MÓDULO Nº: 1 Nome: Higiene, Segurança e Ambiente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÓDULO Nº: 1 Nome: Higiene, Segurança e Ambiente"

Transcrição

1 P L A N I F I C A Ç Ã O M O D U L A R CURSO DE TÉCNICO DE FRIO E CLIMATIZAÇÃO 1º Ano CICLO DE FORMAÇÃO 2012/2015 COMPONENTE DE FORMAÇÃO DISCIPLINA DOCENTE TÉCNICA ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL MÓDULO Nº: 1 Nome: Higiene, Segurança e Ambiente CARGA HORÁRIA Horas: 30 / Segmentos de 45 : 40 RESUMO A disciplina de Organização Industrial, constitui uma ferramenta essencial no referido curso, visto que é uma actividade onde os intervenientes são obrigados a terem conhecimentos de Higiene e Segurança no Trabalho. 1

2 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1.Importância e Conceitos da Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho 2.Legislação de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho -Organização da Higiene Segurança e Saúde no Trabalho da Empresa -Ordem, Limpeza e Higiene -Riscos no Trabalho -Protecção Individual e Colectiva -Prevenção e Protecção Contra Incêndios 3.Riscos Eléctricos 4.Prevenção Contra Riscos Operacionais: Movimentos de partes do corpo, peso do corpo, máquinas e transportadores 5.Organização e Dimensionamento do Posto de Trabalho 6.Sinalização de Segurança 7.Gestão Ambiental - Resíduos - Efluentes Líquidos - Ruído 8.Prevenção Contra Riscos Ambientais - Químicos - Ruído - Vibrações - Calor e Frio 9.Doenças Profissionais 10.Primeiros Socorros 2

3 COMPETÊNCIAS -Reconhecer a importância da segurança no trabalho; -Conhecer a Legislação de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho; -Saber prevenir-se contra os riscos; - Utilizar protecção no corpo e nas máquinas, seleccionando os equipamentos e soluções de protecção adequados; -Identificar e interpretar sinalização de segurança, -Saber prestar primeiros socorros; OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM -Reconhecer a importância da segurança no trabalho -Conhecer a legislação de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho -Distinguir os vários graus de exigência de limpeza -Distinguir riscos -Saber prevenir se contra riscos -Utilizar protecção no corpo e nas máquinas -Definir ergonomia e dimensionar o posto de trabalho -Saber prestar primeiros socorros -Conhecer legislação ambiental -Tomar decisões de prevenção 3

4 CONTRIBUTOS PARA A PAP A disciplina de Organização Industrial pode ter um contributo precioso no que diz respeito à PAP, na medida em que o aluno pode aplicar os conhecimentos de Higiene, Segurança e Saúde no trabalho, assim como a questão ambiental, já que os trabalhos práticos deste curso assim o exigem. Outra vertente importante, é o facto de poderem aplicar os conhecimentos de Empresa adquiridos nesta disciplina e, de uma forma prática, serem aplicados na vida real. 4

5 CONTRIBUTOS PARA A FCT APRESENTAÇÃO DO MÓDULO E MOTIVAÇÃO ESTRATÉGIAS/ACTIVIDADES DE APRENDIZAGEM -Trabalhos práticos -Investigação na internet de casos práticos dos temas estudados na disciplina, para serem analisados, constituindo um objecto de estudo e aplicação prática. - Apresentações práticas e debates efectuados pelos alunos - RECURSOS/MATERIAIS - fotocópias - Internet -Filmes -Actividades lúdicas -Jornais e revistas 5

6 AVALIAÇÃO Testes e Trabalhos Práticos BIBLIOGRAFIA O(A) Professora(a) O(A) Coord. de Departamento 6

7 P L A N I F I C A Ç Ã O M O D U L A R CURSO DE TÉCNICO DE FRIO E CLIMATIZAÇÃO 1º Ano CICLO DE FORMAÇÃO 2012/2015 COMPONENTE DE FORMAÇÃO DISCIPLINA DOCENTE TÉCNICA ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL MÓDULO Nº: 2 Nome: A Empresa CARGA HORÁRIA Horas: 18 / Segmentos de 45 : 24 RESUMO A disciplina de Organização Industrial, constitui uma ferramenta essencial no referido curso, visto que é uma actividade onde os intervenientes são obrigados a terem conhecimentos de Empresa. 1

8 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL, INTERACÇÃO ENTRE INDIVÍDUOS, INFLUÊNCIAS INTERNAS E EXTERNAS À EMPRESA.1 - Motivação e comunicação.2 - Liderança 2. NOÇÃO DE EMPRESA, INPUTS E OUTPUTS 3. CLASSIFICAÇÃO DE EMPRESAS.1 - Forma jurídica.2 - Distribuição geográfica.3 - Sectores de actividades.4 - Propriedade e dimensão 4. ORGANIGRAMA.1 - Os departamentos: comercial, produção, financeira, manutenção, recursos humanos e qualidade.2 - Dependência hierárquica e funcional dos vários departamentos 5. TEORIAS ADMINISTRATIVAS: TAYLOR E SEGUINTES 6. PRODUTIVIDADE E ORGANIZAÇÃO 7. IMPLANTAÇÃO DOS MEIOS DE PRODUÇÃO 2

9 COMPETÊNCIAS Distinguir as várias funções; Interpretar organigramas; Planear trabalhos; Identificar as fases de um contrato de compra e venda Preencher e interpretar notas de encomenda, guias de remessa, facturas, notas de crédito e débito, recibos, letras e cheques; Calcular o valor de uma factura Calcular o IVA apuramento a entregar ou recuperar 3

10 OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM Reconhecer a importância do factor humano na organização; Interpretar teorias de motivação; Reconhecer a importância da comunicação; Definir empresa e classificá-la; Distinguir as várias funções; Interpretar organigramas; Planear trabalhos; Manipular tabelas de tempos pré-determinados; Definir produtividade; Implantar meios de produção segundo critérios 4

11 CONTRIBUTOS PARA A PAP A disciplina de Organização Industrial pode ter um contributo precioso no que diz respeito à PAP, na medida em que o aluno pode aplicar os conhecimentos e conceitos de Empresa, já que os trabalhos práticos deste curso assim o exigem. Outra vertente importante, é o facto de poderem aplicar os conhecimentos de Empresa adquiridos nesta disciplina e, de uma forma prática, serem aplicados na vida real. 5

12 CONTRIBUTOS PARA A FCT APRESENTAÇÃO DO MÓDULO E MOTIVAÇÃO ESTRATÉGIAS/ACTIVIDADES DE APRENDIZAGEM Aulas essencialmente práticas, de modo que o aluno assuma um papel activo na sala. Assim, certamente, rapidamente se sentirão motivados pela disciplina e encontrarão nela, uma aliada para resolver problemas da vida real e para desenvolver o raciocínio. RECURSOS/MATERIAIS - fotocópias - Internet -Filmes -Actividades lúdicas -Jornais e revistas 6

13 AVALIAÇÃO Testes e Trabalhos Práticos BIBLIOGRAFIA Miguel, Alberto Sérgio S. R. Manual de Higiene e Segurança no Trabalho. Porto Editora Miguel, Alberto Sérgio S. R. Higiene e Segurança no Trabalho. Em CD. Porto Editora. Aa.Vv. (2001) Técnicas de Organização Empresarial, 3ª Ed., volume 1. Lisboa: Plátano Editora. O(A) Professora(a) O(A) Coord. de Departamento 7

14 P L A N I F I C A Ç Ã O M O D U L A R CURSO DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO E BAR 1º Ano CICLO DE FORMAÇÃO 2012/15 COMPONENTE DE FORMAÇÃO DISCIPLINA DOCENTE CIENTÍFICA ECONOMIA MÓDULO Nº: 1 Nome: A Economia e o problema económico CARGA HORÁRIA Horas: 18 / Segmentos de 45 : 24 RESUMO Neste módulo, pretende-se estabelecer um primeiro contacto com a disciplina que agora se inicia e sensibilizar o aluno para o estudo da Economia. Assim, dever-se-á contextualizar a ciência económica no conjunto das ciências sociais, delimitando o seu objecto de estudo. Partindo do problema fundamental da Economia necessidades ilimitadas e recursos escassos os alunos concluirão sobre a necessidade de efectuar escolhas e sobre o custo de oportunidade que estas implicam. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1- A Economia no contexto das ciências sociais 1.1 Realidade social e ciências sociais 1.2 Fenómenos sociais e fenómenos económicos 2- O objecto de estudo da economia 2.1 O problema económico e a necessidade de fazer escolhas 2.2 O custo de oportunidade 2.3 Necessidades e Bens, noção e classificação Testes e remediação 1

15 COMPETÊNCIAS Para além das competências a desenvolver enunciadas na Parte I do programa, evidenciam-se, neste módulo, as seguintes: Evidenciar a Economia como uma Ciência Social. Conhecer o problema fundamental da Economia. Relacionar o problema económico com a necessidade de efectuar escolhas. OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM Apresentar o objecto de estudo da Economia. Aferir a necessidade de efectuar escolhas decorrente da existência de necessidades ilimitadas e de recursos escassos. Explicar o conceito de custo de oportunidade a partir da necessidade de efectuar escolhas. Explicar o carácter espácio-temporal das necessidades. Distinguir diversos tipos de necessidades. Classificar os diferentes tipos de bens económicos. CONTRIBUTOS PARA A PAP 2

16 CONTRIBUTOS PARA A FCT APRESENTAÇÃO DO MÓDULO E MOTIVAÇÃO Visionamento de dois filmes sobre a importância e contributo da economia (duração 15 minutos) e sobre o esgotamento do petróleo e suas consequências (15minutos). ESTRATÉGIAS/ACTIVIDADES DE APRENDIZAGEM Aulas essencialmente práticas, de modo que o aluno assuma um papel activo na sala. Assim, certamente, rapidamente se sentirão motivados pela disciplina e encontrarão nela, uma aliada para resolver problemas da vida real e para desenvolver o raciocínio. Sempre que for conveniente, serão utilizados problemas sobre a forma de jogos lúdicos para os alunos desenvolverem o raciocínio; RECURSOS/MATERIAIS Livro; Fotocópias; Computador; Filme Fichas de Trabalho; Internet 3

17 Jogos didácticos Actividades lúdicas; Jornais; Revistas; AVALIAÇÃO Teste de 90 minutos Trabalho A economia e um filme (Ver documento CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ) BIBLIOGRAFIA Mendes, Helena; Silva, Elsa, Economia A, 10º ano, Plátano Editora O(A) Professora(a) O(A) Coord. de Departamento 4

18 P L A N I F I C A Ç Ã O M O D U L A R CURSO DE TÉCNICO DE INFORMÁTICA DE GESTÃO 1º Ano CICLO DE FORMAÇÃO 2012/15 COMPONENTE DE FORMAÇÃO CIENTÍFICA DISCIPLINA ECONOMIA DOCENTE MÓDULO Nº: 2 Nome: Agentes económicos e actividades económicas CARGA HORÁRIA Horas: 33 / Segmentos de 45 : 44 RESUMO Com este módulo, pretende-se que os alunos reconheçam a existência de vários intervenientes na actividade económica, os quais podem ser agrupados de acordo com as funções económicas desempenhadas agentes económicos (Famílias, Estado, Empresas e Resto do Mundo) e identifiquem as principais actividades económicas associadas a esses agentes (produção, repartição e utilização dos rendimentos). Seguidamente, e no sentido de ilustrar as diversas actividades económicas, propõe-se, por um lado, o estudo da produção e, por outro, o da utilização dos rendimentos na sua vertente do consumo. Propõe-se ainda o estudo da distribuição, enquanto actividade que estabelece a relação entre a produção e o consumo. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1- Os agentes económicos: famílias, estado, empresas e resto do mundo 1.1 Funções dos agentes económicos 1.2 Actividades económicas ( produção, repartição e utilização dos rendimentos económicos) 1.3 Complementaridade das actividades económicas 2- A produção de bens e serviços 2.1 Noção e classificação de bens 2.2 Sectores da actividade económica 2.3 Valor da produção nacional (PIB) 2.4 Factores de produção (capital, trabalho e recursos naturais) 2.5 A combinação dos factores de produção 5

19 2.6 Avaliação da eficácia da produção produtividade dos factores de produção economias e deseconomias de escala noção e cálculo de custos de produção 2.7 Melhorar a eficácia da produção organização do processo produtivo, progresso técnico, formação dos recursos humanos, I&D. 3- Comércio e Distribuição 3.1 Circuitos de distribuição 3.2 Comércio: noção e tipos 3.3 Venda Métodos de venda Processo 4- Consumo 4.1 Consumo, noção e tipos 4.2 Padrões de consumo e factores explicativos 4.3 A sociedade de consumo 4.4 Consumerismo e o movimento dos consumidores 4.5 Direitos e deveres dos consumidores 6

20 COMPETÊNCIAS Para além das competências a desenvolver enunciadas na Parte I do programa, evidenciam-se, neste módulo, as seguintes: Usar os conceitos económicos para compreender as funções e as relações que se estabelecem entre os vários intervenientes na actividade económica. Construir circuitos económicos, identificando as principais actividades económicas associadas aos agentes económicos. Reconhecer a Produção como uma actividade económica em que existe uma combinação de factores de produção. Reconhecer a Distribuição como a actividade que estabelece a relação entre a Produção e o Consumo. Reconhecer o Consumo como uma vertente da utilização dos rendimentos. Analisar os diferentes padrões de consumo existentes em Portugal e na União Europeia. Explicitar as funções dos diferentes agentes económicos. Explicar a complementaridade das actividades económicas. Relacionar produção com sectores de actividade económica. Relacionar os conceitos de valor acrescentado e Produto Interno Bruto (PIB). Reconhecer a produção como uma combinação de factores de produção. Caracterizar os factores de produção. OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM Explicitar as funções dos diferentes agentes económicos. Explicar a complementaridade das actividades económicas. Relacionar produção com sectores de actividade económica. Relacionar os conceitos de valor acrescentado e Produto Interno Bruto (PIB). Reconhecer a produção como uma combinação de factores de produção. Caracterizar os factores de produção. Explicar a importância dos recursos naturais na actividade produtiva. 7

21 Distinguir a combinação dos factores produtivos a curto e a longo prazo. Explicitar as formas de avaliação da eficácia da produção. Apresentar os factores que estão na base da melhoria da eficácia da produção. Explicar a importância da distribuição na actualidade. Distinguir os diferentes circuitos de distribuição. Caracterizar os diversos tipos de comércio. Indicar os diferentes métodos de vendas. Relacionar o processo de venda com o tipo de comércio e com o método de venda. Referir as várias etapas do processo de venda. Distinguir os diferentes tipos de consumo. Explicitar em que consiste a relatividade dos padrões de consumo. Explicar de que modo os factores económicos influenciam os padrões de consumo. Explicar de que modo os factores extra-económicos influenciam os padrões de consumo. Justificar o aparecimento do consumerismo e do movimento dos consumidores. Enumerar direitos e deveres dos consumidores. CONTRIBUTOS PARA A PAP APRESENTAÇÃO DO MÓDULO E MOTIVAÇÃO Visita de estudo à Unicer e à Vista Alegre 8

22 ESTRATÉGIAS/ACTIVIDADES DE APRENDIZAGEM Aulas essencialmente práticas, de modo que o aluno assuma um papel activo na sala. Assim, certamente, rapidamente se sentirão motivados pela disciplina e encontrarão nela, uma aliada para resolver problemas da vida real e para desenvolver o raciocínio. A partir dos conhecimentos dos alunos sobre a realidade económica, poder-se-á identificar os principais agentes económicos e as funções que desempenham. Recorrendo a uma visita de estudo, poder-se-á realizar um estudo de caso incidindo, por exemplo, sobre uma empresa vocacionada para um dos tipos de comércio. Assim, os grupos de trabalho deverão ser orientados na elaboração de um guião da visita, com vista a recolher informações da empresa, nomeadamente sobre: - factores produtivos utilizados; - tipos de capital utilizados; - preocupações da empresa quanto aos recursos humanos e naturais; - custos fixos e variáveis da empresa; - medidas da empresa no sentido de melhorar a eficácia da produção; - o tipo de comércio; - o(s) método(s) de vendas disponibilizados; - as etapas do processo de venda. Após a visita de estudo e recolha de informação, os alunos poderão: - tratar a informação recolhida; - elaborar um relatório escrito individual; - apresentar à turma, cada um dos grupos, um ou dois dos temas sobre o qual recolheram informações. Com base na consulta de estatísticas disponíveis na Internet, sobre os consumos em Portugal e na União Europeia, poderão identificar-se diferentes padrões de consumo. 9

23 RECURSOS/MATERIAIS Livro; Fotocópias; Computador; Filme Fichas de Trabalho; Internet Jogos didácticos Actividades lúdicas Jornais; Revistas; AVALIAÇÃO Teste de 90 minutos Relatório de Visita de estudo (Ver documento CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ) BIBLIOGRAFIA Mendes, Helena; Silva, Elsa, Economia A, 10º ano, Plátano Editora O(A) Professora(a) O(A) Coord. de Departamento 10

24 P L A N I F I C A Ç Ã O M O D U L A R 2012_13 CURSO DE TÉCNICO DE INFORMÁTICA DE GESTÃO 1º Ano CICLO DE FORMAÇÃO 2012/15 COMPONENTE DE FORMAÇÃO DISCIPLINA DOCENTE CIENTÍFICA ECONOMIA MÓDULO Nº: 3 Nome: Mercado de bens e serviços e de factores produtivos CARGA HORÁRIA Horas: 29 / Segmentos de 45 : 39 RESUMO Neste módulo, pretende-se que o aluno se aproprie de um conjunto de conceitos que lhe permitirão compreender e descodificar a realidade económica que o rodeia, no que respeita ao conhecimento do funcionamento dos mercados de bens e serviços, assim como do mercado de trabalho, realidade de que, num futuro próximo, irá fazer parte. Com efeito, os mercados constituem um dos mecanismos fundamentais das economias capitalistas, tendo o seu conceito vindo a evoluir fruto, entre outros factores, do desenvolvimento das novas tecnologias. É através do mercado que a procura e a oferta se encontram, definindo-se um preço. Mas, as estruturas apresentadas pelos mercados são diferentes, encontrando-se mercados que funcionam em concorrência perfeita, havendo outros de monopólio, de oligopólio ou de concorrência monopolística. Acrescente-se ainda, a especificidade do mercado de trabalho, quer no que respeita à segmentação verificada, quer quanto ao seu funcionamento. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1- Mercado 1.1 Noção e componentes 1.2 Tipos de bens e serviços, de trabalho e de capitais 2- Estruturas dos mercados de bens e serviços 3- Funcionamento do mercado de concorrência perfeita 3.1 Lei da procura 3.2 Elasticidade procura preço 3.3 Deslocações da curva da procura 3.4 Lei da oferta 11

25 3.4 Deslocações ao longo da curva da oferta 3.5 Deslocações da curva da oferta 3.6 O equilíbrio de mercado 4- Mercado de monopólio 4.1 Factores justificativos da existência de monopólios 4.1 Problemas associados à formação dos preços 5- Mercado de Oligopólio 5.1 Tipos de Oligopólio 6- Mercado de concorrência monopolística 6.1 Características 6.2 Factores de diferenciação dos produtos 7- Mercado de trabalho 7.1 Segmentação do mercado de trabalho 7.2 Procura, lei da procura e determinantes da procura de trabalho 7.3 Oferta, lei da oferta e determinantes da oferta de trabalho 7.4 Equilíbrio do mercado: salário de equilíbrio 7.5 Deslocamento das curvas da oferta e da procura de trabalho 7.6 Desequilíbrio do mercado de trabalho: desemprego 7.7 Intervenção no mercado de trabalho: sindicatos e Estado 12

26 COMPETÊNCIAS Para além das competências a desenvolver enunciadas na Parte I do programa, evidenciam-se, neste módulo, as seguintes: Usar os conceitos económicos para compreender e descodificar a realidade económica no que respeita ao funcionamento dos mercados de bens e de serviços e do mercado de trabalho. Analisar o funcionamento dos diversos tipos de mercado e o impacto da tecnologia, do preço, das migrações, dos sindicatos e do Estado sobre o mercado de trabalho. OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM Relacionar os deslocamentos da curva da procura com as alterações das suas determinantes. Explicar a lei da oferta. Reconhecer os diferentes graus de elasticidade da oferta relativamente ao preço. Relacionar os deslocamentos da curva da oferta com as alterações das suas determinantes. Explicar o significado da situação de equilíbrio no mercado de concorrência perfeita. Justificar a existência de monopólios. Apresentar os problemas associados à formação dos preços em mercado de monopólio. Referir a existência de diferentes tipos de oligopólio. Caracterizar o mercado de concorrência monopolística quanto aos produtos transaccionados. 13

27 CONTRIBUTOS PARA A PAP APRESENTAÇÃO DO MÓDULO E MOTIVAÇÃO Visita de estudo ESTRATÉGIAS/ACTIVIDADES DE APRENDIZAGEM Aulas essencialmente práticas, de modo que o aluno assuma um papel activo e participativo na sala. Assim, certamente, rapidamente se sentirão motivados pela disciplina e encontrarão nela, uma aliada para resolver problemas da vida real e para desenvolver o raciocínio. Todas as matérias serão introduzidas com uma actividade em que os alunos irão participar. Deste modo, pretende-se que os alunos vejam para que serve aquilo que irão apreender e além disso, leva-os a tentar perceber a matéria sem memorizar. Aulas essencialmente práticas, de modo que o aluno assuma um papel activo e participativo na sala. Assim, certamente, rapidamente se sentirão motivados pela disciplina e encontrarão nela, uma aliada para resolver problemas da vida real e para desenvolver o raciocínio. 14

28 Todas as matérias serão introduzidas com uma actividade em que os alunos irão participar. Deste modo, pretende-se que os alunos vejam para que serve aquilo que irão apreender e além disso, leva-os a tentar perceber a matéria sem memorizar. Através dos conhecimentos dos alunos, apelando às suas vivências do quotidiano e recorrendo a exemplos concretos, apresentar os mercados de monopólio, de oligopólio e de concorrência monopolística. Depois de apresentado o funcionamento do mercado de trabalho, poder-seá recorrer a debates ou a simulações, no âmbito de temáticas como: - o impacto da tecnologia e do preço sobre o mercado de trabalho; - a influência das migrações e outras determinantes sobre a oferta de trabalho; - a acção dos sindicatos e do Estado sobre o mercado de trabalho. RECURSOS/MATERIAIS Livro; Fotocópias; Computador; Filme Fichas de Trabalho; Internet Jogos didácticos Actividades lúdicas; Jornais; Revistas; AVALIAÇÃO Teste de 90 minutos Relatório de Visita de estudo (Ver documento CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ) 15

29 BIBLIOGRAFIA Mendes, Helena; Silva, Elsa, Economia A, 10º ano, Plátano Editora O(A) Professora(a) O(A) Coord. de Departamento 16

30 P L A N I F I C A Ç Ã O M O D U L A R CURSO DE TÉCNICO DE INFORMÁTICA DE GESTÃO 2º Ano CICLO DE FORMAÇÃO 2011/2014 COMPONENTE DE FORMAÇÃO DISCIPLINA DOCENTE TÉCNICA ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL A Empresa MÓDULO 2 CARGA HORÁRIA Horas: 15 / Segmentos de 45 : 20 RESUMO Neste módulo serão abordados a Organização e Tipologia das Empresas e seu enquadramento com a Legislação existente, identificando as funções principais nas organizações e suas interdependências hierárquica e funcional. O conhecimento do aluno sobre o funcionamento da empresa, assim como o papel que nela desempenha, é fundamental para o seu desenvolvimento profissional contribuindo também para o crescimento da empresa. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 5. TEORIAS ADMINISTRATIVAS: TAYLOR E SEGUINTES 6. PRODUTIVIDADE E ORGANIZAÇÃO 7. IMPLANTAÇÃO DOS MEIOS DE PRODUÇÃO COMPETÊNCIAS Definir empresa e classificá-la; Distinguir as várias funções; Interpretar organigramas; Planear trabalhos; 1

31 OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM Reconhecer a importância do factor humano na organização; Interpretar teorias de motivação; Reconhecer a importância da comunicação; Manipular tabelas de tempos pré-determinados; Definir produtividade; Implantar meios de produção segundo critérios. CONTRIBUTOS PARA A PAP CONTRIBUTOS PARA A FCT APRESENTAÇÃO DO MÓDULO E MOTIVAÇÃO Ficha de Trabalho Actividade inicial. 2

32 ESTRATÉGIAS/ACTIVIDADES DE APRENDIZAGEM Aulas essencialmente práticas, de modo que o aluno assuma um papel activo na sala. Assim, certamente, rapidamente se sentirão motivados pela disciplina e encontrarão nela, uma aliada para resolver problemas da vida real. RECURSOS/MATERIAIS Livro; Fotocópias; Computador; Filme Fichas de Trabalho; Internet Jogos didácticos Actividades lúdicas; Jornais; Revistas; AVALIAÇÃO Teste Questões de aula Avaliação contínua de acordo com os critérios de avaliação; (Ver documento CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ) BIBLIOGRAFIA Fotocópias fornecidas pelo professor O(A) Professora(a) O(A) Coord. de Departamento 3

33 P L A N I F I C A Ç Ã O M O D U L A R CURSO DE TÉCNICO DE INFORMÁTICA DE GESTÃO 2º Ano CICLO DE FORMAÇÃO 2011/2014 COMPONENTE DE FORMAÇÃO DISCIPLINA DOCENTE TÉCNICA ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL MÓDULO 3 Módulo 3 Organização e Gestão CARGA HORÁRIA Horas: 30 / Segmentos de 45 : 40 RESUMO Neste módulo, a Organização e Gestão Industrial serão apresentados como essenciais para a produtividade e competitividade empresarial, constituindo a Gestão da Manutenção uma ferramenta fundamental. O conhecimento, por parte do aluno, do sistema organizacional da empresa e dos desafios da produtividade e da competitividade, contribuirá para uma participação eficaz e construtiva na actividade da empresa. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. INTRODUÇÃO Á MANUTENÇÃO (Conceito, campo de acção, custo/benefício) 2. TIPOS DE MANUTENÇÃO Generalidades Correctiva Preventiva Condicional. 2.5 Melhoria 3. CUSTOS DA MANUTENÇÃO (Iceberg de custos) Generalidades Directos Indirectos 4

34 4. GRAU DE CRITICIDADE DOS EQUIPAMENTOS, PRIORIDADES 5. INDICADORES DE PRODUTIVIDADE (MTBF, MTTR e Disponibilidade) 6. ORGANIZAÇÃO DO PARQUE DE EQUIPAMENTOS, ARQUIVO TÉCNICO, CODIFICAÇÃO E NORMALIZAÇÃO, HISTÓRICO DE AVARIAS E INTERVENÇÕES 7. PLANEAMENTO E PROGRAMAÇÃO (Objectivos, fases e técnicas) Generalidades Técnicas. PERT, GANT e CPM Ordens de trabalho e relatórios de intervenção Gestão dos materiais 8. NOVAS FILOSOFIAS TPM (Manutenção Produtiva Total) RCM (Manutenção Baseada na Fiabilidade) 9. SOFTWARE DE MANUTENÇÃO 10. CALIBRAÇÃO COMPETÊNCIAS Definir manutenção e os vários tipos de manutenção; Reconhecer os custos directos e indirectos da manutenção; Planear trabalhos com todos elementos necessários; OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM Estabelecer prioridades nas ordens de trabalho; Interpretar ordens de trabalho e elaborar relatórios de trabalho; Elaborar o arquivo técnico; Classificar os DMM (Dispositivos de Monitorização e Medição) e reconhecer a importância da calibração; Relacionar qualidade e manutenção; Definir TPM (Manutenção Produtiva Total); Utilizar software específico para Gestão da Manutenção; Compreender o sistema organizacional da empresa e contribuir para o seu melhoramento e optimização. 5

35 CONTRIBUTOS PARA A PAP APRESENTAÇÃO DO MÓDULO E MOTIVAÇÃO Ficha de trabalho actividade inicial. ESTRATÉGIAS/ACTIVIDADES DE APRENDIZAGEM Aulas essencialmente práticas, de modo que o aluno assuma um papel activo na sala. Assim, certamente, rapidamente se sentirão motivados pela disciplina e encontrarão nela, uma aliada para resolver problemas da vida real. RECURSOS/MATERIAIS Livro; Fotocópias; Computador; Filme Fichas de Trabalho; Internet Jogos didácticos Actividades lúdicas Jornais; Revistas; AVALIAÇÃO Teste Questão de aula Avaliação contínua de acordo com os critérios de avaliação; (Ver documento BIBLIOGRAFIA Fotocópias fornecidas pelo professor CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ) O(A) Professora(a) O(A) Coord. de Departamento 6

36 P L A N I F I C A Ç Ã O M O D U L A R CURSO DE TÉCNICO DE INFORMÁTICA DE GESTÃO 2º Ano CICLO DE FORMAÇÃO 2011/2014 COMPONENTE DE FORMAÇÃO DISCIPLINA DOCENTE CIENTÍFICA ECONOMIA ALEXANDRA SANTOS MÓDULO Nº: 4 Nome: 4- moeda e financiamento da actividade económica CARGA HORÁRIA Horas: 24 / Segmentos de 45 : 32 RESUMO Com este módulo, pretende-se que os alunos caracterizem as funções da moeda e os suportes que esta tem assumido ao longo do tempo. Sendo a moeda utilizada na compra de bens e de serviços, também se pretende que os alunos conheçam factores que condicionam a formação dos preços dos bens e dos serviços, bem como o fenómeno da inflação. Seguidamente, e no sentido de continuar a ilustrar as diversas actividades económicas, propõe-se o estudo da utilização dos rendimentos na sua vertente da poupança, relacionando-a com o financiamento da actividade económica. Neste contexto, privilegiar-se-á o estudo do investimento, dada a sua grande importância para a economia. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1- Moeda 1.1 Evolução da moeda 1.2 Tipos 1.3 Funções 1.4 As novas formas de pagamentos desmaterialização da moeda 2- Preço 2.1 Noção 2.2 Factores que influenciam a sua formação 3- Inflação 3.1 Noção 3.2 Formas de cálculo 3.3 Consequências da inflação no valor da moeda e no poder de compra. 1

37 4- Poupança 4.1 Noção 4.2 Destinos 5- Investimento 5.1 Noção 5.2 Funções (substituição, inovação, aumento da capacidade de produção). 5.3 Tipos (material, imaterial e financeiro) 6- O financiamento da actividade COMPETÊNCIAS Para além das competências a desenvolver enunciadas na Parte I do programa, evidenciam-se, neste módulo, as seguintes: Usar os conceitos económicos para compreender aspectos relevantes da organização económica das sociedades, nomeadamente as formas de pagamento, a inflação, a formação dos preços, a poupança, o investimento e o financiamento. Utilizar instrumentos económicos para conhecer a evolução da inflação e do investimento em Portugal e na União Europeia. OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM Caracterizar os diferentes tipos de moeda. Explicitar as funções da moeda. Relacionar as novas formas de pagamento com a evolução tecnológica. Explicitar factores que influenciam a formação dos preços (custo de produção, mecanismo de mercado). Relacionar Índice de Preços no Consumidor (IPC) e taxa de inflação. Distinguir formas de cálculo da inflação. Explicar consequências da inflação. Integrar a variável tempo nas decisões sobre utilização dos rendimentos. 2

38 OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM Referir os destinos da poupança. Explicar as funções do investimento na actividade económica. Distinguir os diversos tipos de investimento.. CONTRIBUTOS PARA A PAP 3

39 CONTRIBUTOS PARA A FCT APRESENTAÇÃO DO MÓDULO E MOTIVAÇÃO VISITA DE ESTUDO À FUNDAÇÃO CUPERTINO DE MIRANDA ESTRATÉGIAS/ACTIVIDADES DE APRENDIZAGEM Aulas essencialmente práticas, de modo que o aluno assuma um papel activo na sala. Assim, certamente, rapidamente se sentirão motivados pela disciplina e encontrarão nela, uma aliada para resolver problemas da vida real e para desenvolver o raciocínio. A partir de exemplos concretos e/ou textos, poder-se-á justificar o aparecimento da moeda e analisar a sua evolução. Caso seja possível, poder-se-á organizar uma visita de estudo ao Museu da Moeda (Lisboa e Porto) ou consultar o site do Banco de Portugal, com vista à realização de uma exposição sobre a evolução da moeda. Os alunos poderão deslocar-se a uma empresa vocacionada para um dos tipos de comércio para recolher informação sobre: - as formas de pagamento mais utilizadas; - os preços de vários produtos; - o peso das vendas dos produtos em promoção ou de marca própria no total das vendas desses produtos. Após a recolha e tratamento da informação, poder-se-á apresentar e debater as conclusões na turma. 4

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de ENERGIAS RENOVÁVEIS PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Organização Industrial Escolas Proponentes / Autores Escola Profissional de

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE. Cursos Profissionais. Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA

GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE. Cursos Profissionais. Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Profissionais Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA (2º ano de formação) Página 1 de 6 Competências Gerais Usar os conceitos

Leia mais

Curso Profissional de Restauração e Bar Ano de Escolaridade 10ºano Ano Letivo 2014/2015

Curso Profissional de Restauração e Bar Ano de Escolaridade 10ºano Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO Grupo - ECONOMIA Curso Profissional de Restauração e Bar Ano de Escolaridade 10ºano Ano Letivo 2014/2015 MÓDULO 1 A ECONOMIA NO CONTEXTO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS Disciplina Economia

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Manutenção Industrial Variantes: Electromecânica - Mecatrónica - Mecatrónica Automóvel - Aeronaves PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013/2014 ECONOMIA A (10º ANO) Página 1 de 10 Finalidades da disciplina de Economia A, no conjunto dos dois anos da sua leccionação: Perspectivar a Economia

Leia mais

PLANIFICAÇÕES ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS. Diálogo orientado;

PLANIFICAÇÕES ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS. Diálogo orientado; PLANIFICAÇÕES SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE ECONOMIA A 10º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS MATERIAIS CURRICULARES

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO. Turma - 10º N. Professora: Ana Cristina Viegas

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO. Turma - 10º N. Professora: Ana Cristina Viegas CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR Turma - 10º N Professora: Ana Cristina Viegas PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO 1 - Estrutura e Finalidades da Disciplina A disciplina de Economia

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Economia A do Ensino Secundário ENSINO SECUNDÁRIO ECONOMIA A 10º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012 Parte I Introdução 1 Economia: conceito, objecto e método 2 Organização da actividade económica 3 Breve história da economia e dos sistemas económicos Parte II Microeconomia 4 O comportamento dos consumidores

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

PROGRAMA DE ECONOMIA A

PROGRAMA DE ECONOMIA A MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO-GERAL DE INOVAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR ENSINO RECORRENTE DE NÍVEL SECUNDÁRIO PROGRAMA DE ECONOMIA A 10º e 11º ANOS CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS DE: CIÊNCIAS

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2010. Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos

Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2010. Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 3 Anos Candidatura de 010 Exame de Economia Tempo para realização da prova: horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: O examinando apenas pode

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

CURSO: CONTABILIDADE E AUDITORIA

CURSO: CONTABILIDADE E AUDITORIA REGIME ESPECIAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS Ano 2012 ATENÇÃO: PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS SERÁ CONSTITUÍDA POR DOIS MÓDULOS. UM MÓDULO

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ INTRODUÇÃO O inesperado é o dia a dia das empresas... Pelo que os gestores têm também de prever o inesperado...

Leia mais

Prova escrita de conhecimentos específicos de Economia

Prova escrita de conhecimentos específicos de Economia Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores do Instituto Politécnico de Leiria dos Maiores de 23 Anos - 2013 Prova escrita de conhecimentos

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6)

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) Objectivos do Curso No final da acção, os formandos deverão ser capazes de: Colaborar na definição da política geral da empresa relativa à

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

preta. Não telemóveis

preta. Não telemóveis Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2012 Exame de Economia Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: O examinando apenas pode

Leia mais

Projeto de Educação Financeira No Poupar está o Ganho. Estratégia 2012/2013

Projeto de Educação Financeira No Poupar está o Ganho. Estratégia 2012/2013 Projeto de Educação Financeira No Poupar está o Ganho Estratégia 2012/2013 Contexto Experiência do Museu do Papel Moeda, adquirida desde 2008, em projetos com a comunidade, relacionados com literacia financeira

Leia mais

Economia A 10º ano Planificação, por unidade letiva, havendo aulas às 3ªs, 4ªs e 6ªs

Economia A 10º ano Planificação, por unidade letiva, havendo aulas às 3ªs, 4ªs e 6ªs AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GONDOMAR Nº 1- GONDOMAR - CÓDIGO (401869) SEDE: Escola Secundária C/ 3º Ciclo do Ensino Básico de Gondomar Código 401869 2013/2014 Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento A Internet,os computadores, os telefones móveis, a TV digital estão a transformar profundamente a maneira como as pessoas vivem - como aprendem, trabalham, ocupam os tempos livres e interagem, tanto nas

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Políticas de Segurança 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

PROGRAMA DE ECONOMIA A

PROGRAMA DE ECONOMIA A Ministério da Educação Departamento do Ensino Secundário PROGRAMA DE ECONOMIA A 10º e 11º ou 11º e 12º anos Cursos Científico-Humanísticos: Ciências e Tecnologias Ciências Socioeconómicas Ciências Sociais

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial Ficha Técnica PRONACI Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial João Augusto de Sousa Bastos PRONACI - Programa Nacional de Formação de Chefias Intermédias AEP

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO Técnico de Produção Agrária 2011-2014 DISCIPLINA: Economia e Gestão Agrícola N.º TOTAL DE MÓDULOS: 6 N.º ORDEM 1 N.º DE DESIGNAÇÃO DO

Leia mais

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Escola Básica e Secundária de Velas Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ao abrigo do Decreto-Lei N.º74/2004, de 26 de Março com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Comércio Internacional/Externo: Todas as transações efetuadas entre um país e os restantes países, isto é, entre unidades residentes e unidades não residentes

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS Intervenção do Senhor Presidente da CIP Confederação da Indústria Portuguesa, Eng.º Francisco van Zeller, na Audição Pública (CCB, 04/04/2008)

Leia mais

CFC - (ACESSO A CEF TIPO 5 TÉCNICO DE INFORMÁTICA) Planificação anual de Empreendedorismo e Organização da Empresa

CFC - (ACESSO A CEF TIPO 5 TÉCNICO DE INFORMÁTICA) Planificação anual de Empreendedorismo e Organização da Empresa CFC - (ACESSO A CEF TIPO 5 TÉCNICO DE INFORMÁTICA) Planificação anual de Empreendedorismo e Organização da Empresa Turma Única Professora: Maria do Carmo Aboim Madeira 1 - Estrutura e finalidades da disciplina

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

PROGRAMA DE ECONOMIA B. 10º e 11º ANOS

PROGRAMA DE ECONOMIA B. 10º e 11º ANOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Departamento do Ensino Secundário PROGRAMA DE ECONOMIA B 10º e 11º ANOS CURSOS TECNOLÓGICOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE MARKETING AUTORES: Elsa Silva (Coordenadora) António Pastorinho

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS: Módulo I - Noções de Estatística e Fiabilidade (30 Horas)! Obtenção, análise e classificação de amostras;! Tratamento

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Plano de Negócios Maria José Aguilar Madeira Silva Professora Auxiliar do DGE UBI 1 Objectivos Programa Conteúdo Lista de Questões

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Maio de 2011 PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Esta Pós-Graduação resulta da parceria entre a APEL

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO FICHA DE TRABALHO CADERNO FICHA 5. GESTÃO DO CONHECIMENTO 5.5. ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado,

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

Contabilística: cumprimento dos requisitos de informação contabilística em todos os normativos SNC, designadamente:

Contabilística: cumprimento dos requisitos de informação contabilística em todos os normativos SNC, designadamente: Parceiro Certificado DEFIR RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características Preços PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório

Leia mais

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL I. INTRODUÇÃO No âmbito dos compromissos assumidos pelo Governo em sede de Concertação Social, o Governo apresentou

Leia mais

Planos de Promoção do

Planos de Promoção do Planos de Promoção do Desempenho Ambiental Sector eléctrico Balanço de 5 anos e novas regras 20 de Maio de 2008 Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos 1 Enquadramento 4 A tem as seguintes responsabilidades

Leia mais

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Por: Patrícia Isabel Correia* A ausência de um Sistema de Gestão de Manutenção provocou, ao longo de muitos anos, a deterioração

Leia mais

RESUMO FUNCIONALIDADES

RESUMO FUNCIONALIDADES RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características Preços PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório de gestão e ata da AG Apuramento

Leia mais

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL FORMAÇÃO 01/013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL INFORMAÇÕES FUNDAÇÂO MINERVA Cultura - Ensino e Investigação Científica Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão Largo Tinoco de Sousa 760. 108

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais