FLOCERT GmbH Lista Pública de Critérios de Conformidade - Certificação Comercial. NSF Checklist TC 6.8 PT-PT 10 Jul 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FLOCERT GmbH Lista Pública de Critérios de Conformidade - Certificação Comercial. www.flocert.net. NSF Checklist TC 6.8 PT-PT 10 Jul 2014"

Transcrição

1 FLOCERT GmbH Lista Pública de s de Conformidade - Certificação Comercial Os critérios de Conformidadesão estabelecidos pela FLO-CERT para traduzir os requisitos dos s de Fairtrade e da FLO-CERT em pontos de controlo verificáveis que são avaliados no processo de certificação para determinar a conformidade com os s de Fairtrade.A não-conformidade com um de Conformidade constitui uma não-conformidade com o respetivo requisito do. Cada de Conformidade está relacionado com um prazo específico, indicando quando precisa de ser cumprido. Um de Conformidade identificado como maior está relacionado com um princípio de Fairtrade maior. A não-conformidade com um de Conformidade maior pode levar diretamente à suspensão. A Lista Pública de s da FLO-CERT - Certificação Comercial - é baseada nos s Comerciais Fairtrade (versão de 1 de maio e 2011) e nos s de Produto Fairtrade, publicados pela Fairtrade International. Esta versão dos s de Conformidade substitui todas as versões anteriores. Os s de Conformidade são publicados em várias línguas. Em caso de disputa na interpretação em qualquer uma das línguas publicadas, prevalece a versão em inglês dos s de Conformidade. Como usar este documento? Nem todos os requisitos têm de ser cumpridos em todos os casos: alguns aplicam-se apenas a certos produtos e outros aplicam-se apenas a certos tipos de operadores. Para saber quais são os requisitos que se aplicam a si, deverá identificar primeiro que tipo de operador é. Em alguns casos, tal depender ádo nível no qual o preço é definido na Tabela de Preço Mínimo e Fairtrade (disponível em Contacte a FLOCERT em caso de dúvida. Para produtos com preço FOB Fairtrade mínimo: - Se for o primeiro comprador ao ou após o nível FOB, vocêéo Pagante de Preço e nesse nível (se comprar um produto processado para o qual o preço Fairtrade foi definido para a matéria-prima mas não para o produto processado, isto não éaplicável); - Se compra ao produtor e vende a FOB um produto para o qual o preço Fairtrade está definido como FOB, você é o Intermediário (1) de Preço e ; - Se for o primeiro comprador de um produto para processar antes do nível FOB (para o qual o preço Fairtrade foi definido para a matéria-prima mas não para o produto processado), você é o Pagante de Preço e ; Para produtos com preços EXW, Farmgate, Leilão (ou sem preços mínimos Fairtrade e para os quais está apenas definido o Fairtrade): - Se for o primeiro comprador de produtos ao ou após o nível EXW, você é o Pagante de Preço e nesse nível, ou o Pagante de Preço e Intermediário de. Por favor, tenha em atenção que o contrato deve indicar claramente qual das partes é responsável pelo pagamento do Preço e Fairtrade à organização produtora. Para produtos com preços EXW, Farmgate, Leilão (ou sem preços mínimos Fairtrade e para os quais está apenas definido o Fairtrade) E com um preço FOB definido para o mesmo produto: - Se é o primeiro comprador ao ou após o nível FOB, você é o Pagante de Preço e Fairtrade; - Se é o primeiro comprador ao nível EXW, você é o Pagante de Preço Fairtrade e o seu comprador imediato ao ou após o nível FOB éo Pagante do Fairtrade; Se comprar e vender produtos Fairtrade mas não for nenhum dos acima descritos: você é um Não Pagante. Intermediário diz respeito a qualquer operador que receba o Preço Fairtrade ou o Fairtrade de um Pagante Fairtrade e o passe para um produtor certificado. Página 1 de 30

2 1 1.1 Requisitos Gerais Certificação O operador tem um contrato de certificação FLO-CERT válido assinado O operador possui uma autorização de comercialização FLO-CERT válida ou um certificado FLO-CERT válido para cada produto comprado ou vendido como Fairtrade Você aceita receber uma auditoria anunciada ou não anunciada nas suas instalações, incluindo as organizações subcontratadas, e providencia toda a informação necessária para mostrar cumprimento com os requisitos Fairtrade Todas as entidades adicionais dos operadores onde as atividades Fairtrade ocorrem são registrados junto à FLO-CERT. Página 2 de 30

3 O operador tem contratos escritos com cada entidade adicional que não sejam 100% de propriedade do operador certificado, que garantam conformidade com os requisitos de rastreabilidade e que declaram que a FLO-CERT está autorizada a realizar auditorias nas instalações da entidade adicional. (Não se aplica às entidades que não se enquadram no escopo de certificação; por exemplo, instalações de armazenamento de frutas frescas, nas quais nenhuma atividade de reembalagem seja realizada e também nas quais rastreabilidade física não seja um requisito; por exemplo, instalações de armazenamento de cacau, o cliente aplica o balanço de massa assim como também as entidades adicionais que possuam suas próprias certificações FLO-CERT) Produtos do Fairtrade certificado são comprados de organizações de produtores e não comprados de Portador de, membros individuais da organização (Não se aplica a contrato de produção) Nos casos em que o operador tenha obrigatoriamente que comprar diretamente a membros individuais, Portador de, então o operador tem obrigatoriamente que demonstrar por que motivo não é possível comprar à organização. Nestes casos, tem obrigatoriamente que existir um contrato de enquadramento que regule os seguintes pormenores entre o operador e a organização produtora: rastreabilidade, volume, definição de preço, entrega, pagamentos e faturamento O operador deve assegurar que fornece produtos Fairtrade de operadores certificados pela FLO-CERT O operador deve garantir que os produtos que não estejam em embalagens prontas para o consumidor sejam vendidos apenas aos operadores certificados pela FLO-CERT ou a empresas registadas com uma Organização Nacional Fairtrade no Canadá, Reino Unido, Irlanda, Holanda, Bélgica, Japão, Austrália e Nova Zelândia O operador nomeia, por escrito, uma pessoa de contato oficial para a FLO-CERT. Página 3 de 30

4 A pessoa de contacto mantém a FLO-CERT atualizada com detalhes de contato e quaisquer outras informações relevantes que afetem a certificação FLO-CERT (nova estrutura da empresa, alteração do estatuto legal, etc.). FLO-CERT Todas as não conformidades da auditoria anterior foram corrigidas. requiremen 1 M t FLO-CERT requiremen t FLO-CERT requiremen t As condições para concessão de exceção foram atendidas. 1 C Você maneja e documenta todas as reclamações e acções de acompanhamento relacionadas com a conformidade dos requisitos dos s Fairtrade aplicáveis. Estes registos devem ser disponibilizados ao 1 C auditor. 1.2 Rotulagem e Embalagem Fairtrade O operador possui um contrato válido acordado por escrito com uma Organização Nacional Fairtrade ou com a Fairtrade Internacional para a utilização de qualquer Marca FAIRTRADE ou de qualquer outra referência à Fairtrade em um produto embalado ou inacabado, ou em qualquer embalagem ou em quaisquer outras notificações. Página 4 de 30

5 Todos os gráficos do operador (nas embalagens do produto ou em quaisquer outras notificações) com a Marca FAIRTRADE foram aprovados por escrito antes da utilização por uma Organização Nacional Fairtrade ou Fairtrade International Todas as reinvindicações feitas sobre a fonte de fornecimento de commodities do Fairtrade (por exemplo, conforme abrangidos pelos Programas Fontes de Fornecimento Fairtrade - FSP) são verificadas por uma Organização Nacional Fairtrade, ou pela Fairtrade Internacional, ou por um agente designado, antes que estas reinvindicações possam ser comunicadas de forma pública. 2 Comércio Rastreabilidade Requisitos de rastreabilidade documental O comerciante identificou claramente todos os produtos certificados como Fairtrade em toda a documentação de compra e venda (por exemplo, faturas, notas de entrega e pedidos de compra), incluindo toda a documentação dos produtos certificados enviados e recebidos da empresa subcontratada A documentação de compra e venda de produtos não-acabados relacionada com o produto Fairtrade destaca o FLO ID do vendedor e o FLO ID do comprador, e indica que produtos são Fairtrade e as datas aplicáveis da transação Toda documentação de compra e venda deve indicar as quantidades e a forma física do produto Fairtrade quando comprado e vendido. Página 5 de 30

6 Quando produtos de mais de uma organização de produtores são mesclados e vendidos, intermediários Portador de claramente indicam, em formato escrito aos compradores, a composição percentual do produto de cada organização de produtores. (aplicável a intermediários) O operador deve assegurar que os produtos certificados Fairtrade vendidos como não-fairtrade claramente indicam que os produtos não são Fairtrade pela remoção de qualquer referência ao Fairtrade no produto, embalagem ou documentos ou, nos casos em que tal não seja possível, indicando claramente ao seu cliente que o produto não é Fairtrade O operador não dá a entender, direta ou indiretamente, que uma venda normal está de qualquer maneira associada com vendas de produtos certificados Fairtrade O operador mantém registros de todas as entradas, processamentos e vendas de produtos do Fairtrade. Registros devem permitir que o organismo de certificação rastreie uma dada saída certificada até os insumos certificados ATCB & FSP, FSP, O subcontratante identificou claramente todos os produtos certificados Fairtrade em toda a documentação que trata sobre os volumes recebidos e enviados para o operador ATCB & FSP, FSP, O subcontratado mantém registos de todos os volumes de produtos Fairtrade recebidos de e enviados para o operador. Os registos devem permitir ao organismo de certificação detectar a origem de determinado produto final desde o insumo certificado. Página 6 de 30

7 Fresh Fruit FLO-CERT Requireme nt Portador de (Laranjas para suco) O processador / exportador deve manter um registro dos volumes de laranjas para suco comprados e processados de cada organização de produtores, a data de entrega e a quantidade de suco de laranja vendido Relato de Fluxo de Bens (Aplica-se apenas a pagadores de Preço e/ou Prêmio, não a Intermediários) O operador deve apresentar trimestralmente à FLO-CERT relatórios de preço e prêmio para todas as transações para as quais tenha sido pago Preço e/ou Prêmio Fairtrade Requisitos de rastreabilidade física (Se você comercializa e/ou processa cacau, açúcar de cana, sucos ou chá, este requisito aplica-se somente se você quiser implementar a rastreabilidade física) Os produtos Fairtrade não são misturados com produtos não Fairtrade. Os produtos Fairtrade são transportados, armazenados, processados/fabricados e entregues separadamente dos produtos não Fairtrade (Se você comercializa e/ou processa cacau, açúcar de cana, sucos ou chá, este requisito aplica-se somente se você quiser implementar a rastreabilidade física) Os procedimentos de rastreabilidade física são registrados e seguidos (Se você comercializa e/ou processa cacau, açúcar de cana, sucos ou chá, este requisito aplica-se somente se você quiser implementar a rastreabilidade física) O produto físico Fairtrade e todos os registros e documentos relacionados são identificáveis em todos os estágios dentro da empresa através de marcas de identificação e/ou números de lote no produto (Se você comercializa e/ou processa cacau, açúcar de cana, sucos ou chá, este requisito aplica-se somente se você quiser implementar a rastreabilidade física) Os produtos Fairtrade de comerciantes, quando vendidos, são claramente identificados como Fairtrade. Página 7 de 30

8 (Não aplicável ao Programas Fontes de Fornecimento Fairtrade - FSP) O operador assegura que, quando são combinados ingredientes fisicamente rastreáveis e não rastreáveis na fabricação de produtos compostos Fairtrade, os ingredientes que requerem rastreabilidade física aderem às regras e regulamentações de rastreabilidade física. Se isto não for possível por razões técnicas, o operador solicitou uma exceção junto ao organismo de certificação ATCB & FSP, FSP, (Se processa cacau, açúcar de cana, sucos de frutas ou chá, este requisito apenas se aplica se desejar implementar rastreabilidade física) Produtos Fairtrade não são misturados com produtos não Fairtrade. Produtos Fairtrade são transportados, armazenados, processados/manufaturados e entregues separadamente de produtos não Fairtrade ATCB & FSP, FSP, (Se processa cacau, açúcar de cana, sucos de frutas ou chá, este requisito apenas se aplica se desejar implementar rastreabilidade física) Procedimentos de rastreabilidade físicas são registrados e seguidos ATCB & FSP, FSP, (Se processa cacau, açúcar de cana, sucos de frutas ou chá, este requisito apenas se aplica se desejar implementar rastreabilidade física) O produto físico Fairtrade e todos os registros e documentos são identificáveis em todos os estágios dentro da empresa por meio de números de lote e/ou marcas de identificação no produto ATCB & FSP, FSP, (Se processa cacau, açúcar de cana, sucos ou chá, este requisito aplica-se somente se o seu operador implementar a rastreabilidade física) Quando entregues, a empresa subcontratada claramente identifica os produtos Fairtrade como Fairtrade. Página 8 de 30

9 Quando combinados produtos fisicamente rastreáveis e fisicamente não rastreáveis para a fabricação de produtos Fairtrade compostos, o subcontratante garante que os ingredientes que exigem rastreabilidade física aderem às normas e regulamentos da rastreabilidade física. Se, por razões técnicas não for possível, o operador solicitou uma exceção ao seu organismo de certificação. Frutas (Laranjas para suco) O processador / exportador deve manter um registro dos volumes de laranjas para suco comprado e processado de cada organização de produtores, a data de entrega e a quantidade de suco Pagante de laranja vendido (Se você comercializa cacau, açúcar de cana, sumos ou chá, este requisito é apenas aplicável se deseja implementar rastreabilidade física) Os Produtos do Comércio Justo são provenientes de um operador do Comércio Justo que tenha obtido certificação com êxito, de acordo com os requerimentos de rastreabilidade física. Estes produtos, quando comprados e vendidos, devem ser identificados como produto do Comércio Justo com rastreabilidade física Requisitos de Balanço de Massa (Açúcar de cana, Cacau, Suco de fruta, Chá) O operador assegura-se de que a quantidade de saídas (produtos finais) vendidas como Fairtrade não excede a quantidade de entradas fornecidas como Fairtrade, tendo em consideração os rendimentos da transformação e todos os prejuízos (Açúcar de cana, Cacau, Suco de Fruta, Chá) Os operadores devem assegurar-se de que as entradas Fairtrade (produtos fornecidos) são compradas antes da venda das saídas Fairtrade (produtos finais) (Açúcar de cana, Cacau, Suco de fruta, Chá) (Aplicável a Locais Únicos de Balanço de Massa) Insumos Fairtrade são entregues e processados no mesmo local onde a produção Fairtrade é processada. Página 9 de 30

10 (Açúcar de cana, Cacau, Suco de fruta, Chá) Os insumos Fairtrade devem ser do mesmo tipo e qualidade que os insumos introduzidos no processamento da produção Fairtrade (igual por igual) (Açúcar de cana) Nos casos em que o operador processa o açúcar de cana Fairtrade nas instalações de processamento utilizadas para processar açúcar de beterraba, o operador deve cuidar para que os produtos feitos exclusivamente de açúcar de beterraba não sejam de forma alguma vendidos ou entregues como açúcar Fairtrade (Permitido até 31 de Dezembro de 2017) (açúcar de cana, Cacau) O operador deverá notificar a FLO-CERT sobre o interesse de ter um Grupo de Balanço de Massa antes de implementá-lo e manterá a FLO-CERT informada sobre os locais envolvidos nesta prática, bem como sobre os produtos e volumes processados nestes locais (Açúcar de cana, Cacau, Suco de fruta, Chá) (Aplicável a Locais Únicos de Balanço de Massa) Insumos Fairtrade são entregues e processados no mesmo local onde a produção Fairtrade é processada (Açúcar de cana, Cacau, Suco de fruta, Chá) Os insumos Fairtrade devem ser do mesmo tipo e qualidade que os insumos introduzidos no processamento da produção Fairtrade (igual por igual) (Cana de açúcar) Nos casos em que o subcontratante processa cana de açúcar Fairtrade em instalações de processamento utilizadas para processamento de açúcar de beterraba, o subcontratante garante que os produtos do Fairtrade não são exclusivamente feitos de açúcar de beterraba. Página10 de 30

11 ATCB & FSP, FSP, (Programas Fontes de Fornecimento Fairtrade - FSP) O operador sob o Programa Fontes de Fornecimento Fairtrade (FSP) faz a reinvindicação contra os volumes adquiridos ou escala de fornecimento, de acordo com volumes físicos adquiridos anteriormente, quer o operador aplique requisitos de rastreabilidade física ou requisitos de balanço de massa. Cocoa ATCB & FSP, FSP, (Cacau) O operador aplica as seguintes taxas de conversão para o balanço de massa de cacau: Licor 1,25. Manteiga apenas 2,66. Pó apenas 2,36. Manteiga e Pó (ao rácio de 100:113) 1,25 apenas se usados durante um período de até 12 meses Cocoa and ATCB & FSP, Pequeno Licenciado, Portador de Preço, Portador de, Não Pagante, (Cacau) (Somente aplicável a partir de 1 de outubro de 2014) O operador aplica as seguintes taxas de 1 C conversão para o balanço de massa de cacau: 2.2. Licor 1,25. Manteiga apenas 2,66. Pó apenas 2,36. Manteiga e Pó (ao rácio de 100:113) 1,25 apenas se usados durante um período de até 12 meses. Composição do Produto (Não aplicável ao Programas Fontes de Fornecimento Fairtrade - FSP) Ingredientes de alimentos compostos, produtos alimentares compostos e buquês de flores contêm o máximo possível de ingredientes certificados que estiverem disponíveis, a menos que o operador tenha solicitado uma exceção e que esta exceção tenha sido deferida. Página11 de 30

12 (Não aplicável aos Programas Fontes de Fornecimento Fairtrade - FSP) Produtos alimentícios compostos devem conter no mínimo 20% de conteúdo de Fairtrade. Os percentuais são calculados da seguinte forma: Produtos com 50% de adição de água ou produtos lácteos Peso/volume normal do(s) ingrediente(s) de Fairtrade em relação ao peso/volume total de todos os ingredientes iniciais antes do processamento. A unidade de medida utilizada para calcular o % deve ser a mesma unidade de medida que é utilizada na embalagem. Este tipo de categoria de produtos abrange sumos frescos, mas não sumos concentrados. Produtos com > 50% de adição de água ou lácteos Idêntico ao anterior, mas exclui toda a adição de água e/ou de lácteos (Aplicável a produtos acabados com exceção dos produtos parte dos Programas Fontes de Fornecimento Fairtrade - FSP) O operador declara no verso das embalagens o percentual mínimo dos ingredientes do Fairtrade certificado que foram utilizados (Não aplicável aos Programas Fontes de Fornecimento Fairtrade - FSP) O operador tem uma aprovação válida da Iniciativa Nacional caso o produto composto não contenha, no mínimo, 20% de conteúdo de Fairtrade. Cotton (Algodão) Todo o algodão em produtos de algodão Fairtrade é proveniente de produtores certificados. Em casos onde exista disponibilidade insuficiente de penteadeiras de algodão Fairtrade, é permitido fazer fardos de algodão com até 20% fornecido por penteadeiras de algodão que não sejam Fairtrade, desde que o fabricante, subsequentemente, compre um volume equivalente de algodão Fairtrade e o use no fabrico de um produto que não seja Fairtrade. Tal substituição deve ser claramente comunicada no relatório trimestral de fluxo de bens ATCB & FSP, FSP, (Aplicável aos produtos acabados dos Programas Fontes de Fornecimento Fairtrade - FSP) Produtos alimentícios que possuem a marca do Programa FAIRTRADE são produtos compostos, e 100% da commodity pertinente ou do volume equivalente utilizado no produto tem certificação Fairtrade. Página12 de 30

13 2.3 Contratos Compradores que atuam como pagadores ou intermediários de Fairtrade celebraram contratos de compra Portador de, com produtores que indicam os volumes, a qualidade, o preço, o prêmio, as condições de pagamento, quando e como o preço Fairtrade será definido, a parte responsável pelo pagamento do preço e prêmio de Fairtrade ao produtor, as condições de entrega acordadas, e estipulam um mecanismo para resolução de conflitos independente da jurisdição, e acordado por ambas as partes O operador deve assegurar que todos os elementos das transações Fairtrade fixados no contrato são Portador de, honrados, a menos que ambas as partes concordem com uma mudança. FLO-CERT O operador que compra diretamente de uma organização de produtores não inclui cláusulas de Requireme Portador de, exclusividade Fairtrade em contratos Fairtrade, a menos que isso seja notoriamente benéfico para os nt produtores. FLO-CERT O operador assegura que os contratos com os produtores adicionalmente incluem: custos aplicáveis que Requireme Portador de podem ser deduzidos do preço Fairtrade recebido do comprador, e termos de pagamento para compra nt inicial e ajuste Fairtrade (O CC só é aplicável se a organização produtora ou o comprador tiver sido suspenso desde a última auditoria.) A empresa não assinou contratos de Comércio Justo com novos parceiros comerciais. A empresa tem, no entanto, permissão para: - cumprir contratos existentes por um período de suspensão; - fechar contratos com parceiros com quem tenha uma "relação comercial existente" e quando contratos por escrito não existiam antes da suspensão. O volume comercializado durante o período de suspensão não poderá exceder 50 % do volume total adquirido em os 12 meses precedentes O operador assegura parar imediatamente as compras de, ou vendas de produtos para operadores que perderam seu certificado O operador deve assegurar que todos os procedimentos de reclamação de qualidade são acordados por Portador de, escrito entre ambas as partes, e que todas as reclamações de qualidade são documentadas de acordo com as práticas comerciais atuais. Página13 de 30

14 Salvo disposição em contrário nos critérios do produto, se o preço não tiver sido definido no contrato Fairtrade, ambas as partes terão concordado mutuamente quando e como será definido o preço O operador utiliza meios transparentes e rastreáveis de pagamento e recebimento do preço Fairtrade que foi Portador de, mutuamente acordado por ambas as partes O operador assegura que novos preços e/ou Prêmio Fairtrade anunciados pela FLO Internacional são Portador de, aplicados aos novos contratos a partir da data de anúncio. (Banana, Frutas Secas, Vegetais Secos, Vegetais (OPP e TC), Uvas para vinho, Frutas Frescas) O operador Portador de, Prepared and preserved Fruit and Vegetables, Fresh Fruit, Fresh Vegetables 2.3.1, 5.5 deve assegurar que o contrato com o produtor inclui a data do contrato, o número de identificação FLO, a referência ao Fairtrade, a duração do contrato, a descrição do produto, as especificações de qualidade do produto, o Preço e de Fairtrade específicos para cada produto, as condições de entrega utilizando Incoterms, os volumes dos produtos de Fairtrade (mínimo e máximo ou volume fixo), a referência a planos de fornecimento, a descrição sobre como o sistema de encomendas funcionará, a descrição sobre quem é responsável pela rotulagem de produtos, a descrição da responsabilidade de cada parte e o procedimento de verificação de qualidade, definição de Força Maior e descrição de mecanismos de pré-financiamento. Frutas (Banana) O operador assegura que o contrato com o produtor inclui referência a materiais e serviços de Portador de, embalagem adicionais ou especiais e os custos relacionados não incluídos no PMCJ (se aplicável), peso mínimo exigido com desidratação, procedimento de reclamação de qualidade, termos de pagamento não Fairtrade e mecanismos de preços no caso de curta queda de vendas e problemas de qualidade, regras para frete morto. Café (Café) O operador deve assegurar que quando solicitar uma extensão do prazo de expedição para além dos tempos das práticas comerciais normais, então os custos de armazenamento, juros e seguro são pagos pelo operador e estão detalhados no contrato. Flores 5.2 Portador de, (Flores) Ordens de compra finais são confirmadas por escrito. Oil Seeds (Soja) Os contratos com produtores indicam que a contaminação inevitável por OGM só é tolerada até aos and Portador de, níveis definidos pela regulamentação nacional ou internacional aplicável (a que for mais exigente) e Oleaginous fruit especificam qual(is) a(s) regulamentação(ões) aplicável(eis). Página14 de 30

15 Café (Café) Nos Contratos de Preço a ser Definido, o operador assegurou-se que a fixaçáo do preço foi decidida pelo vendedor (produtor). Café (Café) O operador só utiliza Contratos de Preço Definido se: a) um Contrato de Preço Definido não for considerado válido numa compra em leilão; b) na altura da celebração do contrato o vendedor tiver café Fairtrade em stock; c) o operador e o vendedor tiverem concordado conjuntamente por escrito que iriam celebrar um contrato desse tipo, e se tiverem também acordado em conjunto uma estratégia de gestão de riscos. Café (Café) A utilização de um corretor foi explicitada no contrato entre o vendedor e o comprador. Portador de, Café (Café) O operador que requer os serviços do corretor referido no contrato é responsável pelo pagamento da Portador de, comissão do corretor. Café (Café) O operador assegurou-se de que a comissão do corretor não foi retirada do preço Fairtrade. Portador de, Café (Café) O operador informou imediatamente o seu comprador do incumprimento do contrato Fairtrade pelo Portador de, menos 2 meses antes da data de embarque O operador (no papel vendedor) deve assegurar-se de que todos os produtos que vendeu (alteração da propriedade legal) ao comprador antes da descertificação do comprador eram certificados Fairtrade. Fresh Fruit Portador de (Laranjas para suco) Contratos entre produtores e compradores devem também incluir o preço a ser pago e o cálculo utilizado para a definição de preço do suco de laranja equivalente. O contrato deve mencionar que o cálculo do preço de laranjas para suco será definido de acordo com o rendimento, conforme está identificado no relatório de análise preliminar. Página15 de 30

16 Fresh Fruit Portador de (Laranjas para suco) Depois de estarem disponíveis, os relatórios de análise preliminar de cada entrega de laranjas para suco deve ser anexado ao contrato. Além disso, este relatório deve ser entregue ao produtor 7 dias depois da entrega da fruta. 3 Produção Negócios e Desenvolvimento Sustentando o Comércio Compradores, incluindo aqueles que compram por meio de órgãos de marketing, devem fornecer um Plano Portador de, de Fornecimento a cada produtor ou intermediário a quem pretendem comprar Se o operador não tiver planejado comprar de um produtor ou a um comerciante em particular, então existirá Portador de, prova de que não foi possível planejar a compra com antecedência suficiente Em caso de compras de ambos produtos, certificados e não certificados, do mesmo produtor, o operador Portador de, não compra os produtos não certificados em termos distintamente desvantajosos ao produtor como uma condição para as compras certificadas O operador assegura que os produtores recebem uma cópia dos contratos assinados entre o operador e os Portador de Pagadores Fairtrade. Product Standards Product Standards Frutas, Chá, Vegetais Portador de, Portador de, Portador de, (Açúcar, Cacau, Café, Vegetais Secos, Frutas Frescas, Sucos de Frutas, Ervas & Especiarias, Mel, Nozes, Sementes & frutos Oleaginosos, Polpa, Quinoa, Arroz, Algodão) Existe um plano de fornecimento em curso para cobrir um período mínimo de 12 meses (produção anual) (Cacau, café, legumes e verduras secos, frutas frescas, sucos de frutas, ervas e especiarias, mel, nozes, sementes para óleo e frutos oleaginosos, polpa, quinoa, arroz, algodão, flores e plantas) Os planos de fornecimento são renovados, no mínimo, três meses antes de o plano de fornecimento anterior terminar (Banana, Chá, Vegetais) Existe um plano de fornecimento em curso para cobrir, no mínimo, 3 meses. Página16 de 30

17 Frutas, (Banana, Frutas - excluíndo Uvas para vinho, Chá, Vegetais) O operador deve assegurar que planos de Chá, Portador de, fornecimento são renovados no mínimo 2 semanas antes de o plano de fornecimento anterior terminar. Vegetais Prepared (Frutas Secas, Legumes secas) Os planos de fornecimento devem cobrir um período acordado entre ambas and Portador de, as partes. Preserved Food Flores (Flores) Existe um plano de fornecimento em curso para cobrir no mínimo um período de 6 meses. Portador de, Flores (Flores) Os planos de fornecimento mencionam claramente os volumes acordados, qualidade, preço, Prêmio Portador de, Fairtrade, termos de pagamento e condições de entrega. Flores (Flores) O operador deve assegurar que pelo menos 50% (no primeiro ano de relação comercial) ou 75% Portador de, (nos anos subseqüentes) dos volumes indicados no plano de fornecimento foram comprados como Fairtrade ou na eventualidade de o comprador Fairtrade comprar menos e quando isto se deve ao não cumprimento de encomendas por seus clientes, então o pagador Fairtrade informa a FLO-CERT por escrito, fornecendo evidências. Frutas Frutas Frutas Portador de, Portador de, Portador de, (Banana) Planos de fornecimento devem especificar as compras totais esperadas de bananas Fairtrade e as fontes (produtores) das quais o comprador pretende obtê-las (Banana) O comprador comprou pelo menos o volume mínimo especificado durante o trimestre (Banana) Volumes a serem enviados são ordenados por escrito pelo menos 5-10 dias úteis antes do carregamento do navio. Página17 de 30

18 Chá (Chá) O operador informou à FLO-CERT sobre intenção de retro-certificar chá ao enviar um Formulário de Declaração de Certificação Retroativa. Chá (Chá) Antes da retro-certificação de chá, o operador envia uma Nota de Aviso de Retro assinados e codificados para o produtor de chá, que inclui: uma cópia da(s) fatura(s) e contrato(s) originais * O nome do comprador e FLO ID * O nome do produtor e FLO ID * Ano e número da transação o volume de chá sendo retro-certificado montante do prêmio devido ajuste de preços (quando aplicável se o preço original pago é abaixo do preço mínimo Fairtrade) A data que o produtor assina o retro aviso é a data em que o comprador pode converter o chá em chá Fairtrade. O operador enviou uma cópia da Nota de Aviso de Retro assinada para dentro do prazo de 5 dias úteis da data de declaração. Chá (Chá) Para chás CTC Africanos, o operador retro-certificou até 30% do volume comprado na fatura original do produtor(s) dentro de 3 meses da fatura de compra original. Chá (Chá) Para chás ortodoxos e não CTC Africanos, o operador retro-certificou até 100% do volume comprado na fatura original do(s) produtor(es) dentro do prazo de 6 meses da fatura de compra original. Chá (Chá) Se o operador comprou chás por meio de um intermediário, poderá; i. o operador concordou com o intermediário que o preço adicional e/ou prêmio será pago diretamente ao produtor e aplicado o procedimento de certificação retroativa usual ou ii. o operador concordou em trabalhar com o intermediário exigindo que ele organize a Nota de Aviso de Retro a ser aprovada pelo produtor assegurando a solicitação do procedimento de certificação retroativa. Açúcar de (Açúcar de cana) O operador informou a FLO-CERT da intenção de retro-certificar o açúcar antes de cana começar a retro-certificação inicial. Açúcar de (Açúcar de cana) O operador recebeu a autorização do vendedor com a confirmação de que há açúcar cana elegível para ser Fairtrade antes da retro-certificação dos volumes em questão. Açúcar de (Açúcar de cana) O operador mantém-se a par dos volumes processados comprados e vendidos e procura cana Portador de, confirmar o volume de cana fornecido por cada produtor (i.e. organização produtora).(aplicável a operadores que compram diretamente a produtores certificados) Açúcar de cana Portador de (Açúcar de cana) O operador informa o Pagante Fairtrade, dentro e nunca depois de 10 dias após a receção da autorização escrita dos produtores, sobre qual dos produtores deverá receber que proporção do Fairtrade (Aplicável a operadores que pagam o prémio diretamente aos produtores). Página18 de 30

19 Açúcar de cana Açúcar de cana FLO-CERT Requireme nt Banana-Pe ru policy Portador de, Portador de, (Açúcar de cana) No prazo de 10 dias após o exportador ter identificado o(s) recetor(es) do Fairtrade ao Pagante Fairtrade, o Pagante Fairtrade informa o(s) produtor(es) por escrito sobre o ano de colheita, o volume de cana de açúcar que foi retro-certificada, o valor do Fairtrade e a data esperada de transferência do Fairtrade, independentemente de o exportador ser ou não o intermediário (Açúcar de cana) Foi acordado entre o Pagante Fairtrade e o exportador que o exportador será o intermediário do Fairtrade em caso de haver vários produtores. Tal foi acordado por escrito (açúcar de cana) Os produtos secundários e seus derivados só poderão ser retro-certificados se o Pagante Fairtrade e/ou exportador possuir provas documentais que confirmem a origem do produto (Banana) Caso você compre frutas ainda nas plantas de uma OPP, você rubricou o plano de transição da OPP para atingir preços Porta da Fazenda especificando objetivos, indicadores, atividades, prazos, 1 C pessoa(s) responsável(is) ou entidade, e um orçamento mostrando como a OPP vai assumir o controle sobre os principais fatores, tais como o certificado de orgânico, sistema de controle interno, controle de qualidade, colheita, embalagem, etc. 4.2 Pré-financiamento and O pré-financiamento é concedido mediante pedido do produtor, a menos que o operador demonstre, pela apresentação de relatório de um avaliador (terceira parte credora), que um alto nível de risco de não reembolso ou não entrega foi associado ao produtor O operador deve assegurar que a oferta de pré-financiamento via terceiros é aceita pelo produtor A organização de pequenos produtores não foi coagida a pedir pré-financiamento O operador deve assegurar que o nível de pré-financiamento é determinado pela organização de pequenos produtores, até um teto de 60%. Página19 de 30

20 O pré-financiamento está efetivamente disponível para uso e é entregue ao produtor o mais cedo possível desde a assinatura do contrato, e no prazo máximo de: - (para o café) oito semanas antes do embarque do produto - (para leguminosas, mel, cacau, nozes, cereais, frutas e vegetais preparados, plantas para fibras, Frutas Frescas, ervas, chás de ervas e especiarias, sementes e frutos oleaginosos, cana de açúcar, leguminosas e chá), seis semanas antes da expedição dos produto - (para contratos abertos de frutas secas), duas semanas antes do início do trimestre ou do mês - (para a madeira) ao assinar o contrato ou em qualquer ponto depois, mas no mais tardar em 3 meses Pagante de Preço Os encargos de juros sobre o valor pré-financiado devem ser acordados pelo comprador e pela organização de pequenos produtores, e não devem exceder o atual custo de empréstimo do comprador (incluindo custos administrativos) Pagante de Preço O operador comunica à organização de pequenos produtores sobre as leis locais e nacionais que legalmente restringem a oferta de pré-financiamento Pagante de Preço O operador documenta a prestação de pré-financiamento à organização de pequenos produtores, quer no contrato Fairtrade ou como um acordo de crédito separado. 4.3 Definição de preço Os preços dos produtos secundários (produtos residuais resultantes do processamento de um produto principal) e seus derivados são negociados, e um adicional de 15% sob este preço é pago como prêmio Fairtrade O operador pagou, aos produtores, no mínimo, o Preço Mínimo Fairtrade para o produto contratado, onde exista, ou o preço de mercado relevante quando não existir Preço Mínimo Fairtrade. Quando o preço de mercado relevante de um produto for superior ao Preço Mínimo Fairtrade, deve ser pago o preço de mercado. O preço correcto Fairtrade é pago tendo em conta o ponto até o qual os produtores são responsáveis pelo produto O operador deve assegurar que o montante correto do Prêmio Fairtrade, conforme estipulado na tabela de Preço e Prêmio Fairtrade, é pago à organização de produtores (Pequenos Produtores), Órgão Conjunto (Trabalho Contratado) ou Órgão de Promoção (Produção por Contrato) e não para os membros individuais Para cada transação, os Intermediários do Prêmio informam por escrito aos Pagadores do Prêmio do Portador de montante do Prêmio devido à organização(ões) de produtores (se aplicável, incluindo cálculos dos respectivos Prêmio com as taxas de conversão, as perdas do processamento, etc.) O operador deve assegurar que não é feita nenhuma dedução dos pagamentos de prêmio ao(s) Portador de, produtor(es). Página20 de 30

1/6 Public_ChangeLog TC FO 8.2 pt

1/6 Public_ChangeLog TC FO 8.2 pt Modificações nos Critérios de conformidade para comerciantes, versão 8.2 em vigor a partir de 15 de Dezembro de 2015 Changes Referência Aplicável a: CC No. FLOCERT Critério de Conformidade Rank 1 Rank

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Café de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011 Substitui a versão anterior de: 16.02.2009 Data esperada para a próxima revisão : 2013 Envie seus comentários

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Cacau de Organizações de Pequenos Produtores Também aplicado à Produção Contratada na Oceania Versão atual: 01.05.2011_v1.2 Data esperada para a próxima revisão : 2015 Envie

Leia mais

Criterio do Comercio Justo Fairtrade para Comerciantes

Criterio do Comercio Justo Fairtrade para Comerciantes Sean Hawkey Criterio do Comercio Justo Fairtrade para Comerciantes Versão atual: 01.03.2015 v1.1 Data prevista para a revisão completa: 2020 Contato para comentários: standards-pricing@fairtrade.net Para

Leia mais

Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio

Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio www.fair TradeUSA.org Fair Trade USA 2013. Todos os direitos reservados. Condições especiais do Preço e do Prêmio Esse anexo contém Termos de Preço

Leia mais

Candidatura à Certificação Fairtrade

Candidatura à Certificação Fairtrade 15 pt Candidatura à Certificação Fairtrade Procedimento Operacional Padrão Válido a partir de: 16/01/2015 Distribuição: Público Tabela de Conteúdo 1 Propósito... 4 2 Área de candidatura... 4 2.1 Quem precisa

Leia mais

CRITÉRIOS DE COMÉRCIO JUSTO

CRITÉRIOS DE COMÉRCIO JUSTO FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL CRITÉRIOS DE COMÉRCIO JUSTO PARA Nozes e Sementes Oleaginosas DE Organizações de Pequenos Produtores PARTE A Critérios Genéricos de Comércio Justo para Organizações

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Mel de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 16.02.2009 Substitui a versão anterior de: 01.02.2005 Data esperada para a próxima revisão: 2014 Envie seus comentários

Leia mais

Fair Trade USA Norma comercial Versão 1.0

Fair Trade USA Norma comercial Versão 1.0 Fair Trade USA Norma comercial Versão 1.0 www.fair TradeUSA.org 2013 Fair Trade USA. Todos os direitos reservados. Sumário Introdução... 2 1.0 Desenvolvimento Econômico (ED)... 4 1.1 Requisitos de Preços

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Nozes de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011 Substitui a versão anterior de: 16.02.2009 Data esperada para a próxima revisão: 2016 Envie seus comentários

Leia mais

Sistema de Tarifas para Organizações de Pequenos Produtores

Sistema de Tarifas para Organizações de Pequenos Produtores 26 pt Sistema de Tarifas para Organizações de Pequenos Produtores Documento explicativo Efetivo conforme: 01/01/2015 Distribuição: Externa Índice 1 Introdução... 3 1.1 Definições... 3 2 Taxa de candidatura...

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Açúcar de Cana de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 29.08.2011 Substitui a versão anterior de: 01.05.2011 Data esperada para a próxima revisão: 2012 Envie

Leia mais

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. www.san.ag Este documento está disponível nos seguintes sites: www.san.ag www.rainforest-alliance.org

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Vegetais de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011_v1.1 Data esperada para a próxima revisão: 2016 Envie seus comentários e perguntas para: standards@fairtrade.net

Leia mais

Documento Explicativo

Documento Explicativo Decisão de Preço do Suco de Laranja 13 de junho de 2013 Visão Geral O Comitê de Critérios tomou uma decisão em relação ao projeto de Revisão de Preços do Suco de Laranja. O resultado disso é que novos

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Frutas Frescas de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011_v1.3 Data esperada para a próxima revisão: 2016 Envie seus comentários e perguntas para: standardspricing@fairtrade.net

Leia mais

Mudanças Principais no Critério

Mudanças Principais no Critério Mudanças Principais no Critério Critério do Comércio Justo Fairtrade para Organizações de Pequenos Produtores O Critério revisado do Comércio Justo Fairtrade para Organizações de Pequenos Produtores (OPP)

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Frutas Preparadas e Conservadas. Trabalho Contratado

Critério do Comércio Justo para. Frutas Preparadas e Conservadas. Trabalho Contratado Critério do Comércio Justo para Frutas Preparadas e Conservadas de Trabalho Contratado Versão atual: 01.05.2011_v1.4 Data esperada para a próxima revisão: 2016 Envie seus comentários e perguntas para:

Leia mais

Manual de Treinamento. Área do Membro

Manual de Treinamento. Área do Membro Manual de Treinamento Área do Membro 0 Contents Geral... 2 Transações... 3 Negociação e Estoque... 10 Licenças... 15 Mercado... 19 Finanças... 22 Fazer uma Declaração de Venda... 27 Fazer uma Declaração

Leia mais

CONTRATO DE CERTIFICAÇÃO

CONTRATO DE CERTIFICAÇÃO CONTRATO DE CERTIFICAÇÃO entre FLO-CERT GMBH E DENOMINAÇÃO LEGAL DO CLIENTE PARTES (1) FLO-CERT GmbH, criada e registada em Bonn, Alemanha, com o número de empresa 12937, com sede em Bonner Talweg 177,

Leia mais

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. Este documento está disponível nos seguintes sites: www.sanstandards.org

Leia mais

MANUAL ECERT FERRAMENTA DE BUSCA POR OPERADOR PARA CLIENTES CERTIFICADOS FLO-CERT. - Lançamento Janeiro 2013 -

MANUAL ECERT FERRAMENTA DE BUSCA POR OPERADOR PARA CLIENTES CERTIFICADOS FLO-CERT. - Lançamento Janeiro 2013 - MANUAL ECERT FERRAMENTA DE BUSCA POR OPERADOR PARA CLIENTES CERTIFICADOS FLO-CERT - Lançamento Janeiro 2013 - BUSCA POR OPERADOR A ferramenta de Busca por Operador no portal web Ecert substitui as Páginas

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA

Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA Segundo o regulamento NOP do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) Este guia não substitui o regulamento em vigor. Para conhecer as exigências

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Trabalho Contratado

Critério do Comércio Justo para. Trabalho Contratado Critério do Comércio Justo para Frutas Frescas de Trabalho Contratado Versão atual: 01.05.2011_v1.2 Data esperada para a próxima revisão: 2016 Envie seus comentários e perguntas para: standards@fairtrade.net

Leia mais

Documento Explicativo 1

Documento Explicativo 1 FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL CRITÉRIOS FAIRTRADE E FAIRMINED PARA OURO DE MINERAÇÃO ARTESANAL E EM PEQUENA ESCALA, INCLUINDO METAIS PRECIOSOS ASSOCIADOS Documento Explicativo 1 Versão

Leia mais

Principais Mudanças nos Critérios

Principais Mudanças nos Critérios Principais Mudanças nos Critérios Critérios Genéricos de Comércio Justo para Organizações de Pequenos Produtores (versão de 01.05.2011) Os Critérios Genéricos de Comércio Justo para Organizações de Pequenos

Leia mais

CERT Certification SOP 30 pt. Certificação. Procedimento Operacional Padrão. Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública

CERT Certification SOP 30 pt. Certificação. Procedimento Operacional Padrão. Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública 30 pt Certificação Procedimento Operacional Padrão Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública Índice 1 Propósito deste documento... 3 2 Área de candidatura... 3 3 Idiomas e Traduções... 3 4 Sistema

Leia mais

Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda.

Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda. Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda. 1. Aplicabilidade 2. Entrega 3. Preços e pagamentos 4. Inspeção 5. Garantia 6. Cancelamento 7. Subcontratação e Cessão 8. Código de conduta 9. Saúde

Leia mais

Critérios de Comércio Justo

Critérios de Comércio Justo FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL Critérios de Comércio Justo para Algodão em Caroço DE Organizações de Pequenos Produtores Versão Atual: 01.07.08 Substitui as versões anteriores de: 01.05.2006

Leia mais

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário.

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário. CONDIÇÕES DE VENDA A venda de produtos da Portucel Soporcel Fine Paper S.A. ( vendedor ) é regulada pelas condições abaixo descritas, em conformidade com as práticas em vigor na indústria e comércio de

Leia mais

Critérios de Comércio Justo

Critérios de Comércio Justo FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL Critérios de Comércio Justo para Frutas Frescas (Exceto Bananas) e Vegetais Frescos DE Organizações de Pequenos Produtores Versão Atual: 18.06.2008 Substitui

Leia mais

Critério para Comerciantes Mudanças Principais

Critério para Comerciantes Mudanças Principais Critério para Comerciantes do Comércio Justo Fairtrade Critério para Comerciantes Mudanças Principais O Critério para Comerciantes do Comércio Justo Fairtrade revisado é o resultado do projeto de revisão

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA Os Termos e Condições Gerais de Venda definidos abaixo e a Confirmação de Pedido enviada por SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA., sociedade

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO. Versão 4.1 Janeiro de 2016

PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO. Versão 4.1 Janeiro de 2016 PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO Versão 4.1 Janeiro de 2016 Cópias e traduções deste documento estão disponíveis em formato eletrônico no site da UTZ: www.utz.org Este documento foi traduzido do Inglês. Se houver

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA DA NEFAB (tradução para Português)

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA DA NEFAB (tradução para Português) CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA DA NEFAB (tradução para Português) Válidas desde 10-10-2005 Em caso de discrepância entre a versão inglesa e a tradução portuguesa das condições gerais de venda, ou em caso de

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE VENDA

TERMOS E CONDIÇÕES DE VENDA TERMOS E CONDIÇÕES DE VENDA Salvo se expressamente modificado pela proposta comercial emitida pela Lord Industrial Ltda. ( LORD ), os seguintes termos e condições de venda (os "Termos e Condições") deverão

Leia mais

NORMAS DE ROTULAGEM. Com o Logotipo da Marca Registrada Demeter e Biodinâmico. Revisão junho 2013

NORMAS DE ROTULAGEM. Com o Logotipo da Marca Registrada Demeter e Biodinâmico. Revisão junho 2013 NORMAS DE ROTULAGEM Com o Logotipo da Marca Registrada e Biodinâmico Revisão junho 2013 A ser executado por cada país membro até 1 de julho de 2014 Internacional Normas de Rotulagem Internacional junho

Leia mais

ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD

ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD 1. ACORDO ENTRE O USUÁRIO E A FAIRFIELD: O presente Acordo de Licença de Usuário Final (doravante denominado por "Acordo") é um contrato

Leia mais

RAINFOREST ALLIANCE CERTIFIED MARKETPLACE: GUIA DOS PRIMEIROS PASSOS

RAINFOREST ALLIANCE CERTIFIED MARKETPLACE: GUIA DOS PRIMEIROS PASSOS RAINFOREST ALLIANCE CERTIFIED MARKETPLACE: GUIA DOS PRIMEIROS PASSOS Acabo de registrar a minha empresa no site Rainforest Alliance Certified TM Marketplace. E agora? Parabéns! Ao registrar a sua empresa

Leia mais

FUNDO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTORES

FUNDO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTORES FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL FUNDO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTORES 1. Sua organização: Nome da sua organização: Grau de sua organização (1º, 2º, 3º): Número de identificação FLO-CERT (FLO

Leia mais

Serviços em Comércio Exterior

Serviços em Comércio Exterior INCOTERMS Os Incoterms (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) foram instituídos em 1936 pela Câmara Internacional do Comércio com o intuito de fornecer regras internacionais

Leia mais

Processo de Certificação BR ECOCERT BRASIL Lei 10.831/03

Processo de Certificação BR ECOCERT BRASIL Lei 10.831/03 Processo de Certificação BR ECOCERT BRASIL Lei 10.831/03 Este documento descreve os principais passos do processo de certificação realizado pela Ecocert Brasil conforme o Regulamento Orgânico Brasileiro

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Protocolo de Certificação

Protocolo de Certificação Protocolo de Certificação Versão 4.0 - Julho de 2015 www.utzcertified.org 1 Cópias e traduções deste documento estão disponíveis em formato eletrônico no site da UTZ Certified: www.utzcertified.org Este

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE VENDA

TERMOS E CONDIÇÕES DE VENDA TERMOS E CONDIÇÕES DE VENDA Compras no site, você está comprando diretamente de: Polti S.A. Pso. Ferrocarril 381 08850 Gavà BARCELONA - Espanha N.I.F.: A59435594 Capital Social Euro 600.000 Registro Mercantil

Leia mais

Anexo para Produtos e Serviços da IBM Internet Security Systems No

Anexo para Produtos e Serviços da IBM Internet Security Systems No IBM BRASIL - Indústria, Máquinas e Serviços Ltda. Av. Pasteur, 138/146 - Rio de Janeiro - RJ CEP 22296-900 Tel.: (21) 2132-5252 Internet: WWW.IBM.COM.BR CNPJ: 33.372.251/0001-56 Anexo para Produtos e Serviços

Leia mais

BANCO MUNDIAL DIRETRIZES DE DESEMBOLSO PARA PROJETOS

BANCO MUNDIAL DIRETRIZES DE DESEMBOLSO PARA PROJETOS BANCO MUNDIAL DIRETRIZES DE DESEMBOLSO PARA PROJETOS DEPARTAMENTO DE EMPRÉSTIMOS 10 de maio de 2006 Direitos autorais 2006 Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento / BANCO MUNDIAL 1818 H

Leia mais

FORMAÇÃO REGULAMENTO

FORMAÇÃO REGULAMENTO FORMAÇÃO REGULAMENTO Data: Julho de 2010 1. Politica e Estratégia A Formação desempenha um papel preponderante no desenvolvimento do indivíduo. É através dela que as pessoas adquirem os conhecimentos necessários

Leia mais

Anúncio de concurso. Fornecimentos

Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:268336-2015:text:pt:html Itália-Ispra: Fornecimento, instalação e manutenção de 2 sistemas de armazenamento por baterias

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES COMÉRCIO EXTERIOR Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES Histórico 1936 - Câmara de Comércio Internacional - CCI, publicou série de normas para interpretação dos mais importantes termos utilizados no

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

2. ADESÃO AO PROGRAMA 2.1. A adesão pelos CLIENTES ao PROGRAMA será automática quando do desbloqueio dos CARTÕES.

2. ADESÃO AO PROGRAMA 2.1. A adesão pelos CLIENTES ao PROGRAMA será automática quando do desbloqueio dos CARTÕES. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BENEFÍCIOS PAN+ 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1. Este Regulamento estabelece as regras de participação dos clientes pessoa física Titulares e Adicionais ("CLIENTES" ou "CLIENTE")

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELA UE/PELO FED

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELA UE/PELO FED Divulgação limitada à Entidade Adjudicante e ao autor do documento, tendo em vista proteger os dados pessoais e a vida privada, bem como a confidencialidade de informações comerciais e industriais FORMULÁRIO

Leia mais

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D Condições de Enquadramento Portaria nº 57-A/2015 de 27 de Fevereiro de 2015 0 VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO,

Leia mais

Termos e Condições Gerais para Fornecedores (TCG,

Termos e Condições Gerais para Fornecedores (TCG, Termos e Condições Gerais para Fornecedores (TCG, 1. Escopo Estes TCG são aplicáveis à relação jurídica entre a SIG Combibloc Grupo AG ou qualquer de suas afiliadas (doravante SIG) e o Fornecedor. Estes

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias:

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1 Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: a) Mercadorias inteiramente obtidas ou elaboradas inteiramente no território de uma das Partes,

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Plantas para Fibras. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Plantas para Fibras. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Plantas para Fibras de Organizações de Pequenos Produtores Também aplicado à Produção Contratada para Algodão na Índia e no Paquistão Versão atual: 15.10.2011 Substitui

Leia mais

Condições gerais de compra da BASF e das suas filiais com sede em Espanha e Portugal.

Condições gerais de compra da BASF e das suas filiais com sede em Espanha e Portugal. em Espanha e Portugal. 1. Disposições gerais 1.1 As presentes gerais condições de compra constituem uma parte integral de todos os (futuros) contratos relativos à entrega de mercadorias ou à prestação

Leia mais

MODELOS DE PLANEAMENTOS E DE RELATÓRIOS DE COMERCIO JUSTO

MODELOS DE PLANEAMENTOS E DE RELATÓRIOS DE COMERCIO JUSTO MODELOS DE PLANEAMENTOS E DE RELATÓRIOS DE COMERCIO JUSTO Estes modelos podem ajudá-lo a cumprir com os requisitos da seção 4.1.1-4.1.10 sobre Potencial de Desenvolvimento e os requisitos de relatórios

Leia mais

Condições e formulários de aceitação DEGIRO

Condições e formulários de aceitação DEGIRO Condições e formulários de aceitação DEGIRO 1/25 Endereço para onde pode enviar este formulário: Pode enviar este formulário devidamente preenchido por e-mail para: clientes@degiro.pt 2/25 Condições para

Leia mais

Termos e Condições Especiais de Venda - Social Ads

Termos e Condições Especiais de Venda - Social Ads Termos e Condições Especiais de Venda - Social Ads Os presentes termos e condições especiais de venda (doravante Condições Especiais de Venda ou os CPV regulamentam a relação entre: A APVO, uma empresa

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA. António Mantas

A CERTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA. António Mantas A CERTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA António Mantas am@sativa.pt A CERTIFICAÇÃO de um produto (ou de um processo ou de um serviço) é um meio de garantir a sua conformidade com normas e outros documentos

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio [Denominação legal da entidade de envio e código Erasmus, se aplicável]

Leia mais

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS Dossier informativo - Cimentos LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS INTRODUÇÃO Qualquer entidade legalmente estabelecida, nacional ou estrangeira, pode solicitar ao LNEC a certificação

Leia mais

Resumo das mudanças: Feedback recebido sobre o esboço da Norma Comercial da Fair Trade USA e respostas da Fair Trade USA Novembro de 2013

Resumo das mudanças: Feedback recebido sobre o esboço da Norma Comercial da Fair Trade USA e respostas da Fair Trade USA Novembro de 2013 Resumo das mudanças: Feedback recebido sobre o esboço da Norma Comercial da Fair Trade USA e respostas da Fair Trade USA Novembro de 2013 www.fairtradeusa.org 2013 Fair Trade USA. Todos os direitos reservados.

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO Página: 1 de 13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO 4. AUDITORIA DA ORGANIZAÇÃO 5. AÇÕES CORRETIVAS IDENTIFICADAS DURANTE AS AUDITORIAS 6. CERTIFICAÇÃO E USO DO LOGOTIPO

Leia mais

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent Descrição do serviço Controlo de Saúde de SAN Dell Compellent Visão geral do serviço A presente Descrição do Serviço ( Descrição do Serviço ) é celebrada entre si, o cliente ( você ou Cliente ), e a entidade

Leia mais

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica na produção orgânica Aprovação: C. Página: 1/10 REFERENCIAL TÉCNICO Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica Este documento é de propriedade da ECOCERT. Toda reprodução integral ou parcial feita sem

Leia mais

Leia com atenção as presentes Condições Gerais para a Contratação da aplicação informática

Leia com atenção as presentes Condições Gerais para a Contratação da aplicação informática CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO SCAN & LINK USUÁRIO Leia com atenção as presentes Condições Gerais para a Contratação da aplicação informática SCAN & LINK USUÁRIO. Estas Condições Gerais encontram se disponíveis

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - G763300V2

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - G763300V2 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro

Leia mais

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 Página: 1 de 12 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO... 3 3. ALTERAÇÕES... 3 4. DEFINIÇÕES... 3 5. CONCESSÃO DA CERTIFICAÇÃO... 4 6. ACOMPANHAMENTO E RENOVAÇÃO DA

Leia mais

NORMA DE PAGAMENTOS. Componente FEDER

NORMA DE PAGAMENTOS. Componente FEDER NORMA DE PAGAMENTOS Componente A PRESENTE NORMA DE PAGAMENTOS APLICA-SE AOS PEDIDOS DE PAGAMENTOS A FORMALIZAR (APÓS 18-01-2013) E AINDA AOS QUE SE ENCONTRAM EM ANÁLISE NO IDE- RAM, NO ÂMBITO DO SISTEMAS

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos Casos práticos Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente aos casos práticos da Comunicação de Operações com o Exterior (COPE)

Leia mais

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM 2 OBJETIVO COMPLEMENTARIDADE O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas foi criado pela Portaria n.º 68, de 15 de fevereiro, e enquadra-se no Programa Valorizar, estabelecido

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA O presente conjunto de Condições Gerais de Venda da GLUAL HIDRÁULICA se aplica a todas as entregas e a todos os serviços. ARTIGO 1. INFORMAÇÕES GERAIS ARTIGO 2. - OFERTAS E PEDIDOS ARTIGO 3. ESTUDOS, PLANTAS

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA I. Aplicabilidade Estas Condições Gerais serão aplicáveis a todas as vendas efetuadas pela Nefab e suas afiliadas (VENDEDOR) aos seus clientes (COMPRADOR). Desvios destas Condições

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 05/SI/2010 1 Índice Destinatários... 3 Condições de Elegibilidade do

Leia mais

Parceiro Logístico para

Parceiro Logístico para Parceiro Logístico para A logística no evento Maio de 2012 www.porlogis.pt Agenda ENQUADRAMENTO CALENDÁRIO LOGÍSTICO DOCUMENTAÇÃO IDENTIFICAÇÃO E EMBALAGEM PLATAFORMAS PARA RECEPÇÃO DOS PRODUTOS CONTACTOS

Leia mais

COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS

COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS Forma de Contratação do Limite Máximo de Responsabilidade 1. SEGURO A PRIMEIRO RISCO RELATIVO A seguradora responderá pelos prejuízos de sua

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Anexo para Dispositivos

Anexo para Dispositivos Contrato IBM Internacional PassportAdvantage Parte 1 Termos Gerais Anexo para Dispositivos Os termos deste Anexo para Dispositivos ("Anexo") entre ("Cliente"), e a IBM BRASIL Indústria, Máquinas e Serviços

Leia mais

Termos e Condições de Aquisição Geral

Termos e Condições de Aquisição Geral better together Termos e Condições de Aquisição Geral 1. Aplicabilidade 1.1. Estes termos e condições gerais de compra ("Condições gerais") aplicam-se a todos os produtos e serviços da NV Bekaert SA e/ou

Leia mais

1.3 "Instituição", as escolas de idiomas, colégios, faculdades e / ou universidades que o Estudante se compromete a estudar;

1.3 Instituição, as escolas de idiomas, colégios, faculdades e / ou universidades que o Estudante se compromete a estudar; Termos e Condições Estes Termos e Condições entrarão em vigor no momento em que o formulário de registro for aceito pela LAISRA Ltd. A aceitação da sua reserva entrará em vigor quando enviarmos a você

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR RELATÓRIO DE AUDITORIA MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR Nº EXPEDIENTE: 2012/1106/ER/01 Nº RELATÓRIO: 05 TIPO DE AUDITORIA: AR com extensão de âmbito NORMA DE APLICAÇÃO: ISO9001:2008 Requer envio de PAC

Leia mais

Critério do Comércio Justo Fairtrade. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo Fairtrade. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo Fairtrade para Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05. v1.2 Data prevista para a próxima revisão completa: 2016 Contato para comentários: standards-pricing@fairtrade.net

Leia mais

Proposta de adesão de serviços combinados de locação de posição de trabalho em espaço coletivo, serviços de escritório e apoio administrativo.

Proposta de adesão de serviços combinados de locação de posição de trabalho em espaço coletivo, serviços de escritório e apoio administrativo. SKYOFFICE Proposta de adesão de serviços combinados de locação de posição de trabalho em espaço coletivo, serviços de escritório e apoio administrativo. VISÃO GERAL Bem-vindo ao skyoffice. Somos um serviço

Leia mais

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos Luiz Campos 1 Livro de Apuração do IPI - CFOP CFOP DESCRIÇÃO 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais