Formação territorial e mobilidade populacional em Candiba-BA *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formação territorial e mobilidade populacional em Candiba-BA *"

Transcrição

1 1 Formação territorial e mobilidade populacional em Candiba-BA * Michelle Neris MOREIRA ** Graduada em Geografia UNEB/Caetité Maria Goreth e Silva NERY*** Professora Assistente UNEB/Caetité RESUMO O presente trabalho analisa a formação territorial do município de Candiba-Bahia na perspectiva de sua mobilidade populacional, propiciando uma reflexão acerca do conceito de território. Procura identificar os principais fatores políticos e econômicos para a configuração do referido município. Para isso fez-se uso de uma linearidade histórica evidenciando as categorias de povoado, vila e cidade, e de uma pesquisa empírica dos processos que ocorrem no âmbito espacial empreendendo desse modo, um resgate histórico das dimensões políticas, sociais e econômicas do espaço humanamente habitado. Nessa perspectiva o trabalho foi confeccionado através de uma pesquisa explorativa-descritiva, utilizando os métodos de procedimento histórico e estatístico que consistiram numa análise histórica dos processos responsáveis pela formação do município de Candiba e no levantamento de dados respectivamente. A organização metodológica das idéias e da pesquisa seguiu o viés das fontes primárias e das fontes secundárias. Fazendo uso de leituras sistematizadas houve ainda coleta de dados em órgão como o IBGE e SEI, Por fim, a realização desse trabalho nos aproxima da identidade do território estudado, e nos apresenta realidades e contrastes diretamente vinculados ao processo de mudança social e de desenvolvimento local. Palavras-chave: Formação territorial, Território, Mobilidade populacional, Candiba. Introdução O processo migratório se caracteriza como sendo um movimento populacional que historicamente e espacialmente está relacionado a busca por melhores condições de vida. Situado nessa categoria de análise o município de Candiba (Bahia) se destaca pela fragilidade e precariedade das relações de trabalho e da circulação de capital que o sustenta e que refletem nos expressivos índices de fluxo migratório. E é no território, enquanto fração do espaço geográfico, que essa fluidez do movimento humano se estabelece; território este, marcado pelas contradições das relações sociais, políticas e econômicas, onde a dialética das relações de trabalho gera a mobilidade como conseqüência dos movimentos do capital. *Artigo elaborado no Componente Curricular Estudos Locais Aplicados durante o período de graduação em Geografia pela UNEB. ** Graduada em Geografia pela Universidade do Estado da Bahia campus VI, Caetité. *** Professora Assistente da Universidade do Estado da Bahia - campus VI, Caetité.

2 2 Assim, tanto a mobilidade espacial quanto a do trabalho torna-se resultado do processo de acumulação capitalista. A migração nesse âmbito passa a ser conseqüência das necessidades geradas pelo jogo do capital. Desse modo, o presente trabalho firma-se em alguns autores tais como Castro (1995), Andrade (1995), Santos (1998), Haesbaert (2001), Santos e Silveira (2001), Mesquita (1995) e Machado (1997) entre outros, na perspectiva do território e em Santos (1991), George (1983), Damiani (1991), Beaujeu- Garnier (1980) e Andrade (1987), entre outros, na análise da mobilidade populacional. De acordo com dados da SEI (2000) o município de Candiba se encontra localizado na Região da Serra Geral, estando situado na Mesorregião do Centro Sul Baiano, mais precisamente na Microrregião de Guanambi (IBGE, 2000). Limitando-se ao norte com o município de Guanambi, a sudeste com Pindaí e a sudoeste com Sebastião Laranjeiras (Figura 01). Guanambi Candiba Sebastião Laranjeiras Pindaí Escala m Elaborador: Junívio da Silva Pimentel, jan/2008. Figura 01 Municípios limítrofes com Candiba Fonte: base cartográfica SEI

3 3 No referente aos dados divulgados no Indicie de Desenvolvimento Social dos municípios 1, Candiba aparece localizada na 13º região econômica, intitulada Serra Geral, já com relação ao território de identidade está inserida no Sertão Produtivo 2. Detentora de uma área de aproximadamente 399,4Km², Candiba demograficamente é composta, de acordo o censo realizado em 2009, por uma população de , sendo que destas, residem na área urbana. Candiba foi constituído município com a força da Lei Estadual nº de 27 de julho de quando foi desmembrado de Guanambi. E em 13 de maio de 1982 criou-se o distrito de Pilões as margens da BR 122, com a Lei Estadual nº A fragilidade, a precariedade das relações de trabalho e da circulação de capital que sustenta o município reflete nos expressivos índices de fluxo migratório e é conseqüência do modo como tal município foi estruturado economicamente e territorialmente. Para entender tal processo se faz necessário uma viagem histórica pela formação territorial do município de Candiba- Bahia. Confeccionado através de uma pesquisa explorativa-descritiva, utilizando os métodos de procedimento histórico e estatístico que consiste numa análise histórica dos processos responsáveis pela formação do município de Candiba e no levantamento de dados respectivamente, este artigo teve nas fontes primárias e secundárias a base para a sua organização metodológica, tanto no âmbito das idéias e quanto da pesquisa. Utilizou-se ainda de algumas entrevistas com representantes do município, de uma observação sistemática direta, bem como uma revisão bibliográfica de conceitos, houve ainda coleta de dados em órgão como o IBGE e SEI. O presente trabalho esta estruturado em duas seções além da introdução. A primeira aborda a fundamentação teórica com uma reflexão do conceito de território e a segunda destaca o município de Candiba cuja analisa faz referencia a formação sócio territorial, a dinâmica populacional bem como a mobilidade humana inerente a realidade local mediante cenário centralizador e economicamente pouco diversificado o que conduz a uma mobilidade como alternativa de sobrevivência. 1 SUPERINTENDENCIA DE ESTUDOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA BAHIA. Indice de Desenvolvimento Econômico e Social dos Municípios Baianos. Salvador: SEI, SUPERINTENDENCIA DE ESTUDOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA BAHIA. Índice de Desenvolvimento Econômico e Social dos Municípios Baianos. Salvador: SEI, Lei Estadual n na integra em Anexo e atuali zados os limites municipais posteriormente, vide Anexo. 4 Lei Estadual n na integra em Anexo.

4 4 Fundamentação teórica O espaço geográfico é uma concretude que resulta da dialética das relações sociais e suas materializações. 5 É inserida nesse espaço que a mobilidade populacional assume sua importância no processo sócio-espacial de organização e manutenção do território. O processo de mobilidade populacional tem um caráter histórico e universal: A mistura racial, lingüística e nacional de grande parte da população evidencia que o homem é uma criatura móvel. 6 essa mobilidade, no entanto, não é determinada biologicamente, mas ato da vontade humana, possuindo ainda um forte caráter estratégico e uma considerável relevância social posto que: A discussão da migração tem um caráter estratégico no desvendamento da relação entre a dinâmica populacional e o processo de acumulação de capital [...] 7 Partindo da premissa, que a noção de território, ao ultrapassar o senso comum se organiza de forma muito mais complexa do que a propagada ao longo dos séculos por dicionários e enciclopédias como sendo simples extensão de terra ou área de um país ou estado, pretende-se discutir a questão do território sobre o viés do espaço e do poder, haja vista que o território: [...] é fundamentalmente um espaço definido e delimitado por e a partir de relações de poder. 8 e que por isso vão além das características geográficas para assim, abranger a questão de domínio e influência. Nessa tentativa de entender o território é necessário enfatizar a importância da concretude desse termo, que envolve: [...] representações, sentimentos de vinculação, de comportamentos individuais ou de instituições que participam de uma organização espacial. 9 o que não pode ser esquecido nessa visão humanística é o devir, ou seja, o território é antes de mais nada resultado de um processo historio e de uma apropriação. 5 BRITO, Cristóvão. Revisando o Conceito de Território. In: RDE-Revista de Desenvolvimento econômico/unifacs. Departamento de Ciências Sociais Aplicadas 2. Ano IV, n.6, (julho de 2002).- Salvador: Bahia.p.12 6 TREWARTHA, Glenn Thomas. Geografia da População: padrão mundial. São Paulo: Atlas, p DAMIANI, Amélia Luisa. População e Geografia. São Paulo: Contexto, p SOUZA, Marcelo José Lopes de. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, Iná de; GOMES, Paulo César da Costa; CORREA, Roberto Lobão. Geografia conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p MACHADO, Mônica Sampaio. Geografia e Epistemologia: Um passeio pelos conceitos de espaço, território e territorialidade. IN: GEOUREJ, Revista do departamento de geografia UERJ, RJ. Nº1 Janeiro p.26.

5 5 Desse modo o território não é homogêneo nem inerte, ao contrário, está em constante transformação sendo moldado todo o tempo pelo movimento das forças políticas, sociais e econômicas que sobre ele exerce seu poder. É dentro dessa perspectiva territorial que a problemática da migração vem ser abordada haja vista, que é nesse espaço de interação social e de exercício de poder que o homem enquanto criatura móvel se insere e que a história da humanidade, enquanto história do movimento foi construída. Os movimentos migratórios sempre estiveram diretamente relacionados com a expansão capitalista e ao seu modo de produção, sendo que sua intensidade e direção foram sempre subordinadas às condições econômicas e sociais de cada país: As mobilidades de acumulação de capital, a herança histórica e a estrutura de classes foram arroladas como elementos relevantes para interpretar movimentos populacionais que representavam ora necessidades, força de trabalho para o capital industrial em expansão, ora respostas a situação de estagnação de áreas frente á concentração crescentes dos pólos dinâmicos. 10 E algumas causas dessa mobilidade humana 11, são: a pobreza absoluta; a destruição do equilíbrio econômico estabelecido; as forças de repulsão e atração; e as motivações psicológicas, que engloba a busca da liberdade política e religiosa. As migrações 12 podem ainda ser consideradas sob dois enfoques diferentes: quanto ao tempo e ao espaço, noções essas imprescindíveis para a organização territorial. As migrações são manifestações do processo de desenvolvimento e das transformações sociais que se verificam em diferentes ramos da economia 13, elas retratam as disparidades regionais existentes nos países, bem como a concentração de oportunidades de trabalho em certas áreas. Nesse contexto o município de Candiba se inseri de forma pontual mas que reflete uma realidade em escala nacional, como será discutido a seguir. 10 SANTOS, Jair L.F; LEVY, Maria Stella; SZMRECSÁNYI, Tamas. Dinâmica da População: teoria, métodos e técnicas de análise. São Paulo: T.A. Queiroz, p BEAUJEU-GARNIER, Jacqueline. Geografia da população. 2.ed. São Paulo: Ed. Nacional, ANDRADE, Manuel Correia de. Geografia econômica.7 ed. São Paulo; Atlas, SARMENTO, Walney Moraes. Nordeste: a urbanização do subdesenvolvimento do subdesenvolvimento. 2. ed. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1984.p.61.

6 6 O Município de Candiba: a formação sócio territorial Durante o período colonial, o espaço geográfico que hoje representa o município de Candiba esteve sob a jurisdição da Capitania Hereditária de São Jorge dos Ilhéus. Após a fragmentação dessa capitania, o mesmo passou a pertencer a feitoria do Urubu, isso em meados de Na segunda metade desse século a feitoria é repartida 14 e a área passa a pertencer a Palmas de Monte Alto, que foi criada em A apropriação territorial do município no condizente ao uso e à posse começa a se configurar com a chegada dos escravos fugidos das fazendas Mulungu, Canabrava e Santa Rosa que se alojaram em torno da lagoa do Mocambo 15 (Figura 02). Figura 02: Lagoa do Mocambo, Candiba Bahia Fonte: MACEDO, Thiago Prado, acervo pessoal, 2008 Por volta de 1834, o padre português Moreira de Souza, devido ao processo de catequização promovido pela Igreja e pelo governo português, migra para essa localidade trazendo a imagem de Nossa Senhora das Dores (hoje padroeira do município) e permanece ali ensinando aos escravos fugidos os preceitos Católicos. Visando agrupar e catequizar os escravos debandados, o padre organiza a construção de uma capela, e no 14 Divisão Administrativa da Bahia em BAHIA. ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA BAHIA. V. 1, 1972 Salvador: SEI, Termo indígena que significa lugar de refugio de escravos.

7 7 fundo desta constrói dois cômodos para sua própria residência, onde hoje se encontra a Igreja Matriz do município (Figura 03). Figura 03: Igreja Matriz de Candiba BA em meados da década de1990 Fonte: MARTINS, João, A figura do Padre Moreira é ainda importante para a compreensão da organização territorial do atual município, bem como para sua composição populacional, já que suas duas filhas (fruto de uma relação ilícita com uma escrava) tiveram grande relevância para o povoamento da região, foram elas: Ana Epifânia Moreira de Souza e Rita Epifânia Moreira de Souza. A tradição da reconstituição histórica de Candiba faz questão de destacar a contribuição da família Moreira de Souza para a estruturação do atual município. No entanto, várias outras famílias também foram significativas para tal processo como, por exemplo, a Silva Prado, vinda de Portugal, e a família Martins. Essas famílias foram responsáveis (e ainda são) pela centralização política. Essa mesma tradição, entretanto, se cala diante das práticas e contribuições de variados sujeitos das camadas mais pobres. A dimensão social do território de Candiba, nesse contexto, se configura historicamente numa imbricada rede de relações do cotidiano. Nos dias de feira, geralmente uma vez por semana, evento que até hoje se observa, moradores das zonas rurais e lavradores vinham dispor à venda gêneros diversos, e em suas conversas e

8 8 negociações teciam uma convivência entre solidariedades e até mesmo recrudescimento de inimizades. Essa retrospectiva histórica que aqui se propõe é necessária para que o território seja entendido no plano do desenvolvimento local. Para isso, tem-se em vista que o território em sua configuração espacial é cumulativo, ou seja, resultado de transformações e/ou alterações que se processam no tempo e no espaço humanamente e historicamente vivido. Em 1834, com a chegada do Padre Moreira, tem início a organização do arraial cuja população compreendia majoritariamente de escravos refugiados. As relações econômicas nessa área se davam mediante trocas ou vendas irrisórias e a agricultura de subsistência era o que sustentava a população. Em 1920, a lei municipal nº2 de 8 de janeiro confirmou a criação do distrito sede de Guanambi, ao tempo que criou para o município o novo distrito de Mocambo, que foi confirmado pela lei estadual número de 20 de agosto de 1929, distrito que posteriormente viria a se chamar Candiba. Ao passo que se torna distrito, Candiba é elevada a categoria de vila. Nesse período as atividades econômicas alcançaram um nível de estabilidade relativamente maior, mas a dependência à Guanambi, ainda prevaleceu. Somente em 1962, Candiba é promovida à categoria de cidade. Sua autonomia, no entanto, não foi conquistada com a assinatura dos papéis de direito jurídico, posto que, a centralização política existente gera instabilidades e atrasos no desenvolvimento econômico e social. Dinâmica populacional e mobilidade Foi a ritmos lentos que a população candibense veio crescendo ao longo do tempo. De acordo com o censo de 1950, presente na Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, a vila do Mocambo, até então distrito de Guanambi, possuía cerca de 382 habitantes, cuja concentração maior se dava na zona rural. Em 1970, essa estimativa cresce significativamente para habitantes. A análise da Tabela 1, permite verificar que a taxa de crescimento (%a.a.) na década de 1980 foi de - 0,85% e de 1991 a 1996 esse percentual foi de - 0,6%.

9 9 Tabela 01: Candiba População Total (censo demográfico) ANO POPULAÇÃO Fonte: IBGE Censos Demográficos de Essa primeira metade da década de 1990, foi marcada por um declínio no ritmo do crescimento demográfico de cerca de 1,22%a.a. na região da Serra Geral e da Bahia num todo, segundo dados da Série de Estudos e Pesquisas (SEP) divulgados em No município de Candiba, essa queda foi mais significativa na década de Essa tendência de ganhos e perdas populacionais teve por causa motivadora a intensificação do fluxo migratório, que esteve relacionada à falta de investimentos de políticas públicas, que buscassem reduzir o potencial migratório do município (Tabela 2). Tabela 02: Candiba População Total e Taxa de Crescimento ANO POPULAÇÃO TAXA DE CRESC. % a.a ,85-0,6 Fonte: IBGE Censos Demográficos de No referente à população rural e à sua taxa de crescimento, tem-se na década de 1980 uma estimativa de crescimento de -0,45%a.a.. Já na primeira metade da década de 1990, de 1991 a 1996, essa taxa de crescimento foi de -1,52 (Tabela 3). Tabela 03: População Rural e Taxa de Crescimento (% a.a.) ANO POPULAÇÃO TAXA DE CRESC. % a.a ,45-1,52 Fonte: IBGE Censos Demográficos de

10 10 A população urbana, por sua vez, na década de 1980, era de 2.535, e em 1991 essa estimativa quase dobrou, indo para A taxa de crescimento na década de 1980 foi de 4,44% a.a. e na primeira metade da década de 1990 correspondeu a 2,75% a.a (Tabela 4). Tabela 04: População Urbana e Taxa de Crescimento (% a.a.) ANO POPULAÇÃO TAXA DE CRESC. % a.a ,44 2,75 Fonte: IBGE Censos Demográficos de Esses dados evidenciam o lento processo de urbanização do município. O aumento significativo da população urbana na década de 1990 apresenta-se como resultado do aumento da fertilidade e da diminuição da mortalidade infantil, posto que, regionalmente e nacionalmente algumas epidemias haviam sido controladas e somandose ao êxodo rural que é intensificado por diversos motivos. A partir de 1996 até 2005 a estimativa da população Candibense veio sofrendo uma queda gradativa. Se em 1996 a população era de em 2005 a mesma alcançou o valor absoluto de Em 2007, no entanto, ocorreu uma elevação significativa da população que chegou a (Tabela 1), o valor mais alto já alcançado em oito anos, fato esse associado possivelmente a uma diminuição do fluxo migratório com a instalação de uma fabrica de confecções que gerou, aproximadamente 300 empregos diretos ( ). De acordo o panorama da migração dos municípios baianos de produzido pelo SEI (2007), o município de Candiba com relação às migrações interestaduais possui um saldo negativo de -871, que é superior ao das migrações intraestaduais cujo saldo negativo é de -183, no total Candiba possui um saldo migratório negativo de com 372 imigrantes e 1426 emigrantes (Tabela 5). Tabela 05: Taxa de Migração DISCRIMINAÇÃO IMIGRANTE EMIGRANTE SALDO MIGRATÓRIO Inter-Estaduais Intra-Estadual Total Fonte: SEI (2007) Panorama dos Municípios Baianos em

11 11 Esses saldos negativos se configuram em consequência do intenso fluxo migratório que o município sofre. Os contrastes sociopolíticos O cenário sociopolítico de Candiba se materializa ao longo do tempo mediante as contradições inerentes das relações sociais e de produção. Assim, somente com a emancipação, é que são eleitos prefeitos e vereadores próprios do então distrito de Mocambo. É importante salientar que nas eleições de 1958 o então distrito de Mocambo havia conseguido eleger apenas dois vereadores (o Sr. José Moreira de Souza e o Sr. João Joaquim Marques), nessa época os vereadores não tinham remuneração alguma. Porém a representação política se faz presente diante de uma realidade adversa, pois o poder encontrava-se no distrito-sede (na época Guanambi). A partir da emancipação em 1962 a primeira eleição municipal veio a ocorrer no dia sete de abril de 1963, com quase um ano de emancipação. O primeiro prefeito eleito foi o Sr. Tertuliano Joaquim Neto; quatro anos depois, assumiu a prefeitura o Sr. Joaquim Neves da Silva. Em 1977, o Sr. Aleci da Silva Prado foi empossado prefeito, seguindo a cadeia sucessória. O cenário politico passa a ser construído e as relações de poder vão sendo estabelecidas mediante articulação de atores políticos que comandam as transformações e/ou as permanências em Candiba. E importante ressaltar que no início do século XXI algumas contestações sociais e políticas começam a se organizar e fazer reivindicações dinamizando a realidade local. Nesse contexto verificam-se diversas ações da gestão publica direcionada para a infraestrutura onde há uma reforma/construção da Praça da Igreja Matriz (Figura 4), que dão aspectos paisagísticos modernos ao centro da cidade proporcionando uma reestruturação na forma e no conteúdo do espaço local.

12 12 Figura 4: Praça da Matriz de Candiba-Ba. Fonte: Nessa lógica de reestruturação se efetuou a demolição do o antigo Mercado Municipal e construiu outro, bem como uma Praça de Evento (Figura 5). É importante destacar que as novas formas incidiram na estrutura, na forma e no conteúdo do espaço local. Porém não refletiram na melhoria da qualidade de vida como um todo. Figura 4: Mercado Municipal de Candiba. Fonte: A centralização do poder nas mãos de um grupo político é a característica de Candiba que tem ao longo de sua independência a reprodução desse cenário pelos

13 13 atores políticos/econômicos e sociais cuja cultura vinculam-se as tradições de permanência e subserviência ao do poder que é materializada no local. Diante do exposto a ausência da diversificação político/econômica e em decorrência o acesso ao mercado de trabalho intensifica-se a mobilidade populacional em Candiba fazendo com que sua população tenha ganhos negativos e ao mesmo tempo a justiça social não seja efetivada para todos. Esta por sua vez fica a cargo/privilegio de uma minoria em detrimento da maioria da população. Considerações finais O histórico do município de Candiba, como se evidencia nos dados exposto foi marcado por apenas dois grupos políticos que, comunga da mesma ideologia, e se revezam no poder. A análise política vem, pois, validar a importância dos agentes políticos na estruturação do território, haja vista que são esses agentes os primeiros a incorporar o exercício do poder. Foi por meio desses mecanismos de organização política, que o município recebeu o abastecimento de água, as ruas foram calçadas e praças construídas. No entanto, devido à centralização do poder e à estrutura paternalista que nos remete ao fenômeno do coronelismo na História do Brasil e aos traços do mandonismo que ainda imperam no município, os candibenses se deparam com dificuldades na ampliação e na estruturação das políticas de saúde e de educação, problemas que reforçam as carências sociais acumuladas. Diante da pouca diversificação das atividades econômicas é que o fenômeno da mobilidade populacional é evidente e se intensifica. As alternativas de modificar ainda não contiveram essa realidade. NOTAS 1 SUPERINTENDENCIA DE ESTUDOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA BAHIA. Indice de Desenvolvimento Econômico e Social dos Municípios Baianos. Salvador: SEI, SUPERINTENDENCIA DE ESTUDOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA BAHIA. Índice de Desenvolvimento Econômico e Social dos Municípios Baianos. Salvador: SEI, Lei Estadual n na integra em Anexo e atual izados os limites municipais posteriormente, vide Anexo. 4 Lei Estadual n na integra em Anexo.

14 14 5 BRITO, Cristóvao. Revisando o Conceito de Território. In: RDE-Revista de Desenvolvimento econômico/unifacs. Departamento de Ciências Sociais Aplicadas 2. Ano IV, n.6, (julho de 2002).- Salvador: Bahia.p.12 6 TREWARTHA, Glenn Thomas. Geografia da População: padrão mundial. São Paulo: Atlas, p DAMIANI, Amélia Luisa. População e Geografia. São Paulo: Contexto, p SOUZA, Marcelo José Lopes de. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, Iná de; GOMES, Paulo César da Costa; CORREA, Roberto Lobão. Geografia conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p MACHADO, Mônica Sampaio. Geografia e Epistemologia: Um passeio pelos conceitos de espaço, território e territorialidade. IN: GEOUREJ, Revista do departamento de geografia UERJ, RJ. Nº1 Janeiro p SANTOS, Jair L.F; LEVY, Maria Stella; SZMRECSÁNYI, Tamas. Dinâmica da População: teoria, métodos e técnicas de análise. São Paulo: T.A. Queiroz, p BEAUJEU-GARNIER, Jacqueline. Geografia da população. 2.ed. São Paulo: Ed. Nacional, ANDRADE, Manuel Correia de. Geografia econômica.7 ed. São Paulo; Atlas, SARMENTO, Walney Moraes. Nordeste: a urbanização do subdesenvolvimento do subdesenvolvimento. 2. ed. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1984.p Divisão Administrativa da Bahia em BAHIA. ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA BAHIA. V. 1, 1972 Salvador: SEI, Termo indígena que significa lugar de refugio de escravos. Referencias ANDRADE, Manuel Correia de. Geografia econômica. 7 ed. São Paulo; Atlas, BEAUJEU-GARNIER, Jacqueline. Geografia da população. 2.ed. São Paulo: Ed. Nacional, BRITO, Cristóvão. Revisando o Conceito de Território. In: RDE-Revista de Desenvolvimento econômico/unifacs. Departamento de Ciências Sociais Aplicadas 2. Salvador. Ano IV, n.6, Jul, DAMIANI, Amélia Luisa. População e Geografia. São Paulo: Contexto, MACHADO, Mônica Sampaio. Geografia e Epistemologia: Um passeio pelos conceitos de espaço, território e territorialidade. IN: GEOUREJ, Revista do departamento de geografia UERJ, RJ. n.1 Jan SANTOS, Jair L.F; LEVY, Maria Stella; SZMRECSÁNYI, Tamas. Dinâmica da População: teoria, métodos e técnicas de análise. São Paulo: T.A. Queiroz, SARMENTO, Walney Moraes. Nordeste: a urbanização do subdesenvolvimento 2. ed. Porto Alegre, Mercado Aberto, SOUZA, Marcelo José Lopes de. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, Iná de; GOMES, Paulo César da Costa; CORREA, Roberto Lobão. Geografia conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, SUPERINTENDENCIA DE ESTUDOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA BAHIA. Indice de Desenvolvimento Econômico e Social dos Municípios Baianos. Salvador: SEI, SUPERINTENDENCIA DE ESTUDOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA BAHIA. Índice de Desenvolvimento Econômico e Social dos Municípios Baianos. Salvador: SEI, TREWARTHA, Glenn Thomas. Geografia da População: padrão mundial. São Paulo: Atlas, 1974.

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA Silmara Oliveira Moreira 1 Graduanda em Geografia/UESB, Bolsista da UESB E-mail: silmara.geo@gmail.com Resumo: O objetivo

Leia mais

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA RODRIGO ALEXANDRE PEREIRA CALDERARO 1 e EVÂNIO DOS SANTOS BRANQUINHO 2 calderaro.ro@gmail.com; evanio.branquinho@unifal-mg.edu.br

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Rita de Cássia da Conceição Gomes Natal, 11/09/2011 As Desigualdades socioespacias em nossa agenda de pesquisa: Dialética apresentada Pesquisa

Leia mais

Disciplina: Geografia da População Carga Horária Total: 75 H

Disciplina: Geografia da População Carga Horária Total: 75 H Disciplina: Geografia da População Carga Horária Total: 75 H PLANO DE CURSO I EMENTA Teorias e políticas de população; A população e suas formas de ocupação do espaço; A evolução da população e seus indicadores;

Leia mais

DEMOGRAFIA E RECURSOS NATURAIS: AS INFLUÊNCIAS DO PENSAMENTO MALTHUSIANO

DEMOGRAFIA E RECURSOS NATURAIS: AS INFLUÊNCIAS DO PENSAMENTO MALTHUSIANO 1 DEMOGRAFIA E RECURSOS NATURAIS: AS INFLUÊNCIAS DO PENSAMENTO MALTHUSIANO Francisco Albertino Ribeiro dos Santos 1 Antônio Wilton Cajado de Sousa 2 Everton José Amaral Pereira 3 Rafael Rebelo Lopes 4

Leia mais

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções Dionísio Costa Cruz Junior dionisiojunior@iquali.com.br (orientador) Ismael Fiuza Ramos maelfiuza@gmail.com

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

AS VILAS DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA: UMA ANÁLISE DAS REDES.

AS VILAS DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA: UMA ANÁLISE DAS REDES. AS VILAS DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA: UMA ANÁLISE DAS REDES. Ana Emília de Quadros Ferraz Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia milaferraz@gmail.com Altemar Amaral Rocha Universidade Estadual

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA : GEOGRAFIA - PROFESSOR: GERSON HUCHAK SÉRIE: 7ª

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais

DINÂMICAS POPULACIONAIS

DINÂMICAS POPULACIONAIS DINÂMICAS POPULACIONAIS Distribuição e Migração Pág. 9-13 DIFERENÇAS NA DISTRIBUIÇÃO POPULACIONAL Áreas Povoadas x Áreas menos povoadas Fatores que influenciam a distribuição humana Fatores naturais Fatores

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Priscylla Karoline de Menezes Graduanda em Geografia (IESA/UFG) e-mail: priscyllakmenezes@gmail.com Dra. Rusvênia Luiza B. R. da Silva

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio Cláudio Roberto Ribeiro Martins claudiorrmartins@gmail.com FCT/UNESP - Presidente Prudente Palavras-chave:

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPH0339 O ENSINO SUPERIOR NO GOVERNO FHC E SUA DISTRIBUIÇÃO SOBRE O

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE.

AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE. AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE. Saulo de Paula Pinto e Souza Evânio dos Santos Branquinho 1068 saulodepaula@gmail.com Geografia

Leia mais

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Natal 29/02/2012 1 Considerações Gerais; Principais conceitos demográficos; Gráficos de indicadores sociais; Estrutura das populações mundiais:

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

LA EDUCACION RURAL Y SU IMPACTO EM EL DESARROLLO LOCAL

LA EDUCACION RURAL Y SU IMPACTO EM EL DESARROLLO LOCAL LA EDUCACION RURAL Y SU IMPACTO EM EL DESARROLLO LOCAL Argileu Martins da Silva Diretor do Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural Secretário Adjunto de Agricultura Familiar SAF A EDUCAÇÃO

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa Câmpus Restinga Junho, 2013 Desenvolvimento Institucional APRESENTAÇÃO O presente relatório deve ser considerado como um Anexo ao Diagnóstico das Prioridades

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO Aristides Pereira Lima Green 1 Frederico Cavadas Barcellos 2 Deborah Moreira Pinto 3 I. Introdução As regiões semi-áridas se

Leia mais

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR : mudanças na estrutura produtiva e no mercado de trabalho no período 1991/2010 Paulo Delgado Liana Carleial Curitiba, 17

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera Pré Universitário Uni-Anhanguera Questão 01) A distribuição da população pela superfície do planeta é desigual, orientada por fatores históricos, econômicos ou naturais. No caso do Brasil, conclui-se que

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 RESULTADOS DA PNAD 2011 EDUCAÇÃO Apresentação 2 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio Gabrielli

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

O papel do estado na formação espacial urbana da conurbação Aparecida- Guaratinguetá: breve estudo do passado socioeconômico.

O papel do estado na formação espacial urbana da conurbação Aparecida- Guaratinguetá: breve estudo do passado socioeconômico. Ivo Francisco Barbosa¹ Universidade Federal Fluminense ivo_francisco@hotmail.com O papel do estado na formação espacial urbana da conurbação Aparecida- Guaratinguetá: breve estudo do passado socioeconômico.

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB.

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. Natan Gomes de Oliveira Graduando em Licenciatura plena do curso de Geografia UEPB/Guarabira/PB.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA 225 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA Marcos Antônio Lopes do Nascimento¹; Maria Verônica

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA IMPACTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PRODUTO INTERNO BRUTO BRASILEIRO

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Construção dos geógrafos frente à natureza e sociedade

Construção dos geógrafos frente à natureza e sociedade O OLHAR DOS GEÓGRAFOS FRENTE ÀS MODERNIZAÇÕES NA AGRICULTURA E ÀS IMPLICAÇÕES AMBIENTAIS 1 Roberto Verdum 2 Departamento de Geografia/IG/UFRGS Para identificar o olhar dos geógrafos frente às modernizações

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL Thaís Schmidt Salgado Vaz de Castro thaissalgado@hotmail.com; Felipe José

Leia mais

A CONTAGEM DA POPULAÇÂO 2007 E A DEMOGRAFIA DA MICRORREGIÂO DE JUIZ DE FORA

A CONTAGEM DA POPULAÇÂO 2007 E A DEMOGRAFIA DA MICRORREGIÂO DE JUIZ DE FORA A CONTAGEM DA POPULAÇÂO 2007 E A DEMOGRAFIA DA MICRORREGIÂO DE JUIZ DE FORA Pedro José de Oliveira Machado * Resumo: O presente artigo faz uma análise inicial sobre as características demográficas da Microrregião

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

Demografia Médica no Brasil. Vol 2

Demografia Médica no Brasil. Vol 2 Demografia Médica no Brasil. Vol 2 Mário Scheffer Conselho Federal de Medicina, 6 de fevereiro 2013 Equipe da pesquisa Mário Scheffer (coordenador) Alex Cassenote Aureliano Biancarelli Cooperação acadêmica

Leia mais

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES.

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. Fausto Brito Marcy R. Martins Soares Ana Paula G.de Freitas Um dos temas mais discutidos nas Ciências Sociais no Brasil é o verdadeiro significado,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas.

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. GT 18 - Psicología Social Del Trabajo en América Latina: Identidades y procesos de subjetivación,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL SOTARELLI, Álvaro F. GRANDI, Ana Lúcia de. Universidade Estadual do Norte do Paraná Resumo: O presente estudo trabalha

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949.

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. Palavras-chave: Anápolis, árabe, desenvolvimento, comércio. LUPPI, Sheila Cristina Alves de Lima 1 POLONIAL, Juscelino Martins

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i INTRODUÇÃO Entre as inúmeras formas de diálogo que a UFRB (Universidade

Leia mais

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS Flavia Maria de Assis Paula 1,3 Elaine Alves Lobo Correa 2,3 José Vandério Cirqueira Pinto 2,3 RESUMO

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM

FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM PROPOSTA DE UM MODELO DE NOVOS COEFICIENTES DE DISTRIBUIÇÃO DO FPM PARA OS MUNICÍPIOS DO INTERIOR IBGE - Abril/2008 OBJETIVOS Proposta de criação de novos coeficientes

Leia mais