Monitoramento do PAC. Programa de Formação de Técnicos Estaduais e Municipais para Elaboração do PPA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitoramento do PAC. Programa de Formação de Técnicos Estaduais e Municipais para Elaboração do PPA"

Transcrição

1 Monitoramento do PAC Programa de Formação de Técnicos Estaduais e Municipais para Elaboração do PPA

2 PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO Lançado em 2007, o programa é constituído por: Medidas de estímulo ao investimento privado Ampliação dos investimentos públicos em infraestrutura Logística de Transportes Logística de Energia Infraestrutura Social e Urbana Sistema Inovador de Gestão e Monitoramento

3 Em 2007 PAC 1 Acelerar o ritmo de crescimento da economia Aumentar o emprego e a renda Diminuir as desigualdades sociais e regionais Superação dos gargalos na infra-estruturado País Em 2009 nova função Redução dos impactos da crise internacional função anti-cíclica Criação do MCMV Em 2011 uma nova etapa: PAC

4 PARCERIA COM ESTADOS, MUNICÍPIOS E SETOR PRIVADO Estados e Municípios Diálogo interfederativo para a seleção de obras e sua execução saneamento e habitação Melhoria nos projetos dos entes federados diante da disponibilidade de recursos do PAC Setor privado Concessões rodovias, ferrovias, aeroportos, energia elétrica e irrigação Ampliação da contratação de serviços cadeia do petróleo, dragagem dos portos, saneamento, habitação Interlocução com o Setor Privado sobre crédito, desoneração e desenvolvimento de políticas, como no Minha Casa, Minha Vida 4

5 Inovações do PAC Consolidou a idéiade que é indispensável ao país o planejamento de seus investimentos Introduziu um método inovador de monitoramento Disseminou a cultura de priorização, responsabilização e de transparência das informações Promoveu mudanças em marcos legais e institucionais para facilitar a gestão dos empreendimentos 5

6 Objetivos do Monitoramento Assegurar prazos e resultados Gerenciar riscos: identificar e provocar soluções aos entraves Divulgar andamento das ações do PAC para a Sociedade Resultados finalísticos: metas físicas e prazos Execução Orçamentário-Financeira Resultados processuais marcos legais, normativos, organizativos, técnicos/cognitivos 6

7 7

8 8

9 Seleção e Execução das Obras Projetos do PAC foram propostos, levando-se em conta os critérios de seleção para o Programa: Pelos órgãos setoriais Pelos entes federados Os processos de planejamento, contratação, execução, homologação de resultados e prestação de contas continuam sob a responsabilidade dos órgãos setoriais Cabe à SEPAC acompanhar a evolução dos empreendimentos, conjugando ações de governo para a solução tempestiva de entraves à sua execução 9

10 Estrutura de monitoramento 10

11 Gestão intersetorial do PAC 11

12 Sala de Situação Mecanismo para viabilizar o monitoramento das ações do PAC Centraliza informações, sem se envolver diretamente com o processo de execução Resolve descentralizadamenteos problemas de execução, de forma que a solução, apenas excepcionalmente, tenha que ser levada ao nível da alta direção Participantes: órgãos setoriais, CC, MF e MP. GEPAC poderá convidar outros órgãos, relacionados à execução dos trabalhos Periodicidade de Reuniões: no mínimo mensal Atividades: discussão semanal de temas relacionados à execução dos projetos (progresso físico/financeiro; restrições; ações de mitigação); formatação mensal de relatório gerencial 12

13 Grupo Executivo -GEPAC Alinhamento estratégico das Salas de Situação: estabelecimento das pautas comuns e definições gerais do processo de monitoramento Consolida o relatório de monitoramento e de encaminhamentos das questões relevantes Aciona o CGPAC mensalmente para tomada de decisões, ou quando necessário 13

14 Comitê Gestor do PAC (CGPAC) Direcionamento global do processo de monitoramento Análise do relatório de monitoramento e tomada de decisões Aciona a Presidenta da República para tomada de decisões, ou quando necessário 14

15 Monitoramento Principais informações para o monitoramento Dados dos empreendimentos escopo, meta, executor, valor Definição de cronogramas das obras Relatório Sintético da Sala de Situação: Avaliação do andamento dos empreendimentos situação, estágio Resultados principais pontos positivos Entraves principais dificuldades Providências questões relevantes a enfrentar no próximo período 15

16 Critérios de avaliação das ações 16

17 Ciclo de obras e seu monitoramento 17

18 Monitoramento dos ministérios setoriais Gabinete de Gestão Integrada Reuniões realizadas com os proponentes, nas unidades locais da Caixa, visando monitoramento das providências e pactuaçãode soluções aos entraves técnicos apresentados Remoto e in loco eventualmente Análise de informações contidas no banco de dados da Caixa, BNDES e Ministérios Realização de videoconferências entre técnicos do Ministério, bancos e Proponente visando verificação do estágio de execução e evolução das providências 18

19 Sistema de Gestão de Indicdores Instrumento computacional de apoio à gestão de indicadores Metadados Arvore hierárquica de indicadores Paines de controle nos diversos níveis Formatos de visulização de dados Importação e exportação automaticade indicadores de outros sistemas (PPA, Foruns, Pac, Copa, Monitor-MDS, MEC em Números, Sala Situação Saude, ) Saida dados abertos (comunicação maquina-maquina) 19

20 Inovações para melhoria da gestão Obras do PAC executadas por estados e municípios ganharam status de transferência obrigatória, simplificando o processo de repasse de recursos Monitoramento junto ao Tribunal de Contas da União, órgão responsável pelo controle externo dos gastos públicos federais Grupo Especial da Advocacia Geral da União, responsável por acompanhar processos judiciais 20

21 Inovações para melhoria da gestão Recomposição da capacidade do Estado -Criação da nova carreira Analista de Infraestrutura, garantindo o corpo técnico mínimo necessário para o monitoramento e execução das obras, com uma remuneração compatível com a realidade de mercado Redução do tempo de liberação de recursos para obras de saneamento e habitação Licenciamento Ambiental simplificação de procedimentos Monitoramento intensivo da Carteira 21

22 Mudanças legais e institucionais Dispensa de Contrapartida para as obras com recursos do Orçamento da União Dispensa do CAUC Cadastro único de exigências de transferências voluntárias Flexibilidade no processo de medição e Pagamento Aferição de medições pelos agentes financeiros quando a obra atingir 40%, 60%, 80% e 100% Glosas de uma medição serão descontadas na próxima Regime Diferenciado de Contratações RDC 22

23 RDC REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO Mais rápido e pode ser aplicado a todo o ciclo de investimento do PAC: estudos ambientais, projetos, supervisão e obra Mais barato amplia a competição entre os licitantes reduzindo os preços Fase recursal única, na qual são analisados os recursos referentes ao julgamento das propostas e da habilitação Contratação integrada 23

24 RDC REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO Licitante vencedor deve elaborar o projeto básico e o executivo com base em um anteprojeto de engenharia fornecido pela Administração Pública, que conterá todos os elementos necessários à elaboração de propostas É vedada a celebração de termos aditivos Contratado passa a compartilhar os riscos com a Administração, arcando com suas responsabilidades na execução do contrato 24

25 Monitoramento no Município Reuniões periódicas para apresentação de resultados ao Prefeito Criar coordenação específica para gestão do PAC, preferencialmente ligada ao Gabinete do Prefeito Definir em cada secretaria ou órgão executor uma área responsável por coordenar o monitoramento das obras dessa secretaria Definir setor ou equipe especifica para acompanhamento dos processos mais críticos 25

26 Monitoramento no Município Instituir a prática de salas de situação periódica para acompanhamento dos projetos, com a participação de todos os órgãos envolvidos: jurídico, orçamento e finanças, engenharia, social, aprovação e licenciamento etc Definir para cada obra etapas necessárias para a execução, tempo, recursos e responsáveis Instituir ritos especiais prioritários aprovação de projetos, licenciamento ambiental, emissão de alvará de obras, licitações, desapropriações e pagamentos do PAC 26

27 Sistema de monitoramento 27

28 Sistema gerencial 28

29 Sistema gerencial 29

30 Sistema gerencial 30

31 Sistema gerencial 31

32 Monitoramento por imagem metrô de Salvador 32

33 33

34 Relatórios de Avaliação do PAC Vídeo institucional ulrvehols 34

OFICINA: MONITORAMENTO DO PAC

OFICINA: MONITORAMENTO DO PAC OFICINA: MONITORAMENTO DO PAC Maurício Muniz SEPAC Secretaria do Programa de Aceleração do Crescimento Brasília, 29 de janeiro de 2013 OBJETIVO DA OFICINA Apresentar o modelo de monitoramento do PAC no

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO (PAC), criado pelo Decreto 6.025/2007 que define a estrutura formal da sua gestão. PAC medidas de estímulo

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

Experiência com o RDC

Experiência com o RDC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD DEPARTAMENTO DE LICITAÇÕES - DPL Av. Desembargador Vitor Lima nº 222, 5º andar Florianópolis SC CEP 88040-400 Telefones: (48)

Leia mais

Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas. Ministério do Planejamento

Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas. Ministério do Planejamento Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas PPA 2012-2015 Sumário 1. Princípios do PPA 2. Dimensões do Plano 3. Principais Mudanças 4. Elaboração do PPA 5. Exemplo de Programa 6. Modelo de Gestão 7.

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

Projetos do Deconcic. Reunião do Consic 14 de agosto de 2015

Projetos do Deconcic. Reunião do Consic 14 de agosto de 2015 Projetos do Deconcic Reunião do Consic 14 de agosto de 215 Agenda Programa Compete Brasil da Fiesp Responsabilidade com o Investimento Observatório da Construção: novo layout Acompanhamento de Obras Acordo

Leia mais

O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde

O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde Brasília, 25/01/2017 Lei 141 Art. 30. Os planos plurianuais,

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Gerência de Parcerias Público-Privadas Secretaria de Estado de Desenvolvimento.

Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Gerência de Parcerias Público-Privadas Secretaria de Estado de Desenvolvimento. Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Gerência de Parcerias Público-Privadas 2015 Secretaria de Estado de Desenvolvimento. SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO Programa Estadual

Leia mais

Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional

Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional Encontros Regionais de Municípios ABM Sudeste Rio de Janeiro, Outubro de 2015 Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional Marcus Vinicius Rego Gerente Nacional de Segmentos de

Leia mais

ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC

ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional

Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional 4º Encontro de Prefeitos com tema Desenvolvimento Local Sustentável Encontros Regionais de Municípios ABM - Nordeste Camaçari, Setembro de 2015 Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento

Leia mais

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Nome: Denise Maria Lara de Souza Seabra Formação: Enga. Civil e Sanitarista Instituição: Caixa Econômica Federal Agenda Contextualização

Leia mais

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI Gilberto Peralta GE 13 de maio de 2016 MARCO INSTITUCIONAL Emenda Constitucional nº 85 Inserção da inovação

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P.TJAM 67 Planejamento Estratégico Elaborado por: Carla Winalmoller

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES 2009-2014 FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS MINHA CASA, MINHA VIDA - ENTIDADES PMCMV ENTIDADES/ FDS Produção e aquisição de unidades habitacionais

Leia mais

Maurício Muniz Barretto de Carvalho SAM - Casa Civil 07/ 11/ 2006

Maurício Muniz Barretto de Carvalho SAM - Casa Civil 07/ 11/ 2006 Maurício Muniz Barretto de Carvalho SAM - Casa Civil 07/ 11/ 2006 Restrição ao investimento público Brasil e América Latina. Dilema de Política Fiscal: compatibilizar solvência, carga tributária, despesas

Leia mais

GESTÃO POR RESULTADOS DA PREFEITURA DE OSASCO/SP Uma reflexão sobre planejamento, monitoramento e avaliação

GESTÃO POR RESULTADOS DA PREFEITURA DE OSASCO/SP Uma reflexão sobre planejamento, monitoramento e avaliação Seminário Reforma Gerencial 20+20 GESTÃO POR RESULTADOS DA PREFEITURA DE OSASCO/SP Uma reflexão sobre planejamento, monitoramento e avaliação Prefeito Jorge Lapas 27 de agosto 2015 TEMAS A SEREM ABORDADOS

Leia mais

REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES

REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES Susana Filgueiras Brasília, 10 de setembro de 2012 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Lei nº12.462, de 5 de agosto de 2011. Decreto nº 7.581, de 11 de outubro de 2011. Lei nº 12.688,

Leia mais

A Gestão Ambiental no Setor Ferroviário Brasileiro: Sustentabilidade, Licenciamento Ambiental Federal

A Gestão Ambiental no Setor Ferroviário Brasileiro: Sustentabilidade, Licenciamento Ambiental Federal Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Diretoria de Licenciamento Ambiental - DILIC A Gestão Ambiental no Setor Ferroviário Brasileiro: Sustentabilidade,

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016 BNDES e o apoio à Infraestrutura Agosto de 2016 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952. Empresa pública de propriedade integral da União. Instrumento chave para implementação da política industrial,

Leia mais

RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional Gerenciamento de Riscos Banco Fidis S.A.

RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional Gerenciamento de Riscos Banco Fidis S.A. RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

VI SEMINÁRIO NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DOS RECURSOS PÚBLICOS.

VI SEMINÁRIO NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DOS RECURSOS PÚBLICOS. VI SEMINÁRIO NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DOS RECURSOS PÚBLICOS. TEMA: A Lei de Licitações nº 8.666 e o Regime Diferenciado de Contratações (RDC) Diretoria Executiva - DIREX/ DNIT diretoria.executiva@dnit.gov.br

Leia mais

Alinhamento PPA e o Inpe

Alinhamento PPA e o Inpe Alinhamento PPA e o Inpe Modelo de gestão por programas Décio Castilho Ceballos ceballos@dir.inpe.br Apresentação ao grupo gestor PE do INPE 06 de outubro de 2006 Alinhamentos diversos Alinhamento político

Leia mais

ANEXO III DA RESOLUÇÃO 009/09/DPR GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DE EXPANSÃO - GPLAN

ANEXO III DA RESOLUÇÃO 009/09/DPR GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DE EXPANSÃO - GPLAN ANEXO III DA RESOLUÇÃO 009/09/DPR GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DE EXPANSÃO - GPLAN 1.0 Objetivo Promover o planejamento físico-financeiro, acompanhamento e controle das ações de implantação, ampliação e melhoria

Leia mais

Possibilidades de PPP em Saneamento

Possibilidades de PPP em Saneamento Seminário Internacional MRE BID BNDES Parceria Público-Privada Privada na Prestação de Serviços de Infra-estrutura Possibilidades de PPP em Saneamento ROGÉRIO DE PAULA TAVARES Diretor de Saneamento e Infra-estrutura

Leia mais

20/11/2013. Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO

20/11/2013. Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO PROF. ÉRICO VALVERDE Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO 1 Regimento Interno CAPITULO IV DO CONTRATO DE ADESÃO COM

Leia mais

Transparência Pública. Realizações Projetos e Perspectivas

Transparência Pública. Realizações Projetos e Perspectivas Transparência Pública Realizações Projetos e Perspectivas Marcos da Transparência no Brasil Acesso à informação como direito fundamental LRF Portal da Transparência Páginas de Transparência 2009 LAI remuneração

Leia mais

ORGANOGRAMA IFTM - REITORIA

ORGANOGRAMA IFTM - REITORIA ORGANOGRAMA IFTM - REITORIA CONSELHO SUPERIOR - Reitoria COLÉGIO DE DIRIGENTES REITOR CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CEPE COORDENAÇÃO GERAL DE AUDITORIA INTERNA COORDENAÇÃO DE APOIO AOS SERVIÇOS

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

III Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasilia, 7 a 9 de abril de 2015.

III Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasilia, 7 a 9 de abril de 2015. III Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasilia, 7 a 9 de abril de 2015. Apoio Específico aos Municípios Linha de Financiamento para Modernização

Leia mais

MÓDULO I TEMA / HORAS AULA EMENTA OBJETIVOS BIBLIOGRAFIA

MÓDULO I TEMA / HORAS AULA EMENTA OBJETIVOS BIBLIOGRAFIA MÓDULO I 1. Contextualização histórica da Gestão de Recursos Hídricos e suas relações com o Saneamento / 4h Conteúdo histórico da Gestão de Entender o processo Recursos Hídricos na Bacia histórico da gestão

Leia mais

Art. 37, XXI, CF. Disciplina: Direito Administrativo Professor: Rodrigo Bordalo

Art. 37, XXI, CF. Disciplina: Direito Administrativo Professor: Rodrigo Bordalo Art. 37, XXI, CF (...) as obras, serviços, compras e alienações serão contratados mediante processo de licitação pública que assegure igualdade de condições a todos os concorrentes (...) Art. 37, XXI,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO, no uso de suas atribuições regimentais,

O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO, no uso de suas atribuições regimentais, ATO Nº 133/2009 - CSJT.GP.SE Define o Modelo de Gestão do Portfólio de Tecnologia da Informação e das Comunicações da Justiça do Trabalho e revoga a Resolução Nº 48 do Conselho Superior da Justiça do Trabalho.

Leia mais

O que precisa de ser feito para colocar o Brasil no radar dos investidores internacionais

O que precisa de ser feito para colocar o Brasil no radar dos investidores internacionais O que precisa de ser feito para colocar o Brasil no radar dos investidores internacionais ENIC, SALVADOR Setembro, 2015 kpmg.com.br 2014 KPMG Structured Finance S. A., uma sociedade anônima brasileira

Leia mais

Nove áreas temáticas do programa

Nove áreas temáticas do programa Nove áreas temáticas do programa Com base no Plano de Ação FLEGT da União Europeia, a gerência do programa estabeleceu nove áreas temáticas apoiadas pelo programa. Sob cada tema, há uma lista indicativa

Leia mais

LICITAÇÕES REALIZADAS EM 2013 MODALIDADE COLETA DE PREÇOS

LICITAÇÕES REALIZADAS EM 2013 MODALIDADE COLETA DE PREÇOS LICITAÇÕES REALIZADAS EM 2013 MODALIDADE COLETA DE PREÇOS NÚMERO DO PROCESSO 01/2013 Rua Alfredo Guedes, 1949 CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO, COORDENAÇÃO, APOIO, GERENCIAMENTO

Leia mais

SUMÁRIO. Regime Diferenciado de Contratações Públicas RDC 2.1 RDC E OBJETOS TRANSITÓRIOS DOS OBJETOS PASSÍVEIS DE ADOÇÃO DO RDC...

SUMÁRIO. Regime Diferenciado de Contratações Públicas RDC 2.1 RDC E OBJETOS TRANSITÓRIOS DOS OBJETOS PASSÍVEIS DE ADOÇÃO DO RDC... SUMÁRIO Regime Diferenciado de Contratações Públicas RDC PREFÁCIO... 15 Nota dos autores... 17 CAPÍTULO 1 ASPECTOS GERAIS... 19 1.1 Introdução... 19 1.2 Objetivos... 22 1.3 Definições... 30 1.4 Diretrizes...

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC)

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) Professor: Pedro Antônio Bertone Ataíde 23 a 27 de março

Leia mais

SICONV CE CADASTRO GERAL DE PARCEIROS

SICONV CE CADASTRO GERAL DE PARCEIROS CADASTRO GERAL DE PARCEIROS AGENDA 1. Contextualização 2. SICONV-Ceará: Ferramenta de Suporte ao Processo de Transferência de Recursos Financeiros 1. Contextualização 1.1 Projeto de Controle Interno Preventivo

Leia mais

Avaliação e Monitoramento do PME. Professora Marcia Adriana de Carvalho

Avaliação e Monitoramento do PME. Professora Marcia Adriana de Carvalho Avaliação e Monitoramento do PME Professora Marcia Adriana de Carvalho TEMAS 1 Por que avaliar e monitorar o PME 2 Qual a diferença entre avaliar e monitorar 3 4 Como definir plano de ações para o período

Leia mais

PLANOS REGIONAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANOS REGIONAIS DE SANEAMENTO BÁSICO PLANOS REGIONAIS DE SANEAMENTO BÁSICO O MCIDADES deve coordenar a elaboração dos Planos de RIDE Lei 11.445/07: Art. 52. A União elaborará, sob a coordenação do Ministério das Cidades: I ( ); II - planos

Leia mais

Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda

Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda Heriberto Henrique Vilela do Nascimento Analista de Finanças e Controle Coordenador de Análise Contábil Secretaria-Executiva/Ministério

Leia mais

Consultoria e Assessoria Pública Ltda

Consultoria e Assessoria Pública Ltda Consultoria e Assessoria Pública Ltda Ofício n.º xxxxxxxx Araçatuba, xx de março de 2012. A Sua Excelência o Senhor Nome do destinatário Cargo do destinatário Assunto: Cronograma de das NBCASP (Portaria

Leia mais

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República.

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Ouvidoria - Geral da União Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Produzir dados quantitativos e qualitativos acerca da satisfação

Leia mais

GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS

GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS 9 ÁREAS DE CONHECIMENTO DE GP / PMBOK / PMI DEFINIÇÃO O Gerenciamento de Integração do Projeto envolve os processos necessários para assegurar

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Comunicação Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº 12.659/06 e Nº 15.052 I - Secretaria Executiva: - assessorar o Secretário Municipal no exercício de suas atribuições;

Leia mais

Panorama geral do projeto

Panorama geral do projeto Panorama geral do projeto Reunião Consic Manuel Carlos de Lima Rossitto Diretor Titular Adjunto do Deconcic São Paulo, outubro de 2013 Agenda Cenário atual e Objetivos do projeto Estratégias de atuação

Leia mais

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi PAC Programa de Aceleração do Crescimento Retomada do planejamento no país Marcel Olivi PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO Lançado em 22/01/2007 o programa é constituído por Medidas de estímulo

Leia mais

A CRISE MUNDIAL E O PAPEL DO BNDES

A CRISE MUNDIAL E O PAPEL DO BNDES A CRISE MUNDIAL E O PAPEL DO BNDES Luciano Coutinho Presidente do BNDES XXI Fórum Nacional Rio de Janeiro,19 de maio de 2009 1 O posicionamento dos países em desenvolvimento A crise econômica será severa

Leia mais

Como contratar TI com riscos baixos. Carlos Mamede Sefti/TCU

Como contratar TI com riscos baixos. Carlos Mamede Sefti/TCU Como contratar TI com riscos baixos Carlos Mamede Sefti/TCU Contratação de TI Riscos envolvidos na contratação Mitigação dos riscos Como contratar TI com riscos baixos 2 Agenda 1. Contratações públicas

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 ESTRUTURA BÁSICA DO PLANO MUNICIPAL DE

Leia mais

EDITAL N.º 17/2016 ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC. Competência: Visão Estratégica

EDITAL N.º 17/2016 ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC. Competência: Visão Estratégica 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Produção e Consumo Sustentável DPCS Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais

Risco de Liquidez. Um Investimentos S/A CTVM. Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14. Resolução nº 4090/12

Risco de Liquidez. Um Investimentos S/A CTVM. Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14. Resolução nº 4090/12 Risco de Liquidez Resolução nº 4090/12 Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14 Um Investimentos S/A CTVM Objetivo Estabelecer as diretrizes para o gerenciamento dos riscos de liquidez a assegurar

Leia mais

LEI Nº0154/97 CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº0154/97 CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº0154/97 CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Santa Bárbara do Leste, por seus representantes aprovou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte Lei:

Leia mais

1º ENCONTRO INTERMUNICIPAL DE ESCOLAS DE GOVERNO DA REGIÃO DE SOROCABA

1º ENCONTRO INTERMUNICIPAL DE ESCOLAS DE GOVERNO DA REGIÃO DE SOROCABA 1º ENCONTRO INTERMUNICIPAL DE ESCOLAS DE GOVERNO DA REGIÃO DE SOROCABA A Avaliação de Desempenho em municípios paulistas, com destaque para o município de Tarumã Maria do Carmo M. T. Cruz Gestão de Pessoas

Leia mais

Situação das ações do Governo Brasileiro Rio de Janeiro

Situação das ações do Governo Brasileiro Rio de Janeiro Code-P0 Copa 204 Situação das ações do Governo Brasileiro Rio de Janeiro Rio de Janeiro, 7 de Junho de 20 Code-P O que o Brasil quer com a Copa do Mundo FIFA Mobilizar o país Promover o país no mundo Constituir

Leia mais

Relatório de Demandas Externas

Relatório de Demandas Externas Presidência da República Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno Relatório de Demandas Externas Número do relatório: 201504179 Unidade Examinada: NOSSA SENHORA DA GLORIA GABINETE

Leia mais

FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas

FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas Diálogo sobre apoio à Inovação na Pequena Empresa São Paulo, 19 de março de 2014 Agenda da reunião Apresentação 1. Palavra da Diretoria

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

Programação Orçamentária 2012

Programação Orçamentária 2012 Programação Orçamentária 2012 Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Fevereiro de 2012 1 2 3 Bens 4 Serviços 5 6 Desenvolvimento Sustentável Ampliação dos investimentos Fortalecimento

Leia mais

Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades. Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman

Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades. Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman AEERJ, 27 de julho de 2016 Fonte: Radar PPP Mercado de PPPs no Brasil Principais Conceitos Contratações de

Leia mais

APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL

APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL BPM Congress Brasília, 27 de novembro de 2012. Carlos Padilla, CBPP, Assessor da Gerência de Negócios. PANORAMA DA APEX-BRASIL

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

Pulo do Gato Receita Federal. Graciano Rocha

Pulo do Gato Receita Federal. Graciano Rocha Pulo do Gato Receita Federal Graciano Rocha Edital RFB 2012 e 2014 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:1. Organização do Estado e da Administração Pública. 2. Modelos teóricos de Administração Pública: patrimonialista,

Leia mais

AGÊNCIA DE PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES DO BRASIL

AGÊNCIA DE PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES DO BRASIL AGÊNCIA DE PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES DO BRASIL (APEX Brasil) PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO-RESERVA EM EMPREGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO EDITAL N o 1

Leia mais

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto Título do Projeto Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas práticas para alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio no Brasil. Concepção Estabelecimento

Leia mais

TELECENTROS.BR PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES. Setembro de 2009

TELECENTROS.BR PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES. Setembro de 2009 TELECENTROS.BR PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES Setembro de 2009 1 HISTÓRICO Abril de 2007 Presidente da República solicita acompanhamento das ações de inclusão digital. Montado

Leia mais

Nova Fronteira das Parcerias: Infraestrutura Social. Karla Bertocco Trindade Subsecretaria de Parcerias e Inovação

Nova Fronteira das Parcerias: Infraestrutura Social. Karla Bertocco Trindade Subsecretaria de Parcerias e Inovação Nova Fronteira das Parcerias: Infraestrutura Social Karla Bertocco Trindade Subsecretaria de Parcerias e Inovação Nova Fronteira das Parcerias Parcerias entre Setor Público e Iniciativa Privada - Ferramenta

Leia mais

Secretaria de Gestão. Setembro de 2016

Secretaria de Gestão. Setembro de 2016 Secretaria de Gestão Setembro de 2016 Secretaria de Gestão ALTERAÇÃO DO DECRETO Nº 6.170/2007 PRICIPAIS ALTERAÇÕES - Correção dos seguintes conceitos: i) convênio, ii) contrato de repasse, iii) concedente,

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente O papel do BNDES no desenvolvimento brasileiro nos próximos anos ANEFAC São Paulo, 30 de julho de 2012 Luciano Coutinho Presidente Papel dos Bancos de Desenvolvimento no mundo Apoiar e financiar o desenvolvimento

Leia mais

Conceitos fundamentais à nova lei de licitações e principais problemas do PLS nº 559/2013. Russell Rudolf Ludwig, Vice Presidente do Sinaenco/SP

Conceitos fundamentais à nova lei de licitações e principais problemas do PLS nº 559/2013. Russell Rudolf Ludwig, Vice Presidente do Sinaenco/SP Conceitos fundamentais à nova lei de licitações e principais problemas do PLS nº 559/2013 Russell Rudolf Ludwig, Vice Presidente do Sinaenco/SP A Modernização da Lei de Licitações Histórico: Lei 8.666/1993

Leia mais

Sistemas de Informação na Empresa

Sistemas de Informação na Empresa Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

José Urbano Duarte Vice Presidente de Governo e Habitação 22 NOV 2012

José Urbano Duarte Vice Presidente de Governo e Habitação 22 NOV 2012 José Urbano Duarte Vice Presidente de Governo e Habitação 22 NOV 2012 1 Município é um ente federativo com atribuições diversas em políticas públicas habitação saneamento infraestrutura saúde educação

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que o Plenário Aprovou a seguinte Lei.

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que o Plenário Aprovou a seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 932/2010 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Habitação de Interesse Social, institui a Coordenadoria Municipal de Habitação de Interesse Social e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Acompanhamento do Planejamento

Acompanhamento do Planejamento MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ENSINO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PROPLAN Acompanhamento do Planejamento A

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

FUNDO DE INFRA-ESTRUTURA - CT-INFRA. Instituído pela Lei N.º , de 14/02/2001 Regulamentado pelo Decreto 3.087, de 26/04/2001

FUNDO DE INFRA-ESTRUTURA - CT-INFRA. Instituído pela Lei N.º , de 14/02/2001 Regulamentado pelo Decreto 3.087, de 26/04/2001 FUNDO DE INFRA-ESTRUTURA - CT-INFRA Instituído pela Lei N.º 10.197, de 14/02/2001 Regulamentado pelo Decreto 3.087, de 26/04/2001 Recursos: 20% dos recursos dos Fundos Setoriais, sendo pelo menos 30% destinados

Leia mais

I - DOS RECURSOS ORIUNDOS DOS ACORDOS DE EMPRÉSTIMOS OU CONTRIBUIÇÕES FINANCEIRAS NÃO REEMBOLSÁVEIS

I - DOS RECURSOS ORIUNDOS DOS ACORDOS DE EMPRÉSTIMOS OU CONTRIBUIÇÕES FINANCEIRAS NÃO REEMBOLSÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 06, DE 27 DE OUTUBRO DE 2004. Dispõe sobre os procedimentos de movimentação de recursos externos e de contrapartida nacional, em moeda ou bens e/ou serviços, decorrentes dos acordos

Leia mais

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo criou a estrutura de missão designada por Estrutura de Gestão do Instrumento Financeiro

Leia mais

As Leis /2007, /2005 e /2008 e a Universalização

As Leis /2007, /2005 e /2008 e a Universalização I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental Mesa Redonda 1 Universalização do Saneamento e Sustentabilidade As Leis 11.445/2007, 11.107/2005 e 11.172/2008 e a Universalização 12 de julho de

Leia mais

Gerência de Projetos de TI

Gerência de Projetos de TI Gerência de de TI Experiência da COPEL SIMPROS 2001 Paulo Henrique Rathunde phr@copel.com Agenda Introdução Gerência de Definição dos Processos Implantação Reflexões 2/33 São Paulo, Brasil 17-20/09/2001

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 5 23/05/2013 22:52 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.578, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2007. Mensagem de Veto Conversão da MPv nº 387, de 2007 (Vide Lei nº 12.249,

Leia mais

NOVAS SELEÇÕES PAC 2. Companhias Estaduais. Brasília, 06 de fevereiro de 2013

NOVAS SELEÇÕES PAC 2. Companhias Estaduais. Brasília, 06 de fevereiro de 2013 NOVAS SELEÇÕES PAC 2 Governos e Companhias Estaduais Brasília, 06 de fevereiro de 2013 GOVERNO FEDERAL E AS CIDADES RECURSOS JÁ SELECIONADOS NO PAC 2 R$ 105,8 bilhões Eixos Infraestrutura urbana Infraestrutura

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Atividades do Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Sistemas produtivos: abrange produção de bens e de serviços; Funções básicas dos

Leia mais

Redundância das informações nos diversos sistemas. Sistemas desenvolvidos em tecnologia não Web (DOS) Informações das obras não alimentadas na origem

Redundância das informações nos diversos sistemas. Sistemas desenvolvidos em tecnologia não Web (DOS) Informações das obras não alimentadas na origem DESCENTRALIZANDO OBRAS CENTRALIZANDO INFORMAÇÕES Cenário de Gestão de Obras antes do SICOP Diversos Órgãos executam obras no Estado Processos de Gestão diferentes em cada obra Sistemas isolados (bases

Leia mais

CCR S.A. Governança Corporativa: Contratação de Partes Relacionadas. Informação relativa à contratação realizada pela. Companhia do Metrô da Bahia

CCR S.A. Governança Corporativa: Contratação de Partes Relacionadas. Informação relativa à contratação realizada pela. Companhia do Metrô da Bahia CCR S.A. Governança Corporativa: Contratação de Partes Relacionadas Informação relativa à contratação realizada pela Companhia do Metrô da Bahia I. Preâmbulo: O Grupo CCR prima pela transparência, segurança

Leia mais

EDITAL N.º 16/2016 ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC. Competência: Visão Estratégica

EDITAL N.º 16/2016 ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC. Competência: Visão Estratégica 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

LEI Nº DE 22 DE DEZEMBRO DE A Câmara Municipal de Tiradentes aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: CAPÍTULO I

LEI Nº DE 22 DE DEZEMBRO DE A Câmara Municipal de Tiradentes aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: CAPÍTULO I LEI Nº 2.493 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui a Lei Municipal relativa ao Empreendedor Individual e dá outras providências A Câmara Municipal de Tiradentes aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. Brasília, 22/06/2016

Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. Brasília, 22/06/2016 Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. JARBAS BARBOSA Diretor-Presidente ANVISA Brasília, 22/06/2016 A ANVISA Primeira Agência da área

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais