Tribunal da Comarca do Baixo Vouga Juízo de Família e Menores de Aveiro Trabalho realizado pelo José Ribau Escrivão Adjunto ACTOS AVULSOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tribunal da Comarca do Baixo Vouga Juízo de Família e Menores de Aveiro Trabalho realizado pelo José Ribau Escrivão Adjunto ACTOS AVULSOS"

Transcrição

1 S Tribunal da Comarca do Baixo Vouga Juízo de Família e Menores de Aveiro Trabalho realizado pelo José Ribau Escrivão Adjunto R ACTOS AVULSOS - Actos Avulsos (Quando não pagam os actos avulsos o que se faz: - art. 35º, nº 3 do RCP): a) - É emitida pela Secretaria certidão de liquidação autónoma, com força executiva própria, a qual serve de suporte à execução a instaurar pelo Mº Pº. - Actos Avulsos (Taxas nos actos avulsos): a) - Art. 9 do RCP CERTIDÕES (ART. 9º Nº 3 do R.C.P.) - Certidões (UCs) a) Até 50 paginas 1/5 de UC 20,40 b) De 50 a 75 páginas 30,60 c) De 76 a 100 páginas 40,80 d) De 101 a 125 páginas 51,00 - Certidões (Via Electrónica) a) As certidões que sejam entregues por via electrónica dão origem ao pagamento de taxa de justiça no valor de 1/10 de uma UC. Art. 9º nº 4 do RCP 10,20 - Por cada fotocópia simples art. 9º nº 5 do RCP 0,20 - Certidões (Documentos enviados electronicamente tem a força probatória) a) Os documentos apresentados nos termos previstos no nº 3 do art. 150 do CPC (enviados electronicamente) têm a força probatória dos originais, nos temos definidos para as certidões art. 150º nº 7 do CPC - Certidões (comunicação entre Tribunais) Art. 24 nº 1 / 2 portaria 114/08 de 6/2 a) A passagem de certidões de termos e actos prevista no nº 1 do art. 174 do CPC, quando tenha por fim a junção das mesmas a processo judicial pendente, é efectuada electronicamente, devendo a secretaria enviar a certidão para o tribunal onde corre o referido processo. b) O envio da certidão +é efectuado, sempre que possível, através do sistema informático, com a indicação do processo a que se destina e de quem requereu a certidão.

2 S R Tribunal da Comarca do Baixo Vouga Juízo de Família e Menores de Aveiro Trabalho realizado pelo José Ribau Escrivão Adjunto ÂMBITO DE APLICAÇÃO (Alterado pelo art.º 1º da Lei 43/2008, de 27/08 e alterado pelo art.º 2º da Lei 7/2012, de 13/02) - O RCP aplica-se aos processos que corram termos nos Tribunais Judiciais e Fiscais, nos Tribunais Administrativos e no balcão de injunções art.º 2º do RCP; a) - Excepcionando-se o Tribunal Constitucional que tem regime próprio D.L. nº 303/1998, de 07/10.

3 S R Tribunal da Comarca do Baixo Vouga Juízo de Família e Menores de Aveiro Trabalho realizado pelo José Ribau Escrivão Adjunto (APLICAÇÃO NO TEMPO ARTº. 8º DA Lei nº 7/2012, de 13/02) - A aplicação da lei no tempo foi significativamente alterada, no sentido da padronização das custas a todos os processos, independentemente do regime que estava em vigor, quando os mesmos foram iniciados art.º 8º da Lei nº 7/2012, de 13/02. - Portanto, a nova redacção, introduzida por esta lei, visa a aplicação do mesmo regime de custas a TODOS OS PROCESSOS JUDICIAIS PENDENTES, independentemente do momento em que se iniciaram. Para melhor esclarecimento elaboramos o quadro infra: A aplicação no tempo foi significativamente alterada, no sentido da padronização das custas a todos os processos, independentemente do regime que estava em vigor, quando os mesmos foram iniciados vide art. 8º da Lei nº 7/2012, de 13/02. Portanto a nova redação, introduzida por esta lei visa a aplicação do mesmo regime de custas a TODOS OS PROCESSOS JUDICIAS PENDENTES, independentemente do momento em que iniciaram. Para melhor elucidação elaborámos o quadro infra: Aplicação da lei no tempo Lei n.º 7/2012, de 13 de Fevereiro Aplicação da lei no tempo art.º 8.º da Lei n.º 7/2012, de 13 de Fevereiro Dispositivo Redação Exemplos Art.º 8.º n.º 1 O Regulamento das Custas Processuais, na Aplicação a todos os processos entrados e redacção que lhe é dada pela presente lei, é aplicável a todos os processos iniciados após a sua entrada em vigor e, sem prejuízo do disposto nos números seguintes, aos processos pendentes nessa data. pendentes de acordo com as regras previstas nos números seguintes. Ex.: - Num determinado processo iniciado em 29-mar-2012, aplica-se o presente regime na redação dada por esta Lei n.º 7/2012.

4 Art.º 8.º n.º 2 Relativamente aos processos pendentes, sem prejuízo do disposto nos números seguintes, a redacção que é dada ao Regulamento das Custas Processuais pela presente lei, só se aplica aos actos praticados a partir da sua entrada em vigor, considerando-se válidos e eficazes todos os pagamentos e demais actos regularmente efectuados ao abrigo da legislação aplicável no momento da prática do acto, ainda que a aplicação do Regulamento das Custas Processuais, na redacção que lhe é dada pela presente lei, determine solução diferente. Aos processos pendentes, aplicam-se as novas regras, em todos os atos praticados a partir da entrada em vigor, mantendo-se válidos todos aqueles praticados anteriormente. Ex.: - Numa determinada ação de divórcio, sem o consentimento do outro cônjuge, com o valor de ,01, iniciada em 06-fev-2012, o autor autoliquidou a 1.ª prestação da taxa de justiça pelo impulso processual no montante de 306,00. Nos 90 dias subsequentes o autor teria que autoliquidar a 2.ª prestação da taxa de justiça. Contudo, como no dia 29-mar-2012, entrou em vigor a nova redação do RCP aquele pagamento considera-se válido e eficaz. Assim, as partes ficarão, futuramente, dispensadas dos pagamentos prévios alínea e) do n.º 1 do art.º 15.º do RCP. Art.º 8.º n.º 3 Todos os montantes cuja constituição da obrigação de pagamento ocorra após a entrada em vigor da presente lei, nomeadamente os relativos a taxas de justiça, a encargos, a multas ou a outras penalidades, são calculados nos termos previstos no Regulamento das Custas Processuais, na redacção que lhe é dada pela presente lei. Todos os montantes cuja obrigação do pagamento ocorra, após a entrada em vigor da presente lei, são calculados nos termos da nova versão. Ex.: - Numa determinada ação declarativa ordinária, iniciada em 22-abr-2009, foi interposto recurso da sentença, apresentadas as alegações do recorrente e autoliquidada a taxa de justiça pelo impulso processual. Porém, se o recorrido apresentar as contra alegações, a partir de 29-mar-2012, já tem que autoliquidar a taxa de justiça pelo impulso processual n.º 2 do art.º 7.º do RCP. Na anterior redação do RCP, era apenas o recorrente que autoliquidava a taxa de justiça pelo impulso processual. Art.º 8.º n.º 4 Art.º 8.º n.º 5 Nos processos em que as partes se encontravam isentas de custas, ou em que não havia lugar ao pagamento de custas em virtude das características do processo, e a isenção aplicada não encontre correspondência na redacção que é dada ao Regulamento das Custas Processuais pela presente lei, mantém-se em vigor, no respectivo processo, a isenção de custas. Nos processos em que, de acordo com a redacção que é dada ao Regulamento das Custas Processuais pela presente lei, as partes ou o processo passam a estar isentos de custas, a isenção aplica-se, não havendo no entanto lugar à restituição do que já tiver sido pago a título de custas. No regime anterior, nos casos em que as partes se mostravam isentas de custas ou nos processos igualmente isentos de custas, mantêm-se os regimes de isenção, ainda que não previsto no regime atual. Ex.: - Numa determinada ação declarativa ordinária, iniciada em 05-dez-2011, o partido político AAA, cujos benefícios não estavam suspensos, estava isento de custas em todos os processos. A partir de 29-mar-2012 deixou de estar isento, naquele processo, pois todos os partidos políticos só têm isenção no contencioso nas leis eleitorais alínea e) do n.º 1 do art.º 4.º do RCP. Porém, naquele processo, por força da aplicação da lei no tempo, mantém-se a isenção. Caso as partes ou os processos venham a beneficiar de isenção de custas no novo regime, não se restitui o que tenha sido pago a título de custas. Ex.: - Numa determinada ação administrativa especial, iniciada em 26-abr-2011, um vogal, não juiz do Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscal, autoliquidou a taxa de justiça pelo impulso processual no montante de 612,00. A partir de 29-mar-2012, a isenção aplica-se a este processo, mas não há lugar à restituição do que já tiver sido pago a título de custas.

5 Art.º 8.º n.º 6 Art.º 8.º n.º 7 O valor da causa, para efeitos de custas, é sempre fixado de acordo com as regras que vigoravam na data da entrada do processo. Nos processos em que há lugar ao pagamento da segunda prestação da taxa de justiça e o mesmo ainda não se tenha tornado exigível, o montante da prestação é fixado nos termos da redacção que é dada ao Regulamento das Custas Processuais pela presente lei, ainda que tal determine um montante diverso do da primeira prestação. O valor da causa, para efeitos tributários, é fixado de acordo com as regras em vigor na data da entrada do processo. Ex.: - Numa determinada ação executiva, iniciada em 10-jan-.2009, aplicava-se e continua a aplicar-se o art.º 9.º do CCJ n.º 1 o valor das execuções é o da soma dos créditos exequendos ou o do produto dos bens liquidados, se for inferior. O que comanda é a data da entrada do processo, independentemente do momento em que termina. Na segunda prestação da taxa de justiça, deve atender-se aos montantes previstos na lei nova, ainda que os montantes sejam diversos. Ex.: - Numa determinada ação de declarativa ordinária, com o valor de ,00, iniciada em 22-abr-2009, o autor autoliquidou a taxa de justiça pelo impulso processual no montante de 1.530,00, correspondente a 15 UC. A ré veio contestar em 09-fev-2012 e autoliquidou a 1.ª prestação da taxa de justiça pelo impulso processual no montante de 765,00, correspondente a 1/2 de 15 UC. Porém, se houver lugar ao pagamento da 2.ª prestação pela ré, esta deverá ser paga no montante de 816,00, correspondente a 1/2 de 16 UC constantes da atual Tabela I. Art.º 8.º n.º 8 Nos processos em que o pagamento da taxa de justiça devida por cada uma das partes foi regularmente efectuado num único momento não há lugar ao pagamento da segunda prestação da taxa de justiça previsto no n.º 2 do artigo 13.º do Regulamento das Custas Processuais, na redacção que lhe é dada pela presente lei. Tendo a taxa de justiça devida pelo impulso processual sido paga numa única prestação, não há lugar ao pagamento de outra prestação. Ex.: - Numa determinada ação emergente de acidente de trabalho, com o valor de ,00, iniciada em 04-nov-2011, o autor não autoliquidou a taxa de justiça pelo impulso processual por estar isento de custas, nos termos da al. h) do n.º 1 do art.º 4.º do RCP. Entretanto, no dia 25-nov- 2011, a ré autoliquidou a taxa de justiça pelo impulso processual na sua totalidade, ou seja, 612,00. Logo, não há lugar ao pagamento da 2.ª prestação da taxa de justiça pelo impulso processual da R. Art.º 8.º n.º 9 Nos processos em que, em virtude da legislação aplicável, houve lugar à dispensa do pagamento prévio da taxa de justiça, essa dispensa mantém-se, sendo o pagamento dos montantes que a parte teria de ter pago caso não estivesse dispensada devidos apenas a final, ainda que a aplicação da redacção que é dada ao Regulamento das Custas Processuais pela presente lei determinasse solução diferente. Nos casos de dispensa do pagamento prévio da taxa de justiça, pelo impulso processual, mantémse a obrigação do seu pagamento a final, independentemente de condenação. Ex.: - Numa determinada ação administrativa especial, iniciada em 04-nov-2011, a autora Câmara Municipal AAA não autoliquidou a taxa de justiça pelo impulso processual por estar dispensada de pagamento prévio da taxa de justiça 1.ª parte da alínea a) do art.º 15.º do RCP. Esta dispensa mantém-se mas, independentemente do resultado final da ação, a Câmara Municipal AAA terá que autoliquidar a taxa de justiça devida por aquele impulso processual a final n.º 2 do art.º 15.º do RCP.

6 Art.º 8.º n.º 10 Nos processos em que a redacção que é dada ao Regulamento das Custas Processuais pela presente lei passa a prever a dispensa do pagamento prévio da taxa de justiça não há lugar à sua dispensa, excepto se ainda não tiver sido paga a segunda prestação da taxa de justiça, caso em que a dispensa de pagamento prévio se aplica apenas a esta prestação. Estão dispensadas do pagamento da 2.ª prestação da taxa de justiça, as ações que passaram a estar dispensadas do seu pagamento prévio. Ex.: - Numa determinada ação de divórcio, sem o consentimento do outro cônjuge, com o valor de ,01, iniciada em 21-dez-2011, o autor autoliquidou a 1.ª prestação taxa de justiça pelo impulso processual no montante de 306,00. Nos 90 dias subsequentes o autor teria que autoliquidar a 2.ª prestação da taxa de justiça. Porém, como no dia 29-mar-2012 entrou em vigor a nova redação do RCP, o autor fica dispensado do pagamento da 2.ª prestação da taxa de justiça alínea e) do n.º 1 do art.º 15.º do RCP. Art.º 8.º n.º 11 Para efeitos de aplicação do Regulamento das Custas Processuais, na redacção que lhe é dada pela presente lei, aos processos iniciados antes de 20 de Abril de 2009, a taxa de justiça inicial é equiparada à primeira prestação da taxa de justiça e a taxa de justiça subsequente é equiparada à segunda prestação da taxa de justiça. São equiparadas à 1.ª e 2.ª prestações da taxa de justiça, a taxa de justiça inicial e subsequentes previstas no CCJ. Ex.: - Numa determinada ação declarativa sumária, iniciada em 13-Jan-2009 vigência do CCJ, o autor autoliquidou a taxa de justiça inicial e a taxa de justiça subsequente. Estas taxas de justiça equiparam-se à 1.ª prestação da taxa de justiça e à 2.ª prestação da taxa de justiça, respectivamente. Art.º 8.º n.º 12 Art.º 8.º n.º 13 São aplicáveis a todos os processos pendentes as normas do Regulamento das Custas Processuais, na redacção que lhe é dada pela presente lei, respeitantes às custas de parte, incluindo as relativas aos honorários dos mandatários, salvo se a respectiva nota discriminativa e justificativa tiver sido remetida à parte responsável em data anterior à entrada em vigor da presente lei. Todos os pagamentos decorrentes do regime de custas processuais devem ser efectuados pelos meios previstos no Regulamento das Custas Processuais, na redacção que lhe é dada pela presente lei. A todos os processos pendentes, ou seja, iniciados antes de 29-mar-2012, aplicam-se as normas do CCJ e RCP, na redação dada por esta Lei n.º 7/2012, respeitantes às custas de parte, incluindo as relativas aos honorários dos mandatários art.ºs 25.º e 26.º do RCP, e 33.º-A do CCJ. Porém, naqueles processos, se a respetiva nota discriminativa já foi enviada à parte responsável, não se aplicam as normas do RCP, na nova redação que lhe foi dada pela referida Lei n.º 7/2012. Com o intuito de evitar que se aplique e interprete outros dispositivos sobre pagamentos, esta norma afasta definitivamente todas e quaisquer interpretações. Assim, em TODOS OS PAGAMENTOS decorrentes do regime de custas processuais devem ser efetuados pelos meios previstos no RCP, na nova redação que lhe foi dada por esta Lei n.º 7/2012.

7 S Tribunal da Comarca do Baixo Vouga Juízo de Família e Menores de Aveiro Trabalho realizado pelo José Ribau Escrivão Adjunto R APOIO JUDICIARIO - Apoio judiciário (quando deve juntar): a) - Quando a parte junta petição que tenha de pagar taxa de justiça, mas tenha pedido o apoio judiciário deve juntar o comprovativo do pedido art. 685-D do CPC art. 18º nº 1 da Lei 34/2004 de 18/04 - Apoio judiciário (modalidade de atribuição de Agente de Execução) a) Quando seja concedido apoio judiciário na modalidade de atribuição de agente de execução, este é sempre um oficial de justiça, determinado segundo as regras da atribuição art. 35º-A da Lei nº 34/2004, de 29/07. - Apoio judiciário (Envio de petições por via electrónica) a) Envio do pedido ou concessão do apoio judiciário são comprovados através da apresentação, por transmissão electrónica de dados, dos correspondentes documentos, nos termos definidos para os restantes documentos na al. b) do nº 1 do art. 5 da portaria 114/08/ de 6/2 art. 8º nº 2 Portaria 114/08 de 6/2 (fls. 930) e art. 150-A nº 4 do CPC - Apoio judiciário (quando não é possível enviar electronicamente nos termos do nº 2 do art. 5º da portaria 114/08 de 6/2 (fls. 930)): a) Quando não for possível enviar o documento comprovativo do apoio judiciário, electronicamente, nos termos definidos do nº 1 do art. 5 (fls. 930), em virtude do disposto no nº 2 do Art.º 10 portaria 114/08 de 6/2, o referido envio deve ser efectuado nos termos previstos dos nºs 3 e 4 do art. 10º (fls. 930), sob pena de desentranhamento da petição apresentada ou da aplicação das cominações previstas nos Art.º 486º-A, 512º-B e 685º-D, do CPC - Apoio judiciário (Quando a pratica de um acto processual exija o pagamento de taxa de justiça e tem apoio judiciário) a) Quando a prática de um acto processual exija o pagamento de taxa de justiça nos termos do RCP, deve ser junto o documento comprovativo da concessão do apoio judiciário, salvo se o documento já se encontrar junto aos autos art. 150-A nº 1 do CPC. - Apoio judiciário (quando não junta o comprovativo da concessão do apoio judiciário na contestação) a) A falta do documento comprovativo da concessão do apoio judiciário, referido no art. 150-A nº 1 do CPC, não implica a recusa da peça processual, devendo a parte proceder à sua junção em 10 dias, subsequentes à prática do acto processual, sob pena de aplicação das cominações previstas no Art.º 486-A, 512º-B e 685-D todos do CPC - Apoio judiciário (Acções que não importem a constituição de advogado e o acto é praticado pela parte nas contestações) a) Quando a causa não importe a constituição de mandatário e o acto tenha sido praticado pela parte é a parte notificada para que proceda à junção de

8 comprovativo da concessão de apoio judiciário, sob pena de ficar sujeita às cominações dos Art.º 486º-A, 512-B e 685º-D todos do CPC. - Apoio judiciário (conta) - Quando as partes beneficiem de apoio judiciário na modalidade de dispensa do pagamento da taxa de justiça e demais encargos e se o processo tiver de ir à conta, com responsabilidades para estes, não se procede à elaboração da conta face ao disposto no art. 29º nº 1 al. d) do RCP (Lei 7/2012 de 13/02) - Apoio Judiciário (Petição inicial enviada por via eletrónica (sem a concessão do pedido de apoio judiciário) - Notifica-se a parte por via eletrónica, recusando a petição art. 15º-A da Portaria 114/2008 de 06/02, aditado pelo art. 2º da Portaria 471/2010 de 08/07. - Apoio judiciário (Ex. Especial de Alimentos (Oficial de justiça Recusa art. 811º nº 1 do CPC): - Quando não vem o titulo executivo - com o pagamento da taxa justiça - com a concessão do apoio judiciário - Apoio judiciário (matem-se para efeitos de recurso) - O apoio judiciário mantém-se para efeitos de recurso, qualquer que seja a decisão sobre a causa art.º 18º, nº 4 da Lei 34/2004 de 29/07. - Apoio judiciário (è extensivo a todos os processos que sigam por apenso) - É extensivo a todos os processos que sigam por apenso àquele em que esta concessão se verificar, sendo também ao processo, quando se tenha verificado art.º 18º, nº 4 da Lei 34/2004 de 29/07. - Apoio judiciário (quando o processo é desapensado mantém-se o apoio, o que fazer) - No caso de o processo ser desapensado por decisão com trânsito em julgado, o apoio judiciário manter-se-á, juntando-se oficiosamente ao processo desapensado certidão que o concedeu, sem prejuízo do disposto na parte final do nº 6 do art.º 18º da Lei 34/2004, de 29/07 ( devendo a decisão definitiva ser notificada ao patrono para este se pronunciar sobre a manutenção ou escusa do patrocínio ) art.º 18º, nº 7 da Lei 34/2004, de 29/07. - Apoio judiciário (declarada a incompetência do tribunal) - Declara a incompetência do tribunal, mantêm-se, a concessão do apoio judiciário, devendo a decisão definitiva ser notificada ao patrono para este se pronunciar sobre a manutenção ou escusa do patrocínio art.º 18º nº 6 da Lei 34/2004, de 29/07. - Apoio judiciário (Patrono ou defensor oficioso - se pode substabelecer) - O patrono ou defensor nomeado pode substabelecer, com reserva, para diligência determinada, desde que indique substituto art.º 17ª DA Portaria 10/2008, de 03/01. - Apoio judiciário (Patrono ou defensor oficioso - de quem é a responsabilidade da remuneração, quando substabelece) - A remuneração do substabelecido é da responsabilidade do patrono ou defensor nomeado art.º 17ª da Portaria nº 40/2008, de 03/01. - Apoio judiciário (o valor que se mete nos processos - cíveis)

9 - Para efeitos do disposto no nº 2 do art.º 36º d Lei nº 34/2004, de 29/07, o valor dos encargos decorrentes da concessão de apoio judiciário, nas modalidades previstas nas alíneas b), c), f) do nº 1 do art.º 16º do mesmo diploma, é de 150,00 por processo art.º 8º nº 1 da Portaria 10/2008 de 03/01. - Apoio judiciário (pagamento de quaisquer despesas suportadas pelo patrono ou defensor oficioso nomeado para apoio judiciário depende de quê) - O pagamento de quaisquer despesas suportadas pelo patrono ou defensor oficioso nomeado para apoio judiciário depende da apresentação de nota de despesas junto do processo, a homologar pela Ordem dos Advogados art.º 8º nº 3 da Portaria 10/2008 de 03/01. - Apoio judiciário (quando não há lugar ao pagamento de deslocações aos defensores oficiosos ou patronos) - Não há lugar ao pagamento de deslocações aos defensores oficiosos ou patronos que ocorram dentro da comarca de inscrições art.º não há lugar ao pagamento de deslocações aos defensores oficiosos ou patronos) não há lugar ao pagamento de deslocações aos defensores oficiosos ou patronos) art.º 8º nº 4 da Portaria 10/2008 de 03/01. - Apoio judiciário (quando há lugar ao pagamento de deslocações aos defensores oficiosos ou patronos) - Só é assegurado o pagamento de deslocações ao defensor oficioso ou patrono, quando na comarca de destino não houver profissional forense no sistema de acesso ao direito art.º 8º, nº 5 da Portaria 10/2008, de 03/01. - Apoio judiciário (as despesas dos defensores oficiosos ou patronos são reguladas por que artigos) - As despesas dos defensores oficiosos ou patronos que participam no sistema de acesso ao direito são reguladas pelos art.ºs 8ª-A a 8º-D da Portaria 10/2008, de 03/01. - Apoio judiciário (o valor que se mete na conta do processo penal quando o arguido não solicita a concessão do apoio judiciário) - É responsável pelo pagamento do triplo do valor estabelecido nos termos do nº 2 do art.º 36º da Lei 34/2004, de 29/07 e art.º 8º, nº 1 da Portaria 10/2008, de 03/01 450,00 - art.º 39º, nº 7 da Lei 34/2008, de 29/07 - Apoio judiciário (o valor que se mete na conta do processo penal - quando os serviços da Segurança Social decidirem não conceder o beneficio de apoio judiciário ao arguido) - É responsável pelo pagamento estabelecido no nº 2 do art.º 36º da Lei 34/2004, de 29/07 e art.º 8º, nº 1 da Portaria 10/2008, de 03/01 150,00 art.º 39º, nº 8 da Lei nº 34/2004, de 29/07. - Salvo se se demonstrar que a declaração proferida nos termos do nº 3 do art.º 39º da Lei nº 34/2004, de 29/07 foi manifestamente falsa, caso em que fica sujeito ao pagamento do quíntuplo do valor estabelecido no nº do art.º 36º da Lei 34/2004, de 29/07 e art.º 8º, nº 1 da Portaria 10/2008, de 03/01 750,00 - art.º 39º, nº 8 da Lei nº 34/2004, de 29/07.

10 - Apoio judiciário (o valor que se mete na conta do processo penal quando o arguido não constitui advogado e for obrigatória ou considerada necessária ou conveniente a assistente de defensor, após ter sido advertido para o fazer (art.º 39º, nº 5 da Lei 34/2004, de 29/07)) - É responsável pelo pagamento do triplo do valor estabelecido nos termos do nº 2 do art.º 36º d Lei nº 34/2004, de 29/07 150,00 - quando o arguido não constitui advogado e for obrigatória ou considerada necessária ou conveniente a assistente de defensor, após ter sido advertido para o fazer (art.º 39º, nº 5 da Lei 34/2004, de 29/07) deve este ser nomeado art.º 39º, nº 9 da Lei 34/2004, de 29/07)

11 S R Tribunal da Comarca do Baixo Vouga Juízo de Família e Menores de Aveiro Trabalho realizado pelo José Ribau Escrivão Adjunto ART.º 107º-A DO CPP - O arguido apresentou a contestação no nº 3º dia útil seguinte ao termo do prazo, e autoliquidou o pagamento imediato da multa (al. c do art.º 107º do CPP) - Multa 2 UC.204,00 - A multa não foi paga imediatamente: - Ato praticado no 1º dia útil: - Multa inicial.51,00 - Acréscimo 25% (nº 6 do art.º 145º do CPC) 25,50 - Total da multa (a notificar). 63,75 - Ato praticado no 2º dia útil: - Multa inicial. 102,00 - Acréscimo 25% (nº 6 do art.º 145º do CPC).. 25,50 - Total da multa (a notificar). 127,50 - Ato praticado no 3º dia útil: - Multa inicial.204,00 - Acréscimo 25% (nº 6 do art.º 145º do CPC).. 51,00 - Total da multa (a notificar) que não foram contempladas, concretamente o art.º 27º ,00 - Apesar da aplicação da lei no tempo art.º 8º da Lei nº 7/2012, de 13/02 pretender harmonizar o CCJ e o RCP, existem situações que não foram contempladas, concretamente o art.º 27º do DL nº 34/2008, de 26/02. - O nº 1 daquele art.º 27º refere que a alteração às leis de processo e o novo RCP aplica-se apenas aos processos iniciados a partir da entrada em vigor do DL nº 34/2008, de 26/02, respetivos incidentes, recursos e apensos, ou seja

12 - Assim, para os processos cíveis e outros onde tem aplicação o disposto no art.º 145º do CPC, pendente em , aplica-se a redacção anterior daquele art.º 145º do CPC. - Nos processos iniciados a partir de , aplica-se o disposto no art.º 145º do CPC na redacção dada pelo referido DL nº 34/2008 de 26/02. - Nos processos iniciados a partir de , aplica-se o disposto no art.º 107º-A do CPP.

13 - Art.º 145º do CPC S Tribunal da Comarca do Baixo Vouga Juízo de Família e Menores de Aveiro Trabalho realizado pelo José Ribau Escrivão Adjunto R Nas multas previstas nos art. 145º do CPC e 107º-A do CPP, incumbe ao apresentante, quando representado por mandatário judicial, o pagamento por autoliquidação e de modo autónomo nº 2 do art.º 25º da Portaria 419-A/2009, de 17/04, alterada pela Portaria 82/2012, de 29/03 Art. 145º do CPC 1º Dia 10% da taxa justiça c/ limite de ½ UC 2º Dia 25% da taxa justiça c/ limite de 3 UC 3º Dia 40% da taxa justiça c/ limite de 7 UC Se não pagar imediatamente, a secretaria, independentemente de despacho, notifica o interessado para pagar a multa acrescida de uma penalização de 25% do valor da multa Consideram-se o valor da UC em 102,00 : - Sendo o ato praticado dentro de um dos três primeiros dias úteis subsequente ao termo do prazo, temos os seguintes: Exemplos: - Ação de processo ordinário com o valor tributário de ,00 - Taxa justiça (tabela I-A) 6 C.612,00 - O réu apresentou a contestação no 1º dia útil seguinte ao termo do prazo, e autoliquidou o pagamento imediato da multa (al. a) do nº 5 do art. 145º do CPC). - Multa 10% (61,20 ) valor máximo.51,00 - O réu apresentou a contestação no 2º dia útil seguinte ao termo do prazo, e autoliquidou o pagamento imediato da multa (al. b) do nº 5 do art. 145º do CPC. - Multa 25% (valor máximo 306,00 ). 153,00 - O réu apresentou a contestação no 3º dia útil seguinte ao termo do prazo, e autoliquidou o pagamento imediato da multa (al. c) do nº 5 do art. 145º do CPC). - Multa 40% (valor máximo 714,00 ). 244,80 - A multa não foi paga imediatamente: - Ato praticado no 1º dia útil:

14 - Multa inicial... 51,00 - Acréscimo 25% (nº 6). 12,75 - Total da multa (a notificar) 63,75 - Ato praticado no 2º dia útil: - Multa inicial.. 153,00 - Acréscimo 25% (nº 6). 28,25 - Total da multa (a notificar).. 191,25 - Ato praticado no 3 dia útil: - Multa inicial 244,80 - Acréscimo 25% (nº 6). 61,20 - Total da multa (a notificar) 306,00 - Não prevendo o nº 6, da norma em apreço, o preço, o prazo de pagamento da multa, entendemos que a mesma deverá ser paga no prazo de 10 dias, determinado no nº 1 do art. 28º do RCP - Entendemos que estas percentagens são única e exclusivamente sobre a taxa justiça correspondente ao processo ou ato e não a taxa justiça que foi paga com a redução prevista no nº 3 do art. 6º do RCP.

15 S Tribunal da Comarca do Baixo Vouga Juízo de Família e Menores de Aveiro Trabalho realizado pelo José Ribau Escrivão Adjunto AUTOS R - Autos (Quando não é possível apor a assinatura electrónica aos autos) a) Art. 21 da Portaria 114/08 de 6/2

16 S Tribunal da Comarca do Baixo Vouga Juízo de Família e Menores de Aveiro Trabalho realizado pelo José Ribau Escrivão Adjunto VALOR (BASE TRIBUTÁRIA) R Explanação: - As regras gerais sobre o valor da causa, conceitos de custas, principios geriam, responsabilidades por custas e outras constam no CPC, no CPP, no CPPT, no CIRE, no CCJ e na Portaria - No que concerne aos valores da causa, entre outras, indicam-se as seguintes: a) Art.ºs 305º a 319º do CPC; 120º e 185º do CPT; 15º e 302º do CIRE; 11º e 246º do CPREF; 31º a 34º do CPTA; 97º do CPRT; 38º, nº 2 do C. Expropriações. Exemplo: - Numa determinada ação declarativa ordinária, com o valor de ,00, onde se pretende obter uma quantia em dinheiro nº 1 do art. 306º do CPC, intentada em , se verificarmos a tabela I- A, concretamente 1.7, consta o valor de ,00 a ,00 a taxa justiça é de 7 UC, que corresponde ao valor que o autor teve que autoliquidar 714,00. - Deveremos ter em consideração a nova aplicação da lei no tempo, concretamente o nº 6 do art.º 8º da Lei 7/2012, de 13/02. Pois, o que comanda neste normativo é a data de entrada do processo. Exemplo: - Valor (valor da causa): - Num determinado processo de Responsabilidade parental, iniciado em , aplicava-se e continua a aplicar-se a al. a) do nº 1 do art. 6º do CCJ Nos processos sobre o estado de pessoas e nos processos sobre o interesse imateriais, o fixado pelo Juiz, tendo em atenção a repercussão económica da ação para o responsável pelas custas ou, subsidiariamente, a situação económica deste, com o limite mínimo da alçada do tribunal da 1ª instância a) Para determinar o valor da causa, deve atender-se ao momento em que a acção é proposta, excepto quando haja Reconvenção ou intervenção principal art. 308º, nº 1 do CPC - Valor (Reconvenção): Art. 308º nº 2 do CPC a) O valor do pedido formulado pelo réu ou pelo interveniente só é somado ao valor do pedido formulado pelo autor quando os pedidos sejam distintos, nos termos do disposto no nº 4 do art. 447º-A do CPC o aumento só produz efeitos quanto aos actos e termos posteriores à Reconvenção art. 308º nº 3 do CPC

17 - Valor (Intervenção principal): Art. 308º nº 2 do CPC a) O valor do pedido formulado pelo réu ou pelo interveniente só é somado ao valor do pedido formulado pelo autor quando os pedidos sejam distintos, nos termos do disposto no nº 4 do art. 447º-A do CPC o aumento só produz efeitos quanto aos actos e termos posteriores à Reconvenção art. 308º nº 3 do CPC - Valor (Acções no caso prestações periódicas) a) Nos processos cuja decisão envolva uma prestação periódica, salvo nas acções de alimentos ou contribuição para despesas domésticas, tem-se em consideração o valor das prestações relativas a um ano multiplicado por 20 ou número de anos que a decisão abranger, se for inferior; caso seja impossível determinar o número de anos, o valor é o da alçada da Relação Art. 309º nº 2 do CPC - Valor (Acção Divisão coisa Comum para efeitos de conta): a) Nas acções para Divisão coisa comum, atende-se ao valor da coisa que se pretende dividir art. 311º nº 2 do CPC - Valor (Inventários para efeitos de conta): art. 311º nº 3 do CPC 1) Nos processos de inventário atende-se à soma do valor dos bens a partilhar; a) Quando não seja determinado o valor dos bens, atende-se ao valor constante da relação apresentada na Repartição de Finanças - Valor (Sobre o estado de pessoas ou sobre interesses imateriais Divórcios, RPP, Inc. RPP, Alt. RPP, etc. valor processual): a) O valor sobre o estado de pessoas ou sobre interesses imateriais consideram-se sempre de valor equivalente à alçada da Relação e mais 0,01 (30.000,01 ) art. 312º nº 1 do CPC - Valor (Atribuição da casa de morada de família para efeitos processuais) a) O valor é o equivalente à alçada da Relação e mais 0,01 (30.000,01 ) constituição ou transferência do direito de arrendamento - art. 312º nº 2 do CPC - Valor (Processos para tutela de interesses difusos): a) O valor da acção corresponde ao do dano invocado, com o limite máximo do dobro da alçada do tribunal da Relação (60.000,02 ) art. 312º nº 3 do CPC - Valor (Fixação da base tributável para efeito de taxa de justiça): a) A base tributável para efeitos de taxa de justiça corresponde ao valor da causa, com os acertos constantes da tabela 1, e fixa-se de acordo com as regras previstas na lei do processo respectivo artº 11º do RCP - Valor (Para o efeito de custas judiciais) a) Art. 305 nº 3 do CPC - Valor (Recursos para efeitos de pagamento de taxa de justiça)

18 a) Nos recursos, o valor é o da Sucumbência quando esta for determinada, devendo o recorrente indicar o respectivo valor no requerimento de interposição do recurso; nos restantes casos, prevalece o valor da acção Art. 12º nº 2 do RCP - Valores para efeitos de custas (na conta) Nos: Divórcios sem consentimento Divórcios Mutuo Consentimento Regulação Responsabilidades Parentais Incumprimento das Responsabilidades Parentais Alterações das Responsabilidades Parentais Atribuição da Casa de Morada de Família Ac. Investigação Paternidade Ac. Impugnação de Perfilhação Ac. Anulação de Perfilhação Ac. Interdição e Inabilitação Conversão de Separação Judicial de Pessoas e Bens em Divorcio Etc. Para processos iniciados até: - Até o valor é.40uc Para processos iniciados a partir de: - De até o valor é.3.740,98 Para processos iniciados a partir de: - De até o valor é.5.000,00 Para processos iniciados a partir de: - De até ,01

19 S Tribunal da Comarca do Baixo Vouga Juízo de Família e Menores de Aveiro Trabalho realizado pelo José Ribau Escrivão Adjunto R VALOR DAS ACÇÕES DIVORCIOS\ RRP INC. RRP ALT. RRP Sobre o estado de pessoas ou sobre interesses imateriais e Jurisdição de menores - Consideram-se sempre o valor equivalente à alçada da Relação e mais 0,01 - art. 312º nº 1do CPC e art. 11 do RCP (30.000,01 a partir de Janeiro de 2008) DL 34/2008 de 26/02 Valores para efeitos de custas (na conta) Nos: Divórcios sem consentimento Divórcios Mutuo Consentimento Regulação Responsabilidades Parentais Incumprimento das Responsabilidades Parentais Alterações das Responsabilidades Parentais Atribuição da Casa de Morada de Família Ac. Investigação Paternidade Ac. Impugnação de Perfilhação Ac. Anulação de Perfilhação Ac. Interdição e Inabilitação Conversão de Separação Judicial de Pessoas e Bens em Divorcio Etc. Para processos iniciados até: - Até o valor é.40uc Para processos iniciados a partir de: - De até o valor é.3.740,98 Para processos iniciados a partir de: - De até o valor é.5.000,00 Para processos iniciados a partir de: - De até ,01 ATRIBUIÇÃO DE CASA DE MORADA DE FAMILIA ART. 1793º DO C.C. Consideram-se sempre o valor equivalente à alçada da Relação e mais 0,01 art. 312º nº 2 do CPC e art. 11 do RCP (30.000,01 a partir de Janeiro de 2008) DL 34/2008 de 26/02 - Se estiver pendente ou tiver corrido ação de divórcio ou de separação, o pedido é deduzido por apenso art. 1413º nº 4 do CPC CONSTITUIÇÃO OU TRANSFERÊNCIA DO DIREITO DE ARRENDAMENTO ART. 84º DO Regime do Arrendamento Urbano

20 Consideram-se sempre o valor equivalente à alçada da Relação e mais 0,01 art. 312º nº 2 do CPC e art. 11 do RCP (30.000,01 a partir de Janeiro de 2008) DL 34/2008 de 26/02 - Se estiver pendente ou tiver corrido ação de divórcio ou de separação, o pedido é deduzido por apenso art. 1413º nº 4 do CPC ACÇÃO DIVISÃO COISA COMUM Atende o valor da coisa que se pretende dividir art. 11 do RCP, 311º nº 2 do CPC INVENTARIOS - Atende-se à soma de valor dos bens a partilhar: - Quando não seja determinado o valor dos bens, atende-se ao valor constante da relação de bens apresentada na Repartição art. 11ºdo RCP, 311º nº 3 do CPC, para efeitos de conta de custas PROCEDIMENTOS CAUTELARES: - art. 313º, nº 3 do CPC a) ALIMENTOS PROVISORIOS Pela mensalidade pedida multiplicada por 12 art. 313º, nº 3 al. a) do CPC b) ARBITRAMENTO DE REPARAÇÃO PROVISORIA Pela mensalidade pedida multiplicada por 12 art. 313º, nº 3 do CPC c) RESTITUIÇÃO PROVISORIA DE POSSE Pelo valor da coisa esbulhada art. 313º, nº 3, al. b) do d) SUSPENSÃO DE DELIBERAÇÕES SOCIAIS Pela importância do dano art. 313º, nº 3 al. c) do CPC e) EMBARGO DE OBRA NOVA Pelo prejuízo que se quer evitar art. 313º, nº 3 al. d) do CPC f) PROVIDÊNCIAS CAUTELARES NÃO ESPECIFICADAS Pelo prejuízo que se quer evitar art. 313º, nº 3 al. d) do CPC g) ARRESTO Pelo montante de crédito que se pretende garantir art. 313º, nº 3 al. e) do CPC h) ARROLAMENTO Pelo valor dos bens arrolados art. 313º, nº 3 al. f) do CPC ACÇÃO DE ALIMENTOS DEFINITIVOS: O quíntuplo da anuidade correspondente ao pedido art. 307º, nº 3 do CPC CONTRIBUIÇÃO PARA DESPESAS DOMESTICAS: - O quíntuplo da anuidade correspondente ao pedido art. 307º, nº 3 do CPC INCIDENTES O valor art. 313, nº 1 e 316º ambos do CPC - O valor de taxa de justiça deixa de fixar-se em função do valor da acção, passando a adequar-se a efectiva complexidade do incidente Preambulo DL 34/2008 de e art. 7º nº 1, 3, 5 do RCP 1 - PROCESSAMENTO:

21 CORRE NOS PRÓPRIOS AUTOS: a) A MAIORIA DOS INCIDENTES DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS Art. 320º a 350º do CPC b) INCIDENTE DE VERIFICAÇÃO DO VALOR DA CAUSA Art. 305º a 319º do CPC c) A INCOMPETÊNCIA RELATIVA Art. 108º e segs do CPC d) O INCIDENTE DE HABILITAÇÃO DOCUMENTAL Art. 373º, nº 1 do CPC e) O INCIDENTE DE FALSIDADE Art. 546º e segs do CPC f) O INCIDENTE DE LIQUIDAÇÃO Art. 378º e segs do CPC g) OS INCIDENTES DO INVENTÁRIO Art. 1334º do CPC h) INCIDENTE DE INTERVENÇÃO PRINCIPAL (ESPONTÂNEA OU PROVOCADA) Art. 1330º, 320º, 325º e segs todos do CPC i) INCIDENTE DE INTERVENÇÃO DE OUTROS INTERESSADOS Art. 1331º do CPC e o valor para efeito de conta art. 308 nº 2, 3, 4, 5 do CPC j) INCIDENTE DE HABILITAÇÃO DE SUCESSORES Art. 1332º do CPC k) INCIDENTE DE EXERCICIO DO DIREITO DE PREFERÊNCIA Art. 1333º do CPC CORRE POR APENSO: a) O INCIDENTE DE SUSPEIÇÃO Art. 129º, nº 1 do CPC b) c) O INCIDENTE DE EMBARGOS DE TERCEIRO Art. 353º nº 1 do CPC d) O INCIDENTE DE HABILITAÇÃO, QUANDO NÃO DOCUMENTAL Art.372º, nº 2 do CPC e) INCIDENTE DE HABILITAÇÃO DE CESSIONÁRIO Art. 302º a 319º, 376º, nº 1 al. a) todos do CPC RECURSOS:

22 O valor da sucumbência quando esta for determinável, devendo o recorrente indicar o respetivo valor no requerimento de interposição do recurso; - art. 12º, nº 2 do RCP - Nos restantes casos, prevalece o valor da ação: - art. 12º, nº 2 do RCP RECURSOS (Sem que esteja fixado o valor) - O Juiz fixa-o no despacho referido no art. 685º-C do CPC, conforme art. 315º nº 3 do CPC IMPUGNAÇÃO JUDICIAL DA DECISÃO SOBRE A CONCESSÃO DO APOIO JUDICIARIO - Atende-se ao valor indicado na 1.1 da tabela I-B (valor até 2.000,00 ) art. 12º, nº 1 al. a) do CPC. - Competência do tribunal art. 28º da Lei 47/2007 de 28/08 a) È competente para conhecer e decidir a impugnação o tribunal da comarca em que está sedeado o serviço de Segurança Social que apreciou o pedido de Proteção jurídica ou b) Caso o pedido tenha sido formulado na pendência da ação, o tribunal em que esta se encontra pendente SEMPRE QUE FOR IMPOSSIVEL DETERMINAR O VALOR DA CAUSA, SEM PREJUIZO DE POSTERIORES ACERTOSSE O JUIZ VIEIR A FIXAR UM VALOR CERTO Atende-se ao valor indicado na 1.1 da tabela I-B art. 12º, nº 1 al. e) do CPC (valor até 2.000,00 ) NOS PROCESSOS CUJO VALOR É FIXADO PELO JUIZ DA CAUSA, COM RECURSO A ACERTOS INDETERMINADOS E NÃO ESTEJA INDICADO UM VALOR FIXO, SEM PREJUIZO DE POSTERIORES ACERTOS QUANDO FOR DEFINITIVAMENTE FIXADO - Atende-se ao valor indicado na 1.1 da tabela I-B art. 12º, nº 1 al. f) do CPC PROCESSOS PARA TUTELA DE INTERESSES DIFUSOS O valor da ação correspondente ao do dano invocado, com limite máximo do dobro da alçada do tribunal da Relação art. 313º, nº 3 do CPC ACÇÕES DE DESPEJO A renda de 2 anos e meio, acrescido das rendas em divida (só as rendas em divida até à propositura da ação art. 308º, nº 1 do CPC) ou o da indemnização, se for superior art. 307º, nº 1 do CPC.

23 S Tribunal da Comarca do Baixo Vouga Juízo de Família e Menores de Aveiro DL 34/2008 DE 26/02/2008 -/- DL 181/2008 DE 28/08 LEI 64-A/2008 DE 31/12 -/- DL52/2011 DE 13/04 -/- PORTARIA 200/2011 DE 20/05 -/- PORTARIA 471/2010 DE 08/07 -/- LEI 44/2010 DE 03/09 -/- LEI 55- A/2011 DE 31/12 E OF. CIRCULAR Nº 01 DE 04/01/2011 DE 01/01/2011 ATE PORTARIA 179/2011 DE 02/05 R - Lei nº 7/2012, de 13 de Fevereiro Portaria nº 419-A/2009 de 17 de Abril, alterado pela Portaria nº 82/2012, de 29 de Março (Entrada em vigor em ) PERGUNTAS E RESPOSTAS REGULAMENTO DAS CUSTAS PROCESSUAIS (Conjugado com o CPC e CPP) Autor: José Ribau - Esc. Adjunto do Juízo de Família e Menores de Aveiro

24 S Tribunal da Comarca do Baixo Vouga Juízo de Família e Menores de Aveiro Trabalho realizado pelo José Ribau Escrivão Adjunto CARTAS PRECATORIAS R - Cartas Precatórias (Expedição ou devolução entre Tribunais) a) Art. 25º nº 1, 2 da Portaria 114/08 de 6/2

25 S Tribunal da Comarca do Baixo Vouga Juízo de Família e Menores de Aveiro Trabalho realizado pelo José Ribau Escrivão Adjunto CERTIDÕES (ART. 9º Nº 3 do R.C.P.) - Certidões (UCs) a) Até 50 paginas 1/5 de UC 20,40 b) De 50 a 75 páginas 30,60 c) De 76 a 100 páginas 40,80 d) De 101 a 125 páginas 51,00 - Certidões (Via Electrónica) a) As certidões que sejam entregues por via electrónica dão origem ao pagamento de taxa de justiça no valor de 1/10 de uma UC. Art. 9º nº 4 do RCP 10,20 - Por cada fotocópia simples art. 9º nº 5 do RCP 0,20 - Certidões (Documentos enviados electronicamente tem a força probatória) a) Os documentos apresentados nos termos previstos no nº 3 do art. 150 do CPC (enviados electronicamente) têm a força probatória dos originais, nos temos definidos para as certidões art. 150º nº 7 do CPC - Certidões (comunicação entre Tribunais) Art. 24 nº 1,2 portaria 114/08 de 6/2 a) A passagem de certidões de termos e actos prevista no nº 1 do art. 174 do CPC, quando tenha por fim a junção das mesmas a processo judicial pendente, é efectuada electronicamente, devendo a secretaria enviar a certidão para o tribunal onde corre o referido processo. b) O envio da certidão é efectuado, sempre que possível, através do sistema informático, com a indicação do processo a que se destina e de quem requereu a certidão. R

26 S Tribunal da Comarca do Baixo Vouga Juízo de Família e Menores de Aveiro Trabalho realizado pelo José Ribau Escrivão Adjunto R CITAÇÕES - Citações (Quando é efectuada) a) - A citação só é efectuada após ter sido comprovado o pagamento da taxa de justiça, nos termos definidos na portaria 138-a nº 1, do CPC ou ter junto aos autos o referido documento comprovativo art. 150-A nº 6 do CPC - Citações (Quando é feita através dos meios electrónicos) a) Art. 152 nº 8 e art. 228 nº 4 do CPC

27 Conta de custas (custas de parte) S Tribunal da Comarca do Baixo Vouga Juízo de Família e Menores de Aveiro Trabalho realizado pelo José Ribau Escrivão Adjunto R CONTA DE CUSTAS a) - As custas de parte nunca se incluem na conta de custas do processo Art.º 30º da Portaria 419-A/2009 de 17/04, alterada pela Portaria 82/2012, de Conta de custas (Recurso As despesas que surjam depois de aceite o recurso até que o mesmo baixe de novo à 1ª Instância são processadas por quem): a) - Quando o processo sobe para recurso, as despesas que surjam depois de aceite o recurso e até que o processo baixe de novo à 1ª Instância são processados pela Secretaria do Tribunal superior respectivo art. 29º nº 2 do RCP - Conta de custas (Actos e diligências que não entram em regra de custas) a) A responsabilidade do vencido no tocante às custas não abrange os actos e incidentes supérfluos, nem as diligências e actos que houverem de repetir-se por culpa de algum funcionário judicial, nem as despesas a que deu causa o adiamento de acto judicial por falta não justificada de pessoa que devia comparecer art.- 448º nº 1 do CPC - Conta de custas (Isenção de custas) a) Art. 4º do RCP - Conta de custas (Encargos nas custas de parte) a) Os encargos são sempre imputados na conta de custas da parte ou partes que forem nelas condenadas, na proporção da condenação art. 24 nº 2 do RCP. b) No final, os encargos são imputados na conta de custas da parte ou partes que forem nelas condenadas, na proporção da condenação art. 24º nº 2 do RCP. - Conta de custas (Onde é elaborada) a) A conta de custas é elaborada na Secretaria correspondente ao Tribunal que funcionou em 1ª Instância no respectivo processo art. 29º nº 1 do RCP. - Conta de custas (Quantas contas são efectuadas por cada sujeito processual) a) Deve elaborar-se uma só conta por cada sujeito processual responsável pelas custas, multas e outras penalidades, que abranja o processo principal e apensos art. 30º nº 2 do RCP. - Conta de custas (Quem processa a conta)

28 a) A conta é elaborada pela Secção do processo, através dos meios informáticos previstos e regulamentados por portaria do Membro do Governo responsável pela área da Justiça art. 30º nº 3 do RCP. - Conta de custas (A conta definitiva obedece a que critérios) a) Art. 30º nº 3, al. a), b), c), d), e), f), g) do RCP - Conta de Custas (O que constitui o Titulo executivo - Execução) a) Art. 35º nº 2 do RCP - Conta de custas (Execução já em curso e o executado não possui mais bens e os penhorados não são suficientes Execução) a) Art. 35º nº 5 do RCP - Conta de custas (Quando o executado não possui bens Execução) a) Art. 35 nº 6 do RCP - Conta de custas (Tem juros, com excepção das multas e penalidades) a) Art. 34º nº 3 do RCP - Conta de custas (Quando a multa não é paga no prazo fixado no nº 1, 2 do RCP, onde é posta e qual é o acréscimo) a) Não sendo paga a multa após o prazo fixado, respectiva quantia transita, com um acréscimo de 50%, para a conta de custas, devendo ser paga a final Art. 28º nº 3 do RCP - Conta de custas (quantias inferiores a 1/10 de UC se são devolvidas ou cobradas): a) Não são devolvidas nem cobradas quantias inferiores a 1/10 da UC art. 38º Portaria 419-A/2009 de 17/04, alterada pela Portaria 82/2012 de 29/03 - Conta de custas (quando são dispensadas): - art. 29º nº 1 al. a), b), c), d) do RCP a) Não haja quaisquer quantias em divida; b) Nos processos de insolvência não exista qualquer verba na massa insolvente para processamento do pagamento das custas; c) Nos processos de execução cujo agente de execução não seja oficial de justiça e nada exista para levar à conta; e d) O responsável pelas custas beneficie de apoio judiciário na modalidade de dispensa do pagamento de taxa de justiça e demais encargos. Conta de Custas (Valores para efeitos de custas (na conta) Nos: Divórcios sem consentimento Divórcios Mutuo Consentimento

29 Regulação Responsabilidades Parentais Incumprimento das Responsabilidades Parentais Alterações das Responsabilidades Parentais Atribuição da Casa de Morada de Família Ac. Investigação Paternidade Ac. Impugnação de Perfilhação Ac. Anulação de Perfilhação Ac. Interdição e Inabilitação Conversão de Separação Judicial de Pessoas e Bens em Divorcio Etc. Para processos iniciados até: - Até o valor é.40uc Para processos iniciados a partir de: - De até o valor é.3.740,98 Para processos iniciados a partir de: - De até o valor é.5.000,00 Para processos iniciados a partir de: - De até ,01 Conta de custas (Execuções por custas, multas ou coimas) 1º Nas Execuções por custas, multas ou coimas o executado é responsável pelo pagamento da taxa de justiça nos termos da tabela II nº 5 do art. 7º (Lei 7/2012 de 13/02). Na conta pagam: 1 Taxa justiça 2 Juros 3 Encargos Conta custas (provisória) - Deixa de se elaborar a conta provisória, anteriormente prevista no RCP (nº 3 do art.º 29º do RCP (DL nº 34/2008 de 26/02) e nas diversas versões do CCJ (al. b) do nº 2 do art.º 51º. - Nos termos do nº 6 do art.º 7º da Portaria 419-A/2009, de 26/02, alterado pela portaria 82/2012, de 29/03, quando ocorra a deserção da instância, compete às partes, solicitar a elaboração da conta. Note-se que nos processos que devam ser remetidos para arquivo, os saldos existentes nos processos, nos termos da lei, revertem para o IGFIJ-IP, sem prejuízo de posterior reposição e devolução a requerimento das partes que a ele tenham direito, sem prejuízo da prescrição a que se refere o nº 1 do art.º 37º do RCP al. l) do art.º 36º portaria 419-A/2009, de 17/04, alterada pela portaria 82/2012, de 13/02. - Ou seja, nos termos do art.º 291º do CPC, na redacção do DL nº 303/2007, de 24/08, aplicável aos processos iniciados em 01/01/2008: - Considera-se deserta a instância, independentemente de qualquer decisão judicial, quando esteja interrompida durante 2 anos; - Os recursos consideram-se desertos, quando o recorrente não tenha apresentado a alegação, nos termos do nº 2 do art.º 684~-B do CPC, ou quando, por inércia sua estejam parados durante mais de 1 ano; - Tendo surgido algum incidente com efeito suspensivo, o recurso é julgado deserto se decorrer mais de um ano sem que se promovam os termos do incidente; - A deserção é julgada no tribunal onde se verifique a falta, por simples despacho do juiz ou do relator. - Conta custas (juros nas contas não pagas com multas e penalidades)

30 - Sobre a totalidade das quantias contadas, com exceção das multas e penalidades, incidem juros de mora à taxa legal mínima art.º 34º nº 3 do RCP Explanação: - Dada a redacção sobre a taxa legal mínima, relativamente aos juros de mora, temos que ter em consideração o seguinte: - 1º Se forem dívidas ao Estado e a outras pessoas colectivas públicas que não tenham forma, natureza ou denominação de empresa pública, proveniente de custas contadas em processos de qualquer natureza, nos termos do DL nº 73/99, e 16/03, a taxa justiça de mora é presentemente de 6,112% (Aviso nº 17289/2012, do IGCP, E.P.E., DR II Série, de em cumprimento do disposto no art.º 3º do DL nº 73/99, de 16/03, com a redação dada pelo art.º 165º da Lei nº 3-B/2010, de 28/04 aplicável a partir desde o dia 01 de Janeiro de 2013, inclusive) - A partir de , os juros passaram a ser determinados nos termos do art.º 3º do DL nº 73/2009, de 16/03, alterado pelo DL nº 201/99, de 09/06 e pelos art.º 165º da Lei nº 3-B/2010, de 28/04 e 150º Da Lei Nº 55-A/2011, de 31/12, ou seja, calculados de modo idêntico aos juros civis e comerciais (diários), não se contabilizando porém os dias incluídos no mês de calendário em que se efectuar o pagamento. Exemplo: Num determinado processo, o prazo de pagamento voluntario das custas no montante de 800,00, terminou no dia 28/10/2010. No dia , antes de instaurada a respectiva execução por custas, o devedor solicitou as guias para pagamento de toda a divida da sua responsabilidade. Assim: Custas em divida 800,00 Juros de mora (3 meses à taxa de 1%) (800,00 x 3 meses x 1%) 24,00 Juros de mora (365 dias à taxa de 6,351%) (800,00 x 365 x 6,351%) 50,81 Juros de mora (366 dias à taxa de 7,007%) (800,00 x 366 x 7,007%) 50,95 Total dos juros ,76 2º Se forem dividas não comerciais e comerciais, temos 2 situações: Nos termos do art.º 559º do Código Civil, se forem credores individuais, a taxa de juro é de 4%, fixados pela Portaria nº 291/2003, de 08/04; e Nos termos do art.º 102º do Código Comercial, se forem credores não individuais, a taxa de juro é fixada semestralmente. 3º In casu trata-se de divida de custas de parte e/ ou encargo de natureza semelhante às dívidas ao Estado e as outras pessoas colectivas públicas que não tenham forma, natureza ou denominação de empresa pública, proveniente de custas contadas.

PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS

PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS Artº. 107º nº. 5 e 107º A do CPP 145º do CPC APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA SANÇÃO PELA PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE

Leia mais

Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril

Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril Considerando que pelos serviços prestados pelo Tribunal de Contas e pela sua Direcção dos serviços Técnicos, em conformidade com o disposto no n.º 1 do artigo 43.º,da lei

Leia mais

Artigo 17º do RCP. Boas práticas processuais.

Artigo 17º do RCP. Boas práticas processuais. Artigo 17º do RCP Boas práticas processuais. O presente documento descreve a aplicação prática das alterações ao artigo 17º do RCP (cobrança do custo pelas consultas ao abrigo do 833ºA do CPC) Data: 20

Leia mais

Regimes de Custas desde 15/09/2003

Regimes de Custas desde 15/09/2003 JORNADAS DE ESTUDO CONTA E ENCERRAMENTO DO PROCESSO Armando A Oliveira - Solicitador Regimes de Custas desde 15/09/2003 15 de Setembro de 2003 Reforma da acção executiva Foi reduzido o valor da taxa de

Leia mais

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA)

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Informação n.º 2/2013_Revista 22/novembro/2013 CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E EM MORA IVA e IRC A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Regularização do IVA 1. Créditos vencidos até 31/12/2012 e

Leia mais

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA Carla Mascarenhas 16 de Abril de 2009 A fase de penhora PROGRAMA Consultas e diligências prévias Ordem da realização da penhora Procedimento da penhora de bens Imóveis

Leia mais

AMN A Z E V E D O, M A R Q U E S & N OVERSA Sociedade de Advogados, R.I.

AMN A Z E V E D O, M A R Q U E S & N OVERSA Sociedade de Advogados, R.I. Tabela de Honorários dos Advogados e Solicitadores (Portaria n.º 1386/2004, de 10 de Novembro repristinada pela Portaria n.º 210/2008, de 29 de Fevereiro) A Lei n.º 34/2004, de 29 de Julho, que procedeu

Leia mais

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. (23.ª Edição)

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. (23.ª Edição) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL (23.ª Edição) Código de Processo Civil 2 TÍTULO: CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL AUTORES: Miguel Mesquita EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Avenida Fernão de Magalhães, n.º 584, 5º Andar 3000-174

Leia mais

Regulamento de Propina

Regulamento de Propina Regulamento de Propina 2015 2015 ÍNDICE SECÇÃO I Curso de Licenciatura em Enfermagem... 4 Artigo 1º Valor da Propina... 4 Artigo 2º Modalidades de pagamento... 4 SECÇÃO II Cursos de Pós-Licenciatura e

Leia mais

Curso: Direito Processual Civil-Executivo.

Curso: Direito Processual Civil-Executivo. Curso: Direito Processual Civil-Executivo. Formadora: Luísa Maria Pinto Teixeira. Licenciatura em Direito. Mestrado em Direito Judiciário (Direitos Processuais e Organização Judiciária). 1 Módulo: Os sujeitos

Leia mais

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov.

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov. Portaria O Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica, celebrado entre a República Portuguesa e o Banco Central Europeu, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional,

Leia mais

PRÁCTICA PROCESSUAL CIVIL

PRÁCTICA PROCESSUAL CIVIL PRÁCTICA PROCESSUAL CIVIL 3ª Sessão Carla de Sousa Advogada 1º Curso de Estágio 2011 1 Síntese da Sessão II Patrocínio Judiciário Mandato judicial Poderes conferidos Representação sem mandato Insuficiência

Leia mais

ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015

ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015 ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015 Interação entre A.E. e tribunal Um dos principais entraves ao regular funcionamento

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo I Disposições gerais

REGULAMENTO. Capítulo I Disposições gerais REGULAMENTO DO CENTRO DE ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA INSTITUCIONALIZADA DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º O presente Regulamento aplica-se às arbitragens que decorram

Leia mais

RERD. Regime Excecional de Regularização de Dívidas Fiscais e à Segurança Social FAQS

RERD. Regime Excecional de Regularização de Dívidas Fiscais e à Segurança Social FAQS RERD Regime Excecional de Regularização de Dívidas Fiscais e à Segurança Social FAQS Nota: As questões e respostas aqui indicadas destinam-se a exemplificar a aplicação prática do regime excecional de

Leia mais

O que mudou no R.C.P.

O que mudou no R.C.P. Regulamento das Custas Processuais O que mudou no R.C.P. CFFJ - 2012 Direção-geral da Administração da Justiça Nota prévia O presente trabalho tem como objetivo ajudar na compreensão das alterações introduzidas

Leia mais

Guia prático de procedimentos para os. Administradores de Insolvência.

Guia prático de procedimentos para os. Administradores de Insolvência. Guia prático de procedimentos para os Administradores de Insolvência. Índice Introdução 1. Requerimentos 2. Apreensão de bens 2.1. Autos de apreensão de bens 2.2. Apreensão de vencimento 2.3. Apreensão

Leia mais

Sumários de Acórdãos do

Sumários de Acórdãos do 2013 Sumários de Acórdãos do Tribunal Constitucional Direito do Trabalho Centro Informático 2014 ADVERTÊNCIA O texto aqui apresentado foi disponibilizado antes da publicação, pelo que pode não coincidir

Leia mais

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores.

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Administradores de insolvência ainda sem estatuto Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Económico, 23-04-12 As novas regras para o processo de insolvência

Leia mais

Prática Processual Civil. 1º Curso de Estágio de 2011 Ana Alves Pires Advogada Formadora OA

Prática Processual Civil. 1º Curso de Estágio de 2011 Ana Alves Pires Advogada Formadora OA Prática Processual Civil Ana Alves Pires Advogada Formadora OA 1 I. Actos das partes Prazos processuais II. Contagem dos prazos III. Prazo supletivo legal IV. Modalidades de prazos: peremptório e dilatório

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

CARTA DE. Identificação. públicos. imparcialidade. Pública. 1 Estado de Direito. Democrático. 7 Justiça. 3 Isenção. Fonte: PLACOR

CARTA DE. Identificação. públicos. imparcialidade. Pública. 1 Estado de Direito. Democrático. 7 Justiça. 3 Isenção. Fonte: PLACOR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CARTA DE SERVIÇO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO I. Identificação da Instituição Tribunal Administrativo II. Missão Garantir a justiça administrativa, fiscal e aduaneira ao cidadão,

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS PROCESSO TRIBUTÁRIO. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS PROCESSO TRIBUTÁRIO. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010 ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS PROCESSO TRIBUTÁRIO São João da Madeira, 30 de Março de 2010 1 LGT 1 JUROS DE MORA CPPT 2 NOTIFICAÇÕES E CITAÇÕES ELECTRÓNICAS 3 COMPENSAÇÃO DE DÍVIDAS 4 EXECUÇÃO

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA. Cláudio Basques. A garantia dos credos é o patrimônio do devedor.

DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA. Cláudio Basques. A garantia dos credos é o patrimônio do devedor. DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA Cláudio Basques A garantia dos credos é o patrimônio do devedor. LEI N. 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005 Nova Lei de Falências Art. 1º Esta lei disciplina a recuperação judicial,

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2. REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugada com a alínea b) do n.º 5 do artigo 34.º da Lei das

Leia mais

Direito Processual Civil II - Turma A

Direito Processual Civil II - Turma A Direito Processual Civil II - Turma A Regência: Professor Doutor Miguel Teixeira de Sousa 4 de Junho de 2015 Duração: 2h A intentou contra B e C uma ação, na secção cível do Tribunal da comarca do Porto.

Leia mais

SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL

SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL J u r i s p r u d ê n c i a d o s C o n s e l h o s SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL Parecer n.º 12/PP/2009-G Relator Dr. Marcelino Pires I. Introdução A Sra. Dra.... vem solicitar parecer

Leia mais

Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais

Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais 1 Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais Autora: Vânia Costa Ramos, a d v o g a d a estagiária, e-mail: Vaniacostaramos@netcabo.pt

Leia mais

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança Entra em vigor amanhã, dia 29 de Março de 2012, a Lei n.º 7/2012, de 13 de Fevereiro, que procede à alteração e republicação do Regulamento das Custas Processuais. Desde a entrada em vigor do actual Regulamento

Leia mais

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO NOME José Henrique Delgado Carvalho Teresa Maria de Melo Madail Manuel Nunes Ferreira Fernando J. F. Brites Maria Manuela Araújo Novais Estrela Celeste Simões Agentes de Execução INTERVENIENTES FUNÇÃO

Leia mais

Responsabilidade Civil para Órgãos de Administração e Fiscalização

Responsabilidade Civil para Órgãos de Administração e Fiscalização Este contrato de seguro garante a responsabilidade civil imputável aos membros dos órgãos de administração e fiscalização de sociedades comerciais, de acordo com o legalmente exigível no Código das Sociedades

Leia mais

Custas nos Processos sobre o estado das pessoas e jurisdição de menores

Custas nos Processos sobre o estado das pessoas e jurisdição de menores Regulamento das Custas Processuais Custas nos Processos sobre o estado das pessoas e jurisdição de menores CFFJ - 2012 Direção-geral da Administração da Justiça NOTA INTRODUTÓRIA A uniformização do sistema

Leia mais

LEI Nº 11.608, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 11.608, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2003 LEI Nº 11.608, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a Taxa Judiciária incidente sobre os serviços públicos de natureza forense O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Câmara dos Solicitadores Colégio de Especialidade de Agentes de Execução Número 6/2012 Data: 06/03/2012 FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Descrição: Comunicações com os tribunais e actualização estatística

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA JUSTIÇA

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA JUSTIÇA 2318-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 75 17 de Abril de 2009 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA JUSTIÇA Portaria n.º 419-A/2009 de 17 de Abril O Decreto -Lei n.º 34/2008, de

Leia mais

LIQUIDAÇÃO JUDICIAL MEIOS DISPONÍVEIS PARA SUA EFECTIVAÇÃO - Execução vs Insolvência

LIQUIDAÇÃO JUDICIAL MEIOS DISPONÍVEIS PARA SUA EFECTIVAÇÃO - Execução vs Insolvência CONFERÊNCIA LIQUIDAÇÃO JUDICIAL MEIOS DISPONÍVEIS PARA SUA EFECTIVAÇÃO - Execução vs Insolvência 1. Indicação da Modalidade de Venda 2. Venda por propostas em carta fechada 3. Adjudicação e seus efeitos

Leia mais

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO DESPACHO N.º /2015 Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de PREÂMBULO Considerando a experiência adquirida no Instituto Politécnico de (IP) com a aplicação

Leia mais

REGIME E TABELA DE EMOLUME TOS DO TRIBU AL DE CO TAS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. ARTIGO 1. (Emolumentos e encargos)

REGIME E TABELA DE EMOLUME TOS DO TRIBU AL DE CO TAS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. ARTIGO 1. (Emolumentos e encargos) REGIME E TABELA DE EMOLUME TOS DO TRIBU AL DE CO TAS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1. (Emolumentos e encargos) 1. Pelos serviços prestados pelo Tribunal de Contas e pela Direcção dos serviços Técnicos

Leia mais

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança PROCEDIMENTO EXTRAJUDICIAL PRÉ-EXECUTIVO A Lei n.º 32/2014, de 30 de Maio, aprovou o procedimento extrajudicial pré-executivo (PEPEX), que visa a identificação de bens penhoráveis antes de ser instaurada

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio.

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio. CONDIÇÕES GERAIS 1 Definições Para efeitos deste Contrato, entende-se por: 1.1 Partes envolvidas no contrato Empresa de seguros VICTORIA - Seguros de Vida, S.A., entidade que emite a apólice e que, mediante

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 900, DE 19 DE JULHO DE 2002. Disciplina o pagamento ou parcelamento de débitos de que trata o art. 11 da Medida Provisória nº 38, de 14 de maio de 2002.

Leia mais

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º2 do artigo 17º, conjugada com a alínea b) do n.º5 do artigo 34º da Lei das Autarquias Locais (Lei n.º169/99,

Leia mais

Assim: Nos termos da alínea a), do n. 1, do artigo 198. da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Assim: Nos termos da alínea a), do n. 1, do artigo 198. da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Foram ouvidos o Conselho Superior da Magistratura, o Conselho Superior do Ministério Público, a Ordem dos Advogados, a Câmara dos Solicitadores, o Conselho dos Oficiais de justiça, o Instituto de Seguros

Leia mais

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código Civil. 2012 16ª Edição. Atualização nº 1

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código Civil. 2012 16ª Edição. Atualização nº 1 Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código Civil 2012 16ª Edição Atualização nº 1 1 [1] Código do Trabalho CÓDIGO CIVIL Atualização nº 1 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 78/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações:

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: 1. Jurisdição internacional concorrente Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: I de alimentos, quando: a) o credor tiver domicílio ou residência no

Leia mais

MANUAL DE PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A ACÇÃO EXECUTIVA

MANUAL DE PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A ACÇÃO EXECUTIVA MANUAL DE PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A ACÇÃO EXECUTIVA ÍNDICE Perguntas e Respostas sobre a Acção Executiva I. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO MATERIAL 1. A que acções executivas se aplica

Leia mais

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento Preâmbulo A Lei n.º 31/2012, de 27 de fevereiro aprovou medidas destinadas a dinamizar o mercado de arrendamento urbano, alterando

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A ACÇÃO EXECUTIVA

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A ACÇÃO EXECUTIVA PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A ACÇÃO EXECUTIVA ÍNDICE: I. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO MATERIAL 1. A que acções executivas se aplica o novo regime da acção executiva? 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Leia mais

Sindicato dos Oficiais de Justiça

Sindicato dos Oficiais de Justiça Sindicato dos Oficiais de Justiça Alterações: - Declaração de Rectificação n.º 22/2008, de 24 de Abril - Lei n.º 43/2008, de 27 de Agosto - Decreto-Lei n.º 181/2008, de 28 de Agosto - Lei n.º 64-A/2008,

Leia mais

LEI N.º 23/96, DE 26 DE JULHO, ALTERADA PELA LEI N. O 12/2008, DE 26 DE FEVEREIRO, E PELA LEI N. O 24/2008, DE 2 DE JUNHO Serviços públicos essenciais

LEI N.º 23/96, DE 26 DE JULHO, ALTERADA PELA LEI N. O 12/2008, DE 26 DE FEVEREIRO, E PELA LEI N. O 24/2008, DE 2 DE JUNHO Serviços públicos essenciais LEI N.º 23/96, DE 26 DE JULHO, ALTERADA PELA LEI N. O 12/2008, DE 26 DE FEVEREIRO, E PELA LEI N. O 24/2008, DE 2 DE JUNHO Serviços públicos essenciais Artigo 1.º Objecto e âmbito 1 A presente lei consagra

Leia mais

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador.

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador. SEGURO-GARANTIA - CONDIÇÕES GERAIS Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador no contrato principal, firmado com o segurado, conforme os termos da apólice. I. Seguro-Garantia:

Leia mais

Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil

Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil Nota Justificativa O Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de Abril, publicado no âmbito do Programa Simplex, veio

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 10.514/12.4 TBVNG 6º Juízo Cível Insolvente: JOSÉ ANTÓNIO PIRES DE SOUSA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO LEI Nº 1552, DE 18 DE AGOSTO DE 2011. Disciplina a dação em pagamento de obras, serviços e bem móvel como forma de extinção da obrigação tributária no Município de Codó, prevista no inciso XI do artigo

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho)

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) Artigo 2.º Conceito de benefício fiscal e de despesa fiscal e respectivo controlo

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Falência. Continuação. 1.1) Da realização ativo. Art. 108, Lei 11.101/05. O administrador Judicial providenciará a realização do ativo. Pode ser por: leilão; proposta fechada ou pregão O porduto

Leia mais

CÂMARA DOS SOLICITADORES

CÂMARA DOS SOLICITADORES CÂMARA DOS SOLICITADORES REGULAMENTO DAS ESTRUTURAS E MEIOS INFORMÁTICOS DO ESCRITÓRIO DO AGENTE DE EXECUÇÃO Preâmbulo Considerando que nos termos estabelecidos na lei, no estatuto e regulamentação avulsa,

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Faturas - Mediadores de seguros que pratiquem operações isentas Processo: nº 4686, por despacho de 2013-05-15, do SDG do IVA, por delegação

Leia mais

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT P.º R. P. 301/04 DSJ-CT - Registo de hipoteca legal por dívidas à Segurança Social sobre bens dos gerentes da sociedade devedora. Documentos instrutórios : certidão comprovativa da dívida e cópia autenticada

Leia mais

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS ADENDA AO APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS Páginas 19 O artigo 1.º foi revogado pela Lei n.º 60/2005, de 29 de Dezembro: São revogados o artigo 1.º do Estatuto da Aposentação, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Inventário e Partilha

Inventário e Partilha 108 Inventário e Partilha Flávia de Azevedo Faria Rezende Chagas 1 O palestrante, Dr. Sérgio Ricardo de Arruda Fernandes, iniciou sua explanação abordando a abertura da via extrajudicial, prevista na Resolução

Leia mais

Intervenção proferida na Universidade Lusíada em 31 de Maio de 2013. 2

Intervenção proferida na Universidade Lusíada em 31 de Maio de 2013. 2 novidades na Acção Executiva 1 Sérgio Castanheira 2 Começo por agradecer o convite que me foi feito pela Universidade Lusíada, na pessoa do Sr. Conselheiro Cardona Ferreira, para estar presente nesta conferência,

Leia mais

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual.

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual. PROCESSO FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO FORMAÇÃO DO PROCESSO- ocorre com a propositura da ação. Se houver uma só vara, considera-se proposta a ação quando o juiz despacha a petição inicial; se houver

Leia mais

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2.

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2. Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I Disposições comuns Artigo 1. Objeto O presente despacho normativo regulamenta os pedidos de reembolso de imposto sobre o valor

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 34/2005 17/02 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/49/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa a um regime fiscal comum

Leia mais

Portaria n.º 10/2008 de 3 de Janeiro

Portaria n.º 10/2008 de 3 de Janeiro Portaria n.º 10/2008 de 3 de Janeiro (Com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 210/2008 de 29/2 e pela Portaria n.º 654/2010 de 11/8) SUMÁRIO Regulamenta a lei do acesso ao direito, aprovada pela

Leia mais

Proteção Jurídica Atualizado em: 12-12-2012

Proteção Jurídica Atualizado em: 12-12-2012 SEGURANÇA SOCIAL Proteção Jurídica Atualizado em: 12-12-2012 Esta informação destina-se a que cidadãos Pessoas e entidades sem fins lucrativos que não tenham condições para pagar as despesas associadas

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2014

SEGUROS DE VIDA IRS 2014 SEGUROS DE VIDA IRS 2014 (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2014 - Seguros de Vida Índice 3 Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2. Tributação dos benefícios 2.1. Indemnizações por

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

Acção decorrente de contrato de mútuo ( que se pretende seja declarado nulo) Exmo Sr. Doutor Juiz de Direito

Acção decorrente de contrato de mútuo ( que se pretende seja declarado nulo) Exmo Sr. Doutor Juiz de Direito Acção decorrente de contrato de mútuo ( que se pretende seja declarado nulo) Exmo Sr. Doutor Juiz de Direito Vara de competência mista e juízos criminais de Coimbra 1 (identificação do Tribunal art. 467º

Leia mais

DOCUMENTO PRÁTICO PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

DOCUMENTO PRÁTICO PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA Portaria n.º 10/2008, de 3 de Janeiro Foram inseridas em local próprio as alterações operadas pela portaria 210/2008, de 29.02. Regulamento n.º 330-A/2008 (DR II SÉRIE, 24.06) - Regulamento de Organização

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos.

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos. Pº R.P. 16/2008 SJC-CT- Registo de hipoteca legal nos termos do artº 195º do CPPT Título Suficiência Despacho do Chefe de Serviço de Finanças competente que a requerimento do executado autorize a substituição

Leia mais

10 de Setembro 2013 Contencioso de Cobrança

10 de Setembro 2013 Contencioso de Cobrança DAS OPERAÇÕES DE CRÉDITOS, JUROS REMUNERATÓRIOS, CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E MORA DO DEVEDOR O Decreto-Lei n.º 58/2013, de 8 de Maio estabelece as novas normas aplicáveis à classificação e contagem dos prazos

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS DA ASSOCIAÇÃO MUTUALISTA TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS DA ASSOCIAÇÃO MUTUALISTA TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS DA ASSOCIAÇÃO MUTUALISTA TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA CAPÍTULO I Dos associados Secção I Das condições gerais de inscrição Artigo 1º (Inscrição) 1 - Poderão ser inscritos neste Regulamento

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ

CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ Regulamento das Taxas e Preços Municipais Nota justificativa A disciplina legal atinente à matéria das taxas a cobrar pelas autarquias locais encontra-se plasmada na Lei que estabelece

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Guilherme Campos) Dispõe sobre juros de mora e atualização monetária dos débitos judiciais. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta lei disciplina os juros de mora

Leia mais

Deliberação do Conselho Geral da Câmara dos Solicitadores de 07/01/2011

Deliberação do Conselho Geral da Câmara dos Solicitadores de 07/01/2011 Deliberação do Conselho Geral da Câmara dos Solicitadores de 07/01/2011 Considerando que: a) Quando um agente de execução cessa funções é essencial transferir os bens de que seja fiel depositário e apurar

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2015

SEGUROS DE VIDA IRS 2015 SEGUROS DE VIDA IRS 2015 (Lei n.º 82-B/2014 de 31 de Dezembro e Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2015 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2.

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Proposta de Lei nº /

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Proposta de Lei nº / REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Proposta de Lei nº / de de LEI DO ACESSO AOS TRIBUNAIS A garantia do acesso aos tribunais constitui a concretização de um princípio basilar do

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Regulamento Administrativo nº 24/2003

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Regulamento Administrativo nº 24/2003 1 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU Regulamento Administrativo nº 24/2003 Condições da Apólice Uniforme do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil das Embarcações de Recreio O Chefe do Executivo,

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

FUNDO DE GARANTIA SALARIAL

FUNDO DE GARANTIA SALARIAL FUNDO DE GARANTIA SALARIAL Velho e Amaro Jorge Advogado 1 OFGStem hoje o seu regime estabelecido no D.L. 59/2015, de 21 de Abril e entrado em vigor em 4/5/2015, tendo sido, consequentemente, revogados

Leia mais

REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DE EXECUÇAO DAS APOSTAS DESPORTIVAS À COTA EM QUE OS JOGADORES JOGAM UNS CONTRA OS OUTROS

REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DE EXECUÇAO DAS APOSTAS DESPORTIVAS À COTA EM QUE OS JOGADORES JOGAM UNS CONTRA OS OUTROS REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DE EXECUÇAO DAS APOSTAS DESPORTIVAS À COTA EM QUE OS JOGADORES JOGAM UNS CONTRA OS OUTROS O Regime Jurídico dos Jogos e Apostas online (RJO), aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo REGULAMENTO DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL SÃO PAULO Artigo 1º O Centro de Arbitragem 1.1. O Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara Portuguesa de Comércio

Leia mais

Penhoras por meios electrónicos

Penhoras por meios electrónicos Penhoras por meios electrónicos nicos Pedro Amorim pedro.amorim@lusolegal.pt Conferência da CTOC 13 e 14 de Julho de 2007 Enquadramento A função da penhora Sumário Ordem dos bens penhoráveis Formalismos

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

Tax News Flash nº 11/2014 Os impostos peça a peça

Tax News Flash nº 11/2014 Os impostos peça a peça 30 de Outubro de 2014 Tax News Flash nº 11/2014 Os impostos peça a peça Lei n.º 20/14, de 22 de Outubro Aprovação do Código das Execuções Fiscais Foi publicada, no Diário da República do dia 22 de Outubro

Leia mais

Portaria n.º 10/2008 - de 3 de Janeiro (Com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 210/2008 - de 29 de Fevereiro)

Portaria n.º 10/2008 - de 3 de Janeiro (Com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 210/2008 - de 29 de Fevereiro) Portaria n.º 10/2008 - de 3 de Janeiro (Com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 210/2008 - de 29 de Fevereiro) A presente portaria procede à regulamentação da Lei n.º 34/2004, de 29 de Julho,

Leia mais

RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS

RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS Natureza e finalidade do Processo Reclamações de créditos Impugnações de créditos Sentença de verificação e graduação Classes de créditos Artigo 1.º Finalidade do processo de insolvência

Leia mais

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br TRIBUTO - CONCEITO 1. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Na atividade de cobrança do tributo a autoridade administrativa pode, em determinadas circunstâncias, deixar de aplicar a lei. 2. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Segundo

Leia mais

Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Despacho n.º 19 642/2007 de 30 de Agosto

Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Despacho n.º 19 642/2007 de 30 de Agosto Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Despacho n.º 19 642/2007 de 30 de Agosto Considerando que a entidade fiscalizadora do trânsito Câmara Municipal de Lisboa através da Polícia Municipal e da EMEL,

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

Regulamento das Custas Processuais

Regulamento das Custas Processuais Regulamento das Custas Processuais Aprovado pelo Decreto-Lei n o 34/2008, de 26 de Fevereiro. O presente diploma entra em vigor no dia 20 de Abril de 2009 conforme disposto na Lei n o 64-A/2008, de 31

Leia mais

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação.

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação. 1. Execução Resumo A Lei 11.232/05 colocou fim à autonomia do Processo de Execução dos Títulos Judiciais, adotando o processo sincrético (a fusão dos processos de conhecimento e executivo a fim de trazer

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais