EXPRESSO NEPOMUCENO S.A. FILIAL DIADEMA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXPRESSO NEPOMUCENO S.A. FILIAL DIADEMA"

Transcrição

1 EXPRESSO NEPOMUCENO S.A. FILIAL DIADEMA Diadema PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL CONTEÚDO 1. PROGRAMAÇÃO DE EXAMES MÉDICOS 2. RELATÓRIO ANUAL DE EXAMES SUBMETIDOS ASPECTOS LEGAIS OBSERVADOS NESTA OBRA: - Lei 6.514/77, Portaria 3.214/78 e o conjunto de Normas Regulamentadoras; - Lei e 8.213/91 e seus dispostos nas I.N. s 99/03, 118/05 e regulamentações posteriores do MPAS, referentes às atividades especiais. EXPRESSO NEPOMUCENO S.A. Diadema Junho FILIAL DIADEMA

2 SUMÁRIO ITEM TÍTULO PÁGINAS EMPREENDIMENTO - CARACTERIZAÇÃO 3 1 RECOMENDAÇÕES DE ORDEM GERAL PARA A CORRETA UTILIZAÇÃO DO PCMSO 4 2 FUNDAMENTAÇÃO E EXIGÊNCIA LEGAL 5 3 INTEGRAÇÃO PORTADORES DE CUIDADOS ESPECIAIS 5 4 RECOMENDAÇÕES INICIAIS 5 5 RESPONSABILIDADES PELO PCMSO 7 6 PROGRAMAÇÃO DOS EXAMES MÉDICOS OCUPACIONAIS 8 7 PLANEJAMENTO DE AÇÕES DE PREVENÇÃO 11 8 PROGRAMAÇÃO DOS EXAMES MÉDICOS CLÍNICOS E 11 COMPLEMENTARES 9 COORDENAÇÃO DO PCMSO 16 ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 2

3 EMPREENDIMENTO - CARACTERIZAÇÃO ESTABELECIMENTO: EXPRESSO NEPOMUCENO S.A. ENDEREÇO: FILIAL DIADEMA Avenida Casa Grande, nº 480, Bairro Jardim Portinari, Diadema - SP CNPJ: / INSCRIÇÃO ESTADUAL: RAMO DE ATIVIDADE: TRANSPORTE E LOGÍSTICA CNAE: GRAU DE RISCO: 3 NÚMERO TOTAL DE TRABALHADORES: 258 REPRESENTANTE LEGAL Orsini Olyntho Almeida DATA DA ELABORAÇÃO DO LAUDO Junho / 2015 ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 3

4 1 - RECOMENDAÇÕES DE ORDEM GERAL PARA A CORRETA UTILIZAÇÃO DO PCMSO Sr(a) Empresário(a), Gestor(a) ou preposto(a) representante legal, orientamos que siga corretamente o prescrito neste documento de promoção e preservação da saúde de seus empregados, observando que assim será cumprido as exigências legais previstas na NR 07 e que as ações contidas neste documento são de sua responsabilidade É importante a completa leitura deste programa; Entenda o seu papel como provedor e executor das ações e recomendações prescritas neste documento; As providências para a realização dos exames clínicos e complementares contidos neste programa são de vossa responsabilidade, observando as indicações, a periodicidade e os prazos para cumprir; As ações preventivas, como, palestras, treinamentos, imunizações, profilaxias e ações de emergências devem ser seguidas fielmente, inclusive observar os prazos para serem cumpridos; A contratação de serviços médicos e de clínicas para a realização dos exames clínicos e complementares prescritos neste documento são de vossa responsabilidade; Os custos existentes para o cumprimento deste programa são de responsabilidade de vossa empresa, sendo que o ônus não poderá em nenhuma hipótese ser transferido aos empregados; É importante tirar as dúvidas que possam surgir durante a implementação deste programa previamente, cumprir com as recomendações técnicas e exigências legais, bem como observar e realizar as ações Salientamos ainda a importância de vossa ciência, entendimento e participação na implementação deste programa e conseqüente execução. Ao final desta folha caberá a sua aprovação e assinatura. Orsini Olyntho Almeida Representante Legal ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 4

5 2 - FUNDAMENTAÇÃO E EXIGÊNCIA LEGAL A) PORQUE ELABORAR E IMPLEMENTAR O PCMSO? A Lei de 22/12/1977 trouxe redação alterando o capítulo V do título II da CLT relativo à Segurança e Medicina do Trabalho. A Portaria de 08/06/1978 regulamentou a prática da Segurança e Medicina do Trabalho no Brasil originando detalhadamente o conjunto de Normas Regulamentadoras que disciplinam as práticas de Segurança e Saúde Ocupacional, inclusive a NR 07. A NR 07 estabelece que todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, são obrigados à elaborar, implementar e manter atualizado o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, o PCMSO, com o objetivo de promover e preservar a saúde de todos os seus trabalhadores. Esta norma estabelece as diretrizes mínimas para se fazer e colocar em prática o programa, sendo que, havendo acordos em convenções coletivas de trabalho de acordo com o seguimento econômico e as classes dos trabalhadores, essas diretrizes podem ampliar a complexidade e as exigências para o empregador. Quando o empregador contratar mão-de-obra terceirizada, ou seja, prestadora de serviços, caberá ainda a obrigatoriedade de informar à empresa contratada sobre os riscos existentes nas suas atividades e auxiliar na elaboração e implementação de seu PCMSO. 3 - INTEGRAÇÃO - PORTADORES DE CUIDADOS ESPECIAIS Conforme o decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999 que regulamenta a lei nº 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para integração da pessoa portadora de deficiência, consolida as normas de proteção e dá providências, conforme o artigo 36. A empresa com 100 ou mais empregada está obrigada a preencher de 2% a 5% de seus cargos com benefícios da Previdência Social reabilitados ou com pessoa portadora de deficiência habilitada na seguinte proporção : I até 200 funcionários, 2% II - de 200 a 500 funcionários, 3% III de 500 a 1000 funcionários, 4% ou IV mais de 1000 funcionários, 5% 4 - RECOMENDAÇÕES INICIAIS COMO TER UM PCMSO MAIS EFICAZ? O programa deverá integrar o conjunto mais amplo de iniciativas da empresa (iniciativas estratégicas) no campo da saúde dos trabalhadores, devendo estar articulado com o disposto nas demais NR s. Este deverá considerar as questões de incidência epidemiológica sobre a coletividade de trabalhadores, privilegiando o instrumental clínico-epidemiológico na abordagem da relação entre sua saúde e o trabalho. Ter caráter de prevenção, rastreamento e diagnóstico precoce dos agravos à saúde relacionados ao trabalho, inclusive de natureza sub-clínica, além da constatação da existência de casos de doenças profissionais ou danos irreversíveis à saúde dos trabalhadores. Deverá ser planejado e implantado com base nos riscos à saúde dos trabalhadores, especialmente os identificados nas avaliações previstas nas demais NR s ANÁLISE DOS OCUPACIONAIS QUE DIRECIONAM AÇÕES PARA ESTE PCMSO Os riscos ocupacionais aos quais os trabalhadores podem estar expostos são a base para o estabelecimento de ações preventivas deste PCMSO. Os que foram informados neste documento são baseados nas informações dos Levantamentos de Riscos Ambientais/Ocupacionais contidos nos laudos técnicos e PPRA fornecidos pela empresa contratante deste programa. ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 5

6 Os Riscos Ergonômicos deverão ser tratados de forma objetiva e individualizada na forma de elaboração de um Laudo Ergonômico por profissional com especialização em Ergonomia, na qual julgamos ser competente para tal. Este laudo deverá levantar todos os riscos ergonômicos para todas as ocupações, todos os trabalhadores, todas as atividades e setores existentes na empresa objetivando de forma prática a correção, a minimização e ou até mesmo a eliminação do conjunto de fatores de riscos encontrados. Fazemos essa recomendação pelo motivo de os laudos técnicos e PPRA da empresa abordar obrigatoriamente somente os riscos físicos, químicos e biológicos. Para os Riscos Mecânicos ou de Acidentes a empresa deverá observar e produzir um programa de prevenção de acidentes para: 1 Lay-out (arranjo-físico) Seja adequado e seguro Máquinas e Equipamentos Ferramentas Manuais Iluminação Eletricidade Incêndio e Explosão Armazenamento Animais peçonhentos Outros Riscos Tenham proteção suficiente em todas as partes móveis, cortantes, esmagadoras e perigosas; Sejam adequadas, isenta de defeitos e sejam seguras de se manusear; Segura contra explosões, contra choques elétricos, contra quedas, contra impactos durante os serviços; Protegida, Isolada em todos os condutores, equipamentos e ferramentas elétricas, e que seja manuseada sempre e somente por eletricista com formação e experiência para tal; Que tenham PAE Plano de Ação Emergencial e PPCI Programa de Prevenção e Combate à Incêndios; Todos os cuidados sobre empilhamentos, limites, tamanhos, pesos, locais, níveis e desníveis deverão ser observados para que sejam sempre adequados e não ofereçam riscos de quedas sobre pessoas e objetos; O empregador deverá tomar todas as medidas preventivas necessárias para eliminar os riscos de acidentes pela infestação e ou existência nos locais de trabalho de cobras e serpentes, escorpiões, aranhas caranguejeiras... O empregador deverá observar junto de sua equipe técnica qualquer situação de riscos que exponham seus trabalhadores à condições de perigo ao acidente de trabalho e promova medidas de prevenção sempre, priorizando a saúde, a integridade e o bem-estar de seus empregados. Aos riscos físicos, químicos e biológicos observados se acaso existirem e tenham sido qualificados e quantificados nos laudos técnicos e PPRA fornecidos pela empresa, serão propostos neste programa uma rotina de exames clínicos e complementares para que seja realizado um Monitoramento Biológico da saúde de todos os trabalhadores desta empresa, através da indicação de Exames: - Admissionais: para ser feito antes de assumir suas funções e postos de trabalhos; - Periodicamente: A cada 1 (um) ano, ou tempo inferior se acaso assim a função necessitar; - Na Mudança de Função: quando esta incorrer na mudança de riscos ocupacionais na vida do trabalhador e antes também de assumir nova função; - No Retorno ao Trabalho: quando o trabalhador por motivo de doenças de trabalho ou não, se afastarem de suas funções na empresa afim de verificar suas reais condições físicas e psicológicas para serem reintegrados ao trabalho; Por fim deverá fazer o Demissional antes do desligamento completo do empregado da empresa, cabendo ainda a realização de exames complementares afim de verificar e documentar as reais condições de saúde ao sair da empresa. ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 6

7 5 - RESPONSABILIDADES ATRIBUÍDAS PELO PCMSO. A responsabilidade pela realização dos exames médicos clínicos e complementares e também das ações preventivas recomendadas neste programa de PCMSO, são de inteira e irrestrita responsabilidade do empregador(a), gestor(a) ou preposto(a) representante legal, cabendo à este providenciar, contratar, delegar e fazer cumprir todos os procedimentos e exigências legais previstas na NR 07. Os custos advindos da realização dos procedimentos e orientações dadas neste documento são de responsabilidades do empregador, gestor ou outro preposto legalmente reconhecido desta empresa. a. Ao empregador(a), gestor(a), preposto(a) representante legal I. II. III. IV. Contratar médico para coordenar o PCMSO; Contratar médico para realizar os exames clínicos previstos neste programa; Contratar clínica ou serviço especializado para realizar os exames complementares previstos neste programa; Custear a realização de todos os exames e procedimentos clínicos para fins de anamnese ocupacional; b. Ao médico coordenador I. Elaborar e implementar o PCMSO conforme estabelecido na NR 07 e acordos de convenções coletivas de trabalho; II. Emitir Relatório Anual dos exames realizados ao final da vigência do referido programa (ao final de 12 meses); III. Atualizar e emitir novo relatório ao termino do anterior (desde que seja mantido pelo empregador); IV. Caso não seja o executor dos exames clínicos, indicar médico ou clínica especializada para realizar os exames clínicos previstos no programa; c. Ao médico examinador (executor do PCMSO) I. II. III. IV. V. VI. VII. VIII. IX. Realizar exames clínicos previstos no programa; Solicitar a realização de exames complementares, obrigatórios e ou sugestivos previstos no programa; Fazer leitura dos exames complementares; Anotar nos ASO s exames complementares realizados; Preencher corretamente a Ficha Clinica do paciente trabalhador; Emitir ASO ao término dos procedimentos dos Exames Admissionais, Periódicos, Mudança de Função, Retorno ao Trabalho e Demissionais com indicação de Aptidão ou Inaptidão para o trabalho; Cuidar, guardar e manter arquivada as fichas clínicas dos pacientes trabalhadores por ele examinado; Prestar informações sobre tipo, quantidade e resultados de todos os exames clínicos e complementares dos empregados desta empresa realizados, afim de emitir o Relatório Anual. Prestar esclarecimentos técnicos sempre que solicitado pelos órgãos fiscalizadores (Ministério do Trabalho, INSS, Ministério Público do Trabalho...) * REDAÇÃO DA NR 07: Compete ao empregador: a) garantir a elaboração e efetiva implementação do PCMSO, bem como zelar pela sua eficácia; b) custear sem ônus para o empregado todos os procedimentos relacionados ao PCMSO; c) indicar, dentre os médicos dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho - SESMT, da empresa, um coordenador responsável pela execução do PCMSO; d) no caso de a empresa estar desobrigada de manter médico do trabalho, de acordo com a NR 4, deverá o empregador indicar médico do trabalho, empregado ou não da empresa, para coordenar o PCMSO; e) inexistindo médico do trabalho na localidade, o empregador poderá contratar médico de outra especialidade para coordenar o PCMSO. ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 7

8 Compete ao médico coordenador: a) realizar os exames médicos previstos ou encarregar os mesmos a profissional médico familiarizado com os princípios da patologia ocupacional e suas causas, bem como com o ambiente, as condições de trabalho e os riscos a que está ou será exposto cada trabalhador da empresa a ser examinado; b) encarregar dos exames complementares previstos nos itens, quadros e anexos desta NR profissionais e/ou entidades devidamente capacitados, equipados e qualificados. 6 - PROGRAMAÇÃO DOS EXAMES MÉDICOS CLÍNICOS OCUPACIONAIS. OBRIGATORIAMENTE, serão executados os seguintes exames: a) ADMISSIONAL; No exame médico admissional, deverá ser realizada antes que o trabalhador assuma suas atividades. b) PERIÓDICO; No exame médico periódico, de acordo com os intervalos mínimos de tempo abaixo discriminados. I. II. para trabalhadores expostos a riscos ou a situações de trabalho que impliquem o desencadeamento ou agravamento de doença ocupacional, ou, ainda, para aqueles que sejam portadores de doenças crônicas, os exames deverão ser repetidos: a) a cada ano ou a intervalos menores, a critério do médico encarregado, ou se notificado pelo médico agente da inspeção do trabalho, ou, ainda, como resultado de negociação coletiva de trabalho; b) de acordo com à periodicidade especificada no Anexo n.º 6 da NR 15, para os trabalhadores expostos a condições hiperbáricas; para os demais trabalhadores: a) anual, quando menores de 18 (dezoito) anos e maiores de 45 (quarenta e cinco) anos de idade; b) a cada dois anos, para os trabalhadores entre 18 (dezoito) anos e 45 (quarenta e cinco) anos de idade. c) d) e) de RETORNO AO TRABALHO; No exame médico de retorno ao trabalho, deverá ser realizada obrigatoriamente no primeiro dia da volta ao trabalho de trabalhador ausente por período igual ou superior a 30 (trinta) dias por motivo de doença ou acidente, de natureza ocupacional ou não, ou parto. de MUDANÇA DE FUNÇÃO; No exame médico de mudança de função, será obrigatoriamente realizada antes da data da mudança Para fins desta NR, entende-se por mudança de função toda e qualquer alteração de atividade, posto de trabalho ou de setor que implique a exposição do trabalhador à risco diferente daquele a que estava exposto antes da mudança. DEMISSIONAL ;No exame médico demissional, será obrigatoriamente realizada até a data da homologação, desde que o último exame médico ocupacional tenha sido realizado há mais de: I. 135 (centro e trinta e cinco) dias para as empresas de grau de risco 1 e 2, segundo o Quadro I da NR 4; II. 90 (noventa) dias para as empresas de grau de risco 3 e 4, segundo o Quadro I da NR DEFINIÇÕES a) b) Exame Médico Ocupacional: É toda avaliação da saúde correlacionada ao cargo e ao ambiente de trabalho e compreende: Exame Médico Admissional: É a avaliação clínica do candidato à admissão na Empresa, para se verificar a adequação de suas condições físicas e psíquicas às exigências do cargo e do ambiente de trabalho, de acordo com os critérios e da NR7. ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 8

9 c) Exame Médico Periódico: É a avaliação clínica da saúde do empregado para se verificar a adequação de suas condições físicas e psíquicas às exigências do cargo e do ambiente de trabalho, com o objetivo de reconhecer e corrigir, em fase precoce possível alterações de saúde resultante da idade, de fatores relacionados ao cargo, ao ambiente de trabalho e ao estilo de vida. d) Exame Médico de Retorno ao Trabalho: É a avaliação clínica da saúde do empregado após ausência por período igual ou superior a 30 dias, por motivo de doença ou acidente, de natureza ocupacional ou não, ou parto. e) f) Exame Médico de Mudança de Função: É a avaliação clínica da saúde do empregado, quando ocorrer qualquer alteração de atividade, posto de trabalho ou setor, que implique na exposição do trabalhador a risco diferente daquele a que estava exposto antes da mudança. Exame Médico Demissional: É a avaliação clínica da saúde do empregado por ocasião de rescisão do seu contrato de trabalho, e será realizado dentro de 15 (quinze) dias que antecedem o desligamento definitivo do trabalhador. g) Exame Clínico: É a avaliação dos empregados, sempre que se fizer necessária, nos termos deste manual, e se constitui de anamnese e exame físico de aparelhos e sistemas orgânicos. h) Exames Complementares: Fornecem informações adicionais ao exame clínico e correspondem a exames bioquímicos, hematológicos, fisiológicos, toxicológicos, radiológicos, sonográficos, ou de outra natureza PROCEDIMENTOS Os exames de que trata o item da NR 07, compreendem: a) avaliação clínica, abrangendo anamnese ocupacional e exame físico e mental; b) exames complementares, realizados de acordo com os termos específicos na NR 07 e seus anexos. Para os trabalhadores cujas atividades envolvem os riscos discriminados nos Quadros I e II da NR 07, os exames médicos complementares deverão ser executados e interpretados com base nos critérios constantes dos referidos quadros e seus anexos. A periodicidade de avaliação dos indicadores biológicos do Quadro I deverá ser, no mínimo, semestral, podendo ser reduzida a critério do médico coordenador, ou por notificação do médico agente da inspeção do trabalho, ou mediante negociação coletiva de trabalho. Para os trabalhadores expostos a agentes químicos não-constantes dos Quadros I e II, outros indicadores biológicos poderão ser monitorizados, dependendo de estudo prévio dos aspectos de validade toxicológica, analítica e de interpretação desses indicadores. Outros exames complementares usados normalmente em patologia clínica para avaliar o funcionamento de órgãos e sistemas orgânicos podem ser realizados, a critério do médico coordenador ou encarregado, ou por notificação do médico agente da inspeção do trabalho, ou ainda decorrente de negociação coletiva de trabalho. A avaliação clínica referida no item 7.4.2, alínea "a" da NR 07, com parte integrante dos exames médicos constantes no item 7.4.1, deverá obedecer aos prazos e à periodicidade conforme anunciados no início deste capítulo. Para cada exame médico realizado, previsto no item da NR 07, o médico emitirá o Atestado de Saúde Ocupacional - ASO, em 2 (duas) vias. A primeira via do ASO ficará arquivada no local de trabalho do trabalhador, inclusive frente de trabalho ou canteiro de obras, à disposição da fiscalização do trabalho. A segunda via do ASO será obrigatoriamente entregue ao trabalhador, mediante recibo na primeira via COMPOSIÇÃO MÍNIMA DO ASO: a) nome completo do trabalhador, o número de registro de sua identidade e sua função; b) os riscos ocupacionais específicos existentes, ou a ausência deles, na atividade do empregado, conforme instruções técnicas expedidas pela Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho-SSST; c) indicação dos procedimentos médicos a que foi submetido o trabalhador, incluindo os exames complementares e a data em que foram realizados; d) o nome do médico coordenador, quando houver, com respectivo CRM; e) definição de apto ou inapto para a função específica que o trabalhador vai exercer, exerce ou exerceu; f) nome do médico encarregado do exame e endereço ou forma de contato; ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 9

10 g) data e assinatura do médico encarregado do exame e carimbo contendo seu número de inscrição no Conselho Regional de Medicina. Os dados obtidos nos exames médicos, incluindo avaliação clínica e exames complementares, as conclusões e as medidas aplicadas deverão ser registrados em prontuário clínico individual, que ficará sob a responsabilidade do médico-coordenador do PCMSO. Havendo indicação de médico examinador, neste caso o médico coordenador encarrega o médico examinador de portar todos os registros referentes aos dados obtidos durante os procedimentos de avaliação clínica e complementar. Os registros a que se refere o item da NR 07 deverão ser mantidos por período mínimo de 20 (vinte) anos após o desligamento do trabalhador. Havendo substituição do médico a que se refere o item 7.4.5, os arquivos deverão ser transferidos para seu sucessor (médico coordenador ou examinador). O PCMSO deverá obedecer a um planejamento em que estejam previstas as ações de saúde a serem executadas durante o ano, devendo estas ser objeto de relatório anual. O relatório anual deverá discriminar, por setores da empresa, o número e a natureza dos exames médicos, incluindo avaliações clínicas e exames complementares, estatísticas de resultados considerados anormais, assim como o planejamento para o próximo ano, tomando como base o modelo proposto no Quadro III da NR 07. O relatório anual deverá ser apresentado e discutido na CIPA, quando existente na empresa, de acordo com a NR 5, sendo sua cópia anexada ao livro de atas daquela comissão. O relatório anual do PCMSO poderá ser armazenado na forma de arquivo informatizado, desde que este seja mantido de modo a proporcionar o imediato acesso por parte do agente da inspeção do trabalho. As empresas desobrigadas de indicarem médico coordenador ficam dispensadas de elaborar o relatório anual. Sendo verificada, através da avaliação clínica do trabalhador e/ou dos exames constantes do Quadro I da NR 07, apenas exposição excessiva (EE ou SC+) ao risco, mesmo sem qualquer sintomatologia ou sinal clínico, deverá o trabalhador ser afastado do local de trabalho, ou do risco, até que esteja normalizado o indicador biológico de exposição e as medidas de controle nos ambientes de trabalho tenham sido adotadas. Sendo constatada a ocorrência ou agravamento de doenças profissionais, através de exames médicos que incluam os definidos nesta NR; ou sendo verificadas alterações que revelem qualquer tipo de disfunção de órgão ou sistema biológico, através dos exames constantes dos Quadros I (apenas aqueles com interpretação SC) e II, e do item da presente NR, mesmo sem sintomatologia, caberá ao médico coordenador ou encarregado: a) solicitar à empresa a emissão da Comunicação de Acidente do Trabalho - CAT; b) indicar, quando necessário, o afastamento do trabalhador da exposição ao risco, ou do trabalho; c) encaminhar o trabalhador à Previdência Social para estabelecimento de nexo causal, avaliação de incapacidade e definição da conduta previdenciária em relação ao trabalho; d) orientar o empregador quanto à necessidade de adoção de medidas de controle no ambiente de trabalho PRIMEIROS SOCORROS. Todo estabelecimento deverá estar equipado com material necessário à prestação dos primeiros socorros, considerando-se as características da atividade desenvolvida; manter esse material guardado em local adequado e aos cuidados de pessoa treinada para esse fim. ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 10

11 7. - PLANEJAMENTO DE AÇÕES DE PREVENÇÃO ORIENTAÇÕES, PALESTRAS E TREINAMENTOS Evento Tema Data Prevista STATUS REALIZAÇÃO Responsável SISSQMA ALCOOLISMO 01/11/2015 SESMT SISSQMA HIPERTENSÃO 01/11/2015 SESMT SISSQMA PREVENÇÃO A AIDS E DST 01/11/2015 SESMT SISSQMA TABAGISMO 01/11/2015 SESMT ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 11

12 8 - PROGRAMAÇÃO DOS EXAMES MÉDICOS CLÍNICOS E COMPLEMENTARES OCUPACIONAIS POR FUNÇÃO/ATIVIDADE FUNÇÃO ATIVIDADES GERENTE ADMINISTRATIVO Gerenciar e coordenar rotinas administrativas e financeiras, controlando custos e fluxo de caixa. SUPERVISOR DE OPERAÇÕES Realiza atividades de monitoriamento dos veiculos da frota e agregados, promovendo a integração da equipe delegando atividades referente ao rastreamento. AJUDANTE Responsável por carregar e descarregar mercadorias e manter a organização do local de trabalho. ANALISTA DE EXPEDIÇÃO ANALISTA DE LOGÍSTICA Monitorar as movimentações logísticas, coordena carregamentos, planeja, controla e avalia a eficiência dosmeios de transporte e atende as programações dos clientes. Monitora as movimentações logísiticas, coordenar carregamentos, planeja, controla e avalia a eficiência dos meios de transporte e atende as programações dos clientes. ANALISTA DE OPERAÇÕES Monitorar as movimentações logísticas, controlar e avaliar a eficiência dos meios de transporte e atender a programação do cliente. ANALISTA DE TRÁFEGO Atende aos clientes internos e externos, realiza a programação de carregamento/movimentação da frota, controla e monitora os veículos e procede as atividades pertinentes ao departamento. APRENDIZ Realiza serviços gerais de escritório, arquiva documentos, atende ligações telefônicas e auxilia na elaboração de planilha e documentos. ARRUMADOR Realizar atividades de arrumação de cargas em veículos. ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 12

13 8.1 - OCUPACIONAIS POR FUNÇÃO/ATIVIDADE FUNÇÃO ATIVIDADES ASSISTENTE DE EXPEDIÇÃO Emitir conhecimento, assegurar a exatidão das quantidades embarcadas e realizar atendimento ao cliente. ASSISTENTE DE LOGISTICA ASSISTENTE DE OPERAÇÕES ASSISTENTE DE RECURSOS HUMANOS AUXILIAR DE ALMOXARIFADO Monitorar as movimentações logísiticas, coordenar carregamentos, planeja, controla e avalia a eficiência dos meios de transporte e atende as programações dos clientes. Monitorar as movimentações logísiticas, coordenar carregamentos, planeja, controla e avalia a eficiência dos meios de transporte e atende as programações dos clientes. Promover ações de treinamento e de desenvolvimento de pessoal. Efetua processo de recrutamento e de seleção, gera plano de benefícios e promove ações de qualidade de vida e assistência aos empregados. Realiza atividades relacionadas ao almoxarifado, controlando, conferindo e distribuindo as mercadorias e materiais. CONFERENTE Realiza atividades relacionadas a distribuição, controlando, conferindo e distribuindo as mercadorias e materiais. INSTRUTOR DE MOTORISTAS Desenvolve as atividades de treinamentos de motoristas, mantendo contato e acompanhamento dos motoristas, acessorando no desenvolvimento técnico e comportamental,promovendo capacidades técnicas na operaçao do veiculo e bom atendimento aos clientes. MOTORISTA - CARRETA Conduzir veículo automotor, utilizar técnicas de direção defensiva, manter as manutenções em dia e zelar pelo equipamento que está sobre sua responsabilidade. MOTORISTA TRUCK (LEAR CAÇAPAVA) Conduzir Veiculo automotor, utilizar técnicas de direção defensiva, manter as manutenções em dia e zelar pelo equipamento que está sob sua responsabilidade. RUIDO ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 13

14 8.1 - OCUPACIONAIS POR FUNÇÃO/ATIVIDADE MOTORISTA QUIMICO FUNÇÃO ATIVIDADES Conduzir veículo automotor, utilizar técnicas de direção defensiva, manter as manutenções em dia e zelar pelo equipamento que está sobre sua responsabilidade. OPERADOR DE EMPILHADEIRA Realiza atividades de operar empilhadeira,auxiliando o processo de carga, descarga e movimentação de mercadorias. RUIDO REPRESENTANTE COMERCIAL Realiza atividades representando comercialmente a empresa. SUPERVISOR DE QUALIDADE TECNICO EM MANUTENÇÃO DE EQ. INFORMÁTICA TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Realizar atividades de divulgação e manutenção do sistema de garantia da qualidade e SSMA da empresa. Executar análises para o desenvolvimento, implantação e suporte a sistemas de informação e soluções tecnológicas específicas, em diversos módulos e orienta a instalação e customização de softwares, implanta e administra sistemas e bancos de dados e rotinas de segurança Assessorar o sistema de segurança, saúde, meio ambiente e qualidade no trabalho investigando riscos e causas de acidentes e analisando esquemas de prevenção, para garantir a integridade do pessoal e dos bens da empresa. MOTORISTA TRUCK (P.A. GIGIO) MOTORISTA TRUCK (P.A. GRAMMER) MOTORISTA TRUCK (P.A. MAGNA) Conduzir Veiculo automotor, utilizar técnicas de direção defensiva, manter as manutenções em dia e zelar pelo equipamento que está sob sua responsabilidade Conduzir Veiculo automotor, utilizar técnicas de direção defensiva, manter as manutenções em dia e zelar pelo equipamento que está sob sua responsabilidade Conduzir Veiculo automotor, utilizar técnicas de direção defensiva, manter as manutenções em dia e zelar pelo equipamento que está sob sua responsabilidade ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 14

15 8.1 - OCUPACIONAIS POR FUNÇÃO/ATIVIDADE FUNÇÃO ATIVIDADES ANALISTA DE OPERAÇÕES P.A. BASF MONITORAR AS MOVIMENTAÇÕES LOGISTICAS, CONTROLAR E AVALIAR A EFICIENCIA DOS MEIOS DE TRANSPORTE E ATENDER A PROGRAMAÇÃO DO C L I E N T E. CONFERENTE P.A. BASF Executa a conferência de materiais, contando e identificando as mercadorias que são entregues ou coletadas. RUIDO MOTORISTA TRUCK (P.A. BASF) Conduzir Veiculo automotor, utilizar técnicas de direção defensiva, manter as manutenções em dia e zelar pelo equipamento que está sob sua responsabilidade ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 15

16 8.2 - PROGRAMAÇÃO DOS EXAMES FUNÇÃO GERENTE ADMINISTRATIVO SUPERVISOR DE OPERAÇÕES AJUDANTE ANALISTA DE EXPEDIÇÃO ANALISTA DE LOGÍSTICA ANALISTA DE OPERAÇÕES ANALISTA DE TRÁFEGO APRENDIZ ARRUMADOR ASSISTENTE DE EXPEDIÇÃO ASSISTENTE DE LOGISTICA ASSISTENTE DE OPERAÇÕES ASSISTENTE DE RECURSOS HUMANOS AUXILIAR DE ALMOXARIFADO CONFERENTE INSTRUTOR DE MOTORISTAS MOTORISTA - CARRETA ESPECÍFICOS EXAME ADMISSIONAL EXAMES PERIÓDICO AUDIOMETRIA 6 MESES EXAMES DEMISSIONAL AUDIOMETRIA 6 MESES ACUIDADE VISUAL ACUIDADE VISUAL ACUIDADE VISUAL ELETROCARDIOGRAMA ELETROENCEFALOGRAM A ELETROCARDIOGRAM A ELETROENCEFALOGR AMA ELETROCARDIOG RAMA ELETROENCEFAL OGRAMA GAMA GT GAMA GT GAMA GT GLICEMIA GLICEMIA GLICEMIA HEMOGRAMA HEMOGRAMA HEMOGRAMA RAIO X TORAX PA OIT RAIO X TORAX PA OIT TGO TGO TGO TGP TGP TGP AUDIOMETRIA 6 MESES RAIO X TORAX PA OIT ACUIDADE VISUAL ACUIDADE VISUAL ACUIDADE VISUAL ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 16

17 8.2 - PROGRAMAÇÃO DOS EXAMES FUNÇÃO MOTORISTA TRUCK (LEAR CAÇAPAVA) MOTORISTA QUIMICO OPERADOR DE EMPILHADEIRA REPRESENTANTE COMERCIAL SUPERVISOR DE QUALIDADE TECNICO EM MANUTENÇÃO DE EQ. INFORMÁTICA TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO MOTORISTA TRUCK (P.A. GIGIO) MOTORISTA TRUCK (P.A. GRAMMER) MOTORISTA TRUCK (P.A. MAGNA) ANALISTA DE OPERAÇÕES P.A. BASF CONFERENTE P.A. BASF ESPECÍFICOS EXAME ADMISSIONAL ELETROCARDIOGRAMA ELETROENCEFALOGRAM A EXAMES PERIÓDICO ELETROCARDIOGRAM A ELETROENCEFALOGR AMA EXAMES DEMISSIONAL ELETROCARDIOG RAMA ELETROENCEFAL OGRAMA GAMA GT GAMA GT GAMA GT GLICEMIA GLICEMIA GLICEMIA HEMOGRAMA HEMOGRAMA HEMOGRAMA RAIO X TORAX PA OIT RAIO X TORAX PA OIT TGO TGO TGO TGP TGP TGP RUIDO RUIDO AUDIOMETRIA 6 MESES RAIO X TORAX PA OIT OFTALMOLÓGICO OFTALMOLÓGICO OFTALMOLÓGICO ELETROCARDIOGRAMA ELETROENCEFALOGRAM A ELETROCARDIOGRAM A ELETROENCEFALOGR AMA ELETROCARDIOG RAMA ELETROENCEFAL OGRAMA PSICOLÓGICO PSICOLÓGICO PSICOLÓGICO HEMOGRAMA COMPLETO HEMOGRAMA COMPLETO HEMOGRAMA COMPLETO RUIDO RUIDO AUDIOMETRIA 6 MESES RUIDO ACUIDADE VISUAL ACUIDADE VISUAL ACUIDADE VISUAL RUIDO RUIDO AUDIOMETRIA 6 MESES ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 17

18 8.2 - PROGRAMAÇÃO DOS EXAMES FUNÇÃO MOTORISTA TRUCK (P.A. BASF) ESPECÍFICOS EXAME ADMISSIONAL EXAMES PERIÓDICO EXAMES DEMISSIONAL 9 - COORDENAÇÃO DO PCMSO MÉDICO COORDENADOR MÉDICOS ENCARREGADOS DOS EXAMES: DRA. SIPOLI CANELADO CRM: DRA. CAROLINE MANTELLI BROGES CRM: DRA. ANA ELIZA VIDAL CRM: DRA. GISELE SAGAWA CRM: DRA. ELAINE C.C. SILVA CRM: DRA. LUCIANA BITTENCOURT LAVRADO CRM: DR. HUMBERTO A.M. RUESTA CRM: DRA. KALINA TONDATO CRM: ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 18

19 DR. LUIZ ANTONIO FERREIRA DE DOMENICO CRM: DR. ROBERTO SPONCHIATO CRM: DR. CARLOS ALBERTO CORBUCCI CRM: DR. CESAR N. SANTA RITA CRM: ESTEVAM CONSULTORIA 55(0XX35) /06/2015 PÁGINA 19

NR 7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. 29 de dezembro de 1994

NR 7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. 29 de dezembro de 1994 NR 7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL 29 de dezembro de 1994 Objetivo Estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições que admitam

Leia mais

Norma Regulamentadora 07. Matéria: Saúde e Segurança no Trabalho/Benefício e Assist. Social Professora: Debora Miceli Versão: 2.

Norma Regulamentadora 07. Matéria: Saúde e Segurança no Trabalho/Benefício e Assist. Social Professora: Debora Miceli Versão: 2. Norma Regulamentadora 07 Matéria: Saúde e Segurança no Trabalho/Benefício e Assist. Social Professora: Debora Miceli Versão: 2.0 - dez/15 Informação Este material foi elaborado com base na Norma Regulamentadora

Leia mais

PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Prof.ª Rosana Abbud

PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Prof.ª Rosana Abbud PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Prof.ª Rosana Abbud Do Objeto A NR 07estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições

Leia mais

Carlos Magno Pretti Dalapicola Membro da Câmara Técnica de Medicina - CFM

Carlos Magno Pretti Dalapicola Membro da Câmara Técnica de Medicina - CFM Carlos Magno Pretti Dalapicola Membro da Câmara Técnica de Medicina - CFM PCMSO NR 07 Exames ocupacionais - Admissional - Periódico - Retorno ao trabalho - Mudança de função - Demissional ASO ATESTADO

Leia mais

Disciplina de Saúde do Trabalho

Disciplina de Saúde do Trabalho Disciplina de Saúde do Trabalho Angelica dos Santos Vianna 10 e 11 fevereiro 2011 NORMAS REGULAMENTADORAS Ministério Trabalho e Emprego - CLT Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978 33 NR Revogadas

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS APROVADAS PELA PORTARIA 3214 DE 08/06/1978 33 NR REVOGADAS NR RURAIS EM 15/04/2008 http://www.mte.gov.br/legislacao normas regulamentadoras NR 4 - SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO 1. OBJETIVO A política de recrutamento e seleção tem como objetivo formalizar o processo de recrutamento e seleção da empresa Irapuru. Este processo desempenha papel fundamental na organização, pois através

Leia mais

A CONSIGAZ RECEBERÁ SUA INSCRIÇÃO COM IMENSA SATISFAÇÃO.

A CONSIGAZ RECEBERÁ SUA INSCRIÇÃO COM IMENSA SATISFAÇÃO. A CONSIGAZ RECEBERÁ SUA INSCRIÇÃO COM IMENSA SATISFAÇÃO. REALIZAREMOS A TRIAGEM DOS CURRÍCULOS DE ACORDO COM O PERFIL NECESSÁRIO. Consultor Comercial Supervisionar as atividades dos postos de venda, administrar

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE SMS

SISTEMA DE GESTÃO DE SMS PROCEDIMENTO CAPACITAÇÃO TÉCNICA Nº PE-SMS-015 Fl. 1/6 Rev. Data Descrição Executado Verificado Aprovado 0 18/10/2010 Emissão Inicial CGS JMn NDF SISTEMA DE GESTÃO DE SMS Propriedade e uso exclusivo da

Leia mais

MÓDULO 31: PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO

MÓDULO 31: PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO MÓD: 31 MANUAL DE PESSOAL VIG: 06.10.2014 1/3 MÓDULO 31: PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO CAPÍTULO 2: REALIZAR EXAME MÉDICO PERIÓDICO ANEXOS: 1 Fluxo do Subprocesso de Realizar

Leia mais

PCMSO. Seminário Nacional Unimed de Saúde Ocupacional e Acidente de Trabalho - 24/05/2012. Prof. José Tarcísio Penteado Buschinelli

PCMSO. Seminário Nacional Unimed de Saúde Ocupacional e Acidente de Trabalho - 24/05/2012. Prof. José Tarcísio Penteado Buschinelli PCMSO Seminário Nacional Unimed de Saúde Ocupacional e Acidente de Trabalho - 24/05/2012 Prof. José Tarcísio Penteado Buschinelli O que é um Programa no âmbito da Saúde Coletiva? Programa é um conjunto

Leia mais

AVALIAÇÃO GLOBAL PPRA

AVALIAÇÃO GLOBAL PPRA AVALIAÇÃO GLOBAL AVALIAÇÃO GLOBAL PPRA 2014 / 2015 Empresa: SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE- SUSAM- HPS 28 DE AGOSTO Responsável Técnica: Reginaldo Beserra Alves Eng.º Segurança no Trabalho CREA 5.907-D/PB

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Pelo presente instrumento particular, de um lado, a EMPRESA, qualificada no TERMO DE ADESÃO À PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE

Leia mais

Segurança e Medicina do Trabalho

Segurança e Medicina do Trabalho Segurança e Medicina do Trabalho Banco de CV s Recrutamento & Seleção Cargos e Salários Decidium Metrics Administração de Treinamento FOLHA DE PAGAMENTO Segurança do Trabalho Avaliação de Desempenho Saúde

Leia mais

PORTARIA N 24, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994

PORTARIA N 24, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 PORTARIA N 24, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 168 e 169 da Seção V do Capítulo V do Título

Leia mais

Programa obrigatório em qualquer empresa que possua funcionários regidos pela CLT, independente da quantidade. Deve ser coordenado por Médico com

Programa obrigatório em qualquer empresa que possua funcionários regidos pela CLT, independente da quantidade. Deve ser coordenado por Médico com Saúde e Segurança no Trabalho Gestão de Segurança na Construção Civil e Seus Pontos Positivos PCMSO Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional O que é? Programa obrigatório em qualquer empresa que

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS. Determinar as competências necessárias para a atuação dos profissionais na empresa;

GESTÃO DE PESSOAS. Determinar as competências necessárias para a atuação dos profissionais na empresa; 1. OBJETIVO Estabelecer política para gestão de pessoas que busca atuar na captação de talentos, no desenvolvimento dos profissionais, na mediação das relações entre os níveis hierárquicos, bem como proporcionar

Leia mais

DIAGRAMA DE LEITURA DO FLUXOGRAMA DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO

DIAGRAMA DE LEITURA DO FLUXOGRAMA DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO DIAGRAMA DE LEITURA DO FLUXOGRAMA DAS ATIVIDADES DE LEGENDA, COM CORES, PARA IDENTIFICAR AS AÇÕES NO FLUXOGRAMA NÚMERO DA PÁGINA ONDE SE ENCONTRA O PROCEDIMENTO Mnnnnnnnnnnnnnnnnnn Zccccccccccc AÇÕES VINCULADAS

Leia mais

Relatório Anual de Exames do PCMSO

Relatório Anual de Exames do PCMSO Relatório Anual de s do PCMSO VIGÊNCIA: NOVEMBRO DE 6 à NOVEMBRO DE 7. Empresa: P.M.F TRANSPORTES ESPECIAIS LTDA. Programa elaborado por: José Virgílio C. de Castro Clínico Geral / Médico do Trabalho CRM:

Leia mais

RELAÇÃO DE EXAMES MÉDICOS OBRIGATÓRIOS

RELAÇÃO DE EXAMES MÉDICOS OBRIGATÓRIOS RELAÇÃO DE EXAMES MÉDICOS OBRIGATÓRIOS Para emissão do Atestado de Saúde Ocupacional (A.S.O.), o candidato deverá obrigatoriamente, apresentar no ato do exame para investidura em cargo público (perícia

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO PCMSO

RELATÓRIO ANUAL DO PCMSO RELATÓRIO ANUAL DO PCMSO VIGÊNCIA: OUTUBRO DE 26 à OUTUBRO DE 27. Empresa: CASTELINHO REFEIÇÕES LTDA ICAM. Responsável Técnico: Dr. José Virgílio C. de Castro Médico Coordenador CRM AM 64 Reg./77 P C M

Leia mais

QUEM SOMOS NOSSO COMPROMISSO

QUEM SOMOS NOSSO COMPROMISSO PROTEÇÃO ASSESSORIA / CONSULTORIA / TREINAMENTOS / PLANOS DE EMERGÊNCIAS BRIGADA DE EMERGÊNCIAS - TRABALHO EM ALTURA - ESPAÇOS CONFINADOS - PRIMEIROS SOCORROS QUEM SOMOS A SS Treinamentos iniciou suas

Leia mais

EDITAL Nº ABERTURA DE VAGAS INSCRIÇÕES, RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E VAGAS EM ABERTO

EDITAL Nº ABERTURA DE VAGAS INSCRIÇÕES, RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E VAGAS EM ABERTO EDITAL Nº 001 - ABERTURA DE VAGAS INSCRIÇÕES, RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E VAGAS EM ABERTO Pró-Saúde Unidade de Pronto Atendimento Dra. Corasi, Mogi das Cruzes/SP CAPÍTULO I DO PROCESSO SELETIVO 1. Os candidatos

Leia mais

IBF INDUSTRIA BRASILEIRA DE FARMOQUIMICOS S/A - Multi-Produto

IBF INDUSTRIA BRASILEIRA DE FARMOQUIMICOS S/A - Multi-Produto Proposta IBF INDUSTRIA BRASILEIRA DE FARMOQUIMICOS S/A - Multi-Produto À IBF INDUSTRIA BRASILEIRA DE FARMOQUIMICOS S/A A\C: Ana Lúcia - Apresentação da Proposta Conforme solicitado, encaminhamos proposta

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 145, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015

DELIBERAÇÃO Nº 145, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015 DELIBERAÇÃO Nº 145, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015 Altera a Resolução CONTRAN nº 425, de 27 de novembro de 2012, que dispõe sobre o exame de aptidão física e mental, a avaliação psicológica e o credenciamento

Leia mais

AVALIAÇÃO GLOBAL DO PPRA

AVALIAÇÃO GLOBAL DO PPRA AVALIAÇÃO GLOBAL DO VIGÊNCIA: JANEIRO DE 2016 à JANEIRO DE 2017. Empresa: MANAUS EMPREENDIMENTOS ESPORTIVOS LTDA. Responsável Técnico: REGINALDO BESERRA ALVES Engº Segurança no Trabalho CREA 5907-D/ PB

Leia mais

Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade

Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade A Elétrica Sena Campos, empresa prestadora de serviços no ramo de manutenção elétrica tem como principal valor preservar a integridade física, mental

Leia mais

PORTARIA/Diretor geral nº 11, de 03 de setembro de 2015

PORTARIA/Diretor geral nº 11, de 03 de setembro de 2015 PORTARIA/Diretor geral nº 11, de 03 de setembro de 2015 Nomeia os candidatos aprovados no Concurso Público n. 01/2015 para provimento dos cargos públicos de Engenheiro Sanitarista e de Contador, na ordem

Leia mais

Origem das informações para emissão do PPP.

Origem das informações para emissão do PPP. Origem das informações para emissão do PPP. I Seção de dados administrativos. 1 CNPJ Dados da empresa SIGAMAT 2 - Nome Empresarial Dados da empresa SIGAMAT 3 CNAE Dados da empresa SIGAMAT 4 Nome do Trabalhador

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS DIRETORIA REGIONAL DE MINAS GERAIS EDITAL DE ABERTURA Nº 603/2009 RETIFICAÇÕES

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS DIRETORIA REGIONAL DE MINAS GERAIS EDITAL DE ABERTURA Nº 603/2009 RETIFICAÇÕES EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS DIRETORIA REGIONAL DE MINAS GERAIS EDITAL DE ABERTURA Nº 603/2009 RETIFICAÇÕES Edital de Retificação nº. 627/2009 Retificação Salários Publicado em 15/12/2009

Leia mais

sistemas Soluções práticas e inteligentes

sistemas Soluções práticas e inteligentes sistemas Soluções práticas e inteligentes Prazer, somos a EVAL SISTEMAS. Com um espírito jovem e comprometido, apresentamos a melhor e mais completa solução para o gerenciamento das rotinas em saúde e

Leia mais

REGRAS GERAIS CONDUTOR

REGRAS GERAIS CONDUTOR 1 REGRAS GERAIS CONDUTOR DEFICIENTE CONDUTOR são as pessoas portadoras de deficiência física consideradas inaptas a dirigir veículos comuns, mas que, na forma da lei, são habilitadas a conduzir veículos

Leia mais

SLOGAM DA EMPRESA PPAP

SLOGAM DA EMPRESA PPAP PPAP Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfurocortantes Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL (Colocar

Leia mais

Vantagens e cuidados exclusivos para você e sua empresa.

Vantagens e cuidados exclusivos para você e sua empresa. Vantagens e cuidados exclusivos para você e sua empresa. Pioneira na gestão da Medicina e Segurança do Trabalho Sobre a RH Vida A RH Vida Saúde Ocupacional é uma empresa do Grupo NotreDame Intermédica

Leia mais

Ficha Informativa + Segurança

Ficha Informativa + Segurança Ficha Informativa + Segurança Saúde no Trabalho De acordo com a definição de Saúde da OMS Organização Mundial de Saúde a promoção da saúde inclui todas as medidas que permitem aos indivíduos, aos grupos

Leia mais

a) garantir a elaboração e efetiva implementação do PCMSO, bem como zelar pela sua eficácia;

a) garantir a elaboração e efetiva implementação do PCMSO, bem como zelar pela sua eficácia; NR 7 - PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Portaria nº 24 de 29-12-94. Incluindo as modificações promovidas pela Portaria nº 8 de 8-5-96. 7.1 - DO OBJETO 7.1.1 - Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM SITUAÇÕES DE RISCO QUE ENVOLVA ELETRICIDADE

NORMAS DE SEGURANÇA EM SITUAÇÕES DE RISCO QUE ENVOLVA ELETRICIDADE NORMAS DE SEGURANÇA EM SITUAÇÕES DE RISCO QUE ENVOLVA ELETRICIDADE Anderson Rocha Ramos¹, Bruna Neves de Andrade², Felipe Matos Lopes dos Santos 3, Phablo Cabral de Oliveira 4,Silvani Ramos de Oliveira

Leia mais

REGRAS GERAIS DE SELEÇÃO PÚBLICA

REGRAS GERAIS DE SELEÇÃO PÚBLICA REGRAS GERAIS DE SELEÇÃO PÚBLICA Público Alvo: Candidatos interessados nos cargos constantes no Edital de Publicação de Vagas. Objetivo: Apresentar as normas e diretrizes que regem o processo seletivo

Leia mais

FLUXO DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÕES ESPECÍFICAS PARA PROGRAMAS/ PROJETOS COM FINANCIAMENTO EXTERNO

FLUXO DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÕES ESPECÍFICAS PARA PROGRAMAS/ PROJETOS COM FINANCIAMENTO EXTERNO FLUXO DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÕES ESPECÍFICAS PARA PROGRAMAS/ PROJETOS COM FINANCIAMENTO EXTERNO 1. OBJETO Contratação de Serviço Terceiro Pessoa Física para os seguintes projetos/programas: -Projetos,

Leia mais

Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho Carla Martins Paes AFT da SRTE/RJ

Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho Carla Martins Paes AFT da SRTE/RJ Revisões nas Normas Regulamentadoras de Segurança e Saúde no Trabalho Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho Carla Martins Paes AFT da SRTE/RJ O Processo de Regulamentação

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL - PROJETO BARUERI

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL - PROJETO BARUERI o REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL - PROJETO BARUERI MANUAL DE PROCEDIMENTOS RECURSOS HUMANOS Este regulamento tem por objetivo realizar a contratação e seleção de Recursos Humanos, sob o Regime Jurídico

Leia mais

5º Seminário SESMT. 5º Seminário SESMT

5º Seminário SESMT. 5º Seminário SESMT 5º Seminário SESMT 5º Seminário SESMT Painel: Os avanços e desafios das Indústrias Frigoríficas nas adequações laborais (Ambientes de Trabalho) Avanços Técnicos e Porto Alegre/RS; 24 de novembro de 2016

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PREENCHIMENTO DE VAGA CELETISTA EDITAL Nº 15/2013

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PREENCHIMENTO DE VAGA CELETISTA EDITAL Nº 15/2013 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PREENCHIMENTO DE VAGA CELETISTA EDITAL Nº 15/2013 A FUNDAÇÃO DE APOIO À PESQUISA E EXTENSÃO DE SERGIPE (FAPESE), pessoa jurídica de direito privado, instituída por Escritura

Leia mais

CONVÊNIO PARA REALIZAÇÃO DE CONSULTAS OCUPACIONAIS E EXAMES COMPLEMENTARES DO PCMSO (NR-7)

CONVÊNIO PARA REALIZAÇÃO DE CONSULTAS OCUPACIONAIS E EXAMES COMPLEMENTARES DO PCMSO (NR-7) CC / código: ( ) CONVÊNIO PARA REALIZAÇÃO DE CONSULTAS OCUPACIONAIS E EXAMES COMPLEMENTARES DO PCMSO (NR-7) Pelo presente instrumento particular, o SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

MEDICAMENTO DE USO PRÓPRIO - DOMICILIAR

MEDICAMENTO DE USO PRÓPRIO - DOMICILIAR 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta CESC, FA, LAS, RFC. 1 Objetivo Validar Estabelecer processo de segurança para o paciente

Leia mais

Política do Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social - FATES

Política do Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social - FATES Política do Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social - FATES Versão 1.0 Sumário Título 1 Apresentação... 2 Título: 2 Do Objetivo... 3 Título: 3 Do Acesso... 4 Título: 4 Dos dependentes... 5 Título:

Leia mais

LISTA DE EXERCÌCIOS 1

LISTA DE EXERCÌCIOS 1 Faculdade Anhanguera de Guarulhos Rua do Rosário, 300, Centro - Guarulhos SP. Data: / / 2014 Nota: Nome RA Assinatura Ergonomia e Segurança do Trabalho José Jorge Alcoforado Curso/Turma Disciplina Professor

Leia mais

Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Saúde Indígena Convênios SPDM-MS/SESAI

Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Saúde Indígena Convênios SPDM-MS/SESAI PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 008/2017 SESMT SÃO PAULO A SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, entidade sem fins lucrativos, inscrita no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica

Leia mais

NR 3 EMBARGO OU INTERDIÇÃO. Portaria de 08 de junho de 1978

NR 3 EMBARGO OU INTERDIÇÃO. Portaria de 08 de junho de 1978 NR 3 EMBARGO OU INTERDIÇÃO Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A Norma Regulamentadora 3, cujo título é Embargo ou Interdição, estabelece as situações em que as empresas se sujeitam a sofrer paralisação

Leia mais

Guia de Mobilização de Terceiros Vale Fertilizantes

Guia de Mobilização de Terceiros Vale Fertilizantes Guia de Mobilização de Terceiros Vale Fertilizantes Rev.: 05 - Julho/2014 1 1. INTRODUÇÃO O objetivo deste guia é definir conceitos e estabelecer diretrizes básicas para mobilização de empresas CONTRATADAS

Leia mais

Atestado médico para a Carta de Condução Formação

Atestado médico para a Carta de Condução Formação Atestado médico para a Carta de Condução Formação Agenda Enquadramento Âmbito do Projeto Modelo Funcional Processo Visão Macro Apresentação do módulo ACC do SClínico Estado AFM/AM Notificações Mensagens

Leia mais

CREA-ES CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESPÍRITO SANTO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

CREA-ES CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESPÍRITO SANTO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ATO NORMATIVO Nº 53, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre as alterações das tabelas de valores referentes ao registro de ART, Serviços, Multas e Anuidades de Pessoas Físicas e Jurídicas devidas ao Crea-ES,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE EXAMES MÉDICOS OCUPACIONAIS E RELAÇÃO DE MÉDICOS, LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS E FONOAUDIÓLOGAS. Índice:

PROGRAMAÇÃO DE EXAMES MÉDICOS OCUPACIONAIS E RELAÇÃO DE MÉDICOS, LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS E FONOAUDIÓLOGAS. Índice: PROGRAMAÇÃO DE EXAMES MÉCOS OCUPACIONAIS E RELAÇÃO DE MÉCOS, FONOAUÓLOGAS. Índice: 1 Programação dos Médicos Ocupacionais por Função/Setor de Trabalho e Grupos homogêneos de Riscos e Periodicidade dos

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Responsável Técnico: Executante: Portador/ Ponto de Uso: Recursos Necessários:

PLANO DE EMERGÊNCIA. Responsável Técnico: Executante: Portador/ Ponto de Uso: Recursos Necessários: TÍTULO: PLANO DE EMERGÊNCIA N.º PRO- -DECG Pág.: 1 de 5 Responsável Técnico: Executante: Portador/ Ponto de Uso: Recursos Necessários: PLANO DE EMERGÊNCIA TÍTULO: PLANO DE EMERGÊNCIA N.º PRO- -DECG Pág.:

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 FICHA DE INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTE DE TRABALHO DE FUNCIONARIO TIPO: ( ) Inicial /( ) Reabertura ( ) Doença ( ) Acidente de Trabalho ( ) Percurso Responsável pelas Informações: Registro: ( ) Chefia Imediata

Leia mais

Cooperativa de Trabalho na Área da Saúde e Assistência Social.

Cooperativa de Trabalho na Área da Saúde e Assistência Social. Cooperativa de Trabalho na Área da Saúde e Assistência Social. 01 SOBRE Qualidade com parcerias de sucesso. A Mitra é uma cooperativa de trabalho que oferece serviços e soluções para sua área de Recursos

Leia mais

PCMSO. O PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional é uma obrigação legal, constituído por 5 tipos básicos de exames médicos:

PCMSO. O PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional é uma obrigação legal, constituído por 5 tipos básicos de exames médicos: Periódico 2016 1 PCMSO O PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional é uma obrigação legal, constituído por 5 tipos básicos de exames médicos: Admissional Demissional Mudança de Função Retorno

Leia mais

PREVENRIO PRESPECTIVAS DA SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR NO SÉCULO XXI

PREVENRIO PRESPECTIVAS DA SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR NO SÉCULO XXI PREVENRIO -2012 PRESPECTIVAS DA SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR NO SÉCULO XXI Data: 24 de Agosto de 2012 Local: Centro de Convenções Sulamerica OBJETIVO Chamar atenção sobre a importância da prevenção

Leia mais

1.1 CÓDIGO 9 / BRASÍLIA/DF

1.1 CÓDIGO 9 / BRASÍLIA/DF EDITAL N.º 15/2005 ABIN, DE 8 DE ABRIL DE 2005 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL AGÊNCIA BRASILEIRA DE INTELIGÊNCIA CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 1

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 1 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 1 Competências a serem trabalhadas nesta aula Aplicar legislação brasileira e Norma Regulamentadora NR-7, específicas à Saúde

Leia mais

DESCUBRA MAIS EM. EscolaDaPrevencao.Com/op/pendriveseguranca do trabalho

DESCUBRA MAIS EM. EscolaDaPrevencao.Com/op/pendriveseguranca do trabalho PENDRIVE SEGURANÇA DO TRABALHO DESCUBRA MAIS EM EscolaDaPrevencao.Com/op/pendriveseguranca do trabalho Conteúdo da PENDRIVE do Profissional de Segurança e Saúde do Trabalho Introdução Seja bem vindo ao

Leia mais

EDITAL Nº 004/2017-GRE

EDITAL Nº 004/2017-GRE GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 004/2017-GRE CONVOCA, EM DÉCIMA SÉTIMA CHAMADA, OS CANDIDATOS APROVADOS NO 2º PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2015 DA UNIOESTE, PARA CONTRATAÇÃO DE AGENTE UNIVERSI- TÁRIO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS Mensagem nº 53, de 2011. Canoas, 11 de agosto de 2011. A Sua Excelência o Senhor Vereador César Augusto Ribas Moreira Presidente da Câmara Municipal de Canoas Canoas - RS Senhor Presidente, Vimos respeitosamente

Leia mais

Data: / / Assinatura e carimbo do Diretor do Campus

Data: / / Assinatura e carimbo do Diretor do Campus SOLICITAÇÃO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE/PERICULOSIDADE/RADIAÇÃO IONIZANTE E GRATIFICAÇÃO DE RAIOS-X Nome SIAPE Lotação Coordenação Cargo Telefone INFORMAÇÕES DO SERVIDOR Carga horária /

Leia mais

1. CREDENCIAMENTO DE PESSOAS FÍSICAS PROMOTORES DE SHOWS E EVENTOS

1. CREDENCIAMENTO DE PESSOAS FÍSICAS PROMOTORES DE SHOWS E EVENTOS 1. CREDENCIAMENTO DE PESSOAS FÍSICAS PROMOTORES DE SHOWS E EVENTOS a) requerimento conforme Anexo A, preenchido e protocolado na Diretoria de Atividades f) Documento que comprove a adimplência junto ao

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO E DE POSSE 002/2014 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO 001/2009

EDITAL DE CONVOCAÇÃO E DE POSSE 002/2014 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO 001/2009 EDITAL DE CONVOCAÇÃO E DE POSSE 002/2014 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO 001/2009 O PREFEITO MUNICIPAL DE BRUSQUE, no uso de suas atribuições legais e regimentais, e considerando a homologação do resultado

Leia mais

PROGRAMA DE EXAMES MÉDICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO - PROAP COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS - CGP

PROGRAMA DE EXAMES MÉDICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO - PROAP COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS - CGP PROGRAMA DE EXAMES MÉDICOS PERIÓDICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO - PROAP COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS - CGP FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Lei nº 8.112, de 11 de

Leia mais

AVALIAÇÃO GLOBAL DO PPRA

AVALIAÇÃO GLOBAL DO PPRA AVALIAÇÃO GLOBAL DO VIGÊNCIA: NOVEMBRO DE 2015 à NOVEMBRO DE 2016. Empresa: P.M.F TRANSPORTES ESPECIAIS LTDA. Responsável Técnico: REGINALDO BESERRA ALVES Engº Segurança no Trabalho CREA 5907-D/ PB Avaliação

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO HEMOSC/CEPON Coleta de Preç164/2015

FUNDAÇÃO DE APOIO AO HEMOSC/CEPON Coleta de Preç164/2015 TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em consultoria de engenharia para elaboração de laudo técnico de análise de patologias que geraram o desprendimento das pastilhas externas

Leia mais

PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994

PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155 e 200, item VI, da Consolidação das

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE EDITAL Nº 07/2016 CONCURSO PARA MONITORIA DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA

CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE EDITAL Nº 07/2016 CONCURSO PARA MONITORIA DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE EDITAL Nº 07/2016 CONCURSO PARA MONITORIA DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA O Diretor do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Regional de Blumenau, no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ATIVIDADES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 O presente conjunto de normas tem por finalidade regulamentar as Atividades Complementares e Atividades

Leia mais

Medicina do Trabalho e Engenharia de Segurança

Medicina do Trabalho e Engenharia de Segurança Medicina do Trabalho e Engenharia de Segurança Medicina do Trabalho e Engenharia de Segurança para empresas de todos os setores. Saúde e Segurança O Seconci-SP oferece soluções completas em Medicina do

Leia mais

ANEXO II MODELO DE REQUERIMENTO PARA SOLICITAÇÃO DE TRATAMENTO ESPECIAL PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS

ANEXO II MODELO DE REQUERIMENTO PARA SOLICITAÇÃO DE TRATAMENTO ESPECIAL PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS ANEXO II MODELO DE REQUERIMENTO PARA SOLICITAÇÃO DE TRATAMENTO ESPECIAL PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS O(A) candidato(a), CPF n., candidato(a) ao Concurso para preenchimento de vagas no cargo, regido pelo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUPÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUPÁ Estado de Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUPÁ Avenida Getúlio Vargas, 443 Fone (0**47) 3375-6500 89.278-000 Corupá SC www.corupa.sc.gov.br - email: administra@corupa.sc.gov.br EDITAL DE PROCESSO

Leia mais

CEA430 CEA MODAS LTDA. Cargo: APRENDIZ EM OPERACAO DE VENDAS CBO: C.N.P.J.: / Empregador: CEA MODAS LTDA

CEA430 CEA MODAS LTDA. Cargo: APRENDIZ EM OPERACAO DE VENDAS CBO: C.N.P.J.: / Empregador: CEA MODAS LTDA Empregador: CEA MODAS LTDA C.N.P.J.: 45.242.914/0064-80 Endereco: TRAV PADRE EUTIQUIO - BEI, 1130 LJ ANCORA D Cidade: BELEM Estado: PA CEA430 Estabelecimento: Comercio Varejista Empregado: ELIAS NICOLAS

Leia mais

Prevenção da Exposição Ocupacional ao Benzeno. Breve histórico. José Roberto Teixeira 06/11/2013

Prevenção da Exposição Ocupacional ao Benzeno. Breve histórico. José Roberto Teixeira 06/11/2013 Prevenção da Exposição Ocupacional Breve histórico José Roberto Teixeira 06/11/2013 Benzeno Prevenção da Exposição Ocupacional 1978 Portaria nº 3214 NR 15 Limite Tolerância = 8 ppm 1983 Fenol urinário

Leia mais

Software para gerenciamento de rotinas em saúde ocupacional e segurança do trabalho

Software para gerenciamento de rotinas em saúde ocupacional e segurança do trabalho Software para gerenciamento de rotinas em saúde ocupacional e segurança do trabalho Prazer, somos a EVAL SISTEMAS. Com um espírito jovem e comprometido, apresentamos a melhor e mais completa solução para

Leia mais

Manual do Prestador de Serviços

Manual do Prestador de Serviços Manual do Prestador de Serviços Página 1 de 6 Manual do Prestador de Serviços M. Dias Branco S.A. Manual do Prestador de Serviços Página 2 de 6 ÍNDICE Objetivo 3 Abrangência 3 Código de Ética 3 Instruções

Leia mais

NR-32 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE

NR-32 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE Instituto Superior de Tecnologia NR-32 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira NR-32 Tem por finalidade estabelecer as diretrizes básicas para a implementação

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 54/2015

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 54/2015 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 54/2015 Dispõe sobre Processo Seletivo de Funcionários para a vaga de Técnico Administrativo II para o Centro Universitário - Católica de Santa Catarina em Jaraguá do Sul.

Leia mais

EDITAL Nº 01/2017 SELEÇÃO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE MONITORIA ACADÊMICA PRESENCIAL

EDITAL Nº 01/2017 SELEÇÃO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE MONITORIA ACADÊMICA PRESENCIAL EDITAL Nº 01/2017 SELEÇÃO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE MONITORIA ACADÊMICA PRESENCIAL O Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e a Pró-Reitoria de Graduação da UFRGS, no uso de

Leia mais

Ficha Informativa + Segurança

Ficha Informativa + Segurança Ficha Informativa + Segurança Saúde Edição N.º 19 Atividades Técnicas do Serviço de Segurança no Trabalho dezembro de 2016 O desenvolvimento da prevenção de riscos profissionais no local de trabalho é

Leia mais

Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Saúde Indígena Convênios SPDM-MS/SESAI

Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Saúde Indígena Convênios SPDM-MS/SESAI PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 018/ 2016 DSEI KAYAPÓ-PA A SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, entidade sem fins lucrativos, inscrita no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EDITAL Nº 001/2012

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EDITAL Nº 001/2012 EDITAL Nº 001/2012 DISPÕE SOBRE A PRORROGAÇÃO DO PRAZO DE INSCRIÇÕES DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS, DE NÍVEL SUPERIOR, PERTENCENTES À PARTE PERMANENTE DO QUADRO DE PESSOAL DO

Leia mais

RISCOS. Riscos de origem elétrica. Riscos de queda. Riscos no transporte e com equipamentos. Riscos de ataques de insetos

RISCOS. Riscos de origem elétrica. Riscos de queda. Riscos no transporte e com equipamentos. Riscos de ataques de insetos RISCOS Os riscos à segurança e saúde dos trabalhadores no setor de energia elétrica são, via de regra elevados, podendo levar a lesões de grande gravidade e são específicos a cada tipo de atividade. Contudo,

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ASSISTENTE DE SEÇÂO DE PESSOAL SORRI-BAURU - Fevereiro/2017

EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ASSISTENTE DE SEÇÂO DE PESSOAL SORRI-BAURU - Fevereiro/2017 EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ASSISTENTE DE SEÇÂO DE PESSOAL SORRI-BAURU - Fevereiro/2017 A SORRI BAURU, por meio de sua Diretoria Executiva convoca os interessados a participar do processo seletivo para

Leia mais

7º EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL Nº. 01/2014 PARA APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS E AGENDAMENTO DE EXAME MÉDICO ADMISSIONAL

7º EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL Nº. 01/2014 PARA APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS E AGENDAMENTO DE EXAME MÉDICO ADMISSIONAL 7º EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL Nº. 01/2014 PARA APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS E AGENDAMENTO DE EXAME MÉDICO ADMISSIONAL A PREFEITA MUNICIPAL DE QUIXELÔ/CE, professora MARIA DE FÁTIMA

Leia mais

REGULAMENTO DE PROCESSO SELETIVO PAPA ADMISSÃO DE PESSOAL DA FUNDAÇÃO DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS - FUNDIBIO

REGULAMENTO DE PROCESSO SELETIVO PAPA ADMISSÃO DE PESSOAL DA FUNDAÇÃO DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS - FUNDIBIO REGULAMENTO DE PROCESSO SELETIVO PAPA ADMISSÃO DE PESSOAL DA FUNDAÇÃO DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS - FUNDIBIO CAPÍTULO I Art. 1º - Este Regulamento estabelece normas, objetivando a contratação de pessoal

Leia mais

Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades

Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades CLT Consolidação das Leis do Trabalho É de obrigação legal para os empregadores a Lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977 relativa a segurança e medicina do trabalho

Leia mais

PEDROSA DISTRIBUIDORA LTDA

PEDROSA DISTRIBUIDORA LTDA PEDROSA DISTRIBUIDORA LTDA Elaboração: Reginaldo Beserra Alves Engº de Seg. do Trabalho CREA 5.907 D/PB Outubro / 2012 Manaus Amazonas 1 de 20 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: PEDROSA DISTRIBUIDORA

Leia mais

HOSPITAL DA POLÍCIA MILITAR COMANDANTE LARA RIBAS

HOSPITAL DA POLÍCIA MILITAR COMANDANTE LARA RIBAS EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 12/14 HPM-ABEPOM O Presidente da ABEPOM - Associação Beneficente dos Militares Estaduais, no uso de suas atribuições legais, torna público o presente edital, que estabelece

Leia mais

NR 4 Como Calcular e preencher os mapas dos anexos III, IV, V e VI da NR - 04

NR 4 Como Calcular e preencher os mapas dos anexos III, IV, V e VI da NR - 04 NR 4 Como Calcular e preencher os mapas dos anexos III, IV, V e VI da NR - 04 Critérios e as regras para preenchimento correto dos quadros anexos da NR-4 relacionados aos acidentes, doenças profissionais

Leia mais

1- Estabelecer as normas e procedimentos para a Manutenção de Vínculo no IFRJ.

1- Estabelecer as normas e procedimentos para a Manutenção de Vínculo no IFRJ. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2016/PROGRAD, DE 13 DE MAIO DE 2016. A Pró-Reitora de Ensino de Graduação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro - IFRJ, no uso de suas atribuições

Leia mais

RETIFICAÇÃO/RATIFICAÇÃO Nº 01 CONCURSO PÚBLICO PMB 01/2013

RETIFICAÇÃO/RATIFICAÇÃO Nº 01 CONCURSO PÚBLICO PMB 01/2013 RETIFICAÇÃO/RATIFICAÇÃO Nº 01 CONCURSO PÚBLICO PMB 01/2013 A Prefeitura Municipal de Barueri torna público a presente Retificação do Edital do Concurso Público PMB 01/2013, publicado 23 de março de 2013,

Leia mais

LEVANTAMENTO DE PERIGOS E RISCOS À SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL 1. OBJETIVO 2. PROCEDIMENTO

LEVANTAMENTO DE PERIGOS E RISCOS À SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL 1. OBJETIVO 2. PROCEDIMENTO 1. OBJETIVO Definir a metodologia para levantamento de perigos e riscos relacionados ao sistema de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional da (nome da organização). 2. PROCEDIMENTO 2.1 Definições Perigo

Leia mais

Segurança no Trabalho

Segurança no Trabalho Apresentação Ronei Vagner Alves Técnico em Segurança no Trabalho 2007 Tecnólogo em Segurança no Trabalho 2012 Supervisor de Trabalho em Altura 2012 Supervisor de Espaço Confinado 2014 Prestador de serviços

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP Instrução n.º 2579 Dispõe sobre concessão de férias aos funcionários do Crea-SP e revoga a Instrução n.º 2554/2012. O Presidente em exercício do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de

Leia mais

A INSPEÇÃO FINAL DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

A INSPEÇÃO FINAL DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS VI ESW Brasil 2013 Seminário Internacional de Engenharia Elétrica na Segurança do Trabalho A INSPEÇÃO FINAL DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Autor:Eng. Gerson Sampaio Filho. Organização/Empresa:TEKNERGIA LTDA

Leia mais