ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL"

Transcrição

1 Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL Manuela Raposo Magalhães e Natália Sofia Cunha Instituição Proponente Instituições Parceiras Câmaras Municipais Parceiras Financiamento Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Professor Caldeira Cabral

2 PROJECTO ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL Uma proposta de delimitação e regulamentação PROJECTO Fundação de Ciência e Tecnologia PTDC/AUR-URB/102578/2008 Período de elaboração - Março 2010 a Agosto 2013 Custo Proj. FCT = , ,00 (2 bolsas de doutoramento FCT) = ,00 (à excepção dos Professores) Instituição Proponente Instituições Parceiras Câmaras Municipais Parceiras Financiamento Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Professor Caldeira Cabral

3 PARCEIROS Instituição Coordenadora Instituições Adm. Central Câmaras Municipais Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Professor Caldeira Cabral Instituição de Acolhimento Instituição Financiadora

4 EQUIPA Prof. Manuela Raposo Magalhães Arq.ta Paisagista Coordenação Geral + Estrutura Ecológica Prof. M. Manuela Abreu Geomorfóloga - coord. Permeabilidade Prof. Nuno Cortez Pedologista - coord. Solo Prof. José D. Domingos Eng. Mecânico coord. Clima Natália Cunha Arq.ta Paisagista Morfologia do Terreno+ Hidrologia + EN Selma Pena - Arq.ta Paisagista Áreas de Máxima Infiltração Sandra Mesquita Arq.ta Paisagista coord. Vegetação João F. Silva Arq.to Paisagista Hidrologia +Litoral Manuel Leitão - Landscape Architect Solo Ana Müller Arq.ta Paisagista Litoral + Clima Luisa Franco - Arq.ta Paisagista - Area Metropolitana delisboa caso de estudo Ana Rosa Trancoso Eng. Mecânico Clima Jorge Palma Eng. Mecânico Clima e webgis Consultores Prof. Christian Küpfer - Eng. Agrónomo Universidade de Nürtingen Margarida Cancela d Abreu - Arq.ta Paisagista Co-Orientação de Doutoramentos Prof. Tiago Morais Domingos Eng. Físico

5 EVOLUÇÃO DO CONCEITO ECOLOGIA - Ernst Haeckel 1869 Homeostasis - Walter Cannon CONTINUUM NATURALE Lei de Bases do Ambiente - Lei 11/87 Kunik, 1983 Blab, 1985 CORREDORES VERDES GREEN WAYS Fabos ; Flink and Searns, 1993 Corredor Verde de Monsanto, Portugal Coordenação RibeiroTelles,

6 EVOLUÇÃO DO CONCEITO CONCEITO BIOLÓGICO Áreas Protegidas Rede Natura 2000 CONCEITO ECOLÓGICO = Conceito Físico + Biológico (Abordagem Ecossistémica) Corredores Verdes Estrutura Ecológica Nacional, Regional, Local GREEN INFRASTRUCTURE (Forman, 1995; Ahern, 1995; Bennett and Wit, 2001; Magalhães, 2001; Jogman e Pungetti, 2004; Hong et al., 2007; Jongman, 2007; Bennett, 2009; Bennett, 2010; Naumann et al., 2011)

7 CONSERVAÇÃO DA NATUREZA vs INFRAESTRUTURA VERDE (ESTRUTURA ECOLÓGICA) Agência Europeia de Ambiente

8 PAN-EUROPEAN ECOLOGICAL NETWORK (PEEN) 1996 > 2011

9 FRAGMENTAÇÃO DA PAISAGEM (EEA/FOEN, 2011)

10 FRAGMENTAÇÃO E REDE NATURA 2000 (EEA/FOEN, 2011)

11 GREEN INFRASTRUCTURE Agência Europeia de Ambiente

12 INFRAESTRUTURA VERDE (CE,2013) COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES INFRAESTRUTURA VERDE Valorizar o Capital Natural da Europa Bruxelas, COM(2013) 249 final A Comissão vai continuar a estudar as oportunidades de criação de mecanismos de financiamento inovadores para apoiar a infraestrutura verde. Juntamente com o BEI, pretende criar até 2014 um mecanismo de financiamento da UE, para apoiar os promotores de projetos de infraestrutura verde. ESTRATÉGIA PARA AS INFRAESTRUTURAS VERDES

13 LEGISLAÇÃO PORTUGUESA Diploma Tema 1884 Decreto Real de 21 de Julho Domínio Público Hídrico 1970 Lei nº 9/70 Áreas Protegidas 1975 Decreto-Lei nº 356/75 Proibição de edificação e escavação em solos A, B e Ch 1976 Decreto-Lei nº 613/76 Áreas Protegidas, sítios e lugares de interesse cultural 1982 Decreto-Lei nº 451/82 Reserva Agrícola Nacional (RAN) 1983 Decreto-Lei nº 321/83 Reserva Ecológica Nacional (REN) 1987 Lei nº 11/87 Lei de Bases do Ambiente 1991 Decreto-Lei nº75/91, Protecção de aves, ninhos e ovos; protecção dos seus habitat Decreto-Lei nº 21/93 Convenção para a Diversidade Biológica 1997 Rede Natura 2000 Primeira Lista Nacional de Sítios de Importância Comunitária 1999 Decreto-Lei nº 380/99 Lei de Bases do Ordenamento do Território e do Urbanismo cria a EE 2001 Resolução do C.M. nº 151/2001 Estratégia Nacional para a Conservação da Natureza e da Biodiversidade Biodiversity Conservation (ENCNB) 2004 Estratégia Nacional para o Desenvolvimento Sustentável 2005 Lei nº 58/2005 Lei da Água - Directiva nº 2000/60/CE 2005 Decreto-Lei nº 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem 2008 Decreto-Lei n.º 142 Rede Fundamental de Conservação da Natureza

14 DESIGNAÇÕES DA EE NOS INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO Relação entre a EE e outras figuras de planeamento ao nível nacional, regional e municipal

15 REDE FUNDAMENTAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - Decreto-Lei n.º 142/2008 a) Sistema Nacional de Áreas Classificadas: i) Áreas protegidas integradas na Rede Nacional de Áreas Protegidas; ii) Sítios da lista nacional de sítios e zonas de protecção especial integrados na Rede Natura 2000; iii) As demais áreas classificadas ao abrigo de compromissos internacionais assumidos pelo Estado Português; b) Áreas de continuidade... com salvaguarda dos respectivos regimes jurídicos: i) Reserva Ecológica Nacional (REN) ii) Reserva Agrícola Nacional (RAN) iii) Domínio Público Hídrico (DPH)

16 Outros dados Áreas Termoreguladas pelo Oceano Temperatura Vento Precipitação COMPONENTES DA EEN NO SISTEMA LEGAL PORTUGUÊS Sistema Legal Domínio Público Hídrico Reserva Ecológica Nacional Reserva Ecológica Nacional Reserva Agrícola Nacional Directiva Habitat Rede Natura 2000 Componentes da Estrutura Ecológica Leitos Margens Sistema Húmido Áreas de Máxima Infiltração Áreas Declivosas Áreas Costeiras Solos de Valor Ecológico Muito Elevado e Elevado Vegetação com Interesse para Conservação Sítios de Interesse Biológico

17 EXPERIÊNCIA do CEAP Escala Estrutura Ecológica Date Lisboa Seixal Aprofundamento da Estrutura Ecológica de Lisboa Loures Municipal Almada Sintra Cinfães Baião Mirandela Sto Tirso idem idem idem Estrutura Ecológica de Lisboa 2011 Regional Área Metropolitana de Lisboa Nacional Estrutura Ecológica Nacional Intermunicipal Arrábida e Sotavento Algarvio

18 Concelho de Almada Proposta Ordenamento A ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL INSTRUMENTO DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

19 CASOS DE ESTUDO PARA COMPARAÇÃO ESCALAS DA EE National PNPOT (Lei nº 58/2007) Regional ERPVA (54º DL nº 380/99) EER (CEAP/ISA/UTL) Municipal EE Municipal EE LISBOA (CEAP/ISA/UTL)

20 ESCALA NACIONAL PNPOT (DGOTDU, 2007) PNPOT não delimita a EEN Pinheiros e eucaliptos considerados como sistemas agro-florestais a ser protegidos Áreas de especial potencial agrícola referem-se às áreas cultivadas e não ao solo Não considera o Solo nem a Vegetação Natural e Seminatural

21 ESCALA REGIONAL - EER Estruturas Ecológicas Regionais PROTs Designações e representações diferentes na mesma escala Representação esquemática de áreas e corredores Falta de continuidade da EE entre as Regiões O resultado não é uma rede contínua a nível Nacional Compilação das Estruturas Ecológicas Regionais (PROTs)

22 ESCALA REGIONAL ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA EEN com EER 53,21 % EEN sem EER 4,28 % EER sem EEN 6,85 % Áreas sem EE 5,66 % ERPVA (PROTAML, 2010) Comparação entre a ERPVA e a EEN (CEAP)

23 ESCALA MUNICIPAL CONCELHO DE LISBOA 3,14 % 15,96% 43,87% 16,70% 22,72% 62,14% 37,03 Comparação entre EEL e EEN (CEAP/ ISA/TUL) Comparação entre EEL (PDM, 2012) e EEN (CEAP/ ISA/TUL) EE LISBOA INCLUI ESPAÇOS CULTURAIS E ESPAÇOS VERDES EXISTENTES

24 METODOLOGIA DE DELIMITAÇÃO DA EEN

25 ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL EEN 1º Nível - Componentes % da Área País 2 % 11 % 3 % 28 % 17 % 15 % 25 % Linhas de água e massas de água Sistema húmido Litoral Solo de elevado e muito elevado valor ecológico Áreas declivosas Vegetação Natural e semi-natural com interesse de conservação muito elevado e elevado Áreas de conservação da natureza Geossítios

26 ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL EEN 1º Nível EEN1 = SISTEMAS FÍSICO + BIOLÓGICO = 67 % da área de Portugal continental ÁREAS DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA = 25 % da área do Portugal continental 17 % (25 % da EEN 1) coexiste com componentes EEN 1 8 % da área de Portugal Só Áreas Conservação Natureza existem independentemente de qualquer outra componente da EEN 1

27 ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL EEN 1º Nível 60% área da EEN 1 = componentes individuais 30% área da EEN 1 = duas componentes: 9 % da EEN1 = Solo EVE e Sistema húmido Áreas de Conservação da Natureza e qualquer outra componente.

28 ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL Relativamente à Área da EEN 1º nível: 42 % = Solos com valor ecológico E e ME 27 % da área de SEVE ( 4,6 % EEN 1) situa-se em sistema húmido 52 % da área de SEVE existe por si só, nomeadamente no Alentejo (Solos de Barros e Para-barros) 37 % = Áreas de Conservação da Natureza 50 % área CN protege apenas um factor físico ou biológico isoladamente 31 % da área CN existe por si só (justifica-se exclusivamente por razões de conservação da biodiversidade) 26 % = Áreas Declivosas Metade da área com declives acentuados apresenta-se isoladamente - revela que o solo não está revestido com vegetação natural ou semi-natural Apenas 15 % das Áreas Declivosas está protegida com vegetação natural e seminatural 22 % = Vegetação com interesse para conservação ME e E 6,7 % da EEN 1 = componente isolada 50 % da área de vegetação está protegida pelas áreas de CN - permite concluir que é conveniente rever a classificação existente.

29 ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL Relativamente à Área da EEN 1º nível: 17 % = Sistema Húmido 50 % da área SH combina-se com outra componente maioritariamente solo de elevado valor ecológico (Aluviossolos e Coluviossolos) 23 % da área SH classificada em áreas CN (Rios Minho e Lima, Ria de Aveiro, Lezíria do Tejo, Campina de Faro e em Vila Real de Santo António) 12,6 % área do SH está revestida por vegetação natural e seminatural 5 % = Litoral 50 % da área do litoral corresponde pelo menos a duas ou três componentes (justifica o seu grau elevado de restrição à ocupação humana) 2,5 % = Massas de água 40 % da sua área (1 % EEN 1) são áreas de Conservação da Natureza (Estuários do Tejo e do Sado)

30 ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL EEN 2º Nível - Componentes % da Área País 2,5 % Cabeços em sistema húmido antigo 78 % 21 % 24 % Áreas de máxima infiltração Terras Altas Vegetação Natural e semi-natural com interesse de conservação moderado a baixo

31 ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL EEN 2º Nível 78 % da área da EEN 2 = componentes isoladas 60 % áreas de máxima infiltração Combinações mais relevantes 11 % da área da EEN 2 = Áreas de máxima infiltração + vegetação natural de nível moderado a baixo Cabeços em sistema húmido antigo = áreas de máxima infiltração (correspondem aos terraços fluviais)

32 ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL EEN 1º e 2º Níveis EEN 2 = 55 % da área do País 34 % incluída EEN 1 Ou seja, 62 % da EEN 2 encontra-se protegida pelas componentes físicas e biológicas da EEN 1

33 ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL EEN 1º e 2º Níveis Componentes da EEN graus diferentes de sensibilidade ecológica Deverão ser diferentemente consideradas para efeito da sua utilização pelas actividades humanas Recomendações de utilização das componentes USOS POTENCIAIS OBJECTIVOS DE GESTÃO

34 ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL EEN 1º e 2º Níveis vs Espaço edificado e Infra-estruturas viárias (IGP, 2010) 12,5 % área do País = valor ecológico não é significativo não apresenta qualquer constrangimento de natureza ecológica para a implantação de edificação. 4,6 % área do País = área actualmente ocupada por edificação 1,4 % ocupação edificada adequada 3,6 % área da EEN 1 = ocupada por edificação

35 CONCLUSÕES É possível delimitar a ESTRUTURA ECOLÓGICA À ESCALA NACIONAL com um rigor que permite a sua utilização à escala regional e municipal SISTEMA ECOLÓGICO Físico e Biológico Isto contradiz o que tem sido feito em Portugal, particularmente no PNPOT e nos PROT e corrobora as recomendações europeias quanto às Green Infrastructures SUBSISTEMAS FÍSICO E BIOLÓGICO EEN 1º NÍVEL = 67 % da área de Portugal continental EEN 2º NÍVEL = 20 % da área de Portugal continental SISTEMA BIOLÓGICO SISTEMA BIOLÓGICO Áreas de Conservação da Natureza = 25% da área de Portugal incluída na EEN 1 + 7,4 % = Vegetação com interesse para conservação não esta incluído nas áreas de CN

36 CONCLUSÕES SISTEMA BIOLÓGICO = 32,4% da área de Portugal continental SISTEMA FÍSICO (exclusivamente) = 34,6 % da área de Portugal continental EM PORTUGAL O SUB-SISTEMA BIOLÓGICO ESTÁ DISSOCIADO DO SUB-SISTEMA FÍSICO DA ESTRUTURA ECOLÓGICA A protecção dada nos últimos anos ao Sistema Biótico é insuficiente para assegurar o equilíbrio ecológico da Paisagem As características da EEN respondem ao desafio proposto pela Estratégia da Biodiversidade (UE, 2011) e pela Estratégia das Infraestruturas Verdes (CE, 2013) GREEN INFRASTRUCTURE PORTUGUESA

37 Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL Manuela Raposo Magalhães Natália Sofia Cunha Instituição Proponente Instituições Parceiras Câmaras Municipais Parceiras Financiamento Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Professor Caldeira Cabral

Hidrografia e Litoral

Hidrografia e Litoral Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 Hidrografia e Litoral João Silva Natália Cunha Ana Müller Lopes Manuela

Leia mais

Morfologia do Terreno

Morfologia do Terreno Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 Morfologia do Terreno Natália Cunha Manuela Raposo Magalhães Maria Manuela

Leia mais

Solo Nuno Cortez Manuel Leitão Selma Pena

Solo Nuno Cortez Manuel Leitão Selma Pena Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 Solo Nuno Cortez Manuel Leitão Selma Pena Instituição Proponente Instituições

Leia mais

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado;

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado; 7. Condicionantes De acordo com a legislação em vigor existe um conjunto de figuras legais que de algum modo, condicionam o território ou constituem servidões administrativas e outras restrições de utilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES Secretariado Técnico ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto

Leia mais

Atribuições e competências dos vários níveis de administração pública Competências e financiamento das Autarquias locais

Atribuições e competências dos vários níveis de administração pública Competências e financiamento das Autarquias locais Sumário Atribuições e competências dos vários níveis de Competências e financiamento das Autarquias locais Níveis de administração Administração Central/Nível Nacional Administração Local/Nível Municipal

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE NISA

REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE NISA REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE NISA NOTA EXPLICATIVA DA PROPOSTA DE RAN BRUTA PARA O MUNICÍPIO DE NISA MAIO 2015 Índice 1. Nota explicativa sobre a definição da RAN... 1 1.1 Legislação de enquadramento...

Leia mais

Sociedade de Estudos e Projectos, Lda.

Sociedade de Estudos e Projectos, Lda. Sociedade de Estudos e Projectos, Lda. 02 Sociedade de Estudos e Projectos, Lda. 03 A Terraforma Sociedade de Estudos e Projectos foi fundada em Lisboa, em 15 de Junho de 1989, pelo Prof. Paulo V.D. Correia.

Leia mais

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO)

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) DEPARTAMENTO DE URBANISMO Divisão de Ordenamento do Território PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA RELATÓRIO JUSTIFICATIVO PARA A NÃO REALIZAÇÃO JULHO 2012

Leia mais

E s t r u t u r a V e r d e

E s t r u t u r a V e r d e Estrutura Verde A. Introdução O conceito de Estrutura Verde insere-se numa estratégia de desenvolvimento sustentado, objecto fundamental das políticas do ordenamento do território. A Estrutura Verde é

Leia mais

Autoridade Nacional de Protecção Civil. Ordenamento do Território e Protecção Civil. Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt

Autoridade Nacional de Protecção Civil. Ordenamento do Território e Protecção Civil. Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt Ordenamento do Território e Protecção Civil Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt www.triplov.com ooutroladodalua.blogspot.com Paulo Alves, Instituto de Meteorologia Autoridade Nacional de

Leia mais

Pedro Castro Henriques - DID. As áreas protegidas a seguir apresentados dividem-se entre:

Pedro Castro Henriques - DID. As áreas protegidas a seguir apresentados dividem-se entre: áreas protegidas de portugal continental estatutos de conservação (áreas protegidas citadas de norte para sul; legislação essencial por ordem cronológica; dados referentes a março 2006) Pedro Castro Henriques

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Tarefa / Task Landscape Subsystem Vegetation

Tarefa / Task Landscape Subsystem Vegetation Conferência Internacional Estrutura Ecológica Nacional - Conceitos e Delimitação Tarefa / Task Landscape Subsystem Vegetation Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Professor Caldeira Cabral Auditório

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA 1 introdução 1.1 enquadramento O desenvolvimento dos estudos de base para o PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA (PGRHI-SMA ) enquadra-se no âmbito da aplicação do Guia Metodológico

Leia mais

A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente

A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente Workshop - Regulamentação da cartografia a utilizar nos instrumentos de gestão territorial A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente Luis Rebolo ESTRUTURA DA

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

Do (re)conhecimento à salvaguarda e valorização do património corticeiro em Portugal: o Núcleo da Mundet do Ecomuseu Municipal do Seixal

Do (re)conhecimento à salvaguarda e valorização do património corticeiro em Portugal: o Núcleo da Mundet do Ecomuseu Municipal do Seixal Encontro internacional PATRIMÓNIO CULTURAL, A CORTIÇA E OS MUSEUS Auditório Municipal Fórum Cultural do Seixal 2-3 Julho 2010 Do (re)conhecimento à salvaguarda e valorização do património corticeiro em

Leia mais

em alterações climáticas da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (CCIAM), liderado por

em alterações climáticas da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (CCIAM), liderado por O primeiro mapa nacional do risco de inundações Alerta. Investigadores da Universidade de Lisboa apresentam hoje na Fundação Gulbenkian estudo que mostra um risco acrescido de cheias, no futuro, no Norte

Leia mais

TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA

TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA I - Caracterização abiótica JANEIRO DE 2008 MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação ação Ambiental be Estratégica: Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1, Pedro Afonso Fernandes 2 1 Geólogo, Director-Geral; 2 Economista

Leia mais

20% Sector Promário Sector Secundário 79% Sector Terciário

20% Sector Promário Sector Secundário 79% Sector Terciário 3. ENQUADRAMENTO DO CONCELHO DE CASCAIS Relatório Agenda 21 - CASCAIS 2007 31 1 - LOCALIZAÇÃO, TOPONÍMIA E FREGUESIAS Situado a ocidente do Estuário do Tejo, entre a Serra de Sintra e o Oceano Atlântico,

Leia mais

ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian. 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com

ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian. 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com Paisagem: designa uma parte do território, tal como é apreendida pelas

Leia mais

SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO

SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO Estudos Preliminares de Impacte Ambiental Avaliação de Impacte Ambiental Fernando Santana Departamento de Ciências e Engenharia

Leia mais

Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015

Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015 Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015 As fontes As fontes SOLO URBANO SOLO RURAL R F C N PU / PP INFRAESTRUTURAIS ACOLHIMENTO

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL CLASSIFICAÇÃO DA PAISAGEM PROTEGIDA DE INTERESSE REGIONAL DA CULTURA DA VINHA DA ILHA DO PICO HORTA, 18 DE NOVEMBRO DE 2003 1 CAPÍTULO

Leia mais

RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE

RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE SECRETARIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA AGOSTO DE 2001 ESTRATÉGIA

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 7670 Diário da República, 1.ª série N.º 202 19 de Outubro de 2007 h) Garantir a gestão de serviços comuns no âmbito das aplicações cuja concretização esteja a cargo do II e promover a sua partilha e reutilização;

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO NORTE 2007-2013 Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Domínios: Valorização e qualificação ambiental Gestão activa da Rede Natura e da

Leia mais

FÓRUM DE INTERCÂMBIO DE EXPERIÊNCIAS SUSTENTÁVEIS. Desenvolvimento de Atividades Inovadoras para a Gestão do Território

FÓRUM DE INTERCÂMBIO DE EXPERIÊNCIAS SUSTENTÁVEIS. Desenvolvimento de Atividades Inovadoras para a Gestão do Território FÓRUM DE INTERCÂMBIO DE EXPERIÊNCIAS SUSTENTÁVEIS 7 Novembro Santiago de Compostela Desenvolvimento de Atividades Inovadoras para a Gestão do Território 2 DESOURB Desenvolvimento Urbano Sustentável EIXOS

Leia mais

ESTRUTURA ECOLÓGICA EM ILHAS O CASO DE S. MIGUEL

ESTRUTURA ECOLÓGICA EM ILHAS O CASO DE S. MIGUEL ESTRUTURA ECOLÓGICA EM ILHAS O CASO DE S. MIGUEL Pacheco Vieira, Catarina¹* & Gil, Artur² ¹ Divisão de Obras e Urbanismo da Câmara Municipal da Ribeira Grande; 9600-509 Ribeira Grande; *E-mail de Contacto:

Leia mais

Situação actual na protecção do património geológico. Paulo Pereira

Situação actual na protecção do património geológico. Paulo Pereira Situação actual na protecção do património geológico Paulo Pereira o que é o património geológico? Elementos da geodiversidade Parte do património natural Ameaçado e não renovável Primeiras iniciativas

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Ana Filipa Sequeira Raimundo

CURRICULUM VITAE. Ana Filipa Sequeira Raimundo CURRICULUM VITAE Ana Filipa Sequeira Raimundo Índice 1. IDENTIFICAÇÃO... 3 2. HABILITAÇÕES... 3 3. ATIVIDADE PROFISSIONAL... 4 4. AFILIAÇÕES... 5 5. CERTIFICADOS... 5 6. ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS... 5 7.

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

CURRICULUM VITAE NOME DATA DE NASCIMENTO HABILITAÇÕES LITERÁRIAS CONHECIMENTO DE LÍNGUAS EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL - JOSÉ MIGUEL SARDINHA - 15/09/59

CURRICULUM VITAE NOME DATA DE NASCIMENTO HABILITAÇÕES LITERÁRIAS CONHECIMENTO DE LÍNGUAS EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL - JOSÉ MIGUEL SARDINHA - 15/09/59 CURRICULUM VITAE NOME - JOSÉ MIGUEL SARDINHA DATA DE NASCIMENTO - 15/09/59 HABILITAÇÕES LITERÁRIAS - LICENCIADO EM DIREITO PELA FACULDADE DE DIREITO DE LISBOA (1984). 13 valores.grau de Mestre em Direito

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Identificação Designação do Projecto: Tipologia de Projecto: Localização: Proponente: Entidade licenciadora: Autoridade de AIA: Hotel de Apartamentos da Praia dos Moinhos

Leia mais

A LPN face à conservação da Biodiversidade em Portugal

A LPN face à conservação da Biodiversidade em Portugal A LPN face à conservação da Biodiversidade em Portugal 26 de Setembro, 2007 Seminário Sociedade civil, Empresas e Biodiversidade Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Índice 1) A LPN 2) Programas e Projectos

Leia mais

Gabinete de Planeamento Estratégico. Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela

Gabinete de Planeamento Estratégico. Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela Gabinete de Planeamento Estratégico Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela Em 2003, o Município de Palmela tomou a decisão de proceder à revisão

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de Julho, rectificado pela Declaração de Rectificação n.º 53-A/2008, de 22 de Setembro (DR 22 Setembro).

Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de Julho, rectificado pela Declaração de Rectificação n.º 53-A/2008, de 22 de Setembro (DR 22 Setembro). 1/34 Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de Julho, Estabelece o regime jurídico da conservação da natureza e da biodiversidade e revoga os Decretos-Leis n.os 264/79, de 1 de Agosto, e 19/93, de 23 de Janeiro

Leia mais

ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA

ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA INTRODUÇÃO ENQUADRAMENTO PONTO DE SITUAÇÃO DO PROCESSO OBJECTIVOS

Leia mais

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Abril de 2011 PROCONVERGENCIA

Leia mais

Avaliação dos Riscos: Um instrumento necessário no Ordenamento do Território

Avaliação dos Riscos: Um instrumento necessário no Ordenamento do Território Avaliação dos Riscos: Um instrumento necessário no Ordenamento do Território Susana Freiria Lúcio Cunha Norberto Santos Objectivos: Demonstrar a necessidade da avaliação dos riscos no ordenamento do território

Leia mais

DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA

DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA DURAÇÃO / COMPONENTE / DIPLOMA CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA I Edição 2014 30 Horas lectivas / Teórica / Curso de Formação Avançada COORDENAÇÃO Coordenação Científica Prof.

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL

DECLARAÇÃO AMBIENTAL C Â M A R A M U N I C I P A L D E S I N E S DECLARAÇÃO AMBIENTAL Atento ao parecer das entidades consultadas e às conclusões da Consulta Pública, relativos ao procedimento de Avaliação Ambiental Estratégica

Leia mais

1998/2008 Ideias do GEOTA sobre 10 anos de Lei de Bases de Ordenamento do Território

1998/2008 Ideias do GEOTA sobre 10 anos de Lei de Bases de Ordenamento do Território 1998/2008 Ideias do GEOTA sobre 10 anos de Lei de Bases de Ordenamento do Território O GEOTA Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente, acompanha desde 1997 a Lei de Bases do Ordenamento

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: Zona costeira, risco, minimização, participação

Palavras-chave: Zona costeira, risco, minimização, participação TIPIFICAÇÃO DAS SITUAÇÕES DE RISCO NA ORLA COSTEIRA NAS ILHAS DOS AÇORES Planeamento e Ordenamento nas Zonas Costeiras Ana Maria Morais BARROCO Arqt.ª Paisagista, Quaternaire Portugal; +351213513200, abarroco@quaternaire.pt

Leia mais

Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais

Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais Carlos Manuel Serra Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais destaque para os petrolíferos e mineiros

Leia mais

PARQUE EÓLICO DA SERRA DA ALVOAÇA VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO

PARQUE EÓLICO DA SERRA DA ALVOAÇA VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO PARQUE EÓLICO DA SERRA DA ALVOAÇA PROJECTO DE EXECUÇÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO ÍNDICE DE PORMENOR 1. INTRODUÇÃO...1 2. PROCESSO DE

Leia mais

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral Uma Plataforma Colaborativa para apoiar a Gestão do Litoral ajherdeiro@dgterritorio.pt j @ g p mota.lopes@apambiente.pt Lugares comuns de quem lida com

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 92/XII/1.ª

Projecto de Resolução n.º 92/XII/1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Resolução n.º 92/XII/1.ª Recomenda ao Governo a revisão, com carácter de urgência, do Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

Perfil de Água Balnear do Castelo

Perfil de Água Balnear do Castelo Perfil de Água Balnear do Castelo Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear CASTELO Código da Água Balnear PTCV2T Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

PAISAGEM sistematização, ordenamento e gestão em situações litorais

PAISAGEM sistematização, ordenamento e gestão em situações litorais Sessão de Debate Elaboração do Plano de Ordenamento da Orla Costeira da Área Territorial da ARH do Tejo PAISAGEM sistematização, ordenamento e gestão em situações litorais Jorge Cancela Arquitecto-paisagista

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA Maria do Rosário Partidário, Sofia Antunes, Júlio de Jesus e Marta Garcia LOCALIZAÇÃO Localizado no Concelho

Leia mais

CABRAL, F.C. Fundamentos da Arquitectura Paisagista, 2ª edição, Instituto da Conservação da Natureza, Lisboa, 2003.

CABRAL, F.C. Fundamentos da Arquitectura Paisagista, 2ª edição, Instituto da Conservação da Natureza, Lisboa, 2003. BIBLIOGRAFIA ALMEIDA, A.L.S. O Valor das Árvores: Árvores e Floresta Urbana de Lisboa, Dissertação de Doutoramento, Universidade Técnica de Lisboa, Instituto Superior de Agronomia, Lisboa, 2006 AÑÓN, C.F.

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1292/XII/4.ª. Valorizar a Ria Formosa e clarificar o estatuto jurídico do núcleo da Culatra. Exposição de Motivos

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1292/XII/4.ª. Valorizar a Ria Formosa e clarificar o estatuto jurídico do núcleo da Culatra. Exposição de Motivos PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1292/XII/4.ª Valorizar a Ria Formosa e clarificar o estatuto jurídico do núcleo da Culatra Exposição de Motivos A Ria Formosa constitui indiscutivelmente uma das mais importantes

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL PRINCIPAIS NOVIDADES DO REGIME JURÍDICO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL José António Lameiras 13 de Julho de

Leia mais

Estudo revela que população do litoral está preocupada com erosão costeira

Estudo revela que população do litoral está preocupada com erosão costeira Data: Título: 02-04-2014 Estudo revela que população do litoral está preocupada com erosão costeira Pub: Tipo: Internet Secção: Nacional ONTEM às 18:02 Estudo revela que população do litoral está preocupada

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

ordenamento do território

ordenamento do território O desenho urbano serve o território. Neste campo, o território tem sofrido influências sob a forma de como a sua ocupação é encarada: desde o urbanismo como esté#ca ao urbanismo como obra de engenharia,

Leia mais

Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA

Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA Este documento serve de apoio à utilização das Plataformas de Consulta do Projecto SPOTIA - Orientações de política territorial sustentável e avaliação

Leia mais

O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo. Abril, 2014

O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo. Abril, 2014 O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo Abril, 2014 Porquê uma nova Lei? 1. A atual Lei de Solos data de 1976, encontra-se obsoleta face à atual conjuntura socioeconómica

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/2.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. O Regulamento referente à compensação pela não

Leia mais

2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA

2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA 2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA Gestão Inteligente e Competitividade 15 de Setembro 2011 Museu da Carris Conheça as estratégias nacionais e internacionais para uma gestão eficiente da mobilidade urbana

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL PAISAGEM E COMUNIDADE:

CONGRESSO INTERNACIONAL PAISAGEM E COMUNIDADE: de 2012 Universidad o ç r a M e do Algar v e 8e9 d e, Faro CONGRESSO INTERNACIONAL PAISAGEM E COMUNIDADE: Desenho, Gestão e Participação Pública O primeiro grande encontro entre a Sociedade e a Paisagem

Leia mais

AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO

AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO ASCENDI AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA - RESUMO NÃO TÉCNICO - - ADITAMENTO - JUNHO 2010 CERTINOR Engenharia e Consultoria, Lda. DIVISÃO DE ACÚSTICA APLICADA Av. da República, n.º 2503, Sala

Leia mais

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Luís Jorge Bruno Soares António Perez Babo Robert Stussi Maria Rosário Partidário Bruno Lamas brunosoares@brunosoaresarquitectos.pt

Leia mais

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro Projecto HidroValor Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro 11 Agradecimentos Os autores do presente estudo, querem

Leia mais

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Atualização maio 2013 Departamento

Leia mais

N. o 153 1 de Julho de 2004 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4033

N. o 153 1 de Julho de 2004 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4033 N. o 153 1 de Julho de 2004 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4033 Foi ouvida a Associação de Municípios da Região Autónoma dos Açores. Assim, considerando o disposto no artigo 6. o eno n. o 2 do artigo 26.

Leia mais

O 7º PROGRAMA QUADRO

O 7º PROGRAMA QUADRO O 7º PROGRAMA QUADRO de I&DT Eduardo Maldonado (Coordenador de NCP) Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de IDT Estratégia de Lisboa Conselho Europeu extraordinário de Lisboa (Março de 2000): para

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

WORKSHOP CIDADANIA E ORDENAMENTO MUNICIPAL

WORKSHOP CIDADANIA E ORDENAMENTO MUNICIPAL WORKSHOP CIDADANIA E ORDENAMENTO MUNICIPAL OBJECTIVOS No final desta acção os formandos devem ser capazes de: Identificar aspectos críticos nos Instrumentos de Planeamento para a sustentabilidade local;

Leia mais

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Perspetiva histórica Fixação e arborização das dunas, 1802 José de Bonifácio Andrada

Leia mais

Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade

Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade Évora, Universidade de Évora, 24 de Abril de 2012 Programa Preliminar Tema Intervenientes 9h30 Receção aos Participantes 9h45 Boas Vindas e Abertura

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

II CONCURSO ESCOLAR JOVENS PELA ÁGUA

II CONCURSO ESCOLAR JOVENS PELA ÁGUA II CONCURSO ESCOLAR JOVENS PELA ÁGUA A Direcção Regional do Ordenamento do Território e Recursos Hídricos, da Secretaria Regional do Ambiente e do Mar, conjuntamente com outros parceiros e colaboradores

Leia mais

Voluntariado Ambiental para a Água

Voluntariado Ambiental para a Água Voluntariado Ambiental para a Água Gestão Participada dos Recursos Hídricos na RH do Algarve Paula Vaz Voluntariado Ambiental para a Água 1. ARH do Algarve, I.P. 2. Voluntariado Ambiental para a Água Enquadramento

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

1ªFase: Factores Críticos para a Decisão e Contexto para a Avaliação Ambiental RELATÓRIO DE DEFINIÇÃO DO ÂMBITO

1ªFase: Factores Críticos para a Decisão e Contexto para a Avaliação Ambiental RELATÓRIO DE DEFINIÇÃO DO ÂMBITO CÂMARA MUNICIPAL DA BATALHA AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA DO PLANO DE PORMENOR DA ZONA INDUSTRIAL DE S. MAMEDE 1ªFase: Factores Críticos para a Decisão e Contexto para a Avaliação Ambiental RELATÓRIO

Leia mais

Pág.1.Capa. Pág.2 Índice. Pág.3...O que é a sustentabilidade? / Para quê o desenvolvimento sustentável?

Pág.1.Capa. Pág.2 Índice. Pág.3...O que é a sustentabilidade? / Para quê o desenvolvimento sustentável? 1 Pág.1.Capa Pág.2 Índice Pág.3...O que é a sustentabilidade? / Para quê o desenvolvimento sustentável? Pág.4.Para quê o desenvolvimento sustentável? / Como se torna uma cidade sustentável? (ambiente)

Leia mais

ANO INTERNACIONAL DO PLANETA TERRA - AIPT (2007-2009)

ANO INTERNACIONAL DO PLANETA TERRA - AIPT (2007-2009) ANO INTERNACIONAL DO PLANETA TERRA - AIPT (2007-2009) O AIPT tem o Alto Patrocínio de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa ESTRUTURA DO COMITÉ PORTUGUÊS PARA O AIPT O Comité Português para

Leia mais

PLANOS DE ORDENAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPETIVAS FUTURAS

PLANOS DE ORDENAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPETIVAS FUTURAS PLANOS DE ORDENAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPETIVAS FUTURAS NORTE TERRITÓRIO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL EGIONAL O NOVO NOVO RJIGT 13 de julho de 2015 o O planeamento nas áreas protegidas

Leia mais

MODELOS DE GESTÃO EM ÁREAS PROTEGIDAS: Susana CLEMENTE 1, Email: clemente.susana@gmail.com

MODELOS DE GESTÃO EM ÁREAS PROTEGIDAS: Susana CLEMENTE 1, Email: clemente.susana@gmail.com MODELOS DE GESTÃO EM ÁREAS PROTEGIDAS: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE PORTUGAL E ALEMANHA Susana CLEMENTE 1, 1 Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, Universidade de Lisboa, Email: clemente.susana@gmail.com

Leia mais

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA.

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. Conferência 6 de Outubro, FC Gulbenkian Lisboa INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO MANUEL CALDEIRA CABRAL DIAGNÓSTICO(S)

Leia mais

Plano Plurianual de Investimentos

Plano Plurianual de Investimentos O Orçamento da (Vale do Minho-CI), irá concentrar os seus recursos para o ano 2009 na implementação dos projectos aprovados no QCAIII que se encontram em fase de conclusão, bem como nos projectos já aprovados

Leia mais

Operação de Loteamento do Conjunto Comercial e Estabelecimento de Comércio IKEA de Loulé PARECER SOBRE O ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL

Operação de Loteamento do Conjunto Comercial e Estabelecimento de Comércio IKEA de Loulé PARECER SOBRE O ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL Operação de Loteamento do Conjunto Comercial e Estabelecimento de Comércio IKEA de Loulé PARECER SOBRE O ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL ENTIDADE RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO QUERCUS - Associação Nacional de

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

MUNICÍPIOS E O MAR Associação Fórum Empresarial da Economia do Mar. Município da Nazaré

MUNICÍPIOS E O MAR Associação Fórum Empresarial da Economia do Mar. Município da Nazaré MUNICÍPIOS E O MAR Associação Fórum Empresarial da Economia do Mar Município da Nazaré PROJECTO VIVER O MAR Valorizar a associação da Nazaré ao Mar como factor de identidade Assegurar o conhecimento Científico

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 9 MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE AGRÍCOLA EM ZONAS DESFAVORECIDAS

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 9 MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE AGRÍCOLA EM ZONAS DESFAVORECIDAS Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 9 MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE AGRÍCOLA EM ZONAS DESFAVORECIDAS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do

Leia mais