Unidade 0 Diversidade na biosfera I DIVERSIDADE NA BIOSFERA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade 0 Diversidade na biosfera I DIVERSIDADE NA BIOSFERA"

Transcrição

1 1 Unidade 0 Diversidade na biosfera I DIVERSIDADE NA BIOSFERA

2 Objectivos 2 Compreender a importância da diversidade biológica na manutenção da vida; Identificar diferentes tipos de interacção entre seres vivos e ambiente; Analisar o impacto da actividade humana nos ecossistemas.

3 Biodiversidade 3 Biodiversidade ou diversidade biológica Conjunto de seres vivos que habita o planeta Terra Diversidade de espécies variedade de espécies que existem no planeta; Diversidade genética variedade de informação genética existente nos indivíduos de uma espécie; Diversidade ecológica variedade de espécies.

4 Espécie 4 Grupo de indivíduos semelhantes que se reproduzem entre si, originando descendência fértil. Por vezes duas espécies diferentes podem cruzar-se, mas a sua descendência não é fértil, originando os chamados híbridos. Isto acontece, por exemplo, entre uma égua e um burro. Égua Burro Mula

5 Organização Biológica 5 neutrão protão electrão ÁTOMO MOLÉCULA CÉLULA ORGANISMO SISTEMA ÓRGÃO TECIDO POPULAÇÃO COMUNIDADE / ECOSSISTEMA BIOSFERA

6 Níveis de organização biológica 6 Átomo constituinte matéria de unidade toda a Molécula associação compatível de determinados átomos Célula unidade básica da vida

7 Níveis de organização biológica 7 Orgão formado por diferentes tecidos com uma função comum Tecido conjunto de várias células, com funções semelhantes e coordenadas Sistema de órgãos conjunto de órgãos que desempenham uma determinada função no organismo

8 Níveis de organização biológica 8 POPULAÇÃO conjunto de seres vivos da mesma espécie que vive no mesmo local/habitat COMUNIDADE BIÓTICA ou BIOCENOSE Conjunto de todas as populações que habitam determinada área e das interacções que estabelecem entre si. Estas interacções bióticas podem ser inter-específicas ou intra-específicas.

9 9 Relações inter-específicas

10 Níveis de organização biológica 10 Ecossistema conjunto formado por seres de diferentes espécies (biocenose), pelo meio que ocupam ( biótopo ) e pelas interacções que entre eles se estabelecem.

11 Componentes do ecossistema 11 ECOSSISTEMA formado por Componentes Abióticos (Biótopo) Interacção Componentes Bióticos Água Luz Temperatura Solo PH Salinidade Etc Seres vivos (estabelecem relações inter e intraespecíficas)

12 12 Biosfera: Inclui todas as formas de vida existentes na Terra e os respectivos ambientes por elas habitadas, isto é, corresponde ao CONJUNTO DE TODOS OS ECOSSISTEMAS existentes no mundo (conjunto de todos os Biomas). Diferenças existentes entre os ecossistemas (Biomas) Meio físico-químico Dimensões e Limites Quantidade e diversidade de espécies Intervenção do Homem Semelhanças entre os ecossistemas (processos obrigatórios) Fluxo de energia Circulação de materiais Evolução no tempo

13 13 Distribuição dos biomas

14 Interacções nos ecossistemas 14 Os seres vivos de um ecossistema estabelecem relações tróficas (alimentares), que envolvem transferências de matéria e energia, quer entre os seres vivos, quer entre esses seres e o meio. Estas relações tróficas constituem as cadeias alimentares. Cadeia alimentar sequência de seres vivos que se inter-relacionam a nível alimentar.

15 Interacções nos ecossistemas 15 A um conjunto de cadeias tróficas que se inter-relacionam dáse o nome de TEIA ALIMENTAR OU REDE TRÓFICA Nas redes tróficas considera-se a existência de três categorias de seres vivos: PRODUTORES CONSUMIDORES DECOMPOSITORES

16 Produtores 16 Seres vivos capazes de elaborar matéria orgânica a partir de matéria inorgânica, utilizando, para isso, uma fonte de energia externa (a energia radiante) seres autotróficos. Ex: plantas, algas, fitoplâncton e algumas bactérias.

17 Consumidores 17 Seres vivos incapazes de produzir compostos orgânicos a partir de compostos inorgânicos seres heterotróficos- e, por isso, alimentam-se directa ou indirectamente da matéria elaborada pelos produtores. Ex: zooplâncton, herbívoros, carnívoros.

18 Decompositores 18 Seres vivos que obtêm a matéria orgânica decompondo os cadáveres e os excrementos de outros seres vivos. Transformam assim a matéria orgânica em matéria mineral, assegurando a devolução dos minerais (inicialmente incorporados pelos produtores) ao meio. Ex: algumas bactérias e os fungos.

19 Interacções nos ecossistema 19 Cada ser vivo ocupa um nível trófico (nível alimentar). Os produtores estão sempre no primeiro nível trófico, e os decompositores não ocupam qualquer nível trófico.

20 Teias alimentares 20 Uma teia alimentar representa a rede complexa das relações alimentares comunidade. É numa o conjunto de várias cadeias alimentares interligadas.

21 Fluxo de energia 21 Como ocorre o Fluxo de energia e a Circulação de materiais numa cadeia alimentar?

22 Cadeias alimentares 22 A trajectória da matéria nos ecossistemas é ciclíca/circular passa dos produtores para os consumidores e retorna aos produtores, via decompositores. Matéria Inorgânica

23 Cadeias alimentares 23 A trajectória da energia nos ecossistemas é unidireccional vai dos produtores para os consumidores, mas em cada nível trófico é aproveitada para a manutenção das funções vitais e grande parte dissipa-se no ambiente, em forma de calor.

24 Cadeias alimentares 24 QUANTO MAIOR O NÍVEL TRÓFICO MENOS ENERGIA DISPONÍVEL

25 Diversidade biológica 25 Estima-se que existam cerca 50 milhões de espécies, mas só uma reduzida percentagem foi estudada.

26 Diversidade biológica 26 A vida terá aparecido há cerca de M.a., formas muito simples e nos oceanos, e que terá evoluído para formas cada vez mais complexas, originando a biodiversidade existente actualmente. A evolução ter-se-á processado da seguinte forma: seres procariontes seres eucariontes unicelulares seres eucariontes coloniais seres eucariontes pluricelulares com baixa diferenciação seres eucariontes pluricelulares diferenciados. Na tentativa de melhor compreender e organizar a diversidade biológica, biólogos classificam os seres vivos de acordo com vários critérios e tendo em conta as suas relações filogenéticas.

27 27 Classificação em 5 reinos - Whittaker

28 Classificação em 5 reinos 28 Este sistema de classificação baseia-se nos seguintes critérios básicos: Nível de organização estrutural Tipo de nutrição Interacções nos ecossistemas

29 Classificação em 5 reinos 29 CRITÉRIO CARACTERÍSTICA REINO Nívelde organização Modode nutrição Níveltrófico (Interacções alimentares) Semnúcleobemorganizado(procariontes) Comnúcleobemorganizado(eucariontes) Heterotróficos (utilizamcarbono orgânico) Autotróficos (utilizamcarbono inorgânico Produtores(sãoautotróficos) Ingestão (captamedigeremoalimento) Absorção (captamoalimentojádigerido) Fotossintéticos (utilizamenergialuminosa) Quimiossintéticos (utilizamenergiaquímica) Consumidores(sãoheterotróficos) Macroconsumidores Decompositores(sãoheterotróficos)ousaprófitos ProfªSandraNascimento Microconsumidores ReinoMonera ReinosPlantae,Fungi,Animalia, Protista ReinoAnimaliaealgunsseresdoReino Protista ReinoFungi,algunsseresdosReinos MoneraeProtista ReinoPlantae,algunsseresdosReinos MoneraeProtista AlgunsseresdoReinoMonera ReinoPlantae,algunsseresdosReinos MoneraeProtista ReinoAnimaliaealgunsseresdoReino Protista ReinoFungi,algunsseresdosReinos MoneraeProtista

30 Conservação e extinção 30 Espécies em vias de extinção são aquelas cujo número de indivíduos é muito reduzido, com iminente perigo de desaparecerem se não forem protegidas.

31 Lince ibérico Águia - real Geneta Escorpião Osga Sapo parteiro Lobo ibérico Baleia cachalote Víbora cornuda 31

32 Pecari Bufo Real Tritão de ventre laranja Pitón Rinoceronte de Java Tigre de Bengala Arara azul Baleia azul Onça 32

33 Conservação e extinção 33 Ao longo da história da Terra ocorreram, pontualmente, algumas extinções em massa

34 Sabias que Num casaco de pele, matam-se raposas ou 65 visons ou 8 focas ou 42 raposas vermelhas ou 400 esquilos ou 30 lontras, dependendo do tipo de casaco De início, a extinção deveu-se a fenómenos naturais depois, tornou-se cada vez mais a actividade humana a responsável pelo desaparecimento de espécies

35 Causas da extinção 35 Pesca intensiva Destruição de habitats/ desflorest ação Mudanças climáticas Agricultura intensiva CAUSAS DA EXTINÇÃO Caça furtiva Poluição Introdução de espécies exóticas Venda de animais e plantas exóticas Incêndios

36 Arara-azul 36 É a maior ave entre os papagaios, periquitos, e outras araras Restam apenas Araras-azuis na natureza. A destruição do seu habitat e a captura para o comércio são os dois factores que, combinados, levam-na ao risco de extinção.

37 Baleia-azul 37 Vive em todos os oceanos e está ameaçada pela caça intensa e indiscriminada. Actualmente existem apenas indivíduos em todo o Mundo.

38 Elefante africano 38 Vive nas savanas em África e está ameaçado pela caça devido ao marfim.

39 Onça preta 39 A onça é o maior felino do continente americano. A onça preta está em vias de extinção devido à procura da sua bela pele, e também devido à destruição do seu habitat natural.

40 Panda 40 Vive nas florestas da China e está ameaçado pela caça, destruição do habitat e ausência de bambu que o alimenta.

41 Linçe Ibérico 41 Considerado o felino mais ameaçado do mundo. Em 2004 registavam-se no mundo apenas cerca de 100 indivíduos (2 populações em Espanha). Em Portugal não há registos recentes destes felinos. Em 2007, o governo anunciou a criação de um Centro Nacional de Reprodução em Cativeiro do Lince-Ibérico (Silves).Pretende-se reproduzir este animal e posteriorment reintroduzi-lo na Serra da Malcata.

42 Importância dos ecossistemas para a humanidade 42 Do bom funcionamento dos ecossistemas depende: a manutenção da fertilidade dos solos; a prevenção da erosão dos solos; a desintoxicação e reciclagem de produtos residuais; a regulação do ciclo da água e da composição da atmosfera; o controlo de pragas na agricultura; a polinização; a biodiversidade, da qual o Homem depende para obter alimentos, medicamentos, etc; a qualidade estética da paisagem.

43 Medidas de conservação da biodiversidade e espécies 43 Anular, diminuir ou controlar as causas que provocam a extinção das espécies. Criação de zonas de protecção especial ou áreas protegidas. Estes locais pretendem manter as espécies relativamente livres da acção do Homem, permitindo conservar um património natural, não só para as gerações actuais como para as gerações futuras. Peneda do Gerês

44 44 24 Parques: 1 Nacional da Peneda-Gerês 2 Natural do Alvão 3 Natural da Arrábida 4 Natural de Montesinho 5 Natural da Ria Formosa 6 Natural da Serra da Estrela 7 Natural da Serra de S. Mamede 8 Natural da Serra de Aire e Candeeiros 9 Natural de Sintra e Cascais 10 Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina 11 Natural do Vale do Guadiana 12 Natural do Douro Internacional 13 Natural do Tejo Internacional Reservas Naturais: 14 Dunas de S. Jacinto 15 Estuário do Sado 16 Estuário do Tejo 17 Paul de Arzila 18 Paul de Boquilobo 19 Sapal de Castro Marim e Vila Real de Santo António 20 Serra da Malcata 24 - Berlengas Áreas de Paisagem Protegida: 21 Arriba fóssil da Costa da Caparica 22 Litoral de Esposende 23 Serra do Açor Mapa das principais áreas protegidas de Portugal Continental

Pedro Castro Henriques - DID. As áreas protegidas a seguir apresentados dividem-se entre:

Pedro Castro Henriques - DID. As áreas protegidas a seguir apresentados dividem-se entre: áreas protegidas de portugal continental estatutos de conservação (áreas protegidas citadas de norte para sul; legislação essencial por ordem cronológica; dados referentes a março 2006) Pedro Castro Henriques

Leia mais

Conservação e Extinção das Espécies

Conservação e Extinção das Espécies Conservação e Extinção das Espécies Já pensaste como são variadas e importantes os outros seres vivos com quem partilhamos o nosso planeta? E como as nossas vidas ficarão empobrecidas se esta diversidade

Leia mais

REDE NACIONAL DE ÁREAS PROTEGIDAS - RNAP

REDE NACIONAL DE ÁREAS PROTEGIDAS - RNAP » ÂMBITO NACIONAL» ÂMBITO REGIONAL/LOCAL» ÂMBITO PRIVADO ÂMBITO NACIONAL 1. PARQUE NACIONAL DA PENEDA- GERÊS 2. PARQUE NATURAL DE MONTESINHO 3. PARQUE NATURAL DO LITORAL NORTE 4. PARQUE NATURAL DO ALVÃO

Leia mais

Aula 01 Introdução à Ecologia: níveis de organização ecológica; ecossistema; níveis tróficos do ecossistema; a energia nos ecossistemas.

Aula 01 Introdução à Ecologia: níveis de organização ecológica; ecossistema; níveis tróficos do ecossistema; a energia nos ecossistemas. Aula 01 Introdução à Ecologia: níveis de organização ecológica; ecossistema; níveis tróficos do ecossistema; a energia nos ecossistemas. O que é? O que estuda? Qual a sua importância? HISTÓRICO Homem primitivo

Leia mais

Figura 1. Habitats e nichos ecológicos diversos. Fonte: UAN, 2014.

Figura 1. Habitats e nichos ecológicos diversos. Fonte: UAN, 2014. Ecologia de Comunidades e Ecossistemas Habitat e nicho ecológico Para entendermos o funcionamento da vida dos seres vivos em comunidade (dentro de um ecossistema) se faz necessário abordarmos dois conceitos

Leia mais

ECOLOGIA. BIOSFERA E SEUS ECOSSISTEMAS Cap.2. Conceitos Básicos. Estuda as formas de organização superiores à do organismo 14/02/2014.

ECOLOGIA. BIOSFERA E SEUS ECOSSISTEMAS Cap.2. Conceitos Básicos. Estuda as formas de organização superiores à do organismo 14/02/2014. BIOSFERA E SEUS ECOSSISTEMAS Cap.2 Conceitos Básicos ECOLOGIA Estuda as formas de organização superiores à do organismo Protoplasma Níveis de Organização dos Seres Vivos Célula Tecido Órgão Aparelho Sistema

Leia mais

Este trabalho tem como objectivo mostrar alguns animais que se encontram em vias de extinção em Portugal.

Este trabalho tem como objectivo mostrar alguns animais que se encontram em vias de extinção em Portugal. Este trabalho tem como objectivo mostrar alguns animais que se encontram em vias de extinção em Portugal. Animais em vias de extinção Designam-se por espécies em vias de extinção aquelas cujo número de

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7-ADN-1

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7-ADN-1 1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7-ADN-1 I. MEIO AMBIENTE CONCEITOS MEIO AMBIENTE Tudo o que cerca o ser vivo,

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor da prova: 2.0 Nota: Data: / /2015 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 9º 3º bimestre Trabalho de Recuperação de Geografia Orientações: - Leia atentamente

Leia mais

O MUNDO ONDE VIVEMOS!

O MUNDO ONDE VIVEMOS! O MUNDO ONDE VIVEMOS! PLANETA TERRA BIOSFERA (SERES VIVOS) ATMOSFERA (AR) HIDROSFERA (ÁGUA) LITOSFERA (TERRA) AMBIENTE NO SÉC. S XX A TEMPERATURA DA TERRA AUMENTOU MAIS OU MENOS DE 0,6ºC C A 2ºC. 2 AS

Leia mais

FLUXO DE ENERGIA E CICLOS DE MATÉRIA

FLUXO DE ENERGIA E CICLOS DE MATÉRIA FLUXO DE ENERGIA E CICLOS DE MATÉRIA Todos os organismos necessitam de energia para realizar as suas funções vitais. A energia necessária para a vida na Terra provém praticamente toda do sol. Contudo,

Leia mais

ECOLOGIA. PROF. Jefferson Almeida

ECOLOGIA. PROF. Jefferson Almeida ECOLOGIA PROF. Jefferson Almeida CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA NA CARTA ESCRITA PELO CHEFE SEATLE EM 1854, AO ENTÃO PRESIDENTE DOS ESTADOS UNIDOS, FRANKLIN PIERCE, INTERROGANDO-O PELO DESEJO DE COMPRA DAS TERRAS

Leia mais

BIOLOGIA ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS

BIOLOGIA ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS BIOLOGIA Prof. Fred ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS Ecologia: definição e importância Ecologia é o estudo das relações entre os seres vivos e entre estes e o ambiente em que vivem. Envolve aspectos do

Leia mais

Painel II As Portas e a evolução do seus modelos de organização

Painel II As Portas e a evolução do seus modelos de organização Painel II As Portas e a evolução do seus modelos de organização João Carlos Farinha Chefe de Divisão de Valorização de Áreas Classificadas do ICNF, I.P 25 áreas protegidas de âmbito nacional 7,6% de Portugal

Leia mais

BIOLOGIA Bases da Ecologia

BIOLOGIA Bases da Ecologia Módulo 42 Página 17 à 29 Quantos animais e seres vivos vocês conhecem? Onde eles vivem? Vamos fazer a leitura das páginas 17 e 18 Por dentro da notícia páginas 18 e 19 RESPONDA: 1) Depois de ler o texto

Leia mais

A Biosfera e seus Ecossistemas

A Biosfera e seus Ecossistemas A Biosfera e seus Ecossistemas UNIDADE I ECOLOGIA CAPÍTULO 2 Aula 01 Níveis de organização Hábitat e nicho ecológico Componentes do ecossistema Cadeia e teia alimentar 1. INTRODUÇÃO À ECOLOGIA X Ecologia

Leia mais

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida Introdução A ciência que estuda como os seres vivos se relacionam entre si e com o ambiente em que vivem e quais as conseqüências dessas relações é a Ecologia (oikos = casa e, por extensão, ambiente; logos

Leia mais

Teoria Celular. Em 1838-39, o botânico Schleiden e o zoólogo Schwann formularam a Teoria Celular.

Teoria Celular. Em 1838-39, o botânico Schleiden e o zoólogo Schwann formularam a Teoria Celular. Teoria Celular Teoria Celular Em 1838-39, o botânico Schleiden e o zoólogo Schwann formularam a Teoria Celular. Segundo esta teoria, todos os seres vivos são constituídos por células e, apesar da enorme

Leia mais

Níveis de Organização

Níveis de Organização Níveis de Organização Indivíduo Átomos Moléculas Células Tecidos Órgãos Sistemas capazes de se cruzarem entre si, originando indivíduos férteis. Ex: Cachorro População: grupo de indivíduos da mesma espécie

Leia mais

Ex.: A B C D E 2 Boa Sorte! TESTE -1ªEliminatória

Ex.: A B C D E 2 Boa Sorte! TESTE -1ªEliminatória Este teste é constituído por 20 questões que abordam diversas temáticas da Biologia. Lê-as atentamente e seleciona a opção correta unicamente na Folha de Respostas, marcando-a com um X no quadrado respetivo.

Leia mais

Programação Anual. 6 ọ ano (Regime 9 anos) 5 ạ série (Regime 8 anos) VOLUME VOLUME

Programação Anual. 6 ọ ano (Regime 9 anos) 5 ạ série (Regime 8 anos) VOLUME VOLUME Programação Anual 6 ọ ano (Regime 9 anos) 5 ạ série (Regime 8 anos) 1. Astronomia: estudando o céu Estrelas e constelações Estudo do Universo Sistema Solar 2. Movimentos da Terra e da Lua Dia e noite Estações

Leia mais

2856 Diário da República, 1. a série N. o 83 30 de Abril de 2007

2856 Diário da República, 1. a série N. o 83 30 de Abril de 2007 2856 Diário da República, 1. a série N. o 83 30 de Abril de 2007 Portaria n. o 530/2007 de 30 de Abril O Decreto-Lei n. o 136/2007, de 27 de Abril, definiu a missão e as atribuições do Instituto da Conservação

Leia mais

CITOLOGIA organelas e núcleo

CITOLOGIA organelas e núcleo Biologia CITOLOGIA organelas e núcleo Professor: Fernando Stuchi Níveis de Organização do Corpo Humano Conceitos Fundamentais População - Conjunto formado pelos organismos de determinada espécie, que vivem

Leia mais

REDE NACIONAL DE ÁREAS PROTEGIDAS RNAP

REDE NACIONAL DE ÁREAS PROTEGIDAS RNAP » ÂMBITO NACIONAL» ÂMBITO REGIONAL/LOCAL» ÂMBITO PRIVADO ÂMBITO NACIONAL 1. PARQUE NACIONAL DA PENEDA- GERÊS Decreto nº 187/71, de 8 de maio. 69 592,00 ha 2. PARQUE NATURAL DE MONTESINHO Decreto-Lei nº

Leia mais

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS CLASSIFICAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS HUMANOS Classe 1 - ECOSSISTEMA NATURAL MADURO ( Floresta Amazônica ); Classe 2 - ECOSSISTEMA NATURAL CONTROLADO (SNUC); Classe 3 - ECOSSISTEMA

Leia mais

Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano

Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano Teste de avaliação Nome ----------------------------------------------------------------------- Numero -------------------------------

Leia mais

Problemas na Utilização da Água (poluição )

Problemas na Utilização da Água (poluição ) Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Problemas na Utilização da Água (poluição ) Disciplina: Geografia (módulo 3) Docente: Sandra Mendes Discente: Mariana Alfaiate 2007 2008 Índice Introdução

Leia mais

5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS

5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS 5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS Auno(a) N 0 6º Ano Turma: Data: / / 2013 Disciplina: Ciências UNIDADE I Professora Martha Pitanga ATIVIDADE 01 CIÊNCIAS REVISÃO GERAL De

Leia mais

Exercício de Biologia - 3ª série

Exercício de Biologia - 3ª série Exercício de Biologia - 3ª série 1- A poluição atmosférica de Cubatão continua provocando efeitos negativos na vegetação da Serra do Mar, mesmo após a instalação de filtros nas indústrias na década de

Leia mais

Escola Básica 2 Roberto Ivens. Informação da prova de equivalência à frequência da disciplina de Ciências da Natureza

Escola Básica 2 Roberto Ivens. Informação da prova de equivalência à frequência da disciplina de Ciências da Natureza SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CULTURA E CIÊNCIA DIRECÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA ROBERTO IVENS Escola Básica 2 Roberto Ivens. Informação da prova de equivalência à frequência da

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS UNIDADE 1 Conteúdos. UNIDADE 2 Conteúdos

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS UNIDADE 1 Conteúdos. UNIDADE 2 Conteúdos Ser humano: semelhanças e diferenças (características físicas e comportamentais, gostos pessoais) Partes do corpo humano Sentidos humanos: audição, visão, paladar, tato e olfato Cuidados com os órgãos

Leia mais

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 Questão 1) Abaixo representa uma experiência com crisântemo, em que a planta foi iluminada, conforme mostra o esquema. Com base no esquema e seus conhecimentos,

Leia mais

Teste 1ª Eliminatória Categoria Júnior 10 de Janeiro 2012

Teste 1ª Eliminatória Categoria Júnior 10 de Janeiro 2012 Teste 1ª Eliminatória Categoria Júnior 10 de Janeiro 2012 Este teste tem 30 questões de escolha múltipla (Parte I) e uma questão de desenvolvimento (Parte II). O teste versa sobre o Ambiente e a Sustentabilidade.

Leia mais

Aulas por catálogo Ano lectivo 2007 /2008 Marcações para o 1º Período

Aulas por catálogo Ano lectivo 2007 /2008 Marcações para o 1º Período CATÁLOGO DE AULAS CIÊNCIA VIVA CLUBE DE CIÊNCIA MARTECA Aulas por catálogo Ano lectivo 2007 /2008 Marcações para o 1º Período http://www.uma.pt/oceanografiacosteira/ 1º CICLO 1º ano Aula: O que é um invertebrado?

Leia mais

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Unidade 8 Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Ciclos Biogeoquímicos Os elementos químicos constituem todas as substâncias encontradas em nosso planeta. Existem mais de 100 elementos químicos,

Leia mais

Estratégias a utilizar

Estratégias a utilizar Introdução Ao olharmos à nossa volta e ao estarmos atentos à informação que nos chega diariamente através dos vários órgãos de comunicação social, chegamos à triste conclusão que a vida no planeta Terra

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO. Planeamento Curricular referente ao 1 º Período

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO. Planeamento Curricular referente ao 1 º Período AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO Planeamento Curricular referente ao 1 º Período Ano e Turma 5º Disciplina Ciências Naturais Prof. (a) N.º Aulas Previstas Domínio: ÁGUA, O AR, AS ROCHAS

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR

SUPERINTENDÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR SUPERINTENDÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR 2ª AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 2012 CIÊNCIAS

Leia mais

Biologia 1. 01 Alternativa E. 02 Alternativa D. 01 Alternativa D. 02 Alternativa E. 03 Alternativa E. 04 Alternativa A.

Biologia 1. 01 Alternativa E. 02 Alternativa D. 01 Alternativa D. 02 Alternativa E. 03 Alternativa E. 04 Alternativa A. Biologia 1 Aula 1 21 Aula 2 Aula 3 1 Aula 4 a) A "Chlamydia trachomatis" é uma bactéria, pois, como mostra a tabela, não apresenta núcleo celular organizado, porém possui DNA, RNA, membrana plasmática

Leia mais

Programação anual de conteúdos

Programação anual de conteúdos Programação anual de conteúdos 6.ºa n o 1. De olho no Universo 2. Terra e Universo 3. Terra: lugar da vida 4. Relações ecológicas 5. Solo e vida Estrelas, constelações e galáxias História da Astronomia

Leia mais

Cadeias e Teias Alimentares

Cadeias e Teias Alimentares Cadeias e Teias Alimentares O termo cadeia alimentar refere-se à seqüência em que se alimentam os seres de uma comunidade. Autotróficos x Heterotróficos Seres que transformam substâncias minerais ou inorgânicas

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar

Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar Pedro Bettencourt Coutinho, Sónia Alcobia, Carlos César Jesus, Pedro Fernandes, Cláudia Fulgêncio nemus@nemus.pt ÍNDICE

Leia mais

Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos;

Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos; MICRORGANISMOS E MEIO AMBIENTE Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos; 1 Os microrganismos vivem em comunidades,

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio da Água, o ar, as rochas e o solo - materiais terrestres, o aluno deve ser capaz de: Compreender a Terra como um planeta especial

Leia mais

NETXPLICA http://forum.netxplica.com TESTE DE AVALIAÇÃO 8º Ano Ciências Naturais Ecossistemas fluxos de energia e ciclos de matéria

NETXPLICA http://forum.netxplica.com TESTE DE AVALIAÇÃO 8º Ano Ciências Naturais Ecossistemas fluxos de energia e ciclos de matéria Classificação Encarregado de Educação Nome nº Turma Data / / 08 GRUPO I (Cotação = 25 pontos: 1.1-10x2=20 + 1.2-5 pontos) 1. Considera a figura seguinte, que representa o fluxo de energia numa cadeia alimentar.

Leia mais

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal MÓDULO 1 ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal ECOSSISTEMAS HUMANOS As necessidades e desejos da população humana em expansão têm requerido um

Leia mais

Prof: Alexandre Barcelos

Prof: Alexandre Barcelos Prof: Alexandre Barcelos DEFINIÇÃO São as divisões da BIOSFERA. SÃO AS PORÇÕES DO PLANETA HABITADAS POR SERES VIVOS. Biosfera 18 Km 13000 Km de Diâmetro DIVISÕES TALASSOCICLO BIOCICLO DE ÁGUA SALGADA BIOCICLO

Leia mais

ESPÉCIES PROTEGIDAS Olá!! Venho para vos falar das espécies protegidas...

ESPÉCIES PROTEGIDAS Olá!! Venho para vos falar das espécies protegidas... ESPÉCIES PROTEGIDAS Olá!! Venho para vos falar das espécies protegidas... www.geota.pt geota.sec@netcabo.pt O que são as espécies protegidas Espécies cujo número de indivíduo é muito reduzido estando em

Leia mais

Biodiversidade na base dos serviços dos ecossistemas Pobreza, desenvolvimento e recursos naturais. 5ª aula

Biodiversidade na base dos serviços dos ecossistemas Pobreza, desenvolvimento e recursos naturais. 5ª aula Mestrado em Engenharia do Ambiente 1º ano / 1º semestre GESTÃO DE AMBIENTE E TERRITÓRIO Biodiversidade na base dos serviços dos ecossistemas Pobreza, desenvolvimento e recursos naturais 5ª aula Convenção

Leia mais

Serviço Pedagógico Águas Livres Biodiversidade

Serviço Pedagógico Águas Livres Biodiversidade Serviço Pedagógico Águas Livres Biodiversidade Índice Biodiversidade Conceito Biodiversidade nos Rios de Abastecimento da EPAL Rio Alviela Rio Tejo Rio Zêzere Dicas para manter a biodiversidade ICNB Dra.

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan

Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan Ecologia (oikos = casa; logos = ciência) Estuda as relações entre os seres vivos, e o ambiente em que vivem; Multidisciplinar A Ecologia é complexa, e envolve:

Leia mais

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS ECOLOGIA GERAL Aula 05 Aula de hoje: FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS Sabemos que todos os organismos necessitam de energia para se manterem vivos, crescerem, se reproduzirem e, no caso

Leia mais

Aquicultura. Breves Notas e uma Sugestão

Aquicultura. Breves Notas e uma Sugestão Aquicultura Breves Notas e uma Sugestão Âmbito da Apresentação Aquicultura em Portugal Moluscicultura (Cultivo Ameijoas e Ostras) Piscicultura Marinha (Cultivo Peixes - Robalo, Dourada, Rodovalho) Piscicultura

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ 2010 01. A principal

Leia mais

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo -

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Estudo do Meio 1º Ano 1º Período 2º Período 3º Período À descoberta de si mesmo - A sua identificação Conhecer a sua identificação Conhecer o seu nome

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

Ecologia Geral CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

Ecologia Geral CICLOS BIOGEOQUÍMICOS Ecologia Geral CICLOS BIOGEOQUÍMICOS 98-99% dos organismos são constituído por: -Sódio (Na) -Potássio (K) -Magnésio (Mg) -Cloro (Cl) -Carbono (C) -Hidrogênio (H -Nitrogênio (N) -Oxigênio (O) 1-2% restante:

Leia mais

5ª série / 6º ano 1º bimestre

5ª série / 6º ano 1º bimestre 5ª série / 6º ano 1º bimestre Água e o planeta Terra Hidrosfera Distribuição e importância Hidrosfera é o conjunto de toda a água da Terra. Ela cobre 2/3 da superfície terrestre e forma oceanos, mares,

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/2.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: TARDE Data: 15/9/2010 PROVA GRUPO GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA António Gonçalves Henriques CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONCEITOS DE BASE Biodiversidade ou Diversidade Biológica é o conjunto das diferentes

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

Ecologia & Biodiversidade: uma abordagem transdisciplinar

Ecologia & Biodiversidade: uma abordagem transdisciplinar Ecologia & Biodiversidade: uma abordagem transdisciplinar Francisco Soares Santos Filho Professor / Biólogo Conceitos fundamentais em Ecologia Espécie População Comunidade Biológica ou Biocenose Biótopo

Leia mais

Estudo Dirigido CONTEÚDOS DO 4º BIMESTRE: I- O QUE A ECOLOGIA ESTUDA (CAPÍTULO 2) II- CADEIAS E TEIAS ALIMENTARES(CAPÍTULO 3)

Estudo Dirigido CONTEÚDOS DO 4º BIMESTRE: I- O QUE A ECOLOGIA ESTUDA (CAPÍTULO 2) II- CADEIAS E TEIAS ALIMENTARES(CAPÍTULO 3) CONTEÚDOS DO 4º BIMESTRE: I- O QUE A ECOLOGIA ESTUDA (CAPÍTULO 2) II- CADEIAS E TEIAS ALIMENTARES(CAPÍTULO 3) III- RELAÇÕES ECOLÓGICAS (CAPÍTULO 4) PONTUAÇÃO DO BIMESTRE Teste: 2,0 laboratório: 2,0 Prova

Leia mais

Ecologia BB.. 0 4 0 4 Pa P isa s ge g ns s n at a ura r is s e bio i d o iv i e v rs r i s d i ad a e e (P ( a P r a t r e t I ). ) Pá P g. á g.

Ecologia BB.. 0 4 0 4 Pa P isa s ge g ns s n at a ura r is s e bio i d o iv i e v rs r i s d i ad a e e (P ( a P r a t r e t I ). ) Pá P g. á g. Ecologia BB. 04 Paisagens naturais e biodiversidade (Parte I). Pág. 61 Estrutura da Terra Atmosfera camada gasosa Hidrosfera massa líquida (rios,lagos, oceanos) Biosfera porção do planeta onde se desenvolvem

Leia mais

ECOLOGIA é a Ciência que estuda as relações dos seres vivos entre si e deles com o ambiente.

ECOLOGIA é a Ciência que estuda as relações dos seres vivos entre si e deles com o ambiente. 1.1 - Relação da Ecologia com outras Ciências ECOLOGIA é a Ciência que estuda as relações dos seres vivos entre si e deles com o ambiente. Ser Vivo Ser Vivo Ambiente 1.1 - Relação da Ecologia com outras

Leia mais

Os desafios ambientais e de sustentabilidade em Engenharia

Os desafios ambientais e de sustentabilidade em Engenharia MEC, 4º ano, 2º sem, 2008-09 Desafios Ambientais e de Sustentabilidade em Engenharia Os desafios ambientais e de sustentabilidade em Engenharia 1ª aula Maria do Rosário Partidário Desafios Ambientais e

Leia mais

Programa de Educação Ambiental

Programa de Educação Ambiental Programa de Educação Ambiental 2015 / 2016 Escolas Centro de Formação Ambiental SEDE - Lisboa 2 Horário de Funcionamento das Actividades 2ª feira a 6ª feira: 9h30 às 13h00 e das 14h00 às 17h30 4 horários:

Leia mais

Unidade IV Os seres vivos e o meio ambiente.

Unidade IV Os seres vivos e o meio ambiente. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Unidade IV Os seres vivos e o meio ambiente. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL

Leia mais

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm A biodiversidade em diferentes ambientes http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm Unidade básica da vida a célula Quem foi Robert Hooke? Por volta de 1667, o cientista inglês

Leia mais

ALDEIA ATN APFNT PALOMBAR ERVAPRATA - AEPGA - ICNB

ALDEIA ATN APFNT PALOMBAR ERVAPRATA - AEPGA - ICNB Plano de Emergência de Aves Rupícolas Descrição geral ALDEIA ATN APFNT PALOMBAR ERVAPRATA - AEPGA - ICNB Problemas de conservação do património natural no PNDI As prioridades de conservação do PNDI (a

Leia mais

MANIFESTO VERDE. Açores Sustentáveis. Uma Voz Ecologista na Assembleia Legislativa dos Açores. Eleições para a Assembleia Legislativa

MANIFESTO VERDE. Açores Sustentáveis. Uma Voz Ecologista na Assembleia Legislativa dos Açores. Eleições para a Assembleia Legislativa Eleições para a Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos AÇORES MANIFESTO VERDE Uma Voz Ecologista na Assembleia Legislativa dos Açores Pela Produção e Consumo de Produtos Locais e Regionais Pela

Leia mais

CIENTISTAS NO PARQUE ENSINO BÁSICO

CIENTISTAS NO PARQUE ENSINO BÁSICO CIENTISTAS NO PARQUE ENSINO BÁSICO Este programa aborda a disciplina de ciências naturais de uma forma prática, partindo de temas como a biodiversidade, a gestão de recursos e a monitorização ambiental.

Leia mais

Funções, usos e degradação do solo

Funções, usos e degradação do solo Funções, usos e degradação do solo Carlos Alexandre ICAAM e Dep. Geociências, Univ. de Évora Sociedade Portuguesa da Ciência do Solo (www.spcs.pt) Súmula 1. Solo 2. Processos, funções e serviços 3. Serviços

Leia mais

A LPN face à conservação da Biodiversidade em Portugal

A LPN face à conservação da Biodiversidade em Portugal A LPN face à conservação da Biodiversidade em Portugal 26 de Setembro, 2007 Seminário Sociedade civil, Empresas e Biodiversidade Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Índice 1) A LPN 2) Programas e Projectos

Leia mais

Ecologia: definição. OIKOS Casa LOGOS Estudo. Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente.

Ecologia: definição. OIKOS Casa LOGOS Estudo. Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente. Profª Kamylla Ecologia: definição OIKOS Casa LOGOS Estudo Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente. Componentes do Ecossistema Substâncias Abióticas; Componentes Bióticos:

Leia mais

Fuvest 2014 Geografia 2ª Fase (Segundo Dia) A região metropolitana do litoral sul paulista é constituída pelos municípios representados no mapa:

Fuvest 2014 Geografia 2ª Fase (Segundo Dia) A região metropolitana do litoral sul paulista é constituída pelos municípios representados no mapa: QUESTÃO 3 (Ocupação do território brasileiro) A região metropolitana do litoral sul paulista é constituída pelos municípios representados no mapa: Ao longo do tempo, essa região conheceu diferentes formas

Leia mais

Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas

Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas Fernando Caetano Universidade Aberta fcaetano@univ-ab.pt As necessidades actuais 85% da energia consumida mundialmente, provém

Leia mais

VULNERABILIDADE À EXTINÇÃO. Algumas espécies são mais vulneráveis à extinção e se enquadram em uma ou mais das seguintes categorias:

VULNERABILIDADE À EXTINÇÃO. Algumas espécies são mais vulneráveis à extinção e se enquadram em uma ou mais das seguintes categorias: VULNERABILIDADE À EXTINÇÃO Algumas espécies são mais vulneráveis à extinção e se enquadram em uma ou mais das seguintes categorias: 1) Espécies com área de ocorrência limitada; 2) Espécies com apenas uma

Leia mais

CIÊNCIAS DESCRITORES

CIÊNCIAS DESCRITORES CIÊNCIAS DESCRITORES 1. BIMESTRE - 2015 4.º ANO Identificar a permeabilidade nos diferentes tipos de solo. Identificar a presença de água no interior do corpo dos seres vivos. Identificar as condições

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE CIÊNCIAS

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE CIÊNCIAS COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE CIÊNCIAS Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: / /2012 Nota: Professor(a): Karina Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1)

Leia mais

Trabalho realizado por: Fábio Areias, Alexandre Silva, Joana Silva, Tiago Carvalho, André Ribeiro e Nuno Rodrigues Disciplina: Aplicações de

Trabalho realizado por: Fábio Areias, Alexandre Silva, Joana Silva, Tiago Carvalho, André Ribeiro e Nuno Rodrigues Disciplina: Aplicações de Trabalho realizado por: Fábio Areias, Alexandre Silva, Joana Silva, Tiago Carvalho, André Ribeiro e Nuno Rodrigues Disciplina: Aplicações de Escritório Escola: EBI/JI da Barranha 1-Qual o maior Rio de

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO São conjuntos de ecossistemas terrestres com vegetação característica e fisionomia típica em que predomina certo tipo de clima. São comunidades

Leia mais

Escola Secundária Anselmo de Andrade. Biologia e Geologia de 10ºAno. Nome Nº Turma

Escola Secundária Anselmo de Andrade. Biologia e Geologia de 10ºAno. Nome Nº Turma Escola Secundária Anselmo de Andrade Biologia e Geologia de 10ºAno Nome Nº Turma Data / / Avaliação 1. climáticas solar cinzas redução geográficas A projecção de vulcânicas teria como consequência a de

Leia mais

José Eduardo do Couto Barbosa. Biólogo e Mestrando em Ecologia pela UFJF

José Eduardo do Couto Barbosa. Biólogo e Mestrando em Ecologia pela UFJF José Eduardo do Couto Barbosa Biólogo e Mestrando em Ecologia pela UFJF CONCEITO DE BIODIVERSIDADE Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades

Leia mais

Plano Curricular de Estudo do Meio 4.º Ano - Ano Letivo 2015/2016

Plano Curricular de Estudo do Meio 4.º Ano - Ano Letivo 2015/2016 Plano Curricular de Estudo do Meio 4.º Ano - Ano Letivo 2015/2016 1.º Período Conteúdos Programados À Descoberta de Si Mesmo Os ossos Função dos ossos Saúde e segurança dos ossos O Esqueleto Ossos da cabeça,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS Introdução Os oceanos ocupam cerca de 71% da superfície da Terra As partes mais profundas atingem quase 11000 metros Profundidade média dos oceanos é 3800 m. Volume

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 7º ANO

CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 7º ANO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 7º ANO 2010 PROVA DE CIÊNCIAS 7º ANO Questão 1 A idade

Leia mais

7º ANO Ensino Fundamental

7º ANO Ensino Fundamental E n s in o F o r t e e d e R e s u l t a do s Estudante: Centro Educacio nal Juscelino K ub itschek G u a r á Exercícios Rec. Semestral 2º Bimestre C I Ê N C I A S 7º ANO Ensino Fundamental Data: / / Turno:

Leia mais

Exercícios de Cadeias, Pirâmides e Teias Tróficas

Exercícios de Cadeias, Pirâmides e Teias Tróficas Exercícios de Cadeias, Pirâmides e Teias Tróficas 1. (ENEM) Os personagens da figura estão representando situação hipotética de cadeia alimentar. A figura representa um exemplo de cadeia alimentar Suponha

Leia mais

ENDEMISMO, PROVINCIALISMO E DISJUNÇÃO

ENDEMISMO, PROVINCIALISMO E DISJUNÇÃO ENDEMISMO, PROVINCIALISMO E DISJUNÇÃO Disciplina: Fundamentos de Ecologia e de Modelagem Ambiental Aplicados à conservação da biodiversidade Aluna: Luciane Yumie Sato ENDEMISMO O que é? significa simplesmente

Leia mais

OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO. Profº Júlio César Arrué dos Santos

OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO. Profº Júlio César Arrué dos Santos OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO Profº Júlio César Arrué dos Santos Ciclo da Água Fonte: http://www.aguasdevalongo.net/veolia/infantil/default.asp O ciclo da água que está apresentado

Leia mais

ZA4735. Flash Eurobarometer 219 (Biodiversity) Country Specific Questionnaire Portugal

ZA4735. Flash Eurobarometer 219 (Biodiversity) Country Specific Questionnaire Portugal ZA4735 Flash Eurobarometer 219 (Biodiversity) Country Specific Questionnaire Portugal Flash Eurobarometer on biodiversity Flash 219 questionnaire Q1. Conhece o termo biodiversidade? [APENAS UMA RESPOSTA

Leia mais

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO FATORES CLIMÁTICOS LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO ALTERAM A DINÂMICA ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS TEMPERATURA, UMIDADE,PRESSÃ O ATMOSFÉRICA Climas

Leia mais

O que é biodiversidade?

O que é biodiversidade? O que é biodiversidade? A diversidade se expressa nos mais diversos níveis de organização biológica. É a soma de toda a variabilidade biológica desde os genes até os ecossistemas Por que nos preocuparamos

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Ásia (Coreia, Japão, e partes da China), sul da Austrália

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA 2 o BIMESTRE 2012

PROVA DE BIOLOGIA 2 o BIMESTRE 2012 PROVA DE BIOLOGIA 2 o BIMESTRE 2012 PROFª. VERA NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É

Leia mais

Padrão de Desempenho 6 V2

Padrão de Desempenho 6 V2 Introdução 1. O Padrão de Desempenho 6 reconhece que a proteção e a conservação da biodiversidade, a manutenção dos serviços dos ecossistemas e o manejo sustentável dos recursos naturais vivos são fundamentais

Leia mais