FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E QUALIDADE DE ENSINO: UM DESAFIO PARA OS MUNICÍPIOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E QUALIDADE DE ENSINO: UM DESAFIO PARA OS MUNICÍPIOS"

Transcrição

1 FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E QUALIDADE DE ENSINO: UM DESAFIO PARA OS MUNICÍPIOS Luis Antonio Pereira Lima* RESUMO: No presente trabalho, faz-se uma abordagem acerca do financiamento da educação pública no Brasil, mais especificamente a educação básica, que, ao longo da história, tem sido um desafio para os Municípios principalmente aqueles de baixas arrecadações e integrantes de regiões menos desenvolvidas economicamente. PALAVRAS CHAVE: Educação básica; recursos financeiros. ABSTRACT: In this present labor to come an aproach about to public education's financing in Brazil, more specific the basic education, that at long in the our history to have was a challenge of the Brazilian's Town, principally that is under collection and number is region least economic development. KEY-WORDS: Basic education; financial resources. *Professor de Metodologia do Ensino da Geografia no Curso Normal Superior da FAMAM Faculdade Maria Milza.

2 56 O financiamento da educação pública no Brasil é uma preocupação que antecede ao período republicano, na Constituição de 1824, outorgada pelo imperador D. Pedro I já era prevista a educação pública e gratuita, mas o grande entrave do período foi a falta de indicação das fontes de recursos para atender tal fim. Ao suscitar tais discussões, não se faz aqui um histórico do financiamento da educação básica no País, mas busca-se indicar um ponto de partida para nossa reflexão e tecer algumas considerações sobre os mecanismos legais de que dispõe o poder público para fazer os investimentos na educação. Pois o desenvolvimento de um país está relacionado à qualidade da educação de sua população e nesse particular GADOTTI, diz que o desenvolvimento de uma nação está condicionado à qualidade social de sua educação. (2000) Os diversos momentos de discussão sobre financiamento de educação no Brasil sempre esbarraram em alguns questionamentos: a) Quais as fontes de financiamento? b) Quais modalidades devem ser atendidas? c) Quais as responsabilidades de cada Ente Federado? d) Quais as receitas e valores devem ser utilizados nas modalidades de suas responsabilidades? Estas indagações passam a ter respostas a partir da Constituição Federal de 1988 (C.F.) conhecida como Constituição cidadã no seu artigo 211 e regulamentada pela Emenda Constitucional (E.C.) nº 14 de 12 de setembro de 1996, quando define o papel e a área de atuação dos Estados, dos Municípios e da União no campo educacional: 1º A união organizará o sistema federal de ensino e o dos Territórios, financiará as instituições de ensino públicas federais e exercerá, em matéria educacional, função redistributiva e supletiva, de forma a garantir equalização de oportunidades educacionais e padrão mínimo de qualidade do ensino mediante assistência técnica e financeira aos estados, ao Distrito Federal e aos Municípios. 2º Os Municípios atuarão prioritariamente no ensino fundamental e na educação infantil. 3º Os Estados e o Distrito Federal atuarão prioritariamente no ensino fundamental e médio. A partir desse preceito legal que definiu as responsabilidades de cada ente federado, criaram-se também os mecanismos de financiamento garantindo percentuais mínimos que pudessem assegurar uma educação pública de qualidade. O artigo 60 do Ato das Disposições Transitórias Constitucionais define os

3 percentuais de no mínimo 60% (sessenta por cento) dos recursos previstos no Caput do artigo 212 da Constituição Federal a serem investidos pelos Municípios e pelos Estados na manutenção e no desenvolvimento do ensino fundamental, ou seja, 25% (vinte e cinco por cento) de suas arrecadações. A Emenda Constitucional nº 14 no parágrafo segundo do artigo 5º determina os percentuais para a criação do Fundo de desenvolvimento Manutenção e valorização do Magistério FUNDEF o qual será consolidado a partir da Lei Federal de 24 de dezembro de O Fundo será composto de 15% (quinze por cento) do total das seguintes receitas no âmbito de cada ente federado: FPM Fundo de Participação dos Municípios, FPE Fundo de Participação dos Estados, ICMS Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, IPIexp Imposto Sobre Produtos Industrializados, proporcional às exportações. Todo esse conjunto de preceitos legal tem como objetivo principal a garantia da equidade e universalização do ensino fundamental no País com um mínimo de qualidade social. Essa preocupação torna-se visível nas palavras do secretário de educação básica do MEC: O Fundo de Desenvolvimento do Ensino Fundamental e Valorização do Magistério FUNDEF tem como foco o Ensino fundamental público, como o mais representativo segmento da educação básica oferecida pelos Estados e Municípios Brasileiros. Seu objetivo é promover a universalização, a manutenção e a melhoria da qualitativa desse nível de ensino, particularmente no que tange à valorização dos profissionais do magistério em efetivo exercício. (FERNANDES 2004, p.05 in Manual do FUNDEF) É inegável as contribuições que o FUNDEF trouxe para a gestão educacional nos Estados e Municípios possibilitando um maior investimento no ensino fundamental, mas não se podem ocultar as dificuldades para estes últimos em alocar um maior aporte de recursos para o financiamento da educação infantil. Dificuldades estas que, em muitos casos, têm impedido a universalização desta modalidade gerando, assim, a impossibilidade do cumprimento de políticas públicas de atendimento às crianças de zero a seis anos. No atual momento de obstáculos de alocação de recursos, pelo qual passa a educação básica, é imprescindível a criação de outra forma de financiamento da educação pública na sua totalidade para qual a União garanta um maior aporte de recursos financeiros. O Projeto de Emenda Constitucional, que tramita no Congresso Nacional aprovado por unanimidade em dois turnos na Câmara dos Deputados para criação do FUNDEB Fundo Único Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica traz, nas entrelinhas, também características de atendimento parcial, uma vez que exclui do processo o atendimento às crianças de Zero a 3 anos. Por isso, é imperiosa uma reformulação do fundo único antes da aprovação final para universalizar de fato a educação básica em todas suas etapas. 57

4 58 Com vigência prevista de 14 anos, ou seja, até 31/12/2019, FUNDEB Fundo Único Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica, será composto dos impostos e de transferências que atualmente integram o FUNDEF: FPE Fundo de Participação dos Estados, FPM - Fundo de Participação dos Municípios, ICMS Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, IPIexp Imposto Sobre Produtos Industrializados proporcional às exportações. E, LC 87/96 lei complementar, além do IPVA - imposto de propriedade de veículos automotores, ITCMD - imposto de transmissão de causas mortis e doações, ITR - imposto territorial rural e IRRF - imposto de renda retido na fonte. (Emenda Constitucional 053/2007). A proposta do governo é aumentar a vinculação dos recursos de 15% para 20%, devendo a contribuição dos Estados, Distrito Federal e Municípios ser progressiva, até alcançar no 4º ano 20% das receitas, sendo: 16,5% (1º ano), 17,5% (2º ano), 18,75% (3º ano) e 20% (4º ano) referentes às receitas que compõem o FUNDEF atualmente: FPM Fundo de Participação dos Municípios, FPE Fundo de Participação dos Estados, ICMS Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, IPIexp Imposto Sobre Produtos Industrializados proporcional às exportações, LC 87/96. 5% (1º ano), 10% (2º ano), 15% (3º ano) e 20% (4º ano), para as receitas: IPVA - imposto de propriedade de veículos automotores, ITCMD - imposto de transmissão de causas mortis e doações, ITR - imposto territorial rural e IRRF - imposto de renda retido na fonte. A previsão do Governo Federal é que no quarto ano de vigência do Fundo, os investimentos na educação básica atinjam os valores na ordem de 50 bilhões de Reais. No que diz respeito à sua participação no rateio das contribuições, é de apenas 4,5 bilhões (quatro bilhões e meio de Reais) ficando, desta forma, a cargo dos estados e municípios a responsabilidade de arcar com uma maior parcela no montante a ser aplicado, cerca de 45,5 bilhões (quarenta e cinco bilhões e meio de Reais), ou seja, 91%(noventa e um por cento) do total, enquanto a União participa com apenas 9% (nove por cento). Contudo, ao fazer uma comparação com a participação atual das esferas de governo nos aportes de recursos financeiros, percebe - se que houve um avanço muito pequeno por parte da União, saindo de 7% (sete por cento) para 9% (nove por cento), ou seja, um aumento de dois por cento considerando o montante do investimento enquanto estados e municípios têm cada vez mais a margem de consignação crescente no novo processo de financiamento da educação saindo de 15% (quinze por cento) para 20% (vinte por cento). Isto representa respectivamente 60% e 80% dos recursos previstos pela Constituição Federal para manutenção e desenvolvimento de educação no âmbito dos Estados e Municípios. Discutir, aqui, quem sai ganhando ou perdendo neste conflito, não é o propósito deste trabalho, mas suscitar algumas reflexões atinentes à responsabilidade social com a educação de cada esfera de governo. Por isso serão feitas algumas indagações, visto que a União possui uma dívida social com

5 os Estados e Municípios por conta do não cumprimento da legislação no repasse de recursos do FUNDEF, na ordem de quarenta bilhões de Reais. a) Nessa nova proposta de financiamento a educação básica terá uma melhor qualidade social? b) A dívida da União com os estados e municípios teve influência na baixa qualidade social da educação? c) O FUNDEF realmente promoveu a valorização dos profissionais de ensino fundamental? d) Existe alguma incompatibilidade de investimento na qualificação e remuneração do professor e a disponibilidade de recursos financeiros? Estas e outras questões revelam a complexidade do financiamento da educação no Brasil e apontam para outros desdobramentos analíticos. O financiamento da educação pública no Brasil, ainda precisa de outros mecanismos legais que garantam uma eqüidade na distribuição dos recursos financeiros entre estado, município e união. Contudo, a criação de fundos específicos consignando parte da receita dos entes federados, garantiu de certa maneira uma política de estado para universalização da educação pública no País, mas, ainda é necessário modernizar a estrutura legal para que o Governo Federal libere para os entes federados uma fatia maior do bolo que está retido em Brasília para manter programas que se constituem muitas vezes como política de governo e não como política de estado. 59 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL, Ministério da Educação. Pradime: programa de apoio aos dirigentes municipais de educação. Caderno de transparências. Secretaria de Educação Básica. Brasília, DF: Ministério da Educação, Manual de orientação do Fundef. Brasília, DF: Ministério da Educação Marcos Legais. Ministério da Educação/Fundescola. Brasília MONLEVADE, João A. e SILVA, M. Abadia. Quem Manda na Educação no Brasil? Brasília. Idéia, MONLEVADE, João A. Educação Pública no Brasil: Contos e Descontos. Brasília. Idéia, 2000.

6 60 PINTO, Antonio Luiz de Toledo. (ORG) e et all. Constituição da República Federativa do Brasil. 26ª edição. São Paulo. Saraiva, 2000.

FUNDEB: O QUE MUDA NO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ANÁPOLIS

FUNDEB: O QUE MUDA NO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ANÁPOLIS FUNDEB: O QUE MUDA NO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ANÁPOLIS Renato Ribeiro Leite * UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Grupo de Pesquisa Qualidade da Educação Básica Grupo

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua FINANCIAMENTO DA POLÍTICA EDUCACIONAL BRASILEIRA compreendendo os sistemas de ensino federal, estadual e municipal, a Constituição Federal

Leia mais

FUNDEB: O QUE MUDA NO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS. Renato Ribeiro Leite RESUMO

FUNDEB: O QUE MUDA NO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS. Renato Ribeiro Leite RESUMO FUNDEB: O QUE MUDA NO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS Renato Ribeiro Leite Docente do Curso de Pedagogia, UnU de Ciências Sócio-Econômicas e Humanas de Anápolis UEG RESUMO O Fundo de

Leia mais

BASE DE CÁLCULO E APLICAÇÃO MÍNIMA PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE

BASE DE CÁLCULO E APLICAÇÃO MÍNIMA PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE A Constituição Federal de 1988 determina em seu art. 198 que: 1º. O sistema único de saúde será financiado, nos termos do art. 195, com recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS CURSOS DE FILOSOFIA E ARTES FÓRUM DE DISCUSSÃO DO PMEP-2012 Prof. Dr.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS CURSOS DE FILOSOFIA E ARTES FÓRUM DE DISCUSSÃO DO PMEP-2012 Prof. Dr. UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS CURSOS DE FILOSOFIA E ARTES FÓRUM DE DISCUSSÃO DO Prof. Dr. Roberto Carvalho POLÍTICA PÚBLICA: social e econômica Política pública:

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E DE

ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E DE FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA - FUNDEB Letícia Passos da Silveira Secretária Executiva do CACS-FUNDEB/SC CONSTITUIÇÃO 1988 - Art.211 União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios organizarão

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃ FUNDEB. João o Batista do Nascimento Professor, Filósofo e

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃ FUNDEB. João o Batista do Nascimento Professor, Filósofo e FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃ ÇÃO O BÁSICA: B FUNDEB João o Batista do Nascimento Professor, Filósofo e Economista Especialista em Políticas Públicas. P Marco Legal do Financiamento da Educação Básica Pública.

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA BRASILEIRA

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA BRASILEIRA FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA BRASILEIRA A Constituição Federal Estabelece a educação como direito social e universal, obrigatório dos 4 aos 17 anos (CF Art. 208 / LDB Art. 4º) Enfatiza a gratuidade

Leia mais

Art O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;

Art O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO Seção I DA EDUCAÇÃO Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade,

Leia mais

Financiamento da Saúde. Fortaleza, 15 de maio de 2015.

Financiamento da Saúde. Fortaleza, 15 de maio de 2015. Financiamento da Saúde Fortaleza, 15 de maio de 2015. BASE LEGAL Constituição Federal Lei 8080 / 8142 Lei Complementar n. 141 (Regulamentação EC 29) EC 86 Linha do tempo do financiamento do SUS EC Nº 29

Leia mais

1Lei de Diretrizes e Bases da Educação

1Lei de Diretrizes e Bases da Educação CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL [...] TÍTULO VIII DA ORDEM SOCAL CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO Seção I DA EDUCAÇÃO Art. 205. A educação, direito de todos e dever do

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 003/2017

NOTA TÉCNICA Nº 003/2017 NOTA TÉCNICA Nº 003/2017 Brasília, 10 de janeiro de 2017. ÁREA: Educação TÍTULO: Informações sobre valores do Fundeb para o exercício de 2017 REFERÊNCIA(S): Constituição da República Federativa do Brasil

Leia mais

AULA 03 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; ; LEI DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 03

AULA 03 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; ; LEI DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 03 AULA 03 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 03 CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art. 205 a 214) CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO,

Leia mais

Art A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno

Art A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Seção que pactua a educação como direito de todos. CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO Seção I DA EDUCAÇÃO MS. Carreiro 1 Art. 205.

Leia mais

Alternativas para o financiamento da educação básica no Brasil

Alternativas para o financiamento da educação básica no Brasil Alternativas para o financiamento da educação básica no Brasil Profª. Me. Manuelina Martins da Silva Arantes Cabral Dirigente Municipal de Educação de Costa Rica/ MS e Vice-presidente da Undime O que apenas

Leia mais

Quadro Comparativo das Mudanças na Constituição Federal promovidas pela Emenda n 53/2006

Quadro Comparativo das Mudanças na Constituição Federal promovidas pela Emenda n 53/2006 Quadro Comparativo das Mudanças na Constituição Federal promovidas pela Emenda n 53/2006 Redação Original* Emenda Constitucional n 53/2006 Art. 7º. São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além

Leia mais

FONTES E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS DO FUNDEB

FONTES E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS DO FUNDEB FONTES E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS DO FUNDEB MILTON DOS REIS SOUZA Técnico Contábil Março/2009 FONTES DE RECURSOS FUNDEB FINANCIAMENTO DO FUNDEB 2009 ESTADOS - ICMS - ITCMD - IPVA - FPE (21,5% do IR e IPI)

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL DO MUNICIPIO DE BAIA DA TRAIÇÃO

DIÁRIO OFICIAL DO MUNICIPIO DE BAIA DA TRAIÇÃO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da CF) RECEITAS DO ENSINO Continua (1/5) 1 - RECEITAS DE IMPOSTOS 360.720,00 360.720,00 202.602,88 56,17 1.1 - Receita Resultante do Imposto sobre a Propriedade

Leia mais

Contexto A sistemática de financiamento da educação básica pública não tem acompanhado a evolução das demandas. Aconteceram avanços importantes no per

Contexto A sistemática de financiamento da educação básica pública não tem acompanhado a evolução das demandas. Aconteceram avanços importantes no per Qualidade e Financiamento da Educação Básica Carlos Eduardo Sanches 03/03/2016 Contexto A sistemática de financiamento da educação básica pública não tem acompanhado a evolução das demandas. Aconteceram

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. Objetiva corrigir os desequilíbrios

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ANEXO I DEMONSTRATIVO DE APLICAÇÃO DE RECURSOS DE EDUCAÇÃO

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ANEXO I DEMONSTRATIVO DE APLICAÇÃO DE RECURSOS DE EDUCAÇÃO INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ANEXO I DEMONSTRATIVO DE APLICAÇÃO DE RECURSOS DE EDUCAÇÃO CAMPO 1 GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO Informar o nome do Governo responsável pela informações Campo 2 MÊS/ANO Informar

Leia mais

Financiamento do SUS. Financiamento da ESF

Financiamento do SUS. Financiamento da ESF Financiamento do SUS Financiamento da ESF FINANCIAMENTO DO SUS SITE DE ACESSO: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/siops/mais-sobresiops/5976-financiamento-do-sus FINANCIAMENTO

Leia mais

ETAPAS DE ENSINO DICIONÁRIO

ETAPAS DE ENSINO DICIONÁRIO ETAPAS DE ENSINO Subníveis verticais hierárquicos e interdependentes que compõem a educação escolar básica no Brasil. As etapas de ensino que constituem a educação básica são a educação infantil, o ensino

Leia mais

Financiamento da Educação e Atualização do Piso do Magistério. Carlos Eduardo Sanches Assessor da Undime

Financiamento da Educação e Atualização do Piso do Magistério. Carlos Eduardo Sanches Assessor da Undime Financiamento da Educação e Atualização do Piso do Magistério Carlos Eduardo Sanches Assessor da Undime Que recursos existem atualmente? 1. Art. 212 CF: aplicação de, no mínimo, 25% da receita resultante

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - Educação Infantil. Titulo do Projeto

TERMO DE REFERÊNCIA - Educação Infantil. Titulo do Projeto TERMO DE REFERÊNCIA - Educação Infantil Titulo do Projeto Fortalecimento da capacidade institucional da FUNDAJ nos processos de desenvolvimento de pesquisas na área de avaliação de políticas públicas em

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, COMPOSIÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E VIGÊNCIA DO FUNDEB

1. DEFINIÇÃO, COMPOSIÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E VIGÊNCIA DO FUNDEB 1. DEFINIÇÃO, COMPOSIÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E VIGÊNCIA DO FUNDEB 1.1 O que é o Fundeb? 1.2 Quais os recursos que compõem o Fundeb? 1.3 O Fundeb é Federal, Estadual ou Municipal? 1.4 Qual a vigência do Fundeb?

Leia mais

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu LEI N o 3.941, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, para o exercício financeiro de 2012. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado

Leia mais

Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública

Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública 1 Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública LUZIA APARECIDA STEMPNIAK PAVAM FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E DE VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS

Leia mais

O FUNDEB COMO EXPRESSÃO DAS FUNÇÕES REDISTRIBUTIVA E SUPLETIVA DA UNIÃO NA ESTRUTURA EDUCACIONAL BRASILEIRA. Resumo

O FUNDEB COMO EXPRESSÃO DAS FUNÇÕES REDISTRIBUTIVA E SUPLETIVA DA UNIÃO NA ESTRUTURA EDUCACIONAL BRASILEIRA. Resumo O FUNDEB COMO EXPRESSÃO DAS FUNÇÕES REDISTRIBUTIVA E SUPLETIVA DA UNIÃO NA ESTRUTURA EDUCACIONAL BRASILEIRA Rosenei Cella-UPF 1 Rosimar Serena Siqueira Esquinsani-UPF 2 GE: Políticas Públicas e Educação.

Leia mais

- EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 59, DE 11 DE NOVEMBRO DE

- EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 59, DE 11 DE NOVEMBRO DE Encarte à Legislação Brasileira sobre Educação ISBN 978-85-736-5561-2 - EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 59, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 1 - Acrescenta 3º ao art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

A primeira receita tributária repartida é a prevista no art. 157, que prevê:

A primeira receita tributária repartida é a prevista no art. 157, que prevê: REPARTIÇÃO DAS RECEITAS TRIBUTÁRIAS 1. INTRODUÇÃO Como visto nas competências tributárias, o texto constitucional delimita quais serão os tributos a serem instituídos por cada ente político. Dois merecem

Leia mais

DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FISCAL PROFESSOR (A): LUCIRENE FERREIRA SANTANA PROVA - 2 ACADÊMICO (A):

DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FISCAL PROFESSOR (A): LUCIRENE FERREIRA SANTANA PROVA - 2 ACADÊMICO (A): DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FISCAL PROFESSOR (A): LUCIRENE FERREIRA SANTANA CURSO: PEDAGOGIA 2º PERÍODO PROVA - 2 ACADÊMICO (A): Sociedade Política e Sociedade Civil 1 Trabalhe com as definições dos conceitos:

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira INFORMATIVO TÉCNICO Nº 2/2015 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2014-2024: LINHA DE BASE E PROJEÇÕES DE METAS INTRODUÇÃO A Lei do Plano Nacional de Educação (Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014) estabelece

Leia mais

O lugar da educação infantil nas políticas para primeira infância

O lugar da educação infantil nas políticas para primeira infância O lugar da educação infantil nas políticas para primeira infância Adenilde Stein Silva Dirigente Municipal de Educação de Marechal Floriano/ ES Secretaria de Articulação e Presidenta da Undime/ ES Educação

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 498,465 370,460 139,406 111,902 109,570 50,164 25,8% Dívida Pública (Pagamentos de Financiamentos e Parcelamentos) 9,7% 35,902 33,882 31,716

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO, FEDERALISMO E REGIME DE COLABORAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO, FEDERALISMO E REGIME DE COLABORAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO, FEDERALISMO E REGIME DE COLABORAÇÃO Mariza Abreu Consultora Legislativa da Câmara dos Deputados Audiência Pública da Comissão de Educação, Cultura e Esporte Senado Federal,

Leia mais

SUMÁRIO Direito Tributário...2 O Direito Tributário e as demais ciências jurídicas...5 O Direito Tributário e os Limites ao Poder de Tributar...

SUMÁRIO Direito Tributário...2 O Direito Tributário e as demais ciências jurídicas...5 O Direito Tributário e os Limites ao Poder de Tributar... SUMÁRIO Direito Tributário...2 Conceito...2 Polos...2 Receitas públicas...2 Natureza...3 Exemplos de receitas derivadas...3 Exemplos de receitas originárias...4 O Direito Tributário e o Direito Público...4

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 11/2003. Contém normas a serem observadas pelo Estado e pelos Municípios para assegurar a aplicação dos recursos mínimos

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 11/2003. Contém normas a serem observadas pelo Estado e pelos Municípios para assegurar a aplicação dos recursos mínimos INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 11/2003. Contém normas a serem observadas pelo Estado e pelos Municípios para assegurar a aplicação dos recursos mínimos destinados ao financiamento das ações e serviços públicos

Leia mais

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS LEI COMPLEMENTAR N 141/2012 E O PROCESSO DE FINANCIAMENTO DO SUS Sistema

Leia mais

SumáriO Direito tributário...2 O Direito tributário e as demais Ciências Jurídicas...5 O Direito tributário e os Limites ao poder de tributar...

SumáriO Direito tributário...2 O Direito tributário e as demais Ciências Jurídicas...5 O Direito tributário e os Limites ao poder de tributar... sumário Direito Tributário...2 Conceito...2 Polos...2 Receitas Públicas...2 Natureza...3 Exemplos de receitas derivadas...3 Exemplos de receitas originárias...4 O Direito Tributário e o Direito Público...4

Leia mais

VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES

VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES SITUAÇÃO FINANCEIRA DOS MUNICÍPIOS EM FACE DO REEQUILÍBRIO FEDERATIVO Março/2017 Palestrante: Antônio José Calhau de Resende FORMAS DE ESTADO: Estado Federal ou Federação:

Leia mais

Direito Tributário. Repartição das Receitas Tributárias. Professora Giuliane Torres.

Direito Tributário. Repartição das Receitas Tributárias.  Professora Giuliane Torres. Direito Tributário Repartição das Receitas Tributárias Professora Giuliane Torres www.acasadoconcurseiro.com.br www.estudaquepassa.com.br Direito Tributário REPARTIÇÃO DAS RECEITAS TRIBUTÁRIAS REPASSE

Leia mais

O Fundeb e o financiamento público da educação

O Fundeb e o financiamento público da educação NÚMERO 7 OUT/2005 NOTA TÉCNICA O Fundeb e o financiamento público da educação Nota Técnica O Fundeb e o financiamento público da educação 1 O Fundeb e o financiamento público da educação Em junho de 2005,

Leia mais

Transferências de Recursos da União Transferências Voluntárias

Transferências de Recursos da União Transferências Voluntárias Transferências Constitucionais Transferências Legais da União Transferências Voluntárias da União Transferências Constitucionais Correspondem a parcelas de recursos arrecadados e repassados de um ente

Leia mais

Diálogos Legislativos

Diálogos Legislativos Diálogos Legislativos Royalties e financiamento da educação Edmar Queiroz edmarq@senado.leg.br Consultoria Legislativa Constituição de 34 Vinculação da receita de impostos para a educação União e Municípios

Leia mais

Análise dos gastos em saúde nas capitais brasileiras e sua adequação à Emenda Constitucional 29/2000

Análise dos gastos em saúde nas capitais brasileiras e sua adequação à Emenda Constitucional 29/2000 Análise dos gastos em saúde nas capitais brasileiras e sua adequação à Emenda Constitucional 29/2000 Marcelo Gurgel Carlos da Silva; Sílvia Morgana Araújo de Oliveira; Juliana Lucena de Miranda Cavalcante

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. SIOPE Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. SIOPE Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação O que é o É um sistema de acesso público via internet, operacionalizado pelo Fundo Nacional de

Leia mais

PARECER Nº 008/2013 - MPC

PARECER Nº 008/2013 - MPC PARECER Nº 008/2013 - MPC PROCESSO Nº ASSUNTO ÓRGÃO CNS28.000-02/2010 (0576/2010 - TCERR) Consulta Prefeitura Municipal de Uiramutã RESPONSÁVEL Eliésio Cavalcante de Lima Prefeito Municipal RELATOR Consa.

Leia mais

de campos

de campos Quinta-feira, 23 de novembro de 2017 Ano III Edição nº 517 Página 1 de 6 SUMÁRIO PODER EXECUTIVO DE AMÉRICO DE CAMPOS 2 Contas Públicas e Instrumentos de Gestão Fiscal 2 Relatório Resumido da Execução

Leia mais

FINANCIAMENTO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Blenda Pereira Assessora Tecnica Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde

FINANCIAMENTO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Blenda Pereira Assessora Tecnica Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde FINANCIAMENTO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Blenda Pereira Assessora Tecnica Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde CONSTITUIÇÃO FEDERAL CAPÍTULO DA SEGURIDADE SOCIAL Art. 194. A seguridade social

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. Espécies Tributárias Impostos dos Estados, Municípios e do Distrito Federal. Prof.ª Luciana Batista

DIREITO TRIBUTÁRIO. Espécies Tributárias Impostos dos Estados, Municípios e do Distrito Federal. Prof.ª Luciana Batista DIREITO TRIBUTÁRIO Espécies Tributárias Impostos dos Estados, Municípios e do Distrito Federal Prof.ª Luciana Batista IMPOSTOS DOS ESTADOS/ DISTRITO FEDERAL (art. 155, CF/88). ITCD : transmissão causa

Leia mais

Comentários à Emenda Constitucional nº 51, de 14 de fevereiro de 2006.

Comentários à Emenda Constitucional nº 51, de 14 de fevereiro de 2006. Comentários à Emenda Constitucional nº 51, de 14 de fevereiro de 2006. Francisco de Salles Almeida Mafra Filho, advogado, doutor em Direito Administrativo, professor da Escola Superior de Advocacia da

Leia mais

Aprova a Classificação das Fontes de Recursos para o Estado de Santa Catarina.

Aprova a Classificação das Fontes de Recursos para o Estado de Santa Catarina. DECRETO N o 2.879, de 30 de dezembro de 2004 Aprova a Classificação das Fontes de Recursos para o Estado de Santa Catarina. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 219, ,475 41,768 13,637 9,267 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento Inativos e Pe

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 219, ,475 41,768 13,637 9,267 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento Inativos e Pe Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 153,554 88,670 86,394 42,557 27,550 23,672 Assistência Social, Trabalho e Habitação 18,2% 18,6% 13,637 13,405 12,009 11,503 Dívida Pública

Leia mais

ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL AJUDA PARADA OBRIGATÓRIA

ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL AJUDA PARADA OBRIGATÓRIA ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL AULA 03: POLÍTICAS PÚBLICAS, GESTÃO E FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA. AVALIAÇÃO DO SISTEMA ESCOLAR BRASILEIRO TÓPICO 03: FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO AJUDA FINANCIAMENTO

Leia mais

VII CONGRESSO BRASILEIRO E VIII CONGRESSO PAULISTA DE POLITICA MEDICA FINANCIAMENTO DO SUS. São Paulo, 21 de março de 2014.

VII CONGRESSO BRASILEIRO E VIII CONGRESSO PAULISTA DE POLITICA MEDICA FINANCIAMENTO DO SUS. São Paulo, 21 de março de 2014. VII CONGRESSO BRASILEIRO E VIII CONGRESSO PAULISTA DE POLITICA MEDICA FINANCIAMENTO DO SUS São Paulo, 21 de março de 2014. BASE LEGAL Constituição Federal Lei 8080 / 8142 Lei Complementar n. 141 (Regulamentação

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E NORMAS DE COOPERAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E NORMAS DE COOPERAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E NORMAS DE COOPERAÇÃO Audiência Pública em 14/6/16 Na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados Adão Francisco de Oliveira Secretário de Estado da Educação do Tocantins

Leia mais

ESTIMATIVAS DE ARRECADAÇÃO PRÓPRIA DOS ESTADOS E MUNICÍPIOS E OS 25% CONSTITUCIONAIS DA EDUCAÇÃO

ESTIMATIVAS DE ARRECADAÇÃO PRÓPRIA DOS ESTADOS E MUNICÍPIOS E OS 25% CONSTITUCIONAIS DA EDUCAÇÃO 6 ESTIMATIVAS DE ARRECADAÇÃO PRÓPRIA DOS ESTADOS E MUNICÍPIOS E OS 25% CONSTITUCIONAIS DA EDUCAÇÃO O presente estudo objetivou levantar dados sobre o total de recursos constitucionalmente vinculados à

Leia mais

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 101,197 71,797 9,346 7,317 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensionis

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 101,197 71,797 9,346 7,317 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensionis Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 75,726 49,571 17,989 17,636 25,3% 7,443 6,135 Dívida Pública (Pagamentos de Financiamentos e Parcelamentos) 9,0% 5,449 5,113 Cultura, Esporte

Leia mais

competentes quanto aos recursos públicos priorizará os percentuais supra (art. 73). As despesas consideradas como de manutenção e desenvolvimento do e

competentes quanto aos recursos públicos priorizará os percentuais supra (art. 73). As despesas consideradas como de manutenção e desenvolvimento do e ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL AULA 03: POLÍTICA EDUCACIONAL. GESTÃO EDUCACIONAL. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO. AVALIAÇÃO DO SISTEMA ESCOLAR BRASILEIRO. TÓPICO 03: FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO AJUDA

Leia mais

A questão do CAQi e o financiamento do PNE

A questão do CAQi e o financiamento do PNE A questão do CAQi e o financiamento do PNE Daniel Cara Coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação Fontes principais: Campanha Nacional pelo Direito à Educação Undime (União Nacional dos Dirigentes

Leia mais

1 Verificar num primeiro momento as ações para cumprimento das Metas/estratégias com prazo definido para 2015;

1 Verificar num primeiro momento as ações para cumprimento das Metas/estratégias com prazo definido para 2015; Subcomissão permanente para Acompanhar, monitorar e avaliar o processo de implementação das estratégias e do cumprimento das metas do Plano Nacional de Educação PNE sugestões para Plano de Trabalho Consultorias

Leia mais

Noções Básicas sobre Planejamento e Orçamento Público para DMEs

Noções Básicas sobre Planejamento e Orçamento Público para DMEs Noções Básicas sobre Planejamento e Orçamento Público para DMEs 21.06.17 - São Paulo SP A maioria das pessoas não planeja fracassar, fracassa por não planejar. John L. Beckey Financiamento da Educação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Tubarão Resumo das Finanças Despesas Realizadas Ano 2015 Em Milhões de 98,393 63,290 12,920 6,813 Folha de Pagamento Servidore

Prefeitura Municipal de Tubarão Resumo das Finanças Despesas Realizadas Ano 2015 Em Milhões de 98,393 63,290 12,920 6,813 Folha de Pagamento Servidore Prefeitura Municipal de Tubarão Resumo das Finanças Despesas Realizadas por Área de Governo Ano 2015 Em Milhões de 54,422 42,156 29,334 16,780 9,551 7,301 7,295 6,813 Cultura, Esporte e Turismo 5,1% 6,667

Leia mais

ANAIS. Palavras-chave: Federalismo Fiscal. FUNDEB. IDEB. Remuneração do Magistério

ANAIS. Palavras-chave: Federalismo Fiscal. FUNDEB. IDEB. Remuneração do Magistério ANAIS TRANSFERÊNCIAS INTERGOVERNAMENTIAS PARA O ENSINO BÁSICO E O DESEMPENHO ESCOLAR: UM ESTUDO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AS TRANSFERÊNCIAS DO FUNDEB, OS GASTOS COM MAGISTÉRIO E O RESULTADO DO IDEB NOS MUNICÍPIOS

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012

LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012 LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012 Regulamenta o 3 o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente pela União, estados, Distrito Federal e municípios em

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2016 TRIBUTOS Modalidades 1 Anteriormente vimos que... Estado bem-comum recursos financeiros (dinheiro); Dinheiro tributos, empréstimos, repasses, leilões; Tributo 2 tipos:

Leia mais

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 104,392 67,766 14,092 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensionistas F

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 104,392 67,766 14,092 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensionistas F Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 57,969 48,830 24,525 17,591 15,328 14,518 9,533 8,578 Saneamento Básico Dívida Pública (Água, Esgoto e (Pagamentos de Limpeza Urbana) Financiamentos

Leia mais

Antigamente... problema crônico de financiamento Elaboração da Emenda Constitucional nº 29 (EC 29) - alterou a Constituição Federal em 13 de setembro

Antigamente... problema crônico de financiamento Elaboração da Emenda Constitucional nº 29 (EC 29) - alterou a Constituição Federal em 13 de setembro FINANCIAMENTO Modelo descentralizado de gestão do SUS: a União é a responsável por distribuir a maior parte dos recursos financeiros para Estados, Municípios e Distrito Federal; Transferência fundo a fundo:

Leia mais

Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação

Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação PROFESSORA: Iza Angélica Carvalho da Silva CONTROLE DO GASTO PÚBLICO Controle é a fiscalização e o acompanhamento de todos os atos e fatos da execução

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Expectativas, Desafios e Acompanhamentos

PLANOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Expectativas, Desafios e Acompanhamentos PLANOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Expectativas, Desafios e Acompanhamentos Marialba da Glória Garcia Carneiro Avaliadora Educacional-SASE Secretária Municipal de Educação de Pereira Barreto-SP 2016 PANORAMA

Leia mais

EIXO 1 POLÍTICAS PÚBLICAS, FINANCIAMENTO, AVALIAÇÃO E GESTÃO DA EDUCAÇÃO.

EIXO 1 POLÍTICAS PÚBLICAS, FINANCIAMENTO, AVALIAÇÃO E GESTÃO DA EDUCAÇÃO. EIXO 1 POLÍTICAS PÚBLICAS, FINANCIAMENTO, AVALIAÇÃO E GESTÃO DA EDUCAÇÃO. O ENSINO FUNDAMENTAL DA REDE DE ENSINO DE NATAL/RN: A MUNICIPALIZAÇÃO CRESCIMENTO DA MATRÍCULA EM TEMPOS DE FUNDEF E FUNDEB (1996-2010)

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2017 TRIBUTOS Modalidades MODALIDADES DE TRIBUTOS Como vimos tributo seria a receita do Estado, que pode estar ou não vinculada a uma contra-prestação. Entretanto

Leia mais

SUAS CONSEQUÊNCIAS: ALTERAÇÕES NO FINANCIAMENTO

SUAS CONSEQUÊNCIAS: ALTERAÇÕES NO FINANCIAMENTO OPERACIONALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS EM EDUCAÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS: ALTERAÇÕES NO FINANCIAMENTO Ana Lara Casagrande (Doutoranda Unesp Rio Claro) Jaqueline dos Santos Oliveira (Doutoranda Unesp Rio

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua O Financiamento do SUS: CF-88 art. 198: O SUS é financiado por recursos do Orçamento da Seguridade Social da União, dos estados, do Distrito

Leia mais

Fundo Especiais. Fundos Especiais. Fundos Especiais Lei Federal nº 4.320/64. Fundo Municipal de Educação e FUNDEB

Fundo Especiais. Fundos Especiais. Fundos Especiais Lei Federal nº 4.320/64. Fundo Municipal de Educação e FUNDEB Fundo Especiais Fundo Municipal de Educação e FUNDEB Facilitador : Toribio Nogueira de Carvalho Contador, Pós-Graduado em Contabilidade Pública Fundos Especiais Organização e estrutura de mecanismo financeiro,

Leia mais

SUMÁRIO. Abreviaturas... 13

SUMÁRIO. Abreviaturas... 13 SUMÁRIO Abreviaturas... 13 Capítulo 1 Tributo: Conceito e Espécies... 15 1. Conceito de tributo... 15 1.1. Prestação pecuniária, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir... 15 1.2. Prestação compulsória...

Leia mais

O DIRIGENTE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CONAE 2014 E DO PNE. Célia Maria Vilela Tavares

O DIRIGENTE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CONAE 2014 E DO PNE. Célia Maria Vilela Tavares O DIRIGENTE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CONAE 2014 E DO PNE Célia Maria Vilela Tavares Pré PNE: conferências municipais de educação, participação nas conferências estaduais e na

Leia mais

ÓRGÃOS Brasil CNE Conselho Nacional de Educação MEC Ministério da Educação. (todos os agentes sociais que educam) (rede de escolas e sua estrutura).

ÓRGÃOS Brasil CNE Conselho Nacional de Educação MEC Ministério da Educação. (todos os agentes sociais que educam) (rede de escolas e sua estrutura). ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL AULA 02: LEGISLAÇÃO E SISTEMA EDUCACIONAL BRASILEIRO. NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO. FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS TÓPICO 02: O SISTEMA DE ENSINO BRASILEIRO AJUDA

Leia mais

Estimativas de Arrecadação de Impostos Próprios Estaduais e Municipais, Transferências Constitucionais e os 25% Constitucionais da Educação

Estimativas de Arrecadação de Impostos Próprios Estaduais e Municipais, Transferências Constitucionais e os 25% Constitucionais da Educação 1 Estimativas de Arrecadação de Impostos Próprios Estaduais e Municipais, Transferências Constitucionais e os 25% Constitucionais da Educação Resumo O presente estudo objetivou levantar dados sobre o total

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 17/2013 CÂMARA DOS DEPUTADOS OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO EXCESSO DE ARRECADAÇÃO DOS RECURSOS QUE COMPÕEM O FUNDEB E DAQUELES DESTINADOS À MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO.

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º de 20 de dezembro de 1996

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º de 20 de dezembro de 1996 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Tramitação 1988 Promulgação da Constituição Federal 1988 a 1991 Início de discussão do projeto Jorge Hage na Câmara

Leia mais

CAPÍTULO. Competência Tributária. Competência Tributária Comum

CAPÍTULO. Competência Tributária. Competência Tributária Comum CAPÍTULO Competência Tributária Competência Tributária Comum C.F. art. 145 A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão instituir os seguintes tributos: II - taxas, em razão do exercício

Leia mais

Política de financiamento da educação A realidade do fundeb

Política de financiamento da educação A realidade do fundeb Política de financiamento da educação A realidade do fundeb Milton Canuto de Almeida* RESUMO: O texto mostra a realidade do Fundeb após a crise econômica e financeira mundial, e como as diversas políticas

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Direito tributário Capítulo 2 Espécies de tributo Capítulo 3 Empréstimos compulsórios e contribuições especiais

Sumário Capítulo 1 Direito tributário Capítulo 2 Espécies de tributo Capítulo 3 Empréstimos compulsórios e contribuições especiais Sumário Capítulo 1 Direito tributário... 1 1.1. Direito... 1 1.2. Direito público e direito privado... 1 1.3. Direito tributário... 2 1.4. Direito tributário e os demais ramos do Direito... 4 1.5. Estado...

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina DIREITO TRIBUTÁRIO III: APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA, SISTEMAS DE AVALIAÇÃO, INSTRUÇÕES CORRELATAS E NOÇÕES GERAIS DE IMPOSTOS Prof. Thiago Gomes Apresentação da Disciplina 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA

Leia mais

ANEXO 2 da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964 Exercício de 2015 DEMONSTRAÇÃO DA RECEITA POR CATEGORIA ECONÔMICA

ANEXO 2 da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964 Exercício de 2015 DEMONSTRAÇÃO DA RECEITA POR CATEGORIA ECONÔMICA 100000000000 RECEITAS CORRENTES 14.567.731,50 110000000000 RECEITA TRIBUTARIA 267.991,50 111000000000 IMPOSTOS 111200000000 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMONIO E A RENDA 111202000000 IPTU - DO EXERCICIO 111202010000

Leia mais

Unidade I Teoria Geral dos Tributos. Capítulo 1 Conceito de Tributo e suas Espécies...3. Capítulo 2 Os Impostos Capítulo 3 As Taxas...

Unidade I Teoria Geral dos Tributos. Capítulo 1 Conceito de Tributo e suas Espécies...3. Capítulo 2 Os Impostos Capítulo 3 As Taxas... S u m á r i o Unidade I Teoria Geral dos Tributos Capítulo 1 Conceito de Tributo e suas Espécies...3 1.1. Conceito de Tributo... 3 1.2. As Espécies Tributárias... 8 Capítulo 2 Os Impostos... 18 2.1. Teoria

Leia mais

(Projeto de Lei nº 415/12, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo

(Projeto de Lei nº 415/12, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo LEI Nº 16.271, DE 17 DE SETEMBRO DE 2015 (Projeto de Lei nº 415/12, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo META 1. Ampliar o investimento

Leia mais

CURSO JURÍDICO FMB CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS MÓDULOS

CURSO JURÍDICO FMB CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS MÓDULOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS MÓDULOS Sumário DIREITO TRIBUTÁRIO... DIREITO TRIBUTÁRIO PROFS. GUILHERME ADOLFO DOS SANTOS MENDES E DIMAS MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Direito Tributário - Conceito; Tributo -

Leia mais

ANEXO 2 da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964 Exercício de 2017 DEMONSTRAÇÃO DA RECEITA POR CATEGORIA ECONÔMICA

ANEXO 2 da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964 Exercício de 2017 DEMONSTRAÇÃO DA RECEITA POR CATEGORIA ECONÔMICA 100000000000 RECEITAS CORRENTES 16.060.924,10 110000000000 RECEITA TRIBUTARIA 295.460,62 111000000000 IMPOSTOS 111200000000 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMONIO E A RENDA 111202000000 IPTU - DO EXERCICIO 111202010000

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 53/2006 FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E DE VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO (FUNDEB) Ary Jorge Advogado

Leia mais

Educação e Federação na Constituição

Educação e Federação na Constituição Introdução Educação na Constituição Federal; Federação; Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Constituição Estadual Lei nº 10.403/71 Conselho Estadual de Educação Regulamento Decreto nº 52.811/71

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 239,596 226,803 207,372 174,885 50,045 17,0% 37,104 23,452 Saneamento Básico Poder Legislativo (Água, Esgoto e Limpeza Urbana) 4,9% 21,327

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 COMPLEMENTAR Acrescenta o art. 66-A à Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, altera a redação do art. 74 da Lei nº 1.079, de 10 de abril de 1950 e do art. 1º

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional STN O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS E LEGAIS.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional STN O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS E LEGAIS. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional STN O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS E LEGAIS ustíveis JULHO/2011 1/8 1 APRESENTAÇÃO Esta publicação tem por objetivo fornecer

Leia mais

AS REGRAS PARA O ALCANCE DOS LIMITES CONSTITUCIONAIS DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO.

AS REGRAS PARA O ALCANCE DOS LIMITES CONSTITUCIONAIS DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO. AS REGRAS PARA O ALCANCE DOS LIMITES CONSTITUCIONAIS DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO. Controle e gestão de alta performance para fins de MDE - Lei 9.394/1996. 2015 Programa do Curso Despesas

Leia mais

Estrutura da Obra Sobre os Autores Apresentação à 7.ª edição Vladimir Passos de Freitas... 17

Estrutura da Obra Sobre os Autores Apresentação à 7.ª edição Vladimir Passos de Freitas... 17 SUMÁRIO Estrutura da Obra... 9 Sobre os Autores... 11 Prefácio à 1. a edição Antônio de Pádua Ribeiro... 15 Apresentação à 7.ª edição Vladimir Passos de Freitas... 17 Apresentação à 6. a edição Vladimir

Leia mais

OBSERVAÇÃO DA APLICAÇÃO MÍNIMA CONSTITUCIONAL NA FUNÇÃO EDUCAÇÃO NO ORÇAMENTO DO GOVERNO FEDERAL DO BRASIL ENTRE OS ANOS DE 2003 E 2008

OBSERVAÇÃO DA APLICAÇÃO MÍNIMA CONSTITUCIONAL NA FUNÇÃO EDUCAÇÃO NO ORÇAMENTO DO GOVERNO FEDERAL DO BRASIL ENTRE OS ANOS DE 2003 E 2008 OBSERVAÇÃO DA APLICAÇÃO MÍNIMA CONSTITUCIONAL NA FUNÇÃO EDUCAÇÃO NO ORÇAMENTO DO GOVERNO FEDERAL DO BRASIL ENTRE OS ANOS DE 2003 E 2008 LIDIANE RODRIGUES GARCIA ORION AUGUSTO PLATT NETO Resumo: A educação

Leia mais

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 255, ,181 60,231 23,446 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensio

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 255, ,181 60,231 23,446 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensio Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 145,961 136,354 87,428 47,670 41,220 46,801 29,730 17,723 Saneamento Básico Assistência (Água, Esgoto e Social, Trabalho e Limpeza Urbana)

Leia mais