RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS: A VARIÁVEL FINANCEIRA E A DINÂMICA DE MERCADO COl\-fO REGRA DE LIQUIDAÇÃO DE CRÉDITOS PROBLEMÁTICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS: A VARIÁVEL FINANCEIRA E A DINÂMICA DE MERCADO COl\-fO REGRA DE LIQUIDAÇÃO DE CRÉDITOS PROBLEMÁTICOS"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÁO PÚBLICA E DE EMPRESAS CENTRO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E PESQUISA CURSO DE MESTRADO EXECUTIVO RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS: A VARIÁVEL FINANCEIRA E A DINÂMICA DE MERCADO COl\-fO REGRA DE LIQUIDAÇÃO DE CRÉDITOS PROBLEMÁTICOS DrSSERTAÇÃO APRESENTADA À ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EDUARDO DE OLIVEIRA MARTINS Rio de Janeiro 2001

2 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CENTRO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E PESQIDSA CURSO DE MESTRADO TÍTULO RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS: A VARIÁVEL FINANCEIRA E A DINÂMICA DE MERCADO COMO REGRA DE LIQIDDAÇÃO DE CRÉDITOS PROBLEMÁTICOS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO APRESENTADA POR: EDUARDO DE OLIVEIRA MARTINS E APROVADO EM 13/1 1/2001 ISTV ~~P PhD EM BUSINESS ADMINISTRA TION ~.f/7,<;:. FE;tgG0íum~ TENÓ~ DOUTOREM ENGENHARIA DA PRODUÇÃO rrj~ eu.o~.~. WAL TER LEE NESS JÚNIOR PhD EM MANAGEMENT

3 11 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS EBAPE - ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CENTRO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E PESQUISA Eduardo de Oliveira Martins Recuperação de Créditos: A Variável Financeira e a Dinâmica de Mercado como Regra de Liquidação de Créditos Problemáticos Dissertação apresentada para a obtenção do título de Mestre em Gestão Pública/Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas. Orientador: Praf. Istvan Karaly Kasznar - PhD. BRASíLIA

4 111 AGRADECIMENTOS Um sincero obrigado. Aos colegas de curso, que, pela amizade e companheirismo, sempre prestaram o apoio nece>sário para um excelente aproveitamento dos estudos. Ao professor Istvan que, sempre prestativo e atencioso, soube administrar com excelência as contingências e etapas do processo de orientação, conferindo importantes nortes para o desenvolvimento das linhas científicas objeto deste estudo. Aos professores Fernando Tenório e Walter Ness, pela importante colaboração para a fonna final do trabalho. Aos funcionários da Fundação Getúlio Vargas, em especial da EBAP, pela atenção e cortesia no trato do nosso dia a dia acadêmico. Ao Banro do BrasiL pelo apoio financeiro e institucional. Ao Conglomerado Goldman Sachs, inclusive empresas delegadas no Brasil, em especial nas pessoas de Brad Gillman, Nicolas Kogan, Salman Khan, Lance West, Edemar Dalmaso, Milton Betenheuser, Nilton Neves e Ulisses Rodrigues, pela oportunidade de mostrar, na prática, os conceitos técnicos de mercado inerentes ao dia a dia de uma empresa privada de administração de créditos. Aos colegas de trabalho, pela colaboração pennanente e esportânea. Ao Sr. Edísio e Sra. Teresinha, pelo exemplo de serenidade, honestidade e de valorização da família.

5 IV A Téia, amor e companheira de todas as horas e tempestades. Aos amigos Valmir e Cássia, que sempre prestaram o apoio moral e técnico para a conclusão deste trabalho.

6 v SUMÁRIO Página LISTA DE ILUSTRAÇÕES... VIII RESUMO... X 1. INTRODUÇÃO Prop'lsitos e Objetivos do Estudo Resultados Esperada;: Hipóteses Fundamental e Secundária Delimitação do Estudo Metodologia BANCO DO BRASIL: ORGANIZAÇÃO ESTRUTURAL, INSUMOS E PROCESSOS Organograma: Foco no Cliente Áreas de Desenvolvimento da Dissertação O PROBLEMA Primeira Questão: as barreiras legais Segunda Questão: a titularidade da carteira Objetivos do Estudo PARADOXOS E PARADIGMAS O Valor dadívida & Capacidade de Pagamento O Paradoxo do "Dever de Diligência" do Administrador Público & Expectativa de Retorno (Custo de Oportunidade) Dimensionamento Orçamentário da Departamentalização da Cobrança: Custos Invisíveis da Manut. e Adm de Créditos Problemáticos Análise de Alternativas... 35

7 VI 5. A INADIMPLÊNCIA E A RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS NO BB Fases do Processo de Crédito e Acionamento da Equipe de Recuperação A Origem da Inadimplência Estudos Acadêmicos sobre Causas da Inadimplência Criticas à Avaliação de Causas da Inadimp. no Sistema Bancário Brasileiro A Abordagem da "Cultura da Inadimplência" O Processo de Crédito como Co-Resprnsável pela Inadimplência INADIMPLÊNCIA: EFEITO CONTÁBIL E PROCESSO NEGOCIAL Como o BB passa a tratar as dívida vencidas e os respectivos devedores A Situação Contábil O Processo NegociaI no BB: o Conceito Patrimonial O DILEMA DA RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS: O CUSTO DE OPORTUNIDADE E O DEVER DE DILIGÊNCIA Considerações Legais sobre o Dever de Diligência O Uso do Conceito de Custo de Oportunidade e Economia Futura como Instrumentos de Recuperação de Créditos A EXPERIÊNCIA DAS COMPANHIAS SECURITIZADORAS DE CRÉDITOS FINANCEIROS: FOCO ESTRATÉGICO E ÚNICO NA RECUPERAÇÃO As Vantagens do Modelo de Cessão de Créditos Problemáticos para Emissores Primários (Bancos) Atuação Segmentada: o Foco em Diferentes Grupamentos de Créditos... 93

8 VIl 8.3 Os Instrumentos de Medição da Eficiência da Recuperação de Créditos: Foco ejti Resultados A Outras Medidas de Avaliação Paralela CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE Resolução BACEN 2.686, de 26 de janeiro de Resolução BACEN 2A71, de 26 de fevereiro de Lei 8.429, de 02 de junho de lia Lei 8.443, de 16 de julho de Lei 9.138, de 29 de novembro de Lei 9.430, de 27 de dezembro de

9 V1l1 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Lista de Quadros Página Quadro 1 - Composição Acionária Quadro 2 - Diretoria de Finanças Quadro 3 - Controladcria Quadro 4 - Fases do Processo de Crfdito Quadro 5 - Recovery Rates Quadro 6 - Performance Citibank - "Workout" a partir do vencimento Quadro 7 - Performance securitizadora - "Workout" a partir da aquisição Quadro 8 - Paralelos entre recuperação de créditos em bancos e securitizadoras Lista de Figuras Figura I - Organograma Figura 2 - Desempenho das Operações Ativas Figura 3 - Estimativa do Estoque de Créditos Problemáticos Figura 4 - Retomo do Acionista Figura 5 - Causas da Inadimplência - Amostra 200 casos Figura 6 - Fluxo Contábil da Dívida Figura 7 - Linha de Negociação de Dívidas segundo o Conceito Patrimonial Figura 8 - Fluxograma de Avaliação da Diligência Administrativa

10 IX Figura 9 - Critérios de Precificação de Dívidas Figura 10 - Etapas da Segmentação Figura 11 - Compararativo das Curva;;; de Recuperação

11 x RESUMO A presente dissertação tem a finalidade de consolidar o objeto de estudos acadêmicos feitos em face do Curso de Mestrado e realizados pelo autor com base na situação hodierna enfrentada pelo no Banco do Brasil S.A na área de Recuperação de Créditos. A dissertação aduz a caracterização da organização após sua reforrnulação estrutural ocorrida em 1995 e aborda a problemática da inadimplência dos empréstimos concedidos pelo Banco no passado, sugerindo urna análise mais aprofundada do paradoxo "dever de diligência" versus geração de caixa por meio da securitização de créditos em prejuízo e o emprego de alternativas negociais heterodoxas e inovadoras de mercado, fundamentada no conceito financeiro de custo de oportunidade.

12 1. INTRODUÇÃO Em tempos de Real, nunca um assunto esteve tão em voga no meio econômico quanto o problema da inadimplência generalizada que assola o País. Se, por um lado, a estabilidade da economia propiciou pequena melhoria da qualidade de vida da classe de baixa renda e a estagnação da inflação em patamares abaixo de um dígito, por outro, o setor produtivo vive o dilema da recessão decorrente de diversos fatores, que vão desde a crise vivida pelos parceiros do Mercosul, sobretudo a Argentina e o Uruguai, o "fantasma" do racionamento de energia até o impacto de medidas monetárias e cambiais representadas, respectivamente, pela manutenção das taxas de juros em patamares elevados e a alta volatilidade do mercado cambial, isso sem contar aspectos mais pontuais, como é o caso da "Tensão Pré Eleitoral". Obviamente, a ação de todas essas variáveis econômicas acaba por impactar diretamente os integrantes do setor produtivo, que ao se vaticinar qualquer vestígio de crise, vêem-se no centro de um furacão econômico cujas conseqüências devastadoras são constatadas no aumento do número de cheques emitidos sem a devida provisão de fundos, no recrudescimento dos registros restritivos ao crédito nas agências de proteção às empresas e, dentre diversos outros termômetros, no acúmulo de protocolos de concordatas ou mesmo convolações em falência de solicitações preventivas anteriores. O principal -e maléfico- efeito da recessão é a inadimplência do consumidor em relação ao seu crediário, ao seu fornecedor, ao seu banco e ao próprio Estado, motivada pelo desemprego ou arrefecimento do mercado. O trabalho em apreço reúne, em seu escopo, a problemática da inadimplência vivida e administrada por um credor bancário dos setores produtivos e conumidores: o Banco do Brasil. Sugere abordagem histórica à questão da inadimplência e a relaciona com a existência, na atualidade, de elevados estoques de dívidas vencidas e impagas, registradas nas contas de provisão e perdas da instituição financeira.

13 2 Discute, ainda, a falta de eficácia da atual estrutura designada pelo Banco para o trato do problema da inadimplência, calcada essencialmente em limitações legais e antigos paradigmas e paradoxos que impedem urna atuação mais combativa dos negociadores. A abordagem apresentada pelo autor estabelece, ainda, relação de causa e conseqüência da inadimplência no Banco com o processo de crédito amplamente empregado pelo Sistema Financeiro Nacional, inclusive pelo próprio Banco do Brasil, e com as ações de cobrança utilizadas quando do vencimento das dívidas, cuja timidez, no passado, ensejou a instituição e disseminação da cultura da inadimplência (idéia de que dever a um banco público pode ser urna grande vantagem). o autor sugere, ainda, que o tratamento da dívida vencida merece análise diferenciada e segregada daquela utilizada no processo de crédito, quando se estuda urna proposta de empréstimo e se estima urna receita obtenível pelo Banco com a operação. Afinal, urna dívida vencida representa, no mínimo, a confirmação de que o nsco analisado quando da concessão do financiamento se transformou, agora, na iminência de perda financeira para o Banco e que qualquer esforço de recuperação deve ser dinâmico e estar despido dos conceitos financeiros que deram origem ao empréstimo (expectativa de realização de urna receita de juros). Nessa linha de pensamento, o autor, corno tentativa de colaborar com os esforços da empresa para solucionar o hodierno elevado estoque de dívidas vencidas, alvitra alternativas e conceitos de solução das pendências com base na premissa do custo de oportunidade -agora ajustado a urna visão de risco-, além de mostrar corno as propaladas securitizações de créditos podem servir como chave para melhor gerenciamento da relação custolbeneficio da administração de carteiras de créditos problemáticos, assim corno definição de alternativas e atitudes mais agressivas de cobrança.

14 3 Um dos objetivos desse estudo é o de estabelecer uma relação entre o melhor conhecimento das carteiras de créditos problemáticos e indicativos de como tratar propostas de reestruturação de operações vencidas, tudo isso com base em premissas de avaliação de custos de gestão do portfólio, comparativos financeiros de alternativas e atuação focada na realização de dinheiro sobre ativos "engessados" em face da inadimplência. A importância dos tópicos aqui abordados servirá, como fim subsidiário, para também respaldar o administrador estatutário quanto a eventuais questionamentos de fiscalizadores externos sobre o cumprimento do dever de diligência no trato das ações de cobrança do Banco, assim como para oferecer maior conforto aos acionistas a propósito da eficiência dessas ações em horizonte estritamente financeiro. Adicionalmente, o estudo aborda uma questão inédita no País: como ver sem quaisquer desconfianças o desempenho das sociedades securitizadoras de créditos financeiros, examinando-se como a especialização na gestão de créditos problemáticos pode se mostrar como alternativa capaz de gerar excelente retomo ao acionista comparativamente ao modelo tradicional de departamentalização da recuperação de créditos dentro dos bancos originalmente emprestadores. A idéia, nesse contexto, é mostrar a diferença entre duas formas de gestão de carteiras de créditos problemáticos: a tradicional, que consiste na designação de empregados do banco credor para cobrar as dívidas não pagas; e de mercado, que envolve a precificação desses créditos e a sua venda para empresa que fará da administração dessas operações um negócio efetivamente, com geração de caixa, orçamentos e demais requisitos financeiros, econômicos e de controle para o desenvolvimento de uma atividade lucrativa. Dentre as diferenças a serem apontadas, o autor pretende mostrar que por meio dos modelos de companhias securitizadoras de créditos financeiros os bancos podem potencializar seus resultados na gestão de créditos inadimplidos de duas formas: uma primeira, denominada passiva, que consiste em gozar dos benef1cios fiscais e

15 4 financeiros advindos da simples venda da carteira; e a segunda, chamada de ativa, onde além de ter os referidos beneficios os bancos auferem rendas desse "novo negócio", por meio de previsões contratuais ou participações acionárias nas companhias securitizadoras de créditos financeiros. 1.1 Propósitos e Objetivos do Estudo o estudo pretende examinar como o problema dos créditos inadimplidos vem sendo enfrentado pelo Banco do Brasil e como alguns velhos paradigmas e temores gerenciais acabam contribuindo significativamente para a geração de um resultado insatisfatório de recuperações frente ao volume de despesas empregado para sustentar uma pesada estrutura de cobranças e administração de créditos. São estudadas, ainda, considerações de geração de ganhos para o acionista mediante privilégio do conceito do custo de oportunidade nas negociações de crédito em detrimento do que se pensa ser algumas máximas sobre dever de diligência e atos de liberalidade do decisor/negociador. É abordado, no escopo do conceito de custo de oportunidade, o impacto favorável de determinada proposta de renegociação sob o ponto de vista de economia, a valor presente, de custos futuros de administração de créditos problemáticos. É estudada, ainda, a alternativa de "privatização" da carteira de créditos como solução de mercado e geradora de resultados financeiros -a valor presente- mais atrativos para o acionista do que a manutenção da atual estrutura de administração e cobrança de créditos inadimplidos Questão Fundamental Visão tradicional: o critério patrimonial como piso intransponível para qualquer acordo, sob pena de caracterização de "atos de liberalidade'" por parte do gestor público. A cobrança de dívidas como atribuição de um departamento do Banco. Uso da criatividade e da especialização direcionados para a criação de programas globais de recuperação de créditos, sedimentados em paradigmas gerenciais e jurídicos. 1 Conceito jurídico de que "comete ato de liberalidade o gestor que propor acordos em valores inferiores aos saldos obteníveis na Justiça com a execução de garantias".

16 5 Visão atualizada: conceito de custo de oportunidade, economia em logística de administração de créditos e valor presente como determinante de solução e decisão de créditos problemáticos. Segregação -inclusive contábil- das atividades de cobrança (com foco na prestação de serviços de inteligência de soluções de problemas) da atividade bancária (com foco na intermediação financeira). Uso da inteligência corporativa na modelagem de soluções específicas e de maior impacto. 1.2 Resultados Esperados: Hipóteses Fundamental e Secundária o estudo pretende demonstrar a hipótese fundamental de que é possível maximizar os resultados financeiros da empresa e dos acionistas mediante uma gestão de créditos problemáticos mais eficiente e desprendida de preconceitos e paradigmas que atualmente só contribuem para a manutenção do engessamento do capital empregado em operações de crédito mal sucedidas. Como hipóteses secundárias, pretende-se demonstrar que: a) contrariamente ao que afirmam as abordagens jurídicas sobre a gestão de recursos ligados a empresas controladas pela União, o critério de avaliação financeira dos empréstimos problemáticos para fins de renegociações amigáveis deve prevalecer sobre a escala de perspectiva de sucesso de ações de cobrança litigiosas estabelecida com base na análise de garantias; b) existem instrumentos de mercado hoje disponíveis no mercado capazes de alavancar a posição financeira do Banco sobre as contas de operações compensadas em prejuízo ou contabilizadas em Créditos em Liquidação e, como conseqüência, de aduzir maior economia em logística e liberar capital financeiro e humano para emprego em outros negócios-fim do Banco (intermediação financeira). Para que isso ocorra, é necessário haver uma mudança severa de conceitos e avaliação criteriosa de impacto dos plano de ação voltados para recuperação de créditos sob a dinâmica do mercado.

17 6 1.3 Delimitação do Estudo o estudo foi realizado sob a definição de um diagnóstico da inadimplência histórica do Banco, as experiências empregadas anteriormente pelas diretorias na tentativa de combater esse estoque de créditos problemáticos e a visão atual dos trabalhos de recuperação. Tendo esse diagnóstico, foi empreendido trabalho de relação de tratamento da carteira de créditos vencidos pelos bancos no exterior (experiência nos Estados Unidos da América, México e Japão) com a atitude dos banqueiros brasileiros, com observações técnicas e acadêmicas pontuais sobre alguns critérios mundialmente aceitos tal como correlação próxima de sucesso de recuperação de créditos e margem de cobertura de garantias; senioridade do colateral em relação à velocidade de recuperação de créditos; índices de perda de capital em relação ao tempo de "delinqüência" de determinada operação de créditos; comportamento do volume de falências e concordatas na carteira versus perspectivas de recuperação e outros estudos afins. o estudo delimita, ainda, como as Companhias Securitizadoras de Créditos Financeiras, autorizadas a funcionar no País a partir da edição da Resolução 2.686, de fevereiro de 2000, do Banco Central do Brasil, podem se apresentar como veículo eficaz de gestão de créditos problemáticos, através do conceito de recuperação de créditos como negócio e não "oficina" de reparos atrelada à área de crédito. 1.4 Metodologia Tipo de Pesquisa Considerando os objetivos traçados para o estudo, foram realizados 2 tipos de pesquisa exploratória: ru. Levantamento de dados numéricos, da legislação aplicável e das ações pretéritas de recuperação de créditos, em que, através de dados estatísticos, se demonstra o esgotamento do modelo tradicional de gestão de créditos problemáticos.

18 7 hl Pesquisa bibliográfica: em que são abordadas as referências e as análises sobre o assunto realizadas por especialistas Coleta dos Dados A coleta dos dados foi realizada por meio de: pesquisa de campo com relato de fatos vivenciados pelo autor no período em que era gestor de carteiras no Banco do Brasil e atual, em que gerencia a única Companhia Securitizadora de Créditos Financeiros independente do País, controlada pelo Goldman, Sachs & Co; pesquisa documental mediante o acesso a documentos internos das empresas, como reportes de performance na cobrança de créditos vencidos; pesquisa bibliográfica em livros, periódicos, teses e dissertações com dados e informações pertinentes ao assunto Universo e Amostra Quanto aos dados numéricos, elaborou-se correlação entre os critérios e remédios utilizados pelos negociadores do Banco no passado e e seu impacto nos números alusivos ao estoque de créditos vencidos. Quanto à legislação aplicável ao negócio de gestão de carteiras, mostrou-se a diferença legal entre o veículo detentor de carteiras cedidas (Cias. Securitizadoras de Créditos Financeiros) e o credor primário, assim como os impactos nas demonstrações financeiras de cada um. Foi utilizada, ainda como amostra, o comportamento da carteira de créditos vencidos da Cia Securitizadora Rio Paraná no periodo de um ano após a cessão de carteiras no segmento de dívidas estruturadas e customizadas, contratadas originalmente junto a um Banco Público: o Banestado. A pouca bibliografia disponível sobre a matéria foi selecionada e levantada a partir de estudos de especialistas que se dedicaram ao assunto.

19 8 2. BANCO DO BRASIL: ORGANIZAÇÃO ESTRUTURAL, INSUMOS E PROCESSOS o Banco do Brasil S.A é uma sociedade anônima de economia mista, tendo a Secretaria do Tesouro Nacional como acionista majoritário. Atua no mercado financeiro na forma de Conglomerado e é classificado como autoridade de apoio do Sistema Financeiro Nacional - SFN. Além do Governo Federal, os principais acionistas do Banco são as associações de minoritários, o fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil (PREVI), e o BNDESPAR. Em , o quadro societário do Banco poderia ser assim visualizado: Composição Acionária Acionista 1- Tesouro Nacional 2- PREVI 3- BNDESPAR 4- Minoritários Total Ações ON (%) 73,23% 11,17% 2,68% 12,92% 100,0% Fonte: balancete contábil publicado pela instituiç ão em Ações PN (%) 70,10% 16,8% 0,32% 12,78% 100,0% Participação Geral (%) 71,85% 13,64% 1,64% 12,87% 100,0% Trata-se de Conglomerado por conceituação do Banco Central do Brasil, que assim classifica os agentes integrantes do Sistema Financeiro Nacional que operam em diversas carteiras por meio de subsidiárias integrais (Fortuna, 1997:35). O Banco do Brasil opera na carteira comercial e, por meio de subsidiárias integrais, nas carteiras financeira (BB-Financeira), de arrendamento mercantil (BB-Leasing), de investimento (BB Investimentos), de cartões de crédito (BB Cartões) e de distribuição de títulos e valores mobiliários (BB-DTVM). É considerado autoridade de apoio do Sistema Financeiro Nacional por, dentre outras atribuições, centralizar os serviços de compensação de cheques e outros papéis e ser o agente de financiamento da agricultura do Governo Federal. No passado, chegou a participar do Conselho Monetário Nacional -entidade máxima do Sistema Financeiro Nacional- e a centralizar as operações de caixa do Tesouro Nacional: a conhecida conta-movimento.

20 9 o Banco do Brasil é o maior agente financeiro nacional em volume de ativos e tem como objetivo precípuo fomentar a produção nacional, fortalecer o mercado financeiro e incentivar o comércio exterior, através de operações ativas e passivas (Nova Arquitetura Organizacional do Banco do Brasil, 1996). Como qualquer agente integrante do Sistema Financeiro Nacional, o negócio do Banco deriva da intennediação financeira. Nesse sentido, o Banco busca intennediar transações entre os agentes econômicos superavitários (poupadores) e os agentes deficitários (investidores) através de seu portfólio de produtos e serviços. O Banco do Brasil contava, até 30/06/2002, com pontos de atendimento, dos quais integrados ao sistema on-line. Além disso, existem tenninais de saque, tenninais de extrato e 696 quiosques Banc024Horas. No exterior, o Banco mantém 32 unidades. Seu Conselho de Administração, fonnado por cinco integrantes, é dividido da seguinte fonna: 01 (dois) representantes do Governo Federal; 02 (dois) representantes da Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil - PREVI e dos acionistas minoritários; e 01 (um) representante do corpo funcional. A Diretoria Executiva é exercida por um presidente e seis vice-presidentes, estes liderando as áreas de Crédito Geral, Recuperação de Crédito, Seguridade, Recursos Humanos, Distribuição, Recursos Tecnológicos, Varejo, Crédito Rural, Relacionamento com o Governo, Finanças, Relações com o Mercado, Comercial e Internacional. 2.1 ORGAl'lOGRAMA: Foco NO CLIENTE o Organograma do Banco do Brasil foi estabelecido com o objetivo de propiciar foco no cliente e no resultado, por meio da interação entre o Conselho Diretor, o Stafl a Unidades de Negócios e as Unidades de Função.

21 10 Vale destacar que, na prática, cada Diretor é responsável pela coordenação de detenninadas unidades de negócios e de função. Em reuniões com os comitês das unidades, fixa metas e objetivos, além de estruturar estratégias para os negócios em foco, dos quais cada unidade é responsável. Assim, sob supervlsao do diretor, a Unidade de Negócios desenvolve suas atividades, interagindo com as Unidades de Função e com as demais células negociais. Controla seu orçamento (a partir de limites definidos pela UA Controladoria) e gerencia seu portfólio. o modelo não impede, todavia, que o Conselho Diretor reunido venha debater assuntos inerentes a detenninada unidade de função ou de negócio e tomar, assim, uma decisão colegiada. Conselho de Administraçãc I- ~I Auditoria I I SECEX I II ii Conselho Diretor 1/): Oi õ i 'o i Cli Q)! z'......: I/) w I/) Q) "t:i ra :2 c: :::> I z I/) w :::> ii I Jurídico I H~ 1I I... ~... ~... ~.. ~... ~... ~.. ~... t... ~... ~... ~.. ~... ~.~... T.'...,: ~~~~;;~~~II ~ + ~IControladorial I Marketing : --Ib'~~~~~~========~================~... ~~-'[--~~~~~~===::;!... 0.' F... ~... === I Varejo it--+-~i Governo I o Tecnologia it--+-~ Ira I Comercial it--... ~lagribusinessl ~ I Interna- I J Distribuiçãol ~ l cional I 1 'I ~ ra IMer~v~~f.- e: : ~~~~~s I ~ I Seguridade f-- Q) LL :::> Finanças It--... ~ I Infraestrutura Rec. Humanos... Crédito '=====.. ~,~==========================~

22 Áreas de Desenvolvimento da Dissertação o desenvolvimento do trabalho em apreço ocorreu na Diretoria de Finanças e na Unidade de Negócios Recuperação de Créditos. Ambas estruturas gerenciam os ativos do Banco, sendo que a pnmeira também presta consultoria em assuntos envolvendo administração financeira. As estruturas internas abrangidas no presente trabalho são três: a Diretoria de Finanças, a Unidade de Apoio Controladoria e a Unidade de Recuperação de Créditos. Veja-se: Finanças A área de finanças do Banco é dividida em duas: controladoria, que engloba a contabilidade, e a área de finanças A Diretoria de Finanças A Diretoria de Finanças tem o objetivo principal de gerenciar os ativos e passivos financeiros com o intuito de otimizar a rentabilidade a curto e longo prazos. Tem como principais funções (no país e no exterior) a gestão da liquidez financeira, de riscos (descasamentos), do fluxo de caixa, de mesas de operações e as relações com o mercado. Estruturalmente, a Diretoria de Finanças está assim organizada no Conglomerado: Administração Relações com o Tesouraria Mercado Elaboração de políticas e Relações com o mercado Administração do fluxo de administração de passivo e Relações com acionistas caixa ativo financeiro Gestão das mesas de Administração de risco operação financeiro Credenciamento e Assessoria para a descredenciamento de engenharia financeira de instituições financeiras produtos

23 A Unidade de Apoio Controladoria (Staft) A Controladoria tem o objetivo principal de propiciar aos gestores condições para o acompanhamento e controle dos resultados dos negócios, subsidiar o processo de planejamento e induzir os gestores das unidades à otimização dos resultados globais do Banco. Tem como principais funções o orçamento, a avaliação econômico-financeira do desempenho gerencial das unidades, a contabilidade e a definição de conceitos c padrões das infoffi1ações gerenciais para a base de dados. Estrutura organizacional da Controladoria: Planejamento Contabilidade Controle e Orçamentário Informações Gerenciais Proposição de planos Desenvolvimento e Acompanhamento e anuais e plurianuais manutenção de controle orçamentário orçamentários metodologia contábil e do Avaliação do desempenho Consolidação dos planos Plano de Contas e das unidades orçamentários propostos classificação contábil Desenvolvimento de pelas unidades Elaboração das sistemática para a Desenvolvimento de demonstrações financeiras obtenção de informações metodologias para Execução da contabilidade gerenciais (conceitos e elaboração de orçamentos, geral padrões; meios/tipos de contabilidade gerencial e sistemas; necessidades de medição de rentabilidade. informações nas bases de Assessorar as unidades dados centralizadas). para a análise de custos e rentabilidade Unidade de Recuperação de Créditos Trata-se de Unidade de Negócios que objetiva possibilitar ao Banco o retomo dos ativos mutuados que se encontram em atraso. Para cumprir seus objetivos, a Unidade de Recuperação de Créditos divide-se, estruturalmente, em duas áreas: técnico-administrativa e negociai. A pnmelra se incumbe da coordenação da cobrança ele dívidas, de levantamentos estatísticos sobre a inadimplência no conglomerado, de apoio

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Notas explicativas às Demonstrações Contábeis dos Planos de Assistência Médica, Hospitalar e Odontológica da Fundação Celesc de Seguridade Social do Exercício Findo em 31 de dezembro de 2011 e 2010. NOTAS

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2011 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes

Relatório dos Auditores Independentes Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 JRS/NMT/ SAD Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Ciências Contábeis e Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Auditoria Professor: Wolney Turma: A Programas de Auditoria para contas

Leia mais

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2 Análise Panorâmica Análise Panorâmica Sumário 1. Introdução... 2 2. Indicadores de desempenho... 3 2.1 Carga Tributária da Empresa - Composição Anual... 3 2.2 Grau de Endividamento Tributário... 4 2.3

Leia mais

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Estamos expostos aos efeitos das perturbações e volatilidade nos mercados financeiros globais e nas economias nos países

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A 2009 DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A [ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS] O presente documento apresenta a Estrutura de Gestão de Riscos da DREBES

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001.

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre o sigilo das operações de instituições financeiras e dá outras providências. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional O Conselho Regional de Administração de São Paulo, vinculado ao Conselho Federal de Administração,

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Honda 1 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011. Notas explicativas às Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de dezembro de. (Valores expressos em Reais) 1. Contexto Operacional A Caixa de Assistência Oswaldo Cruz FIOSAÚDE, pessoa jurídica

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS DA INDÚSTRIA EXODUS INSTITUCIONAL. 1 - Nome do Cotista 2 - Identificação do Cotista

FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS DA INDÚSTRIA EXODUS INSTITUCIONAL. 1 - Nome do Cotista 2 - Identificação do Cotista TERMO DE ADESÃO AO REGULAMENTO E CIÊNCIA DE RISCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS DA INDÚSTRIA EXODUS INSTITUCIONAL 1 - Nome do Cotista 2 - Identificação do Cotista 3 - Agência N 4 - Conta

Leia mais

Material Institucional. accent. consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre

Material Institucional. accent. consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre Material Institucional accent consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre Sobre a Accent Somos uma empresa brasileira que possui conhecimento especializado em auditoria, impostos, consultoria de gestão

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL Prof. Amaury Aranha Sumário Unidade I Unidade I Provisão para devedores duvidosos Operações financeiras (duplicatas) Unidade II Empréstimos (pré e pós) Aplicações financeiras

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

DELPHOS INFORMA. PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000

DELPHOS INFORMA. PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000 DELPHOS INFORMA ANO 6 - Nº 27 JULHO / 2000 PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000 Nota: Caso V.Sas. tenham interesse por maiores esclarecimentos

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 2.999, DE 2 DE ABRIL DE 2002

CARTA-CIRCULAR Nº 2.999, DE 2 DE ABRIL DE 2002 BANCO CENTRAL DO BRASIL Diretoria de Normas e Organização do Sistema Financeiro Departamento de Normas do Sistema Financeiro CARTA-CIRCULAR Nº 2.999, DE 2 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014.

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00 ANEXO I PREGÃO Nº 2012.12.12.1 TERMO DE REFERÊNCIA Com a especificação dos serviços de assessoria, consultoria, execução contábil, justificativas, defesas e recursos de processos administrativos junto

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Março de 2011 Gerência de Risco de Crédito Diretoria de Economia e Riscos Diretoria Executiva de Administração e Finanças Banco Cooperativo Sicredi 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008)

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) As Demonstrações Financeiras de 2007 do Berj foram publicadas no dia 22 de agosto de 2008, após serem auditadas PricewatershouseCoopers Auditores Independentes.

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

Vale do São Francisco

Vale do São Francisco Notas Explicativas da Administração às Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2015 e 2014 Cooperativa de Crédito de Livre Admissão do Vale do São Francisco Ltda. C.N.P.J 04.237.413/0001-45 Vale do São

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

O Caixa Único do Estado e a Lei de Responsabilidade Fiscal

O Caixa Único do Estado e a Lei de Responsabilidade Fiscal O Caixa Único do Estado e a Lei de Responsabilidade Fiscal Roberto B. Calazans O objetivo desse texto, dentro do princípio da transparência da Lei de Responsabilidade Fiscal, é contribuir para demonstrar

Leia mais

BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.)

BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de março de

Leia mais

Noções Básicas de Contabilidade 27-07- 2011

Noções Básicas de Contabilidade 27-07- 2011 Noções Básicas de Contabilidade Aplicada Telefonica 27-07- 2011 0 Apresentação Rogério PROCÓPIO da Cunha Programação Início 14:00 Intervalo 15:30 Retorno 15:50 Conclusão 17:30 Este material poderá ser

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES PÚBLICOS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - COOPJUD

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES PÚBLICOS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - COOPJUD COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES PÚBLICOS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - COOPJUD NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

sobre os Direitos INTERNA Departamento Data: 30/09/2014

sobre os Direitos INTERNA Departamento Data: 30/09/2014 Departamento de Ações e Custódia Metodologia de Provisionamento sobre os Direitos Creditórios Integrantes das Carte eiras dos Fundos de Investimento em Direitos Creditórios SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5 Aula 5 Provisões. Depreciação, Amortização e Exaustão. Conteúdo 6. Provisões; 2 6.1. Provisões em Geral 2 6.2. Provisões do Ativo 3 6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado 4 6.2.1.1. Instrumentos

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração 3 Balanços Patrimoniais 3 Demonstração de Resultados 4 Demonstração das Mutações 5 Demonstração das Origens 5 Notas Explicativas 6 Diretoria

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS Belo Horizonte, Novembro de 2013. Diretoria de Crédito Consignado Diretoria Executiva Comercial Diretoria Executiva Administrativa e de Atendimento

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas.

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. O Povo de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE PLANEJAMENTO, CONTABILIDADE E FINANÇAS DO ESTADO DA BAHIA

SISTEMA INTEGRADO DE PLANEJAMENTO, CONTABILIDADE E FINANÇAS DO ESTADO DA BAHIA SUMÁRIO 1. Objetivo... 1 2. Motivação e Justificativa... 1 3. Procedimentos e Contabilização no FIPLAN... 2 3.1 Inscrição Do Crédito Em Dívida Ativa Na Unidade Competente... 2 3.2 Atualização Monetária,

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS. Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS. Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado Neste estudo, procuraremos trazer algumas considerações

Leia mais

3. BANCO BANORTE 266,6 285,0 17,4 569,0. CPI Proer Capítulo III-3 100

3. BANCO BANORTE 266,6 285,0 17,4 569,0. CPI Proer Capítulo III-3 100 3. BANCO BANORTE O Banco Banorte S/A foi constituído em 05/05/1942 sob a denominação de Banco Nacional do Norte S/A. Quando da intervenção, possuía uma rede de 81 agências e um quadro de pessoal de 2.612

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO - FND (Administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES)

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO - FND (Administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES) FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO - FND Econômico e Social - BNDES) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E DE 2001 FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO - FND Econômico e Social - BNDES) DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2010 Tibagi Tibagiprev. - 1 - Índice pág. 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Diretrizes de Alocação dos Recursos 6 4 Diretrizes para Gestão dos Segmentos 8 Tibagi Tibagiprev. - 2

Leia mais

PARECER DE AUDITORIA

PARECER DE AUDITORIA PARECER DE AUDITORIA Aos Diretores da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS CORRETORES DE SEGUROS DE BELO HORIZONTE E REGIÃO METROPOLITANA LTDA CREDICORSEGS 1. Examinamos o balanço patrimonial da

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE VIDRAUTO DO BRASIL COMÉRCIO DE VIDROS E ACESSÓRIOS LTDA

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE VIDRAUTO DO BRASIL COMÉRCIO DE VIDROS E ACESSÓRIOS LTDA PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE VIDRAUTO DO BRASIL COMÉRCIO DE VIDROS E ACESSÓRIOS LTDA 1ª Vara da Fazenda Pública de Falências e Concordatas Autos nº. 001-054/2008 Nos termos da lei nº. 11.101, de 09

Leia mais

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA DE UBERABA CODIUB

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA DE UBERABA CODIUB COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA DE UBERABA CODIUB NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 e 2012 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia de Desenvolvimento de

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 3º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

9.2 Elenco de Contas. 9.1 Conceito

9.2 Elenco de Contas. 9.1 Conceito PLANO DE CONTAS NOTA: Nos capítulos 1 a 8, você estudou as noções básicas da Contabilidade; conheceu a estrutura do Patrimônio (ponto de partida para o entendimento desta Ciência); aprendeu a registrar

Leia mais