O Planeamento das Áreas Protegidas em Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Planeamento das Áreas Protegidas em Portugal"

Transcrição

1 O Planeamento das Áreas Protegidas em Portugal Gestão e ordenamento do território Henrique Miguel Pereira Rede Fundamental da Conservação da Natureza Sistema Nacional de Áreas Classificadas Rede Nacional de Áreas Protegidas Rede Natura 2000 Demais áreas classifcadas ao abrigo de compromissos internacionais Áreas de ConFnuidade Reserva Ecológica Nacional (DL 166/2008) Reserva Agrícola Nacional Domínio Público Hídrico (Lei 54/2005) Decreto-Lei 142/2008: Regime Jurídico da Conservação da Natureza e da Biodiversidade 1

2 Sistema Nacional de Áreas Classificadas Rede Nacional de Áreas Protegidas Parque Nacional Parque Natural Reserva Natural Paisagem Protegida Monumento Natural Rede Natura 2000 Zonas de Protecção Especial (DirecFva Aves) SíFos de Importância Comunitária (DirecFva Habitats) Instrumentos de Gestão e Ordenamento do Território Plano de Ordenamento de Áreas Protegidas Zona Protecção Complementar Zona Protecção Parcial Zona Protecção Total Plano Sectorial da Rede Natura 2000 RCM 115A/2008 Outros Planos Especiais (Albufeiras, Costa) Planos Directores Municipais 2

3 Rede Natura 2000 Rio Minho Litoral Norte Serras da Peneda e Gerês Rio Lima Litoral Norte Valongo Alvão / Marão Serra de Montemuro Barrinha de Esmoriz Rio Paiva Serras da Freita e Arada Rio Vouga Montesinho / Nogueira Samil RomeuMoraisMinas de St. Adrião Rios Sabor e Maçãs Douro Internacional Carregal do SalSerra da Estrela Malcata Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas Complexo do Açor Paúl de Arzila Serra da Lousã Gardunha Sicó / Alvaiazere Azabuxo / Leiria Arquipélago da BerlengaSerras de Aire e Candeeiros Nisa / Lage da Prata Arquipélago da Berlenga São Mamede Peniche / Santa Cruz Serra de Montejunto Cabeção Caia Estuário do Tejo Sintra / Cascais Arrabida / Espichel Monfurado Guadiana / Juromenha Estuário do SadoCabrela Comporta / Galé Alvito / Cuba Alvito / CubaMoura / Barrancos Guadiana Costa Sudoeste Monchique Caldeirão Arade / OdeloucaBarrocal Cerro da Cabeça Ria de Alvor Ria Formosa / Castro Marim RNAP 3

4 Espécies protegidas pelas Directivas Aves e Habitats Aves Todas as aves selvagens Um conjunto de aves está listado no Anexo A- 1 com sendo espécies de interesse comunitário Entre estas algumas são consideradas prioritárias (e.g. Sisão, Abetarda) Plantas e outros animais Um conjunto de plantas e animais estão listados nos Anexos B- II (espécies de interesse comunitário) e B- IV (espécies que exigem protecção rigorosa) Entre estas algumas são consideradas prioritárias (e.g. Lobo) Espécies animais protegidas nas Directivas É proibido Capturar, abater ou deter os espécimes respec- Fvos, qualquer que seja o método uflizado; Perturbar esses espécimes, nomeadamente du- rante o período de reprodução, de dependência, de hibernação e de migração, desde que essa per- turbação tenha um efeito significafvo; Destruir, danificar, recolher ou deter os seus ninhos e ovos, mesmo vazios; Deteriorar ou destruir os locais ou áreas de reprodução e repouso dessas espécies. 4

5 Habitats protegidos pela Directiva Habitats Anexo B- 1 Lista de habitats de interesse comunitário Entre estes alguns prioritários (e.g. Laurissilvas macaronésias) Regime de protecção Ordenamento do território AIA, AIncA Vigilância e fiscalização 1 2 Tabela 1. Variação da área de ocupação dos habitats naturais a três escalas temporais (Fonte: Plano sectorial da Rede Natura, ICN, 2006b) anos anos anos Habitats costeiros e vegetação halófila Águas marinhas e meios sob influência das marés Falésias marinhas e praias de calhaus rolados? / Sapais e prados salgados atlânticos e continentais Sapais e prados salgados mediterrânicos e termoatlânticos Estepes salgadas mediterrânicas (Limonietalia)? Dunas marítimas e interiores Dunas marítimas das costas atlânticas Dunas marítimas das costas mediterrânicas Dunas interiores, antigas e descalcificadas? Habitats de água doce Águas paradas?/ Água corrente Charnecas e matos das zonas temperadas (urzais, estevais, tojais) Matos esclerófilos Matos submediterrânicos e temperados (comunidades arbustivas com buxo, piornos-serranos e matos baixos com Cistus palhinhae) Matagais arborescentes mediterrânicos (zimbro e louro) Matos de euforbiáceas (Arrábida) e matagais altos e matos baixos mesoxerófilos mediterrânicos. Friganas Formações herbáceas naturais e seminaturais Prados naturais Formações herbáceas secas seminaturais e fácies arbustivas Montados Pradarias húmidas seminaturais de ervas altas Prados de fenos pobres de baixa altitude Turfeiras altas, turfeiras baixas e pântanos (turfeiras ácidas de Sphagnum) Habitats rochosos e grutas Depósitos de vertente rochosos?/ Vertentes rochosas com vegetação casmofítica Outros habitats rochosos Grutas (emersas / submersas) / / / Florestas Florestas da Europa temperada (carvalhais, aveleirais, freixiais e amiais) Florestas mediterrânicas caducifólias (carvalhais, outeiros e florestas - galeria com salgueiros e choupo) Florestas esclerófilas mediterrânicas (bosques de zambujeiro e alfarrobeira, de sobreiro, de azinheira e de azevinho) Florestas de coníferas das montanhas mediterrânicas e macaronésias (bosques de teixo e com zimbro) 3 5

6 Reserva Ecológica Nacional (DL 166/2008) Delimitação feita pelas câmaras de acordo com orientações estratégicas nacionais A REN é uma estrutura biofísica que integra o conjunto das áreas que, pelo valor e sensibilidade ecológicos ou pela exposição e susceptibilidade perante riscos naturais, são objecto de protecção especial. A REN é uma restrição de utilidade pública, à qual se aplica um regime territorial especial que estabe- lece um conjunto de condicionamentos à ocupação, uso e transformação do solo. Reserva Ecológica Nacional Áreas integradas na REN Áreas de protecção do litoral Faixa marítima de protecção costeira; Praias; Restingas e ilhasbarreira; Tômbolos; Sapais; Ilhéus e rochedos emersos no mar; Dunas costeiras e dunas fósseis; Arribas e respectivas faixas de protecção; Faixa terrestre de protecção costeira; Águas de transição e respectivos leitos; Zonas de protecção das águas de transição. As áreas relevantes para a sustentabilidade do ciclo hidrológico terrestre Cursos de água e respectivos leitos e margens; Lagoas e lagos e respectivos leitos, margens e faixas de protecção; Albufeiras que contribuam para a conectividade e coerência ecológica da REN, bem como os respectivos leitos, margens e faixas de protecção; Áreas estratégicas de protecção e recarga de aquíferos. 6

7 Reserva Ecológica Nacional Áreas integradas na REN (continuação) As áreas de prevenção de riscos naturais Zonas adjacentes; Zonas ameaçadas pelo mar não classificadas como zonas adjacentes (Lei 54/2005); Zonas ameaçadas pelas cheias não classificadas como zonas adjacentes nos termos da Lei da Titularidade dos Recursos Hídricos; Áreas de elevado risco de erosão hídrica do solo; Áreas de instabilidade de vertentes. Reserva Ecológical Nacional Actividades interditas a) Operações de loteamento; b) Obras de urbanização, construção e ampliação; c) Vias de comunicação; d) Escavações e aterros; e) Destruição do revestimento vegetal, não incluindo as acções necessárias ao normal e regular desenvolvimento das operações culturais de aproveitamento agrícola do solo e das operações correntes de condução e exploração dos espaços florestais. Exceptuam-se do disposto no número anterior os usos e as acções que sejam compatíveis com os objectivos de protecção ecológica e ambiental e de prevenção e redução de riscos naturais de áreas integradas em REN 7

8 Domínio Público Hídrico (Lei 54/2005) O domínio público hídrico compreende o domínio público marítimo, o domínio público lacustre e fluvial e o domínio público das restantes águas. Definição de margem A margem das águas do mar, bem como a das águas navegáveis ou flutuáveis que se encontram à data da entrada em vigor desta lei sujeitas à jurisdição das autoridades marítimas e portuárias, tem a largura de 50 m. A margem das restantes águas navegáveis ou flutuáveis tem a largura de 30 m. A margem das águas não navegáveis nem flutuáveis, nomeadamente torrentes, barrancos e córregos de caudal descontínuo, tem a largura de 10 m. 8

9 Reserva Agrícola Nacional (DL 73/2009) A RAN constitui uma restrição de utilidade pública, à qual se aplica um regime territorial especial, que estabelece um conjunto de condicionamentos à utilização não agrícola do solo, identificando quais as permitidas tendo em conta os objetivos do presente regime nos vários tipos de terras e solos. A elaboração técnica da proposta de delimitação da RAN do concelho é da competência da Câmara Municipal que, para esse efeito, solicita à entidade competente (Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro) a proposta de áreas classificadas de acordo com o previsto no RJRAN 9

Pedro Castro Henriques - DID. As áreas protegidas a seguir apresentados dividem-se entre:

Pedro Castro Henriques - DID. As áreas protegidas a seguir apresentados dividem-se entre: áreas protegidas de portugal continental estatutos de conservação (áreas protegidas citadas de norte para sul; legislação essencial por ordem cronológica; dados referentes a março 2006) Pedro Castro Henriques

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 1245/2010, de 14 de Dezembro

Versão Consolidada. Portaria n.º 1245/2010, de 14 de Dezembro Portaria n.º 1245/2010, de 14 de Dezembro O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural

Leia mais

REDE NACIONAL DE ÁREAS PROTEGIDAS - RNAP

REDE NACIONAL DE ÁREAS PROTEGIDAS - RNAP » ÂMBITO NACIONAL» ÂMBITO REGIONAL/LOCAL» ÂMBITO PRIVADO ÂMBITO NACIONAL 1. PARQUE NACIONAL DA PENEDA- GERÊS 2. PARQUE NATURAL DE MONTESINHO 3. PARQUE NATURAL DO LITORAL NORTE 4. PARQUE NATURAL DO ALVÃO

Leia mais

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado;

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado; 7. Condicionantes De acordo com a legislação em vigor existe um conjunto de figuras legais que de algum modo, condicionam o território ou constituem servidões administrativas e outras restrições de utilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES Secretariado Técnico ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto

Leia mais

RELATÓRIO. (Volume I)

RELATÓRIO. (Volume I) RELATÓRIO (Volume I) JANEIRO 2006 Elementos do Plano: VOLUME I - Relatório VOLUME II - Valores Naturais Peças escritas - Fichas de caracterização ecológica e de gestão: Habitats Naturais e Espécies da

Leia mais

NOVAS ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DELIMITAÇÃO DA REN

NOVAS ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DELIMITAÇÃO DA REN NOVAS ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DELIMITAÇÃO DA REN Portalegre 7 de Julho de 2015 1 RESERVA ECOLÓGICA NACIONAL DELIMITAÇÃO DE ACORDO COM O NOVO REGIME JURÍDICO Resolução do Conselho de Ministros n.º

Leia mais

Decreto-Lei n.º 93/90 de 19 de Março

Decreto-Lei n.º 93/90 de 19 de Março A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 93/90, de 19 de Março, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 93/90 de 19 de Março Revê

Leia mais

2856 Diário da República, 1. a série N. o 83 30 de Abril de 2007

2856 Diário da República, 1. a série N. o 83 30 de Abril de 2007 2856 Diário da República, 1. a série N. o 83 30 de Abril de 2007 Portaria n. o 530/2007 de 30 de Abril O Decreto-Lei n. o 136/2007, de 27 de Abril, definiu a missão e as atribuições do Instituto da Conservação

Leia mais

Hidrografia e Litoral

Hidrografia e Litoral Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 Hidrografia e Litoral João Silva Natália Cunha Ana Müller Lopes Manuela

Leia mais

Resumo. Fernando da Fonseca Cruz *

Resumo. Fernando da Fonseca Cruz * Inforgeo, 2009, 77-88 CONTRIBUTO METODOLÓGICO PARA A DELIMITAÇÃO DA REN COM RECURSO À TECNOLOGIA SIG Fernando da Fonseca Cruz * Resumo O crescimento demográfico e o desenvolvimento urbanístico são os principais

Leia mais

Unidade 0 Diversidade na biosfera I DIVERSIDADE NA BIOSFERA

Unidade 0 Diversidade na biosfera I DIVERSIDADE NA BIOSFERA 1 Unidade 0 Diversidade na biosfera I DIVERSIDADE NA BIOSFERA Objectivos 2 Compreender a importância da diversidade biológica na manutenção da vida; Identificar diferentes tipos de interacção entre seres

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

NOTAS DE PREENCHIMENTO DE APOIO AO QUESTIONÁRIO COASTWATCH

NOTAS DE PREENCHIMENTO DE APOIO AO QUESTIONÁRIO COASTWATCH NOTAS DE PREENCHIMENTO DE APOIO AO QUESTIONÁRIO COASTWATCH A INFORMAÇÃO SOBRE LOCAL E SOBRE QUEM PREENCHE O QUESTIONÁRIO 1 Informação sobre o local O código do país é o 12 e já está assinalado no questionário

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 4536-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 139 21 de Julho de 2008 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho de Ministros n.º 115-A/2008 A Rede Natura 2000 é uma rede ecológica que tem

Leia mais

De quem é a água? Quem tem direito a u%lizá- la? Em que condições? Quem tem prioridade na sua u%lização?

De quem é a água? Quem tem direito a u%lizá- la? Em que condições? Quem tem prioridade na sua u%lização? Polí%cas de Ambiente Polí%cas de Ambiente em Portugal Polí%ca Nacional da Água e Convenção de Albufeira para os Rios Luso- Espanhois Francisco Nunes Correia IST, Ano Lec%vo 2010/2011 Questões primordiais

Leia mais

Classificação das Águas

Classificação das Águas Classificação das Águas Entende-se por corrente navegável a que é ou vier a ser acomodada à navegação, com fins comerciais, de barcos de qualquer forma, construção ou dimensão; e por corrente flutuável

Leia mais

Esquema do Modelo Territorial SISTEMA BIOFÍSICO

Esquema do Modelo Territorial SISTEMA BIOFÍSICO COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL NORTE PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Esquema do Modelo Territorial SISTEMA BIOFÍSICO Dezembro de 2006 1

Leia mais

Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

RISCOS NA ZONA COSTEIRA: CARACTERIZAÇÃO DOS ACIDENTES PESSOAIS NO

RISCOS NA ZONA COSTEIRA: CARACTERIZAÇÃO DOS ACIDENTES PESSOAIS NO 1 RISCOS NA ZONA COSTEIRA: CARACTERIZAÇÃO DOS ACIDENTES PESSOAIS NO DOMÍNIO PÚBLICO P HÍDRICO H NO TROÇO O AVEIRO-FIGUEIRA DA FOZ José António Velho Gouveia ISCIA javg@meo.pt Maio 2010 2 Sumário Conceitos

Leia mais

LEI DA ÁGUA (Lei nº 58/2005) E LEI DA TITULARIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS (Lei nº 54/2008) António Gonçalves Henriques 1

LEI DA ÁGUA (Lei nº 58/2005) E LEI DA TITULARIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS (Lei nº 54/2008) António Gonçalves Henriques 1 LEI nº 58/2005 LEI DA ÁGUA, 29/12 LEI nº 54/2005 TITULARIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS, 15/11 António Gonçalves Henriques António Gonçalves Henriques 1 Lei nº 54/2005 Âmbito: águas, leitos e margens, zonas

Leia mais

Reconhecimento de Propriedade Privada sobre terrenos nas margens

Reconhecimento de Propriedade Privada sobre terrenos nas margens RECURSOS HÍDRICOS Domínio Público Hídrico de Propriedade Privada sobre terrenos nas margens Dra. Águeda Silva (Eng.ª Fernanda Ambrósio e Eng.º João Pedro Martins) Seminário Gestão das margens das linhas

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata

Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata Projeto LIFE Natureza nº LIFE04/NAT/PT/000214 Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo/José Conchinha 1. Como

Leia mais

Painel II As Portas e a evolução do seus modelos de organização

Painel II As Portas e a evolução do seus modelos de organização Painel II As Portas e a evolução do seus modelos de organização João Carlos Farinha Chefe de Divisão de Valorização de Áreas Classificadas do ICNF, I.P 25 áreas protegidas de âmbito nacional 7,6% de Portugal

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

Validação da Cartografia de Habitats

Validação da Cartografia de Habitats LIFE Natureza Nº LIFE04/NAT/PT/000214: NORTENATUR Validação da Cartografia de Habitats 1. Material a. Fotografia área b. Carta Habitats c. Carta Militar d. Bússola e régua 2. Metodologia de Validação a.

Leia mais

Figura 1 O relevo. [Fonte: Adaptado de Tomaz, P., 2010]

Figura 1 O relevo. [Fonte: Adaptado de Tomaz, P., 2010] 1. O relevo O relevo corresponde ao conjunto das irregularidades existentes na superfície terrestre, e varia de acordo com a altitude, forma e inclinação das vertentes (Figura 1). Figura 1 O relevo. [Fonte:

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Procedimentos (Elaborado no âmbito do Protocolo de colaboração com vista à regularização das utilizações dos recursos hídricos no sector agrícola estabelecido com a CAP e CONFAGRI) Janeiro, 2010

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar

Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar Pedro Bettencourt Coutinho, Sónia Alcobia, Carlos César Jesus, Pedro Fernandes, Cláudia Fulgêncio nemus@nemus.pt ÍNDICE

Leia mais

Palavras-chave: Zona costeira, risco, minimização, participação

Palavras-chave: Zona costeira, risco, minimização, participação TIPIFICAÇÃO DAS SITUAÇÕES DE RISCO NA ORLA COSTEIRA NAS ILHAS DOS AÇORES Planeamento e Ordenamento nas Zonas Costeiras Ana Maria Morais BARROCO Arqt.ª Paisagista, Quaternaire Portugal; +351213513200, abarroco@quaternaire.pt

Leia mais

O novo enquadramento legal, regulado pelo Decreto-Lei n.º 226-A/2007, de 31 de maio, deixou de considerar a limpeza e desobstrução de linhas de água

O novo enquadramento legal, regulado pelo Decreto-Lei n.º 226-A/2007, de 31 de maio, deixou de considerar a limpeza e desobstrução de linhas de água O novo enquadramento legal, regulado pelo Decreto-Lei n.º 226-A/2007, de 31 de maio, deixou de considerar a limpeza e desobstrução de linhas de água como uma utilização. Não obstante, permanece a obrigatoriedade

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

Ciências Geológicas: Ensino, Investigação e sua História Volume II. Geologia Aplicada. Publicação Comemorativa do ANO INTERNACIONAL DO PLANETA TERRA

Ciências Geológicas: Ensino, Investigação e sua História Volume II. Geologia Aplicada. Publicação Comemorativa do ANO INTERNACIONAL DO PLANETA TERRA Ciências Geológicas: Ensino, Investigação e sua História Volume II Geologia Aplicada Publicação Comemorativa do ANO INTERNACIONAL DO PLANETA TERRA Associação Portuguesa de Geólogos Sociedade Geológica

Leia mais

Ocupação das Faixas de Risco e Áreas do Domínio Hídrico sob Jurisdição da CCDR-LVT na Área de Intervenção do POOC Alcobaça Mafra.

Ocupação das Faixas de Risco e Áreas do Domínio Hídrico sob Jurisdição da CCDR-LVT na Área de Intervenção do POOC Alcobaça Mafra. MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL NOTA TÉCNICA Ocupação das Faixas de Risco e Áreas do Domínio Hídrico sob Jurisdição da CCDR-LVT na Área de Intervenção do POOC

Leia mais

Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira

Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira Região Hidrográfica do Tejo Ribeiras do Oeste Gabriela Moniz e Francisco Reis Torres Vedras, 11 de Dezembro de 2009 Administrações das Regiões Hidrográficas

Leia mais

Ecologia II: Ecossistemas fluviais. Manuela Abelho 2012

Ecologia II: Ecossistemas fluviais. Manuela Abelho 2012 Ecologia II: Ecossistemas fluviais Manuela Abelho 2012 3.1 Funções 3. ZONA RIPÍCOLA 2 Zonas ripícolas Espaços abertos que bordeiam os rios estabelecendo o seu limite e constituem a zona de transição entre

Leia mais

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA UFRGS 2012 São fatores limitantes dos biomas: Umidade: ausência ou excesso; Solo: tipo de nutrientes e tempo de intemperismo; Temperatura: Amplitude Térmica; Luz solar:

Leia mais

Sociedade de Estudos e Projectos, Lda.

Sociedade de Estudos e Projectos, Lda. Sociedade de Estudos e Projectos, Lda. 02 Sociedade de Estudos e Projectos, Lda. 03 A Terraforma Sociedade de Estudos e Projectos foi fundada em Lisboa, em 15 de Junho de 1989, pelo Prof. Paulo V.D. Correia.

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Projecto de Decreto-Lei, precedido de autorização legislativa da Assembleia da República, sobre Titularidade dos Recursos Hídricos

Projecto de Decreto-Lei, precedido de autorização legislativa da Assembleia da República, sobre Titularidade dos Recursos Hídricos Ministério das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente Projecto de Decreto-Lei, precedido de autorização legislativa da Assembleia da República, sobre Titularidade dos Recursos Hídricos NOVEMBRO

Leia mais

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil.

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 2 2.2 Conteúdo: Os Grandes Biomas no Brasil. 3 2.2 Habilidade: Comparar as formações vegetais existentes no Brasil e seus diferentes biomas. 4 Biomas da

Leia mais

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Perspetiva histórica Fixação e arborização das dunas, 1802 José de Bonifácio Andrada

Leia mais

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA António Gonçalves Henriques CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONCEITOS DE BASE Biodiversidade ou Diversidade Biológica é o conjunto das diferentes

Leia mais

Geografia de Portugal

Geografia de Portugal Geografia de Portugal Lúcio CUNHA Departamento de Geografia CEGOT Universidade de Coimbra Email: luciogeo@ci.uc.pt Europa: o espaço Características gerais da Europa: - A Europa na placa euroasiática Características

Leia mais

Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015

Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015 Terra: Estudos e Representações Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015 Domínio Subdomínios /Objetivos Gerais Descritores Nº de Aulas Previstas 1- A Geografia e o Território 1.1-Compreender

Leia mais

9 o 25b 00n 39 o 41b 10n 9 o 25b 00n 38 o 40b 40n 9 o 16b 50n 38 o 34b 50n. 9 o 12b 00n 38 o 24b 30n

9 o 25b 00n 39 o 41b 10n 9 o 25b 00n 38 o 40b 40n 9 o 16b 50n 38 o 34b 50n. 9 o 12b 00n 38 o 24b 30n N. o 213 14 de Setembro de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 6441 3. o A eficácia da concessão está dependente de prévia sinalização, de acordo com as condições definidas nas Portarias n. os 1103/2000

Leia mais

Tarefa / Task Landscape Subsystem Vegetation

Tarefa / Task Landscape Subsystem Vegetation Conferência Internacional Estrutura Ecológica Nacional - Conceitos e Delimitação Tarefa / Task Landscape Subsystem Vegetation Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Professor Caldeira Cabral Auditório

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 7.º ANO DE GEOGRAFIA 7.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio da geografia e o território, o aluno deve compreender o objeto e o método da Geografia. No dominio da representação da superfície

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO Grupo GEOGRAFIA (420) Ano letivo 2014/2015 Ano de Escolaridade 7º Disciplina Geografia Conteúdos Metas curriculares Estratégias - Recursos Avaliação

Leia mais

Lei n.º 54/2005 de 15 de Novembro. Estabelece a titularidade dos recursos hídricos

Lei n.º 54/2005 de 15 de Novembro. Estabelece a titularidade dos recursos hídricos Lei n.º 54/2005. DR 219 SÉRIE I-A de 2005-11-15 Assembleia da República Estabelece a titularidade dos recursos hídricos Lei n.º 54/2005 de 15 de Novembro Estabelece a titularidade dos recursos hídricos

Leia mais

Escola Básica e Secundária da Graciosa

Escola Básica e Secundária da Graciosa Escola Básica e Secundária da Graciosa Disciplina: Geografia Ano letivo 2014/2015 Planificação Anual Longo Prazo 7º Ano Conteúdos Metas Curriculares Avaliação TEMA 1: A TERRA: ESTUDOS E REPRESENTAÇÕES

Leia mais

Corrente navegável - a que for acomodada à navegação, com fins comerciais, de embarcações de qualquer forma, construção e dimensões.

Corrente navegável - a que for acomodada à navegação, com fins comerciais, de embarcações de qualquer forma, construção e dimensões. DOMÍNO HÍDRCO CONCETOS E NORMAS Para uma melhor compreensão da extensão dos bens que integram a componente dos terrenos do domínio hídrico torna-se necessário especificar alguns conceitos (conceito de

Leia mais

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO Biodiversidade O diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de Julho, rectificado pela Declaração de Rectificação n.º 53-A/2008, de 22 de Setembro (DR 22 Setembro).

Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de Julho, rectificado pela Declaração de Rectificação n.º 53-A/2008, de 22 de Setembro (DR 22 Setembro). 1/34 Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de Julho, Estabelece o regime jurídico da conservação da natureza e da biodiversidade e revoga os Decretos-Leis n.os 264/79, de 1 de Agosto, e 19/93, de 23 de Janeiro

Leia mais

Interpretação Nacional das Florestas de Alto Valor de Conservação Documento de base

Interpretação Nacional das Florestas de Alto Valor de Conservação Documento de base Interpretação Nacional das Florestas de Alto Valor de Conservação Documento de base Elaborado: Miguel Bugalho Revisto: Vera Santos Enquadramento O conceito de florestas de alto valor de conservação, introduzido

Leia mais

Planos especiais de ordenamento do território: tipicidade e estado da arte: em especial os planos de ordenamento de áreas protegidas

Planos especiais de ordenamento do território: tipicidade e estado da arte: em especial os planos de ordenamento de áreas protegidas Planos especiais de ordenamento do território: tipicidade e estado da arte: em especial os planos de ordenamento de áreas protegidas Autor(es): Publicado por: URL persistente: Oliveira, Fernanda Paula

Leia mais

Domínio - A Terra: Estudos e Representações

Domínio - A Terra: Estudos e Representações Agrupamento de Escolas de Moura Planificação Anual Geografia 7. Ano 2014-2015 Domínio - A Terra: Estudos e Representações Conteúdos Metas Curriculares Estratégias/ Calendarização 1. Compreender o objeto

Leia mais

Figura 3.1 Alcar-do-Algarve em flor... 4

Figura 3.1 Alcar-do-Algarve em flor... 4 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O PROJECTO... 3 3. DESCRIÇÃO DO AMBIENTE AFECTADO... 3 4. PRINCIPAIS IMPACTES... 5 5. MEDIDAS MINIMIZADORAS... 6 6. PROGRAMAS DE MONITORIZAÇÃO... 6 ÍNDICE DE FIGURAS Figura

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL

ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL Manuela Raposo Magalhães e Natália Sofia

Leia mais

ESTRUTURA ECOLÓGICA EM ILHAS O CASO DE S. MIGUEL

ESTRUTURA ECOLÓGICA EM ILHAS O CASO DE S. MIGUEL ESTRUTURA ECOLÓGICA EM ILHAS O CASO DE S. MIGUEL Pacheco Vieira, Catarina¹* & Gil, Artur² ¹ Divisão de Obras e Urbanismo da Câmara Municipal da Ribeira Grande; 9600-509 Ribeira Grande; *E-mail de Contacto:

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Decreto -Lei n.º 19/93 de 23 de Janeiro

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Decreto -Lei n.º 19/93 de 23 de Janeiro MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS Decreto -Lei n.º 19/93 de 23 de Janeiro Com a Lei n. 9/70 de 19 de Junho, que introduziu na nossa ordem jurídica as noções de parque nacional e reserva, teve

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 7670 Diário da República, 1.ª série N.º 202 19 de Outubro de 2007 h) Garantir a gestão de serviços comuns no âmbito das aplicações cuja concretização esteja a cargo do II e promover a sua partilha e reutilização;

Leia mais

Prioridades para o Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 e outros mecanismos de sustentabilidade ambiental da PAC em Portugal

Prioridades para o Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 e outros mecanismos de sustentabilidade ambiental da PAC em Portugal Prioridades para o Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 e outros mecanismos de sustentabilidade ambiental da PAC em Portugal Posição da SPEA Outubro 2013 Coordenação: Dr. Domingos Leitão Introdução

Leia mais

O NOSSO MEIO AMBIENTE

O NOSSO MEIO AMBIENTE Projeto de Educação e Comunicação Ambiental Palestra O NOSSO MEIO AMBIENTE Ecossistemas da Região do Entorno da Este produto foi elaborado em cumprimento à Condicionante 10 da LO 003/2003 - Programa Rodoverde,

Leia mais

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação ação Ambiental be Estratégica: Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1, Pedro Afonso Fernandes 2 1 Geólogo, Director-Geral; 2 Economista

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

RESERVA ECOLÓGICA NACIONAL DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA Quadro de Referência Regional

RESERVA ECOLÓGICA NACIONAL DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA Quadro de Referência Regional RESERVA ECOLÓGICA NACIONAL DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA Quadro de Referência Regional Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Lisboa, Fevereiro de 2010 RESERVA ECOLÓGICA

Leia mais

Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo

Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo Pedro Bettencourt Coutinho, Sónia Alcobia, Carlos César Jesus nemus@nemus.pt ÍNDICE 1. Introdução: alterações climáticas

Leia mais

freguesia da Foz do Arelho

freguesia da Foz do Arelho rios rios: rios síntese freguesia da Foz do Arelho trabalhos preparatórios Revisão do PDM trabalhos preparat trabalhos trabalhos preparat preparat Pontos a discutir Notas prévias: posicionamento do PDM

Leia mais

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo -

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Estudo do Meio 1º Ano 1º Período 2º Período 3º Período À descoberta de si mesmo - A sua identificação Conhecer a sua identificação Conhecer o seu nome

Leia mais

Este trabalho tem como objectivo mostrar alguns animais que se encontram em vias de extinção em Portugal.

Este trabalho tem como objectivo mostrar alguns animais que se encontram em vias de extinção em Portugal. Este trabalho tem como objectivo mostrar alguns animais que se encontram em vias de extinção em Portugal. Animais em vias de extinção Designam-se por espécies em vias de extinção aquelas cujo número de

Leia mais

Ecossistemas Brasileiros

Ecossistemas Brasileiros Ecossistemas Brasileiros Biomas - É o conjunto de ecossistemas que funcionam de forma estável. Um bioma é caracterizado por um tipo principal de vegetação (num mesmo bioma podem existir diversos tipos

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

Planeamento e ordenamento costeiro em Portugal

Planeamento e ordenamento costeiro em Portugal João Ferrão* Secretário de Estado do Ordenamento do Território e das Cidades Planeamento e ordenamento costeiro em Portugal 109 Portugal tem uma extensa zona costeira, comparativamente com a sua área geográfica,

Leia mais

Autoridade Nacional de Protecção Civil. Ordenamento do Território e Protecção Civil. Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt

Autoridade Nacional de Protecção Civil. Ordenamento do Território e Protecção Civil. Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt Ordenamento do Território e Protecção Civil Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt www.triplov.com ooutroladodalua.blogspot.com Paulo Alves, Instituto de Meteorologia Autoridade Nacional de

Leia mais

Para este comentário foi analisado o EIA disponível no site da APA: http://siaia.apambiente.pt/aia1.aspx?id=2825

Para este comentário foi analisado o EIA disponível no site da APA: http://siaia.apambiente.pt/aia1.aspx?id=2825 Ex.mo Sr. Diretor-Geral, Agência Portuguesa do Ambiente Rua da Murgueira 9/9A Zambujal Apartado 7585- Alfragide 2721-865 Amadora Lisboa, 03 de Agosto de 2015 Assunto: Estudo de Impacte Ambiental (EIA)

Leia mais

PLANOS DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA. POOC SintraSado no. Concelho de Sesimbra

PLANOS DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA. POOC SintraSado no. Concelho de Sesimbra PLANOS DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA POOC SintraSado no Concelho de Sesimbra POOC Sintra / Sado no Concelho de Sesimbra 1 - O litoral de Sesimbra 2 - A elaboração do Plano 3 - A publicação e o Plano

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA 1 introdução 1.1 enquadramento O desenvolvimento dos estudos de base para o PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA (PGRHI-SMA ) enquadra-se no âmbito da aplicação do Guia Metodológico

Leia mais

M O O MA M R AUTORES:

M O O MA M R AUTORES: CONTATO DA TERRA COM O MAR AUTORES: Tiago e Francisco 2010 Índice O QUE É A COSTA? FORMAS DE RELEVO DO LITORAL PRAIA DUNAS BAÍA ESTUÁRIO CABO ARRIBA OUTROS A COSTA PORTUGESA BIBLIOGRAFIA E NETGRAFIA O

Leia mais

GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA

GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA . GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA As atividades humanas transformaram e modelaram a Serra da Estrela. O aproveitamento de madeiras e lenhas, transformaram as encostas outrora

Leia mais

Rotas de aprendizagem - Projetos

Rotas de aprendizagem - Projetos Página1 Rotas de aprendizagem - Projetos Domínio - A Terra: Estudos e Representações Subdomínio: A e o Território 1/2 Quinzenas (Inicio: 1.º período) 1) Reconhecer a como a ciência que estuda os territórios

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS N. o 161 23 de Agosto de 2005 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4857 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho de Ministros n. o 141/2005 O Parque Natural da Arrábida (PNA) foi criado pelo

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP A SUSTENTABILIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO

A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP A SUSTENTABILIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP Rede de Parques Metropolitanos da Grande Área Metropolitana do Porto Rede de Parques Metropolitanos da Grande

Leia mais

PLANO DE ORDENAMENTO DA BACIA HIDROGRÁFICA DA LAGOA DAS FURNAS

PLANO DE ORDENAMENTO DA BACIA HIDROGRÁFICA DA LAGOA DAS FURNAS PLANO DE ORDENAMENTO DA BACIA HIDROGRÁFICA DA LAGOA DAS FURNAS 1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2009 setembro 2010 versão final PLANO DE ORDENAMENTO DA BACIA HIDROGRÁFICA DA LAGOA DAS FURNAS 1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE -NOVO CÓDIGO FLORESTAL MINEIRO LEI 20922/13 Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE(APPs) ART. 8º - São aquelas cobertas ou não por vegetação

Leia mais

REGIÃO DISTRITO MUNICIPIO NOME AÇORES CORVO Vila do Corvo Caldeirão do Corvo AÇORES CORVO Vila do Corvo Costa NW do Corvo AÇORES FAIAL Horta Caldeira

REGIÃO DISTRITO MUNICIPIO NOME AÇORES CORVO Vila do Corvo Caldeirão do Corvo AÇORES CORVO Vila do Corvo Costa NW do Corvo AÇORES FAIAL Horta Caldeira REGIÃO DISTRITO MUNICIPIO NOME AÇORES CORVO Vila do Corvo Caldeirão do Corvo AÇORES CORVO Vila do Corvo Costa NW do Corvo AÇORES FAIAL Horta Caldeira do Faial AÇORES FAIAL Horta Vulcão dos Capelinhos AÇORES

Leia mais

Gabinete de Planeamento Estratégico. Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela

Gabinete de Planeamento Estratégico. Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela Gabinete de Planeamento Estratégico Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela Em 2003, o Município de Palmela tomou a decisão de proceder à revisão

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS

GUIA DE BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS GUIA DE BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS Federação Portuguesa de Orientação PREFÁCIO A Orientação (o "Desporto da Floresta" e o "Desporto com pés e CABEÇA") é uma modalidade que se desenvolve nos meios naturais

Leia mais

Prof: Alexandre Barcelos

Prof: Alexandre Barcelos Prof: Alexandre Barcelos DEFINIÇÃO São as divisões da BIOSFERA. SÃO AS PORÇÕES DO PLANETA HABITADAS POR SERES VIVOS. Biosfera 18 Km 13000 Km de Diâmetro DIVISÕES TALASSOCICLO BIOCICLO DE ÁGUA SALGADA BIOCICLO

Leia mais

P L A N O D I R E C T O R M U N I C I P A L c â m a r a m u n i c i p a l d e r i o m a i o r

P L A N O D I R E C T O R M U N I C I P A L c â m a r a m u n i c i p a l d e r i o m a i o r TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS E DEFINIÇÕES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO I ÂMBITO TERRITORIAL E COMPOSIÇÃO ARTº. 1º 1. Considera-se abrangida pelo Plano Director Municipal (PDM) de Rio Maior, toda

Leia mais

Ciência Viva no Verão

Ciência Viva no Verão Ciência Viva no Verão Participação da Agência Portuguesa do Ambiente 1/10 1. Ciência Viva no Verão A Ciência Viva no Verão é uma iniciativa da Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica que

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS NATURAIS Direção Regional do Ambiente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS NATURAIS Direção Regional do Ambiente REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS NATURAIS Direção Regional do Ambiente Alteração do Plano de Ordenamento da Paisagem Protegida da Cultura da Vinha da Ilha do Pico POPPVIP Relatório

Leia mais

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria I Revisão do Plano Director Municipal de Caracterização biofísica Leiria Volume II 2004 1. ECOZONAS Ao percorrer o concelho de Leiria de Norte para Sul e de Este para Oeste a paisagem varia. Uma imagem

Leia mais

Ministério d DL 302/2008

Ministério d DL 302/2008 DL 302/2008 O regime jurídico de protecção das albufeiras de águas públicas de serviço público foi inicialmente consagrado no -Lei 502/71, de 18 de Novembro, com o objectivo de assegurar a harmonização

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais