FALANDO SOBRE LICITAÇÂO PARTE III

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FALANDO SOBRE LICITAÇÂO PARTE III"

Transcrição

1 FALANDO SOBRE LICITAÇÂO PARTE III Vimos, no último bate-papo sobre licitações, que da aplicabilidade das normas licitatórias poderão ocorrer três situações: I Dispensa da licitação; II Inexigibilidade da licitação; III Realização da licitação. Antes, contudo, de falarmos sobre o tema de hoje situações em que é dispensável a licitação (incisos I a XXIV do art. 24 uma palavrinha sobre LICITAÇÃO DISPENSADA. Licitação Dispensada Já tivemos a oportunidade de dizer que na Licitação Dispensada, ao contrário do que ocorre na Licitação Dispensável, o agente público não possui nenhuma margem de escolha ao se deparar com a situação autorizadora da Licitação Dispensada. Nesta ele agirá à maneira de um robô que, pura e simplesmente, cumpre o que a legislação determina. Na Licitação Dispensável, todavia, o recurso à dispensa ao procedimento licitatório é de caráter subjetivo do agente público constituindo-se, pois, numa faculdade posta à sua disposição pela Lei. A conseqüência imediata desse entendimento reside na possibilidade de o agente público, ainda que diante das situações previstas no art. 24 da Lei, poder realizar o procedimento licitatório aspecto esse inexistente quando se tratar situações ligadas à Licitação Dispensada. Bem, é preciso deixar claro, nesse primeiro momento, que as situações que autorizam a Licitação Dispensada estão ligadas às ALIENAÇÕES de bens móveis e imóveis devendo-se entender o termo Alienação como qualquer processo no qual o Poder Público deixa de ser proprietário de um bem móvel ou imóvel. Esse esclarecimento é importante, pois se poderia pensar que a alienação que aqui estamos nos referindo seria a VENDA do bem móvel ou imóvel. Ora, segundo as normas do Direito Administrativo as Vendas são apenas uma das formas de se alienar o patrimônio público outras existindo, além destas, a saber: a dação em pagamento, a doação, a permuta (ou troca) e a investidura. Por isso mesmo a Lei de Licitações e Contratos preocupou-se em definir o que vem a ser a alienação a que ela se refere (vide art. 6, Inciso IV). Essa observação é importante, pois, enquanto aqui o Poder Público DESINCORPORA bens de seu Patrimônio nas situações contidas no art. 24 (Licitação Dispensável) o mesmo Poder Público INCORPORA bens ao seu Patrimônio Público. Em outras palavras, nesta última ele atuará como COMPRADOR de Bens e Serviços enquanto na Licitação Dispensada ele atuará como ALIENADOR dos Bens que integram o seu patrimônio. Note-se que não se fala aqui de alienação de serviços mas tão-somente dos bens enquanto a

2 Licitação Dispensável alcança não apenas os bens mas também os serviços (vide os incisos do art. 24). Feitos esses esclarecimentos, passemos para o exame dos incisos que compõem o art. 24 da Lei de Licitações e Contratos. Licitação Dispensável Conforme dissemos numa outra oportunidade, há situações em que existem vários fornecedores de bens e serviços, cada um deles com plenas condições de fornecê-los ao Poder Público. Por isso mesmo, será possível a competição entre eles, consoante determina o princípio da igualdade (vide art. 3 da Lei). Todavia, por força de alguns fatores o legislador autorizou o agente público a afastar o procedimento licitatório em certas e determinadas condições. Claro está que, nessas hipóteses, uns fornecedores irão beneficiar-se em detrimento de outros. Mas isso não importa, pois há interesse maior que deve ser atendido e que justifica a discriminação de fornecedores. Vamos ver quais essas situações. Os incisos I e II do art. 24 autorizam a dispensa do procedimento licitatório em decorrência dos valores ali referidos. O inciso I trata das aquisições relacionadas a obras e serviços de engenharia enquanto o inciso II refere-se às compras e aos serviços não ligados à engenharia, isto é, todos os demais serviços. Para que se compreenda o exato significado em que a Lei utiliza os termos Obras, Serviços e Compras é preciso ter em mente o disposto nos incisos I, II e III, do art. 6 da Lei. Assim, todas as vezes em que a Lei se referir a tais termos é preciso ter bem claro os seus respectivos conceitos legais a fim de se ter um perfeito entendimento do alcance do dispositivo. Mas por que a Lei autorizou o agente público a não realizar os procedimentos licitatórios nessas situações? A resposta é: relação Custo/Benefício. Perceba que os valores referidos nos incisos são baixos (p. exemplo, toda compra cujo valor for inferior a R$ 8.000,00 o agente público poderá comprar diretamente de um fornecedor, sem precisar recorrer a um procedimento licitatório). Entende o legislador que seria menos oneroso para o Poder Público a compra de bens nessas situações do que fazê-la por intermédio de um procedimento licitatório e, com ele, incorrer em custos desnecessários que apenas iriam onerar as aquisições. Por isso autoriza as dispensas ao mesmo. O inciso III trata das aquisições nos casos de guerra ou grave perturbação da ordem. Aqui há um outro interesse que deve ter preferência: o interesse público fundado na necessidade de paz e ordem social. Assim, ocorrendo esta hipótese autorizado está o agente público a comprar diretamente da iniciativa privada. O inciso IV refere-se às situações emergenciais ou de calamidade pública sempre que estas ameacem a segurança de pessoas, obras, serviços, equipamentos, sejam eles bens públicos ou particulares. O objetivo é proteger tais bens evitando que se deteriorem ou tragam maiores transtornos as situações emergenciais e de calamidade pública. Também aqui é possível a aquisição direta de fornecedores. O inciso V autoriza a contratação direta sempre que, realizada uma licitação, esta se revelar deserta, isto é, não despertar o interesse de

3 fornecedores. Entendeu o legislador que, nessa situação, já foi oferecida a possibilidade de participação aos eventuais fornecedores dos bens e serviços de que necessita o Poder Público. Como o desinteresse destes restou demonstrado já que não houve participação de nenhum deles - autorizou o legislador a contratação direta. O interesse público é fator determinante da contratação direta também no inciso VI. O inciso faz referência à necessidade de regulação de preços ou normalização de abastecimento. Assim, admitamos que o preço do feijão suba em decorrência de quebra da safra por força, p. exemplo, de uma grande praga. Como o feijão, notadamente, é um produto de elevada procura no mercado nacional a elevação de seu preço poderá trazer transtornos aos consumidores brasileiros. Vindo a ocorrer tal situação o legislador autorizou a União a possibilidade de comprar tal produto dos produtores diretamente, sem precisar recorrer a um procedimento licitatório. Note-se que há um nítido interesse público que precisará, urgentemente, ser atendido. Nessa hipótese a compra do produto não será motivada por uma necessidade do Poder Público (aqui representada pela União) pelo feijão mas com a finalidade de regular preços e normalizar abastecimento. Mas como isso se fará? Bem, de posse do produto comprado a União poderá revendê-lo, também, diretamente à população em geral sem precisar, também aqui, recorrer a um procedimento licitatório. Em decorrência da necessidade de se alcançar uma regulação de preços a União certamente irá vender o produto por um preço menor do que ela comprou. Essa sua atitude concorrerá com os demais vendedores do produto que diante de uma possível queda em suas vendas não terão outra saída senão baixar seus preços. Note-se que a regra é, nessa última hipótese (venda, isto é, uma das formas de alienação) a necessidade de realização do procedimento licitatório (vide inciso II do art. 17 da Lei). Em ambas as situações a União irá intervir no domínio econômico, isto é, agirá ela como compradora e vendedora de bens. O inciso VII trata da dispensa da licitação motivada por preços manifestamente superiores aos praticados no mercado nacional ou forem incompatíveis com os fixados pelos órgãos oficiais competentes. A razão da dispensa, é lógico, visa a resguardar os cofres públicos no sentido de evitar que se pague por um produto além de seu preço real. Os parâmetros ali fixados para fins dessa avaliação consistirá nos preços comumente praticados no mercado (pela iniciativa privada) ou em relação àqueles fixados por órgãos oficiais. Quanto a estes últimos, lembramos que os preços de alguns produtos oferecidos à população em geral são controlados pelo Governo. É o caso, p. exemplo, da energia elétrica e do transporte coletivo. Em relação a estes o Poder Público é consultado previamente todas as vezes que há uma necessidade de majoração. Os órgãos oficiais que controlam esses preços, no exemplo dado, são a Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL e a Prefeitura de Manaus juntamente com a EMTU, respectivamente. Todavia, a compra direta não se faz imediatamente após serem verificadas as situações de preços superiores ao preço real. Conforme faz referência o inciso, o Poder Público, diante dessas situações, deverá aplicar a orientação contida no art. 48 da Lei (vide o 3º desse artigo), isto é, apresentar novo prazo para que os

4 licitantes façam novas propostas. Caso, entretanto, persista o problema aí sim estará autorizada a compra direta. Os preços dos produtos assim adquiridos não poderão ser superiores ao constante no registro de preços dos bens e serviços, consoante também alude o inciso (vide art. 15, II e 1º ao 6º). O inciso VIII trata das aquisições dos bens ou serviços também produzidos por órgão ou entidade que integre a Administração pública que tenha sido criado especificamente para esse fim em data anterior à vigência da Lei de Licitações e Contratos. Aqui o motivo da dispensa é prestigiar o próprio Poder Público. Esclarecendo: se o Poder Público deseja comprar um bem ou um serviço que ele mesmo, ainda que de uma outra esfera de governo, produza, nada mais lógico que prestigiar alguém que já é da família. É como se eu fosse comprar um automóvel. Se eu tenho alguém de minha família que possui, p. exemplo, uma concessionária, regra geral, em vou dar preferência para a concessionária dele. Não comprarei de um estranho. Mas para ficar mais claro é preciso entender o seguinte. Em nossa economia, muito dos bens e serviços oferecidos são produzidos pelo Poder Público, seja através de órgãos pertencentes à administração direta ou indireta. Exemplos dessa situação não faltam: o Serpro, que é uma empresa pública do governo federal constituída exclusivamente para criar e administrar sistemas informatizados; a Petrobrás, que vende combustíveis e lubrificantes em geral; o Banco do Brasil e a Caixa Econômica que atuam no mercado financeira; o INPA que faz pesquisas sobre a Amazônia, etc. Assim, em cada uma dessas situações o Poder Público concorre com a iniciativa privada fornecendo bens e serviços à população em geral. Na hipótese de o Poder Público precisar adquirir alguns desses bens ou serviços (que são também produzidos por ele, seja diretamente ou indiretamente) o legislador autorizou a dispensa, isto é, a possibilidade de contratá-los diretamente sem precisar recorrer à licitação. O inciso IX fala das situações em que haverá possibilidade de comprometimento da segurança nacional. Para tanto, recomendo que seja lido o Decreto Federal nº 2.295, de 04 de agosto de 1997, que regulamentou esse inciso. O inciso X fala das situações específicas em que o Poder Público tem a necessidade de comprar ou alugar um imóvel onde funcionará parte ou todas as suas atividades. Nesse caso o legislador autorizou a dispensa sempre que as necessidades de instalação e localização condicionem a sua escolha. Podemos citar, a título de exemplificação, a situação na qual um Tribunal necessite alugar ou comprar um imóvel cujas dimensões atendem perfeitamente às finalidades dos serviços que pretende oferecer à população em geral (juizados de pequenas causas, p. exemplo). Também é possível que, em decorrência da localização do mesmo imóvel (em decorrência de ele estar situado num bairro muito populoso ou num bairro que é pólo de outros bairros menores) apenas ele é que satisfaça as necessidades do Poder Público, e somente ele. Nesse caso estará o Poder Público autorizado pelo legislador a adquiri-lo diretamente. Aqui é também o interesse público que condiciona a dispensa. O inciso XI se refere à dispensa na hipótese de contratação de remanescente de obra, serviço ou fornecimento decorrente de rescisão contratual. Ele se destina àquelas situações em que o Poder Público, após fazer

5 um procedimento licitatório, por um motivo ou por outro rescinda o contrato com o mesmo (vide nos arts. 77 a 80 da Lei as hipóteses de rescisão contratual). Nesse caso, em muitas situações, é possível que a obra, serviço ou fornecimento, ainda não se tenha concluída havendo, pois, um remanescente para ser finalizado. Em ocorrendo esta hipótese o Poder Público estará também autorizado a contratar diretamente um outro fornecedor a fim de concluir a obra, o serviço ou o fornecimento. Esse fornecedor, contudo, deverá Ter participado do procedimento licitatório que originou o contrato rescindido. Mais: deverá ele aceitar as mesmas condições oferecidas pelo licitante vencedor, inclusive quanto ao preço, devidamente corrigido. Veja que o motivo da dispensa também é o interesse público em razão da necessidade de se concluir uma obra, um fornecimento ou um serviço necessário à própria Administração ou à população em geral (imagine que se trate da construção de uma escola ou um hospital ou, ainda, da pavimentação de uma rodovia). O inciso XII trata da dispensa da licitação na hipótese de aquisição de hortifrutigranjeiros, pão e outros gêneros perecíveis. Aqui, como nas demais hipóteses que trata o art. 24, há possibilidade de haver o procedimento licitatório já que no mercado existem vários fornecedores de hortifrutigranjeiros e pães, p. exemplo. Então, por que dispensar a licitação? Bem, o motivo da dispensa aqui decorre da natureza perecível desses produtos. Imagine a seguinte situação: um determinado órgão público deflagra uma licitação para a aquisição de carne. Todavia, durante a realização da mesma ocorre a necessidade súbita de aquisição desse gênero alimentício. Como proceder? Aguardar o final do procedimento para, então, adquirir o produto? Ou comprá-lo, diretamente, junto a um fornecedor, enquanto se aguarda o final do procedimento? Para atender a segunda solução apontada é que o legislador introduziu o dispositivo em tela. É evidente que a dispensa não deveria ocorrer caso fosse planejada, previamente, a compra da carne. Todavia, no dia-a-dia as coisas podem fugir ao nosso controle. Situações há em que aparecem necessidade súbitas colocando por terra todo um planejamento previamente elaborado. Exemplifiquemos com a situação na qual o gestor descobre, durante a realização do procedimento, e, portanto, após concluir o seu planejamento, que todo o seu estoque de gêneros alimentícios perecíveis se perdeu em razão de um mau acondicionamento ou queda no fornecimento de energia elétrica. Como proceder nesse caso? Aguardar o final do procedimento licitatório ou comprar diretamente mas tão-somente pelo tempo e quantidade necessários para a realização do certame? Foi para atender situações dessa natureza que foi introduzido este inciso. Aqui, como em outras hipóteses, a contratação direta foi autorizada para socorrer uma legítima necessidade do Poder Público. A dispensa fundamentada no inciso XIII foi eleita para atender às necessidades do Poder Público relacionadas à pesquisa, ao ensino, ao seu desenvolvimento institucional ou com a recuperação social do preso. Assim, caso haja necessidade dele buscar no mercado um fornecedor que possa auxiliá-lo

6 num desses aspectos poderá contratá-lo diretamente sem precisar recorrer ao procedimento licitatório. Todavia, essa instituição deverá preencher alguns requisitos, qual seja: a) ser brasileira b) possuir, em seu estatuto ou regimento interno, a descrição de que trabalhe com tais atividades (pesquisa, ensino ou desenvolvimento institucional) c) possuir inquestionável reputação ético-profissional d) não possua fins lucrativos Exemplifiquemos com as fundações de apoio que auxiliam muitas as Universidades brasileiras em suas atividades de ensino, pesquisa e desenvolvimento institucional. A Universidade Federal do Amazonas, por exemplo, possui a Fundação Rio Solimões que colabora com ela em suas atividades. O motivo da dispensa reside na necessidade de se incentivar e tornar mais ágeis as ações no campo da pesquisa, do desenvolvimento institucional, do ensino e da recuperação do preso aspectos estes certamente de grande relevância social. A dispensa referida no inciso XIV refere-se às contratações de fornecedores para a aquisição de bens e serviços por força dos termos de acordo internacional específico aprovado pelo Congresso Nacional. Essa hipótese é de ordem muito particular já que não ocorre costumeiramente. Existem situações em que o Poder Público firma acordos com países ou organismos internacionais a fim de perseguir determinado objetivo. P. exemplo: Admitamos que o governo brasileiro firme um acordo com o governo americano a fim de reaparelhar a Polícia Federal no sentido de melhor equipá-la para melhor combater o narcotráfico. Admitamos ainda que os recursos sejam provenientes do governo americano e que por força disso ele exija que as aquisições de tais equipamentos sejam adquiridos junto a um fornecedor americano. Ora, nessa hipótese o governo brasileiro não aplicaria o procedimento da licitação, vale dizer, as disposições da Lei n 8.666/93. Compraria diretamente da entidade eleita pelos americanos. A razão da dispensa, aqui, decorre, dentre outras razões, do fato de o legislador brasileiro não criar empecilho a acordos dessa natureza que, seguramente, irão trazer bons frutos à sociedade brasileira. Impera o interesse público. O inciso XV trata da dispensa movida pela necessidade de se contratar fornecedor capaz de restaurar obras de arte e objetos históricos de autenticidade certificada ou ainda para a aquisição desses bens, mas desde que as obras de arte e objetos históricos sejam compatíveis ou inerentes às atividades do órgão ou entidade. Aqui podemos exemplificar com a seguinte situação: admitamos que o Banco Central deseje adquirir de um colecionador moedas do tempo do Brasil Colônia que, seguramente, é um objeto histórico. Como fazer isso? Bem, de acordo com o inciso XV essa aquisição poderá ocorrer de forma direta, sem procedimento licitatório. Isto porque o objeto adquirido moeda do tempo do Brasil Colônia guarda correlação com as atividades do Banco Central. Além disso, também o Banco possui um pequeno museu, aberto ao público, no qual poderão ser vistos, dentre outros objetos históricos, moedas das mais

7 diversificadas épocas. Ora, a dispensa ao procedimento provavelmente não ferirá a competição entre eventuais fornecedores isto porque, em razão da raridade do objeto a ser adquirido é possível que o número deles seja bastante diminuto. Além disso, dos prováveis concorrentes boa parte deles também não desejaria se desfazer de sua coleção. Assim, pouquíssimos é que estariam dispostos a negociá-la. Ora, como um procedimento licitatório procura puxar para baixo os preços dos produtos adquiridos nenhum colecionador jamais iria se desfazer de sua coleção por um preço ínfimo. Por isso a saída foi dispensá-lo. Aqui, mais uma vez, o interesse público prevalece. O inciso XVI cuida, especificamente, das aquisições de bens e serviços fornecidos por órgãos ou entidades da Administração Pública criados exclusivamente para fornecê-los. É o caso, p. exemplo, da Imprensa Oficial, criada, especificamente, e dentre outros motivos, para o fornecimento de Diários Oficiais. É o caso, aqui no Amazonas, da Prodam, empresa criada pelo governo estadual com a finalidade de prestar serviços de informática ou, ainda, o Serpro e a Dataprev ambos no âmbito do serviço público federal, responsáveis também pela prestação de serviços de informática. Aqui o motivo da dispensa decorre dos mesmos fatos já comentados no inciso VIII. A dispensa autorizada no inciso XVII foi uma brecha legal criada para fins de não criar maiores empecilhos a uma prática corriqueira no mercado. É que, muitas vezes, alguns fornecedores exigem, para oferecerem garantia ao produto fornecido, que aquele que adquire o produto compre dele as peças de reposição. É a exclusividade de fornecimento que é exigida nesses casos. Do contrário, negam a garantia. Nessas situações a legislação autoriza a aquisição direta mas, mencione-se, que será tão-somente (...) durante o período de garantia técnica, conforme bem assinalado no inciso. A intenção aqui do legislador é, conforme foi dito, não criar óbices legais a uma prática comum do mercado de bens e serviços. O inciso XVIII autoriza o Poder Público a adquirir diretamente bens e serviços destinados ao abastecimento de veículos (navios, embarcações, unidades aéreas) ou tropas e seus meios de deslocamento enquanto permanecerem, temporariamente, em portos, aeroportos ou, ainda, em localidades diferentes de suas sedes, em razão de movimentação operacional ou de adestramento. Todavia, há que serem atendidas duas condições: o tempo para a realização do certame licitatório puder comprometer os propósitos das operações e desde que o valor a ser gasto não supere o limite previsto na alínea a, do inciso II, do art. 23 da Lei de Licitações e Contratos (R$ ,00). Exemplifiquemos. Imagine que um navio de guerra brasileiro seja convidado a participar de treinamentos bélicos juntamente com navios de outros países. Admitamos, ainda, que no trajeto, rumo ao seu destino, o navio tenha que atracar num porto qualquer do território nacional para abastecimento. O prazo para permanência nesse porto foi estipulado em 03 (três) horas, sob pena de trazer prejuízos ao treinamento, caso sua estada se prolongue mais do que esse período. Ora, nessa situação, como deverá realizar um procedimento licitatório nesse exíguo espaço de tempo? Se o fizer certamente irá (...) comprometer a normalidade e os propósitos da

8 operação bélica para qual foi convidado a participar. Para solucionar questões dessa natureza é que o legislador inseriu este dispositivo na Lei de Licitações e Contratos. O inciso XIX foi instituído exclusivamente para atender a uma necessidade das Forças Armadas. O objetivo é (...) manter a padronização requerida pela estrutura de apoio logístico dos meios navais, aéreos e terrestres. A exceção consiste naqueles bens destinados ao uso pessoal e administrativo, tais como: calçados, fardamentos, materiais de consumo, materiais de expediente etc. Assim, certamente que a aquisição de botas para atender a um grupamento de fuzileiros navais não poderá ser realizado diretamente mas carecerá de um procedimento licitatório (convite, tomada de preços, concorrência etc.), pois tratase de um material de uso pessoal. Por outro lado, a aquisição de um caça supersônico de determinado modelo poderá ocorrer diretamente dada a (...) necessidade de se manter a padronização requerida pela estrutura de apoio logístico dos meios (...) aéreos. O mesmo ocorrerá com tanques de guerra, navios etc. O inciso XX autoriza a contratação direta de associação de portadores de deficiência física, sem fins lucrativos, para a prestação de serviços ou fornecimento de mão-de-obra. Esta associação deverá atender a dois requisitos: o preço oferecido por ela deverá estar compatível com aquele praticado no mercado e sua idoneidade atestada por órgãos ou entidades da Administração Pública. O objetivo aqui é dar oportunidade de emprego e prestação de serviços àquela categoria de pessoas que, por limitações de ordem física, não têm condições de concorrer em igual oportunidade na iniciativa privada. Nessa situação o Poder Público é autorizado, por este dispositivo, a ampliar o leque de oportunidades a essa massa de pessoas. Aqui o motivo da autorização para a contratação direta reside em questões humanitárias. O inciso XXI procura estimular e dar celeridade às aquisições de bens destinados exclusivamente à pesquisa científica e tecnológica (...). Mas não é para toda categoria de bens que a Lei autoriza a contratação direta destinados a esse fim. Há dois requisitos a serem preenchidos: a) os recursos devem ser liberados pela CAPES, FINEP ou CNPq: o CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico é uma Fundação, vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia; A FINEP Financiadora de Estudos e Projetos é uma Empresa Pública também vinculada ao mesmo ministério. Já a CAPS Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior é uma Fundação vinculada ao Ministério da Educação; b) se os recursos forem liberados por outras entidades que não as listadas acima a entidade devem apresentar credenciamento junto ao CNPq que indique tratar-se de uma instituição de fomento à pesquisa. Com efeito, se uma determinada entidade privada repassar recursos para o Poder Público adquirir, p. exemplo, tubos de ensaio (para serem utilizados em laboratórios) não poderá adquirir tais produtos diretamente, mediante dispensa ao procedimento licitatório, caso essa entidade não apresente credencial junto ao CNPq que ateste ser ela uma instituição de fomento à pesquisa.

9 O inciso XXII foi construído pelo legislador para facilitar a aquisição de energia elétrica junto a concessionário, permissionário ou autorizatário. Isto porque, em nosso país, o fornecimento de energia elétrica ainda é um monopólio estatal, somente transferido à iniciativa privada mediante contratos de concessão, permissão ou autorização. Com efeito, os fornecedores de energia elétrica em nosso país ou é o próprio Poder Público ou são entidades privadas por ele autorizadas a operar no mercado sendo que o Poder Público responde, como não poderia deixar de ser, pela maior parte dos fornecimentos. Assim, em se tratando da aquisição de energia elétrica nada mais lógico que autorizar a aquisição direta junto ao fornecedor. Não haverá maiores agressões à competitividade. Primeiro porque ou o Poder Público contratará dele mesmo nas regiões em que o suprimento de energia elétrica for feito pelo Estado, a exemplo de Manaus; ou contratará de alguém por ele autorizado a fornecê-la, a exemplo do que ocorre em Belém. Questiona-se: e não deveria o Poder Público realizar um procedimento licitatório para o fornecimento de energia elétrica nas regiões em que esta é fornecida pela iniciativa privada já que é possível que existam outros fornecedores possivelmente interessados em fornecê-la naquela região? Resposta: sim. Mas imagine que todos os anos ou de dois em dois anos o Poder Público fizesse uma licitação para a eleição de um novo fornecedor de energia elétrica. Esse fato poderia criar transtornos ao regular funcionamento dos serviços públicos já que os custos de mobilização e implantação de um parque gerador de energia elétrica demandam tempo e elevados investimentos. Ora, alguns serviços públicos são essenciais (hospitais, p. exemplo) não podendo sofrer, em hipótese alguma, qualquer paralisação, por mínima que seja. Mais: imagine que deva ser realizada nova licitação a cada vez que expirar a vigência do contrato feito não sendo mais possível sua renovação. A fim de evitar transtornos dessa natureza o legislador autorizou a contratação direta para atender ao fornecimento de energia elétrica. O inciso XXIII, assim como o precedente, também trata de imprimir celeridade às contratações do Poder Público que se enquadrem na situação prescrita. Trata ele daquelas operações que ocorrem entre as empresas públicas ou sociedades de economia mista e suas correspondentes subsidiárias ou controladas para a aquisição ou alienação de bens, prestação ou obtenção de serviços. Poderíamos exemplificar com a relação entre a Manaus Energia S/A e a Eletronorte Sociedade de Economia Mista. A Manaus Energia S/A é subsidiária da Eletronorte significando dizer que 100% (cem por cento) do capital da primeira pertence à segunda. Ora, como ambas operam no mercado de energia elétrica têm elas muita afinidade no processo operacional. Por isso mesmo, é possível que as necessidades de uma sejam supridas pela outra, e vice versa. Com efeito, admitamos que em dado momento a Manaus Energia necessite de peças de reposição para o seu parque gerador de energia elétrica. Admitamos, ainda, que a Eletronorte disponha, em seu estoque, dessas peças não precisando das mesmas à mesma época. Ora, pelas disposições desse inciso será possível a Manaus Energia comprar diretamente da Eletronorte essas peças, sem precisar recorrer a um procedimento licitatório. Em decorrência, é possível que os preços e condições

10 de pagamento sejam melhores que aqueles oferecidos pelo mercado. Além disso também é possível que a aquisição se processe mais rapidamente já que livre dos entraves burocráticos de uma licitação. O último dos incisos XXIV trata da possibilidade de contratação direta de organizações sociais. Das organizações sociais e sua qualificação como tal trata a lei n 9.637/98. Nessa lei está previsto que para serem reconhecidas como organizações sociais as entidades privadas devem desenvolver atividades relacionadas com: a) ensino; b) pesquisa científica; c) desenvolvimento tecnológico; d) proteção e preservação do meio ambiente; e) cultura; e f) saúde. Também está prevista na mesma que tais entidades não tenham fins lucrativos, dentre outros. Pois bem. Em decorrência da natureza das atividades que desempenham, e desde que preenchidos os requisitos legais, entendeu o legislador que caberia, em mais esta oportunidade, a dispensa ao procedimento licitatório, entendimento conduzido, por certo, pela esperança de desenvolver áreas tão essenciais à coletividade. CONSIDERAÇÕES FINAIS ACERCA DAS DISPENSAS AUTORIZADAS NO ART. 24 Conforme pudemos verificar, em todas as situações previstas no art. 24 da Lei n 8.666/93, caberia, certamente, a realização de um procedimento licitatório pois viável a competição já que existentes mais de um fornecedor no mercado de bens e serviços. Todavia, o legislador optou por autorizar o Poder Público a dispensar o procedimento em razão de vários motivos (conseguir economia nas aquisições, interesse público, não comprometimento de atividades essenciais à coletividade, dentre outras). Assim, diante de cada uma das situações enumeradas no art. 24 caberá ao Poder Público realizar o procedimento licitatório ou usufruir da autorização para contratar diretamente o fornecedor do bem ou serviço de que necessitar.

Dispensa de licitação

Dispensa de licitação Dispensa de licitação Introdução A CR/88 obriga em seu art. 37, XXI que a contratação de obras, serviços, compras e alienações, bem como a concessão e a permissão de serviços públicos pela Administração

Leia mais

III - nos casos de guerra ou grave perturbação da ordem;

III - nos casos de guerra ou grave perturbação da ordem; GLOSSÁRIO Classificação Funcional Programática A Classificação Funcional Programática é o agrupamento das ações do governo em grandes áreas de sua atuação, para fins de planejamento, programação e elaboração

Leia mais

COMENTÁRIOS À LEI DE LICITAÇÕES E CONTRATOS LEI nº 8.666/1993. Hoje vou poupá-los da filosofia, vamos direito à aula. CONTRATAÇÃO DIRETA Parte II

COMENTÁRIOS À LEI DE LICITAÇÕES E CONTRATOS LEI nº 8.666/1993. Hoje vou poupá-los da filosofia, vamos direito à aula. CONTRATAÇÃO DIRETA Parte II COMENTÁRIOS À LEI DE LICITAÇÕES E CONTRATOS LEI nº 8.666/1993 Hoje vou poupá-los da filosofia, vamos direito à aula. CONTRATAÇÃO DIRETA Parte II 1.2.1.2 Licitação Dispensável Como aprendemos, a licitação

Leia mais

1 - OBRIGATORIEDADE DA LICITAÇÃO:

1 - OBRIGATORIEDADE DA LICITAÇÃO: PARECER CONSULTORIA JURÍDICA BASE DISPENSA ou INEXIGIBILIDADE de LICITAÇÃO E SUA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PARA CONTRATAÇÃO DO CEAT ASPECTOS LEGAIS DA LICITAÇÃO 1 - OBRIGATORIEDADE DA LICITAÇÃO: Sem dúvida que

Leia mais

Estatísticas Gerais das Compras Governamentais:

Estatísticas Gerais das Compras Governamentais: Estatísticas Gerais das Compras Governamentais: Número de Processos/Itens e Valor de Compra 2011 Sumário Executivo O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão apresenta dados referentes às compras

Leia mais

Responsáveis pela Licitação

Responsáveis pela Licitação Responsáveis pela Licitação Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Administrativo I Publicação no semestre 2014.2 do curso de Direito. Autor: Albérico Santos Fonseca

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

(D) vultosos em termos econômicos, definidos em lei, e válido com a convocação de cinco

(D) vultosos em termos econômicos, definidos em lei, e válido com a convocação de cinco Olá, pessoal! Eis aqui a última das quatro aulas sobr e Lei 8.666/93 para o concurso da Câmara. Selecionei algumas questões da FCC per tinentes ao assunto. Bons estudos e boa sorte no concurso! Técnico

Leia mais

LEI Nº- 12.349, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº- 12.349, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº- 12.349, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010 O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Altera as Leis nos 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.958, de 20 de dezembro de 1994, e 10.973, de 2 de dezembro de 2004;

Leia mais

LEI Nº 8.666 DE 21 DE JUNHO DE 1993 SUMÁRIO

LEI Nº 8.666 DE 21 DE JUNHO DE 1993 SUMÁRIO LEI Nº 8.666 DE 21 DE JUNHO DE 1993 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I - DOS PRINCÍPIOS arts. 1º ao 5º SEÇÃO II - DAS DEFINIÇÕES art. 6º SEÇÃO III - DAS OBRAS E SERVIÇOS arts. 7º ao 12

Leia mais

Apresentar as modalidades e tipos de licitação. Distinguir os institutos da dispensa e da inexigibilidade de licitação

Apresentar as modalidades e tipos de licitação. Distinguir os institutos da dispensa e da inexigibilidade de licitação AULA 15: MODALIDADES E TIPOS DE LICITAÇÃO. DISPENSA E INEXIGIBILIDADE. OBJETIVO Apresentar as modalidades e tipos de licitação. Distinguir os institutos da dispensa e da inexigibilidade de licitação INTRODUÇÃO

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

não - Impõe a motivação das decisões proferidas em qualquer etapa do procedimento. 6) probidade administrativa; 7) vinculação ao instrumento

não - Impõe a motivação das decisões proferidas em qualquer etapa do procedimento. 6) probidade administrativa; 7) vinculação ao instrumento 13. Regime Jurídico da Licitação e dos Contratos Administrativos. 25. Licitação: Art. 37, XXI, da Constituição Federal; Lei n. 8.666, de 21.6.93 e suas alterações posteriores. LICITAÇÃO - CF, ART. 37,

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Olá, pessoal! Trago hoje uma pequena aula sobre a prestação de serviços públicos, abordando diversos aspectos que podem ser cobrados sobre o assunto. Espero que gostem. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS O

Leia mais

Estabelece margem de preferência em licitações para produtos manufaturados e serviços nacionais, priorizando bens e serviços produzidos no País.

Estabelece margem de preferência em licitações para produtos manufaturados e serviços nacionais, priorizando bens e serviços produzidos no País. MEDIDA PROVISÓRIA N 495, DE 19 DE JULHO DE 2010 Estabelece margem de preferência em licitações para produtos manufaturados e serviços nacionais, priorizando bens e serviços produzidos no País. Altera as

Leia mais

COMENTÁRIOS À LEI DE LICITAÇÕES E CONTRATOS LEI nº 8.666/1993

COMENTÁRIOS À LEI DE LICITAÇÕES E CONTRATOS LEI nº 8.666/1993 COMENTÁRIOS À LEI DE LICITAÇÕES E CONTRATOS LEI nº 8.666/1993 www.editoraferreira.com.br Na aula passada, conversamos sobre a mais nova das modalidades de Licitação: o Pregão. No encontro de hoje, começaremos

Leia mais

MINUTA DA RESOLUÇÃO Nº 1.687 ANTAQ

MINUTA DA RESOLUÇÃO Nº 1.687 ANTAQ MINUTA DA RESOLUÇÃO Nº 1.687 ANTAQ Dispositivo Texto Proposta SINDICOM Art. 2º, inciso IV IV - Áreas e Instalações Portuárias Operacionais: as destinadas à movimentação e à armazenagem de cargas e ao embarque

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO PRELIMINAR DE AUDITORIA 03/2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO PRELIMINAR DE AUDITORIA 03/2013 RELATÓRIO PRELIMINAR DE AUDITORIA 03/2013 SUMÁRIO: 1. Apresentação... 01 2. Informações Gerais... 01 3. Resumo... 01 4. Dados das Amostras... 02 5. Resultados dos Trabalhos de Auditoria... 02 6. Conclusão...

Leia mais

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006 Governo do Estado Institui o Programa de Ação Cultural - PAC, e dá providências correlatas. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ, FAÇO saber que o Poder Legislativo decreta

Leia mais

CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS

CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS 10.108 - REGULAMENTO SIMPLIFICADO DE COMPRA E VENDA DE PRODUTOS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE APOIO À COMERCIALIZAÇÃO DATA DE APROVAÇÃO: 12/08/1993 - DATA DE ALTERAÇÃO: 20/09/1995 ÍNDICE PÁGINAS CAPÍTULO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENFICENTE ESPÍRITO-SANTENSE HOSPITAL ESTADUAL JAYME SANTOS NEVES CNPJ:28.127.

REGULAMENTO DE COMPRAS ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENFICENTE ESPÍRITO-SANTENSE HOSPITAL ESTADUAL JAYME SANTOS NEVES CNPJ:28.127. REGULAMENTO DE COMPRAS ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENFICENTE ESPÍRITO-SANTENSE HOSPITAL ESTADUAL JAYME SANTOS NEVES CNPJ:28.127.926/0002-42 DATA DA IMPLANTAÇÃO 26/01/2013 Nº DE REVISÃO DATA DA ÚLTIMA REVISÃO

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS

ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS PROCESSO 001858/2011 ORIGEM Prefeitura Municipal de Umbaúba NATUREZA Consulta INTERESSADO Anderson Fontes Farias RELATOR Conselheiro REINALDO MOURA FERREIRA AUDITOR Parecer nº 204/2011 Alexandre Lessa

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação Programa 0620 Preparo e Emprego da Força Terrestre Ações Orçamentárias Número de Ações 16 24490000 Doutrina e Estratégia Militar Produto: Evento realizado Unidade de Medida: unidade UO: 52121 Comando do

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005

DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005 DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005 Dispõe sobre o Conselho Municipal de Informática, o Sistema de Tecnologia da Informação, a aquisição e a contratação de bens e serviços de informática. JOSÉ SERRA,

Leia mais

Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de Sergipe. Orientações para Processos Licitatórios Gerência Executiva Outubro/2014

Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de Sergipe. Orientações para Processos Licitatórios Gerência Executiva Outubro/2014 Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de Sergipe Orientações para Processos Licitatórios 1 A Lei 8666, estabelece normas gerais sobre licitações e contratos administrativos pertinentes a obras, serviços,

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

TERCEIRA ATA DE DIVULGAÇÃO DE RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FORMULADOS POR EMPRESA INTERESSADA NA CONCORRÊNCIA Nº 1/2014 DA SAC/PR

TERCEIRA ATA DE DIVULGAÇÃO DE RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FORMULADOS POR EMPRESA INTERESSADA NA CONCORRÊNCIA Nº 1/2014 DA SAC/PR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL TERCEIRA ATA DE DIVULGAÇÃO DE RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FORMULADOS POR EMPRESA INTERESSADA NA CONCORRÊNCIA Nº 1/2014 DA SAC/PR Objeto da Concorrência

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito administrativo

Maratona Fiscal ISS Direito administrativo Maratona Fiscal ISS Direito administrativo 1. É adequada a invocação do poder de polícia para justificar que um agente administrativo (A) prenda em flagrante um criminoso. (B) aplique uma sanção disciplinar

Leia mais

DISPENSA E INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO. Paulo Roberto Wiechers Martins paulo.wiechers@gmail.com

DISPENSA E INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO. Paulo Roberto Wiechers Martins paulo.wiechers@gmail.com DISPENSA E INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO Paulo Roberto Wiechers Martins paulo.wiechers@gmail.com Contratação Direta Conteúdo Programático O que é, conceitos, aplicabilidade Dispensa e inexigibilidade de

Leia mais

Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade

Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade É sabido que empenho é o comprometimento de verba orçamentária para fazer face a uma despesa

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 470/93 - Plenário - Ata 53/93 Processo nº TC 014.861/93-3 Entidade: Ministério da Justiça Relator: Ministra Élvia L. Castello Branco Redator da Decisão

Leia mais

SEMINÁRIO RENOVAÇÃO DE CONCESSÕES DO SETOR PÚBLICO DE ENERGIA ELÉTRICA. Porto Alegre 05/10/2009 Luiz Carlos Guimarães ABRADEE

SEMINÁRIO RENOVAÇÃO DE CONCESSÕES DO SETOR PÚBLICO DE ENERGIA ELÉTRICA. Porto Alegre 05/10/2009 Luiz Carlos Guimarães ABRADEE SEMINÁRIO RENOVAÇÃO DE CONCESSÕES DO SETOR PÚBLICO DE ENERGIA ELÉTRICA Porto Alegre 05/10/2009 Luiz Carlos Guimarães ABRADEE Concessões de Distribuição QUANTO AO PRAZO CONTRATUAL AS CONCESSÕES DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010 Estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no Município de Santa Maria e dá outras providências. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER,

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO EDITAL DE CONVOCAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA O Secretário Executivo do SINDCONTAS, no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto da entidade, convoca todos os filiados para comparecer a Assembléia

Leia mais

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Sistema de Incentivos à I&DT e Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONTRATO CONSÓRCIO EXTERNO Aplicável a projectos de I&DT

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS DA FUNDUNESP. Capítulo I. Das Disposições Gerais. Seção I. Dos Princípios

REGULAMENTO DE COMPRAS DA FUNDUNESP. Capítulo I. Das Disposições Gerais. Seção I. Dos Princípios REGULAMENTO DE COMPRAS DA FUNDUNESP Capítulo I Das Disposições Gerais Seção I Dos Princípios Art. 1º - Este Regulamento disciplina as formas de contratações de compras, serviços, obras, alienações e locações

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 41, DE 2015 Altera a Lei nº 9.074, de 7 de julho de 1995, para estabelecer uma indenização mínima de vinte por cento do valor da terra nua no caso da instituição

Leia mais

o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais, e

o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais, e RESOLUÇÃO N.o 83, de 10 de junho de 2009. Dispõe sobre a aquisição, locação e uso de veículos no âmbito do Poder Judiciário brasileiro e dá outras providências. o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA,

Leia mais

Segundo o art. 41 da Lei nº 4.320/64 os créditos adicionais classificam-se em: I - suplementares: os destinados a reforço de dotação orçamentária;

Segundo o art. 41 da Lei nº 4.320/64 os créditos adicionais classificam-se em: I - suplementares: os destinados a reforço de dotação orçamentária; 1 - MECANISMOS RETIFICADORES DO ORÇAMENTO Alipio Reis Firmo Filho www.editoraferreira.com.br 1.1 Conceito de Crédito Adicional O orçamento anual é produto de um processo de planejamento que incorpora as

Leia mais

TÍTULO I Do Instituto de Terras do Estado do Tocantins. CAPÍTULO I Definição, Encargos e Finalidades

TÍTULO I Do Instituto de Terras do Estado do Tocantins. CAPÍTULO I Definição, Encargos e Finalidades LEI Nº 87, DE 27 DE OUTUBRO DE 1989. Publicado no Diário Oficial nº 23 *Restaurada pela Lei 2.830, de 27/03/2014. Cria o Instituto de Terras do Estado do Tocantins - ITERTINS, o Fundo Agrário Estadual,

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL REGULAMENTO DE COMPRAS A AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL ADES, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede na Av. Dom Luís, 685, sala 101 Bairro Meireles CEP 60.160-230

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 057/2012 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A.

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 057/2012 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 057/2012 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução Normativa ANEEL nº 279,

Leia mais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais 1 von 6 31.05.2010 10:06.: DAI - Divisão de Atos Internacionais DECRETO Nº 2.579, DE 6 DE MAIO DE 1998. Promulga o Acordo Básico de Cooperação Técnica, celebrado entre o Governo da República Federativa

Leia mais

PROFESSOR FÁBIO BELLOTE GOMES. Graduado, Mestre e Doutor pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo USP. Professor no Curso FMB - SP

PROFESSOR FÁBIO BELLOTE GOMES. Graduado, Mestre e Doutor pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo USP. Professor no Curso FMB - SP PROFESSOR FÁBIO BELLOTE GOMES Graduado, Mestre e Doutor pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo USP Professor no Curso FMB - SP Autor do Manual Elementos de Direito Administrativo Editora

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais

A inexigibilidade inexigibilidade de licitação se refere aos casos em

A inexigibilidade inexigibilidade de licitação se refere aos casos em DISPENSA E INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO Professor: Antônio Noronha Contratação Direta regra ou exceção Licitação dispensada edispensável: Na licitação dispensável, oadministrador, se quiser, porá realizar

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL N 07/2011-PR/PB PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 3

PREGÃO PRESENCIAL N 07/2011-PR/PB PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 3 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República na Paraíba PREGÃO PRESENCIAL N 07/2011-PR/PB PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 3 Referência: Processo n.º 1.24.000.001591/2011-14. Interessado: OMEGATI COMÉRCIO

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2.1. Breve Histórico da Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro No início da década de 90, o setor elétrico brasileiro apresentava uma estrutura predominantemente

Leia mais

Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa

Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Ainda que a pessoa jurídica esteja submetida ao regime de incidência não-cumulativa, as receitas constantes do art. 8º da Lei nº 10.637, de 2002,

Leia mais

Conforme previsto no item VIII do edital de Pregão nº 44/2009, apresentamos nosso pedido de esclarecimentos sobre a licitação, conforme segue:

Conforme previsto no item VIII do edital de Pregão nº 44/2009, apresentamos nosso pedido de esclarecimentos sobre a licitação, conforme segue: Quanto aos questionamentos apresentados pela empresa LORENO, passamos a responder o seguinte: Conforme previsto no item VIII do edital de Pregão nº 44/2009, apresentamos nosso pedido de esclarecimentos

Leia mais

Capítulo I Das Organizações Sociais. Seção I Da Qualificação

Capítulo I Das Organizações Sociais. Seção I Da Qualificação Lei n.º 9.637, de 15 de maio de 1998 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, a criação do Programa Nacional de Publicização, a extinção dos órgãos e entidades que menciona e

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N... Ano...)

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N... Ano...) LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N.... Ano...) DISPÕE SOBRE O TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS ATRAVÉS DE TÁXI. O PREFEITO MUNICIPAL DE MANAUS no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

Diretoria de Patrimônio - DPA

Diretoria de Patrimônio - DPA Diretoria de Patrimônio - DPA Diretoria de Patrimônio - DPA Finalidade Coordenar, supervisionar, controlar e executar as atividades relativas a administração patrimonial do Estado. (Decreto Estadual nº

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações entre a Universidade Federal de Santa Catarina e as suas fundações de apoio. O PRESIDENTE DO

Leia mais

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais no âmbito do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 100, DE 14 DE MARÇO DE 2012.

RESOLUÇÃO N.º 100, DE 14 DE MARÇO DE 2012. RESOLUÇÃO N.º 100, DE 14 DE MARÇO DE 2012. Dispõe sobre a aquisição, a locação e o uso de veículos oficiais no âmbito da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. O, de acordo

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

DECRETO Nº 2.232 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

DECRETO Nº 2.232 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 DECRETO Nº 2.232 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 Regulamenta o regime de substituição tributária do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza ISSQN, instituído pela Lei Complementar n 03, de 17 de setembro

Leia mais

PORTARIA Nº PGE - 089/2012

PORTARIA Nº PGE - 089/2012 PORTARIA Nº PGE - 089/2012 O PROCURADOR GERAL DO ESTADO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 32 da Lei Complementar nº 34, de 06 de fevereiro de 2009, considerando a necessidade de

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2010

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2010 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

ILUSTRÍSSIMA SENHORA PREGOEIRA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS

ILUSTRÍSSIMA SENHORA PREGOEIRA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS ILUSTRÍSSIMA SENHORA PREGOEIRA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS REF. Pregão Eletrônico Sistema de Registro de Preços 002/2012, sediada a Rua Vicentina Coutinho Camargos,

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO. PONTO 3: Licitações

DIREITO ADMINISTRATIVO. PONTO 3: Licitações DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Administração direta e indireta (cont.) PONTO 2: Responsabilidade Civil PONTO 3: Licitações Empresas Públicas e Sociedade de Economia Mista Semelhanças: 1- Possuem natureza

Leia mais

1.2. Obrigatoriedade de realização de licitação ( CF, art. 37, XXI)

1.2. Obrigatoriedade de realização de licitação ( CF, art. 37, XXI) ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO PROFESSORA: CLARISSA SAMPAIO SILVA 1) LICITAÇÃO - Previsão constitucional: 1.1. Estabelecimento de normas gerais ( CF, art.22, XXVII)

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 007/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 007/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 007/2009 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPPG PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO PROPLAN Disciplina no âmbito da UDESC os procedimentos

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 31 - Data 30 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA FÍSICA - IRPF Ementa: ALIENAÇÃO DE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL nº. 002

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL nº. 002 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL nº. 002 UCCI Unidade Central de Controle Interno SCL Sistema de Compras e Licitações Versão: 1.0 Aprovada em: 17/12/2010 Unidade Responsável: Departamento de Compras e Licitações

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, o Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS, no uso das suas atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 26,

Leia mais

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 REGULAMENTA O SISTEMA DE SUPRIMENTOS NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR

Leia mais

CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIATUBA

CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIATUBA CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIATUBA Que entre si celebram a FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIATUBA e a empresa: BRASILL INFORMÁTICA E PRODUTOS LTDA EPP. CLÁUSULA

Leia mais

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Administração Pública Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 A seguir veremos: Novas Modalidades de Administração no Brasil; Organização da Administração Pública; Desafios da Administração Pública.

Leia mais

Dispõe sobre a Política Estadual de Agricultura Irrigada e dá outras providências.

Dispõe sobre a Política Estadual de Agricultura Irrigada e dá outras providências. Lei nº 18995 DE 03/09/2015 Norma Estadual - Goiás Publicado no DOE em 08 set 2015 Dispõe sobre a Política Estadual de Agricultura Irrigada e dá outras providências. A Assembleia Legislativa do Estado de

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

052/2013- CNPJ:16.255.077/0001-42 AV. Herminio José dos Santos, 184 Novo Horizonte Ba Fone/Fax: (77)3648-1060/1109/1350

052/2013- CNPJ:16.255.077/0001-42 AV. Herminio José dos Santos, 184 Novo Horizonte Ba Fone/Fax: (77)3648-1060/1109/1350 052/2013- CNPJ:16.255.077/0001-42 AV. Herminio José dos Santos, 184 Novo Horizonte Ba Fone/Fax: (77)3648-1060/1109/1350 PROCESSO ADMINISTRATIVO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº 052/2013-D DATA: 16 de Abril

Leia mais

WEGH Assessoria e Logística Internacional Ltda.

WEGH Assessoria e Logística Internacional Ltda. ILMO. SR. DR. PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO N. 79/2012 DA FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E A EXTENSAO - FAPEX Pregão Eletrônico nº 79/2012 WEGH ASSESSORIA E LOGISTICA INTERNACIONAL LTDA, com sede na Rua

Leia mais

DECRETO Nº 7.294, DE 6 DE SETEMBRO DE 2010 DOU 08.09.2010. Dispõe sobre a Política de Mobilização Nacional.

DECRETO Nº 7.294, DE 6 DE SETEMBRO DE 2010 DOU 08.09.2010. Dispõe sobre a Política de Mobilização Nacional. DECRETO Nº 7.294, DE 6 DE SETEMBRO DE 2010 DOU 08.09.2010 Dispõe sobre a Política de Mobilização Nacional. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea "a",

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS,

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. Institui o Fundo Municipal de Saúde e da outras providencias.. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Formalização, Execução e Rescisão. Direito Administrativo CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Prof.

CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Formalização, Execução e Rescisão. Direito Administrativo CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Prof. Direito Administrativo Prof. Almir Morgado CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Formalização, Execução e Rescisão Formalização do Contrato Administrativo Formalizar significa materializar o contrato em documento

Leia mais

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013 Volume V Suprimento de Fundos MACONFI Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças 1ª Edição Janeiro / 2013 Sumário 1. Conteúdo... 3 2. Conceitos... 3 3. Restrições à concessão

Leia mais

PORTARIA Nº 7.465, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2012.

PORTARIA Nº 7.465, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2012. PORTARIA Nº 7.465, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2012. Dispõe quanto à integração, desvinculação, desfazimento, classificação, destinação, uso, identificação e controle, relacionados aos veículos oficiais da frota

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 11 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. Institui a política de segurança da informação do Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR

Leia mais

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a

Leia mais

I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA RECUPERAÇÃO JUDICIAL E OS MEIOS PARA BUSCÁ-LA

I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA RECUPERAÇÃO JUDICIAL E OS MEIOS PARA BUSCÁ-LA I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA RECUPERAÇÃO JUDICIAL E OS MEIOS PARA BUSCÁ-LA CLEILTON FERNANDES 1, JEFFESON CORDEIRO MUNIZ 1, LIDIANE FREITAS VARGAS 1, NIRLENE OLIVEIRA 1, SHEILA CRISTINA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

VALEC: Desenvolvimento Sustentável do Brasil 1º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS CONCORRÊNCIA Nº 011/2009

VALEC: Desenvolvimento Sustentável do Brasil 1º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS CONCORRÊNCIA Nº 011/2009 1º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS CONCORRÊNCIA Nº 011/2009 1) As licenças ambientais e municipais necessárias para execução das obras (licenças prévias ou de instalação, por exemplo) já foram integralmente

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA DECRETO N.º 2356/2013 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Rosane Minetto Selig, Prefeita Municipal de Ouro

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

Dispõe sobre a aplicação do regime aduaneiro especial de exportação temporária.

Dispõe sobre a aplicação do regime aduaneiro especial de exportação temporária. BRASIL Instrução Normativa SRF nº 319, de 4 de abril de 2003 DOU de 7.4.2003 Dispõe sobre a aplicação do regime aduaneiro especial de exportação temporária. Alterada pela IN SRF nº 522, de 10 de março

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais