos livros de nascimento e de adultos. Para tal propõe-se: a) Apoiar os associados na sua actividade de criadores de bovinos de raça Cachena; b) Estabelecer e manter relacionamento com os departamentos oficiais ligados ao sector, em ordem a obter o seu apoio técnico e / ou financeiro; c) Colaborar e eventualmente filiar-se ou promover a filiação dos associados nas organizações congéneres nacionais e estrangeiras cuja acção prossiga finalidades idênticas; d) Manter o Registo Zootécnico / Livro Genealógico da raça Cachena (rz/lg), com a assistência e o apoio da Direcção Geral de Veterinária (dgv) e da Direcção Regional de Agricultura do Norte (drapn); e) Promover a aceitação e execução pelos associados das medidas de carácter zootécnico e sanitário, preconizadas pelos serviços competentes; f) Promover ou colaborar na realização de exposições, concursos, leilões e outros certames de bovinos de raça Cachena. Por outro lado, também nos rejubilamos com o grande empenho e participação dos associados em todas as actividades de Associação. De salientar ainda o grande esforço de envolvência das forças vivas do região na promoção e preservação da raça Cahena com o desenvolvimento de iniciativas com outras Associações. 3

4 Análise da situação económica e financeira Evolução Previsível da Associação A ACRC representa, actualmente, 237 criadores, maioritariamente localizados no Distrito de Viana do Castelo, mantendo estreita colaboração com as instituições locais e regionais do sector. Gráfico nº 1. Distribuição dos Criadores da raça Cachena por Distrito Vila Real 3% Braga 6% Portalegre 1% Évora 3% Beja 5% Viana do Castelo 82% Da análise do gráfico destaca-se a importância do Alto Minho (Distrito de Viana do Castelo) na criação desta raça com mais de 80% dos criadores activos. Apesar da relativa importância dos distritos de Beja e Évora, aproximando-se dos 8% de criadores, não reflecte a realidade uma vez estes criadores são sociedades criadas para maximizar os apoios e subsídios. Assim sendo, esta direcção continuará empenhada em procurar parcerias com as forças vivas locais, para a promoção do trabalho dos nossos criadores, nomeadamente com a participação nos grandes eventos nacionais e internacionais, de forma a promover e divulgar a Raça, assim como a nossa região. No que concerne aos recursos humanos, pretende-se uma melhoria de qualificações, através da transferência de conhecimentos para a sociedade e para a empresa. 4

5 Situação Financeira No exercício em análise regista-se um excedente de 11581,01, resultante de uma melhoria contínua do resultado da actividade operacional, o que nos irá permitir uma maior disponibilidade para desenvolver um plano adequado de desenvolvimento, sem nunca esquecer o grande esforço dos nossos associados. Apresentamos, de seguida, o Balanço, Demonstração de resultados e anexos. 5

6 RUBRICAS Balanço em 31 de Dezembro de 2010 NOTAS Unidade Monetária: EURO DATAS ACTIVO ACTIVO NÃO CORRENTE Activos fixos tangíveis 359,25 718,50 Propriedades de investimento 0,00 0,00 Activos intangíveis 0,00 0,00 Clientes 0,00 0,00 Investimentos financeiros 0,00 0,00 Accionistas / sócios 0,00 0,00 Outras contas a receber 0,00 0,00 359,25 718,50 ACTIVO CORRENTE Inventários 0,00 0,00 Clientes 0,00 272,52 Adiantamentos a fornecedores 0,00 0,00 Estado e outros entes públicos 0,00 0,00 Accionistas / sócios 0,00 0,00 Outras contas a receber , ,12 Diferimentos 310,26 243,83 Outros activos financeiros 0,00 0,00 Caixa e depósitos bancários , , , ,84 TOTAL DO ACTIVO , ,34 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO CAPITAL PRÓPRIO Capital realizado 0,00 0,00 Acções (quotas) próprias 0,00 0,00 Outros instrumentos de capital próprio 0,00 0,00 Prémios de emissão 0,00 0,00 Reservas legais 0,00 0,00 Outras reservas 0,00 0,00 Excedentes de revalorização 0,00 0,00 Outras variações no capital próprio , , , ,03 Resultado líquido do período 8.306, ,01 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO , ,04 PASSIVO PASSIVO NÃO CORRENTE Fornecedores 0,00 0,00 Provisões 0,00 0,00 Accionistas / sócios 0,00 0,00 Financiamentos obtidos 0,00 0,00 Outras contas a pagar 0,00 0,00 0,00 0,00 PASSIVO CORRENTE Fornecedores 0,00 550,89 Adiantamentos de clientes 0,00 0,00 Estado e outros entes públicos 1.095, ,41 Accionistas / sócios 0,00 0,00 Financiamentos obtidos 0,00 0,00 Outras contas a pagar 0,00 0,00 Outros passivos financeiros 0, , , ,30 TOTAL DO PASSIVO 1.095, ,30 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO , ,34 6

7 Demonstração dos Resultados por Naturezas para o período findo em 31 de Dezembro de 2010 RENDIMENTOS E GASTOS NOTAS Unidade Monetária: EURO PERÍODOS Vendas e serviços prestados , ,00 Subsídios à exploração , ,00 Ganhos/perdas imputados de subsidiárias, associadas e empreend. conjuntos 0,00 0,00 Variação nos inventários da produção 0,00 0,00 Trabalhos para a própria entidade 0,00 0,00 Custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas 0,00 0,00 Fornecimentos e serviços externos , ,62 Gastos com o pessoal , ,37 Imparidade de inventários (perdas / reversões) 0,00 0,00 Imparidade de dívidas a receber (perdas / reversões) 0,00 0,00 Provisões (aumentos / reduções) 0,00 0,00 Imparidade de investimentos não depreciáveis / amortizáveis (perdas / reversões) 0,00 0,00 Aumentos / reduções de justo valor 0,00 0,00 Outros rendimentos e ganhos 1.324, ,00 Outros gastos e perdas , ,25 Resultado antes de depreciações, gastos de financiamento e impostos 8.804, ,76 Gastos / reversões de depreciação e de amortização -359,25-359,25 Imparidade de activos depreciáveis / amortizáveis (perdas / reversões) 0,00 0,00 Resultado operacional (antes de gastos de financiamento e impostos) 8.445, ,51 Juros e rendimentos similares obtidos 0,00 0,00 Juros e gastos similares suportados -138,67-64,50 Resultado antes de impostos 8.306, ,01 Imposto sobre o rendimento do período 0,00 0,00 RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 8.306, ,01 Resultado das actividades descontinuadas (líquido de impostos) incluído no resultado líquido do período 0,00 0,00 Resultado líquido do período atribuível a: Detentores do capital da empresa-mãe 8.306, ,01 Interesses miniritários 0,00 0, , ,01 7

8 ACRC 1. IDENTIFICAÇAO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade ASSOCIAÇÃO DE CRIADORES DA RAÇA CACHENA - ACRC 1.2 Sede RUA DR JOAQUIM MOREIRA DE BARROS - CENTRO COORDENADOR DE TRANSPORTE - 1 ANDAR - SALA 12 ARCOS DE VALDEVEZ 1.3 NIF Natureza da actividade A ACRC é uma Associação ou Fundação criada em 09 de Novembro de A sua actividade principal consiste em Actividades de organizações económicas e Patronais. 1.5 Moeda Sempre que não exista outra referência, os montantes encontram-se expressos em unidade de euro. 2. REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2.1 Referencial contabilístico de preparação das Demonstrações Financeiras As demonstrações financeiras individuais foram preparadas com base no Sistema de Normalização Contabilístico (SNC) e respectiva Norma Contabilística para Microentidades (NCM), aprovada pelo Decreto-Lei nº 36-A/2011, de 9 de Março. A NCM é composta pelos seguintes instrumentos: Bases para a apresentação de demonstrações financeiras das Microentidades (BADF-ME); 8

9 ACRC Modelos de demonstrações financeiras para Microentidades (MDF-ME); Código de Contas para microentidades (CC-ME); Norma contabilística para microentidades (NC-ME); Normas interpretativas para microentidades (NI-ME). 2.2 Adopção pela primeira vez da NC-ME divulgação transitória: As demonstrações financeiras anexas foram preparadas no quadro das disposições em vigor em Portugal, em conformidade com o Decreto-lei nº 36A/2011, de 9 de Março, e de acordo com a estrutura conceptual, normas contabilísticas e de relato financeiro e normas interpretativas aplicáveis ao exercício findo em A Sociedade adoptou as Normas Contabilísticas pela primeira vez em 2010, aplicando para o efeito, a NC-ME Adopção pela Primeira vez das Normas Contabilísticas para Microentidades. As NC-ME foram aplicadas prospectivamente. A data de transição é 1 de Janeiro de 2010, e a sociedade preparou o seu balanço de abertura a essa data. A Sociedade alterou as demonstrações financeiras de 2009, preparadas e aprovadas de acordo com anterior referencial contabilístico em vigor em Portugal (Plano Oficial de contas POC), de modo a que estas sejam comparáveis com as referentes a PRINCIPAIS POLITICAS CONTABILISTICAS As principais políticas contabilísticas adoptadas na preparação das demonstrações financeiras anexas são as seguintes: Bases de apresentação 9

10 As demonstrações financeiras anexas foram preparadas no pressuposto da continuidade das operações, a partir dos livros e registos contabilísticos da sociedade, de acordo com as Normas Contabilísticas para microentidades. Ativos Fixos tangíveis Os ativos intangíveis compreendem despesas com desenvolvimento em produtos e sistemas geradores de proveitos, encontram-se registados ao custo de aquisição, deduzido das amortizações e eventuais perdas de imparidade. Instrumentos financeiros Os instrumentos financeiros encontram-se valorizados de acordo com os seguintes critérios: a) Clientes e outras dívidas de terceiros As dívidas de clientes e de outras dívidas de terceiros são registados ao custo. As dívidas de clientes e de outras dívidas de terceiros são registados pelo seu valor nominal dado que não vencem juros e o efeito do desconto é considerado imaterial. b) Caixa e depósitos bancários Os montantes incluídos nesta rubrica correspondem aos valores de caixa e depósitos bancários, ambos imediatamente realizáveis. c) Fornecedores e outras dívidas a terceiros As contas de fornecedores e de outras dívidas a terceiros encontram-se mensuradas pelo método do custo. As dívidas a fornecedores e outras dívidas a terceiros encontram-se registados pelo seu valor nominal dado que não vencem juros e o efeito do desconto é considerado imaterial. d) Financiamentos obtidos Os financiamentos obtidos são registados no passivo pelo custo. 10

11 Rédito O rédito é mensurado pelo custo da contraprestação recebida ou a receber. O rédito proveniente da venda de bens é reconhecido quando todas as seguintes condições são satisfeitas: Todos os riscos e vantagens da propriedade dos bens foram transferidos para o comprador; A entidade não mantém qualquer controlo sobre os bens vendidos; O montante do rédito pode ser mensurado com fiabilidade; É provável que benefícios económicos futuros associados à transacção fluam para a entidade; Os custos suportados ou a suportar com a transacção, podem ser mensurados com fiabilidade. O rédito proveniente das prestações de serviço é reconhecido líquido de impostos, pelo justo valor do montante a receber. O rédito proveniente da prestação de serviços é reconhecido com referência à base de acabamento da transacção à data de relato, desde que todas as seguintes condições sejam satisfeitas: O montante do rédito pode ser mensurado com fiabilidade; É provável que benefícios económicos futuros associados à transacção fluam para a entidade; Os custos suportados ou a suportar com a transacção podem ser mensurados com fiabilidade; A fase de acabamento da transacção à data de relato pode ser valorizada com fiabilidade. O rédito de juros é reconhecido utilizando o método do juro efectivo, desde que seja provável que benefícios económicos fluam para a entidade e o seu montante para ser valorizado com fiabilidade. Juízos de valor críticos e principais fontes de incerteza associadas a estimativas 11

12 Na preparação das demonstrações financeiras foram efectuados juízos de valor e estimativas e utilizados diversos pressupostos que afectam as quantias relatadas de ativos e passivos, assim como as quantias relatadas de rendimentos a gastos do período. As estimativas e os pressupostos subjacentes foram determinados por referência à data de relato com base no melhor conhecimento existente à data de aprovação das demonstrações financeiras dos eventos e transações em curso, assim como na experiência de eventos passados e/ou correntes. Contudo, poderão ocorrer situações em períodos subsequentes que, não sendo previsíveis à data de aprovação das demonstrações financeiras, não foram consideradas nessas estimativas. As alterações às estimativas que ocorram posteriormente à data das demonstrações financeiras, serão corrigidas de forma prospectiva. Por este motivo, e dado o grau de incerteza associado, os resultados reais das transações em questão poderão diferir das correspondentes estimativas. As estimativas contabilísticas significativamente mais comuns são: a) Vidas úteis dos ativos fixos tangíveis e intangíveis; b) Análises de imparidade de ativos fixos tangíveis e intangíveis; c) Registo de ajustamentos aos valores dos ativos. Especialização de exercícios A Sociedade regista os seus rendimentos e gastos de acordo com o princípio da especialização de exercícios, pelo qual os rendimentos e gastos são reconhecidos à medida que são gerados, independentemente do momento do respectivo recebimento ou pagamento. As diferenças entre os montantes recebidos e pagos e os correspondentes rendimentos e gastos gerados são registadas como ativos ou passivos. Acontecimentos subsequentes Não existem acontecimentos subsequentes suscetíveis de divulgação. 12

13 Principais pressupostos relativos ao futuro As demonstrações financeiras anexas foram preparadas no pressuposto da continuidade das operações, a partir dos registos contabilísticos da Entidade. 4. POLITICAS CONTABILISTICAS, ALTERAÇOES NAS ESTIMATIVAS CONTABILISTICAS E ERROS: (Não aplicável) 5. ATIVOS FIXOS TANGIVEIS Durante o período findo em 31 de Dezembro de 2010 os saldos apresentados nos activos fixos tangíveis foram os seguintes: Ativos fixos tangíveis Terrenos e recursos naturais Edifícios e outras construções Saldo inicial Adições Revalorizações Abate Transferência Saldo final Equipamento básico 1.601, ,60 Equipamento de transporte Equipamento administrativo 3.526, ,68 Equipamentos biológicos Outros activos fixos tangíveis Investimentos em curso Adiantamentos por conta de investimentos Ativo fixo tangíveis 5.128,28 0,00 0,00 0, ,28 Ativos fixos tangíveis Terrenos e recursos naturais Edifícios e outras construções Saldo Inicial Reforço Anulação/ Reversão Saldo Final Equipamento básico 1.601, ,60 Equipamento de transporte Equipamento administrativo 2.808,18 359, ,43 Equipamentos biológicos Outros activos fixos tangíveis Investimentos em curso Depreciações e Amortizações, e Imparidades 4.409,78 0, ,03 13

14 6. ATIVOS FIXOS INTANGIVEIS (Não aplicável) 7. LOCAÇOES (Não aplicável) 8. INVENTARIOS (Não aplicável) 9. REDITO O rédito reconhecido pela sociedade em 2010 e 2009 é detalhado conforme se segue: Rédito Vendas de bens Prestação de serviços , ,00 Outros rendimentos e ganhos , ,00 Juros Total , , PROVISOES (Não aplicável). 11. SUBSIDIOS DO GOVERNO E APOIOS DO GOVERNO Durante o exercício findo em 2010, os subsídios detalham-se conforme se segue: Subsídios do Governo Subsídios Estado e outros entes públicos Valores atribuídos no período ou em perídos anteriores Valores imputado ao período Subsídios outros entidades Valores atribuídos no período ou em perídos anteriores Valores imputado ao período SALDO Subsídios relacionados com ativos/ ao investimento 0,00 Subsídios relacionados com rendimentos/ à exploração , ,00 0,00 0,00 0,00 PRoDeR - Melhoramento Animal , ,00 Valor dos reembolsos no período ,00 0,00 0,00 0,00 Subsídios relacionados com ativos/ ao investimento 0,00 Subsídios relacionados com rendimentos/ à exploração ,00 Total 6.850, ,00 0,00 0,00 0,00 0,00 14

15 12. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO: (Não aplicável). 13. INSTRUMENTOS FINANCEIROS Em 31 de Dezembro de 2010 e 2009, as rubricas de ativos financeiros, passivos financeiros, rendimentos e gastos de juros em ativos e passivos financeiros, caixa e depósitos bancários e Estado e outros entes públicos são detalhadas conforme se segue: Ativos e passivos financeiros Caixa e depósitos bancários , ,37 Caixa , ,09 Depósitos bancários , ,28 Estado e outres entes públicos 1.095, ,41 Imposto sobre o rendimento Retenção de Imposto sobre Rendimentos 653,00 600,00 Imposto sobre o Valor Acrescentado Contribuições para a Segurança Social 442,40 442, CAPITAL PROPRIO Em 31 de Dezembro de 2010 e 2009, as rubricas de Capital Próprio são detalhadas conforme se segue: Rúbricas Saldo Inicial Aumentos Diminuições Saldo Final Capital 0,00 0,00 0,00 0,00 Acções (quotas) próprias 0,00 0,00 0,00 0,00 Outros instrumentos de capital próprio 0,00 0,00 0,00 0,00 Prémios de emissão 0,00 0,00 0,00 0,00 Reservas Reservas legais 0,00 0,00 0,00 0,00 Outras reservas 0,00 0,00 0,00 0,00 Resultados transitados , ,89 0, ,03 Ajustamentos em activos financeiros 0,00 0,00 0,00 0,00 Excedentes de revalorização de activos fixos tangíveis e intangíveis 0,00 0,00 0,00 0,00 Outras variações no capital próprio ,89 0,00 0, ,89 Resultado líquido do período , ,28 0, ,73 Dividendos antecipados 0,00 0,00 0,00 0, , ,61 0, ,65 15

16 15. INFORMAÇOES POR MERCADOS GEOGRAFICOS (Não Aplicável). 16. OUTRAS INFORMAÇOES (Não Aplicável). Arcos de Valdevez, 31 de Março de 2011 O Técnico de Contas A Direcção 16

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Relatório de Contas de 2015 Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A 2765-266 Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril 2765-266 Estoril

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 213 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Fundação Comendador Joaquim de Sá Couto 1.2 Sede: Rua do Hospital, 7 4535 São

Leia mais

Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março O DecretoLei n.º 36A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para microentidades, prevendo a publicação, mediante portaria do membro do

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DA MADEIRA

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DA MADEIRA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 Designação da entidade: Associação de Natação da Madeira; 1.2 Sede: Complexo de Natação Desportiva do Funchal, 9050-021 Funchal; 1.3 NIPC: 511205350; 1.4 Natureza da atividade:

Leia mais

TOTAL DO ACTIVO , ,68

TOTAL DO ACTIVO , ,68 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2015 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BALLANÇO:: PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2015 ACTIVO NÃO

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008 TRABALHO 1 Enunciado (PARTE 1) Só uma alínea do grupo está correcta, inteiramente correcta, ou mais correcta. Refira qual e apresente nota justificativa sumária no anexo para resolução. 1 Em Portugal,

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros) ASSOCIAÇÃO PARA O ESTUDO E INTEGRAÇÃO PSICOSSOCIAL CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2016 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2016 (Montantes expressos em euros) Contas individuais 2016 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2016 E 31.12.2016... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2016 E 31.12.2015... 5 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2015

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2015 Exercício 2015 Monteiro & Guimarães, Lda Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 4 Demonstração dos Resultados Individuais em 5 Anexo 1. Nota introdutória...

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 ========= FUNDAÇÃO PADRE LUIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 ========= BALANÇO EM 31/12/2016 BALANÇO EM 31/12/2016 Rubricas Activo NOTAS DATAS 31-12-2016 31-12-2015 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DO PORTO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DO PORTO BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS 31-12-2015 31-12-2014 Activo

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade CASFIG Coordenação de Âmbito Social

Leia mais

Centro Social Paroquial de São Nicolau

Centro Social Paroquial de São Nicolau Centro Social Paroquial de São Nicolau Anexo às Demonstrações Financeiras de 2015 1. Caracterização da entidade O Centro Social Paroquial de São Nicolau foi constituído em 1993 e tem a sua sede social

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= FUNDAÇÃO PADRE LUIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas Ativo NOTAS DATAS 31-12-2015 31-12-2014 Ativo não corrente Ativos fixos tangíveis

Leia mais

3.1.Bases de mensuração usadas na preparação das DFs

3.1.Bases de mensuração usadas na preparação das DFs 1.Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2013 INTRODUÇÃO A empresa ERNESTO JESUINO MARTINS AUGUSTO, NIF.163479127, é um empresário em nome individual tendo sede em Fânzeres, tendo como actividade principal

Leia mais

Índice 1 Identificação da Entidade 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demostrações Financeiras 3 Principais Politicas Contabilísticas 4 Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ESCLEROSE MÚLTIPLA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS Activo 31-12-2015 31-12-2014 Activo não

Leia mais

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 2015-2016 UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Gestão e Economia Data: 2015-10-29 Licenciatura em

Leia mais

CONTAS INDIVIDUAIS 2015

CONTAS INDIVIDUAIS 2015 CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 3 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015)

BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015) RUBRICAS BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015) NOTAS Demonstrações Financeiras Montantes expressos em EURO PERÍODOS 2015 2014 ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 4 236.628,46 246.515,69

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2016

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2016 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 216 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

Demonstração dos Resultados por Naturezas

Demonstração dos Resultados por Naturezas Demonstração dos Resultados por Naturezas Período findo em 31 de Dezembro de 2015 PERÍODOS RENDIMENTOS E GASTOS NOTAS 2015 2014 Variância Vendas e serviços prestados 951.735,35 940.108,95 1,24% Subsídios,

Leia mais

Fundação Gaspar e Manuel Cardoso I.P.S.S. Instituição Particular de Solidariedade Social Sem Fins Lucrativos

Fundação Gaspar e Manuel Cardoso I.P.S.S. Instituição Particular de Solidariedade Social Sem Fins Lucrativos INDICE INDICE... 1 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO... 3 2 REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 4 2.1 Demonstrações Financeiras... 4 3 PRINCIPAIS POLÍTICAS DE CONTABILIZAÇÃO...

Leia mais

Relatório de Gestão e Contas 31 de Dezembro de 2015

Relatório de Gestão e Contas 31 de Dezembro de 2015 Relatório de Gestão e Contas -2- SCM Sernancelhe Relatório & Contas Relatório & Contas Índice Relatório de Gestão...4 Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE ATALAIA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE ATALAIA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2015 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação ÍNDICE 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE (Montantes expressos em euros) ÍNDICE Páginas 1. Nota introdutória 2 2. Referencial contabilístico de preparação nas demonstrações financeiras 2 3. Principais políticas contabilísticas 2 4. Políticas contabilísticas,

Leia mais

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Balanço CURPI SÃO JOÃO DA TALHA BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 RUBRICAS

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010 Resumo Antes de discriminar em pormenor as várias rubricas deste mapa, saliente-se a diferença positiva entre os valores activos e passivos, como se pode constatar dos valores abaixo discriminados: ACTIVO

Leia mais

Demonstrações Financeiras Intercalares. Para o período de seis meses findo em 30 de Junho de 2017

Demonstrações Financeiras Intercalares. Para o período de seis meses findo em 30 de Junho de 2017 Demonstrações Financeiras Intercalares Para o período de seis meses findo em 30 de Junho de 2017 2017 Índice Demonstração dos resultados Balanço Demonstração das alterações dos capitais próprios Demonstração

Leia mais

ANEXO (modelo reduzido)

ANEXO (modelo reduzido) ANEXO (modelo reduzido) O presente documento não constitui um formulário relativo às notas do Anexo, mas tão só uma compilação das divulgações exigidas nos diversos capítulos que integram a NCRF-PE. Assim,

Leia mais

PARTE PRÁTICA (13 valores)

PARTE PRÁTICA (13 valores) PARTE PRÁTICA (13 valores) 1 - A empresa Mãe, SA, detém 80% do Capital da empresa Filha, SA, participação esta que foi adquirida, em N, por 340.000 Euros. Em 31 de Dezembro de N, as empresas do Grupo apresentavam

Leia mais

Anexo III. Taxonomia M - SNC Microentidades. (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria)

Anexo III. Taxonomia M - SNC Microentidades. (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria) Anexo III Taxonomia M - SNC (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria) 1 11 Caixa 2 12 Depósitos à ordem 3 13 Outros depósitos bancários 4 14 Outros 5 211 Clientes - Clientes c/c 6 212 Clientes

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2016

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2016 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2016 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ÍNDICE. Caracterização da ANMP e sua actividade 3. Análise económico-financeira 5. Anexo ao Balanço e ás Demonstrações Financeiras 14.

ÍNDICE. Caracterização da ANMP e sua actividade 3. Análise económico-financeira 5. Anexo ao Balanço e ás Demonstrações Financeiras 14. ÍNDICE Caracterização da ANMP e sua actividade 3 Análise económico-financeira 5 Anexo ao Balanço e ás Demonstrações Financeiras 14 Balanço 22 Demonstração de Resultados 23 Demonstração de Fluxos de Caixa

Leia mais

Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Angra do Heroísmo

Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Angra do Heroísmo DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2015 ART Associação Regional de Turismo Contribuinte n.º 510 648 630 Sede Social: Rua da Palha, 32 Fundo Social: 375.000 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2014

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2014 Centro Paroquial e Social de Calheiros RUBRICAS BALANÇO INDIVIDUAL Dezembro 2014 NOTAS Montantes expressos em EURO PERÍODOS 2014 2013 ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 279.778,88 285.103,71

Leia mais

CENTRO DE BEM ESTAR SOCIAL DE SEIXAS

CENTRO DE BEM ESTAR SOCIAL DE SEIXAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 Página 1 de 7 1 - Identificação da entidade O Centro de Bem Estar Social de Seixas é uma instituição particular de solidariedade social, constituída

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2016 Identificação da Declaração: Data da recepção: 19/06/2017 1. Identificação da Instituição Nome: UNIÃO DISTRITAL DE VISEU DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2014 Identificação da Declaração: Data da recepção: 29/06/2015 1. Identificação da Instituição Nome: CENTRO DE APOIO SOCIAL DO NADADOURO Morada: R DA AVÉ

Leia mais

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde)

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde) BALANÇOS Activo Imparidade Activo Activo Notas bruto e amortizações líquido líquido PASSIVO E CAPITAL PRÓPRIO Notas Caixa e disponibilidades em bancos centrais 3 9.726.629-9.726.629 5.862.769 Recursos

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016)

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) Para: MICROENTIDADES Conta Descrição 11 CAIXA 111 Caixa 12 DEPÓSITOS Á ORDEM 1201 Banco A 13 OUTROS DEPÓSITOS BANCÁRIOS

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana

Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana Relatório de Gestão 05 Introdução Nos dias de hoje, qualquer Instituição ou Entidade tem como dever a apresentação de contas, sendo esta apresentação

Leia mais

erasa Relatório de Execução Orçamental

erasa Relatório de Execução Orçamental erasa Relatório de Execução Orçamental 2011 Índice 1. Sumário Executivo... 3 2. Análise da Execução Orçamental... 3 2.1 Execução da Receita por Rubricas... 4 2.2 Execução da Despesa por Rubricas... 6 3.

Leia mais

Relatório intercalar 1º semestre de 2016 Demonstrações financeiras individuais não auditadas a 30 de junho de 2016

Relatório intercalar 1º semestre de 2016 Demonstrações financeiras individuais não auditadas a 30 de junho de 2016 2 "Efficiency is doing the thing right. Effectiveness is doing the right thing." Peter Drucker Eficiência é fazer uma coisa bem. Eficácia é fazer a coisa certa. Peter Drucker 3 4 Entidade N.º de ações

Leia mais

A aplicação da Normalização Contabilística para as Microentidades - NCM

A aplicação da Normalização Contabilística para as Microentidades - NCM Normalização Contabilística: Presente e Futuro - CNC A aplicação da Normalização Contabilística para as Microentidades - NCM Carlos Martins Lisboa, 15 de Dezembro de 2011 ÍNDICE Enquadramento e alguns

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL. ( Art. 42º da Lei Nº.50/2012 de 31 de Agosto )

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL. ( Art. 42º da Lei Nº.50/2012 de 31 de Agosto ) INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL ( Art. 42º da Lei Nº.50/2012 de 31 de Agosto ) 2 0 14 ORÇAMENTO PREVISIONAL EXERCICIO DE 2014 Senhores Acionistas Excelentíssima Câmara Municipal de Olhão Nos termos

Leia mais

Aos Nossos Associados e Associadas

Aos Nossos Associados e Associadas Relatório de Atividades & Contas Aos Nossos Associados e Associadas Destaques Estratégicos A CONCEITOS DO MUNDO Associação para a Promoção dos Direitos Humanos e Desenvolvimento Sustentável, é uma associação

Leia mais

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS o m i s s ã o 1 MEIOS FINANEIROS LÍQUIDOS * 11 aixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Instrumentos financeiros * 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente desfavoráveis

Leia mais

Centro Social das Antas. Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015

Centro Social das Antas. Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Centro Social das Antas Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Centro Social das Antas Balanço Individual em 31 de Dezembro de 2015 ACTIVO Activo não corrente Valores expressos em euros Notas

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2011

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2011 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2011 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

APARTAMENTOS TURISTICOS DE AMORIM & SANTOS LDA

APARTAMENTOS TURISTICOS DE AMORIM & SANTOS LDA CARATERIZAÇÃO DA EMPRESA Nome: Setor de Atividade Económica (CAE Rev.3): Classe de Dimensão: Localização da Sede (Distrito): Natureza Jurídica: Maturidade: 55118 - Apartamentos turísticos com restaurante

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

ANEXO (SNC Entidades do Sector Não Lucrativo)

ANEXO (SNC Entidades do Sector Não Lucrativo) ANEXO (SNC Entidades do Sector Não Lucrativo) 1 Identificação da entidade:...2 2 Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras...2 3 Principais políticas contabilísticas:...2 4

Leia mais

CLUBE GOLFE BENFICA. Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2016 Montantes expressos em euros CLUBE GOLFE BENFICA. Demonstrações Financeiras

CLUBE GOLFE BENFICA. Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2016 Montantes expressos em euros CLUBE GOLFE BENFICA. Demonstrações Financeiras CLUBE GOLFE BENFICA 1 Índice das Balanços em 31 de Dezembro 2016 e 2015 3 Demonstração dos Resultados dos exercícios findos em 31 Dezembro 2016 e 2015 4 Demonstração de Resultados 31 de Dezembro 2016 versus

Leia mais

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS NOTA INTRODUTÓRIA A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ermesinde (Instituição de Utilidade Pública), também denominada Bombeiros Voluntários de Ermesinde tem como objectivo principal manter

Leia mais

B A L A N Ç O. Segurajuda - Corretores de Seguros, Lda Data:

B A L A N Ç O. Segurajuda - Corretores de Seguros, Lda Data: B A L A N Ç O Activo Não Corrente RUBRICAS NOTAS 31-Dez-2011 31 Dez 2010 Activos fixos tangíveis... 26.116,39 36.524,44 Activos intangíveis... 17.500,00 17.500,00 Activo Corrente Estado e outros entes

Leia mais

Demonstrações Financeiras Individuais

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2013 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em...3 Demonstração de Resultados Individuais em........4 Demonstração de Fluxos de Caixa Individuais

Leia mais

FUNDAÇÃO GRAMAXO RELATÓRIO E CONTAS. As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2016

FUNDAÇÃO GRAMAXO RELATÓRIO E CONTAS. As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2016 FUNDAÇÃO GRAMAXO RELATÓRIO E CONTAS As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2016 Índice: Índice... 2 1.Enquadramento... 3 1.1.Apreciação Geral... 3 2.Atividades Realizadas... 3 2.1Conclusão da

Leia mais

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA Nota: A prova é constituída por três partes Parte 1: Cotação: 8 valores (4* 2 valores por questão) Questão 1 Desenvolva o tema: Formas de registo

Leia mais

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas PROGRAMA 1. Fundamentos da Contabilidade Financeira (1 hora: Sandra Alves) 1.1. A Contabilidade Financeira 1.1.1. Conceito e divisões da Contabilidade 1.1.2.

Leia mais

Associação Social e Cultural Paradense - NIF:

Associação Social e Cultural Paradense - NIF: Conta Saldo 11. Caixa 12. Depósitos à Ordem 13. Outros Depósitos Bancários Total Da Classe 1 687,51 D 19.428,20 D 200.000,00 D 220.115,71 D 21. Clientes 22. Fornecedores 23. Pessoal 24. Estado e Outros

Leia mais

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS ENTREGUE PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS NÚCLEO DE ORÇAMENTO DAS ANO DE 2015 E CONTAS DE IPSS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DENOMINAÇÃO: CENTRO DE BEM ESTAR SOCIAL DE SEIXAS

Leia mais

As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2014

As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2014 FUNDAÇÃO GRAMAXO RELATÓRIO E CONTAS As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2014 1 ÍNDICE 1. Enquadramento 1.1 Apreciação Geral 2. Atividades Realizadas 2.1 Percurso de Lazer denominado «Parque

Leia mais

Contabilidade Financeira II

Contabilidade Financeira II Contabilidade Financeira II Gestão; Finanças e Contabilidade 2011/2012 Exame - 2ª época 11/junho/2012 Informações e Sugestões 1. A resolução da prova terá início após a leitura do enunciado e o esclarecimento

Leia mais

Relatório de Atividades e Contas

Relatório de Atividades e Contas Relatório de Atividades e Contas 2012 1 - Introdução A Direção do CGA Clube de Ginástica de Almada, no cumprimento do estatutariamente regulamentado, apresenta para apreciação, discussão e votação o Relatório

Leia mais

ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015

ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015 ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA DEMONSTRAÇÃO DAS ALTERAÇÕES NOS FUNDOS PATRIMONIAIS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço BALANÇO DOS EXERCÍCIOS 2014 E 2013 ACTIVO Notas Activo Bruto Amortizações / Provisões Activo Líquido Activo Líquido IMOBILIZADO: Imobilizações incorpóreas: Despesas de instalação

Leia mais

Alterações ao SNC Breve Síntese

Alterações ao SNC Breve Síntese Alterações ao SNC 2016 - Breve Síntese A publicação do Decreto-Lei n.º 98/2015 transpõe para o ordenamento jurídico interno a Directiva Europeia de Contabilidade, que em conjunto com a publicação das Portarias

Leia mais

CONTABILIDADE (NíVEIS 1,2 E 3) Curso Geral de Contabilidade

CONTABILIDADE (NíVEIS 1,2 E 3) Curso Geral de Contabilidade CONTABILIDADE (NíVEIS 1,2 E 3) Curso Geral de Contabilidade Duração: 8 dias Tipologia: Curso Presencial Para quem?: Colaboradores dos Departamentos de Contabilidade, Financeiro e Controlo de Gestão. Secretárias

Leia mais

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves José Eduardo Mendonça S. Gonçalves Contribuições dos sócios 51 Capital * Nota: para efeitos de apresentação no Balanço, deduzir saldos das contas: 261 Accionistas c/ subscrição * 262 Quotas não liberadas

Leia mais

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas PROGRAMA 1. Fundamentos da Contabilidade Financeira (1 hora: Sandra Alves) 1.1. A Contabilidade Financeira 1.1.1. Conceito e divisões da Contabilidade 1.1.2.

Leia mais

Contas de 2015 Centro Social e Paroquial de Perosinho

Contas de 2015 Centro Social e Paroquial de Perosinho Contas de 2015 Centro Social e Paroquial de Perosinho Balanço Centro Social e Paroquial de Perosinho Centro Social e Paroquial de Perosinho Balanço Período findo em 31 de Dezembro de 2015 Rendimentos e

Leia mais

Centro Social de Figueiró do Campo Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro 2015

Centro Social de Figueiró do Campo Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro 2015 Centro Social de Figueiró do Campo Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro 2015 BALANÇO A 31/12/2015 RUBRICAS 2015 2014 ACTIVO Activo não corrente Activos fixos tangíveis 1.070.124,56 1.076.316,75 Bens

Leia mais

Receitas Internacionais da Reditus aumentam 22,4% em 2014

Receitas Internacionais da Reditus aumentam 22,4% em 2014 Receitas Internacionais da Reditus aumentam 22,4% em 2014 Proveitos Operacionais de 120 milhões de euros (+ 6,4%) EBITDA de 11,5 milhões de euros (vs. 11,7 milhões de euros) Margem EBITDA 9,5% (vs. 10,4%)

Leia mais

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A.

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A. BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A. Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2011 BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, SA Demonstrações Financeiras Individuais 31 de Dezembro de 2011 Índice Demonstrações financeiras

Leia mais

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções DESIGNAÇÕES EXERCÍCIOS 1º SEM 01 1º SEM 00 AMORTIZAÇÕES ACT.BRUTO ACT.LÍQUIDO ACT.LÍQUIDO E PROVISÕES IMOBILIZADO ACTIVO Imobilizações incorporeas: Despesas de instalação 384 261 180 982 203 279 32 821

Leia mais

Informação Financeira Consolidada Intercalar 3ºTrimestre

Informação Financeira Consolidada Intercalar 3ºTrimestre 2012 Informação Financeira Consolidada Intercalar 3ºTrimestre Elementos mínimos previstos na IAS 34 de acordo com o Artigo 10º do Regulamento da CMVM nº5/2008 Glintt Global Intelligent Technologies, S.A.

Leia mais

Relatório Econômico 2015

Relatório Econômico 2015 Índice 2 Relatório de Auditoria... 4 Balanço... 8 Demonstração de Resultados... 12 Receitas e Despesas Reconhecidas e Demonstrações... 16 Demonstração de Fluxos de Caixa... 20 Índice 3 1 Relatório de Auditoria

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em Euros)

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em Euros) NOTA INTRODUTÓRIA Federação Portuguesa de Desporto para Pessoas com Deficiência, tem por objecto promover o desporto em todas as áreas de deficiência, tem a sua sede na Rua Presidente Samora Machel, Lote

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2016 ÍNDICE. Relatório de gestão. Contas do exercício de Demonstração dos resultados, período findo em 31 de dezembro de 2016

RELATÓRIO E CONTAS 2016 ÍNDICE. Relatório de gestão. Contas do exercício de Demonstração dos resultados, período findo em 31 de dezembro de 2016 RELATÓRIO E CONTAS 2016 ÍNDICE Relatório de gestão Contas do exercício de 2016 Demonstração dos resultados, período findo em 31 de dezembro de 2016 Segundo o modelo IV-IP Balanço em 31 de dezembro de 2016

Leia mais

BALANÇO E CONTAS 2014

BALANÇO E CONTAS 2014 Fundação Manuel Leão BALANÇO E CONTAS 2014 Versão provisória Balanço - (modelo para ME) em 31-12-2014 (montantes em euros) RUBRICAS DATAS NOTAS 2014 2013 ATIVO Ativo não corrente Ativos fixos tangíveis

Leia mais

COMUNICADO DE FACTO RELEVANTE IMPACTO DA TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATO FINANCEIRO (IFRS)

COMUNICADO DE FACTO RELEVANTE IMPACTO DA TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATO FINANCEIRO (IFRS) SONAE INDÚSTRIA - SGPS, S.A. - Sociedade Aberta Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia, Portugal Capital Social: 700 000 000 Matriculada na C. R. C. da Maia sob o nº 1067 Pessoa Colectiva nº 500 204 128

Leia mais

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Nazaré RELATÓRIO E CONTAS

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Nazaré RELATÓRIO E CONTAS Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Nazaré RELATÓRIO E CONTAS 2013 Mensagem da Direcção A Direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Nazaré tem, com espírito de missão,

Leia mais

Aos Nossos Associados e Associadas

Aos Nossos Associados e Associadas Relatório de Atividades & Contas 2016 Nota Introdutória 2016 foi um ano para reflexão e reorganização da associação. Candidatámos diversos projetos, planeámos outros e nos destaques gostaríamos de notar:

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ENTIDADE: ART - Associação Regional de Turismo dos Açores SEDE: Angra do Heroísmo N.º DE

Leia mais

Relatório de Execução Orçamental

Relatório de Execução Orçamental Erasa Relatório de Execução Orçamental 1º Semestre 2012 Índice 1. Sumário Executivo... 3 2. Execução da Receita por Rubricas... 4 3. Execução da Despesa por Rubricas... 5 4. Anexos... 7 4.1 Balanço 30

Leia mais

ANEXO I - MODELOS DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO I - MODELOS DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS >> Voltar ao índice ANEXO I - MODELOS DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS O presente documento apresenta um conjunto de modelos de demonstrações financeiras e um modelo de divulgação com os ajustamentos de transição

Leia mais

FamiGeste 2 SGPS, SA. Relatório e Contas FamiGeste 2 - SGPS, S.A. Rua das Flores, 12 2.º Lisboa Tel: Fax:

FamiGeste 2 SGPS, SA. Relatório e Contas FamiGeste 2 - SGPS, S.A. Rua das Flores, 12 2.º Lisboa Tel: Fax: FamiGeste 2 SGPS, SA Relatório e Contas 2007 FamiGeste 2 - SGPS, S.A. Rua das Flores, 12 2.º 1200-195 Lisboa Tel: 21 3243680 Fax: 21 3431600 1 ÍNDICE Página Índice 2 Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Período 2016

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Período 2016 Período 2016 L, SA 31 de Dezembro de 2016 Índice Demonstrações financeiras individuais para o período findo em Balanço Individual em. 5 Demonstração Individual dos Resultados em.. 6 Demonstração Individual

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE CAPÍTULO I. DEFINIÇÕES E DIVISÕES DA CONTABILIDADE 1 DEFINIÇÕES DE CONTABILIDADE 2 DIVISÕES DA CONTABILIDADE CAPÍTULO II. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS CONTABILÍSTICOS

Leia mais

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: LISBOA

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: LISBOA IES Informação Empresarial Simplificada DECLARAÇÃO ANUAL Ano Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente 0 6-I000-0-06-07

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística 1 Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 2 Sistema de Normalização Contabilística APRESENTAÇÃO do SNC ESTRUTURA CONCEPTUAL

Leia mais

Anexo 2016 ASSOCIAÇÃO GRÃO VASCO. Alameda Luís de Camões Escola Básica Grão Vasco Viseu Viseu NIPC:

Anexo 2016 ASSOCIAÇÃO GRÃO VASCO. Alameda Luís de Camões Escola Básica Grão Vasco Viseu Viseu NIPC: Anexo 2016 ASSOCIAÇÃO GRÃO VASCO Alameda Luís de Camões Escola Básica Grão Vasco Viseu 3500-149 Viseu NIPC: 513 711 694 CAE Principal 94991 Associação culturais e recreativas Viseu, 28 de março de 2017

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 )

CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 ) CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 ) 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS * 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros * 14 Outros 141

Leia mais

Contabilidade e Gestão Financeira

Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade Demonstrações Financeiras MESG - Mestrado Engenharia de Serviços e Gestão FEUP 2010 Rui Padrão Funções Património Passivo Eq. Fund. Factos patr. Inventário

Leia mais

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: GONDOMAR ERNESTO JESUINO MARTINS AUGUSTO

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: GONDOMAR ERNESTO JESUINO MARTINS AUGUSTO IES Informação Empresarial Simplificada DECLARAÇÃO ANUAL Ano Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente 0 468-I0060-8 0-06-

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B 20 Outubro de 2012 Duração da prova: 90 minutos 1º TESTE INTERMÉDIO Atenção

Leia mais

Centro Social Paroquial da Freguesia de Arões Anexo Março de 2015

Centro Social Paroquial da Freguesia de Arões Anexo Março de 2015 Centro Social Paroquial da Freguesia de Arões Anexo Março de 2015 Índice 1 Identificação da Entidade... 4 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 4 3 Principais Políticas

Leia mais

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008 08 BALANÇO & CONTAS em 31 Dezembro 2008 BALANÇO CÓDIGO DAS CONTAS ACTIVO Activo Bruto 2008 Amortizações e Ajustamentos Activo Líquido 2007 Activo Líquido IMOBILIZADO Imobilizações incorpóreas: 431 Despesas

Leia mais