ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1"

Transcrição

1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em junho/201, sendo esta a sexta elevação no ano e vigésima primeira elevação consecutiva. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes fatores: Cenário econômico que aumenta o risco do crescimento nos índices de inadimplência. Este cenário se baseia no fato dos índices de inflação mais elevados, aumento de impostos e juros maiores reduzirem a renda das famílias. Agregado a isto a recessão econômica, o que deve promover no crescimento dos índices de desemprego. Tudo isto somado e o fato de que as expectativas para 201 serem igualmente negativas quanto a todas estes fatores leva as instituições financ eiras a aumentarem suas taxas de juros para compensar prováveis perdas com a elevação da inadimplência; Pessoa Física Das seis linhas de crédito pesquisadas, cinco tiveram suas taxas de juros elevadas no mês (juros do comércio, cartão de crédito rotativo, cheque especial, empréstimo pessoal-bancos e empréstimo pessoal- financeiras) e uma teve sua taxa de juros reduzida no mês (CDC-financiamento de veículos). A taxa de juros média geral para pessoa física apresentou uma elevação de 0,10 ponto percentual no mês (2,80 pontos percentuais no ano) correspondente a uma elevação de 1,2 no mês (1,8 em doze meses) passando a mesma de 7,9 ao mês (10,70 ao ano) em maio/201 para 8,0 ao mês (13,0 ao ano) em junho/201 sendo esta a maior taxa de juros desde setembro/2003. Pessoa Jurídica Das três linhas de crédito pesquisadas, todas foram elevadas no mês A taxa de juros média geral para pessoa jurídica apresentou uma elevação de 0,01 ponto percentual no mês (0,20 ponto percentual em doze meses) correspondente a uma elevação de 0,22 no mês (0,28 em doze meses) passando a mesma de 4,2 ao mês (71,94 ao ano) em maio/201 para 4,3 ao mês (72,14 ao ano) em junho/201 sendo esta a maior taxa de juros desde fevereiro/200. Taxa de juros x Selic Considerando todas as elevações da taxa básica de juros (Selic) promovidas pelo Banco Central desde março/2013, tivemos neste período (março/2013 a junho/201) uma elevação da Selic de 7,00 pontos percentuais (elevação de 9,) de 7,2 ao ano em março/2013 para 14,2 ao ano em junho/201. Neste período a taxa de juros média para pessoa física apresentou uma elevação de,3 pontos percentuais (elevação de 74,49) de 87,97 ao ano em março/2013 para 13,0 ao ano em junho/201. Nas operações de crédito para pessoa jurídica houve uma elevação de 28, pontos percentuais (elevação de,3) de 43,8 ao ano em março/2013 para 72,14 ao ano em junho/201. PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS MESES Tendo em vista o cenário econômico atual que aumenta o risco de elevação dos índices de inadimplência a tendência é de que as taxas de juros das operações de crédito voltem a ser elevadas nos próximos meses. Entretanto como existe a expectativa de que o Banco Central possa vir a reduzir a taxa básica de juros (Selic) nos próximos meses este fato pode igualmente contribuir para a redução das taxas de juros das operações de crédito.

2 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 2 ITENS Jun/1 SELIC (Taxa 1,0 básica) INPC/IBGE 0,77 IPC/FIPE 0,47 Jul/1 1,17 0,8 0,8 EVOLUÇÃO DAS TAXAS MENSAIS DE JUROS PESSOA FÍSICA Ago/ Set/1 Out/1 Nov/ Dez/ Jan/1 Fev/1 Mar/ Abr/1 Mai/ ,11 1,11 1,11 1,0 1,1 1,0 1,00 1,1 1,0 1,10 0,2 0,1 0,77 1,11 0,90 1,1 0,9 0,44 0,4 0,98 0, 0, 0,88 1,0 0,82 1,37 0,89 0,97 0,4 0,7 Jun/1 1,1 JUROS DO COMERCIO,23 CARTÃO DE 12,4 CRÉDITO CHEQUE ESPECIAL 10,01 CDC-BANCOS 2,10 EMPRESTIMO 4,10 PESSOAL BANCOS EMPRESTIMO 7,4 PESSOAL FINANCEIRA,2 13,03 10,10 2,12 4,13 7,70,30 13,37 10,14 2,14 4,1 7,72,32 13,9 10,24 2,20 4,20 7,80,3 13,73 10,3 2,22 4,24 7,90,4 13,94 10, 2,2 4,34 8,00,0 14,3 10,7 2,28 4,40 8,04,0 14, 10,9 2,30 4,47 8,14,70 14,72 11,1 2,32 4,3 8,20,80 14,9 11,3 2,34 4,8 8,30,82 1,01 11,4 2,3 4,4 8,41,84 1,12 11,4 2,32 4,8 8,3,8 1,22 11,92 2,31 4,3 8,41 TAXA MÉDIA,94 MEDIA ANO 123,71 7,0 12,74 7,14 128,78 7,23 131,10 7,30 132,91 7,43 13,32 7, 139,78 7,7 142,74 7,77 14,4 7,89 148,7 7,9 10,42 7,9 10,70 8,0 13,0 ITEM MÉDIA MÊS (1) ACUMULAD O 201 (3) ACUMULAD O 12 MESES (2) Taxa básica x Juros cobrados (4) Variação percentual Selic (taxa básica) 1,09,9 14,07 INPC/IBGE 0,90 4,9 9,82 Taxa Selic 14,2 ao ano IPC/FIPE 0,8 4,33 9,98 Juros ao Variação ano Taxa básica x Juros cobrados () Pontos percentuais JUROS DO COMÉRCIO,77 40,01 91,2 98,0 88,07 83,80 CARTÃO DE CRÉDITO 14,93 130,4 397,07 447, ,93 433,19 CHEQUE ESPECIAL 11,40 91,11 24,2 28, ,91 272,02 CDC BANCOS 2,32 14,77 30,82 31,3 121,2 17,28 EMPRÉSTIMO PESSOAL 4,7 30,7 7,79 71,14 40,2 7,89 BANCOS EMPRÉS. PESSOAL 8,30 1,38 14,12 13, ,8 149,28 FINANCEIRAS MÉDIA GERAL 7,88 7,7 138,42 13,0 977,19 139,2 (1)- mensal de 201 (2) julho/201 a junho/201 (3) janeiro/201 a junho/201 (4) Percentual acima da Selic () Pontos percentuais acima da Selic EVOLUÇÃO DAS TAXAS MENSAIS DE JUROS PESSOA JURÍDICA ITENS Jun/1 Capital de giro 2,3 Desc. de 2,83 duplicatas Conta garantida cheque especial,90 Jul/1 Ago/1 2,38 2,40 2,8 2,87,94,99 Set/1 2,44 2,89 7,03 Out/1 2,48 2,91 7,10 Nov/1 2,2 2,9 7,20 Dez/1 2,4 2,97 7,30 Jan/1 2,9 3,01 7,40 Fev/1 2,4 3,04 7,0 Mar/1 2, 3,08 7,7 Abr/1 2,8 3,10 7,9 Mai/1 2,9 3,14 8,03 Jun/1 2,70 3,1 8,0 TAXA MÉDIA 4,03 4,0 4,09 4,12 4,1 4,22 4,27 4,33 4,43 4,0 4,8 4,2 4,3

3 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 3 TAXA ANO 0, 1,22 1,77 2,33 3,08 4,22,1,31 8,23 9,9 71,1 71,94 72,14 ITEM MÉDIA MÊS (1) ACUMULAD O 201(3) ACUMULAD O 12 MESES (2) Taxa básica x Juros cobrados (4) Variação percentual Taxa Selic 14,2 Ao ano Taxa básica x Juros cobrados () Pontos Percentuais Juros ao ano Variação Capital de giro 2, 17,07 3,4 37,7 14,3 23,42 Desconto de duplicatas 3,09 20,00 42,4 4,09 21,42 30,84 Conta garantida cheque 7,80,90 13,9 13,22 97,23 138,97 especial MÉDIA GERAL 4,1 30,33,39 72,14 40,2 7,89 (1)- mensal de 201 (2) julho/201 a junho/201 (3) janeiro/201 a junho/201 (4) Percentual acima da Selic () Pontos percentuais acima da Selic TAXA DE JUROS PARA PESSOA FÍSICA LINHA DE CRÉDITO MAIO/201 JUNHO/201 VARIAÇÃO VARIAÇÃO TAXA MÊS TAXA ANO TAXA MÊS TAXA ANO PONTOS PERCENTUAIS Juros comércio,84 97,1,8 98,0 0,34 0,02 Cartão de crédito 1,12 441,7 1,22 447,44 0, 0,10 Cheque especial 11,4 270,82 11,92 28,27 3,29 0,38 CDC bancosfinanciamento de automóveis Empréstimo pessoal-bancos Empréstimo pessoal-financeiras 2,32 31,8 2,31 31,3-0,43-0,01 4,8 71,1 4,3 72,14 1,09 0,0 8,3 12,08 8,41 13,3 0,0 0,0 TAXA MÉDIA 7,9 10,70 8,0 13,0 1,2 0,10 Juros do Comércio Houve uma elevação de 0,34, passando a taxa de,84 ao mês (97,1 ao ano) em maio/201, para,8 ao mês (98,0 ao ano) em junho/201. A taxa deste mês é a maior desde junho/2010 (,88 ao mês 9,71 ao ano). Cartão de crédito Houve uma elevação de 0,, passando a taxa de 1,12 ao mês (441,7 ao ano) em maio/201, para 1,22 ao mês (447,44 ao ano) em junho/201. A taxa deste mês é a maior desde outubro/199 (1,43 ao mês 49,3 ao ano). Cheque Especial

4 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 4 Houve uma elevação de 3,29, passando a taxa de 11,4 ao mês (270,82 ao ano) em maio/201, para 11,92 ao mês (28,27 ao ano) em junho/201. A taxa deste mês é a maior desde abril/1999 (12,01 ao mês 290,02 ao ano). CDC Bancos Financiamento de automóveis Houve uma redução de 0,43, passando a taxa de 2,32 ao mês (31,8 ao ano) em maio/201, para 2,31 ao mês (31,3 ao ano) em junho/201. A taxa deste mês é a menor desde janeiro/201 (2,30 ao mês 31,37 ao ano). Empréstimo Pessoal Bancos Houve uma elevação de 1,09, passando a taxa de juros de 4,8 ao mês (71,1 ao ano) em maio/201, para 4,3 ao mês (72,14 ao ano) em junho/201. A taxa deste mês é a maior desde abril/201 (4,4 ao mês 72,33 ao ano). Empréstimo Pessoal Financeiras Houve uma elevação de 0,0, passando a taxa de juros de 8,3 ao mês (12,08 ao ano) em maio/201, para 8,41 ao mês (13,3 ao ano) em junho/201. A taxa deste mês é a maior desde dezembro/2011 (8, ao mês 170,92 ao ano). Taxa Pessoa Física Houve uma elevação de 1,2, passando a taxa de juros de 7,9 ao mês (10,70 ao ano) em maio/201, para 8,0 ao mês (13,0 ao ano) em junho/201. A taxa deste mês é a maior desde setembro/2003 (8,13 ao mês 1,48 ao ano). Crediário de Loja Com a exceção das taxas de juros para financiamento de veículos que foram reduzidas no mês, todos os demais setores elevaram suas taxas de juros no mês. TAXA DE JUROS PARA PESSOA JURÍDICA LINHA DE CRÉDITO MAIO/201 JUNHO/201 VARIAÇÃO VARIAÇÃO PONTOS TAXA MÊS TAXA ANO TAXA MÊS TAXA ANO PERCENTUAIS AO MÊS Capital de Giro 2,9 37,1 2,70 37,7 0,37 0,01 Desconto de 3,14 44,92 3,1 4,09 0,32 0,01 Duplicatas Conta garantida 8,03 12, 8,0 13,22 0,2 0,02 Taxa 4,2 71,94 4,3 72,14 0,22 0,01 Capital de Giro Houve uma elevação de 0,37, passando a taxa de juros de 2,9 ao mês (37,1 ao ano) em maio/201, para 2,70 ao mês (37,7 ao ano) em junho/201. A taxa deste mês é a maior desde setembro/2011 (2,79 ao mês 39,13 ao ano). Desconto de Duplicata

5 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants Houve uma elevação de 0,32, passando a taxa de 3,14 ao mês (44,92 ao ano) em maio/201, para 3,1 ao mês (4,09 ao ano) em junho/201. A taxa deste mês é a maior desde julho/2011 (3,18ao mês 4,9 ao ano). Conta Garantida Houve uma elevação de 0,2, passando a taxa de 8,03 ao mês (12, ao ano) em maio/201, para 8,0 ao mês (13,22 ao ano) em junho/201. A taxa deste mês é a maior da série histórica. Taxa Pessoa Jurídica Houve uma elevação de 0,22 passando a taxa de juros de 4,2 ao mês (71,94 ao ano) em maio/201, para 4,3 ao mês (72,14 ao ano) em junho/201. A taxa deste mês é a maior desde fevereiro/200 (4, ao mês 72,73 ao ano). TAXAS MÉDIAS DE JUROS DO CREDIÁRIO POR ESTADO ESTADOS mai/1 jun/1 Var.pontos Taxa Mês Taxa Ano Taxa Mês Taxa Ano Variação percentuais ao mês São Paulo,8 94,0,70 94,49 0,3 0,02 Rio Gde do Sul,89 98,73,91 99,18 0,34 0,02 Rio de Janeiro,91 99,18,93 99,3 0,34 0,02 Minas Gerais,9 100,08,97 100,4 0,34 0,02 Paraná,92 99,40,93 99,3 0,17 0,01 Santa Catarina,88 98,0,90 98,9 0,34 0,02 Brasilia,8 94,0,70 94,49 0,3 0,02 Nacional,84 97,1,8 98,0 0,34 0,02 COMPORTAMENTO DAS TAXAS DE JUROS DO CREDIÁRIO POR SETOR SETORES mai/1 jun/1 Variação Var.pontos percentuais Taxa Mês Taxa Ano Taxa Mês Taxa Ano ao mês Gdes.Redes 3,20 4,93 3,21 4,10 0,31 0,01 Med.Redes,10 103,1,12 103,97 0,33 0,02 Peq.Redes,9 123,9 7,00 12,22 0,72 0,0 Emp.Turismo,08 81,23,10 81, 0,39 0,02 Art.do Lar 7,4 139,24 7,7 140,0 0,40 0,03 Ele.Eletron.,84 97,1,8 97,83 0,17 0,01 Importados,48 112,43,49 112,7 0,1 0,01 Veiculos 2,32 31,8 2,31 31,3-0,43-0,01 Art.Ginástica 8,04 12,94 8,07 13,78 0,37 0,03 Informática,9 92,08,1 92,1 0,3 0,02

6 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants Celulares,29 8,3,30 8,84 0,19 0,01 Decoração 7,70 143, 7,73 144,37 0,39 0,03 Geral,84 97,1,8 98,0 0,34 0,02 ALTERAÇÕES NOS PRAZOS MÉDIOS DE FINANCIAMENTO Prazos de Financiamento Veículos Outros Financiamentos Antes da mudança cambial (janeiro/99) Máximo Após mudança cambial (até janeiro/99) Máximo Junho/2000 Máximo Junho/2001 Máximo Junho/2002 Junho/2003 Junho/2004 Junho/200 Junho/200 Junho/2007 Junho/2008 Junho/2009 Junho/2010 Junho/2011 Junho/2012 Junho/2013 Junho/2014 Junho/201 Janeiro/201 Fevereiro/201 Março/201 Abril/201 Maio/201 Junho/ meses 2 meses 48 meses 22 meses 0 meses 48 meses 48 meses 28 meses 34 meses 80 meses 37 meses 80 meses 44 meses 8 meses 48 meses 14 meses 9 meses 10 meses 8 meses 14 meses 1 meses 1 meses 1 meses 9 meses 9 meses 13 meses 13 meses 13 meses 13 meses

7 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 7 TAXAS DE JUROS MARÇO/2013 X JUNHO201 Pessoa Física Março/2013 Junho/201 TIPO DE FINANCIAMENTO Taxa Mês Taxa Ano Taxa Mês Taxa Ano Elevação em pontos percentuais Comércio 4,00 0,10,8 98,0 37,9 Cartão de Crédito 9,37 192,94 1,22 447,44 24,0 Cheque Especial 7,72 144,09 11,92 28,27 142,18 CDC Bancos 1,2 19,84 2,31 31,3 11,9 Emp. Pessoal-Bancos 2,91 41,09 4,3 72,14 31,0 Emp.Pessoal Financeiras,88 122,21 8,41 13,3 41,32 TAXA MÉDIA,40 87,97 8,0 13,0,3 Ressaltamos que o período de março/2013 a junho/201 o Banco Central elevou a taxa básica de juros Selic em 7,00 pontos percentuais (elevação de 9,) de 7,2 ao ano em março/2013 para 14,2 ao ano em junho/201. Neste período a taxa de juros média para pessoa física apresentou uma elevação de,3 pontos percentuais (elevação de 74,49) de 87,97 ao ano em março/2013 para 13,0 ao ano em junho/201. Pessoa Jurídica Março/2013 Junho/201 TIPO DE FINANCIAMENTO Taxa Mês Taxa Ano Taxa Mês Taxa Ano Elevação em pontos percentuais Capital de giro 1,49 19,42 2,70 37,7 18,2 Desc. De duplicatas 2,22 30,1 3,1 4,09 14,94 Conta garantida,4 89,2 8,0 13,22 3,9 TAXA MÉDIA 3,0 43,8 4,3 72,14 28, Ressaltamos que o período de março/2013 a junho/201 o Banco Central elevou a taxa básica de juros Selic em 7,00 pontos percentuais (elevação de 9,) de 7,2 ao ano em março/2013 para 14,2 ao ano em junho/201. Neste período a taxa de juros média para pessoa jurídica apresentou uma elevação de 28, pontos percentuais (elevação de,3) de 43,8 ao ano em março/2013 para 72,14 ao ano em junho/201. Informações e Recomendações ao Consumidor O sistema financeiro vêm expandindo cada vez mais o crédito às empresas e às pessoas físicas, contribuindo assim com o desenvolvimento econômico do Brasil. Este crescimento do volume de crédito tenderá a se acentuar nos próximos meses/anos em virtude do crescimento econômico. Com crédito os mercados se desenvolvem, as empresas investem, ampliam suas vendas, geram empregos e as pessoas antecipam a realização de seus sonhos. Assim com o crescimento do crédito é preciso que você saiba como usar o mesmo para melhorar a sua vida sem gerar problemas, motivo pelo qual listamos abaixo algumas informações e recomendações: Primeiramente organize a sua vida financeira elaborando um orçamento doméstico como forma de definir quais são as suas reais necessidades e planejar todos os seus gastos considerando

8 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 8 sempre a sua renda disponível e não a renda disponível mais crédito, ou seja os seus gastos têm que caber dentro de seu salário. Preferencialmente gaste menos do que tem de renda como forma de fazer uma reserva financeira para fazer frente a eventuais gastos extras não previstos ou até para planejar a compra de algum bem no futuro. Lembre-se que toda a vez que você gasta mais do que ganha ou ficará inadimplente e com isso sujeita a todas conseqüências de ter o nome negativado, não tendo aceso a qualquer tipo de crédito ou terá que recorrer a empréstimos e assumir o pagamento de juros. As taxas de juros se encontram em patamares elevados no país, seja pelo baixo volume de crédito disponível que representa hoje 2,4 do PIB quando a média internacional passa de 100, seja pelos custos que incidam sobre as taxas. Como referência vale registrar que quando o consumidor faz um empréstimo esta taxa é composta de: Custo de captação do banco (Quanto o banco paga pelo dinheiro que paga a seus aplicadores ou custo de oportunidade). A referência é a taxa Selic; Cunha fiscal Compreende os impostos da intermediação financeira mais os compulsórios (dinheiro dos depósitos que os bancos deixam no Banco Central sem poderem emprestar); Despesas administrativas Custos dos processos do banco (funcionários, agências); Risco Custo da inadimplência dos empréstimos (parte dos empréstimos não são pagos ou demoram para serem recebidos o que embute um risco à instituição); Margem líquida da instituição lucro do banco ou depois de todos os itens acima quanto efetivamente sobra para a instituição financeira. Destacamos que as taxas de juros são livres e as mesmas são estipuladas pela própria instituição financeira não existindo assim qualquer controle de preços ou tetos pelos valores cobrados. A única obrigatoriedade que a instituição financeira tem é informar ao cliente quais as taxas que lhe serão cobradas caso recorra a qualquer tipo de crédito. Tendo em vista existirem expressivas variações entre as taxas de juros nas diversas instituições financeiras recomendamos: Quando da contratação de um financiamento pesquise sempre a taxa de juros e demais acréscimos; Evite comprometer demasiadamente seu orçamento com dívidas; Evite empréstimos de longo prazo que embutem custos maiores; Evite entrar no rotativo do cartão de crédito e do cheque especial que possuem as maiores taxas de juros; O cheque especial não é renda e deve ser utilizado por um período curto e emergencial. Se tiver necessidade de usar este limite por um período maior procure a sua instituição financeira e faça um empréstimo pessoal (que tem custos menores) para liquidar o cheque especial; Existem linhas de crédito mais baratas como o micro crédito que tem taxa de 2,00 ao mês, penhor de jóias da Caixa Econômica Federal e do crédito consignado com desconto em folha. Assim caso necessite de crédito veja a possibilidade destes empréstimos mais baratos; Salientamos que a linha de crédito consignado com desconto em folha de pagamento/benefício do INSS já atinge hoje mais de R$ 282 bilhões correspondente a 72,0 do total do crédito pessoal.

9 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 9 Necessitando de crédito para pagar uma dívida e não tendo condições de faze-lo não deixe suas dívidas crescerem mais por conta dos juros de mora e multas. Procure o credor de sua dívida e proponha uma renegociação do prazo e das taxas de juros em uma condição que consiga cumprir; Se possível adie suas compras para juntar o dinheiro e comprar o mesmo à vista evitando os juros. Entretanto caso não seja possível pesquise muito, barganhe e compre nos menores prazos possíveis (quanto menor o prazo menor a incidência de juros). Resumindo, use o crédito com moderação e conscientemente; Como diz a campanha de uma grande instituição financeira privada de uso consciente do crédito O crédito foi feito para você realizar seus sonhos, não para tirar seu sono. Dicas para se livrar das dívidas 1) Identifique todas as suas dívidas; 2) Tendo recursos aplicados resgate os mesmos para usar nestes pagamentos mesmo que sejam parciais; 3) - Tendo bens se desfaça deles para fazer dinheiro e pagar estas dívidas; 4) - Reduza suas despesas mensais (comprometa sua família nesta cruzada); ) - Analise sua capacidade de pagamento para propor acordo a seus credores (qual o valor mensal que posso dispor?); ) Estabeleça prioridades (quais despesas devo pagar ou renegociar primeiro (as mais caras e as que geram penalidades como condomínio, luz, agua, telefone); 7) - Se for possível peça um empréstimo mais barato para liquidar as dívidas mais caras; 8) - Não sendo possível renegocie com seus credores condições de pagamento que possa cumprir; 9) - É importante propor algo que consiga cumprir para não ficar novamente inadimplente após algum tempo. Isto desacredita você; 10)- O ideal é negociar antes de entrar nas listas de proteção ao crédito. Entretanto só deve fazer isto caso a condição desta renegociação seja boa para você como prestações baixas e reduções dos juros caso contrário não aceita a renegociação pois inevitavelmente você não vai conseguir cumprir. 11)- Mude seus hábitos de gastos para não voltar novamente a mesma situação (não gastar mais de que ganha, não usar cheque especial e rotativo do cartão de crédito). ANEFAC

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2016, sendo esta a quinta elevação no ano e vigésima elevação

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2015, sendo esta a décima elevação no ano e decima terceira

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em fevereiro/2013 frente a janeiro/2013. Pessoa Física Das seis

Leia mais

PESQUISA DE JUROS PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS MESES

PESQUISA DE JUROS PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS MESES PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em junho/2014, sendo esta a décima terceira elevação seguida, sexta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2015, sendo esta a quinta elevação no ano e oitava elevação

Leia mais

anefac.com.br PESQUISA DE JUROS

anefac.com.br PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em julho/2014, sendo esta a décima quarta elevação seguida, sétima elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Após terem sido reduzidas em setembro/2014 as taxas de juros das operações de crédito voltaram ser elevadas em outubro/2014.

PESQUISA DE JUROS. Após terem sido reduzidas em setembro/2014 as taxas de juros das operações de crédito voltaram ser elevadas em outubro/2014. PESQUISA DE JUROS Após terem sido reduzidas em setembro/2014 as taxas de juros das operações de crédito voltaram ser elevadas em outubro/2014. Vale destacar que em 29/10/2014 tivemos nova elevação da Taxa

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

PESQUISA DE JUROS PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS MESES

PESQUISA DE JUROS PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS MESES PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em abril/2014, sendo esta a décima primeira elevação seguida, quarta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em setembro/2013, sendo esta a quinta elevação no ano. Esta elevação

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em março/2013 frente a fevereiro/2013. Pessoa Física Das seis

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser reduzidas em fevereiro/2012 sendo esta a terceira redução consecutiva. Estas

Leia mais

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Todas as linhas de crédito para pessoas jurídicas subiram. Para pessoas físicas, houve aumento nos juros do comércio,

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em fevereiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em janeiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS - MAIO As taxas de juros das operações de crédito ficaram estáveis em maio/2013. Vale destacar que em maio o Banco Central voltou a elevar

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em janeiro/2013 frente a dezembro/2012. Pessoa Física Das seis

Leia mais

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/201 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis Com 4,27 no mes, Minas Gerais e Paraná registraram as maiores taxas de juros

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo:

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo: PESQUISA DE JUROS Após longo período de elevação das taxas de juros das operações de crédito, as mesmas voltaram a ser reduzidas em setembro/2014 interrompendo quinze elevações seguidas dos juros na pessoa

Leia mais

PESQUISA DE UTILIZAÇÃO DO 13º SALÁRIO

PESQUISA DE UTILIZAÇÃO DO 13º SALÁRIO PESQUISA DE UTILIZAÇÃO DO 13º SALÁRIO A ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração realizou durante o mês de outubro de, pesquisa junto a 1.037 consumidores de todas as classes

Leia mais

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido 12º 11º 12º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 8º 7º Nº de Agências 7º 7º 7º 7º 7º Fonte: Banco

Leia mais

Volume Total de Crédito

Volume Total de Crédito Parte I Volume de Crédito A) Recursos Livres e Recursos Direcionados Período R$ milhões Variação % Junho2005 535.594 Junho2015 3.102.172 490,2% Volume Total de Crédito 4.000.000 2.000.000 R$ milhões B)

Leia mais

DIA DA SAÚDE FINANCEIRA. Despertar da Consciência Financeira. Lavínia Martins, CFP Miriam Bruno, CFP 29/10/2016

DIA DA SAÚDE FINANCEIRA. Despertar da Consciência Financeira. Lavínia Martins, CFP Miriam Bruno, CFP 29/10/2016 DIA DA SAÚDE FINANCEIRA Despertar da Consciência Financeira Lavínia Martins, CFP Miriam Bruno, CFP 29/10/2016 Finanças = Dinheiro Quais são as funções do dinheiro? Sistema de preços Meio de troca Reserva

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) BLUMENAU

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) BLUMENAU Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) BLUMENAU Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) BLUMENAU FECOMÉRCIO SC SUMÁRIO Endividamento em Blumenau 7 Considerações

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO no Brasil: avaliação e propostas

SPREAD BANCÁRIO no Brasil: avaliação e propostas SPREAD BANCÁRIO no Brasil: avaliação e propostas Reunião de Diretoria Plenária da ABINEE Flávio Castelo Branco Gerente-Executivo de Política Econômica Confederação Nacional da Indústria São Paulo, Outubro

Leia mais

Maior desaceleração e alerta para inadimplência

Maior desaceleração e alerta para inadimplência jan/11 jul/11 jan/11 jul/11 Maior desaceleração e alerta para inadimplência O crescimento do crédito total do SFN em 12 meses desacelerou 0,7 p.p. em abril, fechando em 10,, totalizando R$ 3,1 trilhões,

Leia mais

Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013

Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013 Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013 Market Share Indicadores dez/09 dez/10 dez/11 dez/12 set/13 Ativo Total * 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido * 11º 12º 11º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 7º

Leia mais

Gestão de Finanças Pessoais. Suzy Sukie Maia Barroso Silva Fábio Augusto Guimarães Teixeira

Gestão de Finanças Pessoais. Suzy Sukie Maia Barroso Silva Fábio Augusto Guimarães Teixeira Gestão de Finanças Pessoais Suzy Sukie Maia Barroso Silva Fábio Augusto Guimarães Teixeira AVISO Apresentação disponibilizada pelo Banco Central do Brasil para ações de educação financeira alinhadas às

Leia mais

O perfil do endividamento das famílias brasileiras em 2016

O perfil do endividamento das famílias brasileiras em 2016 O perfil do endividamento das famílias brasileiras em 2016 A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor mostra que em 2016 houve redução de 3,9% no número médio de famílias com dívidas, com

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Maio de 2016 SUMÁRIO ANÁLISE DO

Leia mais

10 DICAS. para você usar o crédito de forma consciente

10 DICAS. para você usar o crédito de forma consciente 10 DICAS para você usar o crédito de forma consciente Fazer um orçamento exige compromisso, paciência e uso consciente, inclusive do crédito que bancos e financeiras oferecem. Mas as recompensas valem a

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Abril de 2016 Peic Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atraso Não Terão Condições de Pagar abr/15 61,6% 19,7%

Leia mais

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 Henrique Meirelles Ministro da Agosto 2016 Cenário de Referência 2 Foi observado o limite de crescimento da despesa contido na Proposta de Emenda Constitucional 241/2016

Leia mais

Indicador de vendas e de inadimplência

Indicador de vendas e de inadimplência Indicador de vendas e de inadimplência CNDL SPC Brasil Maio de 2013 Presidentes Roque Pellizzaro Junior (CNDL) Roberto Alfeu Pena Gomes (SPC Brasil) Junho de 2013 1 Inflação puxa inadimplência e vendas

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim 1º Semestre 2016

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim 1º Semestre 2016 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim 1º Semestre 2016 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Novembro de 2016 SUMÁRIO ANÁLISE

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

Banco do Brasil. Divulgação do Resultado 1T09

Banco do Brasil. Divulgação do Resultado 1T09 Banco do Brasil Divulgação do Resultado 1 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados

Leia mais

GUIA DO CRÉDITO CONSCIENTE

GUIA DO CRÉDITO CONSCIENTE GUIA DO 1 FAMILIAR GUIA DO 2 Existem várias maneiras de usar o dinheiro de forma consciente. Uma delas é definir suas necessidades e planejar todos os seus gastos levando em conta a renda disponível. Para

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro. Dezembro de 2016

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro. Dezembro de 2016 CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Dezembro de 2016 Peic Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atraso Não Terão Condições de Pagar dez/15 61,1% 23,2%

Leia mais

PERFIL DE ENDIVIDAMENTO DO CONSUMIDOR DE FORTALEZA (CE) - ABRIL

PERFIL DE ENDIVIDAMENTO DO CONSUMIDOR DE FORTALEZA (CE) - ABRIL PERFIL DE ENDIVIDAMENTO DO CONSUMIDOR DE FORTALEZA (CE) - ABRIL 2015 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico Roberto Guerra, Coordenador de campo SUMÁRIO 1. Resultados Sintéticos

Leia mais

Carteira do SFN recua 3,5% em 2016

Carteira do SFN recua 3,5% em 2016 Carteira do SFN recua 3,5% em 2016 Carteira de Crédito no SFN Em 2016, o mercado de crédito fechou com retração de 3,5%. Esta performance frustrante reflete o processo de desalavancagem das famílias e

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P M A I O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 28 de junho de 2016 Em maio, crédito imobiliário somou R$ 3,9 bilhões Poupança

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Agosto 2016 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO O Nupec-Faced pesquisou no mês de julho, na cidade de Divinópolis, dezesseis estabelecimentos que comercializam materiais básicos de construção. Os itens pesquisados

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2013 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015

Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015 Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015 Neste edição especial do boletim Mercado de trabalho do CEPER-FUNDACE, serão comparados dados do Cadastro Geral de Empregados e

Leia mais

ECONOMIA 25 de junho de 2015 Relatório de Crédito (dados de maio)

ECONOMIA 25 de junho de 2015 Relatório de Crédito (dados de maio) 11 12 13 14 15 16 jan/02 ago/02 mar/03 out/03 mai/04 dez/04 jul/05 fev/06 set/06 abr/07 nov/07 jun/08 jan/09 ago/09 mar/ out/ mai/11 dez/11 jul/12 fev/13 set/13 abr/14 nov/14 ECONOMIA 25 de junho de 15

Leia mais

Fonte: Elaboração Própria com base nos dados do Alice Web / MDIC.

Fonte: Elaboração Própria com base nos dados do Alice Web / MDIC. O Gráfico 1 nos mostra a evolução das exportações do Brasil, estado de São Paulo e estado de São Paulo sem região metropolitana. O número 1 (um) após o nome de cada região na legenda da Figura 1 indica

Leia mais

EVOLUÇÃO SALARIAL (Não considerando a incorporação da Gratificação Nova Escola como reajuste)

EVOLUÇÃO SALARIAL (Não considerando a incorporação da Gratificação Nova Escola como reajuste) EVOLUÇÃO SALARIAL (Não considerando a incorporação da Gratificação Nova Escola como reajuste) Categoria: Profissionais da Educação da Rede Estadual de Ensino do Rio de Janeiro (Magistério) Deflatores:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA SEJAM BEM VINDAS!

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA SEJAM BEM VINDAS! Treinamento on line ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA SEJAM BEM VINDAS! Janaina Lima DIRETORA F. Executiva Sucesso Gestão Gestão Financeira do Seu Negócio Mary Kay A parte mais importante do planejamento financeiro

Leia mais

O Financiamento no Brasil

O Financiamento no Brasil O Financiamento no Brasil Aquisição da casa própria e do automóvel são as principais finalidades dos financiamentos Adquirir um automóvel ou a casa própria, para a grande maioria dos brasileiros, é um

Leia mais

Resultados 3º Trimestre 2012

Resultados 3º Trimestre 2012 Resultados 3º Trimestre 2012 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

CENÁRIO DO EMPRÉSTIMO NO BRASIL: Aquisição, Finalidade e Critérios de Escolha

CENÁRIO DO EMPRÉSTIMO NO BRASIL: Aquisição, Finalidade e Critérios de Escolha CENÁRIO DO EMPRÉSTIMO NO BRASIL: Aquisição, Finalidade e Critérios de Escolha Maio 2016 Três em cada dez brasileiros possuem empréstimo de bancos e financeiras O empréstimo pode ser um meio eficiente para

Leia mais

TERMÔMETRO DE VENDAS Março/2016

TERMÔMETRO DE VENDAS Março/2016 TERMÔMETRO DE VENDAS Março/2016 Elaborado: Economia - Pesquisa & Mercado Equipe Técnica: Economista Ana Pala Bastos Estatística - Sarah Ribeiro Analista André Fernandes Técnico em Pesquisa - Amanda Santos

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF Intenção de Consumo das Famílias Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Junho de 2016 SUMÁRIO EMPREGO, RENDA E CONSUMO ATUAIS...

Leia mais

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo. Material de suporte para categorias em data-base INPC-IBGE

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo. Material de suporte para categorias em data-base INPC-IBGE EVOLUÇÃO SALARIAL Categoria: Material de suporte para categorias em data-base Deflatores: IPCA-IBGE INPC-IBGE março de 2015 Este trabalho contém o estudo sobre o comportamento dos salários desde 01-março-2014

Leia mais

10 Dicas GRÁTIS Para Controlar Seu Orçamento

10 Dicas GRÁTIS Para Controlar Seu Orçamento 10 Dicas GRÁTIS Para Controlar Seu Orçamento Fizemos uma seleção de dicas muito importantes para que você aprenda a controlar o seu orçamento e mantenha a sua vida econômica em dia. Seguindo à risca as

Leia mais

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor - PEIC

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor - PEIC 21 de fevereiro de 2013 Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor - PEIC A PEIC é uma pesquisa realizada pela CNC e divulgada regionalmente pela Fecomércio-RS. Apesar de, muitas vezes, ser

Leia mais

Taxas praticadas no Cartão de Crédito Modalidades: Rotativo e Parcelado. Maio 2015

Taxas praticadas no Cartão de Crédito Modalidades: Rotativo e Parcelado. Maio 2015 Taxas praticadas no Cartão de Crédito Modalidades: Rotativo e Parcelado Maio 2015 1 Observações Levantamento realizado com base nas informações do Banco Central Divulgação destas informações começou em

Leia mais

Administração de Finanças Pessoais e de Família. Prof. Dr. Fabio Junges - Módulo II

Administração de Finanças Pessoais e de Família. Prof. Dr. Fabio Junges - Módulo II Administração de Finanças Pessoais e de Família Prof. Dr. Fabio Junges - fabio@fabiojunges.com.br Módulo II Alguma mudança nestas últimas duas semanas em relação às suas finanças e da sua família? Módulo

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

PERFIL DE ENDIVIDAMENTO DO CONSUMIDOR DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL (NE) - SETEMBRO

PERFIL DE ENDIVIDAMENTO DO CONSUMIDOR DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL (NE) - SETEMBRO PERFIL DE ENDIVIDAMENTO DO CONSUMIDOR DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL (NE) - SETEMBRO 2012 - ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE - ETENE Superintendente: José Narciso Sobrinho Ambiente de

Leia mais

PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - JULHO

PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - JULHO PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - JULHO 2014 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico Coordenação de Campo: Roberto Guerra SUMÁRIO

Leia mais

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho.

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. Segundo apuração da PME (Pesquisa Mensal do Emprego), realizada pelo IBGE,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DA CAMARA MUNICIPAL DE SALVADOR RECEITAS X DESPESAS 2015

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DA CAMARA MUNICIPAL DE SALVADOR RECEITAS X DESPESAS 2015 RECEITAS X DESPESAS 2015 RECEITAS JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Repasse de Inativos PMS 5.071,83 9.761,76 5.472,38 5.539,98 5.667,28 5.788,79 5.739,96 24.411,51 67.453,49 Repasse dos

Leia mais

Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015

Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015 Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015 Crescimento chinês da construção Taxa de crescimento entre 2007 a 2012 90% 82,61% 83,30% 80% 76,70% 70% 68,07% 60% 50% 40% 41,8% 30% 20% 10% 9,95%

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO 2014-2015: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ABRIL, 2014 Fabiana D Atri Economista Sênior do Departamento de Pesquisas 1 e Estudos Econômicos - DEPEC 17/04/11 17/05/11 17/06/11

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Objetivos PLANEJAMENTO FINANCEIRO DE CURTO PRAZO E ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Análise Dinâmica do Capital de Giro. Capital Circulante Positivo

Objetivos PLANEJAMENTO FINANCEIRO DE CURTO PRAZO E ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Análise Dinâmica do Capital de Giro. Capital Circulante Positivo UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PLANEJAMENTO FINANCEIRO DE CURTO PRAZO E ADMINISTRAÇÃO DO

Leia mais

Finanças Pessoais 1º passo para a Cultura de Bolso. Sejam bem-vindos! Aleksander Avalca

Finanças Pessoais 1º passo para a Cultura de Bolso. Sejam bem-vindos! Aleksander Avalca Finanças Pessoais 1º passo para a Cultura de Bolso Sejam bem-vindos! Aleksander Avalca Algumas estatísticas 2011 maior nível de inadimplência nos últimos 9 anos Algumas estatísticas 2011 maior nível de

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro. Setembro de 2016

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro. Setembro de 2016 CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Setembro de 2016 Peic Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atraso Não Terão Condições de Pagar set/15 63,5% 23,1%

Leia mais

O cheque especial assinalou uma variação de 41% entre as taxas e para desconto de duplicatas houve uma diferença de 38,9% a.a até 54,3% a.a.

O cheque especial assinalou uma variação de 41% entre as taxas e para desconto de duplicatas houve uma diferença de 38,9% a.a até 54,3% a.a. BOLETIM ECONÔMICO 29/06/2016 ANO X Taxas de juros Nesta Edição: Taxas de juros para pessoa física Taxas de juros para pessoa jurídica Abaixo segue a relação das taxas de juros cobradas pelas principais

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Análise de Endividamento do Consumidor

Análise de Endividamento do Consumidor A Análise Mensal do Endividamento do Consumidor traça o quadro de endividamento e inadimplência dos consumidores da capital. Essas informações são importantes porque englobam dados para a orientação dos

Leia mais

Análise de Endividamento do Consumidor Junho

Análise de Endividamento do Consumidor Junho Análise de Endividamento do Consumidor A Análise de Endividamento do Consumidor traça o quadro de endividamento e inadimplência dos consumidores da capital. Essas informações são importantes, pois englobam

Leia mais

SOLUÇÕES DE COBRANÇA. Fellipe Maciel Lume Numata

SOLUÇÕES DE COBRANÇA. Fellipe Maciel Lume Numata SOLUÇÕES DE COBRANÇA Fellipe Maciel Lume Numata AGENDA 1 2 3 4 A importância da Cobrança Cenário de Inadimplência Soluções de Cobrança Limpa Nome AGENDA 1 A importância da Cobrança A IMPORTÂNCIA DA COBRANÇA

Leia mais

15.1.Os principais instrumentos de política monetária são:

15.1.Os principais instrumentos de política monetária são: Módulo 15 Política Monetária O conjunto de atos do BACEN para controlar a quantidade de dinheiro e a taxa de juros e, em geral, as condições de crédito constitui a política monetária de um determinado

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

NOVAS REGRAS FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO. MAIANE SILVA MORAIS

NOVAS REGRAS FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO. MAIANE SILVA MORAIS NOVAS REGRAS FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO. MAIANE SILVA MORAIS Financiamento imobiliário A Caixa Econômica Federal vai reduzir o limite de financiamento para imóveis usados a partir de 4 de maio. O objetivo

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Análise do DEMONSTRATIVO FINANCEIRO

Análise do DEMONSTRATIVO FINANCEIRO Análise do DEMONSTRATIVO FINANCEIRO Resumo dos Resultados Gerais - 9M12 Item Resultado 9M12 Variação em relação a 9M11 (em %) Lucro Líquido R$ 4,2 bilhões +17,7% Patrimônio Líquido R$ 22,5 bilhões +24,6%

Leia mais

SEBRAE CARTÕES DE PAGAMENTO. Como as vendas por cartão de crédito e de débito. podem melhorar os negócios de sua empresa

SEBRAE CARTÕES DE PAGAMENTO. Como as vendas por cartão de crédito e de débito. podem melhorar os negócios de sua empresa CARTÕES DE PAGAMENTO Como as vendas por cartão de crédito e de débito podem melhorar os negócios de sua empresa O mundo mudou Nos hábitos: de consumo tecnologias formas de pagar Do ponto de vista do consumidor:

Leia mais

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi 2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa Marcello Siniscalchi Ampla liquidez internacional provocada por taxas de juros reais negativas e curvas de juros pouco inclinadas. Taxas de juros Reais G3 Inclinação

Leia mais

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 Prestação de Contas - LRF

Leia mais

5 Calcular o valor do capital que produz juros de R$ 1.200,00 no final de 8 meses se aplicado a uma taxa de juros de 5% ao mês?

5 Calcular o valor do capital que produz juros de R$ 1.200,00 no final de 8 meses se aplicado a uma taxa de juros de 5% ao mês? - Pagamento único Resolver todas as questões utilizando: a) critério de juros simples b) critério de juros compostos 1 Uma pessoa empresta R$ 2.640,00 pelo prazo de 5 meses a uma taxa de juros de 4% ao

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

TEOTONIO COSTA REZENDE

TEOTONIO COSTA REZENDE TEOTONIO COSTA REZENDE Sumário Balanço 2016 Projeções 2017 Pontos de Atenção Curto Prazo Penalizando o Longo Prazo Uma visão do futuro Balanço de Contratações Crédito Imobiliário - Evolução da Contratação

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS QUEM PODE SOLICITAR EMPRÉSTIMO PARTICIPANTES ATIVOS PARTICIPANTES ASSISTIDOS Manter vínculo empregatício remunerado

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC CURITIBA - PR MARÇO/2016 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela 3 -

Leia mais

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 ApresentAção A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 apresenta a visão do empresário do transporte rodoviário

Leia mais