Shakespeare. o gênio original

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Shakespeare. o gênio original"

Transcrição

1 Shakespeare o gênio original

2 Coleção ESTÉTICAS direção: Roberto Machado Kallias ou Sobre a Beleza Friedrich Schiller Ensaio sobre o Trágico Peter Szondi Nietzsche e a Polêmica sobre O Nascimento da Tragédia Roberto Machado (org.) O Nascimento do Trágico Roberto Machado Introdução à Tragédia de Sófocles Friedrich Nietzsche Francis Bacon: Lógica da Sensação Gilles Deleuze Shakespeare, o Gênio Original Pedro Süssekind

3 Pedro Süssekind Shakespeare o gênio original Rio de Janeiro

4 Copyright 2008, Pedro Süssekind Copyright desta edição 2008: Jorge Zahar Editor Ltda. rua México 31 sobreloja Rio de Janeiro, RJ tel.: (21) / fax: (21) site: Todos os direitos reservados. A reprodução não-autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação de direitos autorais. (Lei 9.610/98) Capa: Miriam Lerner Imagem de capa:??? CIP-Brasil. Catalogação-na-fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ. S963s Süssekind, Pedro, Shakespeare: o gênio original / Pedro Süssekind. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., (Coleção Estéticas) Inclui bibliografia ISBN Shakespeare, William, Estética. 2. Literatura História e crítica Teoria, etc. 3. Estética moderna Século XVI. 4. Estética moderna Século XVII. 5. Criação (Literária, artística, etc.) História Século XVI. 6. Pensamento criativo. I. Título. II. Série. CDD: CDU:

5 Sumário Introdução A defesa da originalidade 7 A recepção alemã de Shakespeare 11 O efeito e as regras em Hamlet Shakespeare contra o Classicismo 25 As regras da arte 25 Crítica e criação 30 Lessing e o teatro alemão 35 A luta contra os cânones clássicos Shakespeare no Pré-romantismo 45 O gênio original 45 O modelo shakespeariano 48 As notas de Lenz sobre o teatro 53 Herder e o pensamento histórico O gênio moderno 71 Consideração sobre o Romantismo 71 Schiller crítico de Shakespeare 77 O gênio e a arte em Kant Goethe e Shakespeare 89 Mudança de foco 89 Para o dia de Shakespeare 93 Wilhelm Meister 97 Shakespeare e o sem fim 107 Notas 121 Referências bibliográficas 127

6 Introdução A defesa da originalidade Foi sua valorização a partir da segunda metade do século XVIII, na Alemanha da época de Goethe, que fez de Shakespeare o modelo por excelência do talento artístico original. O dramaturgo, que era questionado e censurado segundo os critérios das teorias poéticas consagradas no Classicismo francês, tornou-se a referência mais importante de uma poesia que foge às regras da arte definidas pela tradição e abandona a imitação dos antigos. Essa referência foi essencial para o movimento romântico, que desde seus primeiros teóricos rompeu com os parâmetros de uma poética normativa, baseada na autoridade dos escritores da Antigüidade para classificar os gêneros artísticos e, assim, definir o que era adequado a cada tipo de composição literária. Na recepção de Shakespeare pelos escritores alemães, identifica-se uma mudança de concepção a respeito do talento envolvido na criação artística, e com isso se evidencia uma oposição entre duas maneiras diferentes de pensar o gênio. Por um lado, no Classicismo francês e no Renascimento italiano, teorias normativas acerca da arte associavam o talento a uma técnica apurada, a uma perícia de execução, à realização de 7

7 8 Shakespeare: o gênio original uma obra sem erros, equilibrada e arduamente alcançada. Nesse caso, mesmo que o talento tenha sido considerado sempre um dom natural, necessário para a criação artística, era visto como uma capacidade mecânica, um rigor criativo que leva à perfeição pela obediência a normas de modo que o termo gênio corresponderia ao termo engenho, derivado do mesmo étimo. Em contrapartida, o movimento pré-romântico alemão, ou Sturm und Drang, na segunda metade do século XVIII, foi marcado pela defesa não só da liberdade e da espontaneidade na criação, mas também da possibilidade de transgressão das regras em nome da intensidade do efeito causado pelas obras de arte. Assim, a concepção romântica do gênio, elaborada inicialmente no Sturm und Drang, opõe a liberdade do poeta ao aprisionamento imposto pelas normas tradicionais, valorizando sobretudo a originalidade da criação artística. Surge, desse modo, a noção de gênio original, que caracterizou os desdobramentos posteriores do Romantismo. Essa mudança de concepção a respeito do gênio artístico constituiu um debate fundamental para a filosofia e a teoria da arte dos séculos XVIII e XIX. Contrapondo-se à tradição das poéticas normativas e ao classicismo de seus antecessores, teóricos do teatro como Diderot e Lessing procuraram justificar um novo modelo teórico, com base no privilégio do talento sobre a técnica, ou do efeito sobre as regras da arte. Na estética filosófica, Kant foi a principal referência na elaboração da questão do gênio e de seu caráter paradoxal entre a imitação de uma tradição constituída e a criação original a partir da observação da natureza. Essa questão seria retomada e redefinida posteriormente, no contexto da filosofia da arte, por autores como Schiller, Hegel, Schelling e Schopenhauer.

8 Introdução 9 Trata-se também de um tema central na teoria literária, em que o debate sobre o talento e o gênio normalmente considera duas perspectivas antagônicas, em propostas que ora tendem a valorizar a criação inspirada e espontânea, ora defendem o trabalho árduo de composição poética. Um exemplo dessa oposição, no século XX, encontra-se na formulação de João Cabral de Melo Neto, em seu ensaio Poesia e composição : a criação poética para uns é o momento inexplicável de um achado e, para outros, as horas enormes de uma procura. 1 O autor compara sua própria época ao século XVII, no qual o teatro clássico francês propunha com clareza padrões universais de julgamento e regras de composição preestabelecidas. Com essa comparação, ele procura não só mostrar a dificuldade de definir o trabalho dos poetas contemporâneos, mas também questionar o privilégio da inspiração, a fim de defender uma poética do esforço.

Cinema, televisão e história

Cinema, televisão e história Cinema, televisão e história Coleção PASSO-A-PASSO CIÊNCIAS SOCIAIS PASSO-A-PASSO Direção: Celso Castro FILOSOFIA PASSO-A-PASSO Direção: Denis L. Rosenfield PSICANÁLISE PASSO-A-PASSO Direção: Marco Antonio

Leia mais

A fantasia O prazer de ler Lacan

A fantasia O prazer de ler Lacan J.-D. Nasio A fantasia O prazer de ler Lacan Rio de Janeiro Título original: Le fantasme (Le plaisir de lire Lacan) Tradução autorizada da edição francesa publicada em 2005 por Payot & Rivages, de Paris,

Leia mais

Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora:

Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora: A dor física Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora: A alucinação E outros estudos lacanianos Cinco lições sobre a teoria de Jacques Lacan Como trabalha um psicanalista? A criança do espelho

Leia mais

MESTRADO EM ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE

MESTRADO EM ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE MESTRADO EM ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE Deleuze e as Artes Prof. ª Cíntia Vieira da Silva Terça-feira: 14:00às 18:00 O curso pretende mostrar como a filosofia deleuziana pode ser vista como um dos momentos

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DA CIÊNCIA MODERNA VOLUME 4 A BELLE-ÉPOQUE DA CIÊNCIA

BREVE HISTÓRIA DA CIÊNCIA MODERNA VOLUME 4 A BELLE-ÉPOQUE DA CIÊNCIA BREVE HISTÓRIA DA CIÊNCIA MODERNA VOLUME 4 A BELLE-ÉPOQUE DA CIÊNCIA MARCO BRAGA ANDREIA GUERRA JOSÉ CLAUDIO REIS BREVE HISTÓRIA DA CIÊNCIA MODERNA VOLUME 4 A BELLE-ÉPOQUE DA CIÊNCIA RIO DE JANEIRO Copyright

Leia mais

Índice. A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18

Índice. A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18 Índice PREFÁCIO 11 CAPÍTULO 1 A PRÉ-HISTÓRIA DO TEATRO A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18 CAPÍTULO 2 O TEATRO

Leia mais

Alya Ferreira Leal. Introdução ao Mundo Literário. Escola Básica Municipal Prefeito Henrique Schwarz. Cabelo Preto & Bigode Branco.

Alya Ferreira Leal. Introdução ao Mundo Literário. Escola Básica Municipal Prefeito Henrique Schwarz. Cabelo Preto & Bigode Branco. Alya Ferreira Leal Introdução ao Mundo Literário Escola Básica Municipal Prefeito Henrique Schwarz Cabelo Preto & Bigode Branco Conto Infantil Idealizador: Antônio Ramos da Silva 1 Copyright 2015 (1ª Edição)

Leia mais

SONIA LEONG ALEXEI BUENO ILUSTRAÇÕES TRADUÇÃO RIO DE JANEIRO Título: Romeu e Julieta. Editora Galera Programa utilizado: InDesign CS3 3ª prova

SONIA LEONG ALEXEI BUENO ILUSTRAÇÕES TRADUÇÃO RIO DE JANEIRO Título: Romeu e Julieta. Editora Galera Programa utilizado: InDesign CS3 3ª prova ILUSTRAÇÕES SONIA LEONG TRADUÇÃO ALEXEI BUENO RIO DE JANEIRO 2011 romeuejulieta_3a.indd 1 11.02.11 15:18:00 CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO NA FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ. S539r Shakespeare,

Leia mais

INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO

INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO GUSTAVO FILIPE BARBOSA GARCIA - INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO TEORIA GERAL DO DIREITO DIDÁTICA DIFERENCIADA 3. a edição revista eatualizada *** reitora ~ H TODO SÃO PAULO A EDITORA MÉTODO se responsabiliza

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e

A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e A Estética A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e juízos que são despertados ao observar uma

Leia mais

ASPECTOS ROMÂNTICOS NA FILOSOFIA DO JOVEM NIETZSCHE: DA ARTE TRÁGICA AO GÊNIO FILOSÓFICO. GARCIA, Naillê de Moraes¹; ARALDI, Clademir Luís².

ASPECTOS ROMÂNTICOS NA FILOSOFIA DO JOVEM NIETZSCHE: DA ARTE TRÁGICA AO GÊNIO FILOSÓFICO. GARCIA, Naillê de Moraes¹; ARALDI, Clademir Luís². ASPECTOS ROMÂNTICOS NA FILOSOFIA DO JOVEM NIETZSCHE: DA ARTE TRÁGICA AO GÊNIO FILOSÓFICO GARCIA, Naillê de Moraes¹; ARALDI, Clademir Luís². 1,2 Deptº de Filosofia ISP/UFPel Rua Alberto Rosa, 154 - CEP

Leia mais

ROMANTISMO E IDEALISMO (Século XIX)

ROMANTISMO E IDEALISMO (Século XIX) ROMANTISMO E IDEALISMO O Idealismo alemão sofreu forte influência, na sua fase inicial, do Romantismo, movimento cultural que se manifestou na Arte, na Literatura e na Filosofia. No seu ponto culminante,

Leia mais

EM BREVE: "LITERATURA &..." [CURSO DE EXTENSÃO IFE CAMPINAS]

EM BREVE: LITERATURA &... [CURSO DE EXTENSÃO IFE CAMPINAS] EM BREVE: "LITERATURA &..." [CURSO DE EXTENSÃO IFE CAMPINAS] Prezados(as), Com satisfação anunciamos nosso próximo curso de extensão universitária, denominado Literatura &. Nesta postagem vocês encontram

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-Fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ

CIP-Brasil. Catalogação-na-Fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ Copyright 2013, by Mario Manhães Mosso Direitos Reservados em 2013 por Editora Interciência Ltda. Diagramação: Maria de Lourdes de Oliveira Revisão Ortográfica: Maria Helena Aguiar Huebra Maria Paula da

Leia mais

STJ PfRICIA CRI INAI. foco. FLAVIO CARVALHO DE VASCONCElOS JOAQUIM RUBENS fontes filho MÁRCIA AlHO TSUNODA mro.

STJ PfRICIA CRI INAI. foco. FLAVIO CARVALHO DE VASCONCElOS JOAQUIM RUBENS fontes filho MÁRCIA AlHO TSUNODA mro. PfRICIA CRI INAI foco FGV FGV I ~:RA:E FLAVIO CARVALHO DE VASCONCElOS JOAQUIM RUBENS fontes filho MÁRCIA AlHO TSUNODA mro.j Copyright Flavio Carvalho de Vasconcelos, e Márcia Aiko Tsunoda Direitos desta

Leia mais

O helenismo de Goethe

O helenismo de Goethe 8 O helenismo de Goethe Pedro Süssekind A orientação de Goethe para o classicismo define o rumo de toda uma fase da sua produção artística e de suas investigações estéticas, consolidando o distanciamento

Leia mais

A Evolução da Física

A Evolução da Física A Evolução da Física Albert Einstein Leopold Infeld A Evolução da Física Tradução: Giasone Rebuá Rio de Janeiro Título original: The Evolution of Physics Copyright 1938, Albert Einstein e Leopold Infeld

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO TRABALHO. O trabalho nas Constituições da Alemanha, Brasil, Espanha, França, Itália e Portugal

A CONSTITUIÇÃO DO TRABALHO. O trabalho nas Constituições da Alemanha, Brasil, Espanha, França, Itália e Portugal A CONSTITUIÇÃO DO TRABALHO O trabalho nas Constituições da Alemanha, Brasil, Espanha, França, Itália e Portugal 1ª edição 2012 2ª edição 2014 EDILTON MEIRELES Desembargador do Trabalho (TRT/BA). Doutor

Leia mais

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica DIALÉTICA NEGATIVA Theodor W. Adorno DIALÉTICA NEGATIVA Tradução MARCO ANTONIO CASANOVA Professor do Depto. de Filosofia, Uerj Revisão técnica EDUARDO SOARES NEVES SILVA Professor adjunto do Depto. de

Leia mais

O Mito Individual do Neurótico

O Mito Individual do Neurótico O Mito Individual do Neurótico Campo Freudiano no Brasil Coleção dirigida por Jacques-Alain e Judith Miller Assessoria brasileira: Angelina Harari Jacques Lacan O Mito Individual do Neurótico ou Poesia

Leia mais

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do ROMANTISMO O ROMANTISMO O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do século XVIII. Perdura até meados do século XIX. Opunhase ao classicismo, ao racionalismo e Iluminismo.

Leia mais

Cinema, imagem e psicanálise

Cinema, imagem e psicanálise Cinema, imagem e psicanálise Coleção PASSO-A-PASSO CIÊNCIAS SOCIAIS PASSO-A-PASSO Direção: Celso Castro FILOSOFIA PASSO-A-PASSO Direção: Denis L. Rosenfield PSICANÁLISE PASSO-A-PASSO Direção: Marco Antonio

Leia mais

RESENHA. Arte e Filosofia no Idealismo Alemão, organizado por Marco Aurélio Werle e Pedro Fernandes Galé. (São Paulo, Barcarolla, 2009)

RESENHA. Arte e Filosofia no Idealismo Alemão, organizado por Marco Aurélio Werle e Pedro Fernandes Galé. (São Paulo, Barcarolla, 2009) RESENHA. Arte e Filosofia no Idealismo Alemão, organizado por Marco Aurélio Werle e Pedro Fernandes Galé. (São Paulo, Barcarolla, 2009) Mario Videira Doutor em Filosofia (FFLCH-USP) A arte [...] consegue

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE MORFOLOGIA E ANATOMIA VEGETAL

MANUAL PRÁTICO DE MORFOLOGIA E ANATOMIA VEGETAL MANUAL PRÁTICO DE MORFOLOGIA E ANATOMIA VEGETAL Universidade Estadual de Santa Cruz GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA RUI COSTA - GOVERNADOR SECRETARIA DE EDUCAÇÃO WALTER PINHEIRO - SECRETÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Períodos Históricos da Filosofia Filosofia Grega ou Antiga (Séc. VI a.c. ao VI d.c.) Filosofia Patrística (Séc. I ao VII) Filosofia

Leia mais

Alexander Gottlieb Baumgarten Meditações filosóficas sobre alguns tópicos referentes à essência do poema (1735)

Alexander Gottlieb Baumgarten Meditações filosóficas sobre alguns tópicos referentes à essência do poema (1735) Sumário Apresentação A reflexão ontológica Giambattista Vico Da metafísica poética, que nos dá a origem da poesia (1725) Alexander Gottlieb Baumgarten Meditações filosóficas sobre alguns tópicos referentes

Leia mais

O efeito trágico. na educação estética

O efeito trágico. na educação estética O efeito trágico na educação estética Em seus estudos sobre a Grécia, Schiller percebe a autonomia da Arte, que reúne em harmonia vários elementos, com o objetivo de buscar o caminho da liberdade ^ ^ "

Leia mais

AS NOVAS DIMENSÕES DA UNIVERSIDADE: INTERDISCIPLINARIDADE, SUSTENTABILIDADE E INSERÇÃO SOCIAL Uma avaliação internacional

AS NOVAS DIMENSÕES DA UNIVERSIDADE: INTERDISCIPLINARIDADE, SUSTENTABILIDADE E INSERÇÃO SOCIAL Uma avaliação internacional AS NOVAS DIMENSÕES DA UNIVERSIDADE: INTERDISCIPLINARIDADE, SUSTENTABILIDADE E INSERÇÃO SOCIAL Uma avaliação internacional Conselho Editorial Bertha K. Becker Candido Mendes Cristovam Buarque Ignacy Sachs

Leia mais

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes Filosofia da Arte Unidade II O Universo das artes FILOSOFIA DA ARTE Campo da Filosofia que reflete e permite a compreensão do mundo pelo seu aspecto sensível. Possibilita compreender a apreensão da realidade

Leia mais

Pedro Monteiro da Silva Eleutério Marcio Pereira Machado. Novatec

Pedro Monteiro da Silva Eleutério Marcio Pereira Machado. Novatec Pedro Monteiro da Silva Eleutério Marcio Pereira Machado Novatec Copyright 2011 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta

Leia mais

Sentenças sobre Arte Conceitual

Sentenças sobre Arte Conceitual Sol LeWitt Sentenças sobre Arte Conceitual Sol LeWitt {Hardford, 7928} Ver perfil do artista à p.176. "Sentences on Conceptual Art" Publicado pela primeira vez no catálogo 0-9 n.s Uan 1969) e reeditado

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: FILOSOFIA Código: ENF 304 Pré requisito: Nenhum Período Letivo: 2014.1 Professor:

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-Fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros RJ

CIP-Brasil. Catalogação-na-Fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros RJ Copyright 2013, by Vânia Barcellos Gouvêa Campos Direitos Reservados em 2013 por Editora Interciência Ltda. Diagramação: Maria de Lourdes de Oliveira Revisão Ortográfica: Carlos Alexandre Fernandez Maria

Leia mais

EMENTA Problemas de teoria e método em Sociologia da Cultura e História Social da Arte. Produção artística, cultural e intelectual.

EMENTA Problemas de teoria e método em Sociologia da Cultura e História Social da Arte. Produção artística, cultural e intelectual. UFSC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA POLÍTICA TÓPICOS ESPECIAIS: SOCIOLOGIA DA ARTE E DA CULTURA PROF. ALEXANDRE BERGAMO

Leia mais

Clássico ou romântico: a reflexão de Friedrich Schiller sobre a poesia na modernidade

Clássico ou romântico: a reflexão de Friedrich Schiller sobre a poesia na modernidade Pedro Süssekind* Clássico ou romântico: a reflexão de Friedrich Schiller sobre a poesia na modernidade Resumo Poesia ingênua e sentimental, último dos escritos filosóficos de Schiller, é avaliado como

Leia mais

ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO)

ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO) ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO) Cumprido o tronco comum, para perfazer os 180 créditos ECTS, o aluno pode optar por um ou dois majors, por um major e dois

Leia mais

o menino que vendia palavras

o menino que vendia palavras o menino que vendia palavras miolo_menino_rev1_04.indd 1 5/4/07 11:56:43 AM miolo_menino_rev1_04.indd 2 5/4/07 11:56:44 AM Ignácio de Loyola Brandão o menino que vendia palavras Ilustrações Mariana Newlands

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-IRATI (Currículo iniciado em 2009) LETRAS-PORTUGUÊS

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-IRATI (Currículo iniciado em 2009) LETRAS-PORTUGUÊS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-IRATI (Currículo iniciado em 2009) LETRAS-PORTUGUÊS DIDÁTICA 0545/I C/H 68 A didática e o ensino de línguas. O planejamento e a avaliação escolar no processo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 02/02/2016 Currículo de Cursos Hora: 10:31:58

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 02/02/2016 Currículo de Cursos Hora: 10:31:58 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 02/02/2016 Currículo de Cursos Hora: 10:31:58 Curso: Licenciatura Dupla em Português e Italiano Nível: Ensino Superior Grau Conferido: Licenciado em Língua

Leia mais

ミ Trabalho de Literatura 彡. Tema: Classicismo e Humanismo.

ミ Trabalho de Literatura 彡. Tema: Classicismo e Humanismo. ミ Trabalho de Literatura 彡 Tema: Classicismo e Humanismo. Movimento cultural que se desenvolveu na Europa ao longo dos séculos XV e XVI, com reflexos nas artes, nas ciências e em outros ramos da atividade

Leia mais

Coleção Provas Comentadas. Direito Civil Cespe/UnB

Coleção Provas Comentadas. Direito Civil Cespe/UnB Coleção Provas Comentadas Direito Civil Cespe/UnB Dicler Forestieri e Raphael Moreth Coleção Provas Comentadas Direito Civil Cespe/UnB 3ª edição Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2010

Leia mais

8 Referências Bibliográficas

8 Referências Bibliográficas 8 Referências Bibliográficas 8.1 Obras de Friedrich Schiller SCHILLER, Friedrich. A noiva de Messina, ou Os irmãos inimigos: tragédia com coros. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.. Ausgewählte Werke. Stuttgart:

Leia mais

Escola Tradicional - Educação 2015/2

Escola Tradicional - Educação 2015/2 Giovane Z. Arus Kellin Veloso Lilian Camargo Lucas Moller 2015/2 INTRODUÇÃO Será abordado, as principais características sobre a escola tradicional a partir dos aspectos: Filosóficos; Espistemológicos;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP. INSTITUTO DE FILOSOFIA, ARTES E CULTURA Programa de Pós-Graduação em Filosofia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP. INSTITUTO DE FILOSOFIA, ARTES E CULTURA Programa de Pós-Graduação em Filosofia UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP INSTITUTO DE FILOSOFIA, ARTES E CULTURA Programa de Pós-Graduação em Filosofia ESTILO E IDEAL: A APROPRIAÇÃO DO LEGADO CLÁSSICO NA ESTÉTICA DE GOETHE Luciano Nascimento

Leia mais

Em meados do século 18 a Estética se converte na disciplina filosófica da. moda, segundo Simón Marchán Fiz, em seu livro La estética em La cultura

Em meados do século 18 a Estética se converte na disciplina filosófica da. moda, segundo Simón Marchán Fiz, em seu livro La estética em La cultura A QUESTÃO DA ESTÉTICA Por: Paulo Roberto Monteiro de Araujo. AULA PÓS-GRADUAÇÃO EAHC -2012. Em meados do século 18 a Estética se converte na disciplina filosófica da moda, segundo Simón Marchán Fiz, em

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Semiárido Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A cultura da cebola

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Semiárido Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A cultura da cebola Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Semiárido Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento A cultura da cebola 2ª edição revista e ampliada Embrapa Brasília, DF 2012 Coleção Plantar,

Leia mais

J.-D. Nasio. A dor de amar. Rio de Janeiro

J.-D. Nasio. A dor de amar. Rio de Janeiro J.-D. Nasio A dor de amar Rio de Janeiro Título original: La douleur d aimer Tradução autorizada da edição francesa publicada em 2005 por Payot & Rivages, de Paris, França Copyright 2005, J.-D. Nasio Copyright

Leia mais

Programa provisório. UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Departamento de Filosofia Curso: Estética e filosofia da arte Profª.

Programa provisório. UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Departamento de Filosofia Curso: Estética e filosofia da arte Profª. Programa provisório UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Departamento de Filosofia Curso: Estética e filosofia da arte Profª. Priscila Rufinoni Mimesis, estética, arte Com o mesmo espelho não se pode refletir diferentes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 02/02/2016 Currículo de Cursos Hora: 10:11:47

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 02/02/2016 Currículo de Cursos Hora: 10:11:47 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 02/02/2016 Currículo de Cursos Hora: 10:11:47 Curso: Licenciatura Dupla em Português e Espanhol Nível: Ensino Superior Grau Conferido: Licenciado em Lingua

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2016 1º 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: FUNDAMENTOS DE SOCIOLOGIA 0560076 1.2.

Leia mais

[ CIÊNCIA POLÍTICA HOJE ]

[ CIÊNCIA POLÍTICA HOJE ] [ CIÊNCIA POLÍTICA HOJE ] ~ 1 ~ ~ 2 ~ Carlos Artur Gallo Bruno Mello Souza Joyce Miranda Leão Martins [ Organizadores ] [ CIÊNCIA POLÍTICA HOJE ] Porto Alegre 2013 ~ 3 ~ dos autores Revisão: organizadores

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LAT0101TU - Laboratório de História do Teatro I

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LAT0101TU - Laboratório de História do Teatro I Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina LAT0101TU - Laboratório de História do Teatro I Docente(s) Luciana de Fátima Rocha P. de Lyra Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento de Artes

Leia mais

A Razão na História.

A Razão na História. A Razão na História http://groups.google.com/group/digitalsource Georg Wilhelm Friedrich Hegel A Razão na História Uma Introdução Geral à Filosofia da História Introdução de Robert S. Hartman Tradução:

Leia mais

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia Tema 6: Ciência e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Ciência e Filosofia Ciência: vem do latim scientia. Significa sabedoria, conhecimento. Objetivos: Conhecimento sistemático. Tornar o mundo compreensível.

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO Componente Curricular: FILOSOFIA Código: ADM 112 Pré-requisito: Filosofia Geral Período Letivo: 2013.1 Professor: Ana Paula dos Santos Lima CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01

Leia mais

Literatura Brasileira Código HL ª: 10h30-12h30

Literatura Brasileira Código HL ª: 10h30-12h30 Código HL 012 Nome da disciplina VI Turma A 3ª: 07h30-09h30 6ª: 10h30-12h30 Pedro Dolabela Programa resumido Falaremos do romance no Brasil entre 1964 e 1980 sob uma série de perspectivas simultâneas:

Leia mais

Unesp PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PARA A CIÊNCIA - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ENSINO DE CIÊNCIAS. Plano de Ensino

Unesp PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PARA A CIÊNCIA - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ENSINO DE CIÊNCIAS. Plano de Ensino Unesp PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PARA A CIÊNCIA - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ENSINO DE CIÊNCIAS Plano de Ensino Designação da Disciplina: Teoria do Conhecimento e Filosofia da Ciência Domínio Específico ( X )

Leia mais

ÁGORA Revista Eletrônica Dez/2012 GOETHE: O FILÓSOFO QUE NÃO QUERIA SER FILÓSOFO

ÁGORA Revista Eletrônica Dez/2012 GOETHE: O FILÓSOFO QUE NÃO QUERIA SER FILÓSOFO GOETHE: O FILÓSOFO QUE NÃO QUERIA SER FILÓSOFO Marcelo Jose Hanaeur 1 Johann Wolfgang von Goethe nasceu na cidade de Frankfurt, na Alemanha, em 28 de agosto de 1749 e morreu em Weimar, no dia 22 de março

Leia mais

PLANO DE CURSO. CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

PLANO DE CURSO. CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: FILOSOFIA Código: ENF 304 Pré-requisito: Nenhum Período Letivo: 2016.2 Professor:

Leia mais

COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES

COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES VER MAPA E S T A N T E 5 E S T A N T E 4 B E S T A N T E 4 A E S T A N T E 3 B E S T A N T E 3 A E S T A N T E 2 B E S T

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 02/02/2016 Currículo de Cursos Hora: 10:05:33

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 02/02/2016 Currículo de Cursos Hora: 10:05:33 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 02/02/2016 Currículo de Cursos Hora: 10:05:33 Curso: Lic. em Lingua Port. e Literat. de Lingua Port. - Noturno Nível: Ensino Superior Grau Conferido: Licenciado

Leia mais

» As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história

» As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história Denis Hendrick » As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história» A palavra cultura não tem equivalente na maioria das línguas orais.

Leia mais

Pensamento do século XIX

Pensamento do século XIX Pensamento do século XIX SÉCULO XIX Expansão do capitalismo e novos ideais De acordo com a periodização tradicional, considera-se a Revolução Francesa o marco inicial da época contemporânea. Esse movimento

Leia mais

FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA

FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA SOBRE FILOSOFIA DEFINIÇÃO TRADICIONAL (segundo a perspectiva ocidental) TEOLOGIA CIÊNCIA certezas dúvidas Bertrand Russell (1872-1970) utiliza seus temas

Leia mais

COLÉGIO CEC 24/08/2015. Conceito de Dialética. Professor: Carlos Eduardo Foganholo DIALÉTICA. Originalmente, é a arte do diálogo, da contraposição de

COLÉGIO CEC 24/08/2015. Conceito de Dialética. Professor: Carlos Eduardo Foganholo DIALÉTICA. Originalmente, é a arte do diálogo, da contraposição de COLÉGIO CEC Professor: Carlos Eduardo Foganholo Conceito de Dialética DIALÉTICA Originalmente, é a arte do diálogo, da contraposição de ideias que leva a outras ideias. O conceito de dialética, porém,

Leia mais

Diretrizes Para Elaboração de Projetos de Pesquisa.

Diretrizes Para Elaboração de Projetos de Pesquisa. Faculdade de Tecnologia e Ciências FTC Colegiado de Engenharia Civil Diretrizes Para Elaboração de Projetos de Pesquisa. PROFESSORA: Shaiala Aquino O Que é Pesquisa? É utilizada para a descoberta de novos

Leia mais

CÓDIGO DISCIPLINAS (4 CRÉDITOS) EMENTAS

CÓDIGO DISCIPLINAS (4 CRÉDITOS) EMENTAS Universidade de Brasília Instituto de Letras Departamento de Teoria Literária e Literaturas Programa de Pós-Graduação em Literatura Quadro de Disciplinas e Ementas CÓDIGO DISCIPLINAS (4 CRÉDITOS) EMENTAS

Leia mais

As grandes navegações iniciadas. principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra.

As grandes navegações iniciadas. principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra. 01/06/2015 As grandes navegações iniciadas no século XV e principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra. 1 As teorias científicas de

Leia mais

Anais da XII Jornada de Iniciação Científica da Embrapa Amazônia Ocidental

Anais da XII Jornada de Iniciação Científica da Embrapa Amazônia Ocidental Anais da XII Jornada de Iniciação Científica da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Anais da XII Jornada de Iniciação Científica da Adauto Maurício

Leia mais

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 04. DIREITO NATURAL E DIREITO POSITIVO Prof. Milton Correa Filho

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 04. DIREITO NATURAL E DIREITO POSITIVO Prof. Milton Correa Filho CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito Aula 04 DIREITO NATURAL E DIREITO POSITIVO Prof. Milton Correa Filho 1.Motivação: O que é o que é (Gonzaguinha) -Dialógo de Antigona 2.Apresentação

Leia mais

Códigos Disciplinas Carga Horária. LEC050 Linguística I 60 horas --- LEC091 Estudos Literários I 60 horas ---

Códigos Disciplinas Carga Horária. LEC050 Linguística I 60 horas --- LEC091 Estudos Literários I 60 horas --- LICENCIATURA EM LETRAS: PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS MATRIZ CURRICULAR Habilitação em Português e respectivas literaturas o Ciclo Básico: LEC050 Linguística I 60 horas --- LEC091 Estudos Literários

Leia mais

1. Ensino Fundamental. O cotidiano europeu no século XVI Haydn Middleton Coleção Povos do passado São Paulo: Melhoramentos, 1992.

1. Ensino Fundamental. O cotidiano europeu no século XVI Haydn Middleton Coleção Povos do passado São Paulo: Melhoramentos, 1992. APÊNDICE 02 LIVROS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA QUE CONTEXTUALIZAM A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA DO PONTO DE VISTA HISTÓRICO, SOCIAL, CULTURAL, FILOSÓFICO, POLÍTICO E ECONÔMICO. 1. Ensino Fundamental O cotidiano

Leia mais

O RENASCIMENTO. Tema 5 Expansão e mudança nos séculos XV e XVI Renascimento e Reforma

O RENASCIMENTO. Tema 5 Expansão e mudança nos séculos XV e XVI Renascimento e Reforma RENASCIMENTO 05-02-2017 Tema 5 Expansão e mudança nos séculos XV e XVI 5.2 e Reforma O RENASCIMENTO O que é? É um movimento cultural, que transforma as mentalidades e renova os conhecimentos, valorizando

Leia mais

Peixe Defumado. 2 a edição revista e atualizada

Peixe Defumado. 2 a edição revista e atualizada Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Acre Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Peixe Defumado 2 a edição revista e atualizada Joana Maria Leite de Souza Ociléia de Araújo

Leia mais

3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP

3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP 1. A frase mostra um dos principais objetivos de Francis Bacon (Chico Toicinho): demonstrar que o conhecimento consistia simplesmente em acreditar

Leia mais

CEMAS - REVISTA ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A

CEMAS - REVISTA ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A 1 ARCADISMO O Arcadismo, também conhecido como Setecentismo ou Neoclassicismo, é o movimento que compreende a produção literária brasileira na segunda metade do século

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz

Universidade Estadual de Santa Cruz Universidade Estadual de Santa Cruz GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA RUI COSTA - GOVERNADOR SECRETARIA DE EDUCAÇÃO OSVALDO BARRETO FILHO - SECRETÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ ADÉLIA MARIA CARVALHO

Leia mais

III. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Aula 1 I) Introdução a. Homero b. Hesíodo c. O Mito e o Lógos. II) Sócrates

III. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Aula 1 I) Introdução a. Homero b. Hesíodo c. O Mito e o Lógos. II) Sócrates Introdução à Filosofia I.EMENTA Noções introdutórias ao Filosofar: origem e invenção. Agostinho de Hipona e a razão. Aristóteles e a superação do paradigma da Academia. Avicena e a filosofia árabemuçulmana.

Leia mais

NILDO VIANA OS VALORES NA SOCIEDADE MODERNA

NILDO VIANA OS VALORES NA SOCIEDADE MODERNA NILDO VIANA OS VALORES NA SOCIEDADE MODERNA 5 by Nildo Viana 2007 Diagramação: Capa: Montagem e impressão Rones Lima Victor Tagore Valdemir Martins ISBN: 978-85-7062-690-5 V614 Viana, Nildo, 1965 Os valores

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Hortaliças Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Pós-colheita de Hortaliças

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Hortaliças Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Pós-colheita de Hortaliças Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Hortaliças Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Pós-colheita de Hortaliças Embrapa Informação Tecnológica Brasília, DF 2007 Coleção Saber,

Leia mais

Classicismo e Romantismo

Classicismo e Romantismo 2 Classicismo e Romantismo No ambiente cultural da época de Schiller, encontravam-se em disputa diferentes projetos de modernidade, fundamentados em atitudes filosóficas, pelo menos a princípio, opostas.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 63/2002

RESOLUÇÃO Nº 63/2002 RESOLUÇÃO Nº 63/2002 Estabelece a relação de obras literárias do Processo Seletivo da UFES para ingresso nos cursos de graduação nos anos letivos de 2004, 2005 e 2006. O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO

Leia mais

Para que serve tudo isso?

Para que serve tudo isso? Para que serve tudo isso? Para que serve tudo isso? A filosofia e o sentido da vida, de Platão a Monty Python Julian Baggini Tradução: Cristiano Botafogo Rio de Janeiro Título original: What s It All About?

Leia mais

Metodologia para análise de mosto e suco de uva

Metodologia para análise de mosto e suco de uva Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Uva e Vinho Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Metodologia para análise de mosto e suco de uva Luiz Antenor Rizzon Editor Técnico Embrapa

Leia mais

Fazenda de conto. Fazendo de conta

Fazenda de conto. Fazendo de conta Fazenda de conto }{ Fazendo de conta Universidade Estadual de Santa Cruz GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA JAQUES WAGNER - GOVERNADOR SECRETARIA DE EDUCAÇÃO OSVALDO BARRETO FILHO - SECRETÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

Filosofia da história

Filosofia da história Filosofia da história Coleção PASSO-A-PASSO CIÊNCIAS SOCIAIS PASSO-A-PASSO Direção: Celso Castro FILOSOFIA PASSO-A-PASSO Direção: Denis L. Rosenfield PSICANÁLISE PASSO-A-PASSO Direção: Marco Antonio Coutinho

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 - ESTREMOZ Competências Gerais PLANIFICAÇÃO ANUAL DISCIPLINA: LITERATURA PORTUGUESA 2016-2017 - 10º Ano COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Leitura / Oralidade Seguir

Leia mais

6LET012 LINGÜÍSTICA II Introdução à teoria sintática funcionalista. Categorias gramaticais e relações

6LET012 LINGÜÍSTICA II Introdução à teoria sintática funcionalista. Categorias gramaticais e relações HABILITAÇÃO: LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA 1ª Série 6LEM008 LÍNGUA ESPANHOLA I A Noções introdutórias de compreensão e expressão (oral e escrita) da língua espanhola. Discussões sobre o espanhol como

Leia mais

APRENDER E ENSINAR G E O M E T R I A

APRENDER E ENSINAR G E O M E T R I A APRENDER E ENSINAR G E O M E T R I A série educação matemática Conselho Editorial Arlete de Jesus Brito Departamento de Educação, Unesp/Rio Claro Dione Lucchesi de Carvalho Faculdade de Educação, Unicamp

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2008 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 228 Perfil da Pesquisa Agropecuária Voltada

Leia mais

Contaminações microbianas na cultura de células, tecidos e órgãos de plantas

Contaminações microbianas na cultura de células, tecidos e órgãos de plantas Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Contaminações microbianas na cultura de células, tecidos e órgãos

Leia mais

Considerações sobre a teoria filosófica do gênio

Considerações sobre a teoria filosófica do gênio Viso Cadernos de estética aplicada Revista eletrônica de estética ISSN 1981-4062 Nº 7, http://www.revistaviso.com.br/ Considerações sobre a teoria filosófica do gênio Pedro Süssekind Universidade Federal

Leia mais

Revista Pandora Brasil Número 57, Agosto de 2013 ISSN Alisson Flores Caires VIDA ENQUANTO VONTADE DE POTÊNCIA

Revista Pandora Brasil Número 57, Agosto de 2013 ISSN Alisson Flores Caires VIDA ENQUANTO VONTADE DE POTÊNCIA VIDA ENQUANTO VONTADE DE POTÊNCIA RESUMO: O presente artigo pretende investigar a concepção Nietzscheana de Vida e natureza, buscando esclarecer a relação que há entre essas duas forças contrárias e únicas.

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento A CULTURA DA MANGA 2 a edição revisada e ampliada Embrapa Informação

Leia mais

A Concepção Moderna do Ser humano

A Concepção Moderna do Ser humano A Concepção Moderna do Ser humano A concepção do ser humano no humanismo Concepção renascentista do Civilização da Renascença Séc. XIV - XVI Idade do humanismo Tradição medieval - crista humanismo cristão

Leia mais

Projeto do trabalho A Música Erudita nos Dias de Hoje Visões, Críticas, Divulgação

Projeto do trabalho A Música Erudita nos Dias de Hoje Visões, Críticas, Divulgação Universidade do Algarve Escola Superior de Educação e Comunicação Projeto Multimédia Música na Comunicação Docentes: Fernando Carrapiço, Raquel Correia Ano letivo 2011/2012 Projeto do trabalho A Música

Leia mais

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE Viver é isto: ficar se equilibrando o tempo todo entre escolhas e consequências Jean Paul Sartre Jean-Paul Sartre - Paris, 1905 1980.

Leia mais

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna (Curso de extensão)

Leia mais