É mais fácil ser justo do que prudente. Diogo Antonio Feijó

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "É mais fácil ser justo do que prudente. Diogo Antonio Feijó"

Transcrição

1 É mais fácil ser justo do que prudente. Diogo Antonio Feijó

2 SUMÁRIO: 1. ANTECEDENTES (LINHA DO TEMPO); 2. ORGANIZAÇÃO DO ESTADO; 3. REGÊNCIA TRINA PROVISÓRIA; 4. REGÊNCIA TRINA PERMANENTE; 5. TENDÊNCIAS (PARTIDOS) POLÍTICAS; 6. O ATO ADICIONAL DE 1834; 7. A REGÊNCIA UNA; 8. O GOLPE DE MAIORIDADE; 9. AS REBELIÕES REGENCIAIS; 10. CABANAGEM; 11. SABINADA; 12. BAILAADA; 13. REVOLTAS ESCRAVAS (CARRANCAS, MALÊS E MANOEL CONGO); 14. FARROUPILHAS; 15. GOLPE DA MAIOR IDADE; 16. CONCLUSÃO; 17. AVALIAÇÃO (QUESTÕES).

3 BRASIL IMPÉRIO PRIMEIRO REINADO PERIODO REGENCIAL SEGUNDO REINADO

4 Revolução Liberal Curso de filosofia positiva ANTECEDENTES Guerra do Ópio 830 1º IMPÉRIO D Pedro I 17 JUN 1831 Regência Trina Provisória REGÊNCIA TRINA PERMANENTE Idade Contemporânea Século XIX 12 OUT 1835 REGÊNCIA UNA Pe FEIJÓ 19 SET 1837 REGÊNCIA UNA ARAÚJO LIMA Min Capacidades Dez1830 Código Criminal 7Abr1831 Abdicação Tutor: José Bonifácio 29Nov1832 Código Processo Criminal ( Liberal ) 24Set1834 Morte D. Pedro I Duque de Bragança 12Ago1835 Ato Adicional Constituição Jul1840 Golpe da Maioridade 12Maio1840 Lei Interpretativa Ato Adicional 18Ago1831 Criação da Guarda Nacional 7Nov Lei Feijó Proíbe o Tráfico de Escravos Revolta dos Cabanos PE 1833 Carrancas - MG 1835 Revolta dos Malês BA Revolução Farroupilha RS/SC Cabanagem PA Sabinada BA 1838 Manuel Congo RJ Balaiada MA D. Pedro José Bonifácio Feijó Araújo Lima

5 13ª/14ª AULAS OBJETO DE CONHECIMENTO 09: PERÍODO REGENCIAL OBJETIVOS: -ENTENDER A ORGANIZAÇÃO DAS REGÊNCIAS TRINAS E O PROCESSO POLÍTICO QUE AS SUBSTITUIU PELA REGÊNCIA UNA; -RELACIONAR O GOLPE DA MAIORIDADE ÀS REVOLTAS OCORRIDAS NO PERÍODO; -ENTENDER AS PRINCIPAIS REVOLTAS POPULARES OCORRIDAS AO LONGO DO PERÍODO REGENCIAL, IDENTIFICANDO OS GRUPOS ENVOLVIDOS E SEUS INTERESSES E AS CONSEQUÊNCIAS DOS LEVANTES.

6 Transição até a maioridade de D. Pedro II. Instabilidade política (agitações internas). Fases: Regência Trina Provisória (Abr/Jun. 1831); Regência Trina Permanente ( ); Regência Una do Padre Feijó ( ); Regência Una de Araújo Lima ( ). AVANÇO LIBERAL REGRESSO CONSERVADOR

7 2. Organização do Estado Constituição Política Imperial de 1824 Poder MODERADOR Conselho de Estado Imperador Poder LEGISLATIVO Assembleia Geral Senado Câmara Poder EXECUTIVO Poder JUDICIÁRIO Supremo Tribunal de Justiça Imperador Gabinete Presidente (*) Ministros Províncias Presidente Conselhos (*) 1847

8 Regências e revoltas no Brasil CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO REGENCIAL -Transição até a maioridade; -Instabilidade política (agitações internas); -Crises e revoltas; -Ameaças à unidade territorial; -Formação de três grupos políticos; -Alternância de medidas centralizadoras com medidas descentralizadoras. Regência Trina Provisória Abr/Jul1831 Regência Trina Permanente Jul Regência Una do Pe Feijó AVANÇO LIBERAL Regência Una de Araújo Lima REGRESSO CONSERVADOR

9 O agravamento da situação econômica e o anseio das camadas popular e média por uma maior participação política vão gerar revoltas em vários pontos do país, sempre esmagadas com rigor pelas forças governistas.

10 3. REGÊNCIA TRINA PROVISÓRIA Abr/Jul 1831 SENADOR JOSÉ JOAQUIM CARNEIRO DE CAMPOS (BAHIA) SENADOR NICOLAU PEREIRA DE CAMPOS VERGUEIRO (SÃO PAULO) BRIGADEIRO FRANCISCO DE LIMA E SILVA

11 4. REGÊNCIA TRINA PERMANENTE Jul1831- Out 1835 DEPUTADO JOÃO BRÁULIO MUNIZ (MARANHÃO) DEPUTADO JOSÉ DA COSTA CARVALHO (BAHIA) BRIGADEIRO FRANCISCO DE LIMA E SILVA Gabinete Moderado* Ministro da Justiça: Padre Diogo Antonio Feijó Homem forte da Regência.

12 REGÊNCIA TRINA PERMANENTE Jul Out Ago 1831 Guarda Nacional (Feijó conter agitações) 7 Nov 1831 Proibição do Tráfico de Escravos 29 Nov 1832 Código de Processo Criminal 24 Set 1834 Morte D. Pedro I (Duque de Bragança) 10 Jun 1835 Pena de morte aos escravos revoltosos 12 Ago 1835 Ato Institucional 1832 Revolta dos Cabanos / PE 1833 Revolta de Carrancas / MG 1835 Revolta dos Malês / BA 1835 Cabanagem / PA 1835 Revolução Farroupilha / RS : 13 rebeliões militares

13 Regência Trina Permanente ( ): 1- Composição FRANCISCO DE LIMA, BRÁULIO MUNIz ( Norte) e COSTA CARVALHO (Sul). Caráter mais liberal e menos conservador. Objetivo manter o status Quo- combater as revoltas. 2- Grupos políticos são redesenhados. Os Exaltados( Liberais radicais)- defendiam o federalismo e a democratização da sociedade. Os Moderados(PB)- queriam conservar a estrutura política do Império e o fim da vitaliciedade do senado. Os Restauradores( PP+PB)- manter o Império do Brasil ligado a Portugal.

14 Ministro da Justiça- Padre Feijó( Moderado). -Criação da Guarda Nacional- Composta membros da elite e cidadãos com direito ao voto. -Extinguiu as revoltas liberais. -Fortalecimento de Feijó..Tenta derrubar José Bonifácio (restaurador) Responsável por D. Pedro II..Organizou o golpe + moderador (Assembleia não deu apoio)..com o poder esvaziado Feijó abdicou o cargo de Ministro da Justiça.

15 -O golpe fracassou mais as reformas foram implementadas- Avanço Liberal. Código de Processo Criminal (1832) Habeas Corpus Ato Adicional Reforma a Constituição Institui o federalismo ( Assembleias Legislativa Provinciais). Substitui a Regência Trina pela Regência Una -Com a morte de D. Pedro I é redesenhado novamente os partidos políticos. Fim dos restauradores. Progressista- concorda com o Ato Adicional e descentralização política. Regressista- contra o Ato adicional e defendia o centralismo

16 REGÊNCIA TRINA PERMANENTE Jul 1831/24 Out 1835 Lei de 7 de Novembro de 1831 Declara livres todos os escravos vindos de fóra do Império, e impõe penas aos importadores dos mesmos escravos.... Art. 1º Todos os escravos, que entrarem no territorio ou portos do Brazil, vindos de fóra, ficam livres. Art. 2º Os importadores de escravos no Brazil incorrerão [...], imposta aos que reduzem á escravidão pessoas livres... Obs.: A Lei não teve efetividade e não foi devidamente aplicada. O tráfico continuou.

17 5. TENDÊNCIAS (PARTIDOS) POLÍTICOS PRIMEIRO REINADO PORTUGUÊS BRASILEIRO 1831 RESTAURADORES Caramurus LIBERAIS MODERADOS Chimangos PERÍODO REGENCIAL 1834/1836 Partido REGRESSISTA 1840 SEGUNDO REINADO Partido CONSERVADOR Saquaremas Gabinete da Conciliação Liga Progressista LIBERAIS EXALTADOS Farroupilhas Partido PROGRESSIST A Partido LIBERAL Luizas

18 RESTAURADORES Caramurus LIBERAIS MODERADOS Chimangos LIBERAIS EXALTADOS Jurujubas - Farroupilhas Comerciantes e militares portugueses (José Bonifácio) Retorno de D. Pedro I Absolutismo monárquico Desaparecem em 1834 Aristocracia rural (Padre Feijó) Federalismo, depois...monarquia centralizada Voto censitário Ordem interna e unitarismo Classe média urbana Descentralização Federalismo Autonomia provincial Voto direto Obs.: O abolicionismo e o republicanismo ainda não estavam na pauta.

19 Tendências políticas do período: Restauradores ou Caramurus: Portugueses, descendentes de portugueses e burocratas ligados ao antigo governo de D. Pedro I. Contrários a qualquer reforma política (conservadores). Absolutistas. Objetivo: volta de D. Pedro I. Liberais Moderados ou Chimangos: Proprietários rurais especialmente do Sudeste. Monarquistas e escravistas. Federalismo com forte controle do RJ (centralizadores). Principal força política que controlava o governo na época.

20 Liberais Exaltados ou Farroupilhas ou Jurujubas: Proprietários rurais de regiões periféricas sem influência do RJ, classe média urbana e setores do exército. Fim da monarquia e proclamação da República. Federalismo (grande autonomia provincial). Alguns pregavam ideais democráticos inspirados na Revolução Francesa. Foco de revoltas.

21 DESENVOLVIMENTO DOS PARTIDOS POLÍTICOS:

22 6. O ATO ADICIONAL DE 1834; Lei nº 16, de 12 de Agosto de 1834 ATO INSTITUCIONAL Altera a Constituição Política do Império de Criou as Assembleias Legislativas Provinciais (L) - Transformou a Regência Trina em Regência Una (Regente eleito por voto direto, para um período de 4 anos) - Suprimiu o Conselho de Estado (L) - Rio de Janeiro: município neutro Obs.: Nesse ato, os liberais não conseguiram inserir o fim da vitaliciedade do Senado.

23 7. REGÊNCIA UNA 7.1. DIOGO ANTÔNIO FEIJÓ(24 Out 1835 / 19 Set 1837) AVANÇO LIBERAL Líder moderado de tendência Progressista Momento de graves agitações e forte oposição política 19 Set 1837: renúncia => oposição crescente e insucessos na repressão no PA e RS 1835/1840 Cabanagem / PA 1835/1845 Revolução Farroupilha / RS 1835 Malês / BA 1837 /1838 Sabinada / BA 1838 Revolta de Manuel Congo / RJ O vulcão da anarquia ameaça devorar o Império: aplicai a tempo o remédio. Passe-os a ferro e a fogo. Feijó

24 Regência de Feijó ( ) Várias revoltas pelo país (Cabanagem, Sabinada e Revolução Farroupilha). Divisão nos Liberais Moderados (ver quadro do slide 4): Progressistas (posteriormente liberais): classe média urbana, alguns proprietários rurais e alguns membros do clero. Favoráveis a Feijó e ao Ato Adicional. Regressistas (posteriormente conservadores): maioria dos grandes proprietários, grandes comerciantes e burocratas. Centralizadores e contrários ao Ato Adicional. Feijó renuncia em 1837 (oposição crescente).

25 7.2. PEDRO DE ARAÚJO LIMA - Marquês de Olinda 19 Set 1837 / 23 Jul 1840 Regresso Conservador Ascensão política dos barões do café Coesão da Aristocracia Rural: enfrentamento das rebeliões Programa Regressista: reduzir as medidas descentralizadoras 12 Maio 1840 Lei Interpretativa do Ato Adicional Reação progressista: Clube da Maioridade (15Abr1840) 1835/1840 Cabanagem / PA 1835/1845 Revolução Farroupilha / RS 1837/1838 Sabinada / BA 1838/1841 Início da Balaiada / MA 1838 Revolta de Manuel Congo / RJ Ordem, elemento essencial da liberdade.

26 Medidas -Criação da Guarda Nacional (liberal) -Lei Feijó -Código de Processo Criminal (liberal) -Ato Adicional (liberal) -Combate aos movimentos revoltosos -Lei Interpretativa do Ato Adicional (Conservadora)

27 Regência de Araújo Lima ( ) -Regressistas no poder. -Retorno da centralização monárquica. -Criação do Colégio Pedro II, Arquivo Público Nacional e Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro ( Ministério das Capacidades Bernardo Pereira de Vasconcelos, ministro da Justiça). -Lei Interpretativa do Ato Adicional (Mai /1840): anulação prática do Ato Adicional. -Capital (RJ) com poderes para nomear funcionários públicos, controlar órgãos da polícia e da justiça nos Estados. -Aumento de disputas entre Regressistas X Progressistas.

28 -Fundação do Clube da Maioridade (1840): -Grupo Progressista (ou Liberais). Antecipação da maioridade de D. Pedro II. Imperador = paz interna. Golpe da Maioridade vitória do grupo liberal. Fim do período regencial.

29

30 O agravamento da situação econômica e o anseio das camadas popular e média por uma maior participação política vão gerar revoltas em vários pontos do país, sempre esmagadas com rigor pelas forças governistas.

31 Revoltas Regenciais Minas Gerais Carrancas (1833) RJ Manuel Congo (1838)

32 10. CABANAGEM ( ) Grão-Pará (PA e AM) REVOLTAS DAS ELITES -Elites locais com participação popular (indígenas, negros e mestiços); -FÉLIX MALCHER, PEDRO VINAGRE E EDUARDO ANGELIM; -Ressentimento pelo centralismo do poder central; -As elites reivindicavam o direito de escolher o Presidente da Província; -Inconformismo com as precárias condições de vida da população; -1834: morte de um proprietário rural (Manuel Vinagre); -1835: rebeldes tomam Belém e matam o Presidente da Província; -Governam por 10 meses divergência das lideranças; -Tropas imperiais recuperam a capital; -O movimento permaneceu no interior até 1840; Estima-se que resultou na morte de 30% da população da Província.

33 CABANAGEM - PARÁ ( )

34 -No início do Período Regencial, a situação da população pobre do Grão-Pará era péssima. Mestiços e índios viviam na miséria total. Sem trabalho e sem condições adequadas de vida, os cabanos sofriam em suas pobres cabanas às margens dos rios. Esta situação provocou o sentimento de abandono com relação ao governo central e, ao mesmo tempo, muita revolta. -A Cabanagem explodiu no Pará, região frouxamente ligada ao Rio de Janeiro. A estrutura social não tinha aí estabilidade de outras províncias, nem havia uma classe de proprietários rurais bem estabelecida. Era um mundo de índios, trabalhadores, escravos ou independentes, e de uma minoria branca, formada por comerciantes portugueses e uns poucos ingleses e franceses. Boris Fausto"

35 CAUSAS: Isolamento da província, discordância dos participantes com o governo de D. Pedro I OBJETIVOS: Independência da Província e Proclamação de uma república LÍDERES: ANTÔNIO E FRANCISCO VINAGRE; TERMINOU: Reação violenta do governo: houve entre 30 ou 40 mil mortos; CARACTERÍSTICAS Ampla participação popular (índios, negros, mestiços, escravos ou livres, porém, todos sem posses). Luta contra desigualdades. Sem programa político definido. Chegaram a tomar o poder mas foram traídos (Antônio Malcher, Francisco Vinagre e Eduardo Angelim).

36 -primeiro movimento popular que chegou ao poder no Brasil, apesar de ter sido mal conduzido e rapidamente derrotado pela regência. -Por ser a mais popular das revoltas, foi a mais severamente reprimida (30 mil mortos ou 25% da população total da Província). -As lideranças anônimas da Cabanagem: DOMINGOS ONÇA, MÃE DA CHUVA, JOÃO DO MATO, SAPATEIRO, REMEIRO, GIGANTE DO FUMO, CHICO VIADO, PEPIRA, ZEFA DE CIMA, ZEFA DE BAIXO, MARIA DA BUNDA, etc.

37 -Contando com o apoio inclusive de tropas de mercenários europeus, o governo central brasileiro usou toda a força para reprimir a revolta, que ganhava cada vez mais poder. Após cinco anos de sangrentos combates, o governo regencial conseguiu reprimir a revolta. Em 1840, muitos cabanos tinham sido presos ou mortos em combates. A revolta terminou sem que os cabanos conseguissem atingir seus objetivos.

38 11.SABINADA (Nov 1837 Mar 1838) Bahia REVOLTAS DAS ELITES -Profissionais liberais, pequenos comerciantes, funcionários públicos, artesãos e militares. -Líder: médico FRANCISCO SABINO -Reação dos grupos liberais exaltados ao domínio do governo central -Desejo inicial de separação (República Baiense) -Revolta das tropas do forte de São Pedro -Governo Imperial reprimiu a rebelião e retomou Salvador -Os líderes foram condenados à morte, mas foram anistiados em 1840* -Estima-se que resultou na morte de pessoas e a prisão de 3 mil pessoas. (*) Decreto Imperial de 22 de Agosto de 1840 (D. Pedro II)

39 SABINADA BAHIA (1837) Bandeira da República Bahiense, proclamada durante a rebelião.

40 -CAUSAS: Oposição ao centralismo, renuncia de Feijó e eleição de Araújo Silva -OBJETIVO: Falta de propostas concretas, não tinha caráter separatista. -LÍDER: FRANCISCO SABINO ÁLVARES DA ROCHA. -TERMINOU: prisão ou morte.

41 CARACTERÍSTICAS -Dificuldades econômicas da Província (causa principal) e recrutamento forçado para lutar contra os Farrapos no sul (causa imediata). -Objetivo: República Provisória até a maioridade de D. Pedro II. -Adesão da classe média urbana. -Líderes presos ou mortos e expulsos da Bahia.

42 12.BALAIADA ( ) Maranhão REVOLTAS DAS ELITES -Liberais ( bem-te-vis ) + proprietários rurais e segmentos médios; -Vários grupos sociais (vaqueiros, pequenos produtores, artesãos), com adesão dos escravos; -Líderes: Raimundo Gomes, Manoel dos Anjos e Preto Cosme; -Divergências entre as elites conservadoras e liberais; -Reação dos liberais ao governo conservador (perseguições políticas); -Reação ao recrutamento forçado de pequenos agricultores; -Caso do vaqueiro RAIMUNDO GOMES; -Caso do agricultor e fabricante de cestos MANOEL DOS ANJOS; -Insurreição de 3 mil escravos liderados por PRETO COSME (proposta de união); -A cidade de Caxias foi tomada. -Luís Alves de Lima e Silva venceu os rebeldes em (barão de Caxias) -Mais de 3 mil mortos. Preto Cosme foi executado em 1842.

43 BALAIADA MARANHÃO

44 CAUSAS: crise econômica do algodão e divergências entre grupos locais OBJETIVO: Falta de propostas concretas e atitudes anti-lusitanas LÍDER:-BALAIOS: Raimundo Gomes, Manuel Francisco dos Anjos e o preto Cosme -LEGALISTAS: Barão de Caxias TERMINOU: prisão e condenação à morte.

45 CARACTERÍSTICAS Manuel dos Anjos Ferreira (o Balaio ), Raimundo Gomes (o Cara Preta ) e Negro Cosme Bento: principais líderes. Causas: pobreza generalizada, concorrência com algodão dos EUA, privilégios de latifundiários e comerciantes portugueses. Vinganças pessoais (sem projeto político). Desunião entre participantes. Manipulados e traídos pelos liberais locais ( bem-te-vis ). Reprimidos por Luís Alves de Lima e Silva (futuro Duque de Caxias).

46 13. REVOLTAS ESCRAVAS Década de 1830: aumento do tráfico => revoltas e formação de quilombos. Escravos de diferentes origens étnicas: dificultava a formação de identidades culturais. Estavam acostumados a situação escrava. O escravos nascidos no Brasil, os crioulos, pouco participavam dos movimentos. Lutavam para manter melhores condições de cativeiro, para se libertar e para tomar outros seus escravos. O Decreto Imperial de 11 de abril de 1829 não deixava brechas para o pedido de graça e comutação. Instrumento de coerção para os demais.

47 13.REVOLTAS ESCRAVAS CARRANCAS (1833) Minas Gerais -Escravos; Local: curato de São Tomé das Letras, freguesia de Carrancas e comarca do Rio das Mortes. -Líder: VENTURA MINA; -Péssimo tratamento recebido pelos escravos no cativeiro; -VENTURA e dezenas de escravos se amotinaram, inicialmente na Fazenda Campo Alegre, mataram 10 pessoas (filho do proprietário) e alguns fugiram para o interior; -Resistência dos proprietários. Ventura foi morto; -Castigo exemplar: 16 escravos condenados ao enforcamento.

48 REVOLTAS ESCRAVAS 13.2REVOLTA DOS MALÊS (1835) (Salvador) Bahia -Malês: escravos ou libertos mulçumanos nascidos na África. -Cerca de 600 africanos. -Repressão das autoridades locais a suas manifestações religiosas -Destruição de uma mesquita e interrupção de uma festa islâmica -Prepararam um levante, cujo objetivo era transformar os brancos e cativos nascidos no Brasil em escravos. -O movimento foi descoberto, antecipando a ação das forças policiais. -Os revoltosos reagiram e foram derrotados. Cerca de 70 foram mortos. -Centenas foram presos. Quatro foram executados. Incentivada pela insurreição das Carrancas e pelo Levante dos Malês, foi promulgada a Lei de 10 de junho de 1835, estabelecendo a pena de morte aos escravos que matarem o ferirem seus senhores.

49 13.REVOLTAS ESCRAVAS REVOLTA DE MANUEL CONGO (1838) (Paty do Alferes) Rio de Janeiro 600 escravos Criar um quilombo. Líder: Manuel Congo Luís Alves de Lima e Silva conseguiu reprimir a rebelião. Os rebeldes foram perseguidos e presos. Manuel Congo foi executado por insurreição. A sociedade aristocrática, onde o trabalho servil era sua base de sustentação, acreditava que apenas o medo da morte atenuaria a revolta escrava.

50 14. FARROUPILHA ( ) Rio Grande do Sul e Santa Catarina Revolta Farroupilha ou Guerra dos Farrapos; -Elite dos estancieiros (criadores de gado e mulas) e Charqueadores Militares, um grupo italianos e escravos; -Líderes: Bento Gonçalves, David Canabarro e Giuseppe Garibaldi; Causas:.Centralismo;.Questão dos impostos sobre o charque;.nomeação do Presidente da Província -20 Set os rebeldes tomam Porto Alegre (Marciano Pereira assume) -Adesão de oficiais do Exército -Repressão do governo Proclamam a República Rio-Grandense ou República de Piratini derrota para tropas imperiais Bento Gonçalves é preso e foge 1838 vitórias Farroupilhas: República de Piratini

51 FARROUPILHA ( ) Rio Grande do Sul e Santa Catarina -Pressão do Governo Imperial -Os rebeldes avançam sobre Santa Catarina tomam Laguna -Proclamam a República Juliana -Divergências entre os líderes (moderados monarquistas) Imposto sobre o charque importado Caxias no Comando (Combate e concessão) Batalha de Porongos (Lanceiros Negros) Acordo (Paz do Poncho Verde) - Anistia - Incorporação de oficiais farroupilhas ao Exército - Transferência de dívidas - Devolução das terras confiscadas - Estima-se que o conflito tenha causado mais de 47 mil mortes.

52 REPÚBLICA JULIANA David Canabarro REPÚBLICA PIRATINI Giuseppe Garibaldi Laguna Anita Garibaldi Porto Alegre Piratini Rosas Bento Gonçalves Caxias

53 Também conhecida como Revolução Farroupilha, a Guerra dos Farrapos foi um conflito regional contrário ao governo imperial brasileiro e com caráter republicano. Ocorreu na província de São Pedro do Rio Grande do Sul, entre 20 de setembro de 1835 e 1 de março de Não se pode afirmar com segurança que os farrapos desejavam separar-se do Brasil, formando um novo país com o Uruguai e as províncias do Prata. Seja como for, um ponto comum entre os rebeldes era o de fazer o Rio Grande do Sul, pelo menos, uma província autônoma, com rendas próprias, livre da centralização de poder imposta pelo Rio de Janeiro. Boris Fausto

54 Sob a liderança do barão de Caxias, as forças imperiais tentavam instituir a repressão ao movimento; a partir daí, Duque de Caxias iniciou os diálogos que deram fim ao movimento separatista; em 1844, depois da derrota farroupilha na batalha de Porongos, um grupo de líderes separatistas foi enviado à capital federal para dar início as negociações de paz. Após várias reuniões, estabeleceram os termos do Convênio do Ponche Verde, em março de 1845; com a assinatura do acordo, foi concedida anistia geral aos revoltosos, o saneamento das dívidas dos governos revolucionários e a libertação dos escravos que participaram da revolução;

55 15. O GOLPE DA MAIORIDADE -Devido às crescentes agitações políticas do período, além das revoltas que ocorriam em algumas províncias, a unidade territorial e política do Brasil estava abalada. Este temor, claro, era observado com maior vivacidade pela ala conservadora da política brasileira, formada por pessoas ligadas à corte. - O clima era bem instável e já havia, desde 1835, vontade de que D. Pedro II ocupasse o trono, mesmo sem idade para tal. - Com o tempo foi crescendo a ideia de que a figura do jovem Pedro II ocupando o trono e ditando os rumos do país seria a única salvação para os problemas do Brasil.

56 -De acordo com a Constituição, Dom Pedro II só atingiria a sua maioridade quando completasse 18 anos de idade. -Foi fundado o Clube da Maioridade pelos Liberais, que acionou a Campanha da Maioridade, um movimento que defendia a ideia de que Dom Pedro II, mesmo com menos de 15 anos, estava preparado para assumir o governo do Brasil; -Esse Partido apresentou um projeto para a antecipação da maioridade do Imperador, declarando Dom Pedro II como maior de idade, mas as forças conservadoras se colocaram em oposição aos liberais, que por sua vez foram às ruas fazer manifestações e recebendo o apoio do povo. E, com toda essa pressão popular em meados de 1840, Dom Pedro II foi considerado maior de idade, com 15 anos incompletos, dando início ao Segundo Reinado ( ).

57 16. CONCLUSÃO. - O desgaste político crescente de D.Pedro I resultou em sua abdicação em 07 de abril de Foram fatores determinantes para esse fato a derrota na Guerra da Cisplatina, as dificuldades financeiras e a crise sucessória de Portugal, após a morte de D. João VI. -O período regencial foi uma das fases políticas de maior agitação ocorrida no Brasil. -Ao longo desse período, muitas províncias se rebelaram contra o centro do poder regencial situado no Rio de Janeiro e, em alguns casos, declararam-se independentes (Sabinada, na Bahia; Balaiada, no Maranhão, e Farrapos, no Sul);

58 - As principais mudanças ocorridas pelos regentes foram a criação da Guarda Nacional e do o Ato Adicional de 1834 (criação das Assembleias Provinciais aspiração dos liberais exaltados e da Regência Una aspiração dos liberais moderados) - A diversidade de projetos políticos e de sociedade para a nação alimentou movimentos separatistas e rebeliões contra o poder central, unindo a população carente e escravos à elite em suas necessidades contra o poder real. - Os líderes dos balaios e escravizados no Maranhão tiveram uma punição mais rigorosa (pena capital) do que os separatistas do sul (estanceiros) que foram anistiados e tiveram suas necessidades atendidas. -Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, foi o grande líder militar que pacificou o país e manteve a unidade da grande extensão territorial

59 17. VERIFICAÇÃO 1ª QUESTÃO (ENEM 2010 adaptada) Após a abdicação de D. Pedro I, o Brasil atravessou um período marcado por inúmeras crises: as diversas forças políticas lutavam pelo poder e as reivindicações populares eram por melhores condições de vida e pelo direito de participação na vida política do país. Os conflitos representavam também o protesto contra a centralização do governo. Nesse período, ocorreu também a expansão da cultura cafeeira e o surgimento do poderoso grupo dos "barões do café", para o qual era fundamental a manutenção da escravidão e do tráfico negreiro. O contexto do Período Regencial foi marcado: ( ) por revoltas populares que reclamavam a volta da monarquia. ( ) por várias crises e pela submissão das forças políticas ao poder central. ( ) pela luta entre os principais grupos políticos que reivindicavam melhores condições de vida. ( X ) pela convulsão política e por novas realidades econômicas que exigiam o reforço de velhas realidades sociais. X

60 2ª QUESTÃO (UNIFOR/CE adaptada) Analise o mapa que indica os locais onde explodiram as principais rebeliões durante o período regencial: (COSTA Luis C.A. MELLO; Leonel I.A. História do Brasil. São Paulo:Scipione, p. 175) Sobre os movimentos indicados no mapa pode-se afirmar que: ( X )para além das disputas partidárias e das crises institucionais, as raízes das revoltas podiam ser encontradas no regime escravista, na pobreza urbana e no abandono do sertão; ( )de modo geral, todos os movimentos possuíam caráter políticoideológico sobre uma base social definida: a defesa dos ideais de igualdade e de liberdade dos escravos negros do país; ( ) embora houvesse divergências entre os grupos participantes, o sucesso dos movimentos promoveu transformações sociais significativas, sobretudo quanto ao latifúndio e à escravidão; ( ) o quadro social era favorável à radicalização política, canalizada para a rebelião pelos liberais exaltados, incentivados pelos fazendeiros e por setores populares descontentes com os regentes;

61 3ª QUESTÃO (UEL/PR adaptada) Com a abdicação de D. Pedro I, configuraram-se três tendências políticas que se debateram durante todo o Período Regencial. Estamos nos referindo aos: ( )progressistas, positivistas e liberais; ( )republicanos, conservadores e regressistas moderados; ( X ) restauradores ou caramurus, moderados ou chimangos e exaltados ou farroupilhas; ( ) republicanos ou jurujubas, positivistas ou regressistas e liberais ou moderados 4ªQUESTÃO (UFSC/SC adaptada) Indique a(s) proposição(ões) verdadeira(s) que se relaciona(m) com o Período Regencial, ocorrido no Brasil ( ): 1 - O governo permaneceu sob controle dos portugueses. 2 - O Brasil viveu momentos de instabilidade política, com inúmeras rebeliões. 4 - Os regentes extinguiram a Constituição do Império. 8 - Os militares proclamaram a República do Brasil. SOMATÓRIA ( ) 2

62 5ª QUESTÃO (UFMG adaptada) O período compreendido entre a abdicação de D. Pedro I e o Golpe da Maioridade propiciou: ( ) o fortalecimento do Exército, que adquire, a partir de então, preponderante papel político; ( X ) o acirramento das posições relativas ao centralismo e descentralismo político-administrativo; ( ) a participação efetiva da Igreja nas questões relativas ao sistema escravocrata; ( ) a consolidação, em nível político, dos partidos Liberal e Conservador; 6ª QUESTÃO (UNB adaptada) As principais alterações introduzidas pelo Ato Adicional de 1834 à Constituição do Império foram: ( ) maior autonomia para os estados e criação do Conselho de Estado; ( ) maior autonomia para as Províncias e criação da Regência Trina; ( X ) maior autonomia para as províncias e criação da Regência Una; ( ) maior autonomia para os regentes e criação do Conselho de Estado;

63 7ª QUESTÃO(PUC-PR adaptada) A Cabanagem, Balaiada, Guerra dos Farrapos e Sabinada ocorreram, respectivamente, nas Províncias do: ( ) Pará, Pernambuco, Maranhão, Bahia; ( ) Pará, Maranhão, Rio Grande do Sul, Minas Gerais; ( ) Maranhão, Pará, Rio Grande do Sul, Bahia; ( X ) Pará, Maranhão, Rio Grande do Sul, Bahia; 8ª QUESTÃO (UCS/RS adaptada) Ao longo do Primeiro Reinado e do Período Regencial ( ), a unidade do Império Brasileiro foi várias vezes ameaçada por movimentos armados desencadeados em vários pontos do território nacional. Assinale a alternativa correta acerca desses movimentos: ( ) Sabinada ( ), na Bahia, Balaiada ( ), no Maranhão, e Farroupilha ( ), no Rio Grande do Sul, foram algumas das lutas que tiveram em comum as seguintes reivindicações: estabelecimento de um sistema monárquico descentralizado; transformações na estrutura fundiária, através de uma reforma agrária; abolição da escravatura e defesa dos interesses das camadas populares. ( X ) A Guerra dos Farrapos, também conhecida como Revolução Farroupilha, foi a mais longa guerra civil brasileira, estendendo-se por cerca de dez anos ( ) e chegando a separar a Região Sul do resto do País. Colocou frente a frente, em violentos combates, as forças comandadas pelos estancieiros gaúchos e as tropas do governo imperial, que era acusado de prejudicar os negócios da Província do Rio Grande do Sul.

64 ( )contou com a participação de segmentos sertanejos vaqueiros, pequenos proprietários e artesãos opondo-se aos bem-te-vis, em luta com os negros escravos rebelados, que buscavam nos cabanos apoio aos seus anseios de liberdade; ( ) As revoltas do Período Regencial apresentaram pontos comuns. Entre eles, podem ser citados os interesses defendidos (todas lutaram pelo fim da escravidão e defendiam os interesses das camadas populares) e o objetivo pretendido em relação ao governo central (eram unânimes na idéia de separar, do restante do território brasileiro, as respectivas regiões onde ocorreram as revoltas). ( ) Em 1848 eclodiu uma rebelião em Pernambuco, conhecida como Revolta Praieira, que, diferentemente das demais ocorridas no mesmo período, foi influenciada por idéias do pensamento socialista europeu. Os revoltosos, denominados praieiros, defendiam um programa avançado para a época: a rejeição da propriedade privada e a formação de comunidades autossuficientes. 9ª QUESTÃO: O Período Regencial, compreendido entre 1831 a 1840, foi marcado por grande instabilidade, causada pela disputa entre os grupos políticos para o controle do Império e também por inúmeras revoltas, que assumiram características bem distintas entre si. Em 1838, eclodiu, no Maranhão, a Balaiada, somente derrotada três anos depois. Pode-se dizer que esse movimento:

65 ( ) foi de revolta das classes populares contra os proprietários. Opôs os balaios (sertanejos) aos grandes senhores de terras em aliança com escravos e negociantes; (X ) foi, inicialmente, o resultado das lutas internas da Província, opondo cabanos (conservadores) a bem-te-vis (liberais), aprofundadas pela luta dos segmentos sertanejos liderados por Manuel Francisco dos Anjos, e pela insurreição de escravos, sob a liderança do Negro Cosme, dando características populares ao movimento; ( ) lutou pela extinção da escravidão no Maranhão, pela instituição da República e pelo controle dos sertanejos sobre o comércio da carne verde e da farinha então monopólio dos bem-te-vis, sendo o seu caráter multiclassista a razão fundamental de sua fragilidade; 10ª QUESTÃO (MACKENZIE adaptada) Do ponto de vista político, podemos considerar o Período Regencial como: ( ) uma época conturbada politicamente, embora sem lutas separatistas que comprometessem a unidade do país; ( ) um período em que as reivindicações populares, como direito de voto, abolição da escravidão e descentralização política, foram amplamente atendidas; ( ) uma transição para o regime republicano que se instalou no país a partir de 1840;

66 ( X ) uma fase extremamente agitada com crises e revoltas em várias províncias, geradas pelas contradições das elites, classe média e camadas populares; 11ª QUESTÃO (UFGO adaptada) O Período Regencial apresentou as seguintes características, menos: ( ) Durante as Regências surgiram nossos primeiros partidos políticos: o Liberal e o Conservador. ( X ) O Partido Liberal representava as novas aspirações populares, revolucionárias e republicanas. ( ) Foi um período de crise econômica e social que resultou em revoluções como a Cabanagem e a Balaiada. ( ) Houve a promulgação do Ato Adicional à Constituição, pelo qual o regente passaria a ser eleito diretamente pelos cidadãos com direito de voto.

67 12ª QUESTÃO (UMC adaptada) O Golpe da Maioridade, datado de julho de 1840 e que elevou D. Pedro II a imperador do Brasil, foi justificado como sendo: ( X ) uma estratégia para manter a unidade nacional, abalada pelas sucessivas rebeliões provinciais; ( ) o único caminho para que o país alcançasse novo patamar de desenvolvimento econômico e social; ( ) a melhor saída para impedir que o Partido Liberal dominasse a política nacional; ( ) a forma mais viável para o governo aceitar a proclamação da República e a abolição da escravidão;

68 13ª QUESTÃO (FUVEST adaptada) A Sabinada que agitou a Bahia entre novembro de 1837 e março de 1838: ( ) tinha objetivos separatistas, no que diferia frontalmente das outras rebeliões do período; ( X ) foi uma rebelião contra o poder instituído no Rio de Janeiro que contou com a participação popular; ( ) assemelhou-se à Guerra dos Farrapos, tanto pela posição antiescravista quanto pela violência e duração da luta; ( ) aproximou-se, em suas proposições políticas, das demais rebeliões do período pela defesa do regime monárquico;

69 14ª QUESTÃO (UNITAU adaptada) Sobre o Período Regencial ( ), é incorreto afirmar que: ( X ) foi um período de intensa agitação social, com a Cabanagem no Rio Grande do Sul e a guerra dos Farrapos no Rio de Janeiro; ( ) passou por três etapas: regência trina provisória, regência trina e regência una; ( ) foi criada a Guarda Nacional, formada por tropas controladas pelos grandes fazendeiros; ( ) através do Ato Adicional as províncias ganharam mais autonomia; 15ª QUESTÃO (UFPI adaptada) Não representa uma fase do período regencial do Brasil: ( ) Regência Trina Provisória ( ) Regência Trina Permanente ( ) Regências Unas ( ) Regência Trina monárquica X

70 16ª QUESTÃO (UFPA adaptada) Depois da abdicação de D.Pedro I até o ano de 1834, a vida política do Brasil foi dominada por grupos políticos que disputavam o poder, dentre os citados abaixo qual NÃO representa um grupo político dessa época? ( ) Restauradores ( ) Liberais Exaltados ( ) Liberais moderados ( X ) Progressistas 17ª QUESTÃO Aponte qual era a principal questão que deu início às rebeliões regenciais: ( ) O interesse das províncias em promover o retorno de D. Pedro I ao poder. ( ) A exigência popular em tornar o Brasil independente de Portugal. ( X ) Disputas políticas entre as elites e as condições de pobreza da maior parte dos brasileiros. ( ) A tentativa portuguesa em restabelecer o seu monopólio colonial sobre o Brasil.

71 18ª QUESTÃO (UFRJ adaptada) A criação da Guarda Nacional, em 1831, durante o governo regencial, teve como um de seus objetivos. ( ) Apoiar o governo de Pedro I na consolidação da independência. ( ) defender a integridade das fronteiras ameaçadas de invasão ( X ) Conter as agitações e amotinações que ameaçavam a Nação ( ) Combater a influência da aristocracia rural na vida política. 19ª QUESTÃO: O período regencial no Brasil ( ) foi um dos mais agitados da história política do país. Foram questões centrais do debate político que marcaram esse período, EXCETO: ( ) a questão do grau de autonomia das províncias. ( ) a preocupação com a unidade territorial brasileira. ( ) os temas da centralização e descentralização do poder. ( ) o acirramento das discussões sobre o processo abolicionista. X

72 20ª QUESTÃO (FGV adaptada) A abdicação de D. Pedro I em 1831 deu início ao chamado período regencial, sobre o qual se pode afirmar: I. As elites nacionais reformaram o aparato institucional de modo a estabelecer maior descentralização política. II. Foi um período convulsionado por revoltas, entre elas, a Farroupilha e a Sabinada. III. D. Pedro II sucedeu ao pai e impôs, logo ao assumir o trono, reformas no regime escravista. IV. O exercício do Poder Moderador pelos regentes e pelo Exército conferia estabilidade ao regime. As afirmativas corretas são: ( X ) I e II ( ) I, II e III ( ) I e III ( ) II, III e IV

73 21ª QUESTÃO(UEL adaptada) "...valorizava-se novamente o município, que fora esquecido e manietado durante quase dois séculos. Resultava a nova lei na entrega aos senhores rurais de um poderoso instrumento de impunidade criminal, a cuja sombra renascem os bandos armados restaurando o caudilhismo territorial (...). O conhecimento de todos os crimes, mesmo os de responsabilidade (...), pertencia à exclusiva competência do Juiz de Paz. Este saía da eleição popular, competindolhe ainda todas as funções policiais e judiciárias: expedições de mandatos de busca e sequestro, concessão de fianças, prisão de pessoas,..." Em relação ao período regencial brasileiro, o texto refere-se ( ) ao Ato Adicional. ( ) à Lei de Interpretação. ( X ) ao Código de Processo Criminal. ( ) à criação da Guarda Nacional.

74 22ª QUESTÃO (UFRGS 2011 adaptada) O cargo de juiz de paz teve suas funções regulamentadas pelo Código de Processo Criminal de Esses juízes representavam o liberalismo brasileiro durante o período regencial. Esses magistrados eram ( ) nomeados diretamente pelo Imperador, exercendo as funções de chefe de polícia. ( ) designados diretamente pelo ministro da Justiça, exercendo as funções de promotor público. ( X ) eleitos pelos cidadãos para exercer funções conciliatórias e de qualificação eleitoral. ( ) eleitos pelos deputados gerais para administrar os bens dos órfãos e de pessoas ausentes. Comentário: O ano de 1832 foi marcado por uma série de medidas consideradas liberais, no início do período regencial. Nesse período, o ministro da justiça Feijó, era o homem forte do governo e ao criar o cargo de juiz de paz procurou descentralizar as estruturas administrativas. Os juízes de paz seriam eleitos localmente pelo voto censitário; eles teriam funções de controle moral, papel conciliatório e eleitoral.

75 23ªQUESTÃO (UECE adaptada) "O período regencial foi um dos mais agitados da história política do país e também um dos mais importantes. Naqueles anos, esteve em jogo a unidade territorial do Brasil, e o centro do debate político foi dominado pelos temas da centralização ou descentralização do poder, do grau de autonomia das províncias e da organização das Forças Armadas." (FAUSTO, Boris. HISTÓRIA DO BRASIL. 2 ed. São Paulo: EDUSP, p. 161.) Sobre as várias revoltas nas províncias durante o período da Regência, podemos afirmar corretamente que: ( ) eram levantes republicanos em sua maioria, que conseguiam sempre empolgar a população pobre e os escravos ( ) a principal delas foi a Revolução Farroupilha, acontecida nas províncias do nordeste, que pretendia o retorno do Imperador D. Pedro I ( X ) podem ser vistas como respostas à política centralizadora do Império, que restringia a autonomia financeira e administrativa das províncias ( ) em sua maioria, eram revoltas lideradas pelos grandes proprietários de terras e exigiam uma posição mais forte e centralizadora do governo imperial

76 24ª QUESTÃO (Mackenzie adaptada) Do ponto de vista político podemos considerar o período regencial como: ( ) uma época conturbada politicamente, embora sem lutas separatistas que comprometessem a unidade do país. ( ) um período em que as reivindicações populares, como direito de voto, abolição da escravidão e descentralização política foram amplamente atendidas. ( ) uma transição para o regime republicano que se instalou no país a partir de ( X ) uma fase extremamente agitada com crises e revoltas em várias províncias, geradas pelas contradições das elites, classe média e camadas populares.

77 25ª QUESTÃO (FUVEST adaptada) O período regencial foi politicamente marcado pela aprovação do Ato Adicional que: ( ) criou o Conselho de Estado. ( ) implantou a Guarda Nacional. ( X ) transformou a Regência Trina em Regência Una. ( ) extinguiu as Assembleias Legislativas Provinciais. 26ª QUESTÃO(Fuvest adaptada) Em agosto de 1831, Feijó cria a Guarda Nacional. Qual o papel dessa instituição militar no Período Regencial e no Segundo Reinado? Resposta: Com a Guarda Nacional, começa a se constituir no país uma força armada vinculada diretamente à aristocracia rural, com organização descentralizada, composta por membros da elite agrária e seus agregados. Os oficiais de alta patente são eleitos nas regiões e, para muitos historiadores, é um dos componentes fundamentais do coronelismo político instituição não-oficial determinante na política brasileira e que chega ao apogeu durante a República Velha.

78 27ª QUESTÃO (UFRS adaptada) Associe os acontecimentos e medidas políticas do Brasil Império listados na coluna 1 com as respectivas conjunturas políticas constantes na coluna 2. Coluna Avanço Liberal 2 - Regresso Conservador Coluna 2 ( ) aprovação do Código de Processo Criminal ( ) criação da Guarda Nacional ( ) definição dos partidos políticos imperiais ( ) aprovação do Ato Adicional ( ) Lei de Interpretação do Ato Adicional A sequência numérica correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é ( ) ( ) ( X ) ( )

79 28ª QUESTÃO (UFRGS 2008 adaptada) Assinale a alternativa correta em relação aos eventos políticos ocorridos no período regencial. ( ) Na Regência Una do Padre Feijó, foi suspenso parcialmente o uso do Poder Moderador pelos regentes. ( X ) Na Regência Una de Araújo Lima, promulgou-se a Lei Interpretativa do Ato Adicional. ( ) Na Regência Trina Provisória, foram criados os partidos progressista, regressista, liberal e conservador. ( ) Na Regência da Princesa Isabel, eclodiu o movimento oposicionista da Confederação do Equador.

80 29ª QUESTÃO (UFV 2010 adaptada) Observe a imagem a seguir: Com relação à Guarda Nacional, criada durante o Império, é CORRETO afirmar que: ( )funcionava como única força armada que podia defender os interesses dos escravistas e coibir a fuga dos escravos. ( )objetivava o controle da Corte e da burocracia imperial, alvos frequentes de manifestações populares de descontentamento. ( X ) tinha por finalidade a garantia da segurança e da ordem, defendendo a Constituição, a obediência às leis e a integridade do Império. ( ) atuava na defesa das fronteiras externas brasileiras, impedindo a expansão dos países platinos em direção ao território brasileiro. Comentários: A Guarda Nacional foi uma força paramilitar organizada por lei no Brasil durante o período regencial para assegurar o respeito à Constituição em vigor e conter rebeliões nas províncias. Foi desmobilizada em 1922.

81 30ª QUESTÃO (ESPM 2011 adaptada) No século XIX, quando o Brasil era um império, ocorreu a aprovação de medida que continha algumas significativas decisões, tais como: Art. 1º - Câmaras dos Distritos e Assembleias substituirão os Conselhos Gerais, sendo estabelecido em todas as províncias com o título de Assembleias Legislativas Provinciais. Art. 26º - Se o Imperador não tiver parente algum, que reúna as qualidades exigidas, será o Império governado, durante a sua menoridade, por um regente eletivo e temporário, cujo cargo durará quatro anos, renovando-se para esse fim a eleição de quatro em quatro anos. Art. 32º - Fica suprimido o Conselho de Estado. (Ilmar Rohloff de Mattos. O Império da Boa Sociedade: A consolidação do Estado Imperial Brasileiro) Os artigos devem ser relacionados com: ( ) Constituição de 1891; ( ) Código do Processo Criminal; ( ) Projeto da Mandioca; ( X ) Ato Adicional de 1834.

82 Comentários: Questão que exige conhecimento específico e memorização. Ao ler o texto é necessário saber e lembrar que tais mudanças foram realizadas pelo Ato Adicional, conjunto de leis de 1834 que promoveu alterações na Constituição do país. Tais medidas pretendiam promover menos centralização da estrutura política e, para muitos historiadores, representou uma experiência republicana, pois garantia alguma autonomia às províncias e estabelecia a eleição do governante, com mandato definido, num modelo que se assemelhava ao existente nos Estados Unidos. 31ª QUESTÃO (UFC 2009 adaptada) O Ato Adicional, decretado no período das regências no Brasil pela Lei n0. 16, de 12 de agosto de 1834, estabeleceu algumas modificações na Constituição de Acerca dessas alterações, assinale a alternativa correta. ( ) O Conselho de Estado foi reorganizado para que fosse possível conter os conflitos provinciais. ( ) Os presidentes provinciais passaram a ser eleitos e a ter o poder de aprovar leis e resoluções referentes ao controle dos impostos. ( ) O estabelecimento da Regência Una, ao invés da Regência Trina, significou a eleição de um único regente, com mandato até a maioridade de D. Pedro II. ( X ) As assembleias legislativas provinciais foram criadas para proporcionar autonomia política e administrativa às províncias no intuito de atender às demandas locais.

83 32ª QUESTÃO (UFC 2008 adaptada) Em 07 de abril de 1831, o Imperador D. Pedro I renunciou ao trono do Brasil, deixando como herdeiro seu filho de apenas cinco anos de idade, o futuro D. Pedro II. a. Cite quatro elementos que provocaram a renúncia de D. Pedro I. b. Como ficou conhecido o sistema de governo que vigorou no período entre a abdicação de D. Pedro I e a coroação de D. Pedro II? c. O que motivou a instalação desse sistema de governo? d. Cite dois fatores que contribuíram diretamente para a antecipação da coroação de D. Pedro II, por meio do "golpe da maioridade". Resposta: a. No início da década de 1830, a continuidade do reinado de D. Pedro I tornou-se insustentável. A crise financeira, desencadeada pelo declínio das exportações, pelo crescente endividamento externo e pelos gastos com a Guerra da Cisplatina, resultou em um aumento da inflação e no agravamento da pobreza. A isso somou-se a insatisfação com a centralização do poder e o autoritarismo do Imperador, levando a intensos conflitos entre facções favoráveis (em sua maioria ligados ao Partido Português) e contrárias (em sua maioria ligados ao Partido Brasileiro) ao Imperador. Outro fator importante foi o empenho do Imperador na luta a favor de seu irmão, D. Miguel, o qual disputava, com a própria filha, D. Maria II, a sucessão do trono português, após a morte de D. João VI. A junção destes elementos provocou a renúncia do Imperador ao trono brasileiro em favor de seu filho, o príncipe D. Pedro de Alcântara.

84 b/c. A menoridade do herdeiro, que tinha, à época da abdicação, apenas cinco anos de idade, o impossibilitou de governar. Por esse motivo, foi estabelecido um governo regencial, que deveria dirigir o Império até que o príncipe atingisse a maioridade. Entretanto, alguns fatores ligados à disputa política entre Regressistas (depois chamados Conservadores) e Progressistas (depois chamados Liberais) e às revoltas e rebeliões que ocorriam nas províncias, fomentaram o "golpe da maioridade", antecipando a coroação do príncipe, que foi declarado Imperador do Brasil, sob o título de D. Pedro II, em 1840, quando tinha apenas 14 anos de idade. Foram causas imediatas disso: a ascensão dos Regressistas (Conservadores) ao poder, com a regência de Pedro Araújo Lima (1837) e o consequente alijamento dos Progressistas (Liberais); a limitação da autonomia provincial, com a aprovação da Lei de Interpretação do Ato Adicional (1840); a articulação entre liberais e palacianos ou áulicos em favor da antecipação da maioridade do príncipe herdeiro; o interesse dos grandes proprietários rurais em restabelecer a "ordem social", convulsionada pelos sucessivos levantes populares ocorridos no período regencial, como a Revolta dos Malês (1835); o desejo das elites políticas de evitar que a unidade territorial brasileira fosse quebrada por movimentos separatistas, como a Farroupilha (1835) e a Sabinada (1837).

85 33ª QUESTÃO (FUVEST adaptada) Bernardo Pereira Vasconcelos, político brasileiro do período regencial, afirmou na segunda metade dessa fase da História do Brasil ser necessário "parar o carro da revolução". a. Qual o contexto político e social a que ele se referiu com essa avaliação? b. Como foi encaminhada a superação dessa situação? Respostas: a. existência de rebeliões regenciais. b. A aristocracia rural reprimiu a esses movimentos com a guarda nacional.

86 34ª QUESTÃO (UFRRJ adaptada) O texto a seguir refere-se ao período da política regencial no Brasil. A Câmara que se reunia em 1834 trazia poderes constituintes para realizar a reforma constitucional prevista na lei de 12 de outubro de De seu trabalho resultou o Ato Adicional publicado a 12 de agosto de 1834 (...) O programa de reformas já fora estabelecido na lei de 12 de outubro, o Senado já manifestara sua concordância em relação ao mesmo e só havia em aberto, questões de pormenor. No decorrer das discussões poder-se-ia fixar o grau maior ou menor das autonomias provinciais, mas já havia ficado decidido que não se adotaria a monarquia federativa, o que marcava como que um teto à ousadia dos constituintes. CASTRO, P. P. de. A experiência republicana, In: HOLANDA, S. B. de. "História Geral da Civilização Brasileira." v. 4. São Paulo: Difel, 1985, p. 37. a. Cite duas reformas instituídas pelo Ato Adicional de 12 de agosto de Resposta: O Ato Adicional de 1834 transformou a Regência Trina em Regência Una e estabeleceu a criação das Assembleias Legislativas nas províncias brasileiras. b. Aponte a razão pela qual se costuma dizer que a Regência correspondeu a uma "experiência republicana". Resposta: O governo regencial representou uma vitória dos liberais moderados, que avançaram algumas propostas descentralizadoras de governo. Mas apesar de derrotados, algumas das propostas dos exaltados foram ao menos parcialmente contempladas. Entre elas está a autonomia provincial.

Período Regencial Prof. Thiago História C Aula 11

Período Regencial Prof. Thiago História C Aula 11 Período Regencial 1831-1840 Prof. Thiago História C Aula 11 Regência Trina Provisória formada desde que Dom Pedro I abdicou ao trono do Brasil, responsável organizar a eleição da Regência Trina Permanente.

Leia mais

O PERÍODO REGENCIAL ( ):

O PERÍODO REGENCIAL ( ): O PERÍODO REGENCIAL (1831 1840): Transição até a maioridade de D. Pedro II. Instabilidade política (agitações internas). Fases: Regência Trina Provisória (abr/jul 1831); Regência Trina Permanente (1831

Leia mais

HISTÓRIA PERÍODO REGÊNCIAL

HISTÓRIA PERÍODO REGÊNCIAL HISTÓRIA PERÍODO REGÊNCIAL BRASIL IMPÉRIO 1822-1889 PRIMEIRO REINADO 1822-1831 PERIODO REGENCIAL 1831-1840 SEGUNDO REINADO 1840-1889 Transição até a maioridade de D. Pedro II. Instabilidade política (agitações

Leia mais

BRASIL IMPÉRIO ( )

BRASIL IMPÉRIO ( ) Transição até a maioridade de D. Pedro II. Instabilidade política (agitações internas). Fases: Regência Trina Provisória (abr/jul 1831); Regência Trina Permanente (1831 1834); Regência Una do Padre Feijó

Leia mais

BRASIL IMPÉRIO PERÍODO REGENCIAL

BRASIL IMPÉRIO PERÍODO REGENCIAL BRASIL IMPÉRIO PERÍODO REGENCIAL PERÍODO REGENCIAL Regência Trina Provisória (Abril Junho de 1831) senador Nicolau Pereira de Campos Vergueiro senador José Joaquim Carneiro de Campos brigadeiro Francisco

Leia mais

BRASIL IMPÉRIO REVOLTAS REGENCIAIS. Professor: Edson Martins

BRASIL IMPÉRIO REVOLTAS REGENCIAIS. Professor: Edson Martins BRASIL IMPÉRIO REVOLTAS REGENCIAIS Professor: Edson Martins Cabanagem (1835 1840) A rebelião explodiu no Pará Causas: revolta dos liberais contra o presidente nomeado pelo governo regencial situação de

Leia mais

Está correto o que se afirma somente em a) II e III. b) I. c) I e II. Página 1 de 5

Está correto o que se afirma somente em a) II e III. b) I. c) I e II. Página 1 de 5 1. (Uece 2014) O período historicamente conhecido como Período Regencial foi caracterizado a) por rebeliões populares cujas ações exigiam o retorno da antiga realidade social com a volta de Pedro I ao

Leia mais

H13 - Analisar a atuação dos movimentos sociais que contribuíram para mudanças ou rupturas em processos de disputa pelo poder.

H13 - Analisar a atuação dos movimentos sociais que contribuíram para mudanças ou rupturas em processos de disputa pelo poder. H13 - Analisar a atuação dos movimentos sociais que contribuíram para mudanças ou rupturas em processos de disputa pelo poder. Período Regencial no Brasil Situação política no Brasil Grupos e Disputas

Leia mais

Rio de Janeiro Brasil Império

Rio de Janeiro Brasil Império Rio de Janeiro Brasil Império As revoltas regencias foram movimentos armados contra o governo e ocorreram em vários pontos do país entre 1835 e 1845 CABANAGEM BALAIADA MALÊS SABINADA FARROUPILHA CABANAGEM

Leia mais

PERÍODO REGENCIAL O Período Regencial corresponde ao período da História, em que o Brasil foi governado por Regentes

PERÍODO REGENCIAL O Período Regencial corresponde ao período da História, em que o Brasil foi governado por Regentes PERÍODO REGENCIAL 1831-1840 O Período Regencial corresponde ao período da História, em que o Brasil foi governado por Regentes REGENTES são governantes que substituem o rei ou Imperador se forem menores

Leia mais

Revoltas provinciais no período Regencial Brasil século XIX. Colégio Ser! História 8º ano Profª Marilia Coltri

Revoltas provinciais no período Regencial Brasil século XIX. Colégio Ser! História 8º ano Profª Marilia Coltri Revoltas provinciais no período Regencial Brasil século XIX Colégio Ser! História 8º ano Profª Marilia Coltri Revoltas provinciais do período regencial Devido a excessiva centralização do poder político

Leia mais

Primeiro reinado

Primeiro reinado Primeiro reinado 1822-1831 Professor: Tácius Fernandes Blog: www.proftaciusfernandes.wordpress.com Coroação de D. Pedro I (1 Dez 1822) Ordem social e econômica do período colonial: Latifúndio, monocultura,

Leia mais

O Primeiro Reinado

O Primeiro Reinado O Primeiro Reinado 1822-1831 Contexto Pós proclamação da independência : Em 7 de setembro de 1822. Independência ou Morte!(Autoria Pedro Américo,1888 Contexto A nova Nação necessitava de organização político-administrativa;

Leia mais

BRASIL IMPÉRIO. Primeiro e Segundo Reinados. Prof. Rodrigo Toledo

BRASIL IMPÉRIO. Primeiro e Segundo Reinados. Prof. Rodrigo Toledo BRASIL IMPÉRIO Primeiro e Segundo Reinados Prof. Rodrigo Toledo PRIMEIRO REINADO Definição O primeiro Reinado do Brasil é o nome dado ao período em que D. Pedro I governou o Brasil como Imperador, entre

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA BRASIL IMPÉRIO E PERÍODO REGENCIAL PRIMEIRO REINADO 1822-1831 PERIODO REGENCIAL 1831-1840 SEGUNDO REINADO 1840-1889

Leia mais

REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRAS DOS FARRAPOS. 20 de setembro de de setembro de 1845 LOCAL RIO GRANDE DO SUL

REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRAS DOS FARRAPOS. 20 de setembro de de setembro de 1845 LOCAL RIO GRANDE DO SUL REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRAS DOS FARRAPOS 20 de setembro de 1835-11 de setembro de 1845 LOCAL RIO GRANDE DO SUL FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO DA HISTÓRIA DO BRASIL GOVERNO PADRE FEIJÓ

Leia mais

PRIMEIRO REINADO ( )

PRIMEIRO REINADO ( ) PRIMEIRO REINADO (1822 1831) 7 de setembro de 1822 Independência ou morte? O grito do Ipiranga. Pedro Américo. 1888. A proclamação da Independência. François- René Moreaux. 1844. Os desafios após a independência

Leia mais

ROF.º OTTO TERRA BRASIL: 1º REINADO ( )

ROF.º OTTO TERRA BRASIL: 1º REINADO ( ) ROF.º OTTO TERRA BRASIL: 1º REINADO (1822-1831) Jean Baptiste Debret O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO BRASIL INDEPENDENTE Estados Unidos da América A Doutrina Monroe (A América para os americanos )

Leia mais

CONSERVADORES LIBERAIS

CONSERVADORES LIBERAIS CONSERVADORES desejavam a criação de um governo fortemente centralizado, com uma monarquia dotada de amplos poderes LIBERAIS desejavam a criação de uma monarquia constitucional e a descentralização administrativa

Leia mais

Primeiro Reinado. Professora Adriana Moraes História

Primeiro Reinado. Professora Adriana Moraes História Primeiro Reinado O Primeiro Reinado é a fase da História do Brasil que corresponde ao governo de D. Pedro I. Tem início em 7 de setembro de 1822, com a Independência do Brasil e termina em 7 de abril de

Leia mais

Rev. Liberais do Século XIX e Período Regencial

Rev. Liberais do Século XIX e Período Regencial Rev. Liberais do Século XIX e Período 1. (PUC-RJ) O Congresso de Viena, concluído em 1815, após a derrota de Napoleão Bonaparte, baseou-se em três princípios políticos fundamentais. Assinale a opção que

Leia mais

Período Regencial ( )

Período Regencial ( ) HISTÓRIA DO BRASIL Período Regencial (1831-40) No período que foi de 1831 até 1840, o Brasil foi governado por regentes, uma vez que D. Pedro de Alcântara (futuramente D. Pedro II) ainda era menor de idade

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 3ª Etapa 2014 Disciplina: História Ano: 8 Professor (a): Rodrigo Turma: Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação. Faça a

Leia mais

BRASIL: SEGUNDO REINADO

BRASIL: SEGUNDO REINADO Período: 1840 1889 Golpe da Maioridade deu início ao Segundo Reinado CONSOLIDAÇÃO DO ESTADO As Eleições do Cacete Disputa eleitoral entre: Partido Conservador e Partido Liberal Nessas eleições aconteceram

Leia mais

1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS PROF. FELIPE KLOVAN

1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS PROF. FELIPE KLOVAN SEGUNDO REINADO 1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS SEGUNDO REINADO Golpe da maioridade 1840 Novo gabinete do governo Liberal de curta existência. Conservadores retornam ainda no mesmo ano ao governo.

Leia mais

Independência do Brasil 1822

Independência do Brasil 1822 Independência do Brasil 1822 A Independência se deu por meios pacíficos, proclamada por um membro da família real. Em 01 de Dezembro de 1822, Dom Pedro I foi coroado e consagrado Imperador e Defensor Perpétuo

Leia mais

Período Regencial ( )

Período Regencial ( ) HISTÓRIA DO BRASIL Período Regencial (1831-40) No período que foi de 1831 até 1840, o Brasil foi governado por regentes, uma vez que D. Pedro de Alcântara (futuramente D. Pedro II) ainda era menor de idade

Leia mais

Aula 15- A Crise do Império de Novembro de 1889

Aula 15- A Crise do Império de Novembro de 1889 Aula 15- A Crise do Império 1870-1889 15 de Novembro de 1889 Silêncio! Dom Pedro está governando o Brasil. z z z Proclamação da República A Questão Militar A Questão Religiosa Questão Abolicionista A

Leia mais

Instituição de Ensino Academia Horácio Berlinck

Instituição de Ensino Academia Horácio Berlinck Page 1 of 6 Professores Adriano >> Aulas Apoio Aulas de apoio Aulas de Apoio: O Período Regencial (1831-1840) A situação política As regências e os grupos que disputavam o poder Em 1831, D. Pedro I abdicou

Leia mais

O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS

O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1820-1822 COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS O 7 DE SETEMBRO: A INDEPENDÊNCIA FOI SOMENTE O GRITO DO IPIRANGA? OS SIGNIFICADOS DA INDEPENDÊNCIA Emancipação ou

Leia mais

O Período Regencial

O Período Regencial O Período Regencial - 1831-1840 -> primeira experiência brasileira de poder -> "é concluído o processo de emancipação" (Caio Prado Júnior) -> "experiência republicana no seio da monarquia" (João Camilo

Leia mais

2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na

2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na Atividade de Estudo Geo/História 5º ano Nome: 1- LIGUE os itens abaixo corretamente. 2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na América? 3- ASSINALE as afirmativas erradas

Leia mais

7 de setembro de 1822 Independência do Brasil.

7 de setembro de 1822 Independência do Brasil. 7 de setembro de 1822 Independência do Brasil. Brasil Império Primeiro Reinado 1822-1831. Período Regencial 1831-1840. Segundo Reinado 1840-1889. Primeiro Reinado 1822-1831 As primeiras dificuldades do

Leia mais

BRASIL IMPÉRIO PRIMEIRO REINADO

BRASIL IMPÉRIO PRIMEIRO REINADO BRASIL IMPÉRIO PRIMEIRO REINADO PRIMEIRO REINADO Portugueses em várias províncias tentaram resistir à independência: Bahia Pará Cisplatina apareceram camadas populares para derrotar resistências portuguesas

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 29 AS REVOLTAS DO PERÍODO REGENCIAL

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 29 AS REVOLTAS DO PERÍODO REGENCIAL HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 29 AS REVOLTAS DO PERÍODO REGENCIAL Como pode cair no enem (UFU) Durante o período das Regências e início do Segundo Reinado, diversas rebeliões colocaram em risco a estabilidade

Leia mais

SEGUNDO REINADO D. PEDRO II

SEGUNDO REINADO D. PEDRO II SEGUNDO REINADO D. PEDRO II 1840 1889 Golpe da Maioridade Proclamação da República GOVERNO = MONARQUIA PARLAMENTARISTA Segundo Reinado, a estrutura e a organização política, econômica e social do Brasil,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 8º História Carol Av. Subst./Optat. 24/11/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

O golpe nada mais foi que a antecipação da maioridade de D. Pedro II, que contava então com um pouco mais de 14 anos.

O golpe nada mais foi que a antecipação da maioridade de D. Pedro II, que contava então com um pouco mais de 14 anos. GOLPE DA MAIORIDADE Desde 1838, estava claro tanto para os LIBERAIS, quanto para os CONSERVADORES que somente a monarquia plena poderia levar o país a superar a sua instabilidade política. O golpe nada

Leia mais

O Império se fortalece

O Império se fortalece A UA UL LA MÓDULO 5 O Império se fortalece Nesta aula A luta contra o autoritarismo de D. Pedro I não havia sido fácil. Foram praticamente nove anos de conflitos entre o imperador e as elites brasileiras.

Leia mais

7 de setembro de 1822 Independência do Brasil.

7 de setembro de 1822 Independência do Brasil. 7 de setembro de 1822 Independência do Brasil. Brasil Império Primeiro Reinado 1822-1831. Período Regencial 1831-1840. Segundo Reinado 1840-1889. Primeiro Reinado 1822-1831 As primeiras dificuldades do

Leia mais

Brasil Império Período Regencial ( )

Brasil Império Período Regencial ( ) Brasil Império Período Regencial (1831 1840) Transição até a maioridade de D. Pedro II. Instabilidade política (agitações internas). Fases: Regência Trina Provisória (abr/jul 1831); Regência Trina Permanente

Leia mais

Aula 15- A Monarquia Brasileira. O Primeiro Reinado (1822/1831)

Aula 15- A Monarquia Brasileira. O Primeiro Reinado (1822/1831) Aula 15- A Monarquia Brasileira. A história da Monarquia Brasileira estará dividida em duas partes. Nesta aula, de número 14, observaremos o Primeiro Reinado e o Período Regencial. Na próxima aula, de

Leia mais

CP/CAEM/2005-2ª AVALIAÇÂO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO ( Valor 6,0 )

CP/CAEM/2005-2ª AVALIAÇÂO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO ( Valor 6,0 ) CP/CAEM/2005-2ª AVALIAÇÂO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO ( Valor 6,0 ) Analisar a influência das questões militar e religiosa na derrocada do Império do Brasil e na conseqüente

Leia mais

QUESTÃO 01 EXPLIQUE o processo político que resultou na abdicação de D. Pedro I em 1831.

QUESTÃO 01 EXPLIQUE o processo político que resultou na abdicação de D. Pedro I em 1831. DISCIPLINA: História PROFESSORES: Leonardo, Renata e Paula. DATA: /12/2014 VALOR: 20,0 pts. NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 8º ANO/E.F. TURMA: NOME COMPLETO: Nº: Caro Aluno (a), A avaliação

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA A ERA NAPOLEÔNICA

IDADE CONTEMPORÂNEA A ERA NAPOLEÔNICA ERA NAPOLEÔNICA (1799 1815) Prof. João Gabriel da Fonseca joaogabriel_fonseca@hotmail.com 1 - O CONSULADO (1799 1804): Pacificação interna e externa. Acordos de paz com países vizinhos. Acordo com a Igreja

Leia mais

Jimboê. História. Avaliação. Projeto. 5 o ano. 1 o bimestre

Jimboê. História. Avaliação. Projeto. 5 o ano. 1 o bimestre Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao primeiro bimestre escolar ou à Unidade 1 do Livro do Aluno. Projeto Jimboê História 5 o ano Avaliação 1 o bimestre 1 Avaliação História NOME: ESCOLA:

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Professor Marcelo Pitana

REVOLUÇÃO FRANCESA. Professor Marcelo Pitana REVOLUÇÃO FRANCESA Professor Marcelo Pitana REVOLUÇÃO FRANCESA (1789 Queda da Bastilha) Antecedentes: - Ideais iluministas (liberais); - Abuso de poder da nobreza; - Pompa das cortes; - Déficit orçamentário;

Leia mais

A) POLÍTICA INTERNA L be b rais: Conservadores:

A) POLÍTICA INTERNA L be b rais: Conservadores: Segundo Reinado A) POLÍTICA INTERNA 3 fases: Consolidação (1840 1850): Conciliação (1850 1870): Crise (1870 1889): 2 correntes políticas: Liberais: profissionais liberais urbanos, latifundiários ligados

Leia mais

Regências e Segundo Reinado. Alan

Regências e Segundo Reinado. Alan Regências e Segundo Reinado Alan O Período Regencial Inicia-se com a abdicação de D. Pedro I, em 07 de Abril de 1831 e segue até o Golpe da Maioridade, em 1840. Trata-se de um período marcado por especial

Leia mais

UDESC 2017/1 HISTÓRIA. Comentário

UDESC 2017/1 HISTÓRIA. Comentário HISTÓRIA Apesar da grande manifestação em São Paulo, no ano de 1984, com a presença de políticos como Ulisses Guimarães, a emenda Dante de Oliveira, que restabelecia as eleições presidenciais diretas,

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 2º Turma: Data: 04/06/2011 Nota: Professora: Élida Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol 1 Os exercícios deverão ser feitos no livro. Predicado Verbal Leitura: págs. 91 e 92 do livro

Leia mais

Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real.

Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. O que foram os movimentos de pré-independência? Séculos XVIII e XIX grandes mudanças afetaram o Brasil... MUNDO... Hegemonia das ideias

Leia mais

UFSC. Resposta: 11. Comentário

UFSC. Resposta: 11. Comentário Resposta: 11 01. Correta. 02. Correta. 04. Incorreta. A divisão em períodos da história feita por historiadores europeus não necessariamente deve ser empregada, e não é por diferentes povos do mundo. Foi

Leia mais

Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA

Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2013 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Série: 2ª Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Crise dos monopólios e pactos. Contestação do antigo regime, eclosão das revoluções liberais, ascensão burguesa.

Crise dos monopólios e pactos. Contestação do antigo regime, eclosão das revoluções liberais, ascensão burguesa. Período Joanino: 1808-1821 Contexto: Bloqueio continental napoleônico em 1806. Ameaça de intervenção francesa. recebe um ultimato franco-espanhol: fechar os portos aos ingleses, confiscar seus bens e Ascensão

Leia mais

Campos Salles ( ), firmou um pacto de poder chamado de Política dos Governadores.

Campos Salles ( ), firmou um pacto de poder chamado de Política dos Governadores. Campos Salles (1898-1902), firmou um pacto de poder chamado de Política dos Governadores. Um compromisso político entre o governo federal e as oligarquias que governavam os estados tendo por objetivo acabar

Leia mais

O Segundo Reinado Golpe da Maioridade

O Segundo Reinado Golpe da Maioridade O Segundo Reinado O Segundo Reinado foi o período da História do Brasil Império em que Dom Pedro II governou o país. Iniciou-se em 1840 com o Golpe da Maioridade e terminou com a Proclamação da República

Leia mais

História do Brasil Império

História do Brasil Império História do Brasil Império Aula VII Objetivo: estudar as revoltas do período regencial. A) A Cabanagem no Pará. A situação do Pará estava conturbada desde a independência, quando a elite tradicional de

Leia mais

A República do Café - II. Prof. Thiago História C Aula 10

A República do Café - II. Prof. Thiago História C Aula 10 A República do Café - II Prof. Thiago História C Aula 10 Hermes da Fonseca (1910-1914) Política Salvacionista Enfrenta a Revolta da Chibata Criou a faixa presidencial; Único presidente a casar durante

Leia mais

PRIMEIRO REINADO RESUMO

PRIMEIRO REINADO RESUMO PRIMEIRO REINADO RESUMO 1. INTRODUÇÃO: A independência brasileira foi uma revolta contra a recolonização que as Cortes portuguesas propunham e representam uma continuidade com o período joanino. O Império

Leia mais

O Brasil Império. Primeiro Reinado. Situação econômica

O Brasil Império. Primeiro Reinado. Situação econômica O Brasil Império O período do Brasil Império teve início em 1822, com a proclamação da Independência, e durou até 1889, quando foi instaurada a República. Para tanto, esse arco temporal é convencionalmente

Leia mais

Mantendo a unidade. Segui, ó brasileiros, o exemplo dos bravos MÓDULO 5. Abertura. Movimento. Rio de Janeiro, a nova Lisboa?

Mantendo a unidade. Segui, ó brasileiros, o exemplo dos bravos MÓDULO 5. Abertura. Movimento. Rio de Janeiro, a nova Lisboa? A U A UL LA MÓDULO 5 Mantendo a unidade Abertura Segui, ó brasileiros, o exemplo dos bravos habitantes da zona tórrida; imitai os valentes das províncias que vão estabelecer seu governo debaixo do melhor

Leia mais

Prof. André Vinícius.

Prof. André Vinícius. 1 - Diferentes projetos republicanos: República Positivista: centralização política nas mãos do presidente. Postura predominante entre os militares. Prevaleceu entre 1889 e 1894, durante a chamada República

Leia mais

História B aula 17 As Revoluções Russas.

História B aula 17 As Revoluções Russas. História B aula 17 As Revoluções Russas. Primeira revolução vitoriosa inspirada no socialismo Antecedentes do processo revolucionário... Características da Rússia na virada do século XIX: -Governada pelo

Leia mais

1º REINADO PERÍODO REGENCIAL 2º REINADO PROF. SORMANY ALVES

1º REINADO PERÍODO REGENCIAL 2º REINADO PROF. SORMANY ALVES 1º REINADO PERÍODO REGENCIAL 2º REINADO PROF. SORMANY ALVES O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA A ERA JOANINA D. JOÃO VI Em 1806 Napoleão Bonaparte, seguindo sua política expansionista, decreta o Bloqueio Continental,

Leia mais

A República da Espada. Prof. Thiago História C Aula 08

A República da Espada. Prof. Thiago História C Aula 08 A República da Espada Prof. Thiago História C Aula 08 O Novo Regime Proclamação da República Militares ideário positivista Cafeicultores defesa do federalismo Classe Média desenvolvimento industrial e

Leia mais

BRASIL COLÔNIA ( )

BRASIL COLÔNIA ( ) 2 - REVOLTAS EMANCIPACIONISTAS: Século XVIII (final) e XIX (início). Objetivo: separação de Portugal (independência). Nacionalistas. Influenciadas pelo iluminismo, independência dos EUA e Revolução Francesa.

Leia mais

O Primeiro Reinado ( )

O Primeiro Reinado ( ) O Primeiro Reinado (1822-1831) Quadro Independência ou Morte, de Pedro Américo (óleo sobre tela, 1888) Prof.ª. Maria Auxiliadora Problemas após o 07 de Setembro 1822 1º A luta pelo poder o príncipe, alta

Leia mais

Era Vargas. Do Governo Provisório ao Estado Novo

Era Vargas. Do Governo Provisório ao Estado Novo Era Vargas Do Governo Provisório ao Estado Novo Períodos Governo provisório (1930-1934) Tomada de poder contra as oligarquias tradicionais Governo Constitucional (1934-1937) Período legalista entre dois

Leia mais

PRIMEIRO REINADO ( ) Prof. Victor Creti Bruzadelli

PRIMEIRO REINADO ( ) Prof. Victor Creti Bruzadelli PRIMEIRO REINADO (1822-1831) Prof. Victor Creti Bruzadelli Construindo o Estado Brasileiro Pontos fundamentais: Guerras de independência; Reconhecimento internacional da independência; Manutenção da unidade

Leia mais

Prof. Tácius Fernandes História

Prof. Tácius Fernandes História Prof. Tácius Fernandes História 1808 - Chegada da Família Real ao Brasil Abertura dos portos às Nações Amigas - Ruptura do Pacto Colonial. Capitalizar a economia inglesa - Vencer Napoleão. Adquiriu maior

Leia mais

GOVERNO DEODORO DA FONSECA

GOVERNO DEODORO DA FONSECA GOVERNO DEODORO DA FONSECA GOVERNO PROVISÓRIO (1889/1891) 1- Primeiras medidas: Fim do Senado vitalício e do conselho de Estado, Dissolução da Câmara dos Deputados, Separação entre Igreja e Estado (extinção

Leia mais

Assembléia Constituinte de 1823: no dia 3 de maio de 1823, reuniu-se, no Rio de Janeiro, uma Assembléia, composta, em sua maioria, de ricos

Assembléia Constituinte de 1823: no dia 3 de maio de 1823, reuniu-se, no Rio de Janeiro, uma Assembléia, composta, em sua maioria, de ricos Assembléia Constituinte de 1823: no dia 3 de maio de 1823, reuniu-se, no Rio de Janeiro, uma Assembléia, composta, em sua maioria, de ricos proprietários de terras, cujo objetivo era elaborar a primeira

Leia mais

Século XVIII no Brasil. Primeiras rebeliões separatistas

Século XVIII no Brasil. Primeiras rebeliões separatistas Século XVIII no Brasil Primeiras rebeliões separatistas 1789- Inconfidência Mineira Inspiração iluminista liberal Influência da Independência dos Estados Unidos Projeto liberal: capitalismo, desenvolver

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Tema Transversal: Casa comum, nossa responsabilidade. Disciplina: História / ESTUDOS AUTÔNOMOS Série: 5ª - Ensino Fundamental Aluno(a): N o : Turma: Professora: Data: 28 / 6 / 2016

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DO BRASIL. Prof. Victor Creti Bruzadelli

INDEPENDÊNCIA DO BRASIL. Prof. Victor Creti Bruzadelli INDEPENDÊNCIA DO BRASIL Prof. Victor Creti Bruzadelli Era das Revoluções Conceito de Eric Hobsbawn: Processo amplo de decadência do Antigo Regime e da ascensão de novos modelos políticos e grupos sociais

Leia mais

SOMOS DA AMÉRICA E QUEREMOS SER AMERICANOS ONDE TUDO COMEÇOU?

SOMOS DA AMÉRICA E QUEREMOS SER AMERICANOS ONDE TUDO COMEÇOU? A CAMINHO DA REPÚBLICA fatos que antecederam a P. da República 1870 RIO DE JANEIRO fundação do Partido Republicano e lançamento do MANISFESTO REPUBLICANO por Quintino Bocaiúva SOMOS DA AMÉRICA E QUEREMOS

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: História Série: 8ª Ensino Fundamental Professora: Letícia História Atividades para Estudos Autônomos Data: 03 / 10 / 2016 Aluno(a): Nº: Turma:

Leia mais

HISTÓRIA DO BRASIL - REGÊNCIA

HISTÓRIA DO BRASIL - REGÊNCIA 1. (Uece 2014) O período historicamente conhecido como Período Regencial foi caracterizado a) por rebeliões populares cujas ações exigiam o retorno da antiga realidade social com a volta de Pedro I ao

Leia mais

A RÚSSIA IMPERIAL monarquia absolutista czar

A RÚSSIA IMPERIAL monarquia absolutista czar A RÚSSIA IMPERIAL Desde o século XVI até a Revolução de 1917 a Rússia foi governada por uma monarquia absolutista; O rei era chamado czar; O czar Alexandre II (1818-1881) deu início, na metade do século

Leia mais

T I V I D A D E ALUNO (A): Nº

T I V I D A D E ALUNO (A): Nº SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 2º TURMA(S):

Leia mais

Avaliação Bimestral de História

Avaliação Bimestral de História HISTÓRIA DÉBORA 06 / 04 / 2015 5º ano 1º. Bimestre Abril / 2015 valor 10 pontos Avaliação Bimestral de História Lembre-se que esta avaliação tem o valor de 10 (dez) pontos. Preencha o cabeçalho com letra

Leia mais

Segundo Reinado Guerra do Paraguai

Segundo Reinado Guerra do Paraguai Segundo Reinado Segundo Reinado Guerra do Paraguai A Guerra do Paraguai foi o maior conflito armado internacional ocorrido na América do Sul no século 19. Rivalidades platinas e a formação de Estados nacionais

Leia mais

Principais revoltas do período: Cabanagem, Balaiada, Sabinada e Revolução Farroupilha.

Principais revoltas do período: Cabanagem, Balaiada, Sabinada e Revolução Farroupilha. Principais revoltas do período: Cabanagem, Balaiada, Sabinada e Revolução Farroupilha. Observe no mapa abaixo a localização das principais revoltas do período regencial. A CABANAGEM (1834-1840) A Cabanagem

Leia mais

8. MOVIMENTOS SOCIAIS PELA IGUALDADE E LIBERDADE

8. MOVIMENTOS SOCIAIS PELA IGUALDADE E LIBERDADE 8. MOVIMENTOS SOCIAIS PELA IGUALDADE E LIBERDADE 1. Observe as informações e relacione o movimento social ocorrido durante o período da República à sua correta descrição. I. Movimento que lutava pelo retorno

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1934

CONSTITUIÇÃO DE 1934 Vargas INTRODUÇÃO Neste livro você vai ler sobre a Era Vargas. Solicitado pela professora Valéria, da disciplina de História, escrito por Manuela Rottava, com caráter avaliativo. Tem destaque nas seguintes

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA A REVOLUÇÃO FRANCESA. Prof. Iair. Prof. Jorge Diacópulos

IDADE CONTEMPORÂNEA A REVOLUÇÃO FRANCESA. Prof. Iair. Prof. Jorge Diacópulos Prof. Jorge Diacópulos Revolução burguesa. Antecedentes/causas: IDADE CONTEMPORÂNEA Maior população da Europa Ocidental (25 milhões). 80% rural. Absolutismo parasitário Luís XVI Festas, banquetes, pensões,

Leia mais

9. América Latina: lutas pela emancipação política. Páginas 04 à 17.

9. América Latina: lutas pela emancipação política. Páginas 04 à 17. 9. América Latina: lutas pela emancipação política Páginas 04 à 17. Mas por que essa parte da América é denominada latina? TROCA DE IDEIAS LEITURA DO TEXTO PÁGINA 04. QUESTÕES 1 e 2 PÁGINA 05. América

Leia mais

EVOLUÇÃO POLÍTICA DE ROMA

EVOLUÇÃO POLÍTICA DE ROMA EVOLUÇÃO POLÍTICA DE ROMA Aula 08 história 01 Profº Thiago POVOAMENTO DA ITÁLIA E ORIGEM DE ROMA Ocupação da Península Itálica (2000 a.c.) Gregos Italiotas (latinos, sabinos, samnitas, volscos, etc.) Etruscos

Leia mais

PERÍODO COLONIAL

PERÍODO COLONIAL PERÍODO COLONIAL 1530-1808 POLÍTICA ADMINISTRATIVA 1º - SISTEMA DE CAPITANIAS HEREDITÁRIAS 1534-1548 2º SISTEMA DE GOVERNO GERAL 1548-1808 PERÍODO COLONIAL 1530-1808 ATIVIDADES ECONÔMICAS CICLO DO AÇÚCAR

Leia mais

DICAS DO PROFESSOR. História 6º Ano

DICAS DO PROFESSOR. História 6º Ano DICAS DO PROFESSOR História 6º Ano ROMA ANTIGA fases: séculos: IIIdC JC I ac VI ac VIIIaC IMPÉRIO REPÚBLICA MONARQUIA Auge da civilização romana; Pão e circo e Pax Romana; Cristianismo; Bárbaros; Crise.

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 17 REBELIÕES COLONIAIS

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 17 REBELIÕES COLONIAIS HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 17 REBELIÕES COLONIAIS Fixação 1) (FGV) Outra preocupação da Coroa foi a de estabelecer limites à entrada na região das minas. Nos primeiros tempos da atividade mineradora, a

Leia mais

01- Sobre a transferência da família real portuguesa para a América responda as questões a seguir:

01- Sobre a transferência da família real portuguesa para a América responda as questões a seguir: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 7º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================= Período Joanino 01- Sobre a transferência

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 COLÔNIA PLANO DE CURSO VIVER NO BRASIL *Identificar os agentes de ocupação das bandeiras *Conhecer e valorizar a história da capoeira *Analisar a exploração da Mata Atlântica *Compreender a administração

Leia mais

Século XVIII. Revolução francesa: o fim da Idade Moderna

Século XVIII. Revolução francesa: o fim da Idade Moderna Século XVIII Revolução francesa: o fim da Idade Moderna Marco inicial: tomada da Bastilha Assembleia Nacional Consituinte 1789-1792 Nova Constituição (liberal) para a França; Alta burguesia assume o comando

Leia mais

O DESPERTAR DE UM NOVO TEMPO

O DESPERTAR DE UM NOVO TEMPO O DESPERTAR DE UM NOVO TEMPO INTRODUÇÃO: Compreendendo as causas da Revolução Francesa DEFINIÇÃO Revolução burguesa; Marca a transição da Idade Moderna para a Idade Contemporânea; Destruiu o chamado Antigo

Leia mais

Curso de História. Prof. Fabio Pablo. efabiopablo.wordpress.com

Curso de História. Prof. Fabio Pablo. efabiopablo.wordpress.com Conteúdo Multimídia Liberalismo e Democracia no Brasil do século XIX O ministério de José Bonifácio A Assembleia Constituinte A Carta outorgada de 1824 A Confederação do Equador (1824) Dificuldades e contradições

Leia mais

Crise econômica provocada pela quebra da bolsa de valores de Nova York 1929, O rompimento da república café-com-leite, com o apoio

Crise econômica provocada pela quebra da bolsa de valores de Nova York 1929, O rompimento da república café-com-leite, com o apoio A Era do populismo Professor: Márcio Gurgel Os antecedentes da revolução de 1930 o Crise econômica provocada pela quebra da bolsa de valores de Nova York 1929, o O rompimento da república café-com-leite,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 2º EM História Carol Av. Trimestral 27/05/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais