Sistema de Tarifas para Organizações de Pequenos Produtores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Tarifas para Organizações de Pequenos Produtores"

Transcrição

1 26 pt Sistema de Tarifas para Organizações de Pequenos Produtores Documento explicativo Efetivo conforme: 01/01/2015 Distribuição: Externa

2 Índice 1 Introdução Definições Taxa de candidatura Candidatura à Certificação Fairtrade Candidatura a uma exceção aos Critérios Fairtrade Taxa de certificação inicial (primeiros 12 meses) Organização de 1º grau Organizações de 2º e 3º grau: Taxa de certificação anual Organização de 1º grau Organizações de 2º e 3º grau: Modificação das taxas de certificação Taxas para produtos específicos Taxas de cancelamento Taxa de auditoria de acompanhamento Histórico de alterções Anexos: Anexo 1: Lista de Produtos Anexo 2: Instalações de Processamento VERSION: 26 / PAGE 2 OF 18

3 1 Introdução As taxas de certificação de produtores são aplicáveis a todos os produtores candidatos a certificação FLOCERT e a todos os produtores certificados pela FLOCERT. As taxas de certificação anual e inicial cobrem um período de 12 meses a partir da data da fatura inicial e têm de ser pagas independentemente de uma auditoria ter sido ou não realizada e da Decisão de Certificação tomada. Todos os documentos sobre o Sistema de Taxas estão disponíveis ao público no site da FLOCERT 1.1 Definições Pequenos Produtores Organizações são definidos em 2 categorias de produto específico. 1. Pequenos produtores que não são (altamente) dependentes de mão de obra. São entendidos como aqueles que não dependem estruturalmente de mão de obra contratada permanente e que administram suas propriedades principalmente com sua própria mão de obra ou da sua família. 2. Pequenos produtores que são (altamente) dependentes de mão de obra devem atingir todos os seguintes critérios: O número de trabalhadores contratados permanentes não excede um fator específico de hectares por cultivo, conforme definido pelo corpo de certificação nos seus critérios de conformidade. A maior parte do seu tempo útil é gasto na execução do trabalho agrícola na sua própria lavoura. A renda das suas atividades agrícolas constitui a maior parte da sua receita total. A área de produção sob plantio está abaixo ou no nível da faixa média de tamanho das propriedades do distrito ou região. de Pequenos Produtores são estruturas de organizações de 1 o, 2 o ou 3 o grau conforme definido abaixo. 1º grau é uma organização de Pequenos Produtores legalmente constituída que é capaz de contribuir para o desenvolvimento socioeconómico dos seus membros e das suas comunidades e que é controlada democraticamente pelos seus membros diretos. A maioria dos membros da organização são Pequenos Produtores. 2º grau é uma Organização de Pequenos Produtores formada por organizações de 1º grau (membros) legalmente afiliadas à de 2º grau. O 2º grau é controlado democraticamente pelos seus membros diretos. A organização de 2º grau presta serviços centrais aos seus membros. 3º grau é uma Organização de Pequenos Produtores legalmente constituída pelas suas afiliadas de 2º grau. Instalações de Processamento são propriedade ou subcontratadas pela empresa agrícola. São onde a matériaprima ou produto intermediário é transformado num produto com maior valor. As Instalações de Processamento relevantes nestas circunstâncias estão listadas no Anexo 2. VERSION: 26 / PAGE 3 OF 18

4 Número de Trabalhadores é o número de trabalhadores permanentes juntamente com número máximo de trabalhadores sazonais e casuais que trabalham para a organização na época alta. Os trabalhadores também incluem os funcionários administrativos. Produto são os bens produzidos ou colhidos pelo Pequeno Produtor. Estrutura Central é a organização central (guarda-chuva) de uma organização de 2º ou 3º grau que é auditada pela FLOCERT. 2 Taxa de candidatura 2.1 Candidatura à Certificação Fairtrade Às estruturas de trabalho contratado que se candidatem à certificação Fairtrade é cobrada uma taxa fixa de 538 referente ao serviço de candidatura. Chama-se a atenção para o facto de as taxas não serem reembolsáveis. 2.2 Candidatura a uma exceção aos Critérios Fairtrade Para a avaliação da candidatura relacionada com uma exceção aos Critérios Fairtrade e respetivos Requisitos de Certificação, a FLOCERT cobra uma taxa de 205. A taxa de exceção não é aplicável à rastreabilidade física de produtos compostos e retrocertificação. VERSION: 26 / PAGE 4 OF 18

5 3 Taxa de certificação inicial (primeiros 12 meses) A taxa de certificação inicial é cobrada uma vez e deve ser paga anteriormente a auditoria inicial. 3.1 Organização de 1º grau Tabela Taxa Inicial Básica 1º grau Membros 1 A < 50 1, B , C , D , E , F > , Tabela Taxa Inicial de Produto Adicional A taxa é calculada para um produto. Cobra-se a seguinte taxa por cada produto adicional a ser comercializado sob condições de Fairtrade (ver Anexo 1): 1º grau A Produto adicional Tabela Taxa Inicial de Instalação de Processamento Se a Organização de Pequenos Produtores opera uma instalação de processamento tal como definido no Anexo 2, a seguinte taxa é cobrada por instalação de processamento: 1º grau Trabalhadores por Instalação de Processamento A 1-10 trabalhadores B trabalhadores C > 100 trabalhadores Membros incluem todos os membros legalmente ativos da organização 2 Trabalhadores incluem todos os funcionários permanentes, sazonais e temporários que trabalham na respetiva instalação de processamento. VERSION: 26 / PAGE 5 OF 18

6 Tabela Taxa Inicial para Entidades Subcontratadas Se a Organização de Pequenos Produtores tiver subcontratantes envolvidos nos produtos Fairtrade do Operador Certificado e cujas atividades são controladas por contrato, o seguinte valor é cobrado por entidade subcontratada. Por favor, note que apenas um máximo de 3 subcontratantes é cobrado. Os clientes certificados que atuam como subcontratantes ficarão isentos. 1º grau Entidade subcontratada A Exemplo: Uma organização de café de 1º Grau com 200 membros legais candidata-se à certificação para a comercialização sob condições de Fairtrade de café e um produto adicional (ex. mel). Além disso, a organização de 1º grau opera uma instalação de processamento a húmido com 45 trabalhadores. Tipo de organização Cat Indicador Fator Taxa Individual Taxa total cobrada 1º grau Membros C x 1 2,306 2,306 A Produto adicional x B trabalhadores x Total: 2, Organizações de 2º e 3º grau: A Taxa de Certificação Inicial para Organizações de 2º e 3º grau é calculada com base no número de organizações membro incluídas na candidatura Fairtrade. Somente as organizações membro indicadas pelas organizações de 2º e 3º grau serão auditadas e certificadas. Ademais, a taxa cobrada pela FLOCERT depende do número de produtos e entidades adicionais (ver Anexo 2, nota 1). A taxa inclui os seguintes componentes: Tabela Taxa Inicial da Estrutura Central 2º grau / 3º grau A Estrutura Central 1, Se uma organização atua como a estrutura central, apenas a taxa da estrutura central será cobrada a esta organização. VERSION: 26 / PAGE 6 OF 18

7 Tabela Taxa Inicial Básica por Organização Membro Afiliada A taxa por organização membro afiliada auditada é calculada da seguinte forma: Categoria M * Em que M é a raiz quadrada arredondada do número total de organizações membro que fazem parte da certificação Fairtrade caso haja menos de 400 organizações afiliadas; caso contrário, M é igual a 20. A Categoria pode ser encontrada na tabela em baixo. 2º grau / 3º grau Número médio de membros por Organização Membro afiliada A < B , C , D , E , F > , Tabela Taxa Inicial de Produto Adicional A taxa inicial calculada inclui o produto inicial. Produtos adicionais a serem comercializados dentro das condições Fairtrade serão faturados pela Fairtrade International. 2º grau / 3º grau A Produto adicional 184 Tabela Taxa Inicial de Instalação de Processamento Se a Organização de Pequenos Produtores opera uma instalação de processamento 3 tal como definido no Anexo 2, a seguinte taxa é cobrada por instalação de processamento. 2º grau / 3º grau Trabalhadores 4 por Instalação de Processamento A 1 10 trabalhadores B trabalhadores C > 100 trabalhadores A instalação de processamento pode pertencer às organizações de 1º grau afiliadas ou à organização de 2º ou 3º grau. 4 Trabalhadores incluem todos os funcionários permanentes, sazonais e temporários que trabalham na respetiva instalação de processamento. VERSION: 26 / PAGE 7 OF 18

8 Tabela Taxa Inicial para Entidades Subcontratadas Se a Organização de Pequenos Produtores tiver subcontratantes envolvidos nos produtos Fairtrade do Operador Certificado e cujas atividades são controladas por contrato, o seguinte valor é cobrado por entidade subcontratada. Por favor, note que apenas um máximo de 3 subcontratantes é cobrado. Os clientes certificados que atuam como subcontratantes ficarão isentos. 1º grau Entidade subcontratada Exemplo: A Uma organização de café de 2º grau com 20 organizações membro (o número médio de membros para cada organização é 322 membros) apresenta uma candidatura de café e, como produto adicional, de mel para que sejam comercializados sob condições Fairtrade. Além disso, a organização de 2º grau opera uma instalação de processamento com 48 trabalhadores. Fator M = 4 Tipo de organização Cat Indicador Fator Taxa individual Taxa total cobrada 2º grau A Estrutura Central x 1 1,568 1,568 D Membros x 4 1,261 5,044 A Produto adicional x B trabalhadores x Total: 7,216 4 Taxa de certificação anual A taxa de certificação anual será cobrada com base na data da fatura inicial. 4.1 Organização de 1º grau Dependendo do número de membros, produtos (ver Anexo 2, nota 2) e entidades adicionais (ver Anexo 2, nota 1) a FLOCERT cobra as seguintes taxas: Tabela Taxa Anual Básica 1º grau Membros A < 50 1, B , C , D , E , F > , VERSION: 26 / PAGE 8 OF 18

9 Tabela Taxa Anual de Produto Adicional A taxa inicial calculada inclui o produto inicial. Produtos adicionais a serem comercializados dentro das condições Fairtrade serão faturados pelo Padrão de Produtos estabelecido pela Fairtrade International. 1º grau Produto adicional A Tabela Taxa Anual de Instalação de Processamento Se a Organização de Pequenos Produtores opera uma instalação de processamento tal como definido no Anexo 2, a seguinte taxa é cobrada por instalação de processamento: 1º grau Trabalhadores por instalação de Processamento A 1-10 trabalhadores B trabalhadores C > 100 trabalhadores Tabela Taxa Anual para Entidades Subcontratadas Se a Organização de Pequenos Produtores tiver subcontratantes envolvidos nos produtos Fairtrade do Operador Certificado e cujas atividades são controladas por contrato, o seguinte valor é cobrado por entidade subcontratada. Por favor, note que apenas um máximo de 5 subcontratantes é cobrado. Os clientes certificados que atuam como subcontratantes ficarão isentos. 1º grau Entidade subcontratada A Trabalhadores incluem todos os funcionários permanentes, sazonais e temporários que trabalham na respetiva instalação de processamento. VERSION: 26 / PAGE 9 OF 18

10 Exemplo: Uma organização de café de 1º grau com 200 membros, certificada para café e, como segundo produto, para mel. Além disso, a organização de 1º grau opera uma planta de processamento a húmido com 45 trabalhadores. Tipo de organização Cat Indicador Fator Taxa individual Taxa total cobrada 1º grau Membros C Membros x 1 1, , A Produto adicional x B trabalhadores x Total: 2, Organizações de 2º e 3º grau: A Taxa Anual de Certificação para Multi-plantações é calculada com base no número de plantações incluídas na certificação Fairtrade. Além disso, a Taxa de Certificação Anual depende do número de produtos e entidades adicionais (ver Anexo 2, nota 1). A Taxa de Certificação Anual é composta pelos seguintes componentes: Tabela Taxa Anual da Estrutura Central 2º grau / 3º grau A Estrutura Central 1, Se uma organização atua como a estrutura central, apenas a taxa da estrutura central será cobrada a esta organização. Tabela Taxa Anual Básica por Organizações Membro Afiliadas A taxa por organização membro afiliada auditada é calculada da seguinte forma: Categoria M * Em que M é a raiz quadrada arredondada do número total de organizações membro que fazem parte da certificação Fairtrade caso haja menos de 400 organizações afiliadas; caso contrário, M é igual a 20. A Categoria pode ser encontrada na tabela em baixo. 2º grau / 3º grau Número médio de membros por organização membro afiliada A < B C VERSION: 26 / PAGE 10 OF 18

11 D E F > , Tabela Taxa Anual de Produto Adicional As taxas em cima são calculadas para um produto. Cobra-se a seguinte taxa por cada produto adicional a ser comercializado sob condições de Fairtrade (ver Anexo 1): 2º grau / 3º grau A Produto adicional Tabela Taxa Anual de Instalação de Processamento Se a Organização de Pequenos Produtores opera uma instalação de processamento tal como definido no Anexo 2, a seguinte taxa é cobrada por instalação de processamento 6. A taxa anual é a soma das taxas por instalação de processamento individual, tal como descrito na tabela em baixo. 2º grau / 3º grau Instalação de Processamento A 1 10 trabalhadores B trabalhadores 184 C > 100 trabalhadores 369 Tabela Taxa Anual para Entidades Subcontratadas Se a Organização de Pequenos Produtores tiver subcontratantes envolvidos nos produtos Fairtrade do Operador Certificado e cujas atividades são controladas por contrato, o seguinte valor é cobrado por entidade subcontratada. Por favor, note que apenas um máximo de 3 subcontratantes é cobrado. Os clientes certificados que atuam como subcontratantes ficarão isentos. 2º grau / 3º grau Entidade subcontratada A A instalação de processamento pode pertencer às organizações de 1º grau afiliadas ou à organização de 2º ou 3º grau. 7 Trabalhadores incluem todos os funcionários permanentes, sazonais e temporários que trabalham na respetiva instalação de processamento. VERSION: 26 / PAGE 11 OF 18

12 Exemplo: Uma organização de café de 2º grau com 20 organizações membro (o número médio de membros para cada organização é 350 membros) está certificado para café e mel. Além disso, a organização de 2º grau opera duas instalações de processamento com 9 e 45 trabalhadores. Fator M = 4 Tipo de organização Cat Indicador Fator Taxa individual Taxa total cobrada 2º grau A Estrutura Central x 1, , D Membros x , A Produto adicional x A 1 10 trabalhadores x B trabalhadores x Total: Modificação das taxas de certificação As Taxas de Certificação podem aumentar ou diminuir mediante os seguintes fatores: Aos produtores que exportam para outros produtores serão cobrados 15% adicionais para além da sua taxa de certificação. Caso o cliente opte por realizar a auditoria inicial de Certificação de Comerciantes separadamente da auditoria regular de Certificação de Produtores, a taxa é calculada como se fosse uma auditoria de acompanhamento. A FLOCERT conserva o direito de cobrar custos adicionais às taxas de certificação, caso os custos estabelecidos para as auditorias sejam excedidos, o que pode vir a ocorrer devido a necessidade de dias adicionais para a realização de auditorias (taxa diária de 350 euros) e/ou custos de viagens relacionados as auditorias (custos estimados de viagem, mais 20%). Caso a FLOCERT verifique que os produtos Fairtrade foram comercializados previamente à emissão da Autorização de Comercialização, será cobrado pro rata o dobro da taxa de certificação anual a partir da data de venda até à data de emissão da Autorização de Comercialização (máx ) Aquando da emissão do certificado orgânico para auditorias de vigilância e renovação, será aplicada uma redução de 12% da taxa. A taxa de certificação anual não inclui custos de viagens entre filiais de uma organização Na eventualidade de serem feitos quaisquer ajustes a faturas de acordo com esta secção, tais ajustes devem ser indicados com clareza na fatura. 6 Taxas para produtos específicos Conformidade Social do Algodão: No caso de uma unidade/estrutura relacionados a um comerciante de algodão (por exemplo, descaroçador subcontratado) aos quais se aplicam os requisitos de Conformidade Social, favor consulte também os seguintes documentos: TC Appendix3TCFeeList ED TC SocialComplianceCotton ED VERSION: 26 / PAGE 12 OF 18

13 7 Taxas de cancelamento Se uma auditoria é cancelada ou adiada por um operador em menos de 10 dias antes da data mutuamente acordada (entre o auditor e o operador) para a auditoria, o operador será requisitado a pagar outra fatura com um valor igual ao da taxa de certificação inicial / anual antes da data da próxima auditoria. Se uma auditoria é unilateralmente cancelada por um operador no prazo de 30 dias, mas em 10 ou mais dias corridos antes da data mutuamente acordada (entre o auditor e o operador) para a auditoria, o operador será requisitado a pagar outra fatura com um montante igual a 50% do valor da taxa da auditoria inicial / anual antes da data da próxima auditoria. Em caso de força maior, o Gerente Regional responsável decidirá se as condições justificam o cancelamento da auditoria. Caso se justifique o operador não será requerido a pagar quaisquer custos. 8 Taxa de auditoria de acompanhamento Como parte do processo de certificação da FLOCERT, pode ser necessário verificar as violações fundamentais e não conformidades maiores dos Critérios Fairtrade através de uma Auditoria de Acompanhamento no local. Estas Auditorias de Acompanhamento focam-se exclusivamente nas não-conformidades identificadas durante uma Auditoria Inicia, de Monitorização ou de Renovação e são cobradas adicionalmente à respetiva Taxa de Certificação Inicial ou Anual. Uma Auditoria de Acompanhamento é cobrada com base no tempo e nos gastos. O montante da fatura é de 358 por dia (incluindo dias de viagem e relatório) além dos custos de viagem. Os custos de viagem equivalem aos custos de viagem estimados mais 20% de contingência. Caso tenha dúvidas sobre o Sistema de Taxas de Certificação de Produtores da FLOCERT, por favor entre em contato connosco em VERSION: 26 / PAGE 13 OF 18

14 9 Histórico de alterções Versão Autor/ Revisor Data de aprovação 24 Marla Naidoo Marla Naidoo Alterações 1. Taxa de redução de orgânicos eliminada (RMM, ). 2. Taxa de candidatura de produto adicional e de entidade adicional eliminada (Decisão HoC e Diretório OpS simplificação da taxa). 3. Taxa de auditor adicional eliminada (Decisão HoC e Diretório OpS simplificação da taxa). 4. Redução alterada para a taxa inicial do produto adicional de 210 para 180 (Decisão HoC e Diretório OpS simplificação da taxa). 5. Taxa computadorizada de acompanhamento eliminada (Decisão HoC e Diretório OpS simplificação da taxa). 6. Tabela alterada: harmonização com outras configurações de certificação de produtores: 90 /180 /360 (nunca chegou a ser implementada no configurador de taxas). 7. Número máximo de subcontratantes (elegíveis para auditoria) a serem cobrados alterado de 5 para 3 (RMM confirmação ). 8. Taxa de Produto Adicional cobrada por categoria de produto definida pela Fairtrade International (confirmado por Clay a ). 1. Produtores que exportam para outros produtores serão cobrados 15% adicionais para além da sua taxa de certificação. Caso o cliente opte por realizar a auditoria inicial de Certificação de Comerciantes separadamente da auditoria regular de Certificação de Produtores, a taxa é calculada como se fosse uma auditoria de acompanhamento. 2. Caso a FLO-CERT verifique que os produtos da Fairtrade foram comercializados previamente à emissão da Autorização de Comercialização, será cobrado pro rata o dobro da taxa de certificação anual a partir da data da venda até à data de emissão da Autorização de Comercialização. (em sintonia com a aplicação do Procedimento Operativo Padrão) 3. A taxa de exceção não é aplicável à rastreabilidade física de produtos compostos e retrocertificação de chá e açúcar (RM 15/08/2013). 4. Todos os exemplos foram corrigidos para refletir o montante correto por produto adicional (180 ) e número de trabalhadores no processamento (90 e 180 ). 5. A taxa de certificação anual será cobrada com base na data da fatura inicial como referência num ciclo de 12 meses (RM 31/01/2013). 6. Os clientes certificados que atuam como subcontratantes ficarão isentos (Mantis 3892). VERSION: 26 / PAGE 14 OF 18

15 26 Marla Naidoo Tabela Pequena alteração nos intervalos 2. Tabela Pequena alteração nos intervalos 3. Tabela Pequena alteração nos intervalos 4. Tabela Pequena alteração nos intervalos 5. Tabela Alteração de Instalação de processamento para Trabalhadores por instalação de processamento 6. Pequena alteração nos exemplos das páginas 6, 8 e Caso a FLOCERT verifique que os produtos da Fairtrade foram comercializados previamente à emissão da Permissão de Comercialização, será cobrado pro rata o dobro da taxa de certificação anual a partir da data da venda até à data de emissão da Autorização de Comercialização (máx.de 5000 ) 8. Aquando da emissão do certificado orgânico para auditorias de vigilância e renovação, será aplicada uma redução de 12% da taxa. 9. A taxa de certificação annual não inclui custos de viagens entre filiais de uma organização 10. Aumento de 2,5 % de todas as taxas em Alteração do endereço de de para VERSION: 26 / PAGE 15 OF 18

16 Anexo 1 Lista de Produtos 1. Acrescentar uma categoria de produto à certificação Fairtrade PC FeeSysSPO ED Por exemplo, caso deseje adicionar o produto mel à sua certificação Fairtrade e está atualmente certificado para o produto café, uma nova categoria de produtos é incluída no seu certificado. Para tal, deve-se notificar e aguardar a confirmação da FLOCERT antes de iniciar a comercialização do produto dentro das condições da Fairtrade. 2. Acrescentar um tipo de produto da mesma categoria de produto à certificação Fairtrade Para certos tipos de produtos, é necessário candidatar-se à FLOCERT caso queira incluir um produto na sua certificação de Fairtrade mesmo que pertença à mesma categoria de produtos para a qual é certificado atualmente. Os respetivos produtos estão listados abaixo: Categoria do Produto: Frutas Desidratadas Fruta Fresca Vegetais Frescos Sumo de Fruta Nozes e Oleaginosas Tipo de produto: Damasco, Banana, Tâmara, Manga, Ananás, Uva passa, Uva sultana, Tomate, Damasco Selvagem Maçã, Abacate, Coco, Toranja, Limão, Lima, Líchia, Manga, Melão, Laranja, Mamão, Maracujá, Pêssego e Nectarina, Pera, Ananás, Ameixa, Citrinos suaves, Uvas de mesa Feijão-verde, Pimento Verde, Batatas Novas, Ervilhas, Pimento Vermelho e Amarelo, Batas Doces Maçã, Polpa de araçá, Banana, Toranja, Polpa de goiaba, Lima, Polpa de líchia, Mandarina, Polpa de manga, Manga para a polpa, Laranja, Maracujá, Ananás Amêndoa, Semente de Damasco, Castanha do Pará, Sementes de Damasco, Castanha de Caju, Macadâmia, Azeite de Oliva, Azeitona, Amendoim, Semente de Gergelim, Manteiga de Karité, Nozes Candidatura necessária Sim Sim Sim Sim Sim VERSION: 26 / PAGE 16 OF 18

17 Anexo 2 Instalações de Processamento As instalações de processamento sob propriedade de uma Organização de Pequenos Produtores (pode ser uma organização de 1º, 2º ou 3º grau) são parte da auditoria realizada pela FLOCERT. A taxa de certificação é cobrada pelas instalações de processamento para as quais um ou mais dos seguintes indicadores são relevantes: Os trabalhadores são contratados pela Organização de Pequenos Produtores na instalação de processamento (condições de trabalho diferentes); Requisitos adicionais de saúde & segurança são aplicáveis à instalação de processamento (ex. relacionados com ambientes de trabalho perigosos ou uso de químicos); Requisitos ambientais adicionais são aplicáveis à instalação de processamento (ex. manejo de resíduos ou águas residuais); A seguinte tabela oferece uma visão geral das instalações de processamento que serão auditadas se um ou mais dos indicadores citados acima forem aplicáveis. Categoria do Produto: Bananas Cacau Café Algodão Açúcar de cana Frutas Desidratadas Sumo de Fruta Frutas Fresca/ Legumes Ervas e Especiarias Mel Nozes e Oleaginosas Quinoa Instalações de Processamento no Local Limpeza, classificação, embalagem e armazenamento Limpeza, descascamento, secagem, torrefação, moagem, trituração, limpeza prévia, classificação e embalagem e armazenamento. Torrefação, classificação, lavagem, descascamento, embalagem e armazenamento. Embalagem, armazenamento e descaroçamento. Esmagamento e extração de suco, filtragem ou purificação, ebulição, solidificação, embalagem e armazenamento. Limpeza, secagem, reumidificação, classificação e embalagem. Despolpa, pasteurização, preenchimento & engarrafamento e armazenamento. Limpeza, classificação, embalagem e armazenamento refrigerado. Limpeza, secagem, classificação, trituração, embalagem e armazenamento. Não relevante. Quebra da casca, limpeza, torrefação ou secagem, reumidificação, classificação, embalagem e armazenamento. Benefício/lavagem, polimento, embalagem e armazenamento. VERSION: 26 / PAGE 17 OF 18

18 Arroz Soja Leguminosas Chá Vinho Benefício, classificação, embalagem e armazenamento. Descascamento, extração com solvente de óleo, secagem de flocos de soja, limpeza, embalagem. Destining, desidratação, dimensionamento, despeliculização, classificação, limpeza, embalagem. Limpeza, trituração/laminação, fermentação, secagem/queima, peneiramento, classificação, embalagem e armazenamento. Limpeza, esmagamento, fermentação, engarrafamento e armazenamento. Nota 1: Entidades adicionais são quaisquer entidades incluídas, não limitadas a partes adicionais e subcontratantes que estejam envolvidos com os produtos Fairtrade do operador certificado, cujas atividades sejam controladas pelo operador certificado através de contrato ou propriedade. Nota 2: Produtos adicionais serão faturados de acordo com os Padrões de Produtos estabelecidos pela Fairtrade International. VERSION: 26 / PAGE 18 OF 18

Sistema de Tarifas para Trabalho Contratado

Sistema de Tarifas para Trabalho Contratado 29 pt Sistema de Tarifas para Trabalho Contratado Documento Explicativo Efetivo conforme: 01/01/2017 Distribuição: Externa Pública Índice 1 Introdução... 3 1.1 Definições... 3 2 Taxa de candidatura...

Leia mais

Candidatura à Certificação Fairtrade

Candidatura à Certificação Fairtrade 15 pt Candidatura à Certificação Fairtrade Procedimento Operacional Padrão Válido a partir de: 16/01/2015 Distribuição: Público Tabela de Conteúdo 1 Propósito... 4 2 Área de candidatura... 4 2.1 Quem precisa

Leia mais

CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico. Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar

CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico. Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar CONSERVAÇÃO DE FRUTAS E HORTALIÇAS PELO CONTROLE DE UMIDADE VANTAGENS ECONÔMICAS: Menor

Leia mais

CRITÉRIOS DE COMÉRCIO JUSTO

CRITÉRIOS DE COMÉRCIO JUSTO FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL CRITÉRIOS DE COMÉRCIO JUSTO PARA Nozes e Sementes Oleaginosas DE Organizações de Pequenos Produtores PARTE A Critérios Genéricos de Comércio Justo para Organizações

Leia mais

Sugestão de Cardápio da Dieta Detox para 1 Semana

Sugestão de Cardápio da Dieta Detox para 1 Semana Sugestão de Cardápio da Dieta Detox para 1 Semana Preparamos essa versão em PDF do cardápio completo da Dieta Detox para uma semana, assim você poderá imprimir e ter todo o cardápio em suas mãos, facilitando

Leia mais

Sugestão de Cardápio para o Jejum de 21 dias do MIESF12

Sugestão de Cardápio para o Jejum de 21 dias do MIESF12 ALMOÇO 1 Dia 2 Dia 3 Dia de ervas -Pão torrado -Mamão - fruta (melão) ou água de côco -Salada de folhas temperadas c/ azeite e orégano. -1 prato de sobremesa de legumes cozidos ou purê de batatas. - Arroz

Leia mais

CERT Certification SOP 30 pt. Certificação. Procedimento Operacional Padrão. Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública

CERT Certification SOP 30 pt. Certificação. Procedimento Operacional Padrão. Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública 30 pt Certificação Procedimento Operacional Padrão Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública Índice 1 Propósito deste documento... 3 2 Área de candidatura... 3 3 Idiomas e Traduções... 3 4 Sistema

Leia mais

PC MeeiroPolicy ED 13 pt. Meeiropolicy. Documento Explicativo. Válido a partir de: 26/04/2010 Distribuição: Público

PC MeeiroPolicy ED 13 pt. Meeiropolicy. Documento Explicativo. Válido a partir de: 26/04/2010 Distribuição: Público 13 pt Meeiropolicy Documento Explicativo Válido a partir de: 26/04/2010 Distribuição: Público Índice 0 Propósito... 3 1 Área de candidatura... 3 2 Norma... 3 3 Terminologia para o uso deste documento:...

Leia mais

PDR 2020. 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas

PDR 2020. 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas PDR 2020 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas Equipa Portal dos Incentivos Nov 2014 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Descrição da Operação... 2 1.2 Beneficiários...

Leia mais

Critérios de Comércio Justo

Critérios de Comércio Justo FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL Critérios de Comércio Justo para Frutas Frescas (Exceto Bananas) e Vegetais Frescos DE Organizações de Pequenos Produtores Versão Atual: 18.06.2008 Substitui

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Nozes de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011 Substitui a versão anterior de: 16.02.2009 Data esperada para a próxima revisão: 2016 Envie seus comentários

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Mel de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 16.02.2009 Substitui a versão anterior de: 01.02.2005 Data esperada para a próxima revisão: 2014 Envie seus comentários

Leia mais

Taxas de Certificação de Comercialização

Taxas de Certificação de Comercialização 85 pt Taxas de Certificação de Comercialização Documento Explicativo Efetivo conforme: 01/01/2016 Distribuição: Externa Público Índice 1 Taxas de candidatura... 3 2 Taxas anuais de certificação (Válidas

Leia mais

Mudanças Principais no Critério

Mudanças Principais no Critério Mudanças Principais no Critério Critério do Comércio Justo Fairtrade para Organizações de Pequenos Produtores O Critério revisado do Comércio Justo Fairtrade para Organizações de Pequenos Produtores (OPP)

Leia mais

FLOCERT GmbH Lista Pública de Critérios de Conformidade - Certificação Comercial. www.flocert.net. NSF Checklist TC 6.8 PT-PT 10 Jul 2014

FLOCERT GmbH Lista Pública de Critérios de Conformidade - Certificação Comercial. www.flocert.net. NSF Checklist TC 6.8 PT-PT 10 Jul 2014 FLOCERT GmbH Lista Pública de s de Conformidade - Certificação Comercial Os critérios de Conformidadesão estabelecidos pela FLO-CERT para traduzir os requisitos dos s de Fairtrade e da FLO-CERT em pontos

Leia mais

PDR 2014-2020. 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas

PDR 2014-2020. 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas PDR 2014-2020 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas Portal dos Incentivos Maio 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários...

Leia mais

Débora Creutzberg. São Paulo, 9 de dezembro de 2008

Débora Creutzberg. São Paulo, 9 de dezembro de 2008 O Mercado de Frutas na Alemanha Débora Creutzberg São Paulo, 9 de dezembro de 2008 Informações Gerais sobre Alemanha Condições econômicas e políticas (Dados ano 2008) Área População Capital 357.104 km²

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Frutas Preparadas e Conservadas. Trabalho Contratado

Critério do Comércio Justo para. Frutas Preparadas e Conservadas. Trabalho Contratado Critério do Comércio Justo para Frutas Preparadas e Conservadas de Trabalho Contratado Versão atual: 01.05.2011_v1.4 Data esperada para a próxima revisão: 2016 Envie seus comentários e perguntas para:

Leia mais

TABELA DE ph DOS ALIMENTOS

TABELA DE ph DOS ALIMENTOS TABELA DE ph DOS ALIMENTOS Esta tabela não representa o ph real dos alimentos (antes de serem consumidos), representa sim algo mais importante, que é a sua capacidade de produzir "resíduos" mais ou menos

Leia mais

Programa 5 ao Dia. Faz Crescer com Energia. O que conta como uma porção para o 5 ao Dia? Mercado Abastecedor da Região de Évora, S.A.

Programa 5 ao Dia. Faz Crescer com Energia. O que conta como uma porção para o 5 ao Dia? Mercado Abastecedor da Região de Évora, S.A. O que conta como uma porção para o 5 ao Dia? Programa 5 ao Dia Frutas ou Hortícolas Tamanho das peças de Frutas ou Hortícolas Equivalência em gramas Abacate 1/5 de um médio 30 Aipo 2 talos médios 110 Alface

Leia mais

Merendeira. Benefícios de uma alimentação saudável o Critério das Cores Diversas dos Alimentos Ajuda na prevenção da obesidade Bullying

Merendeira. Benefícios de uma alimentação saudável o Critério das Cores Diversas dos Alimentos Ajuda na prevenção da obesidade Bullying Merendeira 1) Objetivos Gerais Através do trabalho da merendeira, aprofundar os conhecimentos sobre a preparação de uma refeição saudável com o uso dos utensílios e eletrodomésticos presentes na cozinha.

Leia mais

Receitas com farinhas e sucos de frutas

Receitas com farinhas e sucos de frutas Farofa de farinha de banana verde 150 g de farinha de mandioca 150g de farinha de banana verde 4 unidades de tomates picados em quadrados pequenos 1 unidade média de abobrinha verde picada em quadrados

Leia mais

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 CAMARA SETORIAL DA BORRACHA A CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 LEGISLAÇÃO Decreto nº 68.678, de 25 de maio de 1971 cria a Comissão Especial de Planejamento, Controle e Avaliação das Estatísticas

Leia mais

Maçăs e Pêras CORES DA TERRA

Maçăs e Pêras CORES DA TERRA Maçăs e Pêras CORES DA TERRA 12 Maçă Mini Pequena Média Grande Super Extra I Super Extra II Escultural Escultural II Branca 5010 5003 5006 5009 6006 6055 31001 31026 Preta Verde 5032 5011 5031 5001 5030

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Café de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011 Substitui a versão anterior de: 16.02.2009 Data esperada para a próxima revisão : 2013 Envie seus comentários

Leia mais

Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014

Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014 Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014 PRODUTOS Jan-Jun 2013 Jan-Jun 2014 Crescimento 2013/2014 Outras frutas de casca rija e outras sementes, preparadas ou

Leia mais

Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio

Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio www.fair TradeUSA.org Fair Trade USA 2013. Todos os direitos reservados. Condições especiais do Preço e do Prêmio Esse anexo contém Termos de Preço

Leia mais

Sugestões antioxidantes:

Sugestões antioxidantes: Sugestões antioxidantes: Os principais fontes dos antioxidantes naturais são as frutas, verduras e legumes. A ação antioxidante das vitaminas A, C e E encontradas nestes alimentos ajuda a evitar a formação

Leia mais

Receitas de Sucos. Sucos com Frutas. Suco de abacaxi e gengibre. Suco de laranja, amora e grapefruit. Batida de papaya e laranja

Receitas de Sucos. Sucos com Frutas. Suco de abacaxi e gengibre. Suco de laranja, amora e grapefruit. Batida de papaya e laranja Receitas de Sucos Sucos com Frutas Suco de abacaxi e gengibre 1 abacaxi médio bem maduro 1 colher de sopa de gengibre fresco picado 4 copos de água Lavar bem o abacaxi usando uma escova. Descascar com

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Vegetais de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011_v1.1 Data esperada para a próxima revisão: 2016 Envie seus comentários e perguntas para: standards@fairtrade.net

Leia mais

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 1 Universidade Estadual de Ponta Grossa - Professor Doutor Associado Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade

Leia mais

Observação: crianças, adolescentes, gestantes e praticantes de atividades físicas intensas têm recomendações diferenciadas.

Observação: crianças, adolescentes, gestantes e praticantes de atividades físicas intensas têm recomendações diferenciadas. Atualizado em 15.01.2014 O Lanche Certo tem como objetivo orientar sobre escolhas alimentares adequadas de lanches no trabalho, o que possibilita a melhora de hábitos alimentares, além da promoção da saúde

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

Sua majestade o. www.evsvipmooca.com.br

Sua majestade o. www.evsvipmooca.com.br Sua majestade o www.evsvipmooca.com.br Shake Tradicional - Muito simples e delicioso! Esta é a maneira mais comum, simples e prática de preparar o seu Shake Herbalife no dia-a-dia. Serve para qualquer

Leia mais

CORTE O AÇÚCAR, ELIMINE GRÃOS E FARINHAS, NÃO CONSUMA NADA PROCESSADO E CORTE LATICÍNIOS.

CORTE O AÇÚCAR, ELIMINE GRÃOS E FARINHAS, NÃO CONSUMA NADA PROCESSADO E CORTE LATICÍNIOS. Desafio: Whole30 INTRODUÇÃO Seja bem-vindo ao seu novo programa de reeducação alimentar Whole30! A partir de hoje durante 30 dias você vai seguir essa dieta exatamente como está aqui. Cada vez que você

Leia mais

DIETA SEM GLÚTEN E SEM LACTOSE 1600 calorias

DIETA SEM GLÚTEN E SEM LACTOSE 1600 calorias 1.600kcal CAFÉ DA MANHÃ 1 fatia de pão de banana verde - Cellis 1 fatia de pão de banana verde pode ser substituído por 5 Cookies integrais sem glúten mel e laranja - Jasmine 1/2 Muffin de cenoura - Sabor

Leia mais

1/6 Public_ChangeLog TC FO 8.2 pt

1/6 Public_ChangeLog TC FO 8.2 pt Modificações nos Critérios de conformidade para comerciantes, versão 8.2 em vigor a partir de 15 de Dezembro de 2015 Changes Referência Aplicável a: CC No. FLOCERT Critério de Conformidade Rank 1 Rank

Leia mais

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. www.san.ag Este documento está disponível nos seguintes sites: www.san.ag www.rainforest-alliance.org

Leia mais

A diversificação não deve ser iniciada antes dos 4 meses nem depois dos 6 meses

A diversificação não deve ser iniciada antes dos 4 meses nem depois dos 6 meses Início da Diversificação A diversificação não deve ser iniciada antes dos 4 meses nem depois dos 6 meses Substituir uma refeição de leite por: Papa sem glúten ou sopa de legumes (antes dos 6 meses) Papa

Leia mais

Receitas Deliciosas de Aproveitamentos APRESENTAÇÃO EVITANDO O DESPERDÍCIO. Receitas deliciosas com talos, folhas e sementes

Receitas Deliciosas de Aproveitamentos APRESENTAÇÃO EVITANDO O DESPERDÍCIO. Receitas deliciosas com talos, folhas e sementes APRESENTAÇÃO A alimentação e tão necessária ao nosso corpo quanto o ar que precisamos para a nossa sobrevivência, devem ter qualidade para garantir a nossa saúde. Quando falamos em alimentação com qualidade

Leia mais

Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas

Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas Junho 2014 Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas Índice Enquadramento..3 Tipos de Apoio da Ação 1.1.1....4 Quem são os beneficiários?...5 Critérios de elegibilidade dos beneficiários...6

Leia mais

Receitas para as Festas de Fim de Ano

Receitas para as Festas de Fim de Ano Salada Agridoce 1 molho de alface americano 2 xícaras de chá de repolho roxo cortado bem fino 1 maçã vermelha, picada em quadradinhos pequenos 1 colher de sopa de uvas passas sem sementes 3 talos de aipo

Leia mais

PRÉ DETOX LISTA DE COMPRAS

PRÉ DETOX LISTA DE COMPRAS PRÉ DETOX LISTA DE COMPRAS SUPERMERCADOS E LOJAS: SÃO PAULO: Pão de Açúcar St. Marché Santa Luzia Mundo Verde Estação dos Grãos LOJAS VIRTUAIS: Casa de Saron Natue Estação dos Grãos Monama Organomix Zona

Leia mais

Colégio Sagrado Coração de Jesus Marília /SP

Colégio Sagrado Coração de Jesus Marília /SP Colégio Sagrado Coração de Jesus Marília /SP CARDÁPIO DO LANCHE DA MANHÃ/TARDE- Educação Infantil Mês de Janeiro e Fevereiro 2ª FEIRA 1 iogurte (beber) sabor morango 4 biscoitos cream cracker c/ manteiga

Leia mais

Documento Explicativo 1

Documento Explicativo 1 FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL CRITÉRIOS FAIRTRADE E FAIRMINED PARA OURO DE MINERAÇÃO ARTESANAL E EM PEQUENA ESCALA, INCLUINDO METAIS PRECIOSOS ASSOCIADOS Documento Explicativo 1 Versão

Leia mais

NECPAR - Núcleo de Educação Continuada do Paraná Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional

NECPAR - Núcleo de Educação Continuada do Paraná Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional PURÊ DE ABÓBORA COM GENGIBRE E CÚRCUMA 1 Kg de abóbora cabochá picada 2 colher (sopa) de manteiga 2 rodelas de gengibre fresco ralado 2 colheres (chá) de raspinhas de limão 1 colher (sopa) cúrcuma 12 medidas

Leia mais

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES.

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES. PARA SABERMOS COMO A ALIMENTAÇÃO DEVE SER EQUILIBRADA, PRECISAMOS CONHECER A PIRÂMIDE ALIMENTAR, QUE É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS ALIMENTOS E SUAS QUANTIDADES QUE DEVEM ESTAR PRESENTES EM NOSSA DIETA

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

www.aliminasalimentos.com.br

www.aliminasalimentos.com.br www.aliminasalimentos.com.br Aliminas faz bem para o seu lucro. A Aliminas é uma empresa 100% brasileira que atua na produção, importação e distribuição de alimentos. Com a credibilidade de quem tem mais

Leia mais

CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS

CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS Brasília/DF, 26 de novembro de 2010 LUZIA M. SOUZA FFA(ENGª AGRª,

Leia mais

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico;

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 17, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Receitas Diversas de Shake Herbalife

Receitas Diversas de Shake Herbalife Receitas Diversas de Shake Herbalife Batido de Fruta Fizz 1 laranja (descascada sem caroços) 1/2 banana 4 colheres de sopa de iogurte desnatado 200 ml de leite desnatado +/- 320 calorias Batido de Melancia

Leia mais

Sugestões de refeições para o Dia de S. Valentim. Inclui receitas

Sugestões de refeições para o Dia de S. Valentim. Inclui receitas Sugestões de refeições para o Dia de S. Valentim Inclui receitas Ficha Técnica Título: Sugestões de refeições para o Dia de S. Valentim Concepção: Mariana Barbosa Corpo redactorial: Mariana Barbosa Revisão:

Leia mais

LISTA DE SUBSTITUIÇÃO DOS ALIMENTOS

LISTA DE SUBSTITUIÇÃO DOS ALIMENTOS LISTA DE SUBSTITUIÇÃO DOS ALIMENTOS VEGETAIS FOLHOSOS CONSUMO À VONTADE Acelga, agrião, aipo, alface, alcachofra, almeirão, broto de bambu, cogumelo, couve, couve-de-bruxelas, escarola, mostarda, palmito,

Leia mais

Plano de alimentação para perder 3 KG por mês mas para alcançar esse objetivo tem que ser feito arrisca.

Plano de alimentação para perder 3 KG por mês mas para alcançar esse objetivo tem que ser feito arrisca. Plano de alimentação para perder 3 KG por mês mas para alcançar esse objetivo tem que ser feito arrisca. Exemplo: A hora é você que decide somente estou dando um exemplo de horário; Café da Manha 7h Antes

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC N 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011

RESOLUÇÃO RDC N 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011 RESOLUÇÃO RDC N 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 11 Legislações ANVISA Ter, 22 de Fevereiro de 11 RESOLUÇÃO RDC N 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 11 Dispõe sobre limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos.

Leia mais

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros* Objetivo Estabelecer as diretrizes básicas de conduta

Leia mais

CHESTER SALTEADO DE AMEIXA E PÊSSEGO

CHESTER SALTEADO DE AMEIXA E PÊSSEGO OUTRAS RECEITAS CHESTER SALTEADO DE AMEIXA E PÊSSEGO 2 colheres (sopa) de suco de pêssego pronto para beber 2 colheres (sopa) de azeite de oliva 2 colheres (sopa) de alecrim picado 2 colheres (sopa) de

Leia mais

Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins)

Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins) Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins) 1.1 Sobre o Projeto Contratante: ABPM- Associação Brasileira de Produtores de Maçãs Objetivo: Desenvolvimento de um projeto de Análise

Leia mais

Amadora Sintra ALIMENTAÇÃO

Amadora Sintra ALIMENTAÇÃO Amadora Sintra ALIMENTAÇÃO no 1º ano de vida INÍCIO DA DIVERSIFICAÇÃO A diversificação pode ser iniciada após os 4 meses. Substituir uma refeição de leite por: Papa sem glúten ou caldo de legumes (antes

Leia mais

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL?

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? O Ministério da Saúde está lançando a versão de bolso do Guia Alimentar para a População Brasileira, em formato de Dez Passos para uma Alimentação Saudável, com o objetivo

Leia mais

Alternativo: Decore as Taças com morangos inteiros. Pode variar com outros Sabores de Pó Nutricional Herbalife (Baunilha, Chocolate e Frutas).

Alternativo: Decore as Taças com morangos inteiros. Pode variar com outros Sabores de Pó Nutricional Herbalife (Baunilha, Chocolate e Frutas). 001 - BARRA DE CEREAIS INGREDIENTES 1 xícara de Pó Nutricional Herbalife Sabor Chocolate 1 xícara de flocos de arroz 1/4 xícara de mel 1/3 xícara de amendocrem diet Misturar todos os ingredientes e amassar

Leia mais

Livro de Receitas. Receitas do. Chef César Santos

Livro de Receitas. Receitas do. Chef César Santos Livro de Receitas Receitas do Chef César Santos Camarão com arroz de coco Ingredientes: 400 g de filé de camarão 10 quiabos médios 50 g de pimentão verde 50 g de pimentão amarelo 50 g de pimentão vermelho

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 07, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 07, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 07, DE 18 DE FEVEREIRO

Leia mais

SOBRAS REQUINTADAS REAPROVEITE RESTOS ALIMENTARES NA PREPARAÇÃO DE RECEITAS ORIGINAIS E SABOROSAS REDUZA O SEU DESPERD ÍCIO ALIMENTAR

SOBRAS REQUINTADAS REAPROVEITE RESTOS ALIMENTARES NA PREPARAÇÃO DE RECEITAS ORIGINAIS E SABOROSAS REDUZA O SEU DESPERD ÍCIO ALIMENTAR SOBRAS REQUINTADAS REAPROVEITE RESTOS ALIMENTARES NA PREPARAÇÃO DE RECEITAS ORIGINAIS E SABOROSAS REDUZA O SEU DESPERDÍCIO ALIMENTAR Legumes cozidos ( ± 0,5 kg, variados) 250 gr de farinha 2dl de leite

Leia mais

Reabilitação experimental de lavouras de café abandonadas como pequenas unidades de produção familiar em Angola CFC/ICO/15 (AEP: INCA)

Reabilitação experimental de lavouras de café abandonadas como pequenas unidades de produção familiar em Angola CFC/ICO/15 (AEP: INCA) PJ 29 fevereiro 2012 Original: inglês 29/12 Add. 1 (P) P Comitê de Projetos/ Conselho Internacional do Café 5 8 março 2012 Londres, Reino Unido Resumo dos relatórios de andamento apresentados pelas Agências

Leia mais

Plantamos saúde para colher a sua satisfação.

Plantamos saúde para colher a sua satisfação. Catálogo 2015 Plantamos saúde para colher a sua satisfação. Acreditamos que uma alimentação saudável muda vidas, por isso, somos especializados em levar as melhores frutas e os mais saudáveis produtos

Leia mais

Livro Bonus de Receitas Ecológicas

Livro Bonus de Receitas Ecológicas Livro Bonus de Receitas Ecológicas Daniel Queijo de Amendoim 2 xícaras de amendoim germinado descascado; 1 Dente de Alho; 1/2 Cebola branca; 6 Colheres de Azeite; 1 Limão (suco e a raspa da casca de uma

Leia mais

Principais Mudanças nos Critérios

Principais Mudanças nos Critérios Principais Mudanças nos Critérios Critérios Genéricos de Comércio Justo para Organizações de Pequenos Produtores (versão de 01.05.2011) Os Critérios Genéricos de Comércio Justo para Organizações de Pequenos

Leia mais

Tapioca. Delícia. sem gluten. Mais saude com. 5kg em 1 mês. Ideal para evitar o inchaço. Receitas nutritivas. Melhor do que pão? recheios.

Tapioca. Delícia. sem gluten. Mais saude com. 5kg em 1 mês. Ideal para evitar o inchaço. Receitas nutritivas. Melhor do que pão? recheios. Mais saude com consultoria de Tapioca R$ Queime 5kg em 1 mês incluindo tapioca no cardápio Todas as matérias com especialistas Mais Saúde com Tapioca Ano 1, nº 1-2015 4,99 Receitas nutritivas Sucos, cereais

Leia mais

Receitas sem adição de açúcar

Receitas sem adição de açúcar O Diabetes é considerado um problema de saúde pública pelo número de pessoas que tem a doença. Segundo a OMS 7,6% da população brasileira maior de 40 anos é diabética. Isso representa aproximadamente 10

Leia mais

CATÁLOGO DE NATAL SELEÇÃO

CATÁLOGO DE NATAL SELEÇÃO CATÁLOGO DE NATAL SELEÇÃO 2 0 1 3 Fotos meramente ilustrativas. Beba com moderação. Caixa Cristal II 02 itens R$ 42,90 Caixa Cristal I 02 itens R$ 56,90 Caixa Cristal III 02 itens R$ 24,90 Fotos meramente

Leia mais

POLÍTICA DE CADEIA DE CUSTÓDIA

POLÍTICA DE CADEIA DE CUSTÓDIA POLÍTICA DE CADEIA DE CUSTÓDIA Maio 2012 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance Rede de Agricultura Sustentável (RAS): Conservación y Desarrollo, Equador Fundación Interamericana de Investigación

Leia mais

Apresentação AGRIANUAL 2015

Apresentação AGRIANUAL 2015 Apresentação Em anos de eleições, os empresários costumam ficar apreensivos quanto às posições dos candidatos em relação ao segmento em que operam. Mas quem está no agronegócio não precisa ter grandes

Leia mais

Candidatura, atribuição e pagamento de alojamento. Conselho de Gestão do IPPortalegre 2. Artigo 1º

Candidatura, atribuição e pagamento de alojamento. Conselho de Gestão do IPPortalegre 2. Artigo 1º Candidatura, atribuição e pagamento de alojamento Conselho de Gestão do IPPortalegre 21 07 2014 2 Artigo 1º O presente regulamento define as condições de candidatura, atribuição e pagamento de alojamento,

Leia mais

OS FRUTOS E OS VEGETAIS

OS FRUTOS E OS VEGETAIS OS FRUTOS E OS VEGETAIS Os frutos e os vegetais representam uma parte fundamental da alimentação saudável! De um modo geral, podemos dizer que estes alimentos são fornecedores indispensáveis de minerais

Leia mais

Receitas de chás. Chá de laranja e anis. Chá de maçã com gengibre. Chá com cardamomo. Chá com suco de morango

Receitas de chás. Chá de laranja e anis. Chá de maçã com gengibre. Chá com cardamomo. Chá com suco de morango Receitas de chás Chá de laranja e anis Casca de 2 laranjas 4 flores de anis-estrelado Ferver a água com a casca de laranja e as flores de anis por 3 minutos. Retirar o chá do fogo e adoçar a gosto. Tampar

Leia mais

PDR 2020. 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola

PDR 2020. 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola PDR 2020 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola Equipa Portal dos Incentivos Nov 2014 Índice Índice... 1 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Descrição... 2 1.2 Beneficiários... 2 1.3 Critérios de Elegibilidade

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Açúcar de Cana de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 29.08.2011 Substitui a versão anterior de: 01.05.2011 Data esperada para a próxima revisão: 2012 Envie

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO

SEGURO RURAL BRASILEIRO SEGURO RURAL BRASILEIRO Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 O QUE É O SEGURO RURAL? O seguro rural é uma importante ferramenta de gestão de riscos que protege

Leia mais

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias:

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1 Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: a) Mercadorias inteiramente obtidas ou elaboradas inteiramente no território de uma das Partes,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSUMIDOR PARA O PROGRAMA DE FIDELIDADE QUANTO MAIS DIÁRIAS MAIS PRÊMIOS

REGULAMENTO DO CONSUMIDOR PARA O PROGRAMA DE FIDELIDADE QUANTO MAIS DIÁRIAS MAIS PRÊMIOS REGULAMENTO DO CONSUMIDOR PARA O PROGRAMA DE FIDELIDADE QUANTO MAIS DIÁRIAS MAIS PRÊMIOS HPLUS ADMINISTRAÇÃO E HOTELARIA LTDA, empresa com sede na Cidade de Brasília, Distrito Federal, no Setor Comercial

Leia mais

CONTRATO DE CERTIFICAÇÃO

CONTRATO DE CERTIFICAÇÃO CONTRATO DE CERTIFICAÇÃO entre FLO-CERT GMBH E DENOMINAÇÃO LEGAL DO CLIENTE PARTES (1) FLO-CERT GmbH, criada e registada em Bonn, Alemanha, com o número de empresa 12937, com sede em Bonner Talweg 177,

Leia mais

Primeiro dia. Café da manhã. Pro lanche entre o café e o almoço. Para o almoço. Pro lanche entre o almoço e o jantar. Pro jantar. Segundo dia.

Primeiro dia. Café da manhã. Pro lanche entre o café e o almoço. Para o almoço. Pro lanche entre o almoço e o jantar. Pro jantar. Segundo dia. Dieta alimentar saudável com esta dieta você conseguira emagrecer ate 5 quilos em um mês sem prejudicar a saúde. Primeiro dia. 200 ml de leite desnatado, 1 colher de chá com azeite de oliva extra virgem,

Leia mais

Luciana Marques Naturóloga e Dermaticista Gerente Ouro FLP

Luciana Marques Naturóloga e Dermaticista Gerente Ouro FLP Luciana Marques Naturóloga e Dermaticista Gerente Ouro FLP Luciana Marques Naturóloga e Dermaticista Gerente Ouro FLP O que é DETOX? Sabe aquela faxina que de vez em quando a gente faz em casa? A gente

Leia mais

Resumo do Contrato Cartão Colombo visa

Resumo do Contrato Cartão Colombo visa Resumo do Contrato Cartão Colombo visa Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. SuMÁRIO EXECUTIVO Este resumo apresenta informações essenciais

Leia mais

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS Histórico do Seguro Agrícola no Brasil 1878 - Congresso Agrícola do Recife; Lei n 2.168, de 11 de janeiro de 1954, estabelece normas para a instituição do seguro agrário

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

24 Alimentos para Combater a CELULITE

24 Alimentos para Combater a CELULITE 24 Alimentos para Combater a CELULITE Agradecimento e Informações Muito obrigado por baixar nosso guia com orientações sobre a prevenção e combate a celulite. Nosso objetivo é colaborar com a divulgação

Leia mais

Critério do Comércio Justo Fairtrade. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo Fairtrade. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo Fairtrade para Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05. v1.2 Data prevista para a próxima revisão completa: 2016 Contato para comentários: standards-pricing@fairtrade.net

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo 1º. Definições:

REGULAMENTO. Capítulo 1º. Definições: REGULAMENTO A OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS CVC TUR LTDA., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às condições

Leia mais

de Cacau COOKIE FIT Modo de Preparo Ingredientes

de Cacau COOKIE FIT Modo de Preparo Ingredientes RECEITAS Fitness COOKIE FIT de Cacau 1 xícara (chá) de farinha de amêndoas* 2 colheres de sopa de manteiga ghee ou óleo de coco 1 ovo 1/4 de xícara de chá de cacau em pó 1 colher de sopa de essência ou

Leia mais

Cardápio do Berçário I (4 Meses a 1 ano) 1ª Semana

Cardápio do Berçário I (4 Meses a 1 ano) 1ª Semana Cardápio do Berçário I (4 Meses a 1 ano) 1ª Semana Matinal Papinha de mamão Papinha de pêra Papinha de banana Papinha de manga Papinha de maçã Papinha de carne moída com, beterraba e couve Papinha de batata

Leia mais

SUGESTÃO DE RECEITAS PARA O DIA DO ANO

SUGESTÃO DE RECEITAS PARA O DIA DO ANO SUGESTÃO DE RECEITAS PARA O 7 0 DIA DO ANO SUGESTÃO DE RECEITAS PARA O 7º DIA DO ANO Algo que nos chamou a atenção foi o hábito japonês, que também fazia parte da família Okada, de se ter um cardápio especial

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

Suco energético Ingredientes 200g de polpa de açaí 200g de xarope de guaraná 2 copos de água de coco 100g de granola Modo de Preparo

Suco energético Ingredientes 200g de polpa de açaí 200g de xarope de guaraná 2 copos de água de coco 100g de granola Modo de Preparo Gastronomia Infantil Funcional: Festa de Aniversário Menu do dia: Suco do Vampiro Suco Energético Bolinhos de Salmão Pastel integral de cenoura e ricota Dip do sapinho Bolo de banana com cobertura de chocolate

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

Barra da Bauducco. Adoçante Stévia (90 ml) 0 Cal / 7 gotas. Chocolate Doce Vida 70% Cacau. 90 Cal / unid. Sucos Shelby.

Barra da Bauducco. Adoçante Stévia (90 ml) 0 Cal / 7 gotas. Chocolate Doce Vida 70% Cacau. 90 Cal / unid. Sucos Shelby. Barra da Bauducco Goiabinha 90 Cal / unid. 90 Cal / unid. Adoçante Stévia (90 ml) 0 Cal / 7 gotas Doce Vida 70% Cacau 76 Cal / unid. Sucos Shelby Abacaxi Uva Pêssego Laranja 110 Cal / pouch 112 Cal / pouch

Leia mais

FUNDAÇÃO NACIONAL PARA A DEMOCRACIA DIRETRIZES DA PROPOSTA DIRETRIZ ADICIONAL

FUNDAÇÃO NACIONAL PARA A DEMOCRACIA DIRETRIZES DA PROPOSTA DIRETRIZ ADICIONAL Utilize este documento como uma ajuda adicional para escrever um orçamento ou narrativa da proposta. Se tiver outras perguntas, queria enviar um email à equipe regional do NED apropriada ou para proposals@ned.org.

Leia mais

5. É altamente recomendado que Rotaract Clubs mencionem após seu nome, patrocinado pelo Rotary Club de (nome).

5. É altamente recomendado que Rotaract Clubs mencionem após seu nome, patrocinado pelo Rotary Club de (nome). Declaração de Normas do Rotaract 1. O programa Rotaract foi desenvolvido e estabelecido pelo Rotary International. A autoridade pela elaboração e execução dos dispositivos estatutários, requisitos de organização,

Leia mais