CAPITAL HUMANO REMUNERAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPITAL HUMANO REMUNERAÇÃO"

Transcrição

1 CAPITAL HUMANO 1. Visão Geral A Grindrod reconhece que o seu sucesso está dependente do empenho e da aptidão dos seus trabalhadores. Esta política, em conjunto com as Políticas de Gestão de Desempenho e de Benefícios, visa atrair, desenvolver e reter trabalhadores, garantindo que a remuneração e os prémios sejam alocados com base no desempenho através de um processo justo e equitativo. 2. Estratégia, Modelo e Princípios de Remuneração A estratégia e a estrutura de remuneração orientam o desempenho organizacional das pessoas e devem, por conseguinte, cumprir os princípios seguintes: Discriminação Injusta: A política e as práticas de remuneração seguem práticas justas e distinguem somente com base no desempenho, escassez de competências e forças de mercado que possam influenciar regiões geográficas diferentes. 2.2 A Equidade é referente a pagamento igual para responsabilidades ou deveres de trabalho iguais. A Equidade Interna é referente ao pagamento justo e consistente de trabalhadores de acordo com os seus papéis e valores individuais relativamente aos seus colegas internos. A Equidade Externa é referente à estratégia de examinação e práticas de remuneração em relação às tendências externas, tanto nacionais como internacionais, de modo a garantir que o pagamento seja competitivo em relação aos trabalhadores externos e dentro de limites da acessibilidade e sustentabilidade. 2.3 Transparência: A gestão de remuneração é implementada com níveis adequados de visibilidade, boa-fé e confidencialidade, quando necessário. 2.4 Acessibilidade e Sustentabilidade: Os custos de remuneração devem ter em conta o desempenho actual da Grindrod e das Divisões, a competitividade e a taxa de inflação. Componentes da Remuneração 3.1 O pacote de remuneração, estabelecido num contrato de trabalho de um funcionário, é finalizado de acordo com as orientações de niveis TASK e as referências salariais internas, após negociações entre o trabalhador e a Grindrod. 3.2 Quando o pacote de remuneração tiver sido negociado com sucesso entre o trabalhador e a Grindrod, o pacote permanece inalterado até que a revisão salarial anual seja realizada em Março do ano seguinte, ou se o funcionário for promovido ou se a posição for submetida a avaliação do trabalho devido a mudanças significativas do âmbito e da natureza do trabalho. página 1 de 5

2 4. Abordagem do Custo Total de Contratação (TCOE) 4.1 O método de pagamento de remuneração da Grindrod inclui o décimo terceiro (13o) cheque de TCOE. 4.2 O TCOE vencerá a favor do trabalhador à taxa de um duodécimo (1/12) do valor do montante do pacote por mês de calendário ou parte deste, de serviço cumprido. 4.3 O montante do pacote TCOE inclui os benefícios obrigatórios. 5. Data de Pagamento 5.1 Os salários são pagos mensalmente e retroactivamente, o mais tardar até ao dia vinte e cinco (25) de cada mês, por transferência de fundos electrónica para a conta bancária indicada pelo trabalhador. 5.2 Caso o dia vinte e cinco (25) do mês calhe num fim-de-semana ou feriado público, o salário será pago no último dia útil anterior ao dia vinte e cinco (25) desse mês. 5.3 Em caso de rescisão, o salário do trabalhador será acrescido de quaisquer quantias devidas ao trabalhador pela Grindrod e / ou redução de quaisquer quantias devidas pelo trabalhador à Grindrod. 6. Contribuições e Deduções 6.1 Inscrição Obrigatória INSS / CFM O trabalhador e o empregador contribuirão com uma percentagem do salário para reforma, quer para o INSS quer para o Fundo de Reforma dos CFM (quando aplicavel) em conformidade com os regulamentos do INSS ou do fundo de reforma dos CFM e outra legilação aplicavel. 6.2 Pacote TCOE. A componente em dinheiro é o montante resultante após a dedução das contribuições obrigatórias e facultativas do pacote total. 6.3 Telefone Celular e Telefone Fixo Qualquer trabalhador que exceda o seu subsídio alocado terá o excesso deduzido do seu pagamento mensal, a menos que esteja autorizado pelo gestor ou executivo relevantes. 6.4 Veículos do Grupo As multas de trânsito, os prémios de reclamações de seguro e / ou reparações serão deduzidos dos ganhos do trabalhador em caso de uma conclusão de negligência comprovada. 6.5 Ordens de Administração Manutenção e as guarnições serão deduzidas do salário do trabalhador e estão sujeitas a uma taxa. 6.6 Deduções Obrigatórias INSS. Todos os trabalhadores são obrigados a contribuir para o INSS à taxa especificada e actualizada na Lei do Trabalho, nr 23/2007 de 1 de Agosto e legislação/regulamentos aplicalveis de segurança social. IRPS. Deduzido do salário mensal do trabalhador e pago às autoridades tributárias (URTI) em conformidade com a legislação. Qualquer outro montante acordado por endividamento à Grindrod. página 2 de 5

3 7. Pagamento Variável 7.1 Aumentos Anuais O trabalhador deve estar ao serviço da Grindrod por seis meses ou mais para se qualificar. O Director da Divisão ou o seu representante devidamente nomeado podem motivar de outra forma, com base no desempenho e outros factores O Conselho de Administração da Grindrod revê e aprova os escalões de aumento salarial tendo em consideração o desempenho da Grindrod e as condições de mercado Os aumentos que exerçam impacto sobre os trabalhadores da unidade de negociação serão determinados com base nas taxas de inflação aplicáveis no início das negociações, movimentos do mercado e disponibilidade. Esses aumentos serão efectuados na TCOE e / ou salário-base dos trabalhadores respectivos. Qualquer aumento superior a cem mil randes (R ) por ano deve ser aprovado pelo Director Executivo da Grindrod. 7.2 Aumentos Interino O aumento interino de salário deve ser motivado com base em desempenho excepcional, mérito ou comprovação significativa. Qualquer aumento superior ao máximo do nível salarial deve ser aprovado pelo Director Executivo de Divisão relevante. 7.3 Esquema de Incentivos O esquema de incentivos da Grindrod é autofinanciado e, como tal, é baseado no cumprimento do desempenho financeiro da Grindrod. O esquema usa ainda informações do processo de gestão do desempenho para determinar o pagamento. O esquema é aplicável aos Níveis TASK catorze (14) e superiores. 7.4 Acidentes de Trabalho Pagos em conformidade com a Lei do Trabalho/outra legislação aplicavel e as disposições da Política de Seguro de Compensação dos Trabalhadores em vigor tempo a tempo. 7.5 Subsídios O trabalhador pode ser reembolsado pelo uso de veículo pessoal em serviço da Grindrod se a viagem ocorrer fora de um raio estipulado. 7.6 Subsidio Noturno O subsídio será pago em linha com a Lei do Trabalho e os acordos prevalecentes. 7.7 Qualidade de Acção Interina Um trabalhador adequadamente qualificado pode ser nomeado para um cargo em qualidade interina. A Grindrod vê esta oportunidade como benéfica especialmente para indivíduos de grupos designados adquirirem experiência Um trabalhador não pode ser nomeado em qualidade interina para um cargo que seja dois níveis acima do seu cargo actual e deve satisfazer todos os requisitos mínimos do cargo (por favor consulte a Política de Gestão de Talentos). O cargo deve ser publicitado e preenchido permanentemente dentro de um período de 3 meses sempre que possível Um trabalhador que desempenhe funções numa base de substituição, por um período de quarenta e cinco dias ou mais, terá direito à remuneração atribuível à categoria que corresponde a essas funções durante o período de desempenho, a menos que o trabalhador já esteja a auferir uma remuneração mais alta, caso em que terá direito a um aumento acordado entre as partes A acumulação de funções de chefia ocorre quando um trabalhador desempenha mais que uma função por um período de quarenta e cinco dias ou mais, quando a substituição não for possível ou quando outro trabalhador não possa ser nomeado para o cargo. Neste caso, a remuneração do trabalhador será suplementada em pelo menos vinte e cinco por cento da remuneração atribuível às funções enquanto estiver a desempenhá-las A nomeação interina deve ser autorizada pelo Director de Divisão relevante e / ou seu representante relevante. página 3 de 5

4 7.8 Taxas de Associação Profissional Isto é aplicável aos trabalhadores permanentes da Grindrod A Grindrod encoraja a inscrição dos trabalhadores nas associações necessárias, até ao máximo de três, quando essas inscrições forem necessárias ao desempenho das suas responsabilidades na Grindrod. O requisito de inscrição numa associação / em associações deve ser estipulado por escrito ao trabalhador A Grindrod pode, em seu critério, considerar o financiamento de taxas de inscrições profissionais, incluindo taxas de adesão, em nome do trabalhador, quando a inscrição for obrigatória para a prática da dita profissão ou se a qualificação for regulamentada por uma associação profissional 7.9 Adiantamento de Salários para Férias O adiantamento de salário é ao critério da Direcção Os adiantamentos de salários serão concedidos somente quando o trabalhador tiver direito a férias. Deverá ser apresentado um pedido de férias autorizadas juntamente com o pedido de adiantamento O adiantamento providenciado é estabelecido até ao máximo de quarenta e cinco por cento (45%) do valor dos dias de férias disponíveis, após os impostos O adiantamento será providenciado somente se não existirem quantias em dívida do trabalhador à Grindrod e se não houver ordens de manutenção em vigor O adiantamento será deduzido do salário do mês seguinte. 8. Avaliação do Trabalho 8.1 De modo a garantir a justeza e a equidade no estabelecimento do valor relativo de uma posição, para determinar a remuneração, foi implementado um sistema de avaliação de trabalho e aplicado consistentemente a todas as posições 8.2 As posições serão avaliadas de acordo com o sistema de avaliação TASK 8.3 A descrição de trabalho será o ponto de referência na execução da avaliação. Isto será suplementado com contribuições do gestor responsável e, quando necessário, do incumbente da posição 8.4 Após a avaliação do trabalho, a reavaliação será considerada somente se houver uma alteração significativa do conteúdo do trabalho Pesquisas de Remuneração 9.1 A Grindrod subscreverá as pesquisas de mercado necessárias disponíveis. 9.2 As faixas de remuneração serão revistas a cada ano financeiro relativamente aos ajustes necessários Estrutura Salarial 10.1 É determinada uma faixa de pagamento ou um escalão de pacote de remuneração para todos os níveis de emprego da Grindrod O escalão da estrutura salarial tem um pacote mínimo e um máximo O trabalhador não será pago acima do máximo da sua tabela salarial sem a aprovação pelo Director Executivo relevante, que é emitida apenas em circunstâncias excepcionais e, dependendo do nível, pode exigir a habilitação pelo Director Executivo da Grindrod Limited Os escalões dos pacotes são reajustados anualmente de acordo com as mudanças no mercado e sincronizados com a revisão salarial anual. página 4 de 5

5 11. Ofertas de Emprego Na determinação da remuneração relativa a ofertas de emprego deverá ser dada consideração à remuneração actual do incumbente e à remuneração esperada, marcas de referência internas, salário dos trabalhadores existentes no mesmo nível e a informações do director de divisão relevante. 12. Relocação do Trabalhador Por favor consulte a Política de Relocação. 13. Invalidez e Rescisões Por favor consulte as Políticas de Invalidez e Rescisão. 14. Comité de Remuneração da Grindrod 14.1 Garantirá a boa governação da estratégia de remuneração Aprovará o esquema de pagamento de incentivos Fará a revisão da estratégia de remuneração e do posicionamento de escalões em relação ao mercado, anualmente. página 5 de 5

UNTAET DIRECTIVA NO. 2000/4 SOBRE OS TERMOS DE CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS

UNTAET DIRECTIVA NO. 2000/4 SOBRE OS TERMOS DE CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS UNITED NATIONS United Nations Transitional Administration in East Timor UNTAET NATIONS UNIES Administration Transitoire des Nations Unies au Timor Oriental UNTAET/DIR/2000/4 30 de Junho de 2000 DIRECTIVA

Leia mais

DECRETO N.º 38/XIII. Regime de apoio à agricultura familiar nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira

DECRETO N.º 38/XIII. Regime de apoio à agricultura familiar nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira DECRETO N.º 38/XIII Regime de apoio à agricultura familiar nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Leia mais

Normas e Procedimentos de Funcionamento do Sistema de Administração de Cargos e Salários ABCZ

Normas e Procedimentos de Funcionamento do Sistema de Administração de Cargos e Salários ABCZ Normas e Procedimentos de Funcionamento do Sistema de Administração de Cargos e Salários ABCZ Os salários serão administrados dentro das faixas salariais de cada classe de cargos. A determinação dos salários

Leia mais

Política de Remuneração aplicada aos Colaboradores com Funções Chave

Política de Remuneração aplicada aos Colaboradores com Funções Chave Política de Remuneração aplicada aos Colaboradores com Funções Chave V05, de 2016.03.09 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Índice de Reajuste (%)

Índice de Reajuste (%) ACORDO COLETIVO DE TRABALHO QUE ENTRE SI FAZEM O SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO, DO MOBILIÁRIO E DA EXTRAÇÃO DE MÁRMORE, CALCÁRIO E PEDREIRAS DE PEDRO LEOPOLDO, MATOZINHOS, PRUDENTE

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC)

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 01/SIAC/2009 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) METODOLOGIA DE CÁLCULO DAS DESPESAS COM O PESSOAL TÉCNICO DO PROMOTOR E LIMITES À ELEGIBILIDADE DE DESPESAS Nos termos estabelecidos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE LOCAL PARTE A PARTE B

IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE LOCAL PARTE A PARTE B INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI 22/2008, DE 13 DE MAIO), DE RESPOSTA OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº 10036 VÁLIDO ATÉ 31-12-2016 ANTES DE RESPONDER LEIA ATENTAMENTE AS

Leia mais

COLECTÂNEA DE LEGISLAÇÃO BÁSICA INCLUÍDA

COLECTÂNEA DE LEGISLAÇÃO BÁSICA INCLUÍDA ÍNDICE PREFÁCIO 7 NOTA PRÉVIA 9 SIGLAS UTILIZADAS 13 Capo I - Algumas considerações introdutórias. A relação jurídica de emprego público na Administração Pública 15 Capo II - Âmbito de aplicação subjectivo

Leia mais

Circular das finanças com esclarecimentos relativos à Sobretaxa extraordinária IRS 2011

Circular das finanças com esclarecimentos relativos à Sobretaxa extraordinária IRS 2011 Circular das finanças com esclarecimentos relativos à Sobretaxa extraordinária IRS 2011 As Finanças estão a dar destaque à sua recente circular nº23/2011 de 3 de Outubro relativa à Sobretaxa extraordinária

Leia mais

REGULAMENTO DOS MECANISMOS E PROCEDIMENTOS PARA CONTRATAÇÃO DE CIDADÃOS DE NACIONALIDADE ESTRANGEIRA

REGULAMENTO DOS MECANISMOS E PROCEDIMENTOS PARA CONTRATAÇÃO DE CIDADÃOS DE NACIONALIDADE ESTRANGEIRA Flash Informativo Flash News 20/09/2016 REGULAMENTO DOS MECANISMOS E PROCEDIMENTOS PARA CONTRATAÇÃO DE CIDADÃOS DE NACIONALIDADE ESTRANGEIRA Foi recentemente publicado no Boletim da Republica n.º 104,

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

Contratação de Agente Comercial no Exterior

Contratação de Agente Comercial no Exterior Unidade de Projetos Termo de Referência sobre Contratação de Agente Comercial no Exterior REVISTO E ATUALIZADO Março de 2013 Elaborado por: Apex-Brasil Pág: 1 GESTOR DE PROJETO Richard Sabah COORDENADOR

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL CONHEÇA O SEPRORGS Entidade Patronal Fundado em 04 de Julho de 1986-30 anos Defender os interesses das empresas de TIC do RS Representar mais de 7 mil empresas vinculadas 300

Leia mais

De destacar, a obrigatoriedade de igualdade de tratamento, pelo Empregador, entre o Trabalhador Nacional e o Trabalhador Estrangeiro.

De destacar, a obrigatoriedade de igualdade de tratamento, pelo Empregador, entre o Trabalhador Nacional e o Trabalhador Estrangeiro. O Decreto n.º 6/01, de 19 de Janeiro aprova o Regulamento Sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente, quer no sector público, quer no sector privado, tendo entrado

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.302-E DE 1998 Altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3 de janeiro de 1974, que dispõe sobre o trabalho temporário nas empresas urbanas e dá outras providências; e dispõe

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2016/2017. Confira a autenticidade no endereço

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2016/2017. Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2016/2017 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR004823/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR077284/2016 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.023082/2016-41 DATA DO

Leia mais

1) O que caracteriza a utilidade com natureza salarial e a utilidade com natureza indenizatória?

1) O que caracteriza a utilidade com natureza salarial e a utilidade com natureza indenizatória? CADERNO DE EXERCÍCIOS 1) O que caracteriza a utilidade com natureza salarial e a utilidade com natureza indenizatória? 2) Vale transporte pago em dinheiro, vale refeição pago em dinheiro, concessão de

Leia mais

Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente

Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente e-mail: geral@info-angola.com portal: www.info-angola.com Página 1

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO. Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL

RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO. Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO 2015 Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL Relatório Anual 2015 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO PO MAR 2020 ANO DE 2015 CCI: 2014PT14MFOP001 PROGRAMA OPERACIONAL: PROGRAMA OPERACIONAL

Leia mais

Concurso público para a aquisição de madeiras e similares para o Município do Funchal

Concurso público para a aquisição de madeiras e similares para o Município do Funchal Concurso público para a aquisição de madeiras e similares para o Município do Funchal CADERNO DE ENCARGOS Caderno de encargos Pag. nº1 Índice Cláusula 1ª - Objecto Cláusula 2ª - Contrato Cláusula 3ª -

Leia mais

XXXII. Compensações ÍNDICE

XXXII. Compensações ÍNDICE XXXII Compensações ÍNDICE SECÇÃO I COMPENSAÇÕES DA ENTIDADE GESTORA DO ESTABELECIMENTO... 2 1. Compensação em caso de resgate... 2 2. Compensação em caso de rescisão por interesse público... 6 3. Compensação

Leia mais

DUAS DEFINIÇÕES IMPORTANTES

DUAS DEFINIÇÕES IMPORTANTES Você está trabalhando, construindo sua vida e de sua família. Tudo vai bem. Mas... Você já começou a pensar na sua aposentadoria? Quando se aposentar, você receberá o benefício do INSS, mas ele será suficiente?

Leia mais

Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017

Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017 Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017 ASSUNTO: PROCESSAMENTO DE REMUNERAÇÕES 2017 A partir de 1 de janeiro de 2017, por força da entrada em vigor do Orçamento do Estado para o ano de 2017, aprovado pela

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR Nº 3/ GGF / 2011

OFÍCIO CIRCULAR Nº 3/ GGF / 2011 OFÍCIO CIRCULAR Nº 3/ GGF / 2011 Às Escolas Básicas e Secundárias. Agrupamentos de Escolas Escolas Profissionais Públicas. DATA: 2011/01/07 ASSUNTO: Processamento de Remunerações em 2011 Face à Lei nº

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO 1/8 POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO Tabela de Revisões Versão Data Motivo de Revisão 1 2011 2 Primeira versão aprovada pelo Conselho de Administração a 02/02/2011 e pela Assembleia Geral a 31/03/2011. Revisão

Leia mais

Directrizes de RH para as quais é solicitada aprovação: Remuneração e Benefícios em Angola

Directrizes de RH para as quais é solicitada aprovação: Remuneração e Benefícios em Angola Directrizes de RH para as quais é solicitada aprovação: Remuneração e Benefícios em Angola O salário é um componente chave da Remuneração Total para a maioria dos nossos colaboradores. A satisfação e o

Leia mais

Exmo. Senhor (Nome e morada)

Exmo. Senhor (Nome e morada) Exmo. Senhor (Nome e morada) Na sequência da reclamação apresentada em (data de apresentação da reclamação), do acto de processamento do seu vencimento, relativo ao mês de Janeiro de 2011, e em resposta

Leia mais

Subsídio de Doença Direção-Geral da Segurança Social março 2015

Subsídio de Doença Direção-Geral da Segurança Social março 2015 Direção-Geral da Segurança Social março 2015 O é uma prestação em dinheiro atribuída ao beneficiário para compensar a perda de remuneração, resultante do impedimento temporário para o trabalho, por motivo

Leia mais

Recursos Humanos I. Administração de Salários Planos de Benefícios Sociais

Recursos Humanos I. Administração de Salários Planos de Benefícios Sociais Recursos Humanos I Administração de Salários Planos de Benefícios Sociais Administração de Salários Recursos Naturais + Dinheiro Acumulado + Trabalho = Riqueza ou Capital Processo Produtivo = Participação

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO. Programa de Educação Previdenciária

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO. Programa de Educação Previdenciária Ministério da Previdência Social INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO Todos que se inscrevem na Previdência Social podem escolher como vão contribuir. Isso permite que o segurado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA DE MUSICA Artigo 1º Objecto A Associação Cultural Musimax é uma Escola do Ensino Artístico Especializado em Música, e tem como principal objecto o ensino da música. Artigo

Leia mais

ESTATUTO REMUNERATÓRIO. Conselho de Administração remunerações globais mensais ilíquidas:

ESTATUTO REMUNERATÓRIO. Conselho de Administração remunerações globais mensais ilíquidas: ESTATUTO REMUNERATÓRIO Ao abrigo do artigo 8.º dos Estatutos da CP, aprovados pelo Decreto-Lei n.º 137- A/2009, de 12 de junho, conjugado com o n.º 2 do artigo 28.º do EGP, com a aplicação das regras constantes

Leia mais

Curso de 13 Salário. Capacitação e Treinamento

Curso de 13 Salário. Capacitação e Treinamento Curso de 13 Salário Capacitação e Treinamento Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 DATA DE REGISTRO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: 22/12/2011

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 DATA DE REGISTRO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: 22/12/2011 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061899/2012 NÚMERO DO PROCESSO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: 47998.008319/2011-22 DATA DE REGISTRO DA CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE

Leia mais

PORTARIA N.º 4 /05. de 17 de Janeiro

PORTARIA N.º 4 /05. de 17 de Janeiro MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E PLANEAMENTO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 4 /05 de 17 de Janeiro As alterações introduzidas no Orçamento do Estado para 2005 para vigorarem a partir de 1 de Janeiro, nomeadamente,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Da Sra. ERIKA KOKAY)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Da Sra. ERIKA KOKAY) PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Da Sra. ERIKA KOKAY) Acrescenta Seção à Consolidação das Leis do Trabalho para dispor sobre os motoristas e os cobradores de ônibus urbanos e interurbanos. O Congresso Nacional

Leia mais

Lei n.º 3/2009, de 13 de Janeiro. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Lei n.º 3/2009, de 13 de Janeiro. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Lei n.º 3/2009, de 13 de Janeiro Regula os efeitos jurídicos dos períodos de prestação de serviço militar de antigos combatentes para efeitos de atribuição dos benefícios previstos nas Leis n. os 9/2002,

Leia mais

Ponto 4 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 22 de Abril de 2010

Ponto 4 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 22 de Abril de 2010 Ponto 4 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 22 de Abril de 2010 Declaração do Conselho de Administração sobre Política de Remunerações dos Dirigentes 1. Considerando:

Leia mais

Aprova modelos de Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho e implanta o Sistema Homolognet.

Aprova modelos de Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho e implanta o Sistema Homolognet. PORTARIA n.º 1.474, de 29 de JUNHO de 2010 Aprova modelos de Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho e implanta o Sistema Homolognet. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 170, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 170, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 170, DE 2013 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, que altera a legislação do imposto de renda das pessoas físicas e

Leia mais

AJUSTE DIRECTO. Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS

AJUSTE DIRECTO. Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRECTO Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS Índice Capítulo I - Disposições Gerais... Cláusula 1.ª Objeto... Cláusula 2.ª Local, prazo e modo da prestação...

Leia mais

DECRETO Nº , DE 9 DE MARÇO DE PUBLICADO NO DOU DE 9/03/1973

DECRETO Nº , DE 9 DE MARÇO DE PUBLICADO NO DOU DE 9/03/1973 DECRETO Nº 71.885, DE 9 DE MARÇO DE 1973. PUBLICADO NO DOU DE 9/03/1973 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o artigo 81, item III, da Constituição, e tendo em vista o disposto

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de São Paulo

Tribunal de Contas do Estado de São Paulo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo CÂMARAS MUNICIPAIS COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES. LIMITES LEGAIS E CONSTITUCIONAIS. CARGOS EM COMISSÃO E AS IMPLICAÇÕES NA PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRESIDENTE DA CÂMARA.

Leia mais

DECLARAÇÃO DE INTERESSES FINANCEIROS DOS DEPUTADOS

DECLARAÇÃO DE INTERESSES FINANCEIROS DOS DEPUTADOS DECLARAÇÃO DE INTERESSES FINANCEIROS DOS DEPUTADOS NOS TERMOS DO ANEXO I DO REGIMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU RELATIVO AO CÓDIGO DE CONDUTA DOS DEPUTADOS AO PARLAMENTO EUROPEU EM MATÉRIA DE INTERESSES FINANCEIROS

Leia mais

Segurança Social Obrigatória em Moçambique

Segurança Social Obrigatória em Moçambique Segurança Social Obrigatória em Moçambique 1 A Segurança social é um direito consagrado no artigo 95 da constituição da república, o qual estabelece que todos oscidadãostemdireitoàassistêncianaincapacidadee

Leia mais

Em suma, o Projeto de Lei trata dos seguintes assuntos:

Em suma, o Projeto de Lei trata dos seguintes assuntos: INFORME N 01/2017 Projeto de Lei n. 6787/2016, que altera a Consolidação das Leis do Trabalho CLT e a Lei n. 6.019/74, para dispor sobre eleições de representantes dos trabalhadores no local de trabalho

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DOS IMPOSTOS DOMÉSTICOS. Guia para Empregadores e Empregados

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DOS IMPOSTOS DOMÉSTICOS. Guia para Empregadores e Empregados REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DOS IMPOSTOS DOMÉSTICOS Imposto sobre Rendimentos de Vencimentos Guia para Empregadores e Empregados Guia G 02 Versão 01.12.09

Leia mais

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM 2º Congresso APEGEL - 2011 DESAFIO PARA O 3º CONGRESSO ESTRATÉGICO Competências Enfermeiro Gestor Normas e Indicadores TÁTICO Por nível OPERACIONAL ESTRATÉGICO PRÁTICA

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Pagamento Voluntário de Contribuições

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Pagamento Voluntário de Contribuições Pagamento Voluntário de Contribuições Ficha Técnica Título Autor Conceção gráfica de Segurança Social Pagamento Voluntário de Contribuições Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação Edição http://www.seg-social.pt/dgss-direccao-geral-da-seguranca-social

Leia mais

REGIME DE SEGURANÇA SOCIAL DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES DECRETO-LEI N.º 328/93, DE 25 DE SETEMBRO

REGIME DE SEGURANÇA SOCIAL DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES DECRETO-LEI N.º 328/93, DE 25 DE SETEMBRO Legislação publicada: Despacho Normativo n.º 19/87, de 19 de Fevereiro: vai ser feita referência a este despacho no art. 6.º do D.L. 328/93; Decreto-Lei n.º 328/93, de 25 de Setembro: instituiu o regime

Leia mais

Criação de estruturas de acolhimento dos centros de informação da rede de informação EUROPE DIRECT CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS GESTÃO DIRECTA

Criação de estruturas de acolhimento dos centros de informação da rede de informação EUROPE DIRECT CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS GESTÃO DIRECTA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DA COMUNICAÇÃO Criação de estruturas de acolhimento dos centros de informação da rede de informação EUROPE DIRECT CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS GESTÃO DIRECTA A Comissão

Leia mais

Trabalhadores Independentes

Trabalhadores Independentes Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social - Principais alterações Trabalhadores Independentes Rita Rodrigues PwC Agenda 1. Trabalhadores abrangidos 8. Obrigações das

Leia mais

Objetivos. Estabelecer requisitos básicos à admissão de um novo servidor, na medida em que subsidia programas de recrutamento e seleção de pessoal.

Objetivos. Estabelecer requisitos básicos à admissão de um novo servidor, na medida em que subsidia programas de recrutamento e seleção de pessoal. Objetivos A Principal finalidade do Plano de Cargos e Salários é de estabelecer políticas e procedimentos voltados à valorização do colaborador e de incentivo ao seu crescimento profissional. Os fundamentos

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA PRÉ REFORMA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA PRÉ REFORMA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA PRÉ REFORMA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Redução de Taxa Contributiva Pré Reforma (2005 v5.4) PROPRIEDADE Instituto da

Leia mais

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Samba Investimentos Página1 Este manual de operações estabelece princípios e regras de conduta aplicáveis a todos colaboradores da Samba Investimentos

Leia mais

Estatuto remuneratório fixado

Estatuto remuneratório fixado Estatuto remuneratório fixado O estatuto remuneratório dos órgãos sociais para o mandato 2015-2017, fixado por deliberação social unânime por escrito de 1 de julho de 2015, estabelece: 1. Mesa Assembleia

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL Tendo em consideração: A) O regime jurídico aplicável à aquisição e alienação de acções próprias por sociedades anónimas estabelecido no Código das Sociedades Comerciais; B) A previsão do Contrato de Sociedade

Leia mais

Instrução n. o 4/2015 BO n. o

Instrução n. o 4/2015 BO n. o Instrução n. o 4/2015 BO n. o 6 15-06-2015 Temas Supervisão Elementos de Informação Índice Texto da Instrução Mapas anexos à Instrução 4/2015 Notas auxiliares de preenchimento anexas à Instrução 4/2015

Leia mais

Tron Informática

Tron Informática 13º Salário Gratificação Natalina 1 Veja uma vídeo-aula sobre este assunto em: http://www.trontv.com.br/t/index.php/videos/gestao-contabil/fp/76-como-calcular calcular-o-13-salario.html A Gratificação

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO INVEST TRADE ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos

Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos www.fagnersandes.com.br Preparando você para o sucesso! Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos Regulamentado pela Lei Complementar n. 150/15, empregado doméstico é aquele que presta serviços

Leia mais

Plano de Cargos, Carreiras e Salários CONTROLE DE REVISÕES

Plano de Cargos, Carreiras e Salários CONTROLE DE REVISÕES Plano de Cargos, Carreiras e Salários Abril de 2013 CONTROLE DE REVISÕES Versão Data Responsável Descrição 0 15/04/2013 Tríade RH Desenvolvimento e Implantação do Plano 1 26/06/2013 Tríade RH Revisão do

Leia mais

Regime Contraordenacional

Regime Contraordenacional Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação

Leia mais

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DA PREVIDENCIA SOCIAL E SALÁRIO FAMÍLIA Portaria Interministerial MTPS/MF nº 1/2016, de 8 de janeiro de 2016.

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DA PREVIDENCIA SOCIAL E SALÁRIO FAMÍLIA Portaria Interministerial MTPS/MF nº 1/2016, de 8 de janeiro de 2016. Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Informativo 02/2016 TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DA PREVIDENCIA SOCIAL E SALÁRIO FAMÍLIA Portaria Interministerial MTPS/MF nº 1/2016, de 8 de janeiro de 2016.

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

POLÍTICA CARGOS E REMUNERAÇÃO

POLÍTICA CARGOS E REMUNERAÇÃO 1 / 13 1. OBJETIVO 1.1 Geral Estabelecer uma política eficaz para a ascensão profissional dos seus colaboradores, de acordo com suas aptidões e desempenho; assim como subsidiar o desenvolvimento no plano

Leia mais

Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa

Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa 2017 Cabe à LCT Lisbon Cruise Terminals, Ld.ª, enquanto empresa concessionária do Terminal de Cruzeiros de Lisboa, nos termos do Contrato

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre PRIMEIRO OUTORGANTE:.., portador/a do C/C nº 13423892, contribuinte nº, residente em.., na qualidade de Encarregado de / Educação representante de.. SEGUNDO OUTORGANTE:

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 01 (DE 08 DE JANEIRO DE 2016)

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 01 (DE 08 DE JANEIRO DE 2016) PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 01 (DE 08 DE JANEIRO DE 2016) Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores constantes do Regulamento da

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO JESUS MAIATO Director Nacional de Segurança Social do MAPTSS Benguela. 22. Maio 2014 INSTALAÇÃO DOS NOVOS DEPARTAMENTOS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS APROVADO EM RCA DE 27/07/2016 CAPÍTULO I DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS Art. 1º. O Comitê de Gestão de Pessoas ( Comitê ) é um órgão não estatutário, subordinado

Leia mais

Fomento à Negociação Coletiva

Fomento à Negociação Coletiva 1 CONVENÇÃO N. 154 Fomento à Negociação Coletiva I Aprovada na 67ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1981), entrou em vigor no plano internacional em 11.8.83. II Dados referentes

Leia mais

Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa

Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa 2018 Cabe à LCT Lisbon Cruise Terminals, Ld.ª, enquanto empresa concessionária do Terminal de Cruzeiros de Lisboa, nos termos do Contrato

Leia mais

Código de Ética Elaborado em Janeiro de 2016 Atualizado em Junho de 2016 1. INTRODUÇÃO Este Código de Ética estabelece as regras e princípios que nortearão os padrões éticos e de conduta profissional,

Leia mais

Normas de Prevenção e Controlo do Consumo Excessivo de Álcool

Normas de Prevenção e Controlo do Consumo Excessivo de Álcool Normas de Prevenção e Controlo do Consumo Excessivo de Álcool Aprovado pela Câmara Municipal, na reunião de 15 de Maio de 2006 MUNICÍPIO DE CORUCHE CÂMARA MUNICIPAL NORMAS DE PREVENÇÃO E CONTROLO DO CONSUMO

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS Abono Adicionais RUBRICAS de qualquer natureza, salvo o de férias pecuniário de férias (Insalubridade, periculosidade, noturno, de função e tempo de serviço,

Leia mais

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS ACTO FUNDACIONAL Acordo entre a: Associação Comercial de Braga Comércio, Turismo e Serviços; Casa Santos de Vila Verde; Instituto de Negociação

Leia mais

Anexo II. 3: Modelo de projeto de Apoio às DIN de Nível 1

Anexo II. 3: Modelo de projeto de Apoio às DIN de Nível 1 Anexo II. 3: Modelo de projeto de Apoio às DIN de Nível 1 Compendium dos documentos do QIR: Manual do Utilizador do QIR 67 QUADRO INTEGRADO REFORÇADO PROPOSTA DE PROJETO DE «APOIO ÀS DIN» DE NÍVEL 1 SECÇÃO

Leia mais

IGUALDADE SALARIAL PARA EMPREGADORES. Vale a pena! COMISSÃO PARA A IGUALDADE SALARIAL

IGUALDADE SALARIAL PARA EMPREGADORES. Vale a pena! COMISSÃO PARA A IGUALDADE SALARIAL IGUALDADE SALARIAL PARA EMPREGADORES Vale a pena! COMISSÃO PARA A IGUALDADE SALARIAL O que é a Lei sobre a Igualdade Salarial? A Lei sobre a Igualdade Salarial (Pay Equity Act) (Lei) exige que os empregadores

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 19/2015 de 02 de Dezembro

INSTRUTIVO N.º 19/2015 de 02 de Dezembro INSTRUTIVO N.º 19/2015 de 02 de Dezembro ASSUNTO: POLÍTICA MONETÁRIA - Reservas Obrigatórias Convindo ajustar as regras de apuramento e cumprimento das Reservas Obrigatórias ao actual quadro de estabilidade

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

Quadro: Consultar documento em PDF relativo ao Jornal Oficial I Série Nº 3 de S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA, S.R. DOS ASSUNTOS SOCIAIS

Quadro: Consultar documento em PDF relativo ao Jornal Oficial I Série Nº 3 de S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA, S.R. DOS ASSUNTOS SOCIAIS Quadro: Consultar documento em PDF relativo ao Jornal Oficial I Série Nº 3 de 16-1-2003. S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA, S.R. DOS ASSUNTOS SOCIAIS Portaria Nº 2/2003 de 16 de Janeiro A tabela de comparticipações

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Organograma... 3 3. Vigência... 4 4. Abrangência... 4 5. Conceito... 5 5.1 Risco de liquidez do fluxo

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTIGO 1º (DEFINIÇÕES ) O presente Regulamento, disciplina a concessão de apoios a prestar, pelas

Leia mais

Tabela de incidência de INSS, FGTS e Imposto de Renda e legislação correlata

Tabela de incidência de INSS, FGTS e Imposto de Renda e legislação correlata Tabela de incidência de INSS, FGTS e Imposto de Renda e legislação correlata RUBRICAS INCIDÊNCIAS INSS FGTS IR Abono de qualquer natureza, salvo o de férias Incide Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2016

SEGUROS DE VIDA IRS 2016 SEGUROS DE VIDA IRS 2016 (Lei n.º 7 - A/2016 de 30 de Março) generali.pt 2 IRS 2016 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios... 3 2. Tributação dos benefícios... 3 2.1.

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000542/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR047856/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001655/2015 15 DATA DO

Leia mais

Informação aos Associados nº 13.V3

Informação aos Associados nº 13.V3 Data 15 de setembro de 2006 atualizada em 22 de outubro de 2012 Assunto: Horário de Trabalho Tema: Laboral 1. Definição de Horário de Trabalho O horário de trabalho é o período de tempo durante o qual

Leia mais

SISTEMA DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO

SISTEMA DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO Nota explicativa sobre SISTEMA DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO I. FINALIDADE Assegurar o direito dos trabalhadores ao recebimento efetivo de metade do valor da compensação devida por cessação do contrato de

Leia mais

Aviso Prévio indenizado OBS: o posicionamento do STJ não há a incidência de INSS sobre o aviso prévio indenizado, devendo o verificado o posicionament

Aviso Prévio indenizado OBS: o posicionamento do STJ não há a incidência de INSS sobre o aviso prévio indenizado, devendo o verificado o posicionament de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono Adicionais (Insalubridade, periculosidade, noturno, de função e tempo de serviço, de transferência, Horas extras)

Leia mais

Guia da Segurança Social: Como vão funcionar os descontos para quem tem recibos verdes

Guia da Segurança Social: Como vão funcionar os descontos para quem tem recibos verdes Guia da Segurança Social: Como vão funcionar os descontos para quem tem recibos verdes *Fonte: Dinheiro vivo Desde a entrada em vigor do Código Contributivo (Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro), em 1

Leia mais

PLANO GERAL PARA A OUTORGA DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES

PLANO GERAL PARA A OUTORGA DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES PLANO GERAL PARA A OUTORGA DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES 1. OBJETIVOS DA OUTORGA DE OPÇÕES 1.1. A outorga de opções (a Opção ou as Opções ) para a compra de ações do Multiplus S/A (a Companhia ) tem por

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 23.1.2015 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A. (

Leia mais

Orientação Técnica Específica 5 (2014) 1

Orientação Técnica Específica 5 (2014) 1 Orientação Técnica Específica 5 (2014) 1 REVISÃO DE PREÇOS Metodologia de tratamento da revisão de preços em sede de encerramento de operações 1 Aprovada na reunião da CD do ON.2 de 20/11/2014 1. OBJECTIVO

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF Tabela de incidências Tabela de incidências Fonte: ECONET EDITORA RUBRICAS INCIDÊNCIAS INSS FGTS IR 28, I, Lei n de qualquer natureza, salvo o de Sim. Arts. 3 e 7 e 1, art. férias 457 da

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO E A PRESTAÇÃO DE TRABALHO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO E A PRESTAÇÃO DE TRABALHO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO E A PRESTAÇÃO DE TRABALHO António Caxito Marques 1 SEMINÁRIO SOBRE A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO JULHO 2015 INDÍCE 1. REMUNERAÇÃO 2. TRABALHO EXTRAORDINÁRIO 3. SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais