RISCOS NA ZONA COSTEIRA: CARACTERIZAÇÃO DOS ACIDENTES PESSOAIS NO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RISCOS NA ZONA COSTEIRA: CARACTERIZAÇÃO DOS ACIDENTES PESSOAIS NO"

Transcrição

1 1 RISCOS NA ZONA COSTEIRA: CARACTERIZAÇÃO DOS ACIDENTES PESSOAIS NO DOMÍNIO PÚBLICO P HÍDRICO H NO TROÇO O AVEIRO-FIGUEIRA DA FOZ José António Velho Gouveia ISCIA Maio 2010

2 2 Sumário Conceitos Usos do Domínio Público P Marítimo Riscos Acidentes pessoais no DPM de Aveiro e F. da Foz Conclusões

3 3 Conceitos Artigo 2º Domínio público hídrico 1 O domínio público hídrico compreende o domínio público marítimo, o domínio público lacustre e fluvial e o domínio público das restantes águas. 2 O domínio público hídrico pode pertencer ao Estado, às Regiões Autónomas e aos municípios e freguesias. Artigo 3º Domínio público marítimo O domínio público marítimo compreende: a) As águas costeiras e territoriais; b) As águas interiores sujeitas à influência das marés, nos rios, lagos e lagoas; c) O leito das águas costeiras e territoriais e das águas interiores sujeitas à influência das marés; d) Os fundos marinhos contíguos da plataforma continental, abrangendo toda a zona económica exclusiva; e) As margens das águas costeiras e das águas interiores sujeitas à influência das marés. Lei 54/2005, 15NOV, Titularidade dos recursos hídricos

4 4 Usos Bobyboard Brincar Tomar banho Conduzir embarcação Conduzir viatura Tripular avioneta Surf Kitesurf Mergulhar Mergulhar Pescar em embarcação Pescar na margem Passear Passear de barco Ultraleve motorizado Parapente Windsurf Outras Desconhecida

5 5 (Fonte: INE)

6 6 Evolução da população nos concelhos de Aveiro e F. da Foz (Fonte: INE)

7 II Congresso Internacional de Riscos e 7 (Cartoon de Luís Afonso, 2001)

8 8 Riscos

9 9

10 10

11 11

12 12

13 13 Acidentes pessoais Aveiro F. da Foz

14 14 Distribuição por ano

15 15 Distribuição por mês

16 16 Distribuição ao longo do dia

17 17 Distribuição por idade

18 18 Distribuição ao longo do dia por idade

19 19 Distribuição por local considerado

20 20 Distribuição por causa

21 21

22 22 Consequências Em áreas concessionadas Em áreas não concessionadas

23 23 Mortes nas praias portuguesas (Fonte: ISN)

24 24 Consequências por local do acidente

25 25

26 26 Actividade desenvolvida aquando dos acidentes

27 27

28 28 Entidade principal que prestou assistência

29 29 Conclusões Existe um risco efectivo no uso do DPM Não existe uma cultura de segurança a por parte dos cidadãos Existe muita falta de cuidado É preciso melhorar a recolha de informação É preciso desenvolver acções de sensibilização para este tipo de riscos É preciso mais informação nas praias e nos respectivos acessos É preciso um melhor entrosamento entre entidades de resposta Escusamos de estar descansados???

30 30

Reconhecimento de Propriedade Privada sobre terrenos nas margens

Reconhecimento de Propriedade Privada sobre terrenos nas margens RECURSOS HÍDRICOS Domínio Público Hídrico de Propriedade Privada sobre terrenos nas margens Dra. Águeda Silva (Eng.ª Fernanda Ambrósio e Eng.º João Pedro Martins) Seminário Gestão das margens das linhas

Leia mais

Agentes de Animação Turística (licenciados pelo Turismo de Portugal)

Agentes de Animação Turística (licenciados pelo Turismo de Portugal) Agentes de Animação Turística (licenciados pelo Turismo de Portugal) Operadores Maritimo-Turísticos (OMT) e Empresas de Animação Turísticas (EAT) Algarcross Unipessoal, Lda. Tlm: 968 078 022 E-mail: algarcross@gmail.com

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL. Lei n. o 7/2002

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL. Lei n. o 7/2002 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL Lei n. o 7/2002 de 20 de Setembro FRONTEIRAS MARÍTIMAS DO TERRITÓRIO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE A Constituição da República Democrática

Leia mais

Classificação das Águas

Classificação das Águas Classificação das Águas Entende-se por corrente navegável a que é ou vier a ser acomodada à navegação, com fins comerciais, de barcos de qualquer forma, construção ou dimensão; e por corrente flutuável

Leia mais

CAE Rev_3: 93294 ASSISTÊNCIA AOS BANHISTAS

CAE Rev_3: 93294 ASSISTÊNCIA AOS BANHISTAS O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 93294 ASSISTÊNCIA AOS BANHISTAS ÂMBITO:

Leia mais

UM CONTRIBUTO PARA A GESTÃO DE PRAIAS COSTEIRAS

UM CONTRIBUTO PARA A GESTÃO DE PRAIAS COSTEIRAS UM CONTRIBUTO PARA A GESTÃO DE PRAIAS COSTEIRAS CARACTERIZAÇÃO DO CONCELHO DE CASCAIS Área do Concelho de Cascais 97,1km 2 Parque Natural de Sintra-Cascais ocupa 33 km 2 Nº de habitantes 205 117 O MAR

Leia mais

Informação sobre Ecossistemas Locais

Informação sobre Ecossistemas Locais Informação sobre Ecossistemas Locais Bandeira Azul 2015 1. Biodiversidade local O litoral de Vila Nova de Gaia apresenta uma considerável biodiversidade, com fauna e flora característica dos substratos

Leia mais

INDICE. 1. Introdução 3. 2. Objectivos 4. 3. Público alvo 4. 4. Material 4. 5. Conteúdos programáticos 5. 6. Actividades Propostas 5

INDICE. 1. Introdução 3. 2. Objectivos 4. 3. Público alvo 4. 4. Material 4. 5. Conteúdos programáticos 5. 6. Actividades Propostas 5 INTRODUÇÃO INDICE 1. Introdução 3 2. Objectivos 4 3. Público alvo 4 4. Material 4 5. Conteúdos programáticos 5 6. Actividades Propostas 5 7. Descrição das Actividades 6 7.1 Formação em sala de aula: 6

Leia mais

Foto: Faísca. Capa- Foto:Teresa Vilas-Boas

Foto: Faísca. Capa- Foto:Teresa Vilas-Boas Foto: Faísca Capa- Foto:Teresa Vilas-Boas O QUE DEVE SABER SOBRE ATIVIDADES DE AR LIVRE 4 O QUE DEVE SABER SOBRE AS ATIVIDADES DE AR LIVRE Foto: Teresa Vilas Boas Nos últimos anos, tem-se verificado um

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PROJETO DE LEI Nº 668, DE 2015

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PROJETO DE LEI Nº 668, DE 2015 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PROJETO DE LEI Nº 668, DE 2015 Determina a obrigatoriedade de demarcação das áreas de pesca, lazer ou recreação das praias banhadas por mar, lagoas

Leia mais

MUNICÍPIOS E O MAR Associação Fórum Empresarial da Economia do Mar. Município da Nazaré

MUNICÍPIOS E O MAR Associação Fórum Empresarial da Economia do Mar. Município da Nazaré MUNICÍPIOS E O MAR Associação Fórum Empresarial da Economia do Mar Município da Nazaré PROJECTO VIVER O MAR Valorizar a associação da Nazaré ao Mar como factor de identidade Assegurar o conhecimento Científico

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

PROJETO RIO ECOBARREIRA

PROJETO RIO ECOBARREIRA 1 PROJETO RIO ECOBARREIRA RESUMO: O RIO ECOBARREIRA é um projeto de pesquisa aplicada na área de desenvolvimento sustentável. O projeto envolve a análise da sustentabilidade sócio-econômica e ambiental

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Procedimentos (Elaborado no âmbito do Protocolo de colaboração com vista à regularização das utilizações dos recursos hídricos no sector agrícola estabelecido com a CAP e CONFAGRI) Janeiro, 2010

Leia mais

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO 9 de abril de 2014 Dinâmica dos usos e atividades da Economia do Mar Pesca e Aquicultura, 2005 a 2012 A atividade aquícola é uma prioridade

Leia mais

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CENÁRIO: GESTÃO COLABORATIVA DE PESCAS Este caso de estudo é largamente fictício e foi baseado em Horrill, J.C., n.d. Collaborative Fisheries Management

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA ÁGUA EM AMBIENTE DOMÉSTICO POR ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL, EM ARACAJU, SERGIPE

AVALIAÇÃO DO USO DA ÁGUA EM AMBIENTE DOMÉSTICO POR ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL, EM ARACAJU, SERGIPE AVALIAÇÃO DO USO DA ÁGUA EM AMBIENTE DOMÉSTICO POR ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL, EM ARACAJU, SERGIPE DANIEL ORNELAS RIBEIRO Mestrando do PPGV/UESC Co-autores: Anderson N. do Vasco; Ana Claudia A. S.

Leia mais

Projecto Oura Paddle School

Projecto Oura Paddle School A Equipa: Pedro Carrilho Bacharel em Turismo e Pós- graduação em Gestão Hoteleira pela Universidade ISLA Monitor internacional ASI Stand Up Paddle Curso de Educação Física pela Xistarca/Cefad Curso Europeu

Leia mais

2007-2008. Horário - Programa de Formação Contínua Pós-graduada - 3º PERÍODO. 4º Feira 07 Maio. Sábado 10 Maio SALAS 1 2 3 4 5

2007-2008. Horário - Programa de Formação Contínua Pós-graduada - 3º PERÍODO. 4º Feira 07 Maio. Sábado 10 Maio SALAS 1 2 3 4 5 Escola Nacional de Pública 4º Feira 07 Maio Equipas de Cuidados de Equipas de Cuidados de Estatística II de Serviços de Sábado 10 Maio de Programas em Pública de Programas em Pública 1 Escola Nacional

Leia mais

UD II - EUROPA FÍSICA

UD II - EUROPA FÍSICA UD II - EUROPA FÍSICA 7. Hidrografia 8. Tipos de mares 9. Hidrovias Referências: Geografia em Mapas (pgs. 46 e 47). Geoatlas 9º ANO 2º BIMESTRE - TU 902 AULA 2 7. HIDROGRAFIA As regiões mais elevadas do

Leia mais

DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e

DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a autorização de uso de espaços físicos de corpos d água de domínio da União para fins de aquicultura, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

M O O MA M R AUTORES:

M O O MA M R AUTORES: CONTATO DA TERRA COM O MAR AUTORES: Tiago e Francisco 2010 Índice O QUE É A COSTA? FORMAS DE RELEVO DO LITORAL PRAIA DUNAS BAÍA ESTUÁRIO CABO ARRIBA OUTROS A COSTA PORTUGESA BIBLIOGRAFIA E NETGRAFIA O

Leia mais

Projecto de Decreto-Lei, precedido de autorização legislativa da Assembleia da República, sobre Titularidade dos Recursos Hídricos

Projecto de Decreto-Lei, precedido de autorização legislativa da Assembleia da República, sobre Titularidade dos Recursos Hídricos Ministério das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente Projecto de Decreto-Lei, precedido de autorização legislativa da Assembleia da República, sobre Titularidade dos Recursos Hídricos NOVEMBRO

Leia mais

Exposição "Há pesca em Vila do Conde"

Exposição Há pesca em Vila do Conde 1 Exposição "Há pesca em Vila do Conde" 27 de Agosto 13 de Novembro 2009 CMIA de Vila do Conde I - Temática Localizada na margem Norte da foz do rio Ave, Vila do Conde é um importante centro industrial,

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS I. IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, com residência/sede em, código

Leia mais

AVENTURAS MARÍTIMAS. A Costa Alentejana é conhecida em todo o Mundo.

AVENTURAS MARÍTIMAS. A Costa Alentejana é conhecida em todo o Mundo. A Costa Alentejana é conhecida em todo o Mundo. A qualidade das suas praias, o clima e as paisagens naturais. Tudo em harmonia com as gentes que o recebem e lhe oferecem o melhor que o Alentejo tem para

Leia mais

Lei n.º 54/2005 de 15 de Novembro. Estabelece a titularidade dos recursos hídricos

Lei n.º 54/2005 de 15 de Novembro. Estabelece a titularidade dos recursos hídricos Lei n.º 54/2005. DR 219 SÉRIE I-A de 2005-11-15 Assembleia da República Estabelece a titularidade dos recursos hídricos Lei n.º 54/2005 de 15 de Novembro Estabelece a titularidade dos recursos hídricos

Leia mais

0 3 0 1 2 1 0.2.6 6 0 0 M CI.I

0 3 0 1 2 1 0.2.6 6 0 0 M CI.I CI.IM006.6.20121030 Estratégia de Sustentabilidade Zona Costeira de Cascais Zona Costeira de Cascais Parque Natural Sintra Cascais 15 praias balneares 17 praias monitorizadas permanentemente ZIBA Zona

Leia mais

Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis

Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis CENÁRIOS PROSPECTIVOS Pescas, Aquicultura e Portos 13 de Junho de 2011 Pesca e Aquicultura CONSULTA DE RELATÓRIOS PÚBLICOS, SECTOR

Leia mais

Maiores conjuntos arquitetônicos do mundo; Gastronomia com influência Indígena, Africana e Portuguesa; Harmonia dos atrativos e gente hospitaleira;

Maiores conjuntos arquitetônicos do mundo; Gastronomia com influência Indígena, Africana e Portuguesa; Harmonia dos atrativos e gente hospitaleira; Efervescência Cultural; Maiores conjuntos arquitetônicos do mundo; Gastronomia com influência Indígena, Africana e Portuguesa; Harmonia dos atrativos e gente hospitaleira; Deserto de Areias brancas com

Leia mais

Areias: Geologia em Peças Separadas uma ferramenta interactiva para o ensino de Geociências do portal Casa das Ciências

Areias: Geologia em Peças Separadas uma ferramenta interactiva para o ensino de Geociências do portal Casa das Ciências Areias: Geologia em Peças Separadas uma ferramenta interactiva para o ensino de Geociências do portal Casa das Ciências Joana Rodrigues Mário Cachão Joana Paulo Mónica Mateus Pedro Silva Introdução O presente

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO APRESENTAÇÃO PARA A FEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES EM TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS E AFINS - FNTTAA 15/09/2010 SUMÁRIO A AUTORIDADE MARÍTIMA MISSÃO ÁREA

Leia mais

Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO

Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO SÍNTESE METODOLÓGICA Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO

Leia mais

LEI DA ÁGUA (Lei nº 58/2005) E LEI DA TITULARIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS (Lei nº 54/2008) António Gonçalves Henriques 1

LEI DA ÁGUA (Lei nº 58/2005) E LEI DA TITULARIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS (Lei nº 54/2008) António Gonçalves Henriques 1 LEI nº 58/2005 LEI DA ÁGUA, 29/12 LEI nº 54/2005 TITULARIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS, 15/11 António Gonçalves Henriques António Gonçalves Henriques 1 Lei nº 54/2005 Âmbito: águas, leitos e margens, zonas

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies.

AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies. AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies. Navio: deriva do latim navigium; o navio é juridicamente uma coisa; no estaleiro, já possui existência real; reconhecido

Leia mais

Conselho de Parceiros

Conselho de Parceiros Conselho de Parceiros 26 de Novembro de 2010 Centro Cultural e de Congressos de Aveiro 15 de Outubro de 2010 - Centro Cultural e de Congressos de Aveiro Acção 1 - Intervenção Psicossocial Acompanhamento

Leia mais

Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos

Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear MEDAO-SUPERTUBOS Código da Água Balnear PTCF2K Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Atualização maio 2013 Departamento

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE ATIVIDADES DE AR LIVRE

O QUE DEVE SABER SOBRE ATIVIDADES DE AR LIVRE O QUE DEVE SABER SOBRE ATIVIDADES DE AR LIVRE 2 O QUE DEVE SABER SOBRE AS ATIVIDADES DE AR LIVRE Nos últimos anos, tem-se verificado um aumento de praticantes de atividades de ar livre em Portugal. Entre

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha

Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear FONTE DA TELHA Código da Água Balnear PTCX7L Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

86º Aniversário. 4-Campanhas operacionalidade». 5-Dia da Defesa Nacional. Bole m Mensal Informa vo

86º Aniversário. 4-Campanhas operacionalidade». 5-Dia da Defesa Nacional. Bole m Mensal Informa vo 86º Aniversário Foi na segunda-feira (dia 15) que a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vagos (AHBVV) comemorou o seu 86º aniversário. De forma «simples, mas sentida», internamente, a efeméride

Leia mais

II Bienal de Turismo dos Açores

II Bienal de Turismo dos Açores II Bienal de Turismo dos Açores Graciosa 29 de Outubro a 1 de Novembro 2009 Instrutor de Mergulho Cumprimentos: Organização da I e II Bienal da Graciosa Agroprome ART CM Graciosa - Entidades A todos que

Leia mais

Plano para o Desenvolvimento do Turismo Náutico no Alentejo e Ribatejo. Agenda. Matriz de Actividades - Eixos Territoriais (Nível III)

Plano para o Desenvolvimento do Turismo Náutico no Alentejo e Ribatejo. Agenda. Matriz de Actividades - Eixos Territoriais (Nível III) Plano para o Desenvolvimento do Turismo Náutico no e Ribatejo fernando.completo@eshte.pt fernando.moreira@eshte.pt joao.reis@eshte.pt nuno.gustavo@eshte.pt Agenda Análise SWOT Matriz de Actividades - Eixos

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 9.537, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1997 O Presidente da República Dispõe sobre a segurança do tráfego aquaviário em águas sob jurisdição nacional e dá outras providências. DOU 12.12.97 Faço saber que o

Leia mais

AFOGAMENTOS EM CRIANÇAS E JOVENS ATÉ AOS 18 ANOS, EM PORTUGAL

AFOGAMENTOS EM CRIANÇAS E JOVENS ATÉ AOS 18 ANOS, EM PORTUGAL APSI Afogamentos de Crianças Principais Resultados 2002/2010 www.apsi.org.pt 1/6 AFOGAMENTOS EM CRIANÇAS E JOVENS ATÉ AOS 18 ANOS, EM PORTUGAL 2002 2010 RESUMO E PRINCIPAIS CONCLUSÕES I Introdução O afogamento

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59, de 28.06.80 - DCN de 03 de julho de 1980

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59, de 28.06.80 - DCN de 03 de julho de 1980 Convênio sobre Transportes Marítimos entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da China Assinado em 22 de maio de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59,

Leia mais

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO Arlindo Zandamela Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM) Lisboa, Portugal Zandamela.arlindo@gmail.com Sumário

Leia mais

ABC do Trabalho. em Embarcações CONATPA

ABC do Trabalho. em Embarcações CONATPA ABC do Trabalho em Embarcações CONATPA O que é um trabalhador aquaviário? É todo trabalhador com habilitação certificada pela autoridade marítima para operar embarcações em caráter profissional. São eles

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22 Profº André Tomasini Clima Fatores de influência do Clima Latitude; Altitude; Continentalidade / Maritimidade; Correntes Marinhas; Massas de

Leia mais

Introdução da região:

Introdução da região: Porto Santo Introdução No âmbito das disciplinas de TIAT e TCAT, abordaremos o tema Porto Santo referente ao Desenvolvimento Turístico Com este trabalho pretendemos aprofundar e adquirir conhecimentos

Leia mais

Guia de apoio sobre a titularidade dos Recursos Hídricos

Guia de apoio sobre a titularidade dos Recursos Hídricos RECURSOS HÍDRICOS Guia de apoio sobre a titularidade dos Recursos Hídricos setembro de 2014 AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE Guia de apoio sobre a titularidade dos recursos hídricos preparado por Departamento

Leia mais

Escola Secundária da Maia Técnico de Manutenção industrial de Electromecânica

Escola Secundária da Maia Técnico de Manutenção industrial de Electromecânica Escola Secundária da Maia Técnico de Manutenção industrial de Electromecânica Introdução Ao longo deste trabalho, vamos falar de um gravíssimo problema ambiental, A NIVEL MUNDIAL! que poucos ou quase ninguém

Leia mais

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de Hidrografia Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de água. É uma área e, como tal, mede-se em

Leia mais

UMA VISÃO! HOLÍSTICA DO ISCIA

UMA VISÃO! HOLÍSTICA DO ISCIA 2013.11.14 II Congreso ÂNCORA FEEM - Fórum Empresarial da Economia do Mar UMA VISÃO! HOLÍSTICA DO ISCIA Armando Teixeira Carneiro! Director do ISCIA Instituição portuguesa de ensino superior, do subsistema

Leia mais

Parte Complementar B Plano de Participação Pública

Parte Complementar B Plano de Participação Pública 2 Índice 1 Enquadramento...5 2 Etapas do PPP...7 3 Objectivos...9 4 Identificação e perfil das partes interessadas... 10 4.1 Âmbito de envolvimento... 10 4.2 Identificação das partes interessadas... 10

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

Guia de apoio sobre a titularidade dos Recursos Hídricos

Guia de apoio sobre a titularidade dos Recursos Hídricos RECURSOS HÍDRICOS Guia de apoio sobre a titularidade dos Recursos Hídricos julho 2013 AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE Guia de apoio sobre a titularidade dos recursos hídricos preparado por Departamento

Leia mais

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos É na faixa litorânea em que se encontra situada uma parcela significativa dos bens públicos, uma vez que, por disposição contida na Constituição Federal de 1988,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INSTITUTO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE AQUACULTURA DEPARTAMENTO DE APOIO A PRODUÇÃO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INSTITUTO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE AQUACULTURA DEPARTAMENTO DE APOIO A PRODUÇÃO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INSTITUTO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE AQUACULTURA DEPARTAMENTO DE APOIO A PRODUÇÃO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES REALIZADAS EM GAZA IDENTIFICAÇÃO DE ZONAS PARA CULTIVO DE BIVÁLVES

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS

A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS NOVEMBRO 2014 ÍNDICE 01. A REDE NACIONAL DE PLATAFORMAS LOGISTICAS 01. INTRODUÇÃO 02. PRIORIDADES NA CONSTRUÇÃO DE NOVAS 02.

Leia mais

A actividade piscatória em Portugal

A actividade piscatória em Portugal A actividade piscatória em Portugal I. Localização dos principais portos de pesca do país Guião do Aluno 1. Abre o Google Earth e na Opção de Viajar escreve Porto de Viana do Castelo e depois clica na

Leia mais

Agenda da Apresentação

Agenda da Apresentação Agenda da Apresentação Enquadramento SWOT Pontos fortes Pontos fracos Ameaças, riscos e constrangimentos Oportunidades O desafio para Portugal Fatores críticos de sucesso O projeto de Desenvolvimento da

Leia mais

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R:

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R: Data: / /2014 Bimestre: 3 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 6 1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

Entidade Promotora: Co-Financiamento:

Entidade Promotora: Co-Financiamento: AGENDA 21 LOCAL Quem somos..? EGA Autarquia FÓRUM Agenda XXI Local para quê!? Identificar os pontos fortes e fracos a nível social, económico e ambiental; Sensibilizar e mobilizar a população local para

Leia mais

Geografia e Ecologia das salinas

Geografia e Ecologia das salinas Geografia e Ecologia das salinas Salinas litorais e salinas interiores; outras formas de obter o sal Distribuição das salinas na Europa Distribuição das salinas em Portugal Aqui houve sal salinas desaparecidas,

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA DAS CASAS BRANCAS DO LITORAL ALENTEJANO E COSTA VICENTINA

CARTA DE QUALIDADE EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA DAS CASAS BRANCAS DO LITORAL ALENTEJANO E COSTA VICENTINA CARTA DE QUALIDADE EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA DAS CASAS BRANCAS DO LITORAL ALENTEJANO E COSTA VICENTINA I. CRITÉRIOS IMPERATIVOS Comprometo me a cumprir todos os critérios aqui descritos como imperativos,

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 6/A/01 [Artigo 20º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril]

RECOMENDAÇÃO N.º 6/A/01 [Artigo 20º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] Número: 6/A/01 Data: 18.04.2001 Entidade visada: Ministro do Ambiente Assunto: Taxa de ocupação de terrenos ou planos de água Decreto-Lei n.º 47/94, de 22 de Fevereiro. Área: A2 Processo R-816/99 (A2)

Leia mais

Caracterização do GAC do Barlavento do Algarve Estratégia

Caracterização do GAC do Barlavento do Algarve Estratégia GAC Barlavento do Algarve Índice Caracterização do GAC do Barlavento do Algarve Estratégia Estrutura de Investimento Concursos Áreas de interesse dos Promotores Medidas para estimular o Eixo 4 Obstáculos

Leia mais

Hidrografia Brasileira

Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA BRASILEIRA 1 O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Programa de Execução e Plano de Financiamento Janeiro 2014

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Programa de Execução e Plano de Financiamento Janeiro 2014 PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO DO PLANO PORMENOR DA MARGEM DIREITA DA FOZ DO RIO JAMOR - OEIRAS Câmara Municipal de Oeiras ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJECTIVOS DO PP... 2 2.1 Objectivos

Leia mais

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado;

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado; 7. Condicionantes De acordo com a legislação em vigor existe um conjunto de figuras legais que de algum modo, condicionam o território ou constituem servidões administrativas e outras restrições de utilidade

Leia mais

guia para empresários e empreendedores

guia para empresários e empreendedores Animação Turística guia para empresários e empreendedores Animação Turística guia para empresários e empreendedores Índice pág. 1. Agentes 2. Requisitos para o exercício da atividade 2.1. Seguros 2.2.

Leia mais

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde ABRIL DE 2009 Índice Apresentação da ELECTRA, SA Papel da empresa

Leia mais

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A HIDROGRAFIA BRASILEIRA O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

atividadedas empresas de animação turística e dos operadores marítimo-turísticos

atividadedas empresas de animação turística e dos operadores marítimo-turísticos NÁUTICA DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E CULTURA MARÍTIMA Carla Abreu Registo Nacional de Agentes de Animação Turística - RNAAT- (DL 108/2009 de 15 de Maio) Estabelece as condições de acesso e de exercício

Leia mais

O PAGAMENTO DE ROYALTIES A MUNICÍPIOS AFETADOS POR CITY GATES PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA

O PAGAMENTO DE ROYALTIES A MUNICÍPIOS AFETADOS POR CITY GATES PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA O PAGAMENTO DE ROYALTIES A MUNICÍPIOS AFETADOS POR CITY GATES PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA MAIO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Legislação 3. Antes e depois da criação da ANP 4. Conclusões

Leia mais

9 o 25b 00n 39 o 41b 10n 9 o 25b 00n 38 o 40b 40n 9 o 16b 50n 38 o 34b 50n. 9 o 12b 00n 38 o 24b 30n

9 o 25b 00n 39 o 41b 10n 9 o 25b 00n 38 o 40b 40n 9 o 16b 50n 38 o 34b 50n. 9 o 12b 00n 38 o 24b 30n N. o 213 14 de Setembro de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 6441 3. o A eficácia da concessão está dependente de prévia sinalização, de acordo com as condições definidas nas Portarias n. os 1103/2000

Leia mais

nas três categorias: Desporto, Turismo e Cultura; Novos Usos e Recursos do Mar; Pesca, Aquicultura

nas três categorias: Desporto, Turismo e Cultura; Novos Usos e Recursos do Mar; Pesca, Aquicultura 16 projetos de jovens vão à final Iniciativa, o mote foi partir de (boas) ideias para criar projetos, viáveis, ligados ao mar. São 16 os finalistas, escolhidos entre 460 universitários de todo o País.

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DA NAZARÉ EDITAL N.º1/2011

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DA NAZARÉ EDITAL N.º1/2011 S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DA NAZARÉ EDITAL N.º1/2011 INSTRUÇÕES PARA A NAVEGAÇÃO E PERMANÊNCIA NO ESPAÇO DE JURISDIÇÃO MARÍTIMA DA CAPITANIA

Leia mais

LIBERTY VELA FICHA DE PRODUTO

LIBERTY VELA FICHA DE PRODUTO FICHA DE PRODUTO O Liberty Vela é um Seguro de Embarcações Particulares de Recreio que garante os danos de Pequenas é Medias Embarcações à Vela, dos respectivos ocupantes, bem como danos causados a terceiros.

Leia mais

ARIEM testa eficácia do 112 Simulacro de naufrágio no rio Minho

ARIEM testa eficácia do 112 Simulacro de naufrágio no rio Minho ARIEM testa eficácia do 112 Simulacro de naufrágio no rio Minho Revista de Imprensa 15-05-2014 1. (PT) - Diário do Minho, 15052014, Projeto de 112 transfronteiriço NorteGaliza a funcionar em pleno em junho

Leia mais

Como se deve utilizar a praia?

Como se deve utilizar a praia? Como se deve utilizar a praia? O que é correcto fazer Escolha preferencialmente zonas balneares, ou seja, praias cuja qualidade das águas é monitorizada regularmente, e que estejam classificadas como boas

Leia mais

A implantação de sistemas específicos de financiamento, baseados na contribuição e solidariedade dos consumidores e dos poluidores, se impõe para garantir a realização em cada bacia dos programas prioritários

Leia mais

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO O Transporte Hidroviário é o mais antigo do mundo. Subdivide-se em: - Transporte Marítimo: executado pelos mares, normalmente transportes internacionais

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS

COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS RELATÓRIO DE ANÁLISE AOS INQUÉRITOS DE INGRESSO DOS NOVOS ALUNOS

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, ao Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2007, que transfere ao domínio do Estado do Amapá terras pertencentes

Leia mais

EstratégiaNacionalparaoMar2013-2020

EstratégiaNacionalparaoMar2013-2020 RelatóriodaPonderaçãodoProcessodeDiscussãoPúblicada EstratégiaNacionalparaoMar2013-2020 Relatório da Ponderação do processo de Discussão Pública da Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 1. Introdução

Leia mais

RECURSOS HUMANOS. Técnico ambiental Analista ambiental. Estagiário 2. Contrato temporário (brigadista)

RECURSOS HUMANOS. Técnico ambiental Analista ambiental. Estagiário 2. Contrato temporário (brigadista) RECURSOS HUMANOS Cargo Quantidade Técnico ambiental Analista ambiental 3 4* Estagiário 2 Contrato temporário (brigadista) 14 Ameaças Criação de gado no entorno (Centro-sul da Ilha do Bananal); Ameaças

Leia mais

Esta exposição é composta por 6 telas e procura consciencializar a população escolar, para a proteção dos direitos dos animais.

Esta exposição é composta por 6 telas e procura consciencializar a população escolar, para a proteção dos direitos dos animais. ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MUNICÍPIO DE ALBUFEIRA PROGRAMA BANDEIRA AZUL 2012 LISTA DE ATIVIDADES Exposição Dia Mundial do Animal; Projeto Escola Limpa, Espaço Seguro; Projeto Coastwatch; Painel

Leia mais

Corrente navegável - a que for acomodada à navegação, com fins comerciais, de embarcações de qualquer forma, construção e dimensões.

Corrente navegável - a que for acomodada à navegação, com fins comerciais, de embarcações de qualquer forma, construção e dimensões. DOMÍNO HÍDRCO CONCETOS E NORMAS Para uma melhor compreensão da extensão dos bens que integram a componente dos terrenos do domínio hídrico torna-se necessário especificar alguns conceitos (conceito de

Leia mais

Trabalho Prático. Breve descrição de conceitos e desenvolvimento teórico da temática

Trabalho Prático. Breve descrição de conceitos e desenvolvimento teórico da temática Trabalho Prático Designação do Projecto Proposta de Valorização da Zona Ribeirinha do Montijo Tema Cidades Saudáveis e Respostas Locais Breve descrição de conceitos e desenvolvimento teórico da temática

Leia mais

Revista de Imprensa. Resgate de tripulante a quase 600 Km da Terceira

Revista de Imprensa. Resgate de tripulante a quase 600 Km da Terceira Revista de Imprensa Resgate de tripulante a quase 600 Km da Terceira Quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2014 ÍNDICE Título Fonte Data Pág/Hora Homem com 46 anos evacuado de um barco nos Açores correiodosacores.net

Leia mais

TARIFA AUTOMÓVEL 2009

TARIFA AUTOMÓVEL 2009 1 Tarifa Automóvel 2009 ENQUADRAMENTO Encontrando-se a actividade seguradora exposta a uma conjuntura económica e de mercado que tem conduzido a uma contracção dos prémios de seguro, é imperioso que todos

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

Revista de Imprensa. Força Aèrea realiza missões de busca e salvamento

Revista de Imprensa. Força Aèrea realiza missões de busca e salvamento Revista de Imprensa Força Aèrea realiza missões de busca e salvamento Quinta-feira, 26 de Dezembro de 2013 ÍNDICE Título Fonte Data Pág/Hora Tripulante de navio do Sri Lanka caiu ao mar no Bugio Tripulante

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se a toda a área portuária e tem como objectivo

Leia mais