Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas"

Transcrição

1 O EMPREGO DE VÍRGULAS: EVIDÊNCIAS DE RELAÇÕES ENTRE ENUNCIADOS FALADOS E ESCRITOS Luciani TENANI 1 Geovana SONCIN RESUMO: Este artigo tem o objetivo central de tratar de usos da vírgula identificados nos textos de alunos de oitava série de uma escola pública do interior paulista (Brasil), e o objetivo específico de identificar em que medida os acertos/erros dos empregos da vírgula identificados estão relacionados às fronteiras de domínios prosódicos do Português. A partir da análise dos usos das vírgulas, observamos que: (i) os erros por presença de vírgula quando prevista a ausência desse sinal de pontuação são motivados, predominantemente, por uma tentativa de representação de fronteiras de frases entoacionais; (ii) os erros de presença de vírgula quando previsto o emprego do ponto final são motivados, predominantemente, por uma tentativa de representação de fronteiras de enunciados fonológicos; (iii) os erros pela ausência de vírgulas são motivados, predominantemente, por hipóteses que se mostram mais fortemente baseadas em um imaginário do funcionamento da escrita que, pode ser observado, por exemplo, quando a estrutura sintática da sentença possibilita a recuperação das relações de sentido(s) entre as orações/sentenças e simultaneamente as relações entre os enunciados falados e escritos. Essas reflexões têm sido desenvolvidas no âmbito da pesquisa Os usos da vírgula em textos de alunos da última série do Ensino Fundamental (FAPESP 2008/ ), vinculada à linha de pesquisa Oralidade e Letramento, do Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos da UNESP/SJRP. PALAVRAS-CHAVE: Vírgula; Prosódia; Fonologia, Oralidade, Letramento. Introdução O uso dos sinais de pontuação, de modo geral, é considerado um aspecto chave para observar e analisar a organização de textos escritos. Podendo atuar em diferentes 1 Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Departamento de Estudos Lingüísticos e Literários, Rua Cristóvão Colombo, 2265, Jardim Nazareth, CEP: , São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil. (FAPESP/Proc. 2008/ e FUNDUNESP/Proc ). 44

2 dimensões da linguagem, os sinais de pontuação funcionam, na escrita, como marcadores prosódicos, como delimitadores de estruturas sintáticas, como recursos de coesão textual e também como indicadores discursivos utilizados pelo escrevente para atender a um propósito enunciativo. A vírgula, objeto de estudo deste trabalho, assim como os demais sinais de pontuação, atua em diferentes dimensões lingüísticas; no entanto, outras questões estão vinculadas a este sinal, tornando-o um objeto de investigação bastante complexo e, conseqüentemente, revelador de reflexões do escrevente sobre a linguagem. Diante da complexidade envolvida por esse sinal e buscando vislumbrar como se dá a relação entre enunciados falados e enunciados escritos, este trabalho tem como objetivo geral explorar os aspectos lingüísticos que envolvem os usos da vírgula em textos escolares. Mais especificamente, buscar-se-á verificar em que medida os acertos/erros do emprego da vírgula estão relacionados às fronteiras de domínios prosódicos e/ou às informações letradas. Para tanto, ancorando-se no Paradigma Indiciário, proposto por GINZBURG (1987), uma análise fonológica de caráter qualitativo será proposta para as ocorrências não-convencionais de usos da vírgula identificadas em textos de alunos da última série do Ensino Fundamental (doravante, EF). Pressupostos Teóricos Considerando que a vírgula atua no entrecruzamento entre os enunciados falados e os enunciados escritos e considerando ainda os objetivos que o presente trabalho 45

3 buscar alcançar, propõe-se, como ponto de partida para a análise dos dados, uma interface entre dois lugares teóricos: (i) uma concepção sobre a pontuação e a escrita, a partir dos trabalhos de Chacon (1998) e Corrêa (2004), respectivamente, e (ii) uma descrição da organização prosódica do Português Brasileiro (doravante, PB), a partir de Tenani (2002) e Fernandes (2007). Corrêa (2004) não opõe fatos lingüísticos a fatos sociais; assim, tanto a fala quanto a escrita só se definem por meio de uma prática social: há uma relação constitutiva entre práticas sociais do oral/falado e práticas sociais do letrado/escrito. Desse modo, o autor afirma existir um trânsito entre as práticas sociais as do campo das práticas orais/faladas e as do campo das práticas letradas/escritas e é por meio da apreensão dessa noção de trânsito do escreventes por práticas sociais que se chega à idéia primordial de seu raciocínio: a heterogeneidade é constitutiva da escrita. Dessa perspectiva, é possível identificar, na escrita, vestígios da fala não apenas nos lugares mais aparentes, mas também nos lugares que, para o escrevente, se constituem como lugares supostamente característicos de uma escrita homogênea. A respeito do sistema de pontuação, Chacon (1998), ao analisar a pontuação de textos de vestibulandos, conclui que à pontuação estão vinculadas diferentes e complexas dimensões da linguagem, as quais foram definidas como dimensão fônica, sintática, textual e enunciativa. Chacon (1998) defende que a escrita tem um ritmo próprio, definido pela organização das dimensões lingüísticas, e essa organização pode ser assinalada graficamente por meio dos sinais de pontuação. Quanto à organização prosódica do PB, Tenani (2002), com base na Fonologia Prosódica de Nespor & Vogel (1986), caracterizou os domínios prosódicos de frase fonológica, frase entoacional e enuncidado fonológico (representados, respectivamente, 46

4 por, I e U) como constituintes prosódicos relevantes para a apreensão da organização da entoação e do ritmo do PB. Fernandes (2007), adotando o mesmo arcabouço teórico de Tenani (2002), analisa os mesmos domínios prosódicos, caracterizando como se dá a constituição desses domínios quando considerados enunciados focalizados. Essa autora estabelece, ainda, relações entre aspectos da sintaxe do Português com a organização prosódica verificada em enunciados neutros e focalizados. Lembramos que esses três constituintes fonológicos,, I e U, são definidos a partir de informação de outros componentes da gramática, como a sintaxe e a semântica, e, nesse sentido, faz-se coerente a adoção da caracterização da organização prosódica do PB feita por Tenani (2002) e Fernandes (2007), uma vez que, neste trabalho, os usos da vírgula são considerados recursos acionados pelo escrevente a partir de uma relação com possíveis fronteiras de constituintes prosódicos para focalizar certas relações sintático-semânticas, além de diferentes posições enunciativas. Material e Método Os textos a partir dos quais extraímos os usos da vírgula compõem o Banco de Dados de Produções Escritas do EF (em constituição), desenvolvido no âmbito do projeto de extensão universitária Desenvolvimento de Oficinas de Leitura, Interpretação e Produção Textual, credenciado pela Pró-Reitoria de Extensão Universitária (PROEx) da UNESP. 2 O banco de dados é composto por textos escritos de 2 Esse projeto, coordenado pelas professoras Dras. Luciani Tenani e Sanderléia Longhin-Thomazi, é vinculado ao grupo de pesquisa Estudos sobre a linguagem (GPEL/CNPq) coordenado pelo professor 47

5 alunos de quinta a oitava série de uma escola estadual da cidade de São Jose do Rio Preto, estado de São Paulo. Para o desenvolvimento do trabalho aqui apresentado, foram selecionados textos de alunos de oitava série, por ser essa a última série da etapa básica do sistema de ensino formal no Brasil, quando está previsto o ensino sistematizado do emprego de estruturas sintáticas complexas que, em sua maioria, exigem o emprego da vírgula. Essa justificativa baseia-se nas considerações apresentadas nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s). 3 Este estudo está baseado em 116 textos, todos de gênero dissertativo, uma vez que, em estudo anterior (SONCIN, 2008), verificou-se que os usos de vírgula estão vinculados a determinadas estruturas que, a depender do gênero textual/discursivo, são mais empregadas. Portanto, uma pesquisa que tem por meta descrever e explicar os usos da vírgula não pode ignorar o gênero textual/discursivo, pois ele condiciona a seleção e a organização de certas estruturas, as quais, por sua vez, configuram a composição do texto como pertencendo a um dado gênero, conforme definiu Bakhtin (2003). O ponto de partida deste trabalho foi realizar uma análise quantitativa dos usos da vírgula tendo como base a flutuação das/nas normas que regem o emprego de vírgula. Foi feita a sistematização das normas para os usos de vírgula em diferentes gramáticas previamente selecionadas, a saber, Luft (1998), Bechara (1999), Rocha Lima (1986) e Cunha & Cintra (2001), e se verificou que um levantamento das ocorrências de vírgulas que desconsiderasse a flutuação das/nas normas não era possível, uma vez que a flutuação é constatada em diferentes níveis: (i) na própria norma apresentada, sendo Dr. Lourenço Chacon (UNESP) e à linha de pesquisa Oralidade e Letramentos do programa de Pósgraduação em Estudos Lingüísticos da mesma universidade. 3 Trata-se de um documento, emitido pelo Ministério da Educação do Brasil, que estabelece parâmetros a serem alcançados pela educação brasileira; os parâmetros são estabelecidos para cada série da Educação básica. 48

6 que em umas gramáticas apresentam algum tipo de exceção para o uso da vírgula em determinada estrutura sintática, em outras não; (ii) na apresentação da norma, sendo que umas gramáticas a apresentam, outras não; (iii) na consideração da norma como facultativa, obrigatória ou ainda ora obrigatória, ora facultativa. Além disso, as gramáticas tendem a não explicitar normas quando previsto o não-emprego da vírgula em determinada estrutura, ou seja, explicitam-se as estruturas sintáticas em que a vírgula deve estar presente, mas não são explicitadas as estruturas nas quais não é permitido o seu uso. Diante desse cenário, levantaram-se os acertos pela presença de vírgula, os erros pela ausência de vírgula e os erros pela presença de vírgula em 28 textos de acordo com as normas apresentadas por cada uma das quatro gramáticas consideradas, a fim de observar em que medida o tratamento dos dados seria modificado em função da gramática de referência adotada. Verificou-se a partir desse estudo que: (i) independentemente da gramática de referência, há predomínio de acertos em relação aos erros; (ii) independentemente da gramática de referência, há predomínio de erros pela ausência do que erros pela presença de vírgulas; (iii) a depender da gramática que se toma como referência para o levantamento dos dados, altera-se o número total de ocorrências analisadas bem como o número de ocorrências que são consideradas como certas ou erradas, tanto pela ausência de vírgula como pela presença de vírgula. Assim, foi constatado que a norma gramatical, no que tange a aspectos relacionados à vírgula, é, de fato, heterogênea, embora a priori supõe-se homogênea. Entendemos que esse fato é motivado por questões de natureza lingüística as quais levam à natureza complexa do sinal de pontuação em questão, ou seja, concluímos que a flutuação das/nas normas do emprego de vírgula pode ser motivada pela não- 49

7 consideração e pelo não-esclarecimento de que a vírgula (i) é o único sinal de pontuação que atua em duas amplitudes: intracláusula e intercláusula (como definiu Dahlet, 2006); 4 (ii) atua no entrecruzamento da relação entre enunciados falados e escritos; (iii) tem relação com várias dimensões da linguagem (conforme definiu Chacon, 1998). Nesse sentido, adotamos uma postura metodológica que não privilegia a análise quantitativa e argumentamos a favor de uma análise qualitativa dos usos e não-usos da vírgula baseada no Paradigma Indiciário (GINZBURG, 1987). Junto com Corrêa (2004), nossa perspectiva de análise toma os erros como possíveis reflexões do sujeito escrevente sobre a linguagem, sobre a escrita e, mais especificamente nos dados relativos ao emprego da vírgula, sobre a relação entre enunciados falados e enunciados escritos. Pela adoção desse paradigma bem como pela relativização do que pode ser considerado acerto e erro, verificada a partir da flutuação das/nas normas, abandonamos a perspectiva normativa e assumimos uma perspectiva enunciativa, na qual o texto é produto da enunciação e o sujeito escrevente é o enunciador. Nessa perspectiva, levantamos os dados tendo como referência as gramáticas de Cunha & Cintra (2001) e Rocha Lima (1986), que tendem a assumir perspectivas semelhantes a respeito da função dos sinais de pontuação e da relação oral/escrito sem ter, nesse sentido, muitas discordâncias no estabelecimento de normas. A partir desse levantamento, em nossa análise, buscamos indícios que nos permitam observar possíveis hipóteses que guiam o sujeito a não seguir as convenções. Portanto, 4 De acordo com Dahlet (2006), os sinais de pontuação se organizam em uma escala de amplitude organizada em cinco níveis decrescentes, de forma que o nível 1 engloba o nível 2, que engloba o nível 3 e assim sucessivamente, não sendo necessário que todos níveis intermediários apareçam numa sentença, ou seja, pode-se passar da amplitude 2 à amplitude 4, por exemplo. A amplitude 1 está no nível do parágrafo, a amplitude 2 está no nível da frase; a amplitude 3 no nível da subfrase; a amplitude 4 no nível inter-oracional; por fim, a amplitude 5 está no nível intra-oracional. 50

8 faz-se relevante tratar do imaginário sobre a escrita, proposto por Corrêa (2004), bem como da relação que se estabelece entre sujeito e linguagem no momento de sua enunciação escrita. Aliada à assunção dessa perspectiva está a alteração da terminologia para o tratamento dos dados. Deixamos de tratar os dados como acertos ou erros e os entendemos como usos convencionais e usos não-convencionais. Esses termos pretendem denunciar a decisão do sujeito de não seguir a convenção por uma questão que extrapola os limites sintáticos e textuais e tem uma dimensão enunciativa. Ao buscarmos indícios que denunciam a hipótese do sujeito sobre um fenômeno lingüístico que está intrínseco na matéria gráfico-visual dos sinais de pontuação presentes na escrita, apresentamos uma descrição, organizada em uma tipologia, dos usos e não-usos não-convencionais da vírgula. A tipologia a ser apresentada visa a sistematizar as possíveis hipóteses dos sujeitos sobre um fenômeno lingüístico. Essas hipóteses dos escreventes não se mostram únicas, ou seja, exclusivas apenas a um sujeito, mas podem também ser vistas, ao mesmo tempo, como coletivas, uma vez que o sujeito está inserido em um contexto histórico, ideológico, cultural e institucional. Esse posicionamento ancora-se em Corrêa (2004): Nesse sentido, a presente análise poderia ser vista como um trabalho explicativo a respeito de uma descrição não sistemática que, orientada pelo deslizamento de um modo de circulação a outro, o escrevente faz sobre fenômenos da língua. (CORRÊA, 2004, p. 89). 51

9 Os usos não-convencionais da vírgula em textos escolares Conforme já afirmado, o tratamento adotado nos permitiu propor uma tipologia para os usos não-convencionais da vírgula, uma vez que regularidades referentes à motivação para o uso e para o não-uso da vírgula foram observadas em muitos dos textos escolares. Tal tipologia foi proposta a partir da análise de indícios das possíveis hipóteses do sujeito escrevente sobre o imaginário da escrita e, mais precisamente, sobre a relação existente entre enunciados falados e enunciados escritos. Portanto, a tipologia aqui proposta não se configura como regras seguidas pelos sujeitos, mas, primordialmente, como uma descrição da relação estabelecida entre sujeito e escrita, ou, de uma perspectiva mais ampla, entre sujeito e linguagem: relação esta que, por ser reciprocamente constitutiva, é denunciada por meio de pistas inclusive nos lugares menos aparentes. Antes de apresentar a tipologia para os dados identificados, trazemos breves informações sobre a proposta de redação a partir da qual os alunos deveriam desenvolver um texto dissertativo. Como se observará na análise, os usos da vírgula estão relacionados ao gênero e, mais especificamente, à posição enunciativa adotada pelos sujeitos escreventes no momento da escritura de seus textos, sendo, pois, a proposta de produção textual importante para o desenvolvimento da análise. De acordo com a proposta (elaborada segundo as diretrizes pedagógicas da escola onde o projeto de extensão universitária é desenvolvido), os alunos deveriam escrever um artigo de opinião se posicionando a respeito da polêmica que envolve a internacionalização da Amazônia; mais especificamente, eles teriam que adotar um posicionamento ou favorável ou contrário à internacionalização da Amazônia, 52

10 sustentando-o com argumentos suficientes. Para construir um raciocínio e adotar uma posição sobre o assunto, os escreventes poderiam contar com os textos da coletânea que apresentavam argumentos para sustentar tanto uma quanto outra posição. Iniciando a apresentação de nossa proposta tipológica, o primeiro uso nãoconvencional, nomeado tipo A, diz respeito à presença indevida de vírgula, ou seja, engloba os casos em que a vírgula foi usada em posições não-previstas pelas gramáticas normativas tomadas como referência. Esses usos não-convencionais acontecem, predominantemente, em fronteiras de frases fonológicas (I), no entanto, as motivações para a colocação da vírgula nessas posições podem ser organizadas em três diferentes domínios: 1) domínio pragmático: quando o sujeito escrevente procura dar ênfase a algum argumento do texto; 2) domínio argumentativo: quando o sujeito evidencia a relação de força entre argumentos no interior de uma escala argumentativa; 3) domínio semântico: quando o sujeito procura marcar o escopo semântico da sentença. Esses domínios podem ser observados nas ocorrências de vírgula assinaladas com uma elipse nas Figuras 1 e 2. 5 Figura 1: (8B_06_02_03) Na Figura1, do ponto de vista normativo, o sujeito escrevente colocou a vírgula indevidamente entre elementos que estão sintaticamente ligados: para segmentar a locução ser a favor de. De um ponto de vista prosódico, tem-se, na ocorrência 5 A codificação de cada dado segue as normas de identificação de sujeitos e amostras escritas do Banco de Dados do qual se extraiu o corpus desse projeto de pesquisa. Os elementos separados pelos traços correspondem, respectivamente, a: série/turma, sujeito, proposta de redação, linha do texto em que se encontra a ocorrência. 53

11 apresentada, uma seqüência de três Is: [ao contrário de um brasileiro comum ou normal]i, [eu sou a favor]i, [da internacionalização da Amazônia]I. Tem-se que a vírgula foi colocada numa fronteira prosódica, mas não em um limite sintático, e, nesse caso, o limite sintático é o que prevalece para definir que o uso não está adequado à convenção. Dessa relação, constata-se que a vírgula empregada indicia a segmentação do enunciado em diferentes contornos entoacionais que configuram a segunda e a terceira Is. Nessa escolha de vírgula feita pelo escrevente, a segunda I se constitui a partir de um contorno que delimita a porção do enunciado que é focalizada pelo fato de ali estar presente o argumento central do texto que, para o escrevente, o destaca em relação aos demais textos que veiculam um posicionamento sobre a internacionalização da Amazônia: o posicionamento do sujeito escrevente é a favor, e não contra, a internacionalização. Nesse sentido, esse uso não-convencional pode ser interpretado como um marca de delimitação de I que, nos enunciados falados, carrega o contorno entoacional que dá ênfase à porção do enunciado que denuncia o posicionamento do escrevente em relação à polêmica da internacionalização da Amazônia. Outra ocorrência semelhante à primeira é apresentada na Figura 2, a seguir. Figura 2: (8B_06_02_09) Na Figura 2, as vírgulas que separam indevidamente o argumento oracional da oração matriz (tanto antes quanto depois do elemento subordinativo-que) foram colocadas em fronteiras de I, assim como a ocorrência anteriormente analisada. No entanto, a motivação para essas vírgulas não parece estar associada apenas à função de 54

12 enfatizar alguma porção do enunciado que corresponderia a um argumento, mas também à função de destacar/focalizar um argumento em relação a outro argumento. Desse modo, as vírgulas indiciam possíveis contornos entoacionais do enunciado que configuram porções do texto que compõem em jogo argumentativo. Uma análise prosódica do enunciado, com base no algoritmo de formação de I (definido em Tenani, 2002), 6 pode nos ajudar a prever um fraseamento do enunciado em Is da seguinte forma: [Também temos que lembrar]i, [que, a Amazônia concentra uma boa parte de terra aqui]i, [mas não toda a parte aqui]i. No entanto, devido à possibilidade de re-estruturação, prevista também pelo algoritmo de formação de I, pode-se tanto unir material fônico a fim de transformar Is menores em Is relativamente mais longas, quanto segmentar o enunciado constituído de Is mais longas em Is relativamente menores. As condições para haver a reestruturação de Is estão relacionadas ao tamanho dos constituintes, à taxa de elocução (por alguns autores nomeada como velocidade de fala) e ao estilo de fala, os quais interagem com restrições sintáticas e semânticas definidas para o domínio da frase entoacional. Considerando essas possibilidades de reestruturação de Is, a configuração prosódica de um enunciado é, em alguma medida, permeada por escolhas do sujeito-falante que dizem respeito, por exemplo, às relações entre os enunciados e as unidades que os constituem. Partindo da hipótese que essas possíveis configurações prosódicas dos enunciados falados são relevantes para explicitar como se dão os usos não- 6 Algoritmo de Formação de (I) inicialmente adaptado por Frota (1998, p. 51) para o Português Europeu e adotado por Tenani (2002) para o PB: Intonational Phrase (I) Formation: (a) I Domain: (i) all the s in a string that is not structurally attached to the sentence tree (i.e. parenthetical expression, tag questions, vocatives, etc); (ii) any remaining sequence of adjacent s in a root sentence; (iii) the domain of an intonation contour, whose boundaries coincide with the positions in which grammar-related pauses may be introduced in an utterance. (b)i Restructuring: (i) restructuring of one basic I into shorter Is, or (ii) restructuring of basic Is into a larger I. Factors that play a role in I restructuring: length of the constituents, rate of speech, and style interact with syntactic and semantic restrictions. 55

13 convencionais da vírgula, retomamos a análise das vírgulas destacadas na Figura 2. Do ponto de vista argumentativo, verifica-se que o escrevente chama atenção para o fato de que é necessário lembrar também X ([Também temos que lembrar], que configura a primeira I do trecho em análise), mas o argumento lembrado pelo escrevente não se configura como um simples lembrar X, pois o argumento apresentado ([que, a Amazônia concentra uma boa parte de terra aqui], que constitui uma I, segundo o algoritmo de formação desse constituinte) não é tão relevante quando comparado ao argumento que é apresentado em seguida, introduzido por mas ([mas não toda a parte aqui], que se configura como a última I da seqüência). Portanto, a primeira vírgula assinalada indicia a fronteira da primeira I, e, assim, é chamada a atenção para algo que não deve ser desconsiderado, ou, nas palavras do texto, que também deve ser lembrado. Já a vírgula após que sinaliza um possível contorno entoacional que focaliza esse elemento relacional e, por meio dessa focalização, cada um dos argumentos configura-se como um constituinte prosódico, mas simultaneamente evidencia-se o destaque para o segundo argumento, representando-se, assim, um jogo argumentativo. Por meio desses empregos não-convencionais da vírgula, verifica-se (i) como o sujeito-escrevente tece as relações entre os argumentos a fim de evidenciar sua posição (no caso, a favor da internacionalização da Amazônia) e (ii) como se dão as relações entre os enunciados falados e escritos (no caso, a relação entre a configuração de frases entoacionais e a presença de vírgulas). O segundo uso não-convencional de vírgula, nomeado tipo B, diz respeito à presença de vírgula na posição em que outro sinal de pontuação é previsto pelas gramáticas tomadas como referência. Esses usos não-convencionais são motivados, predominantemente, por uma tentativa de representação de fronteiras de enunciados 56

14 fonológicos (Us), como é possível observar por meio da análise da ocorrência apresentada na Figura 3. Figura 3: (8C_02_02_18) A vírgula em destaque foi colocada no final de um enunciado interrogativo, numa posição em que era previsto, portanto, o uso do sinal de interrogação <?>. O contorno entoacional ascendente do enunciado interrogativo é recuperado por meio da estrutura subjacente da oração o que será de nós: o pronome interrogativo Qu-, no caso, o que, configura um enunciado interrogativo nessa oração. No entanto, o escrevente utilizou, fora das convenções, a vírgula na posição onde previsto o sinal de interrogação. Esse uso pode ser entendido como uma tentativa de o sujeito não segmentar em partes menores uma unidade maior, o U, cujo significado não se encerra onde a vírgula foi colocada, mas na posição onde o ponto final foi utilizado, após a palavra bebê. A possível hipótese do sujeito se define por meio da imagem de que a vírgula não termina um enunciado (mas apenas o delimita em função de outro enunciado), enquanto os sinais de ponto de interrogação e ponto final encerram, simultaneamente, uma sequência semântica e uma sequência fônica, seja esta definida pelo contorno entoacional descendente, como nos casos em que o ponto final é empregado, seja definida pelo contorno entoacional ascendente, casos como o apresentado na Figura 3. Portanto, a vírgula foi colocada na fronteira de I por não ser coincidente com a fronteira de U. Passamos a tratar agora dos casos, que denominamos de tipo C, em que é 57

15 previsto o emprego de duas vírgulas, dada uma estrutura sintático-semântica. Foram encontrados no corpus usos não-convencionais definidos pela ausência em uma das posições exigidas (ou na primeira posição P1 ou na segunda posição P2) ou pela ausência tanto em P1 como em P2. Desse modo, identificamos três usos nãoconvencionais das vírgulas em relação às posições consideradas: (i) presença ausência; (ii) ausência presença; (iii) ausência ausência. A seguir, exemplificamos o primeiro subtipo CI em que há a sequência presença ausência de vírgulas. Figura 4: (8B_05_02_11) Observa-se, na Figura 4, que o constituinte sintático a ser isolado é a conjunção conclusiva portanto. Porém, o isolamento não foi efetivado, uma vez que P2 não foi preenchida por uma vírgula. Prosodicamente, tem-se uma sequência de Is definidas pelos contornos entoacionais e a conjunção portanto poderia configurar uma I independente, no entanto, pela possibilidade de re-estruturação do constituinte prosódico, a conjunção, por ter pouco material fônico, se une à I subsequente pertence sim aos brasileiros, formando uma unidade prosódica única [portanto pertence sim aos brasileiros]i. Portanto, há evidências de a hipótese do sujeito para a não-colocação da vírgula em P2 estar ancorada nessa organização prosódica. Nota-se que a primeira vírgula está na fronteira de uma I e, portanto, também motivada por uma mudança de contorno entoacional. Uma evidência de que essa hipótese é o que conduz o sujeito a 58

16 escolher não colocar vírgula em P2 é o fato de, no período anterior, como se verifica na Figura 4, uma estrutura semelhante com a conjunção por isso estar convencionalmente sinalizada por vírgulas. Desse modo, não se pode afirmar que o escrevente não saiba utilizar as vírgulas quando previsto o emprego de duas vírgulas, mas, é possível interpretar que a flutuação entre seguir e não seguir a convenção é motivada pela confluência entre a organização prosódica e sintático-semântica dos enunciados no texto. O uso não-convencional do tipo C.II diz respeito à ausência presença das vírgulas, como se ilustra na Figura 5, a seguir. Figura 5: (8B_06_02_13) Na Figura 5, nas posições onde indicadas, deveriam, de acordo com a norma, ser empregadas vírgulas para o isolamento do adverbial antecipado quando chega aqui. No entanto, a vírgula em P1 não é colocada. Observa-se que o elemento que está à direita da P1 é a conjunção aditiva e, que, por ser constituída de uma sílaba apenas, pode ser incorporada pela I seguinte, formando, assim, uma única I: [e quando chega aqui]. Dessa forma, as posições assinaladas na Figura 5, portanto, dizem respeito, respectivamente, à (i) não-colocação da vírgula em P1 pela realização de um contorno entoacional único entre a conjunção e o adverbial que a segue, sem, por esse motivo, delimitar uma fronteira prosódica entre os dois constituintes sintáticos, e (ii) à colocação da vírgula em P2 por se encontrar aí a fronteira final da I. 59

17 Outro indício, de natureza letrada, que pode ser também considerado na análise dessa mesma ocorrência de não-preenchimento de P1 por vírgula é o fato de haver uma tendência, por parte dos escreventes em processo de aquisição da escrita, em se evitar vírgula antes da conjunção e, a qual é motivada, possivelmente, na imagem que palavras de pequena extensão, como a conjunção e, dificilmente são isoladas por vírgula (mesmo que a presença das vírgulas seja exigida gramaticalmente pela estrutura em que a conjunção ocorre). Constata-se, assim, que as hipóteses explicativas para ausência seguida de presença da vírgula, como no caso mostrado na Figura 5, podem advir das práticas letradas/escritas (representações dos usos das vírgulas com base em regras gramaticais) e das práticas orais/faladas (representações de características prosódicas dos enunciados falados) simultaneamente. Por fim, apresentamos a ausência de vírgula em duas posições sintaticamente relacionadas. Esse uso não-convencional, ilustrado na Figura 6, que denominamos por tipo C.III, leva a uma conclusão interessante quanto aos empregos das vírgulas. Figura 6: (8B_30_02_10) Na ocorrência apresentada na Figura 6, as duas posições assinaladas dizem respeito ao isolamento de orações reduzidas por meio de vírgulas, conforme previsto pela norma gramatical de emprego de vírgulas. No entanto, a oração reduzida sendo internacionalizada, que também poderia ser considerada como uma I independente, é relativamente pequena (por ser constituída de duas palavras prosódicas) e, sendo enunciada com uma taxa de elocução relativamente rápida, pode ser reestruturada 60

18 (como previsto pelo algoritmo de formação do domínio de I já apresentado) de forma que se obtém uma I longa: [e ela sendo internacionalizada não será mais brasileira]i. Constata-se, com base na análise da ocorrência na Figura 7, que também a ausência de vírgula pode ser motivada por informações predominantemente prosódicas. A princípio, poderia se supor que apenas a presença de vírgula faria remissão às características dos enunciados falados, mas verificou-se, neste estudo, que também a ausência das vírgulas se relaciona a características da dimensão fônica da linguagem. Nesse sentido, os dados relativos ao emprego de vírgula parecem confirmar a tese defendida por Corrêa (2004) de que a escrita é heterogeneamente constituída, uma vez que as vírgulas, mesmo quando não empregadas, indiciam características dos enunciados falados em lugares que supostamente são vistos como característicos de uma escrita homogênea. Por fim, apresentamos, na Figura 7, dados por meio dos quais se explicita que a tipologia aqui proposta visa a vislumbrar como se dão as relações entre os enunciados falados e escritos e não se constitui como uma forma de apreensão completa das dessas relações. A ocorrência de vírgula destacada na Figura 7 nos leva a diferentes possibilidades de interpretação do enunciado escrito tanto referente à classificação normativa quanto à realização falada do enunciado. Figura 7: (8B_11_02_12) 61

19 Do ponto de vista normativo, a dúvida está em saber por qual constituinte sintático o uso da vírgula é motivado. A vírgula foi colocada no limite entre sujeito e predicado e, além disso, o adverbial com certeza (grafado concerteza) é o primeiro termo do predicado da oração. Como se observa, o sujeito da oração é longo: quem mora aqui na América do Sul e nunca veio até aqui no Brasil. A dúvida consiste em saber se a vírgula assinalada foi motivada pela extensão do sujeito ou se pela introdução do adverbial com certeza. Neste último caso, a norma prevê que esse adverbial seja isolado por vírgulas. Se se considerar que a vírgula foi motivada pela extensão do sujeito, tem-se um emprego não-convencional do primeiro tipo aqui apresentado (tipo A); se, alternativamente, se considerar que a vírgula foi motivada pelo adverbial, tem-se um emprego não-convencional do terceiro tipo apresentado (subtipo C.I.). Faz-se relevante observar que, após o emprego não-convencional da vírgula na Figura 7, há a hipossegmentação do adverbial com certeza (concerteza). Tanto o uso não-convencioval da vírgula quanto a hipossegmentação podem estar relacionados a características dos enunciados falados, particularmente à organização dos enunciados em constituintes prosódicos (sobre a relação entre hipossegmentação e domínios prosódicos ver Tenani, 2009). A hipossegmentação é a juntura entre as palavras gráficas que pode ser interpretada como evidência do que ocorre nos enunciados falados. Dessa forma, tem-se uma pista, por meio da segmentação não-convencional, que com certeza pode ser reestruturada, conforme previsto no algoritmo, de modo a deixar de ser uma I pequena para se realizar como parte de uma I maior: [concerteza irá querer conhecer o que agora vai ser de todos,]i. As vírgulas antes de concerteza e depois de todos constituem outra pista a favor dessa configuração prosódica. Embora tenha sido possível reunir pistas a favor de uma interpretação dos 62

20 motivos que tenham levado aos usos não-convencionais de vírgula no caso apresentado na Figura 7 (e, assim, classificar essa ocorrência segundo a tipologia proposta), optamos por tratar ocorrências semelhantes a essas como casos de dúvida e explorar as possibilidades de relações lingüísticas entre os constituintes das sentenças e de relações entre os enunciados falados e escritos. Essa opção pareceu-nos mais coerente com a concepção teórica assumida sobre a escrita, uma vez que a escolha por uma única análise como a preferencial sublimaria a complexidade lingüística do objeto de nosso estudo e apresentaria uma relação supostamente bem estabelecida por meio da tipologia e da análise dos dados propostas. Considerações finais Mostramos, por meio da análise qualitativa de ocorrências não-convencionais de vírgulas em textos de alunos da última série do EF, como se dá o entrecruzamento da relação entre enunciados falados e escritos e como se observa uma relação do sistema de pontuação e, mais especificamente a vírgula, com várias dimensões da linguagem (CHACON, 1998). De modo geral, argumentamos como os usos não-convencionais da vírgula trazem evidências de como se dá a relação do sujeito com a linguagem com o seu texto, com a escrita e, especialmente, com os imaginários da escrita (CORRÊA, 2004). 63

21 Referências bibliográficas BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In:. Estética da criação verbal. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, BECHARA, E. Moderna Gramática Portuguesa. 37 ed. Rio de Janeiro: Lucerna, CHACON, L. Ritmo da escrita: uma organização do heterogêneo da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, CORRÊA, M. L. G. O modo heterogêneo de constituição da escrita. São Paulo: Martins Fontes, CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. 3ed. Ver. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, DAHLET, V. As (man)obras da pontuação: usos e significações. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, FERNANDES, F. R. Ordem, focalização e preenchimento em português: sintaxe e prosódia. Campinas: Tese (Doutorado em Linguística). Instituto de Estudos da linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. FROTA, S. Prosody and focus in European Portuguese. Tese (Doutorado) p. Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa. Publicado por Garlang Publishing (series Outstanding Dissertations on Linguistics). New York/London, GINZBURG, C. O queijo e os vermes: o cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela Inquisição. Trad. Betânia Amoroso. 8ª reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, LUFT, C. P. A vírgula: considerações sobre o seu ensino e o seu emprego. São Paulo: Ática, NESPOR, M. & VOGEL, I. Prosodic Phonology. Dordrecht-Holland: Foris Publications, ROCHA LIMA, L.H.da Gramática Normativa da Língua Portuguesa. 27 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, SONCIN, G. C. N. O gênero textual e o emprego de vírgulas. In: LIMA-HERNANDES, M. C.; MARÇALO M. J.; MICHELETTI G.; MARTIN V. L. de R. A língua portuguesa no mundo. São Paulo: FFLCH USP, Relatório parcial de pesquisa de Iniciação Científica. Inédito. FAPESP: São 64

22 Paulo, 10 de maio de TENANI, L. Domínios prosódicos no Português do Brasil: implicações para a prosódia e para a aplicação de processos fonológicos. Campinas: Tese (Doutorado em Lingüística). Instituto de Estudos da linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.. Entre o grupo clítico e a palavra fonológica: os erros de segmentação nãoconvencional de palavras. Comunicação no VI Congresso Internacional da ABRALIN,

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE Kleiton Cassemiro do Nascimento¹ DLLEM / UFRN Kleitoncass@gmail.com RESUMO Este trabalho tem como objetivo fazer uma análise dos mecanismos de coesão adotados

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Planejamento Anual 2014 ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Identificação da turma: 9 Anos A e B 1 Semestre de 2014 Identificação do professor: Tiago Silva de Oliveira Área do conhecimento: Língua Portuguesa

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem 1 IDENTIFICAÇÃO Curso: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Licenciatura em Química Componente Curricular: Comunicação e Linguagem PLANO DE ENSINO Modalidade de Ensino: Superior

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS Prezado aluno, O maior diferencial deste projeto pedagógico é o desenvolvimento da autonomia do estudante durante sua formação. O currículo acadêmico do seu

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa ENSINO FUNDAMENTAL O processo de sondagem Colégio Sion busca detectar, no aluno, pré-requisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente no ano pretendido. As disciplinas de Língua Portuguesa e são os

Leia mais

Português- Prof. Verônica Ferreira

Português- Prof. Verônica Ferreira Português- Prof. Verônica Ferreira 1 Com relação a aspectos linguísticos e aos sentidos do texto acima, julgue os itens a seguir. No trecho que podemos chamar de silenciosa (l.15-16), o termo de silenciosa

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Planejamento Anual 2014 ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Identificação da turma: 3 Colegial A 1 Semestre de 2014 Identificação do professor: Tiago Silva de Oliveira Área do conhecimento: Língua Portuguesa

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID Michele Dalzotto Garcia Acadêmica do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Centro- Oeste/Irati bolsista do PIBID CAPES Rejane Klein Docente do

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS:

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: A Produção de pesquisas sobre Educação Ambiental dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD: Educação Ambiental e Educação Infantil

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Ano letivo 2014/2015 Ensino Secundário - 1ª e 2ª Fase Disciplina de ESPANHOL (INICIAÇÃO BIENAL) - 375 Informação Prova de Equivalência à Frequência 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

PROVA 367. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 367. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 367 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS- continuação 10.º e 11.º Anos (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com VIII Jornada de Estudos do Discurso NARRANDO A VIDA SOCIAL A FALA DO PROFESSOR DE INGLÊS SOBRE A SUA ATIVIDADE DOCENTE EM CURSOS DE IDIOMAS: POR UM ITINERÁRIO INVESTIGATIVO NA INTERFACE TRABALHO & LINGUAGEM

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 358 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Formação Específica Anual 12.º Ano (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

AU A L U A A 6 REDAÇÃ Ç O C IENTÍFICA

AU A L U A A 6 REDAÇÃ Ç O C IENTÍFICA REDAÇÃO CIENTÍFICA AULA 6 Conteúdo principal para uma dissertação Elementos pré-textuais; Elementos textuais; Elementos pós-textuais. Elementos pré-textuais de uma dissertação Capa; Folha de rosto; Ficha

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

Conceito de pesquisa

Conceito de pesquisa Conceito de pesquisa A pesquisa e uma atividade voltada para a solução de problemas, através do emprego de procedimentos científicos. Seus elementos são: 1. Problema ou dúvida 2. Metodo científico 3. Resposta

Leia mais

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Manoela Afonso UNESP - Campus Bauru-SP manoela_afonso@hotmail.com Comunicação Oral Pesquisa Concluída

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

Elaboração de projetos

Elaboração de projetos Ano: 2013 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ARLINDO RIBEIRO Professor: ELIANE STAVINSKI PORTUGUÊS Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA Série: 2ª A e B CONTEÚDO ESTRUTURANTE: DISCURSO COMO

Leia mais

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 410 O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 RESUMO. O presente estudo se propõe a analisar num artigo, publicado em uma revista de grande circulação no

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC de Nova Odessa Código: 234 Município: Nova Odessa Eixo Tecnológico: Segurança no Trabalho Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE PIO XII REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ( 6º PERÍODO/2013-7º PERÍODO/2014-8º PERÍODO/2014 ) Cariacica 2013/2014 FACULDADE DE ESTUDOS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE AULA 1º sem 2010 PROFESSOR: DANIELLA BASSO BATISTA PINTO Disciplina: GRAMÁTICA TEXTUAL Etapa: ()1ª () 2ª ()3ª (X)4ª Turmas: (X) F 1. OBJETIVOS: Gramática Textual: Conceito, Concepções e sua divisão.

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO)

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

Representações sobre a gênese da escrita em bate-papos virtuais

Representações sobre a gênese da escrita em bate-papos virtuais Representações sobre a gênese da escrita em bate-papos virtuais (Representations about the genesis of writing in webchats) Viviane Vomeiro Luiz Sobrinho 1 1 Instituto de Biociências, Letras e Ciências

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA

METODOLOGIA CIENTÍFICA EQE040 METODOLOGIA CIENTÍFICA www.liviajatoba.com/eqe040 Professora Livia Jatobá liviajatoba@eq.ufrj.br Aula 04: Desenvolvendo o problema científico. Metodologia e fases da pesquisa. 6 de abril de 2015

Leia mais

OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO

OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO Ano: 3º ANO Disciplina: História Professor Responsável: Wladson Quiozine OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO 1. Retomar os aspectos essenciais do conteúdo programático da disciplina de História do Ensino

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Thayssa Stefane Macedo Nascimento Graduanda do curso de Pedagogia da UFPI RESUMO O presente trabalho discute acerca da avaliação na educação infantil tendo como

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS Flávio Pereira DINIZ (FCS UFG / diniz.fp@gmail.com) 1 Dijaci David de OLIVEIRA (FCS UFG / dijaci@gmail.com) 2 Palavras-chave: extensão universitária;

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O SUBJUNTIVO EM ORAÇÕES SUBORDINADAS: DESCRIÇÃO SINTÁTICA PELA TEORIA X-BARRA Mário Márcio Godoy Ribas (UEMS) marcioribas@gmail.com Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) natanielgomes@hotmail.com 1. Considerações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás COSTA, Bianca Ribeiro Morais OLIVEIRA, Eliane Carolina de Universidade Federal de Goiás- UFG Programa de

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES Marcia Regiane Miranda Secretaria Municipal de Educação de Mogi das Cruzes marcia.sme@pmmc.com.br

Leia mais

Curso de Aperfeiçoamento Linguístico: o que é?

Curso de Aperfeiçoamento Linguístico: o que é? Curso de Aperfeiçoamento Linguístico. A gramática é um ponto de (des)encontro mesmo entre quem a estuda. Hífen, vírgula, acentos só não movem guerras porque são muito pequenos para isso, mas mal colocados,

Leia mais

O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS. Palavras-chave: texto, e-mail, linguagem, oralidade, escrita.

O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS. Palavras-chave: texto, e-mail, linguagem, oralidade, escrita. Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 191 195 O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS MARQUES, Fernanda Vieira ANDRADE, Antonio Carlos Siqueira de Palavras-chave: texto,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS

ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E NED Núcleo de Estudos Dirigidos ED 2/ED Comunicação e Expressão /2012/2 Prof. Cleuber Cristiano de Sousa ATIVIDADE DISCURSIVA 2 Habilidade: ED 2: Compreender e expressar Temáticas

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA SANTOS, Lilian 1 NUNES, Célia 2 O presente trabalho tem como objetivo apresentar algumas considerações

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE MONOGRAFIA FILOMENA MARIA RATES SOARES VITOR TENÓRIO NOVA

Leia mais

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação. A) Competências COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação. A) Competências COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Matriz da Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de: Prova 21 2015 9º Ano de

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO: 2014/2015 1 ª /

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014

PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014 1 PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014 Prova de redação na perspectiva de gênero textual Com o propósito de avaliar a proficiência dos candidatos na leitura e na escrita pelo uso da língua portuguesa

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: LÍNGUA ESTRANGEIRA

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2014-2015 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA RAQUEL MONTEIRO DA SILVA FREITAS (UFPB). Resumo Essa comunicação objetiva apresentar dados relacionados ao plano

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

1.º CEB. Clara Amorim

1.º CEB. Clara Amorim 1.º CEB Metas Curriculares de Português Documento de referência para o ensino e a aprendizagem e para a avaliação interna e externa, de progressiva utilização obrigatória. Contém os conteúdos do programa

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte. Qualificação: Sem certificação

Plano de Trabalho Docente 2010. ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte. Qualificação: Sem certificação Plano de Trabalho Docente 010 Ensino Técnico ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte Código: 135 Município: Bauru/SP Área Profissional: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Jurídico

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais