RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL PARA A AMPLIAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE SÃO PEDRO DA ALDEIA, SOB A RESPONSABILIDADE DA DOIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL PARA A AMPLIAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE SÃO PEDRO DA ALDEIA, SOB A RESPONSABILIDADE DA DOIS"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL PARA A AMPLIAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE SÃO PEDRO DA ALDEIA, SOB A RESPONSABILIDADE DA DOIS ARCOS GESTÃO DE RESÍDUOS Revisão 00 Novembro/2015

2 Índice APRESENTAÇÃO... 2 O EMPREENDEDOR... 2 OBJETIVO... 3 O PROJETO... 4 RESÍDUOS A SEREM DISPOSTOS... 5 OPERAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO... 6 VIDA ÚTIL DO ATERRO SANITÁRIO... 6 AREAS DE INFLUÊNCIA... 7 ÁREA DIRETAMENTE AFETADA (ADA)... 7 ÁREA DE INFLUÊNCIA DIRETA (AID)... 7 ÁREA DE INFLUÊNCIA INDIRETA (AII)... 7 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL MEIO FÍSICO MEIO BIÓTICO MEIO SOCIOECONÔMICO IMPACTOS, MEDIDAS E PROGRAMAS AMBIENTAIS MEIO FÍSICO MEIO BIÓTICO MEIO SOCIOECONÔMICO PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGNÓSTICO CONCLUSÃO EQUIPE TÉCNICA

3 APRESENTAÇÃO O presente Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) foi elaborado com o objetivo de reproduzir o conteúdo do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) para a Análise da Viabilidade Ambiental da ampliação do Aterro Sanitário de Dois Arcos, localizado no munícipio de São Pedro da Aldeia. Com uma linguagem objetiva e acessível à população para melhor entendimento, esse relatório permite que a sociedade civil e grupos interessados possam se manifestar em relação ao empreendimento objeto deste estudo. O EIA é um estudo multidisciplinar técnico de maior alcance e aprofundamento de informações necessárias para a análise da viabilidade ambiental do empreendimento, compreendendo o levantamento da literatura científica e legal pertinente, dados coletados em campo, análises de laboratório, entre outras informações necessárias para a composição dos estudos multidisciplinares. O EIA é um requisito legal, parte integrante do processo de licenciamento ambiental na fase de Licença Prévia. Neste processo, o EIA é apresentado ao órgão ambiental para embasá lo de informações sobre a concessão da licença prévia esta que aprova a viabilidade ambiental do empreendimento. O RIMA, também parte integrante do licenciamento ambiental, com uma linguagem mais simples, apresenta as informações que compõem o EIA, seja textualmente ou através de mapas, fotografias e figuras ilustrativas. O EMPREENDEDOR Identificação do Empreendedor RAZÃO SOCIAL: EMPESA DOIS ARCOS CONSTRUÇÕES E GESTÃO DE RESÍDUOS LTDA. C.N.P.J: / ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA: Av. Rio Branco, º andar. Centro. Rio de Janeiro RJ. CEP: CIDADE: São Pedro, RJ TELEFONE: (22) RESPONSÁVEL: André Lima Empresa Consultora RAZÃO SOCIAL: MASTERPLAN CONSULTORIA DE PROJETOS E EXECUÇÃO S/C LTDA. C.N.P.J: / RESPONSÁVEL: Sabrina Carvalho de Lima Pivato TELEFONE: (21) Processo de Licenciamento Licença Prévia NÚMERO: Processo E 07/ /2014 EMPREENDIMENTO: Ampliação do Aterro Sanitário Dois Arcos INSTRUÇÃO TÉCNICA: Instrução Técnica CEAM/DILAM Nº 03/2015 2

4 OBJETIVO O aterro sanitário da empresa Dois Arcos Construções e Gestão de Resíduos LTDA., implantado em 2007 e em operação desde 2008 localizado no município de São Pedro da Aldeia, foi implantado com o objetivo de ser utilizado como área de disposição dos resíduos sólidos urbanos de classe II A e II B não perigosos e resíduos de serviço de saúde (RSS) para os municípios da Região dos Lagos (atualmente incluem São Pedro da Aldeia, Cabo Frio, Arraial do Cabo, Búzios, Casimiro de Abreu, Silva Jardim, Araruama e Iguaba Grande), considerando que os resíduos desses municípios historicamente eram dispostos sem tratamento prévio ou controle ambiental adequado em vazadouros (lixões) distribuídos pela região. Na região, existem apenas dois aterros sanitários devidamente licenciados: o aterro sanitário da Dois Arcos, objeto deste estudo, e o aterro sanitário de Rio das Ostras. Este último atende apenas o próprio município, cabendo à Dois Arcos receber os resíduos de todos os outros municípios desta região, conforme indica a Figura 1. Figura 1: Arranjos Regionais para Disposição Final de Resíduos Sólidos Urbanos. Fonte: Secretaria de Estado do Ambiente SEA, Em um contexto nacional, o empreendimento encontra se inserido na necessidade dos municípios em realizar a correta disposição dos resíduos sólidos urbanos e em consonancia com a Lei nº /2010, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que tinha como meta erradicar os vazadouros em solo nacional até o ano de 2014 e atualmente conta com os esforços governamentais federais e estaduais a fim de acelerar esse processo ainda não finalizado em muitos estados no Brasil, com o intuito de todos os vazadouros serem erradicados até o ano de Apesar de o mapa em referência apresentar, o município de Saquarema não dispõe seus resíduos no aterro em questão. 3

5 Dentro desse contexto, levando em consideração o término da vida útil do atual aterro sanitários da Dois Arcos ao fim de 2017, se propõe a expansão da atual área operacional para uma área vizinha, de propriedade do mesmo empreendedor, de forma a se atender à demanda futura de disposição de resíduos sólidos urbanos da região. estradas do Morro dos Milagres e a Rua Feliciano Maurício, ambas à noroeste da área e iniciando se na RJ 140 em São Pedro da Aldeia. À sudeste, o acesso é feito pela estrada do Alecrim, no bairro do Alecrim, limítrofe dos municípios de Cabo Frio e São Pedro da Aldeia. O PROJETO O aterro Dois Arcos, implantado em 2007 e em operação desde 2008, localiza se na Estrada do Pau Ferro, Sítio do Pau Ferro, no município de São Pedro da Aldeia e possui como acessos principais as O terreno da área de ampliação localiza se limítrofe ao terreno do aterro atualmente em operação, conforme apresenta a imagem a seguir (Figura 2). Figura 2: Localização da Ampliação do Aterro Sanitário Dois Arcos. 4

6 A área onde serão depositados os resíduos sólidos terá 16 hectares de base e será implantada em tal área limítrofe, que possui 38,2 m². O método construtivo adotado será o método de meia encosta (Figura 3). Nesse método, os resíduos são armazenados em camadas em forma de pirâmide, formando um maciço ou morrote artificial. A base e taludes das células de disposição de resíduos sólidos serão impermeabilizadas com a aplicação de um liner sintético (geomebrana) e de um pacto de solo compactado, conforme mostra a Figura 4. Figura 3: Exemplo do método de área em aterros sanitários. Figura 4: Detalhe do Sistema de Impermeabilização da Base e dreno sub superficial. O chorume gerado nas células de disposição em função da decomposição de resíduos orgânicos será coletado, através de um sistema de drenagem que será implantado na base do aterro, junto à camada de impermeabilização, e encaminhado para tratamento da mesma maneira que do aterro atualmente em operação, ou seja, destinação para Estação de Tratamento de Esgotos, adicionando ao sistema, um processo de prétratamento físico químico do chorume antes da entrada na ETE. RESÍDUOS A SEREM DISPOSTOS Os resíduos sólidos serão provenientes dos serviços de coleta regular das prefeituras municipais (domiciliares, de varrição de logradouros públicos, incluindo podas) e são classificados como Classe IIA, principalmente pela presença de matéria orgânica biodegradável. 5

7 Além do município de São Pedro da Aldeia, local onde o Aterro Sanitário Dois Arcos se encontra implantado, outros 7 (sete) municípios encaminham seus resíduos sólidos coletados para a disposição final no aterro em questão, sendo estes: Cabo Frio, Arraial do Cabo, Búzios, Iguaba Grande, Araruama, Casimiro de Abreu e Silva Jardim. O aterro sanitário Dois Arcos recebe, atualmente, uma quantidade média de 600 toneladas de resíduos por dia. Considerando um crescimento vegetativo de 5%, espera se um recebimento de resíduos a partir de 2017, marco inicial do projeto de expansão, de 661 toneladas por dia. Considerando apenas os resíduos de serviços de saúde, o Aterro Sanitário Dois Arcos recebe atualmente dos municípios de São Pedro da Aldeia, Cabo Frio, Búzios, Iguaba Grande, Arraial do Cabo, Araruama e Casemiro de Abreu, totalizando uma média de 52 toneladas por mês, ou aproximadamente 1,7 toneladas por dia. Estes resíduos são autoclavados e depois enviados para a célula de resíduos do aterro sanitário. Espera se que não haja significativas alternações nesse quantitativo na fase de ampliação do aterro. OPERAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO Os resíduos sólidos recebidos diariamente no aterro por caminhões transportadores serão depositados na frente de trabalho (da célula em operação). Os resíduos serão compactados através de trator de esteira formando uma rampa. Para a adequada compactação do lixo, o trator executará de 3 a 5 passadas sobre o material disposto. A área onde houver disposição dos resíduos será recoberta com uma camada de solo de aproximadamente 0,20 m, de forma a evitar que os resíduos já depositados e que se encontram fora da frente de operação fiquem expostos. A última camada de célula terá a superfície final recoberta com uma camada de 0,80 m de solo compactado, constituindo a cobertura definitiva do aterro. Essa concepção também será utilizada no acabamento dos taludes, com posterior plantio de gramíneas. No entorno do terreno será criado um cinturão verde, com 10 metros de largura, proporcionando uma barreira vegetal contra a ação do vento e diminuindo a visibilidade externa do aterro sanitário. VIDA ÚTIL DO ATERRO SANITÁRIO A partir da concepção do maciço de resíduos sólidos, foi possível determinar o espaço útil do Aterro Sanitário de ,50 m³ destinados à disposição dos resíduos sólidos, em uma área ocupada de m². Considerando uma adequada compactação das células de resíduos, de forma a obter uma densidade dos resíduos de 0,8 t/m³, tem se que será possível dispor nesse local cerca de ,75 toneladas de resíduos, correspondendo a um volume de ,94 m³ de resíduos entre os anos de 2017 e 2032 (16 anos). 6

8 AREAS DE INFLUÊNCIA A definição da abrangência espacial dos efeitos causados pelo empreendimento sobre os ambientes físico, biótico e socioeconômico é o primeiro passo para o desenvolvimento do Estudo de Impacto Ambiental. A delimitação das áreas de influência de um determinado empreendimento define a área de estudo e direciona a coleta de dados voltada ao diagnóstico ambiental, conforme disposto na Resolução CONAMA nº 01, de 23 de janeiro de Entende se que as áreas de influência são aquelas afetadas direta ou indiretamente pelos impactos positivos ou negativos, decorrentes do empreendimento durante suas diversas fases. Essas áreas normalmente assumem extensões e formas diferenciadas, dependendo das variáveis consideradas nos meio físico, biótico e socioeconômico. predominantemente plana, foram utilizadas também como limites, como divisores da AID as vias de acessos locais (Figura 5). Para o meio biótico na busca por preservar a vegetação nativa existente próxima ao aterro, sujeitando esta área a condutas mais rigorosas, as vias de acesso do entorno imediato do empreendimento foram usadas como orientação para a delimitação da AID, alternando com divisores do relevo local (Figura 6). E para o meio socioeconômico a AID foi identificada como o bairro Alecrim, onde se localiza o Aterro Sanitário Dois Arcos, e os bairros Campo Redondo e Porto do Carro. De acordo com o Estudo de Tráfego apresentado em anexo, existem três rotas em outros bairros que direcionam os resíduos sólidos até o aterro, e que podem ser afetadas por possíveis impactos gerados pela circulação dos caminhões, optou se por incluí los na Área de Influência Direta (Figura 7). ÁREA DIRETAMENTE AFETADA (ADA) Consiste no espaço geográfico onde será efetuada a ampliação do Aterro Sanitário de Dois Arcos (Figura 5). ÁREA DE INFLUÊNCIA DIRETA (AID) Área de Influência Direta de um empreendimento é por definição a área sujeita aos impactos diretos (ou de primeira ordem) da sua implantação e operação. Assim, adotou se como critério de delimitação da AID o raio de abrangência dos impactos significativos para as fases de implantação, operação e encerramento do aterro sanitário, após uma análise prévia da equipe multidisciplinar responsável pelo EIA. Para o meio físico, foi considerada a Bacia do Córrego do Alecrim, o qual caracteriza se por um canal efêmero, existindo apenas após precipitação na região e, por se tratar de uma área ÁREA DE INFLUÊNCIA INDIRETA (AII) Entende se como Área de Influência Indireta (AII) aquela área na qual potencialmente incidirão impactos de segunda ordem derivados da implantação, da operação e do encerramento do empreendimento. Assim, a AII, deve abranger os ecossistemas e o sistema socioeconômico que podem ser potencialmente impactados por alterações derivadas daquelas ocorridas na área de influência direta. A AII do meio físico abrange a Sub bacia do Pântano da Malhada e alguns de seus contribuintes. Esse trecho foi considerado para a AII a partir de uma extrapolação da propagação e potencialidade dos possíveis impactos ambientais associados à expansão do aterro, atendo à uma perspectiva conservacionista considerando o procedimento padrão adotado, assim como os aspectos legais aplicáveis (Figura 5). 7

9 Para a AII do meio biótico foram estabelecidos os limites fronteiriços ao Parque Municipal da Mata Atlântica Aldeense na porção oeste da área, de modo a preservar o corredor ecológico ali existente. Foram utilizados divisores morfológicos e vias de acesso na demarcação do trecho sul, norte e leste da AII, abrangendo os principais fragmentos florestais nas proximidades do empreendimento (Figura 6). E como AII do meio socioeconômico considerou se todo o Município de São Pedro da Aldeia (Figura 8), uma vez que alguns impactos indiretos, em maioria positivos, possuem dimensão municipal e como AII expandida os demais munícipios da Região dos Lagos atendidos pelo Aterro Sanitário de Dois Arcos: Cabo Frio, Armação dos Búzios, Casimiro de Abreu, Iguaba Grande, Silva Jardim, Araruama e Arraial do Cabo (Figura 9). Figura 5: Área diretamente Afetada do empreendimento (em vermelho) e áreas de influência (AID e AII) do meio físico. 8

10 Figura 6: Áreas de influência (AID e AII) do meio físico. 9

11 Figura 7: AID do meio socioeconômico Figura 8: AII do meio socioeconômico. 10

12 Figura 9: AII expandida do meio socioeconômico. 11

13 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL O diagnóstico ambiental é o estudo multidisciplinar onde são analisados todos os componentes ambientais que compõem as áreas de influência do empreendimento. Esse estudo tem por objetivo caracterizar a qualidade ambiental da região de inserção do empreendimento antes de sua implantação e operação. Neste estudo, são diagnosticados a fundo os elementos físicos, biológicos e socioculturais da região. MEIO FÍSICO O conhecimento do meio físico e seus processos dinâmicos auxiliam na caracterização da qualidade ambiental dos componentes abióticos (não biológicos) presentes na região estudada. Dentre os componentes abióticos, foram estudados o relevo, o solo, águas superficiais e subterrâneas, ruídos, ar, entre outros. Sobre o relevo encontrado (geomorfologia), a região estudada é composta, na AID e AII, por baixadas aluvias, planícies fluviomarinhas e fluviolagunares e terrenos colinosos de baixa amplitude, com colinas suaves. Na ADA, as feições que se destacam áreas planas e um terreno suave colinoso (Figura 10). Figura 10: Relevo ADA. Para descrição das propriedades do solo na ADA, foram gerados 5 perfis (Figura 11). Figura 11: Localização dos pontos onde foram gerados os perfis de solo. 12

14 Os perfis 1, 4 e 5 estão localizados em relevo suave. De maneira geral, apresentam solos rasos com horizonte B pouco desenvolvido sendo caracterizados como área de ocorrência de cambissolos. Nestes locais os processos erosivos são mais expressivos do que aqueles de deposição. Os perfis 2 e 3 estão localizados em áreas de deposição com baixa declividade indicando a transição para as áreas de baixadas litorâneas. Estas áreas apresentam uma associação entre dois solos: os planossolos e gleissolos podendo apresentar condições diferentes de umidade Nessas áreas os processos de deposição ocorrem com mais frequência do que os processos erosivos. Tanto a AII quanto AID apresentam formação de áreas alagadas intermitentes ou efêmeras (Figura 12), que acumulam água quando ocorrem chuvas na região. Próximo à área onde se pretende ampliar o aterro sanitário, foi identificado o córrego do Alecrim, considerado como um curso hídrico efêmero, que também acumula água da chuva, mas que não apresenta conexão superficial muito extensa. Já na ADA não foi identificado nenhum recursos hídrico perene. Figura 12: Exemplos de áreas alagadas encontradas na AID e AII. Com relação ao clima, a região apresenta uma pequena quantidade de chuva anual e aridez climática muito elevada. MEIO BIÓTICO De acordo com informações levantadas para o estudo, as áreas de influência do empreendimento apresentam modificações em toda a sua extensão, com respectivas intervenções na região de vegetação original. Entretanto, uma cobertura nativa ainda pode ser observada, com uma vegetação singular e restrita a região dos lagos, as quais encontram se em bom estado de conservação e são importantes fragmentos de vegetação nativa na região. 13

15 Figura 13: Vegetação modificada na área de influência do empreendimento. Figura 15: Jacarandá cabofriensis na ADA. Assim, a área onde se pretende ampliar o aterro sanitário Dois Arcos está atualmente descaracterizada, no entanto, mostra menor intensidade de uso para pastagem do que quando foi convertida para este fim, o que vem permitindo a regeneração natural e colonização local por espécies de vegetação nativa regional. Figura 14: Vegetação regional em bom estado de conservação na área de influência do empreendimento. Na área que se pretende ampliar o aterro sanitário Dois Arcos a vegetação pode ser caracterizada como uma floresta estacional seca. São observadas espécies frutíferas, exóticas, indivíduos isolados de espécies nativas da fisionomia Floresta Estacional Seca, indivíduos introduzidos pelo paisagismo e antropização da área, e até o registro de indivíduos de espécies ameaçadas de extinção, como o jacarandá cabofriensis. Além do jacarandá cabofriensis, outras duas espécies ameaçadas de extinção foram encontradas na ADA, pau brasil e ingá. Estas espécies serão alvos de medidas para minimizar o impacto ambiental sob as mesmas. No limite sudoeste da ADA está o Parque Municipal da Mata Atlântica Aldeense (Figura 16), com 268,51 hectares, a Unidade de Conservação de Proteção Integral tem como objetivo a preservação dos ecossistemas naturais e beleza cênica, possibilitando, com isso, a realização de pesquisas científicas, além de outras atividades de cunho ambiental. 14

16 Figura 16: Delimitação do Parque Municipal da Mata Atlântica Aldeense. Além desse Parque, a área encontra se inserida no Corredor de Biodiversidade da Serra do Mar (Figura 17), que compreende uma área com aproximadamente 12,6 milhões de hectares, e abrange parte dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná. Figura 17: Corredor de Biodiversidade da Serra do Mar. 15

17 Para o diagnóstico ambiental da fauna na área do empreendimento e em suas áreas de influência, foram realizadas pesquisas com dados secundários e primários, incluindo técnicas de coleta e interpretação de dados para os grupos faunísticos (herpetofauna, mastofauna e avifauna). Foram identificadas 17 espécies de répteis, 9 anfíbios e 7 répteis. Das espécies de anfíbios registradas, foi observado uma predominância de espécies de hábitats alagado. Figura 19: Espécies de répteis registrados na área do empreendimento. As espécies jacaré do papo amarelo, pererecaverde pequena e jararaca são ameaçadas de extinção e foram relatadas por moradores como existentes nas áreas de influência do empreendimento. O cágado de barbicha, também ameaçado de extinção, foi registrado na AII, próximo à área do antigo lixão Alecrim. Figura 18: Espécies de anfíbios registrados na área do empreendimento. O levantamento de dados primários identificou 76 espécies de aves nas áreas de influência do empreendimento. Destas, 9 são consideradas não ameaçadas atualmente, mas que devido a fragmentação de habitat, caça e comercialização ilegal, podem ter o status mudado de vulnerável para em ameaça. E 3 espécies registradas são endêmicas ao bioma Mata Atlântica: choca desooretama, tiê sangue e saíra sapucaia (Figura 20). 16

18 Figura 20: (A) choca de sooretama; (B) Tiê sangue; e (C) Saíra sapucaia. Para os mamíferos, foram levantadas um total de 10 espécies, das quais 4 são silvestres. A única espécie nativa de carnívoro detectada foi a Iarara. Essa é considerada generalista e tolera bastante a degradação e fragmentação do habitat, não sendo um bom indicativo de conservação da área estudada. Outras 4 espécies registradas, gambá de orelha preta, rato d água, capivara e morcego, também são espécies generalistas e/ou que toleram bastante a degradação e fragmentação do habitat, não sendo também indicativos de uma boa condição de conservação. Figura 21: Rato d água. Figura 22: Morcego. 17

19 Figura 23: Irara na vegetação de mata seca na área de influência direta. Figura 24: Capivara. MEIO SOCIOECONÔMICO De acordo com a Lei nº 2.539, de 09 de maio de 2014, que aprovou o Programa de Exploração de Pedreiras em São Pedro da Aldeia e definiu as Zonas de Produção Minerária (ZPM), o Aterro Sanitário Dois Arcos enquadra se na Zona de Produção Minerária 2 (ZPM 2), como mostra a Figura

20 Figura 25: Definição de áreas para a exploração de pedreiras em São Pedro da Aldeia, com a localização do aterro indicada. Fonte: São Pedro da Aldeia, Os pastos configuram o uso predominante das terras, em São Pedro da Aldeia, seguidos pela cobertura por corpos d água e pela ocupação urbana. As áreas de florestas estão distribuídas em algumas porções ao norte do município, de maneira fragmentada. As maiores concentrações dessas áreas situam se a oeste, principalmente, na Serra de Sapiatiba e de Sapiatiba Mirim, que constituem a Área de Proteção Ambiental da Serra de Sapiatiba. 19

21 Figura 26: Extensas áreas de pastagens no município. Figura 27: Áreas de florestas, Serra de Sapiatiba. Na AID, podem ser encontrados usos agropecuários, áreas de florestas e ocupações urbanas com diferentes densidades. Nas áreas de entorno imediato do empreendimento, verifica se uma ocupação urbana esparsa (Figura 28). Além desses, o uso industrial também se faz presente, representado pela indústria extrativa de minerais não metálicos, a exemplo da Pedreira Litorânea (Figura 29). Figura 29: Pedreira Litorânea. Na área do empreendimento, por sua vez, também predominam as áreas de pastagem (58%), seguidas de brejos (11%) e, com menor expressão, de formações florestais (3,5%), como pode ser observado. Figura 28: Ocupações esparsas em vazios urbanos no entorno imediato do empreendimento 20

22 Figura 30: Pequena porção de floresta na ADA. Figura 31: Área brejosa na ADA. Com relação à população, Em 2010, segundo o Censo Demográfico do IBGE, residiam nos oito municípios, habitantes, sendo (16,9%) residentes em São Pedro da Aldeia (Tabela 1). Os municípios apresentaram um crescimento populacional expressivo no período entre 2000 e 2010, bastante superior ao registrado no estado do Rio de Janeiro, que se manteve abaixo de 1,5% ao ano (Tabela 2). Verifica se que o crescimento vegetativo nos municípios não é significativo, nesse sentido, o crescimento populacional ocorre exclusivamente em função do componente migratório. Tabela 2: População residente, AII e AII Expandida. Tabela 1: Taxa média geométrica de crescimento anual (%), 2000/2010. Na AID, residiam habitantes, correspondendo a 16% da população de São Pedro da Aldeia. Os bairros mais populosos eram Campo Redondo e Porto do Carro (Tabela 3). 21

23 Tabela 3: População residente nos bairros da AID Com relação à economia, o setor da Indústria obteve a maior participação do PIB total dos municípios, sendo o setor que mais contribuiu em Armação dos Búzios, Arraial do Cabo, Cabo Frio e Casimiro de Abreu. A outra metade dos municípios obteve a maior participação com o setor de Serviços, sendo eles: Araruama, Iguaba Grande, São Pedro da Aldeia e Silva Jardim ( Tabela 4). Em 2013, predominavam as microempresas nos municípios, representando entre 92% e 100% das empresas identificadas. Essas microempresas estavam concentradas no setor do comércio Tabela 4: Participação dos setores de atividade econômica no Produto Interno Bruto (%). Ao considerar a participação da População Economicamente Ativa sobre a população total dos municípios, percebe se que houve uma redução entre os anos 2000 e 2010 em Araruama, Armação dos Búzios, Iguaba Grande e Silva Jardim. Embora tenha ocorrido essa queda, é significativa a participação da PEA sobre a população total em toda a AII Expandida, ultrapassando os 60% nos municípios de Armação dos Búzios e Casimiro de Abreu. Este é um aspecto favorável à economia dos municípios, uma vez que maiores percentuais da PEA sobre a população total demonstram uma relação positiva para os indivíduos em idade ativa em comparação ao total de inativos (jovens e idosos). Os bairros da AID do empreendimento são bairros de classe média a baixa e a maioria dos residentes é constituída por trabalhadores na área de comércio e serviços. 22

24 No que diz respeito à infraestrutura, O indicador de acesso ao saneamento básico foi construído com base na proporção de domicílios com serviços adequados, conforme apresentado a seguir: (i) existência de água canalizada e forma de abastecimento por rede geral; (ii) são ligados à rede geral de esgotamento sanitário e pluvial ou utilizam fossa séptica e (iii) dispõem de coleta direta ou indireta de lixo por serviço de limpeza. Percebe se que os percentuais mais baixos de adequação se encontravam em Silva Jardim. Já Casimiro de Abreu, Armação dos Búzios e Arraial do Cabo possuíam a maior porcentagem de domicílios com serviços adequados de água, esgoto e coleta de lixo, respectivamente (Tabela 5). Tabela 5: Proporção de domicílios com serviços adequados de saneamento básico AII Expandida Em São Pedro da Aldeia, Arraial do Cabo, Armação dos Búzios, Cabo Frio e Iguaba Grande, o principal manancial é a represa de Juturnaíba, formada sobre o rio São João, sendo o abastecimento realizado pela Prolagos. Araruama e Silva Jardim são abastecidos por outra concessionária (Águas de Juturnaíba) e utilizam o mesmo manancial. Já Casimiro de Abreu é abastecido pela autarquia municipal Águas de Casimiro. A água utilizada para abastecimento humano na AID é captada na Lagoa de Juturnaíba (Figura 32) e a distribuição está sob a responsabilidade da Prolagos. Na AID, 76,11% dos domicílios possuíam serviços considerados adequados de abastecimento de água,76,2% com ligação à rede geral de esgoto e 95,9% com coleta de resíduos sólidos. Destacaramse, pela situação mais favorável, os bairros Campo Redondo e Porto do Carro e pelas piores condições de atendimento o bairro Alecrim, conforme pode ser verificado na Tabela 6. 23

25 Tabela 6: Número dos Domicílios e Proporção com Serviços Adequados de Saneamento Básico AID Figura 32: Localização da Represa de Juturnaíba. Obras para evitar alagamentos, de pavimentação e de esgotamento sanitário têm sido realizadas nos bairros da AID (Figura 33, Figura 34 e Figura 35). Figura 33: Obras para evitar alagamentos em Alecrim Figura 34: Obras de recapeamento no bairro Campo Redondo Figura 35: Obras de esgotamento no bairro Porto do Carro

26 De acordo com informações oficiais sobre a coleta de resíduos, observa se que a região do empreendimento possui, hoje, uma importante cobertura cuja coleta acontece de forma regular e abrange quase toda a totalidade dos municípios, porém ainda carece de aprimoramento na coleta seletiva e reciclagem dos resíduos. A região em questão é problemática, pois nenhum município havia conseguido estruturar programas de coleta seletiva até o primeiro semestre de 2015, o que se reflete na inexistência de estruturas de reciclagem de resíduos, como cooperativas, galpões e outras. Em um total de oito municípios integrantes da área de influência do projeto, foram identificadas apenas três cooperativas: uma em fase de estruturação, outra atuando de forma irregular e uma regular, porém, com atuação incipiente no município que está localizada. Com relação ao Patrimônio Histórico, Arqueológico e Paisagístico, foram identificados nos terrenos do empreendimento dois sítios arqueológicos cerâmicos. Após curadoria e análise do material cerâmico, representado por uma cerâmica simples, com superfície polida, sem decoração, pode se deduzir que os sítios arqueológicos Maracanã 1 e Maracanã 2, podem estar associados a uma ocupação pré colonial de grupos agricultoresceramistas. Pode se, também, afirmar que se tratam de sítios de superfície, pois as intervenções arqueológicas interventivas executadas no local resultaram em solo arqueologicamente estéril. IMPACTOS, MEDIDAS E PROGRAMAS AMBIENTAIS O conceito de impacto ambiental é definido pela Resolução do CONAMA nº 01/1986 como qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas no meio ambiente, causada por qualquer forma de matéria ou energia resultante das atividades humanas que, direta ou indiretamente, afetam a saúde, a segurança e o bem estar da população; às atividades sociais e econômicas; a biota; as condições estéticas e sanitárias do meio ambiente; a qualidade dos recursos ambientais. A Avaliação de Impactos Ambientais (AIA) assegura uma análise sistemática dos impactos ambientais. Tem por objetivo garantir que responsáveis pela tomada de decisão apresentem soluções adequadas à população e ao meio ambiente, gerando medidas de controle de alterações nas condições do ambiente impactado. No presente estudo, foram reconhecidos 21 (vinte e um) impactos ambientais relacionados às fases de planejamento, implantação, operação e encerramento da ampliação do Aterro Sanitário Dois Arcos. Na fase de planejamento, 1 (um) impacto foi avaliado como positivo/negativo. Na fase de implantação, dos 17 (dezessete) impactos ambientais gerados nesta fase, 1 (um) foi avaliado como impacto positivo, 3 (três) como impactos positivos e negativos e 13 (treze) foram classificados como impactos negativos. Na fase de operação, foram observados 18 (dezoito) impactos ambientais. Destes, 3 (três) são impactos positivos, 3 (três) impactos são positivo/negativo e 12 (doze) são impactos negativos. Na fase de encerramento, foram observados 3 (três) impactos ambientais. Destes, 2 (dois) são impactos positivos e 1 (um) impacto é positivo/negativo. 25

27 Tabela 7: Impactos ambientais gerados pelo empreendimento. X Impacto Negativo; X Impacto Positivo MEIO FÍSICO Alteração nos Níveis de Ruídos Durante a fase de implantação do empreendimento, a execução das atividades rotineiras das obras, principalmente aquelas que utilizam e operam veículos e equipamentos, causarão um aumento no nível de ruídos local. Medidas Recomendadas Implementação do Plano de Gestão Ambiental e do Subprograma de Monitoramento e Controle de Ruídos. Alteração na Qualidade do Ar A qualidade do ar local poderá ser alterada devido a ressuspensão de poeiras ou pela emissão de gases gerados pela biodegradação dos resíduos orgânicos. Medidas Recomendadas Implementação do Subprograma de Monitoramento e Controle da Qualidade do Ar e do Programa de Monitoramento da Captação e Tratamento do Biogás. 26

28 Alteração na Geomorfologia do Terreno Este impacto decorrerá das alterações iniciais no terreno para adequação das células de resíduos e também, ao longo da operação, a partir da criação dos maciços de resíduos depositados. Medidas Recomendadas Implementação do Programa de Recomposição Florestal e Paisagística. Alteração no Regime Hidrogeológico Atividades da implantação do empreendimento, tais como a impermeabilização do solo, a implantação de sistema de drenagem superficiais e a supressão de vegetação, atuarão diretamente no ciclo hidrogeológico, levando a diminuição da infiltração de água, podendo provocar alterações no regime do fluxo do aquífero local. Medidas Recomendadas Implantação de um sistemas de drenagem de águas pluviais e de áreas verdes. Geração de Processos Erosivos As modificações que serão realizadas no terreno podem induzir alterações nas taxas de infiltração das águas pluviais, bem como no regime de escoamento da água, podendo formar canais preferenciais de escoamento da água, capazes de desencadear a formação de sulcos e ravinas. Além destas, a exposição de solo, criação de canaletas, oriundas as atividades de obra também favorecem um direcionamento do fluxo a água, podendo desenvolver processos erosivos na área. Medidas Recomendadas Implementação do Subprograma de Controle e Monitoramento dos Processos Erosivos. Alteração na Características do Solo por Vazamento de Chorume Ao longo da operação do empreendimento, este impacto estará associado à possibilidade da contaminação do solo diante do vazamento de chorume gerado na massa de resíduos. Ainda que o projeto de ampliação do aterro sanitário seja elaborado para que não ocorram vazamentos ou incidentes com o chorume, essa possibilidade não pode ser descartada e, portanto, em caráter conservador, será tratada como um impacto ambiental. Medidas Recomendadas Implementação do Programa de Monitoramento e Tratamento dos Líquidos Percolados. Alteração na Qualidade das Águas Subterrâneas por Vazamento de Chorume Assim como colocado para o impacto anterior, a alteração da qualidade das águas subterrâneas estará associada à possibilidade da contaminação do solo diante do vazamento de chorume gerado na massa de resíduos. Ainda que o projeto de ampliação do aterro sanitário seja elaborado para que não ocorram vazamentos ou incidentes com o chorume, essa possibilidade não pode ser descartada e, portanto, em caráter conservador, será tratada como um impacto ambiental. Medidas Recomendadas Implementação do Programa de Monitoramento e Tratamento de Líquidos Percolados bem como do Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Subterrâneas. 27

29 MEIO BIÓTICO Alteração da Cobertura Vegetal Para a execução das obras de instalação do empreendimento será necessária a remoção da vegetação que se encontra nas áreas destinadas às edificações e às células de resíduos. Por outro lado, ao mesmo tempo serão criadas áreas verdes no entorno do empreendimento e nas células a medida que forem sendo desativadas. Medidas Recomendadas Implementação dos Programas de Acompanhamento de Supressão da Vegetação e de Recomposição Florestal e Paisagística e criação da Reserva Legal. Interferência nas Espécies de Flora Ameaçadas de Extinção Durante o levantamento florístico da região do empreendimento, registrou se a presença de três espécies ameaçadas de extinção: Caesalpinia echinata, Inga marítima e Machaerium obovatum. A retirada dos exemplares que se encontram nas áreas que sofrerão supressão não comprometerá as espécies ameaçadas de extinção pois serão implementadas ações de compensação, tais como o resgate e transplantio de indivíduos bem como o plantio de mudas. Medidas Recomendadas Implementação do Programa de Transplantio dos exemplares de Caesalpinia echinata Lam, Inga maritima Benth e Machaerium obovatumprograma e do Programa de Acompanhamento de Supressão da Vegetação. Redução de Habitat e de Oferta de alimento à Fauna A modificação da forma de uso do solo associada a redução da cobertura vegetal é o principal fator de impacto da redução de habitat à fauna silvestre. Esse impacto ocorrerá principalmente na fase de implantação, devido à necessidade de supressão da cobertura vegetal e de terraplanagem do terreno. A redução da cobertura vegetal e perda do habitat apresentam consequências diretas na disponibilidade de alimento para a fauna local. A ausência de vegetação acarreta diretamente na escassez de frutos, flores e folhas e indiretamente na presença de fauna associada a esses fatores, como insetos e animais de pequeno porte, que constituem a base da cadeia trófica. Medidas Recomendadas Implementação do Programa de Recomposição Florestal e Paisagística. Perturbação da Fauna Local Em todas as fases da ampliação do Aterro Sanitário Dois Arcos a perturbação da fauna local estará relacionada predominantemente à modificação do ambiente e às atividades potencialmente poluidoras, ou seja, àquelas que emitem poluição sonora, poluição atmosférica, poluição do solo e poluição das águas. Medidas Recomendadas Implementação do Subprograma de Treinamento dos Trabalhadores e do Programa de Resgate, Afugentamento e Translocação de Fauna. Perda de Espécimes da Fauna Local Mesmo com a perturbação gerada pelas atividades diárias do empreendimento, alguns indivíduos da fauna podem não se deslocar do local, podendo ocorrer a perda direta de indivíduos por morte, ao serem atingidos pelas máquinas que estarão operando nas frentes de trabalho. Medidas Recomendadas Implementação do Subprograma de Treinamento dos Trabalhadores e do Programa de Resgate, Afugentamento e Translocação de Fauna. 28

30 Interferências em Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção Durante o levantamento da fauna na região do empreendimento, registrou se a presença de espécies ameaçadas de extinção. Medidas Recomendadas Implementação do Subprograma de Treinamento dos Trabalhadores e dos Programas de Resgate, Afugentamento e Translocação da Fauna e de Recomposição Florestal e Paisagística. Interferência em Áreas Protegidas A área onde pretende se instalar o empreendimento é limítrofe ao Parque Natural Municipal da Mata Atlântica Aldeense. Medidas Recomendadas Implementação do Programa de Recomposição Florestal e Paisagística. MEIO SOCIOECONÔMICO Expectativas Relacionadas ao Empreendimento A geração de expectativas, positivas e negativas, é um impacto que pode se manifestar em todas as fases do empreendimento. Desta maneira, para auxiliar na manutenção destas expectativas, é de extrema importância a gestão de informações e de conflitos presentes na região do empreendimento. Medidas Recomendadas Implementação do Programa de Comunicação Social. Alteração no Uso e Ocupação do Solo A ampliação do aterro sanitário modificará o uso e ocupação da área efetivamente construída, com a substituição de características essencialmente rurais por instalações típicas de um aterro sanitário. Medidas Recomendadas Implementação do Programa de Recomposição Florestal e Paisagística e do Programa de Monitoramento Geotécnico do Maciço de Resíduos. Interferência em Sítios com Valor Arqueológicos e/ou Cultural Foram identificados nos terrenos do empreendimento dois sítios arqueológicos cerâmicos durante a elaboração do Diagnóstico Ambiental, denominados de Maracanã 1 e Maracanã 2. Medidas Recomendadas Implementação do Programa de Salvamento Arqueológico. Aumento da Arrecadação de Tributos O empreendimento, em sua fase de implantação, promoverá a demanda de arrecadação tributária em relação aos serviços contratados, principalmente sobre o Imposto Sobre Serviços ISS, no que diz respeito aos serviços diretos e indiretos aliados ao processo construtivo potencializarão a economia local e a arrecadação tributária. Interferência na Saúde dos Trabalhadores A ocorrência deste impacto está diretamente vinculada à ocorrência de outros, como alterações na qualidade do ar e emissões de ruídos. Medidas Recomendadas Implementação do Subprograma de Treinamento dos Trabalhadores, Programa de Segurança e Sinalização, Programa de Treinamento e Capacitação do Pessoal de Operação. A caráter compensatório, recomenda se a execução do Programa de Educação Ambiental. 29

31 Aumento da Oferta de Local para a Disposição de Resíduos Sólidos A ampliação do Aterro Sanitário Dois Arcos trará melhores condições no que diz respeito à destinação de resíduos produzidos pelos municípios integrantes da Região dos Lagos, conforme apresenta as diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Embora haja esse aumento da oferta de local adequado para a disposição por conta da implantação do aterro, sabe se que este possui uma vida útil e, dessa forma, entende se que essa oferta irá sofrer um decréscimo durante sua operação até que as atividades do mesmo sejam encerradas. Melhoria da Gestão Pública Integrada de Resíduos A ampliação do Aterro Sanitário Dois Arcos fortalecerá a gestão integrada dos resíduos sólidos, destinando de maneira adequada resíduos sólidos. Essa melhoria ocorrerá nos munícipios que destinam os resíduos sólidos para o Aterro Sanitário Dois Arcos: Casimiro de Abreu, Silva Jardim, Saquarema, Araruama, Arraial do Cabo, Iguaba Grande, Cabo Frio, Armação de Búzios e São Pedro da Aldeia, uma vez que tende se a reduzir a disposição incorreta dos resíduos nestes municípios. Medidas Recomendadas Implementação do Programa de Comunicação Social. PROGRAMAS AMBIENTAIS A avaliação dos possíveis impactos ambientais decorrentes das etapas de implantação, operação e encerramento da ampliação do aterro sanitário Dois Arcos indica a necessidade da implementação de programas ambientais que através de procedimentos e ações, visam prevenir, minimizar e/ou compensar os impactos negativos e potencializar os impactos positivos. Foi identificada a necessidade de execução de 21 planos, Programas/Subprogramas os quais compõem a Gestão Ambiental do empreendimento. 30

32 31

33 PROGNÓSTICO Cenário sem a ampliação do aterro sanitário Dois Arcos Conforme apresentado no estudo, residem cerca de 560 mil pessoas cujo resíduo é majoritariamente destinado ao Aterro Sanitário Dois Arcos atual, servindo os municípios de São Pedro da Aldeia, Cabo Frio, Búzios, Casimiro de Abreu, Iguaba Grande, Silva Jardim, Araruama e Arraial do Cabo, totalizando um recebimento médio diário em torno de 600 toneladas. Anteriormente à implantação do Aterro Sanitário Dois Arcos, grande parte dos resíduos dos municípios supracitados eram direcionados para vazadouros (lixões) a céu aberto, em razão da inexistência de aterros sanitários próximos à região. De acordo com informações oficiais sobre a coleta de resíduos, observa se que a região do empreendimento possui, hoje, uma importante cobertura cuja coleta acontece de forma regular e abrange quase toda a totalidade dos municípios, porém ainda carece de aprimoramento na coleta seletiva e reciclagem dos resíduos. Considerando as variáveis sociais e políticas que compõem o cenário sem implantação da ampliação do Aterro Sanitário Dois Arcos, entende se que sua não implantação irá desservir a população residente nos municípios, implicando na destinação desconhecida de 600 toneladas de resíduos por dia e considerando que o aterro atual possui vida útil estimada até novembro de Portanto, a não realização do empreendimento apresenta se como um fator social e ambientalmente negativo para a região, devido aos males causados pela possível disposição incorreta dos resíduos sólidos e, também um fator economicamente prejudicial, devido aos custos envolvidos de transporte intermunicipal de resíduos. A alternativa de não realização do empreendimento implicará em uma menor disponibilidade de áreas adequadas à disposição correta dos resíduos sólidos urbanos, não só para o município de São Pedro da Aldeia, como também para toda a região do entorno, prejudicando assim as metas dos governos federais e estaduais de erradicar a utilização de lixões ou aterros controlados, conforme a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), instituída pela Lei nº /10. Cenário com a ampliação do aterro sanitário Dois Arcos Atualmente, a implantação da ampliação do Aterro Dois Arcos é considerada estratégica pela Prefeitura Municipal de São Pedro da Aldeia e municípios do entorno, pois, como visto no item anterior, o recebimento médio diário de resíduos sólidos gira em torno de 600 toneladas, evitando o despejo em vazadouros (lixões) a céu aberto e demais destinações inadequadas. Os municípios atendidos pelo Aterro Sanitário de Dois Arcos são: São Pedro da Aldeia, Cabo Frio, Búzios, Casimiro de Abreu, Iguaba Grande, Silva Jardim, Araruama e Arraial do Cabo que destinam 600 toneladas de resíduos por dia para o aterro. Considerando um crescimento vegetativo de 5%, espera se um recebimento de resíduos, a partir de 2017 (marco inicial do projeto de ampliação), de 661 toneladas por dia, chegando a ton/dia em Estima se que a vida útil da ampliação do Aterro Dois Arcos seja de 16 anos. Desta maneira, observando os números acima apresentados pode se reconhecer que a ampliação do Aterro Sanitário Dois Arcos permitirá a gestão de resíduos sólidos adequada (conforme realizada atualmente), atuando positivamente no controle ambiental da disposição dos resíduos recebidos. No que diz respeito aos impactos ambientais gerados pela ampliação do aterro sanitário Dois Arcos, a implantação do empreendimento, possui de forma intrínseca, a execução de medidas compensatórias associadas ao licenciamento 32

34 ambiental da ampliação do Aterro Dois Arcos. Como forma de compensar impactos ambientais irreversíveis, conforme prevê a lei, o empreendedor executará o pagamento da compensação ambiental do empreendimento. Por se tratar de um empreendimento com significativo impacto ambiental e como forma de cumprir a Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000, que institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC), será obrigatório o pagamento de compensação como forma de apoiar a implantação e manutenção de unidades de conservação inseridas na bacia hidrográfica de localização do empreendimento. O montante a ser destinado à compensação ambiental será baseado no grau de impacto gerado pelo empreendimento, sendo seu percentual fixado pelo órgão licenciador e seu valor não pode ser inferior a 0,5% dos custos totais de implantação. Além disso, serão executados os programas ambientais de monitoramento dos impactos ambientais. Os programas de monitoramento ambiental serão responsáveis pelo acompanhamento sistemático da situação ambiental dos meios físico e biótico, visando à preservação da qualidade ambiental do ambiente de inserção do empreendimento. Considera se como ganho ambiental para a região a execução dos programas ambientais de monitoramento, mitigação de impactos negativos bem como as medidas de compensação, visto que, com a previsão de encerramento do atual aterro Dois Arcos, a destinação inadequada dos resíduos, ou seja, disposição em lixões, ocorrerá sem qualquer tratamento e, com a implantação do empreendimento, a disposição destes resíduos será disciplinada e tratada ambientalmente. CONCLUSÃO Os estudos multidisciplinares correlatos ao presente estudo de impacto ambiental foram realizados com a finalidade de se estabelecer um cenário a respeito da viabilidade ambiental da ampliação do aterro sanitário localizado no município de São Pedro da Aldeia, sob responsabilidade da Dois Arcos Gestão de Resíduos. Para a construção do cenário a respeito da viabilidade ambiental, foi necessário o aprofundamento do entendimento de todos os fatores que envolvem o projeto em seus aspectos técnicos, ambientais, sociais, políticos e econômicos. O estudo aponta que, ainda que sejam gerados impactos sob os meios físico, biótico e socioeconômico, observase que os impactos ambientais negativos do empreendimento estão associados às atividades transformadoras da paisagem e às atividades potencialmente poluidoras. Assim, a consultoria sugere que os programas ambientais que compõem o Plano de Gestão Ambiental sejam implementados na íntegra como forma de mitigar e/ou compensar os impactos ambientais, bem como potencializar aqueles impactos que são positivos. De forma conclusiva, a consultoria considera a ampliação do Aterro Sanitário Dois Arcos viável prioritária para a gestão dos resíduos da região de sua inserção, desde que sejam implementadas todas as medidas e programas propostos e descritos no presente estudo. 33

35 EQUIPE TÉCNICA PROFISSIONAL FORMAÇÃO ACADÊMICA REGISTROS RESPONSABILIDADE ASSINATURA Catherine Marie Françoise Hallot Engenheira Ambiental MBE em Meio Ambiente Pós graduanda em Eng. de Segurança do Trabalho CREA/RJ Gerente de Projetos e Meio Ambiente Coordenação Geral Ana Cristina Ferrante Vieira de Amorim Geógrafa MSc. em Geografia CREA/RJ Coordenação Técnica Ana Carolina Eugênio de Oliveira Bióloga Espec. em Gestão Ambiental MSc. em Engenharia Ambiental Doutoranda em Engenharia Civil CRBio Apoio Técnico Lucas Caetano Tieppo da Silveira Biólogo MSc. em Genética e Biologia Molecular CRBio / Apoio Técnico Soliris Melli de Oliveira Pinto Ecóloga MBA em Gerenciamento de Projetos Apoio Técnico Tathiana Cardoso Pacheco Moraes Bióloga MSc. Genética e Biologia Molecular Especialista em Gestão de Projetos CRBio / Apoio Técnico DIAGNÓSTICO DO MEIO FÍSICO Otavio Miguez da Rocha Leão Geógrafo MSc. em Geografia DSc. em Geografia CREA/RJ Pedologia Lúcia de Jesus Cardoso Oliveira Juliani Bacharel em Geologia MSc. em Arqueologia Dr. em Arqueologia CREA /D : Arqueóloga Silvio Pinheiro da Silva Junior Engenheiro Mecânico MSc. em Sensores para Navegação Inercial CREA Ruidos 34

36 PROFISSIONAL FORMAÇÃO ACADÊMICA REGISTROS RESPONSABILIDADE ASSINATURA Edna Wisnieski Oceanógrafa MSc. em Sistemas Costeiros e Oceânicos Recursos Hídricos e Avaliação de Impactos e Programas Ambientais Pedro Ghorayeb Zamboni Graduando em Geografia Geoprocessamento Diego Rodrigues Martins de Castro Clarisse Tavares de Arraes Alencar Cássio Filipe Vieira Martins Rachel Nogueira Artur Schmidt Capella Junqueira Geólogo Geóloga Esp. em Gestão de Négocios Geólogo Engenheira Florestal Engenheiro Florestal CREA/RJ CREA/RJ CREA/SE Hidrogeologia Hidrogeologia Geologia DIAGNÓSTICO DO MEIO BIÓTICO CREA/RJ CREA RJ Flora Flora Hugo Barbosa Amorim Engenheiro Florestal DSc. em Mensuração Florestal CREA RJ D Flora Carolina Nazareth Matozinhos Sheila Marino Simão Bióloga Doutorando em Botânica Engª Florestal / DSc CRBio /04 D D CREA/RJ Flora Cetáceos Camila Scalzer de Abreu Graduando em Biologia Caracterização da Fauna DIAGNÓSTICO DO MEIO SOCIOECONÔMICO Renata da Silva Corrêa Geógrafa MSc. em Geografia Socioeconomia 35

Qualidade da Água em Rios e Lagos Urbanos

Qualidade da Água em Rios e Lagos Urbanos Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537 Água em Ambientes Urbanos Qualidade da Água em Rios e Lagos Urbanos Novembro 2008 Felipe Carvalho

Leia mais

O Aterro Sanitário Intermunicipal de Quissamã RJ: uma reflexão sobre os instrumentos legais pertinentes à gestão de resíduos em pequenos municípios.

O Aterro Sanitário Intermunicipal de Quissamã RJ: uma reflexão sobre os instrumentos legais pertinentes à gestão de resíduos em pequenos municípios. O Aterro Sanitário Intermunicipal de Quissamã RJ: uma reflexão sobre os instrumentos legais pertinentes à gestão de resíduos em pequenos municípios. Álvaro Goulart Fulgencio Caroline Cabral Tudesco Glayce

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE MATADOUROS, ABATEDOUROS, FRIGORÍFICOS, CHARQUEADOS E DERIVADOS DE ORIGEM ANIMAL Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO

Leia mais

SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004.

SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004. SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais e regulamentares, conforme art. 27º, do Decreto

Leia mais

COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS. Luciano Cota Diretor de Meio Ambiente Azurit Engenharia e Meio Ambiente

COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS. Luciano Cota Diretor de Meio Ambiente Azurit Engenharia e Meio Ambiente COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS Luciano Cota Diretor de Meio Ambiente Azurit Engenharia e Meio Ambiente POR QUE COMPENSAR? COMPENSAR (verbo transitivo direto) Equilibrar; balancear o efeito de uma coisa com outra;

Leia mais

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte Prefeitura de Belo Horizonte Belo Horizonte, fevereiro/2011 ASPECTOS GERAIS DA CIDADE DE BELO HORIZONTE Área superficial : 330 km 2 População : 2,5 milhões

Leia mais

Licenciamento Ambiental. Conservação da Biodiversidade 2015

Licenciamento Ambiental. Conservação da Biodiversidade 2015 Licenciamento Ambiental Conservação da Biodiversidade 2015 O que é o licenciamento ambiental? MMA - O licenciamento ambiental é uma obrigação legal prévia à instalação de qualquer empreendimento ou atividade

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

SANEAMENTO E AMBIENTE: 3º ENCONTRO DA ENGENHARIA. Confinamento de Resíduos Industriais: técnicas e materiais

SANEAMENTO E AMBIENTE: 3º ENCONTRO DA ENGENHARIA. Confinamento de Resíduos Industriais: técnicas e materiais SANEAMENTO E AMBIENTE: 3º ENCONTRO DA ENGENHARIA Confinamento de Resíduos Industriais: técnicas e materiais Riscos de contaminação do solo e da água subterrânea Eng. Quím. Mário Kolberg Soares GERENCIAMENTO

Leia mais

Rua do Horto, 931 Horto Florestal São Paulo CEP Tel.:

Rua do Horto, 931 Horto Florestal São Paulo CEP Tel.: 1. Introdução O presente documento trata de informações referente à zona de amortecimento do Parque Estadual Cantareira. As informações aqui prestadas tem o objetivo de contribuir com a construção do plano

Leia mais

I - METOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE MANEJO

I - METOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE MANEJO I - METOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE MANEJO O conceito de Plano de Manejo, segundo a definição da Lei n 9.985, de 18 de julho de 2000 (institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza),

Leia mais

Para efeito desta Instrução Técnica são adotadas as seguintes definições:

Para efeito desta Instrução Técnica são adotadas as seguintes definições: IT 1814 R.5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE ANTEPROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES OU TRANSITÓRIAS) GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS]

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] ATERROS SANITÁRIOS [DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] 2013 O QUE SÃO OS RESÍDUOS SÓLIDOS? É O LIXO QUE PRODUZIMOS. NOSSO LIXO DE TODOS OS DIAS. E ESSES RESÍDUOS OU LIXO PODEM SER CLASSIFICADOS COMO:

Leia mais

A PNSB e o Saneamento Rural

A PNSB e o Saneamento Rural A PNSB e o Saneamento Rural Antônio Tadeu Ribeiro de Oliveira Gerente de Estudos e Pesquisas Sociais VI Seminário Nacional de Saneamento Rural João Pessoa, 07.11.2012 A PNSB Pesquisa Nacional de Saneamento

Leia mais

Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro.

Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro. RESOLUÇÃO No- 92, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro. O CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

V CIRCUITO DE ARBORIZAÇÃO URBANA ARAÇUAÍ MAIO 2015

V CIRCUITO DE ARBORIZAÇÃO URBANA ARAÇUAÍ MAIO 2015 V CIRCUITO DE ARBORIZAÇÃO URBANA ARAÇUAÍ MAIO 2015 LUCÍLIA G. S MORAES Engenheira Sanitarista e Ambiental Gerente de Meio Ambiente Secretaria de Obras, Serviços Urbanos e Meio Ambiente Timóteo -MG PROCEDIMENTOS

Leia mais

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil.

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de 2002. Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. O CONSELHO

Leia mais

Legislação Ambiental / EIA RIMA Legislação

Legislação Ambiental / EIA RIMA Legislação Legislação Segundo legislação brasileira considera-se impacto ambiental: "qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente causada por qualquer forma de matéria ou energia

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos DESAFIOS PARA TRATAMENTO E DISPOSIÇÃO FINAL RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAUDE- MG Cenário resíduos de serviços de saúde em Minas Gerais Regulamentação

Leia mais

8. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL

8. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL 8. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL O plano de controle e monitoramento técnico e ambiental tem como objetivo propor soluções para controlar e/ou atenuar os impactos ambientais adversos gerados

Leia mais

PROPOSTAS PARA CRIAÇÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PARQUE ESTADUAL SERRA DO AREAL E REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE RIACHO PONTAL PETROLINA/PE

PROPOSTAS PARA CRIAÇÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PARQUE ESTADUAL SERRA DO AREAL E REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE RIACHO PONTAL PETROLINA/PE PROPOSTAS PARA CRIAÇÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PARQUE ESTADUAL SERRA DO AREAL E REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE RIACHO PONTAL PETROLINA/PE ASPECTOS LEGAIS Lei Federal nº 9.985/2000 Institui o Sistema Nacional

Leia mais

PROJETO MOSAICOS DO CORREDOR DA SERRA DO MAR (IA-RBMA / CEPF ) JUSTIFICATIVA Elaborado por Paulo Pêgas

PROJETO MOSAICOS DO CORREDOR DA SERRA DO MAR (IA-RBMA / CEPF ) JUSTIFICATIVA Elaborado por Paulo Pêgas PROJETO MOSAICOS DO CORREDOR DA SERRA DO MAR (IA-RBMA / CEPF ) JUSTIFICATIVA Elaborado por Paulo Pêgas A Serra da Mantiqueira constitui um dos mais significativos conjuntos orográficos brasileiros. Localizada

Leia mais

Perspectivas do Setor Usuários

Perspectivas do Setor Usuários Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Araguari (CBH Araguari) 1ª Assembleia Geral Extraordinária de 2015 Perspectivas do Setor Usuários Cléber Frederico Ribeiro 1º Secretário Nacional da Assemae e Assessor

Leia mais

CÁLCULO DO VALOR DA COMPENSAÇÃO AMBIENTAL DE ACORDO COM O DECRETO 6.848

CÁLCULO DO VALOR DA COMPENSAÇÃO AMBIENTAL DE ACORDO COM O DECRETO 6.848 CÁLCULO DO VALOR DA COMPENSAÇÃO AMBIENTAL DE ACORDO COM O DECRETO 6.848 Gabriel Teixeira Silva Araújo CEPEMAR - Serviços de Consultoria em Meio Ambiente Ltda. SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 INTRODUÇÃO 3 VALOR DOS

Leia mais

Eng. Agrônomo Ricardo Moacir Konzen Coordenador de departamento Departamento de Meio Ambiente de Vera Cruz

Eng. Agrônomo Ricardo Moacir Konzen Coordenador de departamento Departamento de Meio Ambiente de Vera Cruz Eng. Agrônomo Ricardo Moacir Konzen Coordenador de departamento Departamento de Meio Ambiente de Vera Cruz agronomia@veracruz-rs.gov.br dema@veracruz-rs.gov.br 51 37183778 Vera Cruz - RS Distância de Porto

Leia mais

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico EIXO3: Desenvolvimento de Projeto Executivo dos sistemas de esgotamento sanitário dos Povoados de Chapada e Manchão do Meio em Xambioá/TO

Leia mais

2. Contestando o Tratado de Tordesilhas, o rei da França, Francisco I, declarou em 1540:

2. Contestando o Tratado de Tordesilhas, o rei da França, Francisco I, declarou em 1540: 1. Observe as figuras a seguir: O modo como a sociedade humana tem ocupado o espaço rural e urbano provoca impactos socioambientais negativos. Tendo como referência a interpretação e a análise das situações

Leia mais

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário,

Leia mais

AAVA. Associação dos Amigos do Vale do Aracatu

AAVA. Associação dos Amigos do Vale do Aracatu AAVA Associação dos Amigos do Vale do Aracatu Conceitos importantes Bacia Hidrográfica Divisor de águas Nascente Bacia Hidrográfica * Bacias hidrográficas são áreas da superfície terrestre separadas topograficamente

Leia mais

1. DISPOSIÇÕES GERAIS

1. DISPOSIÇÕES GERAIS Termo de Referência para apresentação de Estudo de Impacto Ambiental/Relatório de Impacto Ambiental EIA/RIMA referente a Estabelecimentos Prisionais e Complexos Penitenciários Esse formato visa orientar

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 118

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 118 PROGRAMA Nº - 118 Manutenção e Operacionalização da SMSP FUNÇÃO: 04 ADMINISTRAÇÃO SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL Prover a Secretaria Municipal de Serviços Públicos dos recursos necessários ao bom

Leia mais

Transposição de Águas do Rio São Francisco Seus efeitos sobre o território potiguar: Impacto Ambiental e a População Beneficiada.

Transposição de Águas do Rio São Francisco Seus efeitos sobre o território potiguar: Impacto Ambiental e a População Beneficiada. Transposição de Águas do Rio São Francisco Seus efeitos sobre o território potiguar: Impacto Ambiental e a População Beneficiada. JOSIVAN CARDOSO MORENO DIRETOR PRESIDENTE Mossoró MAIO DE 2015 1 REFLEXO

Leia mais

Componentes e pesquisadores envolvidos

Componentes e pesquisadores envolvidos Componentes e pesquisadores envolvidos Impactos sobre aves (avifauna) Dr. Luciano Naka Impactos nas comunidades indígenas e tradicionais - Dr. Philip Fearnside Qualidade da água: monitoramento de níveis

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU

DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU Albieri, Rafael 1 ; Firmino, Felipe 2 ; Ribeiro, Ariel 2 1 Colégio Técnico da Universidade Federal Rural

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA. Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM

GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA. Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM LEI FEDERAL 6938/81 DECRETO FEDERAL 99274/90 BASE PARA GESTÃO AMBIENTAL obrigatoriedade

Leia mais

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com)

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com) PREVENÇÃO I CONTEXTO II A PRÁTICA III DESAFIOS I CONTEXTO I CONTEXTO 1. LEI Nº 9.433/1997 - Política Nacional de Recursos Hídricos - PNR Art. 1º Fundamentos... Bacia hidrográfica unidade territorial para

Leia mais

Retrospectiva sobre regimes hidrológicos e importância do planejamento urbano na prevenção quanto a eventos extremos

Retrospectiva sobre regimes hidrológicos e importância do planejamento urbano na prevenção quanto a eventos extremos Retrospectiva sobre regimes hidrológicos e importância do planejamento urbano na prevenção quanto a eventos extremos José Teixeira Filho Faculdade de Engenharia Agrícola Ciência da Terra - Geografia UNICAMP

Leia mais

GRUPOS DE PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS NO PAISAGISMO NOS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DA CIDADE DE LAVRAS-MG.

GRUPOS DE PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS NO PAISAGISMO NOS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DA CIDADE DE LAVRAS-MG. GRUPOS DE PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS NO PAISAGISMO NOS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DA CIDADE DE LAVRAS-MG. PATRÍCIA DUARTE DE OLIVEIRA PAIVA 1 ; PAULO ROBERTO CORRÊA LANDGRAF 2 ; PETTERSON BAPTISTA DA

Leia mais

Curso de Engenharia Ambiental. Relatório Visita Técnica 2012

Curso de Engenharia Ambiental. Relatório Visita Técnica 2012 Curso de Engenharia Ambiental Relatório Visita Técnica 2012 Visita técnica a empresa Estre Ambiental em Paulínia-SP, e reconhecimento do funcionamento da disposição final de resíduos sólidos classe IIA

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE PROTEÇÃO DE GEOMEMBRANA EM ATERRO SANITÁRIO PORTO ALEGRE

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE PROTEÇÃO DE GEOMEMBRANA EM ATERRO SANITÁRIO PORTO ALEGRE APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE PROTEÇÃO DE GEOMEMBRANA EM ATERRO SANITÁRIO PORTO ALEGRE Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Fernando Spinelli Alves JUNHO 1997 Revisado

Leia mais

BI63B - ECOSSISTEMAS. Profa. Patrícia C. Lobo Faria

BI63B - ECOSSISTEMAS. Profa. Patrícia C. Lobo Faria BI63B - ECOSSISTEMAS Profa. Patrícia C. Lobo Faria pclfaria@uol.com.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/patricialobo Fonte: http://www.portalescolar.net http://exame.abril.com.br/mundo/noticias /fotografa-retrata-urso-polar-no-articoem-pele-e-osso

Leia mais

Workshop Cavas de Mina: uso para disposição de resíduos Possibilidades e Restrições

Workshop Cavas de Mina: uso para disposição de resíduos Possibilidades e Restrições Workshop Cavas de Mina: uso para disposição de resíduos Possibilidades e Restrições ESTUDO DE CASO CTR BETIM EDUARDO KEN MIZUTA eken@essencis.com.br Outubro 2008 PROGRAMAÇÃO Apresentação da CTR Betim Grupo

Leia mais

Módulo 2. Requisitos Legais Identificação da Legislação Aplicável Requisito da norma ISO Exercícios.

Módulo 2. Requisitos Legais Identificação da Legislação Aplicável Requisito da norma ISO Exercícios. Módulo 2 Requisitos Legais 2.1. Identificação da Legislação Aplicável. 2.2. Requisito 4.3.1. da norma ISO 14001. Exercícios. 2.1. Identificação da Legislação Aplicável Aspectos e Impactos Ambientais Identificação

Leia mais

Tópicos da apresentação

Tópicos da apresentação Tópicos da apresentação Metodologia utilizada; Resultados de Vulnerabilidade e Potencialidade; Classificação final das Zonas; Classificação das bacias do perímetro urbano de Campo Grande; Carta de gestão

Leia mais

Atribuições da FATMA no município de Florianópolis

Atribuições da FATMA no município de Florianópolis Seminário de Condicionantes Ambientais e Capacidade de Suporte IPUF / Prefeitura Municipal de Florianópolis Atribuições da FATMA no município de Florianópolis ELAINE ZUCHIWSCHI Analista Técnica em Gestão

Leia mais

LAVAGEM AUTOMOTIVA. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax:

LAVAGEM AUTOMOTIVA. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: LAVAGEM AUTOMOTIVA 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função:

Leia mais

Arqueologia e Patrimônio

Arqueologia e Patrimônio Arqueologia e Patrimônio O que você precisa saber sobre Arqueologia no Licenciamento Ambiental Felipe S. Sales, Arqueólogo Sócio-Diretor Núcleo de Arqueologia e Patrimônio CRN-Bio Consultoria Sócio-Ambiental

Leia mais

Adendo ao Parecer Único SUPRAM-ASF nº /2014 Processo Administrativo: 17700/2012/001/2012 PARECER ÚNICO Nº /2014

Adendo ao Parecer Único SUPRAM-ASF nº /2014 Processo Administrativo: 17700/2012/001/2012 PARECER ÚNICO Nº /2014 Adendo ao Parecer Único nº 0877292/2014 Processo Administrativo: 17700/2012/001/2012 PARECER ÚNICO Nº 0796568/2014 Processo COPAM Nº: 17700/2012/001/2012 Classe/Porte: 3/M Empreendimento: Água Nova Pesquisas

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

RIOS E CIDADES: RUPTURA E RECONCILIAÇÃO

RIOS E CIDADES: RUPTURA E RECONCILIAÇÃO 3 4 Figuras 161 a 162: Evolução da remoção de um canal onde não há limitação com expansão da margem vegetada etapas 3 e 4 Fonte: COSTA (2001, p. 143) apud CARDOSO (2003) 211 O plano do rio Don parece ser

Leia mais

ENGENH A R IA E MEIO A MBI ENT E

ENGENH A R IA E MEIO A MBI ENT E ENGENH A R IA E MEIO A MBI ENT E A FLORAM ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE é uma empresa de engenharia e gestão ambiental que desenvolve estudos e serviços com a abrangência e profundidade de análise necessária

Leia mais

PARECER Nº É o relatório.

PARECER Nº É o relatório. PARECER Nº 11661 Estudo de Impacto Ambiental - EIA/RIMA. Equipe multidisciplinar. Licitação. Serviços de assessoramento e consultoria. Resolução CONAMA 01/86. Comunicado CAGE Nº 03/97 O Secretário dos

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 06 Ciclo Hidrológico Profª Heloise G. Knapik O Ciclo Hidrológico O Ciclo Hidrológico - Fases Precipitação: retorno da água para

Leia mais

Planejamento Ambiental

Planejamento Ambiental Universidade de São Paulo PHD2344 Manejo de recursos Naturais Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Planejamento Ambiental Aula 2 Prof. Dr. Arisvaldo V. Méllo Júnior Enga. Carla Voltarelli da

Leia mais

AÇÕES DA VIGILÂNCIA EM ÁREAS DE RISCO

AÇÕES DA VIGILÂNCIA EM ÁREAS DE RISCO AÇÕES DA VIGILÂNCIA EM ÁREAS DE RISCO Município: Cotia S.P População estimada( IBGE/05 ) 175.008 habitantes Área 325 km 2 108 km 2 : Reserva Florestal 196 km 2 : Tendência Rural 21 km 2 : Cosmopolita Distância

Leia mais

PLATAFORMA PARA AS ELEIÇÕES 2.014

PLATAFORMA PARA AS ELEIÇÕES 2.014 PLATAFORMA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Considerando que a Bacia do Rio Paraguai abrange a maior planície inundável do planeta, o Pantanal; Considerando que a bacia abriga mais de 8 milhões de habitantes com

Leia mais

Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde. Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima

Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde. Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima O que é lixo? Latim Lix : cinza ; Europa : resíduos domésticos

Leia mais

ÍNDICE ÍNDICE DE FIGURAS

ÍNDICE ÍNDICE DE FIGURAS CENTRAL TERMOELÉCTRICA DE SINES ATERRO CONTROLADO DE CINZAS DE FUEL-ÓLEO E OUTROS RESÍDUOS CARACTERÍSTICOS DA PRODUÇÃO TERMOELÉCTRICA RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO VOLUME

Leia mais

Visão Geral sobre a Tecnologia Aterro Industrial. Essencis Regional Sul François André Martinot

Visão Geral sobre a Tecnologia Aterro Industrial. Essencis Regional Sul François André Martinot Visão Geral sobre a Tecnologia Aterro Industrial Essencis Regional Sul François André Martinot 1 Algumas Tecnologias da Essencis Soluções Ambientais Aterros Industriais Incineração Tratamento de Efluentes

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO Etapas do PMMA Organização do processo de elaboração do Plano Municipal da Mata Atlântica MOBILIZAÇÃO QUE CO SO ANÁLISE PRON CO VO Definição da Visão de Futuro DIAGNÓSTICO QUE CO

Leia mais

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.1 Projeto de Monitoramento Batimétrico NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 2. Justificativa... 1 3. Objetivos... 2 4. Área de Abrangência...

Leia mais

KINROSS BRASIL MINERAÇÃO

KINROSS BRASIL MINERAÇÃO SETEMBRO 2016 KINROSS BRASIL MINERAÇÃO CONSTRUINDO O COMPARTILHAMENTO DO TERRITÓRIO BRASIL MINERAL KINROSS NO MUNDO América do Norte Fort Knox Rússia Dvoinoye Kupol Kettle River Buckhorn Bound Mountain

Leia mais

PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS AMBIENTAIS

PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS AMBIENTAIS PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE IMPACTOS AMBIENTAIS PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Instrumentos de Avaliação de Impactos

Leia mais

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo CITRÓLEO INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ÓLEOS ESSECIAIS LTDA FAZENDA CITRÓLEO BAIRRO TRES PINHEIROS CEP 37.443-000 BAEPENDI / MG CNPJ 51.527.190/0002-11

Leia mais

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.1 Projeto de Monitoramento Batimétrico Revisão 00 NOV/2013 Coordenador da Equipe Carlos Eduardo Alencar Carvalho CRBio 37538/4-D

Leia mais

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 1 Sumário Executivo Apresentação A Bacia Hidrográfica do Alto

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013

ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013 ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013 LIXO 2º ENCONTRO OBJETIVO: Relatar a composição química do lixo e os prováveis danos causados, além de discutir principais

Leia mais

Palavras-chave: Atividades Turísticas, Qualidade de Vida e Estância Turística de Presidente Epitácio (Estado de São Paulo, Brasil).

Palavras-chave: Atividades Turísticas, Qualidade de Vida e Estância Turística de Presidente Epitácio (Estado de São Paulo, Brasil). Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-5 ATIVIDADES TURÍSTICAS E QUALIDADE DE VIDA: ESTUDO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE EPITÁCIO (ESTADO DE SÃO

Leia mais

Geologia e conservação de solos. Luiz José Cruz Bezerra

Geologia e conservação de solos. Luiz José Cruz Bezerra Geologia e conservação de solos Luiz José Cruz Bezerra SOLO É a parte natural e integrada à paisagem que dá suporte às plantas que nele se desenvolvem. Parte mais superficial e fina da crosta terrestre.

Leia mais

Mural Informativo ...

Mural Informativo ... Mural Informativo... Mina Bauxita Barro Alto Maio de 2017 APLICAÇÃO DE BIOINDICADORES DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO EM ÁREAS RESTAURADAS PELA COMPANHIA BRASILEIRA DE ALUMINÍO CBA UNIDADE DE MIRAÍ MG Figura

Leia mais

Gestão de Inundações urbanas. Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS

Gestão de Inundações urbanas. Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS Gestão de Inundações urbanas Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS tucci@rhama.net Tipos de inundações Inundações ribeirinhas: inundações naturais resultado da flutuação dos rios durante

Leia mais

ANEXO III PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DOS LAGOS ARTIFICIAIS E DAS OBRAS DE INFRAESTRUTURA DA FASE 01 DO SAPIENS PARQUE

ANEXO III PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DOS LAGOS ARTIFICIAIS E DAS OBRAS DE INFRAESTRUTURA DA FASE 01 DO SAPIENS PARQUE ANEXO III PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DOS LAGOS ARTIFICIAIS E DAS OBRAS DE INFRAESTRUTURA DA FASE 01 DO SAPIENS PARQUE Sumário 1 Objetivo... 4 2 Características Principais... 4 2.1 Área de Intervenção...

Leia mais

Restauração Ecológica

Restauração Ecológica Restauração Ecológica A importância das florestas Seres humanos e sociedade: uso de recursos direta e indiretamente Diretamente: madeira para móveis, lenha, carvão, frutos, sementes e castanhas, óleos,

Leia mais

Zoneamento e a Licença Ambiental como Instrumentos Garantidores de uma Cidade Sustentável

Zoneamento e a Licença Ambiental como Instrumentos Garantidores de uma Cidade Sustentável Zoneamento e a Licença Ambiental como Instrumentos Garantidores de uma Cidade Sustentável Qualidade de Vida Goiânia é hoje sinônimo de qualidade de vida e preservação ambiental. Estudos produzidos pela

Leia mais

2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas

2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano 2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan 2010 Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas 16/março/2010 Foz

Leia mais

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva 1 Ciclo hidrológico global Energia do sol que atua sobre o sistema terrestre: 36% de toda a energia que chega a terra é utilizada

Leia mais

Indústria Comércio Resíduo Acidentes Desconhecida. Figura Distribuição das áreas contaminadas em relação à atividade (CETESB, 2006).

Indústria Comércio Resíduo Acidentes Desconhecida. Figura Distribuição das áreas contaminadas em relação à atividade (CETESB, 2006). 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 757 Posto de Combustível 800 700 600 500 400 300 200 127 100 38 32 3 2 0 Indústria Comércio Resíduo Acidentes Desconhecida Figura822.10.18. Distribuição das áreas

Leia mais

A Sharewater. Planeta Água. Prêmios

A Sharewater. Planeta Água. Prêmios A Sharewater A Sharewater tem o objetivo de oferecer soluções completas para a conservação da água, através de projetos, consultoria e desenvolvimento de tecnologia própria. Foi fundada em 8 de maio de

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA COLETA DE LIXO REALIZADO NOS BAIRROS VILA DA AMIZADE, OLARIA NORTE E SÃO LUIZ I, NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PA

DIAGNÓSTICO DA COLETA DE LIXO REALIZADO NOS BAIRROS VILA DA AMIZADE, OLARIA NORTE E SÃO LUIZ I, NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PA Salvador/BA 25 a 28/11/2013 DIAGNÓSTICO DA COLETA DE LIXO REALIZADO NOS BAIRROS VILA DA AMIZADE, OLARIA NORTE E SÃO LUIZ I, NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PA Wilker Jose Caminha dos Santos, Ramynngly

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 09 Aspectos legais e institucionais Meio Ambiente Profª Heloise G. Knapik 1 Por quê precisamos de legislação ambiental? Controle

Leia mais

1) Conceitos e definições:

1) Conceitos e definições: SANEAMENTO: A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE VIDA - COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS 1) Conceitos e definições: 1.1) Esgoto: É um sistema destinado a escoar e tratar os dejetos dos diversos

Leia mais

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho 1 Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho A preservação da mata ciliar é importante para a manutenção do equilíbrio natural

Leia mais

4. REVISÃO DAS METAS E AÇÕES DO PLANO DE BACIAS 2000/2003

4. REVISÃO DAS METAS E AÇÕES DO PLANO DE BACIAS 2000/2003 4. REVISÃO DAS METAS E AÇÕES DO PLANO DE BACIAS 2000/2003 4.1. AS METAS DE CURTO PRAZO PQA X PLANO DE BACIAS 2000-2003 Esse capítulo faz uma comparação e explicita ações e metas já definidas nos dois principais

Leia mais

Fechamento de Mina Aspectos Ambientais e Sócio-econômicos

Fechamento de Mina Aspectos Ambientais e Sócio-econômicos Fechamento de Mina Aspectos Ambientais e Sócio-econômicos Centro Mineiro de Referência em Resíduos, Belo Horizonte 28 e 29 de maio de 2008 João César de Freitas Pinheiro Geólogo, Ph.D. Diretor Geral Adjunto

Leia mais

Trabalho de Campo. Disciplina: Quantificação em Geografia Docente: Profa. Dra. Iara Regina Nocentini André

Trabalho de Campo. Disciplina: Quantificação em Geografia Docente: Profa. Dra. Iara Regina Nocentini André Trabalho de Campo Disciplina: Quantificação em Geografia Docente: Profa. Dra. Iara Regina Nocentini André O IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas é um órgão do governo do Estado de São Paulo que desenvolve

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 019

Norma Técnica Interna SABESP NTS 019 Norma Técnica Interna SABESP NTS 019 CAPTAÇÃO DE ÁGUA BRUTA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 019 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE PROJETO...1

Leia mais

Apresentação dos Documentos de Referência para Entidades Acreditadas (EA) no Domínio do Ambiente

Apresentação dos Documentos de Referência para Entidades Acreditadas (EA) no Domínio do Ambiente Apresentação dos Documentos de Referência para Entidades Acreditadas (EA) no Domínio do Ambiente EA.G.02.01.00 - Guia Avaliação de Impacte Ambiental (AIA) Cecília Simões APA, 22 de janeiro de 2013 GUIA

Leia mais

O gerenciamento dos recursos hídricos nas grandes cidades: Um olhar sobre a RMRJ

O gerenciamento dos recursos hídricos nas grandes cidades: Um olhar sobre a RMRJ PRÉ-ENCOB, Rio de Janeiro (FIRJAN), 30 de agosto de 2011: A Importância do Uso Racional das Águas e o Fator Água nas Regiões Metropolitanas O gerenciamento dos recursos hídricos nas grandes cidades: Um

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 55, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 55, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 55, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 (Publicada do DOU em 08/02/06) Estabelece diretrizes para elaboração do Plano de Utilização

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 6 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

Complexo Cantinho do Céu

Complexo Cantinho do Céu Complexo Cantinho do Céu Diretrizes Para Urbanização e Recuperação Ambiental Características Gerais Complexo Cantinho do Céu Características Gerais Localização Represa Billings; Subprefeitura: Capela do

Leia mais

Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica as seguintes formações florestais nativas e ecossistemas associados, com as respectivas

Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica as seguintes formações florestais nativas e ecossistemas associados, com as respectivas LEI DA MATA ATLÂNTICA Lei nº 11.428/2006 Estudo Dirigido Prof. MSc. Guilhardes Júnior 1. Que formações florestais fazem parte do Bioma Mata Atlântica? Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS ENGENHARIA AMBIENTAL PADRÃO DE RESPOSTA O estudante deve redigir um texto dissertativo, em que: a) aborde pelo menos duas das seguintes consequências: aumento da emissão de poluentes

Leia mais

INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL E SUA IMPORTÂNCIA NA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EM OBRAS RODOVIÁRIAS

INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL E SUA IMPORTÂNCIA NA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EM OBRAS RODOVIÁRIAS INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL E SUA IMPORTÂNCIA NA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EM OBRAS RODOVIÁRIAS Heberton Júnior dos Santos (*), Jaerton Santini, Nicole Becker Portela, Suane Wurlitzer Bonatto,

Leia mais

Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil

Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil 102 Resumos Expandidos: XI Mostra de Estagiários e Bolsistas... Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil Cezar Freitas Barros 1 João dos Santos Vila da Silva 2 Resumo: Busca-se

Leia mais

ESTUDO DA OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO DOS PEREIRAS (IRATI-PR)

ESTUDO DA OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO DOS PEREIRAS (IRATI-PR) ESTUDO DA OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO DOS PEREIRAS (IRATI-PR) Sidiomar Scariot (ICV/UNICENTRO), Adelena Gonçalves Maia (Orientadora), e-mail: adelena@irati.unicentro.br. Universidade Estadual

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO FLORÊNCIO, Ágatha Cristine 1 ; VALE, Monnike Yasmin Rodrigues do ²; MORAIS Welmys Magno de³,paula, Heber Martins de 4 Palavras chave:

Leia mais

RESOLUÇÃO SMA-15 DE 13 DE MARÇO DE 2008.

RESOLUÇÃO SMA-15 DE 13 DE MARÇO DE 2008. PUBLICADA EM 14/03/88 SEÇÃO I PÁG.36 RESOLUÇÃO SMA-15 DE 13 DE MARÇO DE 2008. Dispõe sobre os critérios e parâmetros para concessão de autorização para supressão de vegetação nativa considerando as áreas

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 6 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

Em 2010, o Brasil produziu 60,8 milhões de toneladas de lixo sólido. Destes, quase 31 milhões vieram de resíduos de novas construções e de demolições.

Em 2010, o Brasil produziu 60,8 milhões de toneladas de lixo sólido. Destes, quase 31 milhões vieram de resíduos de novas construções e de demolições. Em 2010, o Brasil produziu 60,8 milhões de toneladas de lixo sólido. Destes, quase 31 milhões vieram de resíduos de novas construções e de demolições. (Fonte: Panorama de Resíduos Sólidos no Brasil, 2011/Abrelpe-

Leia mais