Reforma Tributária Contribuições de um Contador, Objetivando Melhoria de Prestação de Contas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reforma Tributária Contribuições de um Contador, Objetivando Melhoria de Prestação de Contas"

Transcrição

1 Reforma Tributária Contribuições de um Contador, Objetivando Melhoria de Prestação de Contas Autor: Charles B. Holland, Contador, Conselheiro do CRC-SP, Sócio Diretor da Holland Consulting, Coordenador de Grupo de CEOs, e MBA Wharton Business School, EUA. Ex-Diretor da 5ª Seção Regional, e da Nacional, do IBRACON. Contribuições no Campo de Pessoas Jurídicas - Empresas, de Direcionamento Focado na Reforma Tributária, Objetivando Melhoria da Democracia por meio da Harmonização de Direitos e Obrigações entre as Empresas O IBRACON Instituto dos Auditores Independentes do Brasil, é a entidade técnica que congrega os auditores independentes do País. Prestação de contas com ética e transparência é o foco de ação do nosso Instituto. Sempre estivemos envolvidos no melhoramento de prestação de contas, via contabilidade, prestando serviços essenciais para a nossa Sociedade, e para o desenvolvimento de negócios, como um todo, e em particular, para a Comissão de Valores Mobiliários, Banco Central do Brasil, Secretárias da Receita, Federal, Estadual e Municipal, e nossos legisladores. Todos os assuntos que concernem ao exercício de cidadania, tomados no seu aspecto mais amplo, são motivos de atenção, discussão e busca de soluções em nossos Comitês Técnicos. Somos uma entidade focada na prestação de contas de empresas para os acionistas, a Sociedade, e o Estado, sempre com ética e transparência. Conhecemos melhor as atuais mazelas praticadas no País, no que tange prestação de contas das empresas. Temos melhor conhecimento de práticas de desvios de retidão das empresas junto ao Estado. Onde os controles são frágeis, impera os desvios de retidão. Como auditores independentes tem acesso às melhores práticas de sistemas tributários em outros países, estamos em condições de prestar serviços relevantes para o melhoramento das atuais propostas de Reforma Tributária. Estamos aqui para contribuir para a melhoria das propostas de Reforma Tributária. Sabemos que no mundo dos negócios, prestação de contas éticas pressupõe com contabilidade. Investimentos, crescimento sustentado e juros baixos somente são viáveis quando há prestação de contas. Dito isto, as atuais propostas de Reforma Tributária não estão contemplando medidas para a melhoria da prestação de contas das empresas. Pelo contrário, estão omissas. As propostas atuais mantêm muitas mazelas e vícios. Neste sentido, reportaremos questões que necessitam de reflexão e ação corretiva na elaboração e implantação da nova Reforma Tributária, no que tange às empresas. 1

2 Fatos: 1. Onde há prestação de contas e contabilidade, há mais aderência às leis e menos sonegação. Onde não é obrigatória a prestação de contas e contabilidade (empresas no presumido e no simples), há menos aderência às leis, e mais sonegação. Compartilharemos, a seguir, algumas informações fornecidas pela Receita Federal, que comprovam esta afirmação e que merecem reflexão. Declarações de pessoas jurídicas em 2001: Modalidade Quantidade % de declarações % de arrecadação Lucro real ,3% 83% Presumido ,7% 10% Simples ,0% 7% Movimento bancário (créditos nos extratos bancários), em relação à receita declarada para a Receita Federal: Empresas no Simples Empresas no Presumido Empresas no Real, com contabilidade Empresas no Real, com contabilidade e auditadas Companhias abertas, auditadas e transparentes 3,2 vezes 2,1 vezes 1,6 vezes? Menos que 1,6 vezes? Sonegação é mínima. Movimento bancário de empresas (créditos nos extratos bancários), em relação à receita declarada para a Receita Federal, segmentos selecionados: Serviços pessoais Atividades imobiliárias Serviços às empresas 5,9 vezes 5,2 vezes 4,7 vezes 2

3 Transporte e agências de viagens Alojamento e alimentação 4,4 vezes 3,3 vezes 2. A Receita Federal, em conjunto com a Previdência Social, responsável pela arrecadação de 69% dos tributos do Brasil, não tem os recursos humanos necessários para desempenhar o seu trabalho, a fim de permitir harmonização dos direitos e das obrigações entre as empresas (vide Anexo 1). 3. O esforço de arrecadação é exercido nas companhias abertas e nas empresas que reportam pelo lucro real. Como esse número de empresas está diminuindo, o Governo está continuamente aumentando os impostos sobre as empresas que reportam no formal. Por exemplo: Nas empresas de serviços, as médias e grandes empresas recolhem sobre receitas em torno de 31% de impostos (sobre que reportam), as microempresas recolhem 4,6% a 6,6% (sobre que reportam), e as pequenas 14,2% (sobre que reportam) (vide tabulação acima de sonegação, preparado pela Receita Federal). Nas empresas de manufatura, as empresas com faturamento anual acima de R$ recolhem ou pagam indiretamente impostos em torno de 43% sobre suas receitas reportadas, as microempresas pagam em torno de 10,7% de impostos sobre as receitas reportadas (no cálculo incluímos o ICMS e IPI não compensados nas compras de matérias-primas), e as pequenas até 31% de impostos (assumindo o ICMS de 18%), sobre as receitas reportadas (vide tabela de sonegação, preparada pela Receita Federal). 4. Na maioria dos países desenvolvidos, a auditoria estatutária é obrigatória para todas as empresas, excluindo as microempresas. No Brasil, somente 0,3% das empresas são auditadas (um dos países menos auditados no mundo) (vide Anexo 2). 5. A carga tributária atual está em torno de 37% do PIB (25,7% em 1993, e sempre crescente, até os níveis atuais). Segundo estudo da ATKearny, as cargas tributárias dos nossos futuros parceiros da ALCA são: Argentina 20%, Canadá 35%, México 22%, Uruguai 16%, Paraguai 11%, Estados Unidos 29%. Com a introdução da ALCA, a partir de 2005, a carga tributária do Brasil terá de ser competitiva, para atrair/manter investimentos, num mercado aberto para livre comércio, movimentação de capitais e negócios, na região das Américas. 6. Dos 37% do PIB arrecadados, em torno de 8/9% do PIB são utilizados pelo Governo para pagar juros sobre suas dívidas (vide comentários no parágrafo abaixo). 7. As taxas de juros praticadas no mercado refletem o grau de desconfiança dos aplicadores. Países com credibilidade/prestação de contas obrigatória, via contabilidade, praticam juros reais baixos 0% a 3%. Países com baixa credibilidade e pouca prestação de contas via contabilidade praticam juros reais acima de 3% (no Brasil, o próprio Governo financia sua dívida, pagando juros de 26% ao ano, enquanto a inflação é inferior a 10% ao ano). As 3

4 empresas estão pagando juros reais de 20% a 100% anuais. Indivíduos estão pagando juros reais anuais em torno de 30% a 200%. 8. Segundo se noticia, menos de 20% das empresas, excluindo as microempresas, têm um sistema compreensível de prestação de contas, por meio da contabilidade. O Governo, com uma Secretaria da Receita Federal subdimencionada em termos humanos, tem dispensado a prestação de contas por meio da contabilidade (vide Anexo 3 Benefícios da obrigatoriedade da contabilidade para as empresas e para a sociedade. 9. O sistema tributário para empresas que reportam pelo lucro real ( empresas em 2001) é complexo e oneroso, e particularmente para empresas auditadas, onde há mais retidão na prestação de contas. Exemplos de impostos e contribuições criados nos últimos vinte anos, objetivando o aumento da arrecadação: Contribuição social sobre lucros (na realidade é um imposto de renda, com outra denominação). PIS e Cofins sobre receitas, em adição ao ICMS e IPI. Diversas novas contribuições e taxas sobre as folhas de pagamento. A carga tributária para empresas que reportam no lucro real é bem superior àquela de outros países das Américas. Com tanta tributação no mercado formal, mais de 50% das pessoas estão trabalhando na informalidade. Recomendações para o Direcionamento Focado na Reforma Tributária para Empresas 1. Eliminar, em bases graduais digamos, em três anos -, a opção de empresas com receitas de até R$48 milhões de entregarem declarações de imposto de renda pelo presumido, com dispensa de prestação de contas, por meio da contabilidade. Benefícios: Detalhadas no anexo 3. Redução de sonegação. Vide extenção de sonegação, na páginas 1 e 2, item Simplificar e reduzir o número de impostos, taxas e contribuições, no âmbito federal, estadual e municipal. Benefícios: Aumento de produtividade e competitividade, via redução de burocracia e do Custo Brasil. 3. Introduzir tratamento diferenciado para empresas que optarem em não prestar contas para a sociedade e/ou o Governo, por meio da contabilidade. Aumentar a arrecadação daqueles que optarem pela informalidade, tributando com base na movimentação bancária. Reduzir concomitantemente os impostos sobre o mercado formal. 4

5 Benefícios: Medida eficiente para estimular a retidão. 4. Introduzir um quadro, inicialmente opcional, nas declarações de imposto de renda, para fornecer os detalhes das contas bancárias, e os montantes de CPMF recolhidos no ano. Esses optantes teriam o benefício de alíquotas de imposto de renda menor. Os nãooptantes teriam o benefício de maior atenção da Secretaria da Receita Federal. Benefícios: Medida eficiente para estimular a retidão. 5. Fortalecer a Secretaria da Receita Federal para atender às necessidades efetivas, e promover melhor a harmonização de direitos e obrigações entre todas as empresas no Brasil. A própria Secretaria da Receita Federal tem estudos, que não têm sido aproveitados, por motivos políticos (lobby do mercado informal forte, que não quer melhorias de prestação de contas). Benefícios: Aumento de retidão das empresas, melhoria de prestação de contas, e maior harmonização de direitos e obrigações entre todas as empresas Essas contribuições estão em consonância com a nossa visão de que todos os assuntos que concerne ao exercício da cidadania, tomados no aspecto mais amplo, são motivo de atenção, discussão e busca de soluções. Estamos colaborando para uma nova bandeira Reforma Tributária com Transparência e Ética. A Sociedade Brasileira Exige. Os Legisladores atendem aos anseios da Sociedade. Anexo 1 Deficiências de Recursos Estruturais e Humanos na Secretaria da Receita Federal Anexo 2 Campo de Atuação da Auditoria Independente no Brasil e no Resto do Mundo Anexo 3 Benefícios da Obrigatoriedade da Contabilidade para as Empresas e para a Sociedade Anexo 4 Tributação Atual nas Empresas de Serviços e de Manufatura 5

6 Anexo 1 - Deficiências de Recursos Estruturais e Humanos na Secretaria da Receita Federal A Receita Federal, órgão público do Governo Federal, há mais de 10 anos tem tido restrições para novas contratações. Este órgão é responsável pela fiscalização da arrecadação de todos os impostos, taxas e contribuições de responsabilidade da União, junto às 3 milhões de empresas, 25 milhões de contribuintes, fiscalizando todos as entradas e saídas dos portos, aeroportos, fronteiras, e nosso litoral. Conseqüentemente, com falta de fiscais, a Receita Federal teve de ser criativa, para simplificar o processo de arrecadação. Para fins de recordação, em 1970 a Receita Federal tinha fiscais, em 1990 tinha 5.500, e em 2003, segundo se noticia, tem fiscais. A Bahia tem fiscais para fazer trabalho semelhante, no âmbito estadual. Portanto, nos anos 90, por iniciativa da Receita Federal, devidamente transformadas em leis, criou-se a forma de arrecadação pelo sistema Simples, para empresas com receitas até R$ , e pelo sistema Presumido, para empresas com receitas anuais até R$ Em ambos os casos, as leis que criaram o Simples, e o Presumido dispensaram a necessidade de registros contábeis. Muitos, erroneamente, interpretaram que se o fisco não exigia contabilidade, para que fazer contabilidade, ou continuar fazendo contabilidade? 6

7 Anexo 2 Campos de Atuação da Auditoria Independente, no Brasil e no Resto do Mundo O Brasil ainda não entrou na era da auditoria independente. Aqui, apenas empresas - 0,3% das existentes - são obrigadas a prestar contas, o que representa um desestímulo à prática da ética. Além desse forte apelo social, recorrer a essa especialidade também se mostra altamente saudável do ponto de vista econômico. Exemplo: ajudaria a reduzir o risco Brasil, diante do capital internacional voltado para investimentos produtivos. Nada mal, nesses tempos de globalização. A auditoria estatutária faz bem em todos os sentidos. O país trabalharia muito melhor e, é claro, teria um sono bem mais tranqüilo. AUDITORIA INDEPENDENTE Extensão da obrigatoriedade População para cada auditor independente Abertas por exigência de Exceto acionistas, pequenas credores ou Holanda 899 Sem exceções Exceto pequenas e médias outros Inglaterra Hong Kong Arábia Saudita Inglaterra Alemanha Holanda Áustria EUA Canadá Argentina Índia Bolívia Japão Bélgica EUA Egito Nova Zelândia Canadá México França Equador Cingapura Espanha Noruega Alemanha El Salvador Tailândia Filipinas Portugal África do Sul Guatemala Finlândia Suécia Chile França Suíça Argentina Grécia Brasil

8 Anexo 3 - Benefícios da Obrigatoriedade de Contabilidade para as Empresas e para a Sociedade Para as empresas: Melhoria da qualidade das informações de negócios. Transparência dos negócios para todos os acionistas e quotistas, de forma clara e compreensível, aderindo à linguagem universal de negócios, a contabilidade. Prestação de contas e controles internos melhores. Para a sociedade: Redução da evasão fiscal Democratização das responsabilidades de pagamento de impostos, mediante melhor aderência às obrigações junto ao Estado, por parte da Sociedade. Promoção de mais confiança nos negócios, fundamental para atrair e reter investimentos produtivos no Brasil. Redução de riscos e, conseqüentemente, redução das taxas de juros. Viabilização da implantação da lei de participação de lucros. Viabilização de políticas governamentais que vinculam aumentos salariais a aumentos de produtividade. 8

9 Anexo 4 - Tributação Atual nas Empresas de Serviços e de Manufatura Empresas de Serviços Uma empresa de serviços de médio porte para cima, com faturamento acima de R$ anuais, está sujeita aos seguintes impostos: sobre o faturamento, até 5% a título de ISS; 0.65% de PIS, e 2% a 3% de Cofins; sobre o lucro tributável de 27% a 37%; encargos trabalhistas, excluindo FGTS, de 27,8% sobre os salários pagos, mais CPMF de 0,38% sobre pagamentos. Enquanto isto, as microempresas de serviços estão sujeitas a 4% a 6% de imposto Simples sobre o faturamento, e as pequenas, até R$ de faturamento anual, de 5,4% a 8,6% de imposto Simples, ISS de até 5%, mais CPMF de 0,38. As diferenças de tributação são enormes. Enquanto as médias e grandes empresas recolhem sobre receitas em torno de 31% de impostos, as microempresas recolhem 4,6% a 6,6%, e as pequenas, em torno de até 14,2%. Empresas de Manufatura As empresas de manufatura com faturamento acima de R$ anuais estão sujeitas aos seguintes impostos: sobre faturamento - ICMS de até 18% (na média 17%), IPI variável, dependendo do produto (na média 10%), PIS de 0,65% e Cofins de 2% a 3%; sobre o lucro tributável de 27% a 37%; encargos trabalhistas, excluindo FGTS de 27,8% sobre os salários pagos, mais CPMF de 0,38% sobre pagamentos. As micros e pequenas empresas, com faturamento de até R$ anuais, não estão sujeitas a ICMS, ou sujeitas a ICMS reduzido. Todos os impostos e taxas federais e os encargos trabalhistas estão substituídos pelo imposto único Simples, de 3,5% a 9,1% sobre o faturamento, mais CPMF de 0,38%. Novamente, as diferenças de tributação são enormes. Enquanto as empresas com faturamento anual acima de R$ recolhem ou pagam indiretamente impostos de em torno de 43% sobre suas receitas, as microempresas pagam em torno de 10,7% de impostos (no cálculo incluímos o ICMS e IPI não compensado nas compras de matérias-primas), e as pequenas até 31% de impostos (assumindo ICMS de 18%). X X X Apesar da carga tributária para os pequenos empresários ser diminuta, muito abaixo do praticado em outros países desenvolvidos, a evasão tributária é enorme, segundo estudos da Secretaria da Receita Federal. Vide página 2 para compreender a extenção da sonegação. 9

Por que a CPMF é um problema para o Brasil?

Por que a CPMF é um problema para o Brasil? Por que a CPMF é um problema para o Brasil? 1 A Carga Tributária Brasileira Muito pesada para um país que precisa crescer 2 A carga tributária brasileira vem apresentando crescimento 40% 30% 26,9% 27,8%

Leia mais

Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões

Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões Departamento Jurídico - DEJUR Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões Painel - Reforma Tributária à luz do desenvolvimento regional Helcio Honda O que a Sociedade espera de uma Reforma

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS TRABALHADOS PARA PAGAR TRIBUTOS -

ESTUDO SOBRE OS TRABALHADOS PARA PAGAR TRIBUTOS - ESTUDO SOBRE OS PARA PAGAR TRIBUTOS - 2015 GILBERTO LUIZ DO AMARAL JOÃO ELOI OLENIKE LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL CRISTIANO LISBOA YAZBEK 05 de maio de 2015 NO ANO DE 2015 O BRASILEIRO TRABALHARÁ ATÉ

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

Estudo comemorativo 10 anos do Impostômetro. Veja o que mudou no Brasil ao longo desses anos. #CadêoRetorno (2005-2015)

Estudo comemorativo 10 anos do Impostômetro. Veja o que mudou no Brasil ao longo desses anos. #CadêoRetorno (2005-2015) Veja o que mudou no Brasil ao longo desses anos. #CadêoRetorno Estudo comemorativo 10 anos do Impostômetro (2005-2015) 1 Súmario 02 03 05 10 anos de Impostômetro trabalhados para pagar tributos Evolução

Leia mais

POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA

POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA ESTADO, TRIBUTAÇÃO E SEGURIDADE SOCIAL POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA Marcelo Lettieri (marlettieri@gmail.com) OVERVIEW Tributação e Distribuição de Renda Modelo Tributário - Tendência histórica

Leia mais

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO ROBERTO ABDENUR DIPLOMATA DURANTE 44 ANOS, APOSENTADO; ATUA COMO CONSULTOR EM ASSUNTOS INTERNACIONAIS; FOI EMBAIXADOR DO BRASIL NO EQUADOR, NA CHINA, NA ALEMANHA NA ÁUSTRIA E PERANTE OS ORGANISMOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Falta integrar as leis do Mercosul

Falta integrar as leis do Mercosul Publicado em: Gazeta Mercantil, no dia 04-06-1998, pág. 1 e A8 Autores: Marta Watanabe, Juiiano Basile e Adriana Aguilar Falta integrar as leis do Mercosul Apesar do crescimento de 300% em quatro anos

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 1 Doingbusiness no Brasil Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira 1. Introdução O dia 7 de agosto do corrente ano entrou para a história como uma das mais importantes datas para a possível concretização da reforma

Leia mais

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos Professor Apresentação: 1. Instituído pelo Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal

Leia mais

Elaborado por: João Batista Mezzomo - joaobm@sefaz.rs.gov.br

Elaborado por: João Batista Mezzomo - joaobm@sefaz.rs.gov.br CIDADANIA FISCAL UM PROJETO DA SEFAZ-RS Elaborado por: João Batista Mezzomo - joaobm@sefaz.rs.gov.br Entende-se por cidadania fiscal o pleno exercício da cidadania no que concerne ao financiamento da chamada

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Estudo para Subsidiar a Formulação de Projeto de Lei para Aprimoramento do Simples Nacional. Minuta dos Resultados Finais

Estudo para Subsidiar a Formulação de Projeto de Lei para Aprimoramento do Simples Nacional. Minuta dos Resultados Finais Estudo para Subsidiar a Formulação de Projeto de Lei para Aprimoramento do Simples Nacional Minuta dos Resultados Finais 01/12/2014 1 Roteiro da Apresentação Proposta de revisão das tabelas do Simples

Leia mais

2º Encontro de Contabilidade e Auditoria para Companhias Abertas e Sociedades de Grande Porte

2º Encontro de Contabilidade e Auditoria para Companhias Abertas e Sociedades de Grande Porte www.pwc.com º Encontro de Contabilidade e Auditoria para Companhias Abertas e Sociedades de Grande Porte Evoluções do SPED do ponto de vista de Custo de Conformidade Fiscal Agenda Pontos chave da Pesquisa

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes.

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Por Palmira Santinni No Brasil, nos últimos anos, está ocorrendo um significativo aumento na criação de novas empresas e de optantes pelo

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte.

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte. SPED O Sistema Público de Escrituração Digital, mais conhecido como Sped, trata de um projeto/obrigação acessória instituído no ano de 2007, através do Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007. É um

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

PLANO DA DISCIPLINA 2014. Disciplina: Orçamento e Planejamento Tributário. Carga Horária: 60 Série: 4ª Turno : Noturno

PLANO DA DISCIPLINA 2014. Disciplina: Orçamento e Planejamento Tributário. Carga Horária: 60 Série: 4ª Turno : Noturno PLANO DA DISCIPLINA 2014 Disciplina: Orçamento e Planejamento Tributário Curso : Ciências Contábeis Formação : Profissional Carga Horária: 60 Série: 4ª Turno : Noturno Professor Responsável: Carlos Otávio

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

MBA GESTÃO TRIBUTÁRIA

MBA GESTÃO TRIBUTÁRIA MBA GESTÃO TRIBUTÁRIA Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram o cenário Contábil,

Leia mais

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária 1 XI CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária Osvaldo Santos de Carvalho

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

Compliance e Legislação Tributária: Desafios para as empresas em 2015

Compliance e Legislação Tributária: Desafios para as empresas em 2015 Compliance e Legislação Tributária: Desafios para as empresas em 2015 Eduardo Nascimento (eduardo@morad.com.br) Antonio Carlos Morad (acmorad@morad.com.br) www.morad.com.br 2015 Outlook for Legal Issues

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA CATEGORIA PROFISSIONAL: CONTADOR NR DO CRC: CRC-DF Nº 2.864 ENDEREÇO

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 10 milhões de negócios formais (99%) e 9 milhões de informais 56,1% da força de trabalho que atua no setor formal urbano 26% da massa salarial 20% do

Leia mais

Eficiência Tributária

Eficiência Tributária Eficiência Tributária Cenário Tributário Brasileiro Características negativas: Tributação excessiva Multiplicidade de tributos e de Obrigações Acessórias Tributação em cascata (tributo incide sobre outros

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector O brasileiro é um povo sem memória, que esquece seus feitos e seus heróis...

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

Taller sobre remesas, educación financiera y microemprendimiento en Goíanía, Brasil, 26 y 27 de Noviembre 2014.

Taller sobre remesas, educación financiera y microemprendimiento en Goíanía, Brasil, 26 y 27 de Noviembre 2014. Fortalecimiento del diálogo y de la cooperación entre la Unión Europea (UE) y América Latina y el Caribe (ALC) para el establecimiento de modelos de gestión sobre migración y políticas de desarrollo www.migracion-ue-alc.eu

Leia mais

QUE SISTEMA TRIBUTÁRIO ESTÁ SENDO PENSADO PARA O BRASIL COM A RETOMADA DA DISCUSSÃO SOBRE A REFORMA TRIBUTÁRIA

QUE SISTEMA TRIBUTÁRIO ESTÁ SENDO PENSADO PARA O BRASIL COM A RETOMADA DA DISCUSSÃO SOBRE A REFORMA TRIBUTÁRIA *José Antonio de França I CONTEXTUALIZAÇÃO O Sistema Tributário Brasileiro é um sistema complexo, composto por muitos impostos, taxas e contribuições de competência Federal, Estadual e Municipal. A tarefa

Leia mais

Quem somos? Nossa Missão:

Quem somos? Nossa Missão: Bem Vindos! Quem somos? A GEPC Consultoria Tributária é uma empresa especializada em consultoria para Farmácias e Drogarias com mais de 6 anos de mercado neste seguimento. Apoiando e atualizando nossos

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 43 IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA! O que é Lucro Real?! O que é Lucro Presumido?! Como é calculada a tributação pelo SIMPLES?! Qual o regime tributável mais vantajoso para a elaboração de um projeto?!

Leia mais

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Recomendações para a construção de um sistema tributário mais justo, que aumente a competitividade do

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

PORTFÓLIO INSTITUCIONAL GRUPO ASSETS - 2013 2014. Apresentação

PORTFÓLIO INSTITUCIONAL GRUPO ASSETS - 2013 2014. Apresentação 2013 2014 PORTFÓLIO INSTITUCIONAL GRUPO ASSETS - 2013 2014 Apresentação Assets Contadores e Consultores Associados, fundada ano 2000, é uma empresa jovem e totalmente dinâmica, que busca sempre o melhor

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham!

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! 2ª Etapa 2009 a 2011 EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! Benefícios para o Setor de Agenciamento de Viagens Com a Lei Complementar 128/08 - que alterou o Estatuto

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal SPED Contábil e Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal SPED. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 10 milhões de negócios formais (99%) e 9 milhões de informais 56,1% da força de trabalho que atua no setor formal urbano 26% da massa salarial 20% do

Leia mais

Expatriados. Como lidar com os aspectos fiscais. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil (CCIJB) Elisabeth Lewandowski Libertuci

Expatriados. Como lidar com os aspectos fiscais. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil (CCIJB) Elisabeth Lewandowski Libertuci Expatriados Como lidar com os aspectos fiscais Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil (CCIJB) Elisabeth Lewandowski Libertuci 1 Residência Fiscal 2 Caracterização de Residência Fiscal Art. 2

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: PLANEJAMENTO E CONTABILIDADE TRIBUTARIA Código: CTB-364 CH Total: 60h Pré-Requisito: ------

Leia mais

Quem tem conhecimento vai pra frente

Quem tem conhecimento vai pra frente blogdosempreendedores.com.br facadiferente.sebrae.com.br contabilidadeschmitt.com.br Fotos: Produtos do Projeto Gemas e Joias do Sebrae-PA Livro Artesanato- Um negócio genuinamente brasileiro (Sebrae,

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Os desafios da implementação da Lei 11.638/07

Os desafios da implementação da Lei 11.638/07 Os desafios da implementação da Lei 11.638/07 Nossos principais negócios: 40 empresas e 7 consórcios Corporação Cemig Áreas de Atuação: Geração, transmissão, comercialização e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual 10/07 12/08 07/09 12/06 03/07 03/07 07/07 09/07 09/07 Sanção da Lei Geral da MPE (re)fundação da Frente Parlamentar da MPE Criação da subcomissão Permanente da MPE Entrada em vigor do Simples Nacional

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Reforma Tributária A Visão do Consumidor de Energia

Reforma Tributária A Visão do Consumidor de Energia Reforma Tributária A Visão do Consumidor de Energia Brasília, 02 de abril de 2008 1 Visão Estratégica da Energia O papel da energia elétrica na sociedade pós-industrial é fundamental. A pressão pela redução

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

AVANÇOS NA IMPLEMENTAÇÃO E APRIMORAMENTO DA LEI GERAL DAS MPE

AVANÇOS NA IMPLEMENTAÇÃO E APRIMORAMENTO DA LEI GERAL DAS MPE AVANÇOS NA IMPLEMENTAÇÃO E APRIMORAMENTO DA LEI GERAL DAS MPE O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI Seminário tripartite - OIT Políticas para superar a informalidade Maio/09 - Brasília - DF 12/08 07/09

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido Aline de Melo Silva Discente do 4 ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Karen Cássia de Souza Discente

Leia mais

Sistema Tributário Brasileiro Breve Diagnóstico e Propostas de Mudanças

Sistema Tributário Brasileiro Breve Diagnóstico e Propostas de Mudanças Sistema Tributário Brasileiro Breve Diagnóstico e Propostas de Mudanças Carlos Roberto Teixeira Diretor de Assuntos Jurídicos Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal A INJUSTA DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões:

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões: Electrolux AB 1. Principais Características Matriz: Electrolux AB Localização: Estocolmo, Suécia Ano de fundação: 1901 Internet: www.electrolux.com Faturamento (2000): US$ 11.537 mi Empregados (2000):

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

mídiakit www.tvgazeta.com.br

mídiakit www.tvgazeta.com.br mídiakit www.tvgazeta.com.br JUNHO / 2015 #HISTÓRIA Fundada no aniversário da cidade de São Paulo, a TV Gazeta fala com uma metrópole globalizada com a intimidade de quem esteve presente na vida e no coração

Leia mais

O que é desoneração da folha de pagamento e quais são seus possíveis efeitos?

O que é desoneração da folha de pagamento e quais são seus possíveis efeitos? www.brasil-economia-governo.org.br O que é desoneração da folha de pagamento e quais são seus possíveis efeitos? Josué Pellegrini 1 Marcos Mendes 2 Desde 2011 o Governo Federal tem alterado a forma pela

Leia mais

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br COMPRA certa Treinamento para o profissional de compras www.contento.com.br 503117 Tributação e seus impactos na rentabilidade editorial Calculando a rentabilidade Gerir uma farmácia requer conhecimentos

Leia mais

Prestação de serviço de assessoria em importação. Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% 0,65%

Prestação de serviço de assessoria em importação. Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% 0,65% Prestação de serviço de assessoria em importação Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% Faturamento (Receita Bruta) R$ 20.000,00 Alíquota PIS 0,65% Valor da propriedade imobiliária

Leia mais

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005).

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005). A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas na Construção Civil Relatório de Pesquisa Equipe Técnica Prof. Dr. Fernando Garcia Profa. Ms. Ana Maria Castelo Profa.Dra. Maria Antonieta Del Tedesco Lins Avenida

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006. (ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE) O ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE E O ESTADO E MUNICÍPIOS

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP PROPOSTA DE DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo MAIO Departamento de Competitividade

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo

Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo A grande janela de oportunidades (O Brasil decola) A grande janela de oportunidades Linha do tempo das conquistas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014.

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. (do Sr. Guilherme Campos e outros) Altera a Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006 para reorganizar e simplificar a metodologia de apuração do imposto

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Institucional Tokio Marine Seguradora Tokio Marine no Mundo Grupo Tokio Marine é o um dos líderes entre os grupos seguradores globais. Fundada em1879 Ativos:US$98bilhões

Leia mais

Seminário Imigração de Mão de Obra. AMCHAM - 23 de agosto de 2013

Seminário Imigração de Mão de Obra. AMCHAM - 23 de agosto de 2013 Seminário Imigração de Mão de Obra AMCHAM - 23 de agosto de 2013 Introdução Expatriados: Quem são? Existência de dois regimes: (1) Transferência de Estrangeiro para o Brasil; e (2) Transferência de Brasileiro

Leia mais

Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação,

Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação, 1 Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação, Advogado Especializado em Direito Tributário e Societário.

Leia mais

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas O governo brasileiro, por meio da Receita Federal do Brasil (RFB), está implantando mais um avanço na informatização da relação entre o fisco e os contribuintes.

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO TRIBUTÁRIA PARA O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL PELO SISTEMA SIMPLES NACIONAL

CLASSIFICAÇÃO TRIBUTÁRIA PARA O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL PELO SISTEMA SIMPLES NACIONAL CLASSIFICAÇÃO TRIBUTÁRIA PARA O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL PELO SISTEMA SIMPLES NACIONAL Lais Cardoso de Oliveira¹, Robernei Aparecido Lima². 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS IR? COFINS?? INSS? PIS SUMÁRIO 1 Introdução 3 2 Planejamento 5 3 Simples Nacional com a inclusão de novas categorias desde 01-2015 8 4 Lucro

Leia mais