Estabelecimento e gestão comunitária de bancos de semente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estabelecimento e gestão comunitária de bancos de semente"

Transcrição

1 Estabelecimento e gestão comunitária de bancos de semente 1

2 Ficha Técnica Edição Projecto de Segurança Alimentar & Agro-Negócios (SAAN) Conteúdo Técnico Casimiro Alves Alberto Lourenço Benjamim Eusebio Muananoua Diagramação Pedro Cuhia e Desenho Revisão Christian Steiner Leopoldino Jerónimo Referencia: Helvetas Republica Dominicana Manual de uso de rotafolios Impressão CIEDIMA Financiador União Europeia Endereço Helvetas Rua Marginal, C.P. 79 Pemba, Cabo Delgado Moçambique 2

3 Conteúdo Conceito e abordagem de banco de semente... 6 Importância do banco de semente... 7 Conhece os tipos de bancos de semente na comunidade?... 8 Tipos de bancos de semente:... 8 Bancos de semente gerido por CDC s da micro-região... 9 Qual é o propósito de um banco gerido por um CDC?... 9 Estrutura do banco dos CDCs Aldeia Centro Aldeia Satélite Vantagens da abordagem de Micro-regiões: Beneficiarias/os do banco de semente do CDC Como podem ser seleccionados os/as beneficiários/as? Grupos solidários de crédito Como funcionam os grupos solidários para segurança de crédito? Direitos dos/das beneficiários/as Quais são os direitos dos/as beneficiários/as? Obrigações dos/das beneficiários/as Quais devem ser as obrigações dos beneficiários? Mecanismos de controlo Quais devem ser os mecanismos de controlo aos / às beneficiários/as de semente? Ficha de controlo de semente Devolução da semente Porque os/as beneficiários/as devem devolver a semente emprestada? Papel do Comité de Gestão Qual é o papel e a responsabilidade do comité de gestão de bancos de semente? Composição do Comité de Gestão Qual e a composição do comité de gestão de bancos de semente? Gestor/a do Comité Tesoureiro/a Secretário/a Promotor/a / animador/a de extensão Critérios de Selecção do Comité de Gestão Quais são os critérios de selecção dos/das membros do comité? Calendário das actividades do comité de gestão Durante o período de produção agricola Durante a época da colheita Época da preparação e conservação da semente

4 Conservação da Semente Preparação da campanha agricola Renovação da semente e remuneração do comité de gestão Papeis dos diferentes actores Papel do Projecto Papel do CDC Papel dos/as promotores/as e animadores/as Divulgação dos bancos de semente Como será feita a divulgação dos bancos na comunidade? Envolvimento das autoridades Como será feito o envolvimento das autoridades comunitárias e locais no funcionamento dos bancos? Gestão de conflitos Calendário do banco de semente Quando encher os silos? Fazer Tratamento da semente antes de conservar Banco de semente gerido por uma união/fórum de associações Qual e o propósito de um banco gerido por uma união/fórum de associações de produtores? Clientes do banco de semente dirigido por uma união/fórum de associações Como podem ser seleccionados as associações clientes? Direitos das associações clientes Quais são os direitos das associações clientes? Obrigações das associações clientes Quais devem ser as obrigações das associações clientes? Mecanismos de controlo Quais devem ser os mecanismos de controlo às associações beneficiárias de semente numa união/fórum de associações? Papel do Comité de Gestão Critérios de selecção dos membros do comité Mecanismos de revitalização de um comité Renovação da semente e remuneração do comité de gestão Papeis dos diferentes actores Papel da união Papel dos promotores/animadores na assistência ao funcionamento dos bancos Fórum distrital de semente Como fortalecer as relações entre os diferentes intervenientes no funcionamento de bancos? Papel do Fórum distrital de semente

5 Coordenar e assistir o processo de produção local de semente e com instituições de certificação de semente Em colaboração com os SPA-DPA influenciar na harmonização de abordagens de produção e sistemas de distribuição de semente ao nível distrital Divulgar os silos melhorados de baixo custo e bancos de sementes e sensibilizar os membros do fórum a promover nas comunidades Assistir os produtores de semente no processo de comercializacao de semente Productores / as SPER (Serviços Provinciais de Extensão Rural) SDAE IIAM

6 Conceito e abordagem de banco de semente O que entende por banco de semente? Local de conservação de sementes dentro duma microregião/união/fórum constituído por um número determinado de silos com uma gestão própria. 6

7 Importância do banco de semente 1. O banco é gerido pelas próprias comunidades para o auto-abastecimento de semente nas comunidades 2. Permite diminuir a dependência externa e os custos de aquisição de semente aos produtores locais 3. Fortalece o sistema local de sementes criando o hábito de produção de semente de qualidade 4. Permite ter semente de boa qualidade de variedades melhoradas, adaptadas as condições locais e conhecidas 5. Permite boa conservação e melhor gestão da semente para sementeiras atempadas 6. Beneficia as famílias mais carentes 7

8 Conhece os tipos de bancos de semente na comunidade? Tipos de bancos de semente: 1. Geridos por CDC s (Conselhos de Desenvolvimento Comunitários) das micro-regiões 2. Geridos por União/Fórum de associações 3. Silos individuais de produtores de sementes 8

9 Bancos de semente gerido por CDC s da micro-região Qual é o propósito de um banco gerido por um CDC? 1. Facilitar a aquisição da semente à comunidade 2. Permitir a boa conservação da semente na comunidade 3. Introduzir novas variedades e renovar a semente 4. Beneficiar os membros mais carentes da comunidade na forma de crédito de semente 5. Aumentar os níveis de produção de culturas alimentícias para maior segurança alimentar 9

10 Aldeia Centro Estrutura do banco dos CDCs 1. Fazer a gestão do banco de semente da micro-região através dos membros do comité de cada aldeia. 2. Recolher os dados sobre beneficiários de semente dos bancos nas aldeias satélites e compilar. 3. Receber o grão de cada aldeia satélite e junto com o comité realizar a venda e compra de nova semente. 4. Alocar nova semente as aldeias satélites de acordo as quantidades de grão por elas enviado a aldeia centro. Aldeia Satélite 1. Os membros do comité de gestão de bancos de semente devem colaborar com o CDC para a selecção dos beneficiários de acordo os critérios estabelecidos. 2. Receber a semente da sede do banco (estabelecido na aldeia centro) assegurar a gestão em colaboração com cada CDC da aldeia satélite. 3. Enviar os dados actualizados aos gestores do banco da micro-regiao para a sua compilação e facilitar o acompanhamento. 4. Recolher a semente dos beneficiários de cada aldeia e facilitar a realocaçao aos beneficiários identificados. 5. Recolher o grão e em coordenação com o CDC da aldeia enviar a aldeia centro para a sua comercialização e compra de nova semente. Vantagens da abordagem de Micro-regiões: 1. Permite aos CDCs venderem em conjunto o grão do banco de semente em lotes relativamente maior e reduzir distâncias aos compradores 2. Permite fortalecer o sistema local de aquisição de semente. 3. Uma vez que o estabelecimento de micro-regioes obedece a divisão administrativa, contribui no fortalecimento do relacionamento das autoridades comunitárias. 10

11 Beneficiarias/os do banco de semente do CDC Como podem ser seleccionados os/as beneficiários/as? 1. Realizar encontros em cada comunidade para divulgação sobre o funcionamento dos bancos e critérios de selecção dos/as beneficiários/as 2. Identificar mulheres e homens produtores interessados e avaliar de acordo os critérios de selecção: a) Residente na comunidade b) Honesto c) Aceitem criar um grupo solidário de crédito d) Possuir no mínimo uma área de 0,25ha e) Aceitar seguir as normas mínimas de produção de semente, com capacidade de produzir e dispostos a produzir em blocos 11

12 Grupos solidários de crédito Como funcionam os grupos solidários para segurança de crédito? 1. Um grupo solidário e composto por 5 membros/as, escolhidos por iniciativa própria 2. O CDC pode decidir de exclusivamente beneficiar a mulheres com a entrega da semente, caso achar conveniente 3. Comprometem-se colectivamente a reembolsar o crédito por inteiro 4. Deve ser composto por indivíduos do mesmo nível económico e género, não devem pertencer a mesma casa, para evitar conflitos de interesses quando for necessário aplicar pressões internas para o reembolso dos créditos 5. O grupo escolhe um/a representante para todos os contactos entre o grupo e o comité de gestão de banco de semente 6. O valor de credito inicial e limitado a máximo 15kg de semente por membro/a. 7. O comité de gestão de banco de sementes nega a qualquer membro de um grupo que não cumpriu com a devolução de semente a pertencer a um outro grupo solidário 12

13 Direitos dos/das beneficiários/as Quais são os direitos dos/as beneficiários/as? 1. Receber semente de qualidade atempadamente para a sementeira 2. Receber orientações e assistência técnica para a produção e selecção de semente a devolver 3. Beneficiar do banco de semente para duas campanhas, com a possibilidade de duplicar a quantidade de semente recebida na segunda campanha 13

14 Obrigações dos/das beneficiários/as Quais devem ser as obrigações dos beneficiários? 1. Assinar a lista da recepção da semente 2. Não fazer desvio de aplicação (não vender nem comer) a semente recebida 3. Obedecer as normas de produção 4. Fazer consociação recomendada 5. Facilitar e acompanhar as visitas de supervisão nos campos 6. Devolver o dobro da semente recebida no momento combinado 7. Devolver a mesma variedade que recebeu e de boa qualidade 14

15 8. Ter construído um celeiro melhorado para ser beneficiado na segunda campanha 9. Se um ou mais membros dum grupo solidário não puderem fazer as devoluções, os/as outros/as membros/as pagam a sua parte e também cobrem a parte dos/as membros do grupo que não estão em condições de pagar 10. Participar nos encontros do CDC sempre que for solicitado 11. Apoiar na manutenção do banco de semente sempre que for necessário Mecanismos de controlo Quais devem ser os mecanismos de controlo aos / às beneficiários/as de semente? 1. O comité de gestão deve garantir a supervisão da semente; da distribuição até a devolução. 2. Gestor/a do banco de semente de levar registo dos/as beneficiários/as da semente (para conhecer os membros, sua localização, área de produção, as quantidades recebidas e a devolver): 15

16 Ficha de controlo de semente Visto Distrito: Posto Administrativo: Chefe da Localidade Micro-região:, CDC de Cultura de Variedade Campanha agricola / NR Nome do Sexo Area de Semente Assinatura Semente Assinatura beneficiario producao Recebida (kg) devolvida (kg) (ha) Quant. Data Quantidade Data Assinatura Gestor/a do Comité / / Assinatura A/o Presidente do CDC / / 16

17 Devolução da semente Porque os/as beneficiários/as devem devolver a semente emprestada? Assegura receber a semente na campanha seguinte para aumentar a sua área de produção e melhorar a sua segurança alimentar Deve-se devolver a semente para garantir a sustentabilidade do banco de semente ao nível da comunidade e para dar oportunidade a outros produtores receber semente de qualidade Criar um historial de acesso a crédito favorável para outras intervenções e projectos. 17

18 Papel do Comité de Gestão Qual é o papel e a responsabilidade do comité de gestão de bancos de semente? Cada aldeia satélite manda 2 representantes no Comité de Gestão para constituir a Assembleia do Comité, a qual deve: Estabelecer e aprovar o regulamento interno do banco Registo dos/as membros e grupos solidários Medir as áreas antes da distribuição da semente Controlar as entradas e saídas de semente Controlar a qualidade da semente e realizar testes de poder germinativo Supervisar os campos de produção e controlar ataque de pragas Assegurar a devolução da semente nas quantidades acordadas e manter informado aos CDC s (prestação de contas) Assegurar que haja suficiente silos para conservar as quantidades devolvidas Criar parcerias (associações, produtores/as, compradores, governo, ONG s e outros) Manutenção do banco através da venda do grão e compra de semente 18

19 Composição do Comité de Gestão Qual e a composição do comité de gestão de bancos de semente? Gestor/a do Comité Garantir o desenvolvimento das actividades do banco de semente Facilitar a reflexão sobre o bom funcionamento do banco de semente e assinar os memorandos Fazer o plano de actividades do Comité de Gestão Fazer cumprir o regulamento interno do banco de semente Fazer relatórios de prestação de contas Representar o comité dentro e fora do banco de semente Motivar os membros do banco de semente a participar nas actividades aprovadas pelos CDC s Tesoureiro/a Controlar os valores do comité do banco de semente Fazer contabilidade dos movimentos Responsabilizar-se pela gestão financeira do banco de semente Secretário/a Elaborar as actas das reuniões do comité do banco de semente Compilar os registos das entradas e saídas de semente Conservar correctamente todos os registos do banco de semente Fazer e enviar convocatórias para reuniões do banco de semente Manter actualizado os registos dos membros do comité do banco de semente e seus beneficiários. 19

20 Promotor/a / animador/a de extensão Moderar o processo de alocação de semente Fazer acompanhamento integrado nos campos dos beneficiários Manutenção dos silos do banco de semente Fazer teste de poder germinativo Garantir o tratamento dos silos e semente Promover a construção de silos nas comunidades Critérios de Selecção do Comité de Gestão Quais são os critérios de selecção dos/das membros do comité? A selecção deve ser feita numa Assembleia do CDC nível da aldeia/comunidade Deve haver equidade do género em 50% dos membros que constituem m comité de gestão. Produtor/a conhecido/a (residente) na comunidade Produtor/a respeitado/a e que sabe respeitar os outros/as membros Saber ler e escrever Ser membro do CDC Ser honesto/a e respeitada ao nível da comunidade Ser responsável e de consenso Disponibilidade e capacidade de se deslocar dentro da micro-região 20

21 Calendário das actividades do comité de gestão Durante o período de produção agricola J F M A M J J A S O N D O comité em colaboração como o CDC e promotores/as ou ainda animadores/as irão assistir o processo de produção nos campos de beneficiários fazendo acompanhamentos regulares. Realizar encontros regulares conjuntos com os produtores para actualizar sobre o ponto de situação do processo produtivo Durante a época da colheita J F M A M J J A S O N D Acompanhar o processo de colheita das culturas ao nível dos beneficiários do banco. Assistir no processo de secagem dos produtos durante os meses de Maio e Junho. Em colaboração com o CDC e promotores sensibilizar e assistir os beneficiários a construir seus celeiros melhorados para a conservação do excedente de produção. Em colaboração com o CDC, promotores e autoridades locais mais próximas sensibilizar e assistir os beneficiários a construir seus silos melhorados para a conservação de semente. Realizar manutenção dos silos dos bancos de semente (Maticagem de rachas, renovar cobertura, saias de protecção de ratos e outros danos que se verificarem). 21

22 Época da preparação e conservação da semente J F M A M J J A S O N D Fazer a desinfecção dos silos, com recurso ao fogo e limpeza Assistir os beneficiários de bancos de semente na preparação e selecção da semente. Recolher a semente correspondente a devolução de cada beneficiário. Assegurar que os grupos solidários devolvam a semente Quando a semente atinge o grão, o comité deve recolher e em coordenação com os CDCs proceder a venda e compra de nova semente nas associações produtores de semente certificada. Conservação da Semente J F M A M J J A S O N D Controlar a semente conservada nos silos e tratar sempre que necessário Mensalmente, no acto de controlo efectuar testes de germinação para acompanhar regularmente a manutenção da qualidade da semente. Identificar beneficiários e comprovar se reúnem requisitos para se beneficiarem da semente do banco. 22

23 Preparação da campanha agricola J F M A M J J A S O N D Acompanhar o processo de preparacao de campos de producao de alimentos e semente. Assegurar a seleccao de beneficiários de semente a partir dos bancos de semente. Alocar a semente aos beneficiários seleccionados; Acompanhar o processo de sementeiras nos campos dos beneficiários; Realizar encontro com as respectivas comunidades para encontros de prestação de contas da campanha anterior. Renovação da semente e remuneração do comité de gestão Depois do ciclo de dois anos de reprodução do lote inicial de sementes, o comité de gestão do banco de sementes poderá comercializar 5 000kg de feijão comum e 5 000kg de milho. O preço de venda corrente no mercado do feijão comum é de 8 MZN/kg e de 6 MZN/kg no caso do milho. A venda de grãos produzirá, portanto, um rendimento de 5 000kg de feijão x 8 MZN/kg = MZN mais 5 000kg de milho x 6 MZN = MZN, para um rendimento total de MZN O custo para voltar a comprar um lote inicial de semente de segunda geração C2 é de 1 250kg x 20 MZN/kg = MZN no 23

24 caso do feijão comum e 1 250kg x 15 MZN/kg = MZN no caso do milho, para uma despesa total de MZN. O benefício bruto em dois anos chegará, portanto, aos MZN MZN = MZN com o qual o comité de gestão do banco de sementes será remunerado pelo seu trabalho, conseguindo eventualmente algum benefício líquido para fins sociais e possibilidades de fazer trocas de experiencia. Papeis dos diferentes actores Papel do Projecto Supervisar a qualidade de construção de silos Treinar os membros do comité de gestão Facilitar a alocação da semente na primeira campanha mediante contrato entre produtores de semente e comité de banco de semente, para permitir o arranque do sistema Assistir os CDC s na gestão do banco de semente. Acompanhar o processo de produção Assessorar o bom funcionamento dos bancos de semente Papel do CDC Identificar e eleger os membros do comité de gestão Estruturar o comité de gestão Aprovar os regulamentos propostos pelo comité de gestão Monitorar o processo de gestão do comité Destituir os membros do comité de gestão 24

25 Papel dos/as promotores/as e animadores/as Supervisão da qualidade de construção de silos Treinar os membros do comité de gestão Colaborar no funcionamento do comité de gestão de banco de semente. Acompanhar o processo de produção dos beneficiários Promover a manutenção dos bancos de semente Divulgação dos bancos de semente Como será feita a divulgação dos bancos na comunidade? No fim de cada treinamento dos membros do comité de gestão do banco de semente da micro-região deve haver um encontro de divulgação. O CDC deve contactar as autoridades comunitárias para marcar o encontro de divulgação Esclarecer que o banco de semente é um bem da comunidade Através do banco a comunidade terá disponibilidade de semente de qualidade Com a semente melhorada vai-se aumentar a produção e a segurança alimentar Com o banco na comunidade, reduzem-se os custos de aquisição da semente e as distâncias a percorrer para as lojas Haverá melhor conservação da semente na comunidade Diminuiremos a dependência com outros. 25

26 Envolvimento das autoridades Como será feito o envolvimento das autoridades comunitárias e locais no funcionamento dos bancos? Criar um bom ambiente de trabalho Acompanhar o processo de comercialização Consciencializar as comunidades sobre as vantagens dos bancos de semente Assegurar o bom funcionamento do banco de semente Gestão de conflitos Aconselhamento Gestão de conflitos O comité de gestão do banco de semente deve conhecer o papel dos CDC s A comunidade deve conhecer o papel do comité de gestão O Comité de gestão do banco deve dominar o seu papel Critérios de selecção dos beneficiários da semente devem ser de domínio público Fazer valer os regulamentos elaborados Haver transparência na selecção dos beneficiários e alocação da semente O comité de gestão deve fazer acompanhamento regular dos beneficiários do banco de semente Lista dos beneficiários deve ser de conhecimento de todas estruturas locais mesmo do SDAE Não-violência e privilegiar o dialogo 26

27 C Recorrer às instituições locais de resolução de conflitos Calendário do banco de semente Quando encher os silos? Depois da secagem da semente no mês de Julho Julho e Agosto enchimento dos silos Fazer Tratamento da semente antes de conservar Tratamento preventivo (uso de repelentes exemplo: naxelim, cinza de feijão cute, piripiri, tabaco, margosa, seringueira, pauferro, Tephrosia, folhas de cajueiro, folhas de eucalipto, etc.) Controlo periódico do silo Etiquetar /rotular os silos Banco de semente gerido por uma união/fórum de associações 27

28 Qual e o propósito de um banco gerido por uma união/fórum de associações de produtores? Disponibilidade de semente melhorada a nível local de culturas alimentares e de rendimento Dar oportunidade de negócio Aumentar o volume de venda de semente Melhorar a situação social dos membros Desenvolvimento económico da comunidade Diminuir os custos de aquisição da semente Clientes do banco de semente dirigido por uma união/fórum de associações Como podem ser seleccionados as associações clientes? Associações legalizadas ou em processo, funcionais e geridos democraticamente Deve pertencer a união/fórum Devem assegurar que tenham um regulamento interno aprovado pelos membros Deve ter uma comissão de gestão de actividades económicas Tenham áreas de producao que permitam estabelecer machambas em blocos. Manifestam interesse de produzir semente a partir de meios próprios disponíveis (área de produção, comprometimento e capacidade física, catanas, enxadas e outros) 28

29 Direitos das associações clientes Quais são os direitos das associações clientes? Receber semente de qualidade atempadamente para a sementeira Receber orientações e assistência técnica para a produção e certificação de semente a comercializar Receber assistência técnica para estabelecer negocio de semente a todos níveis (local e provedores de serviços e insumos) Obrigações das associações clientes Quais devem ser as obrigações das associações clientes? Devem aceitar assinar junto a união um contrato com potenciais compradores e fornecedores de insumos, e provedores de serviços, e honrar o compromisso em relação as clausulas previstas no contrato Serem solidários na devolução do crédito onde, se um ou mais membros não puderem pagar os créditos, os/as outros/as membros/as pagam a sua parte e também cobrem a parte dos/as membros do grupo que não estão em condições de pagar Devem ter uma área disponível em bloco e aderir as normas técnicas de produção de semente Cada membro de associação beneficiado com semente deve ter um próprio silo Tethere Apoiar na manutenção do banco de semente sempre que for necessário 29

30 Mecanismos de controlo Quais devem ser os mecanismos de controlo às associações beneficiárias de semente numa união/fórum de associações? A gestão de bancos ao nível de uniões de associações de produtores de pequena escala, deve ser realizada pelos comités de gestão de actividades económicas criadas para o efeito. Quando necessário deve-se reestruturar a estrutura existente e melhorar a capacidade dos comités de gestão de actividades económicas para responder com a gestão dos bancos. Deve haver encontros regulares da comissão de gestão Deve ser assinado um contrato de crédito entre a união / fórum e a associação beneficiária Deve haver monitoria do processo de produção de semente Deve haver prestação de conta Identificar as embalagens na altura da comercialização A semente produzida deve ser vendida em moldes associativos, Penalizar a semente de má qualidade Papel do Comité de Gestão Critérios de selecção dos membros do comité Saber ler e escrever Ser honesto/a Respeitar e ser respeitado/a Ser responsável Existência de equidade de género 30

31 Ser membro da associação Ser eleito/a numa Assembleia Geral Disponibilidade de deslocação ao nível da união/fórum Mecanismos de revitalização de um comité Reestruturação dos órgãos sociais se necessário Capacitação dos membros do comité do banco Envolvimento do Conselho de Direcção, Conselho Fiscal e Assembleia Geral Revisão do Regulamento Interno Renovação da semente e remuneração do comité de gestão O comité de gestão do banco de sementes de uma união de camponeses maximizará o resultado do banco de sementes, enquanto garante a provisão do fornecimento de insumos para os seus membros. Para começar um negócio, fará compra dum lote inicial de de semente de segunda geração C2, a um custo de 1 250kg x 20 MZN = MZN no caso de feijão comum, e de 1 250kg x 15 MZN = MZN para o milho, resultando num capital total necessário de MZN. Depois da campanha, assumindo um reembolso de 100% dos multiplicadores de sementes, o banco de sementes poderá vender a sua produção de semente de semente garantida (C3) como produto para sementeira, pelo mesmo preço: 2 500kg x 20 MZN =

32 MZN no caso de feijão e x 15 MZN = MZN no caso do milho, para um rendimento bruto de MZN. Metade deste rendimento será necessário para tornar a comprar a quantidade inicial de semente de segunda geração C2 para recomeçar o ciclo de produção de um ano. O remanescente anual do benefício bruto de MZN pode ser usado para cobrir as despesas operacionais e financeiras, restando ainda um benefício líquido para gratificar os/as gestores/as mediante as margens do negócio das sementes da união. Papeis dos diferentes actores Papel da união Representar a união/fórum no fórum distrital de semente Celebrar contratos com fornecedores de semente certificada Apresentar propostas de créditos aos Conselhos Consultivos da Localidade (CCL) para aquisição de semente certificada Comprar novos lotes de semente sempre que necessário Seleccionar associações que vão multiplicar a semente Ajudar as associações na identificação de área em bloco para multiplicação de semente Controlar os campos de produção Solicitar serviços de inspecção e certificação de semente através do SDAE Monitorar os bancos da união Registar e controlar as fichas de entrada e saída da semente Planificar a comercialização da semente dos membros da união/fórum Registar as vendas 32

33 Distribuir as margens Pagar as taxas de comercialização Pagar aos membros produtores de semente resultado da comercialização Promover encontros regulares Papel dos promotores/animadores na assistência ao funcionamento dos bancos Multiplicar semente C1 Treinar os membros das uniões sobre produção de semente Treinar os membros na construção de silos e segurança alimentar Treinar os membros das comissões de gestão de semente Fazer acompanhamento das associações na produção de semente Vender a semente por eles multiplicada para as uniões/fóruns e outros Comprar semente básica no Instituto de Investigação Agrónomico de Moçambique (IIAM) Celebrar contratos com fornecedores de semente básica Solicitar serviços de inspecção e certificação de semente através do SDAE Apoiar o comité de gestão na monitoria dos bancos de semente da união 33

34 Fórum distrital de semente Como fortalecer as relações entre os diferentes intervenientes no funcionamento de bancos? Criar fórum distrital de semente moderado pelo SDAE Ser constituído pelos principais actores e intervenientes na área agrícola (Autoridades locais a todos níveis no distrito, Comité de gestão de bancos de CDC s, representantes das Uniões/fóruns, SDAE, Organizações de apoio, Promotores, CCD, Agencia de Desenvolvimento Local do distrito e Comerciantes) Ligar o Fórum distrital ao grupo de semente provincial Papel do Fórum distrital de semente Coordenar e assistir o processo de produção local de semente e com instituições de certificação de semente. Em colaboração com os SPA-DPA influenciar na harmonização de abordagens de produção e sistemas de distribuição de semente ao nível distrital. Divulgar os silos melhorados de baixo custo e bancos de sementes e sensibilizar os membros do fórum a promover nas comunidades. Assistir os produtores de semente no processo de comercializacao de semente. 34

35 Productores / as Criar abertura e ceder Aderir as mensagens técnicas Ter conhecimento das vantagens da produção e conservação da semente Disponibilidade de campos SPER (Serviços Provinciais de Extensão Rural) Capacitar/emponderar a equipe técnica distrital Monitorar/inspeccionar o processo de multiplicação de semente SDAE Assistência técnica directa aos multiplicadores de semente Capacitar os multiplicadores de semente Facilitar o processo de identificação dos campos Facilitar a criação de fóruns distritais de produtores de semente IIAM Disponibilizar a semente básica de variedades adaptadas Colaborar com SPER/SDAE na produção e promoção de tecnologias. 35

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

PÓS-COLHEITA E DA SEGURANÇA ALIMENTAR. Mathonyero tchokhumelela na hepaka tjolya nimakhuluvelo

PÓS-COLHEITA E DA SEGURANÇA ALIMENTAR. Mathonyero tchokhumelela na hepaka tjolya nimakhuluvelo PÓS-COLHEITA E DA SEGURANÇA ALIMENTAR Mathonyero tchokhumelela na hepaka tjolya nimakhuluvelo 0 Ficha Técnica Edição Projecto de Segurança Alimentar & Agro-Negócios (SAAN) Conteúdo Técnico Casimiro Alves

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

PACDE Projecto de Apoio à Competitividade e Desenvolvimento do Sector Privado MESE MECANISMO DE SUBSÍDIOS EMPRESARIAIS

PACDE Projecto de Apoio à Competitividade e Desenvolvimento do Sector Privado MESE MECANISMO DE SUBSÍDIOS EMPRESARIAIS PACDE Projecto de Apoio à Competitividade e Desenvolvimento do Sector Privado MESE MECANISMO DE SUBSÍDIOS EMPRESARIAIS I. ÍNDICE I. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA 1. O que é o Programa 2. Entidades Beneficiárias

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO I Introdução 1.1 O presente Regulamento destina-se a estabelecer as regras de acesso e de funcionamento do INOV.POINT Centro

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

COMISSAO DISTRITAL DE GESTAO DE RISCO DE CALAMIDADES (CD-GRC)

COMISSAO DISTRITAL DE GESTAO DE RISCO DE CALAMIDADES (CD-GRC) COMISSAO DISTRITAL DE GESTAO DE RISCO DE CALAMIDADES (CD-GRC) Conceito CD-GRC... Estrutura permanente Integração e coordenação Aplica metodologías participativas Obrigatoria ...Conceito CD-GRC Executa

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários

Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários Elementos de uma Proposta REDE? SISTEMA? Beneficiários do Bolsa Família não conseguem financiamento para iniciar atividades produtivas Os Fundos Solidários

Leia mais

Partilha de informação com as comunidades

Partilha de informação com as comunidades Briefing da CAFOD sobre : Nível 1 (Básico) com as comunidades Este Briefing apresenta um guia básico passo-a-passo para os parceiros da CAFOD sobre a partilha de informação com as comunidades que apoiam

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 É do interesse das Instituições de Ensino Superior promover a excelência do ensino, propiciando aos seus estudantes

Leia mais

MINAS GERAIS 12/04/2008. Diário do Judiciário. Portaria 2.176/2008

MINAS GERAIS 12/04/2008. Diário do Judiciário. Portaria 2.176/2008 MINAS GERAIS 12/04/2008 Diário do Judiciário Chefe de Gabinete: Dalmar Morais Duarte 11/04/2008 PRESIDÊNCIA Portaria 2.176/2008 Institucionaliza o Programa Conhecendo o Judiciário do Tribunal de Justiça.

Leia mais

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 1. Mobilidade Internacional de Estudantes Os alunos da Universidade Fernando Pessoa (UFP) que cumpram

Leia mais

0. Breve historial da Organização:

0. Breve historial da Organização: 0. Breve historial da Organização: A Associação dos Jovens e Amigos de Govuro (AJOAGO) foi fundada em Janeiro de 2001 no Distrito de Govuro e registada sob o número 2-F-2/L Q1 com data 18/06/2004 na Conservatória

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA FUNDO ESPECIAL DE AUTO-AJUDA DO EMBAIXADOR DOS E.U.A. Ajudando as Comunidades a Ajudar-se a Si Próprias Caro Candidato ao Fundo de Auto-Ajuda: Obrigado pelo seu

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015 O Programa Bolsas Ibero-américa. Estudantes de Licenciatura e

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO

REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO A Caixa Central Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, C.R.L., contribuinte nº 501464301, com sede na Rua Castilho, nº233, 1099-004 LISBOA, através da Direcção de Marketing

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Unidade Técnica da Reforma Da Administração Financeira do Estado - UTRAFE MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE Maputo, 12 de Julho de

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL República de Moçambique MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL Maputo, 06 de Outubro de 2006 1 PORQUE INSISTIR NO MEIO RURAL? Representa mais de 95% do território

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK

REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK Data: Outubro de 2013 PARTE I Aspectos Gerais Artigo 1º (Âmbito) No presente regulamento definem-se os procedimentos de funcionamento da Incubadora do Taguspark,

Leia mais

Vendas pela Internet, televisão, telefone, fax ou catálogos

Vendas pela Internet, televisão, telefone, fax ou catálogos Vendas pela Internet, televisão, telefone, fax ou catálogos Para assegurar os direitos dos consumidores relativos à informação dos produtos e identidade do vendedor, as empresas têm de cumprir regras sobre

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere

Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99 de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA PREÂMBULO O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO ESTATAL Direcção Nacional de Promoção do Desenvolvimento Rural A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais

Leia mais

PROJETO LAVOURA COMUNITÁRIA

PROJETO LAVOURA COMUNITÁRIA Agência Goiânia de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária-Emater Vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Irrigação MINUTA PROJETO LAVOURA COMUNITÁRIA Safra 20XX /20XX Município:

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA

Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA Programa de Cooperação Trilateral para o Desenvolvimento Agrário do Corredor de Nacala (ProSAVANA) Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

HP Hardware Support Exchange Service HP Customer Support Contractual Services

HP Hardware Support Exchange Service HP Customer Support Contractual Services HP Hardware Support Exchange Service HP Customer Support Contractual Services Um serviço fiável e rápido de substituição de hardware que é uma alternativa rentável e conveniente à reparação no local de

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

Bilene, Manica e Mogovolas

Bilene, Manica e Mogovolas CONTRIBUIÇÃO DO FDD NO FOMENTO DO EMPREGO RURAL- Criando Postos de Trabalho Através do Empreendedorismo A experiência dos Distritos de Bilene, Manica e Mogovolas Apresentado por André Calengo (Lexterra,

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Dezembro de 2004 1/6 Parte I Informações sobre a empresa de seguros 1. Denominação ou firma da empresa de seguros: Companhia de Seguros

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ ActionAid é uma federação internacional trabalhando para erradicar a pobreza e a injustiça. A ActionAid foi

Leia mais

Caritas Diocesana de Portalegre Castelo Branco

Caritas Diocesana de Portalegre Castelo Branco géneros alimentares recebidos do Banco Alimentar Contra a Fome - Delegação de Portalegre, com o qual existe protocolo. Artigo 12º (Afixação de documentos) É da responsabilidade d@ Coordenador/a da Loja:

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL

REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL Página 1 de 7 CAPITULO I Enquadramento O Projecto Emprego Jovem e Coesão Social enquadra-se no Programa Regional para a Coesão Social e o Emprego Jovem,

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

FINANCIAMENTO AO NIVEL COOPERAÇÃO NO SECTOR SAÚDE: ASPECTOS CONTEMPORÁNEOS MAPUTO 13 DE OUTUBRO

FINANCIAMENTO AO NIVEL COOPERAÇÃO NO SECTOR SAÚDE: ASPECTOS CONTEMPORÁNEOS MAPUTO 13 DE OUTUBRO FINANCIAMENTO AO NIVEL DISTRITAL COOPERAÇÃO NO SECTOR SAÚDE: ASPECTOS CONTEMPORÁNEOS MAPUTO 13 DE OUTUBRO Estrutura da apresentação Que é o financiamento externo ao nível distrital? Por que é importante?

Leia mais

COMISSÃO. 1. Introdução

COMISSÃO. 1. Introdução COMISSÃO Convite à apresentação de candidaturas para a constituição de uma lista de peritos encarregados de avaliar as propostas recebidas no âmbito do programa eten, projectos de interesse comum no domínio

Leia mais

Fidelity Poupança FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA AÇÕES TARGET 2045

Fidelity Poupança FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA AÇÕES TARGET 2045 Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA AÇÕES TARGET 2045 ALERTA GRÁFICO Entidade Gestora: T-Vida, Companhia

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO Preâmbulo O Decreto-Lei nº 389/99, de 30 de Setembro, no artigo 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção

Leia mais

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012)

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Regulamento Interno www.tone.pt (Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Introdução www.tone.pt A Tone Music Lda encontra-se sediada em Coimbra, circunscrevendo actualmente o seu raio de acção a este

Leia mais

Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento

Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento PREÂMBULO Perante a crescente dificuldade das famílias Portuguesas no acesso ao mercado da habitação, determinada pela actual conjuntura económico-financeira,

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária Edital de Seleção de Pontos Fixos de Comercialização Solidária Candidatos para Participar da Rede Brasileira de Comercialização Solidária - Rede Comsol (Edital - Ubee/Ims N. 01/2014) 1. Apresentação A

Leia mais

Bruxelas, 3 de Dezembro de 1980. Sr. Vice-Primeiro-Ministro:

Bruxelas, 3 de Dezembro de 1980. Sr. Vice-Primeiro-Ministro: Decreto n.º 143-A/80 Acordo, por troca de cartas, entre a República Portuguesa e a Comunidade Económica Europeia Relativo à Implementação de Uma Ajuda Pré-Adesão a Favor de Portugal O Governo decreta,

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções?

Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções? Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções? A Acção Social Produtiva no Quadro da Regulamentação do Subsistema de Segurança Social Básica e da Estratégia Nacional e Segurança

Leia mais

Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Artigo 1 Definições

Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Artigo 1 Definições Anexo I Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1 Definições Para efeitos do presente Decreto, estabelecem-se as seguintes definições: a) Arquivo: o conjunto de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE LAFÕES

ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE LAFÕES ADRL ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE LAFÕES ESTATUTOS CAPÍTULO I Da associação ARTIGO PRIMEIRO Constituição 1 É constituída uma associação sem fins lucrativos, denominada ADRL Associação de Desenvolvimento

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING Índice INTRODUÇÃO... 2 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING... 2 2 COMPROMISSO DOS COLABORADORES... 2 3 PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO... 3 3.1 RELAÇÕES COM ADMINISTRADORES E COLABORADORES... 3 3.2 RELAÇÕES COM

Leia mais

Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012

Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012 MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012 1 Estrutura de apresentação Objectivo do Plano Caracterização geral da comercialização agrícola Principais Intervenientes

Leia mais

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Os sistemas de segurança alimentar devem ser desenhados de forma a controlar o processo de produção e basearem-se em princípios e conceitos

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O ESTADO DE AVANÇO FINANCEIRO E DAS ACTIVIDADES ATÉ 31.12.2012

RELATÓRIO SOBRE O ESTADO DE AVANÇO FINANCEIRO E DAS ACTIVIDADES ATÉ 31.12.2012 PROGRAMA DE APOIO À DESCENTRALIZAÇÃO E AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO LOCAL (PADDEL) NA PROVÍNCIA DE SOFALA (MOÇAMBIQUE) AID 8417 RELATÓRIO SOBRE O ESTADO DE AVANÇO FINANCEIRO E DAS ACTIVIDADES ATÉ 31.12.2012

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS ASSOCIAÇÃO DOS BOLSEIROS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS 2003 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2003 A Associação dos Bolseiros de Investigação Científica, doravante denominada

Leia mais

I-Ispra: Fornecimento de um grupo electrogéneo trifásico 2012/S 187-306516. Anúncio de concurso. Fornecimentos

I-Ispra: Fornecimento de um grupo electrogéneo trifásico 2012/S 187-306516. Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:306516-2012:text:pt:html I-Ispra: Fornecimento de um grupo electrogéneo trifásico 2012/S 187-306516 Anúncio de concurso

Leia mais

Jornadas da Medicus Mundi: Coordenação no Pais do Fundo Global. Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+

Jornadas da Medicus Mundi: Coordenação no Pais do Fundo Global. Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+ Jornadas da Medicus Mundi: Cooperação no Sector Saúde em Moçambique: Aspectos Contemporâneos Funcionamento do Mecanismo de Coordenação no Pais do Fundo Global Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+ O que é

Leia mais

Pagamento da Renda Mensal Vitalícia por Idade

Pagamento da Renda Mensal Vitalícia por Idade Programa 1282 Proteção Social ao Idoso Objetivo níveis de complexidade e demandas do território, em conformidade com os pressupostos do Sistema Único de Assistência Social, e primando pela convivência

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A GESTÃO DE PROJECTOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A GESTÃO DE PROJECTOS Nº FICHA Nº PERGUNTA RESPOSTA 1 2 2 2 O que significa exactamente a obrigação que tem o Beneficiário Principal de organizar e manter a contabilidade da globalidade do projecto, bem como de compilar a documentação

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES

REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES 1 REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES PROJETO FLORESTA COMUM PREÂMBULO Tendo por base o protocolo celebrado entre a AFN Autoridade Florestal Nacional, o ICNB,

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais