Regulação de Energia nos Países de Língua Oficial Portuguesa 29 de Maio de 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulação de Energia nos Países de Língua Oficial Portuguesa 29 de Maio de 2008"

Transcrição

1 4,5/4,5 CM 4,5/4,5 CM 4,5/4,5 CM 4,5/4,5 CM Regulação de Energia nos Países de Língua Oficial Portuguesa 29 de Maio de 2008 A LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ENERGÉTICO Professor Catedrático Convidado de Gestão Instituto Superior Técnico Professor Catedrático Convidado de Economia Portuguesa - Instituto Superior de Gestão Administrador da Sociedade Portuguesa de Inovação Tel: ; Fax:

2 Índice I. As razões económicas e sociais para a intervenção do Estado na Economia II. As políticas de concorrência e regulação III. Autoridade nacional de concorrência e reguladores económicos sectoriais - o caso português IV. Concorrência, liberalização e regulação nos sectores eléctrico e do gás a ERSE e o caso Português V. O Mercado Ibérico O MIBEL e a MIBGAS

3 I As razões económicas e sociais para a intervenção do Estado na Economia Há duas razões para a intervenção do Estado na economia, mesmo numa economia de mercado: falhas de mercado (market failures) equidade (equity) Market failures (falhas de mercado) O mercado falha na afectação eficiente dos recursos Equity (equidade) d Trata-sedumcasoemqueoEstadopodeintervir,mesmosemhaverfalhasde mercado, pelo facto do output do jogo de mercado levar a desigualdades e distorções sociais inaceitáveis

4 I As razões económicas e sociais para a intervenção do Estado na Economia I.1 - Tipos de falhas de mercado assimetrias de informação bens públicos monopólios naturais Externalidades selecção adversa (quando compradores de serviços tendem a impor custos e restrições anormais ao fornecedor ou quando os vendedores tendem a excluir certos consumidores moral hazard (prejuízo moral) quando pessoas que têm um seguro têm um incentivo para provocar o acidente que as faz receber o valor do seguro em causa

5 I As razões económicas e sociais para a intervenção do Estado na Economia Public goods (bens públicos) não rivalidade (consumo por um não exclui o consumo pelos outros) não exclusão (os utilizadores não podem ser impedidos de consumir o bem) Pi Private goods (bens privados) são rivais e exclusivos Common property goods (bens de propriedade comum) rivais mas não são exclusivos Ex: sistemas de irrigação de água Club goods (bens de clube) não rivais mas exclusivos Ex: auto-estradas e pontes com portagem

6 I As razões económicas e sociais para a intervenção do Estado na Economia Externalities (externalidades) d quando as acções de uma pessoa ou empresa prejudicam ou beneficiam terceiros externalidades negativas Ex: poluição externalidades d positivas Ex: projectos de formação profissional e de investigação e desenvolvimento tecnológico (I&DT) numa empresa Natural monopoly (monopólio natural) quando o custo unitário de fornecer um bem ou serviço para um consumidor adicional i decresce de tal forma que não faz sentido haver concorrência através de empresas alternativas. Essa concorrência só iria aumentar o custo do fornecimento Mas monopólios naturais quando são privatizados implicam regulação económica para impedir abusos de poder dominante por parte do monopolista.

7 II As políticas de concorrência e regulação REGULAÇÃO Regular é estabelecer regras para os casos em que as condições de eficiência económica não são atingidas pela livre operação das empresas privadas (falha de mercado) e por isso há uma intervenção pública. A regulação implica pois uma intervenção em sectores com a consequente regulação das empresas nesses sectores. Temos duas situações de regulação: Políticas de concorrência ou regulação horizontal ex-post Regulação económica sectorial ex-ante de monopólios públicos ou de situações em que há outras falhas de mercado (Por exemplo no sistema financeiro, não há monopólios naturais mas há assimetrias de inflamação e por isso há a chamada supervisão, que é a regulação económica).

8 II As políticas de concorrência e regulação CONCORRÊNCIA IMPERFEITA E POLÍTICAS PARA A DEFESA DA CONCORRÊNCIA Há empresas que têm a capacidade de subir o preço devendaemrelação ao custo marginal (custo de produzir mais uma unidade). Pode-se então dizer que têm alguma capacidade de exercer poder de mercado. Há também casos em que o número de empresas no mercado é reduzido, tendo entãocadaumadelasalgumainfluênciasobreopreçoeportantoalgumpoder de mercado. Havendo poucas empresas, tal facilitará acordos entre elas para actuarem concertadamente no mercado, limitando o poder de escolha dos consumidores. Tais acordos são obviamente lesivos para os clientes, pois que restringem a concorrência, e por isso o poder público poderá intervir na defesa dos clientes.

9 II As políticas de concorrência e regulação Nascem assim as políticas de concorrência que têm como objectivo: Proibir operações de concentração (fusões e aquisições de empresas) de que possa resultar uma diminuição substancial de concorrência Proibir acordos entre empresas dos quais resulta uma limitação à concorrência entre elas pois que tais acordos prejudicam os consumidores, restringindo-lhes a escolha e reforçando a capacidade das empresas concertadas aumentarem o seu poder de mercado sobre os clientes. Impedir abusos de poder de mercado, face a clientes e concorrentes, de grandes empresas com poder de mercado substancial. Tais abusos dessas empresas terão a ver por exemplo com a recusa a venderem um bem ou condicionar essa venda à venda doutro bem correlacionado.

10 II As políticas de concorrência e regulação A política de concorrência faz a chamada regulação ex-post pois que: As proibições de determinados comportamentos ou a sua penalização só se fazem depois da autoridade da concorrência verificar que tais actos violaram as leis da concorrência São regras de aplicação geral para todos os sectores da economia e por isso a política de concorrência faz regulação horizontal Normalmente as intervenções não são ao nível dos preços ou da qualidade d do serviço da empresa, mas sim para penalizarem comportamentos ou estabelecerem restrições è execução de certas estratégias. Nalguns casos, contudo, a política de concorrência pode dar lugar a acções preventivas, como no caso das fusões e aquisições. Nestes casos o movimento da fusão entre duas empresas ou da compra de uma por outra, desde que essas operações estejam abrangidas pelo Regulamento das Concentrações, fica dependente da aprovação prévia da autoridade da concorrência, que poderá impedir ou aprovar sob certas condições (impondo os chamados remédios ) com vista a evitar uma concentração ce excessiva numa dada indústria.

11 II As políticas de concorrência e regulação REGULAÇÃO ECONÓMICA SECTORIAL Como já vimos, o monopólio natural é um caso de falha do mercado. Justifica-sese então em termos de defesa dos clientes, uma intervenção pública ex-ante para fixação de preços e estabelecimentos de normas e critérios de qualidade de serviço para evitar o abuso do poder de mercado do monopolista. Há casos de monopólio natural em vários ái sectores (redes de transportet e distribuição de electricidade, gás natural, água por exemplo). Em tais casos haverá um regulador económico por cada sector de actividade, pois que as questões são distintas t por sector. As falhas de mercado não estão restringidas aos monopólios naturais justificando-se então que haja regulação económica sectorial também para as outras falhas de mercado, como as assimetrias i de informação (caso do sector financeiro).

12 II As políticas de concorrência e regulação REGULAÇÃO E INTEGRAÇÃO ECONÓMICA Com os processos de integração económica em blocos regionais e com a globalização dos mercados, os mercados nacionais tendem a integrar-se em mercados mais vastos e dilui-se o poder político dos estados nacionais sobre o seu espaço económico geográfico. Com o alargamento geográfico dos mercados em que as empresas concorrem, o elevado poder do mercado que poderiam ter num mercado nacional, diminui pois irão competir num mercado mais alargado, pondo-se então questões de igualdadedetratamentonoâmbitoeuropeu para as empresas dos vários países. A politica de concorrência desloca-se do âmbito nacional para o âmbito regional, sendo então o mercado relevante o mercado regional e não mais o mercado nacional. Por outro lado, à globalização está associado o desenvolvimento e generalização da presença de empresas multinacionais que beneficiam de uma grande mobilidade geográfica entre os países, a qual lhes vai dar um grande poder negocial com os governos nacionais, i coisa que as empresas de base locall não têm. Tudo isto põe novos problemas ao poder político de base nacional.

13 II As políticas de concorrência e regulação Em Portugal já se percebeu que não há apenas a política nacional de concorrência, tendo que não esquecer a política de concorrência comunitária. Também no caso dos reguladores económicos nacionais, se torna evidente a necessidade de articulação entre os vários reguladores nacionais ou mesmo a criação dum regulador europeu (como se falou na energia), pois que caminhamos para um mercado único europeu mesmo nos sectores sujeitos a essa regulação económica nacional. Recomenda-se a este propósito a leitura do livro do Eng. Eduardo Lopes Rodrigues O ESSENCIAL DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA editado pelo INA.

14 III Autoridade nacional da concorrência e reguladores económicos sectoriais - o caso português Um regulador económico visa colmatar as falhas de mercado ( market failures ), casos em que o mercado falha na afectação eficiente dos recursos. Como regulação económica sectorial, temos em Portugal o caso da ERSE para colmatar a falha de mercado-monopólio natural nas redes energéticas, a ANACOM nas telecomunicações, o Banco de Portugal e o ISP, na banca e seguros respectivamente, para colmatar falhas de mercado ligadas a assimetrias de informação no sistema financeiro. Estes reguladores actuam normalmente exante, através de normas e regulamentos. Em suma temos em Portugal: Banco de Portugal como regulador económico do sector bancário Instituto de Seguros de Portugal no sector dos seguros CMVM no mercado de valore mobiliários ANACOM nas telecomunicações ERSE na electricidade e gás natural Instituto Regulador das Águas e dos Resíduos

15 III Autoridade nacional da concorrência e reguladores económicos sectoriais - o caso português Mas em teoria, os reguladores económicos não têm a ver com a Política de Concorrência (designadamente Fusões e Aquisições) que é em Portugal da responsabilidade da Autoridade da Concorrência. Esta actua sobre todos os sectores, normalmente à posteriori ex-post depois de determinada prática restritiva titi ter ocorrido. Mas por actuar sobre todos os sectores, também se lhe pode chamar um regulador horizontal, em antítese aos reguladores económicos sectoriais. Os reguladores económicos sectoriais têm um caracter mais operacional, actuando constantemente sobre o mercado, ao passo que a Autoridade da Concorrência tem uma actuação mais jurídica, levantando um processo quando se verifica uma prática restritiva titi de concorrência.

16 IV Concorrência, liberalização e regulação nos sectores eléctrico e do gás a ERSE e o caso Português De notar que no sector eléctrico, pode haver concorrência na produção. O transporte e a distribuição (monopólios naturais) é que têm de ser regulados. Neste contexto, a liberalização da distribuição, retalho eléctrico, significará que a empresa distribuidora perderá uma das suas funções (comercializar e vender a electricidade ao cliente) mas mantém a função de transportar sobre a sua rede (monopólio natural) a energia do comercializador, o qual lhe vai ter de pagar um fee pelo serviço de transporte.

17 IV Concorrência, liberalização e regulação nos sectores eléctrico e do gás a ERSE e o caso Português É fácil de compreender que ao pensarmos na privatização do Grupo Electricidade de Portugal era necessário criarmos previamente a ENTIDADE REGULADORA DO SECTOR ELÉCTRICO (ERSE). Foi o que fizemos no pacote legislativo para o sector eléctrico aprovado a 27 de Julho de 1995 composto porsete Decretos-Lei, os quais estabeleciam as bases de organização do sector eléctrico, os regimes de exercício das actividades de produção, transporte e distribuição de energia eléctrica, o regime de co-geração, e a criação do regulador a ERSE Em suma, sendo o sector eléctrico em Portugal um negócio já maduro, a ele deveria aplicar-se a lógica anglo-saxónica da regulação e concorrência, por forma a evitar rendas de situação do operador dominante. A ERSE deveria ter três papeis fundamentais: evitar o abuso do poder dominante das operadoras das redes de distribuição (monopólios naturais) sobre os clientes; fixar os preços peçosda electricidade, eect cdade, precavendo peca e doa tentação tação do poder político em os utilizar de acordo com a gestão do ciclo político-eleitoral, o que era muito importante para dar confiança aos investidores numa fase de privatização da EDP; garantir o acesso por terceiros à Rede de Transporte, fixando osvalores das portagens a cobrar pela Rede de Transporte (rede regulada) por esse serviço de transportar a energia, garantindo assim a não discriminação de terceiros, em relação à EDP.

18 IV Concorrência, liberalização e regulação nos sectores eléctrico e do gás a ERSE e o caso Português Devo no entanto confessar que a independência da ERSE em relação ao governo, nomeadamente na fixação dos preços, talvez tenha sido excessiva (embora teoricamente correcta), e contrasta com a situação espanhola em que não há esse poder de fixação dos preços pela CNE. Como já escrevi aliás, a ERSE, mesmo que independentemente do Governo, deverá responder perante alguém pois que a ERSE não é independente da economia portuguesa que lhes paga no fundo os salários. Questões como a do preço da energia para a Auto Europa e outros grandes consumidores, em que a diferença em relação a Espanha era patente, fizeram-me pensar que era necessário arranjar alguma forma de accountability daerse, pois que a ERSE não pode ser insensível a questões cruciais para a nossa economia. Já o caso do gás natural em termos de regulação e concorrência era diferente. Como sector emergente, precisava ser protegido da concorrência, única forma de se conseguir financiar e viabilizar a dispendiosa infraestrutura de pipelines. Quem constroi e gere essas infraestruturas não tem rendas de situação na fase de arranque. Por isso negociámos com a União Europeia uma derrogação à directiva europeia de liberalização do gás natural (semelhante à da liberalização da electricidade), derrogação que termina em Neste contexto também não fazia sentido haver no arranque do projecto regulação económica do gás natural.

19 IV Concorrência, liberalização e regulação nos sectores eléctrico e do gás a ERSE e o caso Português O actual governo vai antecipar esse calendário, abrindo antes de 2008 o gás natural à concorrência. No fundo, em termos de regulação e concorrência, os sectores da electricidade e gás natural ficarão em igualdade de circunstâncias e assim sendo, o gás natural também deverá ser sujeito a uma regulação económica idêntica à da electricidade, pelo que faz sentido que a ERSE passe também a abarcar o sector do gás natural, como foi aliás já legislado. Estando os mercados abertos, isto permitirá uma simetria entre a GALP e a EDP, ou seja que a GALP se possa tornar também player eléctrico ( o que aliás já era possível no meu tempo em termos de legislação para a produção de electricidade) e que a EDP possa entrar e desenvolver um negócio do gás natural, em concorrência com os operadores existentes, designadamente Gás de Portugal (actualmente integrada na GALP). Ao abrir os mercados, o governo fez (e bem) o que tinha a fazer. Não havendo mais barreiras legais, serão as estratégias dos players (designadamente EDP e GALP) que deverão apontar o caminho a seguir nos negócios da electricidade e gás natural. O problema por-se-á a nível empresarial e não mais a nível legislativo.

20 V O Mercado Ibérico o MIBEL e o MIBGAS V.1 - O SISTEMA ELÉCTRICO EUROPEU O sistema eléctrico europeu era à data, com algumas excepções, apenas a sobreposição dos sistemas nacionais os quais tinham sido pensados numa lógica de mercado nacional fechado. Por isso, os movimentos de energia entre as várias redes eléctricas nacionais eram muito pequenos, apenas cerca de 2% da capacidade electroprodutora instalada na União Europeia. Assim, as interligações entre as redes eléctricas nacionais tinham sido feitas numa óptica de segurança e apoio a uma rede pelas redes vizinhas num caso de emergência e não numa óptica económica de transporte de energia eléctrica dumas redes para outras para optimizar do ponto de vista económico as capacidades de produção existentes. Tal constitui pois um constrangimento a um mercado único de electricidade à escala comunitária, com transacções de compra e venda de energia a essa escala. Por exemplo, a capacidade de transporte entre Espanha e França é pequena, pelo que a Península Ibérica é quase uma "ilha" eléctrica em relação ao Continente Europeu. Neste contexto, não é realista falar-se dum mercado único de electricidade à escala europeia, mas sim de criação de mercados eléctricos à escala regional, de que o Mercado Ibérico de Electricidade (MIBEL) seria um exemplo.

21 V O Mercado Ibérico o MIBEL e o MIBGAS V.2 O MERCADO ÚNICO E A DIRECTIVA EUROPEIA Aproveitando a criação do mercado único europeu, a Comissão Europeia lançou o processo de liberalização dos sectores eléctricos nacionais, que culminou com a Directiva 96/92/CE de Dezembro de A Directiva da electricidade veio então promover a criação dum mercado concorrencial da electricidade: (1) separando as actividades de produção, transporte e distribuição; ib i (2) liberalizando o acesso de terceiros às redes de transporte t e distribuição (Third Part Acess - TPA); (3) criando a figura de regulador independente em cada país.

22 V O Mercado Ibérico o MIBEL e o MIBGAS A PRODUÇÃO, O TRANSPORTE E A DISTRIBUIÇÃO A área de produção nas utilities eléctricas começou a sofrer uma forte competição. O sector de produção de energia eléctrica não é um monopólio natural, podendo e devendo haver concorrência entre vários produtores. O transporte e a distribuição de energia eléctrica - monopólios naturais - continuarão a ser regulados e a beneficiar naturalmente das economias de escala na manutenção e operação das redes. Não havendo redes alternativas que as substituíssem, o que se forçou foi as utilities detentoras dessas redes a permitirem que novos operadores as utilizassem numa lógica de auto-estradas de energia. Transformaram-se assim essas redes das utilities em redes de acesso público por terceiros. O Reino Unido iniciou a liberalização europeia com o Energy Act de 1983 o qual impunha a obrigação legal de aquisição da energia dos produtores independentes, tendo-se seguido a reestruturação das empresas eléctricas com a desverticalização das velhas utilities integradas, a posterior privatização das novas empresas e a criação duma pool (mercado grossista para a indústria eléctrica).

23 V O Mercado Ibérico o MIBEL e o MIBGAS O CASO PORTUGUÊS Entre 1987 e 1995, Portugal e o Reino Unido lideraram o movimento de liberalização do sector eléctrico, movimento esse que levou a estabelecer em 1996 a Directiva da Electricidade visando promover a criação de um mercado concorrencial de electricidade através da: Separação das actividades de Produção, Transporte e Distribuição; liberalização de acesso de terceiros às redes de transporte e distribuição; criação da figura de regulador independente.

24 V O Mercado Ibérico o MIBEL e o MIBGAS Ao deixar o governo em 1995, já tínha em Portugal antecipado essa Directiva europeia tendo: Separado a EDP em empresas de Produção, Transporte e Distribuição; criado na legislação portuguesa a figura de acesso por terceiros às redes de transporte e distribuição da EDP (TPA Third Part Access); criado a ERSE, Entidade Reguladora do Sector Eléctrico, a primeira entidade reguladora instituída em Portugal na lógica de regulador independente do Governo. Criado um Sistema Eléctrico não Vinculado (SENV) que utiliza as redes públicas de Transporte e Distribuição em TPA, mediante uma portagem para fazer o transporte de energia de contratos bilaterais entre produtores e consumidores. Este sistema de mercado iria coexistir com o SISTEMA ELÉCTRICO DE SERVIÇO PÚBLICO (SEP) com produtores e consumidores vinculados, o qual no fundo era o sistema público herdado da EDP.

25 V O Mercado Ibérico o MIBEL e o MIBGAS A EDP E A REN Também sempre disse que a REN-Rede Eléctrica Nacional - deveria ficar à parte e não integrada na privatização da EDP. É fácil explicar porquê. Num contexto de privatização da EDP e da liberalização do sector eléctrico, a REN tem que transportar a energia de outros produtores e não apenas a da EDP. Se mantivesse a REN no universo EDP haveria naturalmente um conflito de interesses entre os accionistas da EDP que quereriam que a REN estivesse exclusivamente ao serviço da produção da EDP e o interesse público que apontava para que a REN fosse utilizada por outros produtores independentes da EDP. A posição de independência da REN em relação à EDP tornaria o mercado da energia eléctrica contestável facilitando a liberdade de escolha dos consumidores na compra de energia aos produtores. Assegurar-se-ia assim mais facilmente a concorrência na produção de energia eléctrica. Começou-se uma semi-privatização da EDP com a REN integrada na EDP e só no fim é que corrigiu esse erro, destacando a REN da empresa quando o Estado perdeu a maioria.

26 V O Mercado Ibérico o MIBEL e o MIBGAS V.3 OS MERCADOS DA ELECTRICIDADE NA EUROPA Já existem na Europa vários mercados (no sentido em que há um espaço de transacção - compras e vendas - de energia eléctrica). Podemos ter basicamente: (1) mercados organizados onde há bolsas para compras e vendas de energia em transacções standardizadas; (2) mercados não organizados (OTC - "over the counter"), onde, fora de bolsa, as partes estabelecem ece uma relação contratual de compra e venda, ajustada às suas necessidades ("taylor-made").

27 V O Mercado Ibérico o MIBEL e o MIBGAS A BOLSA DE ELECTRICIDADE Como exemplo de uma bolsa, suponhamos um mercado onde as empresas produtoras vendem a energia com preços fixados de meia em meia hora. As centrais mais eficientes oferecem preços mais baixos, sendo a entrada delas em serviço ditada pela ordem crescente dos preços oferecidos. O preço final da "pool" em cada um desses intervalos de tempo é o preço oferecido pela central menos eficiente ligada a cada momento (central marginal). ag a) Isto significa que à medida da que a procura de energia e aumenta, aumenta o preço de energia na "pool" por irem entrando em serviço centrais menos eficientes e maior será a margem de lucro dos mais eficientes que já lá estavam.

28 V O Mercado Ibérico o MIBEL e o MIBGAS OS MERCADOS SPOT E A PRAZO Os mercados de energia podem ainda ser enquadrados nos seguintes tipos: (1)spot - entrega imediata; (2) futuros (forward)- visando a transacção de energia e a fixação de preços para entrega futura; os futuros podem ser utilizados como instrumento de especulação ou de cobertura de risco (hedging); (3)opções os quais visam a transacção de direitos de venda ou compra de um contrato futuro a preços pré-determinados. Os compradores ficam com um direito - opção de compra ("call") e os vendedores com um direito - opção de venda ("put"). Como bem sabem os financeiros, num contrato de futuro, a transacção está efectivada mas apenas se realiza num futuro predeterminado, ao passo que na opção, não há ainda transacção, existe o direito - opção de a fazer.

29 V O Mercado Ibérico o MIBEL e o MIBGAS Na maioria destas transacções, os participantes ainda são empresas eléctricas, nalguns casos com a intervenção eventual de "brokers", mas haverá a tendência para aparecerem "traders" de energia e até instituições financeiras à medida que se desenvolverem mercados de futuros e opções. Aparece ainda a figura do "comercializador de energia", o qual, utilizando as redes de transporte e distribuição, procurará vender a terceiros a produção que comprou a produtores. (Neste modelo de energia haverá então um split entre a actividade transportadora de rede de distribuição e a actividade de venda - comercialização de energia. Até aqui a empresa de distribuição fazia duas funções económicas: a de transporte de energia e a de venda de energia aos clientes). Em muitos casos, são as próprias empresas energéticas que criam "traders" de energia, como está a acontecer com o Grupo EDP, ou aconteceu com a famosa estratégia do "asset-light" que visava transformar as empresas energéticas detentoras de activos pesados (redes de transporte e distribuição) em "traders" de energia, de que era exemplo paradigmático a ENRON.

30 V O Mercado Ibérico o MIBEL e o MIBGAS Quem fala em "trading" " fala em gestão de risco e daí todos os instrumentos financeiros para a gestão e cobertura de riscos que os financeiros já conhecem há muito e que começam também a ser aplicados às transacções de energia eléctrica. Como num contrato de opção, o investimento inicial é apenas o prémio de opção, estes contratos permitem então grandes alavancagens financeiras e são grandes instrumentos de especulação. Muitos problemas surgidos com estes contratos no sector eléctrico não são assim devidos à liberalização física do sistema eléctrico, mas sim ligados à grande alavancagem a a que eles es proporcionam, o como o aliás, também tem acontecido no sistema financeiro. É assim errado culpar a liberalização do sistema eléctrico por tais problemas.

31 V O Mercado Ibérico o MIBEL e o MIBGAS OS MERCADOS REGIONAIS EUROPEUS E A BOLSA ESPANHOLA Neste contexto de mercados organizados na UE podemos citar a NORD POOL (Noruega, Finlândia, Suécia e Dinamarca), a AMSTERDAM POWER EXCHANGE (APX) e a UK POWER EXCHANGE (UKPX). É importante neste contexto de mercados eléctricos, distinguir o operador físico do operador económico. O operador físico assegura a articulação física entre a produção e o consumo, através da gestão das redes de transporte (redes que transportam a produção para os consumidores). O operador económico (bolsa) é a plataforma onde se ajusta economicamente a oferta de energia à procura da mesma. A Espanha também já tem um mercado organizado, um mercado grossista de energia eléctrica, cujos operadores, o Operador Físico do Sistema ligado à Rede Eléctrica Espanhola e o Operador Económico de Mercado, o OMEL, têm a responsabilidade de satisfazer as necessidades de consumo, recorrendo às ofertas de energias provenientes dos diversos produtores. Na lógica espanhola, o MIBEL poderia naturalmente ser apenas a integração do nosso sistema no mercado espanhol, mantendo- se a mesma bolsa, a OMEL.

32 V O Mercado Ibérico o MIBEL e o MIBGAS V.4 A EVOLUÇÃO DAS UTILITIES ELECTRICAS Podemos sintetizar a evolução das empresas eléctricas nos seguintes quatro modelos: (1) Integração vertical de produção, transporte e distribuição. Era o modelo da EDP que existia quando chegámos ao Ministério i i da Indústria e Energia; (2) Comprador Único. Foi o modelo que deixámos ao sair do governo em 1995 e que tem vigorado até agora, e que acaba quando começar o MIBEL. A EDP foi separada em empresa de produção, transporte e distribuição e a Empresa de Transporte (REDE ELÉCTRICA NACIONAL - REN) além de ser o operador físico do sistema assegurando a articulação entre a produção e a distribuição através da função Transporte, actuava também como operador económico sendo comprador único de energia dos produtores vinculados da empresa de produção da EDP (CPPE) e doutros como as Centrais do Pego (TEJO ENERGIA) e Tapada do Outeiro, vendendo depois aos clientes vinculados;

33 V O Mercado Ibérico o MIBEL e o MIBGAS (3) Competição no mercado grossista. É o modelo espanhol em que existe um Operador Físico do Sistema ligado à Rede Eléctrica Espanhola, que tem a função de gestor físico do sistema gerindo a função Transporte para compatibilizar a produção com o consumo e um Operador Económico do Mercado, o OMEL, gerindo um mercado grossista organizado da energia onde numa "pool" se apresentam as ofertas de energia provenientes dos diversos produtores que visam satisfazer as necessidades de consumo; (4) Competição no Mercado Retalhista em que com a abertura à competição dos consumidores até então sujeitos ao monopólio das Redes de Distribuição, se começa a separar a função física da Distribuição (que no fundo é uma função de Transporte) da função económica de vender a energia, aparecendo então a figura de comercializador de energia, o qual, utilizando as redes de transporte e distribuição, procurará vender a terceiros a produção que comprou a produtores

34 V O Mercado Ibérico o MIBEL e o MIBGAS Com a total abertura em termos de consumidores elegíveis que o MIBEL vai provocar (os clientes terão a liberdade de escolher o fornecedor) a EDP DISTRIBUIÇÃO, perde o monopólio do fornecimento, (apenas mantém o monopólio do transporte) o que vai provocar a ACELERAÇÃO DA POSSIBILIDADE DE APARECIMENTO DE COMERCIALIZADORES sobre as redes de EDP DISTRIBUIÇÃO. Tudo isto se repetirá nas redes de distribuição de gás natural, quando o sector for liberalizado. Portugal foi assim ultrapassado pela Espanha que já avançou para a fase (3), ficando nós na fase (2) vinda de No modelo por nós criado e que acaba quando o MIBEL começar, coexistia, como já referido, um sistema de Serviço Público (SEP) com produtores e consumidores vinculados, com um Sistema de Mercado, que era o Sistema Eléctrico não Vinculado (SENV) no qual, utilizando as Redes Públicas de Transporte e Distribuição, mediante o pagamento duma portagem (TPA - Third Part Access), poderia haver contratos bilaterais entre um produtor e um consumidor. No fundo com o MIBEL, acabam os produtores e distribuidores vinculados do SEP. Com o MIBEL entramos na Bolsa para a competição no mercado grossista, deixando a REN de ter a função de operador económico, ficando apenas como operador físico.

35 V O Mercado Ibérico o MIBEL e o MIBGAS V.5 O PAPEL DA TRANSGÁS E A CONVERGÊNCIA GÁS-ELECTRICIDADE É importante notar-se que, como sempre disse, a Transgás, por nós criada desempenha no sistema de gás natural um papel equivalente ao da REN no sistema eléctrico. Como tal, deve ser destacada da GALP ENERGIA, como correctamente propõe o governo, pois que as Centrais de Energia Eléctrica a Gás Natural (convergência entre electricidade e gás) têm de ter liberdade de aprovisionamento de gás natural para poderem competir no Mercado Ibérico Grossista,, o que significa utilizarem a Transgás como auto-estrada à qual pagam o "fee" de transporte (Regime TPA). Neste contexto, a Transgás, por decisão do governo português foi integrada na REN, a qual se passou a chamar REDES ENERGÉTICAS NACIONAIS. Também o Terminal de Gás Natural Liquefeito e o sistema de armazenamento de gás ficarão a pertencer à REN. Assim, quando se fala em Operadores Físicos, no quadro de convergência Gás Electricidade e dum mercado concorrencial na produção eléctrica, há que ver em conjunto as Redes de Transporte de Electricidade e Gás.

(in CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE, Novembro de 2007).

(in CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE, Novembro de 2007). COMENTÁRIOS REN CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGÁS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE A. INTRODUÇÃO Na sequência do compromisso assumido, a CNE e a ERSE

Leia mais

Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português. Proposta de Reorganização

Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português. Proposta de Reorganização Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português Proposta de Reorganização 3 de Abril de 2003 Política Energética Governamental: uma política para o Futuro A reorganização proposta pelo Governo

Leia mais

Plano de Compatibilização entre Portugal e Espanha no sector energético

Plano de Compatibilização entre Portugal e Espanha no sector energético Plano de Compatibilização entre Portugal e Espanha no sector energético Sumário No sentido de aprofundar o MIBEL - Mercado Ibérico de Electricidade, e em linha com o Acordo de Santiago de Compostela e

Leia mais

Seminário Evolução do Mercado Interno de Energia Sessão II O Mercado Nacional e o Mercado Interno Europeu

Seminário Evolução do Mercado Interno de Energia Sessão II O Mercado Nacional e o Mercado Interno Europeu Seminário Evolução do Mercado Interno de Energia Sessão II O Mercado Nacional e o Mercado Interno Europeu Mercado e Concorrência Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Minhas Senhoras e Meus

Leia mais

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 36/2005 ENDESA GENERACÍON, S.A. / FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A.

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 36/2005 ENDESA GENERACÍON, S.A. / FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A. DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 36/2005 ENDESA GENERACÍON, S.A. / FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A. I INTRODUÇÃO 1. Em 16 de Maio de 2005, a Autoridade da Concorrência

Leia mais

O Conselho de Reguladores do MIBEL publica o primeiro estudo descritivo do funcionamento do Mercado Ibérico de Electricidade

O Conselho de Reguladores do MIBEL publica o primeiro estudo descritivo do funcionamento do Mercado Ibérico de Electricidade O Conselho de Reguladores do MIBEL publica o primeiro estudo descritivo do funcionamento do Mercado Ibérico de Electricidade O estudo analisa a evolução do Mercado Ibérico de Electricidade desde a sua

Leia mais

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL 1ª Conferência Luso-Espanhola de Direito da Concorrência Lisboa, 01 e 02 de Julho de 2010 O Grupo EDP tem presença significativa no mundo E.U.A Capacidade

Leia mais

Vital Moreira. Coimbra, 5 de Abril de 2001

Vital Moreira. Coimbra, 5 de Abril de 2001 A regulação do gás natural Vital Moreira Coimbra, 5 de Abril de 2001 A directiva comunitária do gás natural Directiva 98/30/CE, de 22-07-1998 Regras comuns para o mercado do gás natural Objectivos: - implementar

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE

CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE 13 de Novembro de 2007 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...1 2 PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS

Leia mais

Concorrência: Para uma Nova Cultura Empresarial. Abel M. Mateus Presidente da Autoridade da Concorrência

Concorrência: Para uma Nova Cultura Empresarial. Abel M. Mateus Presidente da Autoridade da Concorrência Concorrência: Para uma Nova Cultura Empresarial Abel M. Mateus Presidente da Autoridade da Concorrência Conferência proferida no American Club of Lisbon, Hotel Sheraton, 21 de Abril de 2004 Minhas Senhores

Leia mais

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS 23.4.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 102/1 II (Actos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 330/2010 DA COMISSÃO de 20 de Abril de 2010 relativo à aplicação do artigo 101. o, n. o

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2005 C(2005) 103/2 RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia Parte 1 Principais condições de oferta grossista

Leia mais

Uma Janela sobre o Futuro

Uma Janela sobre o Futuro CCB 26 Julho 2006 Uma Janela sobre o Futuro "Make everything as simple as possible, but not simpler." - Albert Einstein (1879-1955) Proposta de Regulamentação O papel das infra-estruturas Liberalização

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL «MAIOR FLEXIBILIDADE TARIFÁRIA»

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL «MAIOR FLEXIBILIDADE TARIFÁRIA» Comunicado de Imprensa PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL «MAIOR FLEXIBILIDADE TARIFÁRIA» Nesta data submete-se a Consulta Pública (28.ª Consulta Pública da ERSE) proposta

Leia mais

DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT. 56/2005: NQF ENERGIA/ NQF GÁS I INTRODUÇÃO II AS PARTES

DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT. 56/2005: NQF ENERGIA/ NQF GÁS I INTRODUÇÃO II AS PARTES DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT. 56/2005: NQF ENERGIA/ NQF GÁS I INTRODUÇÃO 1. Em 14 de Setembro de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos

Leia mais

ESTRATÉGIA E PLANO DE ACTIVIDADES 2005-2008

ESTRATÉGIA E PLANO DE ACTIVIDADES 2005-2008 ESTRATÉGIA E PLANO DE ACTIVIDADES 2005-2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Agosto 2004 Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Telefone: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 Email:

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL PARA A COMISSÃO EUROPEIA

RELATÓRIO ANUAL PARA A COMISSÃO EUROPEIA RELATÓRIO ANUAL PARA A COMISSÃO EUROPEIA Julho 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Telefone: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 Email: erse@erse.pt

Leia mais

Seminário Mercado Liberalizado de Energia

Seminário Mercado Liberalizado de Energia Seminário Mercado Liberalizado de Energia A EDP Comercial no Mercado Liberalizado Carlos Neto Lisboa, 26 de Outubro de 2012 As cadeias de valor da electricidade e do gás têm grandes semelhanças A convergência

Leia mais

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia No âmbito da Estratégia Nacional para a Energia, aprovada no passado mês de Outubro, foram agora publicados os diplomas que estabelecem os novos

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Agosto 2006 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008

Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008 Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008 0 Índice I Introdução II Internacionalização III Estratégia em Portugal 1 I Introdução

Leia mais

Modelo de Organização do Mercado Ibérico de Electricidade

Modelo de Organização do Mercado Ibérico de Electricidade Comisión Nacional de Energía Modelo de Organização do Mercado Ibérico de Electricidade Março 2002 Comisión Nacional de Energía Comisión Nacional de Energía c/ Marqués del Duero, 4 28001 Madrid Tel: 91

Leia mais

COMENTÁRIOS AO PARECER DO CONSELHO TARIFÁRIO À PROPOSTA DE TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014

COMENTÁRIOS AO PARECER DO CONSELHO TARIFÁRIO À PROPOSTA DE TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014 COMENTÁRIOS AO PARECER DO CONSELHO TARIFÁRIO À PROPOSTA DE TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014 Dezembro 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Opções Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las Contraparte: X-Trade Brokers

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O REINO DE ESPANHA PARA A CONSTITUIÇÃO DE UM MERCADO IBÉRICO DA ENERGIA ELÉCTRICA.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O REINO DE ESPANHA PARA A CONSTITUIÇÃO DE UM MERCADO IBÉRICO DA ENERGIA ELÉCTRICA. Resolução da Assembleia da República n.º 33-A/2004 Acordo entre a República Portuguesa e o Reino de Espanha para a Constituição de Um Mercado Ibérico da Energia Eléctrica, assinado em Lisboa em 20 de Janeiro

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 318XII/1ª

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 318XII/1ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 318XII/1ª RECOMENDA AO GOVERNO A ADOÇÃO DE MEDIDAS PARA BAIXAR A FATURA DA ELETRICIDADE E DO GÁS E AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DA ECONOMIA As políticas energéticas assumem, no contexto

Leia mais

Mercado da Energia Eléctrica, a. Actualidade e o Futuro. Paulo Moisés Almeida da Costa

Mercado da Energia Eléctrica, a. Actualidade e o Futuro. Paulo Moisés Almeida da Costa Actualidade e o Futuro 2 4 M A I O 2 0 0 0 Paulo Moisés Almeida da Costa Departamento de Engenharia Electrotecnia Escola Superior de Tecnologia de Viseu Paulomoises@elect.estv.ipv.pt http://www.estv.ipv.pt/paginaspessoais/paulomoises/

Leia mais

Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES International Telecommunication Union 1 Sessão 2 Compreensão

Leia mais

Conferência IDEFF: As privatizações não se discutem?

Conferência IDEFF: As privatizações não se discutem? Conferência IDEFF: As privatizações não se discutem? III Painel Portugal após as privatizações: Que futuro? Carlos Rodrigues Presidente do Conselho de Administração Banco BiG 06 de Dezembro de 2012 Índice

Leia mais

OPERADOR DOMINANTE METODOLOGIA E APLICAÇÕES PROPOSTA DO CONSELHO DE REGULADORES DO MIBEL

OPERADOR DOMINANTE METODOLOGIA E APLICAÇÕES PROPOSTA DO CONSELHO DE REGULADORES DO MIBEL OPERADOR DOMINANTE METODOLOGIA E APLICAÇÕES PROPOSTA DO CONSELHO DE REGULADORES DO MIBEL ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 BREVE CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO REGULAMENTAR ACTUAL... 7 2.1 Situação em Portugal...

Leia mais

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Novembro 2014 MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS NOVIDADES REGULATÓRIAS EM MATÉRIA DE MERCADO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS, LIQUIDAÇÃO DE TRANSACÇÕES E CENTRAIS DE VALORES MOBILIÁRIOS I. INTRODUÇÃO

Leia mais

FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública

FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública Alexandra Paulo De: ERSE Enviado: quinta-feira, 20 de Dezembro de 2012 10:27 Para: Revisao Regulamento Gas Natural 2012 Assunto: FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública Sinal. de seguimento: Estado

Leia mais

GESTÃO. 3. O Ambiente Económico. Mercados: Procura e oferta; Custos; Estruturas de mercado; Papel do Estado. 3. O ambiente económico.

GESTÃO. 3. O Ambiente Económico. Mercados: Procura e oferta; Custos; Estruturas de mercado; Papel do Estado. 3. O ambiente económico. GESTÃO 3. O Ambiente Económico. Mercados: Procura e oferta; Custos; Estruturas de mercado; Papel do Estado Mercados 1 Meio envolvente global: o ambiente económico A empresa insere-se num ambiente macroeconómico,

Leia mais

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação 6.5 - Reestruturação de Empresas O Contexto Mudança constante Pressões diversas sobre as empresas Concorrência intensa e global Exigências

Leia mais

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS Versão final de 29/11/2007 COCOF 07/0037/03-PT COMISSÃO EUROPEIA ORIENTAÇÕES PARA A DETERMINAÇÃO DAS CORRECÇÕES FINANCEIRAS A APLICAR ÀS DESPESAS CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE

Leia mais

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc:

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc: Ana Oliveira De: Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: erse@erse.pt Cc: anacris@isr.uc.pt Assunto: Comentarios Anexos: ERSE-Revisão dos Regulamentos.doc;

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo 1. Introdução Documento de consulta Em alguns Estados-Membros, as agências oficiais de crédito

Leia mais

Sistema de Avaliação da Qualidade Apercebida e Satisfação do Cliente da REN Apresentação de resultados 2008. 1ª edição do estudo

Sistema de Avaliação da Qualidade Apercebida e Satisfação do Cliente da REN Apresentação de resultados 2008. 1ª edição do estudo Sistema de Avaliação da Qualidade Apercebida e Satisfação do Cliente da REN Apresentação de resultados 2008 1ª edição do estudo 1 Agenda 1 Objectivos 2 Metodologia Trabalho de campo Modelo de Satisfação

Leia mais

Seguros e Fundos de Pensões

Seguros e Fundos de Pensões ABRIL 2010 01 COMISSÃO EUROPEIA ADOPTA NOVO REGULAMENTO DE ISENÇÃO POR CATEGORIA APLICÁVEL AO SECTOR DOS SEGUROS Seguros e Fundos de Pensões Após um longo processo de revisão, que incluiu a realização

Leia mais

3352 Diário da República, 1.ª série N.º 117 20 de Junho de 2011

3352 Diário da República, 1.ª série N.º 117 20 de Junho de 2011 3352 Diário da República, 1.ª série N.º 117 20 de Junho de 2011 Artigo 72.º Operação logística de mudança de comercializador de gás natural O regime de exercício da actividade de operação logística de

Leia mais

Tópico 9. Os Limites Horizontais e Verticais das Empresas. Fátima Barros Organização Industrial 1

Tópico 9. Os Limites Horizontais e Verticais das Empresas. Fátima Barros Organização Industrial 1 Tópico 9 Os Limites Horizontais e Verticais das Empresas Fátima Barros Organização Industrial 1 Fusões e Aquisições Fusões, aquisições e integração: situações em que empresas, independentes do ponto de

Leia mais

Os desafios da Regulação do Mercado de Valores Mobiliários

Os desafios da Regulação do Mercado de Valores Mobiliários Os desafios da Regulação do Mercado de Valores Mobiliários Ester Saverson Jr. Director-Adjunto do Departamento de Assuntos Internacionais US SEC Dia 25OU2010 º Tema 1 1 Os pontos de vista aqui expressos

Leia mais

Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência. PROCESSO AC-I-Ccent/52/2003-Colgate-Palmolive/Gaba

Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência. PROCESSO AC-I-Ccent/52/2003-Colgate-Palmolive/Gaba Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-Ccent/52/2003-Colgate-Palmolive/Gaba 1. INTRODUÇÃO Em 26 de Dezembro de 2003, a Colgate-Palmolive notificou a Autoridade da Concorrência,

Leia mais

Estudo do acesso a conteúdos Para o mercado de pay-tv

Estudo do acesso a conteúdos Para o mercado de pay-tv Estudo do acesso a conteúdos Para o mercado de pay-tv Posição comum APRITEL 13 de Janeiro de 2011 APRITEL Posicao sobre Conteudos PayTV 20110113c.docx 1/8 Índice 1. Introdução... 3 2. Enquadramento...

Leia mais

DMA Acesso Directo ao Mercado Manual do utilizador

DMA Acesso Directo ao Mercado Manual do utilizador DMA Acesso Directo ao Mercado Manual do utilizador Manual do utilizador Conteúdos Conteúdos 01 Uma introdução à negociação com DMA 02 Início O que é o DMA Vantagens do DMA Activação do DMA Permissões &

Leia mais

FEDERAÇÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DE CONSUMIDORES, FCRL

FEDERAÇÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DE CONSUMIDORES, FCRL COMENTÁRIOS DA FENACOOP PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR As cooperativas de consumo são, nos termos da Constituição e da Lei, entidades legítimas de representação dos interesses e direitos dos

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Contraparte: Saxo Bank. O Saxo Bank

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS REDES

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS REDES REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS REDES DO SETOR ELÉTRICO Dezembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

COMENTÁRIOS À PROPOSTA DE REVISÃO REGULAMENTAR REGULAMENTO TARIFÁRIO E REGULAMENTO DAS RELAÇÕES COMERCIAIS

COMENTÁRIOS À PROPOSTA DE REVISÃO REGULAMENTAR REGULAMENTO TARIFÁRIO E REGULAMENTO DAS RELAÇÕES COMERCIAIS COMENTÁRIOS À PROPOSTA DE REVISÃO REGULAMENTAR REGULAMENTO TARIFÁRIO E REGULAMENTO DAS RELAÇÕES COMERCIAIS 1. INTRODUÇÃO O presente documento pretende transmitir a posição da ELECPOR Associação Portuguesa

Leia mais

6168 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 204 24 de Outubro de 2005

6168 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 204 24 de Outubro de 2005 6168 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 204 24 de Outubro de 2005 Resolução do Conselho de Ministros n. o 169/2005 A política energética, nas suas diversas vertentes, é um factor importante do crescimento

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

Concorrência no Mercado Nacional de Abastecimento de Águas e de Saneamento de Águas Residuais

Concorrência no Mercado Nacional de Abastecimento de Águas e de Saneamento de Águas Residuais Concorrência no Mercado Nacional de Abastecimento de Águas e de Saneamento de Águas Residuais Audição Parlamentar - CPLAOT - 20 de Junho de 2006 Abel M. Mateus Esta Apresentação inclui: I. A Autoridade

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA: Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas)

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS DO SECTOR DO GÁS NATURAL Fevereiro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 213 033 200 Fax:

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SENHOR MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SENHOR MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SENHOR MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino por ocasião do Encerramento do Seminário AS NOVAS PERSPECTIVAS NA CONTRATAÇÃO PÚBLICA promovido

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Carlos Firme 07 de Julho de 2010 Índice 1. A Biomassa no Contexto das Energias Renováveis 2. A Emergência de um novo tipo de investidor 3. Os Economics

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Briefing EDP UNIVERSITY CHALLENGE 2013

Briefing EDP UNIVERSITY CHALLENGE 2013 Briefing EDP UNIVERSITY CHALLENGE 2013 1 1 Índice... 1 2 Introdução... 2 3 Contextualização... 3 3.1 Processos de liberalização energética noutros mercados... 3 3.2 Energia Elétrica... 4 3.3 Gás Natural...

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Política de Concorrência na Europa

Política de Concorrência na Europa Comissão Europeia Política de Concorrência na Europa As regras da concorrência aplicáveis aos acordos de fornecimento e de distribuição Política de Concorrência na Europa As regras da concorrência aplicáveis

Leia mais

Auditoria ao Processo de. no Sector Eléctrico

Auditoria ao Processo de. no Sector Eléctrico Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador no Sector Eléctrico Agenda 1. Enquadramento e objectivos 2. Descrição dos trabalhos do auditor 3. Conclusões do trabalho do auditor 4. Recomendações

Leia mais

Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT/33/2003- BAR-BAR-IDADE GLASS/FÁBRICA DE VIDROS BARBOSA E ALMEIDA

Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT/33/2003- BAR-BAR-IDADE GLASS/FÁBRICA DE VIDROS BARBOSA E ALMEIDA Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT/33/2003- BAR-BAR-IDADE GLASS/FÁBRICA DE VIDROS BARBOSA E ALMEIDA A 29 de Julho de 2003 deu entrada na Autoridade da Concorrência, em

Leia mais

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Conceitos básicos de negociação em Forex N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações

Leia mais

Análise da proposta de. condições gerais do. Contrato de Uso das Redes - RARI

Análise da proposta de. condições gerais do. Contrato de Uso das Redes - RARI Análise da proposta de condições gerais do Contrato de Uso das Redes - RARI Junho de 2006 Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt www.erse.pt

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano

A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano VI Conferência RELOP Per : José Quarta Luanda, 30 31 de Maio de 2013 1 Interacção entre actores do Sistema Eléctrico 2 3 Projectos de

Leia mais

Desenvolvimento. da Estratégica Competitiva. Chapter Title. 15/e PPT

Desenvolvimento. da Estratégica Competitiva. Chapter Title. 15/e PPT McGraw-Hill/Irwin 2007 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. 6 Desenvolvimento Chapter Title da Estratégica Competitiva 15/e PPT Screen graphics created by: Jana F. Kuzmicki, Ph.D. Troy

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 12/09/2005 1 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO PROCESSO

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) é um instrumento financeiro promovido pela Comissão Europeia e desenvolvido

Leia mais

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates Academia de Warrants 6. Factor Certificates Factor Certificates - Sumário Executivo 1. Introdução 2. Definição 3. Exemplos 4. Mecanismo de protecção 5. Como negociar Academia de Warrants 6. Factor Certificates

Leia mais

VI CONFERÊNCIA ANUAL RELOP REGULAÇÃO ECONÓMICA EM ANGOLA VISÃO E PERSPECTIVAS

VI CONFERÊNCIA ANUAL RELOP REGULAÇÃO ECONÓMICA EM ANGOLA VISÃO E PERSPECTIVAS VI CONFERÊNCIA ANUAL RELOP A Qualidade da Regulação da Energia e dos Serviços nos Países de Língua Oficial Portuguesa REGULAÇÃO ECONÓMICA EM ANGOLA VISÃO E PERSPECTIVAS 30 de Maio de 2013 J. G. de Matos

Leia mais

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber?

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber? Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las PFC Valorização Retalho Entidade

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

Fundo Regional de Expansão Económica Norte

Fundo Regional de Expansão Económica Norte Fundo Regional de Expansão Económica Norte Junho / Julho de 2013 1. ACTIVIDADE Capital de constituição Expansão / Buyouts Fundo Explorer I Fundo Explorer II Fundo Explorer III Fundo Regional de Expansão

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Forex

Conceitos básicos de negociação em Forex Conceitos básicos de negociação em Forex A GoBulling é uma marca do Banco Carregosa. EM 2012 O BANCO CARREGOSA É ELEITO O MELHOR EM BANCA PRIVADA EM PORTUGAL www.facebook.com/gobulling Produtos Financeiros

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Futuros

Conceitos básicos de negociação em Futuros Conceitos básicos de negociação em Futuros N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar

Leia mais

Versão Pública DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO PROCESSO CCENT. Nº 2/ 2005 PORTUGAL TELECOM/WEBLAB I. INTRODUÇÃO II. AS PARTES

Versão Pública DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO PROCESSO CCENT. Nº 2/ 2005 PORTUGAL TELECOM/WEBLAB I. INTRODUÇÃO II. AS PARTES DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO PROCESSO CCENT. Nº 2/ 2005 PORTUGAL TELECOM/WEBLAB I. INTRODUÇÃO 1. Em 10 de Janeiro de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos artigos 9.º e 31.º da Lei

Leia mais

NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES

NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES Resultado da cimeira "particularmente positivo para Portugal" A cimeira europeia de quinta-feira

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Cultura e da Educação 2007/2253(INI) 7.3.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a concentração e o pluralismo dos meios de comunicação social na União Europeia (2007/2253(INI))

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. de 26 de Junho de 2003

Jornal Oficial da União Europeia DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. de 26 de Junho de 2003 15.7.2003 L 176/37 DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Junho de 2003 que estabelece regras comuns para o mercado interno da electricidade e que revoga a Directiva 96/92/CE

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

José António Rousseau, professor de Marketing e Distribuição. Que balanço faz destes 19 anos da moderna distribuição em Portugal?

José António Rousseau, professor de Marketing e Distribuição. Que balanço faz destes 19 anos da moderna distribuição em Portugal? José António Rousseau, professor de Marketing e Distribuição Que balanço faz destes 19 anos da moderna distribuição em Portugal? A realidade comercial que podemos designar por Distribuição Moderna começou

Leia mais

MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER

MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER Braga, 26 de Outubro de 2012 Luis Alexandre Silva Porquê a presença no Mercado Elétrico? Expansão de Negócios Estratégia de diversificação (novos mercados) Crescimento nos

Leia mais

Maio 2005 geral@economia-internacional.org. Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços - GATS

Maio 2005 geral@economia-internacional.org. Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços - GATS Maio 2005 geral@economia-internacional.org Acordo Geral sobre o Comércio - GATS de Serviços I. Enquadramento (histórico) O GATS entrou em vigor em 01/01/1995; juntamente com o GATT e o TRIPS, completam

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Dezembro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Directiva n.º 5/2011. Termos e Condições de realização de Leilões de Colocação de PRE

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Directiva n.º 5/2011. Termos e Condições de realização de Leilões de Colocação de PRE Diário da República, 2.ª série N.º 226 24 de Novembro de 2011 46437 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Directiva n.º 5/2011 Termos e Condições de realização de Leilões de Colocação de

Leia mais

Código de Ética. Grupo TAP

Código de Ética. Grupo TAP Código de Ética do Grupo TAP ÍNDICE Objectivos e Valores Fundamentais... 2 I. Âmbito... 3 II. Valores Gerais... 3 1. Responsabilidade. 3 2. Independência.. 3 3. Conflitos de Interesses.. 3 4. Desenvolvimento

Leia mais

Convergência e Regulação

Convergência e Regulação Consulta pública Convergência e Regulação Contribuição da ONITELECOM 2002.04.15 I. CONDIDERAÇÕES GERAIS O fenómeno da convergência dos sectores das telecomunicações, dos meios de comunicação social e das

Leia mais