Centro Social Paroquial de São Nicolau

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro Social Paroquial de São Nicolau"

Transcrição

1 Centro Social Paroquial de São Nicolau Anexo às Demonstrações Financeiras de Caracterização da entidade O Centro Social Paroquial de São Nicolau foi constituído em 1993 e tem a sua sede social na Rua de S. João, nº77/79, no Porto. A sua actividade consiste no apoio social, sem alojamento. Durante o exercício de 2015, dedicou-se exclusivamente a essa actividade com o CAE Referencial contabilístico 2.1. Base de Preparação Estas demonstrações financeiras foram preparadas de acordo com as disposições do Decreto-Lei Nº 36- A/2011 de 9 de Março que aprovou o Sistema de Normalização Contabilística para Entidades do Sector não Lucrativo (SNC-ESNL). A preparação das demonstrações financeiras em conformidade com o SNC requer o uso de estimativas, pressupostos e julgamentos críticos no processo da determinação das políticas contabilísticas a adoptar pelo Centro Social Paroquial de São Nicolau, com impacto significativo no valor contabilístico dos activos e passivos, assim como nos rendimentos e gastos do período de reporte. Apesar de estas estimativas serem baseadas na melhor experiência da Direcção e nas suas melhores expectativas em relação aos eventos e acções correntes e futuras, os resultados actuais e futuros podem diferir destas estimativas Indicação das contas de Balanço e de Demonstração dos Resultados cujos conteúdos não sejam comparáveis com os do exercício anterior Os valores do Balanço a 31 de Dezembro de 2015 e da Demonstração dos Resultados em 2015 são na íntegra comparáveis com os do exercício anterior Adopção pela primeira vez da NCRF O Centro Social Paroquial de São Nicolau adoptou o novo regime da Normalização Contabilística para Entidades do Sector Não Lucrativo (NC-ESNL), em 1 de Janeiro de Em 1 de Janeiro de 2015, a adopção de princípios e políticas contabilísticas de acordo com o novo normativo contabilístico não teve qualquer efeito, quer nos seus capitais próprios quer nos resultados líquidos do exercício. 3. Principais políticas contabilísticas 3.1. Base de apresentação As principais políticas de contabilidade aplicadas na elaboração das demonstrações financeiras são as que abaixo se descrevem. Estas políticas foram consistentemente aplicadas a todos os exercícios apresentados Fornecedores e outras contas a pagar As contas a pagar a fornecedores e outros credores, que não vencem juros, são registadas pelo seu valor nominal, que é substancialmente equivalente ao seu justo valor. 1

2 Activos fixos tangíveis Os activos fixos tangíveis encontram-se valorizados ao custo deduzido das depreciações acumuladas. Este custo inclui o custo de aquisição tanto à data de transição como para activos obtidos após aquela data. O custo de aquisição inclui o preço de compra do activo líquido de descontos e abatimentos, as despesas directamente imputáveis à sua aquisição e os encargos suportados com a preparação do activo para que se encontre na sua condição de utilização. Os custos subsequentes incorridos com renovações e grandes reparações, que façam aumentar a vida útil, ou a capacidade produtiva dos activos são reconhecidos no custo do activo. Os encargos com reparações e manutenção de natureza corrente são reconhecidos como um gasto do período em que são incorridos. O método de depreciação é o método da linha recta, a taxas calculadas para que o valor dos activos seja reintegrado durante a sua vida útil estimada. As vidas úteis dos activos são revistas em cada data de relato financeiro, para que as depreciações praticadas estejam em conformidade com os padrões de consumo dos activos. Alterações às vidas úteis são tratadas como uma alteração de estimativa contabilística e são aplicadas prospectivamente. Os ganhos ou perdas na alienação dos activos são determinados pela diferença entre o valor de realização e o valor contabilístico do activo, sendo reconhecidos na demonstração dos resultados Activos intangíveis Os activos fixos intangíveis encontram-se valorizados ao custo, deduzido das amortizações acumuladas. Este custo inclui o custo de aquisição tanto à data de transição como para activos obtidos após aquela data. O custo de aquisição inclui o preço de compra do activo líquido de descontos e abatimentos, as despesas directamente imputáveis à sua aquisição e os encargos suportados com a preparação do activo para que se encontre na sua condição de utilização. Estes activos só são reconhecidos desde que se tratem de activos não monetários e sem substância física dos quais se espere uma utilização que ultrapasse mais do que um período económico. Deve ser provável que deles advenham benefícios económicos futuros para a organização, sejam por si controláveis e se possa medir razoavelmente o seu valor. Os activos intangíveis são desreconhecidos quando alienados, totalmente amortizados ou quando dele não se esperem benefícios económicos pelo seu uso Rédito O Rédito é mensurado pela quantia da contraprestação acordada e contratada entre o Centro Social Paroquial de São Nicolau e os seus utentes, tomando em consideração a quantia de quaisquer descontos comerciais ou de quantidade concedidos. Os réditos associados à prestação de serviços são reconhecidos com referência à fase de acabamento da transacção e quando os custos inerentes à transacção são fiavelmente mensurados Activos e passivos Os activos e passivos aqui tratados referem-se aos decorrentes de relacionamentos contratuais de aquisição e venda de bens e serviços e de outros direitos e obrigações relacionados com a actividade económica da organização, designadamente clientes, fornecedores, financiamentos concedidos e obtidos, participações de capital, locações, seguros e outras contas a receber e a pagar relativas à sua actividade corrente, de financiamento e de investimento. O Centro Social Paroquial de São Nicolau classifica e mensura os seus activos e passivos ao custo, entendido este como a quantia nominal dos direitos e obrigações contratuais envolvidos. Para avaliar se um activo financeiro está ou não em imparidade, o Centro Social Paroquial de São Nicolau revê a sua quantia escriturada bem como procede à determinação da quantia recuperável e reconhece a diferença como uma perda por imparidade Pessoal ao serviço da empresa Em 31 de Dezembro de 2015, o Centro Social Paroquial de São Nicolau tinha 8 colaboradores. 2

3 Rendimentos e Gastos Os rendimentos e gastos são registados no período a que se referem, independentemente do seu pagamento ou recebimento, de acordo com o princípio contabilístico da especialização dos exercícios. As diferenças entre os montantes recebidos e pagos e os correspondentes réditos e gastos são reconhecidas como activos ou passivos, se qualificarem como tal Principais estimativas e julgamentos apresentados As estimativas e julgamentos com impacto nas demonstrações financeiras do Centro Social Paroquial de São Nicolau são continuamente avaliados, representando à data de cada relato a melhor estimativa da Direcção tendo em conta o desempenho histórico, a experiência acumulada e as expectativas sobre eventos futuros que, nas circunstâncias em causa, se acreditam serem razoáveis. A natureza intrínseca das estimativas pode levar a que o reflexo real das situações que haviam sido alvo de estimativa possam, para efeitos de relato financeiro, vir a diferir dos montantes estimados. 4. Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas contabilísticas e erros Não houve alteração nas estimativas contabilísticas nem foram detectados erros materiais em exercícios anteriores. 5. Activos fixos tangíveis Quantia escriturada e movimentos do período em activos fixos tangíveis [1] [2] [3] [4] [5] Quantia bruta escriturada inicial Depreciações acumuladas iniciais Perdas por imparidade acumuladas iniciais Quantia líquida escriturada inicial (1-2-3) Movimentos do período ( ) Terrenos e recursos naturais Edifícios e outras construções Equipamento básico Equipamento de transporte Equipamento administrativo Outros AFT 0, , , , , , ,04 0, , , , , , ,27 0,00 0, ,18 800,59 0, ,77 0, ,02-114, ,39 180,41 0, ,59 [5.1] Total das adições 0, ,52 270,60 0, ,12 Adições Aquisições em 1ª mão 0, ,52 270,60 0, ,12 Outras aquisições 0,00 Acréscimo por revalorização 0,00 Outras 0,00 [5.2] Total das diminuições 0, ,02 114, ,13 90,19 0, ,71 Diminuições Depreciações 0, ,02 114, ,13 90,19 0, ,71 [5.3] Perdas de imparidade 0,00 Alienações 0,00 Abates 0,00 Outras 0,00 Reversões de perdas por imparidade 0,00 [5.4] Transferências de AFT em curso 0,00 [5.5] Transferências de/para activos não correntes detidos para venda 0,00 [5.6] Outras transferências 0,00 [6] Quantia líquida escriturada final (4+5) 0, ,16 686, ,39 180,41 0, ,18 Total 3

4 6. Activos intangíveis Quantia escriturada e movimentos do período em activos intangíveis Goodwill Projectos de desenvolvimento Programas de computador Propriedade industrial Outros activos intangíveis Com vida útil finita: Quantia bruta escriturada inicial 610,08 610,08 Amortizações acumuladas iniciais 203,34 203,34 Perdas por imparidade acumuladas iniciais Total Quantia líquida escriturada inicial 406,74 406,74 Movimentos do período -203,34-203,34 Total das adições Aquisições em 1ª mão Aquisições através de concentrações de actividades empresariais Outras aquisições Trabalhos para a própria entidade 0,00 Acréscimo por revalorização Outras Total das diminuições 203,34 203,34 Amortizações 203,34 203,34 Perdas por imparidade Alienações Abates Outras Reversões de perdas por imparidade 0,00 Transferências de intangíveis em curso Transferências de/para activos não correntes detidos para venda Outras transferências Quantia líquida escriturada final 203,40 203,40 7. Inventários Apuramento do custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas Mercadorias Matérias primas, subsidiárias e de consumo Total [1] Inventários iniciais 0,00 [2] Compras 0, , ,73 [3] Reclassificação e regularização de inventários 0, , ,43 [4] Inventários finais 0,00 [5] Custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas ( ) 0, , ,16 8. Rédito Quantias dos réditos reconhecidas no período Período 2015 Período 2014 Réditos reconhecidos no período Proporção face ao total dos réditos reconhecidos no período Réditos reconhecidos no período Proporção face ao total dos réditos reconhecidos no período Venda de bens Prestação de serviços 4.573,50 94, ,35 70,24 Juros 258,75 5, ,75 29,76 Royalties Dividendos Totais 4.832,25 100, ,10 100,00 4

5 9. Subsídios do Governo Subsídios do governo e apoios do governo Subsídios do Estado e outros entes públicos Valor atribuído no período ou em períodos anteriores Valor imputado ao período Subsídios de outras entidades Valor atribuído no período ou em períodos anteriores Valor imputado ao período Subsídios relacionados com activos/ao investimento , ,81 - Activos fixos tangíveis: , ,81 Terrenos e recursos naturais Edifícios e outras construções , ,81 Equipamento básico Equipamento de transporte Equipamento administrativo Equipamentos biológicos Outros - Activos intangíveis: Projectos de desenvolvimento Programas de computador Propriedade industrial Outros - Outros activos Subsídios relacionados com rendimentos/à exploração , ,64 Valor dos reembolsos no período respeitantes a: - Subsídios relacionados com activos/ao investimento - Subsídios relacionados com rendimentos/à exploração 10. Instrumentos Informação relativa a activos e passivos Mensurados ao justo valor através de resultados Mensurados ao custo amortizado Mensurados ao custo Imparidade acumulada Activos : 1.718,36 0,00 - Clientes 583,00 0,00 - Adiantamentos a fornecedores - Accionistas/sócios - Outras contas a receber 1.135,36 0,00 - Activos detidos para negociação 0,00 - Outros activos Passivos : ,36 0,00 - Fornecedores ,46 0,00 - Adiantamentos de clientes - Accionistas/sócios - Financiamentos obtidos - Outras contas a pagar ,90 0,00 - Passivos detidos para negociação 0,00 - Outros passivos Ganhos e perdas líquidos reconhecidos de: - Activos - Passivos Total de rendimentos e gastos de juros em: - Activos 0,00 258,75 - Passivos 5

6 11. Benefícios dos empregados Pessoas ao serviço e horas trabalhadas Número médio de pessoas Número de horas trabalhadas Pessoas ao serviço da empresa, remuneradas e não remuneradas: - Pessoas REMUNERADAS ao serviço da empresa Pessoas NÃO REMUNERADAS ao serviço da empresa Pessoas ao serviço da empresa, por tipo de horário: - Pessoas ao serviço da empresa a TEMPO COMPLETO Pessoas ao serviço da empresa a TEMPO PARCIAL Pessoas ao serviço da empresa, por sexo: - Homens Mulheres Gastos com Pessoal Em 2015 Em 2014 Gastos com o pessoal , ,02 - Remunerações dos órgãos sociais - Remunerações do pessoal , ,66 - Indemnizações - Encargos sobre remunerações , ,77 - Seguros de acidentes de trabalho e doenças profissionais 1.379, ,59 - Gastos de acção social - Outros gastos com pessoal 601,00 500,00 - Gastos com formação 5 - Gastos com fardamento 12. Divulgações exigidas por outros diplomas legais A Direcção informa que a instituição não apresenta dívidas ao Estado nem à Segurança Social em situação de mora. Não são conhecidos a data quaisquer eventos subsequentes, com impacto nas Demonstrações Financeiras de 31 de Dezembro Outras informações Fornecimentos e Serviços Externos Em 2015 Em 2014 Fornecimentos e Serviços externos , ,97 Serviços especializados , ,50 - Trabalhos especializados 5.674, ,20 - Publicidade 863,43 0,00 - Vigilância e Segurança 675,71 829,46 - Honorários 700,00 600,00 - Comissões - Conservação e reparação , ,66 - Serviços Bancários 219,22 203,18 - Outros Materiais 2.513, ,55 Energia e fluidos 5.167, ,13 - Electricidade 3.318, ,53 - Combustíveis 913, ,69 - Água 935,87 794,91 - Outros Deslocações e estadas 596,70 550,96 Transporte de Mercadorias Rendas e alugueres 97,94 78,36 Comunicações 2.483, ,99 Seguros 1.768, ,10 Contencioso e notariado 32,50 0,00 Representação 0,00 103,32 Limpeza e Higiene 851, ,88 Outros Serviços 4.099, ,18 6

7 13.2. Outros Gastos e Rendimentos Outros Rendimentos e Ganhos Em 2015 Em 2014 Rendimentos suplementares Serviços sociais Aluguer de equipamento Estudos, projectos e assistência tecnológica Royalties Desempenho de cargos sociais noutras empresas Outros rendimentos suplementares 928, ,04 Totais 928, ,04 Descontos de pronto pagamento obtidos Recuperação de dívidas a receber 0,00 20,79 Ganhos em inventários Sinistros Sobras Outros ganhos Totais Rendimentos e ganhos em subsidiárias, Aplicação do método da associadas e empreendimentos conjuntos equivalência patrimonial Alienações Outros rendimentos e ganhos Totais Rendimentos e ganhos nos restantes activos Diferenças de câmbio favoráveis Alienações Outros rendimentos e ganhos Totais Rendimentos e ganhos em investimentos não Alienações Sinistros 0,00 912,90 Rendas e outros rendimentos em propriedades de investimento Outros rendimentos e ganhos Totais 0,00 912,90 Outros rendimentos e ganhos Correcções relativas a períodos anteriores Imputação de subsídios para investimentos 9.512, ,81 Restituição de impostos Excesso da estimativa para impostos Ganhos em outros instrumentos Outros não especificados Totais 9.512, ,81 Totais , ,54 7

8 Outros gastos e perdas Em 2015 Em 2014 Impostos Impostos directos Impostos indirectos Taxas 179,55 169,20 Totais 179,55 169,20 Descontos de pronto pagamento concedidos Dívidas incobráveis 0, ,87 Perdas em inventários Sinistros Quebras Outras perdas Totais Gastos e perdas em subsidiárias, associadas e empreendimentos conjuntos Cobertura de prejuízos Aplicação do método da equivalência patrimonial Alienações Outros gastos e perdas Totais Gastos e perdas nos restantes investimentos Cobertura de prejuízos Alienações Outros gastos e perdas Totais Rendimentos e ganhos em investimentos não Alienações Sinistros Abates Gastos em propriedades Outras gastos e perdas Totais Outros gastos e perdas Correcções relativas a períodos anteriores 0,00 0,28 Donativos * Quotizações 50,00 187,29 Ofertas e amostras de inventários Insuficiência da estimativa para impostos Perdas em instrumentos Outros não especificados Totais 50,00 187,57 Totais 229, ,64 A Direcção A Técnica Oficial de Contas 8

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS o m i s s ã o 1 MEIOS FINANEIROS LÍQUIDOS * 11 aixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Instrumentos financeiros * 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente desfavoráveis

Leia mais

Anexo III. Taxonomia M - SNC Microentidades. (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria)

Anexo III. Taxonomia M - SNC Microentidades. (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria) Anexo III Taxonomia M - SNC (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria) 1 11 Caixa 2 12 Depósitos à ordem 3 13 Outros depósitos bancários 4 14 Outros 5 211 Clientes - Clientes c/c 6 212 Clientes

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 213 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Fundação Comendador Joaquim de Sá Couto 1.2 Sede: Rua do Hospital, 7 4535 São

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE ATALAIA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE ATALAIA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2015 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação ÍNDICE 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 )

CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 ) CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 ) 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS * 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros * 14 Outros 141

Leia mais

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Relatório de Contas de 2015 Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A 2765-266 Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril 2765-266 Estoril

Leia mais

Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março O DecretoLei n.º 36A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para microentidades, prevendo a publicação, mediante portaria do membro do

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016)

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) Para: MICROENTIDADES Conta Descrição 11 CAIXA 111 Caixa 12 DEPÓSITOS Á ORDEM 1201 Banco A 13 OUTROS DEPÓSITOS BANCÁRIOS

Leia mais

Associação Social e Cultural Paradense - NIF:

Associação Social e Cultural Paradense - NIF: Conta Saldo 11. Caixa 12. Depósitos à Ordem 13. Outros Depósitos Bancários Total Da Classe 1 687,51 D 19.428,20 D 200.000,00 D 220.115,71 D 21. Clientes 22. Fornecedores 23. Pessoal 24. Estado e Outros

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2016

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2016 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 216 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DA MADEIRA

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DA MADEIRA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 Designação da entidade: Associação de Natação da Madeira; 1.2 Sede: Complexo de Natação Desportiva do Funchal, 9050-021 Funchal; 1.3 NIPC: 511205350; 1.4 Natureza da atividade:

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2016 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2016 (Montantes expressos em euros) Contas individuais 2016 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2016 E 31.12.2016... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2016 E 31.12.2015... 5 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 ========= FUNDAÇÃO PADRE LUIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 ========= BALANÇO EM 31/12/2016 BALANÇO EM 31/12/2016 Rubricas Activo NOTAS DATAS 31-12-2016 31-12-2015 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

CENTRO DE BEM ESTAR SOCIAL DE SEIXAS

CENTRO DE BEM ESTAR SOCIAL DE SEIXAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 Página 1 de 7 1 - Identificação da entidade O Centro de Bem Estar Social de Seixas é uma instituição particular de solidariedade social, constituída

Leia mais

BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015)

BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015) RUBRICAS BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015) NOTAS Demonstrações Financeiras Montantes expressos em EURO PERÍODOS 2015 2014 ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 4 236.628,46 246.515,69

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Federação Portuguesa de Aeromodelismo

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Federação Portuguesa de Aeromodelismo ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Federação Portuguesa de Aeromodelismo Exercício de 215 Página 1 Caracterização da entidade FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AEROMODELISMO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ESCLEROSE MÚLTIPLA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS Activo 31-12-2015 31-12-2014 Activo não

Leia mais

Fundação Gaspar e Manuel Cardoso I.P.S.S. Instituição Particular de Solidariedade Social Sem Fins Lucrativos

Fundação Gaspar e Manuel Cardoso I.P.S.S. Instituição Particular de Solidariedade Social Sem Fins Lucrativos INDICE INDICE... 1 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO... 3 2 REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 4 2.1 Demonstrações Financeiras... 4 3 PRINCIPAIS POLÍTICAS DE CONTABILIZAÇÃO...

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= FUNDAÇÃO PADRE LUIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas Ativo NOTAS DATAS 31-12-2015 31-12-2014 Ativo não corrente Ativos fixos tangíveis

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros) ASSOCIAÇÃO PARA O ESTUDO E INTEGRAÇÃO PSICOSSOCIAL CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS

Leia mais

1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 121 Banco On-Line 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141

1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 121 Banco On-Line 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 121 Banco On-Line 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

ANEXO (SNC Entidades do Sector Não Lucrativo)

ANEXO (SNC Entidades do Sector Não Lucrativo) ANEXO (SNC Entidades do Sector Não Lucrativo) 1 Identificação da entidade:...2 2 Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras...2 3 Principais políticas contabilísticas:...2 4

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DO PORTO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DO PORTO BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS 31-12-2015 31-12-2014 Activo

Leia mais

3.1.Bases de mensuração usadas na preparação das DFs

3.1.Bases de mensuração usadas na preparação das DFs 1.Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2013 INTRODUÇÃO A empresa ERNESTO JESUINO MARTINS AUGUSTO, NIF.163479127, é um empresário em nome individual tendo sede em Fânzeres, tendo como actividade principal

Leia mais

BALANÇO E CONTAS 2014

BALANÇO E CONTAS 2014 Fundação Manuel Leão BALANÇO E CONTAS 2014 Versão provisória Balanço - (modelo para ME) em 31-12-2014 (montantes em euros) RUBRICAS DATAS NOTAS 2014 2013 ATIVO Ativo não corrente Ativos fixos tangíveis

Leia mais

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2015

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2015 Exercício 2015 Monteiro & Guimarães, Lda Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 4 Demonstração dos Resultados Individuais em 5 Anexo 1. Nota introdutória...

Leia mais

Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Angra do Heroísmo

Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Angra do Heroísmo DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2015 ART Associação Regional de Turismo Contribuinte n.º 510 648 630 Sede Social: Rua da Palha, 32 Fundo Social: 375.000 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS ENTREGUE PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS NÚCLEO DE ORÇAMENTO DAS ANO DE 2015 E CONTAS DE IPSS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DENOMINAÇÃO: CENTRO DE BEM ESTAR SOCIAL DE SEIXAS

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2011

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2011 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2011 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade CASFIG Coordenação de Âmbito Social

Leia mais

Índice 1 Identificação da Entidade 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demostrações Financeiras 3 Principais Politicas Contabilísticas 4 Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2014

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2014 Centro Paroquial e Social de Calheiros RUBRICAS BALANÇO INDIVIDUAL Dezembro 2014 NOTAS Montantes expressos em EURO PERÍODOS 2014 2013 ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 279.778,88 285.103,71

Leia mais

NISS PARECER DO CONSELHO FISCAL. DATA DECISÃO Favorável RESPOSTAS SOCIAIS COMPARTICIPADAS COM ACORDO COOPERAÇÃO N.º MÉDIO UTENTES

NISS PARECER DO CONSELHO FISCAL. DATA DECISÃO Favorável RESPOSTAS SOCIAIS COMPARTICIPADAS COM ACORDO COOPERAÇÃO N.º MÉDIO UTENTES DGCF IDENTIFICAÇÃO IPSS DESIGNAÇÃO Lar Luísa Canavarro NIPC 502050411 NISS 20004445167 MORADA DA SEDE Rua de S. Brás, nº 293, 4000-495 Porto DADOS ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO 2017 VERSÃO Inicial PARECER DO

Leia mais

Relatório de Gestão e Contas 31 de Dezembro de 2015

Relatório de Gestão e Contas 31 de Dezembro de 2015 Relatório de Gestão e Contas -2- SCM Sernancelhe Relatório & Contas Relatório & Contas Índice Relatório de Gestão...4 Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual

Leia mais

Designação da entidade: Associação Para o Desenvolvimento de Lagares Sede social: Avenida das Portelas, Lagares - Penafiel

Designação da entidade: Associação Para o Desenvolvimento de Lagares Sede social: Avenida das Portelas, Lagares - Penafiel 1. Identificação da entidade 1.1. Dados de identificação Designação da entidade: Associação Para o Desenvolvimento de Lagares Sede social: Avenida das Portelas, 127 4560-182 Lagares - Penafiel Natureza

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

Anexo. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Montantes expressos em Euros)

Anexo. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Montantes expressos em Euros) Anexo 31 de Dezembro de 2015 NOTA INTRODUTÓRIA As demonstrações financeiras abrangem o período compreendido entre 1 de Janeiro de 2015 a 31 de Dezembro de 2015. As notas que se seguem respeitam a ordem

Leia mais

TOTAL DO ACTIVO , ,68

TOTAL DO ACTIVO , ,68 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2015 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BALLANÇO:: PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2015 ACTIVO NÃO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE LUDOTECAS DO PORTO Rua Alcaide Faria (Antiga Escola de Aldoar) * Porto VERSÃO PARECER DO CONSELHO FISCAL

ASSOCIAÇÃO DE LUDOTECAS DO PORTO Rua Alcaide Faria (Antiga Escola de Aldoar) * Porto VERSÃO PARECER DO CONSELHO FISCAL DGCF IDENTIFICAÇÃO IPSS DESIGNAÇÃO NIPC MORADA DA SEDE ASSOCIAÇÃO DE LUDOTECAS DO PORTO 501893326 NISS 20004479611 Rua Alcaide Faria (Antiga Escola de Aldoar) * 4100-354 Porto DADOS ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO

Leia mais

erasa Relatório de Execução Orçamental

erasa Relatório de Execução Orçamental erasa Relatório de Execução Orçamental 2011 Índice 1. Sumário Executivo... 3 2. Análise da Execução Orçamental... 3 2.1 Execução da Receita por Rubricas... 4 2.2 Execução da Despesa por Rubricas... 6 3.

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008 TRABALHO 1 Enunciado (PARTE 1) Só uma alínea do grupo está correcta, inteiramente correcta, ou mais correcta. Refira qual e apresente nota justificativa sumária no anexo para resolução. 1 Em Portugal,

Leia mais

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE (Montantes expressos em euros) ÍNDICE Páginas 1. Nota introdutória 2 2. Referencial contabilístico de preparação nas demonstrações financeiras 2 3. Principais políticas contabilísticas 2 4. Políticas contabilísticas,

Leia mais

CONTAS INDIVIDUAIS 2015

CONTAS INDIVIDUAIS 2015 CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 3 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

Demonstrações Financeiras Individuais

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2013 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em...3 Demonstração de Resultados Individuais em........4 Demonstração de Fluxos de Caixa Individuais

Leia mais

Relatório e Contas. Referente. Ao exercício económico De

Relatório e Contas. Referente. Ao exercício económico De Relatório e Contas Referente Ao exercício económico De 2015 1 1 Demonstração Resultados 2 - Demonstração Resultados por Valências 3 Balanço 4 Demonstração Fluxos Caixa 5 Anexo ao Balanço 2 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2016

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2016 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2016 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ANEXO (modelo reduzido)

ANEXO (modelo reduzido) ANEXO (modelo reduzido) O presente documento não constitui um formulário relativo às notas do Anexo, mas tão só uma compilação das divulgações exigidas nos diversos capítulos que integram a NCRF-PE. Assim,

Leia mais

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 2015-2016 UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Gestão e Economia Data: 2015-10-29 Licenciatura em

Leia mais

MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação constante nas folhas "INVESTIMENTOS", "GASTOS" e "RENDIMENTOS"

MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação constante nas folhas INVESTIMENTOS, GASTOS e RENDIMENTOS Presidência do Conselho de Ministros Secretaria de Estado do Desporto e Juventude Instituto Português do Desporto e Juventude, I. P. MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação

Leia mais

BALANÇO DO ANO DE 2014

BALANÇO DO ANO DE 2014 BALANÇO DO ANO DE 214 ACTIVO--------------------------------------------1.739.223 Activo não corrente ------------------------------ 1.447.599 Activos fixos tangíveis Activos fixos tangíveis é o termo

Leia mais

Taxonomias e Plano de Contas

Taxonomias e Plano de Contas Taxonomias e Plano de Contas Julho de 2017 Nota: qualquer dúvida ou sugestão poderá ser colocada através da sua Pasta CC Taxonomias e Plano de Contas A Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC) é o órgão

Leia mais

Associação da Quinta do Rezende ANEXO

Associação da Quinta do Rezende ANEXO 2014 Associação da Quinta do Rezende ANEXO. Índice Anexo... 3 1. Identificação da Entidade... 3 2. Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 3 3. Principais Políticas Contabilísticas...

Leia mais

B A L A N Ç O. Segurajuda - Corretores de Seguros, Lda Data:

B A L A N Ç O. Segurajuda - Corretores de Seguros, Lda Data: B A L A N Ç O Activo Não Corrente RUBRICAS NOTAS 31-Dez-2011 31 Dez 2010 Activos fixos tangíveis... 26.116,39 36.524,44 Activos intangíveis... 17.500,00 17.500,00 Activo Corrente Estado e outros entes

Leia mais

Centro Social Paroquial da Freguesia de Arões Anexo Março de 2015

Centro Social Paroquial da Freguesia de Arões Anexo Março de 2015 Centro Social Paroquial da Freguesia de Arões Anexo Março de 2015 Índice 1 Identificação da Entidade... 4 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 4 3 Principais Políticas

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Período 2016

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Período 2016 Período 2016 L, SA 31 de Dezembro de 2016 Índice Demonstrações financeiras individuais para o período findo em Balanço Individual em. 5 Demonstração Individual dos Resultados em.. 6 Demonstração Individual

Leia mais

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: LISBOA

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: LISBOA IES Informação Empresarial Simplificada DECLARAÇÃO ANUAL Ano Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente 0 6-I000-0-06-07

Leia mais

Taxonomias e Plano de Contas

Taxonomias e Plano de Contas Taxonomias e Plano de Contas Julho de 2017 Nota: qualquer dúvida ou sugestão poderá ser colocada através da sua Pasta CC Taxonomias e Plano de Contas A Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC) é o órgão

Leia mais

CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS ANO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTAR

CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS ANO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTAR CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS ANO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTAR CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS 1.º Orçamento anual Revisão Orçamental

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras - EM DIÁLOGO-ASSOC. PARA DESENV. SOCIAL P. LANHOSO 2015 ANEXO

Anexo às Demonstrações Financeiras - EM DIÁLOGO-ASSOC. PARA DESENV. SOCIAL P. LANHOSO 2015 ANEXO ANEXO 2015 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação EM DIÁLOGO-ASSOC. PARA DESENV. SOCIAL P. LANHOSO Morada LUGAR DE SANTRIL - MONSUL, - Código postal 4830-421 Localidade MONSUL PVL DADOS DA ENTIDADE Número

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL. ( Art. 42º da Lei Nº.50/2012 de 31 de Agosto )

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL. ( Art. 42º da Lei Nº.50/2012 de 31 de Agosto ) INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL ( Art. 42º da Lei Nº.50/2012 de 31 de Agosto ) 2 0 14 ORÇAMENTO PREVISIONAL EXERCICIO DE 2014 Senhores Acionistas Excelentíssima Câmara Municipal de Olhão Nos termos

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ENTIDADE: ART - Associação Regional de Turismo dos Açores SEDE: Angra do Heroísmo N.º DE

Leia mais

Taxonomias e Plano de Contas

Taxonomias e Plano de Contas Taxonomias e Plano de Contas Julho de 2017 Nota: qualquer dúvida ou sugestão poderá ser colocada através da sua Pasta CC Taxonomias e Plano de Contas A Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC) é o órgão

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015

Anexo às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Anexo às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 NOTA INTRODUTÓRIA NOTA 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE A ASSOCIAÇÃO FILHOS DO CORAÇÃO é uma IPSS constituída a 05-06-2012, com sede em Rua Almeida

Leia mais

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS NOTA INTRODUTÓRIA A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ermesinde (Instituição de Utilidade Pública), também denominada Bombeiros Voluntários de Ermesinde tem como objectivo principal manter

Leia mais

ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015

ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015 ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA DEMONSTRAÇÃO DAS ALTERAÇÕES NOS FUNDOS PATRIMONIAIS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Contas de 2015 Centro Social e Paroquial de Perosinho

Contas de 2015 Centro Social e Paroquial de Perosinho Contas de 2015 Centro Social e Paroquial de Perosinho Balanço Centro Social e Paroquial de Perosinho Centro Social e Paroquial de Perosinho Balanço Período findo em 31 de Dezembro de 2015 Rendimentos e

Leia mais

8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados

8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados e sem prejuízo do legalmente estabelecido,

Leia mais

A aplicação da Normalização Contabilística para as Microentidades - NCM

A aplicação da Normalização Contabilística para as Microentidades - NCM Normalização Contabilística: Presente e Futuro - CNC A aplicação da Normalização Contabilística para as Microentidades - NCM Carlos Martins Lisboa, 15 de Dezembro de 2011 ÍNDICE Enquadramento e alguns

Leia mais

Centro de Apoio Social de Souselas. Anexo

Centro de Apoio Social de Souselas. Anexo cass Centro de Apoio Social de Souselas Anexo Índice 1 Identificação da Entidade... 3 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 3 3 Principais Políticas Contabilísticas...

Leia mais

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A.

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A. BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A. Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2011 BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, SA Demonstrações Financeiras Individuais 31 de Dezembro de 2011 Índice Demonstrações financeiras

Leia mais

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Balanço CURPI SÃO JOÃO DA TALHA BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 RUBRICAS

Leia mais

Demonstração dos Resultados por Naturezas

Demonstração dos Resultados por Naturezas Demonstração dos Resultados por Naturezas Período findo em 31 de Dezembro de 2015 PERÍODOS RENDIMENTOS E GASTOS NOTAS 2015 2014 Variância Vendas e serviços prestados 951.735,35 940.108,95 1,24% Subsídios,

Leia mais

Centro Social de Figueiró do Campo Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro 2015

Centro Social de Figueiró do Campo Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro 2015 Centro Social de Figueiró do Campo Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro 2015 BALANÇO A 31/12/2015 RUBRICAS 2015 2014 ACTIVO Activo não corrente Activos fixos tangíveis 1.070.124,56 1.076.316,75 Bens

Leia mais

Relatório de Execução Orçamental

Relatório de Execução Orçamental Erasa Relatório de Execução Orçamental 1º Semestre 2012 Índice 1. Sumário Executivo... 3 2. Execução da Receita por Rubricas... 4 3. Execução da Despesa por Rubricas... 5 4. Anexos... 7 4.1 Balanço 30

Leia mais

Regras de utilização. Principais regras de utilização:

Regras de utilização. Principais regras de utilização: Regras de utilização Para a melhor utilização do presente modelo o empreendedor deverá dominar conceitos básicos de análise económica e financeira ou, não sendo esse o caso, deve explorar as potencialidades

Leia mais

Anexo 2016 ASSOCIAÇÃO GRÃO VASCO. Alameda Luís de Camões Escola Básica Grão Vasco Viseu Viseu NIPC:

Anexo 2016 ASSOCIAÇÃO GRÃO VASCO. Alameda Luís de Camões Escola Básica Grão Vasco Viseu Viseu NIPC: Anexo 2016 ASSOCIAÇÃO GRÃO VASCO Alameda Luís de Camões Escola Básica Grão Vasco Viseu 3500-149 Viseu NIPC: 513 711 694 CAE Principal 94991 Associação culturais e recreativas Viseu, 28 de março de 2017

Leia mais

Centro Social das Antas. Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015

Centro Social das Antas. Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Centro Social das Antas Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Centro Social das Antas Balanço Individual em 31 de Dezembro de 2015 ACTIVO Activo não corrente Valores expressos em euros Notas

Leia mais

Centro Social e Paroquial de São Tomás de Aquino. Relatório e Contas relativo ao exercício de 2015

Centro Social e Paroquial de São Tomás de Aquino. Relatório e Contas relativo ao exercício de 2015 Centro Social e Paroquial de São Tomás de Aquino Relatório e Contas relativo ao exercício de 205 3 de Março de 206 BALANÇO DO EXERCÍCIO FINDO EM 3 DE DEZEMBRO DE 205 RUBRICAS NOTAS 3/dez/5 DATAS 3/dez/4

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010 Resumo Antes de discriminar em pormenor as várias rubricas deste mapa, saliente-se a diferença positiva entre os valores activos e passivos, como se pode constatar dos valores abaixo discriminados: ACTIVO

Leia mais

RELATORIO E CONTAS DE 2016

RELATORIO E CONTAS DE 2016 RELATORIO E CONTAS DE 2016 PROGREDIR-ASSOCIAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO RURAL DO MARÃO OCIDENTAL Rua Conselheiro António Cândido N.º 3 4600-552 Candemil Amarante Índice Balanço... 2 Demonstração dos Resultados

Leia mais

ÍNDICE. Caracterização da ANMP e sua actividade 3. Análise económico-financeira 5. Anexo ao Balanço e ás Demonstrações Financeiras 14.

ÍNDICE. Caracterização da ANMP e sua actividade 3. Análise económico-financeira 5. Anexo ao Balanço e ás Demonstrações Financeiras 14. ÍNDICE Caracterização da ANMP e sua actividade 3 Análise económico-financeira 5 Anexo ao Balanço e ás Demonstrações Financeiras 14 Balanço 22 Demonstração de Resultados 23 Demonstração de Fluxos de Caixa

Leia mais

Balancete Geral Resultados / 2014

Balancete Geral Resultados / 2014 1 de 6 11 Caixa 12.203,83 10.203,15 2.000,68 111 Caixa - Sede 12.203,83 10.203,15 2.000,68 12 Depósitos à ordem 1.376.542,59 1.226.212,03 150.330,56 121 Caixa Geral de Depositos 472693029 1.249.720,44

Leia mais

Demonstrações Financeiras Intercalares. Para o período de seis meses findo em 30 de Junho de 2017

Demonstrações Financeiras Intercalares. Para o período de seis meses findo em 30 de Junho de 2017 Demonstrações Financeiras Intercalares Para o período de seis meses findo em 30 de Junho de 2017 2017 Índice Demonstração dos resultados Balanço Demonstração das alterações dos capitais próprios Demonstração

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE CAPÍTULO I. DEFINIÇÕES E DIVISÕES DA CONTABILIDADE 1 DEFINIÇÕES DE CONTABILIDADE 2 DIVISÕES DA CONTABILIDADE CAPÍTULO II. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS CONTABILÍSTICOS

Leia mais

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde)

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde) BALANÇOS Activo Imparidade Activo Activo Notas bruto e amortizações líquido líquido PASSIVO E CAPITAL PRÓPRIO Notas Caixa e disponibilidades em bancos centrais 3 9.726.629-9.726.629 5.862.769 Recursos

Leia mais

ANEXO. Nota prévia: As notas do Anexo são apresentadas de forma sistemática, não sendo incluídas as notas consideradas como não aplicáveis

ANEXO. Nota prévia: As notas do Anexo são apresentadas de forma sistemática, não sendo incluídas as notas consideradas como não aplicáveis ANEXO Nota prévia: As notas do Anexo são apresentadas de forma sistemática, não sendo incluídas as notas consideradas como não aplicáveis 1 Identificação da entidade: 1.1 Designação da entidade: Centro

Leia mais

1.º Orçamento anual. Revisão Orçamental. Natureza Jurídica IPSS. Resposta Social. 110 Casa de Repouso de Donim Casa de Repouso de S.

1.º Orçamento anual. Revisão Orçamental. Natureza Jurídica IPSS. Resposta Social. 110 Casa de Repouso de Donim Casa de Repouso de S. CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS 1.º Orçamento anual ANO 2016 Revisão Orçamental NISS 20007607253 DADOS INSTITUIÇÃO Nome SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE GUIMARÃES NIPC 500 839

Leia mais

Tópicos - Concentrações de actividades empresariais Método de Equivalência Patrimonial (Introdução à) Consolidação de Contas

Tópicos - Concentrações de actividades empresariais Método de Equivalência Patrimonial (Introdução à) Consolidação de Contas Tópicos - Concentrações de actividades empresariais Método de Equivalência Patrimonial (Introdução à) Consolidação de Contas NCRF14 Concentrações de actividades empresariais Definições ( 9) Concentração

Leia mais

Centro Social e Paroquial de São Tomás de Aquino. Relatório e Contas relativo ao exercício de 2014

Centro Social e Paroquial de São Tomás de Aquino. Relatório e Contas relativo ao exercício de 2014 Centro Social e Paroquial de São Tomás de Aquino Relatório e Contas relativo ao exercício de 204 3 de Março de 205 BALANÇO DO EXERCÍCIO FINDO EM 3 DE DEZEMBRO DE 204 RUBRICAS NOTAS 3/Dez/4 DATAS 3/Dez/3

Leia mais

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves José Eduardo Mendonça S. Gonçalves Contribuições dos sócios 51 Capital * Nota: para efeitos de apresentação no Balanço, deduzir saldos das contas: 261 Accionistas c/ subscrição * 262 Quotas não liberadas

Leia mais

ANEXO I - CLASSIFICAÇÃO DAS LOCAÇÕES

ANEXO I - CLASSIFICAÇÃO DAS LOCAÇÕES ANEXO I - CLASSIFICAÇÃO DAS LOCAÇÕES 1. Para que uma locação seja classificada como locação financeira, existe um conjunto de situações/indicadores mais relevantes que, individualmente ou em combinação,

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2016 Identificação da Declaração: Data da recepção: 19/06/2017 1. Identificação da Instituição Nome: UNIÃO DISTRITAL DE VISEU DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 1.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2008/09 Data: 3 de Junho de 2009 Início: 8h30m Duração: 2h00m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

Alterações ao SNC Breve Síntese

Alterações ao SNC Breve Síntese Alterações ao SNC 2016 - Breve Síntese A publicação do Decreto-Lei n.º 98/2015 transpõe para o ordenamento jurídico interno a Directiva Europeia de Contabilidade, que em conjunto com a publicação das Portarias

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 1.º semestre 2008/09 Data: 24 de Janeiro de 2009 Início: 11h30m Duração: 2h00m Cotação e tempo esperado de

Leia mais

Centro Social para o Desenvolvimento do Sobralinho

Centro Social para o Desenvolvimento do Sobralinho Anexo às Demonstrações Financeiras Exercício de 2015 Índice 1. Identificação da Entidade... 3 2. Referencial Contabilístico... 3 3. Principais Políticas Contabilísticas... 4 3.1. Bases de Apresentação...

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço BALANÇO DOS EXERCÍCIOS 2014 E 2013 ACTIVO Notas Activo Bruto Amortizações / Provisões Activo Líquido Activo Líquido IMOBILIZADO: Imobilizações incorpóreas: Despesas de instalação

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em Euros)

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em Euros) NOTA INTRODUTÓRIA Federação Portuguesa de Desporto para Pessoas com Deficiência, tem por objecto promover o desporto em todas as áreas de deficiência, tem a sua sede na Rua Presidente Samora Machel, Lote

Leia mais

ANEXO EXERCÍCIO FINDO EM

ANEXO EXERCÍCIO FINDO EM 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE ANEXO EXERCÍCIO FINDO EM 31.12. 2015 A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S.JOÃO DA MADEIRA é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), com sede social na Rua Manuel

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS Conselho Distrital de Évora - Delegação de Beja

ORDEM DOS ADVOGADOS Conselho Distrital de Évora - Delegação de Beja ORDEM DOS ADVOGADOS Conselho Distrital de Évora - Delegação de Beja PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA 2016 DESPESAS CORRENTES Serviços especializados 0,00 Trabalhos especializados Publicidade e propaganda (divulgação

Leia mais