Shakespeare. o gênio original

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Shakespeare. o gênio original"

Transcrição

1 Shakespeare o gênio original

2 Coleção ESTÉTICAS direção: Roberto Machado Kallias ou Sobre a Beleza Friedrich Schiller Ensaio sobre o Trágico Peter Szondi Nietzsche e a Polêmica sobre O Nascimento da Tragédia Roberto Machado (org.) O Nascimento do Trágico Roberto Machado Introdução à Tragédia de Sófocles Friedrich Nietzsche Francis Bacon: Lógica da Sensação Gilles Deleuze Shakespeare, o Gênio Original Pedro Süssekind

3 Pedro Süssekind Shakespeare o gênio original Rio de Janeiro

4 Copyright 2008, Pedro Süssekind Copyright desta edição 2008: Jorge Zahar Editor Ltda. rua México 31 sobreloja Rio de Janeiro, RJ tel.: (21) / fax: (21) site: Todos os direitos reservados. A reprodução não-autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação de direitos autorais. (Lei 9.610/98) Capa: Miriam Lerner Imagem de capa:??? CIP-Brasil. Catalogação-na-fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ. S963s Süssekind, Pedro, Shakespeare: o gênio original / Pedro Süssekind. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., (Coleção Estéticas) Inclui bibliografia ISBN Shakespeare, William, Estética. 2. Literatura História e crítica Teoria, etc. 3. Estética moderna Século XVI. 4. Estética moderna Século XVII. 5. Criação (Literária, artística, etc.) História Século XVI. 6. Pensamento criativo. I. Título. II. Série. CDD: CDU:

5 Sumário Introdução A defesa da originalidade 7 A recepção alemã de Shakespeare 11 O efeito e as regras em Hamlet Shakespeare contra o Classicismo 25 As regras da arte 25 Crítica e criação 30 Lessing e o teatro alemão 35 A luta contra os cânones clássicos Shakespeare no Pré-romantismo 45 O gênio original 45 O modelo shakespeariano 48 As notas de Lenz sobre o teatro 53 Herder e o pensamento histórico O gênio moderno 71 Consideração sobre o Romantismo 71 Schiller crítico de Shakespeare 77 O gênio e a arte em Kant Goethe e Shakespeare 89 Mudança de foco 89 Para o dia de Shakespeare 93 Wilhelm Meister 97 Shakespeare e o sem fim 107 Notas 121 Referências bibliográficas 127

6 Introdução A defesa da originalidade Foi sua valorização a partir da segunda metade do século XVIII, na Alemanha da época de Goethe, que fez de Shakespeare o modelo por excelência do talento artístico original. O dramaturgo, que era questionado e censurado segundo os critérios das teorias poéticas consagradas no Classicismo francês, tornou-se a referência mais importante de uma poesia que foge às regras da arte definidas pela tradição e abandona a imitação dos antigos. Essa referência foi essencial para o movimento romântico, que desde seus primeiros teóricos rompeu com os parâmetros de uma poética normativa, baseada na autoridade dos escritores da Antigüidade para classificar os gêneros artísticos e, assim, definir o que era adequado a cada tipo de composição literária. Na recepção de Shakespeare pelos escritores alemães, identifica-se uma mudança de concepção a respeito do talento envolvido na criação artística, e com isso se evidencia uma oposição entre duas maneiras diferentes de pensar o gênio. Por um lado, no Classicismo francês e no Renascimento italiano, teorias normativas acerca da arte associavam o talento a uma técnica apurada, a uma perícia de execução, à realização de 7

7 8 Shakespeare: o gênio original uma obra sem erros, equilibrada e arduamente alcançada. Nesse caso, mesmo que o talento tenha sido considerado sempre um dom natural, necessário para a criação artística, era visto como uma capacidade mecânica, um rigor criativo que leva à perfeição pela obediência a normas de modo que o termo gênio corresponderia ao termo engenho, derivado do mesmo étimo. Em contrapartida, o movimento pré-romântico alemão, ou Sturm und Drang, na segunda metade do século XVIII, foi marcado pela defesa não só da liberdade e da espontaneidade na criação, mas também da possibilidade de transgressão das regras em nome da intensidade do efeito causado pelas obras de arte. Assim, a concepção romântica do gênio, elaborada inicialmente no Sturm und Drang, opõe a liberdade do poeta ao aprisionamento imposto pelas normas tradicionais, valorizando sobretudo a originalidade da criação artística. Surge, desse modo, a noção de gênio original, que caracterizou os desdobramentos posteriores do Romantismo. Essa mudança de concepção a respeito do gênio artístico constituiu um debate fundamental para a filosofia e a teoria da arte dos séculos XVIII e XIX. Contrapondo-se à tradição das poéticas normativas e ao classicismo de seus antecessores, teóricos do teatro como Diderot e Lessing procuraram justificar um novo modelo teórico, com base no privilégio do talento sobre a técnica, ou do efeito sobre as regras da arte. Na estética filosófica, Kant foi a principal referência na elaboração da questão do gênio e de seu caráter paradoxal entre a imitação de uma tradição constituída e a criação original a partir da observação da natureza. Essa questão seria retomada e redefinida posteriormente, no contexto da filosofia da arte, por autores como Schiller, Hegel, Schelling e Schopenhauer.

8 Introdução 9 Trata-se também de um tema central na teoria literária, em que o debate sobre o talento e o gênio normalmente considera duas perspectivas antagônicas, em propostas que ora tendem a valorizar a criação inspirada e espontânea, ora defendem o trabalho árduo de composição poética. Um exemplo dessa oposição, no século XX, encontra-se na formulação de João Cabral de Melo Neto, em seu ensaio Poesia e composição : a criação poética para uns é o momento inexplicável de um achado e, para outros, as horas enormes de uma procura. 1 O autor compara sua própria época ao século XVII, no qual o teatro clássico francês propunha com clareza padrões universais de julgamento e regras de composição preestabelecidas. Com essa comparação, ele procura não só mostrar a dificuldade de definir o trabalho dos poetas contemporâneos, mas também questionar o privilégio da inspiração, a fim de defender uma poética do esforço.

Cinema, televisão e história

Cinema, televisão e história Cinema, televisão e história Coleção PASSO-A-PASSO CIÊNCIAS SOCIAIS PASSO-A-PASSO Direção: Celso Castro FILOSOFIA PASSO-A-PASSO Direção: Denis L. Rosenfield PSICANÁLISE PASSO-A-PASSO Direção: Marco Antonio

Leia mais

A fantasia O prazer de ler Lacan

A fantasia O prazer de ler Lacan J.-D. Nasio A fantasia O prazer de ler Lacan Rio de Janeiro Título original: Le fantasme (Le plaisir de lire Lacan) Tradução autorizada da edição francesa publicada em 2005 por Payot & Rivages, de Paris,

Leia mais

Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora:

Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora: A dor física Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora: A alucinação E outros estudos lacanianos Cinco lições sobre a teoria de Jacques Lacan Como trabalha um psicanalista? A criança do espelho

Leia mais

MESTRADO EM ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE

MESTRADO EM ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE MESTRADO EM ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE Deleuze e as Artes Prof. ª Cíntia Vieira da Silva Terça-feira: 14:00às 18:00 O curso pretende mostrar como a filosofia deleuziana pode ser vista como um dos momentos

Leia mais

Câmpus de São Paulo Plano de Ensino Curso Ênfase Identificação Disciplina Docente(s) Unidade Departamento Créditos Carga Horaria Seriação ideal

Câmpus de São Paulo Plano de Ensino Curso Ênfase Identificação Disciplina Docente(s) Unidade Departamento Créditos Carga Horaria Seriação ideal Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina LAC1759T1 - História do Teatro e da Literatura Dramática III Docente(s) José Manuel Lázaro de Ortecho Ramirez Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento

Leia mais

SHAKESPEARE O GÊNIO ORIGINAL, de PEDRO SUSSEKIND (ED. ZAHAR: RJ, 2008) UMA LEITURA DE DULCINEA SANTOS Recife, junho/2016

SHAKESPEARE O GÊNIO ORIGINAL, de PEDRO SUSSEKIND (ED. ZAHAR: RJ, 2008) UMA LEITURA DE DULCINEA SANTOS Recife, junho/2016 SHAKESPEARE O GÊNIO ORIGINAL, de PEDRO SUSSEKIND (ED. ZAHAR: RJ, 2008) UMA LEITURA DE DULCINEA SANTOS Recife, junho/2016 O movimento pré-romântico alemão, ou Sturm [Tempestade] und Drang [Ímpeto], na segunda

Leia mais

PROPOSTA CURSO DE LETRAS HORÁRIO 2017

PROPOSTA CURSO DE LETRAS HORÁRIO 2017 CURSO DE LETRAS 1 ANO - 1º SEMESTRE - PERÍODO DIURNO E NOTURNO Estudos Literários I LTE5028 Variação e Mudança Linguísticas LNG5027 Língua Alemã I *LEM5108 Introdução à Língua Italiana: noções gerais *LEM5152

Leia mais

HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE º ANO/1º SEMESTRE

HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE º ANO/1º SEMESTRE HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE 2014 1º ANO/1º SEMESTRE 2 aulas) Observação: Leitura e Produção de Textos I * * (LNG1050) Habilidades Básicas Integradas do Inglês: Produção

Leia mais

PLANO DE ENSINO ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA. DEPARTAMENTO: Departamento de Filosofia e Métodos. Semestre Letivo: ( X ) Primeiro ( ) Segundo

PLANO DE ENSINO ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA. DEPARTAMENTO: Departamento de Filosofia e Métodos. Semestre Letivo: ( X ) Primeiro ( ) Segundo PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO CURSO: Teatro MODALIDADE: Graduação DISCIPLINA: Estética ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA DEPARTAMENTO: Departamento de Filosofia e Métodos DOCENTE RESPONSÁVEL: Semestre Letivo:

Leia mais

Chico César. Cantos elegíacos de amozade

Chico César. Cantos elegíacos de amozade Chico César Cantos elegíacos de amozade Xilogravuras de João Sánchez G a r a m o n d Copyright 2005, Chico César Direitos cedidos para esta edição à Editora Garamond Ltda. Caixa Postal: 16.230 Cep: 22222-970

Leia mais

SONIA LEONG ALEXEI BUENO ILUSTRAÇÕES TRADUÇÃO RIO DE JANEIRO Título: Romeu e Julieta. Editora Galera Programa utilizado: InDesign CS3 3ª prova

SONIA LEONG ALEXEI BUENO ILUSTRAÇÕES TRADUÇÃO RIO DE JANEIRO Título: Romeu e Julieta. Editora Galera Programa utilizado: InDesign CS3 3ª prova ILUSTRAÇÕES SONIA LEONG TRADUÇÃO ALEXEI BUENO RIO DE JANEIRO 2011 romeuejulieta_3a.indd 1 11.02.11 15:18:00 CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO NA FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ. S539r Shakespeare,

Leia mais

ASPECTOS ROMÂNTICOS NA FILOSOFIA DO JOVEM NIETZSCHE: DA ARTE TRÁGICA AO GÊNIO FILOSÓFICO. GARCIA, Naillê de Moraes¹; ARALDI, Clademir Luís².

ASPECTOS ROMÂNTICOS NA FILOSOFIA DO JOVEM NIETZSCHE: DA ARTE TRÁGICA AO GÊNIO FILOSÓFICO. GARCIA, Naillê de Moraes¹; ARALDI, Clademir Luís². ASPECTOS ROMÂNTICOS NA FILOSOFIA DO JOVEM NIETZSCHE: DA ARTE TRÁGICA AO GÊNIO FILOSÓFICO GARCIA, Naillê de Moraes¹; ARALDI, Clademir Luís². 1,2 Deptº de Filosofia ISP/UFPel Rua Alberto Rosa, 154 - CEP

Leia mais

Índice. A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18

Índice. A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18 Índice PREFÁCIO 11 CAPÍTULO 1 A PRÉ-HISTÓRIA DO TEATRO A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18 CAPÍTULO 2 O TEATRO

Leia mais

Alya Ferreira Leal. Introdução ao Mundo Literário. Escola Básica Municipal Prefeito Henrique Schwarz. Cabelo Preto & Bigode Branco.

Alya Ferreira Leal. Introdução ao Mundo Literário. Escola Básica Municipal Prefeito Henrique Schwarz. Cabelo Preto & Bigode Branco. Alya Ferreira Leal Introdução ao Mundo Literário Escola Básica Municipal Prefeito Henrique Schwarz Cabelo Preto & Bigode Branco Conto Infantil Idealizador: Antônio Ramos da Silva 1 Copyright 2015 (1ª Edição)

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DA CIÊNCIA MODERNA VOLUME 4 A BELLE-ÉPOQUE DA CIÊNCIA

BREVE HISTÓRIA DA CIÊNCIA MODERNA VOLUME 4 A BELLE-ÉPOQUE DA CIÊNCIA BREVE HISTÓRIA DA CIÊNCIA MODERNA VOLUME 4 A BELLE-ÉPOQUE DA CIÊNCIA MARCO BRAGA ANDREIA GUERRA JOSÉ CLAUDIO REIS BREVE HISTÓRIA DA CIÊNCIA MODERNA VOLUME 4 A BELLE-ÉPOQUE DA CIÊNCIA RIO DE JANEIRO Copyright

Leia mais

ROMANTISMO E IDEALISMO (Século XIX)

ROMANTISMO E IDEALISMO (Século XIX) ROMANTISMO E IDEALISMO O Idealismo alemão sofreu forte influência, na sua fase inicial, do Romantismo, movimento cultural que se manifestou na Arte, na Literatura e na Filosofia. No seu ponto culminante,

Leia mais

Artigo 2 - O Curso de Letras habilitará o aluno em Português e uma Língua Estrangeira e suas respectivas literaturas.

Artigo 2 - O Curso de Letras habilitará o aluno em Português e uma Língua Estrangeira e suas respectivas literaturas. Resolução Unesp-41, de 12-7-2007 Publicada no D.O.E. de 13/07/2007 - Seção I pag 53 (Alterada pela Resolução UNESP 20 de 31-3-2009 Publicada no D.O.E. de 01/04/2009, Seção I, página 42 e Resolução UNESP

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales

Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales Antonio Balbino Marçal Lima (org.) SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LIMA, ABM., org. Ensaios sobre fenomenologia: Husserl, Heidegger

Leia mais

INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO

INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO GUSTAVO FILIPE BARBOSA GARCIA - INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO TEORIA GERAL DO DIREITO DIDÁTICA DIFERENCIADA 3. a edição revista eatualizada *** reitora ~ H TODO SÃO PAULO A EDITORA MÉTODO se responsabiliza

Leia mais

O helenismo de Goethe

O helenismo de Goethe 8 O helenismo de Goethe Pedro Süssekind A orientação de Goethe para o classicismo define o rumo de toda uma fase da sua produção artística e de suas investigações estéticas, consolidando o distanciamento

Leia mais

A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e

A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e A Estética A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e juízos que são despertados ao observar uma

Leia mais

Sentenças sobre Arte Conceitual

Sentenças sobre Arte Conceitual Sol LeWitt Sentenças sobre Arte Conceitual Sol LeWitt {Hardford, 7928} Ver perfil do artista à p.176. "Sentences on Conceptual Art" Publicado pela primeira vez no catálogo 0-9 n.s Uan 1969) e reeditado

Leia mais

O Mito Individual do Neurótico

O Mito Individual do Neurótico O Mito Individual do Neurótico Campo Freudiano no Brasil Coleção dirigida por Jacques-Alain e Judith Miller Assessoria brasileira: Angelina Harari Jacques Lacan O Mito Individual do Neurótico ou Poesia

Leia mais

CLASSICISMO Foi um estilo de meados do séc. XVIII (1750 a 1830, aproximadamente). Iniciou com a morte dos compositores do Barroco e terminou com o

CLASSICISMO Foi um estilo de meados do séc. XVIII (1750 a 1830, aproximadamente). Iniciou com a morte dos compositores do Barroco e terminou com o CLASSICISMO Foi um estilo de meados do séc. XVIII (1750 a 1830, aproximadamente). Iniciou com a morte dos compositores do Barroco e terminou com o fim da era beethoviana. Foi um período curto da história

Leia mais

A Evolução da Física

A Evolução da Física A Evolução da Física Albert Einstein Leopold Infeld A Evolução da Física Tradução: Giasone Rebuá Rio de Janeiro Título original: The Evolution of Physics Copyright 1938, Albert Einstein e Leopold Infeld

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO TRABALHO. O trabalho nas Constituições da Alemanha, Brasil, Espanha, França, Itália e Portugal

A CONSTITUIÇÃO DO TRABALHO. O trabalho nas Constituições da Alemanha, Brasil, Espanha, França, Itália e Portugal A CONSTITUIÇÃO DO TRABALHO O trabalho nas Constituições da Alemanha, Brasil, Espanha, França, Itália e Portugal 1ª edição 2012 2ª edição 2014 EDILTON MEIRELES Desembargador do Trabalho (TRT/BA). Doutor

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-Fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ

CIP-Brasil. Catalogação-na-Fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ Copyright 2013, by Mario Manhães Mosso Direitos Reservados em 2013 por Editora Interciência Ltda. Diagramação: Maria de Lourdes de Oliveira Revisão Ortográfica: Maria Helena Aguiar Huebra Maria Paula da

Leia mais

Alexander Gottlieb Baumgarten Meditações filosóficas sobre alguns tópicos referentes à essência do poema (1735)

Alexander Gottlieb Baumgarten Meditações filosóficas sobre alguns tópicos referentes à essência do poema (1735) Sumário Apresentação A reflexão ontológica Giambattista Vico Da metafísica poética, que nos dá a origem da poesia (1725) Alexander Gottlieb Baumgarten Meditações filosóficas sobre alguns tópicos referentes

Leia mais

O Discurso de Ramsay, seus desdobramentos

O Discurso de Ramsay, seus desdobramentos O Discurso de Ramsay, seus desdobramentos . Valdemar José dos Santos Filho A O Discurso de Ramsay, seus desdobramentos São Paulo 2017 2017. Valdemar José dos Santos Filho Todos os direitos reservados.

Leia mais

STJ PfRICIA CRI INAI. foco. FLAVIO CARVALHO DE VASCONCElOS JOAQUIM RUBENS fontes filho MÁRCIA AlHO TSUNODA mro.

STJ PfRICIA CRI INAI. foco. FLAVIO CARVALHO DE VASCONCElOS JOAQUIM RUBENS fontes filho MÁRCIA AlHO TSUNODA mro. PfRICIA CRI INAI foco FGV FGV I ~:RA:E FLAVIO CARVALHO DE VASCONCElOS JOAQUIM RUBENS fontes filho MÁRCIA AlHO TSUNODA mro.j Copyright Flavio Carvalho de Vasconcelos, e Márcia Aiko Tsunoda Direitos desta

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE MORFOLOGIA E ANATOMIA VEGETAL

MANUAL PRÁTICO DE MORFOLOGIA E ANATOMIA VEGETAL MANUAL PRÁTICO DE MORFOLOGIA E ANATOMIA VEGETAL Universidade Estadual de Santa Cruz GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA RUI COSTA - GOVERNADOR SECRETARIA DE EDUCAÇÃO WALTER PINHEIRO - SECRETÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

RESENHA. Arte e Filosofia no Idealismo Alemão, organizado por Marco Aurélio Werle e Pedro Fernandes Galé. (São Paulo, Barcarolla, 2009)

RESENHA. Arte e Filosofia no Idealismo Alemão, organizado por Marco Aurélio Werle e Pedro Fernandes Galé. (São Paulo, Barcarolla, 2009) RESENHA. Arte e Filosofia no Idealismo Alemão, organizado por Marco Aurélio Werle e Pedro Fernandes Galé. (São Paulo, Barcarolla, 2009) Mario Videira Doutor em Filosofia (FFLCH-USP) A arte [...] consegue

Leia mais

DISCIPLINA: HISTÓRIA E CRÍTICA LITERÁRIA: RELAÇÕES CULTURAIS ENTRE BRASIL E PORTUGAL

DISCIPLINA: HISTÓRIA E CRÍTICA LITERÁRIA: RELAÇÕES CULTURAIS ENTRE BRASIL E PORTUGAL DISCIPLINA: HISTÓRIA E CRÍTICA LITERÁRIA: RELAÇÕES CULTURAIS ENTRE BRASIL E PORTUGAL NÚMERO DE CRÉDITOS: 08 créditos CARGA HORÁRIA: 120 h/a DOCENTE RESPONSÁVEL: Dr. Marcio Roberto Pereira EMENTA A proposta

Leia mais

Criação de bovinos de leite no Semi-Árido

Criação de bovinos de leite no Semi-Árido Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Semi-Árido Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Criação de bovinos de leite no Semi-Árido Brasília, DF 2007 Exemplares desta publicação

Leia mais

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica DIALÉTICA NEGATIVA Theodor W. Adorno DIALÉTICA NEGATIVA Tradução MARCO ANTONIO CASANOVA Professor do Depto. de Filosofia, Uerj Revisão técnica EDUARDO SOARES NEVES SILVA Professor adjunto do Depto. de

Leia mais

SCHILLER E OS GREGOS

SCHILLER E OS GREGOS Pedro Süssekind * pedro.sussekind@terra.com.br RESUMO Este artigo pretende mostrar como se articulam o helenismo classicista e a reflexão sobre a poesia moderna na teoria estética de Schiller, com base

Leia mais

O efeito trágico. na educação estética

O efeito trágico. na educação estética O efeito trágico na educação estética Em seus estudos sobre a Grécia, Schiller percebe a autonomia da Arte, que reúne em harmonia vários elementos, com o objetivo de buscar o caminho da liberdade ^ ^ "

Leia mais

A questão da dimensão ética em Ser e tempo

A questão da dimensão ética em Ser e tempo A questão da dimensão ética em Ser e tempo dissertação de Marcela Barbosa Leite 2 a edição copyright by Marcela Barbosa Leite 1 a edição: 2011 2 a edição: 2017 Todos os direitos reservados pela Editora

Leia mais

EM BREVE: "LITERATURA &..." [CURSO DE EXTENSÃO IFE CAMPINAS]

EM BREVE: LITERATURA &... [CURSO DE EXTENSÃO IFE CAMPINAS] EM BREVE: "LITERATURA &..." [CURSO DE EXTENSÃO IFE CAMPINAS] Prezados(as), Com satisfação anunciamos nosso próximo curso de extensão universitária, denominado Literatura &. Nesta postagem vocês encontram

Leia mais

Arte Geral aplicada a Museologia II (MUL 191)

Arte Geral aplicada a Museologia II (MUL 191) Arte Geral aplicada a Museologia II (MUL 191) Disciplina Arte Geral aplicada a Museologia II Departamento Museologia Unidade EDTM Código MUL191 Carga Horária Semanal Teórica 04 Prática 00 N o de Créditos

Leia mais

Clássico ou romântico: a reflexão de Friedrich Schiller sobre a poesia na modernidade

Clássico ou romântico: a reflexão de Friedrich Schiller sobre a poesia na modernidade Pedro Süssekind* Clássico ou romântico: a reflexão de Friedrich Schiller sobre a poesia na modernidade Resumo Poesia ingênua e sentimental, último dos escritos filosóficos de Schiller, é avaliado como

Leia mais

Cinema, imagem e psicanálise

Cinema, imagem e psicanálise Cinema, imagem e psicanálise Coleção PASSO-A-PASSO CIÊNCIAS SOCIAIS PASSO-A-PASSO Direção: Celso Castro FILOSOFIA PASSO-A-PASSO Direção: Denis L. Rosenfield PSICANÁLISE PASSO-A-PASSO Direção: Marco Antonio

Leia mais

Memória, cultura e literatura o prazer de ler e recriar o mundo

Memória, cultura e literatura o prazer de ler e recriar o mundo Memória, cultura e literatura o prazer de ler e recriar o mundo Apoio Pedagógico Memória, cultura e literatura: o prazer de ler e recriar o mundo, Elias José Memória, cultura e literatura o prazer de ler

Leia mais

FRANCIS BACON E A TRADIÇÃO EMPIRISTA. Universidade Estadual de Ponta Grossa Programa de Pós-Graduação em Educação Professora Gisele Masson

FRANCIS BACON E A TRADIÇÃO EMPIRISTA. Universidade Estadual de Ponta Grossa Programa de Pós-Graduação em Educação Professora Gisele Masson FRANCIS BACON E A TRADIÇÃO EMPIRISTA Universidade Estadual de Ponta Grossa Programa de Pós-Graduação em Educação Professora Gisele Masson O pensamento moderno e a crise generalizada de autoridade - A autoridade

Leia mais

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes Filosofia da Arte Unidade II O Universo das artes FILOSOFIA DA ARTE Campo da Filosofia que reflete e permite a compreensão do mundo pelo seu aspecto sensível. Possibilita compreender a apreensão da realidade

Leia mais

Quando o mundo estiver unido na busca do conhecimento, e não mais lutando por dinheiro e poder, então nossa sociedade poderá enfim evoluir a um novo

Quando o mundo estiver unido na busca do conhecimento, e não mais lutando por dinheiro e poder, então nossa sociedade poderá enfim evoluir a um novo Quando o mundo estiver unido na busca do conhecimento, e não mais lutando por dinheiro e poder, então nossa sociedade poderá enfim evoluir a um novo nível. 2 3 A OBRA DE SARTRE Busca da liberdade e desafio

Leia mais

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do ROMANTISMO O ROMANTISMO O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do século XVIII. Perdura até meados do século XIX. Opunhase ao classicismo, ao racionalismo e Iluminismo.

Leia mais

Pedro Monteiro da Silva Eleutério Marcio Pereira Machado. Novatec

Pedro Monteiro da Silva Eleutério Marcio Pereira Machado. Novatec Pedro Monteiro da Silva Eleutério Marcio Pereira Machado Novatec Copyright 2011 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-Fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros RJ

CIP-Brasil. Catalogação-na-Fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros RJ Copyright 2013, by Vânia Barcellos Gouvêa Campos Direitos Reservados em 2013 por Editora Interciência Ltda. Diagramação: Maria de Lourdes de Oliveira Revisão Ortográfica: Carlos Alexandre Fernandez Maria

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES 1 NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: Um dos mais importantes escritores portugueses, Eça de Queirós foi um arguto analista da sociedade e das relações humanas. Crítico implacável, satirista

Leia mais

STJ Janssen Murayama. o conceito de insumo. no PIS/COFINS. Editora Lumen Juris Rio de Janeiro

STJ Janssen Murayama. o conceito de insumo. no PIS/COFINS. Editora Lumen Juris Rio de Janeiro Janssen Murayama o conceito de insumo no PIS/COFINS Editora Lumen Juris Rio de Janeiro 2015 Copyright 2015 by Janssen Murayama Categoria: Direito Financeiro e Tributário PRODUÇÃO EDITORIAL Livraria e Editora

Leia mais

EM BREVE: "LITERATURA &..." [CURSO DE EXTENSÃO IFE CAMPINAS] ATUALIZAÇÃO: PEQUENA MUDANÇA NO CRONOGRAMA*

EM BREVE: LITERATURA &... [CURSO DE EXTENSÃO IFE CAMPINAS] ATUALIZAÇÃO: PEQUENA MUDANÇA NO CRONOGRAMA* EM BREVE: "LITERATURA &..." [CURSO DE EXTENSÃO IFE CAMPINAS] ATUALIZAÇÃO: PEQUENA MUDANÇA NO CRONOGRAMA* Prezados(as), Com satisfação anunciamos nosso próximo curso de extensão universitária, denominado

Leia mais

Apontamentos Psicanalíticos. Textos Teórico-Clínicos e de Psicanálise Aplicada

Apontamentos Psicanalíticos. Textos Teórico-Clínicos e de Psicanálise Aplicada Apontamentos Psicanalíticos Textos Teórico-Clínicos e de Psicanálise Aplicada Apontamentos Psicanalíticos Textos Teórico-Clínicos e de Psicanálise Aplicada Vera Marieta Fischer z Zagodoni Editora Copyright

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA DADOS SOBRE A DISCIPLINA. CARGA HORÁRIA SEMESTRAL ANUAL SEM./OFERTA HABILITAÇÃO T P TOTAL 1º 2º X X Licenciatura Plena

PROGRAMA DE DISCIPLINA DADOS SOBRE A DISCIPLINA. CARGA HORÁRIA SEMESTRAL ANUAL SEM./OFERTA HABILITAÇÃO T P TOTAL 1º 2º X X Licenciatura Plena PROGRAMA DE DISCIPLINA CENTRO: CCH ANO LETIVO DEPARTAMENTO: FILOSOFIA 2014 DADOS SOBRE A DISCIPLINA CÓDIGO 6FIL081 NOME Estética CURSO Filosofia SÉRIE 1 a CARGA HORÁRIA SEMESTRAL ANUAL SEM./OFERTA HABILITAÇÃO

Leia mais

EMENTA Problemas de teoria e método em Sociologia da Cultura e História Social da Arte. Produção artística, cultural e intelectual.

EMENTA Problemas de teoria e método em Sociologia da Cultura e História Social da Arte. Produção artística, cultural e intelectual. UFSC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA POLÍTICA TÓPICOS ESPECIAIS: SOCIOLOGIA DA ARTE E DA CULTURA PROF. ALEXANDRE BERGAMO

Leia mais

o menino que vendia palavras

o menino que vendia palavras o menino que vendia palavras miolo_menino_rev1_04.indd 1 5/4/07 11:56:43 AM miolo_menino_rev1_04.indd 2 5/4/07 11:56:44 AM Ignácio de Loyola Brandão o menino que vendia palavras Ilustrações Mariana Newlands

Leia mais

Tradução de. 1ª edição

Tradução de. 1ª edição Tradução de Vera Caputo 1ª edição Rio de janeiro 2017 CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO NA FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ Chopra, Deepak, 1946- C476s As sete leis espirituais do sucesso/ Deepak

Leia mais

AS NOVAS DIMENSÕES DA UNIVERSIDADE: INTERDISCIPLINARIDADE, SUSTENTABILIDADE E INSERÇÃO SOCIAL Uma avaliação internacional

AS NOVAS DIMENSÕES DA UNIVERSIDADE: INTERDISCIPLINARIDADE, SUSTENTABILIDADE E INSERÇÃO SOCIAL Uma avaliação internacional AS NOVAS DIMENSÕES DA UNIVERSIDADE: INTERDISCIPLINARIDADE, SUSTENTABILIDADE E INSERÇÃO SOCIAL Uma avaliação internacional Conselho Editorial Bertha K. Becker Candido Mendes Cristovam Buarque Ignacy Sachs

Leia mais

ミ Trabalho de Literatura 彡. Tema: Classicismo e Humanismo.

ミ Trabalho de Literatura 彡. Tema: Classicismo e Humanismo. ミ Trabalho de Literatura 彡 Tema: Classicismo e Humanismo. Movimento cultural que se desenvolveu na Europa ao longo dos séculos XV e XVI, com reflexos nas artes, nas ciências e em outros ramos da atividade

Leia mais

Classicismo. Literatura brasileira 1ª EM Prof.: Flávia Guerra

Classicismo. Literatura brasileira 1ª EM Prof.: Flávia Guerra Classicismo Literatura brasileira 1ª EM Prof.: Flávia Guerra Contexto O século XV traz o ser humano para o centro dos acontecimentos, relegando para segundo plano o deus todopoderoso do período medieval.

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Períodos Históricos da Filosofia Filosofia Grega ou Antiga (Séc. VI a.c. ao VI d.c.) Filosofia Patrística (Séc. I ao VII) Filosofia

Leia mais

EDUCAÇÃO ESTÉTICA NOS ANOS DE APRENDIZADO DE WILHELM MEISTER

EDUCAÇÃO ESTÉTICA NOS ANOS DE APRENDIZADO DE WILHELM MEISTER EDUCAÇÃO ESTÉTICA NOS ANOS DE APRENDIZADO DE WILHELM MEISTER Aluno: José Luiz Coelho Rangel Junior Orientador: Henrique Estrada Rodrigues Introdução Este trabalho é o resultado do primeiro ano de pesquisa

Leia mais

4253 CULTURA AFRO-BRASILEIRA V U C. Sociais quarta-feira MARKETING ELEITORAL V U C. Sociais segunda-feira 11

4253 CULTURA AFRO-BRASILEIRA V U C. Sociais quarta-feira MARKETING ELEITORAL V U C. Sociais segunda-feira 11 4253 CULTURA AFRO-BRASILEIRA V U C. Sociais quarta-feira 12 3326 MARKETING ELEITORAL V U C. Sociais segunda-feira 11 6752 PESQUISA II: MÉTODOS QUANTITATIVOS V B C. Sociais segunda-feira 18 3734 POLÍTICA

Leia mais

LEITURA: MOVER DE PEÇAS NO VELHO QUEBRA-CABEÇA

LEITURA: MOVER DE PEÇAS NO VELHO QUEBRA-CABEÇA LEITURA: MOVER DE PEÇAS NO VELHO QUEBRA-CABEÇA LUCINEA APARECIDA DE REZENDE ORGANIZADORA LEITURA: MOVER DE PEÇAS NO VELHO QUEBRA-CABEÇA EDITORA MECENAS LTDA LONDRINA PARANÁ BRASIL 2012 LEITURA: MOVER

Leia mais

Os Filósofos no Divã. Quando Freud encontra Platão, Kant e Sartre

Os Filósofos no Divã. Quando Freud encontra Platão, Kant e Sartre Os Filósofos no Divã Quando Freud encontra Platão, Kant e Sartre Conselho Editorial Alex Primo UFRGS Álvaro Nunes Larangeira UTP Carla Rodrigues PUC-RJ Cristiane Freitas Gutfreind PUCRS Erick Felinto UERJ

Leia mais

Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales

Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ZILIO, D. A natureza comportamental da mente: behaviorismo radical e filosofia da mente [online].

Leia mais

ARNALDO LEMOS FILHO GLAUCO BARSALINI LUÍS RENATO VEDOVATO OSCAR MELLIM FILHO Organizadores

ARNALDO LEMOS FILHO GLAUCO BARSALINI LUÍS RENATO VEDOVATO OSCAR MELLIM FILHO Organizadores ARNALDO LEMOS FILHO GLAUCO BARSALINI LUÍS RENATO VEDOVATO OSCAR MELLIM FILHO Organizadores Sociologia Geral e do Direito Editora Alínea 2005 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara

Leia mais

ÁGORA Revista Eletrônica Dez/2012 GOETHE: O FILÓSOFO QUE NÃO QUERIA SER FILÓSOFO

ÁGORA Revista Eletrônica Dez/2012 GOETHE: O FILÓSOFO QUE NÃO QUERIA SER FILÓSOFO GOETHE: O FILÓSOFO QUE NÃO QUERIA SER FILÓSOFO Marcelo Jose Hanaeur 1 Johann Wolfgang von Goethe nasceu na cidade de Frankfurt, na Alemanha, em 28 de agosto de 1749 e morreu em Weimar, no dia 22 de março

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Programa provisório. UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Departamento de Filosofia Curso: Estética e filosofia da arte Profª.

Programa provisório. UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Departamento de Filosofia Curso: Estética e filosofia da arte Profª. Programa provisório UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Departamento de Filosofia Curso: Estética e filosofia da arte Profª. Priscila Rufinoni Mimesis, estética, arte Com o mesmo espelho não se pode refletir diferentes

Leia mais

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: a Literatura no Enem. Literatura Brasileira 3ª série EM Prof.: Flávia Guerra

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: a Literatura no Enem. Literatura Brasileira 3ª série EM Prof.: Flávia Guerra Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: a Literatura no Enem Literatura Brasileira 3ª série EM Prof.: Flávia Guerra Competência de área 4 Compreender a arte como saber cultural e estético gerador de significação

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: FILOSOFIA Código: ENF 304 Pré requisito: Nenhum Período Letivo: 2014.1 Professor:

Leia mais

LIVRO DOS ALUNOS DO CEAF COLÉGIO ESTADUAL DR. ANTONIO FERNANDES

LIVRO DOS ALUNOS DO CEAF COLÉGIO ESTADUAL DR. ANTONIO FERNANDES LIVRO DOS ALUNOS DO CEAF COLÉGIO ESTADUAL DR. ANTONIO FERNANDES Secretaria Estadual de Educação - SEEDUC - RJ Coordenadoria Centro Sul Município de Miguel Pereira - Rio de Janeiro LIVRO DOS ALUNOS DO

Leia mais

ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO)

ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO) ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO) Cumprido o tronco comum, para perfazer os 180 créditos ECTS, o aluno pode optar por um ou dois majors, por um major e dois

Leia mais

Coleção Provas Comentadas. Direito Civil Cespe/UnB

Coleção Provas Comentadas. Direito Civil Cespe/UnB Coleção Provas Comentadas Direito Civil Cespe/UnB Dicler Forestieri e Raphael Moreth Coleção Provas Comentadas Direito Civil Cespe/UnB 3ª edição Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2010

Leia mais

REMANDO A FAVOR DA MARÉ

REMANDO A FAVOR DA MARÉ REMANDO A FAVOR DA MARÉ Anna Claudia Ramos REMANDO A FAVOR DA MARÉ Coleção Olímpia Coordenação: Cristiane Amorim Revisão: Raquel Menezes Projeto gráfico e editoração: Estúdio Garamond Capa: Thiago Antônio

Leia mais

O conhecimento e a incerteza do ponto de vista do ceticismo

O conhecimento e a incerteza do ponto de vista do ceticismo O conhecimento e a incerteza do ponto de vista do ceticismo IF UFRJ Mariano G. David Mônica F. Corrêa 1 O conhecimento e a incerteza do ponto de vista do ceticismo Aula 1: O conhecimento é possível? O

Leia mais

A TRAGÉDIA EM NIETZSCHE E LACAN: SUA ORIGEM E SUA ÉTICA Lucas Guilherme Fernandes Bruna Pinto Martins Brito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF/PUCG

A TRAGÉDIA EM NIETZSCHE E LACAN: SUA ORIGEM E SUA ÉTICA Lucas Guilherme Fernandes Bruna Pinto Martins Brito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF/PUCG A TRAGÉDIA EM NIETZSCHE E LACAN: SUA ORIGEM E SUA ÉTICA Lucas Guilherme Fernandes Bruna Pinto Martins Brito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF/PUCG RESUMO A tragédia surge no universo grego situada

Leia mais

As concepções do Ser humano na filosofia contemporânea

As concepções do Ser humano na filosofia contemporânea As concepções do Ser humano na filosofia contemporânea A concepção do ser humano no Idealismo alemão Pré Romantismo - séc. XVIII Resistência à Ilustração: mecanicismo de newtoniamo e empirismo de Locke

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP. INSTITUTO DE FILOSOFIA, ARTES E CULTURA Programa de Pós-Graduação em Filosofia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP. INSTITUTO DE FILOSOFIA, ARTES E CULTURA Programa de Pós-Graduação em Filosofia UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP INSTITUTO DE FILOSOFIA, ARTES E CULTURA Programa de Pós-Graduação em Filosofia ESTILO E IDEAL: A APROPRIAÇÃO DO LEGADO CLÁSSICO NA ESTÉTICA DE GOETHE Luciano Nascimento

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LAT0101TU - Laboratório de História do Teatro I

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LAT0101TU - Laboratório de História do Teatro I Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina LAT0101TU - Laboratório de História do Teatro I Docente(s) Luciana de Fátima Rocha P. de Lyra Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento de Artes

Leia mais

A ciência deveria valorizar a pesquisa experimental, visando proporcionar resultados objetivos para o homem.

A ciência deveria valorizar a pesquisa experimental, visando proporcionar resultados objetivos para o homem. FRANCIS BACON Ocupou cargos políticos importantes no reino britânico; Um dos fundadores do método indutivo de investigação científica; Saber é poder ; A ciência é um instrumento prático de controle da

Leia mais

Ensaio sobre a casa brasileira do século XIX

Ensaio sobre a casa brasileira do século XIX Ensaio sobre a casa brasileira do século XIX pós-doutorado de Solange de Aragão 2 a edição copyright by Solange de Aragão 1 a edição: 2011 2 a edição: 2017 Todos os direitos reservados pela Editora Edgard

Leia mais

SOLICITE SUA INSCRIÇÃO: CURSO "LITERATURA &..." [EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA IFE CAMPINAS] ATUALIZAÇÃO: PEQUENA MUDANÇA NO CRONOGRAMA*

SOLICITE SUA INSCRIÇÃO: CURSO LITERATURA &... [EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA IFE CAMPINAS] ATUALIZAÇÃO: PEQUENA MUDANÇA NO CRONOGRAMA* SOLICITE SUA INSCRIÇÃO: CURSO "LITERATURA &..." [EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA IFE CAMPINAS] ATUALIZAÇÃO: PEQUENA MUDANÇA NO CRONOGRAMA* Além dos benefícios já anunciados, saiba como a Literatura pode lhe ajudar

Leia mais

8 Referências Bibliográficas

8 Referências Bibliográficas 8 Referências Bibliográficas 8.1 Obras de Friedrich Schiller SCHILLER, Friedrich. A noiva de Messina, ou Os irmãos inimigos: tragédia com coros. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.. Ausgewählte Werke. Stuttgart:

Leia mais

Aula 5 _ A historicidade do Fenômeno Museal: do surgimento dos museus e do colecionismo.

Aula 5 _ A historicidade do Fenômeno Museal: do surgimento dos museus e do colecionismo. Aula 5 _ A historicidade do Fenômeno Museal: do surgimento dos museus e do colecionismo. BIBLIOGRAFIA: SUANO Marlene. O que é Museus. São Paulo: Ed. Brasiliense da coleção, 1986. (Col. Primeiros Passos).

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Licenciatura em Letras Língua Portuguesa Disciplina: Teoria da Literatura II FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Semestre Letivo/Turno: 2º Semestre Professores: Adriana Silene Vieira, Fernando Andrade,

Leia mais

Immanuel Kant. Como é possível o conhecimento? O conhecimento é possível porque o homem possui faculdades que o tornam possíveis".

Immanuel Kant. Como é possível o conhecimento? O conhecimento é possível porque o homem possui faculdades que o tornam possíveis. Immanuel Kant Como é possível o conhecimento? O conhecimento é possível porque o homem possui faculdades que o tornam possíveis". Em Kant, há duas principais fontes de conhecimento no sujeito: A sensibilidade,

Leia mais

'J1X. História do Controle da Constitucionalidade das Leis no Brasil. Marcelo Casseb Continentino

'J1X. História do Controle da Constitucionalidade das Leis no Brasil. Marcelo Casseb Continentino História do Controle da Constitucionalidade das Leis no Brasil PERCURSOS DO PENSAMENTO CONSTITUCIONAL NO SÉCULO XIX (1824-1891) 2015 Marcelo Casseb Continentino 'J1X ALMEDINA HISTÓRIA DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

Em meados do século 18 a Estética se converte na disciplina filosófica da. moda, segundo Simón Marchán Fiz, em seu livro La estética em La cultura

Em meados do século 18 a Estética se converte na disciplina filosófica da. moda, segundo Simón Marchán Fiz, em seu livro La estética em La cultura A QUESTÃO DA ESTÉTICA Por: Paulo Roberto Monteiro de Araujo. AULA PÓS-GRADUAÇÃO EAHC -2012. Em meados do século 18 a Estética se converte na disciplina filosófica da moda, segundo Simón Marchán Fiz, em

Leia mais

PLANO DE ENSINO. * Compreender a partir de analise de imagens e discussões a ruptura e a mudança entre o clássico e o moderno;

PLANO DE ENSINO. * Compreender a partir de analise de imagens e discussões a ruptura e a mudança entre o clássico e o moderno; PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Artes Visuais Professores: Daniel Bruno Momoli Período/ Fase: IV Semestre: II Ano: 2012 Disciplina:

Leia mais

ESTUDOS GERAIS Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º e 3.º ANOS)

ESTUDOS GERAIS Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º e 3.º ANOS) ESTUDOS GERAIS Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º e 3.º ANOS) Cumprido o tronco comum, para perfazer os 180 créditos ECTS, o aluno pode optar por um ou dois majors, por um major e dois minors,

Leia mais

Arte Greco-Romana e Expressionismo : a destruição dos modelos e dos valores ocidentais. Profa. Consuelo Holanda

Arte Greco-Romana e Expressionismo : a destruição dos modelos e dos valores ocidentais. Profa. Consuelo Holanda Arte Greco-Romana e Expressionismo : a destruição dos modelos e dos valores ocidentais Profa. Consuelo Holanda consueloholanda2010@hotmail.com 1 Para os gregos e posteriormente pelos romanos, havia uma

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-IRATI (Currículo iniciado em 2009) LETRAS-PORTUGUÊS

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-IRATI (Currículo iniciado em 2009) LETRAS-PORTUGUÊS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-IRATI (Currículo iniciado em 2009) LETRAS-PORTUGUÊS DIDÁTICA 0545/I C/H 68 A didática e o ensino de línguas. O planejamento e a avaliação escolar no processo

Leia mais

J.-D. Nasio. A dor de amar. Rio de Janeiro

J.-D. Nasio. A dor de amar. Rio de Janeiro J.-D. Nasio A dor de amar Rio de Janeiro Título original: La douleur d aimer Tradução autorizada da edição francesa publicada em 2005 por Payot & Rivages, de Paris, França Copyright 2005, J.-D. Nasio Copyright

Leia mais

PERSPECTIVA DA LEI DE FALÊNCIAS EDE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS

PERSPECTIVA DA LEI DE FALÊNCIAS EDE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS RENATA ALBUQUERQUE LIMA AATUAÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO E A CRISE EMPRESARIAL NA PERSPECTIVA DA LEI DE FALÊNCIAS EDE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS EDITORA LUMEN JURIS RIO DE JANEIRO 2014 Copyright 2014 by Renata

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Uva e Vinho Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Embrapa Uva e Vinho

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Uva e Vinho Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Embrapa Uva e Vinho Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento novas cultivares brasileiras de uva Editores Técnicos Patrícia Ritschel Sandra de Souza Sebben Autores Umberto

Leia mais