Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda"

Transcrição

1 Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda Heriberto Henrique Vilela do Nascimento Analista de Finanças e Controle Coordenador de Análise Contábil Secretaria-Executiva/Ministério da Fazenda sitio:

2 Objetivos a. Objetivo Geral Desenvolver e implantar o modelo de mensuração dos custos do MF, de maneira a contribuir para a avaliação da eficiência das ações governamentais. b. Objetivos Específicos Realizar diagnóstico de situação e proposição de ideias Propor o modelo de mensuração dos custos para o Ministério Definir estratégia de implantação do modelo Implantar o modelo em todas as Unidades alcançadas pelo PMIMF

3 Justificativa Subsidiar decisões governamentais e organizacionais que conduzam à alocação mais eficiente do gasto público Relevante para o desenvolvimento da gestão e aprimoramento da qualidade do gasto público Permite o conhecimento dos custos das políticas e programas executados, em cotejamento aos resultados obtidos Oferece aos gestores um conjunto de informações gerenciais para cumprir com eficiência, eficácia e efetividade as políticas públicas, gerando valor para a sociedade Serve como referência para desenho e implantação de um modelo de gestão para resultados Fornece subsídio para a formulação da proposta orçamentária, a partir das informações sobre custos, associadas aos benefícios e valores gerados pela atuação da organização pública Atendimento da legislação e determinações dos órgãos de controle

4 Resultados Esperados Disponibilização de informações relacionadas a custos dos órgãos do MF, para subsidiar a tomada de decisões relativas às alocações de recursos do Ministério e avaliação dos resultados Aumento da eficiência, eficácia e efetividade das políticas públicas Cumprimento da legislação pertinente ao assunto e atendimento dos órgãos de controle

5 Premissas Utilização das informações da Cadeia de Valor Integrada do MF como objetos de custo Utilização dos sistemas estruturantes da administração pública federal, como SIAFI e SIAPE e sobretudo o Sistema de Informações de Custos (SIC) Existência de alinhamento conceitual (visão) entre a alta gestão do MF e as equipes Alta disponibilidade das áreas responsáveis pelo desenvolvimento dos produtos deste projeto e áreas de gestão dos diversos órgãos alcançados pelo PMIMF Participação de todos os órgãos alcançados pelo PMIMF para concretização das ações do projeto Patrocínio da alta administração para realização do projeto Disponibilidade de pessoal qualificado ou em condições de se qualificar para a execução do projeto

6

7 O Novo Escopo do Programa 1ª Frente de Trabalho: Planejamento Estratégico 2ª Frente de Trabalho: Inovação (Processos e Projetos) 3ª Frente de Trabalho: Pessoas 4ª Frente de Trabalho: TI PMIMF 5ª Frente de Trabalho: Infraestrutura 6ª Frente de Trabalho: Risco 7ª Frente de Trabalho: Custos

8 Órgãos Colegiados Órgãos Específicos Singulares e SE (Spoa) Gabinete A Nova Abrangência do Programa

9 Não Escopo Utilização de sistemas de informação além do SIAFI, SIAPE, SIOP e SIC Desenvolvimento de indicadores de desempenho, pois cabe ao projeto apenas o objetivo de mensurar e publicar as informações de custos Gestão propriamente dita dos custos no âmbito dos órgãos do Ministério da Fazenda Alterações da estrutura estabelecida pela Cadeia de Valor integrada do MF do PMIMF

10 Cronograma Mar/14 Mai/14 Jul/14 Set/14 Nov/14 Jan/15 Mar/15 Mai/15 Início Seg 10/02/14 Diagnóstico de Situação e Proposição de Ideias Seg 10/02/14 - Qui 26/06/14 Proposta do Modelo de Mensuração dos Custos Qui 26/06/14 - Qua 13/08/14 Definição da Estratégia de Implantação do Modelo de Mensuração dos Custos Qui 14/08/14 - Qui 11/12/14 Implantação do Modelo de Mensuração dos Custos para o Ministério da Fazenda Qui 14/08/14 - Qui 16/04/15 Conclusão Sex 15/05/15 Produto1 Produto 7 Produto 2 Produto 6 Produto 4 Produto 5 Produto 3 Produto 1: Material referente ao tema consolidado - Ter 22/04/14 Produto 2 : Lista de representantes dos Grupos - Qua 28/05/14 Produto 3: Diagnóstico de situação e proposição de ideias realizado - Qua 25/06/14 Produto 4 : Modelo de Mensuração dos Custos proposto - Qua 13/08/14 Produto 5 : Modelo de Mensuração dos Custos validado - Qua 05/11/14 Produto 6: Plano de Implantação do Modelo de Mensuração dos Custos do MF elaborado e validado - Qui 11/12/14 Produto 7 : Modelo de Mensuração dos Custos para o Ministério da Fazenda implantado - Qui 16/04/15

11 Resumo dos Produtos Produto Material referente ao tema consolidado Descrição Documentação relativa a: Legislação vigente; Referências metodológicas e conceituais referentes a custos no governo federal brasileiro; Recomendações dos órgãos centrais da Administração Pública Federal e dos órgãos de controle referentes a custos. Início: 22/04/2014 Término: 22/04/2014

12 Resumo dos Produtos Produto Lista de representantes dos Grupos Início: 22/04/ /04/2014 Término: 22/04/ /05/2014 Descrição - Grupo de Interface: Lista de gestores corporativos de todos os órgãos envolvidos no PMIMF responsáveis por: Indicar os representantes do Grupo Técnico; Validar o Plano de Implantação do Modelo de Custos do MF com o "Comitê Gestor de Custos". - Grupo Técnico: Lista de participantes indicados pelo Grupo de Interface responsáveis pelo desenvolvimento dos produtos do projeto. - Grupo Técnico de Governança: Lista de representantes responsáveis por: Analisar portaria de criação do CEG e seu regimento interno; Propor alterações na portaria e regimento, para incluir o tema "custos"; Redigir minuta de regimento do "Comitê de Governança de Custos" proposto; Acompanhar alterações na portaria e no regimento do CEG.

13 Resumo dos Produtos Produto Diagnóstico de situação e proposição de ideias realizado Início: 29/05/2014 Término: 25/06/2014 Descrição Relatório com contendo: Análise das informações relativas a custos disponíveis no Ministério da Fazenda com ênfase na: o Identificação dos sistemas relacionados; o Análise dos dados constantes nesses sistemas e suas interfaces com custos; o Prospecção dos relatórios de custos disponíveis. Análise das informações relativas à cadeia de valor integrada do Ministério da Fazenda com vistas à identificação dos objetos de custo para o Ministério.

14 Diagnóstico de situação e proposição de ideias Panorama dos Custos do MF Exercício de 2013 Pessoal e Encargos ,50 68,73% Custeio Folha ,17 2,36% TI ,29 12,65% Outros Custeio ,05 16,26% Total ,01 100,00%

15 Diagnóstico de situação e proposição de ideias O nível de departamentalização Um recorte da departamentalização da STN no SIAPE Mês: Nov/2013

16 Diagnóstico de situação e proposição de ideias Modelo Conceitual Sistema de acumulação de custos: por processo Sistema de custeio: custo histórico Método de custeio: Predominância do método direto, com rateio de alguns custos indiretos - O projeto não contempla a alocação dos custos das unidades/processos meio aos processos finalísticos.

17

18 Nível de Detalhamento Os Níveis de Detalhe da Informação sobre Processos Cadeia de Valor Macroprocessos Processos Atividades

19 A Cadeia de Valor como Ferramenta de Gestão Processos Finalísticos Processos de Suporte

20 A Cadeia de Valor como Ferramenta de Gestão Título da Cadeia Valor Entregue Atores Macroprocesso Processo

21 Diagnóstico de situação e proposição de ideias Exemplos de Possíveis Objetos de Custo Finalísticos Arrecadação e controle do crédito tributário Gestão dos Créditos Inscritos em Dívida Ativa Administração Aduaneira Fiscalização Tributária Gestão da Dívida Pública Federal Gestão das Operações de Crédito à Exportação Gestão do Crédito e Haveres Financeiros Gestão dos Sistemas de Contabilidade e Custos do Setor Público Programação e Administração Financeira Acompanhamento Econômico Monitoramento e Avaliação da Política Econômica Julgamento de Recursos Administrativos Fiscais

22 Diagnóstico de situação e proposição de ideias Exemplos de Possíveis Objetos de Custo de Estratégia, Gestão e Suporte Gestão e Controle Institucional Gestão Orçamentária, Financeira e Contábil Gestão da Comunicação Educação Corporativa Gestão de Pessoas Gestão de TIC Administração e Logística Gestão e Controle Institucional Desenvolvimento organizacional Gestão Orçamentária, Financeira e Contábil Educação Corporativa Gestão de Pessoas Gestão de TIC Administração e Logística

23 CÓDIGO FINALÍSTICO OU GESTÃO 1 FINALÍSTICO 2 GESTÃO Objeto de Custo Finalístico 2 Cadeia: Gestão dos créditos da Fazenda Pública 21 Macroprocesso: Fiscalização Tributária 10 Ator: RFB Diagnóstico de situação e proposição de ideias CÓDIGO DO TIÍTULO DA CADEIA TÍTULO DA CADEIA GESTÃO INTEGRADA DAS POLÍTICAS ECONÔMICAS E SUPORTE À FORMULAÇÃO DAS POLÍTICAS SETORIAIS GESTÃO DOS CRÉDITOS DA FAZENDA PÚBLICA CONTROLE FISCAL E GESTÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DO COMERCIO EXTERIOR 5 5 REGULAÇÃO, MONITORAMENTO E CONTROLE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS CONSULTORIA JURÍDICA E REPRESENTAÇÃO EXTRAJUDICIAL 7 7 MONITORAMENTO E CONTROLE DAS ATIVIDADES FINANCEIRAS PREVENÇÃO E SOLUÇÃO DE LITÍGIO FISCAL RELACIONAMENTO COM SOCIEDADE E GOVERNOS CÓDIGO DOS MACROPROCESSOS MACROPROCESSOS 10 Monitoramento Econômico 11 Análise e Encaminhamento das Demandas de Formulação Política 12 Harmonização dos Procedimentos Relacionados a Benefícios e Incentivos Vinculados ao ICMS 13 Suporte à Gestão das Políticas 14 Formulação e Preparação da Decisão 15 Monitoramento e Avaliação das Políticas Econômicas 20 Arrecadação e Controle dos Créditos da Fazenda Pública 21 Fiscalização Tributária 30 Planejamento Fiscal-Financeiro 31 Gestão das Demandas de Financiamento Público e Proposição de Medidas Fiscais-Financeiras 32 Gestão de Ativos e Passivos 33 Relações Financeiras e Controle das Operações de Crédito de Estados e Municípios 34 Gestão da Contabilidade e Informações de Custos do Setor Público 35 Administração Financeira CÓDIGO ATORES 01 CARF 02 COAF 03 CONFAZ 04 CRSFN 05 CRSNSP 06 ESAF 07 GMF 08 MF 09 PGFN 10 RFB 11 SAIN 12 SE 13 SEAE 14 SPE 15 STN

24 Resumo dos Produtos Produto Modelo de Mensuração dos Custos proposto Descrição Proposta de Modelo com foco: Metodologias de apropriação dos custos aos seus objetos; Sistemática de extração dos dados relativas aos sistemas (quando necessário); Necessidades de parametrização dos sistemas identificados; Apresentação dos relatórios de custos no SIC; Papeis e responsabilidades; Fluxo de informações. Início: 26/06/2014 Término: 13/08/2014

25 Resumo dos Produtos Produto Modelo de Mensuração dos Custos validado Descrição Relatório contendo: Documentação referente à execução da técnica de validação proposta. Ex.: caso seja definida a execução de um piloto como forma de validação, o projeto deverá entregar toda a documentação que comprove a execução do piloto. Resultados da validação do Modelo de Mensuração dos Custos, incluindo os possíveis ajustes. Início: 14/08/2014 Término: 05/11/2014

26 Resumo dos Produtos Produto Descrição Plano de Implantação do Modelo de Mensuração dos Custos do MF elaborado e validado Plano contendo orientações relacionadas ao uso e evolução do Modelo de Mensuração dos Custos desenvolvido. Início: 06/11/2014 Término: 11/12/2014

27 Resumo dos Produtos Produto Modelo de Mensuração dos Custos para o Ministério da Fazenda implantado Início: 12/12/2014 Término: 16/04/2015 Descrição Documentação relacionada às adaptações referentes à Rede de Inovação, considerando: o Portaria e regimento do CEG alterados; o Adequação do Modelo de Governança da Rede de Inovação do Ministério da Fazenda ; Relatório de Custos implantado e publicado no âmbito do MF. Componentes possíveis do Relatório de Custos: 1. Relatório de Custos por Macroprocesso Estratégico, detalhando por Pessoal, TI e outros custos. 2. Relatório de Custos de Prog/Ação por UO e GND 3. Relatório de Custos de Pessoal por UORG 4. Relatório de Custeio por UGE e UGR

28 O futuro do Brasil chegou. Domenico de Masi Heriberto Henrique Vilela do Nascimento Analista de Finanças e Controle Coordenador de Análise Contábil Secretaria-Executiva/Ministério da Fazenda sitio:

Ministério da Fazenda. Modelo de Mensuração dos Custos. Outubro/2016

Ministério da Fazenda. Modelo de Mensuração dos Custos. Outubro/2016 Ministério da Fazenda Modelo de Mensuração dos Custos Outubro/2016 PMIMF: FRENTES DE TRABALHO O PMIMF está estruturado, em 7 FRENTES DE TRABALHO, paralelas e simultâneas: I. Planejamento Estratégico II.

Leia mais

Ministério da Fazenda. Modelo de Mensuração dos Custos

Ministério da Fazenda. Modelo de Mensuração dos Custos Ministério da Fazenda Modelo de Mensuração dos Custos Novembro de 2014 Objetivo Desenvolver e implantar o modelo de mensuração dos custos do MF, de maneira a contribuir para a avaliação da eficiência das

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração Coordenação-Geral de Recursos Humanos

MINISTÉRIO DA FAZENDA Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração Coordenação-Geral de Recursos Humanos ÓRGÃO: GRA-PR QUADRO GERAL DO PLANO SETORIAL DE APRENDIZAGEM PERMANENTE - 2007 Campos de Conhecimento Número de Carga Custo Total Participante Horária FINANÇAS PÚBLICAS 23 180 15.980,00 TÉCNICO-COMPLEMENTAR

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

Diagnóstico sobre a estrutura e utilização dos sistemas de informações contábeis e gerenciais municipais

Diagnóstico sobre a estrutura e utilização dos sistemas de informações contábeis e gerenciais municipais Diagnóstico sobre a estrutura e utilização dos sistemas de informações contábeis e gerenciais municipais A Confederação Nacional de Municípios, objetivando desenvolver ações para preparar os gestores municipais

Leia mais

Maria da Conceição B.de Rezende Ladeira

Maria da Conceição B.de Rezende Ladeira Maria da Conceição B.de Rezende Ladeira Junho/2016 ADMINISTRAÇAO PÚBLICA Transparência; Governança; Indicadores de Resultados alinhados a estratégias dos governos; Qualidade do gasto público;... Novo cenário

Leia mais

Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público

Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público I SEMINÁRIO POTIGUAR SOBRE CONTABILIDADE, CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público Nelson Machado e Victor Holanda MAIO 2011, NATAL RN Ambiente e Desafios

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO MODELO DE GESTÃO Estratégia de Governança Digital 1. OBJETIVO

Leia mais

ANEXO III. Disciplina Cr Ementa Início Fim

ANEXO III. Disciplina Cr Ementa Início Fim ANEXO III Quadro de Disciplinas Especiais ou Unidades de Especiais Pós-Graduação Lato Sensu - UnisulVirtual e seus Respectivos Valores Semestre 017.1 B UA No. De turma 180 181 Disciplina Cr Ementa Início

Leia mais

(Publicada no D.O.U de 26/02/2013)

(Publicada no D.O.U de 26/02/2013) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO CNRH N o 145, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 (Publicada no D.O.U de 26/02/2013) Estabelece diretrizes para a elaboração de Planos

Leia mais

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 Sumário Introdução, 1 Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 1 Direcionadores do Uso de Tecnologia de Informação, 7 1.1 Direcionadores de mercado, 8 1.2 Direcionadores organizacionais,

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

Seminário SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Seminário SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA FAZENDA Seminário SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Brasília Escola de Administração Fazendária 24 de abril de 2009, das 8h30 às 18h Salão Nobre I da

Leia mais

O PAPEL ESTRATÉGICO DA CONTROLADORIA E DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES (RI) 2ª. PARTE: FOCO NA CONTROLADORIA E NAS GESTÃO DAS INFORMAÇÕES

O PAPEL ESTRATÉGICO DA CONTROLADORIA E DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES (RI) 2ª. PARTE: FOCO NA CONTROLADORIA E NAS GESTÃO DAS INFORMAÇÕES O PAPEL ESTRATÉGICO DA CONTROLADORIA E DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES (RI) 2ª. PARTE: FOCO NA CONTROLADORIA E NAS GESTÃO DAS INFORMAÇÕES Eraldo Soares Peçanha 51 Principais Papéis da Controladoria 1. DAR

Leia mais

8 Objetivo do Projeto Desenvolver os novos módulos SIC-Empresas, SIC-1010, SIC-ART, previstos para o ano de 2008 e realizar implementações evolutivas

8 Objetivo do Projeto Desenvolver os novos módulos SIC-Empresas, SIC-1010, SIC-ART, previstos para o ano de 2008 e realizar implementações evolutivas 1 Nome do Projeto 2 Código Sistema de Informações Confea/Crea SIC 3 Coordenador(a) 4 Tipo de Projeto Estratégico 5 Gestor(a) 6 Programa Flavio Henrique da Costa Bolzan Organização do Sistema 7 - Histórico

Leia mais

2 Seminário SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

2 Seminário SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA FAZENDA 2 Seminário SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Brasília Escola de Administração Fazendária 11 de setembro de 2009, das 8h30 às 18h ESAF Apoio

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: IFE - Brasília Objeto:

Leia mais

Consultoria e Assessoria Pública Ltda

Consultoria e Assessoria Pública Ltda Consultoria e Assessoria Pública Ltda Ofício n.º xxxxxxxx Araçatuba, xx de março de 2012. A Sua Excelência o Senhor Nome do destinatário Cargo do destinatário Assunto: Cronograma de das NBCASP (Portaria

Leia mais

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA Art. 1º - A Secretaria de Relações Institucionais SERIN, criada pela Lei nº 10.549, de 28 de dezembro de 2006, tem

Leia mais

Oficina II - Informação de custo para a gestão de programas nos órgãos setoriais

Oficina II - Informação de custo para a gestão de programas nos órgãos setoriais Oficina II - Informação de custo para a gestão de programas nos órgãos setoriais Coordenação: STN - Arthur Pinto e Welinton Vitor Relatoria: SPI - Andréia Rodrigues Objetivo da Oficina Apresentar experiências

Leia mais

RIPSA. Documento Básico

RIPSA. Documento Básico Governo do Estado da Bahia Secretaria de Saúde do Estado da Bahia Rede Interagencial de Informação em Saúde no Estado da Bahia Ripsa- Bahia Oficina de Trabalho Interagencial (OTI) Documento Básico I. Introdução

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO PORTARIA Nº 6, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2017

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO PORTARIA Nº 6, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2017 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO PORTARIA Nº 6, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2017 Estabelece as normas e procedimentos para o encerramento do exercício financeiro

Leia mais

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO 1 Nome do Projeto 2 Código Projeto Fiscalização do Exercício e Atividade Profissional 3 Coordenador(a) 4 Tipo de Projeto João Augusto de Lima Estratégico 5 Gestor(a) 6 Programa Igor de Mendonça Fernandes

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 14/2016

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 14/2016 RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 14/2016 Em consonância com o Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna para o exercício de 2016 (PAINT 2016) e com as atividades definidas no Programa de Auditoria n o 25/2016,

Leia mais

INSTITUTO RUI BARBOSA COMITÊ DE AUDITORIA GRUPO TEMÁTICO DE AUDITORIA OPERACIONAL

INSTITUTO RUI BARBOSA COMITÊ DE AUDITORIA GRUPO TEMÁTICO DE AUDITORIA OPERACIONAL INSTITUTO RUI BARBOSA COMITÊ DE AUDITORIA GRUPO TEMÁTICO DE AUDITORIA OPERACIONAL XXVII Congresso dos Tribunais de Contas do Brasil A Sustentabilidade das Auditorias Operacionais nos Tribunais de Contas

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO P O DESAFIO. Brasília, Setembro 2005

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO P O DESAFIO. Brasília, Setembro 2005 GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO P : O DESAFIO. Brasília, Setembro 2005 CUSTOS NO SETOR PÚBLICO: P Diversidade de visões. Objetivos - custo para otimização de resultados, para melhoria de

Leia mais

Em busca da Qualidade do Gasto Público: monitoramento, avaliação e sustentabilidade fiscal

Em busca da Qualidade do Gasto Público: monitoramento, avaliação e sustentabilidade fiscal Em busca da Qualidade do Gasto Público: monitoramento, avaliação e sustentabilidade fiscal II Seminário Internacional de Política Fiscal FMI/FGV 28/04/2016 Sumário Explorando o retrato das despesas orçamentárias

Leia mais

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101 ASSUNTO: Elaboração de Instrumentos Normativos MANUAL DE ORGANIZAÇÃO APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 25, de 12/05/2016 COD. VIGÊNCIA: 100 12/05/2016 NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS 1/10 SUMÁRIO 1 FINALIDADE...

Leia mais

O Modelo de Gestão da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) 1. Breve histórico

O Modelo de Gestão da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) 1. Breve histórico O Modelo de Gestão da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) 1. Breve histórico Toda organização busca definir e implementar um modelo de gestão que traga melhores resultados e o cumprimento de

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO MPF Aprendizado e experiências a compartilhar

GESTÃO ESTRATÉGICA DO MPF Aprendizado e experiências a compartilhar GESTÃO ESTRATÉGICA DO MPF Aprendizado e experiências a compartilhar Cristiano Rocha Heckert IX Fórum Brasileiro de Atividade de Auditoria Interna Governamental Outubro de 2017 Cristiano Rocha Heckert Engenheiro

Leia mais

PLANO DE TRABALHO OFICINA PARA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS

PLANO DE TRABALHO OFICINA PARA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS PLANO DE TRABALHO OFICINA PARA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS 1 ÁREA DE CREDENCIAMENTO/SUBÁREA Área Planejamento Empresarial; Subáreas Planejamento Estratégico. 2 PROJETO/AÇÃO Linha

Leia mais

O ACORDO DE RESULTADOS E O PRÊMIO DE PRODUTIVIDADE EM MINAS GERAIS: FORTALECENDO O ALINHAMENTO ENTRE PESSOAS, ORGANIZAÇÕES E A ESTRATÉGIA

O ACORDO DE RESULTADOS E O PRÊMIO DE PRODUTIVIDADE EM MINAS GERAIS: FORTALECENDO O ALINHAMENTO ENTRE PESSOAS, ORGANIZAÇÕES E A ESTRATÉGIA O ACORDO DE RESULTADOS E O PRÊMIO DE PRODUTIVIDADE EM MINAS GERAIS: FORTALECENDO O ALINHAMENTO ENTRE PESSOAS, ORGANIZAÇÕES E A ESTRATÉGIA O que é o Acordo de Resultados Instrumento de pactuação de resultados

Leia mais

SISTEMA DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL A EXPERIÊNCIA DA UNIÃO

SISTEMA DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL A EXPERIÊNCIA DA UNIÃO Subsecretaria de Contabilidade Pública - SUCON Coordenação de Informação de Custos da União -COINC SISTEMA DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL A EXPERIÊNCIA DA UNIÃO Sistema de Informação de Custos do Governo

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS ANEXO VI DAS ATRIBUIÇÕES GERAIS DOS CARGOS PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ANALISTA DE COOPERATIVISMO E MONITORAMENTO Missão do Cargo: Desenvolver atividades técnicas e prestar

Leia mais

Programa de Cooperação Científica e Tecnológica Subprograma de Empresas Juniores. Plano de trabalho

Programa de Cooperação Científica e Tecnológica Subprograma de Empresas Juniores. Plano de trabalho Programa de Cooperação Científica e Tecnológica Subprograma de Empresas Juniores Plano de trabalho 2016-2017 1. JUSTIFICATIVA O Subprograma de Empresas Juniores, vinculado ao PDI PROGRAMA 10 PROGRAMA UNESP

Leia mais

CONSULTOR DE VENDAS (Cód.: 0254) Atribuições da Função:

CONSULTOR DE VENDAS (Cód.: 0254) Atribuições da Função: CONSULTOR DE VENDAS (Cód.: 0254) Atribuições da Função: Realizar vendas; Análise da necessidade do cliente e Pós-vendas; Consultoria em vendas de materiais de construção; Formação Necessária: Ensino médio

Leia mais

Apoio: Conselho Federal de Contabilidade - CFC Embaixada Britânica Serviço de Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE

Apoio: Conselho Federal de Contabilidade - CFC Embaixada Britânica Serviço de Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE INFORMAÇÕES GERAIS Objetivo Geral: Discutir a estratégia de implantação, disseminação, elaboração e uso de informação de custos no setor público no Brasil, bem como intensificar a agenda de cooperação

Leia mais

XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE do Rio Grande do Sul Agosto de 2015 Classificação da Informação: Uso Interno

XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE do Rio Grande do Sul Agosto de 2015 Classificação da Informação: Uso Interno XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE do Rio Grande do Sul Agosto de 2015 MAIS DO QUE NÚMEROS PA TO MT RO 3 milhões Associados Mais de 18 mil GO Colaboradores SP MS RJ PR RS Mais de 100 empresas Mais de 1.300

Leia mais

POLÍTICA DE REGULAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Regulação das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE REGULAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Regulação das Empresas Eletrobras Política de Regulação das Empresas Eletrobras Versão 1.0 08/12/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Princípios... 3 4. Diretrizes... 4 5. Responsabilidades... 5 6. Disposições Gerais...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João NÚMERO DO DOCUMENTO : VERSÃO : 1.1 ORIGEM STATUS : c:\projetos : Acesso Livre DATA DO DOCUMENTO : 22 novembro 2007 NÚMERO DE PÁGINAS : 13 ALTERADO POR : Manoel INICIAIS:

Leia mais

Submódulo 6.1. Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral

Submódulo 6.1. Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral Submódulo 6.1 Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS 1. Objetivo O Comitê de Governança Corporativa e Gestão de Pessoas é um órgão acessório ao Conselho de Administração (CAD) da VIX

Leia mais

SICONV CE CADASTRO GERAL DE PARCEIROS

SICONV CE CADASTRO GERAL DE PARCEIROS CADASTRO GERAL DE PARCEIROS AGENDA 1. Contextualização 2. SICONV-Ceará: Ferramenta de Suporte ao Processo de Transferência de Recursos Financeiros 1. Contextualização 1.1 Projeto de Controle Interno Preventivo

Leia mais

FÓRUM TECNICO DAS COOPERATIVAS EDUCACIONAIS SEGMENTO PAIS DE ALUNOS. Bauru/SP 20 de Outubro 2016

FÓRUM TECNICO DAS COOPERATIVAS EDUCACIONAIS SEGMENTO PAIS DE ALUNOS. Bauru/SP 20 de Outubro 2016 FÓRUM TECNICO DAS COOPERATIVAS EDUCACIONAIS SEGMENTO PAIS DE ALUNOS Bauru/SP 20 de Outubro 2016 ENCONTRO DE DIRIGENTES DAS COOPERATIVAS EDUCACIONAIS 2015 Dificuldades Inadimplência Marketing Integração

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

Norma de Descrição das Atribuições do Cargo de Agente Executivo

Norma de Descrição das Atribuições do Cargo de Agente Executivo Norma de Descrição das Atribuições do Cargo de Agente Executivo IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE Recomendação da Auditoria Interna (AUD) Relatório de auditoria extraordinária: elaboração de norma interna descrevendo,

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 3/2007 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS 2 ÍNDICE 1. Objeto 3 2. Justificativa 3 3. Diretrizes 4 3.1.

Leia mais

ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC

ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

DESCRITIVO DO PROCESSO GERENCIAR RISCOS OPERACIONAIS ADUANEIROS NA EXPORTAÇÃO

DESCRITIVO DO PROCESSO GERENCIAR RISCOS OPERACIONAIS ADUANEIROS NA EXPORTAÇÃO DESCRITIVO DO PROCESSO 04.04.02. GERENCIAR RISCOS OPERACIONAIS ADUANEIROS NA EXPORTAÇÃO BRASÍLIA, 15/03/16 Selecionar e Encaminhar para Seções Gabinete do Cerad Análise preliminar do conteúdo e do objeto

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Processo Administrativo- Fiscal

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Processo Administrativo- Fiscal Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Processo Administrativo- Fiscal Projeto de Modernização Fiscal do Tocantins (PMF/TO) Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

PROCESSO DEFINIR SERVIÇOS DE TI Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROCESSO DEFINIR SERVIÇOS DE TI Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROCESSO DEFINIR SERVIÇOS DE TI Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MACROPROCESSO... 4 3. DIAGRAMA DE ESCOPO DO PROCESSO DEFINIR SERVIÇOS DE TI... 5

Leia mais

PIUMA RS PLANO DIRETOR DE IRRIGAÇÃO NO CONTEXTO DOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA PARA O RIO GRANDE DO SUL. O Processo de Construção do PIUMA-RS

PIUMA RS PLANO DIRETOR DE IRRIGAÇÃO NO CONTEXTO DOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA PARA O RIO GRANDE DO SUL. O Processo de Construção do PIUMA-RS PIUMA RS PLANO DIRETOR DE IRRIGAÇÃO NO CONTEXTO DOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA PARA O RIO GRANDE DO SUL O Processo de Construção do PIUMA-RS Resultados e Consequências Plano Diretor de Irrigação no Contexto

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED

CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FGV CORPORATIVO 12.227/14_v3 QUADRO DE DISCIPLINAS Disciplinas (**) Carga Horária (*) 1. Cooperativismo e Administração de Serviços

Leia mais

Contratualização de Resultados

Contratualização de Resultados Contratualização de Resultados Contratualização de Resultados CONCEITO E PREMISSA FUNDAMENTAL SOBRE CONTRATOS DE GESTÃO O contrato de gestão é um instrumento de pactuação de resultados, que relaciona secretarias

Leia mais

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS PERSPECTIVA: TRE/RN e Sociedade Objetivo 1: Primar pela satisfação do cliente de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Descritivo: Conhecer e ouvir o cliente

Leia mais

Custos no Setor Público: Ferramenta da Melhoria da Qualidade do Gasto Público. Florianópolis 17 de Abril 2015

Custos no Setor Público: Ferramenta da Melhoria da Qualidade do Gasto Público. Florianópolis 17 de Abril 2015 Custos no Setor Público: Ferramenta da Melhoria da Qualidade do Gasto Público Florianópolis 17 de Abril 2015 1 Qualidade do Gasto Público Conceito visualiza duas Dimensões : (em construção *) Macro (Estratégico)

Leia mais

Pressupostos Relato de experiência

Pressupostos Relato de experiência Relação Planejamento-Avaliação Institucional na Universidade Pressupostos Relato de experiência Profª. SUZANA SALVADOR CABRAL GIANOTTI Coordenadora da Avaliação Institucional da Universidade La Salle Coordenadora

Leia mais

POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. 2ª Versão

POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. 2ª Versão POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS 2ª Versão Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Princípios... 4 4 Diretrizes... 5 5 Responsabilidades... 5

Leia mais

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno da Auditoria Interna da Auditoria Interna Versão 1.0 Data de criação 08/06/2015 Data de modificação N/A Tipo de documento Índice 1. Objetivo... 4 2. Atuação... 4 3. Missão da Auditoria Interna... 4 4.

Leia mais

Governança aplicada à Gestão de Pessoas

Governança aplicada à Gestão de Pessoas Governança de pessoal: aperfeiçoando o desempenho da administração pública Governança aplicada à Gestão de Pessoas Ministro substituto Marcos Bemquerer Brasília DF, 15 de maio de 2013 TCU Diálogo Público

Leia mais

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital - Bases..

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital - Bases.. SPED - Sistema Público de Escrituração Digital - Bases.. A Emenda Constitucional nº 42/2003 introduziu o inciso XXII ao artigo 37 da Constituição Federal, que determina que as administrações tributárias

Leia mais

Alinhamento PPA e o Inpe

Alinhamento PPA e o Inpe Alinhamento PPA e o Inpe Modelo de gestão por programas Décio Castilho Ceballos ceballos@dir.inpe.br Apresentação ao grupo gestor PE do INPE 06 de outubro de 2006 Alinhamentos diversos Alinhamento político

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS 11/08/2017 INFORMAÇÃO INTERNA SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 CONCEITOS... 4 5 REGRAS GERAIS... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO.

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

O Instituto ABRADEE da Energia a serviço da sociedade para aprimoramento do Modelo do Setor Elétrico Brasileiro. Brasília 014 de outubro de 2015

O Instituto ABRADEE da Energia a serviço da sociedade para aprimoramento do Modelo do Setor Elétrico Brasileiro. Brasília 014 de outubro de 2015 O Instituto ABRADEE da Energia a serviço da sociedade para aprimoramento do Modelo do Setor Elétrico Brasileiro 1 Brasília 014 de outubro de 2015 Pauta 1) Por que propor um Projeto de P&D Estratégico para

Leia mais

Programa Gestão Estratégica de Pessoas. Projeto Corporativo BNDES

Programa Gestão Estratégica de Pessoas. Projeto Corporativo BNDES Programa Gestão Estratégica de Pessoas Projeto Corporativo BNDES CONTEXTO Desafios novos e crescentes Produtividade 1950 1960 Infraestrutura Econômica - Siderurgia Indústrias de Base - Bens de Consumo

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Gerenciamento de Capital:

1. Esta Política Institucional de Gerenciamento de Capital: 1. Esta Política Institucional de Gerenciamento de Capital: Política Institucional de Gerenciamento de Capital a) é elaborada por proposta da área de Controles Internos e Riscos da Confederação Nacional

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL. Coordenação-Geral de Contabilidade. Paulo Henrique Feijó

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL. Coordenação-Geral de Contabilidade. Paulo Henrique Feijó SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL Coordenação-Geral de Contabilidade Paulo Henrique Feijó Legislação: Exigência de apuração de custos Lei nº 4.320/1964 Art. 99. Os serviços públicos industriais,

Leia mais

Pulo do Gato Receita Federal. Graciano Rocha

Pulo do Gato Receita Federal. Graciano Rocha Pulo do Gato Receita Federal Graciano Rocha Edital RFB 2012 e 2014 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:1. Organização do Estado e da Administração Pública. 2. Modelos teóricos de Administração Pública: patrimonialista,

Leia mais

Conhecimento Específico

Conhecimento Específico Conhecimento Específico Eficiência, Eficácia e Efetividade Professor Rafael Ravazolo Conhecimento Específico EFICIÊNCIA, EFICÁCIA E EFETIVIDADE Segundo Chiavenato, o desempenho de cada organização deve

Leia mais

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade.

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. O Baobá é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. Especializada em gestão e sociedade, com foco em sustentabilidade para os setores público e privado.

Leia mais

Integração. ão, Monitoramento e Avaliação. de Políticas Públicas, Programas e Ações A Governamentais: o caso do Estado do Maranhão

Integração. ão, Monitoramento e Avaliação. de Políticas Públicas, Programas e Ações A Governamentais: o caso do Estado do Maranhão Integração ão, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas, Programas e Ações A Governamentais: o caso do Estado do Maranhão João Bezerra Magalhães Neto GAG/GEPLAN Fórum CONSAD São Paulo, 01-07 07-0404

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO COMPETÊNCIA DEZEMBRO/2015 Existe o risco que você não pode jamais correr, e existe o risco que você não pode deixar de correr. Peter Drucker I. INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI O Ministério de Educação (MEC) através da implantação do Sistema nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) constatou a necessidade de incluir, como

Leia mais

GeCo.mpany CONSULTORIA & COACHING DE EXECUTIVOS EM GESTÃO EMPRESARIAL

GeCo.mpany CONSULTORIA & COACHING DE EXECUTIVOS EM GESTÃO EMPRESARIAL GeCo.mpany CONSULTORIA & COACHING DE EXECUTIVOS EM GESTÃO EMPRESARIAL CONSULTORIA & COACHING DE EXECUTIVOS EM GESTÃO EMPRESARIAL A GeCompany oferece consultoria empresarial e cursos de qualidade. Nossa

Leia mais

A empresa quantifica aspectos socioambientais nas projeções financeiras de:

A empresa quantifica aspectos socioambientais nas projeções financeiras de: Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Econômica Critério I - Estratégia Indicador 1 - Planejamento Estratégico 1. Assinale os objetivos que estão formalmente contemplados no planejamento

Leia mais

Eficiência, Eficácia e Qualidade dos Gastos Públicos nas Estatais

Eficiência, Eficácia e Qualidade dos Gastos Públicos nas Estatais Eficiência, Eficácia e Qualidade dos Gastos Públicos nas Estatais 18/10/2017 VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público 2017 Agenda A CAIXA Grandes Números

Leia mais

PLANO NACIONAL DA CULTURA EXPORTADORA. Curitiba, 26 de abril de 2016

PLANO NACIONAL DA CULTURA EXPORTADORA. Curitiba, 26 de abril de 2016 PLANO NACIONAL DA CULTURA EXPORTADORA Curitiba, 26 de abril de 2016 Sumário Fundamentos do PNCE Referencial Estratégico do PNCE Gestão do Referencial Estratégico PNCE e Chama Empreendedora 2 FUNDAMENTOS

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESTADO DE CREA-

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESTADO DE <UF> CREA-<UF> SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESTADO DE CREA- Apresentamos plano de trabalho, conforme disposto no Capítulo II, item 2, do Manual de Convênios

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI do MEC

Planejamento Estratégico de TI do MEC Planejamento Estratégico de TI do MEC Merched Cheheb de Oliveira Diretor Diretoria de Tecnologia da Informação Secretaria Executiva Ministério da Educação MEC E mail: merched.oliveira@mec.gov.br Outubro

Leia mais

Oficina - Gestão por Processos

Oficina - Gestão por Processos Oficina - Gestão por Processos Isaac da Silva Torres João Francisco da Fontoura Vieira 02/09/2015 Escritório de Processos 1 Tópicos Nesta oficina, apresentaremos a Gestão por Processos e a sua relação

Leia mais

SUGESTÃO DE REGIMENTO DA CADEC AVES E SUÍNOS

SUGESTÃO DE REGIMENTO DA CADEC AVES E SUÍNOS SUGESTÃO DE REGIMENTO DA CADEC AVES E SUÍNOS DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º. A Comissão para Acompanhamento, Desenvolvimento e Conciliação da Integração CADEC, prevista no contrato de Integração, de composição

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS A importância do PBQP-H para as construtoras Arq. Marcos Galindo 12/05/2106 INSTITUIÇÃO DO PROGRAMA Portaria nº 134, de 18/12/1998, do Ministério do Planejamento e Orçamento Objetivo

Leia mais

Reflexões sobre governança, riscos e controles internos na administração pública

Reflexões sobre governança, riscos e controles internos na administração pública Reflexões sobre governança, riscos e controles internos na administração pública Referencial estratégico da CGU Disseminar as doutrinas de governança, controle, integridade e gestão de riscos e fortalecer

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos - ANVISA Escritório de Gestão de Processos III Congresso Paraibano da Qualidade IV Seminário em Busca da Excelência João Pessoa - PB 25/08/2010 Cenário Desejado Cumprimento efetivo de sua missão Agência

Leia mais

EAD SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TI - PETI. Prof. Sérgio Luiz de Oliveira Assis

EAD SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TI - PETI. Prof. Sérgio Luiz de Oliveira Assis H3 EAD - 5736 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TI - PETI Prof. Sérgio Luiz de Oliveira Assis sergioassis@usp.br 02 Agenda 1. Plano Estratégico de TI Etapas de execução ALINHAMENTO ESTRATÉGICO

Leia mais

DECRETO RIO Nº DE 30 DE JUNHO DE 2017 (PUBLICADO NO DO DE 03/07/2017) O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO RIO Nº DE 30 DE JUNHO DE 2017 (PUBLICADO NO DO DE 03/07/2017) O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO RIO Nº 43378 DE 30 DE JUNHO DE 2017 (PUBLICADO NO DO DE 03/07/2017) Dispõe sobre a estrutura organizacional da Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S.A. - RIOSAÚDE. O PREFEITO DA CIDADE DO

Leia mais

Painel 6: Experiências dos Entes Federativos: Eficiência no Setor Público e Qualidade do Gasto

Painel 6: Experiências dos Entes Federativos: Eficiência no Setor Público e Qualidade do Gasto Painel 6: Experiências dos Entes Federativos: Eficiência no Setor Público e Qualidade do Gasto A Evolução da Gestão de Custos nos Estados: A Experiência da Bahia Visão geral e avanços do sistema ACPF em

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRA4007 EDITAL Nº 02/2010 1. Perfil: 1 3. Qualificação educacional: Pós-graduação em Turismo, Administração ou Marketing 4. Experiência profissional:

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

Ações Convênio SEOBRAS - SEBRAE

Ações Convênio SEOBRAS - SEBRAE Ações Convênio SEOBRAS - SEBRAE Planejamento Estratégico Parque Natural de Visconde de Mauá Por: Paola Tenchini Analista SEBRAE/RJ Premissas do Trabalho PBA Programa de Ordenamento Territorial Plano Estratégico

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA. PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO - 2014 a 2017

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA. PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO - 2014 a 2017 PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO - 2014 a 2017 COORDENADORIA DE AUDITORIA Em conformidade com o art. 9º da Resolução CNJ n. 171/2013, elaborou-se este Plano de Auditoria de Longo Prazo PALP, que tem por

Leia mais

Planejamento Est s ra r t a é t gic i o c do d o CONSAD

Planejamento Est s ra r t a é t gic i o c do d o CONSAD Planejamento Estratégico do CONSAD Processo 15 Entrevistas TO, MT, RJ, DF, BA, GO, RN, PA, MG, Evelyn, Banco Mundial, Iracy, Conseplan Questionário Linhas de atuação: advocacy, comunidade de prática, agente

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PRIORIDADES ESTRATÉGICAS

ESCRITÓRIO DE PRIORIDADES ESTRATÉGICAS ESCRITÓRIO DE PRIORIDADES ESTRATÉGICAS Evolução dos modelos de gestão III Encuentro de la Red de Monitoreo y Evaluación de Política Pública en Colombia GOVERNO DE MINAS GERAIS Evolução constante 3 GERAÇÕES,

Leia mais

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA 31/07/2014 - Brasília DF SERGIO RAZERA Diretor-Presidente Fundação Agência

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DAS ATIVIDADES ESTÁGIOSUPERVISIONADO INTEGRADO AO TRABALHO DE CURSO Colegiado: -Validar o

Leia mais