O SIGNIFICADO POLÍTICO DO HOMO SACER NA FILOSOFIA DE GIORGIO AGAMBEN THE POLITICAL MEANING OF HOMO SACER IN GIORGIO AGAMBEN'S PHILOSOPHY

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SIGNIFICADO POLÍTICO DO HOMO SACER NA FILOSOFIA DE GIORGIO AGAMBEN THE POLITICAL MEANING OF HOMO SACER IN GIORGIO AGAMBEN'S PHILOSOPHY"

Transcrição

1 Nº 1, volume 11, artigo nº 2, Janeiro/Março 2016 D.O.I: O SIGNIFICADO POLÍTICO DO HOMO SACER NA FILOSOFIA DE GIORGIO AGAMBEN THE POLITICAL MEANING OF HOMO SACER IN GIORGIO AGAMBEN'S PHILOSOPHY Lucas Moraes Martins 1 1 Universidade Fundação Mineira de Educação e Cultura / Professor de Direito, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, Resumo O presente artigo objetiva apresentar, de forma concisa, o significado político da figura do homo sacer, explicada por Giorgio Agamben na obra Homo sacer: o poder soberano e a vida nua. A partir desse livro, em um primeiro momento, foi abordado o conceito de vida nua, como aquela que se encontra em uma zona cinzenta entre zoé e bíos. Posteriormente, foi pontuado como o homo sacer, o portador da vida nua, aparece de modo obscuro no direito romano arcaico. Estabelecido estes dois pontos, buscou-se explicar o significado político-filosófico, e nem tanto histórico, do homo sacer. Ao final, realizou-se uma reflexão sobre como as formas de vida, as identidades jurídico-sociais, repousam, em última instância, no solo podre da vida nua. Apenas entendendo que a vida nua do homo sacer não é um dado natural, mas um produto de um ato jurídicopolítico, pode-se fortalecer a nossa luta contra os espaços de exceção. Palavras-chave: Homo sacer. Vida nua. Estado de exceção. Giorgio Agamben. Filosofia política. ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 23 de 179

2 Abstract This article explains, in a concise manner, the political significance of the homo sacer, figure presented by Giorgio Agamben in the book Homo sacer: sovereign power and bare life. From this book, at first, was approached the concept of bare life, as one that rests in a gray area between zoé and bíos. Later, it was scored as homo sacer (the bearer of bare life) appears obscurely in archaic Roman law. Established these two points, we attempted to explain the political and philosophical meaning of homo sacer, and not the historic significance. At the end, there was a discussion about forms of life (the social and legal identities) and how these forms lie, ultimately, on the rotting ground of bare life. Only understanding that the bare life of homo sacer is not a natural given, but a product of a legal-political act, we can strengthen our fight against the spaces of exception. Keywords: Homo sacer. Bare life. State of exception. Giorgio Agamben. Political Philosophy. INTRODUÇÃO A propósito dos vinte anos do lançamento da obra Homo sacer. Il potere sovrano e la nuda vita de Giorgio Agamben, não seria estranho o questionamento sobre a atualidade política da figura do homo sacer. Imerso em uma névoa histórica, a imagem do homo sacer poderia ser julgada, equivocadamente, como imprópria para descrever a vida nua e a sujeição do vivente ao poder soberano. Entretanto, o trabalho de Agamben não é meramente histórico. Ao retirar o homo sacer dos primórdios de Roma, situando-o como o primeiro paradigma do espaço político ocidental, o gesto de Agamben não pretende ser historicamente neutro, mas sim o de atribuir à figura do portador da vida nua um conteúdo político efetivo. Alguns romanistas, críticos da ideia de que o homo sacer representaria adequadamente o portador da vida nua, se esquecem que Agamben nunca reivindicou um tratamento exclusivamente histórico desta figura. Protagonista deste livro é a vida nua, isto é, a vida matável e insacrificável do homo sacer, cuja função essencial na política moderna pretendemos reivindicar. (AGAMBEN, 2010, p.16). A busca pela função política do homo sacer, portanto, é uma das linhas invisíveis que guiam a investigação de Agamben em Homo sacer. Il potere sovrano e la nuda vita. Se, atualmente, uma grande parte do pensamento jurídico-político não concebe a condição humana fora do âmbito de proteção do direito, talvez, isso ocorra porque não se entendeu que as identidades jurídicas, sociais e políticas, em última instância, dentro do espaço político do Ocidente, convergem no ponto da vida nua e desta dependem. Esta ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 24 de 179

3 dupla face dos direitos e liberdades adquiridas inscrevem, cada vez mais, a vida na ordem estatal, o que implica uma sujeição crescente ao poder soberano. A CRIATURA Em Paris, entre 1974 e 1976, Giorgio Agamben encontrou-se, regularmente, com Ítalo Calvino e Claudio Rugafiori, para planejar a publicação de uma revista. Uma das seções deste periódico seria dedicada às Categorias italianas, estas entendidas como estruturas categóricas da cultura italiana, unidas através de uma série de conceitos polares. Agamben propôs explorar uma série de oposições: tragédia/comédia, direito/criatura, biografia/fábula. O projeto da revista nunca foi realizado (AGAMBEN, 1999, p.xi). Entretanto, no texto Al di là dei diritti dell uomo, publicado originalmente em francês pelo periódico Libération em , Agamben deixa claro como o horizonte aberto pela dupla categorial direito/criatura, influenciou-o marcadamente. Neste escrito, Agamben afirma que a vida nua (a criatura humana) que, no Antigo Regime, pertencia a Deus e, no mundo clássico, era claramente distinta (como zoé) da vida política (bíos) aparece, agora, em primeiro plano sob os cuidados do Estado [...].. (Tradução livre) (AGAMBEN, 1996, p.24). 2. A tradução inglesa do texto não foi fiel ao vocábulo criatura ao traduzi-lo pelo termo human being (AGAMBEN, 2000, p.20), que indica criatura, mas também ser humano. A palavra criatura, derivada do particípio futuro ativo do verbo latino creare, integrada e dirigida pelo sufixo ura (o que está prestes a ocorrer), indica algo imperfeito em um perpétuo processo de criação, engendrado e comandado por um criador, isto é, uma vida submetida a um processo eterno de criação, sujeita à transformação a mando dos comandos arbitrários do soberano: O que é uma criatura? Derivada do particípio futuro ativo do verbo latino creare ("criar"), criatura indica uma coisa feita ou uma coisa formada, mas no sentido de continuidade ou processo potencial, de ação ou emergência, construída pela orientação futura da sua forma ativa verbal. Em uma tensão eternamente imperfeita, creatura se assemelha às construções paralelas natura e figura, em que as determinações conferidas pela natividade e facticidade são, todavia, abertas à possibilidade de metamorfose posterior frente à unidade do sufixo -ura ("o que está prestes a ocorrer"). A creatura é uma coisa sempre em um processo de sofrer criação; a criatura ativamente passiva, ou melhor, apaixonada, tornando-se perpetuamente criada, sujeita à transformação a mando dos comandos arbitrários do Outro. (Tradução livre). (LUPTON, 2000, p.1) 3. 1 Título original: Au-delà des droits de l homme. 2 No original: Quella nuda vita (la creatura umana) che, nell Ancien Régime, apparteneva a Dio e, nel mondo classico, era chiaramente distinta (come zoé) dalla vita politica (bíos), entra ora in primo piano nella cura dello Stato [ ].. 3 No original: What is a creature? Derived from the future-active participle of the Latin verb creare ( to create ), creature ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 25 de 179

4 Do mesmo modo que, em nascituro, o sufixo uro indica a mesma construção verbal latina do particípio futuro ativo (o que está para + verbo), significando o que está para nascer, criatura indica o que está prestes a ser criado, isto é, aquilo que é criado perpetuamente e aberto às metamorfoses. Por causa desta indeterminação, a criatura pode articular uma série de separações, inclusive a entre humano e animal. Neste contexto, a criatura, produzida e controlada, devota e submetida ao criador, está presa em um limbo que transita continuamente entre homem e animal. Este é o preciso sentido de vida nua. Esta vida nua, vida em permanente exposição à violência soberana, é, no fundo, uma vida abandonada, que se encontra na relação de bando. A palavra bando registra uma ambiguidade semântica: in bando, a bandono significam originalmente em italiano à mercê de... quanto a seu talante, livremente (AGAMBEN, 2010, p.110). Esta incerteza semântica revelada quanto a algo ou alguém que está à mercê (ao arbítrio de alguém) e, ao mesmo tempo, se encontra livremente (ao próprio arbítrio), demonstra como vida nua se encontra em uma zona cinzenta entre zoé e bíos. Agamben relata que os gregos do mundo clássico não possuíam um termo único para designar a palavra vida como entendida atualmente. Na verdade, os gregos se valiam de dois termos: zoé e bíos. O primeiro termo exprimia o simples fato de viver, comum a todos os seres vivos, sejam eles animais, homens ou deuses; o segundo, a forma de viver própria de um indivíduo ou grupo (AGAMBEN, 2010, p.9). Enquanto zoé designava, portanto, a vida animal ou orgânica, bíos indicava a vida qualificada de cidadão, a vida politicamente qualificada. A vida na relação de bando, ou seja, a vida abandonada, pressupõe um constante trânsito entre zoé e bíos. A vida abandonada, também denominada de vida nua, se encontra no limiar entre zoé, vida biológica, e bíos, vida politicamente qualificada. Compreende-se, portanto, que a vida abandonada não é aquela deixada de lado em uma pura exclusão. Pelo contrário, o abandono pressupõe a relação de exclusão inclusiva, ou seja, aquele que tem o poder de abandonar se relaciona soberanamente com o abandonado através da violência da decisão soberana. Relação de bando implica a vida excluída e incluída, dispensada e capturada que, por isso mesmo, se encontra unida e sujeita ao poder soberano (AGAMBEN, 2010, p.109). indicates a made or fashioned thing but with the sense of continued or potential process, action, or emergence built into the future thrust of its active verbal form. Its tense forever imperfect, creatura resembles those parallel constructions natura and figura, in which the determinations conferred by nativity and facticity are nonetheless opened to the possibility of further metamorphosis by the forward drive of the suffix -ura ( that which is about to occur ). The creatura is a thing always in the process of undergoing creation; the creature actively passive or, better, passionate, perpetually becoming created, subject to transformation at the behest of the arbitrary commands of the Other. ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 26 de 179

5 O NÓMOS Carl Schmitt explica que antes da palavra nómos adquirir um sentido genérico indicando regulação ou ordenamento normativo, significava assentamento e ordenação originários do espaço físico, isto é, um ato constitutivo concreto de ordenamento espacial, a primeira partição e divisão da terra (SCHMITT, 1979, p.48). A palavra nómos, proveniente de nemein que significava primitivamente tanto dividir como alimentar denota a forma imediata através da qual se faz visível a ordenação política e social de um povo enquanto localizado em um determinado espaço (SCHMITT, 1979, p.52). O ordenamento do espaço implica, portanto, a tomada ou apropriação da terra com a consequente fixação de uma ordem jurídica e territorial. Etimologicamente, nómos significa, ainda, cercado, ou melhor, a muralha protetora construída pelo homem para permitir a convivência religiosa e jurídico-política. No vocábulo nómos, a coincidência entre localização territorial e ordenamento jurídico, implicada no cercado, traz consigo a constituição de um lugar sagrado, seja na relação entre o divino e homem ou entre os próprios homens (SCHMITT, 1979, p.57). Entretanto, já na época clássica com os sofistas, a palavra nómos perdera o significado de apropriação da terra adquirindo o significado de uma mera regra, disposição ou preceito convencionalmente estabelecido entre os homens (SCHMITT, 1979, p.58). Agamben retoma a polêmica referente à contraposição entre physis e nómos para afirmar que esta oposição pode ser considerada como premissa necessária da oposição entre estado de natureza e commonwealth, que Hobbes coloca à base de sua concepção de soberania (AGAMBEN, 2010, p.41). Para Hobbes é precisamente esta mesma identidade de estado de natureza e violência (homo hominis lupus) a justificar o poder absoluto do soberano (AGAMBEN, 2010, p.41). Neste sentido é que, na fundação do Estado em Hobbes, o soberano conserva o natural ius contra omnes, direito este que não foi dado ao soberano, mas deixado a ele, no momento em que todos os demais homens abandonaram os direitos próprios em prol da preservação do direito de todos (AGAMBEN, 2010, p.106). Se o soberano conserva este direito contra todos, o estado de natureza não é um dado esquecido ou simplesmente excluído no momento da fundação da Cidade, mas o princípio perene interno a ela, isto é, aqueles que a habitam estão submetidos permanentemente à violência soberana. O que a revisitação ao mitologema hobbesiano ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 27 de 179

6 demonstra, portanto, é a diferença entre um estado de natureza em si (homo hominis lupus, Bellum omnia omnes) e o estado de natureza incorporado na fundação da Cidade como princípio inerente desta e permanentemente presente. Enquanto homo hominis lupus, tem-se no estado de natureza a vida natural ou a vida do homem como fera, como lobo, uma vez que todos os homens reservam para si o ius contra omnes: bellum omnium contra omnes. Na fundação da Cidade ou do Estado, o que se deseja é justamente excluir este estado da natureza, no qual o homem é o lobo do homem. Contudo, ao fundar a Cidade e deixar exclusivamente ao soberano o ius contra omnes, o estado de natureza é encarnado na figura do soberano e imediatamente incluído na formação da Cidade, no estado civil. Não se trata, portanto, de uma inclusão da vida natural, mas da vida nua. A vida nua, a vida constantemente ameaçada por um poder de morte, ao ser excluída através da fundação da Cidade, é automaticamente incluída na figura da submissão ao soberano que reservou para si o ius contra omnes (AGAMBEN, 2010, p.105-6). Assim, a fundação da Cidade é estruturada não no pacto, mas na exclusão inclusiva da violência na qual estava imersa a vida natural. Ao se tentar excluir a vida natural (zoé) com a criação do Estado, ela deu um salto para dentro da Cidade, não mais como vida natural, e sim na forma de vida nua. Isso significa que o estado de natureza ao ser incorporado na Cidade, não pode ser mais denominado de estado de natureza, mas de estado de exceção, o paradigma constitutivo do ordenamento jurídico. Enquanto no estado de natureza os homens eram feras, lobos, bestas; no estado de exceção, os homens, enquanto portadores da vida nua, não são nem feras (zoé), nem homens politicamente qualificados (bíos), não pertencem a nenhum destes mundos, mas são homens-lobos, lobisomens. Um exemplo de como a vida nua é disseminada com a fundação da Cidade, pode ser encontrado na chegada ao Brasil da família real portuguesa em Ocorre que a chegada da família real favoreceu o desenvolvimento urbano da cidade do Rio de Janeiro, pautado sob três aspectos: beleza, higiene e circulação (CARVALHO, 2008, p.85-91). Antes do período joanino, em meados de 1755, por exemplo, o Rio de Janeiro era marcado pela desordem e, apesar de já contar com edificações e algumas ruas, em sua maioria estreitas, a marca característica da cidade ainda eram os grandes espaços vazios não urbanizados (BICALHO, 2003, ). ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 28 de 179

7 Com a chegada da família real e a corte portuguesa, a civilização se firmaria na tríade política beleza-higiene-circulação e as mudanças político-sociais seriam realizadas sob esta ótica. Por exemplo, novas ruas começaram a ser demarcadas e alargadas. As edificações tendiam a se tornar uniformes. Cuidou-se, inclusive, para que houvesse uma vasta iluminação da cidade à noite, visando garantir a segurança da população contra os delitos (CARVALHO, 2008, p ). Para garantir e fiscalizar o cumprimento desta nova política urbana e social, criou-se a Intendência Geral da Polícia do Rio de Janeiro em 10 de maio de Com fundamento no Traité de la Police de Nicolas de La Mare, a Polícia tinha como objetivo fixar normas de comportamento através de editais e fiscalizar o seu cumprimento pela sociedade. Estas funções eram exercidas por um Intendente, com auxílio dos comissários de polícia, dos juízes de crime de cada bairro e dos comissários de polícia. Algumas das funções mais importantes do Intendente eram: promover a disciplina dos costumes, afiançar o respeito à religião, resguardar a salubridade do ar, promover a segurança e a tranquilidade, coibir reuniões que incitassem à sedição, entre outros (CARVALHO, 2008, p.111). Por exemplo, havia editais da Polícia que regulamentavam a construção das casas, buscando a beleza da uniformidade. Outros determinavam a vistoria das edificações deterioradas. Proibiu-se também o despejo de lixos nas ruas, sob pena de crime de desobediência. O corte de árvores nas beiras dos rios, as queimadas e a lavagem de roupa nas nascentes foram terminantemente proibidas. Disciplinou-se o horário dos estabelecimentos comerciais, que deveriam fechar às dez horas da noite. Proibiu-se também, com o fim de evitar delitos, a aglomeração de escravos e de vadios (CARVALHO, 2008, p ). Ademais, também cabia à Polícia elaborar as denominadas devassas, procedimentos investigativos. A Intendência Geral da Polícia tornou-se, portanto, um instrumento do qual se serviu o rei para impor sua autoridade no território (CARVALHO, 2008, p.110). As implicações da instituição da civilização no Brasil são claras: Instituir a civilização significava, igualmente, policiar a cidade do Rio de Janeiro, dotando-a de todas as comodidades necessárias para a sobrevivência da corte. (CARVALHO, 2008, p.103). Pode-se dizer de outro modo: incluir a civilização significava excluir alguém desta nova ordem. Entretanto, o excluído imediatamente é incluído em virtude da própria exclusão, pois, se não fosse assim, não haveria a necessidade do policiamento. Por outro lado, aquele que é incluído só o é na forma de vida nua, sob o preço de submissão da vida a um poder ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 29 de 179

8 soberano. Nesta nova Lisboa, a palavra nómos nunca fez tanto sentido... A vida nua não é, portanto, um fato natural, mas um produto de um ato jurídicopolítico. O clássico exemplo do portador da vida nua empresta nome ao projeto filosófico de Agamben: o homo sacer. A FIGURA DO HOMO SACER A figura do homo sacer foi fruto de muitas dúvidas e de não poucas contradições e perplexidades entre os estudiosos da história e do direito romano. A ambiguidade do homo sacer foi registrada por Festus: Sacer homo is est, quem populus judicavit ob maleficium, neques fas est eum immolari, sed qui occidit parricidii non damnatur (STRACHAN-DAVIDSON, 1912, p.3-4). O homem sacro era aquele que o povo havia julgado pelo cometimento de um delito, não sendo permitido, portanto, sacrificá-lo, mas tampouco seria condenado por homicídio aquele que o matasse. O comentário de Strachan-Davidson sobre o registro realizado por Festus em relação ao homo sacer demonstra a incerteza quanto a este homem sagrado. A expressão Sacer homo is est quem populus judicavit ob maleficium demonstraria que não há incompatibilidade entre a pena de consecratio capitis e um julgamento criminal: Um sinal adicional da obrigação religiosa sobre a qual o direito criminal se apoiava pode ser encontrado na utilização da famosa palavra sanctio para denotar uma penalidade imposta pela violação do direito; esta está evidentemente conectada com sanctus, sacer e sacratio. As últimas duas palavras, entretanto, sacer e sacratio, nos trazem à vista um problema difícil. Seria de se esperar encontrar estas palavras em íntima conexão com a execução de quase-sacrifício pelo machado. Mas, ao contrário, nós as encontramos diversas vezes nos casos em que não havia execução que lembrasse um sacrifício. [...]. Por um lado, a descrição dele [de Festus], sacer homo is est quem populus judicavit ob maleficum, demonstra que não há inconsistência entre a sacratio capitis e um julgamento criminal adequado. As palavras apontam naturalmente para um criminoso julgado regularmente, condenado e executado, normalmente, através do machado. (Tradução livre) (STRACHAN-DAVIDSON, 1912, p.3-4) 4. 4 No original: A further token of the religious obligation on which the criminal law rested may be found in the use of the famous word sanctio to denote the penalty proposed for breaking a law; this is evidently connected with sanctus, sacer, and sacratio. The last two words, however, sacer and sacratio, bring us within sight of a difficult problem. One would expect to find these words used in the closest connexion with the quasi-sacrificial execution by axe. But, on the contrary, we find them over and over again in cases where there was no execution at all resembling a sacrifice. [ ]. On the one hand his [Festus] description, sacer homo is est quem populus judicavit ob maleficum, shows that there is no inconsistency between sacratio capitis and a proper criminal trial. As the words stand they would naturally point to criminal regularly tried, condemned, and executed in a normal manner with an axe.. ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 30 de 179

9 A consecratio capitis era uma sanção sacral aplicada àquele que cometia uma transgressão contra os deuses, cujas iras não poderiam ser aplacadas com a simples expiação religiosa da sanção de expiação (piaculum), que era uma oferta expiatória, como por exemplo, o sacrifício de um animal. A consecratio capitis, aplicada aos casos de ofensas graves às divindades, poderia consistir no abandono do culpado à divindade ofendida ou em sua direta execução pelo pecado cometido (SANTALUCIA, 1998, p.6-7; SANTALUCIA, 2009, p.11-4). A primeira sanção, o abandono, era expressa através da fórmula sacer esto (SANTALUCIA, 1998, p.8). Entretanto, a segunda parte da frase, neques fas est eum immolari, sed qui occidit parricidii non damnatur, indica um sentido contrário à primeira, pois proíbe o sacrifício (immolatio) do homo sacer, mas aquele que eventualmente o matasse, não seria punido. Por isso, Strachan-Davidson comenta com estranheza: Mas as palavras seguintes, neques fas est eum immolari, sed qui occidit parricidii non damnatur nos conduzem em outra direção bem diferente. Parece que estamos diante de um homem que não desperta nenhuma preocupação para a lei em si, alguém que era deixado para a vingança púbica casual. (Tradução livre) (STRACHAN-DAVIDSON, 1912, p.4) 5. O homo sacer não era um transgressor ordinário, mas aquele que, pela natureza do fato criminoso, deveria ser colocado para fora da sociedade. Não lhe era permitido sequer expiar a culpa com um castigo, porque a espada da justiça poderia ser manchada com seu sangue a tal ponto que nem mesmo os justiceiros desejavam lidar com o homo sacer (STRACHAN-DAVIDSON, 1912, p.7). O homo sacer era evitado por todos por medo do contágio de sua culpa. Outro teórico, Fowler, retoma a origem da palavra sacer afirmando que esta pode ter significado simplesmente taboo, isto é, o homo sacer era aquele que havia sido removido para fora da região do profanum, sem qualquer referência especial a uma divindade, mas a uma 'santa' ou amaldiçoada, de acordo com as circunstâncias. (FOWLER, 1920, p.23) 6. Ao comentar sobre o termo sacer, Fowler afirma que a confusão deste termo com o vocábulo sacrum deve-se ao fato de a palavra sacer ter sido entendida como definida por Aelius Gallus, isto é, Uma coisa que era sacrum era conhecida por todos como propriedade de uma divindade, e sua violação era nefas, um crime mortal. (FOWLER, 1920, p.17) 7. Entretanto, acrescenta que, mesmo assim, havia mais um objeto que recebia o adjetivo 5 No original: But the next words, neques fas est eum immolari, sed qui occidit parricidii non damnatur, lead us in a quite another direction. We seem to have to do here with a man about whom the law does not trouble itself, whom it leaves to the causal vengeance of the public.. 6 No original: [...] removed out of the region of the profanum, without any special reference to a deity, but a holy or accursed, according to circumstances.. 7 No original: A thing that was sacrum was know by all to be the property of a deity, and violate it was nefas, a deadly crime.. ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 31 de 179

10 sacer: o homo sacer, aquele que podia ser violado sem nefas (violação às divindades), um homem que podia ser morto impunemente (FOWLER, 1920, p.17). Para Fowler (1920, p.17), sacer esto era uma maldição e homo sacer, o amaldiçoado, o homem banido, interditado, perigoso. Uma coisa santa (holy), segundo Fowler seguindo as lições de Robertson Smith, originalmente não implicava uma propriedade de um deus, mas simplesmente algo proibido (tabooed), por qualquer razão, sem referência aos deuses ou espíritos. O homem declarado sacer era, ao mesmo tempo, amaldiçoado e consagrado (FOWLER, 1920, p.17). Todavia, a consagração do homo sacer não podia ser feita tal qual um sacrifício às deidades, porque a morte daquele que fora declarado sacer não realizava a passagem do profanum para o sacrum (FOWLER, 1920, p.18). Fowler afirma ainda que várias passagens das regras jurídicas antigas relacionam o homo sacer ao sacrifício a deidades. Para manter a coerência, Fowler escreve que a palavra sacer deve ser traduzida, portanto, não como sacred to (sagrado) mas accursed and devoted to (amaldiçoado e dedicado a), talvez como indicação de que o homo sacer era consagrado a deidades do inferno, em expiação pelo prejuízo que ele havia levado à comunidade. Estas divindades infernais não tinham altares de sacrifício regularmente ordenados: se alguém desejava apaziguá-los com uma vítima, devia amaldiçoá-la e fazê-la sacer no velho sentido de 'taboo', e deixá-la ao seu destino." (Tradução livre). (FOWLER, 1920, p.21) 8. Isso explicaria, enfim, a razão de se considerar o homo sacer um banido, um sagrado ou perigoso (FOWLER, 1920, p.21) 9. Estas breves notas sobre o homo sacer servem apenas para pontuar a obscuridade do tema, demonstrada com precisão por Agamben (2010, p.76): se o homo sacer era impuro (sacralidade negativa), ou uma propriedade dos deuses (sacralidade positiva) como para alguns autores (SANTALUCIA, 1998, p.11-2), por que se podia matá-lo sem contaminar-se ou cometer sacrilégio? Por outro lado, continua Agamben (2010, p.76), se o homo sacer era vítima de um sacrifício arcaico, por que não era fas (permissão divina) levá-lo à morte através das formas sacrificais prescritas? O SIGNIFICADO POLÍTICO DO HOMO SACER 8 No original: These infernal deities had no regular ordered altar sacrifices: if one wished to appease them with a victim one must curse him and make him sacer in the old sense of taboo, and leave 9 No original: These infernal deities had no regular ordered altar sacrifices: if one wished to appease them with a victim one must curse him and make him sacer in the old sense of taboo, and leave him to his fate.. ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 32 de 179

11 No direito romano arcaico, a pessoa declarada ou constituída como sacer era excluída da jurisdição humana, sem passar, entretanto, para a esfera divina, acarretando uma dupla exclusão e, consequentemente, uma dupla inclusão. O homo sacer era excluído do ius humanum e do ius divinum e, por isso mesmo, a vida do homo sacer era incluída na forma de insacrificável e matável. A vida consagrada, sagrada, no homo sacer, implicava a possibilidade de matá-lo sem cometer homicídio e sem celebrar um sacrifício (AGAMBEN, 2010, p.83-6). Enquanto membro do ius humanum a morte pode ser considerada criminosa, um homicídio. Enquanto membro do ius divinum, a vida pode ser sacrificada aos deuses. Entretanto, o homo sacer é excluído destes dois âmbitos, visto sua vida ser imediatamente incluída em duas formas: quanto ao ius humanum, a vida do homo sacer é incluída como uma vida que pode ser tirada impunemente. Matá-lo já não é mais crime, porquanto não faz mais parte da sociedade. Quanto ius divinum, a vida do homo sacer é incluída na forma de insacrificável (AGAMBEN, 2010, p.83-6). Neste sentido é que se pode afirmar que a vida do homo sacer, dentro dessa relação de abandono, estava constantemente exposta a um poder de morte. Abandonada, excluída, da esfera do direito dos homens e do direito dos deuses, esta mesma vida é imediatamente incluída capturada de fora na forma de sujeição a um poder soberano, exposta à violência soberana, tornando-se completamente nua. Se vida nua é interligada ao poder soberano através da relação de bando, pode-se afirmar, portanto, que soberano é aquele em relação ao qual todos os homens são potencialmente homines sacri e homo sacer é aquele em relação ao qual todos os homens agem como soberanos (AGAMBEN, 2010, p.86). Sacra é a vida exposta constantemente ao poder de morte e sacer esto é a fórmula política que marca a submissão da vida ao poder soberano expondo-a a uma matabilidade virtual (AGAMBEN, 2010, p.86-90). Walter Benjamin já havia expressado que a ideia de sacralidade do homem dá motivos para uma reflexão na qual, aqui, o que é dito sagrado, segundo o antigo pensamento mítico, é o portador marcado pela culpa: a mera vida. (Tradução livre) (BENJAMIN, 1996, p.251) 10. Ademais, caberia uma nota adicional: para Agamben, a dimensão da vida nua é mais original que a oposição sacrificável/insacrificável (AGAMBEN, 2010, p.112) e isso 10 No original (tradução inglesa): this idea of man s sacredness gives grounds for reflection that what is here pronounced sacred was, according to ancient mythic thought, that marked bearer of guilty: life itself.. ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 33 de 179

12 significa que a inclusão do homem na pólis não se deu com o desaparecimento do sacrifício, como propõe Jean Luc-Nancy (2003, p.52), mas com a inclusão exclusiva da vida nua. Esta é a leitura que se faz nas entrelinhas do trecho no qual Agamben afirma que, na modernidade, o princípio da sacralidade da vida se viu completamente emancipado da ideologia sacrificial, e o significado do termo sacro na nossa cultura dá continuidade à história semântica do homo sacer e não à do sacrifício. (AGAMBEN, 2010, p.112). O homo sacer é insacrificável não porque o ocidente só conheça simulacros de sacrifícios ou não possa mais conhecer como ocorriam os verdadeiros sacrifícios, como pontua Jean-Luc Nancy (2003, p.55-64), mas porque a mera matabilidade é inerente à condição de vida nua do homo sacer. Esta afirmação pode ser feita porque o olhar de Agamben está voltado para a experiência-limite biopolítica dos campos de concentração. O extermínio dos judeus, no campo, não configurou nem uma execução capital, nem um sacrifício, mas apenas a realização de uma mera matabilidade que é inerente à condição de hebreu como tal (AGAMBEN, 2010, p.113) e, por isso, a violência soberana não pode ser recoberta com véus sacrificiais. A dimensão na qual o extermínio teve lugar não é nem a religião nem o direito, mas a biopolítica (AGAMBEN, 2010, p.113). Afirmar, portanto, que a vida sacra é aquela insacrificável e, todavia, matável, significa ter entendido que Sacra a vida é apenas na medida em que está presa à exceção soberana (AGAMBEN, 2010, p.86). Para Agamben, a insacrificável matabilidade do homo sacer é um fenômeno jurídico-político por excelência e ter tomado este fenômeno jurídicopolítico por um fenômeno genuinamente religioso é a raiz dos equívocos que marcam no nosso tempo tanto os estudos sobre o sacro como aqueles sobre a soberania. (AGAMBEN, 2010, p.86). A vida sacra ou vida nua, e o homo sacer, são produtos de um ato jurídicopolítico, de uma máquina antropológica. Alguns romanistas, como pontuou Romandini, questionam que a vida nua não corresponderia adequadamente à figura do homo sacer, mas sim à do hostis rei publicae, pois, enquanto a punição da primeira, historicamente, ocorria no âmbito das relações privadas, a da segunda, representaria um verdadeiro exemplo de punição soberana: Os romanistas recordarão, então, que o poder soberano no direito romano arcaico castigava por meio do sacrificium, ou seja, uma pena capital de tipo ritual. Nesse sentido, o homo sacer fica excluído dos meios da penalização soberana por se tratar de um assassinato consentido aos privati em forma não ritual, mas somente a esses e não aos magistratus legitimi. Consequentemente, a única figura que realmente representa a exceção soberana seria o hostis rei publicae que é privado de todo direito e assassinato pelo poder soberano, mediante a declaração de um iustitium ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 34 de 179

13 com seu correspondente senatus consultum ultimum. Com efeito, é possível sinalizar notáveis analogias entre o homo sacer e o hostis rei publicae, entre as quais cabe mencionar o fato de que, se o hostis publicus estava em mãos do senado, comportava sua imediata execução. Contudo, se não era possível ter com o culpado imediatamente, o senatus consultum ultimum consentia, ao menos a partir do ano 88 a.c., que qualquer cidadão pudesse assassiná-lo sem que isso resultasse ser um homicídio. Como corolário dessas características próprias do instituto, a declaração de hostis publicus também podia ser emitida sem que fosse necessária a declaração de um estado de exceção, ainda se a ação pudesse ser concebida como um bellum iustum. (ROMANDINI, 2013, p.252-3). Entretanto, buscar um significado puramente historicista de uma figura, o homo sacer, que surge na obra de Agamben com um sentido eminentemente político, significa ter esquecido o alerta, segundo o qual a insacrificável matabilidade do homo sacer é um fenômeno jurídico-político por excelência. Se não se deve tomar este fenômeno jurídicopolítico por um genuinamente religioso, tampouco seria válida uma interpretação puramente historicista, porquanto, pouco importa quem execute o vivente declarado sacer, pois quem o faça, nesse preciso instante, passa a exercer a função soberana de dar à morte. (ROMANDINI, 2013, p.255). A fórmula sacer esto, como uma formulação política original da imposição do vínculo de violência soberana, implica uma ligação na qual o homo sacer é aquele em relação ao qual todos os homens agem como soberanos. (AGAMBEN, 2010, p.86). Se, historicamente, a vida nua corresponderia mais adequadamente ao hostis rei publicae, e não ao homo sacer, isso não altera a perspectiva política da obra de Agamben, tampouco a proposta filosófica que emerge do estudo do homo sacer, pois, ao contrário, apenas se enriqueceria a investigação com o tratamento de duas figuras solidárias a um mesmo paradigma. (ROMANDINI, 2013, p.254). Por outro lado, há autores que criticam o estudo do homo sacer, proposto por Agamben, afirmando que aquele homem sacro do direito romano arcaico estaria imerso em uma historicidade fragmentária, isto é, as referências históricas em relação ao homo sacer seriam insuficientes para se alcançar as conclusões pretendidas por Agamben: Ninguém conhece o homo sacer. Transmitiram-se apenas farrapos da sua existência como criminoso que pode ser morto sem que o assassino seja punido, ou seja, como aquele que pode andar pela cidade e pelo campo como morto-vivo. As fontes não revelam nem um contorno jurídico e nem pessoal do homo sacer, embora se trate, para Agamben, de uma ( enigmática ) figura do Direito Romano Arcaico. Wilhelm Rein, Rudolph von Jhering, Theodor Mommsen, E. Brunnenmeister, Max Weber, Kurt Latte, Max Kaser, Wolfgang Kunkel, Giuliano Crifò, Yan Thomas e ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 35 de 179

14 resumindo agora a discussão - Claire Lovisi (entre outros) não avistaram, pesaram, pronunciaram os raros testemunhos da antiga maldição sacer esto. [...]. Ninguém sabe exatamente ou nem ao menos mais ou menos qual o significado de sacer na antiga Roma. A ideia de que nesta época existiria um imaginário diferenciado religiosamente, juridicamente ou politicamente, que produzia vida nua no estado de exceção, deve ser antes ancorada no âmbito da fantasia histórica. As condições eram ásperas, não se pode falar de uma cidade no sentido romano clássico. (Tradução livre) (KIESOW, 2002, p.62-3) 11. Essa corrente interpretativa mecânica da história se esquece que o método de investigação de Agamben, se bem próximo à arqueologia de Foucault, se alinha, também, às ideias de Walter Benjamin. Agamben não se preocupa com a gênese, mas sim com a origem no sentido benjaminiano do termo (Der Ursprung), o ponto de insurgência do fenômeno (BENJAMIN, 2009, p.45), rompendo, assim, com uma interpretação linear da história. No curso das investigações, Agamben analisou certas figuras como, por exemplo, o Homo sacer, o Muçulmano, o estado de exceção e o campo de concentração e estas, mesmo possuindo um conteúdo histórico, foram tratadas como paradigmas, cuja tarefa era a de constituir e tornar inteligível um conjunto problemático mais abrangente (AGAMBEN, 2008, p.11). A partir destas figuras epistemológicas, como o homo sacer, Agamben tenta romper com a antinomia entre particular e universal, cristalizando-as como exemplos, singularidades. Trabalhando com paradigmas ou exemplos, Agamben isola-os dos respectivos contextos para exibir as singularidades que lhes são próprias. O resgate histórico de um determinado fenômeno particular pressupõe, portanto, a desativação de seu uso normal, para apresentar, de modo mais inteligível, a regra ou o cânone deste uso, o qual não poderia ser apresentado de outra forma. (AGAMBEN, 2008, p.20). Com este gesto, Agamben pode dotar determinada figura histórica de um conteúdo político efetivo para a compreensão e constituição de um contexto histórico-problemático mais abrangente, algo bem próximo ao trabalho do anti-jornalista de Benjamin. A citação do anti-jornalista, sempre fragmentária, ao retirar do contexto, produz um estranhamento em relação à autoridade que se atribui a um certo texto, o que permite surgir a singularidade de um determinado trecho citado. A citação, portanto, não revive o passado, mas, ao contrário, tem a dupla função de 11 No original: Niemand kennt den homo sacer. Nur einige Fetzen seiner Existenz als ein Straftäter, der ungestraft getötet werden kann, der also als lebender Toter durch Stadt und Land läuft, sind überliefert. Für Agamben handelt es sich zwar um eine (immerhin rätselhafte ) Figur des archaischen römischen Rechts, doch geben die Quellen weder eine figürliche noch eine juristische Kontur des homo sacer preis. Wilhelm Rein, Rudolph von Jhering, Theodor Mommsen, E. Brunnenmeister, Max Weber, Kurt Latte, Max Kaser, Wolfgang Kunkel, Giuliano Crifò, Yan Thomas und nun die Diskussion zusammenfassend Claire Lovisi haben (neben anderen) die raren Zeugnisse vom alten Fluch sacer esto gesichtet, gewichtet, gerichtet. [...] Niemand weiß genau, oder auch nur ungefähr, was sacer im frühen Rom bedeutet hat. Die Vorstellung, dass zu dieser Zeit eine religiös, juristisch, politisch differenzierte Vorstellungswelt existiert habe, die im Ausnahmezustand bloßes Leben produziert, ist eher im Bereich der historischen Phantasie anzusiedeln. Die Verhältnisse waren rau, von einer Stadt im klassischen römischen Sinne kann keine Rede sein.. ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 36 de 179

15 destruir e construir. Destrói na medida em que arranca a palavra ou frase citada de seu contexto histórico original e constrói porque, ao situá-la em um novo texto, cristaliza-a como singularidade (BENJAMIN, 2005, p.454-5; AGAMBEN, 2005, p.167-8). Coletando e entrelaçando referências formadas por conceitos, ideias, fatos e fenômenos históricos (NASCIMENTO, 2012, p.22-3), Agamben pode formar constelações de singularidades, para as quais a interpretação histórica deixa de ter o caráter pretensamente neutro, adquirindo uma atualidade explosiva, capaz de romper com o continuum temporal, tão caro à tradição dos vencedores, aumentando, assim, as nossas chances na luta contra os espaços de exceção. O presente artigo não propõe uma defesa irrestrita da obra de Giorgio Agamben, que, obviamente, está sujeita a críticas, muitas delas, inclusive, bem pertinentes. Entretanto, não se pode negar que o aporte político-filosófico do estudo sobre o homo sacer ainda permanece relevante, notadamente no momento em que o estado de exceção que, antigamente, fora concebido como uma medida essencialmente temporal converteu-se em regra, nos dias atuais, como técnica usual de governo (AGAMBEN, 2014, p.3). A vida nua do homo sacer não é um dado natural, mas um produto de um ato jurídico-político. Esta frase sintetizaria uma parte relevante do significado político-filosófico da figura do homo sacer. Este representaria a figura originária da vida presa no bando soberano e conservaria a memória da exclusão originária através da qual se constituiu a dimensão política (AGAMBEN, 2010, p.84). Isso deve levar à reflexão que uma vida nua não seria aquela desprovida de direitos, mas, ao contrário, a nudez da vida oculta-se em uma vida plena de direitos e garantias jurídico-políticas institucionalizadas. O resultado desta fabricação jurídico-política do homem é a vida nua em suas mais variadas roupagens adotadas pela política ocidental: as formas de vida. As formas de vida (forma de viver) podem ser encontradas em todas as identidades jurídico-sociais (AGAMBEN, 2000, p.5-6), tais como o indígena, o brasileiro, o homossexual, o trabalhador, o cidadão, e em outros nomes. Ocorre que ao predicar ou qualificar a vida, como, por exemplo, vida de estudante, abre-se a possibilidade de retirar o qualificativo ( estudante ) e isolar a palavra vida. Ao predicar ou qualificar a vida, ao dar formas de vida (bíos) a um singular ou a um grupo, procurou-se excluir a zoé. Entretanto, o que está sendo constantemente capturado nestas formas de vida é justamente a vida nua, pois o qualificativo ou atributo dado pode, a qualquer momento, ser retirado, restando somente uma vida exposta ao poder soberano. Ao se falar, portanto, em vida de estudante, na ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 37 de 179

16 verdade, fala-se em vida (nua) de estudante, pois o atributo não acompanha simplesmente a vida orgânica (zoé), mas a vida nua. O que a figura do homo sacer, portador da vida nua, vem demonstrar é que o ser da política ocidental atual nada mais é do que um produto de um poder político que outorga vida nua com vestes variáveis (formas de vida) ao vivente, ou melhor, produz formas de vida sob o preço da total submissão à violência soberana do próprio vivente. Não se trata de um mero jogo com as palavras. No estado de exceção, no qual direito (e as formas de vida politicamente qualificadas) e violência, norma e fato, se colocam em um patamar de indiscernibilidade (AGAMBEN, 2007, p.131-3), o que se tem não é mais uma forma de vida, pois esta forma de viver qualificada estaria totalmente imersa em uma zona de anomia, em um vácuo jurídico. No estado de exceção, no qual a vida pode ser isolada de sua forma, tem-se apenas vida nua, aquela permanentemente exposta à violência soberana. Esta situação-limite demonstra como as formas de vida, as identidades jurídico-sociais, repousam, em última análise, na figura da vida nua: todos os homens são virtualmente homines sacri, notadamente no momento atual, em que o estado de exceção tem se convertido em regra. Os campos de concentração do Terceiro Reich demonstraram com clareza como a vida nua é o fundamento oculto das formas de vida. Neste estado de exceção (Ausnahmezustand), a vida dos prisioneiros (Häftling) perdera qualquer qualificativo jurídico, pois na zona cinzenta criada nos campos, na qual fato e norma, exceção e regra, violência e direito, tornavam-se indiscerníveis, conceitos como o de direito subjetivo e de proteção jurídica careciam de qualquer sentido (AGAMBEN, 2010, p.166). A vida dos prisioneiros no campo não se encontrava na esfera da bíos e tampouco na dimensão da zoé, mas deixava transparecer a vida nua sem nenhum tipo de vestimenta. A forma de vida, em última instância, indica uma cesura radical entre a vida (ser/ontologia) e as formas qualificadas de viver (política) e, este ponto, é justamente o que torna possível isolar uma vida nua das formas de vida, possibilitando a incidência do poder soberano e a experiência biopolítica. O estado de exceção, enquanto fundamento oculto do direito e da política moderna, utilizado crescentemente como técnica de governo nos dias atuais (AGAMBEN, 2011, p.64; AGAMBEN, 2014, p.3), é o espaço que possibilita regular cesuras jurídico-políticas precisas, separando e articulando a humanidade e a animalidade, criando a vida nua. A decisão soberana decide sobre (über) a exceção (SCHMITT, 2004, p.13), mas também decidirá, enfim, sobre o valor e o desvalor da vida. ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 38 de 179

17 CONCLUSÃO A figura do homo sacer, portador da vida nua, contém um significado político atual. Se, historicamente, a vida nua corresponderia mais adequadamente ao hostis rei publicae, e não ao homo sacer, e se esta figura está imersa em uma historicidade fragmentária, nem por isso a proposta filosófica que emerge do estudo do homo sacer seria obliterada. Ao contrário, a imagem do hostis rei publicae apenas enriquece investigação. Homo sacer e hostis rei publicae são solidários a um mesmo paradigma que busca descrever, ao menos, a relação entre vida nua e poder soberano. Por outro lado, a névoa que paira sobre os registros históricos do homo sacer tampouco deve ser motivo para se abandonar as investigações ou subestimar as conclusões alcançadas por Agamben, notadamente no livro Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. Interpretar a figura do homo sacer exclusivamente através do linear histórico, significa não ter entendido que Agamben trabalha com constelações de singularidades formadas por conceitos, ideias, fatos e fenômenos históricos para chegar às conclusões. Não se trata, portanto, de seguir o continuum temporal, mas de montar a origem no sentido benjaminiano do termo, o salto original de uma determinada figura ou fenômeno, para fortalecer a nossa luta contra os espaços de exceção. Um gesto político, afinal. Passados quase vinte anos do lançamento de Homo sacer. Il potere sovrano e la nuda vita, a lição sobre o homos sacer continua atual: a vida nua do homo sacer não é um dado natural, mas um produto de um ato jurídico-político. A política ocidental produz e outorga vida nua com vestes variáveis (formas de vida) ao vivente, sob o preço da completa submissão à violência soberana. A situação-limite do estado de exceção, que atualmente tem se convertido em regra, demonstra como a vida pode ser isolada de sua forma. Se o estado de exceção é o paradigma constitutivo da ordem jurídica e, além disso, tem se erigido como uma técnica de governo, todos os homens são, portanto, potencialmente homines sacri. REFERÊNCIAS AGAMBEN, Giorgio El hombre sin contenido. Barcelona, Altera, 185 p. AGAMBEN, Giorgio Estado de exceção. 2 a ed. São Paulo, Boitempo, 142 p. AGAMBEN, Giorgio Estado de exceção e genealogia do poder. Revista brasileira de estudos políticos. 108: ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 39 de 179

18 AGAMBEN, Giorgio Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. 2 a Horizonte, UFMG, 2010, 197 p. ed., Belo AGAMBEN, Giorgio Means without end: notes on politics. Minnesota, University of Minnesota, 152 p. AGAMBEN, Giorgio Mezzi senza fine: notte sulla politica. Torino, Bollati Boringhieri, 110 p. AGAMBEN, Giorgio O Reino e a glória: uma genealogia teológica do governo e da economia. São Paulo, Boitempo, 326 p. AGAMBEN, Giorgio Signatura rerum: sul metodo. Torino, Bollati Boringhieri, 120 p. AGAMBEN, Giorgio The end of the poem: studies in poetics. Stanford, Stanford University, 164 p. BENJAMIN, Walter Critique of violence. In: BULLOCK, Marcus; JENNINGS, Michael W. (Org.). Selected Writings I, 6 a ed., Cambridge, Belknap, p BENJAMIN, Walter Karl Kraus. In: BULLOCK, Marcus; JENNINGS, Michael W. (Org.) Selected Writings II, Parte 2, 6 a ed., Cambridge, Belknap, p BENJAMIN, Walter. The origin of German tragic drama. Londres, Verso, 256 p. BICALHO, Maria Fernanda A cidade e o império: o Rio de Janeiro no século XVIII. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 418 p. CARVALHO, Marieta Pinheiro de Uma idéia ilustrada de cidade: as transformações urbanas no Rio de Janeiro de D. João VI ( ). Rio de Janeiro, Odisséia, 188 p. FOWLER, William Ward Roman essays and interpretations. Oxford, Clarendon, 209 p. KIESOW, Rainer Maria Ius sacrum. Giorgio Agamben und das nackte Recht. Rechtsgeschichte Legal History. 01: LUPTON, Julia Reinhard Creature Caliban. Shakespeare Quarterly, 51(1):1-23. NANCY, Jean-Luc A finite thinking. Stanford, Stanford University, 360 p. NASCIMENTO, Daniel Arruda Do fim da experiência ao fim do jurídico: percurso de Giorgio Agamben. São Paulo, LiberArs, 235 p. ROMANDINI, Faibán Ludueña Do homo sacer ao iustitium: deslocamentos na interpretação do direito romano na filosofia de Giorgio Agamben. Revista internacional interdisciplinar Interthesis, 10(2): SANTALUCIA, Bernardo Diritto e processo penale nell antica Roma. 2 a ed. Milano, Giuffrè, 330 p. SANTALUCIA, Bernardo Altri studi di diritto penale romano. Padova, CEDAM, 552 p. SCHMITT, Carl El nomos de la tierra: en el derecho de gentes del jus publicum ISSN: InterSciencePlace - Revista Científica Internacional Páginas 40 de 179

Em seu livro Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua, agora

Em seu livro Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua, agora RESENHA GIORGIO AGAMBEN EO HOMO SACER1 Marcos César Alvarez Professor da UNESP/Marília E-mail: mcalvarez@uol.com.br Em seu livro Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua, agora publicado no BrasiF, o

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de Estado de Exceção em Giorgio Agamben

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de Estado de Exceção em Giorgio Agamben Estado de Exceção em Giorgio Agamben VALERIO, Raphael Guazzelli Programa de Pós-Graduação em Filosofia -UNESP- Marília Bolsista Capes Resumo Neste trabalho pretendemos analisar o conceito de estado de

Leia mais

HOMO SACER: O PODER SOBERANO E A VIDA NUA I, DE GIORGIO AGAMBEN JULIANE CARAVIERI MARTINS 1

HOMO SACER: O PODER SOBERANO E A VIDA NUA I, DE GIORGIO AGAMBEN JULIANE CARAVIERI MARTINS 1 1 HOMO SACER: O PODER SOBERANO E A VIDA NUA I, DE GIORGIO AGAMBEN JULIANE CARAVIERI MARTINS 1 Dados Bibliográficos: AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: O Poder Soberano e a Vida Nua I, tradução de Henrique Burigo,

Leia mais

Extinção da pena capital (Art. 102 GG)

Extinção da pena capital (Art. 102 GG) 33. Extinção da pena capital (Art. 102 GG) GRUNDGESETZ Artigo 102 (Extinção da pena capital) Fica abolida a pena de morte. 123. BVERFGE 18, 112 (AUSLIEFERUNG I) Reclamação Constitucional contra decisão

Leia mais

A ORIGEM DA FILOSOFIA

A ORIGEM DA FILOSOFIA A ORIGEM DA FILOSOFIA UMA VIDA SEM BUSCA NÃO É DIGNA DE SER VIVIDA. SÓCRATES. A IMPORTÂNCIA DOS GREGOS Sob o impulso dos gregos, a civilização ocidental tomou uma direção diferente da oriental. A filosofia

Leia mais

História do Direito. Direito na Pré História. made with

História do Direito. Direito na Pré História. made with - História do Direito Direito na Pré História made with - Direito na Pré História Introdução ao Direito na Pré História O Direito na Pré História teve relevante importância na criação das formas de se

Leia mais

Filosofia e Política

Filosofia e Política Filosofia e Política Aristóteles e Platão Aristóteles Política deve evitar a injustiça e permitir aos cidadãos serem virtuosos e felizes. Não há cidadania quando o povo não pode acessar as instituições

Leia mais

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento Estado: conceito e evolução do Estado moderno Santana do Livramento Objetivos da Aula Objetivo Geral Estudar o significado do Estado, sua concepção e evolução para os modelos do Estado Moderno, para a

Leia mais

RESENHA A HISTÓRIA DAS IDÉIAS NA PERSPECTIVA DE QUENTIN SKINNER

RESENHA A HISTÓRIA DAS IDÉIAS NA PERSPECTIVA DE QUENTIN SKINNER RESENHA A HISTÓRIA DAS IDÉIAS NA PERSPECTIVA DE QUENTIN SKINNER Vander Schulz Nöthling 1 SKINNER, Quentin. Meaning and Understand in the History of Ideas, in: Visions of Politics, Vol. 1, Cambridge: Cambridge

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Períodos Históricos da Filosofia Filosofia Grega ou Antiga (Séc. VI a.c. ao VI d.c.) Filosofia Patrística (Séc. I ao VII) Filosofia

Leia mais

Professora Edna Ferraresi. Aula 2

Professora Edna Ferraresi. Aula 2 Aula 2 Escolas e Teorias Jus filosóficas Modernas: a Escola da Exegese: positivismo jurídico ideológico; redução do Direito à lei; "In Claris NON cessat interpretatio"; aplicação mecânica do Direito. Escolas

Leia mais

Redução da maioridade penal: justiça ou vingança? Camila Valle[1]

Redução da maioridade penal: justiça ou vingança? Camila Valle[1] Camila Valle[1] O objetivo da redução da maioridade penal é fazer com que o Direito Penal (e a justiça correspondente) seja aplicado aos que hoje são tutelados pelo Estatuto da Criança e do Adolescente

Leia mais

A IMAGEM DO LEVIATHAN: PODER SOBERANO E VIDA NUA NA TEORIA POLÍTICA DE THOMAS HOBBES

A IMAGEM DO LEVIATHAN: PODER SOBERANO E VIDA NUA NA TEORIA POLÍTICA DE THOMAS HOBBES A IMAGEM DO LEVIATHAN: PODER SOBERANO E VIDA NUA NA TEORIA POLÍTICA DE THOMAS HOBBES Bruno Barbosa dos Santos Faculdade de Ciências Sociais Centro de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas bruno.bs@puccamp.edu.br

Leia mais

TÓPICOS DE CORREÇÃO DO EXAME FINAL

TÓPICOS DE CORREÇÃO DO EXAME FINAL TÓPICOS DE CORREÇÃO DO EXAME FINAL DE DIREITO DA UNIÃO EUROPEIA,TURMA DA NOITE (2.º ANO) DE 7 DE JUNHO DE 2017 Regente: Prof.ª Doutora Ana Maria Guerra Martins NOTA: A hipótese poderia ter sido resolvida

Leia mais

1- As matrizes clássicas do Estado de Direito - Características comuns 2- O Rule of Law Britânico

1- As matrizes clássicas do Estado de Direito - Características comuns 2- O Rule of Law Britânico 1- As matrizes clássicas do Estado de Direito - Características comuns 2- O Rule of Law Britânico Profa. Nina Ranieri 15/09/2017 1 Plano de aula I - Introdução As matrizes clássicas do Estado de Direito

Leia mais

O Contratualismo - Thomas Hobbes

O Contratualismo - Thomas Hobbes O Contratualismo - Thomas Hobbes 1. Sem leis e sem Estado, você poderia fazer o que quisesse. Os outros também poderiam fazer com você o que quisessem. Esse é o estado de natureza descrito por Thomas Hobbes,

Leia mais

ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA. Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Junho de 2017

ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA. Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Junho de 2017 ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Junho de 2017 CONCEPÇÕES DA ORIGEM DO ESTADO Existem cinco principais correntes que teorizam a este respeito:

Leia mais

O BIPODER NA CONTEMPORANEIDADE: Análise da campanha de prevenção à AIDS do Governo de Minas Gerais

O BIPODER NA CONTEMPORANEIDADE: Análise da campanha de prevenção à AIDS do Governo de Minas Gerais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Publicidade e Propaganda O BIPODER NA CONTEMPORANEIDADE: Análise da campanha de prevenção à AIDS do Governo de Minas Gerais Glaucia

Leia mais

Lesson 66: Indirect questions. Lição 66: Perguntas indiretas

Lesson 66: Indirect questions. Lição 66: Perguntas indiretas Lesson 66: Indirect questions Lição 66: Perguntas indiretas Reading (Leitura) Could you tell me where she went? (Você poderia me dizer para onde ela foi?) Do you know how I can get to the hospital? (Você

Leia mais

LIÇÃO 1 A LEI E A ALIANÇA Êxodo 19

LIÇÃO 1 A LEI E A ALIANÇA Êxodo 19 LIÇÃO 1 A LEI E A ALIANÇA Êxodo 19 1. Antes de entregar a lei, Deus já havia feito uma aliança com o povo. Em Êxodo 19.1-4, Deus lembra o povo do seu pacto, confirmado demonstrado em um fato. Qual é o

Leia mais

13 A flexão de singular de sociedade organizada (l. 12) substituída pela forma do plural sociedades organizadas indicaria que, se em lugar do verbo

13 A flexão de singular de sociedade organizada (l. 12) substituída pela forma do plural sociedades organizadas indicaria que, se em lugar do verbo 13 A flexão de singular de sociedade organizada (l. 12) substituída pela forma do plural sociedades organizadas indicaria que, se em lugar do verbo impessoal haver (l.11), que permaneceria no singular,

Leia mais

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo)

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo) Questão Redija em texto dissertativo acerca do seguinte tema. A ALMA E A CIDADE EM PLATÃO Ao elaborar seu texto, aborde, necessariamente, os seguintes aspectos: teoria política de Platão em A República

Leia mais

TESE DE MESTRADO EM ESTUDOS DA PAZ E DA GUERRA NAS NOVAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

TESE DE MESTRADO EM ESTUDOS DA PAZ E DA GUERRA NAS NOVAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS TESE DE MESTRADO EM ESTUDOS DA PAZ E DA GUERRA NAS NOVAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS O TERRORISMO ISLÂMICO TRANSNACIONAL E GLOBALIZAÇÃO Diogo Inácio da Rocha Guerreiro de Oliveira Lisboa, 08 de Fevereiro de

Leia mais

8 A L B E R T E I N S T E I N

8 A L B E R T E I N S T E I N 7 PREFÁCIO Este livro pretende dar uma idéia, a mais exata possível, da Teoria da Relatividade àqueles que, de um ponto de vista geral científico e filosófico, se interessam pela teoria mas não dominam

Leia mais

Edgardo Castro Introdução a Giorgio Agamben: uma arqueologia da potência

Edgardo Castro Introdução a Giorgio Agamben: uma arqueologia da potência Edgardo Castro Introdução a Giorgio Agamben: uma arqueologia da potência filoagamben Edgardo Castro Introdução a Giorgio Agamben: uma arqueologia da potência Tradução Beatriz de Almeida Magalhães Copyright

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 12) Segundo Marx,as relações de produção ou a natureza da produção e a organização do trabalho, determinam a organização de uma sociedade em um específico momento histórico. Em relação ao pensamento de

Leia mais

MONTESQUIEU. Separação de poderes. Origens da teoria e sua aplicação na atualidade. Prof. Elson Junior

MONTESQUIEU. Separação de poderes. Origens da teoria e sua aplicação na atualidade. Prof. Elson Junior MONTESQUIEU Separação de poderes Origens da teoria e sua aplicação na atualidade Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Maio de 2017 1. Primeiras ideias 1.1. Esclarecimentos iniciais Pela definição

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Teoria e Prática Científica Antônio Joaquim Severino Grupo de pesquisa: Educação e saúde /enfermagem: políticas, práticas, formação profissional e formação de professores

Leia mais

ESCRITOS AUTOBIOGRÁFICOS, AUTOMÁTICOS E DE REFLEXÃO PESSOAL

ESCRITOS AUTOBIOGRÁFICOS, AUTOMÁTICOS E DE REFLEXÃO PESSOAL A 388879 FERNANDO PESSOA ESCRITOS AUTOBIOGRÁFICOS, AUTOMÁTICOS E DE REFLEXÃO PESSOAL edição e posfácio de RlCHARD ZENITH com a colaboração de MANUELA PARREIRA DA SILVA traduções de MANUELA ROCHA ASSÍRIO

Leia mais

MICHEL FOUCAULT ( ) ( VIGIAR E PUNIR )

MICHEL FOUCAULT ( ) ( VIGIAR E PUNIR ) AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas expostos. RUBENS Todo RAMIRO exemplo JR (TODOS citado

Leia mais

Roteiro de leitura da Percepção da Fenomenologia do Espírito

Roteiro de leitura da Percepção da Fenomenologia do Espírito Roteiro de leitura da Percepção da Fenomenologia do Espírito Introdução 1-6: Introdução Primeira experiência 7: Primeira experiência; 8: Comentário acerca desta primeira experiência. Segunda experiência

Leia mais

FAMÍLIA AS SOCIEDADES. Sociedade primeira e fundamental

FAMÍLIA AS SOCIEDADES. Sociedade primeira e fundamental AS SOCIEDADES Sociedade primeira e fundamental FAMÍLIA A família é a sociedade da natureza humana, é a primeira e principal escola, onde o ser humano recebe formação e educação EMPRESA Atividade que várias

Leia mais

CAPÍTULO 1 O NASCIMENTO DA ÉTICA

CAPÍTULO 1 O NASCIMENTO DA ÉTICA Ética e relações de cidadania Capítulo 1 CAPÍTULO 1 O NASCIMENTO DA ÉTICA 1. O Nascimento da Ética Ética não se constitui num conjunto de pequenas regras, mas em princípios que só podem ser compreendidos

Leia mais

As 100 melhores piadas de todos os tempos (Portuguese Edition)

As 100 melhores piadas de todos os tempos (Portuguese Edition) As 100 melhores piadas de todos os tempos (Portuguese Edition) Click here if your download doesn"t start automatically As 100 melhores piadas de todos os tempos (Portuguese Edition) As 100 melhores piadas

Leia mais

Agamben, G. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: Editora UFMG,

Agamben, G. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: Editora UFMG, RESENHAS 171 172 Resenha Agamben, G. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002 1. Messias Basques 2 Do Homo Sacer ao Homo experimentalis: a vida nua em questão. Em Homo

Leia mais

Metodologia de pesquisa para Ciência da Computação

Metodologia de pesquisa para Ciência da Computação Metodologia de pesquisa para Ciência da Computação Prof. Raul Sidnei Wazlawick 1 Escrita da Monografia A escrita de uma monografia depende fundamentalmente da existência de algum conteúdo para ser apresentado.

Leia mais

Sociedade. O homem é, por natureza, um animal político Aristóteles.

Sociedade. O homem é, por natureza, um animal político Aristóteles. Sociedade O homem é, por natureza, um animal político Aristóteles. É impossível saber, historicamente, qual foi a primeira sociedade. O Homem vive em sociedade desde sua existência. A sociedade é uma necessidade

Leia mais

HISTORICIDADE DA IDEOLOGIA: DE CONCEITO CRÍTICO A CONCEITO ADAPTADO

HISTORICIDADE DA IDEOLOGIA: DE CONCEITO CRÍTICO A CONCEITO ADAPTADO HISTORICIDADE DA IDEOLOGIA: DE CONCEITO CRÍTICO A CONCEITO ADAPTADO Ítalo Alessandro Lemes Silva (Mestrando) italo.filosofia@gmail.com, Veralúcia Pinheiro (Orientadora) veraluciapinheiro27@gmail.com Universidade

Leia mais

Shakespeare. o gênio original

Shakespeare. o gênio original Shakespeare o gênio original Coleção ESTÉTICAS direção: Roberto Machado Kallias ou Sobre a Beleza Friedrich Schiller Ensaio sobre o Trágico Peter Szondi Nietzsche e a Polêmica sobre O Nascimento da Tragédia

Leia mais

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder!

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder! Estado moderno! Europa e Estados Unidos! Centralização crescente e politização do poder! Na estrutura feudal da Idade Média, o poder ainda era uma relação de direito privado no sentido de dependência pessoal

Leia mais

A CONDIÇÃO HUMANA : RELENDO HANNAH ARENDT

A CONDIÇÃO HUMANA : RELENDO HANNAH ARENDT A CONDIÇÃO HUMANA : RELENDO HANNAH ARENDT MARIA LÚCIA SEVERO; RAFAEL SARTOR; SUANE ALVISI PEIN; THIANE OLIVEIRA DE ALMEIDA MENEGON; WERITON RIBEIRO DE SOUZA RESUMO: O presente resumo pretende abordar as

Leia mais

DIREITO FUNDAMENTAL INDISPONÍVEL: A dignidade humana e o direito de oposição à transfusão de sangue por Testemunhas de Jeová em casos de iminente

DIREITO FUNDAMENTAL INDISPONÍVEL: A dignidade humana e o direito de oposição à transfusão de sangue por Testemunhas de Jeová em casos de iminente DIREITO FUNDAMENTAL INDISPONÍVEL: A dignidade humana e o direito de oposição à transfusão de sangue por Testemunhas de Jeová em casos de iminente risco de morte 2 BRUNO GOUVEIA PIETROBOM Advogado e Consultor

Leia mais

Active / Passive voice Teacher Liana Mara

Active / Passive voice Teacher Liana Mara Active / Passive voice Teacher Liana Mara Frases na active voice (voz ativa) são aquelas em que o sujeito que pratica a ação está em evidência, já em frases na passive voice (voz passiva), o objeto que

Leia mais

A teologia da política. Dr. Rousas John Rushdoony

A teologia da política. Dr. Rousas John Rushdoony INTRODUÇÃO A teologia da política Dr. Rousas John Rushdoony Introdução Uma área de estudo muito negligenciada nos dois séculos passados ou mais é a teologia da política. O pensamento político tem se tornado

Leia mais

Um olhar que cura: Terapia das doenças espirituais (Portuguese Edition)

Um olhar que cura: Terapia das doenças espirituais (Portuguese Edition) Um olhar que cura: Terapia das doenças espirituais (Portuguese Edition) Padre Paulo Ricardo Click here if your download doesn"t start automatically Um olhar que cura: Terapia das doenças espirituais (Portuguese

Leia mais

ESCOLA DATA: / / NOME:

ESCOLA DATA: / / NOME: ESCOLA DATA: / / PROF: TURMA: NOME: O significado desse verbo corresponde a PODER ou SABER, em português. Portanto para indicar capacidade, possibilidade, habilidade e permissão. Observe abaixo como usar

Leia mais

O PRINCÍPIO DO NON BIS IN IDEM E SUA APLICABILIDADE NOS PROCESSOS DISCIPLINARES MILITARES

O PRINCÍPIO DO NON BIS IN IDEM E SUA APLICABILIDADE NOS PROCESSOS DISCIPLINARES MILITARES O PRINCÍPIO DO NON BIS IN IDEM E SUA APLICABILIDADE NOS PROCESSOS DISCIPLINARES MILITARES ALEXANDRE HENRIQUES DA COSTA 1º Tenente da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Autor das obras Direito Administrativo

Leia mais

Vaporpunk - A fazenda-relógio (Portuguese Edition)

Vaporpunk - A fazenda-relógio (Portuguese Edition) Vaporpunk - A fazenda-relógio (Portuguese Edition) Octavio Aragão Click here if your download doesn"t start automatically Vaporpunk - A fazenda-relógio (Portuguese Edition) Octavio Aragão Vaporpunk - A

Leia mais

Julio Cesar dos Santos. A Imagem de Deus no Ser Humano, Segundo a Teologia de Emil Brunner: Um ser relacional e responsável diante de Deus

Julio Cesar dos Santos. A Imagem de Deus no Ser Humano, Segundo a Teologia de Emil Brunner: Um ser relacional e responsável diante de Deus Julio Cesar dos Santos A Imagem de Deus no Ser Humano, Segundo a Teologia de Emil Brunner: Um ser relacional e responsável diante de Deus DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE TEOLOGIA Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Pesquisas Éticas da Universidade Candido Mendes e do Laboratório de Estudos Hum(e)anos do

Pesquisas Éticas da Universidade Candido Mendes e do Laboratório de Estudos Hum(e)anos do ! #!$$%&'$&'('()('*( +$( &#,'' &(-$'$#,'$'!.$' /.&#,'! 1 Doutorando em Ciência Política pelo IUPERJ. Pesquisador do Centro de Estudos Avançados em Pesquisas Éticas da Universidade Candido Mendes e do Laboratório

Leia mais

2ª AVALIAÇÃO/ º ANO / PRÉ-VESTIBULAR PROVA 1-25/04/2015 PROVA DISCURSIVA

2ª AVALIAÇÃO/ º ANO / PRÉ-VESTIBULAR PROVA 1-25/04/2015 PROVA DISCURSIVA 2ª AVALIAÇÃO/ 2015 3º ANO / PRÉ-VESTIBULAR PROVA 1-25/04/2015 PROVA DISCURSIVA ATENÇÃO! w Consulte a tabela abaixo para identificar a prova discursiva específica ao curso de sua opção. Curso com códigos

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES SARTRE (UFU) Liberdade, para Jean-Paul Sartre (1905-1980), seria assim definida: A) o estar sob o jugo do todo para agir em conformidade consigo mesmo, instaurando

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO Profª: Kátia Paulino dos Santos 23/2/2013 18:25 1 Direitos Humanos Direitos Naturais Direitos Morais Direitos dos Povos Direitos Públicos Subjetivos

Leia mais

Ordem Internacional e a Escola Inglesa das RI

Ordem Internacional e a Escola Inglesa das RI BRI 009 Teorias Clássicas das RI Ordem Internacional e a Escola Inglesa das RI Janina Onuki IRI/USP janonuki@usp.br 23 e 24 de setembro de 2015 ESCOLA INGLESA Abordagem que busca se diferenciar do debate

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PARA A SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PARA A SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PARA A SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PROVA DE SELEÇÃO AO CURSO DE DOUTORADO EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E SAÚDE PROVA DE INGLÊS O objetivo desta prova é avaliar

Leia mais

Resenha / Critical Review

Resenha / Critical Review Resenha / Critical Review por Ana Carolina da Costa e Fonseca * Oliver Michael; Barnes Colin. The new politcs of disablement (As novas olíticas da deficiência). Palgrave Macmillan, 2012. A primeira edição

Leia mais

A EVOLUÇÃO E A REENCARNAÇÃO.

A EVOLUÇÃO E A REENCARNAÇÃO. A EVOLUÇÃO E A REENCARNAÇÃO. Queremos compartilhar com aqueles que vem aqui às quintas-feiras algumas informações que conseguimos reunir ao longo da vida através da busca de respostas sobre o TEMA: -O

Leia mais

AMNISTIA INTERNACIONAL

AMNISTIA INTERNACIONAL AMNISTIA INTERNACIONAL Índice AI: 40/17/00 Tribunal Penal Internacional Ficha de Dados 8 Garantia de justiça às crianças " A UNICEF insiste na necessidade de combater as atrocidades contra as crianças,

Leia mais

Book Four Corners (Level 3A) Unit 2: Personal Stories Lesson C: I was really frightened(pages 18 and 19) Passive Voice

Book Four Corners (Level 3A) Unit 2: Personal Stories Lesson C: I was really frightened(pages 18 and 19) Passive Voice Book Four Corners (Level 3A) Unit 2: Personal Stories Lesson C: I was really frightened(pages 18 and 19) Passive Voice Imagine this scene... Voz ativa e voz passiva Quando falamos em voz ativa e voz passiva,

Leia mais

UNIDADE = LEI CONCEITO

UNIDADE = LEI CONCEITO UNIDADE = LEI CONCEITO Preceito jurídico (norma) escrito, emanado (que nasce) de um poder estatal competente (legislativo federal, estadual ou municipal ou poder constituinte) com características (ou caracteres)

Leia mais

FILOSOFIA PÓS-MODERNA Século XX

FILOSOFIA PÓS-MODERNA Século XX Século XX O termo pós-moderno se aplica aos filósofos e outros intelectuais que têm em comum a crítica ao projeto da modernidade, ou seja, a emancipação humano-social através do desenvolvimento da razão.

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 Índice 1. Ética Geral...3 1.1 Conceito de ética... 3 1.2 O conceito de ética e sua relação com a moral... 4 2 1. ÉTICA GERAL 1.1 CONCEITO DE ÉTICA Etimologicamente,

Leia mais

Planejamento de comunicação integrada (Portuguese Edition)

Planejamento de comunicação integrada (Portuguese Edition) Planejamento de comunicação integrada (Portuguese Edition) Click here if your download doesn"t start automatically Planejamento de comunicação integrada (Portuguese Edition) Planejamento de comunicação

Leia mais

Rule Set Each player needs to build a deck of 40 cards, and there can t be unit of different faction on the same deck.

Rule Set Each player needs to build a deck of 40 cards, and there can t be unit of different faction on the same deck. Rule Set Each player needs to build a deck of 40 cards, and there can t be unit of different faction on the same deck. In a battle between two cards the wining card is the one that has more attack against

Leia mais

ORE REKO PORÃ: NOSSO BOM MODO DE SER GUARANI ORE REKO PORÃ: OUR GOOD WAY OF BEING GUARANI. Toni Juliano Bandeira 1

ORE REKO PORÃ: NOSSO BOM MODO DE SER GUARANI ORE REKO PORÃ: OUR GOOD WAY OF BEING GUARANI. Toni Juliano Bandeira 1 ORE REKO PORÃ: NOSSO BOM MODO DE SER GUARANI ORE REKO PORÃ: OUR GOOD WAY OF BEING GUARANI Toni Juliano Bandeira 1 RESUMO: Este ensaio fotográfico tem como principal objetivo demonstrar cenas cotidianas

Leia mais

GABARITO PRINCÍPIOS PENAIS COMENTADO

GABARITO PRINCÍPIOS PENAIS COMENTADO GABARITO PRINCÍPIOS PENAIS COMENTADO 1 Qual das afirmações abaixo define corretamente o conceito do princípio da reserva legal? a) Não há crime sem lei que o defina; não há pena sem cominação legal. b)

Leia mais

Teoria das Formas de Governo

Teoria das Formas de Governo Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas Disciplina: Governo Eletrônico Teoria das Formas de Governo Equipe 2 Biancca Nardelli Schenatz Nair

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE As normas elaboradas pelo Poder Constituinte Originário são colocadas acima de todas as outras manifestações de direito. A própria Constituição Federal determina um procedimento

Leia mais

À minha Mãe e ao meu Pai, ao meu marido, Nuno e ao meu filho, Renato, com muito amor e carinho.

À minha Mãe e ao meu Pai, ao meu marido, Nuno e ao meu filho, Renato, com muito amor e carinho. À minha Mãe e ao meu Pai, ao meu marido, Nuno e ao meu filho, Renato, com muito amor e carinho. i Agradecimentos O trabalho de pesquisa e de escrita é um processo muito moroso e solitário. Obriga-nos a

Leia mais

Faculdade Integrada Cantareira 5 ano/2010 Profa. Thais Cavalcanti. Professora Thais Cavalcanti

Faculdade Integrada Cantareira 5 ano/2010 Profa. Thais Cavalcanti. Professora Thais Cavalcanti Faculdade Integrada Cantareira 5 ano/2010 Profa. Thais Cavalcanti 1 Direitos humanos Direitos naturais Direitos do homem Direitos individuais Direitos públicos Direitos fundamentais Direitos subjetivos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA. Perfeição: entre a gradação e a completude

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA. Perfeição: entre a gradação e a completude UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA Perfeição: entre a gradação e a completude Aylton Fernando Andrade 1 fs_nandodrummer@hotmail.com O tema da concepção de perfeição é debatido

Leia mais

Direito e Efetividade Jurídica

Direito e Efetividade Jurídica artigo Direito e Efetividade Jurídica Reis Freide Desembargador Federal, ex-membro do Ministério Público e Professor-Adjunto da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ. Mestre

Leia mais

REVISIONAL DE FILOSOFIA Questões de 1 a 10

REVISIONAL DE FILOSOFIA Questões de 1 a 10 REVISIONAL DE FILOSOFIA Questões de 1 a 10 1) Hobbes assim define a essência da república ou cidade: Uma cidade (...) é uma pessoa cuja vontade, pelo pacto de muitos homens, há de ser recebida como sendo

Leia mais

ESCATOLOGIA BÍBLICA. Apocalipse

ESCATOLOGIA BÍBLICA. Apocalipse ESCATOLOGIA BÍBLICA O Quinto selo Santos Martirizados 9 Quando ele abriu o quinto selo, vi, debaixo do altar, as almas daqueles que tinham sido mortos por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho

Leia mais

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Atividade extra Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Questão 1 A ideia de que, pela Ciência e pela técnica, o homem se converterá em senhor e possuidor da natureza está presente no pensamento do filósofo

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

SOMOS DA MARÉ. TEMOS DIREITOS! EXIGIMOS RESPEITO! SOMOS CIDADÃOS E CIDADÃS. DO RIO DE

SOMOS DA MARÉ. TEMOS DIREITOS! EXIGIMOS RESPEITO! SOMOS CIDADÃOS E CIDADÃS. DO RIO DE SOMOS DA MARÉ. SOMOS DO RIO DE JANEIRO. SOMOS CIDADÃOS E CIDADÃS. TEMOS DIREITOS! EXIGIMOS RESPEITO! Na Maré, vivem 130 mil pessoas, distribuídas por 16 comunidades. Aqui, vivem mais habitantes que em

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L

PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor No diálogo Fédon, escrito por Platão, seu personagem Sócrates afirma que a dedicação à Filosofia implica que a alma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Faculdade de Direito, Setor de Ciências Jurídicas Programa de Pós-Graduação, em Direito Mestrado e Doutorado

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Faculdade de Direito, Setor de Ciências Jurídicas Programa de Pós-Graduação, em Direito Mestrado e Doutorado UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Faculdade de Direito, Setor de Ciências Jurídicas Programa de Pós-Graduação, em Direito Mestrado e Doutorado A PRESERVAÇÃO DA EMPRESA NO NOVO CÓDIGO CIVIL CURITIBA 2006 1

Leia mais

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 ÉTICA E MORAL O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 Ética e Moral são indiferenciáveis No dia-a-dia quando falamos tanto usamos o termo ética ou moral, sem os distinguirmos. Também

Leia mais

MITO E RAZÃO. A passagem do mito à Filosofia

MITO E RAZÃO. A passagem do mito à Filosofia MITO E RAZÃO A passagem do mito à Filosofia O QUE PERGUNTAVAM OS PRIMEIROS FILÓSOFOS? Por que os seres nascem e morrem? Por que os semelhantes dão origem aos semelhantes, de uma árvore nasce outra árvore,

Leia mais

A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA

A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA MAT1513 - Laboratório de Matemática - Diurno Professor David Pires Dias - 2017 Texto sobre Lógica (de autoria da Professora Iole de Freitas Druck) A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA Iniciemos

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER. vivendopelapalavra.com. Revisão e diagramação por: Helio Clemente

TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER. vivendopelapalavra.com. Revisão e diagramação por: Helio Clemente TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER vivendopelapalavra.com Revisão e diagramação por: Helio Clemente REALISMO: UMA ALTERNATIVA AO ESSENCIALISMO E AO CONVENCIONALISMO A visão convencionalista

Leia mais

DIREITO. 08. URCA/ Não é um dos caracteres da Norma Jurídica: a) Unilateralidade; b) Bilateralidade; c) Generalidade; d) Coercitividade.

DIREITO. 08. URCA/ Não é um dos caracteres da Norma Jurídica: a) Unilateralidade; b) Bilateralidade; c) Generalidade; d) Coercitividade. DIREITO 01. URCA/2011.2 Sobre os Valores Jurídicos, indique a assertiva incorreta: a) Os valores jurídicos se apresentam em escala hierárquica dotada de rigidez, sendo, pois, impossível que se sacrifique

Leia mais

A Cidade: Foi totalmente destruída em 627 a.c. e, três séculos mais tarde, reconstruída por Alexandre, O Grande. Em algumas de suas moedas podia-se

A Cidade: Foi totalmente destruída em 627 a.c. e, três séculos mais tarde, reconstruída por Alexandre, O Grande. Em algumas de suas moedas podia-se A Cidade: Foi totalmente destruída em 627 a.c. e, três séculos mais tarde, reconstruída por Alexandre, O Grande. Em algumas de suas moedas podia-se ler: A número 1 da Ásia em beleza e tamanho. A Cidade:

Leia mais

TEMA 1: ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DO ESTADO BRASILEIRO

TEMA 1: ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DO ESTADO BRASILEIRO TEMA 1: ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DO ESTADO BRASILEIRO A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado

Leia mais

Durkheim SOCIEDADE HOMEM. Anos 70 ROCOCÓ DETERMINA OPERÁRIOS

Durkheim SOCIEDADE HOMEM. Anos 70 ROCOCÓ DETERMINA OPERÁRIOS Durkheim Durkheim SOCIEDADE Anos 70 OPERÁRIOS ROCOCÓ DETERMINA HOMEM Sociologia Ciências naturais Sociologia Objetividade Relações causais Bases estatísticas Tipologia Social Sociedades de: Solidariedade

Leia mais

O QUE É CRISTIANISMO? (CITAÇÕES DE: EVIDÊNCIA QUE EXIGE UM VEREDITO - J. MC DOWELL) Revisão, diagramação, comentários e versos acrescentados por:

O QUE É CRISTIANISMO? (CITAÇÕES DE: EVIDÊNCIA QUE EXIGE UM VEREDITO - J. MC DOWELL) Revisão, diagramação, comentários e versos acrescentados por: O QUE É CRISTIANISMO? (CITAÇÕES DE: EVIDÊNCIA QUE EXIGE UM VEREDITO - J. MC DOWELL) Revisão, diagramação, comentários e versos acrescentados por: Helio Clemente O cristianismo é visto hoje, mais que nunca,

Leia mais

A METAFÍSICA E A TEORIA DAS QUATRO CAUSAS

A METAFÍSICA E A TEORIA DAS QUATRO CAUSAS A METAFÍSICA E A TEORIA DAS QUATRO CAUSAS O que é a metafísica? É a investigação das causas primeiras de todas as coisas existentes e estuda o ser enquanto ser. É a ciência que serve de fundamento para

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO Profª: Kátia Paulino dos Santos 6/9/2013 20:00 1 Direitos Humanos Direitos Naturais Direitos Públicos Subjetivos Direitos dos Povos Direitos Morais Direitos

Leia mais

A necessidade da oração (Escola da Oração) (Portuguese Edition)

A necessidade da oração (Escola da Oração) (Portuguese Edition) A necessidade da oração (Escola da Oração) (Portuguese Edition) Click here if your download doesn"t start automatically A necessidade da oração (Escola da Oração) (Portuguese Edition) A necessidade da

Leia mais

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO 1 ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO A ESCOLÁSTICA E OS PRINCIPAIS REPRESENTANTES ALBERTO MAGNO TOMÁS DE AQUINO Buscaram provar a existência de Deus utilizando argumentos racionais. 2 A UNIDADE ENTRE A FÉ

Leia mais

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 6: Jesus, o Filho de Deus - 1ª parte.

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 6: Jesus, o Filho de Deus - 1ª parte. ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 6: Jesus, o Filho de Deus - 1ª parte. Frei Hipólito Martendal, OFM. São Paulo-SP, 31 de maio de 2012. revisão, comentários e dúvidas sobre as aulas anteriores.

Leia mais

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna (Curso de extensão)

Leia mais

FILOSOFIA RECAPITULAÇÃO

FILOSOFIA RECAPITULAÇÃO FILOSOFIA RECAPITULAÇÃO O QUE É FILOSOFIA? CONCEITOS ORIGEM DA PALAVRA philo = AMOR FRATERNAL sophia = SABEDORIA AMOR PELA SABEDORIA AMIZADE PELO SABER PRIMEIRO USO DO TERMO ACREDITA-SE QUE O FILÓSOFO

Leia mais

Roteiro para a leitura do texto

Roteiro para a leitura do texto WEBER, Max - A "objetividade" do conhecimento nas Ciências Sociais In: Max Weber: A objetividade do conhecimento nas ciências sociais São Paulo: Ática, 2006 (: 13-107) Roteiro para a leitura do texto Data

Leia mais

Os contratualistas. Thomas Hobbes ( ) John Locke ( ) Jean-Jacques Rousseau ( )

Os contratualistas. Thomas Hobbes ( ) John Locke ( ) Jean-Jacques Rousseau ( ) Os contratualistas Thomas Hobbes (1588-1679) John Locke (1632-1704) Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) 1 Contratualismo Vertente filosófica derivada do jusnaturalismo ou direito natural moderno. Direito

Leia mais

Quem é Marcos? Marcos, autor do primeiro Evangelho, vivia em Jerusalém. A mãe se chamava Maria. Em sua casa reuniam-se os cristãos da cidade.

Quem é Marcos? Marcos, autor do primeiro Evangelho, vivia em Jerusalém. A mãe se chamava Maria. Em sua casa reuniam-se os cristãos da cidade. Atenção O Catequista, coordenador, responsável pela reunião ou encontro, quando usar esse material, tem toda liberdade de organizar sua exposição e uso do mesmo. Poderá interromper e dialogar com o grupo;

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Hermenêutica jurídica Maria Luiza Quaresma Tonelli* Hermenêutica é um vocábulo derivado do grego hermeneuein, comumente tida como filosofia da interpretação. Muitos autores associam

Leia mais