XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010"

Transcrição

1 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação em Saúde. Iniciação Científica. Grupos de Pesquisa. Resumo O presente trabalho buscou conhecer o perfil dos docentes dos cursos da área da saúde, em especial a relação destes docentes com a pesquisa científica. Através do entendimento da pesquisa como princípio educativo, buscou-se descobrir se estes docentes vivenciam a pesquisa em suas atividades acadêmicas e se transmitem essa vivência aos seus alunos, proporcionandolhes uma formação diferenciada. Trata-se de uma pesquisa exploratória e descritiva, de abordagem quantitativa, e caracterizada como um estudo de caso, tomando como exemplo os colegiados dos cursos de Enfermagem, Medicina e Nutrição de uma universidade cearense. Através da aplicação de um questionário, buscou-se conhecer o perfil pessoal e profissional dos docentes e caracterizar sua atuação em pesquisa através das seguintes atividades: participar de grupos de pesquisa; participar de projetos de pesquisa; orientar bolsistas de iniciação científica; e lecionar disciplinas de pesquisa. Concluímos que existe um corpo docente qualificado e que vivencia a pesquisa em suas atividades acadêmicas, mas que não representam a totalidade dos colegiados destes referidos cursos. Vimos que também há discrepâncias entre os diferentes cursos, sendo a atuação em pesquisa menor nos cursos de Nutrição e no ciclo profissional do curso de Medicina, podendo haver relação entre essa deficiência e a elevada proporção de professores substitutos e sem dedicação exclusiva à universidade. Introdução O presente trabalho buscou conhecer o perfil dos docentes dos cursos da saúde de uma universidade cearense, dando uma ênfase especial à relação destes docentes com a pesquisa. Para isto realizamos o que podemos identificar como um estudo de caso, tomando como exemplo os colegiados dos cursos de Enfermagem, Medicina e Nutrição desta universidade. Entendemos a formação em pesquisa não apenas como a transmissão do conhecimento da metodologia científica, que dota o profissional/egresso de técnicas para a realização de investigações, mas também como a adoção de uma postura investigativa voltada para o aprender a aprender. Concordamos com Demo (1999) na sua compreensão da pesquisa também como princípio educativo, onde o aluno, através da investigação, une teoria e prática como preparação adequada para seu futuro fazer profissional. Portanto, acreditamos que a formação em pesquisa é ingrediente crucial na formação de um profissional crítico e reflexivo e consciente de seu papel social. A saúde vem passando por uma grande mudança de paradigma, deixando de lado o modelo biomédico, onde os profissionais da saúde (em especial o médico) se centravam unicamente na doença. Tal modelo de saúde justificava um modelo de ensino-aprendizagem centrado no professor como detentor do saber das patologias, e tendo o aluno como mero receptor do conhecimento transmitido pelo docente. O novo paradigma que emerge, não mais focado unicamente na cura de doenças, mas também na sua prevenção e na promoção da saúde, exige um novo modelo de formação de profissionais (LAMPERT, 2002). Segundo esta nova compreensão, se fazem necessários profissionais da saúde críticos e reflexivos, que enxerguem a

2 complexidade do processo saúde-doença em suas inúmeras variáveis, e que sejam capazes de: aprender a aprender, que engloba aprender a ser, aprender a fazer, aprender a viver juntos e aprender a conhecer, garantindo a capacitação de profissionais com autonomia e discernimento para assegurar a integralidade da atenção e a qualidade e humanização do atendimento prestado aos indivíduos, famílias e comunidades (BRASIL, 2001, p.4). Portanto, a incorporação da pesquisa desde a graduação dos cursos da saúde é uma das formas de contribuir para a formação deste profissional capaz de atender as novas demandas sociais. Mas para que a pesquisa seja propiciada aos alunos de graduação, é necessária a existência de um corpo docente capaz de motivar o aluno nesta caminhada. Mas do que isso, são necessários professores que vivenciem a pesquisa em seu dia-a-dia administrando grupos de pesquisa, coordenando projetos de pesquisa, orientando bolsistas de iniciação científica, ministrando disciplinas de pesquisa, entre outras inúmeras atividades. É esta vivência que vai permitir um ensinar diferenciado (e consequentemente uma aprendizagem também diferenciada por parte do aluno), um ensinar baseado não apenas nos conteúdos disciplinares que aprendeu na graduação, mas também na sua experiência em e com pesquisa (DEMO, 1999). Logo, nosso interesse por conhecer o perfil do corpo docente destes cursos se justifica pela necessidade de compreender como os professores da área da saúde vivenciam a pesquisa em suas atividades acadêmicas, tomando neste caso, como exemplo, os cursos da saúde de uma universidade cearense. Embora existam cerca de treze profissões regulamentadas como da área da saúde, a nossa pesquisa faz um recorte para levantar dados dos cursos de Enfermagem, Medicina e Nutrição, uma vez que as Diretrizes Curriculares Nacionais destes cursos foram elaboradas conjuntamente como Diretrizes Curriculares dos Cursos de Graduação em Saúde e tiveram como base a articulação entre Educação Superior e os Serviços de Saúde, em especial o Sistema Único de Saúde (BRASIL, 2001). Metodologia Identificamos nossa pesquisa como exploratória e descritiva, de abordagem quantitativa, e caracterizada como um estudo de caso. Possui como locus de investigação os referidos cursos de ciências da saúde, onde fizemos um recorte para levantar dados dos docentes que compõem os três colegiados dos Cursos de Enfermagem, Medicina e Nutrição num total de 123 docentes. Desse universo, selecionamos os docentes envolvidos com atuação em pesquisa, ou seja, aqueles professores que (1) ministravam disciplinas de pesquisa e/ou (2) participavam de grupos de pesquisa. Para identificar tais professores, o primeiro passo foi analisar as grades curriculares dos referidos cursos para reconhecer as disciplinas de pesquisa e, em seguida, consultar as coordenações de cada curso para descobrir os docentes que ministravam tais disciplinas. O segundo passo foi consultar o Diretório de Grupos de Pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (DGP-CNPq) para identificar os docentes que participavam de grupos de pesquisa cadastrados nesse diretório. Identificado os sujeitos, iniciamos o trabalho de campo através da aplicação de um questionário sobre o perfil destes docentes. Este questionário se constituiu de três partes. A primeira versava sobre perfil pessoal e qualificação profissional do entrevistado (idade, graduação e maior titulação). A segunda parte abordava a experiência profissional (tempo de magistério, disciplinas ministradas e vínculo à universidade) e, por fim, a terceira parte questionava pela atuação em pesquisa (participação em grupos de pesquisa, projetos de pesquisa e orientação de iniciação científica). Concluída a aplicação dos questionários, os dados foram consolidados e analisados no programa MICROSOFT OFICCE EXCEL.

3 Esta pesquisa cumpre os preceitos legais estabelecidos pela Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde, e recebeu aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da universidade onde a pesquisa foi desenvolvida. Resultados e Discussão Os colegiados dos cursos de Enfermagem, Medicina e Nutrição eram compostos, na época do levantamento destes dados, por, respectivamente, 40, 50 e 33 docentes. Destes, foram classificados como docentes com atuação em pesquisa 26, 21 e 17 professores, respectivamente. Como alguns destes docentes selecionados estavam afastados de suas atividades acadêmicas (por licenças de saúde, licenças-maternidade e, especialmente, para realização de pós-graduação) foram aplicados questionários a 24, 15 e 10 docentes dos cursos de Enfermagem, Medicina e Nutrição, respectivamente. De todos os professores que foram abordados, apenas um professor do curso de Medicina se recusou a responder ao questionário. Portanto, aplicamos satisfatoriamente o questionário a uma amostra representativa de 75% dos professores-pesquisadores que se encaixavam no perfil desejado, e de cerca de 40% dos docentes de todo o colegiado dos três cursos. Quanto ao gênero dos entrevistados, as mulheres formam a maioria absoluta nos cursos de Nutrição (100% dos entrevistados) e Enfermagem (92%). Já no curso de Medicina, tivemos um grupo mais heterogêneo de 8 mulheres (53%) e 7 homens (47%). Em relação à idade dos pesquisados, o curso de Medicina apresentou a maior média de idade, seguido pela Enfermagem, enquanto a Nutrição apresentou a média mais jovem. Proporcionalmente à idade dos entrevistados, temos também o tempo de magistério no Ensino Superior. A média de anos de ensino universitário é de 23,9 anos na Medicina, 15,5 anos na Enfermagem e 10,7 anos na Nutrição. Quanto à titulação, os cursos com a maior porcentagem de professores entrevistados com titulação de doutorado ou pós-doutorado também foram: Medicina em primeiro com 93% (5 Pós-Dr. e 9 Dr.), Enfermagem em segundo, com 62% (1 Pós-Dr. e 14 Dr.), e Nutrição em terceiro, com 60% (2 Pós-Dr. e 4 Dr.). Para analisar a atuação em pesquisa desses docentes, consideramos quatro tipos de atividades que caracterizassem essa atuação: (1) ministrar disciplinas de pesquisa, (2) participar de grupos de pesquisa, (3) participar de projetos de pesquisa e (4) orientar bolsistas de iniciação científica. Através da análise das grades curriculares de cada um dos cursos, identificamos sete disciplinas de pesquisa: 3 na Nutrição (Metodologia do Trabalho e Pesquisa Científica, Investigação em Nutrição e Monografia), 3 na Enfermagem (Metodologia da Pesquisa em Enfermagem, Monografia I e Monografia II) e 1 na Medicina (Metodologia de Estudo e Pesquisa). Embora a Medicina tenha implementado uma nova disciplina de pesquisa (Trabalho de Conclusão de Curso) durante a recente reformulação de sua grade curricular, esta ainda não foi ofertada para nenhuma turma. Com a consolidação dos dados dos questionários, identificamos que ministram disciplinas de pesquisa: 3 professores do curso de Nutrição (30%), 3 professores do curso de Enfermagem (12,5%) e 2 professores da Medicina (13,33%). Em relação à participação de grupos de pesquisa, todos os professores pesquisados dos cursos de Enfermagem e Medicina participam de grupos de pesquisa cadastrados no Diretório do CNPq, enquanto no curso de nutrição, apenas 50% dos pesquisados também o fazem. Entendemos que há uma relação direta entre a participação nestes grupos e a participação em projetos de pesquisa, uma vez que também afirmaram participar de algum projeto todos os 15 (100%) pesquisados do curso de Medicina, 21 (87,5%) do curso de Enfermagem e 6 (60%) docentes pesquisados do curso de Nutrição. A análise da orientação de bolsistas de iniciação científica neste trabalho é essencial, uma vez que queremos descobrir se os docentes que vivenciam a pesquisa compartilham com os alunos de graduação esta vivência. Neste sentido, a Medicina apresenta o maior número de

4 professores que referem orientar bolsistas de iniciação científica (13 professores, ou seja, 86,7%), enquanto na Enfermagem encontramos 17 docentes (70,8%) e na Nutrição 3 (30%). Por outro lado, ao perguntarmos quantos bolsistas de iniciação científica cada professor orienta, descobrimos que é no curso de Enfermagem onde há o maior número de bolsistas de iniciação científica (74) e a maior relação bolsistas/orientador (4,4), enquanto na Medicina temos 56 e 4,3, e na nutrição 7 e 2,3, respectivamente. Para compreender melhor estes dados sobre a atuação em pesquisa, temos que remeter a outros dois dados obtidos por meio do questionário: (1) formação em nível de graduação e (2) vínculo empregatício dos professores-pesquisadores à universidade. No curso de Enfermagem, todos os 24 professores entrevistados eram graduados em Enfermagem, já na Nutrição, 9 dos 10 pesquisados eram nutricionistas (havia ainda uma agrônoma) e, por fim, na Medicina, encontramos o grupo mais multi-profissional, onde apenas 6 (40%) docentes eram médicos e os outros 9 (60%) professores pesquisados deste curso eram formados em outras graduações diferentes da Medicina (dois em Ciências Biológicas, três em Enfermagem, três em Farmácia e um em Psicologia). Uma análise mais detalhadas das disciplinas que os professores do curso de Medicina afirmaram ministrar indica que todos eles lecionam no chamado ciclo básico onde são ministradas as disciplinas comum aos vários cursos da saúde (anatomia, fisiologia, saúde coletiva, etc.). Apenas um professor pesquisado do curso de Medicina afirmou ministrar disciplinas também no ciclo Profissional onde são ministradas as disciplinas específicas da formação médica (clínica médica, clínica cirúrgica, etc.). Logo, estes professores-pesquisadores do ciclo básico tendem a incorporar em suas atividades de pesquisa não apenas estudantes de Medicina, mas também estudantes de todos os cursos da área da saúde. Acreditamos que o mesmo deve ocorrer com os professores-pesquisadores dos outros cursos, mesmo que em menor grau. Quanto ao vínculo à universidade, no curso de medicina todos os 15 (100%) entrevistados eram professores efetivos da instituição, enquanto na Enfermagem estes eram 23 dos 24 pesquisados (95,8%) e, na Nutrição, 6 (60%) eram professores efetivos e os demais 40% eram contratados em regime temporário. Entendemos que esta elevada porcentagem de professores substitutos entre os docentes com atuação em pesquisa do curso de Nutrição não deve contribuir positivamente na formação em pesquisa destes professores, uma vez que bolsas de iniciação científica e apoio institucional a projetos de pesquisa se tornam mais escassos. De um modo geral, dos 123 professores lotados nos colegiados destes três cursos da saúde, 64 (52%) deles foram classificados por nós como docentes com atuação em pesquisa por satisfazer os critérios previamente estabelecidos, sendo que 49 (75,6%) deles responderam ao questionário. Destes, 35 (71,4%) são doutores ou pós-doutores, 8 (16,3%) lecionam disciplinas de pesquisa na graduação, 42 (85,7%) participam de projetos de pesquisa, 44 (89,8%) participam de grupos de pesquisa e 33 (67,4%) orientam bolsistas de iniciação científica na graduação. Conclusão Pelos dados coletados, ficou evidenciado que existem diferenças no perfil docente e, consequentemente, na formação em pesquisa nos três cursos pesquisados. A formação em pesquisa poderia ser ainda maior, em especial no curso de Nutrição e no ciclo profissional do curso de Medicina. Enquanto no curso de Nutrição evidenciamos uma elevada proporção de professores substitutos, no ciclo profissional do curso de Medicina temos uma forte suspeita de que a maioria de seus professores é composta por médicos que não possuem vínculo de dedicação exclusiva com a instituição e que, portanto, não se dedicam integralmente à universidade. Portanto, uma posterior investigação se faz necessária para avaliar se a efetivação de professores em regime de dedicação exclusiva poderia contribuir para a integração ensinopesquisa-extensão/assistência, tão preconizada pelas Diretrizes Curriculares Nacionais dos

5 Cursos de Enfermagem, Medicina e Nutrição (BRASIL, 2001). Pelos dados coletados, podemos afirmar também que já existe um corpo docente qualificado e que vivencia a pesquisa em suas atividades acadêmicas. Estes docentes, embora não constituam a totalidade de seus colegiados, são parcela importante do total de professores destes referidos cursos. O reconhecimento da pesquisa como princípio educativo e a incorporação das práticas investigativas no currículo principal desses cursos de graduação poderão fazer com que tenhamos cada vez mais docentes com atuação em pesquisa e profissionais críticos-reflexivos que saiam da universidade capazes de responder adequadamente as novas demandas dos serviços de saúde. Referências BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Parecer CNE/CES nº de 7 de agosto de Diário Oficial da União. Brasília, 3 out. 2001; Seção 1E, p.131. DEMO, Pedro. Pesquisa: princípio científico e educativo. 6 ed. São Paulo: Cortez, LAMPERT, Jadete Barbosa. Tendências de mudanças na formação médica no Brasil: tipologia das escolas. São Paulo: Hucitec / Associação Brasileira de Educação Médica, Agradecimentos Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) pelo financiamento através do Edital Universal. Ao CNPq e à Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNCAP) pela concessão de bolsas de iniciação científica aos estudantes que participaram desta investigação.

A INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO NO PET-SAÚDE PARA O FORTALECIMENTO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

A INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO NO PET-SAÚDE PARA O FORTALECIMENTO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA A INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO NO PET-SAÚDE PARA O FORTALECIMENTO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Resumo BORGES, Pollyanna Kássia de Oliveira Borges 1 - UEPG ZARPELLON, Lídia Dalgallo 2 - UEPG ZIMMERMANN,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE Florianópolis, 09 de novembro de 2007. Da: Coordenadoria do Curso de Graduação em

Leia mais

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE Ana Cristina Oliveira Lima, bolsista PIBIC/ CNPq, anacristinaoliveiralima@yahoo.com.br, UECE. Brena de

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O EXTENSIONISMO NO PET-SAÚDE E O FORTALECIMENTO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM PONTA GROSSA

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O EXTENSIONISMO NO PET-SAÚDE E O FORTALECIMENTO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA RELATO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE Nº 3.686

RESOLUÇÃO CEPE Nº 3.686 RESOLUÇÃO CEPE Nº 3.686 Aprova o Regimento dos Programas de Iniciação Científica e do Comitê de Pesquisa na UFOP. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade Federal de Ouro Preto, em sua

Leia mais

Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do I. CONSIDERAÇÕES GERAIS ART. 1º - Este regulamento tem por objetivo orientar a apresentação, tramitação, aprovação, execução,

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS Versão 1.1 Setembro 2013 1. Critérios (mínimos) de referência quanto à qualificação do corpo docente para a acreditação

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

Figura 1. Titulação do corpo docente do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH, 2010 (n=70)

Figura 1. Titulação do corpo docente do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH, 2010 (n=70) Avaliação inicial das atividades de pesquisa no Corpo Docente do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH O objetivo desse trabalho é avaliar as atividades de pesquisa desenvolvidas pelos docentes do Curso de

Leia mais

ITINERÁRIOS DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA

ITINERÁRIOS DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA ITINERÁRIOS DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Chrystian Fernando Araújo BORGES - IME/UFG cborges@mat.grad.ufg.br; Wellington Lima CEDRO - IME/UFG

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE Edital PPGPS Nº 01/2015 para Seleção de Candidatos ao PNPD 2015 PROCESSO

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PRÓ-SAÚDE/FAMEB/UFBA.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PRÓ-SAÚDE/FAMEB/UFBA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA - FAMEB 199 anos Grupo Gestor do Projeto Pró-Saúde (Ministério da Saúde FAMEB/UFBA) Pavilhão de Aulas da FAMEB, Av. Reitor Miguel Calmon Campus

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I - DA APRESENTAÇÃO E DOS OBJETIVOS DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1 - A atividade de Iniciação Científica integra o processo de ensinoaprendizagem

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ.

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. Alessandra da Costa Marques; Najara Siva; Lúcia Maria Assunção

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA PROPOSTA 1 Curso Nome(s) do(s) Curso(s) ZOOTECNIA Código e-mec 56129 Conceito ENADE 4 Coordenador da Proposta (Tutor do Grupo) ANA MARIA BRIDI 2 Caracterização da Proposta 2.1Área de Conhecimento (código

Leia mais

Relato de Grupo de Pesquisa: Pesquisa, Educação e Atuação Profissional em Turismo e Hospitalidade.

Relato de Grupo de Pesquisa: Pesquisa, Educação e Atuação Profissional em Turismo e Hospitalidade. Turismo em Análise, v.20, n.3, dezembro 2009 578 Relato de Grupo de Pesquisa: Pesquisa, Educação e Atuação Profissional em Turismo e Hospitalidade. Alexandre Panosso Netto 1 Karina Toledo Solha 2 Marcelo

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS Jaqueline Souza Lacerda 1,4 ; Eude de Sousa Campos 2,4 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues

Leia mais

METODOLOGIAS ATIVAS COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO: EXPERIÊNCIA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA UFS

METODOLOGIAS ATIVAS COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO: EXPERIÊNCIA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA UFS METODOLOGIAS ATIVAS COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO: EXPERIÊNCIA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA UFS INTRODUÇÃO Érika Hiratuka Andrezza Marques Duque Francisco Leal de Andrade Maria Natália Santos Silva Sandra Aiache

Leia mais

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 DCNs 2001 Motivações e Contexto Resolução CNE/CES n.º 4, de 9 de novembro de 2001

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA, TÉCNICA E TECNOLÓGICA Edital nº 19, de 27 de abril

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 043/2010 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

RESOLUÇÃO Nº 043/2010 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 043/2010 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Dá nova redação à Resolução nº 07/2004 AD REFERENDUM do CEPE, que regulamenta as atividades de Estágio Extracurricular dos estudantes de

Leia mais

EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PROVIC

EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PROVIC CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015

Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015 Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015 1. Descrição Este programa procura desenvolver nos estudantes de graduação

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO*

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* Maria Benedita Lima Pardo Tatiana Cardoso Andrade Ilka Thiziane Teixeira

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016 Fundação Centro de Análise Pesquisa e Inovação Tecnológica FUCAPI Faculdade Fucapi Instituto de Ensino Superior Fucapi Coordenação de Pesquisa CPESQ Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DA RELAÇÃO ENSINO E SERVIÇO EM UMA POLICLÍNICA DE FORTALEZA

A ORGANIZAÇÃO DA RELAÇÃO ENSINO E SERVIÇO EM UMA POLICLÍNICA DE FORTALEZA A ORGANIZAÇÃO DA RELAÇÃO ENSINO E SERVIÇO EM UMA POLICLÍNICA DE FORTALEZA O Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) nasce da necessidade de reformular a formação dos cursos de graduação

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0178 QUEBRA DO SIGILO PROFISSIONAL EM CASOS DE PEDOFILIA GABRIELE

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ) CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1 - As normas que seguem visam orientar pesquisadores e bolsistas vinculados a projetos

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA MONITORIAINTEGRADACOMO AGENTE PROMOTOR NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL DO FORMANDO NO DBG/CB-UFRN.

A EXPERIÊNCIA DA MONITORIAINTEGRADACOMO AGENTE PROMOTOR NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL DO FORMANDO NO DBG/CB-UFRN. Eixo temático: Educação e Ciências Exatas e Naturais A EXPERIÊNCIA DA MONITORIAINTEGRADACOMO AGENTE PROMOTOR NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL DO FORMANDO NO DBG/CB-UFRN. Daniella Regina Arantes Martins

Leia mais

Consulta Pública RESOLUÇÃO DA CPP N. 000/2011

Consulta Pública RESOLUÇÃO DA CPP N. 000/2011 Consulta Pública O Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP), por intermédio de sua Diretoria de Fomento à niciação Científica (Diric), encaminha à comunidade acadêmica da Universidade de Brasília consulta

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA DE PROJETOS SOCIAIS Nº. 01/2010 APOIO A PROJETOS DE PESQUISA E CAPACITAÇÃO CIENTÍFICA 2010-2012

EDITAL DE CHAMADA DE PROJETOS SOCIAIS Nº. 01/2010 APOIO A PROJETOS DE PESQUISA E CAPACITAÇÃO CIENTÍFICA 2010-2012 EDITAL DE CHAMADA DE PROJETOS SOCIAIS Nº. 01/2010 APOIO A PROJETOS DE PESQUISA E CAPACITAÇÃO CIENTÍFICA 2010-2012 A Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR, entidade sem fins lucrativos, com

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A EVOLUÇÃO DO MAPEAMENTO DA INTEGRAÇÃO ENTRE PÓS- GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO EM DIREITO NO BRASIL: A UTILIDADE DAS BASES DE DADOS DA CAPES 2007/2009 E INEP

Leia mais

Instrução Normativa xx de... 2014.

Instrução Normativa xx de... 2014. REGULAMENTO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL PARA CAPACITAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PÓS-DOUTORADO

Leia mais

Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo

Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo Márcia Strazzacappa Laborarte/Unicamp Artista da dança, professora e pesquisadora Resumo: O

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular do Curso de Nutrição, na modalidade bacharelado,

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES 2015

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES 2015 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES 2015 De ordem da Senhora Diretora do Centro de Pesquisas René Rachou (CPqRR), da Fundação Oswaldo Cruz

Leia mais

EDITAL 11/2015 PPG-BCS

EDITAL 11/2015 PPG-BCS Campus de Cascavel - PR Rua Universitária, 2069 CEP 8819-110 - FONE 4 3220-3132 EDITAL 11/201 PPG-BCS ABERTURA DE INSCRIÇÃO DE CANDIDATOS AO PROGRAMA DE BOLSA- TÉCNICO (ACORDO CAPES/FA) PARA ATENDER O

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Programa de Pós Graduação FAPAM

Programa de Pós Graduação FAPAM Confraria Nossa Senhora da Piedade da Paróquia de Nossa Senhora da Piedade Faculdade de Pará de Minas - FAPAM Reconhecida pelo Decreto 79090, de 04/01/77 Rua Ricardo Marinho, 110 - São Geraldo - Pará de

Leia mais

3. Dos requisitos do Supervisor (Orientador). docente permanente

3. Dos requisitos do Supervisor (Orientador). docente permanente UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EDITAL Nº 03 DE 05 DE NOVEMBRO DE 2015 O Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA PARA A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS

CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA PARA A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA PARA A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS Rozany Cristina de Souza MELO¹ ; Mariana leão DOMICIANO² ; Marinalva Pereira CARVALHO³; Renata CAIXETA 4

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CENTRO DE PESQUISA. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/USJT/CNPq 2006/2007

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CENTRO DE PESQUISA. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/USJT/CNPq 2006/2007 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CENTRO DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/USJT/CNPq 2006/2007 EDITAL nº 01 de 01 de agosto de 2006 (em consonância com a Resolução Normativa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE EDITAL Nº 01/2012 PRÓ-SAÚDE E PET-DOURADOS/FCS/UFGD COORDENAÇÃO DO PRÓ-SAÚDE E PET-SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE - PRÓ-SAÚDE E PET-SAÚDE - ANOS LETIVOS 2012-2013 PROCESSO SELETIVO

Leia mais

EDITAL Nº 02 de 21 de novembro de 2012

EDITAL Nº 02 de 21 de novembro de 2012 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO- CAMPUS RIO VERDE DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/IFGOIANO) PROGRAMA INSTITUCIONAL

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1

A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1 A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1 NASCIMENTO, Letícia 2 ; NEVES, Eliane Tatsch 3 ; PIESZAK, Greice Machado 4 ; POTRICH, Tassiana 5 RESUMO

Leia mais

EDITAL Nº 12/2015 PROEN, de 14 de outubro de 2015. SELEÇÃO DE SUBPROJETOS PARA O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA SAÚDE PET-SAÚDE/GRADUASUS

EDITAL Nº 12/2015 PROEN, de 14 de outubro de 2015. SELEÇÃO DE SUBPROJETOS PARA O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA SAÚDE PET-SAÚDE/GRADUASUS EDITAL Nº 12/2015 PROEN, de 14 de outubro de 2015. SELEÇÃO DE SUBPROJETOS PARA O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA SAÚDE PET-SAÚDE/GRADUASUS A Pró-Reitoria de Ensino da Univasf (PROEN), tendo em

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Introdução à Pedagogia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) A disciplina se constitui como

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO DOS OBJETIVOS Art. 1. O Programa Institucional de Iniciação Científica (Pró-Ciência) tem por objetivo geral o desenvolvimento

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CIENTÍFICA (PIBID/FAI) EDITAL N O.

EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CIENTÍFICA (PIBID/FAI) EDITAL N O. EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CIENTÍFICA (PIBID/FAI) EDITAL N O. 004/15 1. APRESENTAÇÃO A Direção-Geral das FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A FACIPLAC compreende a importância do desenvolvimento da Iniciação Científica em uma faculdade de ensino superior como alicerce na construção

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1

CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1 CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1 BENDER, Leticia Silmara 2 ; MARZARI, Carla 3 ; MENEGAZZI, Bruna Boff 4 ; NEVES, Bruna Sartori 5 ; QUADROS,

Leia mais

A EVOLUÇÃO E OS EDUCAÇÃO SUPERIOR DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS NA REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA

A EVOLUÇÃO E OS EDUCAÇÃO SUPERIOR DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS NA REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA Suzana Schwerz Funghetto Coordenadora-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior/DAES/INEP A EVOLUÇÃO E OS DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CENTRO DE PESQUISA. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/USJT/CNPq 2015/2016

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CENTRO DE PESQUISA. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/USJT/CNPq 2015/2016 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CENTRO DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/USJT/CNPq 2015/2016 EDITAL PRPPG n.º 02/2015, de 22 de maio de 2015 A Pró-Reitoria de Pesquisa

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

ATIVIDADE EDUCATIVA NA SALA DE ESPERA: UNINDO CONHECIMENTOS PARA PROMOVER A AMAMENTAÇÃO

ATIVIDADE EDUCATIVA NA SALA DE ESPERA: UNINDO CONHECIMENTOS PARA PROMOVER A AMAMENTAÇÃO ATIVIDADE EDUCATIVA NA SALA DE ESPERA: UNINDO CONHECIMENTOS PARA PROMOVER A AMAMENTAÇÃO SANTOS, Norrama Araújo I ; SANTOS, Simone Silva dos II ; BARCELOS, Ivanildes Solange da Costa III ; SOUZA, Marise

Leia mais

Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no

Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos pólos, atividades

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N.º 7.569, DE 2.006 (Do Poder Executivo)

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N.º 7.569, DE 2.006 (Do Poder Executivo) COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N.º 7.569, DE 2.006 (Do Poder Executivo) AUTOR: PODER EXECUTIVO RELATOR: DEPUTADO CARLOS ABICALIL Modifica as competências e a estrutura organizacional da

Leia mais

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica- PIC A iniciação científica viabiliza, aos universitários

Leia mais

PROCESSO EDUCATIVO, DA SALA DE AULA À EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROCESSO EDUCATIVO, DA SALA DE AULA À EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 PROCESSO EDUCATIVO, DA SALA DE AULA À EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Ariana Aparecida Soares Leonel 1 Ana Paula Ferreira 2 Natália Pereira Inêz 3 Frank José Silvera Miranda 4 RESUMO

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: DOCENTES DE ENFERMAGEM NUMA ABORDAGEM DAS POLÍTICAS DE SAÚDE.

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: DOCENTES DE ENFERMAGEM NUMA ABORDAGEM DAS POLÍTICAS DE SAÚDE. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: DOCENTES DE ENFERMAGEM NUMA ABORDAGEM DAS POLÍTICAS DE SAÚDE. Lídia Dalgallo Zarpellon* Resumo: O objetivo deste artigo é fazer uma reflexão da importância do envolvimento

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA José Roberto da silva Almeida, Arno Bayer jrsa12@hotmail.com,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Minuta de Projeto de Resolução para audiência pública de 11/12/2015 Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Educação

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE*

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* Janaína Verônica Lahm 1 Elizabeth Maria Lazzarotto INTRODUÇÃO: A preocupação com o meio ambiente começou somente no final do século passado,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PALMAS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS-UFT CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE PALMAS/CEULP-ULBRA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PALMAS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS-UFT CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE PALMAS/CEULP-ULBRA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PALMAS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS-UFT CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE PALMAS/CEULP-ULBRA Edital para Seleção de bolsistas e voluntários para o Programa

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

Associação Brasileira de Educação Médica ABEM PROJETO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS MUDANÇAS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA ÁREA DE SAÚDE CAEM/ABEM

Associação Brasileira de Educação Médica ABEM PROJETO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS MUDANÇAS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA ÁREA DE SAÚDE CAEM/ABEM PROJETO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS MUDANÇAS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA ÁREA DE SAÚDE CAEM/ABEM Título: Projeto de Avaliação e Acompanhamento das Mudanças nos Cursos de Graduação da Área de Saúde

Leia mais

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE RESOLUÇÃO Nº 14/2008, DE 25 DE JULHO DE 2008 Regulamenta o planejamento, acompanhamento e registro das Atividades Complementares, necessárias à integralização

Leia mais

I Seminário de Avaliação da Pós-Graduação da UnB RELATÓRIO GT 4

I Seminário de Avaliação da Pós-Graduação da UnB RELATÓRIO GT 4 I Seminário de Avaliação da Pós-Graduação da UnB RELATÓRIO GT 4 Programas de pós-graduação Ciências da Saúde Ciências Médicas Educação Física Enfermagem Medicina Tropical Nutrição Humana Eixo analítico

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

Chamada Pública para PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES

Chamada Pública para PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES Chamada Pública para PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES 1. A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Psicologia, da Universidade de Fortaleza PPG-PSI / UNIFOR, informa a abertura

Leia mais