XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO"

Transcrição

1 XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0178 QUEBRA DO SIGILO PROFISSIONAL EM CASOS DE PEDOFILIA GABRIELE APARECIDA PETRONI VALÉRIA HOLMO BATISTA LUIZ FERNANDO COSTA NASCIMENTO DEPARTAMENTO DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ INTRODUÇÃO De acordo com a décima edição da Classificação Internacional das Doenças, da Organização Mundial da Saúde, a pedofilia (F65.4) é definida como transtorno de preferência sexual, no qual o paciente (maior de 16 anos) apresenta excitação e desejo por crianças menores de 13 anos, é quase exclusiva dos homens e deve estar presente por pelo menos 6 meses. Sendo um transtorno mental considera-se pacientes com diagnóstico de pedofilia 1. Segundo o artigo 102, parágrafo único, do Código de Ética Médica, a inviolabilidade do sigilo se impõe mesmo que o paciente tenha falecido ou que o fato seja de conhecimento público, e até mesmo diante de autoridades jurídicas. Esse mesmo artigo determina que em apenas três situações o sigilo pode ser rompido: a primeira é a autorização expressa do paciente, sendo este o proprietário do segredo e desde que esteja devidamente esclarecido; a segunda é o Dever Legal, que institui normas legais para a relação médico-paciente; a terceira é a Justa Causa, em que o médico analisa o caso e pode concluir que a solução apenas é viável através da violação do sigilo, revelando apenas o necessário 2. A inviolabilidade do segredo médico é a regra que se impõe na relação médico-paciente 3. Dessa forma, surgem questões sobre o tema como: quebrar o sigilo em casos de pedofilia não estaria desfazendo a relação médico-paciente? Como ignorar o fato de uma criança estar sendo violentada? Sendo uma prática que agride diretamente a saúde e o direito do menor, a pedofilia é um assunto atual para a área médica e jurídica, principalmente quando associada à questão do sigilo profissional. Devido à falta de respostas às perguntas que o tema propõe e por ainda não haver uma legislação definitiva, torna-se de extrema importância reunir opiniões para buscar uma, possível e satisfatória, solução para essa questão.

2 OBJETIVO O objetivo do estudo foi conhecer opiniões dos alunos dos Departamentos de Medicina, Psicologia e Ciências Jurídicas (Direito) da Universidade de Taubaté (UNITAU) sobre Quebra de Sigilo Profissional em Casos de Pedofilia. METODOLOGIA Foi realizado um estudo transversal com alunos dos Departamentos de Psicologia, Medicina e Ciências Jurídicas. Neste estudo buscou-se a opinião quanto à Quebra de Sigilo profissional em casos de Pedofilia, através de questionário estruturado contendo oito questões fechadas, acompanhado de termo de consentimento informado. No Departamento de Ciências Jurídicas foram selecionadas as turmas de 4ª e 5ª séries do ano de 2006, pois são essas as turmas que realizam estágio de assistência jurídica à população de Taubaté, sendo escolhidas por sorteio uma sala de cada turma no período noturno. Responderam ao questionário todos os alunos presentes. No Departamento de Psicologia foram selecionadas as turmas de 3ª, 4ª e 5ª séries do ano de 2006, que têm estágio prático na Clínica de Psicologia da UNITAU realizando atendimento psicológico gratuito à população de Taubaté. A entrevista foi feita na sala única de cada turma do período integral e responderam ao questionário somente os alunos presentes. No Departamento de Medicina foi selecionada a única turma de 2ª série do ano de 2006, pois estava cursando as disciplinas de Psicologia Médica, Ética Médica e Medicina Legal, sendo realizada a entrevista em aula prática de laboratório, em que todos compareceram e responderam ao questionário. Foram selecionados também os alunos de internato da 5ª série e da 6ª série que estagiaram no Ambulatório de Psiquiatria do Hospital Universitário de Taubaté em agosto de A análise estatística utilizou o qui quadrado e nível de significância de 5%. Os cálculos foram feitos com o programa Epi Info O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da UNITAU sob o número 071/06 e foi financiado pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), em participação do Projeto de Bolsa de Pesquisa em Ética Médica para Estudantes de Medicina do ano de RESULTADOS E DISCUSSÕES Dos 279 alunos entrevistados, 107 (38,3%) eram do curso de Direito, sendo 41 (14,6%) da 4ª série e 66 (23,7%) da 5ª série, não havendo faltantes; 98 (35,2%) eram do curso de Medicina, sendo 80 (28,7%) da 2 a. série e 18 (6,5%) que estavam no estágio de psiquiatria em agosto de 2006 (9 da 5 a. e 9 da 6 a. séries), nenhum faltante; e 74 (26,5%) eram da Psicologia, sendo 18 (6,4%) da 3ª série, 16 (5,7%) da 4ª série e 40 (14,4%) da 5ª série, no entanto, faltaram 22 alunos da 3ª série, 16 da 4ª série. A média de idade foi 25,8 anos (dp=6.909), mínimo 18 e máximo 54 anos. Quanto ao gênero havia 61,2% de mulheres e 38,8% de homens, sendo variável entre os cursos. Observou-se 93,2% de mulheres na Psicologia, 60,2% na Medicina e apenas 40,2% no Direito. A tabela 1 relaciona questões e curso e a tabela 2 relaciona as questões mais polêmicas.

3 Tabela 1. Relação entre as respostas das questões e o curso, Taubaté Freqüência de Medicina Psicologia Direito Valor do p resposta (%) * (%) (%) (%). 1. O que pensa do sigilo na relação médico-paciente? 0,04** Essencial 57,3 20,4 18,3 18,6 Relativo 37,6 13,6 7,5 16,5 Dispensável 5,1 1,1 0,7 3,2 2. O profissional deve informar às autoridades que seu paciente é pedófilo? 0,15 Não 26,5 11,1 4,3 11,1 Sim 60,2 18,9 17,9 23,3 Sem opinião formada 13,3 5,1 4,3 3,9 3. O profissional deve ser responsabilizado pelos atos do paciente? 0,006** Não 84,2 32,6 19,3 32,3 Sim 10,0 2,1 3,9 3,9 Sem opinião formada 5,7 0,4 3,3 2,1 4. A quebra do sigilo destrói a relação paciente-profissional? 0,69 Não 27,2 8,9 6,1 12,2 Sim 66,7 23,7 19,0 24,0 Sem opinião formada 6,1 2,5 1,4 2,1 5. Há diferença entre pedofilia como crime ou distúrbio mental? 0,16 Não 45,5 13,9 14,0 17,5 Sim 45,9 16,9 10,0 19,0 Sem opinião formada 8,6 4,3 2,5 1,8 6. O profissional deve informar o paciente sobre a quebra do sigilo? <0,001** Não 22,9 7,6 1,4 14,0 Sim 67,4 23,0 22,2 22,2 Sem opinião formada 9,7 4,7 2,9 2,1 7. Os casos devem ser analisados separadamente (Justa Causa)? 0,23 Não 11,1 2,1 2,9 6,2 Sim 80,6 30,5 21,5 28,6 Sem opinião formada 8,2 2,5 2,1 3,5 8. Conhece o Estatuto da Criança e do Adolescente? <0,001** Não 21,9 13,6 4,7 3,5 Sim 78,1 21,5 21,8 34,8. Total *** 100,0 35,1 26,5 38,3 Tabela 2. Relação entre a questão 2 com as questões 1, 3, 4, 6 e 8, Taubaté O profissional deve informar Sem opinião as autoridades? Não (%) Sim (%) formada (%) valor do p. 1. O que pensa do sigilo na relação médico-paciente? 0,008** Essencial 19,7 29,8 7,9 Relativo 6,4 26,5 4,6 Dispensável 0,4 3,9 0,8 3. O profissional deve ser responsabilizado pelos atos do paciente? <0,001** Não 26,2 46,2 11,9 Sim 0,0 9,7 0,3 Sem opinião formada 0,3 4,3 1,1 4. A quebra do sigilo destrói a relação paciente-profissional? <0,001** Não 2,5 23,0 1,7 Sim 23,7 32,9 10,1 Sem opinião formada 0,3 4,3 1,5 6. O profissional deve informar o paciente sobre a quebra do sigilo? <0,001** Não 11,9 9,4 1,8 Sim 12,5 46,2 8,6 Sem opinião formada 2,1 4,6 2,9 8. Conhece o Estatuto da Criança e do Adolescente? 0,44 Não 4,7 14,6 2,5 Sim 21,8 45,6 10,8. Total 26,5 60,2 13,3 * Freqüência de respostas no total de alunos, independente do curso. ** Valor de p que indica diferença estatisticamente relevante. *** Total para cada questão. Trata-se do primeiro estudo que relaciona pedofilia e ética profissional. Foi realizada pesquisa em biblioteca científica (Bireme) e não foi encontrado nenhum artigo que relacionasse ética e pedofilia.

4 Quando realizada pesquisa entre os pareceres do Cremesp, foi encontrado apenas um parecer que abordasse esses temas e por isso relacionando-se diretamente com este estudo. O sigilo profissional é considerado essencial nas três profissões consultadas, pois consta como capítulo especial nos códigos de ética das mesmas. Entretanto, 42,7% dos alunos não o consideram essencial como a maioria (57,3%), mas relativo ou dispensável nos casos de pedofilia. Então ao se questionar se o profissional deve informar às autoridades caso tenha um paciente pedófilo, 60,2% deram resposta afirmativa. Os códigos de ética ressaltam que o sigilo pode ser quebrado, principalmente o de Ética Médica, o qual prevê a quebra do sigilo por autorização expressa do paciente, Justa Causa ou Dever Legal (Art. 102). No entanto, apesar de todos os códigos considerarem essa possível quebra de sigilo, igualmente consideram que se isso tiver que ocorrer deve ser comunicado apenas o essencial para promover o benefício da vítima, que no caso é a criança ou o adolescente 4,5,2. È possível que a opinião dos alunos esteja sendo influenciada pelo sensacionalismo que a mídia promove nos casos de pedofilia e outros crimes sexuais, influência esta que não deve ser ignorada 6. E possivelmente questões tão polêmicas não sejam discutidas em aulas nesta universidade, deixando os alunos ainda mais influenciáveis pelos meios de comunicação, que às vezes não têm embasamento científico para fazerem críticas de um modo geral 7. O referido parecer, utilizado para confrontar os resultados deste estudo, mostra a opinião da Comissão de Bioética (CEP) do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP), do Departamento Jurídico do Cremesp, e da Câmara Técnica de Saúde Mental do Cremesp, quanto às questões colocadas pela CEP/USP em um parecer que emitiu sobre o tema e que aqui também serão discutidas 8. O CEP/USP defende que a quebra do sigilo está justificada por Dever Legal, em casos concretos de pedofilia, na qual o médico é obrigado a comunicar à Vara da Infância e da Juventude, mas não em casos de fantasias e suspeitas, que podem ser apenas sintomas de transtorno obsessivo compulsivo, e então o profissional poderia ser processado por denunciação caluniosa. Afirma também que esse fato deve ser comunicado ao paciente, com diagnóstico de pedofilia, pelo médico ou pela instituição que lhe fornece assistência. E caso o médico não informe pode ser considerado cúmplice ou comete omissão de socorro 8. O Departamento Jurídico do Cremesp, todavia, declara que, segundo o Art. 13 do ECA, o médico deve comunicar à Vara da Infância e da Juventude não só quando tem um caso concreto, mas também quando houver suspeita de violência contra criança ou adolescente, portanto, se comunicar estará cumprindo seu dever legal e não pratica crime de denunciação caluniosa. No entanto, refere que essa obrigação cabe ao médico que assiste a criança e não ao que assiste o pedófilo, ficando o psiquiatra livre dessa obrigatoriedade, assim a quebra do sigilo seria uma decisão do médico, o que configura a Justa Causa e não o Dever Legal. E, então, reafirma que o Supremo Tribunal Federal já decidiu que o sigilo não é absoluto 8.

5 A Câmara Técnica de Saúde Mental do Cremesp, afirma que a pedofilia é um diagnóstico médico e, ao mesmo tempo, um delito e que a quebra do sigilo não pode ser entendida como Dever Legal, mas Justa Causa, pois é uma decisão do médico e não uma obrigação, uma vez que a autonomia do médico deve prevalecer. Refere que a opção de quebra do sigilo à Vara da Infância e da Juventude, deve levar em consideração as características clínicas do paciente 8. Neste estudo, 80,6% dos alunos apóiam a Justa Causa da quebra do sigilo nos casos de pedofilia, contra apenas 11,1% que não a apóiam e 8,2% que declaram não ter opinião formada. A discussão se amplia quando se coloca que o profissional não tem como comprovar os casos concretos, uma vez que a investigação não cabe ao mesmo, conta apenas com o relato do paciente se cometeu ou não o delito, sendo esta a única evidência, portanto questionável. Quanto a informar o paciente, como defende a CEP/USP, 67,4% consideram que tal conduta seria moral e ética por parte do profissional, contra outros 22,9% que não concordam, e 9,7% sem opinião formada. O Código em Ética em Psicologia, em seu artigo 14, determina, juntamente com a legislação profissional vigente, que o paciente deve ser informado desde o início do tratamento sobre a conduta que essas legislações impõem ao profissional 6. Possivelmente o predomínio de respostas afirmativas no curso de Psicologia para essa questão se deve ao conhecimento das determinações de seu Código de Ética. Quanto à diferença entre pedofilia como doença ou crime, também colocada pela Câmara Técnica no parecer, houve neste estudo um equilíbrio entre as respostas, sendo 45,5% a favor da diferença, 45,9% contra a diferença e apenas 8,6% sem opinião. Como não há consenso em relação a essa diferença, a Câmara Técnica incentiva pesquisas para aprimorar o conceito de pedofilia. Neste estudo, a porcentagem próxima entre as opiniões nesta questão reflete esses conflitos. É possível que pesquisas em universidades e discussões acadêmicas cheguem a um consenso satisfatório para definir melhor o termo pedofilia. Sobre a responsabilidade do profissional com os atos do paciente, 84,2% não concordam, assim como o Departamento Jurídico do Cremesp, contra apenas 10,0% que estão de acordo com o colocado pela CEP/USP. Outra consideração é se a notificação destruiria a relação paciente-profissional devido à perda de confiança do paciente, e 66,7% deram resposta afirmativa contra 27,2%. No entanto, a maioria que acredita na quebra da relação (32,9%) ainda julga que deve haver notificação, outros 23,0% que apóiam a notificação acham que isso não comprometeria a relação paciente-profissional. E há 23,7% que não informariam, pois acreditam no fim da relação. O conhecimento do ECA pelos alunos parece interferir na resposta positiva para a quebra do sigilo. De fato, dos 78,1% que afirmam conhecer o ECA, 45,6% apóiam a notificação. Sendo o Direito o curso que tem a maior proporção de alunos que declara conhecer o estatuto, possivelmente pela característica do próprio curso. Nos cursos da área da saúde, deveria ser dada ênfase maior às discussões sobre

6 legislação ou até inclui-las na grade curricular, pois a Medicina tem a maior proporção de alunos que afirma não conhecer o estatuto. Observa-se que há muitos questionamentos e dúvidas dentro do tema, o qual se mostra atual e de extrema importância, o que justifica esse estudo e aponta para a necessidade de novas pesquisas, nas quais uma metodologia qualiquantitativa possa ser um recurso para obtenção de mais dados. É possível que outras pesquisas com opiniões de profissionais médicos, juristas e psicólogos possam confirmar dados obtidos neste estudo, por isso poderiam ser desenvolvidas em outras universidades, para se conhecer melhor a opinião de profissionais que lidam com o problema. Quanto às possíveis limitações deste estudo, poderia ter sido questionado aos alunos se caso não apoiasse a quebra de sigilo por Justa Causa, o apoiaria por Dever Legal. Pois 11,1% dos alunos não apoiaram a Justa Causa, mas não havia uma questão em que pudessem justificar sua opinião, ou confirmar que apoiariam por Dever Legal. Outro aspecto importante a ser considerado, é que este estudo poderia conter questões abertas para que os alunos pudessem justificar suas respostas, ou determinar, por exemplo, para qual autoridade seria pertinente informar a ocorrência de pedofilia. CONCLUSÃO Foi possível conhecer as opiniões dos alunos dos Departamentos de Medicina, Psicologia e Ciências Jurídicas da UNITAU sobre o tema e na opinião dos alunos: o sigilo profissional é essencial; o mesmo deve ser quebrado em casos de Pedofilia; a maioria apóia a quebra deste por Justa Causa; o paciente deve ser informado quando o sigilo tiver que ser rompido; o profissional não deve ser responsabilizado pelos atos do paciente caso não informe as autoridades, e a maioria dos alunos conhece o ECA. REFERÊNCIAS 1. Classificação Internacional das Doenças. 10 a. revisão, [Online] Disponível em: Acesso em: 02/04/ Código de Ética Médica. Resolução CFM n 1.246/88 de 08 de Janeiro de [Online] Disponível em: Acesso em: 02/04/ Gonçalves HC. Inviolabilidade do segredo médico: a justa causa. Jornal do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, ed.221, p.5, Janeiro de Código de Ética e Disciplina da OAB. Lei n de 04 de Julho de [Online] Disponível em: Acesso em: 05/11/ Código de Ética Profissional do Psicólogo. Resolução CPF n 002/87 de 15 de Agosto de [Online] Disponível em: Acesso em: 05/11/ Folha de São Paulo a. Autores de laudo de preso que matou meninos em São Paulo serão investigados, 29 de Setembro de [Online] Disponível em: Acesso em: 22/10/ Folha de São Paulo b. Polícia diz que suspeito de matar meninos em São Paulo já teria feito 21 vítimas, 29 de Setembro de [Online] Disponível em: Acesso em: 18/10/ Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo. Parecer Cremesp n / 03 de 03 de Maio de [Online] Disponível em: Acesso em: 03/11/2007.

do Idoso Portaria 104/2011

do Idoso Portaria 104/2011 DEVER DE NOTIFICAR- do Idoso Portaria 104/2011 Lei 6.259/75l Lei 10.778/03, ECA, Estatuto n Médicos n Enfermeiros n Odontólogos n Biólogos n Biomédicos n Farmacêuticos n Responsáveis por organizações e

Leia mais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais ENUNCIADOS Suspensão Condicional do Processo Enunciado nº 01 (001/2011): Nos casos de crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher não se aplica a suspensão condicional do processo. (Aprovado

Leia mais

A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA

A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA Talvane M. de Moraes Médico especialista em psiquiatria forense Livre Docente e Doutor em Psiquiatria Professor de psiquiatria forense da Escola da Magistratura

Leia mais

Pedofilia: Em Defesa de um Corpo em Desenvolvimento Pesquisa Ação Contra o Abuso Sexual de Crianças

Pedofilia: Em Defesa de um Corpo em Desenvolvimento Pesquisa Ação Contra o Abuso Sexual de Crianças Pedofilia: Em Defesa de um Corpo em Desenvolvimento Pesquisa Ação Contra o Abuso Sexual de Arnaldo Risman Risman@risman.psc.br Gabriela Medeiros Vieira gabrielam_vieira@yahoo.com.br Franciane Cesar Motta

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ PARECER Nº 2488/2015 ASSUNTO: CONVÊNIO DETERMINA FIM DE INTERNAÇÃO DE PACIENTE PSIQUIÁTRICO SEM CONDIÇÕES DE ALTA PARECERISTA: CONS. DR. MARCO ANTONIO S. M. RIBEIRO BESSA EMENTA: Prazo de Internação de

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0576 ALTERAÇÕES DO SONO E TRANSTORNO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE

Leia mais

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO:

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO: PARECER TÉCNICO ASSUNTO: Solicitação de parecer acerca de Técnico de Enfermagem lotado no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de transtorno mental acompanhar paciente internado em outra instituição,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012 CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE Curitiba, 21 de novembro de 2012 CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver conflito de interesses na apresentação desta palestra, sendo que

Leia mais

Direitos e Deveres do Pesquisado

Direitos e Deveres do Pesquisado Comitê de Ética em Pesquisa CEP- Faciplac Registrado na SIPAR- Ministério da Saúde sob o nº 147057/2007 Direitos e Deveres do Pesquisado Direitos do Pesquisado I- Em caso de danos ao pesquisado por ato

Leia mais

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Novo Código de Ética Médico e Saúde do Trabalhador Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Realização: DIESAT Apoio: Fundacentro São Paulo, 22 jun 2010 Os dilemas, os sensos, os consensos,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 PROCESSO CONSULTA CRM-MT Nº 17/2013 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 22/2013 DATA DA ENTRADA: 22 de abril de 2013 INTERESSADA:COORDENADORIA DE VIGILANCIA SANITÁRIA DE CUIABÁ

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. AREA TEMÁTICA: Saúde. COORDENADORA: Prof.ª Dr.ª Denise

Leia mais

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação

Leia mais

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro PARECER CFM nº 4/13 INTERESSADO: CRM-PE ASSUNTO: Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro EMENTA: Em obediência

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS AOS PESQUISADORES

ORIENTAÇÕES GERAIS AOS PESQUISADORES ORIENTAÇÕES GERAIS AOS PESQUISADORES 1 Pesquisador responsável é a pessoa responsável pela coordenação e realização da pesquisa e pela integridade e bem-estar dos sujeitos da pesquisa (Res.196/96 II.4).

Leia mais

A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br

A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br 2014 A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br 1 A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Pergunta: A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Por Eduardo Varela Consultor da Factor9.com.br Março

Leia mais

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos.

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos. Consultas à Defesa Anualmente, o Departamento de Defesa Profissional da Associação Paulista de Medicina (APM) realiza cerca de mil atendimentos, esclarecendo dúvidas sobre uma série de assuntos e garantindo

Leia mais

Aspectos legais do atendimento ao adolescente - em busca da saúde integral

Aspectos legais do atendimento ao adolescente - em busca da saúde integral Aspectos legais do atendimento ao adolescente - em busca da saúde integral Luiz Claudio Campos Núcleo de Populações mais vulneráveis Gerência de Prevenção - CE DST/Aids Legislação e Direitos do Adolescente

Leia mais

MACEIO CASA DE MÁRIO GUIMARÃES E DE TODOS OS MACEIOENSES

MACEIO CASA DE MÁRIO GUIMARÃES E DE TODOS OS MACEIOENSES PROJETO DE LEI N 6.400 Autor: Ver. Fátima Santiago CÂMARA MUNICIPAL DE, E DE TODOS OS ENSES Maceió, 24 de outubro de 2014 "Cria procedimento de Notificação de Violência contra a Mulher" O PRESIDENTE DA

Leia mais

CURSO INTENSIVO MODULAR FINAL DE SEMANA OAB 2012.2

CURSO INTENSIVO MODULAR FINAL DE SEMANA OAB 2012.2 2012.2 CURSO INTENSIVO MODULAR FINAL DE SEMANA OAB 2012.2 DISCIPLINA ÉTICA PROFISSIONAL AULA 01 EMENTA DA AULA 1. Princípios da advocacia; 2. Atividades privativas da advocacia; 3. Inscrição; 4. Cancelamento

Leia mais

Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema?

Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema? Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema? Saber é poder definir. Quando duas pessoas discutem, devem saber primeiro sobre o que discutem.

Leia mais

REGIMENTO DO INTERNATO

REGIMENTO DO INTERNATO REGIMENTO DO INTERNATO Petrolina Março 2012 Universidade Federal do Vale do São Francisco REGIMENTO DO INTERNATO CAPÍTULO I DEFINIÇÃO: Artigo 1 O Internato O internato é o estágio obrigatório em serviços

Leia mais

Interesse. declarado.

Interesse. declarado. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a ser declarado. Ética em Medicina Laboratorial Ética no relacionamento inter-profissional Alvaro Rodrigues Martins Cenário Organizações Equipamentos\Insumos Mercado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CREMESC -

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CREMESC - 1 Consulta Nº: 2148/12 Consulente: G. G. G. Conselheiro: Rodrigo Bertoncini Ementa: A responsabilidade pelas atividades médicas em um hospital, qualquer que seja seu porte, é do Diretor Técnico e a responsabilidade

Leia mais

A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases

A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases Dra.Ancilla-Dei Vega Dias Baptista Giaconi Maio/2014 0 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia Criada em 23 de Novembro

Leia mais

Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital São Mateus.

Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital São Mateus. São Mateus. REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO HOSPITAL SÃO MATEUS LTDA [Digite EMISSÃO texto] Nº: 01 REVISÃO Nº: 02 DATA: 10/08/1998 DATA: 28/04/2011 Sumário Capitulo I : Das Definições e Objetivos do

Leia mais

Relação Médico Paciente: Segurança e risco

Relação Médico Paciente: Segurança e risco Relação Médico Paciente: Segurança e risco Tão importante quanto conhecer a doença que o homem tem, é conhecer o homem que tem a doença. (Osler) Conselheiro Fábio Augusto de Castro Guerra Vice-Presidente

Leia mais

Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou?

Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou? CÓDIGO DE ÉTICA Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou? Ruth Virgolino Chefe da DIPOC/DIRSAT/INSS CÓDIGO DE ÉTICA NOVO CÓDIGO DE ÉTICA E A PERÍCIA MÉDICA DO INSS Código de

Leia mais

PROCESSO CONSULTA Nº 10/2014 PARECER CONSULTA Nº 04/2015

PROCESSO CONSULTA Nº 10/2014 PARECER CONSULTA Nº 04/2015 PROCESSO CONSULTA Nº 10/2014 PARECER CONSULTA Nº 04/2015 Solicitantes: DR. M. L. B. CRM/GO XXXX Conselheiro Parecerista: DR. PAULO ROBERTO CUNHA VENCIO Assunto: RESPONSABILIDADE ÉTICA E LEGAL DE PROFESSOR

Leia mais

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 Eixos longitudinais, conteúdos e objetivos cognitivos psicomotores Eixos transversais, objetivos Per. 1º Ano eixo integrador: O CORPO HUMANO CH INT. COMUM. HAB.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 04, DE 09 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 04, DE 09 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 04, DE 09 DE JUNHO DE 2015 Institui regulamento referente ao Trabalho de Conclusão de Curso para o curso de Medicina do Instituto Metropolitano de Ensino Superior. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Morte desejada: um estudo sobre a anorexia juvenil. Mônica Aguiar

Morte desejada: um estudo sobre a anorexia juvenil. Mônica Aguiar Morte desejada: um estudo sobre a anorexia juvenil Mônica Aguiar "Deve o Magistrado, havendo risco para a vida do paciente, afastar a omissão dos pais para prestigiar o interesse do adolescente." Os transtornos

Leia mais

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio 1 Barómetro APAV Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) Outubro de 2015 2 Índice 1 Objetivos e Metodologia

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA EM REDES SOCIAIS

MANUAL DE CONDUTA EM REDES SOCIAIS MANUAL DE CONDUTA EM REDES SOCIAIS AS MÍDIAS SOCIAIS SÃO HOJE AS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE INTERAÇÃO SOCIAL E DE COMPARTILHAMENTO DE IDEIAS E INFORMAÇÕES. O Sistema de Saúde Mãe de Deus (SSMD), sabendo

Leia mais

Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo CREMESP rayer@usp.br

Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo CREMESP rayer@usp.br Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo CREMESP rayer@usp.br Podemos pensar em duas éticas: a ética do próprio indivíduo e a ética do outro. Das diferenças e semelhanças entre elas é que surgirá

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA

A IMPORTÂNCIA DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 61 66 A IMPORTÂNCIA DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA Flávia Bastos 1, Fernanda Martins 1, Mara Alves 1, Mauro

Leia mais

Treinamento em Clínica Médica 2014. do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia e Outras Especialidades (IBEPEGE)

Treinamento em Clínica Médica 2014. do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia e Outras Especialidades (IBEPEGE) Treinamento em Clínica Médica 2014 do Pesquisas de Gastroenterologia (IBEPEGE) Reconhecido pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica São Paulo - 2014/2016 Coordenador: Dr. Norton Wagner Ferracini O IBEPEGE

Leia mais

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Página1 Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Título I Da definição Art. 1º - O Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis é uma das entidades

Leia mais

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Capítulo I - Do direito à informação Art. 1º O Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros tem como base o direito fundamental do cidadão à informação, que abrange

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina

Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina REGIMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA UFPE CAPÍTULO I DEFINIÇÃO: Artigo 1 -

Leia mais

AULA 05 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 05

AULA 05 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 05 AULA 05 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 05 DO DIREITO À EDUCAÇÃO, À CULTURA, AO ESPORTE E AO LAZER

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO Aizenaque Grimaldi de Carvalho Conselheiro do CREMESP Especialista em Medicina do Trabalho Especialista em Medicina Legal e Perícias Médicas Ex Vice-Presidente da Associação Nacional de Medicina do Trabalho

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos;

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos; ANEXO I DO OBJETO Descrição da PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NEUROCIRURGIA E NEUROLOGIA AOS PACIENTES DO HOSPITAL, PRONTO SOCORRO ADULTO, PRONTO SOCORRO INFANTIL E AMBULATÓRIO, compreendendo as seguintes funções:

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA RESIDÊNCIA MÉDICA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Curso de Residência Médica da Faculdade de Medicina de Marília constitui modalidade de ensino de pós-graduação, lato sensu, caracterizado por

Leia mais

GRADE E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/ DATAS E HORÁRIOS. C/H: 8 horas. Data/horário: 29/06 e 30/06 das 18:30 às 22:30 (2ª e 3ª)

GRADE E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/ DATAS E HORÁRIOS. C/H: 8 horas. Data/horário: 29/06 e 30/06 das 18:30 às 22:30 (2ª e 3ª) GRADE E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/ DATAS E HORÁRIOS MÓDULO I: PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO C/H: 8 horas. Data/horário: 29/06 e 30/06 das 18:30 às 22:30 (2ª e 3ª) 04/07 das 8 às 16h (sábado). Bibliografia

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 1.955/10

RESOLUÇÃO CFM nº 1.955/10 RESOLUÇÃO CFM nº 1.955/10 Dispõe sobre a cirurgia de transgenitalismo e revoga a Resolução CFM nº 1.652/02 O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, no uso das atribuições conferidas pela Lei nº 3.268, de 30 de

Leia mais

PRÓTESES PIP E RÓFIL DIREITO MÉDICO

PRÓTESES PIP E RÓFIL DIREITO MÉDICO O caso das PRÓTESES PIP E RÓFIL O Ingracio Advogados Associados vem por meio desta apresentar breves considerações acerca do tema esperando contribuir com o esclarecimento da classe médica. 1. A ANVISA,

Leia mais

Anotações de aula Aline Portelinha 2015

Anotações de aula Aline Portelinha 2015 Anotações de aula Aline Portelinha 2015 Aula 10 CONSELHOS DE MEDICINA Conselhos de Medicina O que são Constituem, em seu conjunto, uma autarquia federal, cada um deles dotado de autonomia administrativa

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. Campus de Botucatu PORTARIA nº 141 de 20 de setembro de 2000 Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. O Diretor da Faculdade

Leia mais

Para atingir tais objetivos, lembramos que o Regimento Geral da Universidade Anhembi Morumbi determina que:

Para atingir tais objetivos, lembramos que o Regimento Geral da Universidade Anhembi Morumbi determina que: Código de Conduta O presente código de conduta foi elaborado pela Pró-Reitoria Acadêmica para descrever o que se espera do comportamento dos alunos no interior das instalações da Universidade e as possíveis

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA 20//2013 1 REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA CAPÍTULO I Princípios e Objetivos ARTIGO 1 O regimento interno do corpo clínico visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliações e direção

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57 Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57 CONSULTA nº 157.177/11 Assunto: Sistema sem registro no Brasil, com servidor hospedado em outro país, para conter

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ 1. DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS O presente Regimento Interno visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliação e direção dos profissionais

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Alfredo Kaefer) Autoriza o Poder Público a realizar a internação compulsória, para tratamento médico especializado, de crianças, adolescentes e adultos apreendidos em

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA CÓDIGO PENAL Artigo 154. Revelar alguém, sem justa causa, segredo, de que tem ciência em razão de função, ministério, ofício ou profissão, e cuja revelação possa produzir dano a outrem: Pena detenção,

Leia mais

PARECER CREMEC Nº 10/2014

PARECER CREMEC Nº 10/2014 1 PARECER CREMEC Nº 10/2014 14/04/2014 Processo Consulta Protocolo CREMEC 2860/2014 ASSUNTO: Segredo Médico e remessa de laudos de exames para Operadora de planos de saúde. RELATOR: Dr. Ivan de Araújo

Leia mais

Momento ético Prontuário Médico

Momento ético Prontuário Médico Momento ético Prontuário Médico Luiz Antonio da Costa Sardinha Conselheiro Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo PRONTUÁRIO MÉDICO Tem um morto no plantão. Por onde iniciar História Tudo

Leia mais

OBJETIVOS: GERAL: Determinar a prevalência do alcoolismo em Policiais Militares do Estado do Amazonas.

OBJETIVOS: GERAL: Determinar a prevalência do alcoolismo em Policiais Militares do Estado do Amazonas. TÍTULO: ALCOOLISMO NA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO AMAZONAS. Autores: Fernando de Lima Ferreira; Aristóteles Alencar; Manoel Galvão; Giselle Oliveira da Costa; Márcia Maria Leão de Araújo; Roberta Kelly

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

PUBLICIDADE E MARKETING MÉDICO NA ERA ELETRÔNICA: QUAIS OS LIMITES?

PUBLICIDADE E MARKETING MÉDICO NA ERA ELETRÔNICA: QUAIS OS LIMITES? VIII SIMPÓSIO MINEIRO DE INTERCORRÊNCIAS EM CIRURGIA PLÁSTICA OURO PRETO, 04 de abril de 2014 PUBLICIDADE E MARKETING MÉDICO NA ERA ELETRÔNICA: QUAIS OS LIMITES? EDUARDO SUCUPIRA Comissão de Marketing

Leia mais

Regulamento Geral. Programas Executivos IBMEC MG. REGULAMENTO GERAL PROGRAMAS EXECUTIVOS IBMEC BELO HORIZONTE Reprodução Proibida

Regulamento Geral. Programas Executivos IBMEC MG. REGULAMENTO GERAL PROGRAMAS EXECUTIVOS IBMEC BELO HORIZONTE Reprodução Proibida Regulamento Geral Programas Executivos IBMEC MG 0 TÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º - Os Programas CBA, MBA e LL.M. são atividades docentes do Ibmec MG, dirigidos à formação e aperfeiçoamento dos participantes,

Leia mais

Prevenção ao abuso sexual infantil Pedofilia

Prevenção ao abuso sexual infantil Pedofilia Segurança contra a pedofilia Orientações aos pais 1 2 Prevenção ao abuso sexual infantil Pedofilia 3 4 1 Nunca Atitudes preventivas deixe seu filho dormir fora de casa ainda que seja em casa de parentes

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

CONSULTA Nº 91.404/2012

CONSULTA Nº 91.404/2012 1 CONSULTA Nº 91.404/2012 Assunto: Dificuldades com internações de pacientes dependentes químicos, encaminhados por ordem judicial Relator: Conselheiro Mauro Gomes Aranha de Lima. Ementa: Hospital psiquiátrico.

Leia mais

P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL

P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL P 41 - SERVIÇO SOCIAL EM ASSISTÊNCIA A PACIENTES PORTADORES DE HIV/AIDS Titulação: Aprimoramento Supervisora: Susan Marisclaid Gasparini Dirigido aos profissionais

Leia mais

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Art. 5º Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão,

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO

FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO CONCURSO DE TÍTULOS E PROVAS PARA O PROVIMENTO DE 01 (UM) CARGO DE PROFESSOR DOUTOR, REFERÊNCIA MS-3, EM R.D.I.D.P., JUNTO AO DEPARTAMENTO

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CRÔNICAS

Leia mais

4º A interdição tem alcance restrito ao trabalho do(s) médico(s), não alcançando os demais profissionais da equipe de saúde.

4º A interdição tem alcance restrito ao trabalho do(s) médico(s), não alcançando os demais profissionais da equipe de saúde. Fonte: Diário Oficial da União, Seção 1, Edição 30, p. 115, 12.02.2014 Resolução CFM nº 2.062, de 29.11.2013 - Dispõe sobre a interdição ética, total ou parcial, do exercício ético - profissional do trabalho

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Da Sra. Jô Moraes) Prevê o pagamento, pelo Poder Público, de danos morais e pensão indenizatória aos dependentes das vítimas fatais de crimes de violência sexual e violência

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida sempre em defesa do aperfeiçoamento das práticas e da observância aos princípios éticos e bioéticos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 (Publicada no D.O.U. de 09 de maio de 2013, Seção I, p. 119) Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como

Leia mais

Cartilha de Direitos e Deveres dos Usuários das Unidades de Saúde da SMS

Cartilha de Direitos e Deveres dos Usuários das Unidades de Saúde da SMS Cartilha de Direitos e Deveres dos Usuários das Unidades de Saúde da SMS 1 2 OS USUÁRIOS EM TRATAMENTO NOS HOSPITAIS E POSTOS DE ATENDIMENTO DA REDE MUNICIPAL DEVERÃO TER ASSEGURADO OS SEGUINTES DIREITOS:

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

Residência Médica. Equivalência da Residência Médica com Curso de Especialização e Título de Especialista

Residência Médica. Equivalência da Residência Médica com Curso de Especialização e Título de Especialista Residência Médica A Residência Médica foi instituída no Brasil pela Lei nº. 6.932 de 07 de julho de 1981 e regulamentada pelo Decreto nº. 80.281, de 05 de setembro de 1977. Equivalência da Residência Médica

Leia mais

MAUS TRATOS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

MAUS TRATOS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA MAUS TRATOS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Gabriela Azevedo Marques da Cunha ¹ Selma Dantas Teixeira Sabra ² É uma problemática complexa que envolve na sua etiologia vários fatores individuais, sociais, culturais

Leia mais

PESQUISA MAIORIDADE PENAL

PESQUISA MAIORIDADE PENAL PESQUISA MAIORIDADE PENAL OBJETIVOS Entender o pensamento da população do Rio sobre a redução da maioridade penal; Saber se ela é favorável a mudança das penalidades aplicadas ao menor infrator; Buscar

Leia mais

A Declaração de Óbito. Consa. Maria Madalena de Santana

A Declaração de Óbito. Consa. Maria Madalena de Santana A Declaração de Óbito Consa. Maria Madalena de Santana APRESENTAÇÃO CAMPO I IDENTIFICAÇÃO INDISPENSÁVEL! CAMPO II RESIDÊNCIA CAMPO III OCORRÊNCIA CAMPO IV FETAL OU MENOR QUE 1 ANO CAMPO V CONDIÇÕES E

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como dispositivo deontológico a ser seguido pelos médicos e revoga

Leia mais

do Conselho Regional de Medicina

do Conselho Regional de Medicina O julgamento simulado do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo: processo de ensino da ética médica Reinaldo Ayer de Oliveira 1 OLIVEIRA, R. A. The simulated judgment of the São Paulo State

Leia mais

Roteiro Básico para Elaboração do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE)

Roteiro Básico para Elaboração do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) Roteiro Básico para Elaboração do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) Sumário 1. Que tipo de pesquisa necessita do TCLE?... 1 2. Como elaborar o TCLE?... 2 Informar claramente quem é o responsável

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo.

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo. Conforme o Estatuto da Criança e do Adolesecente Art. 98. As medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados: I -

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 1. EMENTA A Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014, estabeleceu princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil, conhecido

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO .1. CONSULTA Nº 156.454/11 Assunto: Entrega de Prontuários ou Relatórios Médicos Relator: Osvaldo Pires Simonelli - Departamento Jurídico CREMESP NETTO. PARECER SUBSCRITO PELO CONSELHEIRO ADAMO LUI Ementa:

Leia mais

Mães que choram. Marcia Ferreira Amendola

Mães que choram. Marcia Ferreira Amendola Mães que choram Marcia Ferreira Amendola Mães que Choram é um trabalho monográfico referente ao Programa de Pós Graduação em Psicologia Clínico-Institucional modalidade residência hospitalar da Universidade

Leia mais

EDITAL 001/2015 DE MATRÍCULA E REMATRÍCULA PARA PÓS-GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE DE 2015 Sessão A (2015.2A) i

EDITAL 001/2015 DE MATRÍCULA E REMATRÍCULA PARA PÓS-GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE DE 2015 Sessão A (2015.2A) i Página1 EDITAL 001/2015 DE MATRÍCULA E REMATRÍCULA PARA PÓS-GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE DE 2015 Sessão A (2015.2A) i O Presidente do Conselho Universitário (CONSU) do Centro Universitário Ítalo Brasileiro (UniÍtalo),

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES Conselho Tutelar Órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente,

Leia mais

EDITAL No. 01/ 2014- NEDDIJ Programa UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS Subprograma INCUBADORA DOS DIREITOS SOCIAIS

EDITAL No. 01/ 2014- NEDDIJ Programa UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS Subprograma INCUBADORA DOS DIREITOS SOCIAIS EDITAL No. 01/ 2014- NEDDIJ Programa UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS Subprograma INCUBADORA DOS DIREITOS SOCIAIS A Coordenadora do NÚCLEO DE ESTUDOS E DEFESA DE DIREITOS DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE vinculado

Leia mais

Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes

Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes Gorete Vasconcelos go_vasconcelos@yahoo.com.br Marcos Históricos e Políticos Código de Menores /1927 Doutrina da Situação Irregular; Declaração

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais