CRITÉRIOS DE COMÉRCIO JUSTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRITÉRIOS DE COMÉRCIO JUSTO"

Transcrição

1 FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL CRITÉRIOS DE COMÉRCIO JUSTO PARA Nozes e Sementes Oleaginosas DE Organizações de Pequenos Produtores PARTE A Critérios Genéricos de Comércio Justo para Organizações de Pequenos Produtores Refere-se ao critério genérico para Organizações de Pequenos Produtores como um documento separado atualizado pela FLO em seu website. Note que as seguintes partes B e C somente são aplicáveis em conexão com o critério genérico. PARTE B Critérios Específicos de Produto para Nozes e Sementes Oleaginosas 2 Os critérios específicos de produto para nozes e sementes oleaginosas aplicam-se a todos os produtos e países para os quais um preço e/ou prêmio de Comércio Justo é definido na parte C abaixo. 1 Desenvolvimento Social 2 2 Desenvolvimento Econômico 2 3 Desenvolvimento Ambiental 2 PARTE C Critérios Comerciais para Nozes e Sementes Oleaginosas 3 Fairtrade Labelling Organizations International, Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, arquivada em um sistema de recuperação, ou transmitida em qualquer forma ou por quaisquer meios, eletrônico, mecânico, fotocópia, gravado ou de outra maneira sem completa atribuição. Esta versão dos critérios de Comércio Justo foi traduzida do inglês. Apesar do esforço da FLO em assegurar que as traduções sejam genuínas e precisas, deve-se observar que a versão em inglês é a única que será utilizada para a certificação, particularmente em casos de conflito sobre decisões de certificação. Fairtrade Standards Nuts and Oilseeds Small Farmers' Organisations March 2006 EN

2 PARTE B Critérios Específicos de Produto para Nozes e Sementes Oleaginosas No caso de castanhas da Amazônia (Brasil) e de frutos de karité, as organizações de pequenos produtores são de fato associações de catadores / coletores uma vez que estas variedades de castanha são produtos silvestres que são colhidos / coletados e processados. Os critérios genéricos para pequenos produtores são completamente aplicados às associações de catadores / coletores de castanha da Amazônia e frutos de karité com a exceção dos critérios sociais especificados abaixo. O termo pequenos produtores é definido para incluir catadores / coletores. 1 Desenvolvimento Social Não há critérios sociais adicionais específicos para produtores de castanhas e sementes, com exceção dos seguintes requerimentos mínimos adicionais para produtores de castanha de caju: 1.6 Saúde e segurança no trabalho Trabalhadores dentro das unidades de processamento devem estar adequadamente protegidos do líquido da castanha de caju Roupas e óleos protetores são fornecidos pelo empregador O empregador é responsável por assegurar que os empregados sejam treinados sobre o uso de roupas e óleos protetores O empregador é responsável por monitorar que empregados usem roupas e óleos protetores corretamente. 2 Desenvolvimento Econômico Não há critérios econômicos adicionais específicos para produtores de nozes e sementes oleaginosas. 3 Desenvolvimento Ambiental Não há critérios ambientais adicionais específicos para produtores de nozes e sementes oleaginosas. Fairtrade Standards Nuts and Oilseeds Small Farmers' Organisations March 2006 PT 2

3 PARTE C Critérios Comerciais para Nozes e Sementes Oleaginosas 1. Descrição do Produto Nozes e sementes são as sementes não torradas de Amendoim, Caju, Macadâmia e Amazônia (Brasil) e semente de gergelim natural branco, com exceção dos frutos de karité que são sementes de frutos do karité secas e torradas processadas em manteiga de karité. 2. Qualidades Os seguintes graus de qualidade de nozes de Comércio Justo podem ser comercializados a critério do comprador e vendedor: Todos os graus de qualidade de sementes convencionais e orgânicas de Amendoim Todos os graus de qualidade de sementes convencionais de Macadâmia Todos os graus de qualidade de castanhas convencionais e orgânicas de Caju Todos os graus de qualidade de sementes convencionais e orgânicas de karité processadas em manteiga de karité Castanhas da Amazônia inteiras (Médias / Anãs) convencionais e orgânicas Os seguintes critérios de qualidade aplicam-se às sementes oleaginosas comercializado sob condições de Comércio Justo: Semente convencional e orgânica de gergelim natural branco 99% puro 3. Procura por Relação Estável e de Longo Prazo Compradores e vendedores buscarão estabelecer uma relação estável e de longo prazo na qual os direitos e interesses de ambos são mutuamente respeitados. Comprador e vendedor assinarão acordos contratuais para a primeira parte da safra e uma carta de intenção para o resto da safra, a ser confirmada por contratos de compra conforme a colheita progrida, que estipula condições básicas como: volume, qualidade, procedimentos para estabelecer diferenciais e fixar preços, calendários de embarque etc.. 4. Condições Internacionais Usuais Todas as outras condições comerciais habituais aplicáveis a qualquer transação internacional serão aplicadas a menos que sejam anuladas por quaisquer das condições especiais da FLO Internacional como especificadas aqui. Exemplos de condições usuais são: Para Amendoim: a Federação de Associação de Óleos e Gorduras (FOSFA), Contrato No. 19 A Sementes de Amendoim ou Contrato No. 101 Sementes Africanas de Amendoim. Para a Castanha de caju, Macadâmia e Castanha da Amazônia: Associação Comercial Combinada de Nozes Comestíveis (CENTA). Para Sementes de Karité: a Federação de Associação de Óleos e Gorduras (FOSFA), Contrato No. 3 Sementes de Karité. Para Sementes de gergelim: a Federação de Associação de Óleos e Gorduras (FOSFA), Contrato No. 13 Semente de Gergelim. 5. Preço e Prêmio Todos os compradores atuando no sistema FLO usam os critérios da FLO Internacional quando fixam preços e consideram incluir fixação de preço a pedido do comprador em sua política. Fixação de preço, uma vez efetuado e confirmado, não pode ser mudada tanto pelo comprador quanto pelo vendedor. A base para a fixação de preço deverá ser a quotação de preço no Mercado mundial. Quando o exportador for diferente da organização produtora, o exportador e o produtor devem acordar um preço para os produtores que cubra os custos sustentáveis de produção. Fairtrade Standards Nuts and Oilseeds Small Farmers' Organisations March 2006 PT 3

4 O preço fixo estabelecido deverá ser aplicado se for mais alto que o preço mínimo de Comércio Justo. Além do preço fixo, deverá haver também um prêmio de Comércio Justo, que é mostrado na tabela a seguir. Para proteger os produtores, os seguintes preços mínimos de Comércio Justo foram definidos baseados nos custos sustentáveis de produção. Produto Amendoim Amendoim Orgânico Macadâmia Castanha de caju Castanha de caju Castanha da Amazônia Castanha da Amazônia Semente de Gergelim Semente de Gergelim Manteiga de Karité Origem África Ocidental Moeda / Unidade Preços Mínimos Porta da FOB Fazenda US$ / MT US$ / MT Prêmio além do preço US$ / kg US$ / MT US$ / MT Euro / MT O pagamento deve ser em dinheiro líquido contra a entrega de um conjunto completo de documentos na primeira apresentação. Os documentos a serem apresentados serão aqueles estipulados no contrato e os habituais para o comércio de nozes e sementes. 6. Pré-Financiamento/Crédito No caso de contratos com preços fixos o comprador deverá disponibilizar até 60% do valor do contrato, a pedido do vendedor. No caso de preços não fixados, o comprador deverá disponibilizar até 60% do valor estimado do contrato a pedido do vendedor, desde que comprador e vendedor acordem sobre um mecanismo que garanta que o(s) valor(es) do contrato cobrirá/ão o pré-financiamento. Por exemplo, através de uma cláusula stop/loss. Na ausência de tal mecanismo, o vendedor somente está autorizado a requerer um pré-financiamento de até 60% do preço mínimo de Comércio Justo. O pré-financiamento deve permitir o acesso de organizações de produtores a capital para comprar dos seus membros. Os instrumentos de pagamento (dinheiro, L/C Cláusula Vermelha etc.) serão estipulados no contrato, por acordo mútuo. Sempre que possível o Produtor Certificado FLO deverá receber pré-financiamento diretamente. Entretanto, onde o Importador Registrado FLO tiver que comprar através de um Exportador Registrado FLO, o Exportador Registrado FLO pode receber o pré-financiamento, desde que o Exportador Registrado FLO e o Produtor Certificado FLO tenham assinado um acordo definindo como lidar com o dinheiro do pré-financiamento e o cumprimento do contrato. 1 A libra-peso imperial = kg Fairtrade Standards Nuts and Oilseeds Small Farmers' Organisations March 2006 PT 4

5 No caso de vários embarques, a distribuição do pré-financiamento deve estar fixada nos contratos. Não é sempre necessário pré-financiar todo o montante antes do primeiro embarque. O pré-financiamento deve ser adaptado às reais necessidades da organização produtora. Se um importador requerer o prolongamento do calendário de embarque além dos limites estabelecidos pela boa prática comercial da organização de produtores (três meses após a colheita), os custos reais de armazenagem, juros e seguros têm de ser cobertos (pelo importador) nos termos do contrato. Esta regra não é aplicável naquelas organizações em cujos respectivos países existam regulamentações específicas de exportação que tornem o exposto acima impraticável. Fairtrade Standards Nuts and Oilseeds Small Farmers' Organisations March 2006 PT 5

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Nozes de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011 Substitui a versão anterior de: 16.02.2009 Data esperada para a próxima revisão: 2016 Envie seus comentários

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Mel de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 16.02.2009 Substitui a versão anterior de: 01.02.2005 Data esperada para a próxima revisão: 2014 Envie seus comentários

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Café de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011 Substitui a versão anterior de: 16.02.2009 Data esperada para a próxima revisão : 2013 Envie seus comentários

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Cacau de Organizações de Pequenos Produtores Também aplicado à Produção Contratada na Oceania Versão atual: 01.05.2011_v1.2 Data esperada para a próxima revisão : 2015 Envie

Leia mais

Critérios de Comércio Justo

Critérios de Comércio Justo FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL Critérios Comércio Justo para Nozes e Sementes Oleaginosas DE Organizações Pequenos Produtores Versão Atual: 04.11.2008 Substitui as versões anteriores :

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Vegetais de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011_v1.1 Data esperada para a próxima revisão: 2016 Envie seus comentários e perguntas para: standards@fairtrade.net

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Açúcar de Cana de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 29.08.2011 Substitui a versão anterior de: 01.05.2011 Data esperada para a próxima revisão: 2012 Envie

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Frutas Preparadas e Conservadas. Trabalho Contratado

Critério do Comércio Justo para. Frutas Preparadas e Conservadas. Trabalho Contratado Critério do Comércio Justo para Frutas Preparadas e Conservadas de Trabalho Contratado Versão atual: 01.05.2011_v1.4 Data esperada para a próxima revisão: 2016 Envie seus comentários e perguntas para:

Leia mais

Critérios de Comércio Justo

Critérios de Comércio Justo FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL Critérios de Comércio Justo para Frutas Frescas (Exceto Bananas) e Vegetais Frescos DE Organizações de Pequenos Produtores Versão Atual: 18.06.2008 Substitui

Leia mais

Critérios de Comércio Justo

Critérios de Comércio Justo FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL Critérios de Comércio Justo para Algodão em Caroço DE Organizações de Pequenos Produtores Versão Atual: 01.07.08 Substitui as versões anteriores de: 01.05.2006

Leia mais

Documento Explicativo 1

Documento Explicativo 1 FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL CRITÉRIOS FAIRTRADE E FAIRMINED PARA OURO DE MINERAÇÃO ARTESANAL E EM PEQUENA ESCALA, INCLUINDO METAIS PRECIOSOS ASSOCIADOS Documento Explicativo 1 Versão

Leia mais

Critérios de Comércio Justo

Critérios de Comércio Justo FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL Critérios de Comércio Justo para SUCOS DE FRUTAS DE Organizações de Pequenos Produtores Versão Atual: 02.12.2008 Substitui as versões anteriores de: 22.01.2008

Leia mais

Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio

Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio www.fair TradeUSA.org Fair Trade USA 2013. Todos os direitos reservados. Condições especiais do Preço e do Prêmio Esse anexo contém Termos de Preço

Leia mais

Mudanças Principais no Critério

Mudanças Principais no Critério Mudanças Principais no Critério Critério do Comércio Justo Fairtrade para Organizações de Pequenos Produtores O Critério revisado do Comércio Justo Fairtrade para Organizações de Pequenos Produtores (OPP)

Leia mais

Critérios de Comércio Justo

Critérios de Comércio Justo FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL Critérios de Comércio Justo para Ervas e Temperos DE Organizações de Pequenos Produtores Versão Atual: 01.05.2007 Substitui as versões anteriores de: 01.05.2006

Leia mais

Documento Explicativo

Documento Explicativo Decisão de Preço do Suco de Laranja 13 de junho de 2013 Visão Geral O Comitê de Critérios tomou uma decisão em relação ao projeto de Revisão de Preços do Suco de Laranja. O resultado disso é que novos

Leia mais

FUNDO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTORES

FUNDO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTORES FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL FUNDO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTORES 1. Sua organização: Nome da sua organização: Grau de sua organização (1º, 2º, 3º): Número de identificação FLO-CERT (FLO

Leia mais

CASTANHA DE CAJU Período: 01 a 30/09/2014

CASTANHA DE CAJU Período: 01 a 30/09/2014 CASTANHA DE CAJU Período: 01 a 30/09/2014 1.MERCADO INTERNO 1.1. Preços Quadro 1 Preços: Recebidos pelos Produtores - FOB e Paridade Estados Unidade 12 (a) meses 1 (b) mês Média de Mercado Preço Atual

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

Outubro 2013. ARTIGO 19 Rua João Adolfo, 118 conjunto 802 Centro CEP: 01050-020 - São Paulo SP www.artigo19.org +55 11 3057 0042 +55 11 3057 0071

Outubro 2013. ARTIGO 19 Rua João Adolfo, 118 conjunto 802 Centro CEP: 01050-020 - São Paulo SP www.artigo19.org +55 11 3057 0042 +55 11 3057 0071 A Artigo 19 apresenta análise comparada de países que permitem publicidade e propaganda comercial em rádios comunitárias em referência à minuta do Projeto Legislativo do Senado que propõe possibilitar

Leia mais

Critério para Comerciantes Mudanças Principais

Critério para Comerciantes Mudanças Principais Critério para Comerciantes do Comércio Justo Fairtrade Critério para Comerciantes Mudanças Principais O Critério para Comerciantes do Comércio Justo Fairtrade revisado é o resultado do projeto de revisão

Leia mais

Sistema de Tarifas para Organizações de Pequenos Produtores

Sistema de Tarifas para Organizações de Pequenos Produtores 26 pt Sistema de Tarifas para Organizações de Pequenos Produtores Documento explicativo Efetivo conforme: 01/01/2015 Distribuição: Externa Índice 1 Introdução... 3 1.1 Definições... 3 2 Taxa de candidatura...

Leia mais

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café ED 2180/14 15 maio 2014 Original: espanhol P Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café 1. O Diretor Executivo apresenta seus cumprimentos e, em nome da Colômbia, encaminha aos Membros

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores e comerciantes

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores e comerciantes Critério do Comércio Justo para Nozes de Organizações de Pequenos Produtores e comerciantes Também aplicável a produção contratada de rotação de culturas e nozes selecionadas do Paquistão Versão atual:

Leia mais

Criterio do Comercio Justo Fairtrade para Comerciantes

Criterio do Comercio Justo Fairtrade para Comerciantes Sean Hawkey Criterio do Comercio Justo Fairtrade para Comerciantes Versão atual: 01.03.2015 v1.1 Data prevista para a revisão completa: 2020 Contato para comentários: standards-pricing@fairtrade.net Para

Leia mais

Fair Trade USA Norma comercial Versão 1.0

Fair Trade USA Norma comercial Versão 1.0 Fair Trade USA Norma comercial Versão 1.0 www.fair TradeUSA.org 2013 Fair Trade USA. Todos os direitos reservados. Sumário Introdução... 2 1.0 Desenvolvimento Econômico (ED)... 4 1.1 Requisitos de Preços

Leia mais

PC MeeiroPolicy ED 13 pt. Meeiropolicy. Documento Explicativo. Válido a partir de: 26/04/2010 Distribuição: Público

PC MeeiroPolicy ED 13 pt. Meeiropolicy. Documento Explicativo. Válido a partir de: 26/04/2010 Distribuição: Público 13 pt Meeiropolicy Documento Explicativo Válido a partir de: 26/04/2010 Distribuição: Público Índice 0 Propósito... 3 1 Área de candidatura... 3 2 Norma... 3 3 Terminologia para o uso deste documento:...

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Critérios de Comércio Justo

Critérios de Comércio Justo FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL Critérios de Comércio Justo para Frutas Desidratadas DE Organizações de Pequenos Produtores Versão Atual: 23.01.2008 Substitui as versões anteriores de:

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA Imperial Estação Agronômica de Campinas 27/06/1887 Centro de Café Alcides Carvalho INTRODUÇÃO O Agronegócio

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. Regulamento para a Cultura do Algodão. (Diploma Ministerial nº 91/94

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. Regulamento para a Cultura do Algodão. (Diploma Ministerial nº 91/94 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA Regulamento para a Cultura do Algodão (Diploma Ministerial nº 91/94 1994 imprensa Nacional de Moçambique MAPUTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA Diploma Ministerial

Leia mais

Código de Conduta Módulo Café

Código de Conduta Módulo Café Código de Conduta Módulo Café Versão 1.1 www.utzcertified.org 1 Cópias e traduções deste documento estão disponíveis em formato eletrônico no site da UTZ Certified: www.utzcertified.org Este documento

Leia mais

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador.

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador. EXPORTAÇÃO E XPORTAÇÃO Antes de fornecer o preço, é importante analisar os preços de produtos similares praticados no mercado onde está o potencial cliente, exigências técnicas, barreiras tarifárias e

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Frutas Frescas de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011_v1.3 Data esperada para a próxima revisão: 2016 Envie seus comentários e perguntas para: standardspricing@fairtrade.net

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR Escola Nacional de Defesa do Consumidor Oficina Desafios da Sociedade da Informação: comércio eletrônico

Leia mais

REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL. Em vigor a partir 1 de novembro de 2003

REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL. Em vigor a partir 1 de novembro de 2003 REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL Em vigor a partir 1 de novembro de 2003 Estes regulamentos aplicam-se aos sites da web, programas de pedido pelo

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A.

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. 1. Quem somos Biva Serviços Financeiros S.A. ( BIVA ) é uma plataforma online de prestação

Leia mais

FLEXPAG - Política de Privacidade

FLEXPAG - Política de Privacidade FLEXPAG - Política de Privacidade A infocusweb/flexpag tem um compromisso com o respeito à sua privacidade. Política de Privacidade Nós reconhecemos que ao optar por nos informar alguns de seus dados pessoais,

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

CERT Certification SOP 30 pt. Certificação. Procedimento Operacional Padrão. Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública

CERT Certification SOP 30 pt. Certificação. Procedimento Operacional Padrão. Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública 30 pt Certificação Procedimento Operacional Padrão Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública Índice 1 Propósito deste documento... 3 2 Área de candidatura... 3 3 Idiomas e Traduções... 3 4 Sistema

Leia mais

MANUAL ECERT FERRAMENTA DE BUSCA POR OPERADOR PARA CLIENTES CERTIFICADOS FLO-CERT. - Lançamento Janeiro 2013 -

MANUAL ECERT FERRAMENTA DE BUSCA POR OPERADOR PARA CLIENTES CERTIFICADOS FLO-CERT. - Lançamento Janeiro 2013 - MANUAL ECERT FERRAMENTA DE BUSCA POR OPERADOR PARA CLIENTES CERTIFICADOS FLO-CERT - Lançamento Janeiro 2013 - BUSCA POR OPERADOR A ferramenta de Busca por Operador no portal web Ecert substitui as Páginas

Leia mais

TOTAL IMMERSION PROGRAMA D FUSION CONTRATO DE LICENÇA DE UTILIZADOR FINAL

TOTAL IMMERSION PROGRAMA D FUSION CONTRATO DE LICENÇA DE UTILIZADOR FINAL TOTAL IMMERSION PROGRAMA D FUSION CONTRATO DE LICENÇA DE UTILIZADOR FINAL Leia atentamente todos os termos e condições do Contrato de licença (doravante referido como o Contrato ) entre a TOTAL IMMERSION

Leia mais

Linha BNDES Exim Automático

Linha BNDES Exim Automático Linha BNDES Exim Automático Ajudando sua empresa a exportar mais através da rede de bancos credenciados do BNDES no exterior Como incrementar as exportações da minha empresa oferecendo mais prazo de pagamento

Leia mais

Desejando progredir mais no caminho que identificaram para permitir que alcancem uma solução mutuamente acordada para o contencioso, Seção I

Desejando progredir mais no caminho que identificaram para permitir que alcancem uma solução mutuamente acordada para o contencioso, Seção I MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE UM FUNDO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E FORTALECIMENTO DA CAPACITAÇÃO RELATIVO AO CONTENCIOSO

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DA SEDO GMBH PARA O SERVIÇO DE TRANSFERÊNCIA E FIDUCIÁRIO Versão de 08 de abril de 2015

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DA SEDO GMBH PARA O SERVIÇO DE TRANSFERÊNCIA E FIDUCIÁRIO Versão de 08 de abril de 2015 1 / 8 TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DA SEDO GMBH PARA O SERVIÇO DE TRANSFERÊNCIA E FIDUCIÁRIO Versão de 08 de abril de 2015 Estes são os Termos e Condições Gerais da Sedo GmbH para os serviço fiduciário e

Leia mais

Módulo 21 Comércio Internacional

Módulo 21 Comércio Internacional Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Módulo 21 Comércio Internacional Exportação e Importação Trabalho realizado por: Tânia Leão n.º19 12.ºS Importação e Exportação A Exportação é a saída de

Leia mais

Milho Período: 19 a 23/10/2015

Milho Período: 19 a 23/10/2015 Milho Período: 19 a 23/10/2015 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços médios semanais apresentados nas praças de

Leia mais

ACORDO DO ASSINANTE PARA O SERVIÇO GETABSTRACT

ACORDO DO ASSINANTE PARA O SERVIÇO GETABSTRACT ACORDO DO ASSINANTE PARA O SERVIÇO GETABSTRACT da getabstract AG (Ltd), Lucerne, Suiça ( getabstract ) Usando qualquer um dos serviços prestados pela getabstract Ltd, o Assinante/Cliente concorda em ficar

Leia mais

FLOCERT GmbH Lista Pública de Critérios de Conformidade - Certificação Comercial. www.flocert.net. NSF Checklist TC 6.8 PT-PT 10 Jul 2014

FLOCERT GmbH Lista Pública de Critérios de Conformidade - Certificação Comercial. www.flocert.net. NSF Checklist TC 6.8 PT-PT 10 Jul 2014 FLOCERT GmbH Lista Pública de s de Conformidade - Certificação Comercial Os critérios de Conformidadesão estabelecidos pela FLO-CERT para traduzir os requisitos dos s de Fairtrade e da FLO-CERT em pontos

Leia mais

Critérios de Comércio Justo

Critérios de Comércio Justo FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL Critérios de Comércio Justo para Ervas e Temperos DE Organizações de Pequenos Produtores Versão Atual: 16.02.2009 Substitui as versões anteriores de: 01.05.2007

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 06. Hedge de Investimento Líquido em Operação no Exterior

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 06. Hedge de Investimento Líquido em Operação no Exterior COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 06 Hedge de Investimento Líquido em Operação no Exterior Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC 16 Índice REFERÊNCIAS

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O MERCADO DE CÂMBIO E SEUS AGENTES C.M.N BACEN BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA CAMBIAL VIGENTE NO BRASIL. O regime cambial brasileiro é um regime controlado

Leia mais

MODELOS DE PLANEAMENTOS E DE RELATÓRIOS DE COMERCIO JUSTO

MODELOS DE PLANEAMENTOS E DE RELATÓRIOS DE COMERCIO JUSTO MODELOS DE PLANEAMENTOS E DE RELATÓRIOS DE COMERCIO JUSTO Estes modelos podem ajudá-lo a cumprir com os requisitos da seção 4.1.1-4.1.10 sobre Potencial de Desenvolvimento e os requisitos de relatórios

Leia mais

Modalidades de Pagamento

Modalidades de Pagamento Modalidades de Pagamento Remessa / Pagamento antecipado: Nesta modalidade, o importador realiza o pagamento ao exportador antes do envio da mercadoria. Trata-se da opção mais interessante para o exportador,

Leia mais

SINAP Sistema de Informações de Negócios com Algodão em Pluma. www.bbmnet.com.br

SINAP Sistema de Informações de Negócios com Algodão em Pluma. www.bbmnet.com.br SINAP Sistema de Informações de Negócios com Algodão em Pluma www.bbmnet.com.br OBJETIVOS DO SINAP Consolidar em um único Banco de Dados as informações de todos os negócios com algodão em pluma realizados

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos mínimos para a preservação e a embalagem de equipamentos e materiais adquiridos

Leia mais

Milho Período: 13 a 17/07/2015

Milho Período: 13 a 17/07/2015 Milho Período: 13 a 17/07/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,1507 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL O Japão e a República Federativa do Brasil, Desejosos de regular suas relações mútuas na área de Previdência Social, Acordaram

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

1/6 Public_ChangeLog TC FO 8.2 pt

1/6 Public_ChangeLog TC FO 8.2 pt Modificações nos Critérios de conformidade para comerciantes, versão 8.2 em vigor a partir de 15 de Dezembro de 2015 Changes Referência Aplicável a: CC No. FLOCERT Critério de Conformidade Rank 1 Rank

Leia mais

Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário. O que é e para quem é o Comércio Justo e Solidário?

Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário. O que é e para quem é o Comércio Justo e Solidário? Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário Este é um documento que objetiva apresentar a proposta do Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário, sua importância, benefícios

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

28/12/11 Luiz Roberto Missagia. 28/12/11 Luiz Roberto Missagia. 28/12/11 Luiz Roberto Missagia. 28/12/11 Luiz Roberto Missagia

28/12/11 Luiz Roberto Missagia. 28/12/11 Luiz Roberto Missagia. 28/12/11 Luiz Roberto Missagia. 28/12/11 Luiz Roberto Missagia Formas de Pagamento no Comércio Internacional 1 Pagamentos Internacionais Em geral, a transação se dá em moeda estrangeira (ex: dólar, euro, libra, iene) Importador brasileiro pagará em reais Exportador

Leia mais

ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA N 2 CELEBRADO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI

ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA N 2 CELEBRADO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI ALADI/AAP.CE/2.75 20 de outubro de 2014 ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA N 2 CELEBRADO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI Septuagésimo Quinto Protocolo Adicional

Leia mais

BANCO MUNDIAL DIRETRIZES DE DESEMBOLSO PARA PROJETOS

BANCO MUNDIAL DIRETRIZES DE DESEMBOLSO PARA PROJETOS BANCO MUNDIAL DIRETRIZES DE DESEMBOLSO PARA PROJETOS DEPARTAMENTO DE EMPRÉSTIMOS 10 de maio de 2006 Direitos autorais 2006 Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento / BANCO MUNDIAL 1818 H

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

Preços de Transferência

Preços de Transferência Preços de Transferência Aspectos Polêmicos dos Novos Métodos: PCI e Pecex Workshop Divisão Tributária: Grandes Questões Atuais da Área Tributária CIESP Centro das Indústrias do Estado de São Paulo Campinas

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens de fabricação nacional, observadas

Leia mais

Concurso Receita Federal

Concurso Receita Federal PAGAMENTOS INTERNACIONAIS Concurso Receita Federal Analista Prof.Nelson Guerra VISÃO GERAL DE UMA OPERAÇÃO DE IM/EXPORTAÇÃO 1) OPORTUNIDADE NEGOCIAL: Contato importador / exportador. 2) REGULAMENTAÇÃO:

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATANTE: Aqui designado apenas como a empresa que fez o cadastro pelo sistema de vendas online no site www.netflexfidelidade.com.br CONTRATADA: Openhaus Soluções Tecnológicas

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Sua Privacidade Bem-vindo ao site eureca.me. Este site é de propriedade da empresa Eureca Atitude Empreendedora LTDA-ME. Esta Política de Privacidade destina-se a informá-lo sobre

Leia mais

Acordo Quadro para Transacções Financeiras

Acordo Quadro para Transacções Financeiras Acordo Quadro para Transacções Financeiras Anexo de Manutenção de Margem para Transacções de Reporte e Empréstimos de Valores Mobiliários Edição de Janeiro de 2001 Este Anexo complementa as Condições Gerais

Leia mais

MJ ORIENTA CONSUMIDOR PARA COMPRAS PELA INTERNET

MJ ORIENTA CONSUMIDOR PARA COMPRAS PELA INTERNET MJ ORIENTA CONSUMIDOR PARA COMPRAS PELA INTERNET O Ministério da Justiça divulgou na sexta-feira (20/8), durante a 65ª reunião do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor (SNDC), um documento com as diretrizes

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA LICITAÇÃO RECOMENDAÇÃO PARA ADJUDICAÇÃO DO CONTRATO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA LICITAÇÃO RECOMENDAÇÃO PARA ADJUDICAÇÃO DO CONTRATO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA LICITAÇÃO E RECOMENDAÇÃO PARA ADJUDICAÇÃO DO CONTRATO Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Nome

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração Objetivo 1 O objetivo desta Norma é estabelecer princípios para reconhecer e mensurar ativos financeiros, passivos financeiros e alguns

Leia mais

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Caro Parceiro de Negócio, A história da nossa empresa inclui um compromisso de longa data em estar de acordo com as leis onde quer que atuemos e realizar nossos

Leia mais

A presente versão não substitui o original publicado em inglês.

A presente versão não substitui o original publicado em inglês. - 1 - COMISSÃO DE NOMEAÇÕES E REMUNERAÇÕES DA MOTA-ENGIL AFRICA N.V. TERMOS DE REFERÊNCIA A Mota-Engil Africa N.V. (a "Empresa") adotou uma estrutura de administração de um nível. De acordo com o Princípio

Leia mais

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS Dossier informativo - Cimentos LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS INTRODUÇÃO Qualquer entidade legalmente estabelecida, nacional ou estrangeira, pode solicitar ao LNEC a certificação

Leia mais

Lex Garcia Advogados http://lexlab.esy.es. Dr. Alex Garcia Silveira OABSP 285373

Lex Garcia Advogados http://lexlab.esy.es. Dr. Alex Garcia Silveira OABSP 285373 Alex Garcia Silveira Cartilha: Direito do Comercio Internacional São Paulo Junho de 2015 SUMÁRIO RESUMO... 5 ABSTRACT... 5 PARTES E AUXILIARES DO COMÉRCIO... 6 EXPORTADOR E IMPORTADOR... 6 SELEÇÃO DE MERCADO...

Leia mais

Condições Especiais do Preço e do Prêmio

Condições Especiais do Preço e do Prêmio Fair Trade USA Versão 1.1.0 Versão 1.1.0 A. Objetivo Este documento contém uma descrição dos requisitos especiais do Preço e Prêmio que se aplicam a certos produtos agrícolas Certificados pelo Comércio

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

ALTERAÇÕES 12-21. PT Unida na diversidade PT 2013/0264(COD) 29.11.2013. Projeto de parecer Dimitar Stoyanov (PE523.013v01-00)

ALTERAÇÕES 12-21. PT Unida na diversidade PT 2013/0264(COD) 29.11.2013. Projeto de parecer Dimitar Stoyanov (PE523.013v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Jurídicos 29.11.2013 2013/0264(COD) ALTERAÇÕES 12-21 Projeto de parecer (PE523.013v01-00) Serviços de pagamento no mercado interno (COM(2013)0547 C7-0230/2013

Leia mais

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Conteúdo Condições para crédito a descoberto... 3 Artigo 1. Definições... 3 Artigo 2. Relação contratual... 3 2.1 Aceitação... 3 2.2 Bureau krediet registratie

Leia mais

REGULAMENTO CLUBE DE VANTAGENS NUTRIMASTER

REGULAMENTO CLUBE DE VANTAGENS NUTRIMASTER REGULAMENTO CLUBE DE VANTAGENS NUTRIMASTER 1. O Clube de Vantagens Nutrimaster é um programa que objetiva estreitar o relacionamento entre Nutrimaster e seus participantes, oferecendo benefícios e/ou vantagens

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Cacau de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 02.12.2010 Substitui a versão anterior de: 12.10.2010 Data esperada para a próxima revisão : 2015 Envie seus comentários

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO

MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÃO 3. OBJETO DE NEGOCIAÇÃO 4. PARTICIPANTES 4.1 Participantes Intermediadores 4.2 Participantes Compradores e Vendedores Bancos 5. OPERAÇÕES

Leia mais

Instruções para Preenchimento do Formulário de Seleção dos Termos Financeiros (30/Junho/2014)

Instruções para Preenchimento do Formulário de Seleção dos Termos Financeiros (30/Junho/2014) 1. Informações sobre o empréstimo 1a Nome do país: É o nome oficial do país no qual está localizado o projeto ou programa. 1b Nome do projeto ou do programa: É o nome completo do projeto ou programa, conforme

Leia mais

METODOLOGIA DO INDICADOR DE PREÇOS DA SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA

METODOLOGIA DO INDICADOR DE PREÇOS DA SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA METODOLOGIA DO INDICADOR DE PREÇOS DA SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA 1. OBJETIVO Descrever a Metodologia do Indicador de Preços da SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA, produto comercializado no porto de Paranaguá nas modalidades

Leia mais