COMPARAÇÃO DE TRANSFORMADORES COM FATOR K E CONVENCIONAIS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPARAÇÃO DE TRANSFORMADORES COM FATOR K E CONVENCIONAIS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES"

Transcrição

1 COMPARAÇÃO DE TRANSFORMADORES COM FATOR K E CONVENCIONAIS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES CECATO, Luiz Phelipe Denardin Estudante de Engenharia Elétrica: UTFPR Universidade Tecnológica Federal do Paraná Av. Sete de Setembro, 3165, Curitiba/PR Tel. (41) MINATO, Raphael Ferreira Estudante de Engenharia Elétrica: UTFPR Universidade Tecnológica Federal do Paraná Av. Sete de Setembro, 3165, Curitiba/PR Tel. (43) ROCHA, Joaquim Eloir Professor Doutor Engenheiro Eletricista: UTFPR Universidade Tecnológica Federal do Paraná Av. Sete de Setembro, 3165, Curitiba/PR Tel. (41) RESUMO O presente tem como objetivo a comparação dos ensaios de elevação de temperatura de dois transformadores de 25kVA, sendo um destes preparado para suportar distorções harmônicas (Fator K) enquanto que o outro um transformador convencional. Ambos os equipamentos foram ensaiados tanto com carga senoidal como com carga não linear e os resultados serão mostrados neste artigo. Palavras-chave: Transformador, harmônicas, carga não linear, elevação de temperatura, fator K. 1 Introdução No ambiente de trabalho atual, o aumento do número de equipamentos eletrônicos como reatores, conversores eletrônicos, equipamentos de comunicação e outras cargas que utilizam chaves semicondutoras têm criado um grande problema para engenheiros e proprietários de instalações devido à característica não senoidal de suas cargas. A natureza não linear da alimentação de energia necessária a estes equipamentos gera harmônicos de corrente que causam sobreaquecimento e perda de potência em transformadores, torques oscilatórios em motores de indução, desgaste de isolamentos, e várias outras anomalias nocivas ao sistema elétrico, conforme exposto por PHIPPS (1994). Com todos estes problemas gerados pelas distorções harmônicas, diversos estudos foram realizados com o intuito de quantificá-los. A entidade denominada Underwriters Laboratory - UL criou uma forma de mensurar estes harmônicos conforme sua intensidade em um sistema, obtendo um parâmetro denominado fator K. Através deste valor é possível preparar os equipamentos sensíveis à presença de distorções em uma rede elétrica, sobredimensionando-os, instalando-se filtros, ou mesmo isolando-os do resto do sistema, caso não suporte a quantidade de harmônicos presentes na rede. O fator K, ou fator de perdas harmônicas, conforme a generalização feita pela recomendação C do Institute of Electrical and Electronics Engineers IEEE, também se tornou útil como forma de caracterizar um equipamento especialmente voltado para suportar as tensões e correntes não senoidais presentes em um circuito elétrico. Os transformadores convencionais, pela mesma recomendação da IEEE, têm sua potência reduzida para que possam operar sem problemas sob um determinado fator K, ou como é mencionado na recomendação, são desclassificados em sua potência, visto que estes não dependem apenas do seu design mas também da operação efetiva da carga, de acordo com TACI e DOMIJAN (2004). A diminuição de sua potência nominal, para tal aplicação onde está presente a distorção de tensão e corrente, permite que o transformador suporte o aquecimento causado devido às perdas induzidas pelos harmônicos. Mas essa solução não é financeiramente benéfica, pois se perde uma parte da capacidade do transformador. A indústria moderna, preocupada com o aumento da utilização de equipamentos geradores de harmônicos, criou o conceito de transformador de fator K como mostra FRANK (1997). Ele é um equipamento que possui características construtivas que permite utilizar toda a potência nominal, sem necessidade de desclassificação, sob um determinado volume de harmônicos na rede. O transformador com fator K e seu novo conceito de projeto é algo muito recente no mercado internacional, gerando muitas discussões sobre seus resultados e aplicabilidade. No Brasil, vêm sendo realizadas várias pesquisas sobre tal tecnologia, com a finalidade de fabricar um produto que atenda as necessidades das instalações elétricas nacionais de uma forma mais barata e segura.

2 2 Metodologia 2.1 Objetivos O objetivo geral do projeto é comparar a elevação de temperatura de dois transformadores sobre a mesma situação de carga não linear. Para que tudo isso pudesse ser realizado foram estipulados os seguintes objetivos específicos: Estudar os métodos de ensaio de transformadores convencionais; Estudar de forma detalhada as recomendações propostas pela IEEE C ; Desenvolver uma carga não linear; Adaptar ensaios de elevação de transformadores a seco para situações de carga não linear; Ensaiar um protótipo de um transformador a seco com fator K de potência nominal de 25kVA e um transformador a seco convencional de mesma potência, ambos fornecidos pela empresa COMTRAFO Indústria e Comércio de Transformadores LTDA, nos laboratórios da empresa cedente e nos laboratórios do LACTEC; Comparar os dados obtidos comprovando a eficácia do transformador com fator K em relação ao convencional. A equipe em parceria com a empresa COMTRAFO - Indústria e Comércio de Transformadores LTDA, desenvolveu os cálculos de dois protótipos, sendo um protótipo de um transformador convencional e um outro especial, o qual fora construído incluindo as conclusões que a equipe obteve nas pesquisas que esta realizou, no início do projeto, em livros e artigos sobre as influências das cargas não senoidais em transformadores. Além disso, como foi citado acima a equipe ainda construiu uma carga não linear e adaptou os ensaios de elevação de temperatura de transformadores convencionais para ensaios com carga não linear para a realização dos mesmos em dois laboratórios. 2.2 Projeto Projeto dos Protótipos O projeto do transformador convencional foi feito com base na metodologia de cálculo da empresa que cedeu os transformadores. Foi tomado um projeto de 20kVA a seco de base e foram feitas as adequações necessárias (potência, bitola do condutor, número de espiras, etc) nas planilhas de cálculo da empresa. Já para o protótipo do transformador especial além dessas alterações foram feitas modificações especiais que as cargas não lineares exigem, já que estas causam: Aumento de perdas parasitas; Prováveis componentes de corrente contínua da carga; Harmônicos múltiplos de 3; Estas exigências caso não sejam consideradas podem causar os seguintes efeitos no transformador: Maior elevação de temperatura do transformador, degradando a isolação e diminuindo sua vida útil; Maiores perdas e aquecimento do núcleo; Maior corrente de neutro, aquecendo além do projetado o condutor as suas proximidades; Para minimizar os efeitos no transformador devido a estas características de carga não senoidal, a equipe tomou, com orientação da empresa e do que havia sido estudado, as seguintes decisões: Modificar geometria do transformador, de forma que os condutores sofram menor influência do campo magnético no sentido axial (vertical), para que as perdas parasitas sejam diminuídas, e que haja uma maior circulação e área de contato com o ar, diminuindo o aquecimento. Trabalhar com materiais de uma maior classe de isolação (classe H) que suportem maiores temperaturas Trabalhar com induções mais baixas, evitando a possibilidade de saturação do núcleo. Aumentar a bitola do condutor do neutro do transformador, para suportar as elevadas corrente causadas pelos harmônicos múltiplos de 3. Uma outra recomendação que foi vista nas referências bibliográficas foi a utilização de blindagem eletrostática, entretanto em transformadores de pequena potência como os protótipos deste projeto isto não é utilizado devido ao alto custo da mesma. Os fabricantes, então, dobram a isolação de cada uma das camadas do enrolamento, a fim de proteger o transformador dos picos de tensão gerados pelos harmônicos com um baixo custo. Todas essas alterações resultaram no chamado transformador com fator K, ou seja, estas mudanças tornaram o transformador apto a suportar certo conteúdo harmônico. Mas cabe ressaltar que estas mudanças implicam em outros fatores que devem ser trabalhados, que tornam o transformador mais competitivo e eficiente. Estes fatores são o diferencial da empresa, e, portanto serão abordados neste trabalho apenas de forma generalizada.

3 2.2.2 Projeto da carga A carga não linear que foi desenvolvida para o projeto, deveria conseguir dissipar os 25kVA que seriam utilizados nos ensaios, já que as recomendações da IEEE C exigem que os ensaios de elevação de temperatura de transformadores que alimentam cargas não lineares devem ser feitos sob condições normais de operação. Para realizar o chaveamento das formas de onda de tensão e corrente a equipe utilizou um circuito com TRIACs chamado de circuito por controle de fase. Este permite que seja controlado o instante em que o pulso no gate é aplicado, controlando assim o início da condução do TRIAC e consequentemente a porcentagem do ciclo da onda que estará alimentando a carga. No circuito de potência a equipe precisou utilizar 3 TRIACs em paralelo por fase para conseguir realizar todos os ensaios que desejava, já que cada TRIAC era capaz de suportar até 40A e alguns ensaios poderiam exigir correntes de até 120A. Para dissipar a potência a equipe utilizou reostatos líquidos, estes são formados por uma cuba, eletrodos e solução eletrolítica (neste trabalho a equipe utilizou a mistura de água e sal como eletrólito). Teoricamente, os reostatos líquidos podem dissipar qualquer potência, basta apenas que haja solução eletrolítica em quantidade suficiente para que a convecção do líquido mantenha um ciclo de troca de calor constante. O grande inconveniente de se trabalhar com reostatos líquidos é que devido a evaporação do solvente da solução eletrolítica a concentração da mesma vai aumentando e a resistência do mesmo tende a diminuir o que fazia com que a corrente variasse ao longo do ensaio, desta forma um grande cuidado era necessário para que o valor da corrente no ensaio não fosse alterado Adequação dos ensaios Analisando o conceito e metodologia do ensaio de elevação de temperatura, vê-se que este pode ser facilmente adaptado para ensaio com uma carga não linear. Para o ensaio a vazio, pode-se manter o mesmo procedimento, visto que a temperatura do núcleo não tem influência significante nos enrolamentos do transformador. Ou pode-se usar uma adaptação para tentar atingir as condições reais do núcleo com cargas não lineares. Esta adaptação seria na verdade a alimentação de um circuito chaveador pela rede, e a alimentação do transformador com o secundário aberto por este circuito, tendo assim chaveamento da tensão no transformador. A modificação proposta pelo grupo para o ensaio de elevação com carga pode e deve ser feita de forma que os enrolamentos do transformador tenham a corrente não senoidal que simule uma situação real, sem necessidade de uma tensão plena aplicada. Nesta adaptação, o curto circuito do secundário é trocado por uma carga não linear que produza as distorções na forma de onda da corrente, e que possa manter esta no valor mais próximo do real, sem necessidade de manter uma tensão em um valor estável. Além disso, ainda são utilizadas várias sondas de temperatura em diversos pontos do transformador para que sejam monitorados os pontos mais quentes do mesmo e vistos se estes pontos estão dentro da classe de isolação do material que foi utilizado. No ensaio que foi realizado na LACTEC a equipe teve ainda a possibilidade de utilizar termovisores que como mostrado na figura abaixo, indicam quais os pontos mais quentes do equipamento durante vários momentos do ensaio. Figura 1 - Temperatura no transfomador com fator K durante ensaio com carga não linear

4 3 Resultados Experimentais Como dito anteriormente os protótipo foram ensaiados em dois laboratórios diferentes, primeiramente nos laboratórios da empresa fabricante dos transformadores e posteriormente no LACTEC. Os resultados que serão apresentados aqui são referentes ao ensaio realizado no LACTEC. Já que como os ensaios de elevação de temperatura são ensaios de tipo e a empresa realiza geralmente ensaios de rotina, a mesma não possuí um ambiente adequado para a realização deste ensaio. Como o LACTEC é especializado neste tipo de ensaio e possuía um ambiente adequado, os resultados provenientes destes apresentam maior confiabilidade. O ensaio de elevação de temperatura de transformadores a seco é realizado em duas etapas, na primeira etapa o transformador é ligado a vazio enquanto que na segunda etapa é realizado com carga. A segunda etapa inicia-se logo após o término da primeira. Nos ensaios convencionais o ensaio com carga é feito curto-circuitando o secundário do transformador e aplicando corrente nominal no mesmo. Já no ensaio com carga não linear, o secundário era conectado a carga não linear e aplicava-se também corrente nominal no equipamento. Ambos os protótipos foram ensaiados com carga senoidal e com carga não linear e os resultados serão mostrados aqui. Para a comparação será analisado apenas os enrolamentos de baixa tensão, já que estes são os que sofrem um maior aquecimento por se encontrarem embaixo do enrolamento de alta tensão, ou seja a bobinagem do enrolamento de alta tensão é feita sobre o de baixa tensão. A medição da elevação de temperatura é feita pelo método de variação de resistência que analisa a diferença de temperatura do enrolamento a frio e quando o transformador já atingiu a estabilização térmica. Através, então, das fórmulas que se encontram na norma referente a ensaio de elevação de transformadores a seco (NBR 10295), é possível calcular a elevação real do mesmo. Figura 2 - Elevação de temperatura - Fator K - carga senoidal Figura 3 - Elevação de temperatura - Fator K - carga não linear

5 Figura 4 - Elevação de temperatura - transformador convencional - carga senoidal Figura 5 - Elevação de temperatura - transformador convencional - carga não linear 4 Conclusões Através da comparação dos resultados obtidos nos dois protótipos, pode-se ver que as adaptações que foram feitas no transformador com fator K surtiram efeito já que a diferença de temperatura entre ambos para o ensaio com carga não linear foi de aproximadamente 13 C. Além do que o comportamento do transformador com Fator K foi bem similar em ambos os ensaios, tanto com carga senoidal como no ensaio com carga não linear, tendo uma variação de aproximadamente 0,5 C nesses, enquanto que o transformador convencional aqueceu 6,5 C a mais no ensaio com carga não linear do que no ensaio convencional. Um outro mérito da equipe é que as adaptações que foram feitas no transformador com Fator K não causaram um grande aumento no custo do protótipo. Este era um objetivo já que caso o custo fosse muito alto seria mais fácil sobredimensionar o equipamento, pois desta forma o transformador conseguiria suportar as distorções harmônicas sem necessidade de investimento em pesquisa e desenvolvimento. O custo adicional foi de apenas 8,3% o que pode ser considerado baixo já que o preço de venda deste transformador especial pode ser, em alguns casos, até 40% maior do que o preço do transformador convencional. 5 Referências Bibliográficas [1] PHIPPS, James K.; NELSON, John P.; SEN, Pankaj K. Power Quality and Harmonic Distortion on Distribution Systems. IEEE Transactions on Industry Applications, Vol. 30, Nº. 2, [2] TACI, M. Salih; DOMIJAN, Jr. Alexander. The effects of linear and non-linear operation modes in transformers. In: 11 th INTERNATIONAL CONFERENCE ON HARMONICS AND QUALITY OF POWER, [3] FRANK, Jerome. M. Origin, Development, and design of K-factor transformers. IEE Industry Applications Magazine, September / October 1997.

6 [4] INSTITUTE OF ELECTRICAL AND ELECTRONICS ENGINEERS. IEEE C57.110: recommended practice for establishing transformer capability when supplying nonsinundal load currents. Nova York, [5] BISHOP, M. T., and GILKER, C. Harmonic caused transformer heating evaluated by a portable PC-controlled meter. In: 37 th ANNUAL RURAL ELETRIC POWER CONFERENCE, [6] BLUME, L. F., et al. Transformer engineering, 2nd Ed., pp , New York: John Wiley & Sons, Inc., [7] Cox, M. D., and Galli, A. W. Temperature rise of small oil-filled distribution transformers supplying nonsinusoidal load currents. IEEE Transactions on Power Delivery, vol. 11, no. 1, Jan [8] Crepaz, S. Eddy current losses in rectifer transformers. IEEE Transactions on Power Apparatus and Systems, vol. PAS-89, no. 7, Sept./Oct [9] UNDERWRITERS LABORATORY. UL 1561: dry-type general purpose and power transformers [10] UNDERWRITERS LABORATORY. UL 1562: transformers, distribution, dry-type - over 600 volts [11] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10295: transformadores de potência secos. Rio de Janeiro, [12] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5380: transformadores de potência. Rio de Janeiro, [13] DUGAN, R. C.; MCGRANAGHAN, M.F.; BEATY, H. W. Electrical power systems quality. New York, McGraw-Hill, [14] PERETTO, L.; SASDELLI, R.; SERRA, G. Measurement of harmonic losses in transformers supplying nonsinusoidal load currents. IEEE Transactions on Instrumentation and Measurement, vol. 49, no. 2, Apr

DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES

DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES Cairo Rezende dos SANTOS; Paulo César M. MACHADO; Luiz Roberto LISITA Escola de Engenharia Elétrica e de Computação UFG cairorezende@hotmail.com,

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 ANÁLISE DE DISTORÇÕES HARMÔNICAS Michelle Borges de Oliveira¹; Márcio Aparecido Arruda² ¹Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais ²Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais oliveiraborges.michelle@gmail.com;

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

Sistema de distribuição.

Sistema de distribuição. 1 Impacto de Cargas Eletrônicas Residenciais e Comerciais Eficientes e Não-lineares no Sistema de Distribuição Parte II Medições das Cargas em Alimentadores Típicos M. L. y Gonzalez, S. Visacro F., P.

Leia mais

Medição de Perdas em Transformadores Trifásicos do Tipo Seco Suprindo Cargas Não- Lineares

Medição de Perdas em Transformadores Trifásicos do Tipo Seco Suprindo Cargas Não- Lineares 1 Medição de Perdas em Transformadores Trifásicos do Tipo Seco Suprindo Cargas Não- Lineares C. R. dos Santos, L. R. Lisita e P. C. M. Machado Resumo--Transformadores que suprem cargas nãolineares sofrem

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

Reatores Eletrônicos para LEDs de Potência

Reatores Eletrônicos para LEDs de Potência Universidade Federal do Ceará PET Engenharia Elétrica Fortaleza CE, Brasil, Abril, 2013 Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica PET Engenharia Elétrica UFC Reatores Eletrônicos

Leia mais

-Transformadores Corrente de energização - inrush

-Transformadores Corrente de energização - inrush -Transformadores Corrente de energização - inrush Definição Corrente de magnetização (corrente de inrush) durante a energização do transformador Estas correntes aparecem durante a energização do transformador,

Leia mais

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA MODELO TAM TRANSFORMADORES - TIPO TAM Os transformadores a seco moldados em resina epóxi são indicados para operar em locais que exigem segurança, os materiais utilizados em sua construção são de difícil

Leia mais

Análise do Aquecimento de Transformadores Suprindo Carga Não-Linear Análise Comparativa entre Teoria e Prática

Análise do Aquecimento de Transformadores Suprindo Carga Não-Linear Análise Comparativa entre Teoria e Prática Análise do Aquecimento de Transformadores Suprindo Carga Não-Linear Análise Comparativa entre Teoria e Prática I. S. S. Lino, R. C. Ramalho, A. N. Bernardi, L. L. Emerencio, F. N. Belchior, IEEE Member,

Leia mais

TRANSFORMADOR. A figura 1 mostra o esquema de um transformador básico.

TRANSFORMADOR. A figura 1 mostra o esquema de um transformador básico. TRAFORMADOR O transformador é constituído basicamente por dois enrolamentos que, utilizando um núcleo em comum, converte primeiramente e- nergia elétrica em magnética e a seguir energia magnética em elétrica.

Leia mais

CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT

CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT 1 - Objetivos: Este trabalho tem por objetivo apresentar as principais características técnicas dos capacitores convencionais do tipo imerso em

Leia mais

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor INFLUÊNCIA DO INVERSOR NO SISTEMA DE ISOLAMENTO DO MOTOR Os inversores de freqüência modernos utilizam transistores (atualmente IGBTs) de potência cujos os chaveamentos (khz) são muito elevados. Para atingirem

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

FLUXO HARMÔNICO EM PLANTA COMERCIAL NA PRESENÇA DE GRUPO GERADOR

FLUXO HARMÔNICO EM PLANTA COMERCIAL NA PRESENÇA DE GRUPO GERADOR Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curso de Engenharia Elétrica Curso de Engenharia de Controle e Automação FLUXO HARMÔNICO EM PLANTA COMERCIAL NA PRESENÇA

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ART458-07 - CD - 6-07 - ÁG.: 1 ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS ERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS João Roberto Cogo*, Ângelo Stano Júnior* Evandro Santos onzetto** Artigo publicado na

Leia mais

TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua FUNDMENTOS DE ENGENHI ELÉTIC PONTIFÍCI UNIVESIDDE CTÓLIC DO IO GNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHI ula 4 Corrente lternada e Corrente Contínua Introdução Corrente lternada e Corrente Contínua Transformadores

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA EM TRANSFORMADORES UTILIZANDO O CRITÉRIO DE ROGERS NA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO ISOLANTE

MANUTENÇÃO PREDITIVA EM TRANSFORMADORES UTILIZANDO O CRITÉRIO DE ROGERS NA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO ISOLANTE MANUTENÇÃO PREDITIVA EM TRANSFORMADORES UTILIZANDO O CRITÉRIO DE ROGERS NA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO ISOLANTE JOÃO LUIS REIS E SILVA (1) resumo O critério de Rogers é uma metodologia científica

Leia mais

Compensação reativa e qualidade da energia elétrica

Compensação reativa e qualidade da energia elétrica 36 Capítulo VIII Compensação reativa e qualidade da energia elétrica Por Flávio Resende e Gilson Paulillo* No contexto da qualidade da energia elétrica (QEE), um dos temas mais importantes envolve o equacionamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

Distorções Harmônicas Geradas por Algumas Cargas Não lineares com Tensões Senoidais

Distorções Harmônicas Geradas por Algumas Cargas Não lineares com Tensões Senoidais 1 Distorções Harmônicas Geradas por Algumas Cargas Não lineares com Tensões Senoidais Manuel Losada y Gonzalez, Márcio Melquíades Silva, Felipe Althoff, Selênio Rocha Silva Resumo A expansão do uso de

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a 6. FATOR DE POTÊNCIA O fator de potência é uma relação entre potência ativa e potência reativa, conseqüentemente energia ativa e reativa. Ele indica a eficiência com a qual a energia está sendo usada.

Leia mais

Auto - Transformador Monofásico

Auto - Transformador Monofásico Auto - Transformador Monofásico Transformação de Tensão Transformação de tensão para várias tensões de entrada: U 2, U 3, U 23 = f (U 1 ) 1.1. - Generalidades A função do transformador é transformar a

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

Cenários harmônicos em cargas residenciais

Cenários harmônicos em cargas residenciais 46 provocados por eletroeletrônicos Capítulo VI Cenários harmônicos em cargas residenciais Igor Amariz Pires* Além dos eletrodomésticos apresentados no capítulo anterior, consumidores residenciais e comerciais

Leia mais

Em termos de estrutura, um transformador é composto essencialmente pelas seguintes partes:

Em termos de estrutura, um transformador é composto essencialmente pelas seguintes partes: ransformadores são equipamentos utilizados na transformação de valores de tensão e corrente, além de serem usados na modificação de impedâncias em circuitos eléctricos. Inventado em 1831 por Michael Faraday,

Leia mais

Dimensionamento de equipamentos reservas para subestações

Dimensionamento de equipamentos reservas para subestações XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Dimensionamento de equipamentos reservas para subestações Leonardo Labarrere de Souza

Leia mais

5. Resultados e Análises

5. Resultados e Análises 66 5. Resultados e Análises Neste capítulo é importante ressaltar que as medições foram feitas com uma velocidade constante de 1800 RPM, para uma freqüência de 60 Hz e uma voltagem de 220 V, entre as linhas

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Sistema

Leia mais

INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR DE BAIXO CUSTO PARA MOTORES MONOFÁSICOS

INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR DE BAIXO CUSTO PARA MOTORES MONOFÁSICOS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR DE BAIXO CUSTO PARA MOTORES MONOFÁSICOS Gustavo Peloi da Silva 1 ; Abel Fidalgo Alves 2 RESUMO: O avanço da eletronica de

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

ANÁLISE DE RENDIMENTO DE TRANSFORMADORES QUE ALIMENTAM CARGAS TIPO LINEAR E NÃO LINEAR

ANÁLISE DE RENDIMENTO DE TRANSFORMADORES QUE ALIMENTAM CARGAS TIPO LINEAR E NÃO LINEAR 1 ANÁLSE DE RENDMENTO DE TRANSFORMADORES QUE ALMENTAM CARGAS TPO LNEAR E NÃO LNEAR Giliard Paganini 1 Marconi Januário 2 RESUMO O trabalho apresenta os resultados de medições efetuadas no primário e no

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

ART559-07 - CD 262-07 - PÁG.: 1

ART559-07 - CD 262-07 - PÁG.: 1 ART559-07 - CD 262-07 - PÁG.: 1 EFEITOS DOS REATORES DE INTERFASE DOS EQUIPAMENTOS DE TRAÇÃO URBANA (METRÔ), EM SISTEMAS DE SUPRIMENTO DE ENERGIA (APLICAÇÃO NOS METRÔS DE SUPERFÍCIE DE BRASÍLIA E BELO

Leia mais

Aula Prática 8 Transformador em Corrente Contínua e Alternada

Aula Prática 8 Transformador em Corrente Contínua e Alternada Aula Prática 8 Transformador em Corrente Contínua e Alternada Disciplinas: Física III (ENG 06034) Fundamentos de Física III (ENG 10079) Depto Engenharia Rural - CCA/UFES Estratégia: Avaliação do funcionamento

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

ATPDRAW APLICADO À ANÁLISE BÁSICA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS UM PREPARO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO

ATPDRAW APLICADO À ANÁLISE BÁSICA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS UM PREPARO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO ATPDRAW APLICADO À ANÁLISE BÁSICA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS UM PREPARO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO Eduardo Contar econtar@gmail.com Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Departamento de Engenharia Elétrica

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

Transformadores Secos. Motores Automação Energia Tintas

Transformadores Secos. Motores Automação Energia Tintas Motores Automação Energia Tintas www.weg.net Em um Transformador Seco WEG, há mais de 40 anos de experiência na fabricação de motores elétricos, mais de 25 anos na fabricação de transformadores e toda

Leia mais

Estratégia de Racionalização de Energia nos Laboratórios de Informática do Curso de Automação Industrial - Campus Ouro Preto - IFMG

Estratégia de Racionalização de Energia nos Laboratórios de Informática do Curso de Automação Industrial - Campus Ouro Preto - IFMG Estratégia de Racionalização de Energia nos Laboratórios de Informática do Curso de Automação Industrial - Campus Ouro Preto - IFMG OLIVEIRA, Diego Damasio M. 1, MONTE, José Eduardo Carvalho 2 1. Dicente

Leia mais

0310 INF 01/10. Pág. 1 de 8

0310 INF 01/10. Pág. 1 de 8 Pág. 1 de 8 LABORÓRIO Laboratório de ensaios da TÜV RHEINLAND DO BRASIL Técnico responsável Gerente Técnico do Laboratório Laboratório...: TÜV Rheinland do Brasil Ltda. Endereço...: Rua dos Comerciários,

Leia mais

USO DE DIODOS DE BYPASS E DE BLOQUEIO NA PROTEÇÃO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS

USO DE DIODOS DE BYPASS E DE BLOQUEIO NA PROTEÇÃO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS USO DE DIODOS DE BYPASS E DE BLOQUEIO NA PROTEÇÃO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Lúcio Almeida Hecktheuer Arno Krenzinger Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de PósGraduação em Engenharia Mecânica,

Leia mais

CONCEITO TÉCNICO Alltech Energia

CONCEITO TÉCNICO Alltech Energia CONCEITO TÉCNICO Alltech Energia O filtro de energia elétrica Alltech Energia é um equipamento denominado FILTRO PASSA FAIXA MICRO-PROCESSADO. Nosso equipamento é composto por três placas: uma CAPACITIVA,

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso.

São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso. Luciano de Abreu São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso. É um dispositivo elétrico passivo que armazena energia

Leia mais

Correção do Fator de Potência e Redução da Distorção Harmônica em planta industrial por meio de Banco de Capacitor Dessintonizado.

Correção do Fator de Potência e Redução da Distorção Harmônica em planta industrial por meio de Banco de Capacitor Dessintonizado. Correção do Fator de Potência e Redução da Distorção Harmônica em planta industrial por meio de Banco de Capacitor Dessintonizado. Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar resultados obtidos de

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Transformador. Índice. Estrutura

Transformador. Índice. Estrutura Transformador Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Um transformador ou trafo é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência elétrica de um circuito a outro, transformando tensões,

Leia mais

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Circuitos Elétricos 1º parte Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Introdução Um circuito elétrico é constituido de interconexão de vários

Leia mais

Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS)

Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Proteção 76 Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Zonas de proteção contra raios, características e aplicações do DPS do tipo I Por Sérgio Roberto Santos* Os Dispositivos de Proteção contra Surtos

Leia mais

1.1- DIVISÃO DOS TRANSFORMADORES

1.1- DIVISÃO DOS TRANSFORMADORES Quanto a Finalidade: TRANSFORMADORES 1.1- DIVISÃO DOS TRANSFORMADORES a)transformadores de Corrente; b)transformadores de Potencial; c)transformadores de Distribuição; d)transformadores de Força. Quanto

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS Autores: Felipe JUNG, Tiago DEQUIGIOVANI, Jessé de PELEGRIN, Marcos FIORIN Identificação autores:

Leia mais

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer.

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer. Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 1 Título Prática 9 Aplicações Lineares dos Amplificadores Operacionais 2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores

Leia mais

Os procedimentos para determinar a resistência do condutor são:

Os procedimentos para determinar a resistência do condutor são: 1 Data realização da Laboratório: / / Data da entrega do Relatório: / / Objetivos RELATÓRIO: N o 5 ENSAIO DE FIOS CONDUTORES Verificar o estado da isolação do condutor. 1. Introdução: Esta aula tem como

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Workshop Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Distúrbios em sistemas elétricos Surto Surtos elétricos Incidência de Descargas Atmosféricas na região sudeste, sul, Mato Grosso e Goiás (em milhões)

Leia mais

Treinamento em transformadores- Programa 1

Treinamento em transformadores- Programa 1 Treinamento em transformadores- Programa 1 Módulo 1: Núcleo Caminho de passagem da energia magnética Perdas a vazio Corrente de excitação Nível de ruído Descargas parciais Gás-cromatografia Chapas de M4

Leia mais

Artigos técnicos Programa de Relacionamento Prysmian Número 01 (publicação em 31 de Janeiro)

Artigos técnicos Programa de Relacionamento Prysmian Número 01 (publicação em 31 de Janeiro) Artigos técnicos Programa de Relacionamento Prysmian Número 01 (publicação em 31 de Janeiro) Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança

Leia mais

Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa*

Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa* 62 Capítulo I Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa* Novo! A aplicação de resistores de aterramento do neutro em sistemas industriais,

Leia mais

12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos

12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos 12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos COTEQ2013-340 DETECÇÃO E CONTROLE DE POLUIÇÃO EM ISOLADORES DE ALTA TENSÃO ATRAVÉS DE TERMOGRAFIA Laerte dos Santos 1, Marcelo O. Morais Filho 2, Rodolfo

Leia mais

Transformando energia em soluções. Motores de. Alta Tensão

Transformando energia em soluções. Motores de. Alta Tensão Transformando energia em soluções Motores de Alta Tensão Motores de alta tensão A WEG desenvolveu em conjunto com consultoria internacional especializada uma linha de motores de carcaça de ferro fundido

Leia mais

TÉCNICAS DE PROJETO DE BANCOS AUTOMÁTICOS PARA CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA

TÉCNICAS DE PROJETO DE BANCOS AUTOMÁTICOS PARA CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA TÉCNICAS DE PROJETO DE BANCOS AUTOMÁTICOS PARA CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA BOLETIM TÉCNICO 19/07 1. POR QUE CORRIGIR O FATOR DE POTÊNCIA? A correção de fator de potência é importante, em primeiro lugar,

Leia mais

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Fonte Estabilizada de 5 Volts Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Os Diferentes tipos de No-Breaks

Os Diferentes tipos de No-Breaks Os Diferentes tipos de No-Breaks White Paper # 1 Revisão 4 Resumo Executivo Existe muita confusão no mercado a respeito dos diferentes tipos de No-Breaks e suas características. Cada um desses tipos será

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que:

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: TÉCNICO EM ELETRICIDADE 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: C1 = 300µF C2 = C3 = 300µF C4 = C5 = C6

Leia mais

Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica

Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Existem diversas maneiras de se gerar energia elétrica. No mundo todo, as três formas mais comuns são por queda d água (hidroelétrica), pela queima

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial.

O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial. O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial. Ligue o controlador Power Saver na primeira tomada mais próxima

Leia mais

PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II

PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II ESCLARECIMENTO A QUESTIONAMENTOS Referente à tensão de entrada e saída: O documento ANEXO+I+-+15-0051-PG+-+Especificação+Técnica solicita fornecimento de nobreak

Leia mais

0932 INF 01/12. Pág. 1 de 8

0932 INF 01/12. Pág. 1 de 8 Pág. 1 de 8 LABORÓRIO Laboratóro de ensaios da TÜV RHEINLAND DO BRASIL Técnico responsável Gerente Técnico do Laboratório Laboratório...: TÜV Rheinland do Brasil Ltda. Endereço...: Rua dos Comerciários,

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

A Influência do Fluxo de Reativo de Cargas Eletrônicas no Sistema de Tarifação de Energia Elétrica

A Influência do Fluxo de Reativo de Cargas Eletrônicas no Sistema de Tarifação de Energia Elétrica 1 A Influência do Fluxo de Reativo de Cargas Eletrônicas no Sistema de Tarifação de Energia Elétrica A. B. de Vasconcellos, Dr.,UFMT, B.C. Carvalho, Dr.,UFMT, T.I.R.C. Malheiros, PhD, IFMT, C.H. Beuter,

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais