BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015)"

Transcrição

1

2 RUBRICAS BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015) NOTAS Demonstrações Financeiras Montantes expressos em EURO PERÍODOS ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis , ,69 Propriedades de investimento... Activos intangíveis. Investimentos Financeiros.. Fundadores/beneméritos/patrocinadores/doadores/associados , ,69 Activo corrente: Inventários 5 545,88 571,50 Clientes. Adiantamentos a fornecedores Estado e outros entes públicos. 11 Fundadores/beneméritos/patrocinadores/doadores/associados Outras contas a receber 3.160,80 Diferimentos ,25 598,73 Activos financeiros detidos para negociação Outros activos financeiros Caixa e depósitos bancários , , , ,84 Total do Activo , ,53 RUBRICAS NOTAS PERÍODOS Fundos Patrimoniais: FUNDOS PATRIMONIAIS E PASSIVO Fundos , ,74 Excedentes Tecnicos.... Reservas... Resultados transitados , ,15 Excedentes de revalorização Outras variações nos fundos patrimoniais , , , ,69 Resultado líquido do período , ,24 Total do fundo de capital , ,93 Passivo Passivo não corrente: Financiamentos obtidos ,71 Outras contas a pagar... Passivo corrente: 1.785,71 Fornecedores , ,73 Estado e outros entes públicos , ,19 Fundadores/beneméritos/patrocinadores/doadores/associados Financiamentos Obtidos... Diferimentos , ,69 Outras contas a pagar , ,28 Outros passivos financeiros , ,89 Total do passivo , ,60 Total dos Fundos Patrimoniais e do Passivo , ,53 2

3 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS POR NATUREZAS Valências Agregadas RUBRICAS (em 31 de Dezembro de 2015) NOTAS Montantes expressos em EURO PERÍODOS RENDIMENTOS E GASTOS Vendas e serviços prestados , ,20 Subsídios à exploração , ,91 Ganhos/perdas imputados de subsidiárias, associadas e empreendimentos conjuntos... Variação nos inventários da produção... Trabalhos para a própria entidade... Custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas... 5 (28.903,03) (28.693,35) Fornecimentos e serviços externos (21.875,27) (20.666,28) Gastos com o pessoal... 9 (71.800,15) (65.228,67) Imparidade de inventários (perdas/reversões)... Imparidade de dívidas a receber (perdas/reversões)... Provisões (aumentos/reduções)... Imparidade de investimentos não depreciáveis/amortizáveis (perdas/reversões)... Aumentos/reduções de justo valor... Outros rendimentos e ganhos , ,70 Outros gastos e perdas (436,13) (542,10) Resultados antes de depreciações, gastos de financiamento e impostos , ,41 Gastos/reversões de depreciação e de amortização... 4,14 (9.887,23) (9.940,77) Imparidade de investimentos depreciáveis/amortizáveis (perdas/reversões)... Resultado operacional (antes de gastos de financiamento e impostos) 5.275, ,64 Juros e rendimentos similares obtidos... Juros e gastos similares suportados (13,40) (211,40) Resultado antes de impostos 5.262, ,24 Imposto sobre o rendimento do período... Resultado líquido do período 5.262, ,24 3

4 . Anexo ao Balanço e Demonstração de resultados de 2015 (montantes expressos em Euros) 1. Identificação da entidade: Designação da entidade: Associação Social, Cultural Recreativa e Desportiva de Parada do Pinhão Sede: Parada do Pinhão Natureza da Actividade: Actividades de apoio social e domiciliário para pessoas idosas. 2. Referencial Contabilístico de preparação das demonstrações financeiras As demonstrações financeiras apresentadas foram preparadas de acordo com o Regime de Normalização Contabilística para Entidades do Sector Não Lucrativo (ESNL) Decreto Lei nº 36- A/2011, de 9 de Março. 3. Principais Politicas Contabilísticas As demonstrações Financeiras foram preparadas no pressuposto da continuidade das operações, a partir dos registos contabilísticos, mantidos de acordo com as Normas Contabilísticas de Relato Financeiro (NCRF) em vigor à data da elaboração das demonstrações financeiras. a) Activos Fixos Tangíveis Os activos fixos tangíveis foram registados com IVA incluído por este não ser dedutível. Durante o ano não foi efectuada qualquer aquisição. As depreciações dos activos fixos tangíveis são calculadas segundo o método das quotas constantes, utilizando-se para o efeito as taxas máximas no Decreto Regulamentar 2/90 de 12 de Janeiro, e no Decreto Regulamentar 25/2009, de 14 de Setembro, que se consideram representarem satisfatoriamente a vida útil estimada dos bens. O processo de depreciação inicia-se no começo do exercício em que o respectivo bem entrou em funcionamento. b) Reditos O Redito compreende o justo valor da venda de bens e serviços, líquidos de impostos. 4

5 c) Subsídios Os subsídios recebidos são considerados como rendimentos do exercício, para balancear com os gastos que é suposto compensarem. d) Activos e Passivos financeiros Caixa e Depósitos Bancários Os montantes incluídos na rubrica caixa e Depósitos Bancários correspondem aos valores em caixa e depósitos Bancários imediatamente realizáveis. Fornecedores e outras contas a pagar As contas de fornecedores e outros terceiros são registadas pelo seu valor nominal, evidenciam o valor total das dívidas a 31 de Dezembro de Activos Fixos Tangíveis Os movimentos ocorridos nas contas de activos fixos tangíveis, bem como nas depreciações acumuladas, durante o ano de 2015, foi o seguinte: Activos Brutos Terrenos e Recursos Naturais Edifícios e Outras Construções Equipamento Básico Equipamento de Transporte Equipamento Administrativo Outros Activos fixos Tangíveis Investimentos em Curso Total Saldo Inicial , , , , ,89 326, ,76 Adições Alienações/Abates Saldo Final , , , , ,89 326, ,76 Depreciações Acumuladas Saldo Inicial , , , ,20 326, ,07 Reforços 7.565, ,55 17, ,23 Reduções Saldo Final , , , ,10 326, ,30 Valor Liquido , , ,77 0,00 483,79 0, ,46 5. Inventarios A Quantia de inventários reconhecida como um gasto durante o período findo em 31 de Dezembro de 2015, detalha-se conforme se segue: Quantias de inventários reconhecidas como gastos durante o período Mercadorias Matérias Primas, Subsidiarias e de consumo Totais Inventários no começo do período 571,50 571,50 Compras , ,91 Regularizações 1.987, ,50 Inventários no fim do período 545,88 545,88 Custo das mercadorias vendidas e matérias consumidas , ,03 5

6 6. Reditos Quantia de cada categoria de redito reconhecida durante o ano de 2015: PRESTACOES DE SERVICOS , ,20 Quotas e Mensalidades dos Utentes Mensalidades Apoio Domiciliário , ,20 Quotizações e Joias 562,00 Serviços Secundários Motocross - Inscrições 1.200,00 Viagem ao Minho 860,00 7. Subsídios, doações e legados à exploração Quantia de cada categoria de reditos reconhecida durante o ano de 2015: Conta Descrição Ano Inicio Utilização Valor total por Valores Anuais das depreciações Saldo Valor Liq. Invest.º do empreendim 1º ao 5º ano 6º ao 10º ano 11º ao 50º ano Movimentos do Ano Saldo Valor Liq. Ano N-1 Conta 7883 Ano N 593 Subsidios 5931 PIDDAC , , , , , , ,35 Totais , , , , , , ,35 Relação dos subsídios Obtidos Subsídios do estado e outros entes Subsídios do estado e outros entes Entidade concedente ISS, IP Quantias concedidas Objectivo do incentivo Já recebidas Por receber Total Acordos de cooperação Compart. Ap. Domiciliário Subsídios à Exploração ,67 0, , ,67 IEFP, IP Medida CEI ,57 0, , ,86 Donativos Diversos 1.922, , ,09 Doação de Bens Alimentares 2.062, , ,54 Totais ,87 0, , ,87 8. Instrumentos Financeiros Activos e Passivos correntes Em 31 de Dezembro de 2015 e 31 de Dezembro de 2014, as rubricas de Clientes, fornecedores, outras contas a receber e a pagar apresentavam a seguinte composição: Activos Outras contas a receber 0, ,80 Caixa e depósitos bancários , ,81 Total , Passivos Fornecedores 3.529, ,73 Financiamentos obtidos 0, ,71 Outras contas a pagar 4.442, ,28 Saldo Final 7.971, ,72 6

7 Outras Contas a Receber Outras devedores e Credores 0, ,80 IEFP, IP 3.160,80 Caixa e Depósitos bancários Caixa e Depósitos Bancários Activos , ,81 Caixa 693, ,10 Depósitos à Ordem , ,71 Fornecedores Fornecedores 3.529, ,73 Coelho & Dias, S. A. 892,60 482,80 Padaria Fernandes & Fernandes, Lda 234,78 271,71 ThyssenKrupp Elevadores, S.A. 503,97 Meigal Alimentação, S. A. 757, ,80 Ângelo José Gonçalves da Cunha 609,87 735,85 Armazéns da Santa - Mercearias, Lda 501,70 924,42 Renort Correia, Silva & Pureza, Lda 341,98 Chemeco Comercio de Productos Quimicos 72,03 Diversos 28,89 50,14 Financiamentos Obtidos Empréstimos Bancarios 0, ,71 Caixa Geral de Depositos 1.785,71 Outras Contas a Pagar Outras contas a Pagar 4.442, ,28 Remunerações a Pagar 4.055, ,39 Penhora devencimentos 386,56 29,89 7

8 9. Benefícios dos Empregados A Distribuição dos gastos com pessoal durante o exercício, foi o seguinte: Gastos com Pessoal Remunerações do Pessoal Remunerações certas , ,23 Subsidio de Ferias 4.521, ,62 Subsidio de Natal 4.037, ,62 Subsidio de Alimentação Medidas IEFP, IP 3.772, ,66 Encargos sobre as remunerações , ,04 Seguro de Acidentes no Trabalho 601,37 774,50 Outros Gastos com o pessoal 65,00 Total , , Diferimentos Em 31 de Dezembro de 2015 e 31 de Dezembro de 2014, as rubricas do activo corrente e do passivo corrente Diferimentos Apresentava a seguinte composição: Activos Gastos a reconhecer Seguros ,73 Passivos Rendimentos a reconhecer Remunerações a Liquidar , ,69 Remunerações 8.430, ,50 Encargos com Ferias e Subsidio 1.854, , Estado e outros entes Públicos Em 31 de Dezembro de 2015 e 31 de Dezembro de 2014, as rubricas de Estado e outros entes Públicos apresentavam a seguinte composição: Descrição Activo Passivo Activo Passivo Retenção de Imposto s/ o Rendimento Trabalho Dependente 117,00 53,00 Rendimentos Profissionais/Empresariais 74,00 1,27 Taxa Extraordinária 10,00 4,00 Contribuições para a Segurança Social 2.900, ,92 Total 0, ,12 0, ,19 8

9 12. Fornecimento e Serviços Externos A rubrica de Fornecimento e Serviços Externos nos exercícios findos e detalha-se como se segue: Serviços Especializados 7.199, ,97 Trabalhos especializados 2.233, ,50 Vigilância e Segurança 118,08 466,78 Honorarios 750,30 Conservação e Reparações 4.021, ,33 Serviços bancários 75,96 103,36 Materiais 5.699, ,00 Ferramentas e Utensílios de Desgaste rápido 5.390,14 924,18 Material de escritório 212,85 303,82 Outros 97,00 35,00 Energia e Fluidos 6.542, ,82 Electricidade 2.564, ,33 Combustíveis 965, ,17 Agua 219, ,04 Outros Fluidos ( gás ) 2.794, ,28 Serviços Diversos 2.433, ,49 Comunicação 748,81 699,90 Seguros 232,59 228,17 Contencioso e notariado 583,82 2,00 Limpeza, Higiene e Conforto 868,18 713,56 Outros Serviços Motocross 690,86 Viagem ao Minho 500,00 Total , , Outros rendimentos e ganhos e outros gastos e perdas A composição da Rubrica de Outros rendimentos e ganhos e da rubrica de Outros gastos e perdas nos exercícios findos em 31 de Dezembro de 2015 e 31 de Dezembro de 2014 é conforme se segue: Outros Rendimentos e Ganhos 5.716, ,70 Recolha de Oleos 8,00 Bens Alimentares da Horta 20,00 Descontos de Pronto pagamento obtidos 0,81 0,30 Outros 5.695, ,40 Imputação de Subsídios para o Investimento 3.700, ,88 Consignação de IRS 66,49 457,24 Outros não específicos 1.928, ,28 Donativos 2.387,08 Quotizações 219,00 Diversos 1.928,00 332,20 9

10 Outros Gastos e Perdas 436,13 542,10 Impostos 203,13 194,28 Imposto Municipal sobre Imoveis 92,89 79,62 Imposto de selo 2,52 12,68 Taxas 107,72 101,98 Imposto único de Circulação Outros 233,00 347,82 Donativos 99,32 Correcções relativas a períodos anteriores Quotizações 233,00 248,50 Multas e penalidades 542, Amortizações O detalhe da Rubrica Gastos/reversões de depreciações e de amortizações nos exercícios findos em 31 de Dezembro de 2015 e 31 de Dezembro de 2014 é conforme se segue: Activos Fixos Tangíveis ( nota 4 ) 9.887, , Juros e outros rendimentos e gastos similares Os juros e outros rendimentos similares reconhecidos no decurso do exercício findo em 31 de Dezembro de 2015 e 31 de Dezembro de 2014, são detalhados conforme se segue: Juros e outros rendimentos similares 0,00 0,00 Juros Obtidos De depósitos 0,00 0,00 Juros e outros gastos similares 13,40 211,40 De empréstimos bancarios 13,40 198,60 De Mora 12,80 Vila Real, 17 de Março de 2016 O Técnico Oficial de Contas 10

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS ENTREGUE PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS NÚCLEO DE ORÇAMENTO DAS ANO DE 2015 E CONTAS DE IPSS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DENOMINAÇÃO: CENTRO DE BEM ESTAR SOCIAL DE SEIXAS

Leia mais

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Relatório de Contas de 2015 Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A 2765-266 Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril 2765-266 Estoril

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros) ASSOCIAÇÃO PARA O ESTUDO E INTEGRAÇÃO PSICOSSOCIAL CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS

Leia mais

CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS ANO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTAR

CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS ANO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTAR CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS ANO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTAR CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS 1.º Orçamento anual Revisão Orçamental

Leia mais

Relatório e Contas. Referente. Ao exercício económico De

Relatório e Contas. Referente. Ao exercício económico De Relatório e Contas Referente Ao exercício económico De 2015 1 1 Demonstração Resultados 2 - Demonstração Resultados por Valências 3 Balanço 4 Demonstração Fluxos Caixa 5 Anexo ao Balanço 2 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Balanço CURPI SÃO JOÃO DA TALHA BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 RUBRICAS

Leia mais

NISS PARECER DO CONSELHO FISCAL. DATA DECISÃO Favorável RESPOSTAS SOCIAIS COMPARTICIPADAS COM ACORDO COOPERAÇÃO N.º MÉDIO UTENTES

NISS PARECER DO CONSELHO FISCAL. DATA DECISÃO Favorável RESPOSTAS SOCIAIS COMPARTICIPADAS COM ACORDO COOPERAÇÃO N.º MÉDIO UTENTES DGCF IDENTIFICAÇÃO IPSS DESIGNAÇÃO Lar Luísa Canavarro NIPC 502050411 NISS 20004445167 MORADA DA SEDE Rua de S. Brás, nº 293, 4000-495 Porto DADOS ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO 2017 VERSÃO Inicial PARECER DO

Leia mais

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 2015-2016 UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Gestão e Economia Data: 2015-10-29 Licenciatura em

Leia mais

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2015

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2015 Exercício 2015 Monteiro & Guimarães, Lda Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 4 Demonstração dos Resultados Individuais em 5 Anexo 1. Nota introdutória...

Leia mais

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE (Montantes expressos em euros) ÍNDICE Páginas 1. Nota introdutória 2 2. Referencial contabilístico de preparação nas demonstrações financeiras 2 3. Principais políticas contabilísticas 2 4. Políticas contabilísticas,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 213 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Fundação Comendador Joaquim de Sá Couto 1.2 Sede: Rua do Hospital, 7 4535 São

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 ========= FUNDAÇÃO PADRE LUIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 ========= BALANÇO EM 31/12/2016 BALANÇO EM 31/12/2016 Rubricas Activo NOTAS DATAS 31-12-2016 31-12-2015 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 )

CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 ) CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 ) 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS * 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros * 14 Outros 141

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DO PORTO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DO PORTO BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS 31-12-2015 31-12-2014 Activo

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2014 Identificação da Declaração: Data da recepção: 29/06/2015 1. Identificação da Instituição Nome: CENTRO DE APOIO SOCIAL DO NADADOURO Morada: R DA AVÉ

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016)

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) Para: MICROENTIDADES Conta Descrição 11 CAIXA 111 Caixa 12 DEPÓSITOS Á ORDEM 1201 Banco A 13 OUTROS DEPÓSITOS BANCÁRIOS

Leia mais

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS o m i s s ã o 1 MEIOS FINANEIROS LÍQUIDOS * 11 aixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Instrumentos financeiros * 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente desfavoráveis

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= FUNDAÇÃO PADRE LUIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas Ativo NOTAS DATAS 31-12-2015 31-12-2014 Ativo não corrente Ativos fixos tangíveis

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DA MADEIRA

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DA MADEIRA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 Designação da entidade: Associação de Natação da Madeira; 1.2 Sede: Complexo de Natação Desportiva do Funchal, 9050-021 Funchal; 1.3 NIPC: 511205350; 1.4 Natureza da atividade:

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ESCLEROSE MÚLTIPLA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS Activo 31-12-2015 31-12-2014 Activo não

Leia mais

Fundação Gaspar e Manuel Cardoso I.P.S.S. Instituição Particular de Solidariedade Social Sem Fins Lucrativos

Fundação Gaspar e Manuel Cardoso I.P.S.S. Instituição Particular de Solidariedade Social Sem Fins Lucrativos INDICE INDICE... 1 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO... 3 2 REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 4 2.1 Demonstrações Financeiras... 4 3 PRINCIPAIS POLÍTICAS DE CONTABILIZAÇÃO...

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010 Resumo Antes de discriminar em pormenor as várias rubricas deste mapa, saliente-se a diferença positiva entre os valores activos e passivos, como se pode constatar dos valores abaixo discriminados: ACTIVO

Leia mais

BALANÇO DO ANO DE 2014

BALANÇO DO ANO DE 2014 BALANÇO DO ANO DE 214 ACTIVO--------------------------------------------1.739.223 Activo não corrente ------------------------------ 1.447.599 Activos fixos tangíveis Activos fixos tangíveis é o termo

Leia mais

3.1.Bases de mensuração usadas na preparação das DFs

3.1.Bases de mensuração usadas na preparação das DFs 1.Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2013 INTRODUÇÃO A empresa ERNESTO JESUINO MARTINS AUGUSTO, NIF.163479127, é um empresário em nome individual tendo sede em Fânzeres, tendo como actividade principal

Leia mais

CONTAS INDIVIDUAIS 2015

CONTAS INDIVIDUAIS 2015 CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 3 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

Centro Social Paroquial de São Nicolau

Centro Social Paroquial de São Nicolau Centro Social Paroquial de São Nicolau Anexo às Demonstrações Financeiras de 2015 1. Caracterização da entidade O Centro Social Paroquial de São Nicolau foi constituído em 1993 e tem a sua sede social

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE ATALAIA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE ATALAIA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2015 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação ÍNDICE 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

erasa Relatório de Execução Orçamental

erasa Relatório de Execução Orçamental erasa Relatório de Execução Orçamental 2011 Índice 1. Sumário Executivo... 3 2. Análise da Execução Orçamental... 3 2.1 Execução da Receita por Rubricas... 4 2.2 Execução da Despesa por Rubricas... 6 3.

Leia mais

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS NOTA INTRODUTÓRIA A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ermesinde (Instituição de Utilidade Pública), também denominada Bombeiros Voluntários de Ermesinde tem como objectivo principal manter

Leia mais

Relatório de Gestão e Contas 31 de Dezembro de 2015

Relatório de Gestão e Contas 31 de Dezembro de 2015 Relatório de Gestão e Contas -2- SCM Sernancelhe Relatório & Contas Relatório & Contas Índice Relatório de Gestão...4 Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual

Leia mais

Centro Social de Figueiró do Campo Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro 2015

Centro Social de Figueiró do Campo Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro 2015 Centro Social de Figueiró do Campo Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro 2015 BALANÇO A 31/12/2015 RUBRICAS 2015 2014 ACTIVO Activo não corrente Activos fixos tangíveis 1.070.124,56 1.076.316,75 Bens

Leia mais

TOTAL DO ACTIVO , ,68

TOTAL DO ACTIVO , ,68 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2015 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BALLANÇO:: PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2015 ACTIVO NÃO

Leia mais

Assoc.Amigos da Escola de Música do Conservatório

Assoc.Amigos da Escola de Música do Conservatório Assoc.Amigos da Escola de Música do Conservatório RELATÓRIO DE GESTÃO Ano 2013 FAC Fiscalidade, Administração e Contabilidade, Lda 1 1-Natureza e composição dos Rendimentos no exercício de 2013 Contribuíram

Leia mais

Associação da Quinta do Rezende ANEXO

Associação da Quinta do Rezende ANEXO 2014 Associação da Quinta do Rezende ANEXO. Índice Anexo... 3 1. Identificação da Entidade... 3 2. Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 3 3. Principais Políticas Contabilísticas...

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

PARTE PRÁTICA (13 valores)

PARTE PRÁTICA (13 valores) PARTE PRÁTICA (13 valores) 1 - A empresa Mãe, SA, detém 80% do Capital da empresa Filha, SA, participação esta que foi adquirida, em N, por 340.000 Euros. Em 31 de Dezembro de N, as empresas do Grupo apresentavam

Leia mais

Demonstrações Financeiras Individuais

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2013 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em...3 Demonstração de Resultados Individuais em........4 Demonstração de Fluxos de Caixa Individuais

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS 2014

RELATÓRIO DE CONTAS 2014 RELATÓRIO DE CONTAS 2014 CENTRO SOCIAL PADRE JOSÉ COELHO Agência Fontes de Júlio dos Santos Fontes Lda. @ geral@agenciafontes.pt tel. 227 441 281 FICHA TÉCNICA Proprietário CENTRO SOCIAL PADRE JOSÉ COELHO

Leia mais

Designação da entidade: Associação Para o Desenvolvimento de Lagares Sede social: Avenida das Portelas, Lagares - Penafiel

Designação da entidade: Associação Para o Desenvolvimento de Lagares Sede social: Avenida das Portelas, Lagares - Penafiel 1. Identificação da entidade 1.1. Dados de identificação Designação da entidade: Associação Para o Desenvolvimento de Lagares Sede social: Avenida das Portelas, 127 4560-182 Lagares - Penafiel Natureza

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2014

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2014 Centro Paroquial e Social de Calheiros RUBRICAS BALANÇO INDIVIDUAL Dezembro 2014 NOTAS Montantes expressos em EURO PERÍODOS 2014 2013 ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 279.778,88 285.103,71

Leia mais

Aos Nossos Associados e Associadas

Aos Nossos Associados e Associadas Relatório de Atividades & Contas Aos Nossos Associados e Associadas Destaques Estratégicos A CONCEITOS DO MUNDO Associação para a Promoção dos Direitos Humanos e Desenvolvimento Sustentável, é uma associação

Leia mais

Índice 1 Identificação da Entidade 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demostrações Financeiras 3 Principais Politicas Contabilísticas 4 Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ENTIDADE: ART - Associação Regional de Turismo dos Açores SEDE: Angra do Heroísmo N.º DE

Leia mais

MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação constante nas folhas "INVESTIMENTOS", "GASTOS" e "RENDIMENTOS"

MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação constante nas folhas INVESTIMENTOS, GASTOS e RENDIMENTOS Presidência do Conselho de Ministros Secretaria de Estado do Desporto e Juventude Instituto Português do Desporto e Juventude, I. P. MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação

Leia mais

Centro Social das Antas. Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015

Centro Social das Antas. Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Centro Social das Antas Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Centro Social das Antas Balanço Individual em 31 de Dezembro de 2015 ACTIVO Activo não corrente Valores expressos em euros Notas

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade CASFIG Coordenação de Âmbito Social

Leia mais

Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Angra do Heroísmo

Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Angra do Heroísmo DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2015 ART Associação Regional de Turismo Contribuinte n.º 510 648 630 Sede Social: Rua da Palha, 32 Fundo Social: 375.000 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço BALANÇO DOS EXERCÍCIOS 2014 E 2013 ACTIVO Notas Activo Bruto Amortizações / Provisões Activo Líquido Activo Líquido IMOBILIZADO: Imobilizações incorpóreas: Despesas de instalação

Leia mais

8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados

8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados e sem prejuízo do legalmente estabelecido,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015

ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015 ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA DEMONSTRAÇÃO DAS ALTERAÇÕES NOS FUNDOS PATRIMONIAIS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Contabilidade Financeira II

Contabilidade Financeira II Contabilidade Financeira II Gestão; Finanças e Contabilidade 2011/2012 Exame - 2ª época 11/junho/2012 Informações e Sugestões 1. A resolução da prova terá início após a leitura do enunciado e o esclarecimento

Leia mais

ORÇAMENTO RETIFICATIVO

ORÇAMENTO RETIFICATIVO ORÇAMENTO RETIFICATIVO ANO 2013 Pág. 1 INDICE INDICE... 2 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO... 3 2 CORPOS GERENTES... 4 3 MOTIVOS DA APRESENTAÇÃO DO ORÇAMENTO RETIFICATIVO... 5 3.1 PRESTAÇÃO SERVIÇOS... 6

Leia mais

Balancete Geral. TSR - Sistemas de Informação, Lda. 1/8. quarta-feira, 2 de Abril de Licenciado a CBES DE SEIXAS

Balancete Geral. TSR - Sistemas de Informação, Lda. 1/8. quarta-feira, 2 de Abril de Licenciado a CBES DE SEIXAS BES E SEIXAS TSR - ontabilidade ESNL Acumulado de 2013 do Período de ezembro a ezembro a onta: Todas À onta: Todas onta Movimentadas: Sim onta orrentes: Não Mensal/Período Acumulado onta escrição ébito

Leia mais

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: GONDOMAR ERNESTO JESUINO MARTINS AUGUSTO

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: GONDOMAR ERNESTO JESUINO MARTINS AUGUSTO IES Informação Empresarial Simplificada DECLARAÇÃO ANUAL Ano Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente 0 468-I0060-8 0-06-

Leia mais

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Nazaré RELATÓRIO E CONTAS

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Nazaré RELATÓRIO E CONTAS Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Nazaré RELATÓRIO E CONTAS 2013 Mensagem da Direcção A Direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Nazaré tem, com espírito de missão,

Leia mais

Relatório de Execução Orçamental

Relatório de Execução Orçamental Erasa Relatório de Execução Orçamental 1º Semestre 2012 Índice 1. Sumário Executivo... 3 2. Execução da Receita por Rubricas... 4 3. Execução da Despesa por Rubricas... 5 4. Anexos... 7 4.1 Balanço 30

Leia mais

Aos Nossos Associados e Associadas

Aos Nossos Associados e Associadas Relatório de Atividades & Contas 2016 Nota Introdutória 2016 foi um ano para reflexão e reorganização da associação. Candidatámos diversos projetos, planeámos outros e nos destaques gostaríamos de notar:

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS Conselho Distrital de Évora - Delegação de Beja

ORDEM DOS ADVOGADOS Conselho Distrital de Évora - Delegação de Beja ORDEM DOS ADVOGADOS Conselho Distrital de Évora - Delegação de Beja PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA 2016 DESPESAS CORRENTES Serviços especializados 0,00 Trabalhos especializados Publicidade e propaganda (divulgação

Leia mais

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde)

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde) BALANÇOS Activo Imparidade Activo Activo Notas bruto e amortizações líquido líquido PASSIVO E CAPITAL PRÓPRIO Notas Caixa e disponibilidades em bancos centrais 3 9.726.629-9.726.629 5.862.769 Recursos

Leia mais

BALANÇO E CONTAS 2014

BALANÇO E CONTAS 2014 Fundação Manuel Leão BALANÇO E CONTAS 2014 Versão provisória Balanço - (modelo para ME) em 31-12-2014 (montantes em euros) RUBRICAS DATAS NOTAS 2014 2013 ATIVO Ativo não corrente Ativos fixos tangíveis

Leia mais

CONTA EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS

CONTA EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS ENTREGUE NO CENTRO DISTRITAL DE SEG. SOC. FARO CONTA EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS ANO DE 2016 1º ORÇAMENTO REVISTO Nº X NOME: MORADA CENTRO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: Identificação da Declaração: Data da recepção: 30/07/2013 1. Identificação da Nome: FUNDAÇÃO MANUEL FRANCISCO CLERIGO Morada: R MANUEL FRANCISCO CLERIGO

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES e ORÇAMENTO PREVISIONAL 2016

PLANO DE ATIVIDADES e ORÇAMENTO PREVISIONAL 2016 w u s h u k u n g f u t a i j i q u a n q i g o n g PLANO DE ATIVIDADES e ORÇAMENTO PREVISIONAL Página 1 de 1 w u s h u k u n g f u t a i j i q u a n q i g o n g PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional ANO 2011 Relatório 1. Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53 F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos vem apresentar os Instrumentos

Leia mais

ANEXO (SNC Entidades do Sector Não Lucrativo)

ANEXO (SNC Entidades do Sector Não Lucrativo) ANEXO (SNC Entidades do Sector Não Lucrativo) 1 Identificação da entidade:...2 2 Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras...2 3 Principais políticas contabilísticas:...2 4

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2014

RELATÓRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2014 Relatório de Desempenho Controlo de Gestão Junho de 2014. Conteúdo 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 Principais Indicadores... 3 2. DESEMPENHO ECONÓMICO... 4 Comparação com o planeado... 4 Evolução face ao ano

Leia mais

RECEITAS QUOTIZAÇÕES , ,80

RECEITAS QUOTIZAÇÕES , ,80 APM - Custos e Proveitos - Exercício de 2007 QUOTAS RECEITAS QUOTIZAÇÕES 123.798,80 123.798,80 SUBSÍDIOS CENTRO DE FORMAÇÃO 19.413,99 ENCONTRO NACIONAL PROFMAT/2007 50.450,00 GRUPO DE TRABALHO T3 38.132,00

Leia mais

APARTAMENTOS TURISTICOS DE AMORIM & SANTOS LDA

APARTAMENTOS TURISTICOS DE AMORIM & SANTOS LDA CARATERIZAÇÃO DA EMPRESA Nome: Setor de Atividade Económica (CAE Rev.3): Classe de Dimensão: Localização da Sede (Distrito): Natureza Jurídica: Maturidade: 55118 - Apartamentos turísticos com restaurante

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2016

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2016 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2016 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana

Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana Relatório de Gestão 05 Introdução Nos dias de hoje, qualquer Instituição ou Entidade tem como dever a apresentação de contas, sendo esta apresentação

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

ANEXO EXERCÍCIO FINDO EM

ANEXO EXERCÍCIO FINDO EM 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE ANEXO EXERCÍCIO FINDO EM 31.12. 2015 A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S.JOÃO DA MADEIRA é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), com sede social na Rua Manuel

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Programa de Incentivos 2017

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Programa de Incentivos 2017 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Programa de Incentivos 2017 A preencher pelo serviço de atividades económicas, apoio ao empreendedorismo e turismo IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Data de Receção / Número do Processo

Leia mais

Relatório de Atividades e Contas

Relatório de Atividades e Contas Relatório de Atividades e Contas 2012 1 - Introdução A Direção do CGA Clube de Ginástica de Almada, no cumprimento do estatutariamente regulamentado, apresenta para apreciação, discussão e votação o Relatório

Leia mais

Anexo. 2. Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras

Anexo. 2. Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras Anexo 1. Identificação da Entidade A SANTA CASA DA MISERICORDIA DE CARREGAL DO SAL é uma instituição sem fins lucrativos, constituída sob a forma de IPSS. Tem como atividade Lar de Idosos, Creche e Estabelecimento

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: Identificação da Declaração: Data da recepção: 25/06/2015 1. Identificação da Nome: FUNDAÇÃO MARIA LUISA RUAS Morada: GESTEIRA C. Postal: 3130-062 Localidade:

Leia mais

RAMALHO'S - CORRETORES DE SEGUROS LDA

RAMALHO'S - CORRETORES DE SEGUROS LDA RAMALHO'S - CORRETORES DE SEGUROS LDA RAMALHO'S - CORRETORES DE SEGUROS LDA Avenida do Estádio, 213 a 219, 4405-625 Gulpilhares - Vila Nova de Gaia NIPC 502 449 900 * CS 70.000 2 INDICE RELATÓRIO DE GESTÃO...3

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2015 Identificação da Declaração: Data da recepção: 29/06/2016 1. Identificação da Instituição Nome: CASA POVO CONCELHO OBIDOS Morada: R MUNICIPAL BAIRRO

Leia mais

O R D E M D O S A D V O G A D O S

O R D E M D O S A D V O G A D O S Códigos das contas A CE POC Custos e perdas O R D E M D O S A D V O G A D O S 2.a) CMVMC 672,00 1.302,00 2.b) 62 Fornecim.e servicos externos... 178.739,79 178.053,76 3 Custos com o pessoal: 179.411,79

Leia mais

Demonstrações Financeiras 31 de dezembro de 2014

Demonstrações Financeiras 31 de dezembro de 2014 Fundação Champagnat Demonstrações Financeiras 31 de dezembro de 2014 Índice Balanço 4 Demonstração dos Resultados por Naturezas (por cada resposta social) 6 Anexo 1. Identificação da Entidade 7 2. Referencial

Leia mais

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções DESIGNAÇÕES EXERCÍCIOS 1º SEM 01 1º SEM 00 AMORTIZAÇÕES ACT.BRUTO ACT.LÍQUIDO ACT.LÍQUIDO E PROVISÕES IMOBILIZADO ACTIVO Imobilizações incorporeas: Despesas de instalação 384 261 180 982 203 279 32 821

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: Identificação da Declaração: Data da recepção: 13/04/2016 1. Identificação da Nome: SANTA CASA DA MISERICORDIA DE PORTO DE MOS Morada: R FRANCISCO SERRA

Leia mais

Centro Social para o Desenvolvimento do Sobralinho

Centro Social para o Desenvolvimento do Sobralinho Anexo às Demonstrações Financeiras Exercício de 2015 Índice 1. Identificação da Entidade... 3 2. Referencial Contabilístico... 3 3. Principais Políticas Contabilísticas... 4 3.1. Bases de Apresentação...

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE CAPÍTULO I. DEFINIÇÕES E DIVISÕES DA CONTABILIDADE 1 DEFINIÇÕES DE CONTABILIDADE 2 DIVISÕES DA CONTABILIDADE CAPÍTULO II. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS CONTABILÍSTICOS

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Águeda. Índice CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS PARA 2017

Santa Casa da Misericórdia de Águeda. Índice CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS PARA 2017 CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS PARA 2017 Índice Assuntos Pág. 1 Demonstração de Resultados Previsionais para 2017 2 2 Investimentos 2 3 Memória justificativa 4 3.1 Custos

Leia mais

Balanço 31 de Dezembro de 2016

Balanço 31 de Dezembro de 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTARÉM RELATÓRIO CONTABILÍSTICO ANO 2016 Santarém, 15 de Março de 2017 Balanço 31 de Dezembro de 2016 RUBRICAS Notas Datas 31-12-2016 31-12-2015 ATIVO Ativo não corrente

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B 20 Outubro de 2012 Duração da prova: 90 minutos 1º TESTE INTERMÉDIO Atenção

Leia mais

Contabilidade e Gestão Financeira

Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade Demonstrações Financeiras MESG - Mestrado Engenharia de Serviços e Gestão FEUP 2010 Rui Padrão Funções Património Passivo Eq. Fund. Factos patr. Inventário

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO FINANCEIRA COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2012 Identificação da Declaração: Data da recepção: 27/06/2014 1. Identificação da Instituição Nome: CRECHE HELENA ALBUQUERQUE

Leia mais

Grupo 2 Demonstrações financeiras Grupo 3 Inventários e dívidas a receber Grupo 4 Empréstimos obrigacionistas

Grupo 2 Demonstrações financeiras Grupo 3 Inventários e dívidas a receber Grupo 4 Empréstimos obrigacionistas FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame de 2ª fase de Contabilidade Financeira 1º semestre - 2010/11 Data: 28 de Janeiro de 2011 Início: 11h30m Duração: 2h00m Grupo 1 Questões de resposta

Leia mais

Balancete Analítico - Contabilidade Geral

Balancete Analítico - Contabilidade Geral 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 1.957.742,49 1.835.932,84 121.809,65 11 CAIXA 1.316,06 1.304,83 11,23 111 Caixa 1.316,06 1.304,83 11,23 12 DEPÓSITOS À ORDEM 961.426,43 954.628,01 6.798,42 121 Finibanco, SA

Leia mais

DELEGAÇÃO DE ÁGUEDA P R E S T A Ç Ã O D E C O N T A S

DELEGAÇÃO DE ÁGUEDA P R E S T A Ç Ã O D E C O N T A S DELEGAÇÃO DE ÁGUEDA P R E S T A Ç Ã O D E C O N T A S 2 0 1 4 DELEGAÇÃO DE ÁGUEDA CRUZ VERMELHA PORTUGUESA 87902 - Actividades de apoio social com alojamento, n.e. Sede: Palácio do Conde d Óbidos Lisboa

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO ANO 2014 INFORMAÇÃO GERAL O Conselho Geral da Ordem dos Advogados é um órgão da Ordem dos Advogados, conforme o disposto no nº 2 do artº 9º do Estatuto da Ordem dos Advogados.

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS. Demonstrações Financeiras Individuais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS. Demonstrações Financeiras Individuais SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 Balanço

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Período 2016

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Período 2016 Período 2016 L, SA 31 de Dezembro de 2016 Índice Demonstrações financeiras individuais para o período findo em Balanço Individual em. 5 Demonstração Individual dos Resultados em.. 6 Demonstração Individual

Leia mais

Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados. Ano 2015

Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados. Ano 2015 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados Ano 2015 1 Identificação da Entidade A Associação de Solidariedade Social - Cegonha Branca, é uma instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), têm

Leia mais

Relatório de Actividades e Contas 2009 Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade Plano de Actividades Relatório de Contas 2009

Relatório de Actividades e Contas 2009 Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade Plano de Actividades Relatório de Contas 2009 Relatório de Actividades e Contas 2009 Plano de Actividades 2010 Relatório de Contas 2009 CEPESE Porto Março de 2010 23 RELATÓRIO DE CONTAS (2009) Após elaborar a contabilidade referente ao exercício de

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

CASA DO POVO DE SANTA CRUZ DE ALVARENGA

CASA DO POVO DE SANTA CRUZ DE ALVARENGA CASA DO POVO DE SANTA CRUZ DE ALVARENGA Anexo 21 De Março de 2015 Índice 1 Identificação da Entidade... 3 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 3 3 Principais Políticas

Leia mais

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A.

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A. BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A. Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2011 BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, SA Demonstrações Financeiras Individuais 31 de Dezembro de 2011 Índice Demonstrações financeiras

Leia mais